PLANEJAMENTO DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO: A INTENÇÃO É COMPARTILHAR CONHECIMENTOS, SABERES E MUDAR O JOGO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO: A INTENÇÃO É COMPARTILHAR CONHECIMENTOS, SABERES E MUDAR O JOGO"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO: A INTENÇÃO É COMPARTILHAR CONHECIMENTOS, SABERES E MUDAR O JOGO Amauri Aparecido Bássoli de Oliveira/ UEM Equipe Gestora Evando Carlos Moreira/ UFMT Equipe Colaboradora 8 Horácio Accioly Júnior/ UERN Equipe Colaboradora 19 Marcello Pereira Nunes/ UFES Equipe Colaboradora 10

2 PARA VOCÊ O QUE É PLANEJAR?

3 COMO VOCÊ COSTUMA PLANEJAR?

4 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO OBJETIVOS E FINALIDADES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO (Responsabilidade do Ministério do Esporte/ Secretaria Nacional de Esporte Educacional) PROJETO BÁSICO DO CONVÊNIO (Responsabilidade de Gestores de Estados, Municípios, Associações, Ongs) PROJETO PEDAGÓGICO DO CONVÊNIO (Responsabilidade de Gestores e Coordenadores Gerais) PROJETO PEDAGÓGICO DO NÚCLEO (Responsabilidade de Coordenadores gerais e de núcleo, monitores e a comunidade e familiares) PLANEJAMENTO SEMANAL/ MENSAL DO NÚCLEO (Responsabilidade de Coordenador de núcleo e monitores)

5 Leia e Discuta os Objetivos e Finalidades do Programa Segundo Tempo Leia, entenda e utilize o projeto básico e o projeto pedagógico do convênio para: ELABORAR O PROJETO PEDAGÓGICO DO NÚCLEO, juntamente com o coordenador geral, os monitores. Convide a a família dos beneficiados e toda comunidade para que opinem e saibam o que oferecerão no núcleo A partir de então, faça o PLANEJAMENTO SEMANAL/ MENSAL DO SEU NÚCLEO, juntamente com seus monitores

6 ETAPAS DO PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO Identificação Geral do Núcleo Considerar o Projeto Pedagógico do Convênio Elaboração da Fundamentação Teórica Elaboração do Diagnóstico Elaboração dos Objetivos Indicativos para o processo de reelaboração do planejamento Seleção e Organização dos Conteúdos Práticas, Metodologias e Procedimentos no Planejamento das Aulas Avaliação Seleção de recursos

7 AO TRABALHO!!! O PLANEJAMENTO PASSO-A-PASSO

8 IDENTIFICAÇÃO GERAL DO NÚCLEO

9 ELABORAÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA E os ideais que orientam o nosso trabalho, a nossa vida social e profissional?

10 Partimos de um ponto de vista, que não pode ser criado, imaginado, mas, sim respaldado em experiências bemsucedidas, construídas da e para a necessidade instalada!

11 VAMOS AO TRABALHO?

12 ATIVIDADE 1 De posse das Diretrizes e Fundamentos Pedagógicos do Programa Segundo Tempo e a partir da sua realidade, redija, no Quadro 1 do texto, a fundamentação teórica do planejamento pedagógico do seu núcleo.

13 ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO

14 PARA PENSAR E FAZER!

15 ATIVIDADE 2 É difícil elaborar um diagnóstico fora da localidade em que se insere. Ao invés de elaborar um diagnóstico, elabore um questionário e/ou entrevista que será encaminhado à comunidade. Preencha o Quadro 2 do texto, com perguntas que contribuam para a realização de um bom diagnóstico de sua localidade.

16 Os objetivos devem especificar aprendizagens esperadas da CRIANÇA E DO ADOLESCENTE O Objetivo é uma ação (verbo), projetada pelo O Objetivo é uma ação (verbo), projetada pelo professor para a CRIANÇA E ADOLESCENTE, articulada com uma filosofia educacional, concepção de sociedade e teoria do desenvolvimento e aprendizagem.

17 AO TRABALHO!

18 ATIVIDADE 3 Determine objetivos do planejamento do núcleo para atender: - finalidades do Programa Segundo Tempo; - proposta de trabalho e projeto pedagógico do seu convênio; - fundamentos pedagógicos do Programa Segundo Tempo; - desenvolvimento pleno de todas as crianças e adolescentes. Preencha o Quadro 3 do texto, remetendo-se à realidade de seu núcleo.

19 SELEÇÃO E ORGANIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Conjunto de conhecimentos e habilidades organizados e sistematizados pedagogicamente, com o objetivo de apropriação ativa pelo outro é o que chamamos CONTEÚDOS.

20 O CAMINHO SE FAZ CAMINHANDO...

21 ATIVIDADE 4 Preencha o Quadro 4 do texto com os Conteúdos e possíveis Conhecimentos e Saberes que serão tematizados e desenvolvidos em seu núcleo.

22 PRÁTICAS, METODOLOGIAS E PROCEDIMENTOS NO PLANEJAMENTO DAS AULAS Procedimentos metodológicos são elementos essenciais para o desenvolvimento das aulas e obtenção dos objetivos. A seleção dos procedimentos deve facilitar a apropriação do A seleção dos procedimentos deve facilitar a apropriação do conhecimento.

23 LEIA, RELEIA, INTERPRETE, REFLITA E UTILIZEo texto PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS PARA O PROGRAMA SEGUNDO TEMPO, nele encontrará diversas reflexões sobre como repensar sua maneira de abordar as crianças e adolescente e desenvolver sua prática pedagógica, melhorando ainda mais o que já realiza.

24 MAIS UM POUCO DE AÇÃO!

25 ATIVIDADE 5 A partir do exposto nesta temática, do texto 7 Procedimentos Metodológicos para o Programa Segundo Tempo e das modalidades esportivas de seu núcleo, defina como estas podem ser exploradas da melhor forma para uma apropriação mais eficaz e eficiente por parte das crianças e adolescentes. Para tanto, preencha o Quadro 5 do texto.

26 SELEÇÃO DE RECURSOS - O que temos? - O que precisamos? - O que podemos construir?

27 PESSOAS TRABALHANDO...

28 ATIVIDADE 6 Preencha o Quadro 6 do texto, apresentando como cada um dos recursos disponíveis em seu núcleo pode ser utilizado na prática e sugira outros tantos que já utiliza ou imagina ser possível utilizar

29 AVALIAÇÃO A avaliação é um processo contínuo; tem o objetivo de subsidiar as decisões para proceder mudanças efetivas em nossas intervenções e ações pedagógicas. Nas visitas in loco coordenadores e monitores de núcleos afirmam que avaliam por observação; por participação; e não tem instrumento específico para avaliar. Da avaliação dependem a análise e a tomada de decisão presente e futura.

30 ALGUNS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

31 EXEMPLO DE PLANILHA PARA AVALIAÇÃO DO ALUNO PELO PROFESSOR Nome do aluno: Núcleo: Idade: Grupo: Identifica e verbaliza sua ação motora Aspectos a serem observados N PV AV MV S Compreende a razão do êxito/não-êxito de sua ação motora Reconhece a importância do conteúdo estudado Verbaliza a antecipação de sua ação motora Compreende as propostas sugeridas pelo professor/grupo Contribui com outras possibilidades motoras para atendimento aos problemas propostos Colabora na elaboração e reelaboração das regras Aceita as sugestões formuladas Argumenta e defende suas sugestões pessoais Respeita seus colegas independentemente dos aspectos físicos, sociais, culturais ou de gênero Compreende o conteúdo proposto Enfrenta desafios N nunca / PV poucas vezes / AV algumas vezes / MV muitas vezes / S - sempre

32 EXEMPLO DE PLANILHA PARA A AUTO-AVALIAÇÃO DO ALUNO PARA UM DETERMINADO CONTEÚDO - VOLEIBOL Nome do aluno: Núcleo: Idade: Grupo: Aspectos a serem observados N PV AV MV S Sei aplicar as principais regras do jogo Identifico as regras do jogo Cumpro as regras do jogo Utilizo adequadamente a manchete Utilizo oportunamente o passe Aceito as decisões do árbitro Aceito os erros dos meus colegas Desenvolvo o espírito de grupo Coloco-me em condições de ajudar os colegas Utilizo adequadamente o espaço de jogo Executo bem o saque Sou capaz de admitir os meus erros Integro-me bem no grupo Aceito o resultado do jogo N nunca / PV poucas vezes / AV algumas vezes / MV muitas vezes / S - sempre

33 ROTEIRO DE ENTREVISTA/QUESTIONÁRIO PARA PAIS E/OU RESPONSÁVEIS 1. Quais são as alterações nas relações familiares e escolares percebidas no comportamento de seu filho (a) a partir do momento que ele (a) se inseriu no Programa Segundo Tempo? 2. Quais são as alterações nas relações escolares percebidas no comportamento de seu filho (a) a partir do momento que ele (a) se inseriu no Programa Segundo Tempo? 3. Quais são os benefícios oferecidos ao desenvolvimento de seu filho (a) após sua participação no Programa Segundo Tempo? 4. Quais são os benefícios que a comunidade pôde perceber após a implantação do Programa Segundo Tempo? 5. Quais são os aspectos a serem melhorados para que o Programa Segundo Tempo possa avançar ainda mais no seu desenvolvimento? 6. Como os profissionais que atuam no Programa Segundo Tempo se envolvem com as atividades do núcleo e da comunidade? 7. O que você entende que seu filho (a) aprendeu nas atividades do Programa Segundo Tempo? 8. Como os pais e/ou responsáveis podem contribuir para a melhoria no desenvolvimento das ações do Programa Segundo Tempo?

34 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE UM MODELO DE FREQUÊNCIA DE ATIVIDADES ESPECÍFICAS PARA O SADE SISTEMA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO ESPORTIVO Nome da turma: Idade: Grupo: Horário: Faixa etária (grupo) A CTB B CC B HT A EF Atividades esportivas A JDIC Atividades Circenses e teatrais 7 e Atividade de Acompanhamento pedagógico Integração familiar e e encontro por semana e e Até 3 encontros por semana 1 reunião ou palestra por mês para todos

35 VAMOS AVALIAR?

36 ATIVIDADE 7 Elabore um instrumento de avaliação do impacto do Programa Segundo Tempo para: - verificar a importância na vida dos beneficiados; - identificar o que os pais e/ou responsáveis pensam sobre o Programa Segundo Tempo; - identificar como a comunidade percebe o Programa Segundo Tempo em seu cotidiano.

37 O PLANEJAMENTO SEMANAL/ MENSAL DO NÚCLEO: AS INTENÇÕES/ AÇÕES COMPARTILHADAS ENTRE O PROGRAMA SEGUNDO TEMPO, PROFESSORES E MONITORES OU O PLANO MICRO

38

39 NÃO UTILIZEM AS INFORMAÇÕES QUE VAMOS APRESENTAR COMO MODELOS! ELABORE, ORGANIZE SUA PRÓPRIA AÇÃO.

40 - O planejamento semanal/ mensal é uma forma de registro intensa e profunda do cotidiano educacional. - Dar sentidos e significados as nossas intervenções. - O planejamento deve ser discutido, construído e elaborado em forma documental.

41 O habitus (BORDIEU, 1989) dificulta o planejamento de nossas intenções/ações. Construímos resistência, pois estamos convencidos previamente de que não tem jeito e devemos aceitar as coisas como estão.

42 ORGANIZE UM GRUPO DE PROFESSORES E MONITORES PARA ESTUDAR E DEBATER TEMAS PERTINENTES AO NÚCLEO

43 Assim, observem a representação gráfica do plano micro: DADOS DE IDENTIFICAÇÃO TEMA OBJETIVOS INDICATIVOS PARA RECONTEXTUALIZAR OS OBJETIVOS PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS RECURSOS NECESSÁRIOS PROCESSOS AVALIATIVOS

44 Planejamento para o RECREIO NAS FÉRIAS

45 Planejamento e Organização do RECREIO NAS FÉRIAS Pólo: Telefone: Cidade: Estado: Coordenador: Período de Realização do projeto: / a / /20 Dias da Semana Horários SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 09h00 Rodas cantadas Rodas cantadas Rodas cantadas Rodas cantadas 09h15 Atividade integração Grande jogo Oficina de desenho e pintura Atividade sobre o tema 10h00 Lanche Lanche Lanche Lanche 10h30 Circuito esportivo Gincana estafetas Atividades com música Ensaio Show de Talentos 12h00 Almoço Almoço Almoço Almoço 13h00 14h00 Gincana cultural (abordando tema) Oficinas (origami, construção de brinquedos) Preparação do Show de Talentos Decoração coletiva para festa 15h00 Lanche Lanche Lanche DIA DO Show de Talentos 15h30 Brincadeiras tradicionais Apresentação Cultural Caça ao tesouro PASSEIO 16h30 Festa com música, alimentação e bebida 16h45 Rodas cantadas Rodas cantadas Rodas cantadas RETORNO Dinâmica p/despedida 17H00 Saída Saída Saída Saída Saída

46 ATIVIDADE 8 Ao finalizar esta apresentação, sugerimos que preencham o Quadro 8 do texto, considerando os elementos de elaboração do planejamento semanal/mensal dos núcleos do Programa Segundo Tempo.

47 Por fim...

48 - Trabalhar o esporte não é uma tarefa simples e nossa responsabilidade com crianças e adolescentes expostos a riscos sociais é ainda maior. - Não podemos aceitar a desculpa de que planejar é uma tarefa burocrática e chata. - Toda e qualquer atividade humana requer dedicação e reflexão sobre as condições para optar a favor ou contra uma ou outra.

49 - O registro do trabalho permitirá perceber os avanços de nossas crianças e adolescentes a partir da organização do trabalho pedagógico. - Precisamos interferir positivamente na vida das crianças e adolescentes, observando a realidade que as cerca, interpretando dados dessa realidade e estabelecendo metas para superar a condição de desfavorecimento em que vivem. - Pressupomos que o sucesso de nossas ações está diretamente relacionado ao quão organizadas e planejadas elas forem.

50 OBRIGADO! VAMOS AO JOGO! Amauri Aparecido Bássoli de Oliveira/ UEM Equipe Gestora Evando Carlos Moreira/ UFMT Equipe Colaboradora 8 Horácio Accioly Júnior/ UERN Equipe Colaboradora 19 Marcello Pereira Nunes/ UFES Equipe Colaboradora 10

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

DOCUMENTO TÉCNICO DO PROJETO

DOCUMENTO TÉCNICO DO PROJETO DOCUMENTO TÉCNICO DO PROJETO Este roteiro de elaboração do Documento Técnico do Projeto tem por objetivo subsidiar a apresentação de propostas para desenvolvimento do Programa Luta pela Cidadania, que

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?.........

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?......... ESCOLA: PROFESOR (A): TURNO: ( )M ( )V TURMA: ( )SERIADA ( )MULTISERIADA QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR TECNOLOGIA 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 324, Toledo PR Fone: 3277-850 PLANEJAMENTO ANUAL NATUREZA E SOCIEDADE SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR:

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO O Programa Tempo de Escola foi iniciado em junho de 2010, com a participação de Escolas Municipais e ONGs executoras. O Programa Tempo de Escola, que inclui o Programa Mais Educação

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Coordenadora Institucional Profª Helenise Sangoi Antunes. Coordenadora Adjunta Profª Liane Teresinha Wendling Roos

Coordenadora Institucional Profª Helenise Sangoi Antunes. Coordenadora Adjunta Profª Liane Teresinha Wendling Roos SONHE Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que quer. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES IRATI 2005 RESUMO Dentro do Programa Ética e Cidadania Ensino Médio Construindo Valores na Escola, o Projeto

Leia mais

PROGRAMA SEGUNDO TEMPO CAPACITAÇÃO GERENCIAL - 2013 CAPACITAÇÃO E ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO

PROGRAMA SEGUNDO TEMPO CAPACITAÇÃO GERENCIAL - 2013 CAPACITAÇÃO E ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO CAPACITAÇÃO GERENCIAL - 2013 CAPACITAÇÃO E ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO ME/CGDEP/SNELIS EQUIPE PEDAGÓGICA EQUIPES COLABORADORAS Ministério do Esporte CAPACITAÇÃO E ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Elaboração de Projetos FECOP 2014. Everton Cabral Maciel everton.maciel@seplag.ce.gov.br

Elaboração de Projetos FECOP 2014. Everton Cabral Maciel everton.maciel@seplag.ce.gov.br Elaboração de Projetos FECOP 2014 Everton Cabral Maciel everton.maciel@seplag.ce.gov.br O que vamos fazer? Pensar em Projetos Organizar o pensamento Conectar com a realidade e a legislação Estruturar projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO TÉCNICO DO PROJETO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DO CONVÊNIO

ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO TÉCNICO DO PROJETO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DO CONVÊNIO Ministério do Esporte Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social Departamento de Formulação de Política e Estratégias Coordenação-Geral de Esporte e Lazer ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico

PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico 1 PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico Vera Maria Oliveira Carneiro 1 Educar é ser um artesão da personalidade, um poeta da inteligência, um semeador de idéias Augusto Cury Com este texto, pretendemos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Consultorias Associadas

Consultorias Associadas BEM VINDOS! 2013 Coordenação Geral : Coordenação Acadêmica: Somando Talentos : Consultorias Associadas CONSIDERAÇÕES GERAIS : A implantação da Escola de Líderes pelo Clube de RH vem de atender a uma necessidade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação. Existem muitas definições para avaliação, não existe uma única.

Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação. Existem muitas definições para avaliação, não existe uma única. Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial Avaliação, Monitoramento e Impacto no Programa de Voluntariado Empresarial: Teoria e Prática 25/11/14 Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Maracaju 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Pedagogia Obs.: Para proposta

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

Fórum Permanente Por Uma Cultura de Paz no Ambiente Escolar e Familiar em Passo Fundo

Fórum Permanente Por Uma Cultura de Paz no Ambiente Escolar e Familiar em Passo Fundo Fórum Permanente Por Uma Cultura de Paz no Ambiente Escolar e Familiar em Passo Fundo Dados de Identificação Denominação do Projeto: Fórum Permanente Por Uma Cultura de Paz no Ambiente Familiar e Escolar

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA APRESENTAÇÃO: A Escola Estadual Getúlio Vargas Ensino Fundamental, do Município de Engenheiro Beltrão, Estado do Paraná, preocupada

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2 1ª FASE 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL A Biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão neurológica nos processos básicos: os sentidos

Leia mais

CONHECER E NEGOCIAR COM CLIENTES: uma experiência de gincana das cores

CONHECER E NEGOCIAR COM CLIENTES: uma experiência de gincana das cores CONHECER E NEGOCIAR COM CLIENTES: uma experiência de gincana das cores Autores: IVANISE MARIA BOMFIM SOARES e AZENILDA DE PAULA CABRAL Conhecer e Negociar com Clientes: Uma Experiência de Gincana das Cores,

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais

Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais Desafios da Educação Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais Desafios da Educação A avaliação constitui-se em um desafio da política educacional A avaliação

Leia mais

Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida

Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida Artigo 1º Enquadramento As atividades letivas com as educadoras no Jardim de Infância António

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

COLÔNIA DE FÉRIAS. Tema: Diversão e alegria a cada dia.

COLÔNIA DE FÉRIAS. Tema: Diversão e alegria a cada dia. COLÔNIA DE FÉRIAS Tema: Diversão e alegria a cada dia. JULHO DE 2015 JUSTIFICATIVA Chegando o meio do ano, quando não tem aulas, os pais ficam preocupados com o que vão fazer com os seus filhos, pois muitos

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade?

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Perguntaram à teóloga alemã Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Não explicaria, Daria uma bola para que ele jogasse... ESPORTE EDUCAÇÃO CULTURA QUALIFICAÇÃO PLACAR

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Mostra de Projetos 2011. PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Mostra de Projetos 2011 PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Mostra Local de: São Mateus do Sul Categoria do projeto: II- Projeto finalizado PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Leia mais

Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial. Proposta de encontros para construção de conhecimento e troca de experiências.

Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial. Proposta de encontros para construção de conhecimento e troca de experiências. Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial Proposta de encontros para construção de conhecimento e troca de experiências. ORGANIZADORES OBJETIVOS DO GRUPO DE ESTUDOS Aprimorar a prática do voluntariado

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS >>> Rodas de Conversa A SEE, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (unicef) e com a colaboração de ONGs,

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP PROJETO A inserção das Famílias no CAMP APRESENTAÇÃO O CAMP-Gna é uma entidade filantrópica sediada em Goiânia, no Setor Central, onde funciona ininterruptamente há 36 anos. Desde 01 de julho de 1973,

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Dados do Ensino Médio

Dados do Ensino Médio Dados do Ensino Médio População de 15 a 17 anos (2010): 10.357.874 (Fonte: IBGE) Matrículas no ensino médio (2011): 8.400.689 (Fonte: MEC/INEP) Dados do Ensino Médio Dos 10,5 milhões de jovens na faixa

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Ipanema, o estudante também aprende e desenvolve habilidades além da sala de aula. As turmas das Atividades Extraclasse, para cada modalidade, são divididas de acordo

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LIMA, Márcia Regina Canhoto de - FCT/UNESP marcialima@fct.unesp.br LIMA, José Milton de - FCT/UNESP miltonlima@fct.unesp.br ORLANDI, Leonardo

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO:

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO: Relatório O brincando se Aprende Um Projeto Socioeducativo foi criado e aplicado como uma nova metodologia, para despertar o interesse dos alunos do Ensino Médio pelas atividades matemáticas e de linguagens,

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO

OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO SANTOS, Fernanda Costa 1 PEREIRA, Bruna Kely da Silva 2 CANEDO, Samara Rodrigues

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2015

Plano de Gestão 2013-2015 Plano de Gestão 2013-2015 CANDIDATAS DIRETORA: MARIA MAGARI INDA DA ROCHA VICE-DIRETORA: LUCI MEIRE RISSO BARBOSA PLANO DE GESTÃO A escola onde trabalho está baseada nos valores humanistas, tendo como

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas PSICOPEDAGOGIA DISCIPLINA: Fundamentos da Psicopedagogia EMENTA: Introdução e fundamentos da Psicopedagogia. O objeto de estudo. Visão histórica e atual. Concepções que sustentam a Psicopedagogia. O papel

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

Aula 1 - Avaliação Econômica de Projetos Sociais Aspectos Gerais

Aula 1 - Avaliação Econômica de Projetos Sociais Aspectos Gerais Aula 1 - Avaliação Econômica de Projetos Sociais Aspectos Gerais Plano de Aula Introdução à avaliação econômica de projetos sociais Avaliação de impacto Retorno econômico Marco Lógico O Curso Trabalho

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

REUNIÃO DE COORDENADORES DATA: 03/03/11 HORÁRIO: 7h30 LOCAL: CENFOP ( SALA DA UAB) ABORDAGEM DO ENCONTRO: PLANEJAMENTO

REUNIÃO DE COORDENADORES DATA: 03/03/11 HORÁRIO: 7h30 LOCAL: CENFOP ( SALA DA UAB) ABORDAGEM DO ENCONTRO: PLANEJAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA-MG SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SME CENTRO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA CENFOP REUNIÃO DE COORDENADORES DATA: 03/03/11 HORÁRIO: 7h30 LOCAL: CENFOP ( SALA DA UAB) ABORDAGEM

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

DISCIPLINA A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL E A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS

DISCIPLINA A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL E A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS CAPÍTULO 1. Atividade 1 Ligando as ideias Pág.: 5 O documento "Declaração sobre o ambiente humano" está disponível na Biblioteca Virtual da Acesse esse documento e, após realizar uma leitura atenta, identifique

Leia mais