Termos de Referência Implementação de um Sistema de Monitoria para o Programa EnDev Moçambique

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Termos de Referência Implementação de um Sistema de Monitoria para o Programa EnDev Moçambique"

Transcrição

1 Terms de Referência Implementaçã de um Sistema de Mnitria para Prgrama EnDev Mçambique O Prject O prgrama EnDev é uma iniciativa cnjunta da Alemanha, Hlanda, Austrália e Nruega para aumentar acess as serviçs mderns de energia baseads na energia sustentável, implementad pel GIZ em 28 países. A cmpnente da Bimassa e de Fgões Melhrads especificamente destinads a Mçambique n tp das actividades EnDev existentes em utrs sectres cm micrhydr e Slar PV. A cmpnente irá frnecer até final de 2015 à energia mderna de czinha para beneficiáris. A abrdagem d GIZ EnDev-Mçambique n camp das tecnlgias limpas de czinha, irá cnsistir principalmente na frmaçã de prdutres de fgões, actividades de api a marketing e campanhas de sensibilizaçã, intrduçã de nvs tips de fgões e garantir a alta qualidade ds fgões. A Cmpnente EnDev de Bimassa melhrada d GIZ em Mçambique será implementada em cperaçã cm a SNV- Organizaçã Hlandesa de Desenvlviment e utrs parceirs que serã parte da equipa de execuçã da EnDev. O GIZ assinu um acrd de cncessã cm a SNV para a prduçã, disseminaçã e cmercializaçã de fgões até final de A cmpnente EnDev de Bimassa melhrada d GIZ em Mçambique desenvlveu um cnceit de mnitria para melhrar acmpanhament das actividades, a mnitria ds impacts e a capacidade de rastrei ds fgões implementads pels diferentes parceirs. Cm parte deste cntrat, a SNV irá cntratar s serviçs de uma empresa de TI, cm experiência cmprvada na implementaçã de sistemas de gestã de inquérits para desenvlver sistema EnDev M&E d GIZ. O prject será implementad em duas fases sequenciais, e dis cntrats separads serã emitids para empreiteir, para cada fase. A primeira fase d sistema será cntratada pela SNV cm parte d acrd GIZ-SNV.

2 Partes destes TR Neste dcument, term Cliente se refere a Prgrama GIZ EnDev send destinatári ds resultads/prduts especificads neste dcument, representad pel seu gestr de prject, Sr. Dirk Van Eijk. O term Empreiteir se refere a pessa, grup de pessas, u entidade legal send signatária, a um cntrat cm cliente, d qual estes Terms de Referência (TR) sã uma parte integrante. Os prjects GIZ EnDev e seus parceirs sã s principais usuáris ds resultads/prduts. A Tarefa Infrmaçã O prject EnDev Mzambique executad pela Deutsche Gesellschaft für Internatinale Zusammenarbeit (GIZ) está a necessitar de um sistema que pssa autmatizar prcess de reclha de dads de base para criar prjects que pssam efectivamente cntribuir para uma mudança benéfica e pssam autmatizar a reclha de dads de parâmetrs de desempenh técnic pós-implementaçã d prject para medir efectivamente s níveis de melhrias em cmparaçã cm a linha de base riginal. Os prjects sã mnitrads usand uma série de exames que sã reclhids peridicamente e durante diferentes fases ds prjects, incluind a reclha de dads de base, mnitria d prject, testes de desempenh da czinha, testes de cntrl de czinha, testes de fervura da água e utrs. Objectivs d Trabalh O bjectiv desta tarefa é frnecer à GIZ EnDev Mçambique um sistema que pssa autmatizar prcess de reclha de dads de tds esses inquérits, melhrand a precisã e a fiabilidade d prcess de reclha de dads. A reclha de dads deve ser mais autmática pssível e feita usand cmputadres tablet que pssam garantir a captura de dads de elevada qualidade, permitir ge-tagging d prcess de pesquisa e permitir a captura de ftgrafias d ambiente n qual estes prjects sã executads, mas deve também suprtar a reclha manual de dads nde s cmputadres tablet nã estejam dispníveis permitind a transcriçã de inquérits específics a site.

3 Questões Chave / Características d Trabalh Para alcançar s seus bjectivs, este trabalh irá abrdar as seguintes questões chave, e/u s resultads irã cnter (mas nã necessariamente estarem limitads a) as seguintes questões chave: O sistema necessári deve permitir a captura de dads de base e de desempenh para váris prjects dad ambiente em cnstante mudança n qual GIZ está a implementar estes prjects. A sluçã requer um sistema de multi-camadas, nde s questináris para as medições de base e de desempenh pssam ser desenhads, s questináris pssam ser capturads n camp usand aplicações móveis u transcritas, e s dads reclhids pssam ser facilmente visualizads, analisads e exprtads para ferramentas estatísticas. As cmpnentes necessárias sã apresentadas na figura a seguir: (16) Stve Shwcase Stve Data Stre (13) Stve Data (15) Stve Data Maps and Kitchen Survey List Survey Stre (6) Survey Data Cllected Data Survey Designer Survey Manager (1) Survey Management System Raw Data (8) Survey Visualizatin and Analysis Raw Data Charts Raw Data fr Excel r Statistical Packages (14) Stve Prductin and Sale Data Entry System (2) Survey Web-Based Data Entry System Save (12) Generic Survey App fr Andrid Tablet Save (3) Cntrlled Cking Test Mbile App fr Andrid Tablet QA Save (4) Water Biling Test Mbile App fr Andrid Tablet Save (5) Kitchen Perfrmance Test Mbile App fr Andrid Tablet (7) Survey Reprting Engine Cllated Data (9) Cntrlled Cking Test Reprt Generatr (10) Water Biling Test Reprt Generatr (11) Kitchen Perfrmance Test Reprt Generatr Data Input Data Input Data Input Data Input Cllated Data Cllated Data Raw Data Raw Data Raw Data Reprt Raw Data fr Excel r Statistical Packages Reprt Raw Data fr Excel r Statistical Packages Reprt Raw Data fr Excel r Statistical Packages Data Input Data Input Satisfactin Survey Baseline Survey Stve Prductin Stve Prductin Baseline Survey Test Frms Stve Prductin Baseline Survey

4 (1), (6) e (7). Esses cmpnentes estã n craçã da estratégia de reclha de dads que visa aumentar a qualidade ds dads na rganizaçã, vist que pdem capturar e gerir uma vasta gama de inquérits que sã prjectads na rganizaçã. (2). A interface baseada na Web deve permitir que s usuáris acedam a inquérit u frmem dads que tenham sid capturads n papel cm validações inteligentes garantind dads de elevada qualidade. (12). Uma aplicaçã infrmática Tablet de bjectiv geral que seja capaz de realizar inquérit n site cm ge-tagging e cm a pssibilidade de captura de dads ftgráfics assciads cm s inquérits capturadas. (3), (4) e (5). Aplicações infrmáticas Tablet de bjectiv especial que se especializem na captura de dads ds Testes de Fervura de Água, Testes de Cntrl Culinári e Testes de Desempenh da Czinha de uma frma que guie s entrevistadres ns prtcls para esses testes e previna a manipulaçã de dads. (8). Mtr de visualizaçã de pesquisa genérica que pssa exibir graficamente dads d inquérit cnfrme frem send capturads, permitind a descberta de estruturas e relações dentr ds dads reclhids. (9), (10) e (11). Relatóris específics as dmínis para s testes WBT, CCT, e KPT. (13), (14), (15) e (16). Uma aplicaçã de regist de fgões baseada na Web que pde gravar a prduçã básica e vender dads para fgões e pde reprtá-ls num mapa de Mçambique para analisar a venda e us ds fgões pela central de prduçã, tip de fgã, regiã de venda, data de prduçã, etc. O regist deve permitir armazenament da infrmaçã básica sbre fgões de frma a que pssa ser exibida numa pasta que pde ser vista na Web pr cmputadres, tablets u telefnes celulares. Resultads / Entregáveis O Sistema M&E será implementad em três línguas (Inglês, Espanhl e Prtuguês) e deve incluir s seguintes módul: Segurança Gestr da Pedquisa Cnstrutr Questinári

