APLICAÇÃO DE FLUXO DE TRANSPORTE NA EVACUAÇÃO DA FUTURA BASE DE SUBMARINOS DA MARINHA DO BRASIL, EM CASO DE ACIDENTE NUCLEAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DE FLUXO DE TRANSPORTE NA EVACUAÇÃO DA FUTURA BASE DE SUBMARINOS DA MARINHA DO BRASIL, EM CASO DE ACIDENTE NUCLEAR"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DE FLUXO DE TRANSPORTE NA EVACUAÇÃO DA FUTURA BASE DE SUBMARINOS DA MARINHA DO BRASIL, EM CASO DE ACIDENTE NUCLEAR André Luiz Costa Levasseur Rocha (PUC-Rio) Luiz Felipe Roris Rodriguez Scavarda do Carmo (PUC-Rio) Este trabalho apresenta um breve histórico da energia nuclear e de acidentes ocorridos, o programa nuclear brasileiro, o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) e aspectos relevantes quanto a Planos de Evacuação e algoritmos parra a solução do problema de caminho mais curto, especialmente o de Dijkstra, tendo por motivação a necessidade de estabelecer procedimentos para a evacuação de área, em caso de acidente nuclear no estaleiro ou na base que abrigará os submarinos nucleares brasileiros. O mesmo é relevante pelo histórico de acidentes nucleares ao redor do mundo, pela necessidade de atribuir a devida importância a questões de segurança nos casos em que há envolvimento com radioatividade, bem como por ser um tema pouco abordado na literatura acadêmica. Como resultado, a solução obtida foi a Rota que tem por ponto de origem a posição na qual se encontra em construção a futura base e como nó destino, o cruzamento da Rua Quatorze com a Rodovia Rio-Santos (BR-101), na região de Itaguaí (Rio de Janeiro), ponto sobre a coroa circular com centro na posição prevista da base e raio de 5 Km, limite a partir do qual é considerada área segura, devendo conduzir o pessoal para além deste ponto, no sentido Itaguaí-Rio de Janeiro, de modo a mitigar o tempo de exposição à radioatividade, em caso de acidente nuclear. Palavras-chaves: Acidente Nuclear, Evacuação, Fluxo de Transporte, Algoritmo de Dijkstra.

2 1. Introdução Diversos fatos na história da humanidade foram determinantes para o estabelecimento de novos procedimentos de segurança, a fim de evitar que tragédias se repetissem. Por vezes, mesmo com a adoção desses procedimentos, acidentes ocorrem, seja por falha de equipamentos, por falha humana ou por eventos meteorológicos, como o ocorrido recentemente, em março de 2011, no Japão. Desta forma, torna-se necessário salvaguardar a integridade do indivíduo, afastando-o da área de risco, especialmente nos casos em que esteja envolvida radiação ionizante, haja vista que quanto maior for a exposição à fonte de irradiação, maior será o dano. O presente estudo tem por motivação a necessidade de estabelecer procedimentos para a evacuação de área, em caso de acidente nuclear no estaleiro ou na base que abrigará os submarinos nucleares, a serem construídos no Brasil, em parceria com a França. O mesmo é relevante pelo histórico de acidentes nucleares ao redor do mundo, pela necessidade de atribuir a devida importância a questões de segurança nos casos em que há envolvimento com radioatividade, bem como por ser um tema pouco abordado na literatura acadêmica. Objetiva-se, assim, produzir um estudo preliminar que norteie a elaboração de um plano de evacuação da futura base de submarinos, que se encontra em construção, na Ilha da Madeira, em Itaguaí, Estado do Rio de Janeiro. Para o desenvolvimento da presente pesquisa, foram utilizados dados de fontes secundárias, obtidos por meio de pesquisa bibliográfica. Esse dados foram complementados com outros provenientes de fontes primárias estraídos de entrevistas não estruturadas com profissinais ligados ao objeto de estudo e com a experiência profissional de um dos autores deste artigo com o tema e o objeto de análise, caracterizando assim a pesquisa como participativa. O estudo é preliminar e não contempla a possibilidade de evacuação por vias aérea e marítima, a densidade populacional na região, a sazonalidade populacional, a capacidade dos veículos utilizados na evacuação, o fluxo de transporte, a capacidade viária, as condições meteorológicas reinantes na região de Itaguaí e a capacidade das redes de comunicação. Apesar dessas delimintações, os resultados da pesquisa oferecem uma primeira aproximação para a solução do problema real de evacuação e para motivar a pesquisa na área. O presente artigo está dividido em cinco seções, sendo esta primeira a introdutória contendo a motivação, o objetivo, o método e a delimitação da pesquisa. A segunda seção apresenta o histórico da energia nuclear, o programa nuclear brasileiro, o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) e aspectos afetos a plano de emergência, enquanto que a terceira aborda o problema do caminho mais curto. A quarta seção apresenta o estudo de caso sobre a evacuação da futura base de submarinos, com aplicação do algoritmo de Dijkstra, e os resultados obtidos. A quinta e útima seção oferece as conclusões tecidas pelos autores deste artigo. 2. Energia nuclear e plano de evacuação em caso de acidentes No final do Século XIX e início do Século XX, com a descoberta das emissões oriundas dos elementos radioativos, a identificação das radiações alfa (α), beta (β) e gama (γ) e de suas propriedades, nasceu o estudo do fenômeno da radioatividade. Xavier et al. (2007) citam que, em 1934, Irère Curie e Fréderic Joliot descobriram a radioatividade artificial, por meio de um experimento no qual uma folha de alumínio-27 foi bombardeada com partículas α, gerando um novo isótopo radioativo, o fósforo-30. Ele complementa dizendo que, em 1932, James Chadwick comprovou a existência do nêutron, após irradiar com partículas α uma folha de 2

3 berílio, mesmo ano em que foi comprovada, por C. D. Anderson, a existência do elétron positivo (pósitron). Seguiram-se experimentos com a aplicação dessas partículas no bombardeamento de núcleos de elementos instáveis, o que possibilitou a identificação do fenômeno da fissão nuclear, no qual ocorre a divisão do núcleo do átomo, a liberação de nêutrons e de energia. Essa descoberta possibilitou o desenvolvimento da indústria nuclear, especialmente, por ocasião da Segunda Grande Guerra, quando havia um movimento nos EUA para que fosse desenvolvida e construída uma bomba nuclear antes dos alemães. Assim, surgiu o Chicago Pile 1 (CP-1), em 1942, primeiro reator nuclear auto-sustentável. Em 1945, no Novo México, EUA, foi detonada a primeira bomba atômica da história. No mesmo ano, foram detonadas duas bombas no Japão, destruindo as cidades de Hiroshima e Nagasaki, causando a morte de mais de 130 mil pessoas (XAVIER et al., 2007). As contaminações do meio ambiente, as mortes e as deformações causadas pelo efeito da radiação, desde o ataque americano ao Japão, se deram, principalmente, aos acidentes em usinas nucleares de geração de energia elétrica e à exposição à radioatividade, por manuseio inadequado de equipamentos (ver Tabela 1). Ano Local Efeito 1957 Kasli (ex-urss) Contaminação de 600 km 2 e evacuação de mais de 30 aldeias Windscale Pile Contaminação do ambiente, interrupção temporária na venda de leite oriundo do (Grã-Bretanha) rebanho local e mais de 200 casos de câncer de tireóide Indian Point (EUA) Destruição da fauna dos rios na região e contaminação de produtos agrícolas Minnesota (EUA) Contaminação do rio Mississippi, afetando o abastecimento de água em St.Paul Three Mile Island (EUA) Tsurunga (Japão) Chernobyl (Ucrânia) Goiânia (Brasil) Fukushima (Japão) Liberação de radioatividade, sem terem sido registrados contaminação ambiente, mortes ou doenças decorrentes. Entretanto, esse acidente chamou a atenção para as questões de segurança, especialmente, no caso de usinas nucleares de potência. 45 trabalhadores expostos a material radioativo e contaminação do leito de um porto de pesca nas proximidades. O mais grave acidente nuclear da história. Liberada uma nuvem radioativa que atingiu parte oeste da ex-urss, atualmente Belarus, Ucrânia e Rússia, além de todo o norte e o centro da Europa. Mais de 40 radionuclídeos diferentes escaparam do reator, contaminando uma área de cerca de Km 2, causando a morte direta de 31 pessoas, a hospitalização de outros 237, por exposição a altos níveis de radioatividade e, estima-se, a contaminação de 8,4 milhões de pessoas expostas à radiação. Contaminação de dois sucateiros, amigos e familiares pelo césio-137, de uma cápsula abandonada, causando a morte de 4 indivíduos e a contaminação de 300 pessoas. Um terremoto de magnitude 8,9 perto da costa leste de Honshu, no Japão, seguido de um tsunami, provocou o corte no fornecimento de energia para a usina nuclear de Fukushima Daiichi e a desativação do sistema de resfriamento dos reatores. Consequentemente, houve o superaquecimento dos núcleos e a explosão das unidades 1, 2, 3 e incêndio na unidade 4, causando a morte de um funcionário, ferimentos e contaminação por radiação em mais de uma dezena de pessoas, bem como a contaminação de alimentos, da água do mar e da atmosfera na cidade de Fukushima e arredores e a evacuação da população num raio de 20 Km da central nuclear, tendo sido considerado tão grave quanto o de Chernobyl. Fonte: Adaptado de Xavier et al. (2007), Volkherimer [s.d.] e IAEA (2011) Tabela 1 Acidentes nucleares 3

4 2.1. Energia nuclear e plano de evacuação em caso de acidentes O Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (BRASIL, 2010) enumera os seguintes acontecimentos na evolução do setor nuclear brasileiro (ver Tabela 2): Ano Evento 1934 Realizados os primeiros estudos sobre energia nuclear no Brasil (Universidade de São Paulo USP) Criação da Comissão de Fiscalização de Minerais Estratégicos, para monitorar a exportação para os EUA de areia monazítica, rica em tório Criação do Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq), tendo como órgão consultor a Comissão de Energia Atômica. Em viagem à Europa, o Almirante Álvaro Alberto da Motta e Silva, primeiro presidente da CNPq, 1954 negocia com franceses a compra de uma usina de produção de yellow cake. Na Alemanha, adquire três centrífugas por US$ 80 mil, as quais são apreendidas pelos EUA Criação da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), encarregada de propor as medidas julgadas necessárias à orientação da política geral da energia atômica em todas as suas fases e aspectos O Brasil decide construir uma usina atômica em Angra dos Reis, Rio de Janeiro O Brasil assina o Tratado de Tlateloco, no qual se compromete a não construir armas atômicas Criação da Companhia Brasileira de Tecnologia Nuclear (CBTN) para dominar todas as etapas de produção do ciclo do urânio A empresa americana Westinghouse é escolhida para construir a usina atômica em Angra, sem haver, contudo, transferência de tecnologia. Extinção da CBTN e criação da Nuclebrás, com vistas a atender acordo com a Alemanha, para a 1974 construção de oito reatores e uma usina de combustível nuclear. Pela primeira vez o programa nuclear é dividido formalmente em planejamento e fiscalização, a cargo da CNEN, e execução, a cargo da Nuclebrás Tentando mudar o perfil do acordo, os EUA ameaçam Brasil e Alemanha com sanções, sem sucesso. A Marinha inicia o desenvolvimento de um Programa Nuclear Paralelo, com o objetivo de desenvolver 1979 competência nacional autônoma, indispensável às aplicações pacíficas da energia nuclear, de forma coerente com as necessidades nacionais. Tem como base dominar o processo de enriquecimento por centrifugação e construir um submarino atômico A Marinha firma um convênio com o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN) para apoiar o desenvolvimento da tecnologia do Programa Paralelo Primeiro experimento de enriquecimento de urânio por centrifugação, realizado pelo Centro Tecnológico da Marinha Criação da Comissão de Avaliação do Programa Nuclear Brasileiro e início da operação da Usina Nuclear de Angra Extinção da Nuclebrás, criação da Indústria Nuclear do Brasil (INB) e reestruturação da Nuclep Criação da Eletrobras Termonuclear S.A (Eletronuclear), com a finalidade de operar e construir as usinas nucleares do país Início da operação da Usina Nuclear de Angra Autorização de início da construção da Usina Nuclear de Angra 3, pelo governo brasileiro. Fonte: Adaptado de Brasil (2010) Tabela 2 Cronologia do nascimento e evolução do setor nuclear no Brasil Conforme Brasil [2008] e MRS (2010), no intuito de estabelecer uma parceria estratégica, com cooperação na área de defesa, em 23 de dezembro de 2008, foi firmado um acordo entre a República Federativa do Brasil e a República Francesa, cuja proposta francesa da Direction dês Constructions Navales Services (DCNS) contempla a concepção, a construção e o comissionamento técnico de submarinos, além da transferência de tecnologia de construção e a prestação de serviços técnicos para a capacitação em projeto, visando a construção, no Brasil, de quatro submarinos convencionais Scorpène, que servirão para a capacitação do país no desenvolvimento de um submarino de propulsão nuclear, além do projeto e da construção de um estaleiro dedicado à fabricação de submarinos de propulsão nuclear (e convencionais) e 4

5 de uma base naval, para abrigá-los. Diante disso, foi criado o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), que possui os seguintes objetos (BRASIL, [2008]): 1. Projeto e construção de submarinos no Brasil: a) Submarino convencional Na França - construção da seção de proa do 1º submarino pela MB e a DCNS; No Brasil - todas as demais seções do 1º submarino, bem como todas as seções dos demais submarinos (MB com assessores da DCNS). b) Submarino de propulsão nuclear No Brasil (com transferência de tecnologia) - todas as partes não nucleares (casco resistente, sistema de controle de imersão etc). 2. Estaleiro e Base: a) Consórcio Baía de Sepetiba (DCNS e ODEBRECHT); b) Operação do estaleiro e construção e manutenção dos submarinos. MRS (2010) ressalta que a parte nuclear do submarino será integralmente nacional, desenvolvida pela Marinha do Brasil em programa de pesquisa e desenvolvimento iniciado na década de Plano de emergência Obadia (2004) cita que nas organizações que lidam com tecnologia perigosa, como a nuclear, danos podem ser causados ao meio ambiente, à organização e às pessoas, por acidente. Ele ressalta, ainda que, embora tenha ocorrido expressivo desenvolvimento tecnológico nos métodos e técnicas relativas à segurança do trabalho e a gestão de risco nas últimas décadas, acidentes ainda ocorrem. Segundo a Agência Internacional de Energia Atómica (IAEA) (1993) apud Guimarães (1999), a qual o Brasil é membro, o objetivo fundamental da segurança de instalações nucleares é proteger o público e os trabalhadores das consequências de liberação de produtos radioativos decorrentes de sua operação normal e de acidentes, mitigando suas consequências. Por esse motivo, quando da ocorrência de acidente nuclear, a população deve ser evacuada com a maior brevidade possível, de modo a minimizar os efeitos da radiação ionizante. Não por menos, Campos (1997) enfatiza que A evacuação da população é a parte mais importante de um plano de emergência. Entretanto, Urbanik (2000) ressalta que, antes de 1979, a analise do transporte para a evacuação em situações de catástrofes não era frequente, sendo considerada, somente, após o acidente na usina nuclear de Three Mile Island. No entanto, o transporte não é o único aspecto importante para que seja viabilizado um plano de emergência. IAEA (2002) cita que devem ser considerados também a densidade populacional e distribuição na região; a distância do local das instalações nucleares aos centros populacionais; a existência de grupos especiais da população, cuja evacuação careça de providências específicas, como aqueles que se encontram em hospitais, prisões e abrigos; grupos nômades; além das características geográficas da região, do transporte local e das redes de comunicações; bem como a existência de instalações industriais potencialmente perigosas; e as atividades agrícolas sensíveis a possíveis descargas de radionuclídeos. De uma forma resumida, pode-se dizer que no planejamento da evacuação, os seguintes fatores devem ser analisados para tornar o plano mais eficiente e bem sucedido (CARRILLLO, 1986, VAN DEN DAMME, apud Campos, 1997): Tamanho da população em risco que deve ser evacuada; Volume de tráfego gerado; 5

6 As condições da rede viária e rotas possíveis de serem utilizadas para determinação das rotas em potencial; Identificação de pontos de estrangulamento em potencial ao longo das rotas de evacuação. Contudo, para desenvolver um plano de evacuação, é importante determinar primeiro áreas seguras (SAADATSERESHT et al., 2009) Plano de Emergência Externo do Estado do Rio de Janeiro (PEE/RJ) As Usinas Nucleares de Angra dos Reis já dispõem de um Plano de Emergência, para o caso de emergência nuclear nas instalações da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (CNAAA), denominado Plano de Emergência Externo do Estado do Rio de Janeiro (PEE/RJ). Segundo Duarte (2006, p.111), a Nuclear Regulatory Commission (NRC), órgão regulador e fiscalizador da área nuclear americana, adota a distância de 10 milhas (cerca de 16 km) para a evacuação de pessoas presentes na trajetória estimada da nuvem radioativa, em função da direção do vento. No caso de haver pessoas dentro de um raio de 2 milhas (cerca de 3 km) ao redor da instalação nuclear, a NRC determina que seja feita a evacuação imediata. Entretanto, segundo Cabral Filho (2008), no PEE/RJ, a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) recomenda a adoção de Zonas de Planejamento de Emergência (ZPE), regiões utilizadas no intuito de hierarquizar os riscos, além de facilitar o planejamento e a implementação das medidas de proteção, subdivididas em coroas circulares com centro na Unidade I da CNAAA e raios de 3, 5, 10 e 15Km, a partir desse ponto. Além disso, ele cita que a evacuação preventiva é uma medida de proteção eficaz até 5 Km em torno da usina. Em distâncias maiores, é recomendável, a curto prazo, que a população se mantenha abrigada. 3. Problema do caminho mais curto (PCMC) Para garantir a segurança da população presente na área de risco, é necessário que a evacuação seja feita no menor tempo possível. Pode-se determinar o menor tempo de evacuação por meio da aplicação de algoritmos de caminho mínimo. Afinal, conforme afirma Campos (1997), Os algoritmos de caminho mínimo determinam a rota de menor tempo, distância ou custo entre um par ou vários pares de origem e de destino de uma rede. Ademais, Ahuja et al.(1993) apud Méndez e Guardia (2008) afirmam que resolver o PCMC significa determinar o caminho entre dois nós com o custo mínimo, ou com o menor tempo de viagem ou com a máxima capacidade. Steenbrick (1974) e Jensen (1987) apud Campos (1997) enumeram diferentes formulações para um problema de caminho mínimo, que são: de um nó para outro nó; de um nó para todos os outros nós da rede; entre todos os nós da rede; e k-caminhos mínimos entre dois nós. Goldbarg (2005) comenta que, para a solução do PCMC, existem várias abordagens. A Tabela 3 apresenta um resumo de alguns algoritmos exatos de solução para o PCMC. Ano Autores Descrição 1959 Dijkstra Seleciona o nó de menor potencial 1956 Ford-Moore-Bellman Técnica de rotulação FIFO 1962 Ford-Fulkerson Técnica de rotulação FIFO 1962 Floyd-Warshall Técnica da operação tríplice 1967 Hu Algoritmo matricial 1969 Dijkstra por Dial Buckets e FIFO 1974 Pape e Levit Incremental sobre um conjunto restrito de nós 6

7 1984 Pallottino Incremental sobre um conjunto restrito de nós 1984 Glover Glover Klingman Combinação das abordagens Dijkstra e F-M-B 1988 Klein e Reif Algoritmos paralelos 1993 Goldberg-Radzik Manipulação de conjuntos de rotulação 1993 Cohen Algoritmos paralelos 1996 Traff e Zaroliagis Algoritmos paralelos Fonte: Adaptado de GOLDBARG (2005) Tabela 3 Algoritmos exatos de solução para caminho mais curto Entretanto, Goldbarg (2005) ressalta que os mais eficientes algoritmos hoje estão disponíveis através da abordagem em grafos, na qual são observadas duas grandes vertentes, dentre várias (algoritmos de ajustes sucessivos e algoritmos por indução e ajuste), sendo que, para a solução do PCMC, existe um algoritmo de rotulação para caminhos em grafos com arcos positivos, que se utiliza de indução e ajuste, denominado algoritmo de Dijkstra, que é eficiente e de fácil implementação computacional. Segundo Peyer et al.(2009), o algoritmo de Dijkstra é um dos mais elementares, importantes e bem estudados problemas algorítmicos, com inúmeras aplicações práticas, embora, Xu et al. (2007) afirmem que, em redes com arcos de comprimentos não negativos, a complexidade desse algoritmo depende do modo de encontrar o nó com a menor etiqueta de distância. 3.1 Algoritmo de Dijkstra Criado em 1959, por Dijkstra Edsger, com aplicação em diversas áreas do conhecimento, o algoritmo de Dijkstra procura, por exemplo, determinar o caminho mínimo de um nó origem para todos os outros nós de um grafo, cujos arcos possuem pesos associados ao custo do caminho. (TORRUBIA e TERRAZAS, [s.d]). XU et al. (2007) apresentam o algoritmo de Dijkstra da seguinte forma: dado um grafo direcionado ponderado G = (V, E, Ø), que representa uma rede, são adotadas as seguintes definições: V é um conjunto não vazio de nós; E é um conjunto de arcos para cada conexão entre nós; Ø é uma função do peso de E, diferente de zero para números reais positivos; n é o número de nós; m é o número de arcos direcionados; e é um arco direcionado em E, definido por um par ordenado de nós de V, sendo que, no caso do arco direcionado e = uv E, o nó v é dito ser acessível a partir do nó u de E e vizinho deste; Ø(uv) é o peso do arco uv; o caminho entre dois nós v 0 e v k é uma sequencia finita p = v 0 v 1... v k de nós, tal que para 0 i k, v i v i+1 E; o peso do caminho é Ø(p) = 0 i k Ø(v i v i+1 ); e o peso do caminho mais curto, também chamado de distância, do nó u para v, denominado dist(u,v), é o peso mínimo de todos os caminhos direcionados possíveis, com origem em u e destino em v. Assim, deixar u e chegar a v, por meio do caminho orientado p, significa que v é acessível a partir de u, por meio desse caminho. Além disso, sendo um nó origem s V, o algoritmo calcula a distância dist(s,v) para todo v V, que é dada pela fórmula abaixo, base desse algoritmo, supondo-se S um subconjunto próprio de V, tal que s S e = V S: dist(s, ) = min {dist(s,u) + Ø(uv)} u S, v Na etiquetagem dos nós, ao longo do desenvolvimento do algoritmo, cada nó v carrega uma etiqueta l(v) que é um limite superior de dist (s,v). Inicialmente, l(s) = 0 e l(v) =, para v s. Essas etiquetas são modificadas de modo que, ao final da Fase i: l(u) = dist(s,u), para u S i e l(v) = min {dist(s,u) + Ø(uv)}, para v i u S i 1 7

8 Com base nessas premissas, o algoritmo de caminho mais curto de Dijkstra refinado pode ser dado pelos passos descritos a seguir (XU et al., 2007): Algorithm 1 (A refined Dijkstra s algorithm) Step 1: Set l(s) = 0; l(v) = for v s; S := {s}; := V {s}; u 0 = s and i = 0. Step 2: Update l(v), S and. 2.1 For each v neighbor (u i ), replace l(v) by min{l(v), l(u i ) + Ø(u i v)}. 2.2 Compute min v {l(v)} and let u i+1 denote a node for which this minimum is attained. 2.3 Set S := S {u i+1 }, := {u i+1 }. Step 3: If i = n 1, stop. If i < n 1, replace i by i + 1 and goto step 2. Para superar o problema de gargalo do algoritmo de Dijkstra refinado, evitar construir aterros e fazer uso das características da rede esparsa na qual o número de arcos incidentes a cada nó da rede é, frequentemente, um número pequeno, como ocorre em redes rodoviárias, XU et al. (2007) propõem um algoritmo de Dijkstra aperfeiçoado, conforme abaixo descrito, que possibilita resolver o PCMC nas mesmas condições que o algoritmo de Dijkstra refinado: Algorithm 2 (The improved Dijkstra s shortest path algorithm) Step 1: Set l(s) = 0; l(v) = for v s; Sort the entries in list l into nondecreasing order by just setting l(s) as the first entry of the list l. Let S := {s}; := V {s}; l 0 w 0 = 2; u 0 = s; i = 0. Step 2: Update l(v), S, and sort list l. 2.1 For each v neighbor (u i ), If l(v) > l(u i ) + Ø(u i v)} replace l(v) by l(u i ) + Ø(u i v), and do step and Let high i v be the position of entry l(v) at the list l Sort list l by reinserting the entry l(v) in a proper position between position l 0 w i and high i v of list l. End If End For 2.2 Let u i+1 be the vertex corresponding to the entry at position l 0 w i in the list l. 2.3 Set S := S {u i+1 }, := {u i+1 }, l 0 w i+1 = l 0 w i + 1. Step 3: If i = n 1, stop. If i < n 1, replace i by i + 1 and goto step Estudo de caso Esta seção apresenta o delineamento do estudo de caso, a Zona de Planejamento de Emergência (ZPE) proposta para a futura base de submarinos nucleares da Marinha do Brasil, considerando as ZPE aplicadas às usinas nucleares de Angra dos Reis, a determinação dos nós, o cálculo das distâncias, a representação por meio de grafo da rede viária local, a aplicação do algoritmo de Dijkstra e os resultados obtidos com vista a determinar quais rotas possíveis de serem utilizadas para a evacuação Delineamento Com o início da construção do estaleiro e da base para abrigar os submarinos nucleares brasileiros na Ilha da Madeira, situados em Itaguaí, Rio de Janeiro, torna-se de vital 8

9 importância iniciar a elaboração do Plano de Emergência, a ser aplicado em caso de acidente nuclear, de modo a possibilitar a evacuação dos militares e civis que venham a servir no local. Assim, será apresentada uma solução para o Problema do Caminho Mais Curto (PCMC), por meio da aplicação do algoritmo de Dijkstra, por ser de fácil implementação, visando determinar qual a rota que apresenta o menor tempo para a evacuação da base de submarinos. Neste estágio preliminar, ainda não é possível determinar o tamanho da população a ser evacuada, por não haver a definição do efetivo da base e do estaleiro, motivo pelo qual o presente estudo não fará considerações a respeito desse aspecto. Ademais, não serão consideradas questões afetas à densidade populacional na região, bem como sua distribuição, tampouco sobre a distância do local das instalações nucleares aos centros populacionais, pelo presente estudo estar focado, apenas, na evacuação do estaleiro e da base de submarinos. Quanto às características geográficas da região, essas serão consideradas, tão somente, no aspecto do desenho da rede viária em análise. O transporte local, as redes de comunicações, a existência de instalações industriais potencialmente perigosas, as atividades agrícolas sensíveis a radiações, o fluxo do tráfego, as condições da rede viária, a capacidade dos veículos para o transporte de pessoal, a possibilidade de evacuação por via aérea ou marítima, além das condições meteorológicas reinantes na região onde serão construídas as instalações, embora também sejam relevantes, não serão abordadas no presente estudo, pois inteciona-se, apenas, determinar o caminho mais curto da base de submarinos até os pontos da rede viária local que se encontrem além da coroa circular de raio de 5 Km, medido a partir da posição prevista da base. Cabe salientar, ainda, que a evacuação abordará tão somente a área no entorno da base, não contemplando os procedimentos para se evadir do interior dos meios navais ou das instalações. Quanto às condições da rede viária e rotas possíveis de serem utilizadas para determinação das rotas em potencial, na solução do PCMC, serão consideradas, apenas, aquelas com potencial de evacuação, às quais, pela regularidade da região, terão a métrica retangular aplicada nos seus dimensionamentos. Isto é, serão desconsideradas as vias que não apresentam capacidade ou infraestrutura que permitam o fluxo adequado de transporte no caso de evacuação, como ocorre na Vila Paraíso e na Vila Geny, regiões habitacionais posicionadas entre a Ilha da Madeira e a Rodovia Rio-Santos (BR-101), dotadas de estradas secundárias, cujo acesso se dá por passagens de níveis sobre via férrea. No que se refere à análise do volume de tráfego gerado e a identificação de pontos de estrangulamento em potencial ao longo das rotas de evacuação, os citados aspectos não serão considerados neste primeiro momento, cabendo, no futuro, a verificação in loco, para que sejam promovidas as adequações que se fizerem necessárias no presente estudo Zona de Planejamento de Emergência (ZPE) da Base de Submarinos Inicialmente, determinar-se-ão quais zonas são seguras, por meio do estabelecimento das ZPE para as instalações que abrigarão os submarinos de propulsão nuclear, que, por aproximação, terão as mesmas medidas das adotadas no PEE/RJ para as Usinas Nucleares situadas na CNAAA, de modo a possibilitar o desenvolvimento do estudo em questão. Uma vez que a evacuação preventiva é tida como uma medida de proteção eficaz até 5 Km, a área a ser considerada no estudo será aquela inserida dentro da coroa circular com centro na posição prevista da base de Submarinos, com raio de 5 Km Determinação dos Nós, Cálculo das Distâncias e Representação do Grafo 9

10 Peyer et al. (2009) citam que, na prática, para encontrar caminhos mais curtos em redes de estradas, um pré-processamento de um grafo estático fixo é uma abordagem razoável e poderosa para reduzir o tempo de consulta real. O grafo que representa a rede viária (ver Figura 2) é composto pelos nós a seguir descritos: Nó 1 Futura Base de Submarinos Nucleares da Marinha do Brasil; Nó 2 Final da Estrada de acesso ao porto de Itaguaí (não plotado); Nó 3 Encontro, aproximado, do túnel que tem previsão de ser construído a partir da base e a Estrada Joaquim Fernandes; Nó 4 Final da Rua Félix Lopes Coelho (não plotado); Nó 5 Estrada Joaquim Fernandes - Rua Félix Lopes Coelho; Nó 6 Estrada de Acesso a Fábrica Ingá - Estrada de acesso ao porto de Itaguaí; Nó 7 Estrada Humberto Pedro Francisco - Rua Quarenta e Seis; Nó 8 Rua Quarenta e Seis - Rua Dezenove; Nó 9 Rua Crato - Rua Dezoito; Nó 10 Rua Crato - Rua Dezessete; Nó 11 Rua Crato - Rua Dezesseis; Nó 12 Rua Crato - Rua Quinze; Nó 13 Rua Crato - Rua Quatorze; Nó 14 Rua Crato - Rua Praia da Salina; Nó 15 Rua Quatorze - Rodovia Rio-Santos (BR-101), ponto sobre a coroa circular com centro na posição prevista da base de submarinos e raio de 5 Km; Nó 16 Rodovia Rio Santos (BR-101) - Rua Quinze; Nó 17 Rodovia Rio Santos (BR-101) - Rua Dezesseis; Nó 18 Rodovia Rio Santos (BR-101) - Rua Dezessete; Nó 19 Rodovia Rio Santos (BR-101) - Rua Dezoito; Nó 20 Rua Dezenove - Rodovia Rio Santos (BR-101); Nó 21 Rua Monteiro Lobato (Vila Geny) - Rodovia Rio Santos (BR-101); Nó 22 Ponto na Rodovia Rio Santos (BR-101) sobre a coroa circular com centro na posição prevista da base de submarinos e raio de 5 Km. Figura 2 Grafo da rede viária local Quando da elaboração do Plano de Evacuação, as medidas deverão ser tomadas efetivamente na região, uma vez que a medição de distâncias por meio de Sistema Geográfico de Informação (GIS) não é precisa. Numa primeira análise foram consideradas, por aproximação, as distâncias obtidas com a aplicação do software ArcGis (ESRI, 2011) (ver Tabela 4): 10

11 Nó Origem Nó Destino Distância (m) Nó Origem Nó Destino Distância (m) , , (via túnel) 958,87 (estimada) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,23 Fonte: Adaptado de ESRI (2011) Tabela 4 Distância entre os nós No grafo da rede viária local não foram considerados os nós 2 e 4, pelo fato de não haver nesses nós acesso a rotas viárias potenciais para a evacuação da base por via terrestre. No entanto, eles foram citados, pois há possibilidade de serem utilizados em análises futuras para o acesso a locais a partir dos quais poderá ser feita a evacuação por via marítima ou aérea Aplicação do algoritmo de Dijkstra Objetiva-se resolver o PCMC, partindo do nó de origem 1 e chegando aos nós de destino 15 e 22, de modo a ultrapassar o limite da ZPE de 5 Km e alcançar a área de segurança. Em face de ser possível transitar em ambos os sentidos nas vias consideradas no estudo e o deslocamento ser previsto, apenas, no sentido de se afastar do nó 1, o grafo é dito orientado. Ademais, o grafo possui arcos não negativos, o que contribui para a utilização do algoritmo de Dijkstra, pois, caso não o fossem, este não poderia ser aplicado. Cabe salientar que, para efeito de cálculo do PCMC, foi considerado o Arco (1,3) de menor valor, correspondente à passagem pelo túnel a ser construído. As Tabelas 5 e 6 apresentam os valores das etiquetas de cada nó obtidas nas iterações realizadas no desenvolvimento do algoritmo de Dijkstra, com as distâncias aproximadas a valores inteiros. Nó/ Iteração 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª 9ª 1 (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) 3 (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) 5 ( ; 0) (1365;3) (1365;3) (1365;3) (1365;3) (1365;3) (1365;3) (1365;3) (1365;3) 6 ( ; 0) ( ; 0) (1528;5) (1528;5) (1528;5) (1528;5) (1528;5) (1528;5) (1528;5) 7 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (1384;6) (1384;6) (1384;6) (1384;6) (1384;6) (1384;6) 8 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (724;7) (724;7) (724;7) (724;7) (724;7) 9 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (130;8) (130;8) (130;8) (130;8) 10 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (121;9) (121;9) (121;9) 11 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (122;10) (122;10) 12 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (141;11) 13 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) 14 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) 15 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) 16 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) 17 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (419;11) 18 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (425;10) (425;10) 19 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (433;9) (433;9) (433;9) 20 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (441;8) (441;8) (441;8) (441;8) 21 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) 22 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) Tabela 5 Valores das etiquetas obtidos da 1ª a 9ª iteração do algoritmo de Dijkstra 11

12 Nó/ Iteração 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 18ª 1 (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) (0;-1) 3 (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) (959;1) 5 (1365;3) (1365;3) (1365;3) (1365;3) (1365;3) (1365;3) (1365;3) (1365;3) (1365;3) 6 (1528;5) (1528;5) (1528;5) (1528;5) (1528;5) (1528;5) (1528;5) (1528;5) (1528;5) 7 (1384;6) (1384;6) (1384;6) (1384;6) (1384;6) (1384;6) (1384;6) (1384;6) (1384;6) 8 (724;7) (724;7) (724;7) (724;7) (724;7) (724;7) (724;7) (724;7) (724;7) 9 (130;8) (130;8) (130;8) (130;8) (130;8) (130;8) (130;8) (130;8) (130;8) 10 (121;9) (121;9) (121;9) (121;9) (121;9) (121;9) (121;9) (121;9) (121;9) 11 (122;10) (122;10) (122;10) (122;10) (122;10) (122;10) (122;10) (122;10) (122;10) 12 (141;11) (141;11) (141;11) (141;11) (141;11) (141;11) (141;11) (141;11) (141;11) 13 (119;12) (119;12) (119;12) (119;12) (119;12) (119;12) (119;12) (119;12) (119;12) 14 ( ; 0) (168;13) (168;13) (168;13) (168;13) (168;13) (168;13) (168;13) (168;13) 15 ( ; 0) (419;13) (388;14) (388;14) (388;14) (388;14) (388;14) (161,16) (161,16) 16 (412;12) (412;12) (412;12) (412;12) (412;12) (412;12) (142;17) (142;17) (142;17) 17 (419;11) (419;11) (419;11) (419;11) (419;11) (120;18) (120;18) (120;18) (120;18) 18 (425;10) (425;10) (425;10) (425;10) (120;19) (120;19) (120;19) (120;19) (120;19) 19 (433;9) (433;9) (433;9) (131;20) (131;20) (131;20) (131;20) (131;20) (131;20) 20 (441;8) (441;8) (441;8) (441;8) (441;8) (441;8) (441;8) (441;8) (441;8) 21 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (2695;20) (2695;20) (2695;20) (2695;20) (2695;20) (2695;20) 22 ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) ( ; 0) (4360;21) Tabela 6 Valores das etiquetas obtidos da 10ª a 18ª iteração do algoritmo de Dijkstra Foram obtidas as seguintes rotas mínimas do nó de origem (Nó 1) para os nós 15 e 22: Rota 1: (Distância aproximada de m); Rota 2: (Distância aproximada de m). A Rota 1, iniciada na posição prevista da base de submarinos até o cruzamento da Rua Quatorze com a Rodovia Rio-Santos (BR-101), ponto sobre a coroa circular com centro na base e raio de 5 Km, é a mais adequada para a evacuação da base de submarinos, por apresentar a menor distância. A partir do nó 15, o deslocamento deverá ocorrer no sentido Itaguaí - Rio de Janeiro. A Rota 2 foi desconsiderada por apresentar a maior distância, além do fato do fluxo de transporte ocorrer na região da ZPE de 5 Km por maior período do que no caso da Rota Conclusões Em face do histórico de acidentes com radiação ionizante, durante a construção e operação do submarino nuclear no Brasil, não se pode substimar o risco associado ao manuseio de elementos radioativos, sendo de suma importância garantir a evacuação de todo o pessoal envolvido, no menor tempo possível, caso haja necessidade. A determinação de área segura da radiação, bem como da rota de menor caminho para nela chegar - solução do PCMC-, são fundamentais para o bom desempenho de um plano de evacuação e a salvaguarda da integridade dos indivíduos. Esta área de segurança pode ser delineada para uma primeira aproximação com o problema do caminho mínimo. Para a solução do caminho mínimo existem diversos algoritmos, com diferentes complexidades. Assim, na busca de uma solução inical, adotou-se neste artigo o algoritmo de Dijkstra, por ser de fácil solução e implementação. Como resultado, a solução obtida foi a Rota 1 ( ), por ser a mais adequada para a evacuação, por via terrestre, uma vez que apresenta a menor distância a ser percorrida na rede viária próxima ao local onde se encontra em construção a base de submarinos nucleares brasileiros. O deslocamento nesta rota deverá ocorrer no sentido geral SW-NE, passando pelo túnel previsto de ser contruído entre a base e a Estrada Joaquim Fernandes, seguindo por esta última até a Rua Félix Lopes Coelho, em seguida pela Estrada de acesso a Fábrica Ingá, Estrada Humberto Pedro Francisco, Rua Quarenta e Seis, Rua 12

13 Dezenove, indo até o cruzamento da Rua Quatorze com a Rodovia Rio-Santos (BR-101), ponto sobre a coroa circular com centro na posição prevista da base de submarinos e raio de 5 Km, limite a partir do qual é considerada área segura, devendo conduzir o pessoal para além deste ponto, no sentido Itaguaí-Rio de Janeiro, de modo a mitigar o tempo de exposição à radioatividade, em caso de acidente nuclear. O planejamento de evacuações de populações em função de emergências como acidentes nucleares tem sido ainda pouco debatido na literatura acadêmica, mas tem ganho cada vez mais destaque em função de recentes catástrofes naturais, como a ocorrida neste ano no Japão. O presente artigo não tem como objetivo exaurir o tema e sim reforçar a sua importância para a comunidade acadêmica e contribuir no destaque do uso de algoritmos de fluxo de transporte para auxiliar neste planejamento. Na formulação do plano de emergência devem ser desenvolvidos estudos complementares afetos a densidade populacional, a sazonalidade, a capacidade viária, as condições meteorológicas reinantes na região, o fluxo de transporte, a capacidade das redes de comunicações e a possibilidade de evacuação aérea e marítima. Referências Bibliográficas BRASIL. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Estudo da Cadeia de Suprimento do Programa Nuclear Brasileiro Relatório Parcial: contextualização e análise das perspectivas globais e nacionais do ciclo de produção do Setor Nuclear com foco na montagem de sua Cadeia de Suprimento. Brasília, Disponível em: Acesso em: 27 fev Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP). Programa Nuclear da Marinha Disponível em: Acesso em: 09 nov Ministério da Defesa. Acordos entre o Brasil e a França. [2008]. Disponível em: gov.br/sf/comissoes/cre/ap/ap _acordo_brasil_franca.pdf. Acesso em: 08 nov CABRAL FILHO, S. Plano de Emergência Externo do Estado do Rio de Janeiro. (2008). Disponível em: /www.angra.rj.gov.br/defesacivil/download/pee_final_aprovado_ pdf. Acesso em: 22 out CAMPOS, V. B. G. Método de Alocação de Fluxo no Planejamento de Transportes em Situações de Emergência: definição de rotas disjuntas. Rio de Janeiro, p. Tese de Doutorado COPPE/UFRJ. DUARTE, E. Fiscalização e Segurança Nuclear Relatório do Grupo de Trabalho da Comissão de meio ambiente e desenvolvimento sustentável. Brasília: Câmara dos Deputados, Disponível em: http: //www.qualidade.eng.br/relatorio_final_nuclear.pdf. Acesso em: 22 out ESRI. ArcGIS Explorer online Disponível em: Acesso em: 07 mar GOLDBARG, M. C. & LUNA, H. P. L. Otimização combinatória e programação linear: modelos e algoritmos. 2 ed. Elsevier. Rio de Janeiro, GUIMARÃES, L. S. Síntese de Doutrina de Segurança para Projeto e Operação de Submarinos Nucleares. São Paulo, f. Tese de Doutorado Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. IAEA International Atomic Energy Agency. Dispersion of Radioactive Material in Air and Water and Consideration of Population Distribution in Site Evaluation for Nuclear Power Plants. Safety Guide n. NS-G- 3.2, Fukushima Nuclear Accident. (2011). Disponível em: Acesso em: 07 abr MÉNDEZ, Y. S. & GUARDIA, L. E. T. Problema do caminho mais curto algoritmo de Dijkstra. In: SIMPÓSIO DE PESQUISA OPERACIONAL E LOGÍSTICA DA MARINHA (SPOLM), 2008, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos... Rio de janeiro: Escola de Guerra Naval, MRS Estudos Ambientais Ltda. Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear. Plano Básico Ambiental n Brasília, DF, Disponível em: com.ibama.gov.br/licenciamento_ambiental/porto/estaleiro%20e%20base%20naval%20para%20submarinos% 20-%20Itagua%C3%AD/PBA/Se%C3%A7%C3%A3o%20II%20-%20Gest%C3%A3o%20Ambiental %20Inte grada/se%c3%a7%c3%a3o%20ii.3%20projeto%20institucional/se%c3%a7%c3%a3o%20ii.3.4%20subpr 13

14 ojeto%20desenv.%20econom.%20reg/se%c3%a7%c3%a3o%20ii.3.4.2%20fortalecimento%20setor%20se c.pdf. Acesso em: 08 nov OBADIA, I. J. Sistema de Gestão Adaptativo para Organizações com Tecnologia Perigosa: a cultura de segurança como pressuposto de excelência nuclear. Rio de Janeiro, f. Tese de Doutorado COPPE/UFRJ. PEYER, S.; RAUTENBACH, D. & VYGEN, J. A generalization of Dijkstra's shortest path algorithm with applications to VLSI routing. Journal of Discrete Algorithms, Vol. 7, Issue 4, p , SAADATSERESHT, M., MANSOURIAN, A. & TALEAI, M. Evacuation planning using multiobjective evolutionary optimization approach. European Journal of Operational Research n.198, p , TORRUBIA, G. S. & TERRAZAS, V. M. L. Algoritmo de Dijkstra. Un Tutorial Interactivo. Facultad de Informática Universidad Politécnica de Madrid, [s.d]. URBANIK, T. Evacuation time estimates for nuclear power plants. Journal of Hazardous Material. n.75, p , VOLKHERIMER, W. Accidentes nucleares, [s.d.]. Disponível em: terminos/accnucle.htm. Acesso em: 08 nov XAVIER, A. M., LIMA, A. G. de, VIGNA, C. R. M., VERBI, F. M., BORTOLETO, G. G., GORAIEB, K., COLLINS, C. H. & BUENO, M. I. M. S. Marcos da história da radioatividade e tendências atuais. Quim. Nova. Vol. 30, n. 1, p.83-91, XU, M.H., LIU, Y.Q., HUANG, Q.L., ZHANG, Y.X. & LUAN, G.F. An improved Dijkstra s shortest path algorithm for sparse network. Applied Mathematics and Computation, Vol. 185, Issue 1, p ,

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

Química. Prof. Arilson. Aluno(a):

Química. Prof. Arilson. Aluno(a): Produção de energia Projeções indicam que até 2050 o consumo de energia terá um aumento de 160%.Uma das possíveis opções para solucionar esse problema de produção de energia é a utilização da energia nuclear.existem

Leia mais

Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima

Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima Eletronuclear Plano de Resposta a Fukushima PauloWerneck Eletronuclear - Brasil Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto ANGRA 2 Potência: 1.350 MW Tecnologia: Siemens/KWU Operação: Janeiro/2001 ANGRA

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RÁDIOLÓGICO Projeto 3 Monitoramento Sismológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável

Leia mais

O Acordo Nuclear do Irã: consequências para o Brasil e Argentina?

O Acordo Nuclear do Irã: consequências para o Brasil e Argentina? O Acordo Nuclear do Irã: consequências para o Brasil e Argentina? Por Leonam Guimarães Dia 14 de julho de 2015, o grupo de potências mundiais E3/UE+3 (China,EUA e Rússia, juntamente com três membros da

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

INB inicia produção regular de urânio enriquecido

INB inicia produção regular de urânio enriquecido INB inicia produção regular de urânio enriquecido A Fábrica de Combustível Nuclear (FCN) de Resende iniciou a produção regular de serviços de enriquecimento de urânio para as usinas do país. O evento ocorreu

Leia mais

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL A: Tel:( ) Em caso de emergência somente: ( ) Fax: ( )...ou (...)... Correio eletrônico: Internet: http://www. De: Nome:

Leia mais

O TERROR DO ACIDENTE NUCLEAR OCORRIDO EM CHERNOBYL, CIDADE DA NORTE DE UCRÂNIA, EM 26 DE ABRIL DE 1986

O TERROR DO ACIDENTE NUCLEAR OCORRIDO EM CHERNOBYL, CIDADE DA NORTE DE UCRÂNIA, EM 26 DE ABRIL DE 1986 O TERROR DO ACIDENTE NUCLEAR OCORRIDO EM CHERNOBYL, CIDADE DA NORTE DE UCRÂNIA, EM 26 DE ABRIL DE 1986 Fotos: Sites Phoronix e Der Spiegel http://www.achetudoeregiao.com.br/rj/usina_nuclear2.htm No inicio

Leia mais

FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/ PREPARAÇÃO DA EMPRESA/EMPREENDIMENTO

FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/ PREPARAÇÃO DA EMPRESA/EMPREENDIMENTO FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/ PREPARAÇÃO DA EMPRESA/EMPREENDIMENTO Material Irradiador contendo Fonte Radioativa Selada de Irídio-192 Material Fonte Radioativa Selada de Irídio-192 Sinônimo Embalado

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR III ENIN 28 de Novembro de 2013 Wilson Jorge Montalvão Assistente do Presidente SUMÁRIO CENTRAL NUCLEAR ALMIRANTE ÁLVARO ALBERTO (Hoje)

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp ANEXO A NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp A.1. GRUPO 1: INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN N o 109/2011, Licenciamento de Operadores de Reatores Nucleares, D.O.U. de 01/09/2011.

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear

Comissão Nacional de Energia Nuclear II workshop International ENUMAs 2010 Comissão Nacional de Energia Nuclear Nilson Dias Vieira Junior 19/08/2010 A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA Presidência da República Ministério da Ciência e Tecnologia Institutos

Leia mais

USINAS NUCLEARES NO JAPÃO

USINAS NUCLEARES NO JAPÃO Às 14:46 do dia 11 de março de 2011, hora local, o Nordeste do Japão foi atingido por um terremoto de 9,0 graus na escala Richter. O epicentro foi bem próximo ao litoral e a poucos quilômetros abaixo da

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos Santo André, 2Q2011 1 Parte 1: Algoritmos de Busca Rediscutindo: Representações em Grafos Matriz de Adjacências Matriz de Incidências Lista de Adjacências

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006 Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração RESUMO/VISÃO GERAL (visando à fusão ISO 31000

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial.

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Radioatividade II e Energia Nuclear Meia-vida Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Meia-vida Tempo necessário para que a atividade

Leia mais

USINAS NUCLEARES NO JAPÃO

USINAS NUCLEARES NO JAPÃO Às 14:46 do dia 11 de março de 2011, hora local, o Nordeste do Japão foi atingido por um terremoto de 9,0 graus na escala Richter. O epicentro foi bem próximo ao litoral e a poucos quilômetros abaixo da

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule -2012 UFBA UFBA - 2ª - 2ª FASE 2012 Questão 01 Ilustração esquemática (fora de escala) da formação da grande onda Em 11 de março de 2011, após um abalo de magnitude 8,9 na escala Richter, ondas com amplitudes

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA Conforme Resolução CONAMA 001/90 CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A ESTALEIRO E BASE NAVAL DO PROJETO PROSUB - ITAGUAÍ/RJ

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da

Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações 1 - Há milhões e milhões de anos

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14 1 Introdução O termo "roteamento de veículos" está relacionado a um grande conjunto de problemas de fundamental importância para a área de logística de transportes, em especial no que diz respeito ao uso

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/008:2011 PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se ao requisito da Norma CNEN NN 3.01 Diretrizes

Leia mais

Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna

Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna Uma brevíssima história do século passado, a cada 20 anos Fonte: George Friedman, Os próximos 100 anos. 2 Brevíssima história do

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas:

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas: $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 ³6HJXUDQoDGH,QIRUPDo}HV &\QDUD&DUYDOKR

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

Desafio 100 Cidades Resilientes

Desafio 100 Cidades Resilientes Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até 24 de novembro de 2015 www.100resilientcities.org/challenge O Desafio 100 Cidades Resilientes quer identificar 100 cidades que estejam preparadas para construir

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS Lucinei Tavares de Assuncao Michelle Andrade INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS Lucinei Tavares

Leia mais

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro.

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Edmar de Souza Borges Resumo: O presente artigo tem a intenção de descrever e demonstrar que as paradas de manutenção

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

FUNDAÇÃO DE DIREITO PRIVADO INSTITUÍDA EM 1999.

FUNDAÇÃO DE DIREITO PRIVADO INSTITUÍDA EM 1999. Apresentação FEAM FUNDAÇÃO DE DIREITO PRIVADO INSTITUÍDA EM 1999. PROMOVER AÇÕES PREVENTIVAS NA ÁREA DE SAÚDE E MEDICINA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES, ATUANDO COM ÉTICA E QUALIDADE, E PROPORCIONANDO BEM ESTAR

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais.

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais. APRESENTAÇÃO DO SCO Conceito de SCO O Sistema de Comando em Operações é uma ferramenta gerencial para planejar, organizar, dirigir e controlar as operações de resposta em situações críticas, fornecendo

Leia mais

Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2.

Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2. Pg. 1 Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Mestrado em Informática 2004/1 Projetos O Projeto O projeto tem um peso maior na sua nota final pois exigirá de você a utilização de diversas informações

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

GERADOR EÓLICO 1 INTRODUÇÃO

GERADOR EÓLICO 1 INTRODUÇÃO FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto de Pesquisa da Primeira Série Série: Primeira Curso: Eletrotécnica Turma: 2123 Sala: 234 Início: 17 de junho de 2009 Entrega: 17 de julho

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO A indústria de energia elétrica tem as seguintes atividades clássicas: produção, transmissão, distribuição e comercialização, sendo que esta última engloba a medição

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 Altera a Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, que dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências, para alargar a faixa não

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS 1 INTRODUÇÃO Wellington Antonio Soares soaresw@cdtn.br Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN Centro

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA: UNIDAS PELO TRÂNSITO DE JATAÍ NO INTUITO DE CONTRIBUIR COM O ENSINO NAS ESCOLAS.

GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA: UNIDAS PELO TRÂNSITO DE JATAÍ NO INTUITO DE CONTRIBUIR COM O ENSINO NAS ESCOLAS. GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA: UNIDAS PELO TRÂNSITO DE JATAÍ NO INTUITO DE CONTRIBUIR COM O ENSINO NAS ESCOLAS. FREITAS, Vanessa G 1 ; ROCHA, Paulo R 1 ;JESUS, Uerlei 1 ; SILVA, Gecirlei F. 2 PALAVRAS CHAVES:

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias.

Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias. Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias. Fábio França 1, 1 Logical Optimization Rua Tanhaçu número 405, CEP 05679-040 São Paulo, Brasil fabio.franca@optimization.com.br

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS Brasília/DF, 05 de dezembro de 2012

GESTÃO DE RISCOS Brasília/DF, 05 de dezembro de 2012 GESTÃO DE RISCOS Brasília/DF, 05 de dezembro de 2012 IMAGEM: http://www.foradeescopo.com CRISE ECONÔMICA CRISE IMOBILIÁRIA NOS EUA IMAGEM: http://papodeobra.blogspot.com.br IMAGEM: http://diferencial.ist.utl.pt

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais