APLICAÇÃO DA RADIOLOGIA: GERAÇÃO DE ENERGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DA RADIOLOGIA: GERAÇÃO DE ENERGIA"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DA RADIOLOGIA: GERAÇÃO DE ENERGIA Moisés José dos Santos Freitas UNESC Karinn de Araújo Soares UNESC Ronald Gerard Silva - UNESC INTRODUÇÃO Desde o século XX o mundo vive a era da tecnologia, caracterizada pela rápida aplicação de conhecimentos científicos na produção de bens tecnológicos, mas, além disso, pela grande proximidade do público leigo com essa produção. Os desenvolvimentos permeiam diversas áreas, possuindo um efeito exponencial na vida das pessoas, que, se por um lado, leva a uma vida mais agitada, o surgimento do stress e a poluição do meio ambiente, por outro, as pessoas vivem cada vez mais e com maior conforto. Não é correto deixar de mencionar, entretanto, que problemas milenares como preconceito, terrorismo e desigualdades sociais ainda se mantêm vivos, e que tanto conforto para uma população tão grande custa caro. Hoje, a busca por processos de desenvolvimento sem agressão ao meio ambiente é o grande desafio tecnológico do mundo e boa parte dessa busca está voltada para as fontes alternativas de geração de energia não poluentes e renováveis. As fontes convencionais de energia, tipo petróleo, gás natural, carvão e hidrelétrica, provocam efeitos sérios sobre o meio ambiente que vão do efeito estufa à morte da fauna e flora de toda uma região. As fontes alternativas de energia, tipo os ventos, as marés, energia geotérmica, solar e nuclear, ainda assim, possuem limitações que vão desde a baixa eficiência e a alta periculosidade dos rejeitos, até o baque que causariam na indústria mundial, principalmente a do petróleo e a automobilística. Dentro dessa conjectura, a radiologia possui grande expressividade na medida em que duas poderosas e promissoras fontes de energia, tanto elétrica como térmica, fazem parte dos conhecimentos desta área. Trata-se da energia das radiações solares e dos núcleos radioativos e é sobre essas duas formas alternativas de gerar energia que Aplicação da radiologia: geração de energia vai tratar, na tentativa de alertar a comunidade sobre os ricos/esperança de mudança nos próximos anos e como a radiologia poderá contribuir para que isso aconteça. METODOLOGIA Este estudo pode ser classificado como uma pesquisa bibliográfica, no qual, primou-se especialmente por desenvolver o tema geração de energia em pavimentos até chegar aos tópicos centrais: energia solar e energia nuclear. A abordagem é iniciada a partir de como a energia influencia a vida das pessoas e dos problemas em se achar fontes alternativas viáveis. Em seguida, avaliaram-se os princípios de aproveitamento da energia solar para geração de energia, mencionando suas vantagens e desvantagens e como essa energia já pode estar influenciando a vida das pessoas de forma direta, dando ênfase às patologias resultantes. Foi também acrescentado um tópico sobre princípios básicos de física nuclear buscando facilitar a compreensão do quão magnífico é o aproveitamento dessa energia, acompanhado dos processos de aferição da energia nuclear (fissão e fusão), suas vantagens e desvantagens; não deixando de mencionar a amostragem do potencial bélico de tal energia.

2 A ENERGIA SOLAR Energia solar é a energia proveniente do Sol resultante de reações de combustão e nucleares em seu interior. Essa energia há milhares de anos alimenta de energia o nosso planeta, sendo, portanto grande responsável pela vida e pelas suas propriedades geofísicas. Acredita-se que os primeiros seres vivos, capazes de aproveitar o potencial energético do Sol para a geração de energia aproveitável pela vida, foram seres unicelulares fotossintetizantes. Hoje, o maior exemplo que podemos ter de seres desse tipo são as próprias plantas. O homem, em toda a sua sapiência, sempre sabe reconhecer uma boa idéia e copiar. Hoje, o aproveitamento da energia solar na geração de energia térmica e elétrica para o abastecimento de cidades e indústrias é uma realidade amplamente conhecida e aplicada. a) Painéis solares térmicos Destinam à geração de energia térmica a partir da energia solar que sobre eles incide. Esta radiação solar possui um comprimento de onda relativamente grande, o que a impossibilita de transpassar material maciço, sendo prontamente absorvida pela matéria e convertida em calor. Nos painéis solares, é justamente isso o que ocorre. De lá, esse calor é transmitido para um fluido (ar, água, vapor, fluido térmico, etc.) que transfere o calor para o local de utilização (secador, aquecedor, motor, refrigerador). b) Painéis solares fotovoltaicos A matéria é dotada dessa propriedade de uma propriedade chamada carga elétrica em suas partículas constituintes (prótons e elétrons) que pode ser aproveitada para a geração de energia, mas como a quantidade de cargas negativas é igual à de cargas positivas, essa propriedade é macroscopicamente escondida. Uma maneira de libertar essa propriedade se chama efeito fotoelétrico que consiste na extração de elétrons da matéria a partir de radiações de energia suficiente. As radiações solares possuem essa propriedade de interação. Os painéis solares fotovoltaicos se utilizam dessa propriedade justamente para gerar energia elétrica. A conversão direta da radiação solar em eletricidade é feita em materiais semicondutores, por incidência de fótons solares por forma a gerar corrente elétrica. c) Vantagens do uso da energia solar Fácil adaptabilidade dos módulos e portabilidade; Custo de operação reduzido; Tecnologia apresenta qualidades ecológicas, não polui. d) Desvantagens do uso da energia solar Custo elevado de manutenção; O rendimento real da conversão de energia solar em energia elétrica é baixo; FÍSICA NUCLEAR É o ramo da física que estuda as propriedades, os comportamentos dos núcleos atômicos e as reações nucleares. Os núcleos são feitos de prótons e nêutrons. Os prótons possuem a carga positiva do átomo. O número de prótons que possui um átomo é chamado número atômico, e é representado pela letra Z. Os nêutrons são partículas de carga elétrica nula. O número de nêutrons do núcleo é representado pela letra N.

3 A soma do número de prótons com o número de nêutrons resulta no número da massa do núcleo (A), e como a massa da eletrosfera é milhares de vezes menor que a do átomo, considera-se que a massa do átomo é, por aproximação, igual à massa do núcleo. É importante salientar que o núcleo não é um corpo sólido, com uma superfície bem definida, mas suas partículas nucleares são formadas por outras partículas (quarks) que nem ao menos possuem massa de repouso e não apresentam um formato definido. Entretanto, foi-se possível estabelecer que o núcleo possua um raio efetivo que é dado por: r = r0 A 1/3 onde A é o número de massa do núcleo. A unidade de medida o femtômetro, que corresponde a metro. Umas das grandes questões pela qual a física moderna teve que passar foi justamente como poderiam os prótons se manter unidos no núcleo, mesmo possuindo cargas elétricas de mesmo sinal, implicando uma repulsão enorme entre os núcleons. Fez-se, então, necessário atribuir a existência de uma força que mantém os núcleons unidos entre si para formar o núcleo, suficientemente intensa para superar a força eletromagnética de repulsão entre os prótons: força nuclear. Como essa força não é sentida fora do núcleo, diz-se que ela é uma força de curto alcance. É justamente o tipo de interação que dá origem a essa força que fornece a energia nuclear necessária à geração de energia elétrica ou térmica. Pela ilustre equação E = mc² de Albert Einstein, podemos inferir que a uma determinada quantidade de massa m, corresponde uma dada quantidade de energia E. Para pequenas quantidades de massa, correspondem enormes quantidades de energia, devido o fator c² ser uma constante de valor muito grande velocidade limite no universo ao quadrado. Um fato interessante observado experimentalmente, diz que a massa M de um núcleo é menor que a massa total m das partículas que o compõem (prótons e nêutrons). Isso significa que parte da massa dessas partículas é consumida para que haja a interação e conseqüentemente a ligação entre prótons e nêutrons. Essa energia é denominada energia de ligação e é expressa: ΔE = Σ(mc²) - Mc² ENERGIA NUCLEAR É a energia obtida através de reações nucleares onde há alterações na composição do núcleo com a geração de um novo núcleo, ou outros núcleos de massa intermediária, com a conversão de massa em energia. Existem duas formas de o homem aproveitar essa energia nuclear para convertêla em calor: pela fissão nuclear e pela fusão nuclear. a) Fissão nuclear A fissão nuclear consiste na quebra de um núcleo atômico em duas ou mais partes, gerando como produtos átomos de elementos diferentes e uma grande quantidade de energia. A fissão pode ocorrer de forma espontânea em alguns elementos ou de forma induzida. Normalmente, na reação induzida, busca-se uma reação em cadeia, que de acordo com a técnica adotada podem ocorrer de forma explosiva ou controlada. O processo induzido de forma controlada é o utilizado na geração de energia nos reatores nucleares.

4 b) Funcionamento das centrais nucleares No reator, dá-se a transformação da energia nuclear em energia térmica, através da reação em cadeia que cede sua energia para o fluido circulante que se transforma em vapor nas caldeiras - na maioria dos casos esse fluido é a água [pesada]. Na turbina, dá-se a transformação da energia térmica em energia mecânica, através da ação do vapor de água sobre as pás da turbina. No gerador, a energia mecânica se transforma em energia elétrica. c) Vantagens do uso da energia nuclear A energia nuclear é uma forma de energia que não emite nenhum gás de efeito estufa e nenhum gás causador de chuvas ácidas, além disso, não emite nenhum metal carcinogênico, teratogênico ou mutagênico e não libera gases ou partículas que causem poluição urbana ou diminuição da camada de ozônio. d) Desvantagens do uso da energia nuclear A construção dos reatores tem custos muito elevados, devido aos sistemas de emergência, de contenção de resíduos radioativos e de armazenamento. As conseqüências de acidente são catastróficas, há risco de fugas de radiação dos reatores mesmo bem isolados, a água que refrigera os reatores por vezes aparece com elevados níveis de radioatividade e a acumulação de lixos radioativos. e) Fusão nuclear Na fusão nuclear ao menos dois núcleos leves se unem para produzir um novo núcleo. Isso ocorre apenas com núcleos leves devido à energia de ligação por núcleon aumentar quando ocorre esse tipo de fenômeno. Os produtos finais das reações de fissão são livres de resíduos radioativos de longa vida. Esse fenômeno é o mesmo que ocorre nas estrelas como o Sol, e é responsável até pela energia solar de que desfruta a vida desde muito tempo. CONSIDERAÇÕES FINAIS A geração de energia como uma das várias aplicações da radiologia é um dos campos que mais abre vaga para a aplicação de conhecimentos de alto nível, além de ser essa uma preocupação geral de todas as nações do globo. Energia limpa e barata é hoje um tesouro extensamente procurado, assinalando uma mudança inevitável dos padrões de geração de energia para os próximos anos. A consciência de tal fato é direito de todos, visto as enormes mudanças na vida diária que irá trazer. A tentativa de alertar a comunidade sobre os ricos/esperança de mudança nos próximos anos e como a radiologia poderá está contribuindo para que isso aconteça a partir de seu conhecimento construído foram os focos deste trabalho. Palavras-chave: Geração de energia, Energia Solar, Energia nuclear REFERÊNCIAS MAYER-KUCKUK, T. Física nuclear, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, HALLIDAY, David; RESNICK, Robert; KRANE, Kenneth S, Física nuclear. Rio de Janeiro: LTC, cap. 54, p : Física 4.

5 HALLIDAY, David; RESNICK, Robert; KRANE, Kenneth S, Energia nuclear. Rio de Janeiro: LTC, cap. 55, p : Física 4. COSTA, Jorge Cruz. Conversão térmica da energia solar, SPES/INETI. Disponível em <http://www.spes.pt/manual_instaladores.pdf.> Acesso em: 17 out HINRICHS, Roger A.; KLEINBACH, Merlin. Energia e meio ambiente. Editora Thomson, 2003 GALVÃO, Ricardo M. O. A questão energética e a fusão nuclear controlada. CBFT/MCT, * Aluno de graduação em Tecnólogo em Radiologia Médica UNESC / Faculdade São Gabriel ** Professora Mestranda em Ciências e Saúde (UFPI) da Disciplina de Biofísica UNESC / Faculdade São Gabriel ***Professor Especialista em Administração Hospitalar (Faculdade Santo Agostinho) das Disciplinas Introdução à Radiologia e Anatomia Radiológica UNESC / Faculdade São Gabriel

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

Energia e Meio Ambiente

Energia e Meio Ambiente INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Energia e Meio Ambiente Rodrigo Valle Cezar O que é Energia INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Tudo o que existe no mundo é energia. A luz O calor A matéria Os Átomos As estrelas A

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA. Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo

GERAÇÃO DE ENERGIA. Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo GERAÇÃO DE ENERGIA Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Tipos de Geração de Energia

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

O capitalismo e a sociedade de consumo

O capitalismo e a sociedade de consumo O capitalismo e a sociedade de consumo Sociedade de consumo As sociedades dos países capitalistas desenvolvidos que usufruem intensamente dos bens e serviços existentes no mundo moderno. O consumismo contribui

Leia mais

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003.

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003. 5. Fusão Nuclear Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 003. As reservas mundiais de petróleo e gás natural, nesta ordem, sofrerão grandes declínios neste

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DOM SILVÉRIO ENSINO MÉDIO FORMAS DE ENERGIA. Belo Horizonte, abril de 2000 DEDICATÓRIA

COLÉGIO MARISTA DOM SILVÉRIO ENSINO MÉDIO FORMAS DE ENERGIA. Belo Horizonte, abril de 2000 DEDICATÓRIA COLÉGIO MARISTA DOM SILVÉRIO ENSINO MÉDIO FORMAS DE ENERGIA Belo Horizonte, abril de 2000 DEDICATÓRIA Dedico esse trabalho para todos aqueles que me ajudaram, e para as pessoas que se esforçam para economizar

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Uso de painéis solares e sua contribuição para a preservação do meio ambiente

Uso de painéis solares e sua contribuição para a preservação do meio ambiente Uso de painéis solares e sua contribuição para a preservação do meio ambiente Kíssila Chagas Pereira* Luana da Silva Riscado** Silvia Azevedo Monteiro*** Resumo Os aquecedores solares usam os painéis solares

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS

AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS Laís Schiavon Da Rocha ¹ Rozanda Guedes Da Silva Costa ² O desenvolvimento econômico e os altos padrões de vida são processos complexos

Leia mais

Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana

Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana A energia empreendida no processo de floração se equivale a energia empreendida no processo de "secagem" das flores?

Leia mais

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia A geracao de eletricidade Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia valdemir cunha/horizonte Unidades geradoras da usina hidrelétrica de Promissão, no

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

Energia Solar: Utilização como fonte de energia alternativa

Energia Solar: Utilização como fonte de energia alternativa Energia Solar: Utilização como fonte de energia alternativa Caio Peixoto Gomes* Resumo A crescente preocupação com a preservação do meio ambiente, o aumento da demanda energética, e a possível escassez

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 9 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL

NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL NOVAS FONTES DE ENERGIAS LIMPAS, PRÁTICAS NECESSÁRIAS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL Jessica Barbosa Tavares 1 Everton da Silva Ferraz 2 Silvia Helena Antunes dos Santos 3 RESUMO: De cunho bibliográfico a

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Energia Nuclear. A utilização da energia nuclear vem crescendo a cada dia. A geração núcleo elétrica é uma das alternativas menos poluentes; permite a obtenção de muita energia em um espaço físico relativamente

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS

ENERGIAS ALTERNATIVAS ENERGIAS ALTERNATIVAS Energia eólica A energia dos ventos, conhecida como eólica, é utilizada há muitos anos, para realizar trabalhos como bombear água e moer grãos. Recentemente, passou a ser considerada

Leia mais

Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008. Recursos Naturais. Melissa Albuquerque 8º C. Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira

Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008. Recursos Naturais. Melissa Albuquerque 8º C. Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008 Recursos Naturais Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira Melissa Albuquerque 8º C INTRODUÇÃO Recursos Naturais, foi o tema escolhido por nós.

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny EFEITO FOTOELÉTRICO J.R. Kaschny Histórico 1886-1887 Heinrich Hertz realizou experimentos que pela primeira vez confirmaram a existência de ondas eletromagnéticas e a teoria de Maxwell sobre a propagação

Leia mais

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s SIMULADO DE FÍSICA ENSINO MÉDIO 1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s 2) Um avião voa com velocidade constante

Leia mais

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Paola Ribas Gonçalves dos SANTOS, Maria Caroliny Camargo FLORENTINO, Jhennyfer Lopes Cerqueira BASTOS, Giselle Vanessa TREVISAN.

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: - Conhecer as diferentes formas

Leia mais

Banco de questões n.º1

Banco de questões n.º1 Banco de questões n.º1 Tema Terra em transformação Energia Lê o texto seguinte 1 : Introdução A grande diferença entre a nossa civilização e as anteriores é a capacidade de transformar e utilizar energia

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas Os combustíveis fósseis e as energias alternativas O que são combustíveis fósseis: Os combustíveis fósseis são compostos por hidrocarbonetos e são usados por exemplo como combustível. São alguns exemplos

Leia mais

Disciplina: ENERGIA E BIOENERGIA

Disciplina: ENERGIA E BIOENERGIA Disciplina: ENERGIA E BIOENERGIA Energia. Conceito. Origem e interação entre as fontes e formas de energia. Conversão de energia. Unidades de energia. Prof. Dr. Eduardo Di Mauro Departamento de Física,

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

Escola Estadual Padre Chagas. Ezequiel José Novacoski

Escola Estadual Padre Chagas. Ezequiel José Novacoski Escola Estadual Padre Chagas Ezequiel José Novacoski Vamos pensar um pouco. Primeiro devemos pensar como vem sendo cobrado a conta de energia elétrica. A conta de energia vem em KWh e cada kw custa em

Leia mais

5 tempos = 329 slides

5 tempos = 329 slides 5 tempos = 329 slides 5 tempos = 329 slides ENERGIA ELÉTRICA Prof. Marco Antonio Licenciatura Plena em Física- UFRJ E-mail: marcaoitu@gmail.com OBJETIVOS CONHECER A ESTRUTURA BÁSICA DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny EFEITO COMPTON J.R. Kaschny Os Experimentos de Compton Das diversas interações da radiação com a matéria, um destaque especial é dado ao efeito, ou espalhamento, Compton - Arthur Holly Compton (93, Nobel

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA.

ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA. ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA. 1 Quase todas as fontes de energia hidráulica, biomassa, eólica, combustíveis fósseis e energia dos oceanos são formas indiretas de energia solar.

Leia mais

Energia. Transformação da energia: No fim do século XVII, Isaac Newton lançou. Formas de energia: Energia cinética é a derivada do movimento das

Energia. Transformação da energia: No fim do século XVII, Isaac Newton lançou. Formas de energia: Energia cinética é a derivada do movimento das Energia A energia constitui o substrato básico do universo e de todos os processos de transformação, propagação e interação que nele ocorrem. Energia é a capacidade que possuem os corpos e sistemas de

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

Energia. Fontes e formas de energia

Energia. Fontes e formas de energia Energia Fontes e formas de energia Energia está em tudo que nos rodeia! Nestas situações associa-se energia à saúde ou à actividade. Energia está em tudo que nos rodeia! Diariamente, ouvimos ou lemos frases

Leia mais

Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica

Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica Segunda Lei da Termodinâmica 1. (UECE 2009) Imagine um sistema termicamente isolado, composto por cilindros conectados por uma

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo IV

Desenvolvimento Sustentável Capítulo IV Desenvolvimento Sustentável Capítulo IV As Normas e Legislação Ambiental Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo

Leia mais

Energia Solar Produção e utilização

Energia Solar Produção e utilização Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Energia Solar Produção e utilização Armando Sousa Projeto FEUP 2014/2015 -- MIEEC: Manuel

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia Metas Curriculares Ensino Básico Geografia 9.º ano Versão para discussão pública Novembro de 2013 Autores Adelaide Nunes António Campar de Almeida Cristina Nolasco Geografia 9.º ano CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ENERGIA SOLAR NO AQUECIMENTO DA ÁGUA

ENERGIA SOLAR NO AQUECIMENTO DA ÁGUA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRARIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA: SEMINÁRIOS I ENERGIA SOLAR NO AQUECIMENTO DA ÁGUA Francisco Ronaldo Belém Fernandes Orientador:

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

Energia limpa é aquela que não libera, ou libera níveis muito baixos de resíduos ou gases poluentes geradores do efeito estufa e do aquecimento

Energia limpa é aquela que não libera, ou libera níveis muito baixos de resíduos ou gases poluentes geradores do efeito estufa e do aquecimento ENERGIA LIMPA Energia limpa é aquela que não libera, ou libera níveis muito baixos de resíduos ou gases poluentes geradores do efeito estufa e do aquecimento global durante seu processo de produção ou

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Capítulo III As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a Humanidade

Leia mais

Física e Química A. Relatório da actividade prático laboratorial. Relatório realizado por: Adriana Botelho/10ºA Professora: Alcinda Anacleto APL 1.

Física e Química A. Relatório da actividade prático laboratorial. Relatório realizado por: Adriana Botelho/10ºA Professora: Alcinda Anacleto APL 1. Física e Química A Relatório da actividade prático laboratorial Relatório realizado por: Adriana Botelho/10ºA Professora: Alcinda Anacleto APL 1.2 Vila real, 26 de Abril de 2009 Índice Sumário...3 Introdução

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica A perceção dos problemas da energia nunca foi tão grande como nos nossos dias. Atualmente, é ponto assente que o crescimento do consumo de energia, verificado durante muitos

Leia mais

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio 1587938146 Jessika Costa 1581943530 Rafael Beraldo de Oliveira 1584937060 A

Leia mais

DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR

DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR ÍNDICE 01. Sol 02. Energia Solar 03. Térmica 04. Como funciona? 05. Fotovoltaica 06. Como Funciona? 07. Por que investir em Energia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA. Efeito Estufa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA. Efeito Estufa UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Efeito Estufa Prof. Nelson Luiz Reyes Marques 3 - Processos de propagação do calor Condução térmica

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA JARAGUÁ DO SUL

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

A energia sem fronteiras

A energia sem fronteiras 1.0 Introdução AR COMPRIMIDO A energia sem fronteiras Módulo I Eng. Gilson Macedo Santana Como o ar comprimido ser á nosso principal assunto, vamos iniciar fazendo algumas considerações sobre energia.

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio 1- Introdução Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se que, até 2030,

Leia mais

1. A água. 1.1. A água e as atividades humanas

1. A água. 1.1. A água e as atividades humanas 1. A água 1.1. A água e as atividades humanas O homem utiliza a água para os mais determinados fins (Figura 1): consumo doméstico higiene pessoal e da casa, preparar os alimentos; agricultura; indústria;

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Disciplina - Geografia 2 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se

Leia mais

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito MODELOS ATÔMICOS 478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito - A matéria após sofrer várias subdivisões, chegaria a uma partícula indivisível a que chamaram de átomo. - ÁTOMO a = sem tomos = divisão - Esta

Leia mais

Conservação de Energia

Conservação de Energia Conservação de Energia Sistemas físicos O que é um sistema físico? Um sistema físico é uma porção do universo que escolhemos para analisar e estudar. Sistema Fronteira Sistema Exterior Um sistema físico

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Conservação da Energia

Conservação da Energia Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos - IFSC FCM 0410 Física para Engenharia Ambiental Conservação da Energia Prof. Dr. José Pedro Donoso Agradescimentos O docente da disciplina,

Leia mais

Energias Renováveis: Energia Solar

Energias Renováveis: Energia Solar Energias Renováveis: Energia Solar Gabriela Carvalho Massa Gabriela dos Santos Borges Gabriela Maciel Lopes Jéssica Contiero Rodrigo de Araújo Moreira A Terra tem o suficiente para todas as nossas necessidades,

Leia mais