Nacional de Pesquisas (PCI/CNPq) no Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nacional de Pesquisas (PCI/CNPq) no Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST)."

Transcrição

1 O almirante Octacílio Cunha e o programa nuclear brasileiro Tatiane Lopes dos Santos * Resumo: O trabalho tem o objetivo de analisar a palestra pronunciada pelo almirante Octacílio Cunha, presidente da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), sobre o programa nuclear brasileiro, na sessão inaugural do Seminário de Energia Atômica, realizado no Instituto de Pesquisas Radioativas (IPR) da Escola de Engenharia da Universidade de Minas Gerais, em Examina-se no documento os principais objetivos do programa, os projetos desenvolvidos e os herdados do Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq), além das atividades realizadas nos dois primeiros anos de funcionamento da instituição. Por conseguinte, investiga-se também a repercussão do evento na imprensa nacional, tais como a opinião de físicos brasileiros como José Leite Lopes, José Goldenberg e César Lattes sobre o assunto. Palavras-chaves: Comissão Nacional de Energia Nuclear; seminário; energia nuclear; Abstract: The work has the objective to analyze the sharp lecture for admiral Octacílio Cunha, president of the Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), on the Brazilian nuclear program, in the inaugural session of the Seminário de Energia Atomica, carried through in the Instituto de Pesquisas Radioativas (IPR) of the Escola de Engenharia de Minas Gerais, in One examines in the document the main objectives of the program, the developed projects and the inherited ones of the Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq), beyond the activities carried through in the two first years of functioning of the institution. Therefore, the repercussion of the event in the national press is also investigated, such as the opinion of Brazilian physicists as Jose Leite Lopes, Jose Goldenberg and Cesar Lattes on the subject. Keywords: Comissão Nacional de Energia Nuclear; seminary; nuclear energy; 1. Introdução A Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) foi criada em 10 de outubro de 1956, por um decreto do presidente Juscelino Kubitschek, como nova instituição responsável por elaborar o programa nuclear brasileiro. Por indicação do Ministro da Marinha Matoso Maia o almirante Octacílio Cunha (Rio de Janeiro, 1900/1974) foi nomeado presidente da Comissão. 1 * Mestre em história pela UERJ. Atualmente, é bolsista do Programa de Capacitação Institucional do Conselho Nacional de Pesquisas (PCI/CNPq) no Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST). 1 Formado em Engenharia naval e pós-graduado pela École d' Application d' Artillerie, Octacílo Cunha foi professor da Escola Naval, lecionou na Escola Técnica do Exército e exerceu cargos importantes no Ministério da Marinha, como diretor geral do armamento ( ), diretor da Fábrica de Artilharia (1949/1955), havendo sido também assessor de Álvaro Alberto no Conselho de Pesquisas entre 1951 e 1955.O almirante participou da criação de institutos de pesquisas e de conferências internacionais. Recebeu importantes condecorações como a Ordem do Mérito, a Ordem do Mérito Militar, a Medalha de Serviços Relevantes, a Medalha de Guerra, a Ordem do Mérito da República Italiana, a Medalha de Medicina Nuclear, a Medalha do Mérito Tamandaré e a Medalha Carneiro Felipe (post-mortem). Foi também vice-diretor ( ) e diretor ( ) do Centro de Pesquisas Físicas (CBPF)

2 2 Em 20 de novembro de 1956, o almirante e os membros do Conselho Deliberativo o diplomata e economista Octávio Augusto Dias Carneiro, os engenheiros químicos Francisco Humberto Maffei e Bernardo Geisel e o físico Joaquim da Costa Ribeiro, substituído em março de 1958 pelo geofísico Irnack do Amaral tomaram posse, no Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq). 2 Não por acaso, em seus primeiros anos a CNEN se estabeleceu nas dependências do Conselho contando com a sua colaboração para esboçar o programa nuclear brasileiro. O presente trabalho, portanto, analisa o programa nuclear Brasileiro segundo a palestra pronunciada pelo Almirante Octacílio Cunha na sessão inaugural do Seminário de Energia Atômica, em 28 de março de 1958, no Instituto de Pesquisas Radioativas (IPR) O seminário de Energia Atômica Com o intuito de promover o debate sobre a política nuclear brasileira o Instituto de Pesquisas Radioativas (IPR) da Escola de Engenharia da Universidade de Minas Gerais organizou entre os dias 29 de março e 5 de abril de 1958, o Seminário de Energia Atômica. Os seminários e congressos nacionais e internacionais, por sua vez, propiciavam a difusão de conhecimento, a abrangência temática, o debate técnico-científico, a interlocução entre cientistas, militares, políticos, entre outros. (ANDRADE, 2002). Na abertura o professor Mário Werneck de Alencar Lima, diretor da Escola de Engenharia saudou as autoridades presentes e os participantes do seminário, entre eles os professores: José na ditadura militar, demitindo importante físicos como José Leite Lopes, Jayme Tiomno e Elisa Frota Pessoa. Em sua memória, a CNEN concede a instituições o Prêmio Octacílio Cunha. 2 A exceção do primeiro e do último conselheiro, os demais integravam a Comissão de Energia Atômica do CNPq. O Conselho Nacional de Pesquisas criado pela Lei n.º 1.310, de 15 de janeiro de 1951, foi o primeiro órgão voltado para o desenvolvimento da energia nuclear no país. A posse dos membros e seus mandatos no Conselho Deliberativo da CNEN foram distribuídos da seguinte maneira: Bernardo Geisel (08/11/ /06/1962), Francisco João Humberto Maffei (08/11/ /01/1965), Joaquim da Costa Ribeiro (08/11/ /03/1958), Octavio Augusto Dias Carneiro (08/11/ /03/1961) e Irnack do Amaral (25/03/ /03/1961). 3 Em 22 de agosto de 1952 foi criado o Insituto de Pesquisas Radioaticas (IPR), devido a um convênio entre a Escola de Engenharia da Universidade de Minas Gerais e o Governo do Estado de Minas Gerais. Tal iniciativa contou com o empenho de Francisco de Magalhães Gomes, Cândido de Holanda Lima e de Mario Werneck, em seus primeiros anos a instituição contou com o apoio do Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq). Atualmente o instituto denominase Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear (CDTN).

3 3 Leite Lopes, Jaime Tionno, Guido Beck, Marcello Damy João Maffei, Cesar Lattes, José Goldenberg e Oscar Sala. A palestra inaugural do evento foi realizada pelo almirante Octacílio Cunha, no auditório do Instituto, em sua pauta o presidente da CNEN expôs o programa da Comissão. Em linhas gerais apresentava-se as principais medidas adotadas com a criação da instituição que tinha como objetivo: (...) promover o desenvolvimento das aplicações da energia nuclear em todas as fases e aspectos. (CUNHA, 1958, p. 2). O almirante ressaltou o prosseguimento das atividades traçadas pela Comissão de Energia Atômica do Conselho Nacional de Pesquisas em quatro linhas básicas: a formação de técnicos e cientistas, a obtenção de matérias-primas e a utilização da energia atômica para produção de energia elétrica. Tal proposta estava consoante as metas do governo. O Programa de Metas privilegiaria o segmento da energia nuclear indicando a expansão da metalurgia de minerais atômicos e o estabelecimento de uma usina atômica pioneira de kw. Além disso, quatro objetivos deveriam nortear essas ações: a fabricação nacional de combustível nuclear, seja de urânio natural ou enriquecido, de tório e seus óxidos; a formação do pessoal; o planejamento e a realização de um programa de instalação de usinas termelétricas nucleares.(brasil, 1958, p. 29). Relatou-se também o prosseguimento de projetos anteriormente desenvolvidos pelo CNPq. A saber, o Programa Conjunto de Cooperação para o Reconhecimento dos Recursos de Urânio no Brasil (PCCRRUB), a compra de três ultracentrífugas encomendadas na República Federal da Alemanha e a encomenda de uma planta de uma usina de beneficiamento de minerios à França. O Programa Conjunto de Cooperação para o Reconhecimento dos Recursos de Urânio no Brasil através da formação de um grupo de trabalho misto continuava realizando o levantamento aerofotogramétrico e aerocintilimétricos. Negociava-se na Alemanha a vinda das ultracentrífugas para sua instalação no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), onde um laboratório estava sendo construido para o treinamento de técnicos e cientistas. Em decorrência do contrato assinado com a Société des Produits Chimiques des Terres chegou-se a elaborar a planta de uma usina de beneficiamento, a ser instalada no município mineiro de Poços de Caldas. No entanto,

4 4 nenhum esforço concreto havia sido realizado para a instalação. Por conseguinte, a CNEN continua a comprar minerios da ORQUIMA S.A. e a estocá-los, atribuição outrora do CNPq. Outro aspecto enfatizado por Octacílio Cunha no decorrer sua palestra fora a questão da mão-de-obra especializada. Havia a necessidade de formar recursos humanos, mais precisamente cientistas e técnicos, para a composição de seu próprio quadro funcional. A preparação de especialistas demandava estabelecer uma estreita colaboração com Universidades, além de concessão de bolsas de estudos no exterior pelo CNPq e da contratação de professores estrangeiros para ministrar cursos de aperfeiçoamento e ciclos de conferência. A insuficiência de pessoal especializado obviamente iria dificultar o cumprimento da agenda desenvolvimentista de JK. Nesse sentido, o governo federal abriu um crédito especial, sem a autorização do Legislativo, destinado a financiar a capacitação de recursos humanos, principalmente para as atividades de prospecção, além de apoiar estudos de pós-graduação em centros de excelência e programas de intercâmbio a partir de convênios com a Comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos, a Autoridade de Energia Atômica da Grã-Bretanha, o Comissariado de Energia Atômica da França, a Comissão de Pesquisas Nucleares da Itália, a Agência Internacional de Energia Atômica e o Centro Europeu de Pesquisas Nucleares. 4 Por sua vez, os cursos de aperfeiçoamento de técnicos seriam realizados em órgãos nacionais como o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) e o Instituto de Energia Atômica (IEA), no reator de pesquisa IEA-R 1, inaugurado em 25 de janeiro de 1958, adquirido através do programa americano Átomos para a Paz. Em paralelo a formação de recursos humanos deveria se incentivar também a participação da indústria brasileira. Em sua explanação Octacílio Cunha apresentou também a necessidade de convênios internacionais para o cumprimento do programa da Comissão. Desse modo, objetivava-se a aquisição de reatores de pesquisa e de potência, este último para a implantação de centrais nucleares, além de urânio enriquecido, com os seguintes países Estados Unidos, Itália e Grã-Bretanha. 4 Em 1958, o decreto de criação da CNEN ainda não havia sido submetido ao Legislativo.

5 5 Ao encerrar sua apresentação, o almirante afirmou que (...) ambicioso talvez nas suas metas, modesto em suas proporções, este é em resumo do Programa da Comissão Nacional de Energia Nuclear. (CUNHA, 1958, p.21). No decorrer do Seminário de Energia Nuclear a palestra pronunciada por Octacílio Cunha foi muito criticada. Segundo o físico José Leite Lopes: (...) Havendo sido limitado a cinco o número de membros da CNEN, em geral não especialistas, parece-me que, em face do que ocorrera antes, das dificuldades dramáticas com que se defrontaram os esforços para obter ajuda internacional, a primeira coisa a fazer seria a convocação, uma verdadeira mobilização de todos os cientistas e técnicos capazes e disponíveis no país, a fim de que se reunissem com a Comissão Nacional de Energia Nuclear, estudassem um programa verdadeiramente nacional, modesto e eficiente bem como as medidas para a execução efetiva do programa. (LOPES, 1964, p. 47). O Jornal do Commercio em sua edição de 5 e 6 de abril de 1958, comentava a insatisfação dos professores José Leite Lopes, José Goldenberg e César Lattes: O professor Leite Lopes disse que existe uma tendência para afastar os físicos das proximidades da CNEN e o professor Goldenberg acusou a Comissão de ser a grande ausente nos problemas de energia atômica. O professor Lattes externou o seu desapontamento pelo fato de não ter sido dada aos cientistas a oportunidade de debater a questão e não terem participado da elaboração do programa. (Jornal do Commercio, 1958, p. 1). Em defesa do programa da Comissão, Octacílio Cunha afirma que: (...) se um programa tem de ser focadamente limitado por várias razões culturais e econômicas do momento e que o próprio programa terá em mira alterar para melhor a posição do problema nos períodos seguintes, é imprescindível que dele não conste nenhuma restrição ao desenvolvimento do país, para o qual não devemos e não podemos aceitar limitações. (...) é necessário que se considere, de um lado o objetivo direto e imediato de atender as necessidades brasileiras no âmbito das aplicações da energia nuclear, e, do outro é imprescindível que científica e tecnologicamente procure o Brasil acompanhar os progressos que se realizam nesse campo em outros países. Neste particular queremos nos referir a um acompanhamento efetivo e não somente através de publicações em livros e revistas. (Jornal do Commercio, 1958, p. 2).

6 6 No jornal Última Hora de 07 de abril de 1958, destacava a seguinte matéria de capa: Os grandes cérebros atômicos do Brasil reunidos em família acusam: caminha para trágico fracasso a política atômica do Brasil que reivindicava os seguintes pontos: Apelam para o Congresso Nacional no sentido de que a atual CNEN tenha o mais rápido possível estrutura e os recursos que lhe convém para a magnitude do problema; A CNEN não cumpre a sua finalidade; Nem o Governo nem o Congresso estão imbuídos dos erros que vem cometendo no campo atômico; Devemos aproveitar tanto a experiência americana, como a soviética; Nossos cientistas devem ser enviados para o exterior afim de completarem seus conhecimentos e importação de técnicos e cientistas estrangeiros; Convocação nacional de nossa elite científica para a grande batalha de salvação do futuro e da emancipação atômica do Brasil. (GUIMARÃES, 1958, p. 4). Muitas críticas tinham como o seu principal alvo a CNEN, nos seguintes aspectos: a composição de sua Comissão Deliberativa, a ausência de um corpo de assessores técnicocientíficos e também os chamados palpites de esquina, nome pejorativo que o físico José Leite Lopes denominou a uma das principais realizações da CNEN, a construção da usina encomendada a França. A crítica quanto à formação da Comissão Deliberativa da instituição foi feita principalmente pela ausência dos físicos. 5 Para José Goldemberg e José Leite Lopes a CNEN cada vez se afastava dos físicos, com uma atitude tímida, obscura e semi-entreguista. O jornal aponta ainda o conflito entre os cientistas da Ala Moça e da Ala Velha. A Ala Moça formada por José Goldenberg, José Leite Lopes, Jaime Tionno, Oscar Sala, Cesar Lattes, Luiz Marques e Guido Beck. Enquanto, a Ala Velha, por Luiz Cintra do Prado, Boris Cimbleris, Marcello Damy, Francisco Maffei e Magalhães Gomes, os dois últimos mais moderados. Para Ana Maria Ribeiro de Andrade as disputas internas quanto ao desenvolvimento da energia nuclear apresenta-se na divisão entre desenvolvimentistas - nacionalistas e desenvolvimentista não nacionalista que caracterizou os debates na década de 1950.(ANDRADE, 1999, p. 79). 5 Joaquim da Costa Ribeiro era o único físico que fazia parte do Conselho Deliberativo foi substituído pelo geofísico Irnack do Amaral, em março de 1958.

7 7 3. Considerações Finais As reflexões apontadas pelo presidente da CNEN demonstram o pouco avanço das atividades da Comissão. Pois, apesar de criada em 1956, os projetos resultam basicamente de uma parceria entre a instituição e o Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq), que ainda se encontravam em andamento. Em uma análise minuciosa observa-se que em nenhum novo projeto foi colocado em prática nos dois primeiros anos de ação da instituição. Polêmicas à parte, o Seminário de Belo Horizonte apresentou o frágil programa desenvolvido pela Comissão, a crítica dos físicos, a falta de recursos financeiros, de mão-de-obra especializada e de um estatuto legal da Comissão. 4. Referências Arquivo Arquivo do Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq) Acervo MAST Fundo Octacílio Cunha - Departamento de História da Diretoria do Patrimônio Histórico da Marinha Arquivo Ilha das Cobras. Obras Citadas e Consultadas ANDRADE, Ana Maria Ribeiro de. Físicos, mésons e política: a dinâmica da ciência na sociedade. São Paulo / Rio de Janeiro: Hucitec/Museu de Astronomia e Ciências Afins, A Terceira Reunião do Congresso Scientifico Latino-Americano. Brasília: CGEE; Rio de Janeiro: MAST, A opção nuclear: 50 anos rumo a autonomia. Rio de Janeiro: MAST, BRASIL. Programa de Metas do presidente Juscelino Kubitschek. Rio de Janeiro: Presidência da República, CAULLIRAUX, Heitor. Biografia de Octacílio Cunha. Rio de Janeiro: CNEN, s.n. Centenário de nascimento de Octacílio Cunha, In: Revista da Marinha Brasileira. Rio de Janeiro: Departamento de História da Diretoria do Patrimônio Histórico da Marinha, v. 120, n.º 1/3 de janeiro março de 2000, p CUNHA, Octacílio. Palestra pronunciada pelo presidente da Comissão Nacional de Energia Nuclear, Contra

8 8 Almirante Octacílio Cunha na sessão inaugural do seminário de energia nuclear em Belo Horizonte, no dia 28 de março de Belo Horizonte: s.d., GUILHERME, Olympio. O Brasil e a era atômica. Rio de Janeiro: Vitória, GUIMARÃES, Marcelo. Os grandes cérebros atômicos do Brasil reunidos em família no Simpósio de Belo Horizonte acusam: caminha para o trágico fracasso a política atômica do Brasil. In: Última Hora, Rio de janeiro, 07 de abril de Jornal do Commercio. A energia atômica debatida em Minas. Rio de Janeiro, 5 e 6 de abril de LOPES, José Leite. Ciência e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, Sites Consultados

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL Capítulo I Da Instituição Art. 1º - A Escola Nacional da Magistratura (ENM), órgão da Associação dos Magistrados

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO OUI- IOHE MISSÃO OUI DE UNIVERSIDADES CANADENSES NO BRASIL 28 de novembro a 2 de dezembro de 2011 Programa preliminar A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO À luz dos excelentes

Leia mais

Lindolpho de Carvalho Dias

Lindolpho de Carvalho Dias Lindolpho de Carvalho Dias Possui especialização em Matemática pela Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (1962). Atualmente é do Ministério da Ciência e Tecnologia. CNPq/C.Lattes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS 1 INTRODUÇÃO Wellington Antonio Soares soaresw@cdtn.br Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN Centro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EDITAL PPGEdu/FAED/UFGD Nº 03 DE 30 DE ABRIL DE 2015. A COORDENADORA DO da da, no uso de suas atribuições, torna público o presente edital, para a abertura de inscrições visando a seleção de candidato

Leia mais

Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998

Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998 Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998 Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição,

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo)

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Regimento Interno UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Artigo 1º - O NEED, Núcleo de atividades, estudos e pesquisa

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

ANEXO II. FORMULÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE PROJETO 2ª Chamada PIBITI/CNPq PIBInova/PDI/UFF 2013 2014

ANEXO II. FORMULÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE PROJETO 2ª Chamada PIBITI/CNPq PIBInova/PDI/UFF 2013 2014 ANEXO II FORMULÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE PROJETO 2ª Chamada PIBITI/CNPq PIBInova/PDI/UFF 2013 2014 Avaliador: Identificação do projeto (Título) - link do Projeto Projeto Total Máximo: 50 pontos Atende ao

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira APRESENTAÇÃO O potencial hidrelétrico brasileiro, que atualmente é a prioridade do governo federal, começa a se esgotar dentro de aproximadamente 20 anos. Diante dessa perspectiva, a energia nuclear passou

Leia mais

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016 Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016 O Comitê Institucional dos Programas de Iniciação Científica (CIPIC) da Universidade Federal

Leia mais

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB INTRODUÇÃO A atividade de pesquisa científica é parte da tríade das funções das Instituições

Leia mais

I Seminário de Avaliação da Pós-Graduação da UnB RELATÓRIO GT 4

I Seminário de Avaliação da Pós-Graduação da UnB RELATÓRIO GT 4 I Seminário de Avaliação da Pós-Graduação da UnB RELATÓRIO GT 4 Programas de pós-graduação Ciências da Saúde Ciências Médicas Educação Física Enfermagem Medicina Tropical Nutrição Humana Eixo analítico

Leia mais

LOGOMARCA DO PROADES E DA UFJF

LOGOMARCA DO PROADES E DA UFJF LOGOMARCA DO PROADES E DA UFJF Pró-Reitoria de Recursos Humanos Coordenação de Avaliação e Movimentação de Pessoas Relatório do Desempenho das Unidades de Avaliação da Universidade Federal de Juiz de Fora

Leia mais

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014.

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. Regulamenta o procedimento de concessão de créditos para as atividades complementares dos alunos dos Cursos de Graduação em Engenharia Industrial Madeireira ingressantes

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Regulamento dos Colégios de Especialidades e Especializações da OET

Regulamento dos Colégios de Especialidades e Especializações da OET Conselho da Profissão Regulamento dos Colégios de Especialidades e Especializações da OET Preâmbulo A Lei 157/2015, de 17 de setembro, altera a republica o estatuto da Ordem dos Engenheiros Técnicos (adiante

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTERIO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL Missão 1. Ministério da Comunicação Social é o órgão do Governo encarregue de organizar e controlar a execução da

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades

Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades Esta etapa do projeto contitue uma análise de algumas universidades do Brasil, em especial do Rio de Janeiro. Foi pesquisada a estrutura dessas universidades

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Nome do Responsável: Cargo do Responsável: Contatos do Responsável: Estado ou Município ou Distrito Federal: Referente ao período: Nome do órgão:

Nome do Responsável: Cargo do Responsável: Contatos do Responsável: Estado ou Município ou Distrito Federal: Referente ao período: Nome do órgão: RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS Nome do Responsável: Cargo do Responsável: Contatos do Responsável: Estado ou Município ou Distrito Federal: Referente ao período: Nome do órgão:

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

Metas e Linhas de Ação do CRESESB

Metas e Linhas de Ação do CRESESB Metas e Linhas de Ação do CRESESB Missão do CRESESB Promover o desenvolvimento das energias solar e eólica através da difusão de conhecimentos, da ampliação do diálogo entre as entidades envolvidas e do

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO

REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq CAPÍTULO I DA SEDE E FORO Artigo 1º - O CENTRO DE ENSINO E PESQUISA CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO com sede e foro na cidade de São Paulo, à Avenida João Dias, 2046

Leia mais

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015 PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015 O Departamento de Apoio Acadêmico (DAA), da Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD), da Universidade

Leia mais

Edital nº 03/2015 (Prorrogação de prazos) Bolsas de Mestrado e Doutorado CNPq, CAPES e IPEN

Edital nº 03/2015 (Prorrogação de prazos) Bolsas de Mestrado e Doutorado CNPq, CAPES e IPEN Edital nº 03/2015 (Prorrogação de prazos) Bolsas de Mestrado e Doutorado CNPq, CAPES e IPEN A Comissão de Pós-Graduação do informa a toda a comunidade do IPEN que se encontram abertas inscrições para o

Leia mais

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013)

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Presidente: SENADOR CRISTOVAM BUARQUE Vice-Presidente: SENADOR HÉLIO JOSÉ Relator: SENADOR OMAR AZIZ Proposta de Plano de Trabalho Avaliação de

Leia mais

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Pós-Graduação da UFV em debate 2012 26-27 de Novembro de 2012 Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Profa. Simone EF Guimarães Pós Graduação em Genética e Melhoramento UFV

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA CURSO DE ENFERMAGEM MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES Belo Horizonte 2011 1 Presidente do Grupo Splice Antônio Roberto Beldi Reitor Luis Carlos de Souza Vieira Pró-Reitor

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES E PROJETOS EXECUTADOS EM 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES E PROJETOS EXECUTADOS EM 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES E PROJETOS EXECUTADOS EM 2004 A Fundação Aprender, no ano de 2004, procurou cumprir as etapas previstas no Planejamento 2003, levando a efeito iniciativas no sentido de ampliar

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM Belo Horizonte 2013 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 FINALIDADE... 3 3 DEVERES DO COORDENADOR EM RELAÇÃO AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 4 DEVERES

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

CNPq. Editais 2002. Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002. Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM

CNPq. Editais 2002. Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002. Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM CNPq Editais 2002 Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002 Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM Prazo para submissão de propostas encerrado em 15/10/2002 1- Introdução O Conselho Nacional de

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015.

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. Institui os Programas de Apoio ao Desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação à Pesquisa e à Formação de Recursos Humanos em Ciência

Leia mais

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 Isabela LOURENÇO 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Francisco José Paoliello PIMENTA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1286

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1286 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1286 Disciplina o afastamento de docentes da UFG para a realização de cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu e Estágios de Pós-Doutorado,

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Faculdade de Engenharia Universidade do Estado de Minas Gerais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Faculdade de Engenharia Universidade do Estado de Minas Gerais GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Faculdade de Engenharia Universidade do Estado de Minas Gerais Apresentação Querido (a) aluno (a) Seja bem vindo (a) à Faculdade de Engenharia da Universidade do Estado

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DA FACULDADE DE ENGENHARIA. Capítulo I Disposições Preliminares

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DA FACULDADE DE ENGENHARIA. Capítulo I Disposições Preliminares REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DA FACULDADE DE ENGENHARIA Disciplina as atividades complementares de integralização curricular, para os alunos da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

Planos de Curso de Engenharia Têxtil e de Engenharia de Produção Têxtil, a serem ministrados pela Faculdade de Engenharia Industrial(FEI).

Planos de Curso de Engenharia Têxtil e de Engenharia de Produção Têxtil, a serem ministrados pela Faculdade de Engenharia Industrial(FEI). FACULDADES DE CIÊNCIAS APLICADAS SP 1 Planos de Curso de Engenharia Têxtil e de Engenharia de Produção Têxtil, a serem ministrados pela Faculdade de Engenharia Industrial(FEI). HEITOR GURGULINO DE SOUZA

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010 Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do Programa de Cooperação Internacional - PROCIN do Instituto de Pesquisa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE ESTUDO AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO

O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Goiânia, GO, 16 de Outubro de 2014 Armando Z. Milioni SETEC, MCTI ROTEIRO 1 A ESTRUTURA GERAL DO MCTI 2 A SETEC: FOMENTO

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Manual de Atividades Complementares

Manual de Atividades Complementares CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manual de Atividades Complementares Belo Horizonte 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementar

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementares do Curso Superior

Leia mais

2014-LAS-ANS Symposium on

2014-LAS-ANS Symposium on Panorama do Setor Nuclear Brasileiro para Geração Elétrica 2014-LAS-ANS Symposium on Small Modular Reactors for Nuclear Power Rio de Janeiro, 21-24 July 2014 Luiz Soares Diretor Técnico 2014-LAS-ANS Symposium

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Histórico. Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil

Histórico. Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil Histórico 40 ANOS DE Pós-graduação NO IME Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil Wilma de Araújo Gonzalez a, Itamar Borges Júnior a,b, José Luiz Lima Vaz

Leia mais

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica- PIC A iniciação científica viabiliza, aos universitários

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. Aprova o Regulamento do Programa Casulo Sócio-Tecnológico de Apoio e Desenvolvimento em Gestão Social, Inovação e sustentabilidade. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

setores administrativos Barreiro

setores administrativos Barreiro setores administrativos Barreiro PUC Minas no atualização março de 2010 Pró-reitoria Adjunta Local: Prédio 4, sala 102 Telefone: 3328 9508 E-mail: proreitoriasec.bar@pucminas.br Diretoria Acadêmica Local:

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/12/2003 (*) Portaria/MEC nº 4.035, publicada no Diário Oficial da União de 24/12/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior/CNPq (SWG)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior/CNPq (SWG) Edital N o 01 SWG/UNICENTRO/CNPq A Universidade Estadual do Centro-Oeste, por meio da Coordenação Institucional do Programa Ciência sem Fronteiras, com base no Termo de Concessão 800773/2011-0 do Programa

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962

O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 21 de abril de1960 Linha do tempo Juscelino Kubitscheck apresenta ao Congresso Nacional o Projeto de Lei

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL REGULAMENTO GERAL PARA AFASTAMENTO DE SERVIDOR DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO PARA

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Edson Silva) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. Edson Silva) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Edson Silva) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, sugerindo ao Ministério da Educação que a disciplina língua inglesa seja incluída nos currículos dos cursos de graduação

Leia mais

O Arquivo de Ciência e Tecnologia

O Arquivo de Ciência e Tecnologia Encontro Arquivos Científicos 3 e 4 de julho de 2014 FCSH, Lisboa O Arquivo de Ciência e Tecnologia Paula Meireles Madalena Ribeiro O Arquivo de Ciência e Tecnologia 1. Projeto de tratamento e divulgação

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica

CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica Missão Institucional: O CBPF tem como missão institucional realizar pesquisas científicas em Física e suas aplicações,

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA Avaliação dos Recursos Minerais do Brasil Página: 1 de 5 CPRM 22.663.1115.2399.0001 Avaliação dos Recursos Minerais do Brasil Relatório elaborado(unidade) 100 9 Reserva de Contingência 00 Res. de Contingencia

Leia mais

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT CIC) DIRETRIZES

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT CIC) DIRETRIZES PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT CIC) DIRETRIZES SOBRE O PROGRAMA Em 2012 a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1 o. - As Atividades Curriculares são parte integrante

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Registered Charity with the HMRC No. XT26396 A member of the National Resource Centre for Supplementary Schools (NRC787) Carta

Registered Charity with the HMRC No. XT26396 A member of the National Resource Centre for Supplementary Schools (NRC787) Carta Associação Brasileira de Iniciativas Educacionais no Reino Unido Registered Charity with the HMRC No. XT26396 A member of the National Resource Centre for Supplementary Schools (NRC787) Carta Redigida

Leia mais

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E:

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E: RESOLUÇÃO N o 03/90, CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova as Normas para elaboração de Projetos de Cursos de Especialização (Pós-Graduação lato sensu ). O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia A Coppe Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia nasceu disposta a ser um sopro de renovação na

Leia mais

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação O que é capacitação? A Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal assim define capacitação: Processo permanente e deliberado

Leia mais

AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR

AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Afastamento do servidor de suas atividades

Leia mais