BRASIL COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR CNPq ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE DO SEGMENTO DE METALURGIA DO PÓ NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BRASIL COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR CNPq ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE DO SEGMENTO DE METALURGIA DO PÓ NO BRASIL"

Transcrição

1 BRASIL COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR CNPq ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE DO SEGMENTO DE METALURGIA DO PÓ NO BRASIL Relatório de Atividade de Pesquisa: Primeira Versão Luiz Augusto F. F. Maluf Professor Substituto do Departamento de Cíências Econômicas da UFSC Bolsista de Desenvolvimento Tecnológico Industrial do CNPq Junho de 2006

2 2 ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE DO SEGMENTO DE METALURGIA DO PÓ NO BRASIL Créditos Trabalho realizado no âmbito do Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Santa Catarina entre os meses de dezembro de 2005 e junho de 2006, como relatório parcial de atividades de pesquisa. O presente estudo é financiado com recursos de CNPq, através da concessão de bolsa de Desenvolvimento Tecnológico Industrial, vinculadas ao projeto Rede Cooperativa para Desenvolvimento de Materiais Avançados em Metalurgia do Pó, coordenado pelo Professor Francisco Ambrózio (IPEN-USP). O presente estudo também conta com o apoio do Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Santa Catarina, que tem disponibilizado durante o período das atividades, os meios indispensáveis à sua realização. Luiz Augusto F. F. Maluf

3 3 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... 4 LISTA DE QUADROS... 5 LISTA DE TABELAS INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE METALURGIA DO PÓ PROCESSOS SUBSTITUTOS METALURGIA DO PÓ E MOLDAGEM DE PÓS POR INJEÇÃO A metalurgia do pó tradicional Moldagem de Pós por Injeção (PIM) Moldagem de Pós Metálicos por Injeção (MIM) Metalurgia do pó de alta densidade Metalurgia do pó de alto desempenho FUNDIÇÃO Fundição permanente Fundição centrífuga Fundição em moldagem cerâmica Fundição a jato Fundição investment FORJARIA USINAGEM ESTAMPARIA CONSIDERAÇÕES ADICIONAIS SOBRE OS ASPECTOS TÉCNICOS DOS PROCESSOS DE TRATAMENTO DE MATERIAIS BREVE PANORAMA INTERNACIONAL DOS MERCADOS DE M/P E DE PIM PANORAMA DO MERCADO BRASILEIRO DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DE METALURGIA DO PÓ E SUBSTITUTAS DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DE METALURGIA DO PÓ E SUBSTITUTAS DISTRIBUIÇÃO DO FATURAMENTO NO MERCADO DE TRATAMENTO DE MATERIAIS ASPECTOS DE COMPETITIVIDADE DO SEGMENTO DE METALURGIA DO PÓ ESTRUTURA DOS CUSTOS E DESPESAS VALOR ADICIONADO Conceito e metodologia para o valor adicionado Estimativa do valor adicionado para as classes de atividade econômica ÍNDICES DE EFICIÊNCIA Considerações iniciais sobre o cálculo dos índices de eficiência Análise de Atividade Análise de Endividamento Análise de Lucratividade CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A: ESTIMAÇÃO DO LAJIR E DO LLAIR... 61

4 4 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Custos unitários de produção para diferentes tecnologias de tratamento de metais e diferentes níveis de complexidade geométrica...13 Figura 2: Escolha ótima da tecnologia empregada para dados níveis de produção e de complexidade geométrica das peças...14 Figura 3: Participação relativa do número de estabelecimentos empresariais por classe de atividade econômica em relação ao total...30 Figura 4: Participação relativa do emprego formal direto por classe de atividade econômica em relação ao total...30 Figura 5: Faturamento do agregado de empresas com 30 ou mais empregados pertencentes aos grupos econômicos de fundição e de forjaria, estamparia, metalurgia do pó e usinagem...32 Figura 6: Faturamento do agregado de empresas com 30 ou mais empregados pertencentes às atividades de fundição ferrosos e forjados ferrosos...33 Figura 7: Faturamento do agregado de empresas pertencentes às atividades de fundição de não-ferrosos e forjados não ferrosos...34 Figura 8: Faturamento do agregado de empresas com 30 ou mais empregados pertencentes à atividade de metalurgia do pó...34 Figura 9: Participação relativa (em %) do agregado de empresas com 30 ou mais empregados por classe de atividade econômica...36 Figura 10: Participação relativa dos itens de gasto por classe de atividade econômica...39 Figura 11: Participação relativa dos itens de gasto por classe de atividade econômica...40 Figura 12: Participação relativa dos grupos de gastos por classe de atividade econômica Figura 13: VTI e VAB médios por empresa por classe de atividade em

5 5 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Tecnologias de tratamento de metais e suas variações...8 Quadro 2: Processos de pós-sinterização...11 Quadro 3: Algumas aplicações da tecnologia MIM...15 Quadro 4:...22 Denominação e descrição pela CNAE das classes de atividades relacionadas ao mercado de tratamento de materiais...22 Quadro 5: Forma de cálculo do valor bruto da produção (VBP)...43 Quadro 6: Itens de gasto utilizados na estimação do consumo intermediário para as empresas com mais de 30 empregados por classe de atividade em Quadro 7: Cálculo do custo dos produtos vendidos (CPV)...61 Quadro 8: Cálculo do custo da produção disponível (CPD)...61 Quadro 9: Cálculo do custo da produção acabada (CPA)...61 Quadro 10: Estimativa do custo de produção no período...62 Quadro 11: Estimativa dos gastos totais no período...62

6 6 LISTA DE TABELAS TABELA 1: ESTADO DA ARTE DA PIM EM COMPETITIVIDADE DA TECNOLOGIA PARA DIFERENTES CARACTERÍSTICAS DE PRODUTOS TABELA 2: MERCADOS PARA PRODUTOS DE M/P NA AMÉRICA DO NORTE EM TABELA 3: DISTRIBUIÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE METALURGIA DO PÓ NOS ESTADOS BRASILEIROS TABELA 4: CONCENTRAÇÃO NOS ESTADOS BRASILEIROS DO NÚMERO DE PESSOAS EMPREGADAS NA ATIVIDADE ECONÔMICA METALURGIA DO PÓ NOS ANOS DE 1996, 2000 E TABELA 5: PARTICIPAÇÃO RELATIVA (EM %) DO NÚMERO DE ESTABELECIMENTO PEQUENOS, MÉDIOS E GRANDES EM RELAÇÃO AO TOTAL DE ESTABELECIMENTOS DE METALURGIA DO PÓ TABELA 6: PARTICIPAÇÃO RELATIVA (EM %) DO NÚMERO DE ESTABELECIMENTO PEQUENOS, MÉDIOS E GRANDES EM RELAÇÃO AO TOTAL DE ESTABELECIMENTOS DE TRATAMENTO DE MATERIAIS TABELA 7: PARTICIPAÇÃO RELATIVA DO NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS POR CLASSE DE ATIVIDADE NO BRASIL TABELA 8: PARTICIPAÇÃO RELATIVA DO EMPREGO FORMAL DIRETO POR CLASSE DE ATIVIDADE ECONÔMICA EM RELAÇÃO AO TOTAL TABELA 9: FATURAMENTO DO AGREGADO DE EMPRESAS COM 30 OU MAIS EMPREGADOS POR CLASSE DE ATIVIDADE ECONÔMICA (EM R$ MIL) TABELA 10: PARTICIPAÇÃO RELATIVA (EM %) DA CLASSE DE ATIVIDADE NO FATURAMENTO DO AGREGADO DO MERCADO TABELA 11: PARTICIPAÇÃO RELATIVA (EM %) DOS ITENS DE CUSTO E DE DESPESA EM RELAÇÃO AO TOTAL POR CLASSE DE ATIVIDADE ECONÔMICA TABELA 12: PARTICIPAÇÃO RELATIVA DOS GASTOS COM PROPAGANDA DO AGREGADO DE EMPRESAS COM 30 OU MAIS EMPREGADOS POR CLASSE DE ATIVIDADE ECONÔMICA ENTRE 1997 E TABELA 13: ESTIMATIVA DO VTI E DO VAB PARA O AGREGADO DE EMPRESAS DA CLASSE DE ATIVIDADE TABELA 14: ESTIMATIVA DO VTI E DO VAB MÉDIOS POR EMPRESA TABELA 15: CÁLCULO DO GIRO DO ATIVO PERMANENTE TABELA 16: CÁLCULO DO GIRO DO ATIVO TOTAL TABELA 17: CÁLCULO DO ÍNDICE DE COBERTURA DE JUROS E DO Δ % LAJIR TABELA 18: CÁLCULO DA MARGEM LÍQUIDA TABELA 19: CÁLCULO DO ROA... 53

7 7 1 Introdução O segmento econômico de metalurgia do pó apresenta características diferenciadas sob as óticas tecnológica e econômica em relação a atividades substitutas. O prisma tecnológico está relacionado aos processos de produção envolvidos e aos padrões de qualidade alcançados nessa atividade, os quais por sua vez, resultam em diferenças importantes em termos de qualidade percebida pelos usuários desses produtos, da estrutura de custos e retornos obtidos das firmas inseridas nessa atividade, e do potencial de geração de riqueza para a economia em termos agregados. O presente trabalho consiste em um estudo da organização industrial e da competitividade da atividade econômica de metalurgia do pó (M/P) no Brasil, entre os anos de 1996 e Esse estudo tem como objetivo a análise de aspectos abordados pela Teoria de Organização Industrial (FARINA, 1997), que relaciona as condições de concorrência nas indústrias sob os aspectos do tipo: i) definição do produto e identificação dos produtos substitutos; ii) identificação do mercado consumidor; iii) principais empresas ou grupos do setor; iv) indicadores de distribuição espacial; iii) participação no mercado de empresas ou grupos; v) barreiras à entrada, entre outros fatores relevantes, como formas de competição (práticas de preço e diferenciais de qualidade). Todos esses fatores são abordados ora com mais ora menos profundamente no presente relatório, com exceção da forma de competição, em que pretende-se aborda-la no seguimento das atividades de pesquisa. Foram também abordados aspectos de importância econômica da atividade de metalurgia do pó, o que foi feito pela aplicação do conceito de valor adicionado na economia (ROSSETTI, 1992). Nesse sentido, o presente relatório parcial foi dividido em 5 sessões, além desta introdução. Na sessão 2 são apresentadas a descrição e as características do processos de metalurgia do pó e de processos substitutos. Na sessão 3 são descritas brevemente algumas características do mercado internacional de metalurgia do pó; Na sessão 4 é abordado o mercado brasileiro de metalurgia do pó e de seus processos substitutos, pelas óticas da distribuição espacial das atividades de tratamento de materiais (metalurgia do pó e

8 8 substitutas), e da distribuição do faturamento. Na sessão 5 são abordadas algumas medidas de relevância e competitividade dos segmentos estudos, sendo analisados a estrutura de custos e despesas, o valor adicionado e alguns índices de eficiência, como de lucratividade e de endividamento, que foram possíveis de serem calculados com os dados disponíveis até o presente momento. Na sessão 6 seguem as considerações finais. 2 Descrição dos processos de metalurgia do pó processos substitutos A presente seção apresenta uma breve de diferentes tecnologias de tratamento de materiais, as quais foram identificadas na literatura como possíveis substitutas entre si (DOWSON, 1990; GERMAN, 1990; BERGMARK et al., 2005; EFUNDA, 2006a; MARKETECH, 2005; PACIFIC, 2005a, 2005b, 2005c). Procurou-se identificar as etapas componentes dessas tecnologias, suas aplicações e suas vantagens econômicas relativas aos demais processos de tratamento de materiais. O quadro 1 apresenta diferentes categorias de tratamento de materiais, relacionando-as com suas possíveis variações. Categoria Quadro 1: Tecnologias de tratamento de metais e suas variações Variações Metalurgia do pó tradicional (Prensados e sinterizados) Metalurgia do Pó e Moldagem de Pós por Injeção Forjaria Usinagem Estamparia - Fundição Extrusão - Moldagem de pós por injeção (PIM) Moldagem de pós de metal por injeção (MIM) Metalurgia do pó de alta densidade Metalurgia do pó de alto desempenho Forjaria a quente Forjaria a frio Perfuração Tornearia Fresagem Esmirilhamento Cinzelagem Fundição permanente Fundição centrífuga Fundição em moldagem cerâmica Fundição a jato Fundição investment Outras Fonte: Elaboração própria com dados de Efunda (2006a), Marketech (2005), Pacific (2005a, 2005b).

9 9 2.1 Metalurgia do Pó e Moldagem de Pós por Injeção A atividade econômica de metalurgia do pó é classificada pelo IBGE (2004a) como as atividades relacionadas à moldagem e sinterização 1 de pós metálicos e de serviços de metalurgia do pó. Dentre as variações possíveis para processos de metalurgia do pó, encontram-se a metalurgia do pó tradicional (DOWSON, 1990), a metalurgia do pó de alto desempenho (BERGMARK et al., 2005; PACIFIC, 2005c), a melurgia do pó de alta densidade (BERGMARK et al., 2005; Pacific, 2005b). No entanto, processos de sinterização de peças fabricadas de pós de outros materiais, como plásticos, vidros, cerâmicos e compósitos são também possíveis. Esses processos são conhecidos por moldagem de pós por injeção (PIM) A metalurgia do pó tradicional A tecnologia de metalurgia do pó (M/P) caracteriza-se por um conjunto de processos para a produção de artefatos metálicos, obtidos de pós metálicos e cerâmicos sem a necessidade de fundição (DOWSON, 1990) 2. Esse conjunto de processos pode ser dividido em quatro processos básicos: 1) Mistura de diferentes pós, ao que incorpora-se uma substância orgânica que age como lubrificante; 2) Teste de padrões da mistura; 3) Introdução da mistura em um molde apropriado em que procede-se sua compactação por prensagem 3. As misturas passam então a ser denominadas de compactos ; 4) Os compactos são aquecidos em um ambiente protegido abaixo de seu ponto de fusão, o qual proporciona às peças metálicas a resistência necessária para uso mecânico, o que caracteriza o processo chamado de sinterização (EFUNDA, 2006b). Após o processo de sinterização, as peças fabricadas são submetidas a procedimentos adicionais, chamados de procedimentos pós-sinterização, os quais, por sua vez, são realizados com as finalidades de i) correção nas formas e no dimensionamento; ii) 1 Descrita a seguir. 2 Para uma descrição mais detalhada dos processos de M/P, ver também Iervolino (2006). 3 German (1990, p. 467) denomina esse processo de powder die compaction, ou seja, compactação do pó em matriz.

10 10 aumento na densidade, resistência e tolerância das peças e ii) aumento da resistência e da tolerância das peças ao desgaste. Dentre entre esses processos possíveis utilizados para aumento de densidade e de resistência e correções no dimensionamento das peças, encontram-se processos exclusivos à tecnologia de M/P como i) reprensagem a quente, ii) ressinterização, iii) tratamento a vapor, iv) infiltração de metal nos poros, v) impregnação de substâncias orgânicas nos poros; vi) forjaria a quente em matriz fechada; vii) prensagem isostática a quente (HIP) 4. Para correção nas formas e nas dimensões das peças, utilizam-se os processos de i) reprensagem a frio e ii) cunhagem (última prensagem). Conforme Dowson 1990, (pp 71-78), esses processos são exclusivos para peças fabricadas por sinterização, no entanto, processos comumente aplicados em metalurgia básica podem também, em sua maioria, ser aplicados em peças sinterizadas. Alguns exemplos são i) têmpera e ii) galvanização, para aumento da densidade e da resistência e iii) usinagem 5, para correções nas formas e nas dimensões Moldagem de Pós por Injeção (PIM) A tecnologia de moldagem de pós por injeção (PIM 6 ) é um conjunto de processos capaz de produzir uma vasta gama de componentes obtidos de pós de origem polimérica (plásticos e vidros), cerâmica e metálica (GERMAN, 1990) 7. Algumas importantes características da tecnologia PIM são as seguintes: é similar à tecnologia de fundição, no entanto supera sensivelmente essa última em termos da precisão e no acabamento alcançados. O conjunto de processos que caracteriza a tecnologia PIM é descrito por German (1990, pp. 5-7) da seguinte forma: 1) Seleção do pó para o processo; 2) Mistura do pó com cimentos, solventes e lubrificantes; 3) Produção de pequenos grãos homogêneos obtidos da 4 Hot isostatic pressing. 5 Usinagem corresponde ao processo de remoção de material na forma de lascas de peças fabricadas. Os processos de usinagem mais comuns são perfuração, tornearia, fresagem, esmirilhamento e cinzelagem (EFUNDA - ENGEENERING FUNDAMENTALS. Machining: An Introduction.(2006a) Disponível em <http://www.efunda.com/processes/machining/machin_intro.cfm>. Acesso em: 25 mar. 2006). 6 Powder injection molding. 7 GERMAN, R. M. Powder injection molding. Princeton: MPIF, c p.

11 11 mistura cimentada (granulação); 4) Formação da peça por moldagem por injeção em um molde fechado (formação dos compactos); 5) Processamento da peça para remoção do cimento (decimentação 8 ); 6) Densificação dos compactos por sinterização; 7) Eventualmente, processos pós-sinterização, haja vista que a fabricação de diversos produtos dispensa esses processos (German, 1990, p. 425). German (1990, p ) apresenta e descreve processos de pós-sinterização aos quais são submetidas as peças fabricadas por PIM. Esses processos são classificados pelo autor conforme sua finalidade, as quais são i) formatação e dimensionamento, ii) densificação, iii) tratamento de calor, iv) acabamento. O quadro 2 relaciona os diferentes processos pós-sinterização a essas quatro categorias. Quadro 2: Processos de pós-sinterização Processos pós sinterização Finalidade Dimensionamento e alisamento; perfuração e Ajustamento de formas e dimensões rosqueamento; soldagem e junção; Deformação; extrusão; forjaria; compactação Densificação isostática a quente; impregnação; infiltração. Carborização; têmpera; nitruração 9. Tratamento de calor (aumento da resistência das peças) Esmerilhamento, galvanização e outras operações de Acabamento usinagem. Fonte: Elaboração própria com dados de German (1990, p. 426) Ainda conforme esse autor, a tecnologia PIM apresenta diferenciais em relação a tecnologias alternativas, no que se refere a 1) maior desempenho mecânico dos produtos; 2) maior nível de complexidade das formas alcançadas e 3) menores custos de fabricação para produtos de alto nível de complexidade geométrica (figura 1). Dentre as razões que levam à redução dos custos de fabricação na utilização de PIM relativamente a outras alternativas de produção, tem-se que 1) a tecnologia PIM constitui-se num conjunto de processos altamente automatizado, reduzindo os custos de mão de obra; 2) Eliminação de processos de usinagem como esmerilhamento e perfuração, necessários em tecnologias alternativas, o que inclui a M/P tradicional, reduzindo os custos 8 Debinding. 9 Processo de temperar o aço (FÜRSTENEAU, 1976).

12 12 de mão de obra e de energia; 3) Tem capacidade de reaproveitamento de resíduos de matérias-primas de praticamente 100% 10. A figura 1 ilustra uma simulação feita por German (1990, p ), em que é relacionado o custo unitário de fabricação com vários níveis de complexidade geométrica das peças, para uma dada escala de produção. Nessa simulação são considerados os níveis mais elevados de investimentos iniciais necessários à utilização de processos PIM, considerados os maiores níveis de automatização requeridos nessa tecnologia, comparativamente a tecnologias alternativas de tratamento de materiais, como metalurgia do pó tradicional, fundição investment e usinagem 11. Nesse sentido, é configurada sob a ótica de Porter (1996), e também de Thomson e Stickland III (2001), a presença de barreiras à entrada. Considerando-se que maiores gastos de entrada refletem-se em maiores custos de depreciação, observam-se na figura 1 que a tecnologia PIM tem o maior custo unitário na produção de peças de baixo nível de complexidade geométrica. Por outro lado, o emprego da tecnologia PIM está relacionado a menores acréscimos no custo unitário de produção como função do aumento do nível de complexidade geométrica das peças fabricadas, comparativamente a processos de usinagem (como tornearia) e de fundição. Isso torna a atratividade econômica da utilização de processos PIM comparativamente a processos de usinagem e de fundição, uma função positiva e crescente do nível de complexidade geométrica das peças fabricadas. Também percebe-se pela figura 1, que o nível de automatização dos processos PIM é superior ao dos processos de M/P tradicional, considerando-se que a curva de custo unitário de PIM tem um maior intercepto que a curva de custo unitário desses tipos de processos. No entanto, a figura 1 também mostra que a curva de custo unitário de processos de M/P tradicional não tem continuidade no momento em que a complexidade geométrica das peças fabricadas aproxima-se de níveis médios. Isso explica-se pela necessidade de processos de M/P terem de ser complementados por processos de acabamento como usinagem (DOWSON, 1990). 10 Conforme o autor, esse aspecto é um fator estratégico bastante importante para as indústrias de materiais refratários (cerâmica) e de metais preciosos. 11 Essas tecnologias são descritas a seguir.

13 13 Figura 1: Custos unitários de produção para diferentes tecnologias de tratamento de metais e diferentes níveis de complexidade geométrica - Fonte: German (1990, p. 468) A importância da consideração de economias de escala (PORTER, 1996) de forma conjunta com o nível de complexidade geométrica das peças fabricadas, constituem importantes fatores de decisão para firmas entrantes e incumbentes dos setores metalmecânico, cerâmico e outros setores da indústria de transformação, como a indústria de plásticos. Para as firmas entrantes potenciais, esses fatores são importantes na decisão de entrada no segmento produtivo e na escolha da tecnologia empregada. Para as firmas incumbentes, esses fatores são importantes para a decisão de continuidade da tecnologia empregada. Nesse sentido, a figura 2 relaciona diferentes níveis de escala de produção e de complexidade geométrica das peças fabricadas com a atratividade econômica de processos PIM, M/P tradicional, fundição à jato, fundição investment e usinagem, dados os níveis de desenvolvimento tecnológico dos processos de tratatamento de materiais observados no início da década de noventa. Da figura 2, tem-se que para baixos níveis de escala e de complexidade geométrica, a tecnologia de produção com maior atratividade econômica era a de processos de usinagem. Para produções em pequenas escalas, mas com alto nível de complexidade geométrica, a fundição investment constituia-se na melhor alternativa. Para uma alta escala de produção e um nível de complexidade geométrica baixo, a M/P

14 14 tradicional passava a ser a alternativa econômica mais atrativa 12. Para altas escalas de produção e níveis intermediários de complexidade geométrica, a fundição à jato constituíase na melhor alternativa tecnológica. Para produção em grandes escalas e com alto nível de complexidade geométrica, processos PIM mostravam-se os mais economicamente atrativos. As vantagens e desvantagens na utilização da tecnologia PIM é também relacionada na tabela 1. Figura 2: Escolha ótima da tecnologia empregada para dados níveis de produção e de complexidade geométrica das peças - Fonte: German (1990, p. 468) Tabela 1: Estado da arte da PIM em Competitividade da tecnologia para diferentes características de produtos Característica do Produto Utilização de PIM Tecnologias alternativas Alta complexidade geométrica e X precisão e alta produtividade Alta escala de produção X Espessura, peso, e tamanho altos X Baixa Complexidade geométrica X e pequenos tamanhos Fonte: Elaboração própria com informações de German (1990, p. 467) 12 Juntamente com a M/P tradicional, processos de estamparia incluem-se no rol de processos produtivos economicamente mais atrativos para produção em grandes escalas e com baixa complexidade geométrica German (1990, p. 466). Os processos de estamparia são descritos a seguir.

15 Moldagem de Pós Metálicos por Injeção (MIM) O termo MIM corresponde a Metal Injection Molding, o que restringe a gama possível de materiais utilizados para moldagem por injeção em tecnologias do tipo PIM à utilização de metais. No entanto, encontra-se referência ao termo MIM restringindo-o a aplicação de processos de moldagem por injeção de metais pesados, de modo que não inclui-se nessa categoria a utilização de plásticos, vidros, cerâmicos e metais leves: Os processos MIM são superiores aos demais processos alternativos de tratamentos de materiais para o conjunto de aplicações, especialmente se não for possível a utilização de ligas plásticas ou metais leves, pela necessidade de maior resistência e densidade das peças (MARKETECH, 2005). O conjunto de processos MIM são basicamente os mesmos que conjunto de processos PIM (MARKETECH, 2005). Dessa forma, MIM possui vantagens econômicas similares aos processos PIM, especialmente no que se refere às características de suas curvas de custos unitários, descritas na figura 1. O quadro 3 descreve alguns exemplos de produtos fabricados por processos MIM. Quadro 3: Algumas aplicações da tecnologia MIM Contrapesos Dispositivos microeletrônicos Sensores e atuadores 13 automotivos Ferramentas de mão e hardwares Dispositivos de dissipação de calor em computadores Perfuradores de poços de petróleo (e de água) 14. Cabeças de tacos de golfe Conectores e chaves elétricas Implantes biomédicos Componentes de motores aeroespaciais a combustível e outros componentes aeroespaciais Fonte: Marketech (2005). 13 Dispositivo que converte energia fluída em movimento mecânico (FÜRSTENEAU, 1976) 14 Os parênteses são do autor.

16 16 Desse modo, fabricação de peças metálicas por moldagem por injeção possibilita maiores níveis de complexidade geométrica e de desempenho comparativamente aos níveis obtidos por M/P tradicional. Como exemplo, a tecnologia MIM é capaz de produzir peças galvanizadas e com roscas OD/ID sem a necessidade de usinagem (PACIFIC, 2005a). Além disso, a utilização de grãos de pequenos tamanhos e com alta densidade possibilita a produção de peças com propriedades de densidade e resistência equivalentes às fabricadas por processos de forjaria Metalurgia do pó de alta densidade A utilização de técnicas de densificação de materiais como processos isostáticos a quente (PACIFIC, 2005b), possibilitam a fabricação de ferramentas de aço e materiais de ligas de aço e de ligas bonderizadas de carboneto de titânio, com níveis de densidade comparáveis aos obtidos por processos de forjaria e com economia de custos Metalurgia do pó de alto desempenho Pesquisas recentes em novos materiais para aplicação em M/P (BERGMARK et al., 2005) demonstraram vantagens na utilização de M/P comparativamente a processos de forjaria em aplicações na indústria de motores à diesel. Esses autores identificaram ligas metálicas com maior resistência à fatiga e com maior potencial de controle de porosidade (o que aumenta o desempenho mecânico e consequentemente possibilita a redução do peso das peças). Essas vantagens somam-se aos diferenciais apresentados por M/P em termos do menor tempo de usinagem e do maior aproveitamento dos materiais. Outras aplicações da metalurgia do pó de alto desempenho (PACIFIC, 2005c) são cintos de segurança para automóveis, contatos elétricos, núcleos magnéticos macios, entre outras.

17 Fundição Fundição permanente A tecnologia de fundição permanente é caracterizada pela utilização de moldes metálicos, em que o material fundido é despejado. A utilização de moldes metálicos torna os processos de fundição permanente pouco flexíveis em termos de design das peças fabricas, se comparada por exemplo a processos de fundição em areia (sand casting). Por outro lado, apresenta, vantagens econômicas em termos de menores custos unitários para maiores escalas de produção (acima de mil peças por exemplo) e maior complexidade das peças, se comparada a outros processos de fundição (EFUNDA, 2006c). Algumas das aplicações típicas desse tipo de fundição ocorrem na fabricação de engrenagens, chavetas 15, rodas, cárters 16, encaixes de tubos, tampas de injetores de combustível e pistões de motores de automóveis Fundição centrífuga Em processos de fundição centrífuga, o material fundido é despejado em um molde em rotação a uma velocidade de 300 a 3000 r.p.m. Durante a centrifugação, o material fundido se projeta nas paredes internas do molde, tomando a forma desejada após o resfriamento (EFUNDA, 2006d). Processos de fundição centrífuga podem ser utilizados na fabricação de peças cilíndricas com até 15 metros de comprimento e 3 metros de diâmetro, com espessura que pode variar entre 2,5 a 12,5 mm. Os materiais utilizados são ferro, aço, aços inoxidáveis, ligas de cobre, de alumínio e de níquel Fundição em moldagem cerâmica A tecnologia de fundição em moldes cerâmicos é composta por um conjunto de processos: 1) Determina-se o molde utilizado, o qual pode ser composto de gesso, madeira, metal ou borracha; 2) E despejada sobre o molde uma mistura semi-fundida de cerâmica com abrasivos, resultando em outra mistura que atinge rápido endurecimento; 3) Retira-se os materiais voláteis da mistura resultante com um maçarico ou em um forno de baixa 15 Pequena peça que une uma polia/roldana ao eixo (FÜRSTENEAU, 1976).. 16 Caixa de engrenagens (Idem, Ibidem).

18 18 temperatura; 4) A mistura sem os abrasivos é assada em um forno com temperatura aproximada de C, o que resulta em um molde pronto para o despejo de materiais fundidos (EFUNDA, 2006e). A fundição em moldes cerâmicos é relativamente cara mas possui a vantagem de dispensar processos de acabamento das peças fundidas. Algumas aplicações comuns dessa tecnologia são a fabricação de peças e ferramentas complexas de aço inoxidável e de bronze, e usinagem de plásticos moldados Fundição a jato A tecnologia de fundição à jato 17 é similar ao processo de fundição permanente. No entanto, em fundição à jato o material fundido é injetado no molde sob pressão. Esse diferencial no processo resulta em melhor acabamento das peças, em termos de suas características de tamanho e de superfície. Os moldes nesses processos podem ser frios ou quentes (EFUNDA, 2006f). Considerando-se que os moldes para esse processo são fabricados com aço endurecido, que levam bastante tempo de fabricação, o processo de fundição à jato é relativamente caro. Ainda, há restrições quanto aos materiais a serem fundidos, pois metais pesados como ferro e aço não podem ser submetidos à fundição à jato Fundição investment Processos de fundição do tipo investment são também conhecidos por processos de cera perdida. Esses processos permitem a fabricação de peças com alta complexidade geométrica e resistência e tolerância ao calor bastante elevadas. Lâminas de turbinas e outras peças de aviões com alta complexidade geométrica são exemplos de aplicações do processo de fundição investment (EFUNDA, 2006g) 18. Em termos gerais o conjunto de processos necessários à fundição investment são: 1) Fabricação de um molde de cera ou de outra substância que possa ser facilmente derretida; 2) Imersão do molde em uma mistura refratária, que forma um revestimento sobre esse 17 Também chamada de fundição em molde ou sob pressão. 18 Processo também conhecido como processo de cera perdida.

19 19 molde; 3) O molde é submetido a um processo de secagem; 4) O molde resultante é reimerso e seco um número de vezes suficiente a se obter um nível de espessura e robustez desejados; 5) O molde é colocado em um forno, no qual a cera contida é derretida e extraída; 6) O material fundido é despejado nesse molde. 2.3 Forjaria Forjaria é o nome para o conjunto de processos no qual, o metal é aquecido, sendo após subtmetido a um processo de moldagem conhecido por deformação plástica (EFUNDA, 2006h). Nesse processo é aplicada sobre o metal uma carga suficientemente pesada de modo que corresponda a uma pressão suficiente para alterar a forma do metal permanentemente (NDT, 2006). Dentre as vantagens da forjaria, essa implica em um refinamento da estrutura dos grãos metálicos e na melhora das propriedades físicas do material, como força, maleabilidade e rigidez, comparativamente à estrutura do metal base, o qual observa uma distribuição aleatória de seus cristais. Além disso, materiais forjados não observam porosidade e outras falhas como vazios, possibilitando que processos de revestimento como galvanização e pintura possam ocorrer em seguida à forjaria, dada a qualidade da superfície resultante. 2.4 Usinagem Usinagem corresponde ao processo de remoção de material na forma de lascas de peças fabricadas. Caso o material seja metálico, esse processo é conhecido como cortamento de metal (EFUNDA, 2006j). Processos de usinagem têm baixo custo de entrada, comparativamente a processos de moldagem e de fundição. No entanto, observam custos operacionais mais elevados de forma que não são economicamente atrativos para maiores escalas de produção. Os processos de usinagem mais comuns são perfuração, tornearia, fresagem, esmirilhamento e cinzelagem.

20 Estamparia A estamparia de metais está relacionada a processos como recorte de metais, perfuração por punção e perfilamento (dobramento). Esses processos são denominados de usinagem pesada, podendo ser realizados em uma única vez em uma única matriz ou de forma progressiva em matrizes diferentes. Os processos de estamparia são realizados através de prensas mecânicas ou hidráulicas e indicados na produção em grande escala de peças com baixa complexidade geométrica (EFUNDA, 2006k). Alguns exemplos de aplicações de estamparia são comuns no setor automotivo (STAMPTEC, 2004), como na fabricação de arruelas, braçadeiras, filtros, tampas de filtros, tampas de bombas de óleo, entre outros. 2.6 Considerações adicionais sobre os aspectos técnicos dos processos de tratamento de materiais O estudo bibliográfico apresentado acima, permitiu identificar que as atividades de metalurgia do pó, de fundição, de forjaria, de usinagem e de estamparia são tecnicamente substitutas entre si, haja vista que podem ser utilizadas na fabricação de produtos similares. Nesse sentido tornam-se substitutas também no sentido econômico (PORTER, 1996), no momento em que firmas atuantes nessas diferentes atividades se tornam concorrentes em um mesmo mercado de produtos. 3 Breve panorama internacional dos mercados de M/P e de PIM O desempenho de indústria de M/P na América do Norte é muito dependente do da indústria automotiva. Por isso tem empregado esforços com relativo sucesso no sentido de aumentar suas alternativas de mercado, através do desenvolvimento de outras aplicações para a tecnologia de M/P (DOWSON, 1990). A tabela 2 mostra as principais mercados consumidores de produtos de M/P na América do Norte no início da década de 1990.

BRASIL CNPq RECOMPO ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE DO SEGMENTO DE METALURGIA DO PÓ NO BRASIL. Relatório de Atividade de Pesquisa. Luiz Augusto F. F.

BRASIL CNPq RECOMPO ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE DO SEGMENTO DE METALURGIA DO PÓ NO BRASIL. Relatório de Atividade de Pesquisa. Luiz Augusto F. F. BRASIL CNPq RECOMPO ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE DO SEGMENTO DE METALURGIA DO PÓ NO BRASIL Relatório de Atividade de Pesquisa Luiz Augusto F. F. Maluf Bolsista de Desenvolvimento Tecnológico Industrial do

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 O MERCADO DA METALURGIA DO PÓ Ligas de Ferro com grande precisão e elevada qualidade estrutural Materiais de difícil processamento, com alta densidade e microestrutura

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Lingotamento Ato ou efeito de transformar em lingotes. (Aurelio) Lingote Barra de metal fundido, Tira metálica. (Aurelio) Lingotamento Convencional:

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial

Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial 3 Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de Introdução: b As Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite foram

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr. INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr. Conformação de Materiais Metálicos Estampagem É um processo de conformação mecânica, que compreende um conjunto de operações por intermédio

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06. 4. Processamento de Materiais Cerâmicos

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06. 4. Processamento de Materiais Cerâmicos MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06 4. Processamento de Materiais Cerâmicos F. Jorge Lino Alves 1 Resumo 4. Processamento de Materiais Cerâmicos Processos utilizados na fabricação

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

Grupo Setorial de Metalurgia do Pó

Grupo Setorial de Metalurgia do Pó DIREITOS AUTORAIS O material contido neste documento é parte integrante do livro A METALURGIA DO PÓ: alternativa econômica com menor impacto ambiental Autor: Editora: METALLUM EVENTOS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS

Leia mais

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição O que possuem em comum equipamentos e peças tão diversos como torneiras, chuveiros, grampeadores, lanternas, peças para luminotécnica, alto-falantes

Leia mais

2.2.1 PRENSAGEM. Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante. PVA com PEG

2.2.1 PRENSAGEM. Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante. PVA com PEG PVA com PEG Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante Prensagem de Al 2 O 3 : ligante + plastificante PVA + PEG Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning Abril 2001 PRENSAGEM COM VÁCUO Os processos para transformar resinas poliéster reforçadas com fibras de vidro podem ser sofisticados e caros, como a prensagem a quente, ou simples e baratos, como a laminação

Leia mais

O uso em automóveis de componentes de zinco fundidos sob pressão

O uso em automóveis de componentes de zinco fundidos sob pressão O uso em automóveis de componentes de zinco fundidos sob pressão Hoje em dia, as ligas de alumínio para fundição sob pressão, os aços e diversos tipos de plástico dominam quase exclusivamente a manufatura

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento.

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento. Tecnologia Mecânica Programa Processamento Mecânico de Materiais Metálicos Fundamentos Estampagem Luís Alves Corte Arrombamento Forjamento Hydroforming Bárbara Gouveia Tecnologia Mecânica 1 Tecnologia

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

PROCESSOS P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A

PROCESSOS P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A PROCESSOS A F A B R I C A Ç Ã O D E U M P R O D U T O E N V O L V E A T I V I D A D E S D I V E R S I F I C A D A S, S I M U L T Â N E A S O U N Ã O, C O M D I F E R E N T E S N Í V E I S D E C O M P L

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I A U A UL LA Recuperação de guias ou vias deslizantes I Uma máquina foi retirada do setor de produção e levada para o setor de manutenção porque havia atingido o seu ponto de reforma. A equipe de manutenção

Leia mais

Processos de Fabricação Metalurgia do Pó

Processos de Fabricação Metalurgia do Pó Instituto Federal de Santa Catarina Campus de Florianópolis Departamento Acadêmico de Metal-Mecânica Curso Técnico de Mecânica Industrial ProIn II Processos de Fabricação Metalurgia do Pó ProIn II Mecânica

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada Aumento de produtividade em plantas de uréia através aumento de capacidade e melhoria de confiabilidade quanto a resistência a corrosão COMO A NOVA TECNOLOGIA AJUDA OS FABRICANTES A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE

Leia mais

Dobramento. e curvamento

Dobramento. e curvamento Dobramento e curvamento A UU L AL A Nesta aula você vai conhecer um pouco do processo pelo qual são produzidos objetos dobrados de aspecto cilíndrico, cônico ou em forma prismática a partir de chapas de

Leia mais

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro O desenvolvimento de peças e componentes mecânicos através da metalurgia do pó vem sendo crescentemente utilizado. Destes materiais, o

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS GAXETAS SECAS MANTA E TECIDO DE FIBRA CERÂMICA GAXETAS IMPREGNADAS FITAS CORTIÇA J U N T A E S P I R A L A D A FELTRO J U N T A D E V E D A Ç Ã O PAPELÃO HIDRAÚLICO F I T A P A T E N T E T E F L O N JUNTA

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

METAL DURO POR ESPECIALISTAS

METAL DURO POR ESPECIALISTAS METAL DURO POR ESPECIALISTAS A Durit emprega mais de 350 pessoas em todo o mundo. Os seus principais mercados são a Europa e a América do Sul Metal Duro sinterizado - caracterizado pela sua resistência.

Leia mais

VACURAL - Uma tecnologia confiável para peças fundidas por injeção para serem submetidas à solda e tratamento térmico

VACURAL - Uma tecnologia confiável para peças fundidas por injeção para serem submetidas à solda e tratamento térmico Ulrich Keller, Kathrin Doster VACURAL - Uma tecnologia confiável para peças fundidas por injeção para serem submetidas à solda e tratamento térmico Os fabricantes de automóveis e seus fornecedores estão

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

EM908 SEGUNDA AULA PROJETO DE MATRIZES PARA EXTRUSÃO A FRIO DE UM EIXO

EM908 SEGUNDA AULA PROJETO DE MATRIZES PARA EXTRUSÃO A FRIO DE UM EIXO Nesta aula iniciaremosoplanejamento do processo para a extrusão a frio deum eixo escalonado. O número de estágios a ser utilizado e as dimensões das matrizes serão definidos utilizando-se os critérios

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS REITORIA - Diretoria de Gestão de Pessoas Av. Mário Werneck,

Leia mais

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares)

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) Nota Introdutória Este documento é um anexo ao livro Tecnologia Mecânica Tecnologia da Deformação

Leia mais

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

Conteúdo. Informação. Revestimentos PVD...2. www.dmeeu.com - 1 -

Conteúdo. Informação. Revestimentos PVD...2. www.dmeeu.com - 1 - 10 Conteúdo Revestimentos PVD...2 10 www.dmeeu.com - 1 - A deposição física em fase de vapor (PVD) é essencialmente uma técnica de revestimento por vaporização, envolvendo a transferência de material

Leia mais

Falando em CORTE. Corte GRSS

Falando em CORTE. Corte GRSS Falando em CORTE Prof. Alexandre Queiroz Bracarense, PhD Laboratório de Robótica, Soldagem e Simulação Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Falando em CORTE Métodos

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Empresa certificada ISO 9001:2000

Empresa certificada ISO 9001:2000 Empresa certificada ISO 9001:2000 Maemfe é uma empresa brasileira, localizada na cidade do Rio de Janeiro, com 22 anos de existência, líder no fornecimento de uma vasta gama de serviços e produtos para

Leia mais

59 Brunimento, lapidação, polimento

59 Brunimento, lapidação, polimento A U A UL LA Brunimento, lapidação, polimento Apesar de todos os cuidados, as peças usinadas e mesmo as de acabamento em máquina, como é o caso da retificação, apresentam sulcos ou riscos mais ou menos

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL

MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL Manual Técnico de Aço Inoxidável Índice 1. INTRODUÇÃO...59 2. FABRICAÇÃO DO INOX...60 3. APLICABILIDADE DO AÇO INOXIDÁVEL...61 3.1 - Aço Inoxidável Austenítico...61 3.2

Leia mais

COBRE: TUBOS E OBRAS ARTESANAIS

COBRE: TUBOS E OBRAS ARTESANAIS COBRE: TUBOS E OBRAS ARTESANAIS EMPRESA PARANAPANEMA JULHO - 2013 COBRE INTRODUÇÃO - Fundamental no desenvolvimento das primeiras civilizações, o cobre mantém-se como o melhor e mais indicado material

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

Cortec VpCI - 377 / VpCI - 377 Winterized

Cortec VpCI - 377 / VpCI - 377 Winterized Cortec VpCI - 377 / VpCI - 377 Winterized Descrição do Produto VpCI - 377 é um concentrado à base de água, criado para ser um substituto completo de preventivos à base de óleo para proteção de componentes

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo TREFILAÇÃO

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo TREFILAÇÃO Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo TREFILAÇÃO Histórico O processo de trefilação foi descoberto a partir do momento, que se verificou a dificuldade de se fabricar fios metálicos com

Leia mais

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE)

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE) Com o emprego de novas tecnologias e surgimento de novos materiais e equipamentos modernos, pode-se afirmar que a utilização de rebolos resinóides tornou-se indispensável nas operações de retificação e

Leia mais

O comportamento em relação ao processo de fabricação e do modo como à peça será usada, devem ser previstos quando especificamos o material.

O comportamento em relação ao processo de fabricação e do modo como à peça será usada, devem ser previstos quando especificamos o material. 1 1. MATERIAIS. Os materiais são constituídos de átomos, e são estes que determinam se o material é um plástico, madeira, metal ou ar... (é a estrutura geral do átomo que diferencia um material do outro).

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Extrusão Princípios de Funcionamento

Extrusão Princípios de Funcionamento 1) Taxa de Compressão (RC) -Descrição da rosca de acordo com a taxa de compressão (baixa ou alta taxa de compressão). RC = h i / h f RC = 2 corresponde a baixa taxa de compressão RC = 4 corresponde a alta

Leia mais

SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA

SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA Artigo Técnico Nº 27 Novembro 2004 SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA INTRODUÇÃO A secagem é uma etapa indispensável no processo de industrialização da madeira serrada, bem como de lâminas de madeira,

Leia mais

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone + H 2 O Ivone Umidade (%) Colagem 100 Líquido Plástico Semi-Sólido Índice de Plasticidade - IP Limite de Liquidez - LL Limite de Plasticidade - LP COLAGEM EXTRUSÃO Sólido Limite de Contração - LC PRENSAGEM

Leia mais

Gases de processos indústria cerâmica

Gases de processos indústria cerâmica Gases de processos indústria cerâmica PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE CIMENTO E CAL REDUÇÃO DE FUMAÇA E NO X Matéria-prima TRATAMENTO DE EFLUENTES Superoxigenação Lança de queimador Oxigás O 3 C LABORATÓRIO

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos Escovas Cilíndricas As escovas cilíndricas SUISSA são usadas em diversos tipos de máquinas, algumas de suas aplicações são nas varredeiras industriais de pisos, nos equipamentos de

Leia mais

BrikStar CM. Prensa hidráulica de briquetagem D GB. Sempre uma idéia a frente

BrikStar CM. Prensa hidráulica de briquetagem D GB. Sempre uma idéia a frente BrikStar CM Prensa hidráulica de briquetagem Sempre uma idéia a frente D GB BrikStar Prensa hidráulica de briquetagem BrikStar CM BrikStar CM de 4 até 11 kw As prensas de briquetagem da série BrikStar

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

Vidro comun ou vidro Float

Vidro comun ou vidro Float Vidros Vidro comun ou vidro Float O vidro comum é a composição básica do vidro, antes de receber qualquer tipo de tratamento. Ele é feito a partir da mistura de sílica (areia), potássio, alumina, sódio

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR IMPACTO DE EIXO VERTICAL (VSI) ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. Os Britadores de eixo vertical VSI, projetado pela ZL Equipamentos, são confeccionados aqui no Brasil, ou

Leia mais

Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente

Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Desenvolvimento de uma Bomba Elétrica de Combustível Flex com foco na Eficiência Responsáveis pelo Projeto (Erwin Franieck, Celso Favero, Lazaro Melo, Rafael

Leia mais

Introdução à Manufatura Mecânica PMR 2202 - Processos de Fundição e Sinterização (Metalurgia do Pó) Profa. Izabel Machado

Introdução à Manufatura Mecânica PMR 2202 - Processos de Fundição e Sinterização (Metalurgia do Pó) Profa. Izabel Machado Introdução à Manufatura Mecânica PMR 2202 Processos de Fundição e Sinterização (Metalurgia do Pó) Índice 1. Fundição 1.1. Solidificação de Metais e Ligas 1.1.1 Temperatura de vazamento. 1.1.2 Taxa de resfriamento.

Leia mais

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas SOLDAGEM 1. Introdução Junção de peças metálicas por contato e aquecimento. Processos por fusão: fusão local das partes, necessidade de metal de adição (geralmente). Processos por pressão: aquecimento

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

Tradição o Futuro precisa das origens

Tradição o Futuro precisa das origens 1825 Tradição o Futuro precisa das origens No centro de cada acontecimento está sempre a cooperação entre as pessoas. Isto é demonstrado pela longa história da empresa familiar Gontermann-Peipers, ou seja,

Leia mais

PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO

PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO Sergio Mazzer Rossitti maio/1993 Fundição não é uma arte! É um campo do conhecimento tecnológico, bastante complexo e com um grande numero de variáveis. Exige pois, do

Leia mais

. HISTÓRIA. . CONCEITO.

. HISTÓRIA. . CONCEITO. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET MG Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica Engenharia Mecatrônica Curso Superior Professor Renato Souza Dâmaso FUNDIÇÃO Divinópolis

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 19/08/2008 1 CONFORMAÇÃO MECÂNICA Em um ambiente industrial, a conformação mecânica é qualquer operação durante a qual se aplicam esforços mecânicos

Leia mais

27 Sistemas de vedação II

27 Sistemas de vedação II A U A UL LA Sistemas de vedação II Ao examinar uma válvula de retenção, um mecânico de manutenção percebeu que ela apresentava vazamento. Qual a causa desse vazamento? Ao verificar um selo mecânico de

Leia mais

Memorial Descritivo 01/2013 - V01

Memorial Descritivo 01/2013 - V01 Memorial Descritivo P.SQ.07 01/2013 - V01 ÍNDICE Piso em Aço - Modelo AX-1000 Piso em aço Chapa Inferir Estampada Chapa Superior Lisa Concreto Sistema Estrutural Cruzeta Chapa Superior Chapa de Reforço

Leia mais

FUNDIÇÃO 3/23/2014 BIBLIOGRAFIA VANTAGENS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO

FUNDIÇÃO 3/23/2014 BIBLIOGRAFIA VANTAGENS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO BIBLIOGRAFIA FUNDIÇÃO Livro Texto: Tecnologia Metalúrgica Prof. José Luís L. Silveira Curso de graduação em Engenharia Mecânica UFRJ Centro de Tecnologia sala I-241 Introdução aos Processos de Fabricação

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas TABELA DE ESCOLHA DO TIPO DE FRESA TIPO DE FRESA MATERIAL A SER CORTADO Com geometria de corte N aço com resistência até 80 kg/mm² aço beneficiado até 100 kg/mm² ferro fundido até

Leia mais

>Técnicas de soldagem

>Técnicas de soldagem >Técnicas de soldagem DOCERAM Advanced Ceramic Solutions Soluções Avançadas em Cerâmica Indústria automobilística Indústria de componentes > Técnicas de soldagem > Construção de dispositivos > Pinos guias

Leia mais

Materiais têm personalidade?

Materiais têm personalidade? Materiais têm personalidade? Introdução O pior é que têm! Como? Pense um pouco. Por que o plástico é plástico? Por que o alumínio é mais leve que o ferro? Por que a borracha depois de esticada volta a

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Apresentação Programa Conceitos e Tecnologia Casos de Aplicação Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Ciência das Superfícies Problemas Corrosão Fadiga Propriedades físicas

Leia mais