GUIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA NA AMAZÔNIA: ESCRITURA PARA TODOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA NA AMAZÔNIA: ESCRITURA PARA TODOS"

Transcrição

1 GUIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA NA AMAZÔNIA: ESCRITURA PARA TODOS

2

3 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS GUIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA NA AMAZÔNIA: ESCRITURA PARA TODOS Brasília, 2011

4 Elaboração PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS SAE Esplanada dos Ministérios, Bloco O, 7º, 8º e 9º andares Brasília DF CEP PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PNUD Distribuição Gratuita

5 APRESENTAÇÃO O ano de 2009 marca para toda a Amazônia brasileira importante avanço. O ordenamento territorial da região foi radicalmente simplificado com a edição da Medida Provisória nº 458, de 10 de fevereiro de 2009, convertida na Lei Federal nº , de 25 de junho de Esta lei dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras de propriedade da União, administradas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) ou pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). Para executar as ações de regularização fundiária, o governo federal criou em junho de 2009 o Programa Terra Legal, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), do qual são parceiros o Incra, a Secretaria do Patrimônio da União do Ministério do Planejamento (SPU/MPOG), a Secretaria Nacional de Programas Urbanos do Ministério das Cidades (SNPU/Cidades) e a Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR). Grande esforço vem sendo realizado pelos órgãos envolvidos para cumprir de forma expedita o que estipula a Lei nº /2009. Como resultado das ações de regularização fundiária urbana do Terra Legal, alguns municípios já receberam terras da União. A partir daí, cada município deve repassá-las aos cidadãos ocupantes da terra. Esta cartilha informa os procedimentos que os municípios devem trilhar para obter o domínio de suas áreas urbanas e, depois, para entregar os documentos que legalizam a propriedade ou posse dos que hoje habitam e trabalham nas cidades. Boa leitura! 3

6 4

7 UM POUCO DE HISTÓRIA O domínio de áreas e terrenos pela União tem origem no descobrimento do Brasil. Tudo era terra da Coroa Portuguesa, que depois passou ao domínio da União. Na Amazônia, a maior parte era de terras públicas ou devolutas, ou seja, não tinham título de propriedade e foram secularmente ocupadas por milhares de pequenos posseiros, ribeirinhos, índios que viviam do extrativismo, cultivavam hortas e praticavam a pesca em rios e lagos. A partir de 1971, as terras devolutas estaduais na Amazônia Legal foram federalizadas, por meio do Decreto nº 1.164/71, sendo consideradas necessárias à segurança e ao desenvolvimento para a implantação de projetos de colonização ou concessão de terras e exploração de indústrias de interesse nacional. Ao longo dos anos, parte dessas terras foi colocada à venda, outras foram destinadas a projetos de colonização ou de assentamento, outras revertidas aos estados e algumas permaneceram sob o domínio da União. As ocupações incidentes nas áreas que permaneceram sob domínio da União, onde está mais da metade dos produtores rurais da Amazônia, estão sendo regularizadas pelo Programa Terra Legal. Acontece que cidades também surgiram nessas áreas federais. Agora, o que pouca gente sabe, é que essas áreas podem ser transferidas aos municípios e, destes, para os moradores que ainda não têm títulos. E assim começa nossa história... 5

8

9 A CASA É SUA O que é regularização fundiária? É a ação de reconhecimento do direito à moradia da população, garantindo-se a segurança da posse nas áreas ocupadas, em que não existe o registro dos imóveis. Ou seja, é legitimar a posse de quem ocupa o imóvel. Por que fazer a regularização fundiária? Quais os benefícios? A partir da regularização fundiária, os moradores que residem em terrenos sem o documento definitivo se tornam seus legítimos ocupantes ou proprietários, garantindo dessa forma a segurança da moradia. A regularização fundiária gera vários benefícios aos municípios e aos seus moradores. Com a regularização fundiária, a cidade sai da informalidade e se legaliza, permitindo que o Poder Público possa fazer, com segurança, investimentos fixos em habitação, educação, saúde, lazer, cultura, entre outros. Os imóveis regularizados se valorizam imediatamente e seus proprietários passam a ter acesso a crédito a taxas mais vantajosas. E o mais importante: ter o título na mão representa segurança e cidadania, principalmente para as famílias menos favorecidas. 7

10 o que pode ser regularizado Quais são as áreas que podem ser regularizadas? Nesta cartilha, serão explicados apenas os passos para regularização de áreas com ocupações urbanas já consolidadas. São áreas que já têm uma estrutura típica de um bairro, em geral com moradias, comércio e serviços como, por exemplo, água encanada, energia elétrica, linhas de ônibus etc. Portanto, não estão abrangidas neste momento as chamadas áreas de expansão urbana, que merecem uma abordagem à parte. Cada casa pode ser regularizada de acordo com alguns parâmetros: O que pode ser regularizado? Área do imóvel urbano Tem custo? Até m² Entre m² e m² Acima de m² Não Sim, com preferência para o ocupante Sim, sem preferência para o ocupante

11 Quem pode ser beneficiado pela regularização gratuita? 1. Moradores que ocupam área de até 1.000m 2 (mil metros quadrados) pelo prazo contínuo de 1 (um) ano e ainda atendam aos seguintes requisitos: a. tenham ingressado na área antes de 11 de fevereiro de 2009; b. tenham renda familiar mensal inferior a 5 (cinco) salários mínimos; c. utilizem o imóvel como única moradia; e d. não sejam proprietários ou possuidores de outro imóvel urbano (pode ser comprovado por meio de declaração pessoal sujeita a responsabilização nas esferas civil, penal e administrativa). Neste caso, tanto o repasse da terra do município ao ocupante do imóvel quanto o registro em cartório são gratuitos. 2. Órgãos e entidades da administração pública estadual instalados até 11 de fevereiro de

12 E em quais casos a regularização terá custos? A Lei nº /2009 garante a regularização quando o imóvel estiver ocupado pelo prazo contínuo de 1 (um) ano, com ingresso até 10 de fevereiro de 2009 e a área for superior a 1.000m 2 (mil metros quadrados) e inferior a 5.000m 2 (cinco mil metros quadrados). No entanto, esse procedimento não se dá de forma gratuita. Nesses casos, o ocupante deve arcar com os custos do repasse e do registro. Isso também ocorre para imóveis acima de m 2. Veremos os detalhes mais à frente.

13 Casos especiais E todas as áreas da União podem ser objeto de requerimento de regularização por parte dos municípios? Não. A Lei estabelece limites. Quando a área total da União for superior a 2.500ha (dois mil e quinhentos hectares), a doação e a concessão de direito real de uso deverão ser previamente submetidas a aprovação pelo Congresso Nacional. Além disso, são regidas por outras normas federais: as áreas reservadas à administração militar federal, as benfeitorias federais (obras executadas pela União sobre um imóvel, em geral prédios públicos federais), as tradicionalmente ocupadas por população indígena, as áreas de comunidades de quilombos e tradicionais e as florestas públicas. Pode haver regularização das áreas de várzeas, leitos de rios e outros corpos d água federais considerados da União? Sim. Todas essas áreas poderão ser regularizadas mediante outorga de título de Concessão de Direito Real de Uso, devendo ser apresentado auto de demarcação instruído pela planta e memorial descritivo da área a ser regularizada, fornecidos pelo município. Deve constar da planta e do memorial descritivo a descrição da área, com suas medidas perimetrais, área total, localização, confrontantes, coordenadas dos vértices definidores de seus limites, bem como seu número de matrícula ou transcrição e o nome dos ocupantes, quando houver. 11

14 Apenas como lembrete: várzeas são áreas localizadas ao longo de rios, marcados por períodos de cheias e vazantes. São terrenos que, periodicamente, ficam alagados durante a enchente do rio e descobertos com a vazante. E a regularização de áreas de várzeas estaduais? Assim como as águas de rios estaduais, as várzeas estaduais são bens públicos que pertencem aos estados, cujo regime jurídico está disposto na respectiva Constituição Estadual. Sendo a várzea estadual bem público de uso comum, o instrumento mais adequado para que o Poder Público faça sua cessão para uso privado é a concessão de direito real de uso. E se a área ocupada for Área de Preservação Permanente (APP)? A área de preservação permanente é aquela coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os rios, as encostas, a paisagem e a biodiversidade; bem como de proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações. São exemplos de áreas de preservação permanente aquelas situadas ao longo dos rios, ao redor de lagoas, lagos, nascentes, no topo de morros, nas encostas etc. As áreas de preservação permanente localizadas em área urbana consolidada podem ser regularizadas pelo município por meio de procedimento específico previsto na lei nº /

15 13

16 O que A PREFEITURA DEVE FAzER PASSO 1 PASSO 2 PREFEITURA UNIÃO PREFEITURA CIDADÃO Requer doação de terras federais Entrega título de doação Entrega escritura de cada imóvel PASSO 1 Então, como se inicia o processo de Regularização Fundiária? O processo de regularização se inicia com a verifi cação da titularidade das terras em cada município. Podem ajudar na identifi cação das áreas os Cartórios de Registro de Imóveis do município e o Incra. O primeiro passo é identifi car as terras dos municípios que estão em áreas da União. Depois, deve-se identifi car quais dessas áreas são de responsabilidade do Incra e quais são de responsabilidade da Secretaria do Patrimônio da União do Ministério do Planejamento (SPU/MPOG). Áreas de responsabilidade da SPU/MPOG: terrenos de marinha, terrenos marginais ou reservados, bem como as várzeas de rios federais. Áreas de responsabilidade do Incra: as demais áreas. Neste caso se enquadra a grande maioria dos municípios. Após a identifi cação da terra (localização, características de ocupação e responsabilidade), a prefeitura deve fazer um Requerimento de Doação ao governo federal. 14

17 Obs.: Alguns municípios apresentam situações diferenciadas quanto à titularidade da terra que poderá ser sujeita a regularização fundiária. Ao fim desta cartilha, indicamos algumas situações que podem estar ocorrendo em seu município. Como é feito o Requerimento de Doação? O requerimento deve observar o estabelecido pela Lei nº /2009 para áreas urbanas consolidadas e é composto pelos seguintes documentos: formulário de requerimento devidamente preenchido com os dados do prefeito, acompanhado de seus documentos pessoais e dos documentos comprobatórios de sua posse no cargo; comprovante de inscrição e de situação cadastral do município; planta georreferenciada e Memorial Descritivo das áreas pretendidas, em cópia impressa e digital, contendo a definição do perímetro da área objeto do pedido; comprovação das condições de ocupação da área, por exemplo, por uma foto de satélite, que possibilite a identificação de: acidentes geográficos (como córregos, rios, lagoas), vegetação, ruas e rodovias, edifícios existentes e localização da área solicitada em relação ao restante do município; declaração ou laudo indicando que a área perdeu sua vocação para uso agrícola, com assinatura de técnico habilitado (agrônomo, por exemplo); e relação de acessões e benfeitorias federais existentes nas áreas pretendidas ou declaração assinada pelo prefeito do município atestando a sua inexistência. 15

18 O formulário de requerimento pode ser acessado na página do Terra Legal na internet: 1. Entre no site do Terra Legal (HTTP://portal.mda.gov.br/terralegal/) 2. Clique em <Conheça o Terra Legal> 3. Clique em <Regularização Urbana> 4. Clique no link Acesse o requerimento para a regularização fundiária em áreas urbanas para baixar o formulário* * Link para o formulário: Acesso em: 15 fev

19 O formulário e os demais documentos devem ser encaminhados para a Coordenação Estadual do Terra Legal. Em Rondônia, o endereço de correspondência é: Avenida Lauro Sodré, 6500, bairro do Aeroporto, Porto Velho/RO, CEP: Uma vez cumpridas essas formalidades, ocorrerá a análise da documentação pela Coordenação do Terra Legal em consulta a outros órgãos do governo federal. Com o parecer favorável de todos, é feita a doação ou a concessão da terra para o município, ou seja, há duas possibilidades: o Ministério do Desenvolvimento Agrário emite título de doação, no caso de terras que eram do Incra; ou o Ministério do Planejamento emite o título de Concessão de Direito Real de Uso (CDRU) no caso de terras de responsabilidade da Secretaria de Patrimônio da União do Ministério do Planejamento (SPU/MPOG). O município deverá então registrar o título de doação ou de CDRU no Cartório de Registro de Imóveis da cidade. É possível que não exista esse tipo de cartório no seu município. Neste caso, o registro se fará em município próximo. 17

20 Pode haver regularização em áreas localizadas em faixa de fronteira? Sim. Em alguns municípios existem áreas que são consideradas faixa de fronteira, que também podem ser regularizadas. Neste caso, além dos órgãos federais consultados no procedimento padrão descrito anteriormente, deverá ser consultado também o Conselho de Defesa Nacional, que poderá se manifestar quanto aos critérios de utilização da área, conforme determinação do art. 5º, 5º, do Decreto nº 7.341/2010. Com o registro pelo município do título de doação ou de CDRU no Cartório de Registro de Imóveis da cidade, o processo de regularização está finalizado? Foi finalizada apenas a primeira etapa do processo de regularização fundiária: a transferência da terra da União para o município. Resta ao município regularizar a posse dos ocupantes dessas terras observando os critérios da Lei nº /

21 PASSO 2 E quais são essas etapas da Regularização Fundiária que o município deverá observar? A regra geral é que o município siga estas etapas: 1 Levantamento físico-espacial: levantamento da área ocupada, também chamado mapeamento do uso e ocupação do solo, para que sejam identifi cadas as porções de terra em que vivem os moradores e aquilo que está em volta ruas, praças, prédios, igarapés etc. Este passo é necessário para determinar os limites de cada lote, e serve à preparação do Projeto de regularização Fundiária, conforme será visto a seguir. 2 Selagem dos imóveis: nesta fase, cada imóvel é identifi cado com um número de selagem, um código que identifi cará cada lote a ser titulado. Este passo é necessário para fi xar no tempo a situação dos lotes na área (quantidade e tamanho). 3 Cadastramento da população a ser beneficiada: nesta fase, que poderá ser realizada ao mesmo tempo da fase anterior, o município deve cadastrar os moradores que serão benefi ciados pela regularização de cada lote. Isso é importante para identifi car o legítimo ocupante de cada porção de terra. 19

22 4 Preparação e aprovação do Projeto de Regularização Fundiária: o município preparará e aprovará um Projeto de regularização Fundiária. O Projeto defi nirá o ordenamento territorial da ocupação, de acordo com a situação existente. Isto signifi ca a identifi cação dos lotes a serem regularizados e das ruas existentes ou projetadas. Caso seja possível, também identifi cará as áreas destinadas a uso público (praças, quadras de esporte etc.). 5 Encaminhamento da documentação ao cartório: em seguida, essa lei municipal, acompanhada do projeto, é encaminhada para o Cartório de Registro de Imóveis para efeito de registro do projeto, desmembramento do imóvel e abertura da matrícula dos lotes individualizados. É importante ressaltar que a documentação encaminhada para registro em Cartório deve conter a planta, o memorial descritivo e o quadro demonstrativo da área objeto da regularização. 6 Emissão de título e registro: a Prefeitura pode emitir diretamente o título de doação da área ou transferência de CDRU para o particular (regularização gratuita). Nos casos em que a renda familiar for superior ao limite de cinco salários mínimos, ou que a área for maior que mil metros quadrados, ou ainda que o ocupante seja proprietário de outro imóvel, será necessário um processo de licitação, por meio dos passos explicados adiante (regularização com custos). Nessas duas situações, a documentação também precisa ser levada para registro no Cartório de registro de imóveis. Esse passo comprova que foi feita a transferência da terra do município para o cidadão, ou seja, que o lugar em que ele mora lhe pertence. 20

23 Quem faz o cadastramento da população a ser beneficiada? O próprio município deve realizar esse cadastro dos moradores, que poderá ser acompanhado de perto pela comunidade. Entre as informações coletadas, devem constar, no mínimo: o nome do ou dos ocupantes, o número de moradores da família a ser beneficiada e a renda familiar, data em que ocupou o imóvel, informação sobre a eventual posse de outro imóvel. Para a identificação correta do morador de cada lote, pode ser necessário apresentar documentos pessoais (RG, CPF) e documentos que comprovem o tempo de posse do imóvel (por exemplo, talão de IPTU, conta de energia e água). O que compõe o Projeto de Regularização Fundiária? É composto de Memoriais Descritivos, peças técnicas (mapas e textos) que descrevem as características físicas de cada um dos lotes, indicando os endereços, as suas dimensões e confrontações. Esse trabalho é realizado por profissionais legalmente habilitados (em geral arquitetos, engenheiros ou agrimensores), que podem ser do quadro de pessoal do próprio município ou uma equipe contratada especialmente para esse fim. Concluídos os Memoriais Descritivos, o Projeto de Regularização Fundiária deverá ser aprovado por lei municipal e sancionado pela prefeitura, autorizando-a a repassar os lotes aos moradores. O que são as matrículas dos lotes individualizados? As Matrículas são os documentos legais que identificam de forma individualizada as características de cada um dos lotes, seu tamanho, limites, confrontações, além de conter um histórico de proprietários de cada imóvel. 21

24 E como ocorre o processo de licitação mencionado anteriormente? Nesse caso, o município deverá realizar licitação na modalidade concorrência, nos termos da lei nº 8.666/93. Resumidamente, os passos são: 1. Publicação de edital descrevendo a área e as condições da licitação. 2. Habilitação dos proponentes, limitada à comprovação de depósito no valor de 5% (cinco por cento) do valor de avaliação do imóvel, a título de caução. 3. Recebimento das propostas, em envelopes entregues na prefeitura. 4. Abertura de envelopes, julgamento do resultado (e posterior recebimento e julgamento de recursos, se houver). 5. Pagamento pelo vencedor e posterior transferência do bem pelo município. Vale lembrar que o vencedor da licitação, se não for o ocupante do lote licitado, deve indenizar o ocupante pelas benfeitorias agregadas ao imóvel. De maneira semelhante aos outros casos, o vencedor deve levar o documento que comprova a transferência do lote para registro no Cartório de Registro de Imóveis em seu nome. Se for o caso, pode-se tomar como exemplo editais disponíveis na internet para acesso ao público em geral. 22

25 DÚVIDAS FREQUENTES Como proceder a regularização da terra doada por particular ao município, mas ainda não registrada em cartório? O município deve levar ao cartório de registro de imóveis o documento que comprova a doação e também: (a) certidões fiscais; (b) certidões referentes aos tributos que incidam sobre o imóvel; (c) feitos ajuizados; e (d) ônus reais, conforme determinação do art. 1 da Lei n /85 1 e art. 1 do Decreto n /86. 2 Com a documentação completa apresentada, o cartório consignará a apresentação dessa documentação e fará o registro da terra em nome do município. Em minha cidade já ocorreu o registro em cartório da terra doada por particular (originalmente um núcleo de colonização) em nome do município. O que falta ser feito para eu receber minha escritura? As terras remanescentes de núcleos de colonização ou de projetos de reforma agrária doadas por particular ao município podem ser regularizadas em benefício dos ocupantes de fato, seguindo as orientações da Lei n /09. O município realizará o levantamento físico-espacial da área ocupada, a identificação dos lotes (indicando endereços, dimensões e confrontações), os memoriais descritivos e o cadastramento da população a ser beneficiada, e aprovará a doação dos lotes aos ocupantes por meio de lei municipal específica. Toda a documentação será encaminhada para o cartório 1 Disponível em: 2 Disponível em: 23

26 de registro de imóveis para abertura da matrícula e entrega das escrituras dos imóveis aos ocupantes. Para mais detalhes sobre as etapas da regularização que o município deverá observar, basta rever as páginas 19 e 20 deste guia. Um terra de propriedade de particular foi ocupada por terceiros e se transformou em uma aglomeração urbana. Como proceder? Nas áreas de aquisição ou sucessão possessória em que os ocupantes não tenham título de propriedade, pode ser proposta a Ação de Usucapião Coletiva. Essa ação pode ser movida pelos próprios ocupantes ou pela Associação de Moradores, em nome dos moradores, e está prevista no art. 10 do Estatuto da Cidade (Lei n /01). As áreas urbanas que totalizem mais de 250 m 2 (duzentos e cinquenta metros quadrados), sejam ocupadas por população de baixa renda para sua moradia, por cinco anos, ininterruptamente e sem oposição, onde não for possível identificar os terrenos ocupados por cada possuidor, são suscetíveis de serem usucapidas coletivamente, desde que os possuidores não sejam proprietários de outro imóvel urbano ou rural. Documentos necessários para a propositura da ação: documentos pessoais (carteira de identidade; CPF; comprovante de residência); matrícula do imóvel usucapiendo ou do todo maior em que se insere a área pretendida ou certidão do Registro de Imóveis atestando a inexistência de matrícula; contrato de promessa de compra e venda ou arras, quando houver; documentos que comprovem o tempo de moradia no imóvel, tais como fotos de satélite, IPTU, contas de água ou de energia elétrica; lista de testemunhas com qualificação e endereço; 24

27 nome e endereço dos confrontantes (vizinhos lindeiros); levantamento topográfico e memorial descritivo; e declaração de que não possui outro imóvel urbano ou rural. Para que cada ocupante tenha direito ao domínio individualizado de seu imóvel, é importante que, na petição inicial da ação, fique registrada a extinção do condomínio, que deve ser aprovada por dois terços dos ocupantes, reunidos em assembleia geral, nos termos do artigo 10, 4º, da Lei n /01. Nos casos em que surgiu núcleo urbano em lote rural, originalmente dotado apenas de L. O. (Licença de Ocupação) ou A. O. (Autorização de Ocupação) emitida(s) pelo Incra, sem transferência de domínio, como se faz a regularização? Como as Licenças de Ocupação ou Autorizações de Ocupação dos lotes rurais não transferiram a propriedade da terra para os colonos assentados, o domínio permaneceu sendo do Incra. Portanto, os núcleos urbanos que surgiram nessas áreas (municípios) podem fazer o pedido de regularização fundiária diretamente ao MDA, usando o procedimento normal, descrito na página 15 deste guia. Neste caso também se inclui a situação em que houve emissão de título de domínio com condição resolutiva, ou seja, título de propriedade que é revertida à União se não forem cumpridas certas cláusulas estabelecidas no momento da formação do assentamento (por exemplo, uso da terra para fins agrícolas, pagamentos de parcelas, entre outras). Em ambos os casos, o Incra tem plenos poderes para reconhecer administrativamente o domínio ou a reversão da propriedade à União. 25

28 Saiba mais Para mais informações, vale consultar também: DECRETO Nº 7.341, DE 22 DE OUTUBRO DE LEI Nº , DE 7 DE JULHO DE LEI Nº , DE 10 DE JULHO DE LEI Nº 7.433, DE 18 DE DEZEMBRO DE DECRETO Nº , DE 9 DE SETEMBRO DE Os textos podem ser lidos em: 26

29 anexo LEI Nº , DE 25 DE JUNHO DE Dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União, no âmbito da Amazônia Legal; altera as Leis n os 8.666, de 21 de junho de 1993, e 6.015, de 31 de dezembro de 1973; e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o Esta Lei dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União, no âmbito da Amazônia Legal, definida no art. 2º da Lei Complementar nº 124, de 3 de janeiro de 2007, mediante alienação e concessão de direito real de uso de imóveis. Parágrafo único. Fica vedado beneficiar, nos termos desta Lei, pessoa natural ou jurídica com a regularização de mais de uma área ocupada. Art. 2 o Para os efeitos desta Lei, entende-se por: I - ocupação direta: aquela exercida pelo ocupante e sua família; II - ocupação indireta: aquela exercida somente por interposta pessoa; 27

30 III - exploração direta: atividade econômica exercida em imóvel rural, praticada diretamente pelo ocupante com o auxílio de seus familiares, ou com a ajuda de terceiros, ainda que assalariados; IV - exploração indireta: atividade econômica exercida em imóvel rural por meio de preposto ou assalariado; V - cultura efetiva: exploração agropecuária, agroindustrial, extrativa, florestal, pesqueira ou outra atividade similar, mantida no imóvel rural e com o objetivo de prover subsistência dos ocupantes, por meio da produção e da geração de renda; VI - ocupação mansa e pacífica: aquela exercida sem oposição e de forma contínua; VII - ordenamento territorial urbano: planejamento da área urbana, de expansão urbana ou de urbanização específica, que considere os princípios e diretrizes da Lei n o , de 10 de julho de 2001, e inclua, no mínimo, os seguintes elementos: a) delimitação de zonas especiais de interesse social em quantidade compatível com a demanda de habitação de interesse social do Município; b) diretrizes e parâmetros urbanísticos de parcelamento, uso e ocupação do solo urbano; c) diretrizes para infraestrutura e equipamentos urbanos e comunitários; e d) diretrizes para proteção do meio ambiente e do patrimônio cultural; VIII - concessão de direito real de uso: cessão de direito real de uso, onerosa ou gratuita, por tempo certo ou indeterminado, para fins específicos de regularização fundiária; e 28

31 IX - alienação: doação ou venda, direta ou mediante licitação, nos termos da Lei n o 8.666, de 21 de junho de 1993, do domínio pleno das terras previstas no art. 1 o. Art. 3 o São passíveis de regularização fundiária nos termos desta Lei as ocupações incidentes em terras: I - discriminadas, arrecadadas e registradas em nome da União com base no art. 1 o do Decreto-Lei n o 1.164, de 1 o de abril de 1971; II - abrangidas pelas exceções dispostas no parágrafo único do art. 1 o do Decreto-Lei n o 2.375, de 24 de novembro de 1987; III - remanescentes de núcleos de colonização ou de projetos de reforma agrária que tiverem perdido a vocação agrícola e se destinem à utilização urbana; IV - devolutas localizadas em faixa de fronteira; ou V - registradas em nome do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - Incra, ou por ele administradas. Parágrafo único. Esta Lei aplica-se subsidiariamente a outras áreas sob domínio da União, na Amazônia Legal, sem prejuízo da utilização dos instrumentos previstos na legislação patrimonial. Art. 4 o Não serão passíveis de alienação ou concessão de direito real de uso, nos termos desta Lei, as ocupações que recaiam sobre áreas: I - reservadas à administração militar federal e a outras finalidades de utilidade pública ou de interesse social a cargo da União; II - tradicionalmente ocupadas por população indígena; 29

32 III - de florestas públicas, nos termos da Lei n o , de 2 de março de 2006, de unidades de conservação ou que sejam objeto de processo administrativo voltado à criação de unidades de conservação, conforme regulamento; ou IV - que contenham acessões ou benfeitorias federais. 1 o As áreas ocupadas que abranjam parte ou a totalidade de terrenos de marinha, terrenos marginais ou reservados, seus acrescidos ou outras áreas insuscetíveis de alienação nos termos do art. 20 da Constituição Federal, poderão ser regularizadas mediante outorga de título de concessão de direito real de uso. 2 o As terras ocupadas por comunidades quilombolas ou tradicionais que façam uso coletivo da área serão regularizadas de acordo com as normas específicas, aplicando-se-lhes, no que couber, os dispositivos desta Lei. CAPÍTULO II DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA EM ÁREAS RURAIS Art. 5 o Para regularização da ocupação, nos termos desta Lei, o ocupante e seu cônjuge ou companheiro deverão atender os seguintes requisitos: I - ser brasileiro nato ou naturalizado; II - não ser proprietário de imóvel rural em qualquer parte do território nacional; III - praticar cultura efetiva; IV - comprovar o exercício de ocupação e exploração direta, mansa e pacífica, por si ou por seus antecessores, anterior a 1 o de dezembro de 2004; e 30

33 V - não ter sido beneficiado por programa de reforma agrária ou de regularização fundiária de área rural, ressalvadas as situações admitidas pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário. 1 o Fica vedada a regularização de ocupações em que o ocupante, seu cônjuge ou companheiro exerçam cargo ou emprego público no Incra, no Ministério do Desenvolvimento Agrário, na Secretaria do Patrimônio da União do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão ou nos órgãos estaduais de terras. 2 o Nos casos em que o ocupante, seu cônjuge ou companheiro exerçam cargo ou emprego público não referido no 1 o, deverão ser observados para a regularização os requisitos previstos nos incisos II, III e IV do art. 3 o da Lei n o , de 24 de julho de Art. 6 o Preenchidos os requisitos previstos no art. 5 o, o Ministério do Desenvolvimento Agrário ou, se for o caso, o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão regularizará as áreas ocupadas mediante alienação. 1 o Serão regularizadas as ocupações de áreas de até 15 (quinze) módulos fiscais e não superiores a 1.500ha (mil e quinhentos hectares), respeitada a fração mínima de parcelamento. 2 o Serão passíveis de alienação as áreas ocupadas, demarcadas e que não abranjam as áreas previstas no art. 4 o desta Lei. 3 o Não serão regularizadas ocupações que incidam sobre áreas objeto de demanda judicial em que seja parte a União ou seus entes da administração indireta, até o trânsito em julgado da respectiva decisão. 4 o A concessão de direito real de uso nas hipóteses previstas no 1 o do art. 4 o desta Lei será outorgada pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, após a identificação da área, nos termos de regulamento. 31

www.mda.gov.br MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS

www.mda.gov.br MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS Patrocínio: www.mda.gov.br MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS Realização: Secretaria do Patrimônio da União Ministério do Planejamento Ministério das Cidades Ministério do Desenvolvimento Agrário

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis RIDALVO MACHADO DE ARRUDA PROCURADOR FEDERAL (PFE-INCRA/PB) ESPECIALISTA EM DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO NO DIREITO AGRÁRIO

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.713, DE 9 DE MAIO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 3.876 Institui o Programa de Adequação Ambiental de Propriedade e Atividade Rural TO-LEGAL, e adota outras providências. O Governador

Leia mais

Para extinção das dívidas e/ou saldos devedores do contrato com fundamento no art. 7º da MP nº 496/2010:

Para extinção das dívidas e/ou saldos devedores do contrato com fundamento no art. 7º da MP nº 496/2010: DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA: Extinção de dívidas do contrato Compra do imóvel com base no art. 12 da Lei nº 11.483/2007 Substituição do beneficiário do contrato de compra e venda ou cessão de direitos Emissão

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 496, DE 19 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre o limite de endividamento de Municípios em operações de crédito destinadas

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 1 - MP2220/2001 CNDU - http://www.code4557687196.bio.br MEDIDA PROVISÓRIA No 2.220, DE 4 DE SETEMBRO DE 2001. CNDU Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 Dispõe sobre a autorização para recebimento e homologação de laudos técnico-ambientais e plantas georreferenciadas, elaborados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.572, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta dispositivos da Medida Provisória n o 535, de 2 de junho de 2011, que tratam

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado e alienação de lotes ou parcelas de terras públicas no território do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998 PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1.786 DE 24/04/98. LEI Nº 197 DE 08 DE ABRIL DE 1998 Dispõe sobre as terras de domínio do Estado de Roraima e sua atuação no processo de Reforma Agrária, Regularização Fundiária

Leia mais

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR 1. MÓDULO DE IDENTIFICAÇÃO DO IMÓVEL Nome do Imóvel: Município: Imóvel em Zona: [ ] Rural [ ] Expansão Urbana [ ] Urbana Referência de acesso: Endereço

Leia mais

LEI N. 1.382, DE 5 DE MARÇO DE 2001. Dispõe sobre as terras públicas do Estado do Acre e dá outras providências. GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

LEI N. 1.382, DE 5 DE MARÇO DE 2001. Dispõe sobre as terras públicas do Estado do Acre e dá outras providências. GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.382, DE 5 DE MARÇO DE 2001 D.O.E. N. 7.985, de 12.3.2001 EMENTA: "Dispõe sobre as terras públicas do Estado do Acre, e dá outras providências." ORIGEM: Projeto de Lei n. 1/2001 AUTORIA: PODER

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015.

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Estabelece diretrizes e procedimentos para o cumprimento da compensação ambiental decorrente do corte e da supressão de vegetação nativa pertencente ao bioma

Leia mais

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 2009 DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 Institui, no âmbito da Secretaria de Estado da Habitação Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais Cidade Legal Comitê de Regularização

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS Kilder José Barbosa Engenheiro Agrimensor Analista/INCRA Kilder Barbosa - Engenheiro Agrimensor Analista em Reforma e Desenvolvimento

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las! 3 Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental

Leia mais

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial:

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: 1. ETAPA CADASTRANTE Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: Endereço do Cadastrante: Logradouro Número: Complemento: Bairro:

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 Define os procedimentos relativos à concessão de auxílio-moradia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF.

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF. LEI 10.188, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2001 Cria o Programa de Arrendamento Residencial, institui o arrendamento residencial com opção de compra e dá outras providências. Faço saber que o Presidente da República

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União;

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União; INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 4, DE 17 DE MAIO DE 2007 DOU de 18.5.2007 _ Retificação _DOU de 21.5.2007 Altera dispositivos, que especifica, da Instrução Normativa nº 1, de 15 de janeiro de 1997, disciplinadora

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 ALTERA dispositivos da Lei Municipal nº 3.194, de 03 de janeiro de 2006, que dispõe sobre a política habitacional de interesse social do Município, voltada para a população

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA. Lei nº. 116/2003. Súmula :

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA. Lei nº. 116/2003. Súmula : ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA Lei nº. 116/2003 Súmula : Dispõe sobre a autorização ao Poder Executivo Municipal de Colniza MT, em aprovar o Projeto de Desmembramento

Leia mais

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014 Veículo: Minas Gerais Data: 28/11/2014 Editoria: Diário do Executivo Página: 18 Clipping Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de

Leia mais

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO 302 4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO Regulamento o exercício do direito de preempção pelo Poder Público Municipal de acordo com a Lei de Revisão do Plano Diretor, e dá outras providências. A

Leia mais

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016.

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016. AUTOR: PREFEITA MUNICIPAL, MARIA DA CONCEIÇÃO CALDAS RABHA A CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS APROVOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL NOSSA CIDADE LEGAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 Regulamenta a Lei nº 11.483, de 31 de maio de 2007, no que se refere à avaliação da vocação logística

Leia mais

Diretoria de Patrimônio - DPA

Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Finalidade Coordenar, supervisionar, controlar e executar as atividades relativas a administração patrimonial do Estado. (Decreto Estadual nº

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETO Nº 13.346, DE 24 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta a Lei Complementar nº 4.403, de 5 de junho de 2013, que Estabelece obrigação de uso do sistema ITBI

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação!

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Para realizar sua contemplação providenciar a documentação solicitada abaixo e levar até uma loja do Magazine Luiza ou representação autorizada

Leia mais

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011 DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS Junho/2011 CONTEXTO Das 310 Ucs Federais, 251 são domínio público DOMÍNIO TERRAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS DOMÍNIO TERRAS PÚBLICAS

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE AUXÍLIO-MORADIA, DE 31 DE JULHO DE 2015.

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE AUXÍLIO-MORADIA, DE 31 DE JULHO DE 2015. REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE AUXÍLIO-MORADIA, DE 31 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre as regras e procedimentos para a concessão de auxílio-moradia aos servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS. Locatário Pessoa Física:

INSTRUÇÕES BÁSICAS. Locatário Pessoa Física: INSTRUÇÕES BÁSICAS O que é necessário para alugar um imóvel na Bandeirantes Imóveis? Para alugar quaisquer dos imóveis disponíveis na carteira de locação da Bandeirantes Imóveis siga os seguintes passos:

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf.

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf. PORTARIA Nº 7, DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Institui o selo de identificação da participação da agricultura familiar e dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à permissão, manutenção, cancelamento

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96)

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) Dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.449, DE 30 DE OUTUBRO DE 2002. Texto compilado Regulamenta a Lei n o 10.267, de 28 de agosto de 2001, que altera dispositivos

Leia mais

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014.

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. DECRETO Nº 39680 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ LEI Nº 2829, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2007. "DISPÕE SOBRE CONCESSÃO DE USO ESPECIAL PARA FIM DE MORADIA, DE QUE TRATA A ME- DIDA PROVISÓRIA Nº 2.220/2001, E DÁ OU- TRAS PROVIDÊNCIAS."

Leia mais

Considerando a reunião do CDP de 07 de abril de 2015;

Considerando a reunião do CDP de 07 de abril de 2015; RESOLUÇÃO N o 06/2015/CDP Florianópolis, 28 de maio de 2015. O PRESIDENTE DO DO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA EM EXERCÍCIO, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Regimento Geral do

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Súmula: Estabelece normas e procedimentos para a realização de inscrição dos mutuários, relaciona os documentos necessários a instruir

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba) PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba) Altera a Lei n o 6.015, de 31 de dezembro de 1973, a fim de prever o registro de legitimação de posse e de ocupação urbanas no Registro de Títulos e

Leia mais

I requerimento preenchido e assinado pelo requerente ou representante legal;

I requerimento preenchido e assinado pelo requerente ou representante legal; Instrução Normativa nº 006, de 30 de setembro de 2013. O Diretor Presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo- IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 35 da

Leia mais

Medida Provisória nº 691/2015

Medida Provisória nº 691/2015 Medida Provisória nº 691/2015 Brasília, Setembro/2015 AUDIÊNCIA PÚBLICA SENADO GESTÃO DE IMÓVEIS DA UNIÃO APERFEIÇOAMENTO DO MARCO LEGAL- MP 691/2015 Alienação de terrenos em áreas urbanas consolidadas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 Altera o Decreto-Lei nº 1.876, de 15 de julho de 1981, e o Decreto-Lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987, para isentar da cobrança de laudêmio, foro e taxa de

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las! Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental (CRAs)? O que são Cotas de Reserva Ambiental?

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50 PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007 CONSULTA EFETUADA PELA CAIXA. ANÁLISE DE ESCRI- TURA DE ÁREA DE INTERVENÇÃO, REFERENTE A CON- TRATO DE REPASSE CELEBRADO COM O MUNICÍPIO DE (...). IMÓVEL ORIUNDO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná LEI Nº 591, DE 02 DE OUTUBRO DE 2012 AUTORIZA A DESAFETAÇÃO E A ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS PARA FINS DE IMPLANTAÇÃO DE PARQUE INDUSTRIAL A EMPRESAS DEVIDAMENTE CONSTITUÍDAS NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a consignação em folha de pagamento de agente político e servidor da administração municipal do executivo e do legislativo e dá outras providências. O

Leia mais

AMBIENTAL E NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS SOBRE O CADASTRO AMBIENTAL RURAL - ( CAR )

AMBIENTAL E NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS SOBRE O CADASTRO AMBIENTAL RURAL - ( CAR ) AMBIENTAL E NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS 29/04/2015 27 PERGUNTAS E RESPOSTAS DIRETAS E ESSENCIAIS SOBRE O CADASTRO AMBIENTAL RURAL - ( CAR ) ÍNDICE POR ASSUNTO ITENS Nº Informações Gerais 1, 4, 9 Responsabilidade

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar - PNATE e o Programa de Apoio

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015

TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015 1 TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015 Termo Doacao 0003 IDM Pelo presente termo de doação de imóvel com encargos, de um lado o Município de Xanxerê, com sede na cidade de Xanxerê, Estado

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONES: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO:

Leia mais

EDITAL PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS PELO INCRA

EDITAL PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS PELO INCRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE SANTA CATARINA - SR(10)SC EDITAL PARA AQUISIÇÃO

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Caeté, Minas Gerais, aprova: Art. 1º - Fica instituída a Política

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como criá-las e como negociá-las ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos Órgãos Setoriais

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Informativo Oficial do Municipio de Itapemirim - Criado pela Lei Municipal nº 1.928/05 e Regulamentado pelo Decreto nº 2.671/05 - Ano IX - 1618 DECRETOS DECRETO Nº. 8.552 /2015

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Reforma Agrária Marceloednilson Marins* CONCEITO Considera-se Reforma Agrária o conjunto de medidas que visem a promover, melhor distribuição da terra, mediante modificações do regime

Leia mais

LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015

LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015 LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulariza áreas públicas municipais ocupadas para fins de moradia e estabelece diretrizes para concessão de outorga para uso especial e dá outras providências.

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei nº. 12.145 de 08 de Setembro de 2011, que regulamentou o Instrumento: TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.977, DE 20 MAIO DE 2014. Vigência Regula e disciplina a atividade de desmontagem de veículos automotores terrestres; altera

Leia mais

Indicação Nº..., de... ( Do Senhor Carlos Abicalil)

Indicação Nº..., de... ( Do Senhor Carlos Abicalil) Indicação Nº..., de... ( Do Senhor Carlos Abicalil) Sugere, ao Ministro de Estado dos Transportes, Anderson Adauto a edição de decreto regulamentando a Contribuição de Melhoria, instituída pelo Decreto-lei

Leia mais

DECRETO Nº 23581. De 09 de janeiro de 2006

DECRETO Nº 23581. De 09 de janeiro de 2006 DECRETO Nº 23581 De 09 de janeiro de 2006 Cria a Comissão de Locação de Imóveis e estabelece procedimentos para celebração, prorrogação e rescisão de contratos de locação. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41 DECRETO Nº. 075, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos para o encerramento do exercício financeiro de 2015 no âmbito da Administração Pública Municipal e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

Parágrafo Único: O Conselho Municipal de Política Habitacional Popular CMPHP é vinculado diretamente ao Gabinete do Prefeito Municipal.

Parágrafo Único: O Conselho Municipal de Política Habitacional Popular CMPHP é vinculado diretamente ao Gabinete do Prefeito Municipal. GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL N.º 1170/2007 DE 19 DE ABRIL DE 2007. CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICA HABITACIONAL POPULAR CMPHP E INTITUI O FUNDO MUNICIPAL HABITACIONAL POPULAR FUNDHAPO, E DÁ

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o procedimento para a Concessão de Uso Especial para fins de Moradia - CUEM e da Autorização de Uso em imóveis da União. O SECRETÁRIO DO

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 Disciplina os procedimentos referentes aos benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA,

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS ProUni 2 º Semestre 2013

LISTA DE DOCUMENTOS ProUni 2 º Semestre 2013 LISTA DE DOCUMENTOS ProUni 2 º Semestre 2013 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 Os candidatos pré-selecionados deverão entregar cópia simples dos documentos adiante solicitados de todos aqueles que compõem a família.

Leia mais

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO (Lei 6.766/79 alterada pela Lei 9.785/99 e Lei Estadual 7.943/2004) Lei 6.766/1979 - Art. 2º.: 1º - Considera-se loteamento a subdivisão de gleba em lotes destinados

Leia mais

DECRETO Nº 18.432, DE 23 DE OUTUBRO DE 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A:

DECRETO Nº 18.432, DE 23 DE OUTUBRO DE 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A: DECRETO Nº 18.432, DE 23 DE OUTUBRO DE 2013. Regulamenta o procedimento administrativo da Transferência de Potencial Construtivo (TPC), previsto nos arts. 51 e seguintes da Lei Complementar nº 434, de

Leia mais

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº 12.693 DE 25 DE ABRIL DE 2007 Estabelece procedimentos

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais