UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR E GENÉTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR E GENÉTICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR E GENÉTICA Roteiro de aula prática DIFERENÇAS ENTRE CÉLULAS ANIMAIS E VEGETAIS Prática - Observação da mucosa bucal. Raspar a mucosa bucal com o auxílio de uma espátula de madeira. Com o material colhido fazer um esfregaço fino e transparente sobre uma lâmina seca. Deixar a lâmina secar movimentando-a no ar. Corar o material com azul de metileno ou orceína acética durante 5 minutos. Cobrir com lamínula e observar ao microscópio com objetivas de 10x e 40x. Esquematizar o material observado. Prática - Observação da epiderme de pimentão (Capsicum annuum). Faça um corte fino, pequeno e transparente na casca do pimentão. Deposite sobre a lâmina e adicione uma gota de cloreto de zinco iodado. Cubra com lamínula (retirar excesso de corante com papel filtro se necessário) e observe ao microscópio com objetivas de 10x e 40x. Na objetiva de 40x fechar levemente o diafragma. Faça outro corte, corando-o com hidróxido de amônia. Aguarde alguns segundos, cubra com lamínula (retirar excesso de corante com papel filtro se necessário) e observe ao microscópio como anteriormente. Esquematize as observações. ESTUDO DE CÉLULAS VEGETAIS Prática - Células da epiderme inferior de Setcreasea purpurea. Retirar um pedaço da epiderme inferior da folha de Setcreasea e colocar em uma lâmina contendo uma gota de água destilada. Cobrir com lamínula. Retirar o excesso de água se necessário. Observar ao microscópio com objetivas de 10x e 40x. Retirar a lâmina do microscópio e pingar uma gota de cloreto de zinco iodado ao lado da lamínula. Sem retirar a lamínula e com o auxílio de papel filtro, faça o cloreto de zinco substituir a água debaixo da lamínula. Aguarde alguns minutos e observe novamente ao microscópio. Esquematize as observações. Prática - Epiderme do catáfilo de Allium cepa (cebola) Destacar um pedaço da epiderme do catáfilo da cebola e colocar em uma lâmina contendo uma gota de cloreto de zinco iodado. Não deixar o catáfilo enrugado, esticando-o se necessário. Cobrir com lamínula (retirar excesso de corante com papel filtro se necessário) e observar ao microscópio com objetivas de 10x e 40x. Esquematize as observações. Prática - Folha de Anacharis sp (Elódea) Destacar um folíolo de Anacharis e colocar em uma lâmina contendo água. Cobrir com lamínula e observar em objetiva de 10x e 40x. Esquematize as observações. identificando as estruturas celulares observadas.

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR E GENÉTICA Roteiro de aula prática OBSERVAÇÃO DE ORGANISMOS PROCARIONTES: Prática - Bactéria da coalhada (iogurte - Bacilo lacteo). Sob uma lâmina coletar uma pequena porção de coalhada. Pingar uma gota de água e dissolver bem. Fazer um esfregaço, tomando-se o cuidado de identificar o lado da lâmina no qual encontra-se o esfregaço. Secar bem a lâmina, podendo utilizar chapa aquecida. Pingar 3-4 gotas da mistura álcool-clorofórmio. Secar o preparado movimentando a lâmina no ar. Em seguida, pingar 2 gotas de azul de metileno, espalhando-o pela lâmina. Aguardar 5 minutos, lavando com água destilada. Limpar o excesso de água e levar ao microscópio para observação em objetiva de 10x e 40x. Fechar um pouco o diafragma após a localização do material. Represente o material observado. Prática - Bactérias do vinagre (Acetobacter aceti). Sob uma lâmina coletar pequena porção da madre do vinagre azedado (película formada na superfície) Faz-se um esfregaço, secando-o lentamente em chama ou placa aquecida. Pingar 2-3 gotas de azul de metileno, fazendo-o correr pela lâmina. Aguardar 10 minutos, e lavar a lâmina em água corrente. Adicionar glicerina e cobrir com lamínula. Observar em objetiva de 10x e 40x. Prática - Reconhecimento de bactéria e algas azuis. Prepare as culturas A e B com antecedência de 3 a 4 dias. No frasco A coloque cerca de 10 grão de pimenta do reino e 100ml de água filtrada. Fechar o frasco, deixando-o em local pouco iluminado. No frasco B coloque grama com raiz, bem picada, forrando o fundo do frasco. Acrescente 100 ml de água filtrada. Deixar o frasco aberto em local areja do e iluminado. Coloque uma gota de cada cultura, tomando-se o cuidado de não misturar os conta-gotas, em lâminas (diferentes) limpas, cobrindo-as com lamínula. Observe ao microscópio em objetiva de 10x e 40x. Faça esquemas do que encontrar. OBSERVAÇÃO DE ORGANISMOS EUCARIONTES: Prática - Células de levedo. Tome uma porção de fermento de pão, dissolvendo-o em água morna. Junte açúcar, deixando descansar por 15 a 20 minutos. Pingue uma gota da suspensão sobre uma lâmina, cubra com lamínula e observe ao microscópio. Em seguida, fixe o material passando a lâmina sobre uma chama. Corar 5 minutos com violeta genciana. Lavar rapidamente em água corrente, cobrir com lamínula e observar ao microscópio com as objetivas de 10x e 40x. Esquematize as observações. Prática - Identificação de vários tipos de protistas. Com antecedência de 6 a 7 dias prepare as culturas A e B. Coloque alface picada em uma frasco (A) e grama picada em outro (B). Acrescente a ambos alguns grãos de arroz cru e 100 ml de água filtrada. Deixe os frascos em local arejado e iluminado, sem exposição direta ao sol. Depois de alguns dias cobrir os frascos com papel filtro ou algodão. Coloque uma gota da cultura (A ou B - colha a película que se forma na superfície ou o sedimento do fundo) em uma lâmina, cubra com lamínula e observe ao microscópio com objetivas de 10x e 40x. Esquematize as observações. identificando as estruturas celulares observadas.

