Klon: Uma Ontologia para o Domínio da Clonagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Klon: Uma Ontologia para o Domínio da Clonagem"

Transcrição

1 Klon: Uma Ontologia para o Domínio da Clonagem Lídia F. N. de Melo¹, Armanda M. C. de Amorim Oliveira¹, Eric Rommel G. Dantas¹, Ryan R. de Azevedo¹, Hugo Vieira L. de Souza 1, 2, Mauricio de O. D. Fernandes 3 1 Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (CIn-UFPE) Caixa Postal 7851 Recife PE Brasil 2 Faculdade Escritor Osman da Costa Lins (FACOL) CEP: Vitória de Santo Antão PE Brasil 3 Faculdade Integrada do Recife (FIR) CEP Recife PE Brasil {lfnmr,amcao, hvls, ergd, Abstract. Knowing that problems caused by degenerative diseases strike millions of people around the world, studies and research has been developed to make cloning a solution to soften these diseases, or even, provide a cure for them. Facing that, this paper proposes Klon, an ontology capable of specifying, formalize and store knowledge in a clear way, pertaining the domain of cloning, able to put together innumerable concepts, classes, restrictions and properties. Klon was developed using the methontolgy, having as a goal to provide an efficient storage of information and knowledge for the stated domain, being able to offer a reuse of ideas trough the creation and development of ontologies and applications. Resumo. Sabendo que problemas causados por doenças degenerativas atingem milhares de pessoas ao redor do mundo, estudos e pesquisas vêm sendo desenvolvidos para tornar a clonagem uma solução para amenizar estas doenças, ou até mesmo, proporcionar a cura para as mesmas. Diante disto, este artigo propõe a Klon, uma ontologia capaz de especificar, formalizar e armazenar conhecimentos de forma clara, acerca do domínio da clonagem, capaz de reunir inúmeros conceitos, classes, restrições e propriedades. A Klon foi desenvolvida utilizando a methontology, tendo como objetivo proporcionar um armazenamento eficaz das informações e conhecimentos do domínio exposto, podendo oferecer um reuso de ideias através da criação e desenvolvimento de ontologias de aplicações. 1. Introdução A evolução das pesquisas científicas na área da Engenharia Genética obteve destaque nos últimos anos, tendo fascinado diversos grupos de cientistas ao longo do século, especialmente no que diz respeito à tecnologia de transferência nuclear existente no processo de clonagem. Para tal evolução, é necessário observar que o desenvolvimento

2 destas pesquisas visa melhorar a qualidade de vida da humanidade, que ainda sofre com a existência de doenças degenerativas e outros males. A clonagem faz parte da natureza desde o princípio e, ao longo do tempo, ganhou espaço e desencadeou o início de inúmeras discussões e polêmicas. É evidente a transição da antiga ficção científica para a atual realidade do grupo de cientistas que buscam cada vez mais o sucesso e o progresso de suas pesquisas, procurando solucionar problemas existenciais e proporcionando o surgimento de benefícios terapêuticos. Devido à complexidade dos estudos relacionados à clonagem, é necessário haver um armazenamento dos processos existentes, a fim de proporcionar o reuso dos conhecimentos adquiridos, ocasionando ganhos significativos com relação a tempo e esforço. A Web, por sua vez, corresponde a uma ampla fonte de disseminação de informações, oferecendo meios de comunicação e interação. A falta de organização destes conteúdos afeta diretamente os mecanismos de busca que, por serem altamente sensíveis ao vocabulário, não conseguem filtrar a informação relacionada à necessidade do usuário, retornando inúmeras páginas indesejadas, priorizando a quantidade de retornos e não a qualidade dos mesmos. Portanto, em contraposto à Web atual, denominada de Web sintática, a Inteligência Artificial (IA) disponibiliza a Web Semântica e suas particularidades, uma vez que possui uma significativa contribuição ao categorizar as informações a serem processadas, melhorando a potencialidade das buscas e permitindo a criação e a utilização de suas ferramentas [RAMALHO, 2006]. Tendo em vista os benefícios proporcionados pela utilização da Web semântica, é necessário saber que a mesma é dividida em camadas, considerando-se a camada de ontologias como a principal, pois nesta camada é armazenada toda a inteligência. Diante disto, a criação de ontologias torna-se uma tarefa cada vez mais constante por tratar-se de um artefato computacional composto de vocabulário de conceitos e suas definições, relações, propriedades e axiomas referentes ao domínio exposto [FREITAS e SCHULZ, 2009]. Considerando as informações descritas acima, pode-se destacar a junção entre as áreas da Engenharia Genética e a Inteligência Artificial, precisamente no estudo da Clonagem e na utilização das ontologias. Devido a isto, tem-se como exemplo a complexidade do conhecimento médico e biológico, onde se torna difícil a confecção de sistemas tradicionais, pois para assistir tarefas médicas, os sistemas precisam de muito conhecimento e capacidade de inferência, sendo esta talvez, a principal razão de aplicabilidade e consequente sucesso do uso de ontologias nessa área [FREITAS et. al., 2009]. Sendo assim, foi desenvolvida a Klon, uma ontologia de domínio, capaz de especificar, formalizar e armazenar conhecimentos de forma clara, acerca do processo da clonagem, reunindo inúmeros conceitos, classes, restrições e propriedades. A Klon proporcionará a obtenção de conhecimentos, de forma eficaz, dos processos existentes na clonagem, pois através de sua base de informações, enfatizará os tipos de clonagem, identificando suas principais características e relações, além de informar as principais motivações e benefícios de sua prática, auxiliando pesquisas e estudos científicos no âmbito da biologia. As seções deste artigo estão estruturadas da seguinte forma: a Seção 2 e 3, respectivamente, referem-se ao embasamento teórico do trabalho, apresentando Clonagem e Ontologias. A seção 4 apresenta a real proposta deste trabalho, seguindo a

