BIG DATA, PERFORMANCE, POSIX, RTB E OS DESAFIOS DA. Tiago Peczenyj Weborama PROPAGANDA NA WEB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BIG DATA, PERFORMANCE, POSIX, RTB E OS DESAFIOS DA. Tiago Peczenyj Weborama PROPAGANDA NA WEB"

Transcrição

1 BIG DATA, PERFORMANCE, POSIX, RTB E OS DESAFIOS DA Tiago Peczenyj Weborama PROPAGANDA NA WEB

2 QUEM SOU EU? Tiago Programador poliglota (ruby, java, perl, python, lua) trabalhei por quase 5 anos com distribuição de vídeos na globo.com. Hoje sou Software Engineer no time de Big Data da Weborama (França). Bebo cerveja nas horas vagas.

3 PROPAGANDA

4 QUEM ANUNCIA?

5 O QUE AS EMPRESAS BUSCAM?

6 LUCRO!

7 PROPAGANDA É UM CUSTO NECESSÁRIO PARA OS NEGÓCIOS

8 PROPAGANDA NA INTERNET

9 WHY?

10 É LÁ QUE ESTÁ A MINHA AUDIÊNCIA

11 OFERTA X DEMANDA

12 O AD SERVER

13 IFRAME + REDIRECTS

14 MUITOS REDIRECTS

15 MONETIZAÇÃO

16 TIPOS CPC custo por click CPM custo por mil impressões CPA custo por ação

17 CAMPANHA OFF LINE

18 CAMPANHA ON LINE

19 PARA UM DADO USUARIO O Ad Server precisa decidir qual campanha sera mostrada É preciso decidir também o que mostrar

20 EXEMPLO : BANNERS

21 MUITOS BANNERS

22 VEJAMOS

23 DYNAMIC CREATIVE OPTIMIZATION

24 DCO Section of the ad that changes dynamically, during ad view.

25 WORKFLOW

26 ADOBE CREATIVE SUITE EXTENSION +! +!

27 ALEM DO RANDÔMICO O ad server sabe o ip de origem do request http Utilizando uma base de dados geográfica (ex MaxMind) posso saber qual a provavel localização do visitante Posso então fazer referências locais (nome do País, Estado, Cidade, Bairro ) Também é possivel saber o provedor de acesso (Intelig, Vivo, Net )

28 HTTP HEADER / USER AGENT

29 SABENDO O USER AGENT O Sistema Operacional Nome do Browser / versão Se é um Mobile, Tablet, Video Game ou Desktop Posso inferir alguns perfis de consumo!

30 RETARGETING

31 RETARGETING Com retargeting, eu posso marcar um usuário para mostrar insistentemente uma campanha de forma a acelerar uma possivel conversão. O protocolo HTTP é stateless, porém é possivel utilizar COOKIES para identificar usuarios Estabelecemos uma sessão para cada usuario no nosso ad server

32 COOKIES

33 DCO + RETARGETING Funcionam muito bem juntos Porém é relativamente caro Solução: aumentar eficiencia ao restringir o grupo de usuarios, ao qual tenha mais potencial de convergir após algumas impressões Surgem os perfis geográficos, demograficos e comportamentais.

34 BIG DATA!

35 BIG DATA!! Cada vez que um banner / ads é impresso eu sei: Qual Usuário / Cookie está envolvido Aonde ele está geográficamente Qual é o aparelho, resolução da tela, sistema operacional Qual pagina ele visitou!

36 SALVANDO O REQUEST

37 BIG DATA!!! A partir do Historico do Usuário, eu posso usar uma série de Algoritmos de Inteligência Artificial para determinar os provaveis perfis A segmentação é algo constante, feita a cada vez que o usuario surge na internet Os Algoritmos não são fixos ( a pesquisa é constante) Surgem novas Oportunidades de Negócio, Algoritmos e Competidores

38 DATA PROVIDERS Existem muitas empresas no ramo de tracking de usuarios segundo alguns criterios. É possivel trocar informações sobre um determinado usuario de forma a melhorar os perfis existentes. Geralmente é feito através da troca de pixels

39 PIXEL SYNC Domínio A quer trocar dados com o Domínio B 1. No domínio A adicionamos <img src> para um pixel 1x1 localizado no domínio B 2. O domínio B redireciona para o A, utilizando uma determinada regra de formação de url + query string 3. O domínio A salva localmente as informações e serve um pixel 1x1 gif

40 EXEMPLO PIXEL SYNC Cookies: dominioa => id=x dominiob => id=y A quer saber qual o id do usuario X no dominio B". Add pixel: (que redireciona para) A salva internamente no perfil de X: Ids => { dominio B => Y }

41 PARA QUEM? Vimos ser possivel marcar usuarios para retargeting, alterar o conteudo de acordo com o perfil, mas como determinar para quem mostrar a propaganda? A regra para escolher uma dada campanha pode levar em conta o sistema operacional, tipo de aparelho mobile, região geográfica e alguns tipos de perfis mais simples. Escolher individuos baseados em algoritmos mais complexos/especificos exige ser o ad server. Exige?

42 REAL TIME BIDDING!

43 SSP E DSP

44 LEILÃO

45 REAL TIME BIDDING Permite que diferentes DSPs possam disputar o mesmo usuario (competitividade). Cada DSPs possui um conjunto de campanhas e uma forma proprietária de segmentar os usuarios. Assim um dado usuario pode ser muito relevante para a DSP A, enquanto não é tão atrativo para a B. Os dois maiores BIDs pagam. É possivel não fazer nenhum BID. Exige baixa latência nas transações ( da ordem de 100 ms).

46 PERFORMANCE/ESCALABILIDADE! Operações relativas a advertising exigem rapidez (ou podem não ser percebidos a tempo) e escalabilidade. Essencial entender qual é o maior problema relacionado a performance em operações web.

47 BIOS

48 ESCALABILIDADE Linguagem não escala Framework não escala Componente não escala Biblioteca não escala Arquiteturas muito bem construidas é que escalam (ou não)

49 ARQUITETURA É possivel desenhar uma aplicação web quase perfeita. Todavia, uma vez em produção, não raro se adiciona entropia/ruido na arquitetura/ aplicação para atender melhor a requisitos de negócios (ditos urgentes) A soma da aplicação + infraestrutura + arquivos de configuração + sistema operacional + hardware + versões de bibliotecas/ linguagem + aspectos ambientais nem sempre funciona da forma esperada.

50 PERFORMANCE A duração total de uma tarefa é a soma das durações das sub-tarefas associadas. Para que uma tarefa seja completada em menos tempo, podemos optar por Hardware mais rapido Utilizar um algoritmo mais eficiente (Big O) Paralelizar algumas sub-tarefas Utilizar melhor os recursos disponiveis Diminuir o overhead!

51 PERFORMANCE L1 cache reference Branch Mispredict L2 cache reference Mutex lock/unlock Main memory reference Send 1 K bytes 1 Gbps Net Read 1 MB from RAM (sequenc) Read 1 MB from SSD (sequenc) Disk Seek Read 1 MB from Disc (sequenc) Send packet CA->NE->CA 0.5 ns 5 ns 7 ns 14 x L1 25 ns 100 ns 14 x L2, 200 x L ns ns 1 ms 4x memory 10 ms Antigo Delay 20 ms 80x RAM, 20x SSD 150 ms Netherlands / California Fonte: https://gist.github.com/jboner/

52 CAOS

53 DESIGN Manter e evoluir uma aplicação web (advertising por exemplo) é uma tarefa que não deve ser subestimada. A aplicação depende de uma série de times diferentes para funcionar adequadamente. Comunicação é essencial

54 EQUILIBRAÇÃO (PIAGET) É o processo mediante o qual se equilibra aquilo que já sabemos (assimilação) com aquilo que podemos ser solicitados aprender e que não se ajusta completamente à nossa compreensão (acomodação)

55 CAUSALIDADE A mente humana, para resolução de problemas, funciona de forma causal. Quando nós não percebemos as causas, nós frequentemente inventamos alguma.

56 LOAD BALANCE

57 HTTP SESSION

58 HTTP SESSION COOKIE-BASED

59 SERVIR ESTATICOS DIRETAMENTE

60 USE CACHE

61 MULTIPLOS REQUESTS EM PARALELO

62 MISCELÂNEA Fazer um bom uso da infraestrutura: servidor web, servidor de aplicação, middlewares, caches, load balance, proxy, etc Design da solução de forma a evitar ponto unico de falha Fazer uso racional dos logs / unix signals Automatizar e versionar infraestrutura (git + puppet, chef ) Possuir ambiente espelho ao produção para teste/ homologação Monitorar tudo (nagios, new relic, statsd) Ferramentas para detecção de problemas (wireshark) Time multidisciplinar ( #devops )

63 BIG DATA : REDIS Armazenamento chave/valor Muito rapido Uso intenso de memória Possui coleções, listas, etc Expiração de chaves Suporte a scripts em Lua

64 BIG DATA : REDIS Modelagem de Dados: Um objeto pode ter varias entradas no Redis versus armazenar id => objeto serializado (xml, blob). Se o acesso ao Redis for um gargalo, minimizar acesso trafegando o mínimo de dados e/ou no mínimo de vezes. Compare o preço de recuperar o objeto, deserializar, alterar, serializar e armazenar novamente com o tempo de submeter um script lua que faça o mesmo

65 BIG DATA : REDIS É possivel enviar codigo Lua para o Redis usando EVAL É possivel executar um script usando EVALSHA É possivel chamar a funcao atraves de f_<sha1>() Produz processamento no servidor, mas Lua é eficiente, pode valer a pena.

66 REDIS : EXEMPLOS INCREMENTAR VALOR SERIALIZADO local key = KEYS[1] local value = KEYS[2] local decoder = LUA(decode) () -- substituir por f_93983 () local encoder = LUA(encode) () -- antes de utilizar local sereal_string = redis.call( 'get, key ) local decoded_string = decoder.decode_sereal(sereal_string) local decoded_number = tonumber(decoded_string) sereal_string = encoder.encode_sereal(decoded_number + value) return redis.call( 'set, key, sereal_string)

67 REDIS : CONCLUSÃO Encarar os problemas de forma pragmática Esconder os detalhes do acesso ao Redis através de uma abstração de alto nivel (um objeto/client/driver) Lembrar que acesso ao REDIS é I/O (bloqueante), mas não necessariamente devemos entrar em paranóia

68 BIG DATA : RIAK Banco NoSQL Chave / Valor com alta disponibilidade, tolerante a falhas e com escalabilidade quase linear Trabalha facilmente com grandes volumes de dados Não é tão rapido quanto Redis Excelente para armazenar dados de forma permanente Suporta map-reduce em JavaScript e Erlang Trabalha com interfaces Rest e Protocol Buffer Suporta multiplos backends plugaveis (Memory, LevelDB, )

69 RIAK::LIGHT O problema: com uma estrutura de centenas de processos assincronos que acessam MySQL, apresentou, entre outros gargalos, o acesso ao Riak O Backend da Weborama é totalmente feito em Perl. O driver em questão era o Net::Riak. Surge a ideia de escrever um novo cliente, extremamente leve e direto (CRUD) utilizando a interface Protocol Buffer. Nasce o primeiro projeto open-source da Weborama: Riak::Light

70 (PERL) %hash

71 (PERL) Atualmente está na versão Linguagem procedural (C, shell script, awk, sed) com suporte à orientação a objetos. Perl versão 5 é mais antigo do que Java, Ruby ou PHP (backward compatibility insano). Mais de módulos disponíveis no CPAN. Presente no começo da web interativa (cgi-bin) Profundas ligações com o movimento open source (Patch). Movimento de renovação da linguagem Modern Perl BioPerl, CERN, Estante Virtual, Booking.com, youporn

72 MOOSE package Point; use Moose; has 'x' => (is => 'rw', isa => 'Int'); has 'y' => (is => 'rw', isa => 'Int'); sub clear { my $self = shift; $self->x(0); $self->y(0); } my $point = Point->new( x=> 1, y => 2);

73 MOOSE package Point3D; use Moose; extends 'Point'; has 'z' => (is => 'rw', isa => 'Int'); after 'clear' => sub { my $self = shift; $self->z(0); };

74 MOOSE ROLES package Comparable; use Moose::Role; requires 'compare'; sub equal_to { my ( $self, $other ) $self->compare($other) == 0; } package Foo; use Moose; with Comparable ; # inject equal_to method sub compare { }

75 RIAK::LIGHT CRUD -> GET / PUT / DELETE Interface Protocol Buffer Orientação a Objetos com Moo Foco em Performance Uso da API POSIX não bufferizada Timeout I/O

76 RIAK::LIGHT use Riak::Light; my $client = Riak::Light->new( host => ' ', port => 8087 ); $client->is_alive() or die "ops, riak is not alive"; $client->put_raw( foo => baz => "sometext"); # plain/text my $text = $client->get_raw( foo => 'baz'); $client->del(foo => 'bar');

77 BENCHMARK (GET) Requests/segundo Data::Riak (REST) Data::Riak (REST) 318 Net::Riak (REST) % Riak::Tiny (REST) % Data::Riak::Fast (REST) % Net::Riak (PBC) % Riak::Light (PBC) % https://github.com/weborama/riak-light

78 POSIX Abstração I/O (socket, arquivos, named pipes) Bufferizado ou não Bloqueante ou não Funções sysread / syswrite É preciso observar que nem sempre vc vai escrever/ler todos os bytes que vc espera de uma vez ERRNO global

79 TIMEOUT IO IO::Socket::INET Alarm (signals) Select Setsockopt Windows / SunOS / NetBSD 6

80 RIAK CONCLUSÃO As vezes é necessario reescrever a roda Interface PBC < overhead < REST Uso de secondary indexes pode evitar duplicação de dados Não acessar diretamente da camada de negócios! Map/Reduce não apresentou a performance esperada Dividimos o perfil entre diferentes buckets para propositos diferentes

81 BLOOMD SERVER Servidor de alta performance escrito em C que permite trabalhar com filtros de Bloom Verificar se um dado está no Riak é relativamente lento Armazenas as chaves no Redis utiliza muita memoria Nesse filtro, um falso negativo é impossivel! Atenuamos o problema pois liberamos memoria no Redis e poucos requests efetivamente vão ao Riak https://github.com/armon/bloomd

82 OUTROS DESAFIOS Ad Blocking (21 %) Browser refusing third-party cookies Privacy Browser Fingerprint

83 OBRIGADO! Tiago

Engenharia de Software Aplicações de Internet

Engenharia de Software Aplicações de Internet Engenharia de Software Aplicações de Internet Eduardo Santos eduardo.edusantos@gmail.com eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Histórico Por que existe a Internet? Por que existe

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Arquiteturas escaláveis utilizando ferramentas Shared Nothing. Victor Canô

Arquiteturas escaláveis utilizando ferramentas Shared Nothing. Victor Canô Arquiteturas escaláveis utilizando ferramentas Shared Nothing Victor Canô Victor Canô - Founder / CTO @ Cazamba - Founder @ Troz.io /victoracano Conteúdo O que esperamos de uma aplicação? Cloud, benefícios

Leia mais

Como fazer seu site/blog voar baixo sem muito esforço...

Como fazer seu site/blog voar baixo sem muito esforço... Como fazer seu site/blog voar baixo sem muito esforço... Apresentação Vamos falar de... Cache... Objetivos... # whoami Bruno Gurgel (); Entusiasta; Colaborador; Tímido contribuinte; Experiência; Certificações;

Leia mais

Apache + PHP + MySQL

Apache + PHP + MySQL Apache + PHP + MySQL Fernando Lozano Consultor Independente Prof. Faculdade Metodista Bennett Webmaster da Free Software Foundation fernando@lozano.eti.br SEPAI 2001 O Que São Estes Softwares Apache: Servidor

Leia mais

Conceitos de Ajax Exemplos de uso do Ajax no braço, muitos exemplos, muito código (HTML, CSS, JavaScript, PHP, XML, JSON)

Conceitos de Ajax Exemplos de uso do Ajax no braço, muitos exemplos, muito código (HTML, CSS, JavaScript, PHP, XML, JSON) Márcio Koch 1 Currículo Formado na FURB em Ciência da Computação Pós graduado em Tecnologias para o desenvolvimento de aplicações web Mestrando em Computação Gráfica na UDESC Arquiteto de software na Senior

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais

FIREWALL. Prof. Fabio de Jesus Souza. fabiojsouza@gmail.com. Professor Fabio Souza

FIREWALL. Prof. Fabio de Jesus Souza. fabiojsouza@gmail.com. Professor Fabio Souza FIREWALL Prof. Fabio de Jesus Souza fabiojsouza@gmail.com Professor Fabio Souza O que são Firewalls? Os firewalls são sistemas de segurança que podem ser baseados em: um único elemento de hardware; um

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009 Rafael Polo e Sabrina Arêas Contexto 60 s - Primeiros sistemas de informação corporativos. 70 s Desenvolvimento e comercialização

Leia mais

Práticas de Desenvolvimento de Software

Práticas de Desenvolvimento de Software Aula 8. 13/04/2015. Práticas de Desenvolvimento de Software Aula 8 - Arquitetura e infraestrutura de aplicações Web. Oferecimento Modelo cliente-servidor (1) Cliente Rede scheme://domain:port/path?query_string#fragment_id

Leia mais

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation 29 3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation A participação na competição Agent Reputation Trust (ART) Testbed [10] motivou o estudo do domínio

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Linguagem de Programação III Aula 2 Revisão Parte II

Linguagem de Programação III Aula 2 Revisão Parte II Linguagem de Programação III Aula 2 Revisão Parte II Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) Campus Charqueadas Revisão de PHP

Leia mais

Plataforma de vídeos UOLMais

Plataforma de vídeos UOLMais Plataforma de vídeos UOLMais Load Balacing + Proxy + Cache de Arquivos George Vieira Jr gvieira@uolinc.com Agenda O que é o UOLMais Problemas do passado Soluções avaliadas Premissas e desafios para o sistema

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Instalando servidor Apache

Instalando servidor Apache Instalando servidor Apache Apache é um software livre de código aberto que corre mais de 50% dos servidores web do mundo. Para instalar o apache, abra um terminal e digite o comando: 1- # yum install httpd

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Como funciona a plataforma Superlógica? - Livro 4 de 4. Como funciona a interface de integração? Como você poderá complementar o sistema?

Como funciona a plataforma Superlógica? - Livro 4 de 4. Como funciona a interface de integração? Como você poderá complementar o sistema? Como funciona a plataforma Superlógica? - Livro 4 de 4 API SUPERLÓGICA Como funciona a interface de integração? Como você poderá complementar o sistema? www.superlogica.com 0800 709 6800 https://github.com/superlogica/api

Leia mais

BANCO DE DADOS PARA WEB

BANCO DE DADOS PARA WEB BANCO DE DADOS PARA WEB PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com INTRODUÇÃO O desenvolvimento de aplicações para Web tem sido uma das maiores tendências no panorama

Leia mais

PHP. Hypertext Pre-Processor

PHP. Hypertext Pre-Processor PHP Hypertext Pre-Processor O que é o PHP? Uma linguagem de scripting é uma linguagem cujo código não tem de ser compilado para ser executado! O código escrito é interpretado em tempo de execução para

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM NOVEMBRO / 2014 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

Internet ANTES do WWW. Desde 1970 Rede militar Poucos pontos, 95% nos EUA Email, Telnet, FTP

Internet ANTES do WWW. Desde 1970 Rede militar Poucos pontos, 95% nos EUA Email, Telnet, FTP Apache, SSL e JServ Internet ANTES do WWW Desde 1970 Rede militar Poucos pontos, 95% nos EUA Email, Telnet, FTP A virada Tim Berners-Lee (1991) Sistema para encontrar informações Hipertexto HTTP e HTML

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Capítulo 1: Introdução O que é um sistema operacional? Componentes de um sistema operacional O que faz parte

Leia mais

Top Ten OWASP. Fausto Levandoski 1. Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos, 950 93.022-000 São Leopoldo RS Brasil. farole@gmail.

Top Ten OWASP. Fausto Levandoski 1. Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos, 950 93.022-000 São Leopoldo RS Brasil. farole@gmail. Top Ten OWASP Fausto Levandoski 1 1 Universidade do Vale do Rios dos Sinos (UNISINOS) Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos, 950 93.022-000 São Leopoldo RS Brasil farole@gmail.com Abstract.

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Implementação do Portal da UFRGS em Plone

Implementação do Portal da UFRGS em Plone Implementação do Portal da UFRGS em Plone Éverton Foscarini, Tiago D Oliveira 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Centro de Processamento de Dados Rua Ramiro Barcelos, 2574 Portão K Porto Alegre

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores LAMP Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Acrônico para a combinação de Linux, Apache, MySQL e PHP ou Perl ou Python; Recentemente a letra P começou a fazer referência a Perl

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída

Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Introdução O uso apropriado da tecnologia pode garantir

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS Sistemas Distribuídos 331 Arquivo: objeto que existe após criação, é imune a falhas temporárias e é persistente até que seja destruído Propósito de arquivos: armazenamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas)

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Web Container: e JSP Sumário Protocolo HTTP Exemplos de JSP (Java Server Pages) Exemplos JSP 2 Protocolo HTTP URL: Um URL (Uniform

Leia mais

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico.

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. A Web e o HTTP Web Até a década de 1990, a Internet era utilizada por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. Então, no início dessa década, iniciou-se

Leia mais

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo Sistemas de Monitoração de Rede Roberto Majewski Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2009 Resumo Com o grande crescimento da

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE MUNDO MOBILE PERFORMANCE WEB DESAFIOS DO

OTIMIZAÇÃO DE MUNDO MOBILE PERFORMANCE WEB DESAFIOS DO OTIMIZAÇÃO DE PERFORMANCE WEB DESAFIOS DO MUNDO MOBILE sergiolopes.org @sergio_caelum sergiolopes.org 74% DOS USUÁRIOS FALAM QUE ABANDONAM O SITE MOBILE DEPOIS DE 5s DE ESPERA 85% DOS USUÁRIOS ESPERAM

Leia mais

SHELL SCRIPT P R O F I S S I O N A L

SHELL SCRIPT P R O F I S S I O N A L SHELL SCRIPT P R O F I S S I O N A L Aurélio Marinho Jargas Novatec Capítulo 1 Programas sim, scripts não Este livro ensina a fazer programas e não scripts. Seu objetivo é transformar scripteiros em programadores,

Leia mais

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Introdução à Linguagem Java Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Breve Histórico Sun Microsystems, 90/91: projeto de uma linguagem de programação pequena que pudesse ser usada em dispositivos

Leia mais

Manual de Transferência de Arquivos

Manual de Transferência de Arquivos O Manual de Transferência de Arquivos apresenta a ferramenta WebEDI que será utilizada entre FGC/IMS e as Instituições Financeiras para troca de arquivos. Manual de Transferência de Arquivos WebEDI Versão

Leia mais

TUTORIAL JAVA AS - HTTP CLIENT COMPOSITION ENVIROMENT 7.1

TUTORIAL JAVA AS - HTTP CLIENT COMPOSITION ENVIROMENT 7.1 TUTORIAL JAVA AS - HTTP CLIENT COMPOSITION ENVIROMENT 7.1 FABIO HAIDER 2008 C O N T E Ú D O : 1 HTTP Client...3 1.1 Arquitetura...3 1.2 Usando HTTP Client...3 1.2.1 Usuário...3 1.2.2 Implementação HTTP

Leia mais

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web 1.264 Lição 11 Fundamentos da Web Navegadores e servidores da Web A Internet é apenas um conjunto de redes interconectadas livremente. Um conjunto de redes de área local conectado via redes de área ampla

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Teste e Depuração de Sistemas Web. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br)

Teste e Depuração de Sistemas Web. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Teste e Depuração de Sistemas Web Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Testando Aplicações Web Ê É bem mais complicado testar interfaces Web do que classes de objetos Ê Aplicações WEB não

Leia mais

WOW Mobile Rui Miguel Miranda Ramos

WOW Mobile Rui Miguel Miranda Ramos WOW Mobile Rui Miguel Miranda Ramos Programa 1. Plataforma WOW 2. WOW Mobile 3. API do WOW 4. Clientes 5. Conclusões Plataforma WOW Plataforma WOW Issue tracking system Motor de workflow flexível Plataforma

Leia mais

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende:

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende: ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário USUÁRIO A performance do sistema depende: da eficiência das estruturas de dados utilizadas; como o sistema opera

Leia mais

actualtests.exin.ex0-116.2012.04.13.by.getitcert_português

actualtests.exin.ex0-116.2012.04.13.by.getitcert_português actualtests.exin.ex0-116.2012.04.13.by.getitcert_português Number: 000-000 Passing Score: 650 Time Limit: 60 min File Version: 1.0 http://www.gratisexam.com/ WWW.GETITCERT.COM Get IT Certification Without

Leia mais

Curso Pentest Profissional

Curso Pentest Profissional Ementa Oficial do Curso Pentest Profissional Capítulo 01 Introdução Mercado de Segurança da Informação (Pentest) Preparação Entender o cliente Definir o escopo e limitações Janela de testes Contato Responsabilidades

Leia mais

Ementário do Curso Técnico em Informática para Internet

Ementário do Curso Técnico em Informática para Internet 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico Campus Engenheiro Paulo de Frontin Direção de

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática e Computação Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Aula 05 Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br)

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 04 FERRAMENTAS DE AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 04 Automação de testes funcionais Ferramentas

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Programação WEB

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Programação WEB Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Programação WEB Desenvolvimento de Sistemas para WEB

Leia mais

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br JXTA Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima Roteiro Motivação Introdução Arquitetura de JXTA Elementos de JXTA Os Protocolos Comparações e Desvantagens Conclusão Motivação Limitações do Modelo Cliente

Leia mais

Performance Settings para ColdFusion MX 6.1 Alex Hubner, Novembro de 2004 http://www.cfgigolo.com

Performance Settings para ColdFusion MX 6.1 Alex Hubner, Novembro de 2004 http://www.cfgigolo.com Performance Settings para ColdFusion MX 6.1 Alex Hubner, Novembro de 2004 http://www.cfgigolo.com 1. Objetivos O presente documento tem como objetivo apresentar as configurações do servidor Macromedia

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Implementação de Web Services em Projetos de LabVIEW

Implementação de Web Services em Projetos de LabVIEW 1 Implementação de Web Services em Projetos de LabVIEW Alisson Kokot Engenheiro de Vendas Osvaldo Santos Engenheiro de Sistemas 2 Aplicações Web surgem como soluções viáveis profissionalmente 3 Aplicações

Leia mais

Sistema Gerador de Anúncios para Compra e Venda On-line. Leandro de Oliveira ol.leandro@gmail.com

Sistema Gerador de Anúncios para Compra e Venda On-line. Leandro de Oliveira ol.leandro@gmail.com Sistema Gerador de Anúncios para Compra e Venda On-line Leandro de Oliveira ol.leandro@gmail.com Roteiro da Apresentação Motivação Conceitos e Tecnologias Objetivos do trabalho Sistema SideCart Conclusões

Leia mais

Oportunidades 05/05/2015

Oportunidades 05/05/2015 Oportunidades 05/05/2015 Sobre a Daitan: A Daitan é uma empresa brasileira, localizada em Campinas. Seu foco é a exportação de Serviços de Outsourcing em P&D e Serviços Profissionais em Telecomunicações,

Leia mais

INTRODUÇÃO À OTIMIZAÇÃO

INTRODUÇÃO À OTIMIZAÇÃO INTRODUÇÃO À OTIMIZAÇÃO ZOPE / PLONE Escalando o Zope Definida configuração de hardware, existem três maneiras de aumentar o desempenho de um site Plone: Diminuir a carga no Zope usando mecanismos de cache

Leia mais

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS O QUE É PHP Se você já programa PHP, aconselho que pule para o capítulo 7 desse livro. Pois até esse capitulo iremos abordar algoritmos em PHP até a construção de uma classe com seus métodos e atributos

Leia mais

Requisitos de Hardware e Software Engeman. Versão 2015/01

Requisitos de Hardware e Software Engeman. Versão 2015/01 Requisitos de Hardware e Software Engeman Versão 2015/01 Requisitos de Software e Hardware para Funcionamento da Solução Engeman Este descritivo tem como objetivo especificar os requisitos de software

Leia mais

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos Arquivos Espaço contíguo de armazenamento Armazenado em dispositivo secundário Estrutura Nenhuma: seqüência de bytes Registros, documentos,

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

Requisitos de Hardware e Software Engeman. Versão 2014/10

Requisitos de Hardware e Software Engeman. Versão 2014/10 Requisitos de Hardware e Software Engeman Versão 2014/10 Requisitos de Software e Hardware para Funcionamento da Solução Engeman Este descritivo tem como objetivo especificar os requisitos de software

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br OpenShift Solução livre de PaaS da RedHat Aquisição da Makara em 2010 Principais concorrentes:

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Ferramentas de Gerenciamento de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet.

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. TERMINOLOGIA Navegador ou Browser Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. Os Browsers se comunicam com servidores

Leia mais

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP Programação WEB Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Aula III Introdução PHP Introdução PHP PHP=Hypertext Pre-Processor Linguagem de script open

Leia mais

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Perola André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Prevayler é a implementação em Java do conceito de Prevalência. É um framework que prega uma JVM invulnerável

Leia mais

Oportunidades 30/05/2014

Oportunidades 30/05/2014 Oportunidades 30/05/2014 Sobre a Daitan: A Daitan é uma empresa brasileira voltada para exportação de Serviços de Outsourcing em P&D e Serviços Profissionais em Telecomunicações, TI, Sistemas Móveis e

Leia mais

Desenvolvimento WEB II. Professora: Kelly de Paula Cunha

Desenvolvimento WEB II. Professora: Kelly de Paula Cunha Desenvolvimento WEB II Professora: Kelly de Paula Cunha O Java EE (Java Enterprise Edition): série de especificações detalhadas, dando uma receita de como deve ser implementado um software que utiliza

Leia mais

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 ÍNDICE 3 4 RECOMENDAÇÕES DE HARDWARE PARA O TRACEGP TRACEMONITOR - ATUALIZAÇÃO E VALIDAÇÃO DE LICENÇAS 2 1. Recomendações de Hardware para Instalação do TraceGP Este

Leia mais

Capítulo 4. Programação em ASP

Capítulo 4. Programação em ASP Índice: CAPÍTULO 4. PROGRAMAÇÃO EM ASP...2 4.1 REGISTRAR...2 4.1.1 Códigos para configuração do objeto...2 4.1.2 Formulário para transferir dados da impressão digital...3 4.1.3 Código Javascript para registro

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

XSS - CROSS-SITE SCRIPTING

XSS - CROSS-SITE SCRIPTING Segurança XSS - CROSS-SITE SCRIPTING XSS - CROSS-SITE SCRIPTING Vamos supor a seguinte situação: O site ingenuo.com tem um fórum As pessoas escrevem comentários nesse fórum e eles são salvos diretamente

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. Sistema de Monitoramento Zabbix Eduardo Jonck jonck.info@gmail.com Jeferson Catarina catarinajeferson@gmail.com Resumo: O Sistema Zabbix é um código aberto free lançado em 2001. Em 2005 foi fundada a Empresa

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Engenharia de software 2011A. Trabalho sobre

Engenharia de software 2011A. Trabalho sobre Engenharia de software 2011A Trabalho sobre NOSQL Not only SQL NoSQL Not only SQL GRUPO - 9 Cléverton Heming Jardel Palagi Jonatam Gebing Marcos Wassem NOSQL O Termo NoSQL, foi utilizado pela primeira

Leia mais

Agenda. Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas

Agenda. Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas Agenda Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas FALAR da SAMBA FALAR da SAMBA HACKWEEKS Reporting & Analytics No Início - Report Fornecer informações

Leia mais

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos XDOC Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos ObJetivo Principal O Que você ACHA De ter Disponível Online todos OS Documentos emitidos por SUA empresa em UMA intranet OU Mesmo NA

Leia mais

Adequação do servidor Proxy/Cache Squid a redes de extrema carga. Lucas Brasilino Procuradoria Geral da República MPF

Adequação do servidor Proxy/Cache Squid a redes de extrema carga. Lucas Brasilino <lucas.brasilino@gmail.com> Procuradoria Geral da República MPF Adequação do servidor Proxy/Cache Squid a redes de extrema carga. Lucas Brasilino Procuradoria Geral da República MPF Agenda O Squid; Tipos de otimizações; Dissecando a lula;

Leia mais

Transferindo a carga da autenticação remota dos servidores

Transferindo a carga da autenticação remota dos servidores Transferindo a carga da autenticação remota dos servidores Visão Geral Há três etapas usadas pela maioria dos computadores para proteger o acesso a operações, aplicativos e dados sensíveis: A identificação

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

Criando scanner para FreeSSHd vulnerável ao exploit do Metasploit Inj3cti0n P4ck3t. Inj3cti0n P4ck3t

Criando scanner para FreeSSHd vulnerável ao exploit do Metasploit Inj3cti0n P4ck3t. Inj3cti0n P4ck3t Criando scanner para FreeSSHd vulnerável ao exploit do Metasploit Inj3cti0n P4ck3t. Inj3cti0n P4ck3t São Paulo 2010 Nome: Fernando Henrique Mengali de Souza Contato: fer_henrick@hotmail.com Linguagem de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Java NET: Interaja com a Internet. Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Java NET: Interaja com a Internet Maio, 2011 1

Java NET: Interaja com a Internet. Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Java NET: Interaja com a Internet Maio, 2011 1 Java NET: Interaja com a Internet Ricardo Terra rterrabh [at] gmail.com Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Java NET: Interaja com a Internet Maio, 2011 1 CV Nome: Ricardo Terra Email: rterrabh [at]

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Testes em aplicações WEB Uma Visão Geral Programa de Capacitação em Testes de Software Desktop system WEB system Ambiente de aplicativo da Web Rede de

Leia mais

Portabilidade da Linha RM Versão 11.20.0

Portabilidade da Linha RM Versão 11.20.0 Portabilidade da Linha RM Versão 11.20.0 Conteúdo Portabilidade para Servidor de Banco de Dados... 3 Níveis de Compatibilidade entre Bancos de Dados... 5 Portabilidade para Servidor de Aplicação... 6 Portabilidade

Leia mais