"DECODIFICANDO O DISCURSO: A ENERGIA NUCLEAR- O BRASIL E O PROTOCOLO ADICIONAL AO TNP C "

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""DECODIFICANDO O DISCURSO: A ENERGIA NUCLEAR- O BRASIL E O PROTOCOLO ADICIONAL AO TNP C ""

Transcrição

1 "DECODIFICANDO O DISCURSO: A ENERGIA NUCLEAR- O BRASIL E O PROTOCOLO ADICIONAL AO TNP C " * Profa. Guilhermina Coimbra RESUMO: A Autora, desenvolvendo pesquisas na área do Direito Nuclear, analisa os fatos envolvendo a polêmica sobre usos da energia nuclear, alerta contra a assinatura pelo Brasil do Protocolo Adicional ao TNP, a posição da diplomacia brasileira sobre o Iran e a decisão da ONU contra aquele país - concluindo que por tratar-se de uma questão de concorrência comercial internacional desleal, em mercado relevante, na OMC, a questão deve ser resolvida. ABSTRACT: The author - developing researches about nuclear energy uses and all the polemic involving nuclear energy peaceful uses around the world - analyses the facts, the Brazilian diplomacy's position about Iran and the UNO decision against that country, concluding that everything is only a commercial disloyal competence question in a relevant market and then, as a commercial question it must be solved. RESUMÉE: L' author developpant researches sur l' energie nucleaire et tout le polémique sur ses utilizations pacifique en le monde - analysée les costumes, le diplomacie breziliéne sur le cas du Iran et le Conseil de Súreté de l' ONU décision contre cette pays, conclurant que tout les chooses sont seulement une cuestion de concurrence déloyal en un marché de relief et que comme une commercial cuestion doit avoir resolution. KEYWORDS: Direito-Law; Direito Comercial Internacional - International Trade Law; Energia Nuclear-Nuclear Law; Direito de Concorrência Comercial-Comercial Competition Law. INTRODUÇÃO Desenvolvendo pesquisas sobre a Energia e o Direito Nuclear, nos obrigamos a continuar decodificando o discurso, permitindo-nos fazer algumas observações sobre noticiário recente, a respeito da energia nuclear. I - A ENERGIA NUCLEAR - a energia nuclear é um bem de comércio, como outro qualquer; 1

2 - como bem de comércio, necessita de matéria-prima nuclear, para que possa ser transformada em energia; - para ser comerciável e lucrativa, a matéria-prima nuclear necessita do valor agregado: a tecnologia nuclear, o enriquecimento do urânio ("O" combustível do Século); - a extração da matéria-prima graciosamente e a venda da referida matéria-prima nuclear - urânio enriquecido - é o objetivo de todos os países nuclearmente desenvolvidos: não podem sequer imaginar concorrência na área do mercado internacional da energia nuclear; - a tecnologia nuclear, o enriquecimento do urânio é o que custa caro no mercado internacional da energia nuclear; - a energia nuclear é reconhecida pelo Tratado de Kioto-1989, a mais limpa, a menos poluente e a mais econômica energia do mundo; - no Brasil, ninguém mais tem duvidas, sobre os benefícios dos usos pacíficos da energia nuclear. II - O BRASIL A ENERGIA NUCLEAR E O TRATADO DE NÃO- PROLIFERAÇÃO - O TNP O Brasil é detentor de uma das maiores reservas de minerais nucleares (urânio, berilo, nióbio, tório e outros) já possuindo a tecnologia, genuinamente, brasileira, para enriquecer o urânio, desenvolvida pela Marinha do Brasil e as Universidades Federais brasileiras (tecnologia, diga-se, a bem da verdade, que, segundo os físicos, engenheiros, técnicos e especialistas, é considerada segredo de Polichinelo, porque, qualquer físico de inteligência média pode desenvolvê-la). Como o Presidente FHC, em 1998, assinou e ratificou o Tratado de Não-Proliferação Nuclear-TNP, toda a atenção é preciso, para que o Governo do Brasil não acabe aceitando defender, interesses contrários aos do país. O TNP havia sido colocado à disposição dos Estados para assinatura, desde 1967, sem que, esclarecidamente, nenhum Presidente do Brasil ousasse assiná-lo. O TNP é extremamente nocivo aos interesses do Brasil. O referido TNP é conhecido como o Tratado de Não Proliferação de Concorrentes no Mercado da Energia Nuclear: o TNP C. 2

3 III - O PROTOCOLO, OU, O ADICIONAL, OU, O ADITAMENTO AO TNP C Muita atenção é preciso para que o PROTOCOLO, ou o ADICIONAL, ou, o ADITAMENTO ao TNP (TNP C) que estão insistindo para que o Governo do Brasil assine, referende e ratifique - não venha a comprometer o Brasil a permitir que os agentes da Agência Internacional de Energia Atômica-ONU possam: -fiscalizar as usinas nucleares brasileiras; -verificar o estágio de desenvolvimento do enriquecimento do urânio com tecnologia própria brasileira; -e paralisar o Programa Nuclear do Brasil, a pretexto de que o Brasil estaria "produzindo armas nucleares". Nenhum PROTOCOLO, ou, ADICIONAL, ou, ADITAMENTO ao TNP C (ou, seja lá que nome tenha o instrumento internacional do qual se trata) que contenha disposições objetivando implícita ou explicitamente, impedir o Brasil de se auto-abastecer, tanto de matéria-prima com valor agregado, quanto de alta tecnologia, na área da energia nuclear, capacitando o país a concorrer no mercado internacional comercial da energia nuclear - jamais deverá ser assinado, referendado e ratificado, porque, isto seria considerado um crime de lesa pátria - a ser imputado ao que assinou aos que referendaram e ao que ratificou. Assinar (Presidente da República) referendar (Congresso Nacional, as duas Casas reunidas) e ratificar (Presidente da República) o instrumento jurídico internacional Adicional, ou, Protocolo, ou, Aditamento ao TNP C - é o mesmo que concordar que o Brasil continue ad eternum, um mero país extrator e que as usinas brasileiras construídas - com os impostos pagos pelos contribuintes de fato e de direito brasileiros (entre elas, Angra III, aprovada para construção, assim como as previstas para construção nas Regiões, Sul, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil) sejam entregues como uma benesse, oferecidas pelo Governo brasileiro, para funcionarem de acordo com os interesses e em benefício dos concorrentes comerciais do Brasil, na área. IV - O PODER DISSUASÓRIO É importante observar o fato de que o poder dissuasório tem sido e é necessário, para dissuadir eventuais antagonistas na área. No BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) o Brasil é o único que se conforma, em ainda não possuir este poder indisponível, na preservação e na conservação do direito inalienável de se desenvolver industrial, comercial e economicamente, com autonomia, 3

4 livre de pressões (autonomia assegurada pelas Cartas da ONU e da OEA). A Índia e a China foram obrigadas a se fecharem por mais de 60 anos, para conseguirem a tecnologia nuclear e conseguir ter o poder dissuasório. Fizeram a bomba, são respeitados e fabricam todo tipo de produtos de consumo, os quais são comercializados e distribuídos ao redor do mundo, justamente, pelos seus principais e maiores sócios comerciais: os Estados nuclearmente desenvolvidos, os ex-antagonistas. V- A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS-ONU A ONU foi criada para unir as Nações e não desuni-las. Observa-se que ultimamente, a ONU tem tido o objetivo de desunir as Nações, de acordo com os interesses dos Membros do seu Conselho. Os Membros do Conselho da ONU, por sua vez, têm tido o objetivo explícito de fornecer, às indústrias nucleares dos Estados de onde são originais, a certeza e a tranqüilidade necessárias de que podem trabalhar em paz, porque, jamais, terão concorrentes no mercado internacional da energia nuclear - o qual abrange entre outros valiosos bens, a matéria-prima nuclear e a tecnologia de beneficiamento dos minerais energéticos nucleares. Os Tratados e Protocolos Internacionais na área da energia nuclear têm forçado os concorrentes a comprometerem-se, em paralisar as respectivas pesquisas tecnológicas, se conformarem em ser eternos Estados extrator-fornecedores de matéria-prima nuclear e a se conformarem em ser eternos Estados compradores de tecnologia do urânio enriquecido, no mercado internacional. O raciocínio não é questão de opinião, nem de "achismo", nem mesmo, é tese nossa. A constatação está em "paper" escrito em francês, em um dos "Proceedings"-Anais de Congresso Internacional de Direito Internacional Nuclear, apresentado pessoalmente, por advogada, de grande empresa da área da energia nuclear - agradecida, pela paz de espírito com que a poderosa indústria nuclear, por ela representada, podia trabalhar sem receio de concorrentes - porque, todos os concorrentes em potencial haviam sido alijados do mercado da internacional de bens e serviços da energia nuclear - graças ao Tratado de Não-Proliferação-TNP. 4

5 VI - O COMÉRCIO INTERNACIONAL DA ENERGIA NUCLEAR - A CONCORRÊNCIA DESLEAL EM MERCADO RELEVANTE - A OMC - A POLÍTICA INTERNACIONAL BRASILEIRA - A ESPIONAGEM NUCLEAR A energia nuclear é um comércio como outro qualquer. As questões sobre impedir este ou aquele país de utilizar energia nuclear são, exclusivamente, questões de concorrência desleal em mercado relevante. São questões de Direito Comercial Internacional e como tais questões têm que ser examinadas em foro apropriado. Ou seja: tais questões devem e têm que ser examinadas e julgadas, a luz do Direito da Concorrência, na Organização Mundial do Comércio-OMC-WTO. O entendimento, também, não é ex nihilo. O entendimento se baseia na observação dos comportamentos sistemáticos e notórios da ONU (a Organização que foi criada, repetimos, para unir e não para desunir Nações) vez que, obviamente, a Organização, através de sua Agência para assuntos comerciais de energia nuclear, tem demonstrado ter o único e exclusivo objetivo de perseguir e impedir, a proliferação de concorrentes de seus Membros-Conselheiros, na área da indústria e do comércio da energia nuclear. Sem nenhuma conotação político-partidária - a política nuclear brasileira está cientificamente correta: a diplomacia brasileira conseguiu, até, o impossível, porque, conseguiu que o Iran aceitasse um acordo bastante favorável aos interesses contrários aos dele/iran. Conseguiu até, que o Iran consentisse em exportar urânio com um mínimo de valor agregado (pouco valor) e depois, exportasse toneladas de urânio in natura para ser beneficiado, fora do território iraniano e vendido com o valor agregado, inclusive, para o próprio Iran (alto preço). Agregar valor a qualquer tipo de matéria-prima significa enriquecê-la, de modo que possa valer mais no mercado internacional, o que significa economia extraordinária para o país extrator. Dentro da diplomacia, o que a diplomata brasileira na ONU tinha que fazer, foi feito. 5

6 Pela leitura do inteiro teor do Relatório da representante do Brasil na ONU, o entendimento é o de que, as explicações deveriam, apenas, ter deixado transparecer mais conhecimentos, sobre o que está por trás da intervenção da qual se trata. Há que se fazer entender oficialmente, o que é óbvio. A questão é puramente comercial, de concorrência desleal em mercado relevante. Também não há como aceitar a supervisão da Agência Internacional de Energia Atômica-AIEA-ONU dentro dos programas nucleares fora das jurisdições dos Estados super nuclearmente desenvolvidos: isso seria concordar com a espionagem industrial, prevista e penalizada, pelo Direito Internacional Comercial, em todos os Estados de Direito. A questão é comercial, diz respeito a segredos industriaiscomerciais, logo, é assunto para ser tratado pela OMC - tanto quanto de soberania. (Soberania, diga-se, cada vez mais objeto de tantas e tantas "teses", visando a sua extinção, nos Estados em desenvolvimento). VII - O BRASIL E AS PRESSÕES INTERNACINAIS No que concerne ao Brasil, não há como aceitar pressões para que essa riqueza deixe de entrar para a Caixa do Tesouro Nacional do Brasil. O Brasil tem matéria-prima nuclear e tecnologia, não há como submetê-lo aos caprichos do mercado internacional do combustível e da tecnologia nuclear - desleal, rasteiro e covarde: escondendo-se atrás de seus governantes poderosos, que fazem as propostas indecentes, na área da energia nuclear. Que se quebre o conluio do silêncio: divulgar é preciso. Que não disfarcem esses conhecimentos elementares, os quais saltam aos olhos de tão óbvios. Enquanto não se quebrar o conluio do silêncio a respeito desta simples questão de direito comercial, direito da concorrência, concorrência desleal em mercado relevante, espionagemindustrial etc. - os governantes dos Estados, que têm programas para desenvolver os usos pacíficos da energia nuclear, vão continuar sofrendo todo tipo de pressão vinda dos governantes de onde são originais os concorrentes. 6

7 Uma dessas pressões foi a exibição das fotos e dos destinos que tiveram os presidente nacionalistas da Iugoslávia, do Iraque e outros (Globo News, ) quase uma ameaça, bastante ridícula. Às empresas nacionais e estrangeiras, estabelecidas no Brasil, não interessam pressões, sanções sobre o Brasil. As empresas internacionais, inteligentemente, reconhecem: é no Brasil que auferem e remetem para as respectivas matrizes, os seus maiores lucros! O Brasil, país continental, se basta e todas as vezes que fecharam o Brasil para o mundo - o Brasil se voltou para dentro e se desenvolveu. Os contribuintes brasileiros de fato e de direito vem pagando, há longo tempo, por um programa nuclear que independa o país na área energética. Não admitem ver o Brasil colaborando em desenvolver e suprir de matéria-prima in natura, as usinas nucleares, fora da jurisdição brasileira. A ênfase se justifica, porque, a causa é justa. As pressões sobre o Brasil, na área, tem sido uma constante, desde A perseverança e a persistência do Brasil têm, portanto, mais de oitenta e seis anos, nos quais, admiravelmente, o Brasil mantevese firme nos seus propósitos, independentemente, e apesar, das dificuldades, das tentativas de sabotagens e das tentativas, mais do que comuns na América do Sul, de tentarem e, às vezes, até conseguirem colocar governantes no poder e tirar governantes do poder. Toda a atenção é preciso, na questão do desenvolvimento do Programa Nuclear Brasileiro e dos usos pacíficos da energia nuclear pelo Brasil. Toda a atenção é preciso para não ocorrer uma sabotagem nuclear no Brasil. Se houver a possibilidade zero dessa sabotagem ocorrer, ela ocorrerá, certamente, face à posição do Governo Brasileiro, a respeito dos usos pacíficos da energia nuclear pelo Brasil e do apoio do Brasil, ao Iran, com o mesmo objetivo. CONCLUSÕES 7

