A ENERGIA NUCLEAR E SEUS USOS NA SOCIEDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ENERGIA NUCLEAR E SEUS USOS NA SOCIEDADE"

Transcrição

1 A ENERGIA NUCLEAR E SEUS USOS NA SOCIEDADE Cínthia Helena Claudino Silvestre Disrael Camargo Neves da Cunha Felipe Prates Moitinho Mendes Pereira Felipe Renier Maranhão Lima Guilherme Campos Gonçalves Raissa Fernandes Pessoa Mendes Bolsistas do Grupo PET-Física 2007 Introdução A ciência pode ser usada para diferentes fins, éticos ou não, pacíficos ou bélicos a escolha fica nas mãos de quem possui esse conhecimento. Todo conhecimento está sujeito ao possível mau uso. No entanto a energia nuclear é vista como uma das mais perigosas em razão do seu uso em guerras, especialmente em relação ao genocídio ocorrido nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, no ano de 1945, durante a Grande Guerra. Além disso, os acidentes nas usinas nucleares ocorridos nos Estados Unidos e na Ucrânia ainda assustam muito. É necessário que possa ser visto e reconhecido o benefício que a energia nuclear pode trazer, suas aplicações na medicina, na detecção, prevenção e cura de doenças como o câncer. A energia nuclear é fundamental para o desenvolvimento mundial, suas aplicações são inúmeras. Analisemos então, de modo mais concreto, a energia nuclear. A matéria é caracterizada pelos seus elementos constituintes, que, por sua vez, são caracterizados pelo número de prótons que apresentam em seus núcleos. Além dos prótons, que possuem cargas positivas, cujo número é representado pela letra Z, os elementos possuem nêutrons, que não possuem carga, e os elétrons, que possuem carga negativa. Pode-se afirmar que o núcleo atômico é o responsável pela massa do átomo, enquanto a eletrosfera é responsável pelo volume. O núcleo é bem pequeno (10-13 cm a cm). A massa do nêutron é semelhante à do próton, 1, gramas. A mecânica quântica (que trata de fenômenos que ocorrem em escala nuclear, atômica e molecular) classifica essas partículas segundo parâmetros denominados números quânticos. Os prótons possuem carga positiva, o que provoca uma repulsão entre eles. A força eletrostática é a responsável por isso, e seria lógico que devido a ela as partículas positivas se afastem umas das outras, o que destruiria o núcleo. Mas existe uma força, conhecida como força nuclear forte, que não é de natureza eletromagnética e nem gravitacional, a qual mantém os núcleos com seus elementos presos uns aos outros e proporciona a sua estabilidade. À medida que a energia de ligação média (soma de todas as energias de ligação entre os constituintes do núcleo dividido pelo número destes) cresce, aumenta também a coesão no núcleo. É essa energia, que está relacionada com a força nuclear, o objeto do nosso estudo. Tipos de radiação O número de prótons de um átomo é o seu principal parâmetro caracterizador pois o relaciona a um elemento químico. Por outro lado, átomos com o mesmo número de prótons e diferente número de nêutrons são denominados isótopos, ou seja, iso igual e topos prótons. Uma dada combinação de nêutrons e prótons pode ser estável ou não. Aqueles cuja combinação é estável são chamados isótopos estáveis, e aqueles cuja combinação é instável são denominados radioisótopos ou isótopos radioativos. Estes são emissores de energia eletromagnética e/ou partículas, a fim de atingir, desse modo, a estabilidade ou equilíbrio.

2 A energia emitida pelo núcleo na busca por estabilidade é chamada de radiação nuclear, a qual se manifesta na emissão de nêutrons, radiação gama, cujas partículas constituintes (fótons) não possuem massa e têm a mesma natureza da luz visível, dos raios-x e das microondas, porém com mais energia e maior poder de penetração. Outra forma de radiação é a alfa, que é constituída por 2 prótons e 2 nêutrons, ou seja, por núcleos de hélio-4; e há também a radiação beta, que é gerada nada mais, nada menos, por emissão de elétrons ou suas antipartículas (pósitrons). A energia em ciências nucleares é medida em elétron-volts (ev), ou em unidades múltiplas desta como o quiloeletron-volt (kev). A energia emitida pelo núcleo de um átomo supera 10 kev, que é bilhões de vezes menor que a energia com as quais lidamos freqüentemente. Porém, 100 g de urânio contém átomos, aproximadamente. A bomba de Hiroshima tinha apenas 20 kg de matéria-prima, o que indica quanta energia pode ser liberada com uma quantidade relativamente pequena de material radioativo, tamanho o poder que possui o núcleo dos átomos! Esse poder é expresso através da liberação de energia que se dá nas reações de fissão ou fusão, processos que serão explicados adiante. Decaimento nuclear O decaimento radioativo é tido como um fenômeno probabilístico: na medida em que não é possível prever quando exatamente um determinado núcleo decairá, consideramos não a história dos átomos isoladamente, mas o comportamento do conjunto formado por eles. Quando um núcleo atômico encontra-se instável devido ao excesso de prótons e/ou nêutrons, ocorre o decaimento, com a geração de um nuclídeo mais estável. O decaimento radioativo consiste, portanto, na desintegração de um núcleo em outro núcleo, com a liberação de partículas e/ou radiação gama. O fenômeno da radioatividade foi descoberto em 1896, acidentalmente, por Becquerel, que notou que uma chapa fotográfica guardada em uma gaveta junto com um pedaço de minério de urânio havia sido impressionada pela radiação emitida por ele. Um elemento radioativo, ou radioisótopo, geralmente percorre uma cadeia de desintegrações até que um núcleo estável seja formado. Por esse processo de decaimento, ocorre a diminuição, no decorrer do tempo, do número inicial de núcleos radioativos de uma amostra. Tendo isso em vista, define-se meia-vida de um radioisótopo como o tempo necessário para que metade de sua população decaia para o outro elemento resultante. A cadeia de desintegrações percorrida por um elemento, assim como a energia da radiação por ele emitida, são próprias de cada radioisótopo; essas informações, junto com a energia da radiação, podem, assim, ser utilizadas na identificação do elemento radioativo. A radioatividade é característica natural de alguns isótopos de elementos químicos, mas o decaimento nuclear pode ser induzido em núcleos naturalmente estáveis, através de seu bombardeio com partículas ou radiação eletromagnética. Um elemento químico pode existir na natureza em uma variedade de isótopos, que podem ou não apresentar comportamento radioativo. Por exemplo, o urânio, que possui 92 prótons, existe na natureza na forma de três isótopos: 99,3% de urânio-238 (146 nêutrons), 0,7% de urânio-235 (143 nêutrons, usado em reatores, depois de enriquecido) além de uma quantidade praticamente desprezível de urânio-234 (142 nêutrons). Cada isótopo possui uma meia-vida própria. Por exemplo, a meia-vida do urânio-238 é de 4, anos. Ao decair, ele produz o tório-234, que é também instável, o qual decai, a seguir, para protactínio-234, urânio-234, tório-230, e assim até o chumbo-206. Existem apenas três famílias radioativas naturais, sendo elas a série do urânio, a série do actínio e a série do tório; todas terminam em isótopos do chumbo, respectivamente, chumbo-206, chumbo-207 e chumbo-208, que são todos estáveis. Fissão nuclear No processo de fissão nuclear, o núcleo é dividido em normalmente dois núcleos-filho de massas comparáveis, ocorrendo grande liberação de energia. Essa energia, que inicialmente opera a ligação do núcleo, passa a compor a energia de ligação do novo núcleo e a energia cinética dos produtos da fissão. Ao contrário da radioatividade, que é manifestada naturalmente por alguns isótopos, a fissão

3 nuclear raramente ocorre na natureza de forma espontânea, sendo obtida através do bombardeio de núcleos pesados por um nêutron, que torna o núcleo instável ao ser por ele absorvido. A fissão foi descoberta por volta de 1940 pelos cientistas alemães Hahn e Strassmann, que, ao bombardear uma amostra de urânio por nêutrons, detectou a formação de átomos menores (Ba e Kr), juntamente com a liberação de uma grande quantidade de energia. O desencadeamento da fissão nuclear se dá pelo bombardeamento da amostra por um nêutron, que provocam uma reação em cadeia. O nêutron oferece a energia necessária para que o núcleo instável se fissione em dois núcleos menores. Juntamente com esses dois núcleos-filho e com a quantidade de energia liberada, são emitidos também mais dois ou três nêutrons que, por sua vez, podem desencadear a fissão de mais núcleos. Tal processo é o mecanismo básico de funcionamento tanto de reatores nucleares (reação controlada) quanto da bomba atômica (onde todas as fissões ocorrem em um curto intervalo de tempo, numa reação em cadeia). Em ambas as aplicações, o combustível usado é o urânio-235, por ser um isótopo mais facilmente fissionável. A fissão nuclear do urânio é, assim, uma das principais aplicações civis da energia nuclear, sendo a base do funcionamento de centrais nucleares em vários países, como a França, Japão, Estados Unidos, Alemanha, Suécia, Espanha, China, Rússia, Coréia do Norte, Paquistão e Índia, entre outros. Na saúde Os radioisótopos produzidos em reatores nucleares ou aceleradores de partículas têm sido freqüentemente associados a substâncias químicas na formação de compostos chamados de radiofármacos, os quais se associam a determinado tecido ou órgão humano objetivando o diagnóstico de doenças. Há várias técnicas de utilização dessas substâncias, sendo que, uma bem conhecida é a cintilografia. A cintilografia utiliza a propriedade do radiofármaco de ter um comportamento biológico que é idêntico ao de similares não radioativos, como é o exemplo da concentração de iodo, radioativo ou não, na tireóide. Após o tempo necessário para a fixação do composto no órgão a se pesquisar, imagens são produzidas em câmaras de cintilação ou por outros aparelhos de detecção de radiação. A detecção gera uma imagem, onde os pontos mais claros são aqueles que emitem maior radiação. Além da imagem, a concentração e a captação do radiofármaco também são fatores para o diagnóstico feito pelo médico. E a utilização desse tipo de imagem inovou o mundo do diagnóstico, pois, diferente das outras formas de imagem, como radiografia simples, a detecção de radiofármacos avalia o perfeito funcionamento do órgão e não, apenas sua morfologia. O radiofármaco é produzido a partir de elementos radioativos de meias-vidas curtas, pois a presença do elemento no organismo não pode ser muito significativa e duradoura, para não ocasionar danos maiores ao paciente. Exemplos desses elementos, órgãos de utilização e meias-vidas são: tecnécio-99m (cérebro, glândulas salivares, fígado, pulmão, rins, sistema linfático, ossos e estômago) de meia-vida de 6 horas, iodo-131 (tireóide, pulmão e rins) de meia-vida de 8 dias, iodo-123 (tireóide e rins) de meia-vida de 13 horas, irídio-192 (garganta) de meia-vida de 75 dias, tálio-201 (coração) de meia-vida de 3 dias, cromo-51 (intestino e rins) de meia-vida de 27,7 dias, gálio-67 (tecidos moles) de meia-vida de 3 dias, etc. Físicos e médicos trabalham continuamente pela melhor administração dessas substâncias com meia-vida alta, como é o caso do cromo-51. Sabe-se que os danos para o paciente dependem da dose, tempo de exposição, amplitude da área irradiada e a idade do indivíduo, ou seja, uma perfeita combinação desses fatores é sempre buscada nesse tipo de diagnóstico. Os radiofármacos reduzem os níveis de radiação dos métodos convencionais de imagem em até 100 vezes, mas mesmo assim, ainda são feitas pesquisas na busca de formas mais eficientes e cada vez menos prejudiciais para o paciente, a fim de se eliminar ou amenizar problemas como mutações somáticas e desequilíbrio hormonal. Um resultado dessa pesquisa é a técnica que se vale da emissão de pósitrons, chamada de PET (sigla em inglês de positron emission tomography ou tomografia por emissão de pósitrons). O PET também utiliza radioisótopos, mas aqueles produzidos em aceleradores de partículas

4 específicos, cíclotrons, os quais possuem meia-vida muito curta em comparação com os radiofármacos. O cíclotron é um acelerador que produz uma grande quantidade de prótons e os colocam em movimento ao longo de uma órbita circular em uma câmara com um campo eletromagnético alternante, de forma que, acumulando energia, são arremessados em um alvo com uma velocidade próxima à da luz. Esse alvo é o átomo que se deseja alterar. O átomo alterado é o radioisótopo a ser utilizado, o qual, nesse caso, deve ter a propriedade de emitir pósitrons (decaimento β + ), os quais são anti-partículas dos elétrons, quando decair, ter meia-vida (período de estabilidade) curta e ser facilmente incorporado a um radiofármaco útil, através de síntese química. Os radioisótopos mais utilizados são: flúor-18 (110 minutos de meia-vida), carbono-11 (20 minutos de meia-vida), nitrogênio-13 (10 minutos de meia-vida) e oxigênio-15 (2,07 minutos de meia-vida). A curta meia-vida desses elementos acaba por demandar uma proximidade do cíclotron ao local onde o PET é realizado. Elementos como o oxigênio-15 são pouco utilizados, pois sua meia-vida é extremamente pequena. O mais utilizado é o flúor-18, o qual é injetado na forma de fluorodeoxiglicose (FDG). Em células neoplásicas, caracterizadas por multinucleação, hipercromatismo nuclear e perda da relação núcleo-citoplasma, há um aumento do metabolismo da glicose. Como o FDG se assemelha a uma molécula de glicose comum, ele é fosforilado dando origem ao FDG-6-P, o qual não passa pela seqüência enzimática posterior, emitindo pósitrons e promovendo a base para a formação de imagens. Outro uso da radiação nuclear é a teleterapia. Muito utilizada na terapia do câncer, trabalha com uma fonte de cobalto-60, tradicionalmente, ou com outro isótopo, comumente césio-137, que emite uma quantidade grande de radiação. Coloca-se a fonte externa a uma distância do paciente e é emitida a radiação de forma local, para assim destruir as células cancerígenas. A lei de Bergonié-Trinbondeau diz que uma célula é tanto mais radiossensível quanto maior é a sua atividade cariocinética (capacidade de reprodução) e quanto menos fixadas estão sua morfologia e as suas funções. É o caso da célula cancerosa. Por isso, é tão utilizada a teleterapia (ou radioterapia externa) e, por fim, se conseguem bons resultados, muitas vezes aliando-se à quimioterapia. Começou-se a utilizar a teleterapia na segunda década do século XX mas sua utilização ainda é restrita se considerarmos tumores em regiões altamente sensíveis, as quais não podem receber radiação, como é o caso de ossos, linfócitos, gônadas e baço. Nesses órgãos ela pode causar inúmeros problemas desde infecções (ossos e baço) até esterilidade temporária ou definitiva (gônadas). Há também a técnica dos aceleradores lineares, nos quais elétrons são acelerados e, ao incidirem no tecido, geram fótons que irão interagir com as células expostas a essa radiação eletromagnética, sejam elas tumorais ou não. Para evitar danos aos tecidos saudáveis do paciente, costuma-se usar uma proteção de chumbo e marcas de tinta na pele, delimitando a área a ser irradiada, seja na teleterapia, seja nos aceleradores lineares. Em crianças e adolescentes, o uso da radioterapia tem sido cada vez menor, pois, já se sabe dos efeitos colaterais ao desenvolvimento orgânico, os quais esse processo acarreta. A radioterapia pode causar, de forma geral, feridas na boca, queimaduras na pele (na região irradiada), diarréia, dor ao urinar, boca seca, queda de cabelo na região atingida, etc. Outra técnica de terapia oncológica é a braquiterapia ou curieterapia, onde se colocam pequenas fontes em contato direto com a região a ser tratada, ou até mesmo são implantadas no corpo do paciente e depois retiradas, como no tratamento de câncer de próstata e de útero. A utilização dessa técnica não é muito difundida pelos possíveis danos que se possa causar nas células sadias do órgão. Enfim, a utilização da energia nuclear na medicina tem aumentado a cada ano e seu uso benéfico tem se tornado comum. Depois do uso da bomba atômica, nada como salvar vidas para recuperar o prestígio da comunidade acadêmica. Medicina nuclear diagnóstica Roentgen fez uma importante descoberta no ano de 1895, os raios-x, que logo foram aplicados à medicina. Essa radiação pode atravessar tecidos moles do corpo humano facilmente e revelar estruturas

5 detalhadas do esqueleto humano, o que a torna capaz de constatar sem dificuldade a ruptura ou quebra de ossos. No entanto, os raios-x apresentam limitações: não são capazes de detectar tumores, por não conseguirem diferenciar determinados tecidos, e, é claro, produzem imagens bidimensionais, o que também impossibilita a detecção de detalhes que só a profundidade pode oferecer. Os raios-x podem apresentar ineficácia quando o tecido ósseo cobre o tecido que se deseja observar, como o cérebro, por exemplo. O recurso da imagem como auxílio para o diagnóstico médico tem sido beneficiado pelo desenvolvimento da física nuclear. Câmeras de raio gama e aceleradores especializados na produção de radioisótopos resultaram em novas técnicas para a produção de imagens de alta definição. Essa área de pesquisa recebe o nome de Medicina Nuclear e seus pesquisadores são geralmente físicos nucleares trabalhando em colaboração com médicos. Para a obtenção dessas imagens pode-se injetar radioisótopos emissores de raios gama no paciente, os quais se acumulam num determinado órgão do corpo. Uma das primeiras aplicações foi para se gerar imagens da glândula tireóide, para as quais usa-se iodo-131 que tem um período curto de meia-vida (8 dias), sendo, então menos prejudicial ao corpo do paciente. O iodo-131 é ingerido por via oral. Tem-se alta emissão de partículas beta, que não contribuem para o diagnóstico e que provoca absorção de uma alta dose de radiação (incremento de 3 rads para cada microcurie de 131 I). Geralmente, usam-se muitos microcuries de 131 I para se obter diagnósticos e a dose de radiação absorvida pode atingir 30 rads ou mais. Uma alternativa é a escolha do 132 I (meia-vida de 2,3 h), que é um produto do 132 Te (meia-vida de 78 h), por meio do uso de um solvente que dissolva I e não Te, que por sua vez, também é produto de fissão. Mais recentemente, o 123 I (meia-vida de 13 h) tem sido amplamente utilizado pois seus efeitos colaterais são mais leves por possuir uma dose de radiação bem menor que 131 I e 132 I, de 2 rads por 100 µci. Emite somente um raio gama de 159 kev, já que decai por captura de elétrons e, portanto, não emite radiação beta adicional. Outro órgão estudado usando-se 131 I é o rim, no qual o iodo é inserido via intravenosa. A comparação do nível de iodo nos dois rins pode revelar anormalidades. O material radioativo no paciente é excretado após a passagem por esse órgão. Muitos fármacos têm radioisótopos em sua composição. A emissão dos radioisótopos pode produzir uma imagem espacial num detector de cintilação, com um colimador limitado que pode observar pequenas áreas (de 2 a 3 mm de diâmetro). Um outro colimador permite detectar a radiação que vem somente de uma determinada profundidade do paciente. O isótopo mais utilizado para gerar imagens é o 99m Tc (cuja meia-vida é de 6 horas) que é produto do 99 Mo (meia-vida de 66h), o qual, por sua vez, é obtido de fissão ou por captura de nêutron pelo 98 Mo. O raio gama de 140 kev do 99m Tc é vantajoso, pois permite precisão no desenho de colimadores. A atividade pode ser introduzida no corpo por meio de uma grande variedade de componentes marcadores e formas químicas, dependendo do órgão a ser observado e do tipo de exame. Um uso comum das técnicas de cintilografia, é a cintilografia cerebral. O cérebro se caracteriza por apresentar uma chamada barreira hemato-encefálica, ou seja, sob condições normais ele absorve pouquíssimas impurezas do sangue. Contudo, se o cérebro está afetado por alguma doença ou tumor, ocorre uma concentração do radioisótopo tecnécio-99 na região afetada, revelando essa disfunção. Um aparelho que permitiu grande aprimoramento das imagens obtidas pela cintilografia é a câmera gama. Alguns dos mais interessantes desenvolvimentos na geração de imagens para a Medicina ocorreram no campo da tomografia, que possibilita a formação de imagens de uma parte específica do corpo, tanto por meio da incidência externa de raios-x, quanto da injeção endovenosa ou ingestão de radioisótopos. Há também a tomografia computadorizada axial (CAT, em inglês), técnica na qual ocorre a incidência de feixes de raios-x, vindos de várias direções, na região de interesse. Para cada feixe é possível determinar a perda de intensidade e, portanto, o nível de absorção por uma determinada direção.

6 Assim, podem ser formadas imagens bidimensionais da região de interesse. Outro exemplo é o da tomografia por emissão de pósitrons (PET, em inglês), na qual um isótopo emissor de pósitrons é introduzido na área a ser estudada. Seu decaimento possibilita a formação de imagens, em vários aspectos mais interessantes que aquelas produzidas pelo CAT, visto que a PET pode revelar também efeitos dinâmicos, tais como o fluxo de sangue. Aplicações interessantes para o mapeamento funcional do cérebro são possíveis por esse meio. Talvez o mais novo desenvolvimento nessa área seja a imagem por ressonância magnética nuclear (NMR, em inglês). Em um experimento básico de NMR uma amostra é simultaneamente exposta a um campo magnético estático e a um campo de radiofreqüência (rf) variando no tempo, perpendicular ao campo estático. O campo estático gera uma separação Zeeman DE dos sub-estados magnéticos nucleares adjacentes e o campo rf é ajustado para a freqüência ν = DE/h, então isto leva a transições entre os sub-estados, os quais são observados através da absorção da potência rf na freqüência ressonante. Para aplicações médicas, é possível fazer a ressonância do 1 H, presente no corpo em abundância, e também de outros isótopos estáveis como o 13 C e o 17 O. Cada um desses núcleos possui uma freqüência ressonante única, determinada pelo momento do dipolo magnético nuclear. Uma varredura através do corpo é eventualmente possível, aproveitando a variação da freqüência ressonante resultante da variação do campo estático sobre o volume do corpo. A técnica de imagem NMR possui uma vantagem sobre as técnicas de raios-x, raios gama e de emissão de pósitrons, já que o paciente não é exposto a radiações ionizantes; acredita-se que os efeitos diretos de campos magnéticos estáticos e variáveis sobre o corpo são insignificantes. Medicina nuclear terapêutica O uso básico das radiações nucleares na terapia é para a destruição dos tecidos do corpo que são indesejáveis e que não funcionam corretamente, dos tumores cancerígenos ou da glândula tireóide hiperativa. Isso é feito com as habilidades ionizantes das radiações nucleares. Em essência, a destruição desses tecidos é feita pelos seguintes passos: (1) as radiações incidentes ionizam átomos de moléculas do material irradiado; (2) as moléculas ionizadas participam de uma reação química, que dá lugar a radicais livres ou outras moléculas excitadas; (3) esses radicais livres podem ser incorporados dentro de uma estrutura biológica complexa (no nível molecular) e alterar suas funções, podendo levar horas e até anos para que os efeitos dessa mudança biológica se tornem aparentes. É possível ter uma ação direta pela radiação nas moléculas sensíveis biologicamente, seguindo o passo (2); uma vez que o corpo humano é formado aproximadamente por 80% de água, é mais provável que a radiação produza eventos ionizantes em moléculas de água. Assim, a molécula de água pode ser ionizada pela incidência de radiação, como H 2 O H 2 O + + e e o elétron livre pode ser capturado por outra molécula neutra de água para produzir uma molécula com um excesso de cargas negativas: H 2 O + e H 2 O como Ambas as moléculas de água ionizadas H 2 O + e H 2 O são íons instáveis e podem ser dissociados H 2 O + H + + OH H 2 O H + OH

7 Ambos os casos produzem íons H + ou OH, além dos radicais livres H ou OH. O radical livre é um átomo ou molécula eletricamente neutro que possui um elétron livre (isto é, desemparelhado) para participar das reações químicas. Devido à forte tendência desse elétron desemparelhado em participar de reações químicas que induzem a uma configuração de emparelhamento mais estável, esses radicais livres são extremamente reativos. Dentro de cerca de 10 6 segundo irão reagir seguindo os possíveis passos: H + H H 2 OH + OH H 2 O 2 H + OH H 2 O H 2 O + H H 2 + OH No caso da matéria orgânica, podemos simplificar a cadeia carbônica que contém um hidrogênio em RH, onde R é o radical orgânico livre que contém o hidrogênio. Os radicais livres H e OH podem combinar com essas moléculas orgânicas desta forma: OH + RH R + H 2 O H + RH R + H 2 Em ambos os casos, o resultado é a produção de radicais livres R, que podem fazer parte de um sistema biológico mais complexo, causando possivelmente sua morte ou, alternativamente, mudando a informação genética que é passada na reprodução, de modo que essa estrutura na próxima geração será fundamentalmente diferente, passando-se por uma mutação genética. A molécula de matéria orgânica pode ser ionizada diretamente sem produção de radicais livres da água: RH RH + + e RH + R + H + Como resultado. ainda se verifica a geração do radical livre R. Se o material irradiado é rico em oxigênio (como ocorre no tecido inflamado, por exemplo), outra seqüência de processos é possível R + O 2 RO 2 e o radical RO 2 pode ainda reagir com outra molécula orgânica RH de acordo com o processo RO 2 + RH RO 2 H + R resultando em outro radical livre R, o qual pode começar um novo processo. Isso é análogo à reação em cadeia na fissão nuclear induzida por nêutrons. Outro processo que acontece com o oxigênio é O 2 + e O 2 A razão se deve à grande afinidade eletrônica do O 2. A captura do elétron pelo O 2 não somente pode iniciar um processo, mas também prevenir que os elétrons livres interajam com os íons originais. Portanto, o mal causado pela da radiação não pode ser remediado por recaptura dos elétrons livres.

8 Esse processo, denominado efeito oxigênio, faz com o tecido fique altamente oxigenado, o que é extremamente prejudicial, pois o tecido rico em oxigênio é mais sensível a radiação. Assim, como conseqüência, o tecido irradiado que tem mais oxigênio em sua formação possui menor tempo de vida que um tecido que possui menos oxigênio. Trabalhar com tecidos altamente oxigenados é, então, um problema e, de fato, representa na medicina o contraponto da utilização da radiação pois os tumores normalmente são pouco irrigados por sangue. Logo, possuem menos oxigênio que os outros tecidos mais vascularizados. Para relacionar a dose de radiação necessária em um tecido oxigenado e em um não oxigenado, define-se uma razão chamada taxa de elevação de oxigênio (OER, em inglês), definida como a razão entre a dose necessária para um tecido pobre em oxigênio pela dose necessária para um tecido rico em oxigênio. Valores típicos estão entre 2 e 3. Para comparar os efeitos das diferentes radiações sobre o tecido vivo, utiliza-se de um fator de comparação chamado de transferência linear de energia (LET, em inglês), o qual mede a energia depositada no material por unidade de distância percorrida pela radiação. Como exemplos de alto LET temos as radiações de íons pesados e partículas α. Os valores típicos de partículas de alto LET são acima de 100 kev/µm, e de baixa são da ordem de 1 kev/µm. A grande vantagem das radiações com alto LET é que elas minimizam efeitos danosos aos tecidos saudáveis do paciente, evitando qualquer inflamação ou complicação em decorrência da radiação pois expõem menos o paciente à fonte emissora de radiação. Nos últimos anos, estudos com feixes de nêutrons e píons têm sido realizados para radioterapia. Os nêutrons interagem com tecidos vivos por meio de diversas reações, sendo a principal delas o espalhamento elástico pelo hidrogênio. Nesse processo é criado um próton com LET relativamente alto. Outra possível interação é a reação (n,α) com o 16 O, que cria uma partícula α com elevado LET. Outros tipos de espalhamento elástico por oxigênio e carbono podem produzir recuo de núcleos pesados que também possuem altos níveis de LET. Os nêutrons, ao contrário das partículas carregadas, não sofrem interação coulombiana sendo, portanto, menos sensíveis à presença de átomos com números atômicos Z maiores, como o oxigênio, possuindo portanto menos OER, o que pode resultar na destruição de tecidos com doses menores de radiação para o paciente. Os píons são desacelerados ao passar pela matéria e finalmente param, sendo capturados pelos núcleos dos átomos-alvo. Quando isso acontece, muitas reações podem ocorrer, por exemplo: π + 16 O 16 N* 15 N + n 14 N + 2n 14 C + p + n 12 B + α A vizinhança do evento de captura do píon é chamado de estrela, em razão da seqüência de traços que divergem do local da captura em uma emulsão fotográfica. Aproximadamente 35 MeV de energia proveniente de partículas carregadas é depositada dentro de poucos milímetros no local de captura. A dose de radiação por píon incidente é maximizada a uma profundidade específica no tecido, que depende da energia do píon incidente. No tratamento de tumores a energia pode ser ajustada ao ponto de liberar a dose máxima no local do tumor. Por serem partículas carregadas, os píons possuem a vantagem (em relação a nêutrons ou fótons) de que podem ser focalizados a fim de convergirem para uma posição especifica, aumentando ainda mais sua eficiência local. O OER dos píons é perto de 2, mas como as reações nucleares são confinadas a uma região relativamente pequena, o efeito oxigênio pode ser menos significativo para radioterapia por píons do que para outro tipo de radiação. Usos na indústria No Brasil, atualmente, a radiação vem sendo muito utilizada na indústria, o que tem contribuído

9 para a melhoria da qualidade e da produtividade nos processos de fabricação, buscando suprir com vantagem as necessidades dos consumidores. Algumas dessas aplicações constam do controle de padrão de espessura (como nas folhas de papel) e de vazão de líquidos, e do controle de qualidade de junções em peças metálicas. É empregada a radiação de fontes como cobalto-60, irídio-192, césio-137 e amerício-241. Outro uso importante da radiação está na aplicação de traçadores radioativos. Injeta-se uma substância com materiais radioativos em um meio, para a observação desse processo. Os traçadores radioativos, por outro lado, podem detectar problemas de vazamentos em grandes plantas da indústria química. Na exploração do petróleo também existe o uso da radiação, quando fontes de nêutrons são empregadas para se determinar o perfil do solo, além de se poder determinar a quantidade de água, gás e óleo existente no material a ser extraído. Os irradiadores industriais cada vez estão sendo mais utilizados, servindo para submeter materiais a radiação, exterminando microorganismo, como na esterilização e conservação de materiais cirúrgicos, remédios, alimentos, peças de valor histórico, etc. O cobalto-60 é o radioisótopo que vem sendo mais empregado pela indústria. O processo não causa contaminação e nem há produção de material radioativo, sendo mais eficiente que substâncias químicas usadas para o mesmo fim. O cobalto-60 leva muita vantagem sobre a esterilização térmica, pois materiais como plásticos não suportariam altas temperaturas. Nos alimentos para o consumo humano a radiação gama elimina microorganismos que causam doenças, como a salmonella typhimurium, e eleva a vida útil do alimento. Na agroindústria existe uma aplicação, cuja técnica se chama de macho estéril, para o combate das pragas na lavoura, na qual os machos são esterilizados por radiação, os quais são soltos na região infestada para diminuir a população do inseto. Na pesquisa e no meio ambiente Com o advento do uso de técnicas nucleares, muitas aplicações deste conhecimento se tornaram possíveis. São vastas as utilizações dessas técnicas na pesquisa e no meio ambiente. Existe também alguma preocupação no sentido de que as aplicações não sejam potencialmente prejudiciais, pois a humanidade já testemunhou, ao longo de sua história, um considerável número de desastres causados por essa tecnologia, e há grandes esforços para que não aconteçam novos acidentes. Na alimentação animal e na pesquisa de plantas, as técnicas nucleares permitem o acompanhamento metabólico desses seres vivos. E, especialmente nas plantas, verifica-se a absorção de nutrientes e o efeito de microorganismos. Usam-se fertilizantes marcados com fósforo-32 para medir a quantidade de fosfato existente no solo e o consumo de fósforo pelas plantas. Entretanto é necessário ter cuidado com as possíveis mutações causadas. Como se sabe, as células animais e vegetais possuem elementos em comum, como: membrana, núcleo (contendo proteínas e cromossomos), citoplasma, entre outros. Os cromossomos podem ser danificados pelas radiações ionizantes e permanecer assim, ou voltar a se reunir de maneira anômala (possivelmente com partes de outros cromossomos também rompidos). O efeito global é a interferência na autoduplicação dos cromossomos e a produção de mutações. Vale lembrar que a mutação é um processo natural, que ocorre espontaneamente na natureza. Porém a exposição à radiação, quando essa é superior àquela existente em condições normais, tem como um dos efeitos a aceleração desse processo de mutação. Pode-se também utilizar os radioisótopos para estudo dos solos, com a possibilidade de observação dos processos de infiltração e filtragem da água no solo, objetivando a verificação da qualidade do terreno estudado e das formas de melhorar sua produtividade. Faz-se necessária também uma verificação dos possíveis efeitos indesejados, como por exemplo, uma contaminação do lençol freático. Uma outra aplicação está no uso de marcadores radioativos para mapear a vazão de algum rio. Essa técnica consiste no lançamento de material radioativo nos rios e possibilita verificar experimentalmente a quantidade de material radioativo ao longo do mesmo. Essa verificação é feita tendo em vista que a radiação produz ionização dos gases (formando um gás condutor), e esse efeito é utilizado em uma grande variedade de detectores. Um contador Geiger, por exemplo, tem dois eletrodos. A radiação entra através de uma janela e ioniza o gás existente entre os eletrodos, possibilitando uma corrente entre eles. O impulso elétrico produzido pode então ser contado ou registrado. É muito importante dizer que a introdução de

10 material radioativo nos rios pode causar efeitos indesejáveis para o meio ambiente (pelas mesmas causas mencionadas anteriormente). São importantes também mais duas aplicações: a análise de irradiação por nêutrons e a esterilização de lixo e dejetos orgânicos. A primeira tem como objetivo a medida de pequenas quantidades de poluentes. A segunda garante que não haja microorganismos nocivos. Isso ocorre porque a radiação em excesso acaba por matar todas as formas de vida microscópicas (ou quase todas). Geração de energia Uma das principais utilizações da energia nuclear é a sua conversão em energia elétrica. Uma usina termonuclear, como o próprio nome diz, é uma usina térmica que utiliza a energia a energia das reações de fissão nuclear, ou seja, da quebra de núcleos atômicos, como fonte de calor. A energia liberada nesse tipo de reação é utilizada para gerar vapor de água no reator a fim de colocar em funcionamento as turbinas, que acionam os geradores, produzindo energia elétrica. Os reatores do tipo água pressurizada (pressurized water reactor PWR, em inglês), utilizados nas usinas nucleares brasileiras, tem o 235 U enriquecido a 3,5% como combustível. O isótopo urânio-235 é extraído do minério na natureza com concentração de 0,7%, sendo necessário passar por várias etapas para a separação do urânio-238, cujo processo é conhecido como enriquecimento do urânio, quando se alcança a proporção desejada de 3,5% para a formação do combustível final utilizado nos reatores nucleares. Atualmente a energia elétrica gerada por usinas nucleares no mundo é de 17% e tem a mesma proporção da energia gerada por usinas hidroelétricas e a gás. Alguns países desenvolvidos têm mais de 50% do seu abastecimento de energia a partir de energia nuclear, como é o caso da França e Bélgica. Além dos reatores destinados a geração de energia elétrica, existem vários outros destinados a pesquisa em mais de 50 países. Confiança e resíduos O uso da energia nuclear para geração de energia elétrica passou por um declínio de interesse durante algum tempo, principalmente após acidentes envolvendo esse tipo de energia, como ocorreram em Three Mile Island (Estados Unidos) e Chernobyl (Ucrânia). Apesar das conseqüências catastróficas, principalmente em Chernobyl, esses acidentes foram responsáveis por fazer com que os países, usuários desse modo de produção de energia, revisassem as medidas de segurança, aumentando o rigor para o licenciamento das usinas nucleares. Passado algum tempo após esses acidentes, os países ocidentais passaram a investir mais em pesquisas envolvendo energia nuclear. Nos Estados Unidos, por exemplo, algumas empresas nucleares já estão modernizando suas usinas, substituindo os equipamentos a fim de prolongar a vida útil dos reatores por pelo menos mais vinte anos. Outros países do ocidente, como Alemanha, Finlândia e Itália, estão reconsiderando o uso da energia nuclear como opção viável, visto que o efeito crítico dos poluentes é menor comparado a outros tipos de geração de energia. Hoje em dia, percebe-se uma grande vantagem ao se adotar essa tecnologia, devido principalmente à sua grande eficiência e à questão dos poluentes, comparando-se a outros tipos de geração de energia. Pelo fato de o rejeito das usinas nucleares ser extremamente prejudicial ao meio ambiente é que há uma maior preocupação quanto ao seu armazenamento. Vale ressaltar que dentre as formas de geração de energia, a nuclear é uma das que produzem menor quantidade de rejeitos e com maior precaução quanto a seu armazenamento A grande dificuldade é que o lixo radioativo pode durar até milhões de anos. Porém, cada usina possui lugar reservado para guardar todo esse material até que se encontre uma solução definitiva para o problema. Milhões de dólares são investidos atualmente no que diz respeito ao rejeito das usinas nucleares. Busca-se uma maneira de transformar o resíduo em não-radioativo com o menor tempo possível. Em todo o mundo cada país é responsável pelo seu material radioativo, controlado por suas respectivas agências reguladoras de atividades nucleares, segundo padrões internacionais, de tal maneira a garantir a segurança

11 do material. Energia nuclear no país Cerca de 3 mil instalações de energia nuclear para fins pacíficos estão em funcionamento no Brasil, usando-se as fontes radioativas na saúde, na indústria e pesquisa. Todos os anos vem aumentando o número de pacientes que utilizam radiofármacos. Novos cíclotrons, que permitem a produção de radioisótopos, foram instalados em São Paulo e Rio de Janeiro, para o uso de técnicas avançadas. A CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear) irá instalar nos próximos anos cíclotrons em Recife e em Belo Horizonte, aumentando a sua disponibilidade para outras regiões o nosso país. A produção de radioisótopos por reatores, no país, também tem crescido, isso devido à melhoria dos equipamentos utilizados. Além disso foram criadas novas técnicas de combate ao câncer, aumentando a procura por radiofármacos. Na indústria também tem aumentado o uso da radiação, pois as técnicas utilizadas estão mais avançadas. Na geração de energia, o Brasil principia a dominar o processo enriquecimento de urânio. Em nosso país temos cerca de 300mil toneladas de urânio em reserva, o que são suficientes para o funcionamento de 10 reatores, equivalente aos existentes Angra1 e Angra 2 por cerca de 100 anos. Segurança O uso de reatores nucleares é preocupante, pois a segurança deve estar em primeiro lugar. Essa segurança está sendo aperfeiçoada constantemente por cientistas e técnicos do mundo inteiro e com isso o sistema está ficando cada vez mais confiável e seguro. A AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) é a entidade que garante que o aprimoramento de novas normas de segurança estarão disponíveis para todos. O TNP (Tratado de Não-Proliferação) é um acordo que tem por objetivo a não-proliferação de armas nucleares, buscando-se firmar a doutrina da paz por meio do entendimento diplomático. Em nosso país a CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear) é que inspeciona e licencia as instalações que utilizam materiais nucleares, com o fim de se garantir a segurança. Essa tecnologia carrega consigo um risco, mas cabe aos especialistas criarem métodos de segurança para que o uso desse tipo de energia seja viável sob todos os aspectos. Alguns eventos importantes Henri Becquerel descobre acidentalmente a radioatividade, ao deixar um composto de urânio junto com chapas fotográficas dentro de sua gaveta O casal Pierre Curie e Marie Curie consegue isolar o rádio e o polônio. Villard descobriu a radiação gama Rutherford confirmou a desintegração radioativa espontânea Usaram-se ingenuamente materiais radioativos na medicina e na indústria. Nessa época, até mesmo em cosméticos utilizaram-se materiais radioativos Começou-se a utilizar traçadores radioativos A radiação começa a ser utilizada no tratamento oncológico Primeiro radionuclídeo artificial produzido. Primeira fissão do urânio com nêutrons Uso em terapia de radioisótopos produzidos em aceleradores cíclotron

12 1939- Einstein escreve aos americanos sobre a possibilidade de alemães construírem uma bomba atômica Início do programa nuclear americano Construção do primeiro reator americano Lançamento das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki A União Soviética realiza a sua primeira explosão nuclear A era nuclear favorece a criação do Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq), mais tarde denominado Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Explosão da primeira bomba de hidrogênio pelos Estados Unidos; criação do Instituto de Pesquisas Radioativas (IPR), em Belo Horizonte, mais tarde denominado Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear (CDTN) Explosão da bomba de hidrogênio pela União Soviética Os Estados Unidos criam dificuldades para a entrega pela Alemanha ao Brasil de três ultracentrífugas Entrada em funcionamento das primeiras centrais nucleares de produção de energia elétrica para o público Entrada em funcionamento do primeiro reator de pesquisas no hemisfério sul, no Instituto de Energia Nuclear (IEA), Universidade de São Paulo; criação da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) Criação da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) pela ONU Criação do Instituto de Engenharia Nuclear, no Rio de Janeiro Início da produção de radioisótopos para aplicações médicas e científicas no Brasil Assinatura pelo governo brasileiro do Tratado para a Proscrição de Armas Nucleares na América Latina e Caribe Formalizado o Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, pela AIEA Acordo com os Estados Unidos para a construção da central nuclear de Angra I pela Westinghouse Autorização para o funcionamento provisório de Angra I O Brasil começa a fabricar o yellow-cake, que é uma das etapas de fabricação do combustível nuclear de reatores Entrada em operação comercial de Angra I Início do enriquecimento de urânio pelo Brasil; acidente em Goiânia, envolvendo o césio-137.

13 1988- Entrada em funcionamento do reator MB/01, de concepção e construção nacional Assinatura pelo Brasil e Argentina de acordo para o uso pacífico da energia nuclear Entrada em vigor do Tratado para a Proscrição de Armas Nucleares na América Latina e Caribe Início da produção pelo Brasil do radioisótopo tálio-201, de aplicação na medicina A usina Angra II entra em operação Entrada em operação da usina de enriquecimento de urânio em Resende (RJ). Bibliografia 1) O. D. Gonçalves e I. P. S. de Almeida, A energia nuclear e seus usos na sociedade, Ciência Hoje, vol. 37, págs (2005). 2) K. S. Krane, Introductory Nuclear Physics, Wiley, New York (1987).

Química. Prof. Arilson. Aluno(a):

Química. Prof. Arilson. Aluno(a): Produção de energia Projeções indicam que até 2050 o consumo de energia terá um aumento de 160%.Uma das possíveis opções para solucionar esse problema de produção de energia é a utilização da energia nuclear.existem

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

A energia nuclear. Odair Dias Gonçalves e Ivan Pedro Salati de Almeida Comissão Nacional de Energia Nuclear (RJ) 36 CIÊNCIA HOJE vol.

A energia nuclear. Odair Dias Gonçalves e Ivan Pedro Salati de Almeida Comissão Nacional de Energia Nuclear (RJ) 36 CIÊNCIA HOJE vol. F Í F S Í S I C I AC A A energia nuclear Toda tecnologia avançada pode ser usada para fins pacíficos ou bélicos. Isso ocorre com a eletrônica, a nanotecnologia, a biologia, a engenharia genética e também

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR

GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR GLOSSÁRIO DE TERMOS USADOS EM ENERGIA NUCLEAR A Acelerador Aparelho para aumentar a velocidade e a energia de partículas elementares carregadas, como elétrons e prótons, utilizando campos elétricos e/ou

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Profa. Katia Aquino http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Radiação ionizante Arranca elétrons da matéria não ionizante Excitação da matéria partícula http://blogtecrad.blogspot.com/2010_09_01_archive.html

Leia mais

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos A RADIAÇÃO IONIZANTE O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos Palestra introdutória Curso de Física da Radiação I -2004/1 Resp.: Prof. Stenio Dore O que é radiação? Def. abrangente: É o transporte

Leia mais

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR

EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR A radioatividade e as radiações ionizantes não são percebidas naturalmente pelos órgãos dos sentidos do ser humano, diferindo-se da luz e do calor. Talvez seja por isso que

Leia mais

Energia Nuclear. Apostila educativa. Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana

Energia Nuclear. Apostila educativa. Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana Aplicações da Energia Nuclear Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana Rua General Severiano, 90 - Botafogo - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22290-901 www.cnen.gov.br

Leia mais

Radiografia industrial

Radiografia industrial A U A UL LA Radiografia industrial Introdução Se você já teve algum tipo de fratura óssea ou pegou uma gripe mais forte, certamente o médico deve ter solicitado uma radiografia da área afetada, para fazer

Leia mais

Radiações Radiação corpuscular Radiação eletromagnética

Radiações Radiação corpuscular Radiação eletromagnética Radiações Quando se fala em radiação, as pessoas geralmente associam esta palavra com algo perigoso. O que elas não sabem é que estamos expostos diariamente à radiação. Radiação nada mais é do que a emissão

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1 Rosa de Hiroshima Ney Matogrosso Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam

Leia mais

Reatores Nucleares - Conceitos

Reatores Nucleares - Conceitos Reatores Nucleares - Conceitos Observa-se na mídia, em decorrência do acidente nas usinas nucleares do Japão, um grande interesse sobre os reatores nucleares, o acompanhamento das causas do acidente, sua

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial.

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Radioatividade II e Energia Nuclear Meia-vida Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Meia-vida Tempo necessário para que a atividade

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

Energia Nuclear e Contaminação Radioativa. Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro

Energia Nuclear e Contaminação Radioativa. Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro Energia Nuclear e Contaminação Radioativa Prof. Dr. Fábio Luiz Melquiades Departamento de Física - Unicentro Motivação Em todas as áreas da atividade humana ocorrem acidentes; batidas de veículos, descarrilamentos

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

MODALIDADES DA RADIOTERAPIA: TELETERAPIA, BRAQUITERAPIA E RADIOCIRURGIA

MODALIDADES DA RADIOTERAPIA: TELETERAPIA, BRAQUITERAPIA E RADIOCIRURGIA MODALIDADES DA RADIOTERAPIA: TELETERAPIA, BRAQUITERAPIA E RADIOCIRURGIA BRUNA CRISTINA DE LIMA Discente do Curso de Tecnologia em Radiologia das Faculdades Integradas de LUIZ CORREIA LIMA JUNIOR Discente

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

REGIME JURÍDICO NUCLEAR Parte 1 A possível retomada do Projeto Nuclear Brasileiro

REGIME JURÍDICO NUCLEAR Parte 1 A possível retomada do Projeto Nuclear Brasileiro 1 REGIME JURÍDICO NUCLEAR Parte 1 A possível retomada do Projeto Nuclear Brasileiro A. BREVE INTRODUÇÃO POLÍTICA Tendo em vista os atuais acontecimentos que alteraram o equilíbrio geopolítico mundial,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Energia Nuclear. A utilização da energia nuclear vem crescendo a cada dia. A geração núcleo elétrica é uma das alternativas menos poluentes; permite a obtenção de muita energia em um espaço físico relativamente

Leia mais

II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria. Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior

II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria. Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior AGENDA A bomba atômica. A geração da energia atômica. RI efeitos sobre

Leia mais

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável

Leia mais

As catástrofes humanas decorrentes do uso da energia nuclear

As catástrofes humanas decorrentes do uso da energia nuclear As catástrofes humanas decorrentes do uso da energia nuclear Março, 2011 (Mahatma Gandhi) Quando em 1895 Röntgen descobriu os raios X, não podia imaginar o quanto essa descoberta seria importante para

Leia mais

FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Analítica Ambiental FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Fevereiro, 2014 Grupo: Isabela Vieira da Silva Thaeny

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Imagenologia: Técnicas Radiológicas II Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 5º P Método de diagnóstico

Leia mais

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 APLICAÇÕES NA ÁREA MÉDICA RADIODIAGNÓSTICO RADIOTERAPIA MEDICINA NUCLEAR USO DE FONTES DE RADIAÇÃO NA ÁREA MÉDICA RAIOS-X DIAGNÓSTICO: equipamentos emissores

Leia mais

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003.

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003. 5. Fusão Nuclear Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 003. As reservas mundiais de petróleo e gás natural, nesta ordem, sofrerão grandes declínios neste

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear

Comissão Nacional de Energia Nuclear II workshop International ENUMAs 2010 Comissão Nacional de Energia Nuclear Nilson Dias Vieira Junior 19/08/2010 A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA Presidência da República Ministério da Ciência e Tecnologia Institutos

Leia mais

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Radioatividade - Parte 1

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Radioatividade - Parte 1 Questões Resolvidas Radioatividade - Parte 1 01. (Unifesp) 2011 é o Ano Internacional da Química; neste ano, comemoram-se também os 100 anos do recebimento do Prêmio Nobel de Química por Marie Curie, pela

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Radiografias: Princípios físicos Roteiro Definições e histórico

Leia mais

OFERTA/DEMANDA DO RADIOISÓTOPO 99 MO NO BRASIL: UMA NECESSIDADE SOCIAL.

OFERTA/DEMANDA DO RADIOISÓTOPO 99 MO NO BRASIL: UMA NECESSIDADE SOCIAL. 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 OFERTA/DEMANDA DO RADIOISÓTOPO

Leia mais

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir.

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir. 1.A obra Molhe Espiral (acima) faz lembrar o modelo atômico planetário, proposto por Ernest Rutherford (Fig. 1). Esse modelo satisfaz as observações experimentais de desvio de partículas alfa ao bombardearem

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Conseqüências do Gás Radônio na Saúde Humana

Conseqüências do Gás Radônio na Saúde Humana Conseqüências do Gás Radônio na Saúde Humana 1 LARANA Laboratório de Radioatividade Natural do Rio Grande do Norte da UFRN. Coordenador: Pr. Dr. Thomas Ferreira da Costa Campus* Contatos: www.larana.geologia.ufrn.br

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO. Cristina Maria Brucki

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO. Cristina Maria Brucki PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Cristina Maria Brucki Produto Final da Dissertação apresentada à Pontifícia Universidade Católica de São Paulo em 15 de setembro de 2011, Programa de Mestrado

Leia mais

RAIOS GAMA PRINCÍPIOS FÍSICOS E. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

RAIOS GAMA PRINCÍPIOS FÍSICOS E. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica RAIOS GAMA PRINCÍPIOS FÍSICOS E INSTRUMENTOS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Geração de Raios Gama Geração de Raios-x Geração de Raios gama Raios-γsão as radiações eletromagnéticas de mais alta energia

Leia mais

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT)

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Biociências Departamento de Biofísica Biofísica Biomédica III BIO10016 Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Franciele Giongo e Luíza Fortes

Leia mais

Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida

Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida Conteúdo 5 Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida 5.1 Conceitos básicos sobre radiação Como discutimos em sala de aula a radiação é um tipo de propagação de energia que não deve ser

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q59 Período de meia-vida

Química. Resolução das atividades complementares. Q59 Período de meia-vida Resolução das atividades complementares Química Q59 Período de meia-vida p. 6 (UFSCar-SP) Em 999, foi estudada a ossada do habitante considerado mais antigo do Brasil, uma mulher que a equipe responsável

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

Grupo de Protecção e Segurança Radiológica Octávia Monteiro Gil

Grupo de Protecção e Segurança Radiológica Octávia Monteiro Gil Grupo de Protecção e Segurança Radiológica 1st Workshop for Stakeholders - 6 de Dezembro de 2013 Radioactividade A radioactividade existe desde a formação do Universo, e os seres humanos viveram sempre

Leia mais

Conversa sobre Radioterapia e seus usos. BOLSISTA: VITOR SECAMILLI SILVA SUPERVISORA: SILVANA ZANINI COORDENADORA: ADRIANA VITORINO ROSSI

Conversa sobre Radioterapia e seus usos. BOLSISTA: VITOR SECAMILLI SILVA SUPERVISORA: SILVANA ZANINI COORDENADORA: ADRIANA VITORINO ROSSI Conversa sobre Radioterapia e seus usos. BOLSISTA: VITOR SECAMILLI SILVA SUPERVISORA: SILVANA ZANINI COORDENADORA: ADRIANA VITORINO ROSSI Primeiramente... O que é o Câncer? O que é o Câncer? Células defeituosas

Leia mais

Aula 2 Aplicações das Radiações. F 107 Física para Biologia 1º Semestre de 2010 Prof.Dr. Edmilson JT Manganote

Aula 2 Aplicações das Radiações. F 107 Física para Biologia 1º Semestre de 2010 Prof.Dr. Edmilson JT Manganote Aula 2 Aplicações das Radiações Radiografias Análise de Materiais O XPS (X-Rays Photoelectron Spectroscopy - Espectroscopia Fotoelétrica de Raio-X). Também conhecido como ESCA ( Electron Spectroscopy for

Leia mais

Exercícios de Radioatividade

Exercícios de Radioatividade Exercícios de Radioatividade 1. Os Curie empreenderam uma elaborada análise química da uranimite, separando seus numerosos elementos em grupos analíticos: sais de metais alcalinos, de elementos alcalino

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 Teoria atômica básica e leis ponderais Evolução dos modelos atômicos Modelo atômico atual 1 Módulo 2 Números quânticos; Distribuição eletrônica Paramagnetismo,

Leia mais

Autor Eliezer de Moura Cardoso

Autor Eliezer de Moura Cardoso Autor Eliezer de Moura Cardoso APRESENTAÇÃO O Programa de Integração CNEN - PIC, em seu Módulo I - Informação Técnica, visa apresentar informações básicas sobre a energia nuclear e das radiações, de forma

Leia mais

Detectores de Radiação Ionizante

Detectores de Radiação Ionizante Detectores de Radiação Ionizante As radiações ionizantes por si só não podem ser medida diretamente, a detecção é realizada pelo resultado produzido da interação da radiação com um meio sensível (detector).

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR E SUA APLICAÇÃO INDUSTRIAL

A ENERGIA NUCLEAR E SUA APLICAÇÃO INDUSTRIAL A ENERGIA NUCLEAR E SUA APLICAÇÃO INDUSTRIAL LEONEL SOARES DE SOUZA 1 ; RICARDO COURA OLIVEIRA 2 ; MARCELO JOSÉ SIMONETTI 3. 1 Graduando do Curso de Tecnologia em Automação Industrial, Fatec - SP. E-mail:

Leia mais

Ensaio por raios gama

Ensaio por raios gama A UU L AL A Ensaio por raios gama Na aula anterior, você aprendeu a fazer ensaio por raios X numa chapa soldada. Constatou que durante a realização do ensaio aparentemente nada acontece, porque as radiações

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais

EFEITOS BIOLÓGICOS PROVOCADOS PELA RADIAÇÃO IONIZANTE EM SERES HUMANOS

EFEITOS BIOLÓGICOS PROVOCADOS PELA RADIAÇÃO IONIZANTE EM SERES HUMANOS EFEITOS BIOLÓGICOS PROVOCADOS PELA RADIAÇÃO IONIZANTE EM SERES HUMANOS EDVAN ANTONIO DOGIVAL Discente do Curso de Radiologia das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS KLEITON TEODORO DOS SANTOS Discente

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Jose Augusto Perrotta Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento DPD/CNEN Tópicos abordados nesta apresentação Institutos da CNEN Principais

Leia mais

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG Belo Horizonte, 29-31 de Maio de 2012 TECNOLOGIA DOS REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA E DE PESQUISA Dr. Clarysson

Leia mais

Os 10 lugares mais poluídos do planeta

Os 10 lugares mais poluídos do planeta Os 10 lugares mais poluídos do planeta O ranking da ONG ambiental Blacksmith Institute tem 300 cidades, mas o Top 10 é mesmo de assustar. Conheça o mapa da morte: SUMGAYIT, Azerbaijão População potencialmente

Leia mais

O CONTADOR GEIGER-MULLER

O CONTADOR GEIGER-MULLER O CONTADOR GEIGER-MULLER O contador Geiger (ou contador Geiger-Müller ou contador G-M) serve para medir certas radiações ionizantes. Este instrumento de medida, cujo princípio foi imaginado por volta de

Leia mais

Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia

Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br Motivação Conceitos fundamentais sobre radioproteção

Leia mais

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas.

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas. EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS Durante algum tempo a curiosidade do que era constituída a matéria parecia ser impossível de ser desvendada. Até que em 450 a.c. o filósofo grego Leucipo de Mileto afirmava

Leia mais

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Radiologia Industrial Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Fundamentos de Radiologia Industrial Quando pensamos em aeronaves, automóveis, metro, trens, navios, submarinos, etc todas estas máquinas não poderiam

Leia mais

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule -2012 UFBA UFBA - 2ª - 2ª FASE 2012 Questão 01 Ilustração esquemática (fora de escala) da formação da grande onda Em 11 de março de 2011, após um abalo de magnitude 8,9 na escala Richter, ondas com amplitudes

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

A4 - CINÉTICA DE REATORES

A4 - CINÉTICA DE REATORES A4 - CINÉTICA DE REATORES 4. INTRODUÇÃO Ao estudarmos o "Fator de Multiplicação Subcrítica"verificamos que a população de nêutrons permanece constante para um determinado K

Leia mais

A RADIOTERAPIA NA CURA DE CÂNCERES

A RADIOTERAPIA NA CURA DE CÂNCERES A RADIOTERAPIA NA CURA DE CÂNCERES INTRODUÇÃO Elder Alves Moreira dos Santos UNESC* Julho César Soares da Silva UNESC** Karinn de Araújo Soares UNESC*** Ronald Gerard Silva - UNESC **** A radioterapia

Leia mais

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Radioatividade - Parte 2

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Radioatividade - Parte 2 Questões Resolvidas Radioatividade - Parte 2 1. (Uepa) Vários radioisótopos são utilizados na preparação de radiofármacos, entre os quais o tecnécio-99m ( 99m Tc), que apresenta características físicas

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Número de prótons: 54 2 Nome do elemento: BORO BERÍLIO HÉLIO Esta Os quantidade diferentes tipos de prótons de átomos recebe (elementos o nome químicos) de

Leia mais

Espectro Eletromagnético (Parte III)

Espectro Eletromagnético (Parte III) Espectro Eletromagnético (Parte III) Nesta aula estudaremos os raios ultravioleta que são raios muito utilizados em câmaras de bronzeamento artificial, dos raios X que são essenciais para os diagnósticos

Leia mais

Raio X e Tomografia Computadorizada

Raio X e Tomografia Computadorizada Raio X e Tomografia Computadorizada Processamento de Imagens e Sinais Biológicos Aluno: Diego Cordeiro Barboza Professora: Aura Conci 04/2010 Sumário Introdução Descoberta Geração Imagens com Raio X Tomografia

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país José Soares Junior Presidente da SBBMN (Sociedade Brasileira de Biologia, Medicina Nuclear e Imagem Molecular)

Leia mais

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 11 Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 4 ), para que a água esteja em conformidade com

Leia mais

Energias de ionização (ev) 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª X 5,4 75,6 122,4 Y 13,6 35,2 54,9 77,4 113,9 138,1 739,1 871,1

Energias de ionização (ev) 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª X 5,4 75,6 122,4 Y 13,6 35,2 54,9 77,4 113,9 138,1 739,1 871,1 1. (Cefet MG 2014) Na tabela a seguir, estão representadas as energias de ionização de dois elementos X e Y pertencentes ao segundo período do quadro periódico. Elementos Energias de ionização (ev) 1ª

Leia mais

Química. Química 3 SUMÁRIO. e Pré-vestibular

Química. Química 3 SUMÁRIO. e Pré-vestibular Química SUMÁRIO Química 1 MÓDULO 1 Estrutura da matéria - Atomística... 3 Estrutura da matéria: modelos atômicos, Z, A, isótopos e íons Estrutura da matéria: A eletrosfera MÓDULO 2 Classificação periódica

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO RADIOATIVIDADE I EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (CESGRANRIO-RJ) A partir da década de 40, quando McMillan e Seaborg obtiveram em laboratório os primeiros elementos transurânicos (NA > 92), o urânio natural

Leia mais

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear Materiais Front End (da etapa inicial) Dedicado ao transporte seguro, eficiente

Leia mais

Radioatividade. Apostila educativa

Radioatividade. Apostila educativa Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves José Mendonça de Lima Luiz Tahuata Paulo Fernando Heilbron Filho Claudio Braz Sonia Pestana Rua General Severiano, 90 - Botafogo - Rio de Janeiro

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com EMENTA Produção de Raios X : O Tubo de Raios X Sistema de geração de imagens por raios X Formação de Imagem radiográfica

Leia mais

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS 1 INTRODUÇÃO Wellington Antonio Soares soaresw@cdtn.br Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN Centro

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos Ensaio Radiográfico O Ensaio Radiográfico Peça Filme Introdução de radiação na peça, que é absorvida diferencialmente quando ocorrem variações de densidade, espessura ou composição

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1 Física Quântica Caex 005 Questão 1 Se as partículas listadas abaixo têm todas a mesma energia cinética, qual delas tem o menor comprimento de onda? a) elétron b) partícula α c) nêutron d) próton Questão

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Radioproteção em Dosimetria IRD/CNEN Quem é o (sico médico?

Leia mais

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Universidade de Évora Departamento de Química Vânia Pais Aluna do Curso de Mestrado em Química Aplicada SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Com o passar dos anos, o aumento da

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

Química A Intensivo V. 1

Química A Intensivo V. 1 1 Química A Intensivo V. 1 Exercícios 01) 10 01. Incorreta. O modelo atômico de Dalton não prevê a existência de elétrons. 02. Correta. Segundo Dalton, os átomos eram indestrutíveis e, durante uma reação

Leia mais

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente.

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente. Classificação Os resíduos de Serviço de Saúde são classificados por grupo e tipo, com base na Resolução CONAMA 5-5/8/93, complementada pela Resolução Federal 283-12/7/2001 Grupo A: INFECTANTES Presença

Leia mais

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA A cintilografia tomográfica da perfusão cerebral (SPECT) detecta alterações da perfusão sanguínea cerebral inclusive na ausência

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR IRRADIAÇÃO

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR IRRADIAÇÃO CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR IRRADIAÇÃO Aula 4 Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira CONCEITO A irradiação é uma técnica eficiente na conservação dos alimentos reduz as perdas naturais causadas por processos

Leia mais

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer Data: 27/11/2012 Nota Técnica 23/2012 Medicamento Material Procedimento X Cobertura Solicitante: Bruna Luísa Costa de Mendonça Assessora do Juiz da 2ª Vara Cível Numeração Única: 052512020931-3 Tema: Uso

Leia mais