Empreendimento: Laje de Cobertura do Tribunal de Justiça da Bahia Cliente: Tribunal de Justiça da Bahia Data: 30/09/2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empreendimento: Laje de Cobertura do Tribunal de Justiça da Bahia Cliente: Tribunal de Justiça da Bahia Data: 30/09/2013"

Transcrição

1 PROJETO EXECUTIVO DE IMPERMEABILIZAÇÃO Empreendimento: Laje de Cobertura do Tribunal de Justiça da Bahia Cliente: Tribunal de Justiça da Bahia Data: 30/09/2013 REVISÃO DESCRIÇÃO DATA 00 Projeto Executivo 30/09/ Eng.º Eliseu Dantas Ramos CREA: D

2 APRESENTAÇÃO Trata o presente Projeto Executivo de Impermeabilização sobre a Laje de cobertura do Tribunal de Justiça da Bahia, situado na 5º Av. do CAB, Nº 560, Pau da Lima, Salvador, Bahia, elaborado pela Cape Consultoria e Projetos Ltda. Este Projeto tem como objetivo registrar os procedimentos necessários para a etapa de impermeabilização da referida obra, observando as normas técnicas e adequações ás situações da edificação. 2

3 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Áreas contempladas pelo projeto 2.1. Laje de cobertura do Tribunal de Justiça da Bahia 3. Etapas anteriores à impermeabilização 3.1. Preparação da superfície Preparação da base Preparação da argamassa Materiais utilizados Procedimentos Execução da regularização Dimensionamento dos sistemas 4. Impermeabilização 4.1. Impermeabilização Tipo Preparação da superfície Execução da impermeabilização Ferramentas necessárias Aplicação do sistema Consumos Detalhes 4.2. Impermeabilização Tipo Preparação da superfície Execução da impermeabilização Ferramentas necessárias Aplicação do sistema Consumos Detalhes 4.3. Impermeabilização Tipo Preparação da superfície Execução da impermeabilização

4 Ferramentas necessárias Aplicação do sistema Consumos Detalhes 5. Etapas posteriores à impermeabilização 5.1. Teste lâmina d água 5.2. Camada separadora 5.3. Isolante térmico (laje da cobertura das salas) 5.4. Proteção mecânica Proteção mecânica em superfície com trânsito normal 5.5. Tratamento de junta 6. Características dos materiais 6.1. Adesivo epóxi 6.2. Aditivos (regularização) 6.3. Areia 6.4. Asfalto oxidado 6.5. Cimento 6.6. Emulsão asfáltica 6.7. Isolante térmico 6.8. Manta asfáltica 6.9. Mastique a base de poliuretano Primer Solução asfáltica Tela galvanizada Tela plástica 7. Relação dos fabricantes 7.1. Asfalto oxidado 7.2. Adesivo epóxy 7.3. Aditivos (regularização) 7.4. Emulsão asfáltica 4

5 7.5. Filme de polietileno 7.6. Isolante térmico 7.7. Manta asfáltica 7.8. Mastique (poliuretano) 7.9. Papel Kraft betuminado Solução asfáltica Tela de poliéster Tela plástica Emulsão asfáltica 8. Planilha de quantitativos 9. Cuidados especiais / Fiscalização e acompanhamento 10. Anexo I (tabelas) 11. Anexo II (detalhes construtivos) 12. Anexos III (plantas de localização) 5

6 1. INTRODUÇÃO Conforme solicitado por V.S.as, estamos enviando o projeto de impermeabilização, incluindo: levantamento e especificação das áreas a serem impermeabilizadas, procedimentos de execução, plantas com localização das áreas impermeabilizadas, detalhes de impermeabilização, previsão de custos dos materiais para a obra em epigrafe. Os quantitativos presentes neste projeto foram levantados graficamente e deverão ser postos à medição durante a execução dos serviços. As especificações aqui contidas retratam nossa experiência na execução dos serviços de impermeabilização, bem como nosso acompanhamento na utilização dos materiais indicados, em situações similares. Cabe ao fabricante dos materiais especificados garantirem os seus produtos contra defeitos de fabricação e a Empresa contratada para a execução da obra, garantir a execução de seus serviços e mão de obra, sendo que o cliente deverá oferecer as condições de trabalho propostas nesta. Para elaboração deste Projeto foi realizada uma análise minuciosa dos projetos de arquitetura. As pranchas apresentadas no projeto executivo de impermeabilização baseiam-se nos referidos projetos. Este documento visa coordenar os serviços de impermeabilização desde a concepção do Projeto a entrega da obra. Este Projeto obedece, rigorosamente, ao estabelecido pela NBR 9575/2003 e NBR 9574/2008. Dados complementares referentes ao Projeto Arquitetônico, Estrutural, Hidráulico- Sanitário, Águas Pluviais, Gás, Elétrico, Paisagismos e outros poderão impor outras soluções que deverão ser discutidas, caso a caso, em reuniões conjuntas do nosso departamento técnico com projetistas, V.S.as. e/ou consultores da obra. Vale destacar que se faz necessária uma rigorosa fiscalização para perfeito cumprimento do projeto, durante e após a execução das etapas de impermeabilização, evitando que outras etapas de serviço venham danificar os procedimentos já executados e testados. 6

7 2. ÁREAS CONTEMPLADAS PELO PROJETO 2.1. Laje da cobertura do Tribunal de Justiça da Bahia Abóbodas; Laje de cobertura da casa de máquinas e elevadores; Laje de cobertura dos ventiladores; Lajes impermeabilizadas; Laje da cobertura das salas. 7

8 3. ETAPAS ANTERIORES A IMPERMEABILIZAÇÃO 3.1. Preparação da superfície Preparação da base A preparação da superfície é de fundamental importância para se obter um bom desempenho da impermeabilização. Para preparar a base, deverão ser adotados alguns parâmetros básicos, descritos a seguir. O substrato deve ser de concreto e se encontrar firme, coeso e homogêneo. Sua base deve estar limpa, isenta de corpos estranhos, restos de fôrmas, pontas de ferragem, restos de produtos desmoldantes ou impregnantes, falhas e ninhos de concretagem. Obs.: Após a remoção das impurezas, deve-se jatear a área com água em abundancia, até saturar o substrato, porém deve estar isento de filme ou jorro de água, se necessário utilizar detergente para total retirada das sobras destes elementos. Os ralos, caixas sinfonadas e descida do sanitário, bem como as tubulações hidráulicas deverão ser perfeitamente fixados, empregando-se o mesmo concreto estrutural. As tubulações de hidráulica, elétrica e gás e outras que passam paralelamente sobre a laje devem ser executadas sobre a impermeabilização e nunca sob ela. As tubulações aparentes devem ser executadas no mínimo 10 cm acima do nível do piso acabado, depois de terminada a impermeabilização e seus complementos. As tubulações externas as paredes devem ser afastadas entre elas ou dos planos verticais no mínimo 10 cm. Toda instalação que necessite ser fixada na estrutura, no nível da impermeabilização deve possuir detalhes específicos de arremates e reforço da impermeabilização. Após a limpeza deverão ser determinadas as cotas mínimas e máximas que poderão ser encontradas na área em questão. Os eventuais nichos e cavidades que existam na estrutura, deverão ser preenchidos com argamassa forte, traço 1:3 (em volume), de 8

9 cimento e areia, extinta de cal e arenoso. Caso necessário, utilizar aditivos promotores de aderência, base acrílica na proporção de uma parte de adesivo para duas de água. Após a definição dos caimentos, execução das mestras, umedecer com água de amassamento a superfície sobre a qual deverá ser aplicada a argamassa de regularização. Obs.: Os ralos, em geral, deverão ser chumbados com argamassa expansiva tipo Grauth. Adotar-se-á um caimento mínimo de 1% para os dutos de escoamento, de forma uniforme e espessura mínima de 1 cm para a regularização na boca do ralo. Para as áreas interna e calhas são permitidas o caimento mínimo de 0,5%. No caso das superfícies verticais serem de concreto armado, o tratamento impermeabilizante será aplicado diretamente sobre o mesmo, tomando-se o cuidado de tratar eventuais pontos fracos, tais como nichos, sendo que todos os cantos deverão ser arredondados, através da execução de meias canas, utilizando argamassa de cimento e areia, no traço de 1:3 em volume. No caso das superfícies verticais serem de alvenaria de bloco ou mistos de concreto e bloco, deve-se executar uma regularização com argamassa de cimento e areia, traço 1:3 em volume, com acabamento desempenado e poroso. Na região dos ralos e dutos de drenagem deverá ser feita uma depressão de 1 cm de profundidade, eqüidistante 40 cm, com bordas chanfradas, para que haja perfeito nivelamento após a colocação dos reforços previstos. Nos vãos de entrada dos ambientes (portas, passagens, etc.) a regularização deverá avançar no mínimo 100 cm para o seu interior, por baixo dos contramarcos e batentes, sempre respeitando o caimento. 9

10 Preparação da argamassa Materiais utilizados Aditivos promotores de aderência, base acrílica; Água limpa isenta de óleo; Areia média peneirada; Cimento CP II - 32 de fabricação recente Procedimento Após a limpeza completa do substrato, deverão ser determinadas as cotas mínimas e máximas que poderão ser encontradas na área em questão, espessura da massa. Com a definição dos caimentos e a execução das mestras, deve-se umedecer bem o substrato com água em abundancia pelo menos com 1 hora antes da execução da regularização, para promover a hidratação e melhorar a aderência da argamassa. Lembrando que se deve evitar o empoçamento. Para a preparação da argamassa recomenda-se a utilização de betoneira, para uma perfeita homogeneização da mesma. O procedimento deverá ser realizado da seguinte forma: Preparar a água de amassamento adicionando em 200 litros de água, 20 litros de aditivo, misturar bem até obter uma mistura homogênea; O traço da argamassa deverá ser 1:3 (cimento e areia) que deverá ser amolentada com a água de amassamento Execução da regularização A regularização deverá ser executada com argamassa de cimento e areia média peneirada, com granulometria inferior a 3 mm. O traço utilizado devem ser cimento e areia na proporção de 1:3 em volume, esse composto deve ser amolentado com uma 10

11 mistura adesiva composta de água + promotor de aderência, na proporção de 2:1. Para sua perfeita homogeneização é importante que sua mistura seja executada em betoneira. Superfícies horizontais deverão ter um caimento mínimo de 1% em direção aos coletores, de forma uniforme e espessura mínima de 2 cm para a regularização. Para as áreas internas e calhas é permitido o mínimo de 0,5%. Todos os cantos vivos devem ser arredondados em meia cana (r = 5,0 cm) tanto na horizontal como na vertical. Em áreas verticais tais como: rodapés, platibandas, laterais de piscina e reservatórios, a regularização deve ser feita sobre um chapisco de cimento e areia grossa, traço 1:2 em volume. A regularização deverá ficar afastada no mínimo 3 cm da superfície acabada da parede. A superfície deverá ser nivelada à régua, com textura uniforme e levemente áspera, mas sem pontas. Portanto, é importante o ajuste da granulometria da areia na confecção da argamassa de regularização. Não existindo pingadeiras ou reentrâncias adequadas para arremates na superfície vertical, sempre que possível, fazer com que a impermeabilização fique embutida. Para isto, executar um corte com altura mínima de 35 cm (acima do nível do piso acabado) e profundidade mínima de 4 a 5 cm. Na região dos ralos e dutos de drenagem deverá ser feita uma depressão de 1 cm de profundidade, eqüidistante 40 cm, com bordas chanfradas, para que haja perfeito nivelamento após a colocação dos reforços de manta previstos. Prever ralos com diâmetros de 25 mm a mais que o calculo da vazão necessária, pois o arremate da impermeabilização diminui a seção do tubo de adaptação dos mesmos. Dimensionar a quantidade e o diâmetro dos ralos compatíveis com a necessidade de escoamento das águas. É recomendado por norma um ralo a cada 50 m² para evitar excessiva altura de regularização para caimentos. O diâmetro dos ralos deve ser no mínimo 75 mm. 11

12 Nos vãos de entrada dos ambientes (portas, passagens, etc.) a regularização deverá avançar no mínimo 100 cm para o seu interior, por baixo dos contramarcos e batentes, sempre respeitando o caimento. A cota da impermeabilização e nível do piso acabado da área impermeabilizada (externa) deve ser no mínimo 6 cm inferior à cota das áreas internas, para evitar a percolação da água para as áreas internas. Tendo problemas de cotas, deve-se mudar a posição ou quantidade de ralos para diminuir a espessura da regularização para caimentos. Após a cura da argamassa de regularização antes da aplicação da impermeabilização, é importante que se façam testes de escoamento, proporcionando a identificação e correção de possíveis falhas nos caimentos. Verificar se não há fissuras e/ou trincas ocasionadas por retração hidráulica. Deve-se ter cuidado com as juntas estruturais para que o sentido do caimento da regularização das bordas da junta garanta o afastamento da água do centro das mesmas. As juntas devem estar totalmente limpas, desobstruindo sua movimentação e impedindo que materiais estranhos venham danificar a impermeabilização. É importante que se faça a verificação da capacidade de união da camada de regularização com a laje, através de impactos localizados, observando a existência de som cavo. O período mínimo de cura da camada de regularização é de 48 horas. 12

13 Dimensionamento dos sistemas Abóbodas: Regularização = 2,0 cm Impermeabilização = 1,0 cm Total = 3,0 cm + revestimento Lajes de cobertura (casa de máquinas, elevadores e lajes impermeabilizadas): Regularização = 2,0 cm (junto ao ralo + caimento = 1,0%) Impermeabilização = 1,0 cm Proteção mecânica = 3,0 cm Total = 6,0 cm (junto ao ralo + caimento = 1,0%) Laje de cobertura das salas: Regularização = 2,0 cm (junto ao ralo + caimento + piso) Impermeabilização = 1,5 cm Isolamento térmico = 2,0 cm Proteção mecânica = 3,0 cm (concreto armado) Total = 8,5 cm (junto ao ralo + caimento + piso) 13

14 4. IMPERMEABILIZAÇÃO 4.1. Impermeabilização Tipo 1 Área: Laje de cobertura da casa de máquinas e elevadores; Laje de cobertura dos ventiladores; Lajes impermeabilizadas. Sistema: Manta asfáltica a base de asfalto modificado com elastômeros, estruturada com não tecido de filamentos de poliéster, SBS e espessura de 4 mm tipo III, PP, aderida com maçarico. Justificativa do sistema: Estrutura em concreto armado não sujeita a trânsito de veículos; Dimensões das lajes e expectativa de média solicitação de esforços; Impermeabilização contra água de percolação Preparação da superfície Proceder conforme descrito no item 3.1 deste caderno Execução da impermeabilização Ferramentas necessárias Chave de fenda; Colher de pau; Espátula; Estilete; Maçarico; Meada; Metro; 14

15 Termômetro Aplicação do sistema a) Sobre a regularização, devidamente curada e testada, deverá ser aplicada uma demão de primer asfáltico com rolo ou trincha aguardando a secagem por um período mínimo de 4 horas em observância NBR 9686; b) Alinhar a manta asfáltica 4 mm tipo III obedecendo ao reenquadramento da área iniciando sua fixação no sentido dos dutos de drenagem em direção as cotas mais elevadas. A distribuição da manta obedecerá à cobertura no sentido do menor vão, ou seja, no sentido transversal; c) Proceder à total aderência da manta utilizando maçarico alimentando com gás liquefeito de petróleo (GLP). Na emenda das mantas existirá uma sobreposição de 10 cm entre laterais e 15 cm entre extremidade dos rolos, recebendo biselamento sem fogo direto; d) A impermeabilização deverá entrar na superfície interna dos tubos de drenagem aproximadamente 10 cm e ficar perfeitamente aderida aos mesmos; e) Executar testes de estanqueidade por um período de 72 horas, mantendo-se nível mínimo de 5 cm de lâmina d água, conforme NBR 9574; f) A proteção mecânica será feita sobre a camada separadora que poderá ser um bidim, filme de polietileno, papel Kraft Consumos Manta asfáltica 4 mm tipo III :1,15 m²/ m² Camada separadora :1,15m²/ m² Primer betuminoso :0,3 l/ m² Detalhes Ver anexo. Em volta de todos os ralos o sistema de impermeabilização deverá ser estruturado com o véu de poliéster adentrando em torno de 10 cm para dentro do mesmo. 15

16 4.2. Impermeabilização Tipo 2 Área: Abóbodas. Sistema: Manta asfáltica auto protegida com ardósia, a base de asfalto modificado com elastômeros, estruturada com não tecido de filamentos de poliéster, SBS e espessura de 4 mm tipo III, PP, aderida com maçarico, aplicada sobre primer. Justificativa do sistema: Estrutura em concreto armado não sujeita a trânsito de veículos; Dimensões das lajes e expectativa de baixa solicitação de esforços; Impermeabilização contra água de percolação Preparação da superfície Proceder conforme descrito no item 3.1 deste caderno Execução da impermeabilização Ferramentas necessárias Chave de fenda; Colher de pau; Espátula; Estilete; Maçarico; Meada; Metro; Termômetro. 16

17 Aplicação do sistema a) Sobre a regularização, devidamente curada e testada, deverá ser aplicada uma demão de primer asfáltico com rolo ou trincha aguardando a secagem por um período mínimo de 4 horas em observância NBR 9686; b) Alinhar a manta asfáltica 4 mm tipo III obedecendo ao reenquadramento da área iniciando sua fixação no sentido dos dutos de drenagem em direção as cotas mais elevadas. A distribuição da manta obedecerá à cobertura no sentido do menor vão, ou seja, no sentido transversal; c) Proceder à total aderência da manta utilizando maçarico alimentando com gás liquefeito de petróleo (GLP). Na emenda das mantas existirá uma sobreposição de 10 cm entre laterais e 15 cm entre extremidade dos rolos, recebendo biselamento sem fogo direto; d) A impermeabilização deverá entrar na superfície interna dos tubos de drenagem aproximadamente 10 cm e ficar perfeitamente aderida aos mesmos; e) Executar testes de estanqueidade por um período de 72 horas, mantendo-se nível mínimo de 5 cm de lâmina d água, conforme NBR 9574; f) Esse sistema de impermeabilização dispensa a camada de proteção mecânica. A camada de ardósia já serve como acabamento final Consumos Manta asfáltica 4 mm tipo III Ardosiada :1,15 m²/ m² Primer betuminoso :0,3 l/ m² Detalhes Ver anexo. 17

18 4.3. Impermeabilização Tipo 3 Área: Laje de cobertura das salas. Sistema: Manta asfáltica a base de asfalto modificado com elastômeros, estruturada com não tecido de filamentos de poliéster, SBS e espessura de 4 mm tipo III, AA, aderida com asfalto oxidado; Isolante térmico. Justificativa do sistema: Estrutura em concreto armado sujeita a trânsito de veículos; Dimensões das lajes e expectativa de grande solicitação de esforços; Impermeabilização contra água de percolação Preparação da superfície Proceder conforme descrito no item 3.1 deste caderno Execução da impermeabilização Ferramentas necessárias Caldeira; Chave de fenda; Colher de pedreiro; Espátula; Estilete; Metro; Vassoura de piaçava. 18

19 Aplicação do sistema Após a limpeza da base, proceder da seguinte forma: a) Aplicar uma demão de primer com pincel ou rolo sobre a superfície a ser impermeabilizada. Aguardar a completa secagem do mesmo que é de aproximadamente 4 horas; b) Para aplicação do asfalto oxidado ou modificado sob as mantas asfálticas será necessário que o ponto ideal do asfalto varie entre 180º C e 200º C, pois se utilizado em temperaturas superiores e inferiores sofrerá alterações nos sistemas de colagem das mantas. Para esse aquecimento deverá ser utilizado caldeira a gás; c) Fazer o alinhamento das mantas asfálticas na horizontal, conferindo assim o ponto de saída do sistema; d) Após o alinhamento da manta, rebobiná-la e iniciar a colocação, aplicando-se o asfalto na temperatura indicada no item anterior. Não exceder a 50 cm a aplicação do asfalto a frente das mantas. Logo em seguida a colocação da primeira manta, as demais deverão ser sobrepostas em 10 cm. Aplicar o asfalto na sobreposição de modo que haja excesso de asfalto, garantindo uma perfeita fusão entre as mesmas; e) Executar as mantas na posição horizontal, subindo 10 cm para a vertical. Aplicar o asfalto oxidado nas verticais e colocar a manta na posição vertical alinhando-a e aderindo-a, sobrepondo em 10 cm à mata aderida na horizontal; f) As subidas nos rodapés ou paredes terão encaixe com altura pra possibilitar a perfeita ancoragem da tela galvanizada, fio 24 BWG, malha ½ ou tela plástica e proteção mecânica; g) A proteção mecânica será feita sobre a camada separadora que poderá ser um bidim, filme de polietileno ou papel Kraft; h) Na área da laje de cobertura sobre as salas, a proteção mecânica deverá ser feita sobre uma camada de isolamento térmico. O isolante térmico deverá ser colado sobre o sistema de impermeabilização com a utilização da emulsão asfáltica. As placas de poliestireno extrudado deverão ter uma espessura mínima de 20 mm e densidade de 38 kg/m³. 19

20 Consumos Primer :0,30 l/ m² Asfalto oxidado :2,0 kg/ m² Manta asfáltica, SBS, 4 mm, tipo III :1,15 m²/ m² Isolante térmico :1,00 m²/ m² Camada separadora :1,15m²/ m² Detalhes Ver anexo. 20

21 5. ETAPAS POSTERIORES À IMPERMEABILIZAÇÃO 5.1. Teste lâmina d água De acordo com a NBR-9574/1986, deverão ser colocadas barreiras na área impermeabilizada e ser executado o teste com lamina d água (5 cm) com duração mínima de 72 horas, para a verificação da eficiência na aplicação do sistema empregado na área. Na área da piscina e reservatório o teste de estanqueidade deverá proceder em toda a carga de água da piscina Camada separadora Sobre a impermeabilização deverá ser aplicada camada separadora para evitar que os esforços dilatação e contração da argamassa de proteção mecânica atuem diretamente sobre a impermeabilização. Como camada separadora é indicada a utilização de alguns materiais como papel Kraft betuminado, ou filme de polietileno expandido espessura 1 mm. No caso dos reservatórios e piscinas esta camada deve ser de Bidim OP 20 ou Feltro Asfáltico 15 libras Isolante térmico (laje de cobertura das salas) Como isolamento térmico, deverá ser aplicada uma placa de espuma rígida de extrudado de poliestireno, xps, de estrutura de célula fechada. Esse material é eficiente na isolação térmica para altas e baixas temperaturas, tem um poder de não absorver água, elevada resistência á difusão do vapor da água, além de uma elevada resistência mecânica. 21

22 5.4. Proteção mecânica Proteção mecânica em superfície com transito normal - Lajes de cobertura da casa de maquinas, elevadores, lajes impermeabilizadas e laje da cobertura das salas: Executar uma argamassa de cimento e areia traço 1:4, com espessura mínima de 3,0 cm. Quando a proteção mecânica for piso final, esta argamassa deverá ser dividida em quadros de 1,5 m x 1,5 m com juntas de trabalho de largura mínima de 10 mm, que devem ser preenchidas com mastique a base de poliuretanos. Os panos verticais deverão receber chapisco prévio em traço 1:3 hidratado com mistura adesiva composta de água + promotor de aderência, na proporção 2:1. Nas superfícies verticais ou de grande inclinação, esta argamassa deverá ser obrigatoriamente armada com tela galvanizada hexagonal malha 1/2 e fio 23 ou 24 ou tela plástica, que deverá ser comprimida sobre a argamassa. Fixar a tela com pino de aço. As juntas perimetrais que contornam os elementos estruturais deverão ser rigorosamente obedecidas, preservando-se abertura mínima de 6 mm ou indicada em projeto estrutural para posterior preenchimento com mastique elástico a base de poliuretano ou asfalto composto de areia e emulsão asfáltica traço 3:1. Durante a etapa de confecção do contrapiso ou assentamento do revestimento, qualquer material que repousar sobre a impermeabilização deverá ficar sobre tábuas ou outro material que dissipe e distribua seu peso sobre a manta asfáltica. 22

23 5.5. Tratamento de junta Para o tratamento da junta de dilatação proceder conforme segue: A junta deverá ser limpa no seu interior e reconstituída com Grauth, conforme orientação do fabricante; A execução da junta se dará através da sobreposição de uma faixa de manta asfáltica com 30 cm de largura aderida somente nas laterais, sobre esta colocar faixa de feltro de lã de vidro com 1 de espessura e mais ou menos 10 cm de largura, sobre esta aplicar faixa de manta asfáltica pré-impregnada, com 50 cm de largura, aderida somente nas laterais, conforme detalhe em projeto; Sobre este tratamento, proceder à impermeabilização normalmente; No caso de áreas internas o mesmo procedimento descrito acima, porém, não serão executados os reforços de manta; Na área das lajes as juntas deverão ser seladas com mastique a base de poliuretano. Esse material deverá ser aplicado sobre um delimitador de área. 23

24 6. CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS 6.1. Adesivo epóxi Adesivo estrutural de base epóxi, de consistência tixotropica Aditivos (regularização) Polímero compatível com o cimento, que proporciona grande aderência da argamassa ao substrato, aumentando sua trabalhabilidade, reduzindo os efeitos da retração hidráulica Areia Deve ser lavada, seca, isenta de materiais orgânicos e peneirada. O peneiramento destina-se a obter uma granulometria adequada à finalidade dos serviços Asfalto oxidado Produto obtido pela passagem de uma corrente de ar através de uma massa de asfalto destilado de petróleo em condições de temperatura adequadas, com ou sem presença de um catalisador, tendo como característica técnica penetração entre e ponto de amolecimento 95º C 105º C (tipo III). Norma: NBR Cimento Cimento CP 32 de fabricação recente e sem presença de grumos. Norma: NBR Emulsão asfáltica Dissolução de asfalto em água aplicável com trincha, com propriedade de aderência ao substrato. 24

25 6.7. Isolante térmico Placa de espuma rígida de extrudado de poliestireno, xps, de estrutura de célula fechada. Esse material é eficiente na isolação térmica para altas e baixas temperaturas, tem um poder de não absorver água, elevada resistência á difusão do vapor da água, além de uma elevada resistência mecânica. Densidade: 38 kg / m³ 6.8. Manta asfáltica Manta asfáltica modificada com polímeros ou elastroméricos e estruturada com armadura não tecida de filamentos sintéticos, previamente estabilizada com resina termofixa, saturada com asfalto areia e polietileno devendo apresentar espessura mínima de 4,0 mm ou conforme o sistema especificado neste memorial. A manta a ser utilizada deverá obedecer rigorosamente a NBR 9952/98 sendo que de acordo com o especificado. Norma: NBR 9952/98 - Mantas asfálticas com armadura para impermeabilização Mastique a base de poliuretano Selante monocomponente à base de poliuretano, autonivelante, de cura a frio formando um elastômero de alta aderência, elasticidade, resistência mecânica e química Primer Solução asfáltica formulada com asfaltos especiais, plastificantes e cargas minerais, aplicável com trincha, homogênea e isenta de água, com propriedades de aderência ao substrato seco. Norma: NBR

26 6.11. Solução asfáltica Dissolução de asfalto em solventes, aplicável com trincha e isento de água, com propriedade de aderência ao substrato seco Tela galvanizada Tela galvanizada hexagonal, fio 24 (BWG) e malha 1/ Tela plástica Densidade: 9,5 KN / m³ Ponto fusão: 127ºC Ponto de amolecimento: 105ºC Norma: NBR 12568/92. 26

27 7. RELAÇÃO DOS FABRICANTES 7.1. Asfalto oxidado Betumat Química Ltda. Betoxi Denver Impermeabilizantes Denver Poliasfalto Vedacit do Nordeste S/A Betume 2 Viapol Impermeabilizantes Ltda. Asfalto Modificado Viapol 7.2. Adesivo epóxi Denver Impermeabilizantes Denverpóxi Max Vedacit do Nordeste S/A Coumpond Adesivo TIX Viapol Impermeabilizantes Ltda. Viapoxi 7.3. Aditivos (regularização) Denver Impermeabilizantes Denverfix Acrílico Vedacit do Nordeste S/A Vedafix Viapol Impermeabilizantes Ltda. Viafix 7.4. Emulsão asfáltica Betumat Impermeabilizantes Betufrio 400 Vedacit do Nordeste S/A Vedapren Viapol Impermeabilizantes Ltda. Vitkote 7.5. Filme de polietileno Betumat Impermeabilizantes Filme de polietileno 27

28 7.6. Isolante térmico Betumat Impermeabilizantes Betutherm 7.7. Manta asfáltica Betumat Química Ltda. Betumanta AA Denver Impermeabilizantes Denvermanta Elastic Vedacit do Nordeste S/A Manta Asfáltica Vedacit Viapol Impermeabilizantes Ltda. Torodim 7.8. Mastique (poliuretano) Betumat Impermeabilizantes PU Monoflex Denver Impermeabilizantes Denverflex Poliuretano 330 Vedacit do Nordeste S/A Vedaflex 7.9. Papel Kraft betuminado Nossa Senhora do Líbano Papel Kraft Betuminado Soluções asfáltica Betumat Impermeabilizantes Ltda. Betucreto Denver Impermeabilizantes Denvermanta Primer Vedacit do Nordeste S/A Primer Manta Vedacit Viapol Impermeabilizantes Ltda. Adeflex Tela de poliéster Denver Impermeabilizantes Denver tela de Poliéster Vedacit do Nordeste S/A Vedatex Vitória Régia Tela de Poliéster 28

29 7.12. Tela plástica Nortene Plástica Ltda. (tela de polietileno) Emulsão asfáltica Betumat Impermeabilizantes Betufrio 400 Vedacit do Nordeste S/A Vedapren Viapol Impermeabilizantes Ltda. Vitkote Obs.: Esta tabela é uma sugestão, podendo ser adotados outros fabricantes, desde que os produtos utilizados atendam as normas correspondentes. 29

30 8. PLANILHA DE QUANTITATIVOS LAJE DE COBERTURA DAS SALAS Impermeabilização Área Total Consumo Total (m²) Primer 4.905,66 0,30 l/ m² 1.471,69 l Asfalto oxidado 4.905,66 2,00 kg/ m² 9.811,31 kg Manta asfáltica SBS 4 mm tipo III 4.905,66 1,15 m²/ m² 5.641,50 m² Emulsão asfáltica 4.187, g/ m² 2.931,11 kg Isolante térmico 4.187,30 1,00 m²/ m² 4.187,30 m² Camada separadora 4.187,30 1,15 m²/ m² 4.815,39 m² LAJES DE COBERTURA CASA DE MÁQUINAS / ELEVADORES / VENTILADORES / LAJES IMPERMEABILIZADAS Impermeabilização Área Total Consumo Total (m²) Primer 858,50 0,30 l/ m² 257,55 l Manta asfáltica SBS 4 mm tipo III 858,50 1,15 m²/ m² 987,28 m² Camada separadora 711,72 1,15 m²/ m² 818,48 m² ABÓBODAS Impermeabilização Área Total Consumo Total (m²) Primer 607,16 0,30 l/ m² 182,15 l Manta asfáltica 4 mm tipo III Ardosiada 607,16 1,15 m²/ m² 698,23 m² 30

31 9. CUIDADOS ESPECIAIS / FISCALIZAÇÃO E ACOMPANHAMENTO Interditar as áreas às equipes não pertencentes aos trabalhos de impermeabilização; Checar a estrutura de concreto antes da confecção da regularização, observando ninchos, segregação, falhas de desforma, fissuras e outras possíveis falhas que fragilizem o processo de impermeabilização; Observar se as tubulações hidráulicas, elétricas, água quente e gás já estão definidas e devidamente ancoradas. Atentar para a distância dos dutos em relação às áreas tratadas (mínimo de 10 cm) prescrita na NBR 9575 / 03; Ver se os rebaixos, virados e pontos de ancoragem das mantas já estão definidos; Verificar a utilização dos equipamentos de segurança da empresa aplicadora credenciada; O aplicador deverá usar sapato de segurança com sola lisa (sem biscoitos), evitando marcar a manta asfáltica; Solicitar os fabricantes das mantas asfálticas a ficha técnica, ensaios e controle de qualidade correspondente ao número dos lotes fornecidos para cada sistema adotado; Proceder a ensaios dos materiais existentes no canteiro, em laboratórios idôneos. 31

32 ANEXO I TABELAS 32

33 Tabela 1 SOLUÇÃO ASFÁLTICA EMPREGADA COMO MATERIAL DE IMPRIMAÇÃO NA IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9686 ENSAIOS CARACTERÍSTICAS ENSAIO DE REFERÊNCIA Viscosidade Saybolt Furol, SSF, a 25ºC, S Ensaio de Destilação Destilado, % em volume do total da amostra a) Até 225ºC b) Até 360ºC 25 a 75 35% mínimo 65% mínimo ASTM D 88 ASTM D 86 Ensaio sobre resíduo de destilação a) Penetração a 25ºC, 100g, 5s, (0,1 mm) b) Ponto de amolecimento (anel e bola, ºC, Solubilidade em CS 2) 20 a a 80 99% mínimo NBR 65% ASTM D 36 ASTM D

34 Tabela 2 ASFALTO OXIDADO PARA IMPERMERMEABILIZAÇÃO NBR 9952/98 CARACTERÍSTICAS DO MATERIAL VALOR MÉTODO DE ENSAIO EXIGIDO Amostragem e Inspeção Vide Norma ASTM D 140 Ponto de amolecimento (ºC) NBR 9910 NBR 6560 Penetração (25ºC, 100g, 5s), 0,1 mm NBR 9910 item 5.1 NBR 6293 Ductibilidade (25ºC, 5 cm/ min.) cm mínimo Vide Norma NBR 9910 item 5.1 NBR 6293 Perda por aquecimento em massa (163 ºC, 5h) máxima. 1 NBR 9910 item 5.1 ASTM D 6 Penetração resíduo (% penetração original), min. 75 NBR 9910 item 5.1 NBR 6576 Solubilidade em CS2 (% em massa), min. 99 NBR 9910 item 5.1 Ponto de fulgor (ºC), min. 235 NBR 9910 item 5.1 ASTM D 92 34

35 Tabela 3 MANTA ASFÁLTICA TIPO III NBR 9952/98 CARACTERÍSTICAS DO MATERIAL VALOR EXIGIDO MÉTODO DE ENSAIO Espessura mínima (mm) 3 NBR-9952 item 6.1. Resistência à tração mínima (sentido longitudinal e transversal) 400 N NBR-9952 item 6.2. Alongamento mínimo 30% NBR-9952 item 6.3. Absorção de água Variação em massa (máximo) 3% NBR-9952 item 6.3. Resistência ao impacto à temperatura de 0º C (mínimo) 4,90 j NBR-9952 item 6.5. Flexibilidade a baixa temperatura Asfalto Elastomérico -5º C NBR-9952 item 6.4. Envelhecimento acelerado Vide Norma ASTM G 53 NBR-9952 item 6.9. Flexibilidade após envelhecimento -5 ºC NBR-9952 item 6.4. Escorrimento (mínimo) Asfalto elastomérico 95ºC NBR-9952 item 6.7. Puncionamento estático mínimo 25 kg NBR-9952 item 6.6. Estabilidade dimensional (máximo) 1% NBR-9952 item

36 Tabela 4 MANTA ASFÁLTICA TIPO IV NBR 9952/98 CARACTERÍSTICAS DO MATERIAL VALOR EXIGIDO MÉTODO DE ENSAIO Espessura mínima (mm) 4 NBR-9952 item 6.1. Resistência à tração mínima (sentido longitudinal e transversal) 550 N NBR-9952 item 6.2. Alongamento mínimo 35% NBR-9952 item 6.3. Absorção de água Variação em massa (máximo) 3% NBR-9952 item 6.3. Resistência ao impacto à temperatura de 0º C (mínimo) 4,90 j NBR-9952 item 6.5. Flexibilidade a baixa temperatura Asfalto Elastomérico -5º C NBR-9952 item 6.4. Envelhecimento acelerado Vide Norma ASTM G 53 NBR-9952 item 6.9. Flexibilidade após envelhecimento -5º C NBR-9952 item 6.4. Escorrimento (mínimo) 95º C NBR-9952 item 6.7. Asfalto elastomérico Puncionamento estático mínimo 25 kg NBR-9952 item 6.6. Estabilidade dimensional (máximo) 1% NBR-9952 item

37 ANEXO II DETALHES CONSTRUTIVOS 37

38 ANEXO III PLANTAS DE LOCALIZAÇÃO 38

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa;

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa; VIAPLUS 7000-FIBRAS 1. Descrição Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L.

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L. Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Impermeabilização Prof. André L. Gamino Normalização ABNT: Termos Gerais NBR 9575 (2010): Impermeabilização

Leia mais

Manual do Impermabilizador

Manual do Impermabilizador Rev.05 Manual do Impermabilizador Esta especificação técnica tem por objetivo fornecer subsídios na metodologia adequada de impermeabilização com mantas asfálticas. Em cada caso, deverão ser analisadas

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Características Densidade: 1,02 g/cm 3 Aparência: Cor preta Composição básica: emulsão asfáltica modificada com elastômeros

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade.

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Descrição VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente ao concreto, à alvenaria e à argamassa. VEDATOP não é tinta de acabamento,

Leia mais

VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação.

VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação. Descrição VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação. Pode ser aplicado sobre concreto, alvenaria e argamassa. VEDAJÁ proporciona impermeabilidade, mesmo com a ocorrência

Leia mais

MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade.

MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade. Data da última revisão: 03/2011 DEFINIÇÃO MANTA POLIMÉRICA é um impermeabilizante flexível a base de cimentos especiais modificados com polímeros acrílicos de excelente qualidade. MANTA POLIMÉRICA é fácil

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Rogério Ferrarezi Busch

Leia mais

lwarflex Manta asfáltica

lwarflex Manta asfáltica 8 lwarflex Manta asfáltica Manta impermeabilizante pré-fabricada à base de asfalto modificado com polímeros estruturada com poliéster pré-estabilizado. É necessário fazer proteção mecânica para proteção

Leia mais

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas Ficha Técnica de Produto Versão 20-08-2015 Viaplus 7000 1 /5 Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, flexível,

Leia mais

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas.

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. SOMA DE VALORES A JR Tecnologia em Superfícies (nome fantasia) iniciou suas atividades em 1991 com o nome JR Gonçalves

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Aplicação Campos de Aplicação - Impermeabilização de:. lajes de cobertura;. terraços;. calhas de concreto;.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442 1 SELOFLEX R Primeira linha em impermeabilizante acrílico BOLETIM TÉCNICO Como qualquer tipo de impermeabilização flexível, a estrutura deverá estar seca, mínimo de 7 dias após a regularização, limpa de

Leia mais

Execução de projetos com vista à impermeabilização

Execução de projetos com vista à impermeabilização Execução de projetos com vista à impermeabilização O arquiteto e o engenheiro, ao realizar um projeto para qualquer tipo de construção, devem preocupar-se com os problemas de impermeabilização já durante

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME 09

MÉTODO EXECUTIVO ME 09 Objetivo: FOLHA 1 de 7 O método tem como objetivo detalhar o processo de proteção estanque para piscina, utilizando membrana polimérica, de modo a propiciar o treinamento da mão de obra e por conseqüência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas. Prof. Guilherme Brigolini

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas. Prof. Guilherme Brigolini UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Prof. Guilherme Brigolini Impermeabilidade das construções Impedir a passagem indesejável água, fluído e vapores Pode conter

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance.

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance. ATENDEMOS: Aterros Sanitários Bacias de Contenção de Dejetos Box / Banheiros Box / Banheiros Sistema Drywall Espelhos D' água Estações de Tratamento de Água Estações de Tratamento de Efluentes Floreiras

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

IMPERMEABILIZAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II IMPERMEABILIZAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Conjunto de produtos e serviços destinados a conferir

Leia mais

Em toda construção o natural é ter técnica.

Em toda construção o natural é ter técnica. Em toda construção o natural é ter técnica. A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras,

Leia mais

Prof. Marcos Valin Jr. Por quê Impermeabilização. www.mvalin.com.br 1

Prof. Marcos Valin Jr. Por quê Impermeabilização. www.mvalin.com.br 1 Por quê Impermeabilizar www.mvalin.com.br 1 www.mvalin.com.br 2 www.mvalin.com.br 3 O concreto e as argamassas utilizadas nos revestimentos possuem poros, trincas epequenas fissuras, na maioria das vezes

Leia mais

Aula 24: IMPERMEABILIZAÇÃO SISTEMAS E EXECUÇÃO

Aula 24: IMPERMEABILIZAÇÃO SISTEMAS E EXECUÇÃO PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II SISEMAS

Leia mais

Soluções Técnicas em Construção

Soluções Técnicas em Construção Betumanta E Composto de asfalto elastomerico (S.B.S.), reforçado por um filme de polietileno de alta densidade com 50 micra de espessura. Esse produto foi desenvolvido para ser aplicado à maçarico. O produto

Leia mais

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA Adesivo acrílico em emulsão aquosa PROPRIEDADES DA ARGAMASSA Excelente plasticidade Boa impermeabilidade Minimiza retração após secagem A mistura permanece homogênea,

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

Sistema de Impermeabilização (Membrana)

Sistema de Impermeabilização (Membrana) Sistema de Impermeabilização (Membrana) MI - Membrana Impermeável Locais de Aplicação: Lajes, piscinas, banheiros, cozinhas, caixas d água, reservatórios, baldrames, calhas, muros de arrimo, alvenaria,

Leia mais

VEDAPREN. Densidade: 1,02 g/cm³ Aparência: Preto(a) Composição básica: Emulsão asfáltica modificada com elastômeros. Validade: 24 meses

VEDAPREN. Densidade: 1,02 g/cm³ Aparência: Preto(a) Composição básica: Emulsão asfáltica modificada com elastômeros. Validade: 24 meses Produto VEDAPREN é uma manta líquida, de base asfalto e aplicação a frio, pronta para uso e moldada no local. Cobre a estrutura com uma proteção impermeável. Apresenta ótimas características de elasticidade

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso CONTRAPISO 1 camada (s) de argamassa (s) que pode ser aplicada sobre a laje ou lastro de concreto, sobre camada de impermeabilização* ou sobre camada de isolamento térmico/acústico* (* na maioria das vezes

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS COMPOSIÇÃO: Sais inorgânicos e estabilizantes. PROPRIEDADES: Impermeabilizante de concreto e argamassas. MOGIBASE é de fácil aplicação e não altera os

Leia mais

MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS

MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS Angelo Derolle Filho SISTEMA VULKEM PRINCIPAIS VANTAGENS Sistema Impermeável

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

MACTRASET foi desenvolvido para evitar e eliminar definitivamente umidade e infiltrações, sendo de preparo e aplicação muito fáceis.

MACTRASET foi desenvolvido para evitar e eliminar definitivamente umidade e infiltrações, sendo de preparo e aplicação muito fáceis. Data da última revisão: 01/2010 DEFINIÇÃO MACTRASET foi desenvolvido para evitar e eliminar definitivamente umidade e infiltrações, sendo de preparo e aplicação muito fáceis. MACTRASET resiste às pressões

Leia mais

www.dryko.com.br Guia Técnico 4º Edição Linha de produtos Indicações de aplicação Propriedades dos produtos DRYKO

www.dryko.com.br Guia Técnico 4º Edição Linha de produtos Indicações de aplicação Propriedades dos produtos DRYKO www.dryko.com.br Guia Técnico 4º Edição Linha de produtos Indicações de aplicação Propriedades dos produtos DRYKO www.dryko.com.br Obras DRYKO está presente nas mais importantes obras no Brasil: Aeroporto

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Conceitos importantes UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Angelo Just da Costa e Silva Materiais betuminosos Impermeabilização Betume: aglomerante orgânico obtido por processo industrial (resíduo

Leia mais

Passo a passo: Impermeabilização em drywall

Passo a passo: Impermeabilização em drywall Passo a passo: Impermeabilização em drywall Banheiros de casa em steel frame são fechados com chapas de gesso específicas para esse fim. Veja como impermeabilizar corretamente esses ambientes Casas em

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES OBRA: ESTACIONAMENTOS DO COMPLEXO MULTIEVENTOS E CAMPUS DE JUAZEIRO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1/5 PISOS EXTERNOS Pavimentação em Piso Intertravado de Concreto Conforme delimitado

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO NO SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO DO EDIFÍCIO JK BELO HORIZONTE MG Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Leonardo de Carvalho

Leia mais

MANUAL TÉCNICO BETUMAT I M P E R M E A B I L I Z A N T E S

MANUAL TÉCNICO BETUMAT I M P E R M E A B I L I Z A N T E S MANUAL TÉCNICO BETUMAT Perfil Nossa empresa foi fundada em 1963 como distribuidora de betumes e, em 1968, expandimos nossas atividades e iniciamos a produção de impermeabilizantes. Atuamos na área da

Leia mais

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...);

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...); A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras, tendo como focos principais as áreas de impermeabilização

Leia mais

Descrição Geral...2. Aplicação em Obra...2. Pontos Singulares... 3. Manutenção... 4. Ambiente... 4. Segurança... 4. Sistemas de Impermeabilização...

Descrição Geral...2. Aplicação em Obra...2. Pontos Singulares... 3. Manutenção... 4. Ambiente... 4. Segurança... 4. Sistemas de Impermeabilização... ÍNDICE Descrição Geral...2 Aplicação em Obra...2 Pontos Singulares... 3 Manutenção... 4 Ambiente... 4 Segurança... 4 Sistemas de Impermeabilização... 5 Coberturas Acessíveis... 5 Coberturas de Acessibilidade

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes)

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) 1- Qual tipo de aço da vigota e qual a sua norma? São produzidas com aço estrutura ZAR 345, com revestimento Z275, no qual segue as prescritivas

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção Construção Civil Impermeabilização e Injeção Membranas moldadas in loco Vantagens da aplicação moldada in loco Agilidade na aplicação Requer cota mínima Aplicado a frio Molda-se perfeitamente ao substrato

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

Sistema para Tratamento de Juntas Brasilit. Leveza, resistência e rapidez para sua obra.

Sistema para Tratamento de Juntas Brasilit. Leveza, resistência e rapidez para sua obra. Sistema para Tratamento de Juntas Brasilit Leveza, resistência e rapidez para sua obra. Tratamento de Juntas Brasilit Existem vários tipos de tratamento de junta para as Placas Cimentícias. O tipo de tratamento

Leia mais

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA DE ARGAMASSA P R O M O Ç Ã O Início dos Serviços Alvenarias concluídas há 30 dias e fixadas internamente há 15 dias Estrutura concluída há 120 dias Contra marcos chumbados

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PREÇOS E SUBGRUPO: 48.01.00 SERVIÇOS PRELIMINARES 48.01.01 Andaimes tubulares m 3 x mes Fornecimento, montagem e desmontagem de andaime tubular de base quadrada, como também a plataforma de serviços

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR ANTES DA INSTALAÇÃO: Para podermos ter uma excelente apresentação da instalação não dependemos

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO. Construção Civil II ( TC-025) Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br

IMPERMEABILIZAÇÃO. Construção Civil II ( TC-025) Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br Impermeabilização Ministério da Educação 15:02 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) IMPERMEABILIZAÇÃO Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br

Leia mais

DRYBOX IMPERMEABILIZANTE - PISCINAS

DRYBOX IMPERMEABILIZANTE - PISCINAS ETAPA I LIMPEZA DA ÁREA PROCEDER A LIMPEZA DA ÁREA A SER IMPERMEABILIZADA. -RETIRAR MATERIAIS SOLTOS. -FAZER PEQUENOS REPAROS DE FALHAS NO REBOCO SE HOUVER. -FAZER AJUSTES NAS SAÍDAS DOS EQUIPAMENTOS.

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME - 40

MÉTODO EXECUTIVO ME - 40 Objetivo: O método tem como objetivo detalhar o processo de proteção estanque para evitar eflorescência em piscina, utilizando membrana polimérica, de modo a propiciar o treinamento da mão de obra e por

Leia mais

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO Porque Impermeabilizar? O que leva construtoras, construtores, proprietários de imóveis, etc... a procura de impermeabilizantes? De cada 10 pessoas que procuram produtos

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL Profa. Eliana Barreto Monteiro Você sabia? Que na maioria das vezes a aplicação da argamassa de reparo deve ser manual? A diferença entre reparo superficial e profundo? Procedimentos

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL. Impermeabilização e

CONSTRUÇÃO CIVIL. Impermeabilização e CONSTRUÇÃO CIVIL Impermeabilização Impermeabilização e e Injeção Injeção PROJETO E EXECUÇÃO DE IMPERMEABILIZAÇÃO EM PISCINAS COM MEMBRANA DE POLIURETANO PALESTRANTE: ENG. PAULO ROBERTO FERRAZ DATA: 14/10/2015

Leia mais

Valores em Reais. Preço Unit. (Mat.+MO) Preço Parcial 1.0 EDIFÍCIO SEDE

Valores em Reais. Preço Unit. (Mat.+MO) Preço Parcial 1.0 EDIFÍCIO SEDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS Coordenação-Geral de Recursos Logísticos Coordenação de Obras e Suporte Técnico Divisão de Engenharia PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

Figura 1 : Posição dos furos (F1 e F2) em relação aos cabos "cortados" (C1 e C50)

Figura 1 : Posição dos furos (F1 e F2) em relação aos cabos cortados (C1 e C50) Belo Horizonte, 16 de novembro de 2.009 CEFET-MG Diretoria de Planejamento e Gestão Belo Horizonte MG A/C.: Prof. Mário Basílio (marciobasilio@deii.cefetmg.br) REF.: Prédio administrativo do CEFET-MG,

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: CALÇAMENTO COM PEDRAS DE BASALTO IRREGULAR ÁREA: 4.990,99m² - CONTRATO 1016190.50 LOCAL: Rua Andina M. de Quadros, Dosalina M. de Quadros e Manoel Ferreira da Silva no Bairro

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME 33

MÉTODO EXECUTIVO ME 33 Objetivo: FOLHA 1 de 8 O objetivo do MÉTODO EXECUTIVO ME 33 é detalhar o Processo Membrana Acrílica Estruturada Impermeável (MAI), de modo a propiciar o treinamento da mão de obra e por conseqüência garantir

Leia mais

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40 PROTECTO GLASS 90 é uma série de revestimentos monolíticos termofixos, que têm sido utilizados intensamente nos Estados Unidos e Brasil como uma excelente alternativa técnica para recuperação de equipamentos

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

Resinas e. impermeabilizantes

Resinas e. impermeabilizantes Resinas e impermeabilizantes 02923 Flexível 360GR Cinza UNIT. É um adesivo selante, de alta flexibilidade e alongamento, formulado a partir de resinas elastoméricas de poliuretano, que sela a penetração

Leia mais

Componentes para telhas Brasilit

Componentes para telhas Brasilit Componentes para telhas Brasilit Selamax Selante Selante elástico para elástico colagem para e vedação colagem e vedação SolarMaxxi Manta impermeável, térmica e acústica LitFoil e LitFoil Plus Mantas térmicas

Leia mais

FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE -

FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE - FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE - Massa Leve é um aditivo capaz de produzir concreto poroso de baixa massa especifica aparente, com ótima estabilidade, isto é, com reduzida queda de volume na aplicação. Características

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

Sika Manta PS Tipo II 3mm Alumínio. Manta asfáltica com acabamento em alumínio para impermeabilização. 10 metros 1 metro. 3 mm.

Sika Manta PS Tipo II 3mm Alumínio. Manta asfáltica com acabamento em alumínio para impermeabilização. 10 metros 1 metro. 3 mm. Ficha do Produto Edição 16/09/2015 Sika Manta PS Tipo II 3mm Alumínio Manta asfáltica com acabamento em alumínio para impermeabilização. Descrição do Produto Sika Manta PS Tipo II 3mm Alumínio é uma manta

Leia mais