3 Célula Eucariótica: vários compartimentos (organelas) Membrana plasmática: CITOPLASMA: Água RNAs (mensageiro, transportadores) Aminoácidos Proteínas (livres, do citoesqueleto, etc) Enzimas Coenzimas Vitaminas Sais minerais Íons ATP Nucleotídeos Ác. Graxo Carboidratos Glicogênio Amido (Polissacarídeos) moléculas diversas (acetil Coa; piruvato, etc) gorduras de reserva (gotas de triglicérides) Ribossomos (RNA ribossomal + ) NÚCLEO: DNA. RNAs Proteínas. Enzimas. Íons. Água. colesterol Membrana das organelas: colesterol Lúmen das organelas: Célula procariótica: um único compartimento DNA. Proteínas, enzimas, RNAs, aminoácidos, nucleotídeos, Água. Enzimas. Coenzimas. Vitaminas. Sais minerais. Íons. ATP. Nucleotídeos. Ác. Graxo. Carboidratos. Polissacarídeos. moléculas diversas. gorduras de reserva (gotas de triglicérides) Ribossomos (RNA ribossomal + ) Membrana plasmática: Várias moléculas diferentes, dependendo da organela em questão. Proteínas Enzimas Íons Lipídios Carboidratos Água

4 Roteiro de aula prática IDENTIFICAÇÃO DE COMPONENTES QUÍMICOS CELULARES Extração de DNA Material: cebola grande gramas Sal de cozinha - 3gramas Detergente neutro - 10ml Álcool etílico 95% gelado Papel filtro, tubos de ensaio, funil banho-maria a 60 o C Metodologia: Picar a cebola em pedaços pequenos. Bater no liqüidificador e reservar 25g Preparar 100ml da solução de extração: 3g de sal, 10ml de detergente. Completar com água destilada até 100ml. Junte a cebola com a solução de extração em um frasco e deixar em banho-maria a 60 o C durante 15 minutos. Em seguida, resfrie colocando o recipiente em gelo. Coe a mistura em papel filtro e recolha o filtrado em um tubo de ensaio. Despeje, delicadamente, o etanol 95% no tubo de ensaio. O DNA sobe para o etanol, no qual é insolúvel, ficando preservado e visível

5 Roteiro de aula prática IDENTIFICAÇÃO DE COMPONENTES QUÍMICOS CELULARES Carboidratos: O amido é um polissacarídeo cuja unidade monossacarídica é a glicose. Apresenta-se sob duas formas: amilose, que consiste de longas cadeias não ramificadas e que na presença de iodo, dão coloração roxo-azulada, e amilopectina, que contém cadeias altamente ramificadas e dão coloração marrom-avermelhada. Ambas estão presentes em proporções variáveis nos tecidos vegetais de reserva Teste de coloração do amido - Tuberculus tuberosae (batata inglesa) Cortar, com a gilete, um pedaço muito fino e pequeno do interior da batata e colocar sobre uma lâmina. Corar o material com Lugol por 5 minutos. Cobrir com lamínula. Observar Euforbia splendens (coroa de Cristo) Pingar sobre a lâmina uma gota de látex da coroa de Cristo dissolvido em água. Pingar uma gota de Lugol. Cobrir com lamínula. Observar. Lipídios Os lipídio se classificam em simples e compostos. Entre os compostos podem ser diferenciados os lipídios figurados, que são visíveis em forma de gotas refringentes e os mascarados, que são demonstrados por análises químicas Citrus sp (laranja e limão) Fazer um corte tangencial bem fino na casca da laranja ou limão de maneira que possa passar a luz que nele incidir. Colocar sobre um vidro de relógio e pingar algumas gotas de Sudan IV e corar por sete minutos. Retirar o corte com um pincel e colocá-lo sobre uma lâmina. Cobrir com lamínula. Observar. Proteínas Reação de biureto: o sulfato de cobre (CuSO 4) em meio alcalino reage com compostos contendo duas ou mais ligações peptídicas, resultando um complexo de coloração violeta. A intensidade da cor é proporcional ao número de ligações peptídicas existentes Leite e clara de ovo Pipetar 0,5ml de: 1)solução de clara de ovo diluída em água; 2)leite; 3)água e 4)gelatina. Colocar em tubos de ensaios separados. Adicionar 05 gotas de CuSO 4 a 1% e 05 gotas de NaOH 2,5N. Observar se ocorrem alterações de cores e explicar. Reação Xantoproteica: o ácido nítrico (HNO 3 ) reage com os anéis benzênicos dos aminoácidos triptofano, tirosina e fenilalanina, formando nitro compostos amarelos em meio alcalino. Realizar em conjunto com a prática Leite e clara de ovo Pipetar 0,5ml de: 1) solução de clara de ovo diluída em água; 2)leite; 3)água e 4)gelatina. Colocar em tubos de ensaios separados. Adicionar 05 gotas de HNO3 concentrado e 05 gotas de NaOH 20%. Observar se ocorrem alterações de cores e explicar. OBS.: Evitar respirar os odores (gases) liberados pelo HNO3. Manuseie-o com cuidado!! Realizar em conjunto com a prática 06. Identificação de ph Para determinar o ph de soluções usamos indicadores e uma tabela de ph. Os valores da escala (0-14) referem-se as proporções de H + e de OH - presentes na solução Molhar as fitas de papel tornassol nas soluções químicas separadas e misturadas utilizadas nas práticas anteriores (04 e 05). Observar a coloração das fitas e explicar. identificando as estruturas celulares observadas. Identificar os amiloplastos e a morfologia dos grãos de amido. Identificar as bolsas de óleo ou depósitos de lipídios e verificar se a concentração de lipídios é a mesma em todas a sua extensão.

PRÁTICAS DE BIOLOGIA CELULAR AULA 03

PRÁTICAS DE BIOLOGIA CELULAR AULA 03 PRÁTICAS DE BIOLOGIA CELULAR AULA 03 Matipó/MG 2014 Aula Prática - 04 Observação e Diferenciação das Células Eucariontes Introdução Há dois tipos de células eucarióticas: animaise vegetais. Apesar de terem

Leia mais

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Ficha de Trabalho Experimental - (versão professor) Ano lectivo: 10ºano Turma: Data: Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Pré-requisitos Operacionais: ter noções básicas de manuseamento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

Célula ACTIVIDADE EXPERIMENTAL. Observação de Células Eucarióticas ao MOC. Objectivos

Célula ACTIVIDADE EXPERIMENTAL. Observação de Células Eucarióticas ao MOC. Objectivos ACTIVIDADE EXPERIMENTAL Observação de Células Eucarióticas ao MOC Objectivos Identificar estruturas celulares das células vegetais e animais ao MOC. Verificar que os diferentes corantes actuam de modo

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião)

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) O que se pretende 1. Seleccionar material adequado à observação de células eucarióticas vegetais 2.

Leia mais

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa)

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 29

Leia mais

Observação Microscópica de células

Observação Microscópica de células ESCOLA SECUNDÁRIA/3 MORGADO MATEUS Biologia e Geologia (Ano I) Relatório da Actividade Experimental Observação Microscópica de células Professora: Sónia Leandro Trabalho elaborado por: Joana Pires, nº14-10ºb

Leia mais

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 3 de Dezembro

Leia mais

COMO SÃO AS CÉLULAS?

COMO SÃO AS CÉLULAS? COMO SÃO AS CÉLULAS? Elaboradores José Augusto Juski Junior Luana Kamarowski Lins Alves Vinicius Will Supervisão Caroline Souza Orientação Márcia Helena Mendonça APRESENTAÇÃO Esta atividade tem como objetivo

Leia mais

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA?

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS: CARBONO, HIDROGÊNIO, OXIGÊNIO E NITROGÊNIO FORMAM CADEIAS LONGAS E COMPLEXAS

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi);

Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi); Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação da célula eucariótica vegetal: Amiloplastos e grãos de amido em batata (Solanum spi); Cromoplastos e grãos de licopénio

Leia mais

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples.

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. 1 UAB/UFABC Química Divertida Propriedades do sabão OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. TAREFAS A SEREM ENTREGUES!!!! Preste bem a atenção!!!!! Você deverá responder

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Credenciada pela Portaria/MEC nº 206/2002 D.O.U. 29/01/2002 ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA CNPJ: 03.866.544/0001-29 e Inscrição Municipal nº 005.312-3

Leia mais

Colégio João Paulo I

Colégio João Paulo I Colégio João Paulo I Laboratório de Química Roteiros de aulas práticas I Prof.: Cristiano Alfredo Rupp 1 Índice: NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Pág. 3 EQUIPAMENTOS E VIDRARIAS MAIS UTILIZADOS

Leia mais

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS CITOPLASMA Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: Biologia e Histologia São dotadas de membrana plasmática; Contêm citoplasma

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA

EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA Muitas pesquisas de Biologia Molecular começam com a extração de ácidos nucleicos. A lise celular libera as moléculas em uma fase aquosa que é separada dos restos

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS

Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS Obtenção das Preparações Citológicas MEIOSE (Sem a utilização

Leia mais

E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O

E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O E X P E R I Ê N C I A S D E 1º A N O PROF. AGAMENON ROBERTO < 2007 > Prof. Agamenon Roberto 1º ANO EXPERIÊNCIAS 2 1ª e 2ª EXPERIÊNCIAS DESTILAÇÃO SIMPLES E DESTILAÇÃO FRACIONADA OBJETIVO: Mostrar como

Leia mais

O CITOPLASMA E SUAS ORGANELAS

O CITOPLASMA E SUAS ORGANELAS O CITOPLASMA E SUAS ORGANELAS Citoplasma região entre a membrana plasmática e o núcleo (estão presentes o citosol e as organelas). Citosol material gelatinoso formado por íons e moléculas orgânicas e inorgânicas

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii)

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 09 Síntese do cloreto

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA Parte I Produção do óxido de cobre Ponto de Partida 1- Preparar uma amostra de 300 mg de cobre a partir de um fio de cobre ou de uma folha de cobre. 2- Colocar a

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos Moléculas orgânicas - Carboidratos São formados por C, H, O. São Conhecidos como: Hidratos de Carbono Glucídios Glicídios Açúcares Sacarídeos Funções: Energética (glicose); Glicogênio : reserva energética

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

Células procarióticas

Células procarióticas Pró Madá 1º ano Células procarióticas Citosol - composto por 80% de água e milhares de tipos de proteínas, glicídios, lipídios, aminoácidos, bases nitrogenadas, vitaminas, íons. Moléculas de DNA e ribossomos

Leia mais

Osmose e Plasmólise. Introdução. Materiais Necessários

Osmose e Plasmólise. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Você já pensou por que a lesma desidrata até morrer, quando jogamos sal nela? E porque a salada de tomate fica aguada depois de temperada? Veja, nesse experimento, como ocorrem os processos

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E Ensino Médio Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1. Misturas e processos de separação H4, H5 2. Misturas e processos de separação H4, H5 e H6

Leia mais

RECEITAS SEM GLÚTEN ALERGIAS ALIMENTARES RECEITAS

RECEITAS SEM GLÚTEN ALERGIAS ALIMENTARES RECEITAS RECEITAS Souflê de brócolis (4 - Porção(ões) - 120 - Caloria(s)) Ingredientes: 100 g de queijo minas ou tofu 1 xícara de leite ou extrato de soja 2 ovos 1 colher de sopa de amido de milho (maisena) 1 pitada

Leia mais

Agroindústria. Menu Introdução Pão integral Pão de mandioca Pão de torresmo com creme de alho Pão de Forma Pãezinhos de Batata. 1.

Agroindústria. Menu Introdução Pão integral Pão de mandioca Pão de torresmo com creme de alho Pão de Forma Pãezinhos de Batata. 1. 1 de 6 10/16/aaaa 10:42 Agroindústria Processamento artesanal de farinhas e farináceos Fabricação de pão caseiro Pão integral, pão de torresmo, pão de forma e pãezinhos de batata Processamento artesanal

Leia mais

Receitas do livro BOLO SALGADO DE FARINHA DE MANDIOCA

Receitas do livro BOLO SALGADO DE FARINHA DE MANDIOCA Receitas do livro BOLO SALGADO DE FARINHA DE MANDIOCA Nome da 4 xícaras de chá de farinha de farinha (500g) 4 ovos 2 Litros de leite morno 1 colher (sopa) de fermento em pó (10g) 2 gemas para pincelar

Leia mais

O CITOPLASMA. Prof. André Maia. O Movimento amebóide é um movimento de deslocamento de algumas células através da emissão de pseudópodes.

O CITOPLASMA. Prof. André Maia. O Movimento amebóide é um movimento de deslocamento de algumas células através da emissão de pseudópodes. O CITOPLASMA Prof. André Maia Conceito É a região da célula localizada entre a membrana plasmática e o núcleo, preenchida por uma substância gelatinosa (semi-líquida), na qual estão mergulhadas as organelas

Leia mais

Escola Secundária Manuel Cargaleiro

Escola Secundária Manuel Cargaleiro Escola Secundária Manuel Cargaleiro Curso Científico- Natural (Experiência realizada no dia 25/01 e no dia 01/02) Este trabalho foi elaborado por: - Pedro Valverde n.º14 - Pedro Andrez n.º15 10ºano turma

Leia mais

DNA Darwin Não Atento?

DNA Darwin Não Atento? DNA Darwin Não Atento? PÁGINA 1 DE 6 CIÊNCIAS BIOLOGIA QUÍMICA Darwin foi um dos maiores cientistas de todos os tempos. Ele percebeu que variações ocorrem nas populações ou seja, diferenças são encontradas

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

identidade dos Seres Vivos A organização celular da vida

identidade dos Seres Vivos A organização celular da vida identidade dos Seres Vivos organização celular da vida EXPERIMENTO Preparação e observação de lâminas coradas com violeta genciana para observação de células 1. Resumo Este experimento possibilita a visualização

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR Retículo endoplasmático Invólucro nuclear Núcleo Mitocôndria Procarionte fotossintético Cloroplasto Procarionte ancestral Eucariote ancestral

Leia mais

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes APRESENTAÇÃO A alimentação e tão necessária ao nosso corpo quanto o ar que precisamos para a nossa sobrevivência, devem ter qualidade para garantir a nossa saúde. Quando falamos em alimentação com qualidade

Leia mais

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221)

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221) 1 SUMÁRIO Módulo 6 Alimentos e nutrientes... 1 Atividade 1 (página 221)... 1 Atividade 2 (página 228)... 1 Atividade 3 (página 229)... 2 Em Casa (pagina 231)... 3 Módulo 7 O processo de digestão I... 4

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Prof. Emerson Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: São dotadas de membrana plasmática; Contêm

Leia mais

BISCOITINHO DE QUEIJO

BISCOITINHO DE QUEIJO ÍNDICE DE RECEITAS Salgados Biscoitinho de queijo, 3 Cheesecake de salmão defumado, 4 Mousse de azeitona, 5 Nhoque de ricota, 6 Pão de queijo, 7 Samboussek, 8 Torta de queijo, 9 Doces Bolo de côco ralado,

Leia mais

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano O termo célula foi usado pela primeira vez pelo cientista inglês Robert Hooke, em 1665. Por meio de um microscópio

Leia mais

Treinamento Conservas de frutas 382

Treinamento Conservas de frutas 382 Para que haja boa conservação dos alimentos é importante que os produtos conservados mantenham suas qualidades nutritivas, seu aroma, sabor e que se eliminem as causas das alterações. As várias maneiras

Leia mais

Determinação de açúcares redutores em lactose, açúcares não redutores em sacarose e amido em produtos lácteos por oxidimetria

Determinação de açúcares redutores em lactose, açúcares não redutores em sacarose e amido em produtos lácteos por oxidimetria Página 1 de 9 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar açúcares redutores em lactose, açúcares não redutores em sacarose e amido em amostras de leite e derivados por titulometria de oxidação (método

Leia mais

1. (MOJI-SP) A membrana plasmática, apesar de invisível ao microscópio óptico, está presente:

1. (MOJI-SP) A membrana plasmática, apesar de invisível ao microscópio óptico, está presente: Exercícios de aprofundamento Biologia Aula 1 1. (MOJI-SP A membrana plasmática, apesar de invisível ao microscópio óptico, está presente: a em todas as células, seja ela procariótica ou eucariótica. b

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

Observação de Células Eucarióticas e Microrganismos Eucariontes

Observação de Células Eucarióticas e Microrganismos Eucariontes Observação de Células Eucarióticas e Microrganismos Eucariontes DOCENTE José Amado DISCENTE Henrique Dias Ourique, 25 de fevereiro de 2015 No âmbito de Biologia e Geologia Agrupamento de Escolas de Ourique

Leia mais

Microscópio de Robert Hooke Cortes de cortiça. A lente possibilitava um aumento de 200 vezes

Microscópio de Robert Hooke Cortes de cortiça. A lente possibilitava um aumento de 200 vezes CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula é a Citologia (do grego: cito = célula; logos = estudo). A invenção do microscópio no final do século XVI revolucionou a Biologia. Esse instrumento possibilitou

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

FICHA DE TRABALHO LABORATORIAL DO ALUNO - EXPERIÊNCIA A: NANOMATERIAIS NATURAIS

FICHA DE TRABALHO LABORATORIAL DO ALUNO - EXPERIÊNCIA A: NANOMATERIAIS NATURAIS FICHA DE TRABALHO LABORATORIAL DO ALUNO - EXPERIÊNCIA A: NANOMATERIAIS NATURAIS Nome do aluno: Data:.. OBJECTIVO: - Conhecer a existência de nanomateriais naturais - Interacção da luz com os colóides -

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO A maioria das vitaminas não pode ser fabricada pelo corpo, por isso é necessário obtê-las a partir dos alimentos. A vitamina D é uma exceção,

Leia mais

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br A célula é a menor unidade estrutural básica do ser vivo. A palavra célula foi usada pela primeira vez em 1667 pelo inglês Robert Hooke. Com um microscópio muito

Leia mais

Experimento 01 Testes para carboidratos

Experimento 01 Testes para carboidratos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E MATEMÁTICAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA Experimento 01 Testes para carboidratos Carboidratos são desidratados quando tratados com ácidos

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. As fotografias

Leia mais

IDENTIDADE DOS SERES VIVOS A ORGANIZAÇÃO CELULAR DA VIDA

IDENTIDADE DOS SERES VIVOS A ORGANIZAÇÃO CELULAR DA VIDA IDENTIDDE DOS SERES VIVOS ORGNIZÇÃO CELULR D VID EXPERIMENTO Preparação e observação de lâminas coradas com violeta genciana para Preparação e observação de lâminas coradas com violeta genciana para 1.

Leia mais

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA Laranjeiras do Sul: Av. 7 de Setembro, 1930. Fone: (42) 3635 5413 Quedas do Iguaçu: Pça. Pedro Alzide Giraldi, 925. Fone: (46) 3532 3265 www.genevestibulares.com.br / contato@genevestibulares.com.br PROFESSOR

Leia mais

Trabalho Online. 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / /

Trabalho Online. 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / / Trabalho Online NOME: Nº.: DISCIPLINA: BIOLOGIA I PROFESSOR(A): LEANDRO 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / / 1. A seguir estão representados três modelos de biomembranas: a) A que constituintes

Leia mais

Manual de Métodos de Análises de Bebidas e Vinagres

Manual de Métodos de Análises de Bebidas e Vinagres 1. MÉTODO Titulométrico (Método Eynon Lane) 2. PRINCÍPIO Os açúcares redutores reagem com os íons cúpricos da solução de Fehling, reduzindo-se a íons cuprosos, sob a ação do calor em meio alcalino. Ao

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES ESCOLA SECUNDÁRIA CAMILO CASTELO BRANCO V. N. FAMALICÃO ACÇÃO DE FORMAÇÃO UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Correcção Formador: Professor Vítor Duarte Teodoro Formanda: Maria do Céu da Mota Rocha

Leia mais

Entrada SALADA BOLOGNA OVO DE CODORNA PICANTE

Entrada SALADA BOLOGNA OVO DE CODORNA PICANTE Entrada OVO DE CODORNA PICANTE 12 ovos de codorna 1 colher de sopa de azeite de oliva 1 colher de café de vinagre Pimenta calabresa a gosto 1 pitada de sal 1 pitada de orégano 1 colher de chá de salsinha

Leia mais

Lípidios (g) (g) MODO DE PREPARO. Vitamina C (mg) Açúcar g 7 27,09 6,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01

Lípidios (g) (g) MODO DE PREPARO. Vitamina C (mg) Açúcar g 7 27,09 6,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01 Cardápio nº 2455 - BISCOITO CASEIRO DE NATA E SUCO DE POLPA DE FRUTA os C Ca Mg Fe Zn Custo Açúcar g 8 30,96 7,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01 Açúcar (suco) g 10 38,70 9,96 0,00

Leia mais

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva Café Coquetéis CAFÉ COQUETÉIS O café é uma bebida estimulante, agradável, reanimadora, que apresenta aroma e sabor característicos e é capaz de agradar aos mais variados paladares. Versátil, compõe receitas

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA

EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA Muitas pesquisas de Biologia Molecular começam com a extração de ácidos nucleicos. A lise celular libera as moléculas em uma fase aquosa que é separada dos restos

Leia mais

O citoplasma das células

O citoplasma das células UNIDADE 2 ORIGEM DA VIDA E BIOLOGIA CELULAR CAPÍTULO 8 Aula 1/3 Eucariontes x Procariontes Estruturas citoplasmáticas: Citoesqueleto Centríolos, cílios e flagelos 1. CÉLULAS PROCARIÓTICAS E EUCARIÓTICAS

Leia mais

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS Apesar da diversidade entre os seres vivos, todos guardam muitas semelhanças, pois apresentam material genético (DNA) em que são encontradas todas as informações

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015)

EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015) EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015) 1- A Fábrica Celular Células de bactérias (procarióticas) e células animais (eucarióticas), apresentam semelhanças e diferenças. a) Qual a estrutura presente em ambas que

Leia mais

SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus

SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus FeSO 4.7H 2 O 278,01 06404.02-0 Fe 55,85 Sulfato ferroso heptaidratado Contém, no mínimo, 98,0% e, no máximo, 105,0% de FeSO 4.7H 2 O. DESCRIÇÃO

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

ENTRADA Salada Requintada

ENTRADA Salada Requintada ENTRADA Salada Requintada Rendimento: 6 porções (1 pires = 75 g) 1 pé de alface americana pequeno lavado 1 maço pequeno de rúcula lavado 100 g de peito de peru defumado em tiras 100 g de queijo minas em

Leia mais

CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS

CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS A história da Citologia Hans e Zaccharias Janssen- No ano de 1590 inventaram um pequeno aparelho de duas lentes que chamaram de microscópio. Robert Hooke (1635-1703)- Em

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AMBROSIA PRIMAVERA ARROZ DOCE ESPECIAL PVT 10g 57g 15ml 04g Canela em pó 0,5g Arroz Água 70ml 30ml Custo médio estimado: R$ 0,13 Energia:264 Kcal. Proteína:6 g. Hidratar e escorrer o PVT; Colocar o açúcar

Leia mais

NÚMERO. Alimentação: Sustentável. Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. CHICO SARDELLI DEPUTADO ESTADUAL PV

NÚMERO. Alimentação: Sustentável. Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. CHICO SARDELLI DEPUTADO ESTADUAL PV Alimentação: Sustentável NÚMERO 3 Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. Risoto de casca de Abóbora Cascas de 2kg de abóbora (ralada ) 3 xicaras de arroz cozido 1 cebola grande (picada)

Leia mais

Tabule Rendimento 4 porções

Tabule Rendimento 4 porções Tabule Rendimento 4 porções - 4 tomates picados - 1 xícara (chá) de trigo para quibe - 1 cebola picada - 1 pepino com casca picado em cubos - 1/2 xícara (chá) de salsinha picada - 1/4 xícara (chá) de cebolinha

Leia mais

COLÉGIO CASSIANO RICARDO

COLÉGIO CASSIANO RICARDO CURSO DE CULINÁRIA COLÉGIO CASSIANO RICARDO 2º semestre - 2011 Receitas 1 Strogonoff de Carne 2 Risoto de Alho Poró 3 Cheesecake de Amora 4 Filé mignon ao alho do Edu Guedes 5 Lanche natural de metro 6

Leia mais

Permeabilidade da membrana

Permeabilidade da membrana Permeabilidade da membrana 9 a u l a OBJETIVOS Ao final desta aula, você deverá reconhecer: A importância do transporte através das membranas. A permeabilidade de uma bicamada lipídica. Osmose. Pré-requisitos:

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO Mitocôndria - Organela em forma de grão ou bastonete. É formada por duas membranas: a mais interna forma uma série de dobras ou septos chamados

Leia mais

Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO.

Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO. Bases Macromoleculares das Células Composição química das células

Leia mais

Chalá redonda. Guefilte fish ao molho de tomate Salmão primavera Saladas: Vagem com manga Alface com batata palha Salada de alho poró

Chalá redonda. Guefilte fish ao molho de tomate Salmão primavera Saladas: Vagem com manga Alface com batata palha Salada de alho poró B H RECEITAS Chalá redonda º Guefilte fish ao molho de tomate Salmão primavera Saladas: Vagem com manga Alface com batata palha Salada de alho poró º Caldo de galinha youch com kneidalach º Carne assada

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios SEI Ensina - MILITAR Química SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios 1.A água potável é um recurso natural considerado escasso em diversas regiões do nosso planeta. Mesmo em locais onde a água é relativamente

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 10

Química Geral Experimental - Aula 10 Química Geral Experimental - Aula 10 Título da Prática: Reações Químicas (Parte l) Objetivos: Determinar a concentração exata (padronizar) de soluções aquosas diluídas de ácidos e bases fortes utilizando

Leia mais

Receitas com farinhas e sucos de frutas

Receitas com farinhas e sucos de frutas Farofa de farinha de banana verde 150 g de farinha de mandioca 150g de farinha de banana verde 4 unidades de tomates picados em quadrados pequenos 1 unidade média de abobrinha verde picada em quadrados

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO Item A Valor: 10 pontos. Possíveis respostas: 3 em 16 (10 pontos). 3/16 (10 pontos). 18,75% (10 pontos). Item B Valor: 10 pontos. Proporção genotípica do cruzamento RRee X RrEe (Valor:

Leia mais

Receitas para as Festas de Fim de Ano

Receitas para as Festas de Fim de Ano Salada Agridoce 1 molho de alface americano 2 xícaras de chá de repolho roxo cortado bem fino 1 maçã vermelha, picada em quadradinhos pequenos 1 colher de sopa de uvas passas sem sementes 3 talos de aipo

Leia mais

Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão

Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/ 03 FEV 2014 Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão Já pensou em tomar sorvete de mandioca? E doce de casca de maracujá?

Leia mais

Experimento 4 Cromatografia de papel

Experimento 4 Cromatografia de papel Experimento 4 Cromatografia de papel Objetivo Estudo da cromatografia de papel como método de separação e caracterização. Temas abordados Misturas homogêneas, técnicas de separação, forças intermoleculares,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

1 Por que tomar café da manhã?

1 Por que tomar café da manhã? A U A UL LA Por que tomar café da manhã? Exercícios Acordar, lavar o rosto, escovar os dentes, trocar de roupa e... tomar o café da manhã. É assim que muitas pessoas começam o dia, antes de ir trabalhar.

Leia mais

Com a chegada da primavera e a proximidade do verão, as saladas passam a ser incluídas com mais frequência nos cardápios brasileiros.

Com a chegada da primavera e a proximidade do verão, as saladas passam a ser incluídas com mais frequência nos cardápios brasileiros. SalaDAS Com a chegada da primavera e a proximidade do verão, as saladas passam a ser incluídas com mais frequência nos cardápios brasileiros. Possibilitam a mistura de várias cores, tornando o visual bonito

Leia mais

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários dução Os microorganismos (fungos, bactérias e vírus) são chamados assim por terem um tamanho bastante reduzido. Eles são tão pequenos que não conseguimos enxergá-los a olho nu, mas apenas utilizando microscópio

Leia mais