REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE)."

Transcrição

1 PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica. HISTÓRIA DA GRAVIDEZ ATUAL: Data da última menstruação (DUM) Data Provável do Parto (DPP). OBS: A duração da gravidez é de 280 dias ou 40 semanas, 9 meses do calendário ou 10 meses lunares, contando a partir do 1º dia da última menstruação. REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). Calcula se a DPP através da data da última menstruação. Primigesta: Adiciona se 10 dias ao 1º dia da última menstruação. Multigesta: Adiciona se 7 dias ao 1º dia da última menstruação. Primigesta Multigesta. DUM OBS: Soma se 9 nos meses de janeiro, fevereiro e março e subtrai se 3 nos outros meses.

2 Exame físico. Controle de Peso: É importante verificar sempre o peso inicial da gestante para comparação posterior, é ideal até o final da gestação um aumento de 6 kg.para o útero, placenta, feto e mais 5% do peso inicial para embebição gravídica. Uma gestante com 60 kg. No ínicio da gestação deve até o final aumentar 9 kg. No primeiro trimestre pode aumentar até 2 kg (150gs/semana), no segundo trimestre até 4 Kg ( 350gs/semanas), no terceiro trimestre até 3 kg ( 250gs/semanas). O controle ponderal deve ser feito em todas as consultas, o aumento excessivo de peso pode ser ocasionado por erros alimentares da gestante ou ainda por edema. Controle da pressão: deve ser realizado em todas as consultas e assim como o peso é de grande importância verificar a pressão arterial desde o início da gestação. Admiti se como limite de normalidade até 140/90mm/hg. AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL: Observar: Pele: Deve estar íntegra, hidratada podendo apresentar estrias e hiperpigmentação (Cloasma gravídico). Aspecto da mucosa oral e palpebral: Deve ser íntegra, corada e úmida Observar anemia.

3 Verificar presença de panículo adiposo: A circunferência do braço deve medir no mínimo 23,5 cm. Dentes: Se estão presentes e íntegros. Identificação de possíveis patologias: - Edema. - Presença de varizes nos MMII. - Presença de varizes vulvares. - Presença de hemorróidas. EXAME OBSTÉTRICO. Medida da circunferência abdominal ( CA), passando a fita métrica sobre a cicatriz umbilical. Altura uterina ( AU ), com a fita métrica mede se a partir da sínfise púbica até o fundo uterino. Palpação obstétrica, para sentir as partes fetais. ( Manobra de Leopold) Ausculta dos batimentos cardio fetais com estetoscópio de Pinard ou sonar de Doppler. EXAMES LABORATORIAIS DE ROTINA DO PRÉ NATAL : Urina I. Grupo sanguíneo e fator Rh. Hemograma. Parasitológico de fezes. Sorologia para Lues Sífilis. Teste para HIV.

4 CONSULTAS SUBSEQUENTE. As consultas são mensais até o 7º mês de gestação, no 8º mês quinzenalmente e no último mês e gestação semanalmente. Nas consultas verifica se 1. Peso. 2. Pressão arterial. 3. Presença de edemas. Realiza se : Mensuração: Para verificar o crescimento uterino através da circunferência abdominal ( CA), e altura uterina ( AU). Palpação Obstétrica: Com o objetivo de verificar o tamanho aproximado do feto, posição fetal, ausculta dos batimentos cardio fetais ( BCF). FUNÇÃO DO ENFERMEIRO (A) NA ASSITÊNCIA PRÉ NATAL. Recepção da cliente, Explicar para a gestante todos os procedimentos que serão realizados, Verificar peso, Verificação da pressão arterial. Colocação correta da gestante na posição para o exame obstétrico, Executar: menstruação, palpação, e ausculta dos batimentos cardio fetais, Orientar a gestante na pós consulta sobre os exames solicitados, medicação prescrita ou dúvidas que surgirem,

5 Orientar a gestante sobre o período de trabalho de parto e puerpério, Orientar quanto ao aleitamento materno, Orientar e marcar a próxima consulta. MANTER EM ORDEM OS MATERIAIS NECESSÁRIOS PARA REALIZAÇÃO DO EXAME OBSTÉTRICO. Estetoscópio de Pinard ou sonar de Doppler, Fita métrica. Luvas para exames de toque. Esfignomanômetro e estetoscópio. Balança regulada. OBJETIVOS: PALPAÇÃO OBSTÉTRICA. Diagnóstico da Gestação. Identificar o Número de Fetos. Avaliar Tamanho e Peso Fetal. Avaliar: - Apresentação. - Situação e - Posição Fetal ( SAP). AVALIAR TRABALHO DE PARTO: Verificar número e intensidade das contrações. OBSERVAR A FORMA DO ÚTERO: Globoso ou ovóide. AVALIAR SE A IMPLANTAÇÃO DA PLACENTA É POSTERIOR OU ANTERIOR.

6 TÉCNICA DE PALPAÇÃO: - Decúbito Dorsal. - Ventre Descoberto. - Bexiga vazia. - Mãos Aquecidas. POSIÇÃO DO EXAMINADOR: De frente para a gestante, á altura da cicatriz umbilical, do lado direito da gestante. TÉCNICA ALEMÃ: Sistematizada por Leopold e Sellheim. Compreende quatro tempos: A Exploração do Fundo Uterino. B Exploração do Dorso Fetal. C Exploração da Mobilidade Cefálica. D Exploração do Estreito Superior ou da Escava. PAPAÇÃO DO FUNDO UTERINO. - Palpando as Nádegas do Feto: Redutível. Mole, feto com reflexo. - Palpando a Cabeça do Feto: Rechaço (a cabeça desvia se da palpação), duro e irredutível. OBS: Na exploração da escava, nada se tem á acrescentar, pois a manobra de Leopold, nos dá parâmetros se p bebê está Encaixado na pelve ou não. AUSCULTA OBSTÉTRICA. A ausculta obstétrica é importante para: - Avaliar a Vitalidade Fetal. - Confirmar o diagnóstico da gestação - Reconhecer Ruídos Maternos e Fetais. - Confirmar Gestação Única ou Dupla. - Identificar Quantidade de Líquido Amniótico.

7 TIPOS DE AUSCULTA: - Ausculta Direta: Ouvindo direto no abdome. - Ausculta Indireta: Por intermédio do estetoscópio de Pinard, sonar de Doppler e Cardioscópio da Ultra-sonografia. TÉCNICA DE AUSCULTA: - Gestante em Decúbito Dorsal. - Ventre Descoberto. - Bexiga Vazia. - Gestante ou Parturiente fora do Período de Contração. - Ambiente Silencioso. - Enfermeiro ( A) ao lado da gestante ou parturiente, de costa para o rosto da gestante e do lado em que se encontra o dorso fetal. - Colocar o Pinard perpendicular ao abdome. - Não colocar as mãos no Pinard durante a ausculta. - Exercer pressão moderada com o pinard sobre o abdome. OBSERVAR: - Freqüência dos Batimentos Cardio Fetais. - Ritmos dos Batimentos - Intensidade dos Batimentos. - Possível Bradicardia ou Taquicardia. FATORES QUE DIFICULTAM NA AUSCULTA. - Excesso de Líquido Amniótico Polidrâmnio. - Implantação Anterior da Placenta. - Grande Espessura da Parede Abdominal. - Contração Uterina. OBS: Foco da Ausculta é o local onde se ouvem os BCF com maior nitidez. TOQUE. - Observar Coloração Genitália Externa Violácia: Sinal de Jaquimie. - Observar: Varizes Vulvares, Períneo Íntegro ou roto.

8 TOQUE BIDIGITAL: Com o toque verifica as condições da vagina. DURANTE O TRABALHO DE PARTO VERIFICAR COM O TOQUE. - Esvaecimento ( afinamento) e dilatação do colo uterino. - Característica da bolsa das águas. - Diagnóstico da apresentação e posição fetal. - Relação da região fetal com os planos da bacia: Plano de De Lee: Acima da sínfise púbica: -0,-1, -2, -3. E abaixo da sínfise púbica: +1, +2, +3.( coroado ou insinuado). OBS: Reconhecer ainda anomalias como: Procedência do cordão umbilical ( pulsar), ou procedência de membros. TÉCNICA PARA REALIZAR O TOQUE: - Higiene íntima das gestantes ou parturientes S/N. - Esvaziar a bexiga. - Colocar a gestante em posição ginecológica. - Calçar luvas lubrificadas geralmente com vaselina. - Assepsia com o povidine. MENSURAÇÃO. - Definição: Tem por finalidade medir a altura uterina para avaliação da evolução da gravidez. TÉCNICA: Colocar a fita na borda superior da sínfise púbica e leva lá até o fundo uterino. OBS: Em média o útero cresce em torno de 4 cm por mês.

Assistência Pré-Natal. 1. Captação precoce das gestantes com realização da primeira consulta de pré-natal até 120 dias da gestação;

Assistência Pré-Natal. 1. Captação precoce das gestantes com realização da primeira consulta de pré-natal até 120 dias da gestação; Assistência Pré-Natal OBJETIVO DO PRÉ-NATAL Garantir o bom andamento das gestações de baixo risco e também o de identificar adequada e precocemente quais as pacientes com mais chance de apresentar uma

Leia mais

Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP).

Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP). Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP). Parte I: Primeiramente abordaremos o cálculo da idade gestacional (IG), que tem o objetivo de estimar o tempo da gravidez

Leia mais

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ Em função da idade gestacional Obedece ao esquema proposto pelo SNS Valoriza os elementos a colher em função da idade gestacional Tempo de Gestação 1º Trimestre (1ª-13ªS) ACTIVIDADES (Elementos a recolher

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA Dr Claire Todd Dr Matthew Rucklidge Miss Tracey Kay Royal Devon and Exeter

Leia mais

Será que estou grávida?

Será que estou grávida? A UU L AL A Será que estou grávida? - Alzira tá diferente... Tá com a cara redonda, inchada. Está com cara de grávida! - Não sei o que eu tenho. Toda manhã acordo enjoada e vomitando. - A Neide engordou

Leia mais

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Em 1996, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu uma classificação das práticas comuns na condução do parto normal, orientando para o que deve

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação;

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; M E D I D A D O P E S O OBJETIVO: Avaliar o aumento do peso durante a gestação Para: _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; _ Detectar as gestantes com

Leia mais

Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias.

Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias. Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias. O QUE É O PARTO? Parto é o processo de movimentação do feto, da placenta e das membranas para fora do útero e através do canal de parto. TRABALHO DE PARTO É o processo

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Dra. Tatiane Bilhalva Fogaça Médica Obstetra especialista em Medicina Fetal pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

Maternal Health: the importance of the antenatal attendance

Maternal Health: the importance of the antenatal attendance 97 Saúde Materna: a importância da assistência pré-natal Maternal Health: the importance of the antenatal attendance Marcos Nascimento e Silva 1 Sylvio Costa Junior 1 Nádia Ferreira 1 Daiana Maria Nascimento

Leia mais

Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana

Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana A A Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana 2 A A Habilidade: Compreender como ocorre a fecundação, a gravidez e o parto em seres humanos. 3 A A Reprodução humana e sexualidade

Leia mais

2.1. DIAGNÓSTICO DE CERTEZA DO TRABALHO DE PARTO - FASE ATIVA

2.1. DIAGNÓSTICO DE CERTEZA DO TRABALHO DE PARTO - FASE ATIVA PROTOCOLO - OBS 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 6 1. CONCEITO Aquele de início espontâneo, baixo-risco no início do trabalho de parto, permanecendo assim, em todo o processo até o nascimento. O feto nasce

Leia mais

Questão 01 Diagnóstico da gestação

Questão 01 Diagnóstico da gestação Saúde Da Mulher: Diagnóstico Da Gestação, Modificações Gravídicas e Pré Natal. Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias Questão 01 Diagnóstico da gestação Segundo o Ministério da Saúde (MS, 2000), o diagnóstico

Leia mais

Cartilha da Gestante. Dicas para uma gravidez saudável

Cartilha da Gestante. Dicas para uma gravidez saudável Cartilha da Gestante Dicas para uma gravidez saudável A Gravidez Este é um momento especial na sua vida e na vida das pessoas próximas a você. A gravidez, o parto e o nascimento fazem parte da sexualidade

Leia mais

Gestação, parto e puerpério. Ginecologia Veterinária UFSM 24/03/2011 Prof. MRubin

Gestação, parto e puerpério. Ginecologia Veterinária UFSM 24/03/2011 Prof. MRubin Gestação, parto e puerpério Ginecologia Veterinária UFSM 24/03/2011 Prof. MRubin Gestação Aspectos fisiológicos Duração da gestação da vaca (280-285) Reconhecimento materno da gestação Produção hormonal

Leia mais

UNIDADE II: CONDUTA HUMANIZADA NO PARTO E NASCIMENTO

UNIDADE II: CONDUTA HUMANIZADA NO PARTO E NASCIMENTO UNIDADE II: CONDUTA HUMANIZADA NO PARTO E NASCIMENTO Discutiremos nesta unidade a humanização como principio de qualidade, apresentação das condutas humanizadas no parto e nascimento e cuidados durante

Leia mais

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND CARDIOTOCOGRAFIA MEAC-UFC 1

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND CARDIOTOCOGRAFIA MEAC-UFC 1 MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND CARDIOTOCOGRAFIA MEAC-UFC 1 CARDIOTOCOGRAFIA Gilberto Gomes Ribeiro Paulo César Praciano de Sousa 1. DEFINIÇÃO: Registro contínuo e simultâneo da Freqüência Cardíaca

Leia mais

Para um bom acompanhamento pré-natal, é necessário que a equipe de saúde utilize correta e uniformemente as técnicas de exame clínico e obstétrico.

Para um bom acompanhamento pré-natal, é necessário que a equipe de saúde utilize correta e uniformemente as técnicas de exame clínico e obstétrico. 1 A N E X O S I. Técnicas Padronizadas para o Exame Clínico e Obstétrico Para um bom acompanhamento pré-natal, é necessário que a equipe de saúde utilize correta e uniformemente as técnicas de exame clínico

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular III Serviços Hospitalares JULIANA CORREIA DE HOLANDA CAVALCANTI

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular III Serviços Hospitalares JULIANA CORREIA DE HOLANDA CAVALCANTI Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular III Serviços Hospitalares JULIANA CORREIA DE HOLANDA CAVALCANTI RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

Leia mais

Técnica de aferição da pressão arterial

Técnica de aferição da pressão arterial Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão Técnica de aferição da pressão arterial O esfigmomanômetro

Leia mais

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... - Morfologia do Aparelho Reprodutor Feminino Útero Trompa de Falópio Colo do útero Vagina

Leia mais

R.: ULTRASSONOGRAFIA OU PERFIL BIOFÍSICO FETAL E CARDIOTOCOGRAFIA

R.: ULTRASSONOGRAFIA OU PERFIL BIOFÍSICO FETAL E CARDIOTOCOGRAFIA Caso Clínico 1 Paciente de 21 anos, gesta I para 0, com gestação no curso de 33 semanas, chega ao prontosocorro obstétrico proveniente de cidade do interior do Estado, com diagnóstico de eclâmpsia, apresentando

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas Conhecimentos Gerais, de 01 a 12; e Conhecimentos, de 13 a 40. 2. Caso o caderno esteja incompleto

Leia mais

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES HIDROTERAPIA PARA GESTANTES Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES ANATOMIA DO ABDOME E DA PELVE ÚTERO 3 camadas de músculos. NÃO GESTANTE GESTANTE FORMA ESFÉRICA CILÍNDRICA VOLUME 500 ml 5000 ml MASSA 70 g 1100

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 CUIDADOS INICIAIS NO RN Renata Loretti - Enfermeira 2 Cuidados imediatos Realizados na Sala de Parto pelo Obstetra n

Leia mais

Escola Básica Vasco da Gama de Sines A REPRODUÇÃO HUMANA

Escola Básica Vasco da Gama de Sines A REPRODUÇÃO HUMANA Página1 A REPRODUÇÃO HUMANA Reprodução sexuada e dimorfismo sexual A reprodução é uma função dos seres vivos que permite dar origem a outros seres da mesma espécie. Reprodução sexuada Na espécie humana

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação USB - CLÍNICA DE ULTRA-SONO- 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO Por definição, feto com crescimento intra-uterino restrito (CIUR) é aquele que ao nascimento apresenta peso inferior ao 10º percentil

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

Exame clínico na enfermagem

Exame clínico na enfermagem Exame clínico na enfermagem Prof. Jorge Luiz Lima Introdução Potter (2002, p.03) afirma que para ajudar uma pessoa a manter, aumentar e recuperar o nível de saúde, o enfermeiro deve ser capaz de estabelecer

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins Cerca de 65% dos casos de transmissão vertical do HIV ocorrem durante o trabalho

Leia mais

PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA

PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA 1 Sumário PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA... 4 Preâmbulo:... 4 Introdução... 4 Qualificações

Leia mais

Endereço: Bairro Nº Cidade UF Complemento E-mail Telefone: ( ) Celular: ( )

Endereço: Bairro Nº Cidade UF Complemento E-mail Telefone: ( ) Celular: ( ) 1 FICHA Nº DATA: / / HORA: : DADOS DO CLIENTE CADASTRO Nº Nome: Endereço: Bairro Nº Cidade UF Complemento E-mail Telefone: ( ) Celular: ( ) Estado Civil: Casado(a) Solteiro(a) Possui Filhos? Sim Não Data

Leia mais

SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA

SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA A CONSULTA PEDIÁTRICA CONSTA DE QUATRO PARTES 1.Anamnese 2.Exame físico 3.Hipóteses diagnóstica 4. Conduta Roteiro da Anamnese 1.Identificação: Nome, idade, data nascimento, sexo,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior A hemorragia no terceiro trimestre da gestação é grave ameaça à saúde e vida da mãe e feto. Junto com hipertensão e infecção

Leia mais

EXAME FÍSICO ASPECTOS GERAIS

EXAME FÍSICO ASPECTOS GERAIS EXAME FÍSICO ASPECTOS GERAIS Profª Alyne Nogueira Exame Físico Um exame físico é a revisão cefalocaudal de cada sistema do corpo que ofereça informações objetivas sobre o cliente. Exame Físico Julgamento

Leia mais

PARTOGRAMA LITERATURA CLÁSSICA

PARTOGRAMA LITERATURA CLÁSSICA PARTOGRAMA CONCEITOS FISIOLÓGICOS IMPORTANTES Do ponto de vista funcional o fenômeno do parto pode ser dividido em três períodos : preparatório, dilatatório e pélvico (Friedman, 1978). Nos tratados clássicos

Leia mais

22/10/2009 PERÍODO FETAL PERÍODO FETAL PERÍODO FETAL. da 9ª semana ao nascimento. Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano

22/10/2009 PERÍODO FETAL PERÍODO FETAL PERÍODO FETAL. da 9ª semana ao nascimento. Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano da 9ª semana ao nascimento A transformação de embrião em feto é um processo gradual Mudança de termo é significativa, pois na fase fetal o indivíduo torna-se reconhecível como ser humano. 8 sem. Prof.

Leia mais

REPERCUSSÕES DA GRAVIDEZ NO ORGANISMO MATERNO

REPERCUSSÕES DA GRAVIDEZ NO ORGANISMO MATERNO REPERCUSSÕES DA GRAVIDEZ NO ORGANISMO MATERNO São as alterações decorrentes da gravidez que ocorrem no organismo da mulher e que desaparecem após o parto. São alterações fisiológicas inevitáveis, temporárias

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II 1. Objetivos das aulas práticas 1.1 Gerais Ser capaz de, através do cadastramento, detectar problemas, pensar nas causas destes problemas e propor soluções

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES Prof.ª Msc. Clarissa Rios Simoni Mestre em Atividade Física e Saúde UFSC Especialista em Personal Trainer UFPR Licenciatura Plena em Educação Física UFSC Doutoranda

Leia mais

Posição pélvica e versão externa

Posição pélvica e versão externa Posição pélvica e versão externa Por volta dos oito meses, a maioria das crianças encontra-se virada de cabeça para baixo. É o que chamamos de posição cefálica. Para uma criança esta é posição mais natural

Leia mais

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos.

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. PROTOCOLO - OBS - 017 DATA: 10/01/2005 PÁG: 1 / 4 1. CONCEITO - PRENHEZ MÚLTIPLA A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. - GEMELIDADE MONOZIGÓTICA: fecundação de 1 óvulo com 1 espermatozóide, que

Leia mais

Assistência de Enfermagem no Puerpério.

Assistência de Enfermagem no Puerpério. Assistência de Enfermagem no Puerpério. Puerpério, sobreparto e pós-parto, é um período cronologicamente variável, de âmbito impreciso, durante o qual se desenrolam todas as manifestações involutivas e

Leia mais

Capítulo 10 Parto Eminente

Capítulo 10 Parto Eminente Capítulo 10 Parto Eminente 1. Objetivos No final desta unidade modular, os formandos deverão ser capazes de: Identificar as fases do parto. Identificar o parto iminente. Identificar os sinais de parto

Leia mais

EXAME FÍSICO DO RN. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP - 42883

EXAME FÍSICO DO RN. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP - 42883 EXAME FÍSICO DO RN Enfermeira COREN/SP - 42883 Introdução! Alguns minutos depois do nascimento o exame físico é feito pelo pediatra. É uma avaliação de rotina do estado físico do bebê.! O exame físico

Leia mais

Ginecologia Bovina. Parto e puerpério. Méd. Vet. Dra. Mara Rubin Laboratório de Embriologia Animal Depto de Clinica de Grandes Animais

Ginecologia Bovina. Parto e puerpério. Méd. Vet. Dra. Mara Rubin Laboratório de Embriologia Animal Depto de Clinica de Grandes Animais Ginecologia Bovina Parto e puerpério Méd. Vet. Dra. Mara Rubin Laboratório de Embriologia Animal Depto de Clinica de Grandes Animais Parto Parto: processo de dar a luz que envolve o preparo para dar a

Leia mais

INTEGRADAS E FORMATIVAS DAS UNIDADES SANITÁRIAS DA PROVÍNCIA DO BIÉ

INTEGRADAS E FORMATIVAS DAS UNIDADES SANITÁRIAS DA PROVÍNCIA DO BIÉ REPUBLICA DE ANGOLA GOVERNO DA PROVINCIA DO BIÉ DIRECÇÃO PROVINCIAL DA SAÚDE CADERNO DE SUPERVISÕES INTEGRADAS E FORMATIVAS DAS UNIDADES SANITÁRIAS DA PROVÍNCIA DO BIÉ MUNICÍPIO: ANO: UNIDADE SANITÁRIA:

Leia mais

Dados atuais indicam que não há efeitos biológicos confirmados

Dados atuais indicam que não há efeitos biológicos confirmados 1 ULTRA-SONOGRAFIA OBSTÉTRICA Francisco Pimentel Cavalcante Carlos Augusto Alencar Júnior Procedimento seguro, não-invasivo, inócuo, com grande aceitação pela paciente, que pode fornecer muitas informações

Leia mais