SISTEMA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA SOBRE HOTÉIS NA WEB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA SOBRE HOTÉIS NA WEB"

Transcrição

1 SISTEMA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA SOBRE HOTÉIS NA WEB Silvana Lopes da Rosa Stanley Loh Orientador Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) Curso de Ciência da Computação Câmpus Canoas Av. Farroupilha, Bairro São José CEP Canoas - RS RESUMO 13 de Junho de 2011 Sistemas de Inteligência Competitiva são utilizados pelas organizações com a intenção de avaliar o ambiente competitivo de mercado, através da coleta e análise de informações anunciadas nos meios públicos de comunicação. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um protótipo de sistema que utiliza inteligência competitiva aliado ao uso de uma ontologia de domínio para qualificar os comentários divulgados na web acerca de hotéis e classificar se estas informações são positivas ou negativas Palavras-chave: Inteligência Competitiva, Ontologia, Coleta e Análise de Informações. ABSTRACT Title: Competitive Intelligence System for Hotels on the Web Competitive Intelligence Systems are used by organizations with the intention of evaluating the competitive market environment through the collection and analysis of information announced in the media. This article presents the development of a prototype system that uses competitive intelligence coupled with the use of domain ontology to describe the comments published on the web about the hotel and rate information if they are positive or negative. Key-words: Competitive Intelligence, Ontology, Information Collection and Analysis. 1 INTRODUÇÃO O ambiente externo das empresas é fortemente competitivo e dinâmico, o que exige maturidade para que as mesmas se protejam de forma prévia, ética e sustentável. Logo, é importante monitorar o mercado onde a companhia se insere, de modo a aproveitar oportunidades e evitar ameaças externas. Este monitoramento é realizado por meio de coleta de informações, que podem ocorrer em diversos ambientes e meios de comunicação, dentre eles a internet, que é tida como uma fonte inesgotável de dados renováveis. Entretanto, é necessário transformar as informações coletadas em uma avaliação significativa, completa e confiável (GOMES e BRAGA, 2002). Para isso, será utilizada a inteligência competitiva, que segundo Fuld (2007), é toda a informação que se analisa até o ponto de se conseguir tomar uma decisão. É preciso tanto saber colher essas informações, quanto analisá-las de forma a tirar proveito de seu conteúdo. No ramo hoteleiro, a identificação e análise de eventos e tendências no ambiente de mercado é um desafio presente aos dirigentes destas organizações. Tanto os aspectos de influência direta no negócio, tais como hábitos e desejos dos hóspedes, práticas dos concorrentes e inovações tecnológicas aplicadas ao setor, quanto aspectos de influência indireta como condições da economia e tendências sócio-culturais precisam ser levadas em conta e conhecidas pelos meios de hospedagem (CANCELLIER, ALBERTON e SANTOS, 2007). Este trabalho tratará da criação de uma ferramenta que auxilie na avaliação desses aspectos. O sistema receberá o nome de um hotel e fará pesquisas na web para localizar páginas onde haja comentários sobre ele. Os textos encontrados serão classificados de acordo com uma ontologia de domínio, que permitirá identificar as características do hotel a qual o texto se refere, como por exemplo, acomodação, atendimento e localização. Além disso, será possível classificar se são comentários positivos ou não para cada aspecto avaliado. Desta forma, será possível saber, por exemplo, se está na hora de investir em uma nova estratégia de marketing, ou até mesmo trocar uma campanha devido ao retorno negativo ou adicionar mais recursos 1

2 devido a um retorno positivo. 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Nesta seção estão apresentados os principais conceitos de inteligência competitiva. Serão abordadas as etapas de um sistema de inteligência competitiva, a definição de ontologia e o significado do termo no contexto desse artigo. 2.1 Inteligência Competitiva Segundo Battaglia (1999), o conceito de inteligência competitiva surgiu na década de 80, como uma disciplina capaz de integrar o planejamento estratégico, atividade de marketing e de informação, objetivando o monitoramento constante do ambiente externo, com respostas rápidas e precisas à empresa no que diz respeito aos movimentos do mercado. Para Kahhaner (1996), trata-se de um programa institucional e sistemático para garimpar e analisar informação sobre as atividades da concorrência e as tendências do setor específico e do mercado em geral com o propósito de levar a organização a atingir seus objetivos e metas. Como inteligência competitiva é baseada na captura de informação, questiona-se se o processo não é simplesmente espionagem corporativa. Por isso, profissionais de inteligência competitiva sempre a definem de forma a enfatizar o comportamento ético e a pesquisa em fontes de informações públicas. Segundo Passos (2003), tanto a coleta quanto a análise são conduzidas com o uso de bancos de dados e outras "fontes abertas" e por meio da investigação ética. 2.2 Sistemas de Inteligência Competitiva A utilização de Sistemas de Inteligência Competitiva em organizações, sejam elas de pequeno, médio ou grande portes, tem os seguintes objetivos, dentre outros: antecipar mudanças no ambiente de negócios; descobrir concorrentes novos ou potenciais; antecipar as ações dos atuais concorrentes e aprender sobre mudanças políticas, regulatórias, ou legislativas que possam afetar seu negócio (GOMES E BRAGA, 2002). São cinco as etapas que compõem um Sistema de Inteligência Competitiva: planejamento, coleta de dados, processamento e análise, disseminação e avaliação, as quais serão abordadas a seguir Planejamento Planos de coleta devem estabelecer claramente os requisitos de inteligência em ordem de prioridade, identificar os tipos e o montante de informação necessária, adequar as fontes de informação aos requisitos e identificar os aspectos que requerem monitoramento contínuo Coleta de Dados Nesta segunda etapa são realizadas as atividades de identificação e classificação das fontes de informação, a coleta de dados e seu tratamento (BERNHARDT, 2003). Segundo Gomes e Braga (2002), a atividade de coleta poderá utilizar ferramentas que permitam a sua automatização, uma vez que os parâmetros de busca estejam bem definidos. Dados relativos ao macroambiente podem ser colhidos a partir de sites de bancos, revistas e de notícias onde é possível atualizar-se sobre economia e política, além de sites de concorrentes que apresentam informações sobre novos produtos, relatórios financeiros e ações comerciais (CASTILHOS, 2005) Processamento e análise Esta etapa deveria se denominada gerador de inteligência. Neste pondo o analista transforma as informações coletadas em uma avaliação significativa, completa e confiável. A análise é um resumo ou síntese na qual são apresentadas conclusões sobre ao assunto que está sendo pesquisado (GOMES E BRAGA, 2002) Disseminação Disseminação envolve a distribuição da inteligência analisada, de forma coerente e convincente, para os usuários e tomadores de decisão (BERNHARDT, 2003). 2

3 Para Gomes e Braga (2002), os formatos de distribuição são definidos de acordo com as necessidades dos usuários do sistema. Podem ser relatórios customizados, apresentações, análises setoriais e boletins Avaliação Os Sistemas de Inteligência Competitiva devem ser avaliados sob dois aspectos: o primeiro diz respeito ao desempenho de cada uma das fazes que compõem o sistema, o outro aspecto é a avaliação junto aos usuários dos sistemas de resultados práticos obtidos com o uso dos produtos gerados pelo sistema (GOMES E BRAGA, 2002). Ainda segundo as autoras, é essencial a verificação frequente da adequação do produto de inteligência competitiva disseminado com as necessidades reais de informação da organização. 2.3 Ontologia Ontologias têm sido utilizadas para a representação de informações que veiculem um entendimento semântico comum de situações variadas do mundo real. Na Web, o uso de ontologias pode fornecer uma base de informações comum e padronizada, englobando conceitos-chave que podem ser utilizados por serviços requisitados para cada situação particular (Zavaglia et al., 2007). Para Borst (1997), ontologia é uma especificação formal de uma conceitualização compartilhada. Uma ontologia define os termos usados para descrever e representar uma área de conhecimento e as suas relações. Ela codifica o conhecimento do domínio e também o conhecimento que se entende do domínio expresso em um texto (OWL, 2004). Segundo Guarino (2008), diferentes categorias de ontologia podem ser desenvolvidas de acordo com seu nível de generalidade. O autor identifica as seguintes categorias: Ontologias de nível superior - descrevem conceitos muito genéricos, tais como espaço, tempo, matéria, objeto, evento, ação e outros. Estes seriam, a princípio, independentes de domínio e poderiam ser reutilizados na construção de novas ontologias. Ontologias de domínio e de tarefa - descrevem vocabulários relativos a um domínio, uma tarefa ou uma atividade genéricos através da especialização de conceitos presentes na ontologia de nível superior. Ontologias de aplicação - descrevem conceitos em função tanto de um domínio quanto de uma tarefa em particular, que muitas vezes são especializações de ambas as ontologias relacionadas Criação de Ontologias O primeiro passo para um melhor entendimento sobre a criação de ontologias é compreender os elementos básicos de uma ontologia (Quadro 1), que deverão ser considerados durante o processo da formalização do conhecimento (GRUBER, 1993). Entidades Conceito Relacionamento Função Axioma Instância Quadro 1 - Elementos básicos de uma ontologia Descrição É algo que se deseja representar sobre determinado domínio. O conceito possui informações associadas a ele, que são denominadas de atributos. Os conceitos podem pertencer a um determinado tipo e podem conter várias informações associadas a eles, podendo também estar ligados a outros conceitos. É a ligação existente entre os conceitos de um determinado domínio. Os relacionamentos expressam a natureza da ligação existente entre dois conceitos e podem possuir cardinalidade. São como relacionamentos especiais entre os elementos. Elas designam que os vários elementos envolvidos nesse tipo de relação são dependentes um dos outros, mas cada um é único com relação ao outro. Modelam as sentenças que são verdadeiras sobre determinada ontologia. Eles podem ser classificados como estruturais e não estruturais. Além de especificar as sentenças verdadeiras sobre uma ontologia, os axiomas especificam restrições sobre a sua interpretação Representam os elementos de uma ontologia. As instâncias são os conceitos e relações que foram criados na ontologia. 3

4 Segundo Pinto, Pereira e Burnham (2005), o modelo processual para a construção de ontologias compreende quatro fases: preparação, formalização, implementação e análise de qualidade. Abaixo são descritas cada fase do processo e a Figura 1 apresenta a esquematização deste modelo. Preparação - prevê a execução de três processos. Análise do domínio - detalha um domínio de conhecimento, objetivando uma melhor compreensão do mesmo. Levantamento de conceitos - são identificados e definidos os conceitos sinalizados pelo processo anterior, e como produto do processo, um vocabulário de controle é criado. Identificação de relacionamentos e funções -identifica as relações existentes entre eles, bem como a existência de funções. Formalização - é composta por dois processos. Definição de axiomas - é realizado tendo como suporte a lógica proposicional, uma vez que esta lógica apresenta as ferramentas necessárias para a definição dos axiomas que deverão ser criados a partir da taxonomia ou modelo conceitual elaborado na fase anterior. Mapeamento estrutural - tem por objetivo desenhar o esquema estrutural da ontologia. Implementação é composta por um único processo. Prototipação - um protótipo da ontologia deverá ser criado, utilizando-se para tanto, uma ferramenta de edição. Análise de Qualidade - dois processos deverão ser executados. Verificação e Validação - responsável pela depuração de possíveis problemas existentes. Usabilidade - analisa o produto final (ontologia) a fim de fazer uma avaliação quanto à facilidade em aprender, à eficiência de uso, à facilidade em lembrar, ao conforto e satisfação durante o uso. 2.4 Trabalhos Relacionados Figura 1 - Modelo processual para criação de ontologias A seguir são apresentados alguns trabalhos acadêmicos e comerciais relacionados ao uso de sistemas de inteligência competitiva, recomendações de hotéis e uso de ontologias. 4

5 Battaglia (1999) propõe um sistema de informação de clientes pautado nos componentes da inteligência competitiva, o objetivo maior deste estudo é tornar disponíveis para a comunidade de ciência e tecnologia, informações sobre as instituições e empresas clientes da Finep, além de aumentar o grau de informações da Finep sobre o potencial de seus clientes e a possibilidade de acompanhar o movimento dos diversos setores econômicos e, ao mesmo tempo, oferecer estas informações nos vários níveis para a tomada de decisão. O Tourism Recommender System (LOH et al., 2003) é um sistema de recomendação que ajuda agentes de viagens na descoberta de novas opções turísticas para os clientes, o objetivo é conseguido através de recomendações de cidades e suas atrações turísticas. Para isso, o sistema analisa as mensagens de texto enviadas pelos usuários (um cliente e um agente de viagens), quando interagindo em um chat privado, e identifica áreas de interesse do cliente de acordo com uma ontologia de turismo predefinidas no sistema, que contém temas e um vocabulário controlado. O sistema atua como um sistema de apoio à decisão porque não faz recomendações diretamente ao cliente, mas sim, ao agente de viagens. Outro exemplo que aborda a aplicação de ontologia é apresentado no artigo Um Modelo Ontológico para o Contexto Turístico (LIMA e MOREIRA, 2007), que apresenta um modelo semântico para a representação de objetos turísticos baseado em três domínios complementares (temático, temporal e espacial) recorrendo a uma ontologia em OWL. É dada especial atenção à formalização dos processos para a representação de conhecimento temporal e espacial, tendo em vista facilitar a interoperabilidade entre agentes de software e aplicação posterior de processos automáticos para auxiliar a construção de itinerários turísticos. O Hoteis.com (http://www.hoteis.com) é um sistema online de reservas de hotéis, que disponibiliza a todos os visitantes a avaliação dos clientes sobre o hotel pesquisado. Esta avaliação é realizada somente com os clientes cadastrados que efetuaram a reserva através do site. Além de visualizar os comentários feitos pelos clientes, é possível verificar as estatísticas de aprovação ou não do hotel de acordo com o tipo de viagem (negócios, família, com amigos) e também sobre os tipos de serviços oferecidos, como limpeza, localização e conforto. O ClickHoteis.com.br (http://http://www.clickhoteis.com.br) é uma agência de viagens online que disponibiliza reserva de hotéis. No site os usuários podem visualizar a avaliação de outros hóspedes sobre o hotel de interesse. O site classifica o hotel nas seguintes categorias: estadia, serviços, condições do quarto, preço/qualidade, limpeza e conforto. Na avaliação, os hóspedes dão nota que variam de 1 a 5 para cada categoria mencionada. Além disto, é possível visualizar as mensagens que os usuários deixaram sobre o hotel. 3 APRESENTAÇÃO E DESCRIÇÃO DO SISTEMA Agradar no complexo mundo em que vivemos não é tarefa fácil. Não são só as peculiaridades individuais, mas as geográficas, as culturais, as sociais, as de gênero e idade, em fim, uma gama muito grande de itens que se colocam para pensar e analisar quando o negócio-hotel é a preocupação (DREIZIK, 2010). Na internet, com o crescente número de usuários em redes sociais, blogs, sites de reclamações, entre outros é cada vez mais comum expressar opiniões, queixas e compartilhar ideias com grande facilidade e rapidez. Entretanto, na medida em que esses dados crescem exponencialmente, torna-se cada vez mais complexo analisá-los. Mesmo os melhores mecanismos de busca não se mostram eficientes, pois trazem muitos resultados. Este trabalho visa à criação de uma ferramenta para apoiar atividades de inteligência competitiva, auxiliando na tomada de decisão dos usuários quanto à pesquisa de hotéis. Para isto o sistema deverá ser capaz de realizar a sumarização de textos subjetivos encontrados em publicações na web. As informações obtidas através deste sistema serão classificadas e servirão para dar ao usuário uma visão sobre a repercussão que o hotel de interesse está tendo na internet. 3.1 Método de Funcionamento O funcionamento do sistema consiste em receber como entrada o nome de um hotel, na sequência será pesquisado e coletado na internet todos os textos das páginas encontradas que correspondam à procura 5

6 do usuário. A partir da inferência da ontologia de domínio sobre os textos, será possível identificar sobre quais características do hotel o conteúdo se refere. Além disto, será realizada a análise de sentimento sobre as páginas, o que fornecerá a identificação da quantidade de textos com teor de sentimento positivo e a quantidade de textos com sentimento negativo para cada característica. A finalidade da análise de sentimento consiste em mensurar qual a tendência de retorno que um determinado atributo do hotel recebeu ou está recebendo nas opiniões publicadas. Para isso, será criada uma segunda ontologia de palavras cujo teor signifique sentimentos positivos, negativos ou neutros. A figura 2 descreve os principais processos que irão compor o sistema. A pesquisa por hotéis se dará utilizando buscas em páginas previamente cadastradas na ferramenta e por mensagens do Twitter, estes dois tipos de pesquisa serão descritos detalhadamente a seguir Pesquisa e Coleta de Dados Figura 2 Fluxograma dos principais processos do sistema A pesquisa na web terá seu campo de busca delimitado a alguns sites do ramo hoteleiro, que foram selecionados durante a pesquisa do artigo. Abaixo está a lista dos sites que serão pesquisados: 6

7 A pesquisa também coletará mensagens do Twitter, para isto será utilizado a API de buscas do microblog. A busca retornará as mensagens postadas pelos usuários que contenham o termo fornecido como entrada. Para o intuito da avaliação dos hotéis, estas mensagens passarão ainda por um filtro para selecionar somente as que contiverem um dos termos: hotel, pousada ou albergue. Os resultados da pesquisa serão armazenados em memória em um vetor, que pode ser visto na figura 3. Este vetor irá conter o link para a página, o texto do site ou mensagem do Twitter, o atributo do hotel ao qual o texto se refere e o indicativo de sentimento. No momento em que os dados forem coletados da internet, somente o link e o texto são carregados. Os demais elementos do vetor somente serão preenchidos quando os textos passarem pela ontologia e pela análise de sentimento Criação e utilização das Ontologias Ontologia de Domínio sobre Hotéis Figura 3 Estrutura da coleta de dados Para a criação da ontologia sobre hotéis será utilizado o software Protegé. A escolha do mesmo devese ao fato de haver bastante documentação sobre a criação e manutenção das ontologias. Outro fator importante é a existência de muitos trabalhos acadêmicos utilizando esta ferramenta. A figura 4 mostra a janela do programa com algumas classes que irão compor a ontologia de hotéis. Para manipular a esta ontologia dentro da aplicação será utilizado o framework Jena, que conta com uma API específica para o tratamento de ontologias. Esta API transforma a ontologia em um modelo abstrato de dados orientado a objetos. A grande vantagem nesta transformação é que a programação orientada a objetos pode ser utilizada para manipular a ontologia. 7

8 Figura 4 Tela do Protegé A Figura 5 apresenta um exemplo de código em OWL, onde é demonstrado a colocação das classes e seus relacionamentos. A tag <owl:class rdf:id='quarto'/> representa a definição da classe Quarto. Há também a presença da tag <owl:objectproperty rdf:id='tem'>, essa tag define a existência de um relacionamento entre o domínio Quarto e a classe Banheiro. 8

9 Ontologia de Sentimentos Figura 5 Exemplo de código da ontologia OWL A ontologia de sentimentos será construída tendo como base uma lista de palavras e expressões que indiquem sentimento positivo e outra lista com sentimento negativo. Este vocabulário será armazenado em um banco de dados e irá conter uma pontuação que identificará o quão positivo ou negativo é cada termo do vocabulário. O quadro 2 exemplifica a pontuação dada ao vocabulário na ontologia. Algoritmo de Classificação Quadro 2 Exemplo da ontologia Termo Positivos Pontuação Ótimo 10 Fantástico 10 Querida 8 Legal 8 Negativos Termo Pontuação Vergonhoso 4 Escândalo 3 Errado 4 Gota d água 5 As palavras de cada texto serão analisadas separadamente e comparadas àquelas presentes tanto na ontologia de hotéis, quanto nas categorias de sentimento armazenadas no banco de dados. Na ontologia de hotéis, várias palavras identificam um único atributo, desta forma, quando uma das palavras presentes no texto for equivalente a um dos termos que classificam o atributo na ontologia, o texto em questão será marcado como sendo deste atributo. Neste momento o Atributo é salvo no vetor de resultados. Por exemplo, os termos cama, colchão, lençol e televisão serão utilizados para identificar o atributo acomodação. A figura 6 demonstra esta classificação. 9

10 Figura 6 Identificação do atributo De forma semelhante será realizada a análise de sentimento comparando as palavras aos termos do banco de dados, quando uma das palavras analisadas for equivalente a um termo do banco seu peso será somado ao total já encontrado para a categoria a qual pertence, sendo positivo ou negativo. Ao fim do documento as somas totais de pesos das palavras de cada categoria serão calculadas e o resultado será salvo no elemento Sentimento do vetor de resultados. A figura 7 demonstra o preenchimento do vetor utilizando a mesma frase do exemplo acima. Figura 7 Identificação do sentimento O algoritmo presente na figura 8 descreve o processo de separação dos textos de acordo com o atributo e também a análise de sentimento desenvolvida. 10

11 3.1.3 Apresentação dos Resultados Figura 8 Algoritmo de processamento do texto O retorno da pesquisa será organizado de modo que os textos de mesmo atributo fiquem agrupados. Desta forma, será quantificado e exibido o número de ocorrências positivas, negativas e imparciais em cada atributo do hotel. A figura 9 mostra uma representação da tela de respostas em uma simulação de busca. 11

12 3.1.4 Experimentos e Avaliações Figura 9 Representação da tela com retorno da pesquisa Para avaliar a eficiência da ferramenta de busca quanto aos resultados obtidos, serão utilizadas técnicas para medir a qualidade nos dados retornados. Inicialmente serão feitas pesquisas na ferramenta para obter uma amostra dos resultados que ela oferece, na sequência esses dados serão avaliados quanto à veracidade dos mesmos no que confere ao sentimento indicado pela ferramenta. Após obter uma amostra dos resultados, os mesmos serão analisados utilizando as técnicas Precision e Recall. Precision Mede a exatidão de um classificador. Quanto maior for o índice de precision significa menos falsos positivos nos resultados, já um menor índice significa mais falsos positivos (STASIU, 2007). A figura 10 mostra a fórmula usada para obter este resultado. Figura 10 Fórmula de apuração do precision Recall Mede a integralidade ou sensibilidade de um classificador. Maior recall significa menos falsos negativos, enquanto menor recall significa mais falsos negativos (BONFIN, 2009). A figura 11 mostra a fórmula usada para obter este resultado. Figura 11 Fórmula de apuração do recall 12

13 3.2 Informações de Implementação Para o desenvolvimento do sistema será utilizado a linguagem de programação Java. A escolha se justifica devido a existência de classes específicas para recuperação de conteúdo de páginas na web, bem como ao suporte oferecido pela API do Twitter. Esta linguagem trabalha com uma grande variedade de bancos de dados dentre os quais se optou pela escolha do PostgreSQL. Vale enfatizar que nas fases iniciais de implementação será analisado a viabilidade de substituir a linguagem de desenvolvimento por outras linguagens que se mostrem mais convenientes para esta aplicação. 4 CRONOGRAMA Para gerenciar a construção do projeto, a implementação foi dividida em etapas que deverão ser executadas ao longo de 5 meses, de julho até novembro. O quadro 3 descreve as partes do projeto, e abaixo pode ser visto cada etapa detalhadamente. 1. Modelagem a. Modelagem da interface de entrada e apresentação dos resultados. b. Elaboração da estrutura de armazenamento das páginas. 2. Desenvolvimento 3. Teste a. Recuperação dos textos: desenvolvimento dos métodos de pesquisa das páginas; b. Ontologia: criação da ontologia sobre hotéis; c. Análise de sentimento: criação do método de análise de sentimento dos textos; a. Validação e procura de falhas. 4. Análise dos resultados a. Analisar os resultados: verificar qual o nível de eficácia da técnica. 5. Criação do artigo 6. Preparação da apresentação 7. Defesa do Trabalho de Conclusão Quadro 3 Cronograma de atividades Item Julho Agosto Setembro Outubro Novembro 1 Modelagem X 2 Desenvolvimento X X X 3 Testes X 4 Análise de resultados 4 Artigo X X X X X 5 Apresentação X X 6 Defesa X 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com este estudo será possível desenvolver um sistema para coleta e análise de textos publicados na internet. Esta ferramenta fará a obtenção de indicadores que apóiem no processo de descoberta de inteligência em um ambiente competitivo, medindo a repercussão de comentários considerados relevantes para o usuário sobre hotéis. Os indicadores que irão compor os resultados darão assistência aos usuários na escolha do hotel 13

14 desejado, também será útil para que os profissionais do ramo hoteleiro possam acompanhar a repercussão de seu próprio negócio na web, bem como avaliar as tendências e opiniões dos usuários sobre a concorrência. Com a ferramenta proposta será possível obter dados sobre a percepção que os atores responsáveis pela propagação das informações na internet têm de um determinado hotel. A ferramenta proposta servirá para complementar outras ferramentas já existentes com foco nos processos de coleta e análise de dados da internet. A contribuição desse trabalho é também permitir a futuros estudos possibilidade de aprimoramentos, melhorias e até mesmo mudanças na forma de abordagem e aplicação dessa técnica dentro do contexto apresentado. Tendo em vista que as ontologias podem ser exponencialmente explorados e adaptados aos mais diversos tipos de situações, muitos outros tipos de trabalhos e aplicações podem surgir contribuindo ainda mais com novas descobertas para essa área, que ainda é bastante desafiadora para o mundo virtual. REFERÊNCIAS BATTAGLIA, Maria da Gloria Botelho. A Inteligência Competitiva modelando o Sistema de Informação de Clientes - Finep. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p , BERNHARDT, Douglas. Competitive Intelligence: How to acquire and use corporate intelligence and counter-intelligence. Londres: Financial Times Prentice Hall, BONFIN, Marcello Erick. Recuperação de Documentos Texto Usando Modelos Probabilísticos Estendidos. Centro Universitário de Maringá, BORST, Willem Nico. Construction of Engineering Ontologies for Knowledge Sharing and Reuse. PhD Thesis - University of Twente, Enschede, The Netherlands, CANCELLIER, Éverton Luis P. L.; ALBERTON, Anete; SANTOS, Luana D. R. Monitoramento de Informações Estratégicas em Pequenas Empresas: um estudo em hotéis de pequeno porte do Vale do Itajaí SC. Análise, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p , CASTILHO, Jorge Bitencourt. Coleta de Informações. Série SCIP Brazil Chapter ESPM Sobre Inteligência Competitiva, v.3, DREIZIK, Gladis. Hotelaria e a Diversidade. Disponível em: < >. Acesso em: 22/05/ FULD, Leonard. Adivinhe o que Pensa a Concorrência. Exame, Rio de Janeiro, p , mar GOMES, Elisabeth; BRAGA, Fabiane. Inteligência Competitiva: Como transformar informação em um negócio lucrativo. 4ª ed. Rio de Janeiro: Campus, GRUBER, Thomas R. Toward Principles for the Design of Ontologies Used for Knowledge Sharing. International Workshop on Formal Ontology. Padova, Italy GUARINO, Nicola. Formal Ontology in Information Systems: First International Conference on Formal Ontology in Information Systems, Trento, Italy, p. 3 15, GUARINO, Nicola. Understanding, Building, And Using Ontologies. Padova, Italy. Disponível em: <http://ksi.cpsc.ucalgary.ca/kaw/kaw96/guarino/guarino.html>. Acesso em: 21/04/2011. LIMA, Salvador; MOREIRA José. Um Modelo Ontológico para o Contexto Turístico. Conferência IADIS Ibero Americana, LOH, Stanley; LORENZI, Fabiana; SALDANA, Ramiro; LICTHNOW, Daniel. A Tourism Recommender System Based on Collaboration and text analysis. Information Technology & Tourism, v.6, n. 3, p , KAHANER, Larry. Competitive Intelligence: How to gather, analyse, and use information to move your business to the top. Nova York: Touchstone Books,

15 OWL Web Ontology Language Use Cases and Requirements Disponível em: <http://www.w3.org/tr/webont-req/>. Acesso em: 10/04/2011. PASSOS, Alfredo. Primeiros Passos em Inteligência Competitiva. Série SCIP Brazil Chapter ESPM Sobre Inteligência Competitiva, v.1, PINTO, Gabriela; PEREIRA, Hernane B. ; BURNHAM, Teresinha F. Definição de uma Ontologia para os Canais Preferenciais de Difusãpo do Conhecimento técnico-científico: Fase de Preparação. CINFORM - VI Encontro Nacional de Ciência de Informação. Salvador STASIU, Raquel Kolitsk. Avaliação da Qualidade de Funções de Similaridades no Contexto de Consultas por Abrangência. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, ZAVAGLIA, Claudia; OLIVEIRA, Leandro H. M.; NUNES, Maria das Graças; ALUÍSIO Sandra Maria. Estrutura Ontológica e Unidades Lexicais: uma aplicação computacional no domínio da Ecologia. Anais do XXVII Congresso da SBC. Rio de Janeiro,

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Alessandra Brito F. Oliveira 1; Vera Maria Benjamim Werneck 1 ; Regina Serrão Lanzillotti 1 ; Haydée Serrão

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER

RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER Autores: Miguel Airton FRANTZ 1 ;; Angelo Augusto FROZZA 2, Reginaldo Rubens da SILVA 2. Identificação autores: 1 Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial SAD Sistemas de Apoio à Decisão parte 1: a Tomada de Decisão Fontes: O Brien e Webaula Estácio Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional

Leia mais

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS Marcello Erick Bonfim 1

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Monitoramento de Redes Sociais

Monitoramento de Redes Sociais Monitoramento de Redes Sociais O QlikBrand é uma ferramenta profissional para monitoramento de mídias sociais e o primeiro "Social Mídia Discovery" com Qlikview. Localiza menções nas mídias sociais, interage

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia Balanced Scorecard Da estratégia às ações do dia-a-dia Perspectivas Em se tratando de gerenciamento de desempenho, perspectivas são os grandes vetores debaixo dos quais são agrupados objetivos, indicadores

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos.

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Gestão de Conteúdo web através de ontologias: conceitos e aplicações Fernando Silva Parreiras Contextualização O que? Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Quem? Gerentes, consultores

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Assistentes Virtuais Inteligentes

Assistentes Virtuais Inteligentes Assistentes Virtuais Inteligentes Excelência e Redução de Custo Operacional WHITEPAPER OFERECEMOS RECORDAÇÕES E EXPERIÊNCIAS ENCANTADORAS We offer amazing memories and experiences Ofrecemos preciosos recuerdos

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

Proposta Revista MARES DE MINAS

Proposta Revista MARES DE MINAS SATIS 2011 Proposta Revista MARES DE MINAS 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5 Investimento 6

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

FindMyJob: um aplicativo móvel para otimização do processo de busca por vagas de estágios

FindMyJob: um aplicativo móvel para otimização do processo de busca por vagas de estágios FindMyJob: um aplicativo móvel para otimização do processo de busca por vagas de estágios Leonardo L. Lacerda, Jadilson da S. Amancio, Fernando A. D. G. Pinto, Adilson J. dos Santos Centro Universitário

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Paulo Fernando da Silva, Henrique Otte, José Leomar Todesco, Fernando A. O. Gauthier Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Leia mais

Processo de Engenharia de Software II

Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET Centro de ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Processo de Engenharia

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

ViajarFácil Sistema de Reserva de Viagens

ViajarFácil Sistema de Reserva de Viagens ViajarFácil Sistema de Reserva de Viagens Modelagem Estática UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas Especialização Engenharia de Software - INF318/2011 Equipe Aline Gomes André Rodrigues Fonseca Diego

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Introdução. Nesta guia você aprenderá:

Introdução. Nesta guia você aprenderá: 1 Introdução A criação de uma lista é a primeira coisa que devemos saber no emailmanager. Portanto, esta guia tem por objetivo disponibilizar as principais informações sobre o gerenciamento de contatos.

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Novas Mídias e Relações Sociais.

Novas Mídias e Relações Sociais. Novas Mídias e Relações Sociais. Eduardo Foster 1 1 Caiena Soluções em Gestão do Conhecimento, Av. 34-578, CEP 13504-110 Rio Claro, Brasil foster@caiena.net Resumo. A comunicação é uma disciplina que acompanha

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Documento de Visão. Sistema de Monitoria Online do Ciências Aplicadas - MoLCA

Documento de Visão. Sistema de Monitoria Online do Ciências Aplicadas - MoLCA Documento de Visão Sistema de Online do Ciências Aplicadas - MoLCA Versão do documento: 1.0 Data de atualização: 25 de setembro de 2008 1 Sumário 1. Introdução... 3 1.1. Resumo... 3 1.2. Escopo... 3 2.

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é:

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é: 1. CONCEITO Completo, prático e rápido. Diante do aumento da complexidade da tributação e do risco fiscal, pelos desafios de conhecimento e capacitação e pela velocidade para acompanhar mudanças na legislação,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE UM MECANISMO EFICIENTE DE CAPTURA E ANÁLISE DE COMENTÁRIOS NA WEB

19 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE UM MECANISMO EFICIENTE DE CAPTURA E ANÁLISE DE COMENTÁRIOS NA WEB 19 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE UM MECANISMO EFICIENTE DE CAPTURA E ANÁLISE DE COMENTÁRIOS NA WEB Autor(es) JEFFERSON DIAS DOS SANTOS Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Mineração de Opinião / Análise de Sentimentos

Mineração de Opinião / Análise de Sentimentos Mineração de Opinião / Análise de Sentimentos Carlos Augusto S. Rodrigues Leonardo Lino Vieira Leonardo Malagoli Níkolas Timmermann Introdução É evidente o crescimento da quantidade de informação disponível

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Uma ontologia de engine de jogos educativos para crianças com necessidades visuais: fase de preparação.

Uma ontologia de engine de jogos educativos para crianças com necessidades visuais: fase de preparação. Uma ontologia de engine de jogos educativos para crianças com necessidades visuais: fase de preparação. Romário P. Rodrigues 1, Gabriela R. P. R. Pinto 2, Cláudia P. P. Sena 3, Expedito C. Lopes 4, Teresinha

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

CICLO DE VIDA DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONHECIMENTO

CICLO DE VIDA DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONHECIMENTO CICLO DE VIDA DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONHECIMENTO CAPÍTULO 3 DESAFIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS Cultura conseguir com que as pessoas compartilhem conhecimento Avaliação do COnhecimento avaliar/medir

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Solução sustentável de compartilhamento de veículos para o mundo universitário

Solução sustentável de compartilhamento de veículos para o mundo universitário Interbros Tecnologia e Soluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Conj. 21 /179 Itaim Bibi - São Paulo- SP - 04532-060 Fone: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Por favor, considere

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 E 12 de Julho Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Definição de Ontologia para Identificação

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 O trabalho faz a diferença. Manaus, maio de 2007. Manual de Operação do Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento -

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 13 2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 2.1. Páginas, Sites e Outras Terminologias É importante distinguir uma página de um site.

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Ana Luiza Collares Xavier JULIA FERRAZ DUAYER Thalita Gaspar Telles Light Serviços de

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO:

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: Fabre, Jorge Leandro; Carvalho, José Oscar Fontanini de. (2004). Uma Taxonomia para Informações

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares Neidson Santos Bastos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 ; Reginaldo Rubens da Silva 3 RESUMO Mensurar

Leia mais

Interpretador AIML alimentado com tags HTML5

Interpretador AIML alimentado com tags HTML5 2º Congresso de Pesquisa Científica : Inovação, Ética e Sustentabilidade Interpretador AIML alimentado com tags HTML5 Rafael Luiz de Macedo (Ciência da Computação - UNIVEM - Marília/SP) Email: rafaelldemacedo@gmail.com

Leia mais

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Luiz Cláudio Hogrefe Orientador: Prof. Roberto Heinzle, Doutor Roteiro Introdução Fundamentação teórica

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais