JULIANA BALDONI FIGUEIREDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JULIANA BALDONI FIGUEIREDO"

Transcrição

1 JULIANA BALDONI FIGUEIREDO CÂMARA DOS DEPUTADOS OU CÂMARA DOS LÍDERES? O FUNCIONAMENTO DO COLÉGIO DE LÍDERES E OS EFEITOS DE SUA ATUAÇÃO SOBRE A REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Processo Legislativo. Brasília - DF 2011

2 2 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Câmara dos Deputados ou Câmara dos Líderes? O funcionamento do Colégio de Líderes e os efeitos de sua atuação sobre a representação parlamentar. Autora: Juliana Baldoni Figueiredo. Instituição: Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento da Câmara dos Deputados Cefor. Data: 31/03/2011. Resumo: explicação detalhada das formas de atuação do Colégio de Líderes, investigando e demonstrando de que modo o seu funcionamento influencia o exercício do mandato dos parlamentares. 2. APRESENTAÇÃO Ao longo de pouco mais de um ano atuando como taquígrafa na Câmara dos Deputados, por vezes me surpreendeu a influência que um líder de bancada exerce sobre seus liderados durante a votação de relevantes proposições em plenário. Daí o interesse por estudar a atuação do Colégio de Líderes, bem como as diferentes formas de seu funcionamento. Paralelamente, inevitável analisar a crítica sempre aventada em trabalhos científicos que abordam o tema quanto à suposta limitação que o poder conferido pelo Regimento Interno aos líderes partidários causa à representação parlamentar. 3. PROBLEMA O fenômeno do funcionamento do Colégio de Líderes e seus efeitos sobre a representação parlamentar se caracteriza por meio de diversos mecanismos de atuação, tais como: o encaminhamento de votação em plenário ou em qualquer comissão da Casa; o pedido de verificação de votação; a determinação da pauta da ordem do dia das sessões plenárias, definida em conjunto com o Presidente da Câmara; a distribuição dos parlamentares pelas comissões permanentes e a indicação de seus respectivos presidentes; a utilização da votação simbólica e dos requerimentos de urgência e urgência urgentíssima, entre outros poderes. Assim, a pesquisa tratará de investigar e desenvolver essas variadas formas de atuação dos líderes na Câmara dos Deputados, abordando as seguintes questões: como ocorre o funcionamento do Colégio de Líderes? De que modo ele influi na elaboração da pauta da ordem do dia das sessões? Onde, quando e em

3 3 que circunstâncias ele se reúne? Como se dá o desempenho dos líderes em plenário? E nas comissões? Quais são os efeitos do exercício das prerrogativas dos líderes sobre a atuação dos demais parlamentares? 4. OBJETIVOS A pesquisa buscará, como objetivo geral, analisar o funcionamento do Colégio de Líderes. Para isso, ela também terá o escopo de: 1) demonstrar como os líderes, em conjunto com o Presidente da Casa, definem a agenda legislativa; 2) descobrir se, por que e de que maneira a institucionalização do colegiado contribui para a limitação da participação parlamentar; 3) coletar informações que demonstrem se as decisões tomadas nas reuniões do Colégio de Líderes de fato orientaram as votações em plenário durante o primeiro período da sessão legislativa ordinária de 2011; 4) explicar como os líderes de partido articulam e orientam os deputados de sua bancada quanto aos trabalhos desenvolvidos em plenário e nas comissões. 5. JUSTIFICATIVA Desde a sua institucionalização, em 1989, o Colégio de Líderes vem recebendo variadas e pesadas críticas em função da exagerada centralização de decisões por parte desse órgão auxiliar da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados. Argumenta-se que essa circunstância alija a maioria dos parlamentares do processo de elaboração normativa ao favorecer a agenda estabelecida pelo Poder Executivo. De lá para cá, foram publicados diversos trabalhos científicos relacionados ao tema, mas poucos abordaram com mais profundidade o funcionamento do colegiado e os seus efeitos sobre a representação parlamentar. Nesse particular, a pesquisa buscará explicar detalhadamente cada uma das possibilidades de atuação dos líderes partidários, bem como investigar se essa atividade limita o desempenho dos demais parlamentares. Desse modo, o trabalho contribuirá teoricamente no sentido de enriquecer a literatura já existente acerca do tema. Em termos práticos, poder-se-á avaliar se uma reforma institucional se apresenta como possibilidade viável e necessária, a fim de se estabelecerem limites para a redução das mazelas porventura descobertas causadas à representação parlamentar, ou se esse tipo de restrição só se mostraria suficiente cumulada com outras medidas, como a introdução de regras com o objetivo de

4 4 disciplinar o funcionamento das bancadas, bem como a democratização da Ordem do Dia e a restituição às comissões permanentes do seu efetivo poder conclusivo. 6. REVISÃO DA LITERATURA Como resultado de um natural processo de integração e representação dos interesses sociais e como herança do processo constituinte de 1988, surgiu o Colégio de Líderes, cujos poderes estão espalhados por todo o Regimento Interno da Câmara dos Deputados, não se limitando à regulação somente pelo art. 20. De acordo com Rodrigues (2006), sua criação teve como objetivo organizar o processo de votação e oferecer maior dinamismo às atividades em plenário. Para o autor, a institucionalização do colegiado tornou-se inevitável, até para determinar e limitar os seus poderes. Mas esse instituto, consagrado pelo Regimento Interno da Câmara dos Deputados, é hoje encarado de maneira controversa: enquanto é visto como importante organizador e agilizador dos trabalhos legislativos, também sofre críticas por impor severas restrições à atuação dos parlamentares no processo de produção normativa. É bem verdade que muitos dos deputados eleitos não acompanham a dinâmica do plenário e das comissões, ficando, por decisão própria, à margem do processo legislativo. Essa é uma das justificativas para tamanha centralização de poderes nas mãos das lideranças partidárias, que passam a conduzir o processo decisório (RODRIGUES, 1996). Figueiredo e Limongi destacam que os poderes da agenda do presidente e a centralização do processo legislativo neutralizam, dentro da Câmara Legislativa, as respostas que os legisladores individuais tenham de dar às preocupações locais e individuais (CHEIBUB, FIGUEIREDO e LIMONGI, 2009). Também quanto aos interesses do eleitorado, Paolo Ricci aduz que não são as tendências meramente paroquiais que conduzem a produção legislativa do Congresso. Pelo contrário, pesquisas indicam que os deputados estão muito mais preocupados em aprovar normas de interesse geral e impacto amplo. Em verdade, a organização dos trabalhos legislativos da qual o Colégio de Líderes é um dos principais vetores desestimula a conduta do voto pessoal. A conexão eleitoral, então, caracterizaria apenas um comprometimento simbólico dos parlamentares em busca de demandas específicas (RICCI, 2003).

5 5 Na prática, o poder dos líderes se manifesta de variadas formas. Em primeiro lugar, são eles, em conjunto com o Presidente da Câmara dos Deputados, que determinam a pauta da Ordem do Dia das sessões plenárias. Essa articulação restrita permite aos líderes decidir quando, como e que matérias vão a votação (SOUSA, 2004). A utilização de mecanismos como a votação simbólica e os requerimentos de urgência e de urgência urgentíssima dá o tom da influência das lideranças partidárias sobre o processo legislativo federal. Registre-se que, nesse caso, o poder de alteração da dinâmica de votação das matérias é muito mais característico dos líderes, individualmente, do que do Colégio de Líderes (RODRIGUES, 1996). O requerimento de urgência ampla e indiscriminadamente utilizado é aprovado, na prática, após negociações entre o Presidente da Câmara e os líderes, contribuindo decisivamente para a perda da prerrogativa decisória por parte das comissões permanentes, já que elas acabam por ficar inviabilizadas de analisar as matérias urgentes em prazos tão exíguos, sendo certo que, sobre tais matérias, fica afastado o poder conclusivo das comissões (RODRIGUES, 1996). Além de utilizar tais mecanismos, os líderes também dispõem de outros poderes especiais, como possibilitar a aproximação entre os deputados e as diversas autoridades do Poder Executivo e distribuir os parlamentares pelas comissões permanentes, indicando também os seus presidentes (RODRIGUES, 1996). 7. METODOLOGIA Para descrever e explicar o funcionamento do Colégio de Líderes de acordo com os ditames da técnica de pesquisa, a investigação terá como principal fonte a pesquisa bibliográfica em diversos acervos, em especial nos da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, a respeito dos conceitos teóricos utilizados na monografia, tais como o Colégio de Líderes e a representação parlamentar, abrangendo a consulta a livros e artigos científicos publicados. Tratando-se de pesquisa bibliográfica, mas com cunho também documental, será coletado, como fonte primária de pesquisa, material que indique se as decisões tomadas pelo Colégio de Líderes de fato orientaram as votações durante o primeiro período da sessão legislativa ordinária de A esse respeito, serão cotejados

6 6 documentos que noticiem as decisões do colegiado e os resultados das deliberações em plenário. A pesquisa abordará o primeiro período desta sessão legislativa ordinária por ser rico em material e, principalmente, por estar ainda em andamento, o que facilitará a realização de uma análise semanal e concomitante. Ressalte-se que existe tempo hábil, já que a coleta de dados se dará somente até o mês de julho, final do período a ser examinado. No caso de se mostrarem úteis ao trabalho, também poderão ser feitas entrevistas estruturadas com atores relevantes para a explicação e caracterização do fenômeno estudado. 8. CRONOGRAMA ATIVIDADE Coleta dos dados Revisão da literatura Análise e interpretação Redação final PERÍODO Abr/2011 Jul/2011 Ago/2011 Out/2011 Ago/2011 Nov/2011 Nov/ BIBLIOGRAFIA ABRANCHES, Sérgio. Presidencialismo de coalizão: o dilema institucional brasileiro. Rio de Janeiro: Dados Revista de Ciências Sociais, vol. 31, nº. 1, 1988, p BAAKLINI, Abdo I. O Congresso e o sistema político do Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, CHEIBUB, José Antonio; FIGUEIREDO, Argelina; LIMONGI, Fernando. Partidos políticos e governadores como determinantes do comportamento legislativo na Câmara dos Deputados, Rio de Janeiro: Dados Revista de Ciências Sociais, vol. 52, nº 2, 2009, p FALCÃO, Alcino Pinto. Voto de liderança como sub genus do voto por procuração. Rio de Janeiro: Forense, FELISBINO, Riberti de Almeida. A atuação dos partidos políticos na Câmara dos Deputados: alguns comentários dos estudos legislativos no Brasil. Disponível em Acesso em: 18 abr FIGUEIREDO, Argelina; LIMONGI, Fernando. Executivo e Legislativo na nova ordem constitucional. São Paulo: FGV/FAPESP, Partidos políticos na Câmara dos Deputados: Rio de Janeiro: Dados Revista de Ciências Sociais, v. 38, n. 3, 1995, p

7 7 JOBIM, Nelson. O colégio de líderes e a Câmara dos Deputados. In: O desafio do Congresso Nacional: mudanças internas e fortalecimento institucional. São Paulo: CEBRAP, nº 3, nov MAINWARING, Scott P. Democracia presidencialista multipartidária: o caso do Brasil. São Paulo: Lua Nova, nº 23-24, 1993, p MARQUEZELLI, Nelson; STARLING, Sandra. O Colégio de Líderes limita a participação dos deputados? São Paulo: Visão, v. 41, n. 17, abr. 1992, p. 16. PEREIRA, Carlos; MUELLER, Bernardo. Uma teoria da preponderância do Poder Executivo. O sistema de comissões no Legislativo brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 15, nº 43, jun QUINTELA, Sérgio. Partidos políticos: representatividade e governabilidade. Rio de Janeiro: Carta Mensal, v. 51, nº 610, jan RICCI, Paolo. O conteúdo da produção legislativa brasileira: leis nacionais ou políticas paroquiais? Rio de Janeiro: Dados Revista de Ciências Sociais, vol. 46, nº 4, 2003, p RODRIGUES, Ricardo José. O papel do Colégio de Líderes no processo legislativo da Câmara dos Deputados. Belo Horizonte: Revista Brasileira de Estudos Políticos, nº 83, jul. 1996, p SOUSA, Alexandre Trindade de. As Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados à luz da influência do Poder Executivo Dissertação (Pós- Graduação em Administração) - Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação, Universidade de Brasília, Brasília, VIANA, Prisco. O Colégio de Líderes e a Câmara dos Deputados. In: O Desafio do Congresso Nacional: mudanças internas e fortalecimento institucional. São Paulo: CEBRAP, nº 3, nov

Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares

A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares Marcos Augusto de Queiroz A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PESQUISA CIENTÍFICA VALÉRIA DA COSTA LIMA BILLAFAN

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PESQUISA CIENTÍFICA VALÉRIA DA COSTA LIMA BILLAFAN CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PESQUISA CIENTÍFICA VALÉRIA DA COSTA LIMA BILLAFAN BRASÍLIA 2008 PESQUISA CIENTÍFICA Trabalho apresentado

Leia mais

AS COMISSÕES DA CÂMARA DOS DEPUTADOS NO PROCESSO LEGISLATIVO: IMPORTÂNCIA DO PODER CONCLUSIVO

AS COMISSÕES DA CÂMARA DOS DEPUTADOS NO PROCESSO LEGISLATIVO: IMPORTÂNCIA DO PODER CONCLUSIVO CARLA DANICE DE MELO SANTOS AS COMISSÕES DA CÂMARA DOS DEPUTADOS NO PROCESSO LEGISLATIVO: IMPORTÂNCIA DO PODER CONCLUSIVO Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor como parte

Leia mais

EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS AYRES DE ALMEIDA SILVA FILHO EFICIÊNCIA DO CONTROLE EXTERNO EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE.

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. ANA LÚCIA ARAÚJO DE SOUZA RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento?

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? ANA LÚCIA ALVES Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

Processo Legislativo

Processo Legislativo Processo Legislativo Os Projetos de Lei Ordinária e de Lei Complementar são proposições que visam regular toda a matéria legislativa de competência da Câmara e devem ser submetidos à sanção do prefeito

Leia mais

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Teste 1 1. ( ) É competência da Mesa da Câmara dos Deputados a decisão de reunião dessa Casa fora do Palácio do Congresso Nacional,

Leia mais

CARREIRA PARLAMENTAR: O REGIMENTO E O SUCESSO ELEITORAL

CARREIRA PARLAMENTAR: O REGIMENTO E O SUCESSO ELEITORAL TAJLA MARIA VIANA SOBREIRA BEZERRA CARREIRA PARLAMENTAR: O REGIMENTO E O SUCESSO ELEITORAL Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

AVANÇOS E LIMITAÇÕES NA RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA E SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA.

AVANÇOS E LIMITAÇÕES NA RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA E SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA. GLAUCO ROJAS IVO AVANÇOS E LIMITAÇÕES NA RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA E SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-graduação do Cefor como parte

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS REGIMENTO INTERNO CEP/ACCG COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS

ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS REGIMENTO INTERNO CEP/ACCG COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS REGIMENTO INTERNO CEP/ACCG COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS CAPÍTULO PRIMEIRO REGIME JURÍDICO ART. 1º - Criado em 22 de dezembro

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Ciências Sociais PROJETO DE PESQUISA

Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Ciências Sociais PROJETO DE PESQUISA Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Ciências Sociais PROJETO DE PESQUISA PARTIDOS E ESTADOS NO BRASIL: Uma tese revisitada Prof. Dr. Gustavo Muller

Leia mais

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados ALESSANDRO LUIZ CHAHINI ESCUDERO PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados Projeto de pesquisa apresentado ao Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas R E S O L U Ç Ã O N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas R E S O L U Ç Ã O N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 Regimentar o Núcleo Docente Estruturante NDE do Curso de

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

Paulo César de Souza PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: ASPECTOS CONTÁBEIS E FISCAIS

Paulo César de Souza PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: ASPECTOS CONTÁBEIS E FISCAIS Paulo César de Souza PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: ASPECTOS CONTÁBEIS E FISCAIS Projeto de monografia apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor/ISC como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO A Comissão Própria de Avaliação da FACISA CPA/FACISA, constituída pela Diretoria-Geral de acordo com o estabelecido pela Lei n 10.861 de 14

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia de Produção R E S O L U Ç Ã O N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia de Produção R E S O L U Ç Ã O N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia de Produção R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 Regimentar o Núcleo Docente Estruturante NDE do Curso de Engenharia

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL Diamantina junho de 2013 O Núcleo Docente Estruturante - NDE do Curso de Licenciatura em Letras Português/Espanhol

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos)

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) *C0051224A* C0051224A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) Altera o Parágrafo único do art. 66 da Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980. DESPACHO: ÀS COMISSÕES

Leia mais

PORTARIA N 27 DE 10 DE OUTUBRO DE 2012.

PORTARIA N 27 DE 10 DE OUTUBRO DE 2012. INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES TITULARES DE CARGO EFETIVO NO MUNICÍPIO DE CARAZINHO AVENIDA MAUÁ, Nº 205 CENTRO - FONE/FAX: (54) 3329-1122 E-mail: previ3@carazinho.rs.gov.br CARAZINHO RS CEP:

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO

Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO Art. 1º O Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis (NUPECON), vinculado a Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos, constitui-se

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009 Altera o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Economia, na forma do Anexo. O Reitor da Universidade Regional de Blumenau, no uso

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO.

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. Estado do Rio Grande do Norte Município de Mossoró CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. REGIMENTO

Leia mais

REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO)

REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) Goiânia-2010 REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA Art. 1. O Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente do Estado do Amapá é a

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL LUIZ FENELON PIMENTEL BARBOSA PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como

Leia mais

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA De: Gabinete do Vereador Jimmy Pereira Para: Ação Jovem Brasil Resposta à solicitação de Informações para a formação do Índice de Transparência da Câmara do Rio TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET BARBACENA 2010 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 056/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Reportagem 2012 Escola Secundária de Raul Proença, Ana Beatriz Santos, Círculo Eleitoral de Leiria

Reportagem 2012 Escola Secundária de Raul Proença, Ana Beatriz Santos, Círculo Eleitoral de Leiria Reportagem 2012 Escola Secundária de Raul Proença, Ana Beatriz Santos, Círculo Eleitoral de Leiria A participação da Escola Secundária de Raul Proença (ESRP) no Parlamento dos Jovens foi sempre um motivo

Leia mais

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1 - O presente Regulamento disciplina a organização,

Leia mais

PALÁCIO LEGISLATIVO JOÃO PAULO II CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2012 EDITAL DE ABERTURA N.º 01/2012, DE 21 DE JUNHO DE 2012. ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS

PALÁCIO LEGISLATIVO JOÃO PAULO II CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2012 EDITAL DE ABERTURA N.º 01/2012, DE 21 DE JUNHO DE 2012. ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA 1 / 6 PALÁCIO LEGISLATIVO JOÃO PAULO II, DE 21 DE JUNHO DE 2012. 1. CARGO DE NÍVEL FUNDAMENTAL INCOMPLETO Cargo 01 Atendente Administrativo-Legislativo Atividade de atendimento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO. Cláudia Cristina Aires Gomes

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO. Cláudia Cristina Aires Gomes CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO Cláudia Cristina Aires Gomes Medidas Provisórias e os gastos obrigatórios de caráter continuado Projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

COVISA - Colegiado de Vigilância Sanitária da AMAVI. REGIMENTO INTERNO Aprovado na Assembléia da AMAVI no dia 25/05/2007

COVISA - Colegiado de Vigilância Sanitária da AMAVI. REGIMENTO INTERNO Aprovado na Assembléia da AMAVI no dia 25/05/2007 1 REGIMENTO INTERNO Aprovado na Assembléia da AMAVI no dia 25/05/2007 Capítulo I DA FINALIDADE Artigo 1º O Colegiado de Vigilância Sanitária (COVISA) - Órgão vinculado a AMAVI, reger-se-á pelas disposições

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO

TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO WANDER MENDONÇA DE OLIVEIRA TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO Projeto de pesquisa apresentado ao programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

Dos fatos políticos à tramitação legislativa: como a Ciência Política pode ajudar a compreender o processo legislativo brasileiro

Dos fatos políticos à tramitação legislativa: como a Ciência Política pode ajudar a compreender o processo legislativo brasileiro Reinaldo Sobrinho do Nascimento (Coordenador) Ana Regina Villar Peres Amaral André Alencar dos Santos Christiane Satiê M. Bisinoto Sara Teixeira Santos Dos fatos políticos à tramitação legislativa: como

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

Processo Legislativo

Processo Legislativo www.pwc.com PL 276/2015 Aspectos Gerais do na Casa Iniciadora Senado ou Câmara apresentam o PL Emendas O PL pode ser emendado A iniciativa das leis ordinárias cabe, entre outros, a qualquer membro ou Comissão

Leia mais

RALCILENE SANTIAGO DA FROTA JOSÉ DEOCLECIANO DE SIQUEIRA JÚNIOR CARLOS DOMINGUES ÀVILA IGLAIR RÉGIS DE OLIVEIRA THIAGO AUGUSTO DE LIMA COSTA E SILVA

RALCILENE SANTIAGO DA FROTA JOSÉ DEOCLECIANO DE SIQUEIRA JÚNIOR CARLOS DOMINGUES ÀVILA IGLAIR RÉGIS DE OLIVEIRA THIAGO AUGUSTO DE LIMA COSTA E SILVA RALCILENE SANTIAGO DA FROTA JOSÉ DEOCLECIANO DE SIQUEIRA JÚNIOR CARLOS DOMINGUES ÀVILA IGLAIR RÉGIS DE OLIVEIRA THIAGO AUGUSTO DE LIMA COSTA E SILVA ESTUDO COMPARATIVO DA REPERCUSSÃO POLITICA NO LEGISLATIVO

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA Campus Uruguaiana Curso de Graduação em Farmácia REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA MARÇO de 2013 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 o O Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, constituído em 1994,

Leia mais

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO ARTIGO. 1º. (Definição e Mandato) 1. São membros de pleno direito os delegados eleitos e designados e os membros por inerência

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA 1. INTRODUÇÃO Para obter o grau de Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Uberlândia, o aluno deverá cursar as disciplinas Iniciação

Leia mais

NÚCLEO DE PESQUISA DE HISTÓRIA DA ENFERMAGEM BRASILEIRA (Nuphebras) REGULAMENTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES

NÚCLEO DE PESQUISA DE HISTÓRIA DA ENFERMAGEM BRASILEIRA (Nuphebras) REGULAMENTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Enfermagem Anna Nery Departamento de Enfermagem Fundamental NÚCLEO DE PESQUISA DE HISTÓRIA DA ENFERMAGEM BRASILEIRA (Nuphebras) REGULAMENTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO,

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o regulamento do Núcleo de Direitos Humanos das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades Ponta

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES 1 REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art. 1º O Colégio de Presidentes das Subseções é órgão de Consulta, Sugestões e de Recomendações ao Conselho

Leia mais

Fabyanne Nabofarzan Rodrigues

Fabyanne Nabofarzan Rodrigues Fabyanne Nabofarzan Rodrigues A relação entre o Poder Legislativo e a imprensa O papel da assessoria de imprensa na relação entre o Legislativo e a imprensa Projeto de pesquisa apresentado ao Programa

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

REGULAMENTO DO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO Considerando que, no âmbito do desenvolvimento económico, social e cultural, as políticas a adotar devem ser adequadas às necessidades

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO INTERNO SUMÁRIO CAPITULO I Do fundamento legal CAPITULO

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAFS

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAFS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS AMILCAR FERREIRA SOBRAL CAFS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO BR 343 KM 3,5 Bairro Meladão CEP 64.800-000 Floriano PI. Fone (89) 3522-0138 REGIMENTO DO

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

Grupo de Pesquisa: Analise Econômica do Direito. Projeto de Pesquisa: Analise Econômica do Direito

Grupo de Pesquisa: Analise Econômica do Direito. Projeto de Pesquisa: Analise Econômica do Direito Grupo de Pesquisa: Analise Econômica do Direito Projeto de Pesquisa: Analise Econômica do Direito Professor Responsável: Prof. Dr. Fabio Leandro Tokars Objetivo Geral: Demonstrar que através da análise

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, constituído em 2008,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais