ONTOLOGIAS APLICADAS À WEB SEMÂNTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ONTOLOGIAS APLICADAS À WEB SEMÂNTICA"

Transcrição

1 ONTOLOGIAS APLICADAS À WEB SEMÂNTICA Eurico Martins Ferreira Neto * Carlos Eduardo Cruzeiro Scaldaferri * Alessandreia Marta de Oliveira Julio ** Marco Antônio Pereira Araújo *** RESUMO Os sites de busca através de palavras-chave ainda é um método bastante utilizado. Entretanto, essa técnica possui desvantagens e a principal delas é o sistema de pesquisa não saber o contexto do parâmetro de busca. Existe, portanto, uma necessidade de aproximar as máquinas da realidade humana. As ontologias podem auxiliar a relação entre os computadores e as pessoas, através da representação do conhecimento. Essa é a preocupação da Web Semântica, que visa fornecer estruturas e dar significado semântico ao conteúdo das páginas Web. Nesse contexto, estão surgindo mecanismos de busca baseados em ontologia, tendo como diferencial a qualidade na seleção das informações por meio de análises inteligentes de conteúdo. Diante disso, este artigo tem como propósito exemplificar a construção de uma ontologia, de forma a subsidiar diferentes atividades, como buscas na Web e apresentar o ONTOWEB, que utiliza ontologias para buscas, baseadas no significado dos termos utilizados nas pesquisas, caracterizando a área de Web Semântica. Palavras-chave: Ontologia. Web Semântica. Protégé. OntoWeb. ABSTRACT The keyword search system is a method which is still largely used. This technique, however, has disadvantages. The main disadvantage is the fact that the search engine does not know the context of the search parameter. Therefore, there is a need of making the engines get closer to human reality. And ontology can help improve this relation between computers and people, through the representation of knowledge. This is the concern of Semantic Web, that intends to supply structures and give semantic meaning to the content of web pages. In this * Graduação em Sistemas de Informação pelo CES/JF ** Professora do curso de Bacharelado em Sistemas de Informação pelo CES/JF do CES/JF, Mestre em Engenharia de Sistemas e Computação COPPE/UFRJ *** Professor e Coordenador do curso de Bacharelado em Sistemas de Informação do CES/JF, Doutor em Engenharia de Sistemas e Computação COPPE/UFRJ 295

2 Eurico Martins Ferreira Neto, Carlos Eduardo Cruzeiro Scaldaferri... context, search engines based on ontology are being created. The advantage is the quality of the selection of information through intelligent analysis of content. Considering this trend, the main purpose of this article is to give an example of the construction of an ontology, in order to allow different activities, such as web searches and present the ONTOWEB, that uses ontologies for searches, based on the meaning of the given information request, what caracterizes the area of Semantic Web. Keywords: Ontology. Semantic Web. Protégé. OntoWeb. 1 INTRODUÇÃO Por não conhecerem a semântica das palavras-chave utilizadas em suas buscas, os sites de busca geralmente se limitam a fazer uma comparação textual das palavras com o conteúdo dos sites, mas o resultado muitas vezes não possui o conteúdo desejado, embora apresente as palavras-chave da pesquisa. As palavras podem ter significados diferentes, dependendo do contexto em que estão inseridas, mas as máquinas de busca não conhecem o significado desejado na pesquisa. Assim, o problema é como fazer com que as máquinas entendam o sentido das palavras, para efetuar a distinção entre as áreas onde um mesmo termo é utilizado. Dessa maneira, as respostas poderiam ser mais precisas, de forma a mostrar especificamente o termo no contexto onde está inserido, e disponibilizar apenas a informação que interessa ao usuário. Esta é a preocupação da Web Semântica, por visar fornecer estruturas e dar significado semântico ao conteúdo das páginas Web. Assim a elas serão capazes de representar associações entre coisas as quais, em princípio, poderiam não estar relacionadas (BREITMAN, 2005). Uma das formas de tornar possível a utilização das pesquisas que levam em conta a semântica é criar uma maneira de representar o sentido das palavras. Cada palavra tem um ou mais significados, dependendo do contexto e para estabelecer uma distinção entre estes temas, podem ser utilizadas ontologias (OLIVEIRA, 2003). Nesse contexto, estão surgindo alguns mecanismos de busca baseados em ontologia, tendo como diferencial a qualidade na seleção das informações por meio de análises inteligentes de conteúdo. Assim, uma ontologia é a descrição de conceitos e dos relacionamentos entre eles, estruturados em uma linguagem que permita, através dele, o entendimento posterior. Em outras palavras, ontologia CES Revista, v

3 pode ser utilizada para organizar os termos e seus significados de tal forma a construir uma rede semântica (OLIVEIRA, 2003). Diante disso, este artigo tem como propósito conceituar ontologia e mostrar uma das ferramentas mais utilizadas atualmente para sua criação, contextualizando sua utilização através da Web semântica. Além desta introdução, o artigo ainda conta com mais 5 seções. A seção 2 mostra definições de ontologia em algumas das áreas em que é utilizada. Na seção 3, são apresentadas as principais linguagens de representação de ontologias. A seção 4 apresenta um estudo de caso contendo a criação de um projeto de ontologia utilizando um editor específico para este fim. A seção 5 aborda os buscadores baseados em ontologias e, finalmente, a seção 6 apresenta as considerações finais. 2 ONTOLOGIA Uma ontologia pode ser definida como um vocabulário específico e relacionamentos usados para descrever certos aspectos de realidade, e um conjunto de suposições relativas ao significado das palavras. Entre vários outros esquemas e estruturas de classificação, incluindo, técnicas baseadas em palavras chave e taxonomia, ontologia é vista como sendo um esquema que fornece modelos de domínio precisos e mais completos (OUKSEL; SHETH, 1999). O termo ontologia teve sua origem na filosofia e hoje apresenta diversas definições nas diferentes áreas em que está sendo utilizado. Várias comunidades científicas utilizam o termo ontologia, mas não se tem uma definição genérica para o termo. Na filosofia é uma disciplina e significa uma explicação sistemática da existência: o termo ontologia foi adotado com o intuito de desvendar o significado das coisas do mundo, procurando descrever a natureza das coisas. Aristóteles definiu ontologia como a ciência da existência, diferente das ciências especiais, por investigar uma categoria da existência e suas determinações. Em outras palavras, é a ciência que estuda o ser enquanto ser. Considera que ontologia diz respeito a todas as espécies de existência e aos atributos relacionados a essa existência. Já há muito tempo, filósofos têm usado ontologias para tentar descrever domínios naturais e a existência dos seres e coisas em si (GUARINO; GIARRETA, 1995). Na Inteligência Artificial (IA), ontologias têm um caráter um pouco 297

4 Eurico Martins Ferreira Neto, Carlos Eduardo Cruzeiro Scaldaferri... distinto do apresentado pela filosofia, sendo usadas para descrever domínios já consagrados, como Medicina, Engenharia e Direito, em que é possível saber o significado projetado das coisas (FENSEL, 2001). Assim, com uma ontologia em IA, busca-se é firmar um acordo sobre o vocabulário do domínio de interesse, a ser partilhado por agentes que conversam sobre ele. Em Banco de Dados e Engenharia de Software, ontologia é uma teoria sobre um domínio que especifica um vocabulário de entidades, classes, propriedades e funções; é um conjunto de relações que amarra esse vocabulário. Engloba todos os conceitos definidos pela ontologia e é, pois, mais completa. Esses conceitos são explicitamente definidos e representados de forma a ser compartilhados, e possuem restrições expressas por axiomas que restringem o significado dos termos (FIKES; FARQUHAR, 1999). Para o contexto deste trabalho, foi utilizada a última definição cujos aspectos da ontologia são considerados descrição parcial projetada, a fim de ser compartilhada na comunidade que concorda com a sua definição, e para o fim específico de desenvolvimento de software em um dado domínio. 3 LINGUAGENS DE REPRESENTAÇÃO DE ONTOLOGIAS Algumas ferramentas trabalham com a construção de ontologias e, para isso, utilizam linguagens de representação (OLIVEIRA, 2003). Várias linguagens já foram criadas e dentre elas se destacam: Ontolingua (FARQUHAR; FIKES; RICE, 1996), KIF - Knowledge Interchange Format (GENESERETH; FIKES, 1992), OIL - Ontology Inference Layer (FENSEL et al., 2000), DAML - DARP Agent Markup Language (ANKOLEKAR et al., 2001), DAML+OIL (GIL; RATNAKAR, 2002) e OWL - Web Ontology Language (OWL, 2008). O objetivo principal da criação dessas linguagens de representação é poder estabelecer um padrão que armazena a estrutura da ontologia, para vários aplicativos terem acesso a ela e, assim, possam desvincular a ontologia da ferramenta que a criou (OLIVEIRA, 2003). Dentre a ferramentas, destaca-se o editor Protégé, que está em sua versão 3.2, sendo uma ferramenta gratuita muito utilizada para a edição de ontologias, disponível em CES Revista, v

5 4 CRIAÇÃO DE UM PROJETO DE ONTOLOGIA A seguir é apresentada a criação de uma ontologia denominada Família, utilizando o editor de ontologias Protégé, cuja a linguagem é OWL, que atualmente é padrão na descrição de ontologias. A idéia é criar uma ontologia simples e de fácil compreensão, contendo os termos relacionados à família no que diz respeito ao grau de parentesco. Definida a ontologia, esta pode ser utilizada, por exemplo, pelos sites de busca, com o intuito de melhorar os resultados das buscas realizadas. Ao iniciar o Protégé abre-se uma janela questionando o que se deseja fazer: abrir ou criar um novo projeto (ILUSTRAÇÃO 1). Neste caso a opção a ser escolhida é Create New Project. ILUSTRAÇÃO 1- Criação de um Novo Projeto Além disso, deve-se selecionar a opção de formato do projeto OWL/RDF Files, por ser o padrão utilizado atualmente, e clicar no botão Next. Para finalizar a criação do projeto, devem ser mantidas as opções default, nos demais passos definidos pelo Protégé, a fim de entre outras coisas, escolher a linguagem e o tipo de interface. A ferramenta permite que a qualquer momento as escolhas sejam modificadas. Para salvar o projeto deve-se clicar sobre o menu File/Save Project. Ao salvar o projeto pela primeira vez, uma janela é aberta (ILUSTRAÇÃO 2), para a escolha do local de armazenamento dos arquivos gerados pela ferramenta. O primeiro campo, Project, indica o endereço e o nome do arquivo.pprj, onde 299

6 Eurico Martins Ferreira Neto, Carlos Eduardo Cruzeiro Scaldaferri... são armazenadas as informações do projeto e o segundo, OWL file name or URL, é referente ao arquivo.owl, onde é armazenada a ontologia no formato OWL. ILUSTRAÇÃO 2 - Passos para Salvar o Projeto 4.1 A INTERFACE DO PROTÉGÉ A interface e os recursos do Protégé variam de acordo com o formato de projeto escolhido. Como exemplo adotou-se o formato OWL Files e, por isso, o estudo de caso apresenta somente as interfaces e os recursos do Protégé para este formato (ILUSTRAÇÃO 3). CES Revista, v. 22 ILUSTRAÇÃO 3 - Janela principal 300

7 A janela é composta de cinco abas que estão descritas a seguir: OWLClasses: através desta aba é possível observar e editar as classes da ontologia e sua hierarquia; Properties: permite visualizar e editar todas as propriedades criadas para a ontologia; Forms: exibe todos os formulários criados automaticamente pelo Protégé, de acordo com as classes e propriedades definidas; Individuals: possibilita criar e editar as instâncias das classes; Metadata: os recursos dessa aba não são atingidos por este artigo. 4.2 CRIAÇÃO DAS CLASSES O Protégé possui uma classe interna, chamada owl:thing a partir da qual as demais classes são criadas. Para criar a primeira classe dessa ontologia, devese deixar ativa a aba OWLClasses, selecionar a classe owl:thing, e clicar sobre o botão Create subclass. Toda classe criada deve ser subclasse de owl:thing. Com a classe criada, é possível substituir o nome gerado pelo nome que desejar através da aba Name da janela Class Editor. Para seguir com o exemplo de ontologia deste artigo, deve-se substituir o nome gerado para a classe, por Pessoa, conforme a (ILUSTRAÇÃO 4). ILUSTRAÇÃO 4 - Edição do Nome da Classe Para criar outras classes, deve-se selecionar a classe a partir da qual se deseja criar uma subclasse ou uma classe de mesmo nível e escolher o botão equivalente. Para uma subclasse, clicar sobre o botão Create subclass, mostrado anteriormente, e para criar uma classe de mesmo nível, sobre o botão 301

8 Eurico Martins Ferreira Neto, Carlos Eduardo Cruzeiro Scaldaferri... Create sibling class. Para excluir uma classe, deve-se primeiro selecioná-la e depois clicar sobre o botão Delete class. Assim, a fim de construir a ontologia proposta neste artigo, devem-se criar novas classes resultando na estrutura apresentada na (ILUSTRAÇÃO 5). ILUSTRAÇÃO 5 - Estrutura Inicial da Ontologia Família Uma classe pode ter mais de uma superclasse. Para isso acontecer é preciso indicar quais seriam as demais superclasses dela. Como exemplo, deve-se fazer com que a classe Filho se torne também subclasse da classe Filhos. Inicialmente, deve-se selecionar a classe Filho e em seguida, selecionar a linha Necessary, que está no campo Asserted Conditions (conforme explicado no item de criação de condições para as classes). O próximo passo é clicar sobre o botão Add named class. Uma nova janela é aberta para escolha da outra superclasse, no caso, a classe Filhos. Como resultado, a classe Filho agora tem como superclasse tanto a classe Homem, quanto a classe Filhos (ILUSTRAÇÃO 6). CES Revista, v

9 ILUSTRAÇÃO 6 - Definição de mais uma Superclasse para a Classe Filho Seguindo novamente estes passos, a nova estrutura da ontologia de família deve ser a apresentada na ILUSTRAÇÃO 7. ILUSTRAÇÃO 7 - Nova Estrutura da Ontologia Família 303

10 Eurico Martins Ferreira Neto, Carlos Eduardo Cruzeiro Scaldaferri CRIAÇÃO DE PROPRIEDADES PARA UMA CLASSE Para criar uma propriedade a uma classe, deve-se deixar ativa a aba OWLClasses e selecionar a classe (neste exemplo, Pessoa) à qual deseja-se criar a propriedade. O próximo passo é clicar sobre o botão Create datatype property. O Protégé abre uma nova janela para edição da propriedade, sendo possível alterar, entre outras coisas, o nome, o tipo e o domínio. Seguindo o exemplo, deve-se criar para a classe Pessoa, uma propriedade chamada Nome e do tipo String (ILUSTRAÇÃO 8). ILUSTRAÇÃO 8 - Propriedade de tipo de dados O Protégé ainda pode criar um outro tipo de propriedade, as Object properties, que possuem como opção o tipo classe ou instância de classe. Para definir uma propriedade de objeto, deve-se clicar sobre o botão Create object property. A ferramenta abre uma nova janela para edição CES Revista, v

11 da propriedade e, como exemplo, deve-se criar a propriedade Tem_Sexo e sua abrangência (Range) deve conter somente a classe Sexo, o que indica que a propriedade deve ser preenchida com itens de uma classe especificada através do campo Range. Para adicionar uma propriedade já existente a uma classe deve-se deixar ativa a aba OWLClasses e clicar sobre o botão Add this class to the domain of properties. Uma janela se abre para escolha da propriedade desejada. Seguindo os passos acima, deve-se adicionar a propriedade Nome à classe Sexo, conforme mostra a ILUSTRAÇÃO 9. ILUSTRAÇÃO 9 - Propriedade do Tipo Objeto Seguindo o exemplo, devem ser criadas as propriedades definidas na Tabela 1, cujo atributo Functional indica o sentido da relação. 305

12 Eurico Martins Ferreira Neto, Carlos Eduardo Cruzeiro Scaldaferri... TABELA 1 Regras para criar as propriedades Classe Propriedade Tipo Range Functional Filhos TemMãe Instance Mãe Checado Filhos TemPai Instance Pai Checado Pais TemFilhos Instance Filhos Não checado 4.4 CRIAÇÃO DE DISJUNÇÕES ENTRE CLASSES O Protégé permite a declaração de disjunções entre classes. Para criar uma disjunção, deve-se deixar a aba OWLClasses ativa e selecionar uma das classes, por exemplo Homem para que ela seja disjunta da classe Mulher. Depois, devese clicar sobre o botão Add disjoint class para escolher a classe disjunta, no exemplo, a classe Mulher (ILUSTRAÇÃO 10). ILUSTRAÇÃO 10 - Seleção da Classe Disjunta CES Revista, v

13 4.5 CRIAÇÃO DE INSTÂNCIAS DE UMA CLASSE O Protégé permite ainda a criação de instâncias de classes que podem ser utilizadas, por exemplo, para a criação de condições, conforme serão mostradas mais adiante. Para criar uma instância, deve-se deixar ativa a aba Individuals e selecionar a classe (neste exemplo, Sexo) para a qual se deseja criar uma instância. Com a classe selecionada, clica-se sobre o botão Create instance e preenchem-se os campos referentes aos atributos da classe (ILUSTRAÇÃO 11). ILUSTRAÇÃO 11 - Criação de uma Instância O nome visível de cada instância é configurado para a propriedade Name presente em todas as classes, mas pode ser alterado, a fim de facilitar a referência às instâncias. Para isso, deve-se clicar sobre o botão Menu e escolher o novo campo de exibição (ILUSTRAÇÃO 12). 307

14 Eurico Martins Ferreira Neto, Carlos Eduardo Cruzeiro Scaldaferri... ILUSTRAÇÃO 12 - Alteração do Campo de Exibição Como exemplo, seguindo os passos acima, deve-se criar as instâncias representadas na Tabela 2. Para excluir uma instância, é necessário primeiro selecioná-la e, depois, clicar sobre o botão Delete instance. TABELA 2 - Definição de instâncias Classe Campo Valor Sexo Nome Feminino Sexo Nome Masculino A ILUSTRAÇÃO 13 mostra o resultado obtido a partir da criação das instâncias da Tabela 2. ILUSTRAÇÃO 13 - Instâncias da Classe Sexo 308 CES Revista, v. 22

15 4.6 CRIAÇÃO DE CONDIÇÕES PARA AS CLASSES É possível definir condições para uma instância pertecer a uma classe. Essas condições necessárias (Necessary), devem ser atendidas para que a instância pertença a uma classe determinada. Existem, também, as condições necessárias e suficientes (Necessary and Sufficient), indicando que se a instância atende a todas as condições de uma classe específica, então esta instância pertence à classe. Essa condição deve ser criada, a fim de deixar ativa a aba OWLClasses e de selecionar a classe para a qual se pretende criar a condição. Como exemplo, após selecionar a classe Homem, deve-se clicar sobre a linha Necessary, encontrada no campo Asserted Conditions, e criar a condição clicando no botão Create restriction (ILUSTRAÇÃO 14). ILUSTRAÇÃO 14 - Primeiros passos para criar uma condição Em seguida, deve-se indicar que a propriedade TemSexo deve ter valor Masculino (ILUSTRAÇÃO 15). O mesmo deve ser feito para a classe Mulher com o valor Feminino. ILUSTRAÇÃO 15 - Escolha da Condição a ser Criada 309

16 Eurico Martins Ferreira Neto, Carlos Eduardo Cruzeiro Scaldaferri... A condição criada aparece no campo Asserted Conditions referente a cada uma das classes. A Ilustração 16 mostra o resultado para a classe Homem. ILUSTRAÇÃO 16 - A Condição Criada para a Classe Homem 4.7 GERAÇÃO DE CÓDIGO A ferramenta Protégé é capaz de gerar códigos fonte de ontologias seguindo algumas linguagens. Neste projeto da ontologia Família, a ferramenta foi utilizada seguindo o formato de projeto OWL e, dessa forma, foi gerado automaticamente um arquivo com o código fonte da ontologia na linguagem OWL (Familia.owl). A Ilustração 17 apresenta um fragmento do código gerado, onde são definidas as classes Homem e Mulher como sendo subclasses de Pessoa bem como a relação de disjunção entre Homem e Mulher. O Protégé permite a exportação dos projetos para outros formatos, de acordo com a linguagem escolhida. Possui ainda o recurso de gerar os arquivos HTML a partir do projeto de ontologia. Para isso, deve-se clicar sobre o menu File/Export to Format/HTML. O Protégé abre uma janela para escolha do diretório de destino dos arquivos HTML e de quais são as classes raízes para a exportação. As classes raízes são as classes a partir das quais o Protégé gera os arquivos HTML. Ao escolher uma classe como raiz, são exportadas todas as suas subclasses. Portanto, para se geriu os arquivos HTML de toda a ontologia, deve-se selecionar a classe owl:thing. Existe também a possibilidade de escolher se as instâncias das classes serão exportadas ou não. Para isso, deve ser marcada a opção Show Instances. CES Revista, v. 22 ILUSTRAÇÃO 17 - Fragmento de Código da Ontologia Família 310

17 5 BUSCADORES BASEADOS EM ONTOLOGIAS Ontologias atualmente vêm ganhando destaque por sua utilização na Web (BREITMAN, 2005). A novidade agora são os Ontobuscadores, isto é, buscadores baseados em ontologias, que objetivam melhorar o resultado das buscas (ONTOWEB, 2008). A estratégia desses buscadores é usar ontologias que formam uma rede pré-existente de conceitos inter-relacionados e de seus significados, indicando ao sistema a semântica associada aos termos. Um exemplo disso é o ONTOWEB, focado no cenário de Governo Eletrônico contextualizando as ontologias no processo de recuperação, expandindo os conceitos utilizados na pesquisa e identificando seu contexto, sendo possível localizar os documentos mais adequados à demanda solicitada (ONTOWEB, 2004). A utilização de ontologias permite ao buscador ativar uma sistemática completamente inovadora na localização de documentos, por considerar o contexto do assunto que está sendo pesquisado, proporcionando buscas mais precisas e detalhadas. A Ilustração 18 exibe uma pesquisa efetuada no ONTOWEB com a palavra-chave poluição. O resultado desta pesquisa exibe não apenas as informações relacionadas à palavra-chave poluição. Como pode ser observado, são também recuperados documentos que contenham outras palavras relacionadas semanticamente, como por exemplo: chuvas ácidas, danos ambientais e poluição dos rios (ILUSTRAÇÃO 19). ILUSTRAÇÃO 18 - O site OntoWeb 311

18 Eurico Martins Ferreira Neto, Carlos Eduardo Cruzeiro Scaldaferri... ILUSTRAÇÃO 19 - Resultado Parcial da Busca no ONTOWEB Esta é a base de uma ontologia: armazenar os conceitos e as relações entre os termos com o objetivo de representar o conhecimento. Os objetos do mundo real contêm relações implícitas. Como é possível notar intuitivamente, por exemplo, quando se fala em poluição, os seres humanos são capazes de perceber a ela se relacionam termos como chuvas ácidas, danos ambientais, poluição dos rios. Essas relações também devem ser representadas. De outra forma não seria possível para uma máquina estabelecer uma similaridade entre os termos. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Existe uma necessidade em constante crescimento de aproximar as máquinas da realidade humana. As ontologias disponibilizam a possibilidade de auxiliar a relação entre os computadores e as pessoas, através da representação CES Revista, v

19 do conhecimento. Este artigo apresenta, em fim, a construção de uma ontologia no sentido de exemplificar seu processo de construção, de forma a subsidiar diferentes atividades, como buscas na Web baseadas em ontologias. Nesse sentido, foi apresentado o site ONTOWEB, que utiliza ontologias para buscas baseadas no significado dos termos utilizados nas pesquisas, caracterizando a área de Web Semântica. Artigo recebido em: 08/09/2008 Aceito para publicação: 19/09/

20 Eurico Martins Ferreira Neto, Carlos Eduardo Cruzeiro Scaldaferri... REFERÊNCIAS ANKOLEKAR, A.; BURSTEIN, M.; HOBBS, J.; LASSILA, O.; MARTIN, D.; MCILRAITH, S.; NARAYANAN, S.; PAOLUCCI, M.; PAYNE, T.; SYCARA, K.; ZENG, H. DAMLS: Semantic Markup for Web Services, Proceedings of the First Semantic Web Working Symposium (SWWS 01). California: Stanford University, USA, p BREITMAN, K. Web semântica: a internet do futuro. São Paulo: LTC, FARQUHAR, A.; FIKES, R.; RICE, J. The ontolingua server: a tool for collaborative ontology construction. Relatório Técnico, Knowledge Systems Laboratory, Stanford, CA, 1996, Disponível em: < KSL_96a.pdf >. Acessado em: 07 jul Fensel, D. Ontologies: a silver bullet for knwledge management e electronic commerce. [S.L]: Springer, FENSEL, D.; HORROCKS, I.; VAN HARMELEN, F.; DECKER, S.; ERDMANN, M.; KLEIN, M. OIL in a Nutshell. WORKSHOP ON APPLICATIONS OF ONTOLOGIES E PROBLEM-SOLVING METHODS, 14th, EUROPEAN CONFERENCE ON ARTIFICIAL INTELLIGENCE ECAI 00. Proceedings Berlin, ago FIKES, R.; FARQUHAR, A. Distributed Repositories of Highly Expressive Reusable Ontologies. IEEE Intelligent Systems & their applications, v. 14, n. 2, p , GENESERETH, M. R.; FIKES, R.E. Knowledge Interchange Format, version 3.0, Reference Manual. Relatório Técnico, Stanford, v. 92, n. 1, GIL, Y.; RATNAKAR, V. A Comparison of (Semantic) Markup Languages. INTERNATIONAL FLAIRS CONFERENCE, SPECIAL TRACK ON SEMANTIC WEB, 15th Proceedings Pensacola, maio, CES Revista, v

21 GUARINO, N.; GIARRETA, P. Ontologies e Knowledge Bases: towards a terminological clarification. In: MARS, N. J. I. (Ed.). Towards Very Large Knowledge Bases: knowledge building e knowledge sharing. Amsterdan: IOS Press, p OLIVEIRA, A. M. GOS: Serviços de ontologia na integração de bases de dados, Dissertação (Mestrado em Sistemas de Informação) - COPPE/UFRJ, Programa de Engenharia de Sistemas, Rio de Janeiro, ONTOWEB: ferramenta informacional de Governo Eletrônico. [2006]. Disponível em: <http://www.ontoweb.com.br/analise/sobreontoweb.htm>, Acesso em: 20 ago OUKSEL, A. M.; SHETH, A. Semantic Interoperability in Systems Information Global. SIGMOD Record, v. 28, n. 1, OWL - Web Ontology Language. 10 fev Disponível em: <http://www. w3.org/tr/owl-features/>, Acesso em: ago

Construindo Axiomas e Avaliando Ontologias em ODEd

Construindo Axiomas e Avaliando Ontologias em ODEd Construindo Axiomas e Avaliando Ontologias em ODEd Vítor Estêvão Silva Souza, Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática da Universidade Federal do Espírito Santo Av. Fernando Ferrari, CEP 29060-900,

Leia mais

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Hélio Rodrigues de Oliveira Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará heliorodrigues@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Departamento

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista

NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista Universidade do Minho Campus de Azurém, 4800-058, Guimarães, Portugal

Leia mais

Interoperabilidade Semântica no LexML

Interoperabilidade Semântica no LexML Interoperabilidade Semântica no LexML João Alberto de Oliveira Lima Senado Federal do Brasil Brasília-DF joaolima@senado.gov.br Resumo. A interoperabilidade não se restringe apenas à capacidade de comunicação

Leia mais

Protégé Desenvolvimento de contologias

Protégé Desenvolvimento de contologias Protégé Desenvolvimento de contologias Joel Luis Carbonera jlcarbonera@inf.ufrgs.br Protégé Desenvolvimento de contologias Ontologias Ontologias Termo do domínio da Filosofia A disciplina filosófica preocupada

Leia mais

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE ONTOLOGIAS A METHODOLOGY FOR EVALUATING ONTOLOGY MANAGEMENT TOOLS

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE ONTOLOGIAS A METHODOLOGY FOR EVALUATING ONTOLOGY MANAGEMENT TOOLS SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 E 12 de Julho Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Esta comunicação está sendo submetida sob

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD Em sua versão inicial, o aplicativo RDB2LOD foi desenvolvido para instalação e execução em ambiente de máquina virtual Java, e oferece suporte aos SGBDs

Leia mais

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias

Leia mais

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION Andrenizia Aquino Eluan Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Tutorial JUDE ( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Ferramenta CASE UML Índice Introdução... 2 Download e Instalação... 2 Apresentação da Ferramenta... 2 Salvando o Projeto...

Leia mais

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Alessandra Brito F. Oliveira 1; Vera Maria Benjamim Werneck 1 ; Regina Serrão Lanzillotti 1 ; Haydée Serrão

Leia mais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Nikolai Dimitrii Albuquerque (Grupo Stela - UFSC) nikolai@stela.ufsc.br Vinícius Medina Kern (Grupo Stela - UFSC) kern@stela.ufsc.br

Leia mais

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo Manual do Usuário Índice Conheça o Projeto...3 Apresentação...3 Finalidade...3 Objetivo...3 Histórico...4 Usando o Portal...5 Efetuando o cadastro na biblioteca digital...5 Logando na Biblioteca Digital...6

Leia mais

1. Clique no botão ou, na barra de menu principal, selecione File > New > New Method Content. O assistente New Method Content será aberto.

1. Clique no botão ou, na barra de menu principal, selecione File > New > New Method Content. O assistente New Method Content será aberto. Guia rápido de utilização Modden Este guia visa instruir o usuário a executar as principais funcionalidades da ferramenta. Modden Process Editor Criando um novo Method Content: 1. Clique no botão ou, na

Leia mais

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Autor: Raul de Abreu Medeiros Júnior Orientadores: Arnaldo Dias Belchior Co-orientador: Pedro Porfírio Muniz Farias Nível: Mestrado Programa de pós-graduação

Leia mais

Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais

Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais Virtual Museum Ontology: uma descrição ontológica de objetos virtuais 3D em Museus Virtuais Felipe S. da Costa 1, Rafael G. de Oliveira 1, Everton F. C. de Almeida 1, Clézio L. Azevedo 1, Claudia M. F.

Leia mais

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Abril 2013 Sumário 1. Agente... 1 2. Onde instalar... 1 3. Etapas da Instalação do Agente... 1 a. Etapa de Instalação do Agente... 1 b. Etapa de Inserção

Leia mais

Manual da Ferramenta Metadata Editor

Manual da Ferramenta Metadata Editor 4 de março de 2010 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 3 3 Visão Geral 3 3.1 Instalação............................. 3 3.2 Legenda.............................. 4 3.3 Configuração Inicial........................

Leia mais

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 E 12 de Julho Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Definição de Ontologia para Identificação

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Configuração e Instalação do Atendimento Online

Configuração e Instalação do Atendimento Online Configuração e Instalação do Atendimento Online Não é possível trocar a senha do administrador, e não aconselhamos o uso desta conta como Atendente, deve ser usado apenas para cadastrar e alterar Grupos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO ANA PAULA CARVALHO LORENZONI MICHELINE PARIZOTTO PROFESSORA. MILENE SELBACH SILVEIRA ORIENTADORA

Leia mais

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 2.1. COMPARTILHANDO O DIRETÓRIO DO APLICATIVO 3. INTERFACE DO APLICATIVO 3.1. ÁREA DO MENU 3.1.2. APLICANDO A CHAVE DE LICENÇA AO APLICATIVO 3.1.3 EFETUANDO

Leia mais

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal)

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Acessando o Sistema Para acessar a interface de colaboração de conteúdo, entre no endereço http://paginapessoal.utfpr.edu.br. No formulário

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS

UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS RESUMO: - PALAVRAS-CHAVES: ABSTRACT: The use of the Web as a platform for distance education (e-learning) has been one of the great alternatives for

Leia mais

Criação de Servlets Name Directory Build WAR JSP/Servlet frameworks Launch URL Package Class name Generate header comments

Criação de Servlets Name Directory Build WAR JSP/Servlet frameworks Launch URL Package Class name Generate header comments Criação de Servlets 1. Crie um novo projeto através do Menu File New Project. 2. Acesse o Menu File New. 3. Na janela Object Gallery que surgirá, selecione a guia Web. 4. Escolha o ícone que corresponde

Leia mais

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos Curso de Introdução ao Plone Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Modulo A Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Laurimar Gonçalves

Leia mais

Geração e instalação de Certificado APNS

Geração e instalação de Certificado APNS Geração e instalação de Certificado APNS Manual Rápido para geração e instalação de um Certificado APNS Apple Versão: x.x Manual rápido MobiDM para Certificado APNS Página 1 Índice 1. CERTIFICADO APNS

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

SoftPhone e Integração de diretório ativo

SoftPhone e Integração de diretório ativo SoftPhone e Integração de diretório ativo Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Integre o diretório ativo com SoftPhone Prepare para integrar o diretório ativo com

Leia mais

Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica

Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica Marcus de Melo Braga 1 2, Hélio Santiago Ramos Júnior 1, Tatianna de Faria Coelho 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Conteúdo

Manual de Gerenciamento de Conteúdo Manual de Gerenciamento de Conteúdo 1 Sumário 1) O que é um Gerenciador de Conteúdo...3 2) Como o Site está Estruturado...3 3) Como Gerenciar o Conteúdo do Site...5 3.1) Adicionar Itens no Menu de Navegação...6

Leia mais

Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes

Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes Ylana Kipuna dos Santos Figueiredo Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências

Leia mais

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword Linux Educacional Tutorial Buzzword Para trabalhar com o programa Buzzword online, é necessário que crie uma conta no site. Para isso acesse o endereço - https://buzzword.acrobat.com/ Para criar uma conta

Leia mais

WebOnto: Anotação Semântica com Ontologias de Domínio

WebOnto: Anotação Semântica com Ontologias de Domínio WebOnto: Anotação Semântica com Ontologias de Domínio Stainam Brandão (COPPE/UFRJ) stainam@cos.ufrj.br Arthur Siqueira (COPPE/UFRJ) arthur@cos.ufrj.br Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) jano@cos.ufrj.br

Leia mais

Engenharia de Ontologias Seminário UPON

Engenharia de Ontologias Seminário UPON Engenharia de Ontologias Seminário UPON Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias Bruno Nandolpho Machado Vinícius Soares Fonseca Professor: Ricardo de Almeida Falbo Agenda RUP Método UPON

Leia mais

SGCD 2.2. Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.2. Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 13/AGO/2012 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Curso de Introdução ao Plone Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Parte IV - Criação

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 24/08/2011 No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

Ajuda on-line de aplicativos do Cisco Unified Intelligence Center

Ajuda on-line de aplicativos do Cisco Unified Intelligence Center Primeira publicação: December 12, 2013 Americas Headquarters Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman Drive San Jose, CA 95134-1706 USA http://www.cisco.com Tel: 408 526-4000 800 553-NETS (6387) Fax: 408 527-0883

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Serviços Web e sua relação com Sistemas de Informação

Serviços Web e sua relação com Sistemas de Informação Serviços Web e sua relação com Sistemas de Informação Uma abordagem dos conceitos básicos às composições semânticas Daniela Barreiro Claro 1 e Raimundo José de Araújo Macêdo 1 1 Laboratório de Sistemas

Leia mais

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz Como criar e editar Blogs Manual Básico do Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz São Carlos Setembro / 2008 Sumário Introdução...3 Criando um Blog no Edublogs...4

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade

OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade Pollyane de Almeida Lustosa 1, Fabiano Fagundes 2, Parcilene F. de Brito 2 1 Acadêmica do curso de Bacharel em Sistemas de Informação

Leia mais

Computação Móvel 2007/2008

Computação Móvel 2007/2008 Computação Móvel 2007/2008 Tutorial 2 Criação de uma nova publicação de base de dados no SQL Server 2005 Standard Edition / Enterprise Edition / Developer Edition No computador cliente: 1. Estabelecer

Leia mais

Programa EndNote. Download para teste no site: http://www.endnote.com/endemo.asp. (Atualmente o EndNote está na versão 5x)

Programa EndNote. Download para teste no site: http://www.endnote.com/endemo.asp. (Atualmente o EndNote está na versão 5x) Programa EndNote 1. Informações O EndNote é um gerenciador de referências bibliográficas desenvolvido pela Thomson Reuters. O software permite armazenar e organizar as referências encontradas nas buscas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Empari Sistemas www.empari.com.br

MANUAL DO USUÁRIO. Empari Sistemas www.empari.com.br MANUAL DO USUÁRIO Empari Sistemas www.empari.com.br Sumário Instalação... 2 Primeira Configuração... 5 Período de experimentação... 8 Configurar Busca de Licitações... 9 Tela de Configuração do LicitaPlus+...

Leia mais

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice CAPA Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE Índice 1. Página da área administrativa... 1.1 Botões e campo iniciais... 2. Explicar como funcionam as seções... 2.1. Seções dinâmicos... 2.1.1 Como

Leia mais

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Paulo Fernando da Silva, Henrique Otte, José Leomar Todesco, Fernando A. O. Gauthier Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Leia mais

DEVELOPMENT APPLETS IN SOFTWARE GEOGEBRA

DEVELOPMENT APPLETS IN SOFTWARE GEOGEBRA GERANDO APPLETS NO SOFTWARE GEOGEBRA Larissa de S. Moreira 1, Gilmara T. Barcelos 2, Silvia C. F. Batista 2 1 Professora do C. E. Cel João Batista de Paula Barroso 2 Doutoranda em Informática na Educação

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 Continuando nossa saga pelas ferramentas do Visual FoxPro 8.0, hoje vamos conhecer mais algumas. A Ferramenta Class Designer A Class Designer é a ferramenta

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Guia Rápido Gestão de Webconferência

Guia Rápido Gestão de Webconferência Guia Rápido Gestão de Webconferência Conteúdo Marcando uma Webconferência... 3 Adiciona uma Sessão de Webconferência...3 Edite uma Webconferência...5 Marcar Presença...6 Ver Relatório de Reunião de Grupo...6

Leia mais

Ficha Técnica. Título Título do Manual Autor Athail Rangel Pulino Filho Copyright Creative Commons Edição Julho 2007. Athail Rangel Pulino 2

Ficha Técnica. Título Título do Manual Autor Athail Rangel Pulino Filho Copyright Creative Commons Edição Julho 2007. Athail Rangel Pulino 2 Ficha Técnica Título Título do Manual Autor Athail Rangel Pulino Filho Copyright Creative Commons Edição Julho 2007 Athail Rangel Pulino 2 Índice Introdução 4 Recursos disponíveis 4 Criar uma página de

Leia mais

O padrão RDF na descrição de imagens

O padrão RDF na descrição de imagens O padrão RDF na descrição de imagens Edeilson Milhomem da Silva 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Cx. Postal 160 77054-970

Leia mais

Esta comunicação está sendo submetida sob o [x] Tema 1 Aspectos teóricos e metodológicos nos estudos em ontologias

Esta comunicação está sendo submetida sob o [x] Tema 1 Aspectos teóricos e metodológicos nos estudos em ontologias SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Esta comunicação está sendo submetida

Leia mais

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta.

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. Prof. Júlio César S. Ramos P á g i n a 1 INTERNET OUTLOOK 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. A O Outlook Express permite criar grupo de pessoas

Leia mais

Introdução à aplicação Web

Introdução à aplicação Web Introdução à aplicação Web A aplicação Web SanDisk +Cloud é uma interface com base na Web para aceder ao seu conteúdo e gerir a sua conta. Com a aplicação Web poderá reproduzir música, ver filmes, ver

Leia mais

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em 5 O Joomla: O Joomla (pronuncia-se djumla ) é um Sistema de gestão de conteúdos (Content Management System - CMS) desenvolvido a partir do CMS Mambo. É desenvolvido em PHP e pode ser executado no servidor

Leia mais

XXIV SEMANA MATEMÁTICA

XXIV SEMANA MATEMÁTICA XXIV SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Minicurso: Produção de Páginas Web para Professores de Matemática Projeto de Extensão: Uma Articulação entre a Matemática e a Informática como Instrumento para a Cidadania

Leia mais

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de

Leia mais

Manual de usuário. do sistema multicálculo CotakWeb

Manual de usuário. do sistema multicálculo CotakWeb Manual de usuário do sistema multicálculo CotakWeb Belo Horizonte 01 de setembro de 2010 1 Sumário 1. CANAIS DE ATENDIMENTO... 3 2. DOWNLOAD DO APLICATIVO... 3 3. LOGIN... 3 4. CONFIGURAÇÃO... 4 4.1. PARÂMETROS

Leia mais

Aspectos semânticos em um sistema de integração de informações na Web 1 1 Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Aspectos semânticos em um sistema de integração de informações na Web 1 1 Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Aspectos semânticos em um sistema de integração de informações na Web 1 Rosalie Barreto Belian, Ana Carolina Salgado 1 Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e-mail: {rbb, acs}@cin.ufpe.br

Leia mais

ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM *

ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM * ENSINET/NAV: UMA FERRAMENTA PARA ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS BASEADOS EM OBJETOS DE APRENDIZAGEM * Diego Lemos de Souza ** Graçaliz Pereira Dimuro *** Antônio Carlos da Rocha Costa **** Raquel Mello de Miranda

Leia mais

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT.

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. PÁGINA: 2 de 21 Nenhuma parte deste documento pode ser utilizado ou reproduzido, em qualquer meio

Leia mais

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CAMPUS SÃO LUÍS MONTE CASTELO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE INFORMÁTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO I PROFESSOR:

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

25/05/2015. Relevance Feedback. Expansão de Consulta. Relevance Feedback

25/05/2015. Relevance Feedback. Expansão de Consulta. Relevance Feedback Relevance Feedback Expansão de Consulta Relevance Feedback 1 Relevance Feedback Baeza-Yates; Ribeiro-Neto, (2011, cap 5) distinguem dois métodos: Explicit Relevance Feedback a informação para a reformulação

Leia mais

Rational Requirements Composer Treinamento aos Analistas de Qualidade e Gestor das Áreas de Projeto

Rational Requirements Composer Treinamento aos Analistas de Qualidade e Gestor das Áreas de Projeto Rational Requirements Composer Treinamento aos Analistas de Qualidade e Gestor das Áreas de Projeto Objetivos do Treinamento Apresentar as principais funcionalidades do Rational Requirements Composer relacionadas

Leia mais

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO BLOG DO CONHECIMENTO APRESENTAÇÃO O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma ferramenta de COLABORAÇÃO que tem como objetivo facilitar

Leia mais

NeXT Help Desk Manual do usuário. Abril/2011. NeXT Software

NeXT Help Desk Manual do usuário. Abril/2011. NeXT Software NeXT Help Desk Manual do usuário Abril/2011 NeXT Software Página 1 de 11 Índice Descrição e características do NeXT Help Desk... 3 Conectando no NeXT Help Desk... 4 Menu de acesso... 5 Enviando chamado

Leia mais

http://www.activedelphi.com.br/print.php?sid=439

http://www.activedelphi.com.br/print.php?sid=439 Page 1 of 9 Criando Instaladores Com Inno Setup e ISTool Data: Monday, November 27 @ 17:30:54 Tópico Artigos A maioria dos programadores gosta de ter uma aplicação bonita e fácil de instalar, ao invés

Leia mais

Fase III Iteração IV

Fase III Iteração IV Fase III Iteração IV Sistema de Previsão do Tempo, Integração com os sistemas do Interlegis e Validação 1) Introdução Na penúltima fase de implementação foram desenvolvidos sistemas para Previsão do Tempo,

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Manual do sistema. My e-learning objects. Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação

Manual do sistema. My e-learning objects. Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação Manual do sistema My e-learning objects Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação Manual do sistema - Meelo Autor: Alexandre Yukio Yamashita Laboratório de Engenharia

Leia mais

Reengenharia e Ontologias: Análise e Aplicação

Reengenharia e Ontologias: Análise e Aplicação Reengenharia e Ontologias: Análise e Aplicação Regina C. Cantele 1, Diana F. Adamatti 2, Maria A. G. V. Ferreira 1, Jaime S. Sichman 2 1 InterLab Laboratório de Tecnologias Interativas 2 LTI Laboratório

Leia mais

Manual do Usuário. Tag List. Tag List Generator. smar FIRST IN FIELDBUS JUL / 02. Tag-List VERSÃO 1.0 TAGLSTC3MP

Manual do Usuário. Tag List. Tag List Generator. smar FIRST IN FIELDBUS JUL / 02. Tag-List VERSÃO 1.0 TAGLSTC3MP Tag List Tag List Generator Manual do Usuário smar FIRST IN FIELDBUS JUL / 02 Tag-List VERSÃO 1.0 TAGLSTC3MP www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta.

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Aula de Laboratório: Iniciação ao Protégé/Frames

Aula de Laboratório: Iniciação ao Protégé/Frames 1. Arranque Aula de Laboratório: Iniciação ao Protégé/Frames Iniciar a aplicação Protégé em Windows ou Linux. Criar um novo projeto opção New Project, escolhendo a opção Protégé Files (.pont and.pins)

Leia mais

Fábio Ávila Thiago Carvalho POWERPIVOT

Fábio Ávila Thiago Carvalho POWERPIVOT Fábio Ávila Thiago Carvalho POWERPIVOT PowerPivot - Introdução Permite a construção de um modelo de dados Como um Data Mart Elemento Central para construção de Self-Service BI Evolução da tabela dinâmica

Leia mais

1. StarUML - UML/MDA Plataform

1. StarUML - UML/MDA Plataform Sumário 1. StarUML - UML/MDA Plataform... 1 2. Criando Perfis no StarUML... 2 3. Criando o perfil GeoProfile... 5 4. Aplicando o Perfil GeoProfile... 12 1. StarUML - UML/MDA Plataform Star UML (STAR UML,

Leia mais

Parallels Plesk Panel 11 Tour prático do Produto para Proprietários de Website

Parallels Plesk Panel 11 Tour prático do Produto para Proprietários de Website Parallels Plesk Panel 11 Tour prático do Produto para Proprietários de Website Este documento fornece um breve tour prático do painel de controle de hospedagem do Parallels Plesk Panel 11 para um proprietário

Leia mais

Treinamento de Drupal para Administradores do Site Bibliotecas UFU

Treinamento de Drupal para Administradores do Site Bibliotecas UFU Treinamento de Drupal para Administradores do Site Bibliotecas UFU 1 1. Como logar no sistema como usuário autenticado Para logar no sistema como usuário autenticado é necessário digitar /user na frente

Leia mais

Configuração e Instalação do Atendimento Online

Configuração e Instalação do Atendimento Online Configuração e Instalação do Atendimento Online Não é possível trocar a senha do administrador, e não aconselhamos o uso desta conta como Atendente, deve ser usado apenas para cadastrar e alterar Grupos

Leia mais

SEO Search Engine Optimization

SEO Search Engine Optimization SEO Search Engine Optimization 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 1 Introdução Contatos Carlos José carlos.jose.r2n@gmail.com www.carlosjose.net @carlosjoser2n SEO Introdução Atualmente

Leia mais

3.2 Inserindo Referências Manualmente 16-17

3.2 Inserindo Referências Manualmente 16-17 TUTORIAL 1 EndNote Web www..myendnoteweb..com Biiblliioteca de Ciiênciias da Saúde Sede Biiblliiotecáriia: Liilliia Mariia Biitar Neves 2010 SIBI/UFPR SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 2 1 REGISTRO PARA ACESSO 4-7

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública George Fragoso Agenda Motivação Sistemas de Defesa Social Conceitos e Arquitetura de Ontologias Proposta de Mestrado

Leia mais

1. Introdução. 2. A área de trabalho

1. Introdução. 2. A área de trabalho Curso Criiar web siites com o Dreamweaver Parrttee II 1. Introdução O Macromedia DreamWeaver é um editor de HTML profissional para desenhar, codificar e desenvolver sites, páginas e aplicativos para a

Leia mais

Interpretador AIML alimentado com tags HTML5

Interpretador AIML alimentado com tags HTML5 2º Congresso de Pesquisa Científica : Inovação, Ética e Sustentabilidade Interpretador AIML alimentado com tags HTML5 Rafael Luiz de Macedo (Ciência da Computação - UNIVEM - Marília/SP) Email: rafaelldemacedo@gmail.com

Leia mais

MB-XP UM MECANISMO DE BUSCA EXPERIMENTAL SIMULADOR DE WEB SEMÂNTICA

MB-XP UM MECANISMO DE BUSCA EXPERIMENTAL SIMULADOR DE WEB SEMÂNTICA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Atualização do Certificado Digital

Atualização do Certificado Digital Atualização do Certificado Digital Houve uma renovação no certificado AC Raiz, este novo certificado Raiz da ICP-BRASIL ainda não está presente nos repositórios dos navegadores de internet. Por este motivo

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais