Apresentação da Disciplina MECÂNICA APLICADA. Prof. André Luis Christoforo.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação da Disciplina MECÂNICA APLICADA. Prof. André Luis Christoforo."

Transcrição

1 Objetivos da Estática: 01 Universidade Federal de São Carlos Departamento de Engenharia Civil - DECiv Apresentação da Disciplina MECÂNICA APICADA Prof. André uis Christoforo - Análise do equilíbrio estático de pontos materiais, corpos extensos, sistemas de corpos e estruturas em geral. F 0 Equilíbrio estático: = (Soma das Forças) v = 0 (velocidade nula) Ponto Material: - Todas as forças concorrem a um ponto. Espaço D Condição de Equilíbrio: F = 0 Corpo Extenso: - Quando existem dois ou mais pontos distintos de aplicação das forças. 0 1) Vetores de Força: Revisão Objetivo: Para um conjunto de forças aplicadas em um ponto (em ou 3 dimensões), determinar o vetor força resultante (F R ), ou seja, sua intensidade, direção e sentido. 03 Condições de Equilíbrio: Vínculos F = 0 e M = 0 (Soma dos Momentos) DC (momento de uma força) Reações nos Vínculos? F1 F R =? versor de F OU F = o o F = 600 cos(30 ) 400 sen(45 ) = 36,77N Rx o o [cos(30 )] +[cos(60 )] 1 OU o o F1 = 600 cos(30 ) i+600 cos(60 ) j o o F1 = 600 cos(30 ) i+cos(60 ) j = F1 uf 1 u = = x o o FRy = Fx = 600 sen(30 ) cos(45 ) = 58,84N F = F + F = 69,09N R Rx Ry o o F = 400 cos(45 ) i+400 cos(45 ) j FR = F1 + F F = 36,701 i + 58,84 j R 1

2 ) Equilíbrio de Partículas ( e 3 Dimensões): 04 3) Momento e Resultante de um Sistema de Forças ( e 3 Dimensões): - Representa um sistema no qual a força e o momento resultante produzam em um determinado ponto da estrutura o mesmo efeito que o carregamento original aplicado no ponto A: D FRx = 0 = FRy = 0 ( FRx ; FRy ) ( 0 ; 0) F = 0 ( ; ; ) ( ; ; ) 3D FRx = 0 FRx FRy FRz = FRy = 0 FRz = 0 - no ponto B: FR = = 30N M R = = 150N m FR = = 30N M R = = 10N m 4) Equilíbrio de Corpos Rígidos ( Dimensões): 06 5) Análise Estrutural: 07 (Vínculo Ideal) (Vínculo Ideal) Máquinas: (Força Reativa) (Forças Reativas) Reação nos Vínculos? Estruturas (compostas):

3 Cabos Flexíveis: 08 6) Atrito: 09 cabos cabos O projeto efetivo de um sistema de freios requer capacidade eficiente para que o mecanismo resista as forças de atrito. (Ampliação da Superfície Rugosa) Fe = µ sn Fc = µ cn P 180lb N F at F e = µ e N 10 7) Centro de Gravidade e Centróide: 11 Cunhas: Coordenada y do Centróide: ya y = = = 87, 5mm A

4 8) Momentos de Inércia: 1 O projeto estrutural de uma viga ou coluna requer o cálculo do momento de inércia para o respectivo dimensionamento. (Posição B) (Posição A) Posição A mais eficiente!!! Maior I x 4

5 01 Vetores de Força: Universidade Federal de São Carlos Departamento de Engenharia Civil Revisão: Vetores de Força (Cap. 1) Prof. André uis Christoforo Material didático adaptado/modificado das obras de: - Beer, F. P.; Johnston Jr., E. R. Mecânica Vetorial para Engenheiros: Estática. 5.ed. São Paulo: Makron Books, p. - Hibbeler, R. C. Mecânica Estática. 10 ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 005, 540p. - Rodrigues,. E. M. J. Notas de Aula. Representação de uma Grandeza Vetorial: ei dos Senos e dos Cossenos: - Módulo - Direção - Sentido 0 03 Soma Vetorial Regra do Paralelogramo: - O Cálculo da força resultante pode ser obtido através da soma vetorial com a aplicação da regra do paralelogramo. Exercícios: 1) O parafuso mostrado na figura está sujeito a duas forças F 1 e F. Determine o módulo e a direção da força resultante F R. Força Resultante? 1

6 04 05 ) Duas lanchas rebocam um barco de passageiros que se encontra com problemas em seus motores. Sabendo-se que a força resultante F R é igual a 30kN, encontre suas componentes nas direções CA e CB. - Determinação de F R : FR = 98,5N 300N 00N = = o sen(70 ) sen( α) sen( γ ) - Det. de α: - γ é dado por: 300N o sen( α ) = sen(70 ) = 0,945 α = arcsen(0,945) = 70,91 o 98,5N 00N o sen( γ ) = sen(70 ) = 0,630 γ = arcsen(0,630) = 39,09 o 98,5N Sistemas de Forças Coplanares Vetores cartesianos: - Obtenção das componentes de R em relação aos eixos de interesse: - Adição de forças vetoriais: - Decomposição de forças:

7 Redução a uma única força resultante: 08 Módulo e direção da força resultante: 09 (sistema de forças) (decomposição de cada força nas direções de x e y) (força resultante) - Módulo da força resultante: - Vetores Cartesianos: - Força resultante: - Direção da força resultante: (soma vetorial) Exercícios: 3) O elo da figura abaixo está submetido as forças F 1 e F. Determine a intensidade e a orientação da força resultante F R (Resolução) (Módulo de F R ) (Direção de F R ) 3

8 4) A extremidade da barra está submetida a três forças concorrentes e coplanares. Determine a intensidade e a orientação da força resultante F R (Resolução) Adição e subtração de vetores cartesianos: Um vetor A pode ter um, dois ou três componentes ao longo dos eixos de coordenadas x, y e z. - Vetor Unitário ( ): (Módulo de u = 1) - A quantidade de componentes depende de como o vetor está orientado em relação a esses eixos. - Sistema de coordenadas utilizando a regra da mão direita. - Em três dimensões, o conjunto de vetores unitários ( i ; j; k ) é usado para designar as direções dos eixos x, y e z, respectivamente. Versor de A Para um Vetor A ( u A ) : F Para um Vetor F ( u ) : Vetor de A A = A u A A Módulo de F = F uf (Notação muito útil) 4

9 Obtenção dos ângulos diretores coordenados: - Representação de um vetor cartesiano: - Ângulos diretores coordenados: - Sistema de forças concorrentes: 18 Exercícios: 5) Determine a intensidade e os ângulos diretores coordenados da força resultante que atua sobre o anel, conforme mostrado na figura 19 5

10 0 6) Duas forças atuam sobre o gancho mostrado na figura. Especifique os ângulos diretores coordenados de F, de modo que a força resultante F R atue ao longo do eixo y positivo e tenha intensidade de 800N. 1 (versor da resultante ) - Determinação de F : (Módulo de F ) - Ângulos diretores de F : Vetores posição, vetor força orientado ao longo de uma reta e aplicação do produto escalar : - Vetor posição: - O vetor posição r é definido como um vetor fixo que localiza um ponto do espaço em relação a outro. 3 - O vetor posição pode ser escrito na forma cartesiana. 6

11 - Vetor posição entre dois pontos A e B e fora da origem: 4 - Aplicação do vetor posição: 5 - O vetor posição é calculado a partir da subtração das coordenadas x, y, z das extremidades dos vetores em análise. - O vetor posição indica o comprimento real ou a distância entre dois pontos no espaço. - Vetor força orientado ao longo de uma reta: (Notação muito útil) Exercícios: 7) A corda mostrada na figura está presa aos pontos A e B. Determine seu comprimento e sua direção, medidos de A para B

12 8) A placa circular é parcialmente suportada pelo cabo AB. Sabe-se que a força no cabo em A é igual a 500N. Expresse essa força como um vetor cartesiano. 8 - Produto Escalar: Em determinados problemas de estática é necessário se determinar o ângulo formado entre duas retas ou então os componentes paralelo e perpendicular de uma força em relação a um eixo. (resultados) 9 (ângulo) - Componentes Paralela e Perpendicular de um vetor: Exercício: 9) A estrutura mostrada na figura está submetida a uma força horizontal. Determine a intensidade dos componentes dessa força paralela e perpendicular ao elemento AB.? (origem)? 8

13 01 Equilíbrio de ponto material em dimensões: Universidade Federal de São Carlos Departamento de Engenharia Civil (Estrutura) Cap. EQUIÍBRIO DE PARTÍCUAS Material didático adaptado/modificado das obras de: - Beer, F. P.; Johnston Jr., E. R. Mecânica Vetorial para Engenheiros: Estática. 5.ed. São Paulo: Makron Books, p. - Hibbeler, R. C. Mecânica Estática. 10 ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 005, 540p. - Rodrigues,. E. M. J. Notas de Aula. Prof. André uis Christoforo (diagrama de corpo livre) (condição de equilíbrio) - Exemplo de diagrama de corpo livre: y 0 - Cabos e molas: 03 x y x (ei de Hooke) S - deformação da mola k - coeficiente de rigidez da mola - Cabos trabalham apenas na tração (T)! 1

14 Exercícios: 1) Determine a tensão nos cabos AB e AD para o equilíbrio do motor de 50kg mostrado na figura. 04 ) Determine o comprimento da corda AC da figura, de modo que a luminária de 8kg seja suspensa na posição mostrada. O comprimento não deformado da mola é l AB = 0,4m e a mola tem rigidez k AB = 300N/m Equilíbrio de ponto material em 3 dimensões:

15 Exercícios: 3) Determine a intensidade e os ângulos diretores da força F necessários para o equilíbrio do ponto ? 10 4) A caixa de 100kg mostrada na figura é suportada por três cordas, 11 uma delas é acoplada na mola mostrada. Determine a força nas cordas AC e AD e a deformação da mola. 3

16 1 13 5) Considere que o cabo AB esteja submetido a uma força de 700N. Determine as forças de tração nos cabos AC e AD e a intensidade da força vertical F. - Deformação da mola

17 ) Se cada cabo pode suportar uma tração máxima de 1000 N, determine a maior massa que o cilindro pode ter na condição de equilíbrio. A = (0 ;0 ;0) B = ( 1 ; 1,5 ;3) C = ( 1 ; - ;) D = (3 ; -4 ;0) rab = B A = ( 1 ; -1,5 ;3) r AB = rab = ( 1) + (-1,5) + ( 3) = 3,50 m r u AB AB = = ( 0,86 ; 0,49 ; 0,857) rab TAB = TAB uab = ( 0,86 TAB ; 0,49 TAB ; 0,857 TAB) T AB TAB = TAB uab = ( 0,86 TAB ; 0,49 TAB ; 0,857 TAB) T AB TAC = TAC uac = ( 0,333 TAC ; 0,667 TAC ; 0,667 TAC ) T AC TAD = TAD uad = ( 0,600 TAD ; 0,800 TAD ; 0 TAD ) T AD P = (0 ; 0 ; 9,807 m) F = 0 ; Fx ; Fy ; Fz = 0 ; 0 ; 0 ( ) ( ) 0, 86 TAB 0,333 TAC + 0,600 TAD + 0 = 0 0, 49 TAB 0,667 TAC 0,800 TAD + 0 = 0 0,857 TAB 0,667 TAC + 0 9,807 m = 0 0,86 0,333 0,600 TAB 0 0, 49 0,667 0,800 TAC = 0 0,857 0,667 0 T AD 9,807 m [A] {T} {C} 18 0,86 0,333 0,600 TAB 0 0, 49 0,667 0,800 TAC = 0 0,857 0,667 0 T AD 9,807 m [A] {T} {C} TAB 11,074 m 1 {T} = [A] {C} TAC = 0,475 m T AD 5,54 m 11,074 m = 1000 m = 90,30 kg 19 5

18 Universidade Federal de São Carlos Departamento de Engenharia Civil Cap. 3 MOMENTOS E RESUTANTES DE UM SISTEMA DE FORÇAS Material didático adaptado/modificado das obras de: - Rodrigues,. E. M. J. Notas de Aula. Prof. André uis Christoforo - Beer, F. P.; Johnston Jr., E. R. Mecânica Vetorial para Engenheiros: Estática. 5.ed. São Paulo: Makron Books, p. - Hibbeler, R. C. Mecânica Estática. 10 ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 005, 540p. Momento de uma força: - O momento de uma força fornece uma medida da tendência dessa força provocar a rotação no corpo em torno do eixo em análise. (Momento em torno do eixo Z) (Momento em torno do eixo X) (Não gera momento - concorre ao polo) - Para problemas em duas dimensões é mais conveniente utilizar uma abordagem escalar e para problemas em três dimensões a abordagem vetorial é mais conveniente Formulação escalar para o momento: - Momento é uma grandeza vetorial, possui intensidade direção e sentido. - Convenção de sinais: segue a regra da mão direita, horário é positivo e anti-horário é negativo. Momento resultante de um sistema de forças coplanares: (sentido do giro) 1

19 Exercícios: ) Determine o momento da força em relação ao ponto O em cada uma das barras mostradas. ) Determine os momentos da força de 800N em relação aos pontos A, B, C e D. 3) Determine os momentos das forças em relação ao ponto O. (a) 06 (d) 07 (b) (c) (e) Mro = Mo = 353,553 5, ,553,11 = = 1060,659 N m = 1060,659N m

20 (f) Sol. 1: Momento de uma força análise vetorial: - O momento de uma força em relação a um ponto pode ser determinado através da aplicação das regras de produto vetorial. Sol. : Sol. 3: - A regra do produto vetorial para o cálculo de momentos geralmente é aplicada para sistemas em três dimensões Princípio dos momentos: Regras do Produto Vetorial: - Teorema de Varignon: Estabelece que o momento de uma força em relação a um ponto é igual a soma dos momentos das componentes das forças em relação ao mesmo ponto. - O produto vetorial de dois vetores A e B produz o vetor C e matematicamente a operação é escrita do seguinte modo: 3

21 Formulação vetorial cartesiana: 1 Exercícios: 13 4) Para a cantoneira da figura a seguir, determine o momento da força F em relação ao ponto O segundo a análise escalar e a análise vetorial. - Análise Escalar: - Análise Vetorial: 5) Determine o momento da força F em relação ao ponto O. Expresse o resultado como um vetor cartesiano. 14 6) O poste abaixo está sujeito a uma força de 60N na direção de C para B. Determine a intensidade do momento criado por essa força em relação ao suporte no ponto A. 15 4

22 16 Momento em relação a um eixo: formulação vetorial: 17 Aplicação do produto misto: Projeção de um vetor momento sobre um eixo de interesse. M 0 (calcular determinante) C C Exercício: 18 Momento de um binário: 19 7) A força F atua no ponto A mostrado na figura. Determine a intensidade do momento dessa força em relação ao eixo x. C - Um binário é definido como duas forças paralelas de mesma intensidade, sentidos opostos e separadas por um distância d. O cálculo do momento de um binário independe do ponto (polo) de referência. - Dois binários são ditos equivalentes se produzem o mesmo momento. 5

23 Exercícios: 8) Determine o momento de binário que age sobre o encanamento e expresse o resultado como um vetor cartesiano. A = (0 ;0 ;0,30) m B = (0,40 ; 0 ;0,30) m roa = A O = (0 ; 0 ; 0,30) m rob = B O = (0,40 ; 0 ; 0,30) m r AB = r OB r OA = (0,40 ; 0 ; 0) m 4 3 FA = F ; ; A ua = = ( 0 ; -360 ; 70 ) N 5 5 F A i j k M = rab FA = 0, = { 144 k 108 j} N m M = ( 108) + ( 144) = 180N m 0 9) Determine a distância d entre A e B tal que o momento de binário resultante tenha uma intensidade de 0N m. roa = A O = (350 ; 0 ; 0) m A = (350 ;0 ;0) m o o B = 350 ; -d cos(30 ) ;d sen(30 ) m 0,866 0,50 1 rob = B O = ( 350 ; -0,866 d ; 0,50 d) ) m r AB = r OB r OA = (0 ; -0,866 d ; 0,50 d) m F1 = F 1 u1 = 50 ( 1 ; 0 ; 0) = ( 50 ; 0 ; 0 ) N F1 F = F u = 35 ( 0 ; 0 ; 1) = ( 0 ; 0 ; 35 ) N F i j k M1 = rab F1 = 0 0,866 d 0,50 d i j k M = rab F = 0 0,866 d 0,50 d Sistemas equivalentes de cargas concentradas: - Representa um sistema no qual a força e o momento resultante produzam em um determinado ponto da estrutura o mesmo efeito que o carregamento original aplicado. 3 M R = M1 + M = ( 30,31 d ; 5 d ; 43,30 d) N m M R = 0 N m ( ) ( ) ( ) 30,31 d + 5 d + 43,30 d = 0 d = 0,34m = 34mm - no ponto A: - no ponto B: FR = = 30N M R = = 150N m FR = = 30N M R = = 10N m 6

24 4 5 Exercícios: 10) Substitua as cargas atuantes na viga por uma única força resultante e um momento atuante no ponto A. F Ry F Rx θ FR 6 Sistemas equivalentes de cargas distribuídas: 7 (sistema equivalente) - A intensidade da força resultante de um carregamento distribuído é equivalente a soma de todas as forças atuantes na superfície de contato, devendo ser localizada nas coordenadas do centro geométrico da sua área de atuação. força [ F] p( x) = (dimensão) [ ] comprimento Fy Feq = p( x)d x 0 (F eq é igual a área sob a função de carregamento distribuído) 7

25 = Feq p( x)d x 0 8 Exercícios: 1) Determine a intensidade e a localização da força resultante equivalente que atua no eixo mostrado na figura. 8 MO Feq x = p( x) xd x 0 (Momento da força equivalente) (Momento da força distribuída - real) p( x) xd x p( x) xd x x = 0 x = 0 Feq p( x)d x 0 (centro geométrico) ) Um carregamento distribuído com p(x) = 800.x (Pa) atua no topo de uma superfície de uma viga como mostra a figura. Determine a intensidade e a localização da força resultante equivalente. 8

26 ) A placa da figura abaixo está sujeita a quatro forças paralelas. Determine a intensidade e a direção de uma força resultante equivalente ao sistema de forças dado e situe seu ponto de aplicação na placa. Uma força resultante F R = 1400N situada no ponto P(3,0 m;,50m) é equivalente ao sistema de forças paralelas que é aplicado na placa. 9

27 01 Equilíbrio de um corpo extenso em dimensões Universidade Federal de São Carlos Departamento de Engenharia Civil Cap. 4 EQUIÍBRIO DE CORPOS RÍGIDOS Material didático adaptado/modificado das obras de: - Beer, F. P.; Johnston Jr., E. R. Mecânica Vetorial para Engenheiros: Estática. 5.ed. São Paulo: Makron Books, p. - Hibbeler, R. C. Mecânica Estática. 10 ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 005, 540p. - Rodrigues,. E. M. J. Notas de Aula. Prof. André uis Christoforo Graus de liberdade: - Um corpo extenso no plano possui três possibilidades de movimento, sendo duas translações e uma rotação, assim como ilustra a figura: Vínculos em estruturas planas: Vínculos são elementos estruturais que têm por finalidade conectar a estrutura a um referencial indeslocável ou também, de interligar os elementos estruturais que a compõe. - Apoio Móvel: Retira um grau de liberdade do corpo extenso no plano, sendo este uma translação. - Apoio Fixo: Retira dois graus de liberdade do corpo extenso no plano, sendo estes duas translações. - Engastamento Fixo: Retira três graus de liberdade do corpo extenso no plano, sendo estes duas translações e uma rotação. 1

28 - Engastamento Móvel: 04 - Viga: Estrutura constituída por elemento de barra e sujeita a um conjunto de forças não-colineares ao seu eixo, gerando esforços de flexão e(ou) cisalhamento. 05 Retira dois graus de liberdade do corpo extenso no plano, sendo estes uma translação e uma rotação. Classificação das vigas: - Quanto a vinculação, as vigas são classificadas como: - Vigas isostáticas: - Isostáticas - Ipostáticas - Hiperestáticas - Possuem a quantidade necessária e suficiente de vínculos para manter a estrutura em equilíbrio. - Do ponto de vista algébrico: -3 Equações de -equilíbrio: F = 0 X F = 0 y M A = 0-3 Incógnitas: 06 - Vigas ipostáticas: - Possuem quantidade de vínculos inferior à quantidade necessária para manter a estrutura em equilíbrio. - Do ponto de vista algébrico: -3 Equações de -equilíbrio: - Vigas Hiperestáticas: F = 0 X F = 0 y M A = 0 - Incógnitas: - Possuem quantidade de vínculos superior à quantidade necessária para manter a estrutura em equilíbrio. - Do ponto de vista algébrico: -3 Equações de -equilíbrio: F = 0 X F = 0 y M A = 0-4 Incógnitas: 07

29 08 09 A viga da figura abaixo é dita uma vez hiperestática, apresentando um vínculo a mais além da quantidade necessária ao equilíbrio. Este vínculo em excesso é denominado de redundante ao equilíbrio. Diagrama de Corpo ivre Analogia Prática/Teórica As vigas hiperestáticas são foco de estudo da Resistência dos Materiais, e a quarta equação surge da consideração de deformabilidade do material, o que não se considera no presente curso Outros tipos de vínculos 3

30 1 13 Exercícios: 1) Para a estrutura mostrada na figura determine as reações nos apoios A e C. 14 ) Para a estrutura mostrada na figura determine as reações nos apoios A e B. 15 4

31 ) Para a viga da figura abaixo determine as reações nos apoios A e B. - Substituindo (III) em (II), tem-se que: R + 10 = 0 R = 10kN VA VA ( ) ( ) F = 0 R + 10 = 0 R = 10kN Ι X HA HA F = 0 R + R = 0 ΙΙ Y VA VB ( ) M = 0 R + 0 = 0 R = 10kN ΙΙΙ A VB VB Portanto, a solução é: ( ) RHA = 10kN RVA = 10kN RVB = 10kN ( ) ( ) 4) Para a viga da figura abaixo determine as reações no engaste fixo. 18 5) Para a viga bi-apoiada abaixo determine as reações nos apoios. 19 F = 0 R 5 = 0 R = 5kN X HA HA F = 0 R 10 = 0 R = 10kN Y VA VA M = 0 M = 0 M = 0 kn. m A A A Portanto, a solução é: R R M HA VA A ( ) = 5kN ( ) = 10kN = 0 kn. m Feq x = p x dx p( x ) = 5 (kn/m) ( ) eq 0 0 Sx = x ( ) F eq F = 5dx F = 10kN 5 S = p x xdx = 5 xdx = 5 xdx = [ x ] 0 = 10 F = 0 R = 0 x F = 0 R + R = 10 M = R = 0 R = 5kN R = 5kN VA H A y VA VB A VB VB eq 10 x = = 1m 10 5

32 6) Para a viga bi-apoiada abaixo determine as reações nos apoios. ( ) ( ) ( ) ( ) x = 0 p x = 0 = 0 Ι p( x) = ax + b x = p x = = q ΙΙ De (I) se tem: b = 0 Da equação (II) tem-se: a 0 q a q + = = p( x) 0 q = x 1 Feq = 0 ( ) p x dx ( ) q q Feq = xdx = xdx 0 0 p x xdx 0 Sx x = = Feq p( x) dx 0 q 3 x = = x = q 3 3 q q Sx = x xdx = x dx 0 0 q q q Feq = x F 0 eq = = 3 3 q x q q Sx = 3 = = q Fx = 0 RHA = 0( Ι) Fy = 0 RVA + RVB = ( ΙΙ) q M A = 0 RVB = 0 3 q q 3 3 RVB = 0 RVB = ( ΙΙΙ) R VA q q + = 3 R VA q q q = R VA = 3 6 7) Para a viga bi-apoiada abaixo determine as reações nos apoios. ( ) ( ) F1 = 1 k N / M 3, 0 M = 3, 0 k N 3, 0 (parte 1 da carga) x 1 = = 1, 5 m 1 F = ( 4 k N / M ) ( 3, 0 M ) = 6, 0 k N x = ( 3, 0 ) =, 0 m (parte da carga) 3 R R R HA VA VB = 0kN = 3,5 kn ( ) = 5,5 kn( ) 6

Capítulo1 Tensão Normal

Capítulo1 Tensão Normal - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Referências Bibliográficas:

Leia mais

Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler I - Adição de forças vetoriais

Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler I - Adição de forças vetoriais Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler I - Adição de forças vetoriais Forças são grandezas vetoriais, portanto são manipuladas através das regras da geometria analítica. Duas leis são válidas

Leia mais

Equilíbrio de uma Partícula

Equilíbrio de uma Partícula Apostila de Resistência dos Materiais I Parte 2 Profª Eliane Alves Pereira Turma: Engenharia Civil Equilíbrio de uma Partícula Condição de Equilíbrio do Ponto Material Um ponto material encontra-se em

Leia mais

NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues.

NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. Lista 12: Equilíbrio do Corpo Rígido NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção. iii.

Leia mais

Prof. Michel Sadalla Filho

Prof. Michel Sadalla Filho MECÂNICA APLICADA Prof. Michel Sadalla Filho MOMENTO DE UMA FORÇA + EQUILÍBRIO DE UMA BARRA (No Plano XY) Referência HIBBELER, R. C. Mecânica Estática. 10 ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2005,

Leia mais

Aula 09 Análise Estrutural - Treliça Capítulo 6 R. C. Hibbeler 10ª Edição Editora Pearson - http://www.pearson.com.br/

Aula 09 Análise Estrutural - Treliça Capítulo 6 R. C. Hibbeler 10ª Edição Editora Pearson - http://www.pearson.com.br/ Aula 09 Análise Estrutural - Treliça Capítulo 6 R. C. Hibbeler 10ª Edição Editora Pearson - http://www.pearson.com.br/ Estrutura Sistema qualquer de elementos ligados, construído para suportar ou transferir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DEPARTAMENTO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS-DCET CURSO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DEPARTAMENTO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS-DCET CURSO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DEPARTAMENTO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS-DCET CURSO DE FÍSICA Disciplina: Física Básica III Prof. Dr. Robert R.

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 3 Tensão Admissível, Fator de Segurança e rojeto de Acoplamentos Simples Tópicos Abordados Nesta Aula Tensão Admissível. Fator de Segurança. rojeto de Acoplamentos Simples. Tensão Admissível O engenheiro

Leia mais

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I:

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Vetores e Forças 2.VETORES 2.1 Introdução Os vetores são definidos como entes matemáticos que dão noção de intensidade, direção e sentido. De forma prática, o conceito de vetor pode

Leia mais

Equilíbrio de um corpo rígido

Equilíbrio de um corpo rígido Equilíbrio de um corpo rígido Objetivos da aula: Desenvolver as equações de equilíbrio para um corpo rígido. Introduzir o conceito do diagrama de corpo livre para um corpo rígido. Mostrar como resolver

Leia mais

CAPÍTULO II INTRODUÇÃO À MECÂNICA DOS SÓLIDOS EQUILÍBRIO EXTERNO I. OBJETIVO PRINCIPAL DA MECÂNICA DOS SÓLIDOS

CAPÍTULO II INTRODUÇÃO À MECÂNICA DOS SÓLIDOS EQUILÍBRIO EXTERNO I. OBJETIVO PRINCIPAL DA MECÂNICA DOS SÓLIDOS 1 CAPÍTULO II INTRODUÇÃO À MECÂNICA DOS SÓLIDOS EQUILÍBRIO EXTERNO I. OBJETIVO PRINCIPAL DA MECÂNICA DOS SÓLIDOS O principal objetivo de um curso de mecânica dos sólidos é o desenvolvimento de relações

Leia mais

Lista de Exercícios - Força e Movimento I

Lista de Exercícios - Força e Movimento I UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica I Lista de Exercícios - Força e Movimento I Perguntas: 1. Na figura 1 as forças F 1 e F

Leia mais

Mecânica Geral Básica

Mecânica Geral Básica Mecânica Geral Básica Conceitos Básicos Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Unidades - o sistema métrico O sistema internacional de unidades (SI) o sistema MKS Baseado em potências de 10 de unidades de base

Leia mais

Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano

Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano 60 Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano Caderno 1 UNIDADE 1 Significados das operações (adição e subtração) Capítulo 1 Números naturais O uso dos números naturais Seqüência dos números

Leia mais

Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra

Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra Walter Francisco HurtaresOrrala 1 Sílvio de Souza Lima 2 Resumo A determinação automatizada de diagramas

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 4 Deformações e Propriedades Mecânicas dos Materiais Tópicos Abordados Nesta Aula Estudo de Deformações, Normal e por Cisalhamento. Propriedades Mecânicas dos Materiais. Coeficiente de Poisson. Deformação

Leia mais

Cap. 4 - Princípios da Dinâmica

Cap. 4 - Princípios da Dinâmica Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física I IGM1 2014/1 Cap. 4 - Princípios da Dinâmica e suas Aplicações Prof. Elvis Soares 1 Leis de Newton Primeira Lei de Newton: Um corpo permanece

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Álgebra Linear Professor: André Luiz Galdino Aluno(a): 4 a Lista de Exercícios 1. Podemos entender transformações lineares

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I A - Tensão Normal Média 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a Figura 1.17a. Se AB tiver diâmetro de 10 mm

Leia mais

Disciplina: Álgebra Linear e Geometria Analítica

Disciplina: Álgebra Linear e Geometria Analítica Disciplina: Álgebra Linear e Geometria Analítica Vigência: a partir de 2002/1 Período letivo: 1 semestre Carga horária Total: 60 h Código: S7221 Ementa: Geometria Analítica: O Ponto, Vetores, A Reta, O

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Aula 2 - Tensão/Tensão Normal e de Cisalhamento Média; Tensões Admissíveis. A - Tensão Normal Média 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a Figura 1.17a.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA TEXTO: CÍRCULO TRIGONOMÉTRICO AUTORES: Mayara Brito (estagiária da BOM) André Brito (estagiário da BOM) ORIENTADOR:

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Cálculo de Lajes Prof. Ederaldo Azevedo Aula 3 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 3.1. Conceitos preliminares: Estrutura é a parte ou o conjunto das partes de uma construção que se destina a

Leia mais

Matemática Básica Intervalos

Matemática Básica Intervalos Matemática Básica Intervalos 03 1. Intervalos Intervalos são conjuntos infinitos de números reais. Geometricamente correspondem a segmentos de reta sobre um eixo coordenado. Por exemplo, dados dois números

Leia mais

Unisanta - Mecânica Geral - Prof. Damin - Aula n.º - Data / / SISTEMA DE FORÇAS

Unisanta - Mecânica Geral - Prof. Damin - Aula n.º - Data / / SISTEMA DE FORÇAS Força (F ) e (Beer and Johnston,1991) SISTEMA DE FRÇAS Força não tem definição, é um conceito primitivo ou intuitivo. Matematicamente a força é o vetor aplicado (P,F ), caracterizado por módulo, direção

Leia mais

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4.1 Escada com vãos paralelos O tipo mais usual de escada em concreto armado tem como elemento resistente uma laje armada em uma só direção (longitudinalmente),

Leia mais

. B(x 2, y 2 ). A(x 1, y 1 )

. B(x 2, y 2 ). A(x 1, y 1 ) Estudo da Reta no R 2 Condição de alinhamento de três pontos: Sabemos que por dois pontos distintos passa uma única reta, ou seja, dados A(x 1, y 1 ) e B(x 2, y 2 ), eles estão sempre alinhados. y. B(x

Leia mais

Aplicações Diferentes Para Números Complexos

Aplicações Diferentes Para Números Complexos Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Aplicações Diferentes Para Números Complexos Capítulo II Aplicação 2: Complexos na Geometria Na rápida revisão do capítulo I desse artigo mencionamos

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Mat Polinômios e Matrizes

Exercícios de Aprofundamento Mat Polinômios e Matrizes . (Unicamp 05) Considere a matriz A A e A é invertível, então a) a e b. b) a e b 0. c) a 0 e b 0. d) a 0 e b. a 0 A, b onde a e b são números reais. Se. (Espcex (Aman) 05) O polinômio q(x) x x deixa resto

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV620-Construções de Concreto Armado ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Profa. Rovadávia Aline Jesus Ribas Ouro Preto,

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 1 Conceitos Fundamentais. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 1 Conceitos Fundamentais. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 1 Conceitos Fundamentais Aula 1 Tópicos Abordados Nesta Aula Apresentação do Curso. Apresentação da Bibliografia Definição da. Sistema Internacional de Unidades. Aula 1 Apresentação do Curso Aula

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD.

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD. Questão Se Amélia der R$,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia. Se Maria der um terço do que tem a Lúcia, então esta ficará com R$ 6,00 a mais do que Amélia. Se Amélia perder a metade do

Leia mais

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro.

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Forças internas Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Generalizar esse procedimento formulando equações que podem ser representadas de

Leia mais

UNIVERSITÁRIO DE SINOP CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSITÁRIO DE SINOP CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Exercícios propostos: aulas 01 e 02 GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO GA - LISTA DE EXERCÍCIOS 001 1. Calcular o perímetro do triângulo ABC, sendo dado A = (2, 1), B = (-1, 3) e C = (4, -2). 2. Provar que

Leia mais

Estática do Ponto Material e do Corpo Rígido

Estática do Ponto Material e do Corpo Rígido CAPÍTULO I Estática do Ponto Material e do Corpo Rígido SEMESTRE VERÃO 2004/2005 Maria Idália Gomes 1/7 Capitulo I Estática do Ponto Material e do Corpo Rígido Este capítulo tem por objectivo a familiarização

Leia mais

CARTOGRAFIA. Sistemas de Coordenadas. Prof. Luiz Rotta

CARTOGRAFIA. Sistemas de Coordenadas. Prof. Luiz Rotta CARTOGRAFIA Sistemas de Coordenadas Prof. Luiz Rotta SISTEMA DE COORDENADAS Por que os sistemas de coordenadas são necessários? Para expressar a posição de pontos sobre uma superfície É com base em sistemas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA. 01) Dados os vetores e, determine o valor da expressão vetorial. Resp: A=51

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA. 01) Dados os vetores e, determine o valor da expressão vetorial. Resp: A=51 1 LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA 01) Dados os vetores e, determine o valor da expressão vetorial. A=51 02) Decomponha o vetor em dois vetores tais que e, com. 03) Dados os vetores, determine

Leia mais

Aula de Exercícios Recuperação Paralela (Leis de Newton)

Aula de Exercícios Recuperação Paralela (Leis de Newton) Aula de Exercícios Recuperação Paralela (Leis de Newton) Exercício 1. (TAUBATÉ) Um automóvel viaja com velocidade constante de 72km/h em trecho retilíneo de estrada. Pode-se afirmar que a resultante das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR Assuntos: Produtos Notáveis; Equações; Inequações; Função; Função Afim; Paridade;

Leia mais

Seu pé direito nas melhores Faculdades

Seu pé direito nas melhores Faculdades 10 Insper 01/11/009 Seu pé direito nas melhores Faculdades análise quantitativa 40. No campeonato brasileiro de futebol, cada equipe realiza 38 jogos, recebendo, em cada partida, 3 pontos em caso de vitória,

Leia mais

Capítulo 4 Cisalhamento

Capítulo 4 Cisalhamento Capítulo 4 Cisalhamento 4.1 Revisão V dm dx 4.2 A fórmula do cisalhamento A fórmula do cisalhamento é usada para encontrar a tensão de cisalhamento na seção transversal. VQ It onde Q yda y' A' A' Q= momento

Leia mais

EQUILÍBRIO DA PARTÍCULA

EQUILÍBRIO DA PARTÍCULA Questão 1 - As cordas A, B e C mostradas na figura a seguir têm massa desprezível e são inextensíveis. As cordas A e B estão presas no teto horizontal e se unem à corda C no ponto P. A corda C tem preso

Leia mais

Vetores no R 2 : = OP e escreve-se: v = (x, y), identificando-se as coordenadas de P com as componentes de v.

Vetores no R 2 : = OP e escreve-se: v = (x, y), identificando-se as coordenadas de P com as componentes de v. Vetores no R 2 : O conjunto R 2 = R x R = {(x, y) / x, y Є R} é interpretado geometricamente como sendo o plano cartesiano xoy. Qualquer vetor AB considerado neste plano tem sempre um representante OP

Leia mais

1. Definição dos Elementos Estruturais

1. Definição dos Elementos Estruturais A Engenharia e a Arquitetura não devem ser vistas como duas profissões distintas, separadas, independentes uma da outra. Na verdade elas devem trabalhar como uma coisa única. Um Sistema Estrutural definido

Leia mais

Produtos. 4.1 Produtos escalares

Produtos. 4.1 Produtos escalares Capítulo 4 Produtos 4.1 Produtos escalares Neste tópico iremos estudar um novo tipo de operação entre vetores do plano e do espaço. Vamos fazer inicialmente uma consideração geométrica, como segue. Seja

Leia mais

Mecânica Geral. Aula 04 Carregamento, Vínculo e Momento de uma força

Mecânica Geral. Aula 04 Carregamento, Vínculo e Momento de uma força Aula 04 Carregamento, Vínculo e Momento de uma força 1 - INTRODUÇÃO A Mecânica é uma ciência física aplicada que trata dos estudos das forças e dos movimentos. A Mecânica descreve e prediz as condições

Leia mais

Lista de Exercícios Campo Elétrico

Lista de Exercícios Campo Elétrico Considere k o = 9,0. 10 9 N. m 2 /C 2 Lista de Exercícios Campo Elétrico 1. Uma partícula de carga q = 2,5. 10-8 C e massa m = 5,0. 10-4 kg, colocada num determinado ponto P de uma região onde existe um

Leia mais

MECÂNICA GERAL I. Gilson Finotti. Jul/14 (r63)

MECÂNICA GERAL I. Gilson Finotti. Jul/14 (r63) 1 MECÂNICA GERAL I Gilson Finotti Jul/14 (r63) OBSERVAÇÕES INICIAIS Esta apostila é um mero resumo de aulas para auiliar os alunos no estudo preliminar da disciplina. Foi baseada nos livros da Bibliografia

Leia mais

Exercícios de Mecânica - Área 3

Exercícios de Mecânica - Área 3 1) O bloco de peso 10lb tem uma velocidade inicial de 12 pés/s sobre um plano liso. Uma força F = (3,5t) lb onde t é dado em segundos, age sobre o bloco durante 3s. Determine a velocidade final do bloco

Leia mais

Prof. Michel Sadalla Filho

Prof. Michel Sadalla Filho Referências MECÂNICA APLICADA Prof. Michel Sadalla Filho Centros de Gravidade, Centro de Massa, Centróides de uma figura plana DOC 06 14 Fev 2013 Ver. 01 HIBBELER, R. C. Mecânica Estática. 10 ed. São Paulo:

Leia mais

Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Eduardo Nobre Lages CTEC/UFAL

Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Eduardo Nobre Lages CTEC/UFAL Universidade Federal de lagoas Faculdade de rquitetura e Urbanismo Curso de rquitetura e Urbanismo Disciplina: Fundamentos para a nálise Estrutural Código: URB006 Turma: Período Letivo: 2007-2 Professor:

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA POSIÇÃO DO CENTRO DE MASSA

CONSERVAÇÃO DA POSIÇÃO DO CENTRO DE MASSA CONSERVAÇÃO DA POSIÇÃO DO CENTRO DE MASSA Problemas deste tipo têm aparecido nas provas do ITA nos últimos dez anos. E por ser um assunto simples e rápido de ser abrodado, não vale apena para o aluno deiar

Leia mais

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA (UFCG- CUITÉ)

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA (UFCG- CUITÉ) P L A N O S PARALELOS AOS EIXOS E AOS PLANOS COORDENADOS Casos Particulares A equação ax + by + cz = d na qual a, b e c não são nulos, é a equação de um plano π, sendo v = ( a, b, c) um vetor normal a

Leia mais

de forças não concorrentes.

de forças não concorrentes. Universidade Federal de Alagoas Centro de Tecnologia Curso de Engenharia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Eduardo Nobre Lages Equilíbrio de Corpos Rígidos Maceió/AL Objetivo

Leia mais

O Plano. Equação Geral do Plano:

O Plano. Equação Geral do Plano: O Plano Equação Geral do Plano: Seja A(x 1, y 1, z 1 ) um ponto pertencente a um plano π e n = (a, b, c), n 0, um vetor normal (ortogonal) ao plano (figura ao lado). Como n π, n é ortogonal a todo vetor

Leia mais

CIÊNCIA E CULTURA - REVISÃO PARA O VESTIBULAR - FÍSICA - AULA 8

CIÊNCIA E CULTURA - REVISÃO PARA O VESTIBULAR - FÍSICA - AULA 8 Página 1 de 10 [HOME] [PÁGINA DA FÍSICA] [APRENDENDO CIÊNCIAS] [MUSEUS] [SALA DE LEITURA] [HISTÓRIA DA CIÊNCIA] [OLIMPÍADAS] TÓPICOS DA AULA Grandezas Fisicas GRANDEZAS FÍSICAS GRANDEZAS ESCALARES GRANDEZAS

Leia mais

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá.

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá. ANÁLISE GRÁFICA QUANDO y. CORRESPONDE A ÁREA DA FIGURA Resposta: Sempre quando o eio y corresponde a uma taa de variação, então a área compreendida entre a curva e o eio do será o produto y. Isto é y =

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 8B Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Estática de um ponto Para que um ponto esteja em equilíbrio precisa satisfazer a seguinte condição: A resultante de todas

Leia mais

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA Leis de Newton INTRODUÇÃO Isaac Newton foi um revolucionário na ciência. Teve grandes contribuições na Física, Astronomia, Matemática, Cálculo etc. Mas com certeza, uma das suas maiores contribuições são

Leia mais

Relatório Preliminar Experimento 6.2 Reologia

Relatório Preliminar Experimento 6.2 Reologia Universidade Estadual de Campinas FEQ Faculdade de Engenharia Química Relatório Preliminar Experimento 6.2 Reologia EQ601 - Laboratório de Engenharia Química I Turma A Grupo E Integrantes Andrey Seiji

Leia mais

FIS-14 Lista-05 Setembro/2012

FIS-14 Lista-05 Setembro/2012 FIS-14 Lista-05 Setembro/2012 1. A peça fundida tem massa de 3,00 Mg. Suspensa em uma posição vertical e inicialmente em repouso, recebe uma velocidade escalar para cima de 200 mm/s em 0,300 s utilizando

Leia mais

Capítulo 13. Quantidade de movimento e impulso

Capítulo 13. Quantidade de movimento e impulso Capítulo 13 Quantidade de movimento e impulso Quantidade de movimento e impulso Introdução Neste capítulo, definiremos duas grandezas importantes no estudo do movimento de um corpo: uma caracterizada pela

Leia mais

Mecânica Geral. Aula 05 - Equilíbrio e Reação de Apoio

Mecânica Geral. Aula 05 - Equilíbrio e Reação de Apoio Aula 05 - Equilíbrio e Reação de Apoio 1 - Equilíbrio de um Ponto Material (Revisão) Condição de equilíbrio de um Ponto Material Y F 0 F X 0 e F 0 Exemplo 01 - Determine a tensão nos cabos AB e AD para

Leia mais

Noções de Cálculo Vetorial Prof. Alberto Ricardo Präss

Noções de Cálculo Vetorial Prof. Alberto Ricardo Präss Noções de Cálculo Vetorial Prof. lberto Ricardo Präss Linguagem e conceitos Linguagem é um ingrediente essencial do pensamento abstrato. É difícil pensar clara e facilmente sobre conceitos sofisticados

Leia mais

As leis de Newton e suas aplicações

As leis de Newton e suas aplicações As leis de Newton e suas aplicações Disciplina: Física Geral e Experimental Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o conceito de força

Leia mais

Lista de Exercícios (Profº Ito) Componentes da Resultante

Lista de Exercícios (Profº Ito) Componentes da Resultante 1. Um balão de ar quente está sujeito às forças representadas na figura a seguir. Qual é a intensidade, a direção e o sentido da resultante dessas forças? c) qual o valor do módulo das tensões nas cordas

Leia mais

SISTEMAS ESTRUTURAIS

SISTEMAS ESTRUTURAIS 1 SISTEMS ESTRUTURIS postila 1: Sistemas Estruturais: plicações Prof. Engº Civil Ederaldo da Silva zevedo Macapá, Setembro de 2013 2 1. VIGS ISOSTÁTIC 1.1. Cálculo das Reações Como já vimos, as reações

Leia mais

Por que utilizar vetores?

Por que utilizar vetores? Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Por que utilizar vetores? Existem grandezas físicas f perfeitamente definidas por seu tamanho e sua unidade. Para determinar outras grandezas, entretanto, são

Leia mais

2.0 O PROJETO DE LAJES PROTENDIDAS - SÍNTESE

2.0 O PROJETO DE LAJES PROTENDIDAS - SÍNTESE LAJES PLANAS PROTENDIDAS: DETERMINAÇÃO DA FORÇA DE PROTENSÃO E PRÉ-DIMENSIONAMENTO DOS CABOS UM PROCESSO PRÁTICO 1.0 - INTRODUÇÃO Nos projetos de lajes protendidas, as armaduras a serem determinadas resultam

Leia mais

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc.

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Resistência dos Materiais Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Unidade 01 Conceitos Fundamentais Objetivo da unidade Estabelecer um embasamento conceitual, de modo que o aluno possa prosseguir ao longo

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 1 Conceitos Fundamentais. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 1 Conceitos Fundamentais. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 1 Conceitos Fundamentais Tópicos Abordados Nesta Aula Apresentação do Curso. Apresentação da Bibliografia Definição da. Sistema Internacional de Unidades. Apresentação do Curso Aula 1 - Definição

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA PRODUTO DE VETORES PRODUTO ESCALAR

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA PRODUTO DE VETORES PRODUTO ESCALAR LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA PRODUTO DE VETORES PRODUTO ESCALAR 9) Sendo u = ( ) e v = ( ). Calcular: a) u v b) (u v ) c)(u + v ) d) (u v ) e) (u - v )(u + v ) a) 9 b)8 c)9 d)66 e) f) 8 )Sendo

Leia mais

Assunto: Estudo do ponto

Assunto: Estudo do ponto Assunto: Estudo do ponto 1) Sabendo que P(m+1;-3m-4) pertence ao 3º quadrante, determine os possíveis valores de m. resp: -4/3

Leia mais

PLANO INCLINADO. a. a aceleração com que o bloco desce o plano; b. a intensidade da reação normal sobre o bloco;

PLANO INCLINADO. a. a aceleração com que o bloco desce o plano; b. a intensidade da reação normal sobre o bloco; PLANO INCLINADO 1. Um corpo de massa m = 10kg está apoiado num plano inclinado de 30 em relação à horizontal, sem atrito, e é abandonado no ponto A, distante 20m do solo. Supondo a aceleração da gravidade

Leia mais

Caderno 1: 35 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora)

Caderno 1: 35 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora) Prova Final de Matemática 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 92/1.ª Fase Caderno 1: 7 Páginas Duração da Prova (Caderno 1 + Caderno 2): 90 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

a) N B > N A > N C. b) N B > N C > N A. c) N C > N B > N A. d) N A > N B > N C. e) N A = N C = N B.

a) N B > N A > N C. b) N B > N C > N A. c) N C > N B > N A. d) N A > N B > N C. e) N A = N C = N B. Prof. Renato SESI Carrão Física 1º. ano 2011 Lista de exercícios 1 (Aulas 13 a 24) *** Formulário *** v = Δx/Δt Δx = x f x i Δt = t f t i a = Δv/Δt Δv = v f v i F R = m.a g = 10 m/s 2 P = m.g F at = μ.n

Leia mais

Plano Inclinado com e sem atrito

Plano Inclinado com e sem atrito Plano Inclinado com e sem atrito 1. (Uerj 2013) Um bloco de madeira encontra-se em equilíbrio sobre um plano inclinado de 45º em relação ao solo. A intensidade da força que o bloco exerce perpendicularmente

Leia mais

21- EXERCÍCIOS FUNÇÕES DO SEGUNDO GRAU

21- EXERCÍCIOS FUNÇÕES DO SEGUNDO GRAU 1 21- EXERCÍCIOS FUNÇÕES DO SEGUNDO GRAU 1. O gráfico do trinômio y = ax 2 + bx + c. Qual a afirmativa errada? a) se a > 0 a parábola possui concavidade para cima b) se b 2 4ac > 0 o trinômio possui duas

Leia mais

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis 1 4.1 Funções de 2 Variáveis Em Cálculo I trabalhamos com funções de uma variável y = f(x). Agora trabalharemos com funções de várias variáveis. Estas funções aparecem naturalmente na natureza, na economia

Leia mais

Faculdade Pitágoras Unidade Betim

Faculdade Pitágoras Unidade Betim Faculdade Pitágoras Unidade Betim Atividade de Aprendizagem Orientada Nº 4 Profª: Luciene Lopes Borges Miranda Nome/ Grupo: Disciplina: Cálculo III Tempo da atividade: h Curso: Engenharia Civil Data da

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CP-CEM/2015.

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CP-CEM/2015. MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CP-CEM/2015.2 ) NÃO ESTÁ AUTORIZADA A UTILIZAÇÃO DE MATERIAL EXTRA PROVA ESCRITA OBJETIVA

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

Se a força de tração de cálculo for 110 kn, a área do tirante, em cm 2 é A) 5,0. B) 4,5. C) 3,0. D) 2,5. E) 7,5.

Se a força de tração de cálculo for 110 kn, a área do tirante, em cm 2 é A) 5,0. B) 4,5. C) 3,0. D) 2,5. E) 7,5. 25.(TRT-18/FCC/2013) Uma barra de aço especial, de seção circular com extremidades rosqueadas é utilizada como tirante em uma estrutura metálica. O aço apresenta f y = 242 MPa e f u = 396 MPa. Dados: Coeficientes

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA II

GEOMETRIA ANALÍTICA II Conteúdo 1 O PLANO 3 1.1 Equação Geral do Plano............................ 3 1.2 Determinação de um Plano........................... 7 1.3 Equação Paramétrica do Plano........................ 11 1.4 Ângulo

Leia mais

Prof. Neckel FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL POSIÇÃO. Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema 22/02/2016.

Prof. Neckel FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL POSIÇÃO. Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema 22/02/2016. FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL Cinemática 1D POSIÇÃO Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema Reta numérica real com origem Crescimento para direita, decrescimento para esquerda

Leia mais

FESP Faculdade de Engenharia São Paulo. CE2 Estabilidade das Construções II Prof. Douglas Pereira Agnelo Duração: 85 minutos

FESP Faculdade de Engenharia São Paulo. CE2 Estabilidade das Construções II Prof. Douglas Pereira Agnelo Duração: 85 minutos FESP Faculdade de Engenharia São Paulo Avaliação: S1 Data: 16/jun/ 2014 CE2 Estabilidade das Construções II Prof. Douglas Pereira Agnelo Duração: 85 minutos Nome: Matrícula ORIENTAÇÕES PARA PROVA a b c

Leia mais

ÁLGEBRA. Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora

ÁLGEBRA. Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora 1 ÁLGEBRA Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega Maria Auxiliadora 2 FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU Uma função polinomial do 1º grau (ou simplesmente, função do 1º grau) é uma relação

Leia mais

APRESENTAÇÃO TRIMBLE S3. Conheça a eficiência e a sofisticação da TRIMBLE S3

APRESENTAÇÃO TRIMBLE S3. Conheça a eficiência e a sofisticação da TRIMBLE S3 Conheça a eficiência e a sofisticação da TRIMBLE S3 Disponível nos modos: Servo: Autolock: Robótica: Servo: -Estação Total com motores servos assistidos que realizam movimentos do círculo horizontal e

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 27 TRABALHO, POTÊNCIA E ENERGIA REVISÃO

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 27 TRABALHO, POTÊNCIA E ENERGIA REVISÃO FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 27 TRABALHO, POTÊNCIA E ENERGIA REVISÃO Fixação 1) O bloco da figura, de peso P = 50N, é arrastado ao longo do plano horizontal pela força F de intensidade F = 100N. A força de

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Elementos estruturais Notas de aula da disciplina AU405 Concreto Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Agosto/2006

Leia mais

2. Cinemática vetorial

2. Cinemática vetorial 2. Cinemática vetorial Quando um objeto se desloca no espaço sem seguir uma trajetória determinada, a sua posição já não pode ser definida com uma única variável como nos exemplos estudados no capítulo

Leia mais

COMPORTAMENTO E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS

COMPORTAMENTO E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS Capítulo 4 COMPORTAMENTO E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS PROPRIEDADES FÍSICAS DENSIDADE APARENTE E DENSIDADE REAL A DENSIDADE APARENTE é a relação entre a massa do material e o volume total (incluindo o volume

Leia mais

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N Disciplina de Física Aplicada A 2012/2 Curso de Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora Ms. Valéria Espíndola Lessa DINÂMICA FORÇA: LEIS DE NEWTON A partir de agora passaremos a estudar a Dinâmica, parte

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

Equações paramétricas da Reta

Equações paramétricas da Reta 39 6.Retas e Planos Equações de Retas e Planos Equações da Reta Vamos supor que uma reta r é paralela a um vetor V = a, b, c) não nulo e que passa por um ponto P = x, y, z ). Um ponto P = x, pertence a

Leia mais

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO RT 2.003 Página 1 de 15 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para dimensionamento de postes de concreto com seção circular padronizados para uso em Redes

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2014 Disciplina: Física Série: 1ª Professor (a): Marcos Vinicius Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Sistema Trifásico Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki

Sistema Trifásico Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki Sistema Trifásico Prof Ms Getúlio Teruo Tateoki Em um gerador trifásico, existem três enrolamentos separados fisicamente de 0 entre si, resultando em três tensões induzidas defasadas de 0 figura abaixo

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO CORPO EXTENSO Professor Alexandre Miranda Ferreira

1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO CORPO EXTENSO Professor Alexandre Miranda Ferreira 1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO CORPO EXTENSO Professor Alexandre Miranda Ferreira www.proamfer.com.br amfer@uol.com.br 1 Em uma experiência, a barra homogênea, de secção reta constante e peso 100

Leia mais