LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada"

Transcrição

1 ISSN LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada Volume 11, Número 02 Setembro de ª Edição Londrina - Paraná

2 LFNATEC - Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada ISSN COMISSÃO EDITORIAL (LFNA- UEL) Prof. Dr. Carlos Roberto Appoloni Prof. Dr. Otávio Portezan Filho Prof. Dr. Avacir Casanova Andrello Prof. Dr. Paulo Sérgio Parreira APOIO TÉCNICO: Msc. Fábio Lopes ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Camila Veiga EDITORAÇÃO WEB Eduardo Galliano CORRESPONDÊNCIA LABORATÓRIO DE FÍSICA NUCLEAR APLICADA Departamento de Física Centro de Ciências Exatas Universidade Estadual de Londrina CEP Caixa Postal 6001 Londrina Paraná FÍSICA NUCLEAR APLICADA: OS DESAFIOS E AS REALIZAÇÕES DA INTER E MULTIDISCIPLINARIDADE CARLOS R. APPOLONI Universidade Estadual de Londrina, CCE, Departamento de Física, C.P 6001, CEP , Londrina, Brasil. Contato: TELEFONES (43) (43) FAX (43) HOMEPAGE: publictec.html Os artigos aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores e seus colaboradores, sempre identificados em cada texto. A reprodução parcial ou total do conteúdo aqui publicado, para fins que não sejam educacionais, de divulgação científica e não comerciais, é proibida. LFNATEC - Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada, v. 11, n. 02, setembro 2007.

3 Física Nuclear Aplicada os desafios e as realizações da inter e multidisciplinaridade Prof. Carlos R. Appoloni Laboratório de Física Nuclear Aplicada UEL

4 roteiro Recortes da história e de estórias Alguns dados estatísticos Metodologias e Objetos Dificuldades e Horizontes

5 O início de quem somos herdeiros... Giuseppe Occhialini 1938 Gleb Wataghin 1934 Marcello Damy de Souza Santos Paulus Aulus Pompéia Física Experimental 1935 em diante - São Paulo Mário Schenberg Abrão de Morais Física Teórica 1935 em diante - São Paulo Joaquim Costa Ribeiro Luigi Sobrero Rio de Janeiro 1939 em diante Jayme Tiomno Elisa Frota Pessoa César Lattes Oscar Sala Guido Beck Bernardo Gross Plinio Sussekind Rocha José Leite Lopes

6 Os laboratórios como geradores de grupos de pesquisa Máquinas Pioneiras Campus da USP São Paulo Betatron - 22Mev Marcello Dammy 1951 Van de Graaf - 3,5 MeV Oscar Sala 1954 Reator Nuclear IEA-R1 Marcello Damy Presidente JK em 25/01/1958 CNPq e CNEN 1956 Marcello Damy Instituto de Energia Nuclear IEA, hoje IPEN Marcello Damy 30/08/1956 Instituto de Pesquisas Radioativas Belo Horizonte 1953 hoje CDTN;Reator TRIGA em 1960 Programa Átomos para a Paz EUA 1956

7 Primeiras instalações Rua Três Rios O INÍCIO Fundação da Universidade de São Paulo 25 de janeiro de 1934 Faculdade de Direito Faculdade de Medicina Faculdade de Pharmacia e Odontologia Escola Polytechnica Instituto de Educação Faculdade de Philosofia, Sciencias e Letras Instituto de Sciencias Economicas e Commerciaes Escola de Medicina Veterinaria Escola Superior de Agricultura Escola de Bellas Artes Prof Antonio de Almeida Prado Primeiro Diretor da FFCL Prof Theodoro Ramos Occhialini e Bentivoglio Da Primeira Turma de Licenciados da FFCL-USP (1936): Bentivoglio Anuário Mario Schenberg (Matemática)

8 Marcello Damy de Souza Santos (Física) Prof Gleb Wataghin G Occhialini Os Fundadores da Universidade de São Paulo (1934)

9 Turma de 1954 e alguns professores: Ernst W Hamburguer, H Moyses Nussenzweig, Ewa Cybulska, Elly Silva, M Damy S Santos, Otavia Borello, Amélia Império, Gerard Bund e outros (1952)

10 Cidade Universitária da USP - dez 1968

11 Atoms for Peace``

12 IAEA

13 Assinatura do contrato para aquisição do Reator Nuclear de Pesquisa IEA-R1 pela Comissão De Energia Atômica do CNPq, em O Prof. Dr. Marcello Damy de Souza Santos, fundador do Ipen, é o primeiro, da esquerda para a direita, na cabeceira da mesa.

14 Portas de colimadores de neutrons 1957

15 No primeiro plano, a superfície da piscina onde se encontra o reator nuclear IEA-R1. À esquerda Prof. Dr. Fausto Walter de Lima e o Dr. Paulo Saraiva de Toledo.

16 No saguão que abrigaria a piscina do IEA-R1, da esquerda para a direita, Eng. Claude Cardwell,, Prof. Dr. Fausto Valter de Lima e Dra. Eva Wanda Cibulska,, em 1957.

17 Primeira calibração dos monitores de área, no primeiro andar do edifício do reator IEA-R1. À esquerda, Dr. Wilma Sonia Hehl e o Eng. Carlos Rodrigues Pereira.

18 Concretagem lateral de uma das paredes do edifício do IEA-R1. À esquerda, o engenheiro supervisor da Babcock & Wilcox e à direita, Dra. Eva Wanda Cibulska do Grupo de Física F de Reatores do então IEA, hoje Ipen.

19 Vista da armação de laje do fundo da piscina e chapas de aço a carbono utilizadas para evitar vazamento através s das paredes da piscina do reator (1957)

20 construção do IEA-R1

21 A fachada do prédio que abriga o Reator IEA-R1, em 1957, ano em que iniciou sua operação.

22 Inauguração oficial do IEA-R1, pelo Presidente Juscelino Kubitschek, em 25 de janeiro de À esquerda, o chefe da Divisão de reatores do Ipen, Paulo Saraiva de Toledo, o reitor da USP, Gabriel Silvestre de Carvalho. À direita do presidente, o professor Marcello Damy e seu assistente Ivan Nascimento".

23 Damy, Jucelino, Janio Carvalho Pinto no CNPq

24 O presidente JK afirmou em seu discurso: "a inauguração do reator atômico é um desses exemplos memoráveis do que pode fazer o paulista. Ingressou hoje o Brasil e mesmo a América do Sul na era atômica, projetando-se assim, internacionalmente". No diário Última Hora, em edição do ano anterior, a reportagem abordava o desenvolvimento do então Instituto de Energia Atômica (IEA) com a chamada "plantado em São Paulo o primeiro marco da nossa maioridade atômica". Destacava ainda a pouca idade do professor Marcello Damy, "o jovem de pouco mais de 30 anos" que "dirige um mundo de técnica e de ciência".

25 Equipe de operação, em 1958, chefiada pelo Dr. Paulo Saraiva de Toledo, na sala de Controle do IEA-R1. Um ano e 16 dias após s o início das obras, o reator IEA-R1 entrou em operação

26 Marcello Damy de Souza Santos, dirigente do IPEN de 31/08/56 a 19/02/61

27 Professor Damy com o diploma de Cidadão Paulistano, título recebido em Foto de Marcello Vitorino.

28 Colunas de troca iônica, no primeiro plano e tanques de alimentação, no segundo plano, no início dos anos 60, em uma das fases do ciclo do combustível nuclear, com objetivo de purificar o urânio.

29 No início dos anos 60, numa das fases do ciclo do combustível nuclear, a queima do Diuranato de Sódio. S O operador é devidamente protegido contra ingestão de material uranífero e o local é isolado do restante da usina.

30 Prof. Dr. Fausto Walter de Lima e Dr. Alcídio Abrão, em 1960, quando se iniciavam os processos de purificação do urânio, uma das fases do ciclo do combustível nuclear.

31 O Ipen iniciou a produção de radiofármacos rmacos no Brasil em Na foto, células c para processamento de radiofármacos rmacos no início dos anos 70.

32 Predio_reator Argonauta em 1964

33 Primeira mesa de controle do reator argonauta foi instalçada ada no interior do salão do reator

34 Occhialini, Wataghin e Yolanda

35 Wataghin e Occhialini

36 Construção do prédio do Betatron na USP

37 Prédio do Betatron (USP)

38 Acelerador Betatron (USP)

39 Predios do Acelerador Linear, Van Der Graaff e Pelletron na USP

40 Demolição do prédio do Betatron

41 Acelerador Linear

42 Microtron

43 Microtron

44 Coluna isolante do Van der Graaf Tanque do Van der Graaf

45 Estrutura montada do acelerador Van der Graaf

46 Painel de contrôle do Van der Graaff

47 Sala de contrôle do Van der Graaff

48 Moscati e sra, Ivan, Iuda, Piza J. Goldemberg, O. Sala, R. Nulman, E. W. Hamburger e W. Setzer Emico Jesuina, Lighia

49 Oscar Sala

50 Bolsistas do Van der Graaf (Cecil, AST, Alinka, Jacques,Juan Carlos)

51 Terraplenagem para construção do prédio para o Pelletron

52 Instalação do tanque do Pelletron Torre e prédio do Pelletron

53 Chegada do Tanque do Pelletron

54 Prédio do Pelletron

55 um caso especial: o CENA 1953 na ESALQ Eurípedes Malavolta publicou trabalho com Zn radioativo no estudo da adubação foliar de orquídeas 1955 Livre Docência de Admar Cervellini Orientado por Damy Medidas absolutas de isótopos radioativos (citada pela NEC/EUA) 1958 na ESALQ Malavolta realizou trabalho sobre a absorção do superfosfato radioativo pelo cafeeiro pra estudos de adubação

56 1961 na ESALQ Cervellini com Anivaldo P. Cobra, Eneas Salati e José Goldemberg trabalho pioneiro Utilização de Anéis Radioativos na Medida do Desgaste de Motores a Explosão Prêmio Roberto Simonsen (Inst. Engenharia SP) 1962 é criado o Centro Nacional de Energia Nuclear na Agricultura (CNENA) 01 de agosto de 1962 Cervellini é considerado o grande catalizador

57 O grupo de pioneiros do CENA Admar Cervellini Almiro Blumenschein Akihiko Ando André Martin Louis Neptuno Darcy Martins da Silva Epaminondas S. de Barros Ferraz Eurípedes Malavolta Frederico Maximiliano Wiendl Henrique Bergamim Filho Klaus Reichardt Otto Jesu Crocomo Renato Amilcare Catani Valdomiro Corrêa Bittencourt

58 1964 reformulação da política nuclear brasileira CNENA é formalmente extinto Cervellini coordena equipe para reestruturação da instituição 1966 em 22/09 é criado o Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA)

59 CENA Pioneiros (1953)

60 Professor Admar Cervellini medindo a radiação solar em fins de 50

61 Assinatura do convênio entre a CNEN e a USP, em 1 1 de Agosto de1962. Criando o Centro nacional de Energia Nuclear na Agricultura (CNENA)

62 Primeiro prédio do CENA inaugurado em 1968.

63 CENTRO DE ENERGIA NUCLEAR NA AGRICULTURA

64 TRAÇADORES RADIOATIVOS ARTIFICIAIS H-3, C-14, P-32,P-33,S- 35, Ca-45, Mn-54,Fe-59, Co-57, Co-60,Zn-65, Se- 75, Rb-86, Cd-109, I-125, I-131,Hg sistemas cintiladores líquidos (cintilação líquida e efeito Cerenkov) 1 espectrômetro multicanal cintilador sólido NaI (Tl), tipos plano e poço, 3X3 1 espectrômetro multicanal de raios gama, detector HPGe

65 TRAÇADORES RADIOATIVOS ARTIFICIAIS ESTUDOS EM: NUTRIÇÃO VEGETAL NUTRIÇÃO ANIMAL FERTILIDADE DE SOLO BIOGEOQUÍMICA DO SOLO MICROBIOLOGIA DE SOLO QUÍMICA ANALÍTICA BIOQUÍMICA BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR AGROTOXICOLOGIA RADIOENTOMOLOGIA

66 TRAÇADOR RADIOATIVO NATURAL (ANTROPOGÊNICO) fall out Cs-137: erosão e sedimentação de solos 4 espectrômetros multicanais de raios gama, detector HPGe

67 TRAÇADORES RADIOATIVOS NATURAIS H-3: datação estudo de água subterrânea C-14: datação estudo da matéria orgânica 2 sistemas cintiladores líquidos de baixa radiação de fundo 1 linha de síntese de benzeno

68 ESPECTROMETRIA DE RAIOS X poluição ambiental (material particulado, águas, solos, sedimentos, resíduos agroindustriais, etc.), nutrição vegetal e animal. EDXRF com excitação radioisotópica (Fe-55, Cd-109, Pu- 238, Am-241) mci EDXRF com excitação por tubo de raios X 2 kw por reflexão total (TXRF) com excitação por tubo de raios X SEM/EDS (campus) EDXRF e TXRF (LNLS) 3 espectrômetros multicanais de raios X, detector Si(Li) 1 microscópio eletrônico de varredura com EDS (campus)

69 ESPECTROMETRIA DE RAIOS GAMA Qualidade alimentar: contaminação radioativa e alimentos orgânicos radioatividade ambiental natural ativação neutrônica instrumental reator IPEN 3 espectrômetros multicanais de raios gama, detector HPGe 1 espectrômetro multicanal de raios gama, detector HPGe, com supressor Compton

70 FONTE RADIOATIVA SELADA: gama atenuação de raios gama densimetria de solo produtividade vegetal (madeira) 1 densitômetro de raios gama (Am-241 e Cs-137) 100 milicuries 1 tomógrafo de raios gama (Am-241 e Cs-137) 100 milicuries

71 FONTE RADIOATIVA SELADA: nêutron moderação de nêutrons balanço hídrico do solo 2 sondas portáteis de nêutrons 10 milicuries 241 Am/Be

72 IRRADIADOR DE RAIOS GAMA: cobalto-60 conservação de alimentos maturação de frutas 1 irradiador Gamma-beam 580 curies 1 irradiador, em andamento kilocuries

73 IRRADIADOR DE RAIOS GAMA: cobalto-60 esterização de insetos machos produção de mutantes sementes, gemas, flores polimerização em madeiras 1 irradiador Gamma-cell 1378 curies

74 ESPECTROMETRIA DE MASSA TRAÇADORES ESTÁVEIS NATURAIS ciclo da água 1 H/ 2 H, 16 O/ 18 O ciclo do carbono 12 C/ 13 C ciclo do nitrogênio 14 N/ 15 N 4 espectrômetros de massas

75 TRAÇADORES ESTÁVEIS ENRIQUECIDOS 15 N, 34 S, 10 B 2 espectrômetros de massas 1 espectrômetro óptico ( 15 N/ 14 N)

76 ENRIQUECIMENTO DE ISÓTOPOS ESTÁVEIS NATURAIS 15 N, 34 S, 10 B trocadores iônicos 1 espectrômetro óptico ( 15 N/ 14 N)

77 1. DESINFESTAÇÃO DE INSETOS cena TIPO DE ALIMENTO GRÃOS, FRUTAS, LEGUMES E OUTROS ALIMENTOS SUJEITOS AO ATAQUE DE INSETOS DOSES DE RADIAÇÃO 0,1 a 2 kgy OBJETIVO Desinfestação Mata os insetos ou impede sua reprodução através da esterilização. Pode substituir para dos tratamentos feitos com produtos químicos fumigantes QUARENTENA

78 DESINFESTAÇÃO Grãos e cereais irradiados cena

79 2. INIBIÇÃO DE BROTAMENTOS cena BATATA, CEBOLA, ALHO, TIPO DE ALIMENTO INHAME, GENGIBRE E OUTROS DOSES DE RADIAÇÃO 0,05-0,2 kgy OBJETIVO Inibição de brotos Prolonga a vida útil dos alimentos pela inibição dos brotamentos. Morte das células germinativas

80 INIBIÇÃO DE BROTAMENTOS Bulbos, tubérculos e raízes cena

81 INIBIÇÃO DE BROTAMENTOS bulbos, tubérculos e raizes cena

82 cena 3. RETARDO DE MATURAÇÃO TIPO DE ALIMENTO FRUTAS: BANANA, MAMÃO, MANGA, GOIABA, ABACATE, CITROS, ABACAXI E OUTRAS DOSES DE RADIAÇÃO 1,0 kgy (no máximo) OBJETIVO Retardar a maturação Atrasar o processo de maturação ou senescência das frutas, aumentando a

83 RETARDO DE MATURAÇÃO cena Frutas climatéricas e não climatéricas

84 RETARDO DE MATURAÇÃO cena Frutas climatéricas e não climatéricas OUTRAS FRUTAS: goiaba maça pessêgo figo uva abacate caquí

85 4. PASTEURIZAÇÃO À FRIO cena TIPO DE ALIMENTO PRODUTOS CÁRNEOS FRESCOS OU RESFRIADOS (CARNES, AVES, PEIXES, FRUTOS DO MAR, PERNAS DE RÃ) PRODUTOS LÁCTEOS, SUCOS DE FRUTAS, MASSAS FRESCAS, FRUTAS E LEGUMES MINIMAMENTE PROCESSADOS DOSES DE RADIAÇÃO 0,1 a 10 kgy OBJETIVOS Retardar a decomposição por microrganismos Eliminar e/ou reduzir o número de microrganismos patogênicos ou da putrefação e parasitas (cisticercose)

86 PASTEURIZAÇÃO (A FRIO) cena Massa pronta de pizza Frango resfriado

87 couve manteiga PASTEURIZAÇÃO (A FRIO) Sucos e produtos minimamente processados suco de maçã cena palmito pupunha brócolis

88 PASTEURIZAÇÃO cena OUTROS PRODUTOS: filé de tilápia (ESALQ/CENA) pão de forma queijo Frescal e Prato mandioca mandioquinha (batata baroa) suco de laranja morango cogumelo cerveja clara (chopp) polpa de fruta mosto de cana garapa

89 5. ESTERILIZAÇÃO cena TIPO DE ALIMENTO DOSE DE RADIAÇÃO OBJETIVO ALIMENTOS PRONTOS PARA CONSUMO COMO : CARNES, AVES, PEIXES, CRUSTÁCEOS, ALGUNS LEGUMES, ASSADOS E OUTROS kgy Esterilização O produto após tratamento pode ser armazenado em condições ambiente

90 ESTERILIZAÇÃO PRODUTO DO CENA/USP: cena

91 cena USO DA RADIAÇÃO NO CONTROLE DE PRAGAS: 1. QUARENTENA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS EXPORTÁVEIS 2. REDUÇÃO DA PRAGA NO CAMPO PELA TÉCNICA DO INSETO ESTÉRIL

92 Outro caso especial: PUC - RJ Acelerador eletrostático Van de Graaff PUC-Rio 35 anos de operação contínua nua - História - Potencialidades - Linhas Experimentais Enio F. da Silveira PUC-Rio Departamento de Física

93 Década de 50 Atividades em Física Nuclear Goiás-1958 Pe. Cullen Pe. Roser ak Ridge Decisão pela PUC-Rio de criar um Instituto de Física haveria pesquisas em Física Nuclear com um acelerador de partículas Mapeamento da radioatividade natural no Brasil 1957

94 Década de 60 Obras civis do prédio do acelerador Construção da torre Chegada dos tanques e de equipamentos (Ford Fundation) Prof. Alceu Pinho Com 28 anos, Robert Van de Graaff inventa o gerador VDG ( Princeton, 1929). Obtem 5 MV (MIT,1931). Cria a HVEC (1946)

95 Década de 70 Feixes de prótons, dêuterons e alfas Características iniciais: - Fonte de íons: radiofrequência p, d, H 2+, 3 He +, 3 He ++, 4 He +,He ++ - Tensão do terminal: 0.15 a 4 MV α de 150 kev a 8 MeV - Corrente de prótons: 400 μa HVEC KN Possibilidade de pulsar o feixe (1 ns, na fonte de íons) - Possibilidade de feixe negativo ( e - ) Raymond Herb pressuriza o VDG ( Wisconsin, 1931). Cria a NEC (1965). Em 1967, mais de 500 VDGs estavam em operação

96 Década de 2000 Mosaico dos periféricos imã 90 o imã distribuidor imã distribuidor UHV troca de carga do feixe troca de carga do feixe TOF - gases fonte Pennig TOF TOF em em superfícies RBS-PIXE acelerador de 30 kev implantador

97 INSTITUTOS DA CNEN CNEN 14 unidades em 9 estados IPEN São Paulo 1956 CDTN Belo Horizonte 1956 IEN Rio de Janeiro 1962 Reator Argonauta IRD Rio de Janeiro 1959 PUC/CNEN 1972 CNEN/IAEA CRCN-NE Recife atividades novas instalações CRCN-CO criação 01/06/89 Abadia de Goiás inauguração 05/06/97 Goiânia Acidente Radiológico setembro anos Acidente de Goiânia em 13/09/07 SINAER 1995

98 Programa Nuclear Brasileiro Angra I 657 MW (01/01/1985) Angra II MW (01/02/2001) Angra III MW (2013) 4 usinas de MW Plano Nacional de Energia 2030 (CNPE 25/6/07) ; ;

99 Números da Sub Área Física Nuclear Aplicada

100 Número de Citações em 20/08/ FN FNA NP APN 0 Google Yahoo Scirus Sc. Google Ac. ISI Web

101 Applied Nuclear Physics ( 0,14 a 1,3% de NP) Google A Google Yahoo Scirus S ISI Web APN NP

102 FN e FNA FN FNA Google A Google Yahoo Scirus A

103 Física Nuclear Aplicada ( 0,6 a 5,2 % de FN ) FNA Google A Google Yahoo Scirus S

104 três congressos tradicionais

105 200 RTFNB - trabalhos submetidos Total Fís. Aplicada e Instrumentação Física de baixas energias Física hadrônica Sul-Americana Trabalhos submetidos Ano

106 500 VII ENAN 2005 (bienal, desde 1991) trabalhos por sessão VII ENAN TAN CA M&S TI Agric. Bio TAN Técnicas analíticas Nucleares M&S Medicina e Saúde Agric. Agricultura CA Ciências Ambientais TI Técnicas Isotópicas Bio - Biologia

107 th International Symposium on Radiation Physics 2006 (trienal) ISRP M&B Mod&Sim Mat. Sci. S,E&EC A&CH IA FPinRP S&D M&B Medicine and Biology Mol&Sim Modeling and Simulation Mat.Sci. MaterialsScience S,E&ES Space, Earth and Environmental Sciences A&CH Art and Cultural Heritage IA Industrial Applications FPinRp Fundamental Processes S&D Sources and Detectors

108 Quantos somos?

109 GRUPOS DE PESQUISA JUNTO AO CNPq Tipo de Busca Física Nuclear Física Nuclear Aplicada Energia Nuclear Aplicações Nucleares Física das Radiações exata todas as palavras FÍSICA MÉDICA 19 / 20

110 Metodologias da FN na FNA Feixes Iônicos PIXE, PIGE, ERDA, RBS, FRS, SE, AMS, PDMS, NRA, IBL... Neutrons NAA, neutrongrafia, tomografia... Raios X (tubos e Sincrotron) XRF, TXRF, microxrf... Raios X e Gama Transmissão, Espalhamento, Tomografia

111 Ion beam interaction with matter - MeV Incident beam (MeV/amu) light Secondary electrons Back-scattered ions (RBS) sample Secondary electrons Scattered ions Recoil nuclei (ERDA/FRS) Transmitted beam XXVIII RTFNB 2005 M.A RIZZUTTO X-rays (PIXE) γ-rays (PIGE) 1

112

113 Objetos da FNA Medicina e Biologia Ciência e Engenharia de Materiais Meio ambiente Geociências Pesquisa Espacial Aplicações Industriais Arte e Patrimônio Cultural

114 As origens do LFNA / UEL IFUSP Van de Graaf Pelletron LFNA / UEL criado em1977 LAFINAU UNISO ex-bolsista LFNA J. M. de Oliveira Jr CENA Física de Solos Espec. X e Gama

115 Linhas do LFNA Transmissão e Espalhamento de Raios Gama (da Física de Solos a Espumas de Titânio) Microtomografia com Raios X (de SiC a rochas reservatório) Espectrometria Gama - lab. e in situ (de redistribuição de solos a alimentos e rochas) P019 EDXRF lab. e in situ (meio ambiente, biomedicina, arte e patrimônio cultural) ORAL 1 2 trabalhos

116 DIFICULDADES E HORIZONTES FINAL DA DÉCADA DE 80 DEIXOU DE SER ÁREA DE 2.a CLASSE (?) INTERAÇÃO UNIVERSIDADE / EMPRESA DEPENDE DELA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MUDANÇA NA AVALIAÇÃO NA ÁREA ACADÊMICA ANÁLISE NÃO INVASIVA É NOSSA! ENERGIA NUCLEAR DESAFIO E SABOR DA MULTIDISCIPLINARIDADE

117 ARTE E PATRIMÔNIO CULTURAL

118 Métodos Analíticos LASMAC ESR (2 poster) FTIR (5) Portátil+SR (9) Comunicações orais (LASMAC 2007)

119

120

121

122

123

124

125

126

127

128

129

130

131

132

133

134

135

136

137

138

139

140 Scribe facing the accelerator

141

142

143

144

145

146

147

148

149

150

151

152

153

154

155

156

157

158

159

160

161 Agradecimentos Antonio Marcos C. de Morais (LFNA/UEL) Carmen Cecilia Bueno (IPEN) Virgílio Franco do Nascimento Filho (CENA) Manfredo H. Tabacniks (IFUSP)

162 Muito obrigado pela sua atenção!

Aplicações nas Áreas Agrícolas e Alimentos

Aplicações nas Áreas Agrícolas e Alimentos Aplicações nas Áreas Agrícolas e Alimentos Antonio Figueira Centro de Energia Nuclear na Agricultura CENA Universidade de São Paulo - USP Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA) Piracicaba, SP

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Jose Augusto Perrotta Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento DPD/CNEN Tópicos abordados nesta apresentação Institutos da CNEN Principais

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada

LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada ISSN 2178-4507 LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada Volume 09, Número 03 Agosto de 2005-1ª Edição Londrina - Paraná LFNATEC - Publicação Técnica do Laboratório de Física

Leia mais

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Profa. Katia Aquino http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Radiação ionizante Arranca elétrons da matéria não ionizante Excitação da matéria partícula http://blogtecrad.blogspot.com/2010_09_01_archive.html

Leia mais

Aplicações Industriais das Radiações Ionizantes. Datação, Esterilização e Detecção de Fugas

Aplicações Industriais das Radiações Ionizantes. Datação, Esterilização e Detecção de Fugas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NUCLEAR Curso de Extensão em Radiologia Industrial, Gamagrafia e Medidores Nucleares para Técnicos Aplicações Industriais

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

ESTRUTURA E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LABORATORIAIS - INSTALAÇÕES. Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares Comissão Nacional de Energia Nuclear

ESTRUTURA E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LABORATORIAIS - INSTALAÇÕES. Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares Comissão Nacional de Energia Nuclear WORKSHOP SOBRE ESTRATÉGIAS PARA O CONTROLE DE ALIMENTOS IRRADIADOS - ANVISA ESTRUTURA E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LABORATORIAIS - INSTALAÇÕES Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares Comissão Nacional

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

Utilização da energia nuclear na agricultura

Utilização da energia nuclear na agricultura Utilização da energia nuclear na agricultura Prof. Dr. José Lavres Junior Laboratório de Nutrição Mineral de Plantas Prof. Eurípedes Malavolta UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CENTRO DE ENERGIA NUCLEAR NA AGRICULTURA

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01 2011 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2011 Belo Horizonte,MG, Brazil, October 24-28, 2011 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-04-5 MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS

Leia mais

Fluorescência de raios X por reflexão total (TXRF)

Fluorescência de raios X por reflexão total (TXRF) Fluorescência de raios X por reflexão total (TXRF) Eduardo de Almeida Especialista em Laboratório Laboratório de Instrumentação Nuclear (LIN) Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fluorescência

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear

Comissão Nacional de Energia Nuclear II workshop International ENUMAs 2010 Comissão Nacional de Energia Nuclear Nilson Dias Vieira Junior 19/08/2010 A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA Presidência da República Ministério da Ciência e Tecnologia Institutos

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

Centro Regional de Ciências Nucleares. Heldio Pereira Villar

Centro Regional de Ciências Nucleares. Heldio Pereira Villar Centro Regional de Ciências Nucleares Heldio Pereira Villar Comissão Nacional de Energia Nuclear O CRCN O CRCN foi criado em 14 de junho de 1996 por meio de um convênio entre CNEN, UFPE e FUNDACENTRO O

Leia mais

Energia Nuclear. Apostila educativa. Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana

Energia Nuclear. Apostila educativa. Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana Aplicações da Energia Nuclear Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana Rua General Severiano, 90 - Botafogo - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22290-901 www.cnen.gov.br

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR A Acelerador Aparelho para aumentar a velocidade e a energia de partículas elementares carregadas, como elétrons e prótons, utilizando campos elétricos e/ou

Leia mais

PRINCIPAIS INFRAESTRUTURAS A VISITAR:

PRINCIPAIS INFRAESTRUTURAS A VISITAR: O Campus Tecnológico e Nuclear (CTN), em colaboração com a Ciência Viva, disponibilizará as suas infraestruturas para informação e divulgação da atividade de investigação científica e desenvolvimento tecnológico

Leia mais

Espectrometria de fluorescência de raios X

Espectrometria de fluorescência de raios X Espectrometria de fluorescência de raios X Espectro eletromagnético E = h.f f = c / λ E.λ = h.c Fonte: PROGRAMA EDUCAR CDCC USP SÃO CARLOS. Luz: fundamentos teóricos. São Carlos: CDCC/USP, 2009. Disponível

Leia mais

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG Belo Horizonte, 29-31 de Maio de 2012 TECNOLOGIA DOS REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA E DE PESQUISA Dr. Clarysson

Leia mais

SETEMBRO 2015 - BERÇÁRIO

SETEMBRO 2015 - BERÇÁRIO Semana 1 01/09 02/09 03/09 04/09 Rosquinha Bolacha de água e sal; Bolacha maisena FERIADO MUNICIPAL Aniversário de Mogi das Cruzes 455 anos Manga; Pera; Maçã; desfiado cará, cenoura e ou Lima; abobrinha,

Leia mais

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12 ALMOÇO 1 Dia 2 Dia 3 Dia de ervas -Pão torrado -Mamão - fruta (melão) ou água de côco -Salada de folhas temperadas c/ azeite e orégano. -1 prato de sobremesa de legumes cozidos ou purê de batatas. - Arroz

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

Química. Prof. Arilson. Aluno(a):

Química. Prof. Arilson. Aluno(a): Produção de energia Projeções indicam que até 2050 o consumo de energia terá um aumento de 160%.Uma das possíveis opções para solucionar esse problema de produção de energia é a utilização da energia nuclear.existem

Leia mais

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS 1 INTRODUÇÃO Wellington Antonio Soares soaresw@cdtn.br Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN Centro

Leia mais

UNIVERSAL KIDS. Quarta 03/06

UNIVERSAL KIDS. Quarta 03/06 Semana 1 01/06 02/06 03/06 04/06 05/06 Bolacha de Maisena; Biscoito de água e sal; Banana; Mamão; Manga; Maça; Sopa de Frango com Batata Cenoura (quando Sopa de Mandioquinha com iscas de fígado Sopa de

Leia mais

I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio. Noil A. M. Cussiol

I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio. Noil A. M. Cussiol I Ciclo de Debates Saúde Sem Dano - Projeto Hospitais Saudáveis Assistência à Saúde Livre de Mercúrio Belo Horizonte, 03 de agosto de 2011 Noil A. M. Cussiol Comissão Nacional de Energia Nuclear Autarquia

Leia mais

Creme de batata com couve, abobrinha e salsinha. Sopa de brócolis, inhame Cenoura

Creme de batata com couve, abobrinha e salsinha. Sopa de brócolis, inhame Cenoura CARDÁPIO BERÇÁRIO I 1ª FASE MATUTINO COLAÇÃO 8H30 11H30 Papa de Mamão Papa de Goiaba Maçã raspada Papa de abacate Papa de manga vagem, chuchu e espinafre Creme de batata com couve, abobrinha e salsinha,

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

Cardápio de OUTUBRO 2015 PRÉ I e II - BARRA

Cardápio de OUTUBRO 2015 PRÉ I e II - BARRA 01/out 02/out Biscoito passatempo / Banana Alface lisa Vagem com champignon Berinjela com cebola e orégano Caldo verde Bife de panela Suco de goiaba Biscoito sal integral Maçã / Manga Maionese de legumes

Leia mais

Aula 2 Aplicações das Radiações. F 107 Física para Biologia 1º Semestre de 2010 Prof.Dr. Edmilson JT Manganote

Aula 2 Aplicações das Radiações. F 107 Física para Biologia 1º Semestre de 2010 Prof.Dr. Edmilson JT Manganote Aula 2 Aplicações das Radiações Radiografias Análise de Materiais O XPS (X-Rays Photoelectron Spectroscopy - Espectroscopia Fotoelétrica de Raio-X). Também conhecido como ESCA ( Electron Spectroscopy for

Leia mais

Cardápio de OUTUBRO 2015 Berçário e Maternal - BARRA

Cardápio de OUTUBRO 2015 Berçário e Maternal - BARRA 01/out 02/out Biscoito passatempo / Alface lisa Vagem com champignon Berinjela com cebola e orégano Caldo verde Bife de panela Suco de goiaba Biscoito sal integral Maçã / Manga Maionese de legumes com

Leia mais

Conservação de Alimentos pela Irradiação

Conservação de Alimentos pela Irradiação FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM024- Processamento de Alimentos Conservação de Alimentos pela Irradiação Conservação de Alimentos pela Irradiação e seu Processamento por Microondas

Leia mais

Francieli Antunes de Lima 1 ; Jaquiel Salvi Fernandes 2 ; Solange Francieli Vieira 3 ; Paola dos Santos Balestieri 4 INTRODUÇÃO

Francieli Antunes de Lima 1 ; Jaquiel Salvi Fernandes 2 ; Solange Francieli Vieira 3 ; Paola dos Santos Balestieri 4 INTRODUÇÃO DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS MICROESTRUTURAIS DE ROCHAS RESERVATÓRIO DO AQUÍFERO GUARANI ATRAVÉS DA ANÁLISE DE IMAGENS 2-D E 3-D OBTIDAS COM A MICROTOMOGRAFIA DE RAIOS-X Francieli Antunes de Lima 1 ; Jaquiel

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR 78029 FRUTAS 49203 FRUTAS ABACATE; 1ª QUALIDADE; MADURO E ENTRE MADURO; TAMANHO E COLORACAO: UNIFORMES; TIPO: FRUTO SELECIONADO; ESTADO DA POLPA: FIRME E INTACTA; SEM DANOS FISICOS E ORIUNDOS DO MANUSEIO

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

ALIMENTOS PROCESSADOS POR RADIAÇÃO IONIZANTE

ALIMENTOS PROCESSADOS POR RADIAÇÃO IONIZANTE ENUMAS 2010 ALIMENTOS PROCESSADOS POR RADIAÇÃO IONIZANTE Dra. Anna Lucia C. H. Villavicencio Centro de Tecnologia das Radiações CTR IPEN-CNEN/SP Campinas, 19 de agosto de 2010 PROCESSO DE IONIZAÇÃO DE

Leia mais

CARDÁPIO FLAVIA E DUDA JANEIRO

CARDÁPIO FLAVIA E DUDA JANEIRO SEGUNDA FEIRA TERÇA FEIRA QUARTA FEIRA QUINTA FEIRA SEXTA FEIRA SÁBADO DOMINGO *1 XÍCARA DE CHÁ + 1 DISCO DE BEIJU COM CHIA NA MASSA E RECHEIO DE 2 FATIAS DE QUEIJO SEM LACTOSE 1 BANANA + 2 CASTANHAS DO

Leia mais

CARDÁPIO ESCOLAR 30/01/12 31/01/12 01/02/12 02/02/12 03/02/12 MELÃO

CARDÁPIO ESCOLAR 30/01/12 31/01/12 01/02/12 02/02/12 03/02/12 MELÃO 30/01/12 31/01/12 01/02/12 02/02/12 03/02/12 MELÃO PERA ARROZ, ESTROGONOFE, BATATA PALHA E SALADA DE TOMATE E ALFACE BOLO DE CENOURA COM CALDA DE CHOCOLATE FEIJÃO, CARNE ASSADA, FAROFA DE CENOURA E SALADA

Leia mais

CARDÁPIO SEMANAL - 7 a 14 anos 02 a 06 de NOVEMBRO. Lanche da Manhã Biscoito de aveia e mel Tostex (queijo e peito de peru) Pão de forma com margarina

CARDÁPIO SEMANAL - 7 a 14 anos 02 a 06 de NOVEMBRO. Lanche da Manhã Biscoito de aveia e mel Tostex (queijo e peito de peru) Pão de forma com margarina CARDÁPIO SEMANAL - 7 a 14 anos 02 a 06 de NOVEMBRO 02/11/2015 03/11/2015 04/11/2015 05/11/2015 06/11/2015 Biscoito de aveia e mel Tostex (queijo e peito de peru) Pão de forma com margarina Cereal Matinal

Leia mais

CARDÁPIO FASE 1 - DEZEMBRO

CARDÁPIO FASE 1 - DEZEMBRO CARDÁPIO FASE 1 - DEZEMBRO PRIMEIRA SEMANA DIAS 30 1 2 3 4 COLAÇÃO suco de laranja lima suco de mamão suco de melão suco de maçã suco de melancia frango músculo frango músculo gema de ovo ALMOÇO inhame,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL. Quarta-feira 03/06. Suco: laranja com beterraba Pão francês com queijo

EDUCAÇÃO INFANTIL. Quarta-feira 03/06. Suco: laranja com beterraba Pão francês com queijo CARDÁPIO JUNHO/05 Elaborado e aprovado por: Luiza Crozariol Campos Nutricionista CRN3 4488 Semana 0/06 0/06 03/06 04/06 05/06 Pão francês com Biscoito de leite com geleia com bolo de banana Bisnaguinha

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

Processamento Geral de Alimentos Módulo II

Processamento Geral de Alimentos Módulo II Processamento Geral de Alimentos Módulo II TRABALHO REALIZADO POR: Diana Ventura, nº20603005 Joana Rufino, nº20803006 Cláudia Nunes, nº20803008 Nuno Mendes, nº20803054 Fontes de radiação de ionização;

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR P N A E 250 mil famílias poderão ser beneficiadas (estimativa) Cerca de R$1 bilhão 47 milhões de alunos da educação básica da rede pública GRANDE DESAFIO: AS

Leia mais

CARDÁPIO DE OUTUBRO LANCHE DA MANHÃ

CARDÁPIO DE OUTUBRO LANCHE DA MANHÃ LANCHE 01/10/2015 02/10/2015 BEBIDA Chocolate Quente Chocolate Quente BEBIDA Suco Laranja Suco de Limão BEBIDA Chá Iogurte de morango SALGADO OU DOCE Pão de Leite com Requeijão Pão de Queijo OPÇÃO Pão

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

ANEXO MODELO DE PROPOSTA COMERCIALCOM VALORES

ANEXO MODELO DE PROPOSTA COMERCIALCOM VALORES ANEXO MODELO DE PROPOSTA COMERCIALCOM VALORES Itens Unid. QTD. Especificação detalhada dos Gêneros Alimentícios VALOR VALOR UNIT TOTAL ABACATE: Procedente de planta sadia, destinado ao consumo 4,18 6.311,80

Leia mais

ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS MEDIÇÕES COM O ESPECTRÔMETRO DE MULTIESFERAS DE BONNER

ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS MEDIÇÕES COM O ESPECTRÔMETRO DE MULTIESFERAS DE BONNER 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS

Leia mais

PIZZAS 20,00 25,00 30,00 40,00. mussarela, alho e óleo, orégano AMERICANA. mussarela, bacalhau, azeitona, tomate, orégano BACON

PIZZAS 20,00 25,00 30,00 40,00. mussarela, alho e óleo, orégano AMERICANA. mussarela, bacalhau, azeitona, tomate, orégano BACON PIZZAS EXTRA GRANDE 20,00 25,00 30,00 40,00 PEQUENA MÉDIA GRANDE 4 QUEIJOS mussarela, provolone, catupiry, ricota, orégano À MODA mussarela, presunto, calabresa, bacon, tomate, milho, orégano ALHO E ÓLEO

Leia mais

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos A RADIAÇÃO IONIZANTE O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos Palestra introdutória Curso de Física da Radiação I -2004/1 Resp.: Prof. Stenio Dore O que é radiação? Def. abrangente: É o transporte

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR IRRADIAÇÃO

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR IRRADIAÇÃO CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR IRRADIAÇÃO Aula 4 Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira CONCEITO A irradiação é uma técnica eficiente na conservação dos alimentos reduz as perdas naturais causadas por processos

Leia mais

ENGENHARIA DE ALIMENTOS. COORDENADOR Regina Célia Santos Mendonça rmendoc@ufv.br

ENGENHARIA DE ALIMENTOS. COORDENADOR Regina Célia Santos Mendonça rmendoc@ufv.br ENGENHARIA DE ALIMENTOS COORDENADOR Regina Célia Santos Mendonça rmendoc@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 201 Engenheiro de Alimentos ATUAÇÃO O Engenheiro de Alimentos tem como campo profissional

Leia mais

Energia Nuclear e Contaminação Radioativa. Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro

Energia Nuclear e Contaminação Radioativa. Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro Energia Nuclear e Contaminação Radioativa Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro Motivação Em todas as áreas da atividade humana ocorrem acidentes; batidas de veículos, descarrilamentos

Leia mais

N Código Subgrupo Descrição Unid Preço Varejo

N Código Subgrupo Descrição Unid Preço Varejo 1 78019 2 78020 3 78021 4 78022 POLPA DE FRUTA; SABOR ABACAXI; APRESENTACAO: POLPA DE POLPA DE FRUTA; SABOR ACEROLA; APRESENTACAO: POLPA DE POLPA DE FRUTA; SABOR GOIABA; APRESENTACAO: POLPA DE POLPA DE

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia. Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN

Ministério da Ciência e Tecnologia. Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN A CNEN REJEITOS RADIOATIVOS 1/8 NOV/2001 A CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear é o órgão federal responsável pelo licenciamento e fiscalização das instalações nucleares e radiativas brasileiras.

Leia mais

QUARTA-FEIRA 02/07. SEXTA-FEIRA 04/07 Jogo do Brasil- sem aula LANCHE DA MANHÃ. Suco de maracujá, pão na chapa

QUARTA-FEIRA 02/07. SEXTA-FEIRA 04/07 Jogo do Brasil- sem aula LANCHE DA MANHÃ. Suco de maracujá, pão na chapa 01/07 02/07 03/07 04/07 Jogo do Brasil- sem aula mamão, bolo pão na chapa Suco de goiaba, bolacha integral file de frango grelhado, cenoura sautê, salada de quibe de assadeira, purê de batata, salada de

Leia mais

Dieta do Mix de Fibras - 2 Kg em 4 Dias

Dieta do Mix de Fibras - 2 Kg em 4 Dias Dieta nas Festas Dieta nas Festas Selecionamos aqui três dietas eficazes para você se preparar antes das festas e uma dieta desintoxicante para recuperar seu corpo depois delas! Dieta do Mix de Fibras

Leia mais

Tapioca. Delícia. sem gluten. Mais saude com. 5kg em 1 mês. Ideal para evitar o inchaço. Receitas nutritivas. Melhor do que pão? recheios.

Tapioca. Delícia. sem gluten. Mais saude com. 5kg em 1 mês. Ideal para evitar o inchaço. Receitas nutritivas. Melhor do que pão? recheios. Mais saude com consultoria de Tapioca R$ Queime 5kg em 1 mês incluindo tapioca no cardápio Todas as matérias com especialistas Mais Saúde com Tapioca Ano 1, nº 1-2015 4,99 Receitas nutritivas Sucos, cereais

Leia mais

184 ISSN 0103 5231 Dezembro, 2012 Rio de Janeiro, RJ

184 ISSN 0103 5231 Dezembro, 2012 Rio de Janeiro, RJ 184 ISSN 0103 5231 Dezembro, 2012 Rio de Janeiro, RJ Ilustração: Gabriel Gomes de Sousa Validação do Método Analítico de Determinação de Nitrogênio Total para Atender a DOQ- CGRE-008 de 2010 do Inmetro

Leia mais

Cardápio. Cardápio. 3 de agosto. 4 de agosto. 5 de agosto. 6 de agosto LANCHE MANHÃ ALMOÇO LANCHE TARDE. segunda-feira. terça-feira.

Cardápio. Cardápio. 3 de agosto. 4 de agosto. 5 de agosto. 6 de agosto LANCHE MANHÃ ALMOÇO LANCHE TARDE. segunda-feira. terça-feira. agosto Cardápio 2014 agosto Cardápio sujeito a 2015 alterações 3 de agosto Pão sírio com queijo branco e tomate. Creme de abacate. Iscas largas de carne grelhada ao molho roti. Picadinho de frango. Arroz

Leia mais

AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes

AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes AULA 9: Matéria Orgânica Importância e Fontes NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO O valor da matéria orgânica no solo A qualidade da matéria orgânica Como aplicar a matéria orgânica no solo 1.A importância da matéria

Leia mais

Cardápio. Cardápio. 1º de abril. 2 de abril. 3 de abril. 6 de abril. Comemoração de Pesach. Véspera de Pessach e feriado nacional.

Cardápio. Cardápio. 1º de abril. 2 de abril. 3 de abril. 6 de abril. Comemoração de Pesach. Véspera de Pessach e feriado nacional. agosto Cardápio 2014 abril 2015 1º de abril Pão francês integral. Ricota majericão e tomate cereja. Suco de melancia. Maçã. Espaguete alho e óleo. Bife empanado no forno. Frango de panela. Arroz integral/

Leia mais

CARDAPIO DE 1 A 5 ANOS SEGUNDA-FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA 01 DE SETEMBRO 02 DE SETEMBRO 03 DE SETEMBRO 04 DE SETEMBRO

CARDAPIO DE 1 A 5 ANOS SEGUNDA-FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA 01 DE SETEMBRO 02 DE SETEMBRO 03 DE SETEMBRO 04 DE SETEMBRO SETEMBRO DE 2015 01 DE SETEMBRO 02 DE SETEMBRO 03 DE SETEMBRO 04 DE SETEMBRO SUCO DE LARANJA SUCO DE ABACAXI C/ SUCO DE MELÃO SUCO DE UVA BISCOITO INTEGRAL HORTELÃ BISCOITO DE POLVILHO BISCOITO DE MAISENA

Leia mais

CONTAMINANTES INORGÂNICOS EM RESÍDUOS ORGÂNICOS

CONTAMINANTES INORGÂNICOS EM RESÍDUOS ORGÂNICOS 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 CONTAMINANTES INORGÂNICOS

Leia mais

Título da. Apresentação

Título da. Apresentação SITUAÇÃO ATUAL DO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTEGRADA PI-BRASIL Título da Coordenação de Produção Integrada da Cadeia Agrícola Apresentação Luzia Maria Souza Gisele Ventura Garcia Grilli Brasília-DF Setembro-2014

Leia mais

CARDÁPIO ESCOLAR 2015

CARDÁPIO ESCOLAR 2015 JULHO DE 30/07/2015 A 31/07/2015 2º Feira 3º Feira 4º Feira 5º Feira 30/07/2015 31/07/2015 Lanche da manhã Maçã Banana Arroz, Feijão Preto, Espaguete, carne coxinha da asa moída, molho de Almoço assada,

Leia mais

CARDÁPIO ESCOLAR 2015

CARDÁPIO ESCOLAR 2015 Camila de O. G. Paiva 02/11/2015 03/11/2015 04/11/2015 05/11/2015 06/11/2015 COLAÇÃO - FRUTA Maçã Banana Melancia Melão ARROZ Arroz Integral Arroz Branco Arroz Integral ****** FEIJÃO Grão de Bico Feijão

Leia mais

(EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) Alface. Inhame cozido Frango acebolado

(EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) Alface. Inhame cozido Frango acebolado CARDÁPIO EDUCAÇÃO INFANTIL (maiores de 2 anos) JUNHO/2015 Observações: A utilizada será sem lactose. Oferecer água durante todo dia. Não oferecer bebida durante o almoço ou jantar somente depois de no

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 99/308/2014 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 308/2014 SRP PROCESSO Nº 23080. 019467/2014-90

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 99/308/2014 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 308/2014 SRP PROCESSO Nº 23080. 019467/2014-90 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPRAS Prédio II da Reitoria - Rua Desembargador Vitor Lima, 222 - Trindade 6º andar CEP: 88040-400

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste Marco Antônio de Carvalho Físico Médico e Supervisor de Radioproteção em Medicina Nuclear

Leia mais

Merendeira. Benefícios de uma alimentação saudável o Critério das Cores Diversas dos Alimentos Ajuda na prevenção da obesidade Bullying

Merendeira. Benefícios de uma alimentação saudável o Critério das Cores Diversas dos Alimentos Ajuda na prevenção da obesidade Bullying Merendeira 1) Objetivos Gerais Através do trabalho da merendeira, aprofundar os conhecimentos sobre a preparação de uma refeição saudável com o uso dos utensílios e eletrodomésticos presentes na cozinha.

Leia mais

A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala

A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala 30 capítulo 4 a geração de energia hoje 4 A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala No último século, a maior parte das sociedades constituiu complexos regimes de energia envolvendo

Leia mais

Notas para a apresentação dos hologramas:

Notas para a apresentação dos hologramas: Notas para a apresentação dos hologramas: Folha 2 -> Imagem representando um holograma analisado no laboratório de feixes de iões do ITN Folha 3 -> O que se pretende estudar. No que diz respeito à composição

Leia mais

No Brasil, as frutas e

No Brasil, as frutas e FRUTAS E HORTALIÇAS: FONTE DE PRAZER E SAÚDE No Brasil, as frutas e hortaliças frescas são produzidas, em diferentes épocas do ano, por milhares de pequenos produtores, distribuídos por todo o país. A

Leia mais

LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada

LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada ISSN 2178-4507 LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada Volume 10, Número 01 Junho de 2006-1ª Edição Londrina - Paraná LFNATEC - Publicação Técnica do Laboratório de Física

Leia mais

Pão com queijo branco Salada de fruta + Biscoito de polvilho Bisnaguinha com geléia de morango + Maçã Pão de leite com margarina

Pão com queijo branco Salada de fruta + Biscoito de polvilho Bisnaguinha com geléia de morango + Maçã Pão de leite com margarina CARDAPIO SEMANAL - 2 a 6 anos 05 a 09 de OUTUBRO 05/10/2015 06/10/2015 07/10/2015 08/10/2015 Lanche da Manhã Bisnaguinha com queijo cremoso Cereal Matinal (Flocos de milho) Pão francês com margarina Pão

Leia mais

CARDÁPIO INFANTIL KIDS -AGOSTO 2015

CARDÁPIO INFANTIL KIDS -AGOSTO 2015 1 a SEMANA: CARDÁPIO INFANTIL KIDS -AGOSTO 2015 2 a 03/08/2015 Mini francês com margarina Banana picado Frango em Cubos com Legumes Abobrinha refogada Cenoura salteada no alho e manteiga Farofa Brasileira

Leia mais

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule -2012 UFBA UFBA - 2ª - 2ª FASE 2012 Questão 01 Ilustração esquemática (fora de escala) da formação da grande onda Em 11 de março de 2011, após um abalo de magnitude 8,9 na escala Richter, ondas com amplitudes

Leia mais

CARDÁPIO INFANTIL 1ª SEMANA 04/05 A 08/05 SEGUNDA FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA

CARDÁPIO INFANTIL 1ª SEMANA 04/05 A 08/05 SEGUNDA FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA 1ª SEMANA 04/05 A 08/05 CARDÁPIO INFANTIL Suco uva Melancia picada Suco de manga picado Suco de pêssego Carne moída rica ( e Iscas de frango Bife de panela Moqueca capixaba Ensopado de frango vagem) Angu

Leia mais

Fotos meramente ilustrativas.

Fotos meramente ilustrativas. Matinais Piriquito Ouro PADARIA Pão c/ manteiga... Pão c/ requeijão... Baguetinha c/ manteiga... Baguetinha c/ requeijão... Bisnaga c/ manteiga... Bisnaga c/ requeijão... Torrada... Torrada integral...

Leia mais

Nutrição. O alimento como aliado da sua saúde.

Nutrição. O alimento como aliado da sua saúde. Nutrição O alimento como aliado da sua saúde. alimentação saúdavel Alimentação saúdavel e cuidados nutricionais são importantes em todas as fases da vida e devem ser tratados com distinção em cada período.

Leia mais

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S.

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S. CONTROLE DAS FONTES RADIOATIVAS NA INDÚSTRIA ATRAVÉS DE INSPEÇÕES REGULATÓRIAS Leocadio J.C.; Ramalho A. T. ; Pinho, A S. ; Lourenço, M. M. J. ; Nicola, M. S. ; D Avila, R. L. ; Melo, I. F.; Cucco, A C.

Leia mais

Radiações Radiação corpuscular Radiação eletromagnética

Radiações Radiação corpuscular Radiação eletromagnética Radiações Quando se fala em radiação, as pessoas geralmente associam esta palavra com algo perigoso. O que elas não sabem é que estamos expostos diariamente à radiação. Radiação nada mais é do que a emissão

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação

Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação (...) A verdade, em matéria de saúde, está na adaptação e no respeito à Natureza (...). Mokiti Okada Para uma alimentação saudável, podemos

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA

MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA L. M. da Silva *, M. C. da Rocha *, C. R. Appoloni *, O. Portezan Filho

Leia mais

LISTA DE SUBSTITUIÇÃO DOS ALIMENTOS

LISTA DE SUBSTITUIÇÃO DOS ALIMENTOS LISTA DE SUBSTITUIÇÃO DOS ALIMENTOS VEGETAIS FOLHOSOS CONSUMO À VONTADE Acelga, agrião, aipo, alface, alcachofra, almeirão, broto de bambu, cogumelo, couve, couve-de-bruxelas, escarola, mostarda, palmito,

Leia mais

Cardápio do Berçário I (4 Meses a 1 ano) 1ª Semana

Cardápio do Berçário I (4 Meses a 1 ano) 1ª Semana Cardápio do Berçário I (4 Meses a 1 ano) 1ª Semana Matinal Papinha de mamão Papinha de pêra Papinha de banana Papinha de manga Papinha de maçã Papinha de carne moída com, beterraba e couve Papinha de batata

Leia mais

CARDÁPIO TURMA INTEGRAL I (Crianças de 1 ano e 4 meses até 3 anos) 1ª Semana COLAÇÃO ALMOÇO LANCHE JANTAR

CARDÁPIO TURMA INTEGRAL I (Crianças de 1 ano e 4 meses até 3 anos) 1ª Semana COLAÇÃO ALMOÇO LANCHE JANTAR CARDÁPIO TURMA INTEGRAL I (Crianças de 1 ano e 4 meses até 3 anos) Leite suco da fruta) Sucrilhos com maçã picadinha e karo Guaraná natural (Ana Clara, Isis e Isadora = suco da fruta) Pão de fôrma com

Leia mais

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 APLICAÇÕES NA ÁREA MÉDICA RADIODIAGNÓSTICO RADIOTERAPIA MEDICINA NUCLEAR USO DE FONTES DE RADIAÇÃO NA ÁREA MÉDICA RAIOS-X DIAGNÓSTICO: equipamentos emissores

Leia mais

CARDÁPIO TO BE - JUNHO/2015

CARDÁPIO TO BE - JUNHO/2015 01/06 02/06 03/06 04/06 05/06 Manhã - Bebida Suco de laranja Suco de limão Achocolatado Pão de batata com requeijão Biscoito salgado com mel Bisnaguinha com margarina Sobremesa Maçã Banana Uva Prato principal

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FÍSICA EXPERIMENTAL NO COTIDIANO E A EDUCAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA FÍSICA EXPERIMENTAL NO COTIDIANO E A EDUCAÇÃO Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.9, n. 2, p. 08 12, 2012. 8 A IMPORTÂNCIA DA FÍSICA EXPERIMENTAL NO COTIDIANO E A EDUCAÇÃO ZUKOVSKI, S. N. dos S. 1 CAPELARI, D. 2 RESUMO Esse artigo

Leia mais

Cardápio. Cardápio. 26 janeiro. 27 janeiro. 28 janeiro. 29 janeiro LANCHE MANHÃ ALMOÇO LANCHE TARDE. segunda-feira. terça-feira.

Cardápio. Cardápio. 26 janeiro. 27 janeiro. 28 janeiro. 29 janeiro LANCHE MANHÃ ALMOÇO LANCHE TARDE. segunda-feira. terça-feira. agosto Cardápio 2014 jan/fev 2015 26 janeiro 27 janeiro 28 janeiro 29 janeiro Bisnaga com patê de atum. Ameixa. Suco. Pão francês integral com manteiga. Banana com aveia. Leite com chocolate. Pão de mandioquinha

Leia mais