O que é assédio moral?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é assédio moral?"

Transcrição

1 O que é assédio moral? Não tenho dúvidas em afirmar que o maior vilão das relações trabalhistas deste início de século XXI é o assédio moral. É bem verdade que o assédio moral não é nenhuma novidade. Sendo assim, o que há de novo? Certamente a conscientização que os trabalhadores adquiriram nos traz à tona o quanto existe na intensificação, gravidade, amplitude e banalização do fenômeno. Principalmente na vinculação para se estabelecer o nexo causal com a organização do trabalho. Segundo levantamento do MPT, entre os estados em que há o maior número de queixas estão o de São Paulo, Minas Gerais, do Espirito Santo e Rio de Janeiro. No Rio, o Ministério Público do Trabalho tem em curso um total de 394 investigações sobre assédio moral e duas ações civis públicas em andamento. Mais 21 termos de ajustamento de conduta (acordos com as empresas) foram firmados. No Brasil temos o relato de uma pesquisa feita pela Dra. Margarida Barreto que serviu de base para sua dissertação de mestrado em Psicologia Social, defendida em 22 de maio de 2000 na PUC/SP, sob o título Uma jornada de humilhações. Em agosto do mesmo ano, foi publicado no Brasil o livro de Marie France Hirigoyen Harcelement Moral: la violence perverse au quotidien, traduzido pela Editora Bertrand Brasil, com o título Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. Desde então o tema foi muito abordado pela imprensa e noticiado, mais recentemente, por uma reportagem no portal da internet G1 e por uma série de reportagens veiculadas na TV Brasil. Na categoria bancária tem-se difundido maciçamente por todos os sindicatos do Brasil uma campanha intensa e incansável pelo fim do assédio moral que pode ser exemplificado na fixação das metas absurdas e inatingíveis. Posso citar ainda uma grande campanha idealizada pelo Sindicato dos Professores sobre o assédio moral. Tenho notícias que, hoje, existem cerca de 80 projetos de lei em diferentes municípios do país. Vários projetos já foram aprovados, entre eles, destacamos: São Paulo, Natal, Guarulhos, Iracemápolis, Bauru, Jaboticabal, Cascavel, Sidrolândia, Reserva do Iguaçu, Guaracema, Campinas, entre outros. No âmbito estadual, o Rio de Janeiro condena essa prática desde maio de Lei contra assédio moral do Estado do Rio de Janeiro De iniciativa de Noel de Carvalho, deputado estadual, PSB/RJ. Primeira lei estadual aprovada no Brasil (agosto de 2002). Lei nº 3921, de 23 de agosto de Veda o assédio moral no trabalho, no âmbito dos órgãos, repartições ou entidades da administração centralizada, autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista, dos Poderes Legislativo, Executivo ou Judiciário do Estado do Rio de Janeiro, inclusive concessionárias e permissionárias de serviços estaduais de utilidade ou interesse público, e dá outras providências.

2 Existem projetos em tramitação nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Paraná, Bahia, entre outros. No âmbito federal, há propostas de alteração do Código Penal e outros projetos de lei. Precisamos fazer uma distinção entre o assédio moral individual e o assédio coletivo. O assédio moral coletivo é o mais fácil de ser identificado porque você tem vários empregados com a mesma queixa e pode demonstrar que há uma política do empregador em relação aos seus empregados que faz com eles sejam assédios constantemente por conta do serviço. No assédio moral individual as humilhações são vertidas para a figura de um trabalhador ou de um pequeno grupo de trabalhadores. VAMOS TENTAR ENTENDER BEM ALGUNS CONCEITOS O que é humilhação? Conceito do dicionário digital Aulete: 1 Ação ou resultado de humilhar(-se), 2 Aviltamento, rebaixamento moral. Evidentemente que a humilhação provoca dor, tristeza e sofrimento. Qual a definição de assédio moral no trabalho? É a exposição dos trabalhadores a situações humilhantes e constrangedoras, que normalmente são retiradas diariamente ao longo da jornada de trabalho e no exercício de suas funções, sendo mais comuns aquelas que os doutrinadores conceituam como sendo o Assédio Moral Vertical Descendente, ou seja, aquele em que o trabalhador é assediado por seu superior hierárquico (que pode ser o chefe ou o próprio patrão). Neste tipo de assédio predominam as condutas negativas, relações desumanas e aéticas de longa duração. E qual seria o propósito: a DESESTABILIZAÇÃO da vítima para com seu emprego que a leva a pedir sua demissão por não suportar mais este tipo de relação. Existem outros tipos de assédio no ambiente do trabalho que apenas faço uma referência, já que não são, em princípio, o foco deste evento. Temos o Assédio Moral Vertical Ascendente, onde o subordinado dissemina uma onda de ataques à pessoa do chefe no afã de poder ocupar aquele posto. Temos também o Assédio Moral Horizontal, que é aquele que se dá entre os colegas de trabalho sem hierarquia funcional contra a pessoa de dos membros do grupo ou da equipe. Em certas ocasiões o trabalhador assediado é isolado do grupo sem explicações, passando a ser hostilizado, ridicularizado, inferiorizado, culpabilizado e desacreditado diante dos pares. Estes, por medo do desemprego e a vergonha de serem também humilhados associado ao estímulo constante à competitividade, rompem os laços afetivos com a vítima e, freqüentemente, reproduzem e reatualizam ações e atos do agressor no ambiente de trabalho, instaurando o que alguns pesquisadores chamam pacto da tolerância e do silêncio no coletivo, enquanto a vitima gradativamente se desestabiliza, fragilizando, perdendo sua autoestima. Posso afirmar que, em ato isolado de humilhação, não se constitui como assédio moral que tem algumas características próprias: 1. repetição da prática assediadora; 2. intencionalidade (o objetivo e fazer com que o assediado peça demissão e, com isso perca alguns direitos trabalhistas);

3 3. direcionalidade (uma pessoa do grupo é escolhida como bode expiatório); 4. tempo do assédio (durante a jornada, por dias e meses); e 5. degradação deliberada das condições e do ambiente de trabalho. Entretanto, quer seja um ato ou a repetição deste ato, devemos combater firmemente por constituir uma violência psicológica, causando danos à saúde física e mental, não somente daquele que é excluído, mas de todo o coletivo que testemunha esses atos. A humilhação repetitiva a de longa duração interfere na vida do trabalhador assediado de modo direto, comprometendo sua identidade, dignidade e relações afetivas e sociais que podem influir na relação doméstica ocasionando graves danos à saúde física e mental, que podem evoluir para a incapacidade laborativa, desemprego ou mesmo a morte do assediado. A violência moral no trabalho constitui um fenômeno internacional segundo levantamento recente da Organização Internacional do Trabalho (OIT) com diversos países desenvolvidos. A pesquisa aponta para distúrbios da saúde mental relacionado com as condições de trabalho em países como Finlândia, Alemanha, Reino Unido, Polônia e Estados Unidos. As perspectivas são sombrias para as duas próximas décadas, pois segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), estas serão as décadas do malestar na globalização, onde predominarão depressões, angústias e outros danos psíquicos, relacionados com as novas políticas de gestão na organização de trabalho e que estão vinculadas as políticas neoliberais. O que a vítima deve fazer? Resistir: anotar com detalhes todas as humilhações sofridas (dia, mês, ano, hora ou setor, nome do agressor, colegas que testemunharam, conteúdo da conversa e o que mais você achar necessário); Dar visibilidade: procurando a ajuda dos colegas, principalmente daqueles que testemunharam o fato ou que já sofreram humilhações do agressor; Organização: O apoio é fundamental dentro e fora da empresa; Evitar contato direto com o assediador: procurar conversar com o agressor, com testemunhas. Neste momento pedir ajuda a um colega de trabalho ou representante sindical; Exigir por escrito: explicações do ato agressor e permanecer com cópia da carta enviada ao DP ou RH e da eventual resposta do agressor. Se possível mandar sua carta registrada, por correio, guardando o recibo; Procurar seu sindicato e relatar o acontecido para diretores e outras instâncias como: médico ou advogados do sindicato, Ministério Público, Justiça do Trabalho, Comissão de Diretos Humanos e Conselho Regional de Medicina; Buscar apoio junto a familiares, amigos e colegas, pois o afeto e a solidariedade são fundamentais para recuperação da auto-estima, dignidade, identidade e cidadania.

4 ALERTA AOS TRABALHADORES Principalmente para quem testemunhou algum caso de assédio moral. É importante que você seja SOLIDÁRIO com o seu colega e digo isto por dois bons motivos: o primeiro é que você, agindo desta forma, vai estar reparando um ato de injustiça e, segundo, se você presenciou e não se manifesta contrariamente aquela situação saiba que você poderá ser a próxima vítima. Assédio Moral é Crime? Hoje ainda não podemos dizer que assédio moral seja tipificado como crime. E digo isso por não nas leis do país nada que assim o tipifique. Quando muito e dependendo da situação estaríamos diante daquilo que o Código Penal chama de Crimes contra a Liberdade Pessoal e caracteriza-se através do art. 146: Constrangimento ilegal Art. 146 Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, ou depois de lhe haver reduzido, por qualquer outro meio, a capacidade de resistência, a não fazer o que a lei permite, ou fazer o que ela não manda: Pena detenção, de 3(três) meses a 1(um) ano, ou multa. Pois bem, para tais atos acima descritos, aplica-se o texto constitucional estampado nos artigos 5º e 7º da CF, que estabelece a proteção ao direito à intimidade, dignidade, igualdade, honra e vida privada, além do artigo 483 da CLT que permite que o trabalhador possa considerar rescindido o contrato de trabalho, no que chamamos de rescisão indireta, ou seja, aquela em que o empregador praticou ato faltoso e este ato pode representar a sua justa causa. Entretanto, de relevância salientar, que já tramita na Câmara dos Deputados projeto de lei de autoria do então deputado Marcos de Jesus (PL-PE), a proposição de 2001, que tipifica o chamado assédio moral como crime enquadrando-o no CPB no artigo A. Em que pese admitirmos que tal norma tenha já alcançado o Direito Civil, quando a Súmula 341, editada pelo STF, prega que é presumida a culpa do patrão ou comitente pelo ato culposo do empregado ou preposto, ainda não temos tal avanço no segmento penal, ou seja, não resta, ainda, regulamentado o assédio moral como crime. Agora, é bom que se diga que, nos dias de hoje, quem humilha ou xinga empregado, não fica impune, pois será enquadrado na prática de crime de calúnia e difamação, estes, estampados nos artigos 138 e 139 do CP, além de correr o risco de indenizar o trabalhador prejudicado por dano material, moral e à imagem.

5 EXEMPLOS DE JULGAMENTOS NOS TRIBUNAIS TRABALHISTAS SOBRE ASSÉDIO MORAL Agravo de instrumento. Dano moral. Assédio moral. Matéria fática. Desprovimento. O assédio moral caracteriza-se por atos repetidos de violência moral, de tortura psíquica, e de intenção de degradar as condições de trabalho do empregado. Todavia, um problema subsiste, o de saber o que se entende por atos repetidos e quando tais atos acarretariam a degradação das condições do trabalho. Em tal situação, é dever do juiz analisar a prova de modo a evitar que o empregado entrave ou conteste o exercício moral do poder diretivo do empregador, com suas alegações de assédio moral. Destarte, o assédio moral demanda que a prova do prejuízo moral do empregado seja notória e convincente, suficiente a demonstrar o desrespeito à sua dignidade. Essa proteção da dignidade humana passa, evidentemente, pela proteção contra todas as formas de discriminações, em obediência aos princípios fundamentais de proteção ao trabalho e ao homem. No caso em tela, a empregada não produziu prova convincente do assédio moral, por parte do empregador, razão pela qual não prospera a sua pretensão de reparação pecuniária. Aplicação da súmula 126 do tst. Agravo de instrumento a que se nega provimento. Acórdão do Processo nº /03/2009 Tribunal Superior do Trabalho. 6ª Turma ASSÉDIO MORAL, RESCISÃO indireta. RECONHECIMENTO. No contexto da prova produzida nos autos, chega-se à ilação de que o reclamante foi vítima de pressão psicológica, capaz de caracterizar assédio moral, eis que a conduta da reclamada, através de sua gerência, permitiu que o Obreiro fosse colocado à margem da empresa, incorrendo, assim, na falta tipificada no art. 483, b da CLT, autorizando o rompimento do contrato de trabalho, com ônus para a empresa, inclusive sobre o período de estabilidade da CIPA, não se podendo esquecer, ainda, que foi a própria ré, em razão do Desrespeito aos princípios que devem gerir as relações de empregado, que deu azo rompimento do contrato de trabalho. (Recurso improvido PROC RO 00414/ ,0 11ª REGIÃO Vera Lúcia C. de Sá Peixoto Des.Relatora.Dj / AM de 21/05/2009 (DT junho/2009 vol. 179, p.76).

6 DENUNCIAR OS ABUSOS A melhor maneira de neutralizar as ações do assediador é fazer a denúncia. Procurar o sindicato da categoria a que pertença o trabalhador, denunciar perante a autoridade policial ou mesmo procurar o Ministério Público do Trabalho são algumas formas do trabalhador assediado externar a sua insatisfação a respeito da situação constrangedora e por vezes humilhante. Tão importante quanto denunciar é obter provas: documentos (sempre que existentes), data, hora e local do assédio, procurar sempre a presença de alguém que possa presenciar o momento do assédio e, de acordo com as possibilidades, gravar as conversas por qualquer meio possível. Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2009.

O SUS pode ser seu melhor plano de saúde

O SUS pode ser seu melhor plano de saúde O SUS pode ser seu melhor plano de saúde Organizadores Andrea Salazar Karina Grou Rodrigues Lynn Silver Mário Scheffer Agradecimentos Gilson Carvalho Ligia Bahia Silvia Vignola Diagramação José Humberto

Leia mais

ASSÉDIO SEXUAL NAS RELAÇÕES DE TRABALHO

ASSÉDIO SEXUAL NAS RELAÇÕES DE TRABALHO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ASSÉDIO SEXUAL NAS RELAÇÕES DE TRABALHO MARGARETE NICOLAU DE OLIVEIRA Monografia apresentada no curso de Direito e Processo do Trabalho como parte dos requisitos para

Leia mais

Elementos Básicos de DIREITO DO TRABALHO

Elementos Básicos de DIREITO DO TRABALHO Luiz A. A. Pierre Elementos Básicos de DIREITO DO TRABALHO (LEGISLAÇÃO SOCIAL) LIVRO ELETRÔNICO 1 Sumário (Conteúdo Programático) 1. Introdução... 03 2. Direito e Justiça...05 3. Breve Histórico...07 4.

Leia mais

A LEI MARIA DA PENHA E A SUA EFETIVIDADE

A LEI MARIA DA PENHA E A SUA EFETIVIDADE UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ ESCOLA SUPERIOR DE MAGISTRATURA DO CEARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO JUDICIÁRIA Antônia Alessandra Sousa Campos A LEI MARIA DA PENHA E A SUA EFETIVIDADE

Leia mais

LEI MARIA DA PENHA & DIREITOS DA MULHER

LEI MARIA DA PENHA & DIREITOS DA MULHER CARTILHA LEI MARIA DA PENHA & DIREITOS DA MULHER ORGANIZAÇÃO: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL /PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO (PFDC) MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS

Leia mais

Assunto: Metodologia Depoimento sem Dano, ou Depoimento com Redução de Danos. Autora: Eunice Teresinha Fávero 1

Assunto: Metodologia Depoimento sem Dano, ou Depoimento com Redução de Danos. Autora: Eunice Teresinha Fávero 1 PARECER TÉCNICO Assunto: Metodologia Depoimento sem Dano, ou Depoimento com Redução de Danos. Autora: Eunice Teresinha Fávero 1 1. Introdução Este trabalho visa atender solicitação do Conselho Federal

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL: O ABANDONO AFETIVO E MATERIAL DOS FILHOS EM RELAÇÃO AOS PAIS IDOSOS

RESPONSABILIDADE CIVIL: O ABANDONO AFETIVO E MATERIAL DOS FILHOS EM RELAÇÃO AOS PAIS IDOSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO ESMP ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DE FAMILIA, REGISTROS PÚBLICOS E SUCESSÕES ADRIANE LEITÃO KARAM RESPONSABILIDADE CIVIL: O ABANDONO

Leia mais

3º SIMULADO OAB XVII 1ª FASE

3º SIMULADO OAB XVII 1ª FASE 1 Bem- vindo ao 3º Simulado do Portal Exame de Ordem para o XVII Exame! A prova objetiva da próxima 1ª fase será no dia 19 de Julho e nós ofereceremos para você, visando proporcionar ao candidato uma mensuração

Leia mais

Página 3 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS. 4ª edição revista e ampliada. Página 4 DIREITOS RESERVADOS:

Página 3 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS. 4ª edição revista e ampliada. Página 4 DIREITOS RESERVADOS: Página 3 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS 4ª edição revista e ampliada Página 4 DIREITOS RESERVADOS: FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS HIGS 707 Bloco R, CASA 54. 70.351-718 Brasília - DF Fone:

Leia mais

relações do trabalho i

relações do trabalho i LUIZ GUILHERME MORAES REGO MIGLIORA 2ª edição ROTEIRO De CURSO 2010.1 Sumário Relações do Trabalho I 1. Introdução...6 1.1. Visão Geral...6 1.2. Objetivos Gerais...6 1.3. Metodologia...6 1.4. Desafios

Leia mais

O ABANDONO AFETIVO DE IDOSOS POR SEUS FILHOS E A INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS

O ABANDONO AFETIVO DE IDOSOS POR SEUS FILHOS E A INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS 1 O ABANDONO AFETIVO DE IDOSOS POR SEUS FILHOS E A INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS Adriane Leitão Karam RESUMO Este trabalho traz uma análise do posicionamento jurisprudencial no Brasil com relação aos danos

Leia mais

AS MULHERES E OS DIREITOS CIVIS

AS MULHERES E OS DIREITOS CIVIS AS MULHERES E OS DIREITOS CIVIS Traduzindo a legislação com a perspectiva de gênero 3 AS MULHERES E OS DIREITOS CIVIS Copyright 1999 CEPIA Pesquisa e coordenação editorial Leila Linhares Barsted Jacqueline

Leia mais

Violência e gênero A construção da mulher como vítima e seus reflexos no Poder Judiciário: a lei Maria da Penha como um caso exemplar

Violência e gênero A construção da mulher como vítima e seus reflexos no Poder Judiciário: a lei Maria da Penha como um caso exemplar Violência e gênero A construção da mulher como vítima e seus reflexos no Poder Judiciário: a lei Maria da Penha como um caso exemplar Alessandra de Andrade Rinaldi * Introdução Nos campos sócio-antropológico

Leia mais

PROGRAMA DE REDUÇÃO DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO ENTRE ESTUDANTES

PROGRAMA DE REDUÇÃO DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO ENTRE ESTUDANTES PROGRAMA DE REDUÇÃO DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO ENTRE ESTUDANTES Todas as crianças e adolescentes têm direito a escolas onde existam alegria, amizade, solidariedade e respeito às características individuais

Leia mais

O SUS pode ser seu melhor plano de saúde. Terceira Edição

O SUS pode ser seu melhor plano de saúde. Terceira Edição O SUS pode ser seu melhor plano de saúde Terceira Edição O SUS pode ser seu melhor plano de saúde São Paulo - Brasil 2006 O SUS PODE SER SEU MELHOR PLANO DE SAÚDE Organizadores: Andrea Salazar, Karina

Leia mais

3º SIMULADO OAB XVII 1ª FASE

3º SIMULADO OAB XVII 1ª FASE 1 Bem-vindo ao 3º Simulado do Portal Exame de Ordem para o XVII Exame! A prova objetiva da próxima 1ª fase será no dia 19 de Julho e nós ofereceremos para você, visando proporcionar ao candidato uma mensuração

Leia mais

DIREITO A NÃO SER SUBMETIDO A CASTIGOS CRUÉIS, DESUMANOS E DEGRADANTES

DIREITO A NÃO SER SUBMETIDO A CASTIGOS CRUÉIS, DESUMANOS E DEGRADANTES DIREITO A NÃO SER SUBMETIDO A CASTIGOS CRUÉIS, DESUMANOS E DEGRADANTES Por uma cultura de direitos humanos DIREITO A NÃO SER SUBMETIDO A CASTIGOS CRUÉIS, DESUMANOS E DEGRADANTES Secretaria de Direitos

Leia mais

ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA DO BRASIL NA ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES NO SERVIÇO PÚBLICO

ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA DO BRASIL NA ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES NO SERVIÇO PÚBLICO ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA DO BRASIL NA ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES NO SERVIÇO PÚBLICO 1. Introdução O presente estudo objetiva identificar a estrutura legal e os mecanismos institucionais

Leia mais

PROVA DE DIREITO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES:

PROVA DE DIREITO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES: PROVA DE LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES: 02 Novembro / 2009 1 - Você está recebendo o seguinte material: a) este caderno, com as questões de múltipla escolha (objetivas) e discursivas das partes de formação

Leia mais

Jornalista é autor! Os Direitos Autorais dos Jornalistas Brasileiros. São Paulo dezembro de 2009

Jornalista é autor! Os Direitos Autorais dos Jornalistas Brasileiros. São Paulo dezembro de 2009 Jornalista é autor! Os Direitos Autorais dos Jornalistas Brasileiros São Paulo dezembro de 2009 Associação Brasileira de Direitos Autorais dos Jornalistas Jornalista é autor! Para muitos profissionais

Leia mais

aos aglomerados financeiros que não atuam nos limites geográficos dos países de origem. AVALIAÇÃO INTEGRADA I 26/11/2014

aos aglomerados financeiros que não atuam nos limites geográficos dos países de origem. AVALIAÇÃO INTEGRADA I 26/11/2014 AVALIAÇÃO INTEGRADA I 26/11/2014 aos aglomerados financeiros que não atuam nos limites geográficos dos países de origem. A respeito dessas asserções, assinale a opção correta. A - As asserções I e II são

Leia mais

GUIA DO DIREITO À SAÚDE

GUIA DO DIREITO À SAÚDE GUIA DO DIREITO À SAÚDE Sistema Público de Saúde (SUS), medicamentos e planos de saúde Abril/2006 ÍNDICE 1. Apresentação... 4 2. O sistema público de saúde... 5 2.1. Introdução... 5 2.2. Perguntas e respostas

Leia mais

saúde das mulheres em situação de violência doméstica

saúde das mulheres em situação de violência doméstica O que devem saber os profissionais de saúde para promover os direitos e a saúde das mulheres em situação de violência doméstica 1 SUMÁRIO PROPÓSITOS DESSA PUBLICAÇÃO... INTRODUÇÃO... OS DIREITOS HUMANOS

Leia mais

Cartilha do estágio probatório

Cartilha do estágio probatório Cartilha do estágio probatório BOECHAT e WAGNER ADVOGADOS ASSOCIADOS Assessoria Jurídica da ADUFF-SSind Editado originalmente por: Associação dos Docentes da UFF - SSind Gestão: Lutar na Voz Ativa, biênio

Leia mais

AS CONSEQÜÊNCIAS DO ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

AS CONSEQÜÊNCIAS DO ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO EM DIREITO AS CONSEQÜÊNCIAS DO ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO ROSEMARI PEDROTTI

Leia mais

PL 4.330, o Shopping Center Fabril: Dogville mostra a sua cara e as possibilidades de redenção

PL 4.330, o Shopping Center Fabril: Dogville mostra a sua cara e as possibilidades de redenção PL 4.330, o Shopping Center Fabril: Dogville mostra a sua cara e as possibilidades de redenção Jorge Luiz Souto Maior (*) Diante das manifestações de junho, sobretudo em razão da rapidez e da espontaneidade

Leia mais

ol. 71, nº 11, Novembro de 2007 Revista LTr. 71-11/1317 O DANO SOCIAL E SUA REPARAÇÃO Jorge Luiz Souto Maior (*) Importa compreender que os direitos

ol. 71, nº 11, Novembro de 2007 Revista LTr. 71-11/1317 O DANO SOCIAL E SUA REPARAÇÃO Jorge Luiz Souto Maior (*) Importa compreender que os direitos ol. 71, nº 11, Novembro de 2007 Revista LTr. 71-11/1317 O DANO SOCIAL E SUA REPARAÇÃO Jorge Luiz Souto Maior (*) Importa compreender que os direitos sociais são o fruto do compromisso firmado pela humanidade

Leia mais

O DEPOIMENTO SEM DANO EM ANÁLISE: A PERSPECTIVA DA PSICOLOGIA ADRIANA KARLA DE CASTRO NAPOLI 1 RESUMO

O DEPOIMENTO SEM DANO EM ANÁLISE: A PERSPECTIVA DA PSICOLOGIA ADRIANA KARLA DE CASTRO NAPOLI 1 RESUMO O DEPOIMENTO SEM DANO EM ANÁLISE: A PERSPECTIVA DA PSICOLOGIA ADRIANA KARLA DE CASTRO NAPOLI 1 RESUMO O presente artigo refere-se a uma análise do projeto denominado Depoimento sem Dano, atualmente em

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO ABAIXO AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO ABAIXO AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO ABAIXO AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES Qual o benefício por registrar no CREF? O benefício é para a sociedade. O CREF é um órgão do serviço público federal

Leia mais

Os elementos que integram o instituto da responsabilidade civil ecoam

Os elementos que integram o instituto da responsabilidade civil ecoam ELEMENTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL NOS ACIDENTES DO TRABALHO José Affonso Dallegrave Neto * Os elementos que integram o instituto da responsabilidade civil ecoam na órbita da reparação dos danos oriundos

Leia mais