Casa da Ciência da UFRJ Comissão Nacional de Energia Nuclear/CNEN Instituto Ciência Hoje

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Casa da Ciência da UFRJ Comissão Nacional de Energia Nuclear/CNEN Instituto Ciência Hoje"

Transcrição

1 Casa da Ciência da UFRJ Comissão Nacional de Energia Nuclear/CNEN Instituto Ciência Hoje 2010

2 Coordenação Geral Fatima Brito / Casa da Ciência Coordenação de Produção Exposição Energia Nuclear Luciane Correia / Casa da Ciência Coordenação Editorial Simone Martins / Casa da Ciência Coordenação Pedagógica Adriana Vicente / Casa da Ciência Consultoria Científica Arnaldo Mezrahi / CNEN Pesquisa de Conteúdo Bianca Encarnação e Cathia Abreu / Instituto Ciência Hoje Editoria de Arte, Capa e Diagramação Paula Wienskoski / Casa da Ciência Projeto Gráfico Elisa Folly, Ivan Faria e Paula Wienskoski Revisão Fernanda Cupolillo / Casa da Ciência Agradecimentos Claudia Souza / CNEN José Bonapace / Instituto de Química da UFRJ Q17 Quanta Energia! / editores Casa da Ciência. Centro Cultural de Ciência e Tecnologia da UFRJ, Comissão Nacional de Energia Nuclear, Instituto Ciência Hoje. Rio de Janeiro: UFRJ, Casa da Ciência, p. : il. ; 21 cm 1. Energia Nuclear Física. 3. Energia Nuclear Estudo e ensino. I. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Casa da Ciência. Centro Cultural de Ciência e Tecnologia. II. Comissão Nacional de Energia Nuclear. III. Instituto Ciência Hoje. CDD: Ficha catalográfica elaborada pela Divisão de Processamento Técnico - SIBI/UFRJ Editores Casa da Ciência da UFRJ Rua Lauro Müller, 3, Botafogo Rio de Janeiro - RJ CEP: Tel./Fax: (21) Comissão Nacional de Energia Nuclear/CNEN Unidade Central - Sede Rua General Severiano, 90, Botafogo Rio de Janeiro - RJ CEP Tel.: (21) / Instituto Ciência Hoje Av. Venceslau Brás, 71, fundos, casa 27, Botafogo Rio de Janeiro - RJ CEP: Tel.: (21) Distribuição gratuita

3 Sumário Apresentação Energia nuclear 4 Despertando a curiosidade Notável partícula 6 Bianca Encarnação e Cathia Abreu Sobre o átomo e suas histórias... 8 Elika Takimoto A energia que vem do átomo 13 Ivan Pedro Salati de Almeida Precioso mineral 17 Arnaldo Mezrahi A energia de Marie Curie 20 Carlos E. Bonacossa de Almeida Múltipla energia 22 Jean Remy D. Guimarães Como funciona uma usina nuclear? 24 Jefferson Borges Araújo e Paulo Adriano da Silva Quando o mundo conheceu a energia atômica 28 Paulo Fagundes Visentini O que você precisa saber sobre medicina nuclear 31 Berdj Meguerian Ciência na escola Abrindo o livro 36 Andreza Berti Jornada entre o cinema e a ciência 39 Gabriel Cid Garcia Energia em movimento Corrida atômica 46 Paula Wienskoski Atomóbile 48 Adriani Freire, Carmen Evelyn e Gustavo Lucena Duplex 50 Monica Cristina de Moraes Saiba mais... Sugestões de pesquisa 53

4 Apresentação Energia Nuclear As pesquisas e os investimentos realizados no campo da energia nuclear e a sua aplicabilidade no mundo contemporâneo, de uma forma geral, são pouco conhecidos por todos nós. Os riscos e benefícios que envolvem essas escolhas, também. Com a falsa impressão de que isso é coisa da ciência, atravessamos os dias em contato com a utilização desse conhecimento das mais variadas formas: seja na geração de energia, na conservação de alimentos, na guerra ou na medicina. Sem acesso a informações básicas que possibilitem uma reflexão sobre como a ciência se organiza e interfere na vida de cada um nós, ficamos sem opção de escolha... Seja para dizer não ao que discordamos ou consideramos um risco para a sociedade, seja para lutar pelo direito de acesso ao que pode nos proporcionar maior qualidade de vida. E só o conhecimento nos possibilita fazer escolhas conscientes. A escola, como espaço de democratização, torna-se um lugar frutífero para essa discussão. Esta publicação integra a exposição Energia Nuclear, que pretende ser um momento de encontro e debate entre aqueles que produzem, usufruem e vivem as consequências dos mais diferentes usos criados a partir dessa grande força contida em um mundo muito pequeno. O material aqui reunido foi produzido por profissionais e pesquisadores da área, em estreita colaboração com a exposição e suas atividades. Os textos apontam possíveis caminhos para trabalhar o tema em sala de aula, por meio de uma percepção crítica da realidade. Jogos e atividades lúdicas movimentam ainda mais a vontade de conhecer e aprender de diferentes maneiras. E para estimular a pesquisa e o debate com os alunos, esta edição também oferece um panorama de livros, revistas, quadrinhos, filmes e sites. Boa leitura! 4

5 Despertando a curiosidade

6 Notável partícula Olhe em volta e perceba. Se estiver dentro de casa, poderá ver camas, sofás, televisão. Ao ar livre, é possível ver árvores, pássaros, pessoas... Matéria que pode estar ou não em movimento. Como tudo isso se materializa? A resposta está contida em algo muito pequeno, minúsculo, pequena parte: o átomo. A palavra tem origem na Grécia e, se a dividirmos, obteremos o significado. Primeiro, o a, que, em grego, quer dizer negação; depois, tomo, que é o mesmo que divisível. Átomo, portanto, quer dizer algo que não se pode dividir. Era exatamente o que pensavam os estudiosos na Antiguidade. Mais tarde, os cientistas descobriram muito mais informações sobre o átomo. Uma partícula que escondia um mundo de possibilidades dentro dela. Atomistas na Antiguidade Antigos filósofos, como Leucipo, na Grécia, já desconfiavam da existência do átomo. Conhecidos como atomistas, em seus estudos, faziam comparações interessantes para explicar aos seus alunos o que poderia representar o átomo. As areias da praia, por exemplo, serviram de exemplo aos filósofos gregos em suas aulas. Perceba. Vista de longe, a areia pode parecer um imenso e homogêneo tapete branco, até o observador chegar mais perto e ver os inúmeros e minúsculos grãos. A areia, nesse caso, pode ser comparada à matéria, e o grão, ao átomo. 6

7 Embora fosse um exemplo interessante, na verdade, estava longe de explicar o átomo. Tarefa essa que precisaria de muitos estudos, feitos por cientistas do mundo todo, ao longo dos séculos. Apesar de as pesquisas evoluírem bastante, por muito tempo ainda, os pesquisadores pensaram ser o átomo, de fato, indivisível. Iam além: diziam ser uma partícula indestrutível, maciça, homogênea e neutra. Será? Modelo atômico Somente nos séculos XIX e XX, outras partes do átomo foram descobertas. Primeiro, o elétron. Mais tarde, um núcleo por onde os elétrons orbitavam, davam voltas, como a Terra faz em torno do Sol. Dentro desse núcleo, por sua vez, outras partículas foram descobertas: prótons e nêutrons. Estava traçada a estrutura atômica da matéria, ou modelo atômico, que serviria de base para inúmeros avanços da ciência. A energia está no núcleo Era um fato, existia uma energia que mantinham as partículas prótons e nêutrons juntas dentro do núcleo, e que garantia a estrutura do átomo. Constatada a energia, como criar maneiras para liberá-la? Uma das saídas para esse questionamento estava na divisão do núcleo do átomo. Por ser muito complicado explicar o processo que acontece no núcleo do átomo, alguns cientistas compararam o fenômeno com o que ocorre no interior do Sol. A energia que sentimos aqui da Terra, em forma de luz e calor, nada mais seria do que milhares de divisões ou reações em cadeia que acontecem no interior do Astro Rei, nossa maior fonte de energia nuclear. Apesar de alguns especialistas considerarem essa teoria incompleta, ela foi utilizada para explicar superficialmente as reações do átomo. Porém, a força energética oriunda do núcleo do átomo descoberta seria a fonte para importantes pesquisas da física nuclear. Muitas delas mudariam a história da humanidade. Bianca Encarnação Cathia Abreu Instituto Ciência Hoje 7

8 Sobre o átomo e suas histórias... Se algum grande desastre com a Terra acontecer, todo o conhecimento científico for destruído e só uma frase puder ser passada para a próxima geração, qual seria a afirmação que conteria a maior quantidade de informação na menor quantidade de palavras? Richard Feynman, um renomado físico do século XX e um dos pioneiros da eletrodinâmica quântica, respondeu: Todas as coisas são feitas de átomos pequenas partículas que se movem constantemente, atraindose umas às outras quando separadas por pequenas distâncias, mas repelindose ao serem comprimidas umas sobre as outras. Feynamn acreditava que nessa única frase havia uma enorme quantidade de informação sobre o Universo. Quando olhamos ao redor e nos deparamos com a incrível diversidade do mundo natural, das múltiplas formas que os objetos assumem, das texturas, dos cheiros, da variedade de materiais e substâncias, parece impossível imaginar que exista uma ordem por trás disso tudo, que todas as formas de matéria são compostas por um mesmo bloco fundamental. E, pelo que tudo indica, é assim não só aqui na Terra: os planetas e suas luas, os cometas e os asteroides, as estrelas, as nebulosas e as galáxias, todos os objetos que encontramos são feitos dos mesmos blocos fundamentais que chamamos de átomos. 8

9 Mas quando surgiu essa ideia tão fantástica? Esses átomos têm uma nobre história, que começa nos primórdios da ciência, em torno de 400 a.c., lá na Grécia antiga. Leucipo e Demócrito foram contra as ideias de Zenão e Parmênides, que concluíram, com base em vários paradoxos, que todas as mudanças observadas no mundo não ocorriam e que não adiantava afirmar que vemos algo se mexendo, pois, diria Parmênides, os nossos sentidos nos enganam. Movimentar-se, por exemplo, seria uma tarefa impossível, como afirmou Zenão, pois o mundo verdadeiro seria uno e indivisível, sem pluralidade ou evolução. Claro que muitos discordaram e se revoltaram com essas ideias; afinal, as coisas vistas e tocadas precisavam ser reais. O nascimento e a morte precisavam ser explicados! Leucipo e Demócrito argumentaram que a matéria não poderia ser dividida infinitamente, mas, partindo-a várias vezes, chegaríamos a uma partícula muito pequena, uma esfera impenetrável e invisível. E foi aí que toda essa história começou... Eles postularam a existência do átomo, que significa, em grego, indivisível. Afirmaram que o Universo seria composto de uma infinidade de átomos que se chocariam e recuariam em um movimento eterno, através de um espaço ilimitado. A grande variedade de materiais na natureza provinha, assim, dos movimentos desses átomos, que, ao colidirem, formavam conjuntos maiores, gerando diferentes corpos com características próprias. Dessa forma, cor, cheiro, gosto e tudo o mais seriam resultado das posições e dos movimentos dos átomos, que não poderiam ser vistos ou tocados. Os átomos dos gregos, porém, são bem diferentes dos átomos modernos. Para os gregos, os átomos encaixavam-se como em um jogo de lego, em estruturas. Já os átomos modernos existem devido à interação entre seus componentes: os elétrons, os prótons, os nêutrons e várias outras partículas subatômicas. átomos de Dalton Foi o inglês John Dalton ( ), que, no início do século XIX, deu o passo definitivo para essa mudança, propondo que todos os elementos químicos, do hidrogênio à platina, eram feitos de átomos, e que cada elemento tinha um átomo diferente dos demais. Ele propôs a teoria atômica/ molecular da matéria, segundo a qual cada substância seria constituída de pequenas partículas, as moléculas. H 2 O, por exemplo, é a tão conhecida representação da molécula da água, que tem dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. 9

10 Vimos cair por terra a ilusão do átomo indivisível, no final do século XIX e início do século XX, quando o físico inglês J. J. Thomson ( ) descobriu o elétron, partícula de carga negativa ainda menor do que o átomo. Além disso, Thomson sugeriu um modelo para o átomo, constituído de uma massa positivamente carregada, na qual os elétrons estariam grudados, como ameixas em um pudim. modelo atômico do pudim de ameixas Experiências realizadas em 1911, por Ernest Rutherford ( ), levaram a outra importante descoberta: as cargas positivas não se distribuem por todo o volume do átomo. Como naquela época não se dispunha de aceleradores capazes de produzir feixes de partículas de alta energia, Rutherford fez incidir partículas alfa (α), eletrizadas positivamente, sobre uma lâmina metálica muito fina. Fazê-las atravessar diferentes materiais de diferentes espessuras era um procedimento comum para avaliar sua energia. Sendo a lâmina constituída de átomos, esperava-se, com base no modelo de Thomson, que a deflexão dessas partículas fosse muito pequena. No entanto, o resultado foi surpreendente. Aproximadamente uma em cada dez mil partículas α era rebatida para trás! Isso era tão absurdo como alguém dar um tiro em uma folha de papel e a bala ricochetear de volta. Rutherford chegou à conclusão de que, nesses casos, o espalhamento resultava da colisão da partícula α com minúsculos centros no interior do átomo, contendo praticamente toda sua massa. Estava descoberto o núcleo atômico. As cargas positivas denominadas prótons estão, na verdade, concentradas no núcleo, em torno do qual giram os elétrons, tal como os planetas em torno do Sol. Rutherford ficou surpreso com a descoberta, pois os átomos se tornaram essencialmente vazios com os prótons no núcleo e os elétrons circulando em órbitas bem 10

11 distantes. Ou seja, se o Universo é feito de átomos, estamos imersos praticamente no vazio. Mesmo no mundo ao nosso redor, tudo está muito mais vazio do que pensamos. Se o núcleo de um átomo fosse do tamanho de uma bola de basquete, o elétron mais próximo do núcleo estaria a 1,5km de distância! E nós? Somos feitos de células, e cada célula feita de moléculas que são feitas de átomos. Para ser mais exata, 10¹² átomos por cada célula. Nós somos praticamente vazios! De acordo com a física clássica, porém, o modelo de Rutherford não poderia existir. Em 1913, o físico dinamarquês Niels Bohr ( ) desenvolveu um novo modelo atômico que leva o seu nome. Nele, um átomo é constituído de prótons e nêutrons, localizados no núcleo, e elétrons que se distribuem em alguns níveis permitidos de energia, formando a eletrosfera. O modelo de Bohr é mais do que suficiente para estudos básicos em eletricidade e é comum um jovem do século XXI terminar o ensino médio acreditando que o mundo é feito de átomos simples como os de Bohr. Sabe-se hoje, no entanto, que o núcleo do átomo é muito mais complexo. Experiências realizadas com raios cósmicos e em laboratórios de altas energias mostraram a existência de muitas outras partículas no interior do núcleo atômico. A descoberta dessas partículas conduziu os físicos a acreditarem na existência dos quarks como os constituintes básicos das partículas nucleares. modelo de visualização dos quarks 11

12 Para termos uma ideia, já se conhecem dezenas de outras partículas que fazem parte do núcleo e que são elementares, isto é, não possuem estrutura e são indivisíveis. Ao contrário de qualquer átomo, que é um grande espaço vazio, a matéria do núcleo é altamente concentrada. A sua densidade é enorme. A massa de 1cm 3 de um material com essa densidade seria de 240 milhões de toneladas! Apesar dessa concentração, admite-se que os núcleons, nome genérico dado aos prótons e nêutrons contidos no núcleo, também estejam distribuídos em camadas, como os elétrons no átomo. A grande proximidade entre os núcleons implica a existência de uma força de interação nuclear atrativa muito intensa para superar a repulsão eletrostática entre os prótons, o que leva a consequências extraordinárias. Uma delas é a possibilidade de obter energia do núcleo do átomo a energia nuclear. Pode ser que dividam os quarks, e os quarks dos quarks, e, assim, sempre um detalhe adicional se apresentará como novidade a ser explicada. Será que, enquanto tivermos imaginação e, em alguns casos, energia suficiente nos aceleradores de partículas, sempre teremos um nível a mais de complexidade ou será que existe um elemento unificador de todo o Universo? Na filosofia grega, entidades elementares eram definidas como aquelas que não poderiam ser divididas em constituintes ainda menores. Hoje, qualquer coisa da qual não se veja a estrutura é elementar, com a ressalva de que esta pode se revelar uma conclusão provisória. Ou seja, aquilo que não é visível a olho nu poderá ser visto ao microscópio ou mesmo com um aparelho de pesquisa muito mais sofisticado. Bom, não importa se estamos longe de responder a essa questão. Dizer que tudo é feito de partículas elementares ou átomos, que atuam de acordo com leis da física, é uma hipótese tão tentadora que parece impossível descartá-la. A ideia já tem mais de anos e os cientistas, longe de desanimarem, se enchem de entusiasmo ao encarar a paradoxal suposição de uma partícula sem estrutura gerar outras com estruturas definidas como tudo o que vemos. É possível, acompanhando mesmo de longe a complexidade do assunto, que Feynman não tenha exagerado ao se imaginar vivendo um grande desastre e, ainda assim, se esforçar para que sobrevivesse, com os poucos que restassem na Terra, a admirável ideia de que todas as coisas são feitas de átomos. Elika Takimoto Professora do Ensino Médio de Física Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca/CEFET 12

13 A que vem do energia átomo A radioatividade existe na natureza, no solo, no ar e na água, desde a formação da Terra e como consequência da interação da radiação que vem do espaço com a atmosfera. Praticamente todos os animais têm algum material radioativo em seu corpo, em função da ingestão de alimentos e da respiração. O nível da radioatividade na natureza é geralmente bastante baixo e o uso de fontes artificiais para aplicações em atividades de interesse para os homens deve ser feito com cuidado para não criar riscos adicionais. Por isso, para evitar contaminação ou irradiação desnecessária, as atividades que envolvem o uso de radiações ionizantes, como as produzidas por fontes radioativas, são sempre realizadas dentro de regras definidas, por pessoas autorizadas e com proteção. E os benefícios são muitos. Essa energia, se utilizada com responsabilidade, pode produzir eletricidade; ajudar no diagnóstico e na cura de doenças; esterilizar materiais para uso médico; ajudar a controlar equipamentos usados na fabricação de muitos materiais e produtos, como aço, papel ou enchimento de vasilhames de bebida. praia de Guarapari, ES 13

14 Na geração de energia, é utilizada largamente por países como Estados Unidos, França e Japão. A energia nuclear evita a liberação de milhares de toneladas de gases do efeito estufa, que contribui para o aumento da temperatura do planeta e consequente destruição do meio ambiente. Outro exemplo é o uso de técnicas de combate a pragas da fruticultura, como a mosca da fruta, por meio da esterilização de machos e soltura no campo, diminuindo a população do inseto com menor uso de inseticidas, que prejudicam a saúde dos consumidores e causam danos ao homem e à natureza. Benefícios ampliados Nos estudos com animais, por exemplo, é possível acompanhar como algumas substâncias agem no interior do organismo. Para isso, material radioativo é adicionado a rações e a outros alimentos, permitindo que o processo de digestão e aproveitamento pelo organismo seja avaliado com maior eficácia pelos pesquisadores. Em pesquisas com plantas, a melhor forma de colocação de adubação pode ser observada pelo acompanhamento da absorção de nutrientes, examinando como se distribui a radioatividade no vegetal. Da mesma maneira, a radiação pode ser utilizada para analisar características do solo, com informações úteis para a agricultura e para a prospecção de petróleo, por exemplo. O uso de material radiativo é mesmo amplo e o meio ambiente só tem a ganhar, à medida que as pesquisas evoluem para o uso consciente da natureza. É utilizado em análises e medição de poluentes, para o manejo em certas áreas; no mapeamento e na origem de vazões de água, para o uso racional do recurso. Além de interferências ambientais positivas, como a esterilização de lixo e dejetos orgânicos, no tratamento de esgoto e de lixo hospitalar. As pesquisas e as aplicações só aumentam. Aperfeiçoar a parceria e o uso racional da energia nuclear e da radioatividade na natureza é a meta. 14

15 É seguro? Quando o assunto é energia nuclear, a segurança é o que mais cria polêmica. Um acidente pode causar muitos transtornos. Os reatores nucleares, entretanto, têm demonstrado que essa energia pode ser utilizada de forma segura. Até hoje, houve um único acidente com reator nuclear com vítimas: o de Chernobyl, na Ucrânia, de um modelo de reator que não dispunha de todos os sistemas de segurança que hoje aparelham praticamente todos os reatores em funcionamento no mundo. Esse acidente, que causou muitas vítimas e afetou grandes áreas com a contaminação, mostrou a importância de possuir dispositivos de segurança que reatores como Angra 1 e Angra 2 já dispõem desde a sua construção. A geração de eletricidade por reatores nucleares é um fato em muitos países, como no Brasil, que tem dois reatores em funcionamento, e, sem dúvida, traz vantagens. Mas até que ponto essas vantagens superam os riscos? Os Estados Unidos dispõem de 104 reatores nucleares, que geram mais energia elétrica do que todo o sistema brasileiro de geração, incluindo as hidrelétricas. O Japão, afetado de forma trágica pela energia nuclear, pois sofreu o bombardeio atômico na Segunda Guerra Mundial, dispõe de 54 reatores nucleares, que geram 25% da energia elétrica do país. Sem contar a França, que tem mais de 75% de sua energia elétrica gerada pelos 58 reatores nucleares em operação. Esses países optaram pela energia nuclear e confiam nos sistemas de segurança que têm mantido o funcionamento seguro por mais de 40 anos. usina de Chernobyl após o acidente e nos dias de hoje 15

16 sala de treinamento de controle de Angra 2 Segurança mundial Para conviver com essa realidade, é bom saber que a segurança nuclear é sempre revista. Ela é pauta de estudos conjuntos e pesquisas feitas por vários países, que criam projetos e aperfeiçoam sistemas. Atitudes que reduzem, cada vez mais, os riscos de acidentes com reatores nucleares. É a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) que trata da segurança mundial na utilização da energia nuclear. Por meio dela, acordos internacionais são feitos, normas e exigências de segurança são revistas. Dessa maneira, outros países ficam cientes do que é preciso fazer para gerar energia nuclear com segurança. No Brasil, a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) tem o controle e a responsabilidade de licenciar e inspecionar as instalações que utilizam material nuclear. Esse licenciamento inclui uma análise cuidadosa de todos os procedimentos de segurança e da qualificação do pessoal que irá operar as instalações. Essa lista vai além das usinas nucleares e se estende por outras áreas que utilizam produtos radioativos, como as instalações médicas e industriais. A CNEN também capacita os profissionais que lidam com a segurança, que são credenciados e precisam ser oficialmente aprovados pela instituição. Criados para diminuir o risco de acidentes e evitar tragédias, esses e outros órgãos mundiais existem para garantir o uso seguro dessa forma de energia. Assim, a humanidade convive cada vez menos com os sobressaltos que a hipótese de acidente nuclear poderia trazer, desfrutando de uma fonte de energia cada vez mais importante para a manutenção do desenvolvimento da humanidade. Ivan Pedro Salati de Almeida Coordenação Geral de Assuntos Internacionais Comissão Nacional de Energia Nuclear 16

17 Precioso mineral Um mineral relativamente raro e com propriedades, no mínimo, curiosas. O nome monazita (em alemão, monazit), criado pelo mineralogista alemão Friedrich Breithaupt, vem do verbo grego monádz, que significa ser solitário, estar só, em uma alusão à raridade do material. A razão de sua suposta solidão foi a raridade com que ocorria na natureza, distribuído como pequenos cristais isolados. A monazita é um mineral pesado composto de fosfatos de terras raras (cério, lantânio, neodímio, praseodímio, érbio etc.). O tório e, algumas vezes, o urânio encontrados na monazita a tornam radioativa. O urânio contido, quando devidamente preparado, é capaz de produzir, entre outras aplicações, energia elétrica. Em geral, a monazita é amarelada, castanho-avermelhada ou vermelha. Além do mais, é magnética. Ela pode ser obtida em leitos de rios e depósitos de praias. As areias, ricas em minérios, são processadas na indústria por diversos tipos de equipamentos, para se obter o concentrado de monazita. Processa-se quimicamente o concentrado e os compostos de terras raras são alguns dos principais produtos originados. Os Estados Unidos foram os primeiros, em 1893, a explorá-la comercialmente. Depois disso, outros países mostraram seu potencial, como Índia, Austrália e Brasil. São chamados de terras raras 17 elementos químicos considerados estratégicos e 17

18 18 de grande interesse mundial, pois têm diversas aplicações, da agricultura à tecnologia de ponta. Na indústria, são utilizados como catalisadores; na metalurgia, em lâmpadas fluorescentes, refrigeradores, fibras óticas, entre outros. praia de Marataízes, ES Terapêutica nas praias? Vários elementos químicos com propriedades semelhantes são encontrados na areia da praia. Com esse conceito, os elementos químicos que constituem o grupo das terras raras do Brasil são encontrados no litoral e em alguns trechos de rios. Ricas, sobretudo, em monazita e contendo, além das terras raras, tório e urânio o que as torna natural- Terras raras no Brasil Embora não sejam mais produzidas no Brasil, as terras raras obtidas no país foram provenientes da monazita, que, por sua vez, é obtida de um concentrado natural de minerais pesados que ocorre nas praias da costa e em determinados trechos de rios. É no estado do Rio de Janeiro, em São Francisco de Itabapoana uma cidade do Norte Fluminense, onde se encontra uma quantidade bastante considerável de monazita. Mas há outros depósitos na região, como em Paraty, Angra dos Reis, Cabo Frio, Campos dos Goytacazes e Guarapari. No país, o beneficiamento das areias monazíticas teve início no final do século XIX. O mineral foi amplamente extraído, passando a ser valorizado no exterior, principalmente depois da Segunda Guerra Mundial, por suas características nucleares. mente radioativas essa areias monazíticas ficaram famosas pelo seu uso em tratamentos terapêuticos. Muitos afirmavam ter melhorado de dores ocasionadas por artrites e inflamações depois de elamear-se com essas areias. Verdade ou crendice? Não importa a resposta, o certo é que muitas pessoas ainda aproveitam as horas de lazer em algumas praias do litoral do estado do Rio de Janeiro para se divertir e cuidar da saúde.

19 Na indústria Os bens minerais produzidos a partir da monazita são voltados especialmente para a indústria de transformação. Esse e outros minerais pesados contidos em terras raras são amplamente utilizados nos setores de alta tecnologia eletrônica, ótica, nuclear, petroquímica e automobilística. Os compostos de terras raras obtidos da monazita possuem as mais diversas aplicações, conforme o elemento químico utilizado, tais como: neodímio, em laser e na fabricação de TV a cores; cério, na fabricação de lentes fotográficas e na indústria ótica corretiva; lantânio, em ótica de alta precisão e em ligas especiais; óxido, no polimento de vidros óticos e vidros de televisão; carbonato, na composição de vidros óticos; fluoreto, na metalurgia para obtenção de aços e ligas especiais. Primeiros achados Os primeiros estudos sobre os recursos minerais do Brasil foram patrocinados pelo imperador d. Pedro II. Ele convidou o geólogo francês Claude Henri Gorceix para instalar, em 1875, a Escola de Minas, com sede em Ouro Preto. Gorceix é o responsável pelas primeiras pesquisas sobre as terras raras no país, como a descrição da monazita, entre outras descobertas relevantes com elementos químicos. hólmio Grupo das terras raras Conheça a etimologia de alguns elementos químicos Lantânio - do grego lanthanon, escondido Cério - da deusa romana da fertilidade Ceres Praseodímio - do grego praso, verde, e didymos, gêmeo Neodímio - do grego neo, novo, e didymos, gêmeo Promécio - do titã Prometheus, que deu o fogo aos mortais Samário - em homenagem a Vasili Samarsky- Bykhovets, descobridor do mineral samarskite Európio - de Europa, o continente Gadolínio - em homenagem a Johan Gadolin ( ), um dos primeiros investigadores das terras raras Térbio, Érbio, Ítrio e Itérbio - de Ytterby, localidade da Suécia onde se encontra a pedreira de cujos minerais foram isolados Disprósio - do grego dysprositos, difícil de obter Hólmio - de Holmia, designação latinizada de Estocolmo, cidade natal de um dos seus descobridores Túlio - da cidade mítica de Thule Lutécio - de Lutetia, nome latino da cidade de Paris Escândio - em homenagem à Escandinávia Arnaldo Mezrahi Coordenação Geral do Ciclo do Combustível Comissão Nacional de Energia Nuclear 19

20 A energia de Marie Curie Mapa da radiação Uma forma de energia nuclear, a radioatividade acontece por meio da instabilidade dos átomos, como os de urânio e rádio, que emitem constantemente partículas e ondas eletromagnéticas. Marie Curie descobriu, com seus estudos, que são liberadas nesse processo três tipos diferentes de radiação: as partículas alfa e beta, e a radiação gama. Alfa - consiste em dois prótons e dois nêutrons, iguais ao núcleo do átomo hélio. Beta - são elétrons. Gama - radiação gama, na realidade, são ondas eletromagnéticas. É o tipo mais penetrante de radiação. Marie Curie foi a primeira mulher a receber o Prêmio Nobel, a premiação mais importante para a comunidade científica. Marie que ganhou este nome depois de seu casamento com o físico Pierre Curie, antes de ser uma famosa cientista, chamava-se Marya Sklodowska e vivia na Polônia, onde nasceu, em Era filha de dois professores e tinha uma família grande, com cinco irmãos, entre meninos e meninas. A aventura pelo mundo da ciência começou cedo. Com apenas 16 anos, ganhou medalha de ouro por seu desempenho a- cadêmico no ginásio, equivalente ao atual ensino médio. Marie quis continuar os estudos, mas, na Polônia do final do século XVII, as mulheres não podiam cursar a universidade. Marie, porém, rompeu os padrões da época e fez um pacto com sua irmã mais 20

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito MODELOS ATÔMICOS 478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito - A matéria após sofrer várias subdivisões, chegaria a uma partícula indivisível a que chamaram de átomo. - ÁTOMO a = sem tomos = divisão - Esta

Leia mais

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I 01. (Cftmg) O filme Homem de Ferro 2 retrata a jornada de Tony Stark para substituir o metal paládio, que faz parte do reator de seu peito, por

Leia mais

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas.

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas. EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS Durante algum tempo a curiosidade do que era constituída a matéria parecia ser impossível de ser desvendada. Até que em 450 a.c. o filósofo grego Leucipo de Mileto afirmava

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Estão corretos: a) apenas I, II e V. b) apenas I, III e IV. c) apenas II, III e V. d) I, II, III, IV e V. e) apenas I, II, III, IV.

Estão corretos: a) apenas I, II e V. b) apenas I, III e IV. c) apenas II, III e V. d) I, II, III, IV e V. e) apenas I, II, III, IV. 1. (Ufpr 2014) As teorias atômicas vêm se desenvolvendo ao longo da história. Até o início do século XIX, não se tinha um modelo claro da constituição da matéria. De lá até a atualidade, a ideia de como

Leia mais

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1 Rosa de Hiroshima Ney Matogrosso Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam

Leia mais

Evolução do Modelo Atómico

Evolução do Modelo Atómico Evolução do Modelo Atómico Desde a antiguidade que os homens se preocupavam em saber de que é que as «coisas» são feitas. No entanto, existiam perspectivas diversas sobre o assunto, a mais conhecida das

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Átomo e Modelos Atô t m ô ic i o c s o

Átomo e Modelos Atô t m ô ic i o c s o Átomo e Modelos Atômicos Demócrito (Sec. V a.c.) defendeu a idéia de que a matéria era composta por pequeníssimas partículas. Átomo Demócrito (460 370 A.C.) Modelo baseado apenas na intuição e na lógica.

Leia mais

1º trimestre Ciências Sala de estudos Data: Abril/2015 Ensino Fundamental 9º ano classe: Profª Elisete Nome: nº

1º trimestre Ciências Sala de estudos Data: Abril/2015 Ensino Fundamental 9º ano classe: Profª Elisete Nome: nº 1º trimestre Ciências Sala de estudos Data: Abril/2015 Ensino Fundamental 9º ano classe: Profª Elisete Nome: nº Valor: 10 Nota:.. Conteúdo: Atomística e MRU 1) Observe o trecho da história em quadrinhos

Leia mais

Química. Prof. Arilson. Aluno(a):

Química. Prof. Arilson. Aluno(a): Produção de energia Projeções indicam que até 2050 o consumo de energia terá um aumento de 160%.Uma das possíveis opções para solucionar esse problema de produção de energia é a utilização da energia nuclear.existem

Leia mais

Átomo e Modelos Atómicos

Átomo e Modelos Atómicos Átomo e Modelos Atómicos Demócrito (Sec. V a.c.) defendeu a ideia de que a matéria era composta por pequeníssimas partículas. Átomo Demócrito (460 370 A.C.) Modelo baseado apenas na intuição e na lógica.

Leia mais

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Adaptado de Professora: Miwa Yoshida www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Leucipo de Mileto ( 440 a.c.) & Demócrito (460 a.c. - 370 a.c. ) A ideia de dividirmos uma porção qualquer de matéria

Leia mais

Espectro Eletromagnético (Parte III)

Espectro Eletromagnético (Parte III) Espectro Eletromagnético (Parte III) Nesta aula estudaremos os raios ultravioleta que são raios muito utilizados em câmaras de bronzeamento artificial, dos raios X que são essenciais para os diagnósticos

Leia mais

Radiografia industrial

Radiografia industrial A U A UL LA Radiografia industrial Introdução Se você já teve algum tipo de fratura óssea ou pegou uma gripe mais forte, certamente o médico deve ter solicitado uma radiografia da área afetada, para fazer

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Evolução da ideia do átomo 1) Partícula maciça, indivisível e indestrutível; 2)

Leia mais

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo.

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo. Teoria Atômica Constituição da matéria Raízes históricas da composição da matéria Modelos atômicos Composição de um átomo Tabela periódica Raízes Históricas 6000 a.c.: descoberta do fogo 4000 a.c.: vidros,

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

Energia Nuclear. Apostila educativa. Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana

Energia Nuclear. Apostila educativa. Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana Aplicações da Energia Nuclear Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana Rua General Severiano, 90 - Botafogo - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22290-901 www.cnen.gov.br

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial.

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Radioatividade II e Energia Nuclear Meia-vida Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Meia-vida Tempo necessário para que a atividade

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s SIMULADO DE FÍSICA ENSINO MÉDIO 1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s 2) Um avião voa com velocidade constante

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Ernesto entra numa fria!

Ernesto entra numa fria! A UU L AL A Ernesto entra numa fria! Segunda-feira, 6 horas da tarde, Cristiana e Roberto ainda não haviam chegado do trabalho. Mas Ernesto, filho do casal, já tinha voltado da escola. Chamou a gangue

Leia mais

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003.

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003. 5. Fusão Nuclear Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 003. As reservas mundiais de petróleo e gás natural, nesta ordem, sofrerão grandes declínios neste

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR

EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR A radioatividade e as radiações ionizantes não são percebidas naturalmente pelos órgãos dos sentidos do ser humano, diferindo-se da luz e do calor. Talvez seja por isso que

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 Teoria atômica básica e leis ponderais Evolução dos modelos atômicos Modelo atômico atual 1 Módulo 2 Números quânticos; Distribuição eletrônica Paramagnetismo,

Leia mais

História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.)

História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.) Prof.: Manzi História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.) Teoria sobre os 4 elementos: Terra, Fogo, água e ar Aristóteles ( 350 a.c.) Quando a matéria recebe a forma ela se organiza nos quatro elementos

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

A partir do século XVII, a ciência andava a passos largos e não dava mais para acreditar que tudo ao nosso

A partir do século XVII, a ciência andava a passos largos e não dava mais para acreditar que tudo ao nosso Atividade extra Fascículo 1 Química Unidade 1 Questão 1 Cecierj - 2013 A partir do século XVII, a ciência andava a passos largos e não dava mais para acreditar que tudo ao nosso redor era formado por apenas

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1.0 Introdução O presente trabalho é resultado de uma visão futurística acerca da preservação do meio ambiente e da manutenção da vida. Alguns anos de estudo e pesquisas na área

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

CADEIAS PRODUTIVAS PARA TERRAS RARAS

CADEIAS PRODUTIVAS PARA TERRAS RARAS CADEIAS PRODUTIVAS PARA TERRAS RARAS Alvaro Toubes Prata Secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e - MCTI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA-CCT

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste Marco Antônio de Carvalho Físico Médico e Supervisor de Radioproteção em Medicina Nuclear

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 2ºTeste Sumativo 1ºPeríodo Duração do Teste:60 minutos Data: 05 / 12 / 08 Prof. Dulce Godinho

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR A Acelerador Aparelho para aumentar a velocidade e a energia de partículas elementares carregadas, como elétrons e prótons, utilizando campos elétricos e/ou

Leia mais

Conseqüências do Gás Radônio na Saúde Humana

Conseqüências do Gás Radônio na Saúde Humana Conseqüências do Gás Radônio na Saúde Humana 1 LARANA Laboratório de Radioatividade Natural do Rio Grande do Norte da UFRN. Coordenador: Pr. Dr. Thomas Ferreira da Costa Campus* Contatos: www.larana.geologia.ufrn.br

Leia mais

Informativo de Segurança e Saúde

Informativo de Segurança e Saúde Informativo de Segurança e Saúde 03/2010 Introdução: O Grupo Técnico de Estudos de Espaços Confinados GTEEC, coordenado pela CPFL Energia e ligado ao Comitê de Segurança e Saúde no Trabalho - CSST da Fundação

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade Eletricidade é uma palavra derivada do grego élektron, que significa âmbar. Resina vegetal fossilizada Ao ser atritado com um pedaço

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Imagenologia: Técnicas Radiológicas II Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 5º P Método de diagnóstico

Leia mais

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE Matéria é tudo em que você puder pensar, destas páginas que você está lendo até a cadeira que você está sentado, a água que

Leia mais

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO COLÉGIO ESTADUAL RAINHA DA PAZ, ENSINO MÉDIO REPOSIÇÃO DAS AULAS DO DIA 02 e 03/07/2012 DAS 1 ª SÉRIES: A,B,C,D,E e F. Professor MSc. Elaine Sugauara Disciplina de Química ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO As ondas

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O

Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O Mais Alimentos, Desenvolvimento e Energia P R O J E T O M A T E R I A L I N F O R M A T I V O Riquezas da nossa terra O nosso planeta se formou ao longo de milhões de anos. Nesse período a Terra passou

Leia mais

Evolução do modelo atómico

Evolução do modelo atómico Os neutrões só foram descobertos em 1932 por Chadwick. Evolução do modelo atómico Demócrito (400 a.c.) Enunciou a primeira ideia de átomo como sendo a partícula elementar que constitui toda a matéria.

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Energia Nuclear e Contaminação Radioativa. Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro

Energia Nuclear e Contaminação Radioativa. Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro Energia Nuclear e Contaminação Radioativa Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro Motivação Em todas as áreas da atividade humana ocorrem acidentes; batidas de veículos, descarrilamentos

Leia mais

na nuvem/terra como se houvesse uma longa vara de metal conectando-as. Veja como a "quebra" funciona. Quando o campo elétrico se torna muito forte

na nuvem/terra como se houvesse uma longa vara de metal conectando-as. Veja como a quebra funciona. Quando o campo elétrico se torna muito forte Introdução (relâmpago/raios) O relâmpago é um dos fenômenos mais bonitos da natureza e também um dos mais mortais. Com as temperaturas dos raios sendo maiores do que a da superfície do Sol e com as ondas

Leia mais

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica.

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Eletricidade e automação A UU L AL A O operário desperta com o toque do rádiorelógio. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Um problema Sai

Leia mais

Juliana Cerqueira de Paiva. Modelos Atômicos Aula 2

Juliana Cerqueira de Paiva. Modelos Atômicos Aula 2 Juliana Cerqueira de Paiva Modelos Atômicos Aula 2 2 Modelo Atômico de Thomson Joseph John Thomson (1856 1940) Por volta de 1897, realizou experimentos estudando descargas elétricas em tubos semelhantes

Leia mais

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 1. Conceituar a Contabilidade Ambiental; 2. Definir Meio Ambiente 3. Citar as finalidades da Contabilidade Ambiental; 4. Conhecer a evolução histórica; 3

Leia mais

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007)

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007) FQA 10º Ano Unidade 1 Química Espectro de Absorção Fonte: http://www.brasilescola.com/quimica/espectroseletromagneticos-estrutura-atomo.htm Adaptado de (Corrêa 2007) 1 Carlos Corrêa Fernando Basto Noémia

Leia mais

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA META Apresentar a origem da mecânica quântica e suas conseqüências. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: a. a hipótese quântica de Max Planck e sua aplicação

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ ELETROÍMÃS 4.1- ELETROÍMÃS ELETROÍMÃS Você já ficou sabendo que em movimento, como numa corrente elétrica, gera magnetismo. Você também já ficou sabendo que um imã em movimento próximo de um condutor faz

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB Introdução Marcos Antonio Lopes do Nascimento Universidade Federal da Paraíba marcosal99@yahoo.com.br

Leia mais

FÍSICA III AULA 01: CARGA ELÉTRICA - LEI DE COULOMB TÓPICO 03: FORÇA ELÉTRICA: A LEI DE COULOMB Você já viu no tópico anterior que corpos carregados atraem-se ou repelem-se dependendo do sinal de suas

Leia mais

São Mateus ES, Novembro de 1998 SUMÁRIO. I Introdução. II Desenvolvimento. 2.1 Leis da reações químicas. III Conclusão.

São Mateus ES, Novembro de 1998 SUMÁRIO. I Introdução. II Desenvolvimento. 2.1 Leis da reações químicas. III Conclusão. São Mateus ES, Novembro de 1998 SUMÁRIO I Introdução II Desenvolvimento 2.1 Leis da reações químicas III Conclusão IV Bibliografia I Introdução Tentar-se-à mostrar nesta obra uma pesquisa sobre a Lei das

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável

Leia mais

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar.

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar. O Inventor 1) Introdução Quem é um inventor? Aquela pessoa que cria ou descobre fórmulas diferentes ou objetos novos para a solução de problemas? Ou pessoas comuns, como eu e você, que conseguem viver

Leia mais

NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL

NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL Jessica Barbosa Tavares 1 Everton da Silva Ferraz 2 Silvia Helena Antunes dos Santos 3 RESUMO: De cunho bibliográfico a

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

1. A água. 1.1. A água e as atividades humanas

1. A água. 1.1. A água e as atividades humanas 1. A água 1.1. A água e as atividades humanas O homem utiliza a água para os mais determinados fins (Figura 1): consumo doméstico higiene pessoal e da casa, preparar os alimentos; agricultura; indústria;

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

Fontes de Energia e Meio Ambiente

Fontes de Energia e Meio Ambiente UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS ICE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Fontes de Energia e Meio Ambiente Alunos: Arina Estefânia Gomes Flávia Campos

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

AVALIAÇÃO 03 CIÊNCIAS II UNIDADE VALOR = 10,0 (DEZ)

AVALIAÇÃO 03 CIÊNCIAS II UNIDADE VALOR = 10,0 (DEZ) Aluno(a) Turma N o 6 o ano - Ensino Fundamental II Data 16 / 05 / 12 AVALIAÇÃO 03 CIÊNCIAS II UNIDADE VALOR = 10,0 (DEZ) INSTRUÇÕES: PROFESSORES: HELEN, GORRETTI, MAGNO E ROSE I. sua avaliação possui 05

Leia mais

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Profa. Katia Aquino http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Radiação ionizante Arranca elétrons da matéria não ionizante Excitação da matéria partícula http://blogtecrad.blogspot.com/2010_09_01_archive.html

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

SUGESTÕES DE VÍDEOS PARA O DIA DO MEIO AMBIENTE

SUGESTÕES DE VÍDEOS PARA O DIA DO MEIO AMBIENTE SUGESTÕES DE VÍDEOS PARA O DIA DO MEIO AMBIENTE As questões do meio ambiente estão cada vez mais presentes no cotidiano dos alunos e é importante que os professores estejam preparados para falar sobre

Leia mais

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos A RADIAÇÃO IONIZANTE O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos Palestra introdutória Curso de Física da Radiação I -2004/1 Resp.: Prof. Stenio Dore O que é radiação? Def. abrangente: É o transporte

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais