QUEM PODE HABILITAR-SE NO SICONV?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUEM PODE HABILITAR-SE NO SICONV?"

Transcrição

1 O QUE É SICONV? Criado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, o SICONV Sistema de Convênio, tem como uma das finalidades, facilitar as apresentações de projetos aos programas ofertados pelo Governo Federal.

2 QUEM PODE HABILITAR-SE NO SICONV? Entidades da administração pública estadual, distrital ou municipal, direta ou indireta Entidades privadas sem fins lucrativos

3 CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE É realizada por intermédio do Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse - SICONV, aberto ao público, via rede mundial de computadores - Internet, por meio de página específica denominada Portal dos Convênios (www.planejamento.gov.br ícone Portal dos Convênios (www.convenios.gov.br); CENTRAL DE ATENDIMENTO DO PORTAL DOSCONVÊNIOS

4 CONVÊNIO ACORDO, ajuste ou qualquer outro instrumento que disciplina a transferência de recursos financeiros de dotações consignadas nos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União; partícipe, de um lado, órgão ou entidade da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL, direta ou indireta, e, de outro lado, ÓRGÃO OU ENTIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL, DISTRITAL OU MUNICIPAL, direta ou indireta, ou ainda, ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS; VISANDO A EXECUÇÃO DE PROGRAMA DE GOVERNO, ENVOLVENDO A REALIZAÇÃO DE PROJETO, ATIVIDADE, SERVIÇO, AQUISIÇÃO DE BENS OU EVENTO DE INTERESSE RECÍPROCO, EM REGIME DE MÚTUA COOPERAÇÃO.

5 CONTRATO DE REPASSE Instrumento administrativo por meio do qual a transferência dos recursos financeiros se processa por intermédio de instituição ou agente financeiro público federal, atuando como mandatário da União.

6 É vedada - I - a celebração de convênios e contratos de repasse com órgãos e entidades da administração pública direta e indireta dos Estados, Distrito Federal e Municípios cujo valor seja inferior a R$ ,00 (cem mil reais). É permitido: I - consorciamento entre os órgãos e entidades da administração pública direta e indireta dos Estados, Distrito Federal e Municípios; e II - celebração de convênios ou contratos de repasse com objeto que englobe vários programas e ações federais a serem executados de forma descentralizada, devendo o objeto conter a descrição pormenorizada e objetiva de todas as atividades a serem realizadas com os recursos federais.

7 ETAPAS PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE CREDENCIAMENTO (pela Internet) CADASTRAMENTO (o representante do proponente deverá comparecer a uma Unidade Cadastradora, munido de todos os documentos, para efetivação/aprovação do seu cadastro) INCLUSÃO E ENVIO DE PROPOSTA/PLANO DE TRABALHO EXECUÇÃO DO OBJETO DO CONVÊNIO REGISTRO DE LICITAÇÃO REGISTRO DE CONTRATOS REGISTRO DE DOCUMENTOS CONTÁBEIS PAGAMENTO AOS FORNECEDORES

8 RELAÇÃO DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Portaria Interministerial n 127, de 29 de maio de 2008 (Vide no site

9 CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE I - Demonstração de instituição, previsão e efetiva arrecadação dos impostos de competência constitucional do ente federativo comprovado por meio do Relatório Resumido da Execução Orçamentária; II - Certificado de Regularidade Previdenciária; III - comprovação do recolhimento de tributos, contribuições, inclusive as devidas à Seguridade Social, multas e demais encargos fiscais devidos à Fazenda Pública federal; IV - inexistência de pendências pecuniárias registradas no CADIN;

10 V - comprovação de regularidade quanto ao depósito das parcelas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS; VI - prestações de contas de recursos anteriormente recebidos da União; VII - pagamento de empréstimos e financiamentos à União; VIII - aplicação dos limites mínimos de recursos nas áreas de saúde e educação, comprovado por meio do RREO do último bimestre do exercício encerrado ou no Balanço Geral;

11 IX - observância dos limites das dívidas consolidada e mobiliária, de operações de crédito, inclusive por antecipação de receita, de inscrição em restos a Pagar e de despesa total com pessoal, mediante o Relatório de Gestão Fiscal; X - publicação do Relatório de Gestão Fiscal de que tratam os arts. 54 e 55 da Lei Complementar nº 101, de 2000; XI - encaminhamento das contas anuais; XII - publicação do Relatório Resumido da Execução Orçamentária; e XIII - apresentação de suas contas à Secretaria do Tesouro Nacional.

12 1º Passo Credenciamento Acessar o site: Incluir Proponente

13 1º Passo Credenciamento

14 1º Passo Credenciamento Inserir todos os dados do Proponente

15 1º Passo Credenciamento Inserir os dados do Presidente e criar uma senha

16 1º Passo Credenciamento Após o credenciamento no Portal de Convênios o proponente receberá, por , o login e a senha para acesso ao sistema.

17 2º Passo CADASTRAMENTO O Cadastramento é a parte em que o Proponente anexará as Certidões Negativas, Estatuto e Declarações. Logo em seguida o proponente reunirá os documentos para protocolar em alguma Unidade Cadastradora. Acessar o site : e clicar em cadastramento.

18 2º Passo CADASTRAMENTO I - cópia autenticada do estatuto ou contrato social registrado no cartório competente e suas alterações; II - relação nominal atualizada dos dirigentes da entidade, com Cadastro de Pessoas Físicas - CPF; III - declaração do dirigente máximo da entidade acerca da inexistência de dívida com o Poder Público e de inscrição nos bancos de dados públicos ou privados de proteção ao crédito, assinatura com firma reconhecida em cartório; IV - declaração da autoridade máxima da entidade informando que nenhuma das pessoas relacionadas no inciso II é agente político de Poder ou do Ministério Público, tanto quanto dirigente de órgão ou entidade da administração pública, de qualquer esfera governamental, ou respectivo cônjuge ou companheiro, bem como parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o segundo grau. V - prova de inscrição da entidade no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas - CNPJ pelo prazo mínimo de três anos; VI - prova de regularidade com as Fazendas Federal, Estadual e Municipal e com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS, na forma da lei; e VII - comprovação da qualificação técnica e da capacidade operacional, com firma reconhecida em cartório, mediante declaração de funcionamento regular nos 3 (três) anos anteriores ao credenciamento, emitida por 3 (três) autoridades do local de sua sede. Nas ações voltadas à educação, à assistência social e à saúde, as exigências previstas nos incisos V e VII do caput poderão ser atendidas somente em relação ao exercício anterior.

19 3º Passo INCLUSÃO DE PROPOSTA Inclusão de Proposta: é o instrumento que integra as solicitações do convênio. Todas as informações deverão ser preenchidas de forma clara e completa. A celebração do convênio depende da aprovação prévia do plano de trabalho, apresentado pelo proponente.

20 Inclusão de Proposta Incluir o código do Programa

21 MINISTÉRIOS Cod Nome MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTERIO DO PLANEJAMENTO,ORCAMENTO E GESTAO MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DO ESPORTE MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DA SAÚDE MINIST. DA AGRICUL.,PECUARIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINISTERIO DA CIENCIA E TECNOLOGIA MINISTERIO DA EDUCACAO

22 PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DO TURISMO Código do Programa Nome do Programa Inserção Social pela Produção de Material Esportivo - Pintando a Liberdade/Cidadania-PRONASCI Implantação e Modernização de Centros Científicos e Tecnológicos para o Esporte Capacitação de Gestores de esporte e de lazer/gestão das Políticas de Esporte e Lazer Segundo Tempo - Promoção de Eventos de Esporte Educacional - Convênios CPR Secretaria Nacional De Esporte De Alto Rendimento - SNEAR Promoção De Eventos Esportivos Nacionais De Alto Rendimento Secretaria Nacional De Esporte De Alto Rendimento - SNEAR - Capacitação De Recursos Humanos Para O Esporte De Alto Rendimento Pintando a Cidadania - Inserção Social pela Produção de Material Esportivo - PRONASCI Capacitação de Gestores de esporte e de lazer/gestão das Políticas de Esporte e Lazer Conferência Nacional do Esporte/ Gestão das Políticas de Esporte e Lazer Avaliação das Políticas Públicas e de Programas de Esporte e Lazer/ Gestão das Políticas Públicas de Esporte e de Lazer

23 3º Passo INCLUSÃO DE PROPOSTA Objeto do programa que será executado. Justificativa, objeto e período de vigência do convênio.

24 3º Passo INCLUSÃO DE PROPOSTA

25 3º Passo INCLUSÃO DE PROPOSTA Cronograma Físico

26 3º Passo INCLUSÃO DE PROPOSTA Cronograma de Desembolso

27 3º Passo INCLUSÃO DE PROPOSTA Bens e Serviços

28 3º Passo INCLUSÃO DE PROPOSTA Plano de Aplicação Envio de Proposta

29 DICAS Antes de fazer o credenciamento, cadastramento e a inclusão da proposta é importante que a entidade faça o treinamento que está disponível no site Antes de encaminhar a proposta para análise, é importante ler novamente o cadastro. Qualquer dúvida entrar em contato, por meio do telefone (61) ou (51)

Transferências de. Registro de Preços. Perguntas e respostas. Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno

Transferências de. Registro de Preços. Perguntas e respostas. Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno Transferências de Recursos Sistema da União de Registro de Preços Perguntas e respostas Perguntas e respostas Edição revisada -

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Os MINISTROS DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, DA FAZENDA e CHEFE DA CONTROLADORIA- GERAL DA UNIÃO, no uso da atribuição que lhes

Leia mais

Regras de final de mandato: orientações aos municípios

Regras de final de mandato: orientações aos municípios Regras de final de mandato: orientações aos municípios Edson Ronaldo Nascimento 1 Sumário: 1. Introdução 2. Gastos com pessoal 3. Dívida pública 4. Restos a pagar 5. Transferências voluntárias 6. Responsabilização

Leia mais

VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS

VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS S 2013 1 APRESENTAÇÃO As normativas

Leia mais

Como criar uma ONG. A) LEI DO TERCEIRO SETOR: AS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIPs)

Como criar uma ONG. A) LEI DO TERCEIRO SETOR: AS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIPs) Como criar uma ONG Esta publicação foi editada pela Revista IntegrAção - CETS/EAESP/FGV em abril de 2000. Tem como principal fonte de informação o Programa Estadual de Apoio às ONGs PROAONG, da Secretaria

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS FEDERAIS

GESTÃO DE RECURSOS FEDERAIS GESTÃO DE RECURSOS FEDERAIS Manual para os Agentes Municipais Secretaria Federal de Controle Interno 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...7 A ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO BRASIL...9 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA...10

Leia mais

Edital de Credenciamento n. 3044/2012 RECEBIMENTO DE EDITAL EDITAL Nº. 3044/2012 CREDENCIAMENTO CPL/GILOG/FO EDITAL E ANEXOS RAZÃO SOCIAL/NOME:

Edital de Credenciamento n. 3044/2012 RECEBIMENTO DE EDITAL EDITAL Nº. 3044/2012 CREDENCIAMENTO CPL/GILOG/FO EDITAL E ANEXOS RAZÃO SOCIAL/NOME: Edital de Credenciamento n. 3044/2012 RECEBIMENTO DE EDITAL EDITAL Nº. 3044/2012 CREDENCIAMENTO CPL/GILOG/FO EDITAL E ANEXOS RAZÃO SOCIAL/NOME: CNPJ/CPF/MF nº.: ENDEREÇO C/ BAIRRO E CEP: TELEFONE C/ DDD:

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS Nº 11/2015 APOIO A PROJETOS DE INOVAÇÃO DO PROJETO DESENVOLVIMENTO

CHAMADA DE PROJETOS Nº 11/2015 APOIO A PROJETOS DE INOVAÇÃO DO PROJETO DESENVOLVIMENTO CHAMADA DE PROJETOS Nº 11/2015 APOIO A PROJETOS DE INOVAÇÃO DO PROJETO DESENVOLVIMENTO DE NEGOCIOS DE MOBILIDADE EMPRESARIAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DE UBERLÂNDIA - PROGRAMA SEBRAETEC - SEBRAE MINAS.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993. Mensagem de veto Regulamento Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências.

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria da Fazenda - Superintendência de Controle Interno - Assessoria Jurídica

Estado de Goiás Secretaria da Fazenda - Superintendência de Controle Interno - Assessoria Jurídica Lei de licitações do Estado de Goiás (DOE de 10/02/10) primeiras impressões Evandro Arantes Faria Gestor Jurídico Data: 06/05/2010 INTRODUÇÃO - A Lei estadual nº 16.920, de 8 de fevereiro de 2010, foi

Leia mais

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Procedimentos para Legalização e Inscrição do MEI Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Perguntas e respostas Atualizado até 15/07/2009 MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS (Resolução CGSIM

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/N o 32 DE 10 DE AGOSTO DE 2006.(*) FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal, art. 205 e 208

Leia mais

PARTE I - CHAMADA. b) Incentivar a constituição e desenvolvimento de grupos de pesquisa;

PARTE I - CHAMADA. b) Incentivar a constituição e desenvolvimento de grupos de pesquisa; Chamada ME/CNPq N º 091/2013 Seleção pública de projetos de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, voltados para o desenvolvimento do Esporte em suas diferentes dimensões. PARTE I - CHAMADA O

Leia mais

LEI Nº 4595 DE 31 DE DEZEMBRO DE

LEI Nº 4595 DE 31 DE DEZEMBRO DE LEI Nº 4595 DE 31 DE DEZEMBRO DE 1964 Dispõe sobre a política e as instituições monetárias, bancárias e creditícias, cria o Conselho Monetário Nacional e dá outras providências. CAPÍTULO I DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

DISPOSIÇÕES APLICÁVEIS AOS CONTRATOS DO BNDES NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO

DISPOSIÇÕES APLICÁVEIS AOS CONTRATOS DO BNDES NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO DISPOSIÇÕES APLICÁVEIS AOS CONTRATOS DO BNDES Resolução 665/87 NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO Resolução 660/87 1 ÍNDICE RESOLUÇÃO Nº 665/87 4 DISPOSIÇÕES APLICÁVEIS AOS CONTRATOS DO BNDES 5 (Anexo

Leia mais

MANUAL da Lei de BRASIL. Acesso à Informação para Estados e Municípios. transparente

MANUAL da Lei de BRASIL. Acesso à Informação para Estados e Municípios. transparente BRASIL transparente MANUAL da Lei de Acesso à Informação para Estados e Municípios CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria de Prevenção da Corrupção e Informações Estratégicas 1ª edição Brasília/2013 CONTROLADORIA-GERAL

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE Tribunal de Justiça Gerência de Contratação TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE PROCESSO Nº 0000403-14.2013.8.01.0000 REGIDO PELA LEI Nº 10.520/2002, DECRETOS 5.450/2005, 3.555/2000 E, SUBSIDIARIAMENTE,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA ARAÍBA TCE-PB CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS PREFEITOS ELEITOS 2ª EDIÇÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA ARAÍBA TCE-PB CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS PREFEITOS ELEITOS 2ª EDIÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA PARAÍBA TCE-PB ARAÍBA TCE-PB CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS PREFEITOS ELEITOS 2ª EDIÇÃO 2012 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA PARAÍBA CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS PREFEITOS ELEITOS

Leia mais

EDITAL DO PREGÃO PRESENCIAL 003/2011 (RETIFICAÇÃO) Processo: 51.000.125/2011

EDITAL DO PREGÃO PRESENCIAL 003/2011 (RETIFICAÇÃO) Processo: 51.000.125/2011 O Estado do Amapá, por intermédio da Secretaria de Estado do Turismo, situada na Av. Binga Uchoa, nº. 29 - Centro Macapá Amapá, inscrita no CNPJ sob o nº. 00.394.577/0001 25, por meio deste Pregoeiro,

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA O TERCEIRO SETOR

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA O TERCEIRO SETOR Comissão de Direito do Terceiro Setor CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA O TERCEIRO SETOR Aspectos Jurídicos COORDENADOR Danilo Brandani Tiisel COLABORADORES Carolina Honora Célia Brun Cláudio Ramos Luiz Henrique

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Orientações para Contratação de Serviços no Sistema Único de Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Orientações para Contratação de Serviços no Sistema Único de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Manual de Orientações para Contratação de Serviços no Sistema Único de Saúde BRASÍLIA DF 2007 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS (REGIÃO CENTRO-OESTE) 10/2014

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS (REGIÃO CENTRO-OESTE) 10/2014 CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS (REGIÃO CENTRO-OESTE) 10/2014 Seleção de projetos de obras audiovisuais com destinação inicial ao campo público de televisão para investimento pelo Fundo Setorial

Leia mais

PREFEITURA DE CACHOEIRA DO SUL - RS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPRAS Rua Moron, 1.013 Fone/Fax (51) 3724-6052

PREFEITURA DE CACHOEIRA DO SUL - RS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPRAS Rua Moron, 1.013 Fone/Fax (51) 3724-6052 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO N.º 28/2012 REGISTRO DE PREÇO OBJETO: EVENTUAL AQUISIÇÃO DE PNEUS, CÂMARAS, PROTETORES, VÁLVULAS, CAIXAS DE REMENDO E TIP TOP, A PEDIDO DAS DIVERSAS SECRETARIAS MUNICIPAIS.

Leia mais

EDITAL PARA APOIO ÀS ATIVIDADES DE CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA DE VALOR DA BORRACHA

EDITAL PARA APOIO ÀS ATIVIDADES DE CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA DE VALOR DA BORRACHA EDITAL PARA APOIO ÀS ATIVIDADES DE CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA DE VALOR DA BORRACHA 1- OBJETO DO APOIO O objeto do presente Edital consiste em selecionar Planos de Gestão, de forma a obter apoio financeiro

Leia mais

GESTÃO E CONTROLE CONTÁBIL PARA INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS: UM ESTUDO DE CASO. 1

GESTÃO E CONTROLE CONTÁBIL PARA INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS: UM ESTUDO DE CASO. 1 GESTÃO E CONTROLE CONTÁBIL PARA INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS: UM ESTUDO DE CASO drjaquelinecarla@yahoo.com.br POSTER-Desenvolvimento Rural, Territorial e regional JAQUELINE CARLA GUSE; LUIZ ANTONIO

Leia mais

LEI Nº 9.615/98 ATUALIZADA ANOTAÇÕES Paulo M. Schmitt 1. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.615/98 ATUALIZADA ANOTAÇÕES Paulo M. Schmitt 1. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.615/98 ATUALIZADA ANOTAÇÕES Paulo M. Schmitt 1 LEI Nº 9.615, DE 24 DE MARÇO DE 1998. Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o

Leia mais

Subsídios ao Ministério Público para acompanhamento do

Subsídios ao Ministério Público para acompanhamento do 50 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 50 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 50 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 50 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 Subsídios ao Ministério Público para acompanhamento do Fundo de Manutenção

Leia mais

Por fim, espera-se que as pesquisas científicas contribuam para a formulação e proposição de políticas públicas, inclusive pelo BNDES.

Por fim, espera-se que as pesquisas científicas contribuam para a formulação e proposição de políticas públicas, inclusive pelo BNDES. 1. Introdução CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO DE PESQUISAS CIENTÍFICAS (PAPERS) BNDES/FEP nº 01/2011 FEP MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL FUNDO DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS (FEP) A condição de informalidade implica

Leia mais

Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação

Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação Sumário Introdução... 4 1. O que é o Pregão... 7 Bens e Serviços Comuns... 8 Base Legal... 9 2. Fase Preparatória... 10 Autoridade Competente... 11 Instauração

Leia mais

ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS

ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 1º. O Presidente da República, o Presidente do Supremo Tribunal Federal e os membros do Congresso Nacional prestarão o compromisso de manter, defender

Leia mais