5 Analizadr Aplicaçã Andrid O Módul de Segurança nã se deve estar apenas n cmand ds papéis e permissões para usuáris mas também n cmand de dar permissões para s usuáris quand eles acessam um inquérit u um questinári. As suas características devem ser: Os usuáris devem ser permitids n sistema apenas através uma cmbinaçã usuári + palavra passe. Quand implementad, administradr d sistema irá decidir nível mínim de cmplexidade para a palavra passe. O administradr pde recuperar a sua palavra passe em cas de perdê-la. Os usuáris pdem recuperar as suas palavras passe através de um prcess padrã de verificaçã de Cnfirmaçã d regist ds usuáris usand garantind a cmunicaçã entre sistema e nv usuári. Os administradres pdem atribuir permissões específicas as papéis Um usuári pde ter tants papéis quant necessáris O administradr pde atribuir permissões específicas as usuáris O sistema pde ser cnfigurad para registar apenas usuáris cnvidads u qualquer usuári. O sistema recnhece país a partir de nde usuári está a acessar a sistema O sistema recnhece idima preferid d usuári n qual sistema irá exibir a infrmaçã. O sistema deve permitir que usuári altere a interface d idima e salve esta pçã cm uma preferência. O sistema deve blquear um usuári pr um períd de temp quand usuári falha acess 5 vezes seguidas. O Módul d gestr deve permitir que dn da pesquisa pssa geri-la para permitir que s questináris sejam capturads, publicads, publicar a sua pesquisa, ver seu prgress, atribuir nvs usuáris, etc. As suas características devem ser: Se usuári tiver permissões suficientes, ele/ela deve ser capaz de criar inquérits

6 Os usuáris que pdem criar inquérits devem ser capazes de especificar as restrições que devem ser validadas quand s dads sã inserids ns questináris (ex. a idade deve ser superir a 21, a sma d camp A, camp B e camp C deve ser menr d que camp D, etc.) Quand s questináris deixam de cumprir as restrições, s questináris devem ser clcads em quarentena até que administradr pssa analisá-ls. O sistema deve definir pel mens 4 tips de usuáris para cada pesquisa: Gestr da Pesquisa: administrad da pesquisa Editr: s usuáris devem ser permitids mdificar inquérit, apenas quand inquérit é editável. Enumeradr: usuári respnsável pela captura ds questináris. Validadr: usuári que deve validar s questináris que tenham sid submetids mas que tenham terminad em quarentena pr nã terem cumprid cm as restrições definidas da pesquisa. O gestr da pesquisa deve ser capaz de atribuir qualquer papel da pesquisa a um usuári específic. O gestr da pesquisa deve ser capaz de esclher delegar prcess de enumeraçã directamente para s sujeits pesquisads enviand s questináris pr O gestr da pesquisa deve ser capaz de definir status da pesquisa em um ds diferentes estads: Ediçã: a pesquisa está a ser editada/preparada Publicada: A pesquisa pde capturar nvs dads de questináris Terminad: a pesquisa nã pde ser editada u capturada. Este estad é estad final d cstume. Usuáris atribuíds a uma pesquisa devem ser ntificads pr O gestr da pesquisa deve ser capaz de atribuir questináris a serem capturads para enumeradres (recenseadres) O gestr da pesquisa deve ser capaz de ver prgress de: Preparaçã d Questinári Captura d Questinári

7 Validaçã d Questinári O gestr da pesquisa deve ser capaz de esclher evitar pass da validaçã da quarentena para uma pesquisa. O módul de Cnstrutr deve ser respnsável pela criaçã da pesquisa. Este módul deve deixar gestr da pesquisa definir até menr detalhe das questões e regras de validaçã num questinári. O sistema deve permitir a ediçã de uma pesquisa apenas para um gestr de pesquisa u usuári atribuíd cm editr O editr da pesquisa deve permitir Adicinar nvas perguntas a inquérit Remver perguntas d inquérit Editar uma pergunta d inquérit O editr da pesquisa deve permitir muitas secções para um inquérit Se a pesquisa tiver dads de meda (quantias), editr da pesquisa deve pedir para definir a meda da pesquisa. Ist deve permitir a analisadr mstrar tds s relatóris incluind na meda da pesquisa. O editr da pesquisa deve ser capaz de mudar a rdem de qualquer pergunta u secçã O editr da pesquisa deve ser capaz de definir variáveis cm fórmulas cmplexas para validar um questinári u calcular nvas infrmações a partir ds dads inserids num questinári. O editr da pesquisa deve ser capaz de adicinar tds estes tips de questões: Númer Inteir Decimal Text An Data Temp Prcent

8 Escala de classificaçã Esclha Múltipla cm selecçã múltipla u nã Valr Cmputarizad Blean Quantia, permitind a usuári mudar u nã a meda País Tip de Meda Crdenadas Gegráficas (Ge-Tags) Imagem (Fts) O editr da pesquisa deve ser capaz de definir as questões de mesa que actuam cm recipientes de perguntas. Ist iria permitir que editr da pesquisa fizesse layut (elabrasse) as perguntas cnfrme necessári. O editr da pesquisa deve ser capaz de definir regras cmplexas de validaçã para uma pesquisa através das restrições: Restrições frtes: estas impedem a submissã d questinári. Restrições flexíveis: estas impedem a submissã d questinári a nã ser que s enumeradres expliquem a vilaçã da restriçã. Restrições fracas: estas NÃO impedem a submissã d questinári mas avisam a enumeradr sbre a questã em linha O editr da pesquisa deve ser capaz de definir a regra de restriçã através d editr da fórmula que sugere as perações permitidas dependend d tip de dads esperads (validaçã da gramática). O editr da pesquisa deve ser capaz de analisar questinári para verificar a funcinalidade que enumeradr terá. O editr da pesquisa deve ser capaz de definir as regras de exibiçã das perguntas dependend ds seus valres. Ist irá permitir escnder/mstrar algumas perguntas dependend ds valres das utras questões. O módul questinári será respnsável pr gerar questinári e td códig de validaçã d lad d cliente. Este módul incluirá também prcess de validaçã d servidr necessári quand s dads d questinári sã enviads directamente para sistema.

9 O sistema irá interpretar tda a estrutura da pesquisa e regras de validaçã e gera códig web recebid pel pesquisadr d enumeradr para preencher questinári. O códig d cliente garante aplicaçã imediata de tdas as regras de validaçã para enumeradr, mesm se a ligaçã a servidr fr perdida. O questinári pde ser salv para cntinuar a preenchê-l num mment psterir. A funçã de salvar pde ser activada mesm para questináris enviads directamente para s. O questinári será autmaticamente salv a cada 3 minuts para garantir que enumeradr nã perca qualquer infrmaçã O questinári pde ser verificad a qualquer mment para verificar se há restrições quebradas. A interface d questinári indica as usuáris explicitamente nde estã as perguntas que precisam de ser crrigidas. A interface d questinári irá permitir a validadr da quarentena validar explicitamente perguntas que tenham restrições flexíveis e fracas que tenham sid quebradas. O validadr da quarentena pde devlver questinári a enumeradr junt cm indicações sbre cm crrigir s valres d questinári a ser re-submetid. O enumeradr pde submeter questinári a sistema. Tds s usuáris da pesquisa pdem ver as tarefas atribuídas para preencher s questináris u para validar aqueles que estã em quarentena dependend ds seus papéis. O módul de Analisadr deve permitir a análise de dads capturads ns questináris de pesquisa. A análise cnsiste em análises gráficas através de histgramas, gráfics de barras, gráfics de blhas e gráfics de pizza. A análise também pde ser feita através da inspecçã ds dads bruts da pesquisa. O gestr da pesquisa pde analisar uma pesquisa em qualquer mment, independentemente de qualquer que seja estad da pesquisa. O sistema pde autmaticamente transfrmar tds s dads d questinári em dads analítics.

10 O sistema pde transfrmar tdas as perguntas em dis principais tips de variáveis: lista e numérica. As variáveis de lista pdem ser usadas em algum eix d gráfic e variáveis numéricas n utr eix. O sistema define diferentes tips de gráfics: histgrama, gráfic de barras, gráfics de blhas e gráfics de pizzas. O gestr de pesquisas pde mudar facilmente eix através de um seleccinadr da variável lcalizad em cada eix d gráfic. O gestr da pesquisa pde ver qualquer variável lista em frma de histgrama. Ist irá mstrar a cntagem de valres para cada um ds valres da lista. O gestr da pesquisa pde ver qualquer variável lista cntra uma variável numérica num gráfic de barras. O gestr da pesquisa pde ver até 3 variáveis numéricas em um gráfic de blhas de tamanh x,y chamad gráfic de blhas. O gráfic pde exibir uma blha para cada valr numa variável lista. O Gestr da pesquisa pde traçar muitas series em qualquer gráfic esclend uma variável de lista. O gráfic irá traçar uma série para cada um ds valres da variável lista. O gestr da pesquisa pde esclher filtrar s valres em qualquer gráfic esclhend um u mais valres de uma variável lista. O gestr da pesquisa pde redefinir s valres para tds s seleccinadres de variável. O gestr da pesquisa pde exprtar gráfic para uma imagem PNG/JPG O gestr da pesquisa pde exprtar gráfic para um frmat PDF junt cm tda a infrmaçã em cada um ds eixs, séries e seleccinadres de filtr. O gestr da pesquisa pde exprtar s dads bruts d gráfic numa flha de cálcul Excel junt cm tda a infrmaçã de cada um ds eixs, séries e seleccinadres de filtr. A Aplicaçã Andrid deve ser uma aplicaçã genérica para Andrid Tablets que pdem ser usads cm ferramenta de captura para qualquer pesquisa. Esta aplicaçã deve ter as seguintes características: A aplicaçã andrid deve permitir entrar n sistema e ser autenticad cntra a infrmaçã de usuári d servidr.

11 O usuári apenas pde acessar às tarefas da pesquisa atribuídas a si para preencher um questinári. A aplicaçã andrid pde baixar (dwnlad) uma estrutura de pesquisa cmpleta. A aplicaçã andrid deve interpretar e exibir um questinári numa interface andrid nativa para que usuári preencha rápida e facilmente um questinári n camp. A aplicaçã andrid nã deve precisar de estar nline para ser capaz de capturar um questinári. Tdas as restrições da pesquisa e regras de exibiçã devem ser aplicadas na interface d andrid. Os dads de questinári capturads cm a interface andrid devem ser armazenads lcalmente n dispsitiv andrid Os dads d questinári pdem ser carregads para sistema nline pel enumeradr. O sistema pde identificar questináris duplicads quand carregads. Desta frma sistema pde esclher inserir u actualizar s dads d questinári. Plan de Implementaçã / Calendári O prject será implementad em duas fases sequenciais, e dis cntrats separads serã emitids para empreiteir, para cada fase. A Fase 1 irá incluir tdas as funcinalidades necessárias para implementar sistema para que pssa ser usad cm um navegadr da web. A Fase I incluiria sftware d Servidr da Pesquisa, s questináris necessáris para reclher s testes WBT, CCT, e KPT, s questináris necessáris para reclher dads de base, a Aplicaçã de Servidr de Regist de Fgões e s relatóris KPT, CCT e WBT. A Fase 2 irá incluir desenh e implementaçã de uma aplicaçã Andrid Tablet para reclha de dads KPT, desenh e implementaçã de uma aplicaçã Andrid Tablet para reclha de dads CCT, desenh e implementaçã de uma aplicaçã Andrid Tablet para reclha de dads WBT, e desenh e desenvlviment da aplicaçã tablet de pesquisa genérica.

12 Num períd de um mês após empreiteir ter entregue s prduts para a Fase 1, cliente irá avaliar sucess da implementaçã e irá decidir se a Fase 2 deve ser executada. O empreiteir será ntificad em qualquer ds cass e se cliente decidir implementar a Fase 2, empreiteir deve garantir que as actividades crrespndentes irã cmeçar imediatamente. Se cliente nã desejar executar a Fase 2, empreiteir será ntificad e esta fase será cancelada sem prejuíz nem para cliente e nem para empreiteir. A Fase 1 deve ser cncluída num períd de 12 semanas a partir d mment que s cntrats sã assinads e a Fase 2 deve ser cncluída num períd de 16 semanas a partir d temp em que s respectivs cntrats sã assinads. O empreiteir deve frnecer cinc semanas de api n site a ser executad entre ambas as fases, cnsistind em pel mens um técnic qualificad para apiar cliente durante as fases iniciais de implementaçã d sistema. As despesas de viagens para api n site serã cbertas separadamente pel cliente e nã devem ser cntabilizadas. Orçament e Pagament Prgramad O cliente estabeleceu um rçament de Eur 100,000 para este prject (Eur 50,000 para cada Fase) e prpstas para além deste limite nã serã cnsideradas. O crngrama de pagament será seguinte: Fase 1: 40% após assinatura d cntrat, 30% após entrega d Sftware de Servidr da Pesquisa e Aplicaçã de Regist de Czinha e 30% após a cnclusã d períd suprte pilt pós-implementaçã. Fase 2: 40% após assinatura d cntrat, 30% após entrega das aplicações Tablet em pel mens um tablet e 30% após a cnclusã d períd suprte pilt pós-implementaçã. Materiais Infrmativs O cliente irá fazer tds s materiais infrmativs slicitads pel empreiteir para a execuçã das suas actividades. Infra-estruturas de Implantaçã A implantaçã das sluções deve ser desempenhada num servidr dedicad numa fazenda de servidres que esteja adequadamente atendida, dad que tdas as infra-estruturas a serem

13 implantadas serã baseadas na web e necessitam de um servidr que seja adequadamente geridas e pssa estar peracinal pel mens 99.99% d temp. O servidr deve ter instalações especiais de gestã de energia, segurança especial, links de Internet redundantes e deve frnecer um elevad nível de estabilidade e fiabilidade. O empreiteir deve frnecer, cm parte da Fase 1 d prject, um servidr dedicad cm essas especificações numa Empresa de Hspedagem cm uma subscriçã de ans desde temp que cntrat para a Fase 1 é assinad. O empreiteir deve frnecer as aplicações Andrid tablet para dispsitivs de 7 u 10 plegadas. O cliente irá adquirir s cmputadres tablet crrespndentes e irá garantir que cada um inclui um sensr de GPS para ge tagging e suprta andrid 4.0 u superires. O empreiteir deve ajudar cliente na selecçã ds melhres Andrid tablets pssíveis e respectiv prcess de prcurement. O empreiteir será respnsável pela instalaçã das aplicações ns dispsitivs tablet para s pilts e irá garantir que pessal d cliente será treinad n prcess de instalaçã. Supervisã, Suprte, Cperaçã O empreiteir irá trabalhar sb supervisã geral d Gestr da Cmpnente EnDev de Bimassa Melhrada e de Fgões Melhrads. O empreiteir irá cperar estreitamente e practivamente cm pessal d EnDev-GIZ. O empreiteir irá cnsultar practivamente e buscar cperaçã d gestr d escritóri de clientes, Sr. Dirk Van Eijk. Antes de se iniciar trabalh sbre as questões-chave / características deste trabalh, empreiteir irá analisar estes TR junt cm cliente, e practivamente prcurar clarificar quaisquer questões u perguntas abertas. Emendas a estes TR pr escrit, pdem ser feitas neste mment. Prpriedade e Licenciament Deve ser frnecid a cliente tds s códigs fnte para sistema e deve ser-lhe dad direit ilimitad -licença livre para tds s direits de us da aplicaçã e códig fnte, para usar sftware, mdificá-l cnfrme cliente achar melhr. Outrs N cas de quaisquer prblemas que pssam crrer que pssam clcar alcance ds resultads pretendids (cm acima expresss em bjectivs, questões chave/características, resultads / entregáveis) em risc, empreiteir irá ntificar a cliente sem qualquer atras,

14 pr escrit, a invés de ntificar cliente apenas quand estiverem próxims s prazs especificads neste dcument. Plans de trabalh preparads pel empreiteir sã s própris instruments de gestã d empreiteir. Mesm se discutid cm e recnhecid pel cliente, eles devem ser usads de frma flexível e adaptads cnfrme é necessári para alcançar s resultads pretendids, a invés de serem seguids literalmente. Se empreiteir planear events (tais cm reuniões, wrkshps, frmações) u viagens relacinadas a este trabalh, para s quais api lgístic pel escritóri d cliente sejam necessáris, u ns quais pessal d cliente e /u s parceirs lcais d cliente serã envlvids, empreiteir irá ntificar gestr d escritóri d cliente u pessal directamente envlvid (a) pel mens 1 semana antes desses events u viagens terem lugar (b) antes de quaisquer cnvites terem sid enviads, cnfrme que acntecer primeir. Se esses TR envlverem a rganizaçã de events (tais cm reuniões, wrkshps, frmações), empreiteir irá: 1. Cnduzir event seguind s padrões estabelecids de mderaçã e facilitaçã prfissinal, pr exempl usand técnicas de visualizaçã e elements interactivs. 2. Entregar a dcumentaçã d event a cliente em frmat electróni, incluind, mas nã limitad a: prgrama, lista de participantes, apstilas, principais apresentações, apresentações adicinais pels participantes, materiais de infrmaçã, breve resum ds resultads. 3. Cmpilar uma dcumentaçã ftgráfica, e entregá-la a cliente devidamente arranjada, u seja, cm redundâncias remvidas e cm fts de cntributs / resultads send mantidas separadamente das fts cm cnteúd puramente scial. 4. Avaliar event e resumir s resultads de avaliaçã usand s frmuláris de avaliaçã e mdels de análise prjectads pel cliente, e entregar quaisquer flhas de avaliaçã riginais preenchidas pels participantes para cliente. O empreiteir irá slicitar activamente a cliente para frnecer s frmuláris e mdels. O empreiteir irá slicitar activamente que cliente frneça mdels de relatóri e instruções de frmataçã para quaisquer relatóris u dcuments similares especificads cm parte ds resultads / entregáveis acima. O empreiteir irá entregar tds s resultads e entregáveis em frmat electrónic Micrsft Office Outrs frmats precisam d acrd prévi d cliente. O empreiteir irá manter uma flha de temp d trabalh, usand mdel d cliente.

15 Qualificações Exigidas O empreiteir deve ser uma rganizaçã qualificada de desenvlviment de sftwares cm pel mens cinc ans de experiência de desenvlviment em prjects de cmplexidade similar, e deve ter experiência substancial de trabalh cm rganizações internacinais. O empreiteir deve apresentar pessal que irá trabalhar n desenvlviment da sluçã.

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Controle de Atendimento de Cobrança

Controle de Atendimento de Cobrança Cntrle de Atendiment de Cbrança Intrduçã Visand criar um gerenciament n prcess d cntrle de atendiment de cbrança d sistema TCar, fi aprimrad pela Tecinc Infrmática prcess de atendiment, incluind s títuls

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas Prcessadr de Text Funcinalidades Avançadas ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 MODELOS...4 Criar Mdels...5 MODELO NORMAL...6 Alterar mdel Nrmal.dtm...7 IMPRESSÃO EM SÉRIE MAILINGS...7 Cartas e mensagens de crrei electrónic...8

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual Lja Virtual Desenvlviment FrmigaNegócis Orçament: /2012 Cliente: Respnsável: Prjet: Lja virtual Telefne: Frmiga (MG), de de 2012 Intrduçã Segue abaix prjet para desenvlviment de nv website para lja Virtual

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea T12 Resluçã de prblemas peracinais numa Cmpanhia Aérea Objectiv Criar um Sistema Multi-Agente (SMA) que permita mnitrizar e reslver s prblemas relacinads cm s aviões, tripulações e passageirs de uma cmpanhia

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

MANUAL DOS GESTORES DAA

MANUAL DOS GESTORES DAA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI MANUAL DOS GESTORES DAA MÓDULOS: M atrícula e P rgramas e C DP [Digite resum d dcument aqui. Em geral, um resum é um apanhad

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Base de Dados 2013/2014 Trabalho prático Versão 1.0 (2013-11-17)

Base de Dados 2013/2014 Trabalho prático Versão 1.0 (2013-11-17) Base de Dads 2013/2014 Trabalh prátic Versã 1.0 (2013-11-17) Embra a cmpnente prática da disciplina crrespnda a sete valres na nta final, individualmente cada alun pde ter uma classificaçã diferente. Nas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso CURSO DE INICIAÇÃO Duraçã: 16 hras - 2 Dias Frmadr: Belinda Lureir u Sandra Gril u Daniel Seelw Prgrama d Curs - Filsfia e Cultura RE/MAX - Métds e Técnicas de Angariaçã - Métds e Técnicas de Psicinament

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO Prezad(a) Alun(a) A mbilidade acadêmica internacinal é uma prtunidade valisa para seu cresciment individual, acadêmic e prfissinal. Nã permita que a falta de

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL PARA O SEGUNDO PERÍODO LETIVO DE 2014. 1. PREÂMBULO 1.1. O Crdenadr d Prgrama de

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais