1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos"

Transcrição

1 1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos Pontos, eixos e planos são entidades bastante usadas como referências em sistemas CAE/CAE/CAM. Por isso a importância em estudar como definir pontos, eixos e planos de referências. E também, como estas geometrias auxiliares de agregação de dados para o modelagem de formas geométricas. Desta forma os pontos, os eixos e os planos de referência são considerados features de projeto e, assim, aparecem explicitamente na árvore de features, como elemento de informação ou como auxiliar para a geração de formas geométricas. Portanto, pontos, eixos e planos de referência ( datums ) são elementos geométricos usados para auxiliar a construção de detalhes geométricos em peças. Eles servem para posicionamento de perfis parametrizados, bem como para ajudar na definição de medidas ou restrições geométricas (valor de profundidade, ou elemento de limitação de extrusão, furos, etc.) na geração de formas geométricas 3D. E também, em muitas vezes, as features só podem ser alocadas em alguma parte da peça se forem referenciada à alguma outra features referência ( datums ). Ou seja, estas features são usadas, também, como dados geométricos necessários a construção do modelo geométrico. Assim, vai ser apresentado as ferramentas para a definição dos planos e eixos de referências nos sistemas CAE/CAD/CAM. As referências em geral podem ser criadas em qualquer momento e em qualquer ambiente, sempre que haja necessidade de usar referências para a concretização da geometria ou da análise de projeto. 1.1 Pontos de referências Os pontos de referências sâo usados em diferentes formas num sistema CAE/- CAD/CAM. A forma mais básica é na geração de outras referências, mas ele pode ser também usado para definir geometria da peças. Pontos serão necessários em vários aplicativos de análise, bem como em alguns cálculos de propriedades geométricas dos modelos. Além disso, os pontos sâo elementos indispensáveis para definição de curvas genéricas no espaço de modelamento; pode ser usado em modelamento avançado para definir forma do modelo através da importação de uma nuvem de pontos. Os pontos de referências podem ser criados em qualquer momento, durante o processo de modelamento de uma feature. Para adicionar pontos de referências usa-se a ferramenta Datum Point na interface do sistema CAE/CAD/CAM. A feramenta de criação de pontos de referência habilita 1

2 uam caixa de diálogo para a inserção de referência para a criação da entidade, como mostra 1. Figura 1: Ícones para a geração de pontos de referência e sua respectiva caixa de diálogo. Uma feature ponto de referncia pode ser criado unicamente ou conter várias definições de pontos na mesma oepração. Por ser uma feature ele será registrado na árvore do model, tendo as seguintes propriedades: quando criado multiplamente todos os pontos aparecem na árvore do modelo como um único nó; todos estes pontos atuam como um grupo e ser for removido da árvore será removido todos os componentes do grupo; os elementos individuais pode ser editados e removidos individualmente. Pontos são inseridos sobre referências que podem ser retas (arestas de peças) e planos. No exemplo da figura 2 observa-se que na caixa de diálogo o ponto foi inserido sobre o plano de frente (veja a opção on ao lado da definição de plano letra B na figura) e assim, ele espera que se defina a sua posição relativa às demais referências (plano de topo e lateral direito) no espaço de modelamento como mostra a letra A. 2

3 Figura 2: Referência necessária para posicionamento de um ponto no espaço de modelamento. A ferramenta de inclusão de pontos de referência permite que sejam criados quatro tipos de dados de pontos para o modelamento geométrico, como mostra a figura 3. Portanto, podem ser criados: 1. Pontos comuns ou gerais: O mais comum foi usado no exemplo anterior onde o ponto é criado relativo a um plano de referência e medido em relação a outros planos no próprio ambiente de modelamento. Lembrando que o ponto precisa ser bem posicionado. Ele pode estar sobre o plano de referência ou deslocado perpendicularamente em relação a ele. Em ambos os casos, como num sistema de coordenadas cartesianas o ponto precisa ser localziado relativo aos eixos, neste caso a planos perpendiculares ao plano de referência. O detalhe de quem é o eixo x ou y é resolvido pelo sistema CAE/CAD/CAM que determina a matriz de transformação necessária para posicionar o ponto no sistema de coordenadas de modelagem (MCS). 2. Pontos no ambiente de esboços de perfis ou secção paramentrizadas. Estes pontos estarão num plano definido pelo projetista; 3. Pontos a partir de um sistema de coordenadas: nesta opção o projetista aponta um sistema de coordenadas na área de modelagem e cria uma tabela de pontos em coordenadas (x, y, z) que define os pontos a ser inserido como suporte a modelagem geométrica. Nesta opção, os pontos pode ser importados num formato de texto para preencher a tabela de definição dos pontos. Esta opção é importante para o modelagem de curvas e superfícies ou nuvem de pontos, principalmente em atividades de recuperação de informação geométrica de peças que não tenham sido documentadas adequadamente por algum sistema CAE/CAD/CAM. 3

4 Figura 3: Tipos de pontos de referência a ser criados no ambiente de modelagem. 4. Pontos de referência do tipo campo ( field ): é tipo específico de ponto que são criados para ser usado em algumas aplicações de análise ou em alguns operadores modelagem de features avançadas que precisam deste dado para a concretização da forma ou análise. Estes pontos para existirem precisam de uma entidade geométrica tais como curvas, arestas, superfícies ou segmentos de superfícies do modelo em análise. 1.2 Eixos de referência Da mesma forma que os planos de referência, eixos de referência são necessários para a criação de detalhes geométricos em peças ou como informação a ser usado em operações de montagens e de fabricação. Eixos de referência são usados principalmente na criação de sólidos de revolução, onde é uma referência imprescindível. Usam-se eixos na colocação de furações, quando se deseja criar furos coaxiais, bem como na geração de matrizes de features com distribuição circular. Ou seja, todo detalhe que exige informação sobre concentricidade vai precisar de um eixo de referência como dado de entrada. Mais uma vez, lembrando os conceitos aprendido no estudo de geometria descritiva criar um eixo de referência significa usar um segmento de reta, agora com uma convenção gráfica de escrita ( normalmente exibida em traço e ponto). Pensando desta forma, os eixos de referência terão como suporte para a sua definição a entidade geométrica básica ponto, podendo ser referenciado, ainda as arestas e intersecções entre planos. A Figura 5 mostra uma forma de capturar os elementos geométricos para a criação de um eixo de referência num sistema CAE/CAD/CAM. 4

5 Figura 4: Elementos gráficos para a geração de planos de referência As entidades básicas e o resultado do seu uso são mostradas na Tabela 1, agora, para criação de eixos de referências. Nela é indicado as referências e o resultado esperado pelo uso do operador de criação da feature de projeto. Referências Um eixos ou uma aresta reta Dois pontos ou vértices Dois planos de referência ou uma superfície plana não paralelos Uma curva ou aresta curva e um de seus pontos extremos Um ponto e uma superfície Resultados O eixo de referência é criado passando pela aresta indicada O eixo fica restrito aos pontos de referência indicados ( through ) O eixo é gerado pela intersecção entre os planos de referência indicados O eixo é criado restrito tangente à curva e passando pelo ponto extremo Se o ponto está na superfície selecionada, um eixo é criado através do ponto e normal a superfície. Se o ponto não está na superfície selecionada a ferramenta abre uma caixa de diálogo, para a sua definição. Tabela 1: Referências Geométricas para a construção de eixos Na Figura 5 foi criado um eixo passando por dois vértices. Estes dados são 5

6 indicados na caixa de definição de referência do sistema CAE/CAD/CAM, aqui usado. Figura 5: Elementos para criação de um eixo de referência. 1.3 Planos de referências O recurso de geração de planos de referência está disponível em todas as interfaces de definição de dados geométricos do sistema CAE/CAD/CAM. Os ícones de referência aparecem com a cor marrom neste sistema aqui usado. Ele pode ser selecionada através de ícone mostrado na figura 6 abaixo. Figura 6: Ícones para a geração de planos de referência. Pode-se buscar nas definições da geometria descritiva nos cursos de formação básica de engenharia o conceito de planos e eixos. Basicamente, aprende-se que um plano é definido por três pontos e um eixo (que é uma reta com determinada convenção de apresentação) é definido por dois pontos. Portanto, os planos de referência usados em sistemas de modelamento geométrico nada mais são do que elementos geométricos criados a partir de entidades mais básicas da geometria, tais como: pontos, linhas, planos e a intersecção entre planos, de uma forma geral. 6

7 Desta forma, a interface de criação de planos e eixos de referência nos sistemas CAE/CAD/CAM habilita uma caixa de diálogo, para o registro das referências (entidades básicas) para criação da feature plano de referência. Ela espere que aponte até três referências podendo ser pontos, retas, planos, ou combinação destes, como é ilustrado na Figura 7. Figura 7: Caixa de diálogo esperando a definição de elementos para a construção de planos de referência, num modelo sólido. O processo de criação de planos e eixos de referência são baseadas na combinação apropriada das entidades básicas da geometria. Assim, para a criação de planos de referência pode ser usados as seguintes combinações, mostradas na Tabela 2 abaixo: A Figura 8 mostra os elementos para a criação de um plano de referência, cujas referências de criação são duas arestas da peça mostrada. Figura 8: Usando arestas de uma peça para criação de um plano de referência. Veja que Figura 8 mostra também a caixa de diálogo receptora das referências de criação do plano de referência, exibindo as referências usadas. As referências usadas podem ser classificadas em diversos tipos, tais como: sobre 7

8 Referências Dois eixos ou duas arestas coplanares (mas não coplanar) Passando por três pontos ou vértices Usando um plano de referência ou uma superfície plana e dois pontos ou vértices não colineares Usando um plano e passando por um ponto ou vértice ( não coplanar) Usando um ponto e um eixo ou uma aresta/curva (ponto não colinear a aresta) Usando um ponto e um eixo ou uma aresta/curva (ponto colinear o eixo/aresta) Resultados O plano é criado restrito através das referências ( through ) O plano fica restrito aos pontos de referência indicados criado restrito através das referências ( through ) O plano é criado normal ao plano indicado passando pelos pontos de referência indicados Plano criado restrito as referências Plano criado restrito as referências Plano criado restrito as referências e normal ao eixo/aresta Tabela 2: Referências Geométricas para a construção de planos ( on ), normal, paralelo, etc., permitindo ao projetista combinar diferentes situações para criar planos de referências. 2 Exemplo de criação de informação. Os planos e eixos de referências são essenciais para organizar a estrutura de dados no projeto de peças e produtos. Através da inserção deles no espaço geométrico, antecipadamente, a obtenção da forma geométrica pode ser controlada e obtida com mais precisão e velocidade de modelamento. Neste exemplo, vai ser usado uma seqüencia de operações com planos e eixos de referência para organizar a estrutura de dados de uma peça, que servirá tanto para o modelamento geométrico bem como posteriormente na montagem da mesma no conjunto. Neste exercício vai ser criada uma peça denominada de virabrequim. Virabrequim é uma peça usada em motores alternativos, ou em compressores. Nos primeiros, sua função principal é transmitir potência gerada pelo cilindro do motor. Essa potência é transmitida através do movimento de rotação 8

9 em torno do eixo do virabrequim, que depois será propagada para máquina pelos demais elementos de distribuição de potência: embreagem, caixa de marchas, etc.. Este elemento de máquina é muito usado em várias aplicações de produtos, sempre para conversão de movimento linear em movimento rotativo e vice-versa. Lembre-se que ao criar uma peça, o sistema CAE/CAD/CAM gera os planos de referências básicos definidos pelo arquivo semente de configuração do ambiente de modelamento. O arquivo semente de configuração do sistema é responsável em estabelece um sistema de coordenada de modelamento da peça. Desta forma, a partir deles pode-se começar preparação de dados necessários para o modelamento geométrico do virabrequim. Assim, efetue a seguintes operações: crie uma peça com o nome virabrequim; selecione os planos de topo e lateral direito e crie um eixo de nome eixo vrb crie um plano paralelo ao plano de topo com uma distância de 14 mm e com o nome pln pino; use o plano pln pino e o plano lateral direito para criar um eixo eixo pino criar um plano paralelo ao plano de frente distante 12.5 mm e chame-o de pln vrb sec e; criar um plano paralelo ao plano de frente distante mm e chameo de pln vrb sec s; Figura 9: Referências criar a geometria do virabrequim. 9

10 Com este procedimento foi criado as informações necessárias em termos de planos e eixos de referência para modelar geométricamente o virabrequim. Deve ficar claro, que os dados são dependentes da forma como um projetista modela uma peça. Mas, também, como se pode otimizar as informações necessárias para o uso da peça em diferentes atividades de projeto e manufatura. As entidades criadas no procedimento servirão de referência para a criação da geometria do virabrequim. Agora, pode-se concentrar na criação da forma do elemento central do virabrequim. Antes, porém, vai ser usado o recurso de esboços de secções parametrizada para capturar a forma do virabrequim num único esboço. Desta forma, toda a informação geométrica para geração da forma do virabrequim será colocada num perfil parametrizado (ou esboço da secção) no plano de frente. Para isso, abra o ambiente de esboços, modele e parametrize uma secção transversal, como mostra a figura 13. Figura 10: Esboço da secção usada para criar a geometria do virabrequim. 2.1 Modelando o virabrequim O esboço parametrizado na secção anterior tem todos os elementos para o modelamento geométrico do virabrequim. Isso pode ser obtido através do seguinte procedimento. 1. Modelar o eixo principal do virabrequim: deixe o esboço no estado unhide ; use a ferramenta de extrusão ( extrude tool ) e selecione no ambiente de esboços, somente a circunferência de diâmetro 12 mm com esboço desta operação; 10

11 de volta ao ambiente de captura de dados do operador extrusão, use a aba Options e habilite os dois lados com o estado Blind: as dimensões de extrusão nas duas direções são 80 mm e 45 mm respectivamente. Complete a feature de extrusão 1. Figura 11: Criando eixo principal do virabrequim. 2. Modelar o corpo principal do virabrequim: Habilite de novo a ferramenta de extrusão. como esboço do parte principal escolha somente a secção mais externa do esboço já modelada e volte para área de captura de dados da extrusão; use a aba Options e habilite os dois lados com o estado Selected reference e selecione respectivamente os planos pln vrb sec e e pln vrb sec s como limites da extrusão; Complete a feature de extrusão 2. Figura 12: Criando o corpo principal da geometria do virabrequim. 3. Criando um corte para gerar o eixo de conexão virabrequim/biela 11

12 Habilite de novo a ferramenta de extrusão. Como esboço de criação da extrusão selecione o círculo de diâmetro de 10 mm e retorne ao ambiente de captura de dados do operador extrusão. Use com opção a extrusâo simétrica em relação ao plano de esboço e de uma dimensâo de 10 mm. Selecione o ícone remoção de material e use a seta para definir o lado de retirada de material. Complete a feature de extrusão 2. Figura 13: A geometria do virabrequim. Veja que com o planejamento da estrutura de dados e referências junto com o planejamento das operações para gerar geometria, facilmente as peças vão sendo modeladas. Isso demonstra a importância do planejamento de qualquer atividade relacionada ao uso de sistemas CAE/CAD/CAM no projeto de peças e produtos. Compreender como se usa a estrutura de dados do sistema, seus operadores é uma das primeiras atividades para o bom uso dos mesmos. 2.2 Renomeando as variáveis de projeto. Uma atividade importante durante e/ou depois do modelamento de uma peça através de features é ir redefinindo as variáveis de projeto. Para isso, o sistema CAE/CAD/CAM,em geral, oferecem dois tipos de informação sobre a parametrização das peças: na forma numérica, significando as dimensões usadas no esboço da geometria e na forma literal, indicando a nomeação do parâmetro associado as dimensões usadas para criar a geometria. Isso é apresentado em diversas formas dependendo do sistema CAE/CAD/CAM. Neste sistema CAE/CAD/CAM, pode-se acessar esta informação da seguinte maneira: ao usar o botão direito sobre a árvore de features, e sobre o detalhe da peça, através da opção Edit, é apresentada na área gráfica as 12

13 dimensões do detalhe apontada. Por default a parametrização da peça é mostrada dimensionalmente, como ilustra a Figura 15. Figura 14: Valores dimensionais do perfil do virabrequim. Através da informação do menu Info > Switch Dimension as dimensões podem ser exibidas em formato numérico ou literal (textual). Na área gráfica, com as variáveis exibidas pode-se apontar para elas e criar os nomes de variáveis com significado de projeto para as dimensões das peças. Estas variáveis podem ser usadas depois para estabelecer relações entre elas, e assim definir um maior controle do projeto geométrico da peça. Na verdade, o próprio sistema CAE/CAD/CAM já vai criando váriaveis literais associadas as restrições dimensionais que são usadas para definir a geometria da peça. Como elas são uma enumeração de variáveis é melhor selecionar aquelas que vão controlar o projeto da peça e renomeá-las adequadamente. O seguinte procedimento pode ser usado para renomeação de variáveis: Se a dimensão não está exposta, usa-se a árvore de features para obter as dimensões da mesma. Isso pode ser dado pela edição da feature : com o mouse direito sobre ela, escolha no menu pop-up a opção Edit para que ela exiba as dimensões da feature na área gráfica. Use Info > Switch Dimension para mostrar as dimensões em formato numérico ou textual. Na dimensão que deve ser renomeada, com o botão direito do mouse sobre ela, escolha e abra o opção Properties, que por sua vez, habilitará uma caixa de diálogo para editar as propriedades da dimensão. Na aba Dimension text e na caixa de texto Name renomeie o parâmetro da feature para um nome de variável com significado de projeto. 13

14 Por último, confirme a mudança para incluir o novo nome da variável na peça. Um exemplo de exibição das variáveis paramétricas de um bloco é ilustrado na Figura. Figura 15: Valores das variáveis paramétricas do perfil do virabrequim. Assim, através da informação do menu Info > Switch Dimension os parâmetros que compõem um detalhe da peça (uma feature ) é exibida no formato numérico ou literal. E com ela, exibir os atributos das variáveis, criar os nomes, e definir assim um melhor controle dos parâmetros que definem a geometria da peça. Voltando para o ambiente de modelamento do exemplo 2, isto é, em visualização de peças, use a estratégia acima para modificar os nomes das variáveis de projeto dos furos internos do esboço para dia pino e dia vrb, respectivamente, como mostra a figura 16. Figura 16: Criando variáveis de projeto na secção parametrizada para criar a geometria do virabrequim. Assim, as outras variáveis paramétricas da peça, que são criadas automaticamente pelo sistema podem ser mudadas para uma nomenclatura que tenha um significado para o projeto da peça. Desta forma, o modelo agrega, 14

15 além das informações geométricas, as informações de projeto semanticamente coerentes, que serve para criar e controlar a geometria de um virabrequim, a partir de um esboço de projeto bem documentado. Com a ferramenta de criação de geometria por extrusão, a forma 3D do virabrequim será concretizada, conforme foi mostrado na secção 2.1. Também as variáveis criadas pelos operadores de geração de forma geométrica podem ser renomeadas para ser usada no controle do modelo. 15

Introdução ao SolidWorks (I): Funcionalidades Básicas. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao SolidWorks (I): Funcionalidades Básicas. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao SolidWorks (I): Funcionalidades Básicas João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia n SolidWorks 2014 Teacher Guide SolidWorks n SolidWorks 2014 Student Workbook SolidWorks

Leia mais

Dicas. Simplificando o Método Top Down Design. Construindo uma Montagem com a Ferramenta Skeleton

Dicas. Simplificando o Método Top Down Design. Construindo uma Montagem com a Ferramenta Skeleton Dicas Simplificando o Método Top Down Design Construindo uma Montagem com a Ferramenta Skeleton O Creo Elements/Pro, anteriormente chamado de Pro/ENGINEER, possui capacidade de criar uma estruturação parametrizada

Leia mais

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto.

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto. UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 2 Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples a) Defina um novo projeto para conter

Leia mais

Autodesk Inventor 7. Tutorial de Modelamento 3D Básico. Modelamento de uma Polia. Autor: Cristiano Nogueira Silva

Autodesk Inventor 7. Tutorial de Modelamento 3D Básico. Modelamento de uma Polia. Autor: Cristiano Nogueira Silva Autodesk Inventor 7 Tutorial de Modelamento 3D Básico Modelamento de uma Polia Autor: Cristiano Nogueira Silva Reprodução e divulgação totalmente permitidas pelo autor. Apenas pedimos que sejam mantidas

Leia mais

Curso Autodesk Inventor CADesign Parte 1

Curso Autodesk Inventor CADesign Parte 1 Autodesk Inventor 5 - Tutorial de Modelamento 3D Pág. 1/24 Curso Autodesk Inventor CADesign Parte 1 Cristiano Nogueira Silva* Começamos nesta edição da revista apresentando um curso de Autodesk Inventor

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

Construindo recursos de tratamento

Construindo recursos de tratamento Construindo recursos de tratamento Número da Publicação spse01530 Construindo recursos de tratamento Número da Publicação spse01530 Notificação de Direitos Limitados e de Propriedade Este software e a

Leia mais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Lição 1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Visão geral do fluxo de trabalho de desenho de quadro estrutural Você pode criar segmentos de caminho e quadros estruturais usando o aplicativo

Leia mais

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Antes de iniciar o tutorial, baixar os seguintes arquivos da página do Prof. Wilson: Plataforma reutilizável: http://homepages.dcc.ufmg.br/~wilson/praxis/3.0/praxis.zip

Leia mais

Construindo recursos procedimentais

Construindo recursos procedimentais Construindo recursos procedimentais Número da Publicação spse01535 Construindo recursos procedimentais Número da Publicação spse01535 Notificação de Direitos Limitados e de Propriedade Este software e

Leia mais

Introdução ao Pro/ENGINEER

Introdução ao Pro/ENGINEER Introdução ao Pro/ENGINEER Benefícios da Modelagem de Sólidos: Modelos sólidos possuem volumes e cálculos de áreas Você pode obter propriedades de massa diretamente do modelo gerado. Figura 1: Exemplo

Leia mais

O objetivo deste capítulo será construir o modelo tridimensional da biela superior, utilizando as ferramentas do CATIA V5 Part Design..

O objetivo deste capítulo será construir o modelo tridimensional da biela superior, utilizando as ferramentas do CATIA V5 Part Design.. DAC 6 DESENHO E MANUFATURA AUXILIADO POR COMPUTADOR EXERCÍCIO PROF. DANIEL CAMUSSO 2007 VERSÃO 02 1 Modelamento sólido O objetivo deste capítulo será construir o modelo tridimensional da biela superior,

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

Moldes - SolidWorks. modelo do tipo Part. Defina o perf il seguinte: uma extrusão, em modo Mid Plane, de 60 mm.

Moldes - SolidWorks. modelo do tipo Part. Defina o perf il seguinte: uma extrusão, em modo Mid Plane, de 60 mm. Moldes - SolidWorks O objetivo deste tutorial é demonstrar o uso de algumas ferramentas de modelação 3D do Sol idworks e a obtenção automática das partes moldantes de componente Em Sol idworks faça cl

Leia mais

Tutorial Baseado em video do Sr. Rafael Streda.

Tutorial Baseado em video do Sr. Rafael Streda. Tutorial Baseado em video do Sr. Rafael Streda. Tipos de Conexões Veremos nestes exemplos os Tipos de Conexões entre obejtos existentes no Active3D, o objetivo é mostrar de uma forma bem prática a aplicação

Leia mais

Curso de Treinamento no Solid Edge

Curso de Treinamento no Solid Edge Curso de Treinamento no Solid Edge Versão 17.0 Módulo 5 - Construindo Features Especiais - I Editores: Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Marcelo Soares da Silva Laboratório de Sistemas Computacionais Faculdade

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria Calculando uma peça com o CALDsoft7 É muito simples calcular uma peça com o CALDsoft7, basta seguir os passos apresentados abaixo: - Escolher a peça

Leia mais

Desenho bidimensional

Desenho bidimensional Desenho bidimensional As empresas tem migrado do desenho 2D para o 3D pelos seguintes motivos: Diminuição do ciclo de desenvolvimento do produto; Fornecimento de informações atualizadas; Evitar ou diminuir

Leia mais

1. Abra o ambiente Solid Edge Assembly.

1. Abra o ambiente Solid Edge Assembly. SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 10 MONTANDO O CONJUNTO O objetivo deste tutorial é fazer com que você tenha um contato inicial com o ambiente Assembly e introduzir conceitos básicos de montagem. É importante que

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD INTRODUÇÃO AO AUTOCAD O AUTOCAD é um software que se desenvolveu ao longo dos últimos 30 anos. No início o programa rodava no sistema D.O.S., o que dificultava um pouco seu uso. Com o surgimento do sistema

Leia mais

Introdução ao SolidWorks (VI): Elementos de Rotação e de Sweep. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao SolidWorks (VI): Elementos de Rotação e de Sweep. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao SolidWorks (VI): Elementos de Rotação e de Sweep João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Elemento de Revolução n n n Um elemento de revolução, é criado por rotação de um perfil

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

Relatórios de montagem

Relatórios de montagem Relatórios de montagem Número da Publicação spse01660 Relatórios de montagem Número da Publicação spse01660 Notificação de Direitos Limitados e de Propriedade Este software e a documentação relacionada

Leia mais

Os ícones que são usados nos desenhos de moldes estão dispostos na paleta na seguinte ordem:

Os ícones que são usados nos desenhos de moldes estão dispostos na paleta na seguinte ordem: Paleta de moldes Os ícones que são usados nos desenhos de moldes estão dispostos na paleta na seguinte ordem: A seguir, apresentam-se os comandos mais usados, indicando seu ícone correspondente, informação

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor Introdução O SIAP, Sistema de Apoio ao Professor, é um programa que vai contribuir, de forma decisiva, com o cotidiano escolar de alunos, professores, gestores e funcionários administrativos. Com a implantação

Leia mais

Tutorial Word 2007. Estilos. 1. Estruturação do Documento. 1.1 Mapa do documento. Tutorial Word 2007

Tutorial Word 2007. Estilos. 1. Estruturação do Documento. 1.1 Mapa do documento. Tutorial Word 2007 Tutorial Word 2007 Este tutorial pretende introduzir algumas das ferramentas automáticas do Word para a geração de sumários, índices de figuras ou tabelas, referencias e citações automáticas ao longo do

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

COMO FAZER ROSCAS PARA DESENHO

COMO FAZER ROSCAS PARA DESENHO COMO FAZER ROSCAS PARA DESENHO Para criação de roscas existem 2 opções que o SolidWorks disponibiliza, você pode modelar a rosca ou apenas fazer uma indicação que mostra a existência da rosca mas não carrega

Leia mais

Módulo de Georreferenciamento. Sistema. Página 1/75

Módulo de Georreferenciamento. Sistema. Página 1/75 Módulo de Georreferenciamento Sistema Página 1/75 Para iniciar o Módulo de Georreferenciamento acesse, no AutoCAD a partir do Menu flutuante >Posição >Georreferenciamento >Módulo de Georreferenciamento.

Leia mais

Como renomear/mudar de local arquivos sem perder referencias na montagem. Renomear Arquivos

Como renomear/mudar de local arquivos sem perder referencias na montagem. Renomear Arquivos Como renomear/mudar de local arquivos sem perder referencias na montagem. Quando utilizamos o SolidWorks nem sempre o nome que inicialmente inserimos em um determinado componente será o mesmo ao término

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

1- Tela inicial do AUTOCAD 2013

1- Tela inicial do AUTOCAD 2013 1- Tela inicial do AUTOCAD 2013 2- Clique em NOVO 3- Para mudar a cor do fundo digite OP (de options): Se quiser veja o vídeo ilustrativo desse procedimento: http://www.youtube.com/watch?v=g7kig_yhpx4

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Conteúdo 1 Introdução... 3 2 Descrição da Interface do Cliente... 5 3 Conexão... 7 4 SMS... 10 5 Contatos... 14 6 Estatística... 18 7 Configurações... 19 8 SIM Tool

Leia mais

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D.

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D. Pretende-se aqui exempl ificar a maquinagem de contornos 2D em PowerMILL A modelação 3D do componente é executada em Autodesk Inventor e depois exportada em formato DXF para o PowerMILL Vamos usar esta

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

Grandes Montagens. Uma grande montagem é qualquer montagem complexa o suficiente para maximizar os recursos do sistema e prejudicar a produtividade.

Grandes Montagens. Uma grande montagem é qualquer montagem complexa o suficiente para maximizar os recursos do sistema e prejudicar a produtividade. Grandes Montagens O que é uma Grande Montagem? Uma grande montagem é qualquer montagem complexa o suficiente para maximizar os recursos do sistema e prejudicar a produtividade. Que fatores afetam o desempenho

Leia mais

Configurações de Templates no SolidWorks 2011

Configurações de Templates no SolidWorks 2011 Configurações de Templates no SolidWorks 2011 Esse tutorial tem como intuito a criação de propriedades personalizadas, a criação destas propriedades é uma forma de automatizar o preenchimentos de informações

Leia mais

Desenhador de Escadas

Desenhador de Escadas Desenhador de Escadas Designsoft Desenhador de Escadas-1 Desenhador de Escadas-2 Desenhador de Escadas O Desenhador de Escadas facilita o desenho e a localização de escadas personalizadas no seu projeto.

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D MÓDULO 2 METROLOGISTA 3D NÍVEL B André Roberto de Sousa Seja como for, a grandiosa Revolução Humana de uma única pessoa irá um dia impulsionar a mudança total do destino

Leia mais

PROJETO SALA DE AULA

PROJETO SALA DE AULA PROJETO SALA DE AULA 1. Identificação: Título: APRENDENDO FUNÇÕES BRINCANDO Série: 1º série do Ensino Fundamental Softwares Necessários: Cabri-Géomètre, Jogos de Funções e Graphmatica Tempo previsto: Seis

Leia mais

Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes

Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes 1 Índice Introdução............................................... 3 Conexão do software ao Computador de Desempenho Wattbike tela padrão Polar e edição

Leia mais

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo)

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) Profs. Paula Viero e Beatriz Lima TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 1. O AUTOCAD 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) 4. ALGUNS COMANDOS

Leia mais

Criação de Formatos para detalhamento. Ambiente de trabalho no SOLIDWORKS

Criação de Formatos para detalhamento. Ambiente de trabalho no SOLIDWORKS Criação de Formatos para detalhamento Esse tutorial tem o intuito de fazer com que as pessoas conheçam melhor o recurso de criação de formatos de folhas para detalhamento do SolidWorks. Uma das grandes

Leia mais

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion Os componentes ColdFusion (CFC) permitem ao usuário encapsular lógicas de aplicação e de negócios (business logic) em unidades auto-controladas reutilizáveis.

Leia mais

Projetos mecânicos: Melhores Práticas com o Autodesk Inventor

Projetos mecânicos: Melhores Práticas com o Autodesk Inventor Projetos mecânicos: Melhores Práticas com o Autodesk Inventor Guilherme Augusto Franco de Souza SENAI Aplicação de recursos avançados do software bem como a aplicação de melhores páticas para acelerar

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 09 de julho de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

SolidWork - 2006 SOLIWORKS 2006

SolidWork - 2006 SOLIWORKS 2006 SOLIWORKS 2006 Capitulo I INTRODUÇÃO SolidWork - 2006 ÍNDICE 1 Conceitos básicos 03 2 Abrindo o ambiente de trabalho 04 Capitulo II TRABALHANDO EM PART 1 Conhecendo o ambiente 05 2 Extruded Boss/Base e

Leia mais

Encoder de Quadratura

Encoder de Quadratura R O B Ó T I C A Sensor Smart de Quadratura Versão Hardware:. Versão Firmware: 2. REVISÃO 2.9 Sensor Smart de Quadratura. Introdução Os encoders são equipamentos utilizados para converter movimentos rotativos

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 1 INDICE 1. Instalação do Software...3 2. Tela Inicial...3 3. Criando arquivo de configurações (Alt + C + C)...4 3.1 Sensores

Leia mais

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Tutorial 6 Solid Works No SolidWorks peça para abrir uma nova montagem. Peça para cancelar o início da montagem. Clique na seta abaixo do ícone Inserir componentes

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

KISSsoft 03/2014 Tutorial 6

KISSsoft 03/2014 Tutorial 6 KISSsoft 03/2014 Tutorial 6 Editor de Eixos-Árvore KISSsoft AG Rosengartenstrasse 4 8608 Bubikon Suiça Telefone: +41 55 254 20 50 Fax: +41 55 254 20 51 info@kisssoft.ag www.kisssoft.ag Índice 1 Começando

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática Introdução ao GeoGebra software livre 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS Curso de Matemática Primeiros Passos Com o Software Livre GeoGebra Março de 2010 Prof. Ilydio Pereira de Sá Introdução ao

Leia mais

Número da Publicação spse01693

Número da Publicação spse01693 Animando montagens Número da Publicação spse01693 Animando montagens Número da Publicação spse01693 Notificação de Direitos Limitados e de Propriedade Este software e a documentação relacionada são propriedade

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores Algoritmos e Estrutura de Dados III Árvores Uma das mais importantes classes de estruturas de dados em computação são as árvores. Aproveitando-se de sua organização hierárquica, muitas aplicações são realizadas

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

Introdução. Servidor de Tempo (SNTP) com opção de horário de verão automático; 1 Cadastro do novo modelo de equipamento Urano Topmax SS

Introdução. Servidor de Tempo (SNTP) com opção de horário de verão automático; 1 Cadastro do novo modelo de equipamento Urano Topmax SS Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Guia de Novas Funcionalidades Urano Integra 2.3 Data: 15/04/2015

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

Comparação de capacidades no Creo Parametric 3.0

Comparação de capacidades no Creo Parametric 3.0 Comparação de capacidades no Creo O Creo Parametric oferece ferramentas de modelação potentes, confiáveis e fáceis de usar que aceleram o processo de desenvolvimento do produto. O software permite modelar

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica 2008/2009

Sistemas de Informação Geográfica 2008/2009 Sistemas de Informação Geográfica 2008/2009 Explorar o ARCGIS para editar dados 1. Abrir o ArcMap e adicionar dados Escolher a opção A new empty map Adicionar dados da geodatabase Subdivision SubdivisionParcels

Leia mais

Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos. Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08

Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos. Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08 Curso de Computação Gráfica (CG) 2014/2- Unidade 1- Modelagem de objetos Exercício 1 (individual) - Entrega: quarta 13/08 Escolha um objeto entre os que possivelmente compõem uma clínica médica de exames

Leia mais

Autodesk Inventor 7. Tutorial de Modelamento 3D Básico. Modelamento de um Mancal. Autor: Cristiano Nogueira Silva

Autodesk Inventor 7. Tutorial de Modelamento 3D Básico. Modelamento de um Mancal. Autor: Cristiano Nogueira Silva Autodesk Inventor 7 Tutorial de Modelamento 3D Básico Modelamento de um Mancal Autor: Cristiano Nogueira Silva Reprodução e divulgação totalmente permitidas pelo autor. Apenas pedimos que sejam mantidas

Leia mais

MODEM USB LTE. Manual do Usuário

MODEM USB LTE. Manual do Usuário MODEM USB LTE Manual do Usuário 2 Conteúdo Manual do Usuário... 1 1 Introdução... 3 2 Descrição da Interface do Cliente... 4 3 Conexão... 7 4 SMS... 10 5 Contatos... 14 6 Estatística... 18 7 Configurações...

Leia mais

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 CT 3.1 PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 Informações Gerais Index 1 Prodim Escadas 1.1 A solução para escadas 3 3 2 Protocolo de medição de escadas 2.1 Começando 2.2 Configurando 2.3 Começando

Leia mais

gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1

gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1 gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1 Sumário Introdução 1 Conceitos iniciais 2 Perfis de utilização 2 Parametrização do aplicativo - configuração 2 Prazo de atendimento 2 Prazo de conclusão 3

Leia mais

AULA_04 - Modelagem features básicas sólidos de revolução (protusões e cortes)

AULA_04 - Modelagem features básicas sólidos de revolução (protusões e cortes) AULA_04 - Modelagem features básicas sólidos de revolução (protusões e cortes) Observação: Os passos 1 a 5 podem ser iguais aos abordados na AULA_03 Modelagem features básicas sólidos extrudados (protusões

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 O trabalho faz a diferença. Manaus, maio de 2007. Manual de Operação do Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento -

Leia mais

Autodesk Civil 3D. Adaptado para o Brasil

Autodesk Civil 3D. Adaptado para o Brasil Autodesk Civil 3D Adaptado para o Brasil Abordamos a parte de labels do Civil3D onde criei uma sequência de comandos que no final resultaram na formatação típica brasileira para identificar estes componentes

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 4.2.1 Criação de Splines (continuação) Circle Spline Create panel > Shapes > Splines > Object Type > Circle Create menu > Shapes > Circle Use Circle para criar splines circulares fechadas feitas de quatro

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

3 - Tela Principal. Itens importantes da página

3 - Tela Principal. Itens importantes da página SUMÁRIO 1 1 - Conceitos Gerais O CRQ é um sistema de controle de qualidade utilizado na etapa de recrutamento de estudos de natureza qualitativa. Ele é um banco de dados que tem como principal objetivo

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 13

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 13 TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 13 1. MODOS DE APRESENTAÇÃO 1.1. Model Space 1.2. Paper Space 1.3. Ajuste da Visibilidade de Layers por Viewport no Paper Space 1.4. Ajuste de Escalas num Viewport

Leia mais

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o uso do TerraView Essa aula apresenta a interface principal do TerraView e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados nesse documento são disponibilizados junto

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS GUIA DO MODELO DE MONOGRAFIA - EFLCH/UNIFESP: PARA MS OFFICE VERSÃO 2 GUARULHOS 2014 2 1 INTRODUÇÃO 1.1 REQUISITOS 1.2 CONVENÇÕES

Leia mais

Resumo. Maria Bernadete Barison apresenta aulas práticas sobre RETAS em Desenho Geométrico. Geométrica vol.1 n.1d. 2006 RETAS CAD

Resumo. Maria Bernadete Barison apresenta aulas práticas sobre RETAS em Desenho Geométrico. Geométrica vol.1 n.1d. 2006 RETAS CAD 1 1. INTRODUÇÃO. RETAS CAD Iniciaremos o estudo das retas construindo no CAD alguns exercícios já construídos na aula teórica utilizando a régua e o compasso. Entretanto, o nosso compasso aqui será o comando

Leia mais

UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 1. Inventor 8.0

UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 1. Inventor 8.0 UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 1. Inventor 8.0 Modelação de sólidos paramétricos baseados em features. O processo tradicional de projetar componentes

Leia mais

MICROSOFT EXCEL - AULA NÚMERO 05

MICROSOFT EXCEL - AULA NÚMERO 05 Modificando seus Gráficos MICROSOFT EXCEL - AULA NÚMERO 05 Quando você coloca seus dados num gráfico, nem sempre ele fica como você imaginou. Você pode mudar o estilo de seu gráfico a qualquer momento.

Leia mais

Manual UFC9. Software para Traçado e Cálculo de Redes de Esgotos em AutoCAD. Orientador: Marco Aurélio Holanda de Castro

Manual UFC9. Software para Traçado e Cálculo de Redes de Esgotos em AutoCAD. Orientador: Marco Aurélio Holanda de Castro Manual UFC9 Software para Traçado e Cálculo de Redes de Esgotos em AutoCAD Orientador: Marco Aurélio Holanda de Castro Programadores: Alessandro de Araújo Bezerra Gustavo Paiva Weyne Rodrigues Índice Introdução

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - CONCEITOS BÁSICOS ARCPAD

1 - INTRODUÇÃO 2 - CONCEITOS BÁSICOS ARCPAD 1 - INTRODUÇÃO O ArcPad é um software de mapeamento e tratamento de Informações Geográficas desenvolvido pela ESRI cujo objetivo principal é a portabilidade e mobilidade dos dados. O ArcPad pode ser utilizado

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 12 Animação 12.1 - Criando Animação O 3Ds Max prevê uma série de maneiras diferentes para criar animação, e um conjunto de ferramentas para a gestão e edição de animação. Com o 3Ds Max, você pode criar

Leia mais

Detalhamento de Projetos no Autodesk Inventor

Detalhamento de Projetos no Autodesk Inventor Detalhamento de Projetos no Autodesk Inventor Lucas Henrique de Almeida Andritz Hydro Inepar (Engenheiro de Projetos) Como detalhar um projeto 3D obtendo qualidade e agilidade, a partir do software Autodesk

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 10)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 10) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 10) 1 Roteiro Operações Booleanas Comprimir e Expandir Simplificação Criando Texto Editor

Leia mais

Questão - 01. Essência do Excel 2003...

Questão - 01. Essência do Excel 2003... Valdir Questão - 01 Como deve proceder o usuário do Microsoft para que sejam atualizados os cálculos das funções ou fórmulas utilizadas nas planilhas? a) Pressionar a tecla F9 no teclado b) Pressionar

Leia mais

Recursos do Outlook Web Access

Recursos do Outlook Web Access Recursos do Outlook Web Access Este material foi criado pela Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação (SETIC) do Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região. Seu intuito é apresentar algumas

Leia mais

Manual do site do Comitê do Itajaí: como inserir e atualizar

Manual do site do Comitê do Itajaí: como inserir e atualizar Manual do site do Comitê do Itajaí: como inserir e atualizar conteúdo autor: Fábio Roberto Teodoro 25 de março de 2010 Sumário 1 Definições 3 2 Interface Administrativa 4 3 Conteúdo 6 3.1 Notícias............................................

Leia mais