3 seção 5 onde são apontandos os Cenários de utilização e Benefícios do Uso da Klon. Por fim, na Seção 3 apresentam-se as considerações finais e trabalhos futuros. 2. Clonagem A palavra clone, do grego Klon, significa broto e foi cunhada em 1903 pelo botânico H. J. Webber [Pena 1999]. Clonagem é um mecanismo comum de propagação da espécie em plantas ou bactérias [ZATZ, 2004]. De acordo com [ALHO, 2004], a clonagem é um processo de reprodução assexuada (sem auxílio ou intervenção de células sexuais) em que através de um único indivíduo ancestral, originam-se organismos clones (indivíduos geneticamente idênticos ao indivíduo ancestral). A clonagem pode ser classificada em: clonagem natural e clonagem artificial. Abaixo, será descrito cada tipo de clonagem. A clonagem natural ocorre de forma natural e espontânea, mais precisamente em seres unicelulares (seres constituídos por uma única célula), bactérias ou até mesmo em mamíferos, como é o caso de gêmeos univitelinos, denominados assim por serem gerados dentro de um mesmo óvulo e possuírem o genoma (conjunto genético) idêntico [ALHO, 2004]. Embora o processo da clonagem natural ocorra através de uma reprodução sexuada do ovo (onde há a necessidade da união da célula sexual feminina conhecida como óvulo e da célula sexual masculina conhecida como espermatozóide), os indivíduos gerados carregarão o mesmo patrimônio genético, tendo em vista que o processo originado na divisão celular foi feito de forma assexuada. Este tipo de clonagem não possui impacto na sociedade humana pelo fato de ocorrer na natureza, durante toda a existência, produzindo desde bactérias até seres humanos (gêmeos univitelinos) [ALHO, 2004]. A clonagem artificial é bem mais complexa e pode ser definida como uma técnica de manipulação genética iniciada a partir da junção de um núcleo de uma célula somática (células responsáveis pela formação de estruturas do corpo como tecidos e órgãos) de um indivíduo doador com o óvulo anucleado (sem núcleo) de um indivíduo hospedeiro [ZATZ, 2004]. De acordo com [VARELLA, 2004], a clonagem artificial pode ser dividida em reprodutiva e terapêutica. Apesar da técnica de manipulação genética empregada no processo da clonagem artificial ser exatamente idêntica nos dois tipos de clonagem artificial, a reprodutiva tem o intuito de dar origem a um indivíduo de patrimônio geneticamente idêntico ao indivíduo clonado, enquanto que a terapêutica é utilizada para fins terapêuticos, ou seja, trata-se do cultivo de células-tronco, definidas por Varella (2004) como sendo células primitivas produzidas durante o desenvolvimento do organismo e dando origem a outros tipos de células em laboratório com o intuito de fabricar tecidos idênticos ao do indivíduo que as está doando. O objetivo desse cultivo é a reposição de tecidos perdidos por acidentes ou a obtenção da cura para doenças degenerativas [VARELLA, 2004]. Embora o processo de clonagem seja considerado um marco para o desenvolvimento das pesquisas científicas na área da engenharia genética, inúmeras discussões são propostas nos campos morais, éticos, jurídicos e, principalmente, religiosos, visto que há uma série de conflitos explícitos entre Ciência e Religião. Mesmo diante desses obstáculos, é necessário que as pesquisas científicas nesse campo estejam em constante evolução, proporcionando padronização, compartilhamento e reuso de conhecimento de todo o processo utilizado pela clonagem.

4 3. Ontologia Desde o século XVII, o termo ontologia tem sido utilizado para denominar a disciplina de metafísica geral, dentro da tradição da primeira Filosofia de Aristóteles, como sendo a ciência do ser no papel de ser (ou a ciência das causas, pois inquire a origem do conhecimento de tudo aquilo que se supõe existir). É, muitas vezes, encarada como um complemento à idéia de Epistemologia (ciência do conhecimento) [Freitas et al 2009]. Diversas definições têm surgido a fim de descrever o que é uma ontologia dentro do ramo de informática. A mais conhecida é uma especificação formal e explícita de uma conceitualização compartilhada [GRUBER, 1995], onde: Formal: implica em ser declarativamente definida, portanto, compreensível para agentes e sistemas; Explícita: significa que os elementos e suas restrições estão claramente definidos; Conceitualização: trata de um modelo abstrato de uma área de conhecimento ou de um universo limitado de discurso; Compartilhada: indica um conhecimento consensual, seja uma terminologia comum da área modelada, ou acordada entre os desenvolvedores dos agentes que se comunicam. Sendo assim, ontologias, em um nível de abstração mais alto, estabelecem uma terminologia comum e não-ambígua para o domínio em questão. Para Guarino (1998), as ontologias são artefatos computacionais compostos de um vocabulário de conceitos, suas definições e suas possíveis propriedades, um modelo gráfico mostrando todas as possíveis relações entre os conceitos e um conjunto de axiomas formais que restringem a interpretação dos conceitos e relações, representando de maneira clara e não ambígua o conhecimento do domínio. Inúmeras vantagens têm sido apresentadas na literatura para a adoção de ontologias. Dentre elas, ressaltam-se as seguintes [FREITAS, 2003]: Oportunidade aos desenvolvedores reusarem conhecimento, mesmo com adaptações e extensões. Isso se explica pelo fato de que a construção de bases de conhecimento é uma das tarefas mais caras, complexas e demoradas de um sistema especialista e/ou agentes. Portanto, reusar ontologias promove um ganho significativo em termos de esforços e de investimentos; A grande disponibilidade de ontologias de prateleira, prontas para uso, reuso e comunicação entre agentes, podendo estas serem estendidas e complementadas com conceitos de domínios específicos; O acesso on-line a servidores de ontologias, capazes de armazenar milhares de classes e instâncias, servindo a empresas ou grupos de pesquisa, funcionando como ferramentas para manter a integridade do conhecimento compartilhado entre elas e garantindo um vocabulário uniforme; Recentemente o uso de ontologias tem se popularizado através de diversas outras subáreas da Ciência da Computação, tais como: Engenharia de Software, Banco de Dados e Sistemas de Informação, motivados pela Web Semântica, que é uma consequência direta do uso de ontologias [BERNERS-LEE et. al., 2001]. 4. Proposta

5 A proposta deste artigo é apresentar a Klon, uma ontologia para o domínio da clonagem. Considera-se que o entendimento e os processos de clonagem serão mais eficientes tendo como base um modelo formal de informações como essa ontologia. A Klon tem o objetivo de facilitar o entendimento do domínio, enfatizando os tipos de clonagem, identificando suas principais características e relações, além das principais motivações e benefícios de sua prática, auxiliando pesquisas e estudos científicos no âmbito da biologia. 4.1 Klon A ontologia foi desenvolvida utilizando o Protégé 3.4, um ambiente gráfico para criação e edição de ontologias e bases de conhecimento. A linguagem utilizada foi a OWL DL, que incorpora facilidades para publicar e compartilhar a ontologia proposta via Web [AZEVEDO et. al. 2008], além de ser a linguagem ontológica da Web [BERNERS-LEE et. al., 2001]. Foi utilizada a metodologia Methontology [CORCHO et. al., 2002], que permite a construção de ontologias no nível do conhecimento, fundamentada no padrão IEEE para o desenvolvimento de software baseado em conhecimento. A Methontology propõe passos bem definidos para a construção de ontologias, sendo eles: especificação, conceitualização, formalização, implementação e manutenção, planejamento, controle, garantia de qualidade, aquisição de conhecimento, avaliação, integração e documentação. [CORCHO et. al., 2005]. A seguir são descritas as principais classes modeladas na Klon: Clonagem: principal classe da ontologia onde o processo está designado de acordo com o domínio exposto, ou seja, o domínio da clonagem. A partir dela, derivam-se várias outras classes que posteriormente serão especializadas, contendo instâncias referentes ao armazenamento específico das informações. Tem como base o levantamento de requisitos e, através dos relacionamentos, farão uso das respectivas interligações entre as classes. As informações armazenadas nesta classe são oriundas não só do âmbito científico, mas também, do âmbito moral e religioso. Indivíduo a Clonar (Doadora): esta classe possui informações do ser doador, fator fundamental e inicial no processo de clonagem. Tomando por base esta classe, serão derivadas várias outras responsáveis em carregar fatores essenciais, a exemplo das informações referentes ao Patrimônio genético herdado pelo indivíduo clonado. Devido à dependência contínua entre classes especializadas no domínio como a do Indivíduo Hospedeiro e a da Clonagem (Terapêutica ou Reprodutiva), é notável um grande número de relacionamentos e ações entre várias outras classes pertencentes ao domínio. Indivíduo Hospedeiro (Hospedeira): classe responsável por armazenar dados sobre o ser hospedeiro, essencial para que o processo de clonagem ocorra e obtenha sucesso. Através dela derivam-se classes que farão significativo relacionamento com a classe Doadora, a fim de que o indivíduo clonado seja originado carregando os atributos genéticos do doador; Clonagem Natural: classe que contém todo o processo da clonagem natural, além de possuir relação direta e dependente com a classe de Reprodução Assexuada. A partir da classe Clonagem Natural serão derivadas várias outras

6 responsáveis por armazenar os diversos tipos de seres em que a clonagem natural pode ocorrer, sabendo que este processo ocorre, desde os primórdios, de forma espontânea na natureza. Clonagem Artificial: classe responsável por armazenar todo o processo que envolve a clonagem artificial, subdividindo-se nas subclasses Clonagem Terapêutica e Clonagem Reprodutiva. A classe Clonagem Artificial é essencial dentro do domínio da clonagem, pois é a base para existência de várias outras classes e relações a fim de atingir a conceitualização referente a cada uma das subclasses, proporcionando um melhor detalhamento de tal processo. Clonagem Terapêutica: classe que contém todo o processo da clonagem artificial terapêutica, bem como os relacionamentos que envolvem outras classes do domínio. Essa é uma subclasse da classe Clonagem Artificial, relacionandose diretamente com as classes Indivíduo Doador e Indivíduo Hospedeiro. Carrega informações para cultivo de células-tronco em laboratório e não da geração de outro indivíduo clonado; Clonagem Reprodutiva: classe específica para armazenar informações sobre todo o processo efetuado na clonagem artificial reprodutiva e suas respectivas relações com outras classes do domínio, obtendo ligação direta e dependente com as classes Doadora e Hospedeira. Na Clonagem Reprodutiva, a ênfase está na geração do indivíduo clonado que carregará características do indivíduo a ser clonado. É apresentado na Figura 1, parte do modelo implementado gerado pelo plugin owl viz do framework Protégé.

7 Figura 1: Parte dos conceitos definidos para a Klon Fonte: Próprio autor/ Cenários de Utilização e Benefícios do uso da Klon A Klon foi desenvolvida para considerar as informações sobre clonagem, processos de clonagem, benefícios da sua utilização, quais doenças a clonagem pode auxiliar na prevenção e tratamento, bem como alguns riscos e efeitos do mau uso da clonagem. De acordo com [WILMUT, 2004], a clonagem promete benefícios tão grandes que seria imoral deixar de fazê-la. A Klon fornece uma estrutura que pode ser utilizada para organizar a informação sobre clonagem, podendo servir de orientação para pesquisadores da área biológica e também de fundação para ontologias de domínios mais específicos, como por exemplo, a medicina. A perspectiva da clonagem de humanos vem desencadeando os mais diferentes e impactantes interesses na sociedade, sobretudo no que se refere ao

8 aperfeiçoamento da nova área da medicina, denominada medicina regenerativa [Alho 2004]. Para enfatizar melhor essas questões, serão apresentados alguns cenários de utilização dessa ontologia Pesquisas Científicas no Domínio da Clonagem O avanço da clonagem ganhou notoriedade com a criação da Dolly, o primeiro mamífero clonado oficialmente [AMBERKAR, 2009], aumentando a necessidade de pesquisas sobre o assunto, com o objetivo de se ter um maior conhecimento. As pesquisas científicas realizadas no domínio da clonagem requerem conhecimento, experiência e competência acerca do assunto a ser trabalhado. São importantes para o desenvolvimento de nossos conhecimentos básicos sobre, por exemplo, como o núcleo celular pode ser reprogramado para acionar o conjunto de genes que caracterizam uma determinada célula especializada, ou para nossa compreensão sobre a base genética de doenças que afligem o homem, ou ainda para ampliar nosso entendimento sobre como reprogramar genes humanos defeituosos [KRIEGER, 2003]. Tais pesquisas auxiliam no estudo de diversas outras pesquisas científicas, podendo assim trazer vários benefícios para a sociedade, onde podemos citar: a cura para doenças degenerativas como câncer e genes defeituosos, reparos em tecidos e órgãos danificados, cirurgia plástica, transplantes de órgão, bem como a solução de problemas como envelhecimento precoce, infertilidade, problemas cardíacos, dentre outros [AMBEKAR, 2009]. Segundo [WILMUT, 2004], a clonagem humana também possui o potencial de revolucionar outras áreas da pesquisa científicas na área biomédica, como por exemplo, o desenvolvimento e testes de medicamentos. As classes e os relacionamentos definidos na Klon podem ser utilizados para uma melhor compreensão, tanto para os tipos e processos da clonagem como para as discussões morais, éticas, jurídicas e científicas geradas a partir desse processo. A estrutura definida pela Klon pode ser útil para a definição de diversos tipos de pesquisas científicas que abrangem a clonagem. O entendimento e a compreensão no assunto para pesquisas e desenvolvimento de trabalhos científicos que envolvem os requisitos de clonagem podem ser facilmente tratados se for utilizada uma base de informações como a ontologia apresentada Estudo de Células-Tronco Células do embrião, denominadas células-tronco, têm potencialidade biológica para diferenciarem-se em células específicas de tecidos de qualquer órgão ou estrutura do corpo humano [Kipper et al 2003]. Sendo assim, a utilização de células-tronco é um processo que envolve conhecimento nas áreas de biologia, medicina e consequentemente na clonagem, visto pretender obter essas células de embriões humanos clonados. De acordo com [CRUZ, 2003], o uso de células-tronco embrionárias oferece grandes promessas no tratamento de muitas doenças em várias áreas da clínica médica. Ou seja, os estudos com células-tronco têm oferecido resultados interessantes sendo que estas pesquisas podem salvar muitas vidas ou, pelo menos, melhorar a qualidade de vida

9 de algumas pessoas [PENIDO, 2006]. Alguns males possivelmente curáveis pelo benefício médico da reposição celular com as células-tronco: mal de Alzheimer, mal de Parkinson, queimaduras, hepatite, diabetes, artrite, cirrose, paralisia, enfarte agudo do miocárdio. O conhecimento sobre células-tronco, obtido com base na Klon, pode auxiliar o entendimento do processo utilizado na clonagem artificial terapêutica, tratando essas informações de acordo com cada tipo de célula-tronco, distribuídas ao longo do organismo, mantendo sua potencialidade reprodutiva. 6. Validação Com o intuito de validar o trabalho, a Klon deverá ser capaz de auxiliar a busca de informações referentes ao domínio e responder as seguintes questões de competência: (a) Qual a expectativa da prática da clonagem em geral? (b) Quais os benefícios da clonagem, tanto reprodutiva quanto terapêutica? (b) Quais as motivações para a realização da clonagem humana no futuro? (c) Quais os danos individuais ou sociais gerados pela clonagem humana? (d) Pode-se considerar a religião como um obstáculo para os cientistas na reprodução da clonagem? 7. Conclusões e Trabalhos Futuros A Klon tem como meta cumprir o papel a qual se propõe, constituindo-se em uma ferramenta computacional com potencialidade interdisciplinar, unindo os campos da tecnologia da informação com a Engenharia Genética. Devido ao grau de importância definido pela Klon, esperam-se, para trabalhos futuros, que sejam estendidas as funcionalidades e os conceitos definidos na mesma, auxiliando a construção e a ampliação de outras ontologias da área de saúde com base nas informações compostas na Klon. A partir da Klon, poderão ser originadas algumas ontologias para domínios específicos, possivelmente aplicadas na área de saúde e da genética, onde se pode tomar como exemplo, a construção de uma ontologia para o domínio do DNA. Espera-se também, proporcionar reuso de informações para domínios específicos e apoiar a comunidade científica na obtenção de estudos e pesquisas, satisfazendo as expectativas dos mesmos e atendendo às necessidades da sociedade. Referências ALHO, C. S. (2004). Clones e a Clonagem Humana. In: Beatriz Dornelles. (Org.). Brasil e o Mundo. 1 ed. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS, 2004, v. 1, p AMBEKAR, A. (2009). Benefits of Human Cloning. Disponível em: <http://www.articleswave.com/science-articles/benefits-of-human-cloning.html> Acessado em: Mai AZEVEDO, R. R., et al (2008). CoreSec: Uma Ontologia de Segurança Aplicada a Gestão de Processos de Negócios. BERNERS-LEE, T., LASSILA, O., HENDLER, J. (2001). The semantic web. In: Scientific American, 5:34-43.

10 CORCHO, O., LÓPEZ, M. F. e PÉREZ, A. G. (2002). Methodologies, tools and languages for building ontologies. Where is their meeting point? CORCHO O., LÓPEZ M. F., PÉREZ, A. G. e LÓPEZ A. (2005). Building legal ontologies with METHONTOLOGY and WebODE. CRUZ, I. B. M. (2003). Questionamentos éticos na pesquisa de células-tronco nos seres humanos. Capítulo; Ética em Pesquisa; Reflexões; Délio José Kipper; Caio Coelho Marques; Ana Maria Feijó; 1; EDIPUCRS; Porto Alegre; BRASIL. FREITAS, F., SCHULZ S. (2009). Ontologies, Semantic Web and Health. In RECIIS Electronic Journal of Communication, Information & Innovation in Health. Vol. 3, No 1. FREITAS, F., SCHULZ, S., MORAES, E. (2009). Survey of Current Terminologies and Ontologies in Biology and Medicine. In RECIIS Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde. Vol. 3, p FREITAS, F Ontologias e a web semântica. In Renata Vieira; Fernando Osório. (Org.). Anais do XXIII Congresso da Sociedade Brasileira de Computação. Campinas: SBC. Vol. 8, p GUARINO, N Formal Ontologies and Information Systems. In Formal Ontology in Information Systems. Proceedings of FOIS 98, Trento, Itália. 6-8 June. P3-15. IOS Press. GRUBER, T. R Toward Principles for the Design of Ontologies used for Knowledgement Sharing. In International Journal of Human-Computer Studies.Vol 43, Inssue 5-6: KIPPER, D. J., MARQUES, C. C., FEIJO, A. (2003). Ética em Pesquisa: Reflexões. EDIPUCRS; Porto Alegre; BRASIL. KRIEGER, E., QUÉRÉ Y. (2003). Clonagem Humana. In: The Interacademy Panel on Internacional Issues IAP. ONTOVIZ. Disponível: Acessado em: Abr PENA, S. D. J. (1999). Clonagem Humana. In: Revista Biotecnologia: Ciência & Desenvolvimento. Ano II, número 11, p.113. PENIDO, H. (2006). Células-tronco: Limitações éticas e jurídicas à pesquisa e manipulação. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande. PROTÉGÉ. Protégé ontology editor. [Online]. Disponível: Acessado em: Abr SCHRAMM, F. R.(2003). A clonagem Humana: Uma Perspectiva Promissora?. In: Bioética: Poder e Injustiça. Disponível em: <http://www.ghente.org/temas/clonagem/clonagem%20promissora.pdf > Acessado em: Maio, VARELLA, D. (2004). Clonagem Humana. In: Estudos Avançado, Vol. 18, número 51. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v18n51/a18v1851.pdf> Acessado em: Abr WILMUT, I. (2004). The moral imperative for human cloning. In: New Scientist, número ZATZ, M. (2004). Clonagem e células-tronco. In: Ciência e Cultura, Vol. 56, número 3, p

ODST: Uma Ontologia para o Domínio e Estudo das Doenças Sexualmente Transmissíveis

ODST: Uma Ontologia para o Domínio e Estudo das Doenças Sexualmente Transmissíveis ODST: Uma Ontologia para o Domínio e Estudo das Doenças Sexualmente Transmissíveis Armanda Maria Correia de A. Oliveira 1, Lídia F. Nunes de Melo Roque 1, Hugo Vieira L. de Souza 2, Mauricio de Oliveira

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Florianópolis, Agosto 2004 Células-tronco O que são células-tronco e o que podemos fazer com elas? Qual a relação

Leia mais

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Alessandra Brito F. Oliveira 1; Vera Maria Benjamim Werneck 1 ; Regina Serrão Lanzillotti 1 ; Haydée Serrão

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me.

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me. Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile Roger Alves Prof. Me. Vinícius Maran O que é uma ontologia? Palavra vinda do grego, advinda da união entre

Leia mais

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Ivan Guilherme 1, Jonas Queiroz 1, Caio Marques 2 1 Universidade Estadual Paulista, IGCE, DEMAC, Caixa

Leia mais

Ontologias na Computação

Ontologias na Computação Ontologias na Computação Claudio Akio Namikata, Henrique Sarmento, Marcio Valença Ramos cjnamikata90@hotmail.com, rique-182@hotmail.com, maxtr3m3@hotmail.com Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

UPGRADE BIOLOGIA 2. Aula 1: Noções de embriologia e células-tronco. Prof. Diego Ceolin

UPGRADE BIOLOGIA 2. Aula 1: Noções de embriologia e células-tronco. Prof. Diego Ceolin UPGRADE BIOLOGIA 2 Aula 1: Noções de embriologia e células-tronco Prof. Diego Ceolin Desenvolvimento Embrionário Animal Divisões Divisões Cavidade (blastocele) celulares celulares Ovo Gastrulação Mórula

Leia mais

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 E 12 de Julho Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Definição de Ontologia para Identificação

Leia mais

Esta comunicação está sendo submetida sob o [x] Tema 1 Aspectos teóricos e metodológicos nos estudos em ontologias

Esta comunicação está sendo submetida sob o [x] Tema 1 Aspectos teóricos e metodológicos nos estudos em ontologias SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Esta comunicação está sendo submetida

Leia mais

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Paulo Fernando da Silva, Henrique Otte, José Leomar Todesco, Fernando A. O. Gauthier Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

Cadernos UniFOA. Web Semântica: Uma Rede de Conceitos. Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS

Cadernos UniFOA. Web Semântica: Uma Rede de Conceitos. Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS 23 Web Semântica: Uma Rede de Conceitos Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS Professor Especialista José Maurício dos Santos Pinheiro Artigo Original Original Paper Palavras-chaves: Internet Semântica

Leia mais

Esse raciocínio é correto e não serve apenas para a espécie humana. Todas as espécies de seres vivos realizam a reprodução para a continuação da vida.

Esse raciocínio é correto e não serve apenas para a espécie humana. Todas as espécies de seres vivos realizam a reprodução para a continuação da vida. Você sabe qual é a importância da reprodução humana? Se alguém lhe perguntasse isso você responderia rapidamente: Para a manutenção ou perpetuação da espécie. Esse raciocínio é correto e não serve apenas

Leia mais

O BIODIREITO, A BIOÉTICA E AS CÉLULAS-TRONCO

O BIODIREITO, A BIOÉTICA E AS CÉLULAS-TRONCO 1 O BIODIREITO, A BIOÉTICA E AS CÉLULAS-TRONCO FABENE, L. R. Resumo: O tema apresentado está em voga, e tem presença constante nos meios midiáticos. Isto porque a palavra célula-tronco traz esperança de

Leia mais

Fundação openehr http://www.openehr.org CMed, Site Institucional - demo.communimed.com.br

Fundação openehr http://www.openehr.org CMed, Site Institucional - demo.communimed.com.br XIII Encontro Nacional de Pesquisa em C. da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde MODELAGEM ONTOLÓGICA DE SISTEMAS DE REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE Modalidade de apresentação: Pôster

Leia mais

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Hélio Rodrigues de Oliveira Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará heliorodrigues@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Departamento

Leia mais

JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO WEB SEMÂNTICO

JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO WEB SEMÂNTICO FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO

Leia mais

Engenharia de Ontologias Seminário UPON

Engenharia de Ontologias Seminário UPON Engenharia de Ontologias Seminário UPON Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias Bruno Nandolpho Machado Vinícius Soares Fonseca Professor: Ricardo de Almeida Falbo Agenda RUP Método UPON

Leia mais

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil [X] Tema 2 Técnicas e Ferramentas em Ontologias

Leia mais

CLONAGEM HUMANA. Clonagem reprodutiva

CLONAGEM HUMANA. Clonagem reprodutiva CLONAGEM HUMANA As academias de ciências de todo o mundo estão coesas no apoio ao banimento global da clonagem reprodutiva de seres humanos, apelando para que sejam excluídos deste banimento os casos de

Leia mais

Modelagem de Conhecimento integrando Regras de Produção e Ontologias

Modelagem de Conhecimento integrando Regras de Produção e Ontologias Modelagem de Conhecimento integrando Regras de Produção e Ontologias 1. Introdução Tiago Cordeiro, Vládia Pinheiro e Vasco Furtado UNIFOR Universidade de Fortaleza O conhecimento das organizações precisa

Leia mais

Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos

Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos Entrevista concedida pelo Prof. Carolino Monteiro à revista Oxigénio A classe científica dividiu-se perante o anúncio do nascimento

Leia mais

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Grasielle

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DE UMA ONTOLOGIA APLICADA ÀS ETAPAS DE ENGENHARIA DE REQUISITOS

ESPECIFICAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DE UMA ONTOLOGIA APLICADA ÀS ETAPAS DE ENGENHARIA DE REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DE UMA ONTOLOGIA APLICADA ÀS ETAPAS DE ENGENHARIA DE REQUISITOS Baby Ane Silva Oliveira Marla Teresinha Barbosa Geller 1 2 RESUMO O trabalho descreve as fases de Especificação

Leia mais

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Autor: Raul de Abreu Medeiros Júnior Orientadores: Arnaldo Dias Belchior Co-orientador: Pedro Porfírio Muniz Farias Nível: Mestrado Programa de pós-graduação

Leia mais

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION Andrenizia Aquino Eluan Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

ESTUDO SOBRE CÉLULAS-TRONCO

ESTUDO SOBRE CÉLULAS-TRONCO ESTUDO ESTUDO ESTUDO SOBRE CÉLULAS-TRONCO Dr. Hugo Fernandes Junior Consultor Legislativo da Área XVI Saúde Pública e Sanitarismo ESTUDO MARÇO/2004 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria Legislativa

Leia mais

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias GARCIA, Léo Manoel Lopes da Silva Universidade Estadual Paulista

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO Jader dos Santos Teles Cordeiro Orientador Prof. Paulo Guilhermeti PERSISTÊNCIA EM OBJETOS JAVA: UMA ANÁLISE

Leia mais

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE ONTOLOGIAS A METHODOLOGY FOR EVALUATING ONTOLOGY MANAGEMENT TOOLS

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE ONTOLOGIAS A METHODOLOGY FOR EVALUATING ONTOLOGY MANAGEMENT TOOLS SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 E 12 de Julho Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Esta comunicação está sendo submetida sob

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.7.2003 COM (2003) 390 final 2003/0151 (CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que altera a Decisão 2002/834/CE que adopta o programa específico de investigação,

Leia mais

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATOR: RUI NUNES 1 PREÂMBULO Poucas questões têm despertado tanta controvérsia como a natureza e a atribuição

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Nikolai Dimitrii Albuquerque (Grupo Stela - UFSC) nikolai@stela.ufsc.br Vinícius Medina Kern (Grupo Stela - UFSC) kern@stela.ufsc.br

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente CÉLULA - TRONCO São células com capacidade de autorenovação,eficiente proliferação, gerando células-filhas com as mesmas características fenotípicas da célula precursora e, ainda, com habilidade de gerar

Leia mais

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública George Fragoso Agenda Motivação Sistemas de Defesa Social Conceitos e Arquitetura de Ontologias Proposta de Mestrado

Leia mais

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD RESUMO Thereza P. P. Padilha Fabiano Fagundes Conceição Previero Laboratório de Solos

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Protégé Desenvolvimento de contologias

Protégé Desenvolvimento de contologias Protégé Desenvolvimento de contologias Joel Luis Carbonera jlcarbonera@inf.ufrgs.br Protégé Desenvolvimento de contologias Ontologias Ontologias Termo do domínio da Filosofia A disciplina filosófica preocupada

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Interpretador AIML alimentado com tags HTML5

Interpretador AIML alimentado com tags HTML5 2º Congresso de Pesquisa Científica : Inovação, Ética e Sustentabilidade Interpretador AIML alimentado com tags HTML5 Rafael Luiz de Macedo (Ciência da Computação - UNIVEM - Marília/SP) Email: rafaelldemacedo@gmail.com

Leia mais

ASPECTOS CIENTÍFICOS E SOCIAIS DA CLONAGEM REPRODUTIVA E TERAPÊUTICA

ASPECTOS CIENTÍFICOS E SOCIAIS DA CLONAGEM REPRODUTIVA E TERAPÊUTICA Artigo Publicado na Revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 41-49, 2007. ASPECTOS CIENTÍFICOS E SOCIAIS DA CLONAGEM REPRODUTIVA E TERAPÊUTICA Rodrigo Therezan de Freitas 1 Denusa Ruotulo

Leia mais

Fundamentos de Engenharia de Software Professor Rafael Escalfoni

Fundamentos de Engenharia de Software Professor Rafael Escalfoni Escola Superior de Gestão e Tecnologia Fundamentos de Engenharia de Software Professor Rafael Escalfoni Introdução a Engenharia de Software Aula 1 1 Fundamentos em Engenharia de Software Objetivos da disciplina

Leia mais

Universidade de Cuiabá. Curso de Direito

Universidade de Cuiabá. Curso de Direito PLANO DE ENSINO - ANO 2011/2 1 - IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DISCIPLINA: Biodireito TERMO: 8º semestre CARGA HORARIA: 30 horas PROFESSOR: Clarissa Bottega, Daniela Samaniego e José Diego Costa. 2 - PERFIL

Leia mais

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde CRIAÇÃO DE UM MODELO DE INTERFACE EXTENSÍVEL PARA SISTEMAS DE REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE Modalidade

Leia mais

Serviços Web Semânticos

Serviços Web Semânticos Serviços Web Semânticos Paulo Vitor Antonini Orlandin paulovitor_e@hotmail.com Resumo O grande crescimento na utilização de Serviços Web torna imprescindível o desenvolvimento de uma forma de melhoria

Leia mais

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica 3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica Este trabalho tem o objetivo de integrar o controle de acesso no projeto de aplicações na web semântica. Uma arquitetura de software

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof.

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos 1 Objetivo Apresentação de modelo conceitual para a integração e recuperação de informações, disponíveis em ambientes internos ou externos,

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES

PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES Exposição de motivos O isolamento de

Leia mais

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia.

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. Questão 01 B100010RJ Observe o esquema abaixo. 46 23 46 23 46 23 23 Disponível em: . Acesso

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Utilizando QT

Pesquisa e Desenvolvimento de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Utilizando QT Pesquisa e Desenvolvimento de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Utilizando QT SILVA, Nilton Correia da PINHEIRO, Dhiancarlo Macedo Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA CEP: 75083-515

Leia mais

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos 1 Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos Prof. Valdemir Carrara www.valcar.net www.carrara.us 2 1 INTRODUÇÃO Na introdução deve-se descrever os objetivos principais do trabalho

Leia mais

14/11/2013. Clonagem

14/11/2013. Clonagem Clonagem No processo, os indivíduos resultantes são gerados de outro pré existente, e portanto terão as mesmas características genéticas cromossômicas do doador. Em seres humanos, isso só acontece no caso

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

c) Locus Gênico Local do cromossomo onde se localiza um gene.

c) Locus Gênico Local do cromossomo onde se localiza um gene. Aula Biologia Tio Ton Biologia 1) Conceitos Prévios a) Genética É a ciência que estuda a transmissão de características hereditárias de pais para filhos ao longo das gerações. b) Gene Segmento da molécula

Leia mais

Uma Ontologia de Qualidade de Software

Uma Ontologia de Qualidade de Software Uma Ontologia de Qualidade de Software Katia Cristina Duarte Ricardo de Almeida Falbo Mestrado em Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória ES {katia, falbo}@inf.ufes.br Resumo O primeiro passo

Leia mais

TERAPIA GÊNICA. Brasília DF, Julho de 2010.

TERAPIA GÊNICA. Brasília DF, Julho de 2010. Apresentação desenvolvida pelas graduandas em Ciências Farmacêuticas: Ana Carolina Macedo Lima, Ariane Mugnano Castelo Branco, Caroline Cardoso Mendes Souza, Clarisse Danielli Silva Albergaria, Jéssica

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO. Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto

LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO. Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto Conceitos de Linguagens de Roteiro: Apresentação do plano de ensino; Apresentação do plano de

Leia mais

Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia

Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia Júlia de Castro C. Magalhães 1, Wallacy Morais de Freitas 1, Lourdes M. Brasil 1, Valci V. Coelho 1, Antônio E.

Leia mais

TÍTULO DO PROGRAMA. A História do Alimento SINOPSE

TÍTULO DO PROGRAMA. A História do Alimento SINOPSE TÍTULO DO PROGRAMA A História do Alimento SINOPSE O documentário defende as pesquisas científicas e a engenharia genética envolvendo alimentos. Faz um retrospecto da produção agrícola para mostrar que

Leia mais

AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA SILVA JUNIOR, CAIO CESAR DUARTE DE CARVALHO, OSMAR DA SILVA MOTTA JUNIOR

AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA SILVA JUNIOR, CAIO CESAR DUARTE DE CARVALHO, OSMAR DA SILVA MOTTA JUNIOR TÍTULO: SISTEMA PARA GERENCIAMENTO DE TEATROS DIONÍSIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 4 Introdução aos Sistemas Biométricos 1. Identificação, Autenticação e Controle

Leia mais

A experiência do TECPAR

A experiência do TECPAR Inteligência Artificial em aplicações industriais A experiência do TECPAR Dr. Eng. Milton Pires Ramos Centro de Engenharia de Sistemas Inteligentes Empresa pública vinculada à Secretaria de Estado da Ciência,

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR WEB SEMÂNTICA: A nova internet que fará com que os computadores entendam a lógica humana. Lúcia Helena de Magalhães 1 Márcio Aarestrup

Leia mais

ONTOLOGIA: o termo e a idéia ONTOLOGY: the term and the idea

ONTOLOGIA: o termo e a idéia ONTOLOGY: the term and the idea ONTOLOGIA: o termo e a idéia ONTOLOGY: the term and the idea Marcelo Schiessl - schiessl@ig.com.br Universidade de Brasília Resumo Aborda o conceito de Ontologia e relaciona alguns problemas que motivam

Leia mais

BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense

BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense A personalidade só começa quando o sujeito tem consciência de si, não como de um eu simplesmente

Leia mais

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Valdemar Vicente GRACIANO NETO 1 ; Juliano Lopes DE OLIVEIRA 1 1 Instituto de Informática

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Requisitos de um Registro Eletrônico de Saúde Ubíquo *

Requisitos de um Registro Eletrônico de Saúde Ubíquo * Requisitos de um Registro Eletrônico de Saúde Ubíquo * Caroline F. Vicentini 1, Alencar Machado 1, Iara Augustin 1 1 Mestrado em Computação Programa de Pós Graduação em Informática Universidade Federal

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.055, DE 2004 (Apensados Projetos de Lei nº 4.555, de 2004, e nº 7.216, de 2006) Cria o Programa Nacional de Coleta, Armazenamento,

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais

Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais Felipe S. da Costa 1, Rafael G. de Oliveira 1, Everton F. C. de Almeida 1, Clézio L. Azevedo 1, Claudia M. F.

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Tema 5. Crescimento e renovação celular. UNIDADE 1. Crescimento e renovação celular

Tema 5. Crescimento e renovação celular. UNIDADE 1. Crescimento e renovação celular Tema 5. Crescimento e renovação celular Crescimento e renovação celular Distinção entre DNA e RNA quanto às suas características estruturais e funcionais. Reconhecimento de que os organismos necessitam

Leia mais

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Paulo Roberto Corrêa Leão; Káthia M. Oliveira; Eduardo A. D. Moresi Universidade Católica de Brasília (UCB) SGAN 916

Leia mais