8 Que não se esqueçam: população bem informada é o maior escudo de todo governante bem intencionado. É o que podemos desejar e esperar, ao ver como se esforçam, em justificar o injustificável. O Brasil é bem informado, perseverante, pertinaz, amigo, e inclusivo. O Brasil merece respeito! REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- NUCLEAR INTER JURA PROCEEDINGS-ACTES DU CONGRÈSS DE DROIT DE DROIT INTERNACIONALE NUCLEAIRE, Bruxelas, Bélgica, promovido pela International Nuclear Law Association-INLA, Bruxelas, Bélgica, - in ATOMS FOR PEACE, COIMBRA, Guilhermina L., p ; 2- O GLOBO, in O MUNDO, "Ameaça Atômica", "Consenso contra o Iran", , p. 26, Rio de Janeiro, Brasil; 3- FLORES, Mário Cezar, Almirante, Secretário de Assuntos Estratégicos, 1997, in "A Recente Crise Nuclear", O GLOBO, Opinão, , Rio de Janeiro, Brasil, p. 7; 4- BENAYON, Adriano e BERGMAN Ricardo, in As Facilidades Tributárias para os Especuladores", ALERTA TOTAL- JORNALISMO INTELIGENTE, SERRÃO, Jorge, Editor-Chefe, , Rio de Janeiro, Brasil; 5- MIKAIL, Barah, Instituto Internacional de Relações Estratégicas-IRIS, Paris, França, in "Iran denuncia Acordo com a Dinamarca", Corpo a Corpo, O GLOBO,, , p. 23, Rio de Janeiro, Brasil; 6- DARRICAU, Aimé, Secretária-Geral da COGEMA - NUCLEAR INTER JURA PROCEEDINGS-ACTES DU CONGRÈSS DE DROIT DE DROIT INTERNACIONALE NUCLEAIRE, "O Direito Nuclear do Século XX ao Século XXI, Tours, França, promovido pela International Nuclear Law Association-INLA, Bruxelas, Bélgica, in "As Implicações Industriais da Política de Não- Proliferação", p ; 7- NORONHA GOYOS, Durval Jr., in "Tratado de Defesa Comercial: Anti-Dumping, Compensações, Salvaguardas", Observador Legal, Ed. Ltda., 2003, São Paulo, São Paulo. *Curriculum Lattes; Mestrado PUC-RJ; Doutorado UGF-RJ.; Doutorado /UGF.; Teses: "O Direito e o Desenvolvimento, O Direito Nuclear"/1984; ;"O Brasil e o Direito da Energia Nuclear no MERCOSUL"/1997; Pesquisadora Cadastrada na FAPERJ e no CNPq, desde 1994; Membro da International 8

9 Nuclear Law Assciation-INLA, Bruxelas, Bélgica, desde 1979: "Papers" apresentados em diversos Congressos Internacionais do Nuclear Inter Jura, promovidos pela INLA (Conztance Lake, Alemanha; Tókio, Japão; São Francisco Ca., EUA; Bath, Inglaterra;Tours, França, Rio de Janeiro, Brasil/1993; Bruxelas, Bélgica; Budapest, Hungria; Portoroz, Slovenia; e outros; Membro do Conselho Editorial do International Nuclear Journal (British Library Index); Membro das Comissões Permanentes de Direito Constitucional, Internacional e Ambiental/IAB-RJ.-RJ.; Membro do Conselho da Federação Interamericana de Advogados/FIA-IABA; Livros: "Urânio Enriquecido: O Combustível do Século/Ed.1986, Ed. Freitas Bastos; "O Direito da Integração Européia e do MECOSUL na Defesa da Concorrência Comercial e Fiscal", Prefácio Dilermando de Castello Cruz, Ed. Lúmen Júris, RJ., RJ.;" O Direito Internacional- Homenagem a Adherbal Meira Mattos", organizado por Paulo Borba Casella e André de Carvalho Ramos/USP: "A Convenção da Haya' 80 sobre o Seqüestro Internacional de Crianças e a sua Aplicação no Brasil"; "Direito Internacional - Perspectivas Contemporâneas", coordenado pelo Professor Fábio Luiz Gomes, Editora Saraiva, 2010: " A História e o Desenvolvimento da Energia Nuclear no Brasil"; "A Arbitrgem Comercial e as Arbitrabilidades- Processo e Procedimento", Prefácios, José Maria Rossani Garcez, Jaime César Lipovetzky, em fase de publicação; ; Profa. de Direito Constitucional, Teoria Geraldo Estado (UCAM, Centro, RJ., ); Instituições de Direito Público e Privado (UFRRJ, ); Assistente da Coordenação do Curso de Direito Internacional promovido pela Comissão Jurídica Interamericana da Organização dos Estados Americanos/CJI/OEA, Washington, D.C., EUA de 1983 a 1999; Professora-Conferencista do Curso de Direito Internacional promovido pela Comissão Jurídica Interamericana da Organização dos Estados Americanos/CJI/OEA, Washington, D.C., EUA, agosto de 2004 (duas Conferências, publicadas no Livro Azul do CJI/OEA, 2005). * O texto publicado não reflete necessariamente o posicionamento do IAB 9

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

DIREITO NUCLEAR E O TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR TNP MINICURSO

DIREITO NUCLEAR E O TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR TNP MINICURSO Direito Nuclear e o Tratado de Não Proliferação Nuclear - TNP (minicurso) Programa: Fonte do Direito Nuclear objeto primário, elementos e princípios mandatórios. Constituição Federal (Princípios Fundamentais).

Leia mais

BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA?

BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA? BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA? Ontem, Brasília foi realmente o foco das atenções mundiais. No Brasil, um pouco menos. Não foi o Brasil que inventou isso, mas a gente registrou o fenômeno

Leia mais

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares MATERIAL DE APOIO MONITORIA Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

Tema: Salvaguardas ao Irã

Tema: Salvaguardas ao Irã Tema: Salvaguardas ao Irã Comitê: Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) País: República Bolivariana da Venezuela Não queremos guerra, mas alertamos sobre as consequências nefastas que uma agressão

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington

Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington Usando da faculdade conferida pelo artigo 3.º, n.º 1, alínea 3), da Lei Constitucional n.º

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO MASTER JURIS RJ Prof. LUIZ OLIVEIRA CASTRO JUNGSTEDT Agosto/2015 Aula 4 73 ASILO INSTITUTO LIGADO À PROTEÇÃO DA PESSOA HUMANA MESMO COM O FORTALECIMENTO DO DIREITO INTERNACIONAL

Leia mais

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Manutenção da Paz Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Conclusão e assinatura: 01 de julho de 1968 Entrada em vigor: No Brasil: Aprovação:

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 DOCUMENTO DE BUENOS AIRES SOBRE O MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA

Leia mais

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências;

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências; CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO CONTRA AS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA (CONVENÇÃO DA GUATEMALA), de 28 de maio de 1999 Os Estados Partes nesta Convenção,

Leia mais

Edino Cezar Franzio de Souza

Edino Cezar Franzio de Souza Edino Cezar Franzio de Souza Advogado e Professor em Brasília (DF) Mestre em Processo Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo Especialização (stricto sensu) em Integração Econômica

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Série: 1ª Professor : Carlos Alexandre Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA Al nº 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Estudar a retomada do Programa Nuclear Brasileiro, com o enfoque nos aspectos econômico e científico-tecnológico,

Leia mais

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA Em nome de seus Povos, os Governos representados naconferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, animados pelo desejo

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

Povos Indígenas e Desenvolvimento Sustentável:

Povos Indígenas e Desenvolvimento Sustentável: Justiça para os Povos Indígenas O Centro de Recursos Jurídicos para os Povos Indígenas Indian Law Resource Center é uma organização legal e de advocacy sem fins lucrativos criada e dirigida por índígenas

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

ensaio êtendências Atuais dos Projetos de Armas Nucleares

ensaio êtendências Atuais dos Projetos de Armas Nucleares Tendências Atuais dos Projetos de Armas Nucleares Fernando de Souza Barros Instituto de Física Universidade Federal do Rio de Janeiro fsbarros@if.ufrj.br Resumo A motivação principal deste artigo é de

Leia mais

País: Alemanha. Comitê: Organização Mundial da Saúde (OMS) Tópico: Protegendo a saúde frente às mudanças climáticas

País: Alemanha. Comitê: Organização Mundial da Saúde (OMS) Tópico: Protegendo a saúde frente às mudanças climáticas País: Alemanha Comitê: Organização Mundial da Saúde (OMS) Tópico: Protegendo a saúde frente às mudanças climáticas As atuais catástrofes naturais vêm alertando os países que o modelo de desenvolvimento

Leia mais

Para ser presente á Assembleia Nacional.

Para ser presente á Assembleia Nacional. Decreto-Lei n.º 286/71 Tratado sobre os Princípios Que Regem as Actividades dos Estados na Exploração e Utilização do Espaço Exterior, Incluindo a Lua e Outros Corpos Celestes, assinado em Washington,

Leia mais

Edição 2015. Veja como participar. Prêmios. Cronograma. Inscrições

Edição 2015. Veja como participar. Prêmios. Cronograma. Inscrições EDIÇÃO 2015 Participe da 14ª edição do mais importante concurso de projetos de sustentabilidade da América Latina com auditoria independente de procedimentos Veja como participar Poderão concorrer ao prêmio

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA AULA DEMONSTRATIVA Olá pessoal. Com a publicação do edital para Auditor-Fiscal da Receita Federal, como é de costume, houve mudanças em algumas disciplinas, inclusão de novas, exclusão de outras. Uma das

Leia mais

Brasil, Vítima do Protecionismo

Brasil, Vítima do Protecionismo Brasil, Vítima do Protecionismo Marcelo Zero 1- A presidenta Dilma Rousseff vem advertindo, em todos os foros globais em que participa, sobre o tsunami monetário, perpetrado principalmente pelos EUA e

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

O Acordo Nuclear do Irã: consequências para o Brasil e Argentina?

O Acordo Nuclear do Irã: consequências para o Brasil e Argentina? O Acordo Nuclear do Irã: consequências para o Brasil e Argentina? Por Leonam Guimarães Dia 14 de julho de 2015, o grupo de potências mundiais E3/UE+3 (China,EUA e Rússia, juntamente com três membros da

Leia mais

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 A oitava reunião mensal do ano da Comissão Trabalhista e de Gestão Empresarial superou as expectativas. 50 representantes

Leia mais

Decreto 1/98, de 24 de Janeiro - I Série-A

Decreto 1/98, de 24 de Janeiro - I Série-A Decreto 1/98, de 24 de Janeiro - I Série-A Aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República da Eslovénia sobre a Promoção e a Protecção Mútua de Investimentos e respectivo Protocolo, assinados

Leia mais

PERSPECTIVAS DA COMPONENTE NUCLEAR DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA. A disponibilidade de energia deixou de ser um processo cuja análise leva em

PERSPECTIVAS DA COMPONENTE NUCLEAR DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA. A disponibilidade de energia deixou de ser um processo cuja análise leva em PERSPECTIVAS DA COMPONENTE NUCLEAR DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Rex Nazaré Alves 1, Maysa Joppert Coelho 2 e Silvio Ari Kerscher 2 1. INTRODUÇÃO A disponibilidade de energia deixou de ser um processo

Leia mais

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES),

Leia mais

PORTUGUÊS MÉDIO. TEXTO PARA AS QUESTÕES DE 01 a 03. QUESTÃO 01

PORTUGUÊS MÉDIO. TEXTO PARA AS QUESTÕES DE 01 a 03. QUESTÃO 01 PORTUGUÊS MÉDIO TEXTO PARA AS QUESTÕES DE 01 a 03. QUESTÃO 01 Assinale a alternativa em que a frase sobre a imagem abaixo obedece às normas de concordância e regência. a) Esse grupo de amigos resolveram

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

SISTEMA DE SANÇÕES DA ONU - a real eficácia e as consequências destas sanções em uma sociedade. Paula Caúla Infante Gomes RESUMO

SISTEMA DE SANÇÕES DA ONU - a real eficácia e as consequências destas sanções em uma sociedade. Paula Caúla Infante Gomes RESUMO 68 SISTEMA DE SANÇÕES DA ONU - a real eficácia e as consequências destas sanções em uma sociedade. Paula Caúla Infante Gomes RESUMO O artigo apresenta uma reflexão sobre o Sistema de Sanções da Organização

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

TRATADO BRASIL - ESTADOS UNIDOS PARA EVITAR A BITRIBUTAÇÃO CÂMARA DOS DEPUTADOS

TRATADO BRASIL - ESTADOS UNIDOS PARA EVITAR A BITRIBUTAÇÃO CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Finanças e Tributação Comissão de Relações Exteriores Grupo Parlamentar Brasil-EUA AmCham Brasil Câmara Americana de Comércio Roberto Pasqualin Conselheiro Legal AmCham

Leia mais

Decreto n.º 6/95 Acordo de Promoção e Protecção Mútua de Investimentos entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República da Venezuela

Decreto n.º 6/95 Acordo de Promoção e Protecção Mútua de Investimentos entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República da Venezuela Decreto n.º 6/95 Acordo de Promoção e Protecção Mútua de Investimentos entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República da Venezuela Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da

Leia mais

MEMORIAL FERREIRA DE CASTRO

MEMORIAL FERREIRA DE CASTRO MEMORIAL FERREIRA DE CASTRO Francinete Perdigão É de minha autoria a proposta de criação do Memorial Ferreira de Castro, localizado na região amazônica, no intuito de homenagear a figura do notável escritor

Leia mais

TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I

TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I TREINAMENTO EM PROTEÇÃO INTERNACIONAL DE REFUGIADOS DECLARAÇÃO DE CARTAGENA 1 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES I Recordando as conclusões e recomendações adotadas pelo Colóquio realizado no México sobre Asilo

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE PROTECÇÃO MÚTUA DE MATÉRIAS CLASSIFICADAS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE PROTECÇÃO MÚTUA DE MATÉRIAS CLASSIFICADAS. Decreto n.º 13/2005 Acordo entre a República Portuguesa e a República Federal da Alemanha sobre Protecção Mútua de Matérias Classificadas, assinado em Lisboa em 22 de Dezembro de 2004 Atendendo ao desenvolvimento

Leia mais

Perspectivas para o Desarmamento Nuclear

Perspectivas para o Desarmamento Nuclear Perspectivas para o Desarmamento Nuclear UN Photo/Paulo Filgueiras Sergio Duarte Embaixador, ex-alto Representante das Nações Unidas para Assuntos de Desarmamento. 2014 Perspectivas para o Desarmamento

Leia mais

A visita da presidente Dilma à China

A visita da presidente Dilma à China A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A presidente Dilma

Leia mais

Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos. A Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais

Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos. A Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais TRADUÇÃO (Fornecida pela DIGAN-MRECIC) Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos convidados, senhoras e senhores: É para mim uma grande honra dirigir-me, hoje, aos senhores.

Leia mais

MENSAGEM Nº 636, DE 2010

MENSAGEM Nº 636, DE 2010 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 636, DE 2010 Submete à consideração do Congresso Nacional, o texto da Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional

Leia mais

Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher "Convenção de Belém do Pará" (1994)

Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher Convenção de Belém do Pará (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher "Convenção de Belém do Pará" (1994) * Adotada pela Assembléia Geral da Organização dos Estados Americanos em 6 de junho

Leia mais

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria Professor Doutor GUILHERME SANDOVAL GÓES Chefe da Divisão de Assuntos Geopolíticos e de Relações

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO: DISCIPLINA: Geografia PROFESSOR(A): Rodrigo/Saulo DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ªEM TURMA: Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO Demografia (Transição

Leia mais

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Universidade de Coimbra Faculdade de Direito Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Eduardo Molan Gaban Sócio das áreas de Direito Antitruste e Comércio Internacional de Machado Associados

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe.

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe. 1 iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, decretada no ano de 1948 após uma decisão da assembléia geral da onu de 1947, presidida pelo brasileiro osvaldo

Leia mais

12. Convenção Relativa à Supressão da Exigência da Legalização dos Actos Públicos Estrangeiros

12. Convenção Relativa à Supressão da Exigência da Legalização dos Actos Públicos Estrangeiros 12. Convenção Relativa à Supressão da Exigência da Legalização dos Actos Públicos Estrangeiros Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando suprimir a exigência da legalização diplomática ou

Leia mais

Da legalidade estrita; e da utilização pacífica da energia nuclear.

Da legalidade estrita; e da utilização pacífica da energia nuclear. DIREITO NUCLEAR Constituição Federal(art. 21, XXVIII- resumo histórico) O Brasil na Ordem Internacional Nuclear Alguns instrumentos bilaterais e multilaterais. Abrangência do Direito Nuclear Pátrio ( protagonistas)

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

Fundamentos de Direito Internacional. Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD. Programa de Pós-Graduação em Direito Internacional

Fundamentos de Direito Internacional. Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD. Programa de Pós-Graduação em Direito Internacional São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD Fundamentos de Direito Internacional

Leia mais

EXERCÍCIOS ON-LINE 9º ANO 3º TRIMESTRE/2014

EXERCÍCIOS ON-LINE 9º ANO 3º TRIMESTRE/2014 EXERCÍCIOS ON-LINE 9º ANO 3º TRIMESTRE/2014 1. Sobre os BRICS, assinale o que for INCORRETO: a) É um grupo formado pelos países considerados emergentes, formando um dos maiores blocos econômicos do planeta,

Leia mais

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23 Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Capítulo 1 Fundamentos do Direito Internacional Público... 13 1. Introdução... 13 2. A sociedade internacional... 14 3. Conceito... 16 4. Objeto... 16 5. Fundamentos

Leia mais

DISCUTINDO O FUTURO DA SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA NO BRASIL

DISCUTINDO O FUTURO DA SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA NO BRASIL DISCUTINDO O FUTURO DA SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA NO BRASIL SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 Ciência e tecnologia para o desenvolvimento social Prof. Me. Willian J. Ferreira Prof. Dr. Getulio

Leia mais

Guia de Estudos. Assembleia Geral das Nações Unidas de Desarmamento e Segurança Internacional. Por : Diretor. Mateus de Almeida Pongelupe

Guia de Estudos. Assembleia Geral das Nações Unidas de Desarmamento e Segurança Internacional. Por : Diretor. Mateus de Almeida Pongelupe Assembleia Geral das Nações Unidas de Desarmamento e Segurança Internacional Guia de Estudos Por : Mateus de Almeida Pongelupe Diretor Guia de Estudos DSI Página 1 1. Apresentação do Tema O homem sempre

Leia mais

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 IPI NOMENCLATURA COMUM DO MERCOSUL NCM PARTE I - CONSULTA À RECEITA FEDERAL... Pág. 101 ICMS RJ ESTADOS SIGNATÁRIOS DO PROTOCOLO

Leia mais

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas O governo brasileiro, por meio da Receita Federal do Brasil (RFB), está implantando mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes.

Leia mais

Asilo político! Territorial! Diplomático! Militar!

Asilo político! Territorial! Diplomático! Militar! Asilo lato sensu (perseguição que impede continuar onde reside)! Asilo político! Refúgio! Territorial! Diplomático! Militar! Asilo em sentido amplo! Do sentido antigo e medieval: defesa de criminosos comuns,

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Aprovado pela resolução AG/RES. 447 (IX-O/79), adotada pela Assembléia Geral da OEA, em seu Nono Período Ordinário de Sessões, realizado em La Paz,

Leia mais

Discurso do Senhor Secretário Especial dos Direitos Humanos, Ministro Paulo Vannuchi

Discurso do Senhor Secretário Especial dos Direitos Humanos, Ministro Paulo Vannuchi Discurso do Senhor Secretário Especial dos Direitos Humanos, Ministro Paulo Vannuchi DIA INTERNACIONAL DO IDOSO Nações Unidas Nova Iorque, EUA, 2 de outubro de 2008 Senhora Florence Denmark, Chair, Committee

Leia mais

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China Estudar a Fundo o Sistema da Região Administrativa Especial e Promover a Grande Prática de Um País, Dois Sistemas : Discurso no Fórum de Alto Nível sobre Um País, Dois Sistemas de 6 de Dezembro de 2011

Leia mais

EVARISTO FERREIRA MENDES

EVARISTO FERREIRA MENDES EVARISTO FERREIRA MENDES FUNÇÃO Docente convidado Co-coordenador das pós-graduações em Direito Comercial e coordenador adjunto do Mestrado em Direito Empresarial CONTACTOS Tel. +351 217 214 170 Fax +351

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG Thesaurus Editora 2008 O organizador Amado Luiz Cervo Professor emérito da Universidade de Brasília e Pesquisador Sênior do CNPq. Atua na área de relações internacionais e política exterior do Brasil,

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados CONFLITOS INTERNACIONAIS E A ESCASSEZ DE RECURSOS NATURAIS por Rossana Gemeli Roncato Membro de Almeida Guilherme Advogados Durante vários séculos, a humanidade passou por diversos conflitos internacionais,

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

No percurso da doutrina clássica francesa, Georges Pequignot 4 assim averbou:

No percurso da doutrina clássica francesa, Georges Pequignot 4 assim averbou: EQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DO CONTRATO ADMINISTRATIVO Mauro Roberto Gomes de Mattos Advogado no Rio de Janeiro. Vice Presidente do Instituto Ibero Americano de Direito Público IADP, Membro da Sociedade

Leia mais

CURRICULUM VITAE MARIA LUISA PERDIGÃO ABRANTES. Rua Comandante Dangereux nº 60. Tel.: (244) 222391434/ (1-202) 288-8604. Fax: (+244) 222393381

CURRICULUM VITAE MARIA LUISA PERDIGÃO ABRANTES. Rua Comandante Dangereux nº 60. Tel.: (244) 222391434/ (1-202) 288-8604. Fax: (+244) 222393381 CURRICULUM VITAE Data de Nascimento: MARIA LUISA PERDIGÃO ABRANTES Rua Comandante Dangereux nº 60 Tel.: (244) 222391434/ (1-202) 288-8604 Fax: (+244) 222393381 23 de Julho de 1951 Luanda, República de

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Euro-Latin American Parliamentary Assembly Assemblée Parlementaire Euro-Latino Américaine Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana ASSEMBLEIA PARLAMENTAR

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado ASSUNTO em pauta A Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado Razões e diferenças das políticas públicas e privadas no contexto do Sistema de Comércio

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação 27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação Os Estados signatários da presente Convenção: Desejosos de estabelecer disposições comuns sobre a lei aplicável aos

Leia mais