GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR"

Transcrição

1 GEM 2015 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR Fevereiro/2016

2 Objetivo: Estudo da atividade empreendedora no âmbito mundial 60 países em 2015 (83% do PIB mundial) No ano anterior participaram 70 países Criação de negócios crescimento/desenvolvimento Comparações internacionais A Pesquisa em 2015 A pesquisa no Brasil Pesquisa realizada nos meses SET/OUT/NOV de entrevistas com a população de 18 a 64 anos (BRASIL). 74 entrevistas com especialistas em empreendedorismo Fatores limitantes Fatores favoráveis 2

3 A Pesquisa em 2015 Metodologia Internacional: Cálculo da TEA (Empreendedorismo INICIAL ) - Quem está envolvido na estruturação de 1 negócio; e/ou Foco do estudo internacional - Quem tem NO MÁXIMO 3,5 anos de atividade (com ou sem CNPJ) Cálculo da TEE (Empreendedorismo ESTABELECIDO ) - Quem tem MAIS DE 3,5 anos de atividade (com ou sem CNPJ) Taxa TOTAL= TEA + TEE 3

4 Os Empreendedores no Brasil em % 2 em cada 5 indivíduos entre 18 e 64 anos têm um negócio ou está envolvido na criação de um 21,0% TEA - Empreendedores Iniciais 18,9% TEE - Empreendedores Estabelecidos Nota: a soma da TEA + TEE supera a Taxa Total porque alguns indivíduos podem estar simultaneamente nas 2 situações. 4

5 Taxas Evolução das taxas TEA, TEE e TTE Em 2015 atingimos o recorde na Taxa Total de Empreendedores (39,3%), puxado pela TEA - Empreendedores Iniciais (21%). 45,0% 30,0% 15,0% 0,0% % da população entre 18 e 64 anos 34,5% 32,3% 32,3% 30,2% 26,4% 26,9% 26,9% 20,9% 20,3% 23,0% 21,1% 23,4% 22,4% 39,3% 21,0% 13,5% 12,9% 13,5% 11,3% 11,7% 12,7% 15,3% 17,5% 14,9% 15,4% 17,3% 17,2% 12,0% 17,5% 18,9% 10,1% 10,1% 12,1% 14,6% 15,3% 15,2% 15,4% 11,8% 12,2% 9,9% 7,8% 7,6% Total de "Empreendedores " TEA (Iniciais) TEE (Estabelecidos) 5

6 Comparações Internacionais 6

7 Senegal Botswana Burkina Faso Camarões Filipinas Vietnã Irã Cazaquistão Índia Equador Líbano Chile Colômbia Peru Barbados México Brasil Argentina Guatemala Indonésia Uruguai Letônia Tailândia China Panamá Romênia Tunísia Polônia África do Sul Hungria Croácia Egito Macedónia Marrocos Bulgária Malásia Canadá Estônia Austrália Estados Unidos Israel Luxemburgo Eslováquia Portugal Irlanda Coréia Porto Rico Suíça Taiwan Holanda Suécia Reino Unido Grécia Finlândia Bélgica Eslovenia Espanha Noruega Itália Alemanha 17,2 13,7 12,9 11,0 10,8 25,4 25,9 22,7 22,2 21,1 21,0 21,0 17,7 17,7 17,7 14,3 14,1 13,7 12,8 12,8 10,8 10,1 9,2 9,2 7,9 7,7 7,4 6,1 4,4 3,5 2,9 14,7 13,1 12,8 11,9 11,8 10,2 9,6 9,5 9,3 9,3 8,5 7,3 7,3 7,2 7,2 6,9 6,8 6,6 6,2 5,9 5,7 5,7 4,9 4,7 33,2 29,8 33,6 30,2 38,6 Comparações internacionais Em termos de TEA (Iniciais), o Brasil está na 8ª colocação entre os países impulsionados por eficiência 8ª posição Impulsionados por fatores Impulsionados por eficiência Impulsionados por inovação Fonte: GEM 2015 ¹ Essa classificação é baseada no relatório de competividade Global (Global competitiveness Report) Publicação do fórum Econômico considerando o PIB per capita e a parcela relativa aos bens primários. 7

8 Burkina Faso Vietnã Senegal Irã Camarões Filipinas Índia Botswana Cazaquistão Tailândia Brasil Líbano Equador Indonésia Barbados Letônia Argentina Chile Guatemala Romênia México Peru Hungria Polônia Macedónia Bulgária Colômbia Marrocos Tunísia Malásia Panamá África do Sul China Egito Croácia Uruguai Grécia Suíça Finlândia Holanda Taiwan Canadá Austrália Estônia Espanha Estados Unidos Portugal Coréia Noruega Eslováquia Irlanda Reino Unido Suécia Alemanha Itália Eslovenia Israel Bélgica Luxemburgo Porto Rico 2,4 7,3 5,5 4,6 9,6 9,5 8,2 8,1 7,5 6,9 6,6 6,5 5,9 5,9 5,4 5,2 5,2 5,0 4,8 4,2 3,4 3,1 2,9 2,8 2,1 1,4 14,0 12,9 14,1 13,1 11,3 10,2 9,9 9,6 8,9 8,7 7,7 7,7 7,3 7,0 7,0 6,5 5,7 5,6 5,3 5,2 4,8 4,5 4,2 3,9 3,8 3,3 19,6 18,8 18,9 18,0 17,4 17,2 24,6 27,8 Comparações internacionais Em termos de TEE (Estabelecidos), o Brasil está na 2ª colocação entre os países impulsionados por eficiência 2ª posição Impulsionados por fatores Impulsionados por eficiência Impulsionados por inovação Fonte: GEM 2015 ¹ Essa classificação é baseada no relatório de competividade Global (Global competitiveness Report) Publicação do fórum Econômico considerando o PIB per capita e a parcela relativa aos bens primários. 8

9 Comparações internacionais Países selecionados (BRICS, MEX, EUA e Alemanha) Empreendedores Iniciais Empreendedores Estabelecidos Total de Empreendedores México 21,0 Brasil 18,9 Brasil 39,3 Brasil 21,0 EUA 7,3 México 27,4 China 12,8 México 6,9 EUA 18,7 EUA 11,9 Índia 5,5 Índia 16,3 Índia 10,8 Alemanha 4,8 China 15,8 África do Sul 9,2 África do Sul 3,4 África do Sul 12,5 Alemanha 4,7 China 3,1 Alemanha 9,2 Nota: A Rússia não participou da pesquisa em

10 A Pesquisa no Brasil 10

11 O sonho dos brasileiros (2015) A proporção que deseja ter seu próprio negócio (34%) supera a que deseja fazer carreira numa empresa (23%). % entrevistados Viajar pelo Brasil Comprar a casa própria Comprar um automóvel Ter seu próprio negócio Ter plano de saúde Ter um diploma de ensino superior Viajar para o exterior Fazer carreira numa empresa Casar ou formar uma família Comprar um computador 8% 15% 38% 34% 31% 29% 29% 23% 49% 47% 11

12 Perfil dos Empreendedores (2015) Características do empreendedor TEA (Iniciais) Brasil 2015 (em %) 100% na coluna TEE (Estabelecidos) TTE (Total) Gênero Masculino 51,0 55,7 53,3 Feminino 49,0 44,3 46,7 Faixa etária 18 a 24 anos 19,2 4,9 12,6 25 a 34 anos 32,8 17,0 25,7 35 a 44 anos 24,3 27,6 25,5 45 a 54 anos 15,2 30,8 22,6 55 a 64 anos 8,4 19,6 13,6 Renda Até 3 salários mínimos 60,8 54,6 58,1 Mais de 3 até 6 salários mínimos 28,7 36,5 32,1 Mais de 6 até 9 salários mínimos 7,1 5,2 6,2 Mais de 9 salários mínimos 3,4 3,7 3,6 Nível de escolaridade² Até 1º grau incompleto 26,0 35,9 30,6 1º grau completo e 2º grau incompleto 18,5 20,4 19,7 2º grau completo e superior incompleto 48,8 38,5 43,7 Superior completo 6,7 5,1 6,0 Estado civil Casado 37,0 47,4 41,8 União estável 18,1 16,0 17,3 Divorciado 4,5 9,2 6,8 Solteiro 39,2 22,6 31,1 Viúvo 1,0 4,0 2,4 Outros 0,2 0,8 0,5 Cor Branca 38,4 38,0 38,2 Preta 9,4 8,0 8,6 Parda 52,0 52,7 52,4 Outras 0,2 1,3 0,7 Predominam homens, com renda média mensal de até 3 S.M., com segundo grau completo, casados e pardos 12

13 Perfil dos Negócios (2015) Brasil 2015 (em %) 100% na coluna Características do empreendimento TEE TEA (Iniciais) (Estabelecidos) Conhecimento dos produtos ou serviços Novo para todos 9,7 6,6 Novo para alguns 18,7 9,2 Ninguém considera novo 71,6 84,2 Concorrência Muitos concorrentes 56,5 75,3 Poucos concorrentes 36,5 20,4 Nenhum concorrente 7,1 4,3 Idade da Tecnologia ou processos Menos de 1 ano 0,9 0,0 Entre 1 a 5 anos 5,5 1,5 Mais de 5 anos 93,7 98,5 Orientação internacional Mais de 75% dos consumidores são do exterior 0,0 0,0 De 25 a 75% dos consumidores são do exterior 0,0 0,5 De 1 a 25% dos consumidores são do exterior 7,6 7,9 Nenhum consumidor no exterior 92,4 91,6 Empregados atualmente Nenhum 71,8 67,1 De 1 a 5 empregados 27,2 29,3 De 6 a 19 empregados 0,7 3,3 Mais de 20 empregados 0,3 0,2 Expectativa de criação de empregos (cinco anos) Nenhum 39,8 52,5 De 1 a 5 empregados 48,4 37,1 De 6 a 19 empregados 8,8 10,4 Predominam produtos ou serviços tradicionais, com muitos concorrentes, com tecnologia disponível há mais de 5 anos, voltados para o mercado interno, com até 5 empregados e com expectativa de criar poucos empregos adicionais (ou nenhum) nos próximos 5 anos. 13

14 Evolução do Perfil dos Empreendedores Iniciais (TEA) Porta de entrada do empreendedorismo. 14

15 Perfil dos Empreendedores Iniciais (TEA) Composição Nascentes: Nos últimos 12 meses realizou alguma ação visando ter um negócio próprio ou tem negócio próprio com até 3 meses de operação Novos: com 3 meses a 42 meses (3,5 anos) de operação 15

16 Motivação Dentro da TEA (Iniciais), a proporção de empreendedores por oportunidade caiu de 71% (2014) para 56% (2015), em especial, no grupo dos que ainda estão envolvidos na criação do negócio. % Empreendedores por oportunidade na TEA 80% 60% 40% 20% 56% 58% 53% 52% 52% 51% 42% 47% 48% 48% 49% 44% 67% 33% 60% 40% 67% 68% 69% 71% 71% 33% 33% 31% 29% 29% 56% 44% % Oportunidade % Necessidade 0%

17 Evolução da proporção dos gêneros masculino e feminino (no grupo de Empreendedores Iniciais ) Gênero 58% 42% 53% 47% 57% 43% 50% 50% 56% 44% 52% 48% 53% 47% 53% 47% 51% 51% 50% 49% 49% 50% 52% 51% 48% 49% 51% 49% Masculino Feminino 17

18 Evolução das faixas etárias (no grupo de Empreendedores Iniciais ) Faixa Etária 45% 30% 15% 39% 35% 35% 36% 26% 25% 23% 24% 23% 22% 22% 17% 14% 15% 15% 13% 38% 21% 20% 14% 31% 27% 20% 17% 32% 30% 28% 29% 23% 21% 15% 15% 34% 23% 19% 17% 32% 25% 20% 16% 34% 33% 27% 26% 18% 17% 17% 14% 34% 33% 24% 24% 18% 19% 16% 15% 0% 7% 7% 7% 7% 7% 7% 8% 8% 4% 3% 3% 5% 3% 4% anos anos anos anos anos 18

19 Evolução das faixas de escolaridade (no grupo de Empreendedores Iniciais ) Escolaridade 70% 60% 50% 58% 55% 45% 46% 53% 53% 46% 45% 45% 47% 46% 48% 49% 40% 30% 29% 31% 35% 35% 31% 31% 44% 39% 45% 39% 40% 43% 44% 20% 10% 0% 20% 19% 17% 14% 14% 16% 16% 14% 14% 10% 11% 9% 7% Primeiro grau completo Segundo grau completo Nível superior completo ou mais Nota: Primeiro Grau completo : Inclui nenhuma educação formal, primeiro grau incompleto, primeiro grau completo e segundo grau incompleto. Segundo grau completo: Inclui segundo grau completo e curso superior incompleto. Nível superior inclui curso superior completo, especialização, mestrado incompleto, mestrado completo e doutorado completo ou incompleto 19

20 Evolução das faixas de rendimento médio mensal (no grupo de Empreendedores Iniciais ) Renda 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 61% 53% 53% 54% 51% 52% 53% 49% 48% 43% 34% 40% 33% 32% 28% 29% 25% 26% 22% 21% 17% 15% 12% 11% 8% 10% 9% 7% 8% 11% 11% 10% 12% 5% 10% 8% 8% 7% 6% 7% 62% 61% 59% 48% 47% 32% 29% 29% 2% 3% 4% 5% 7% 6% 5% 3% Menos de 3 SM 3 a 6 SM 6 a 9 SM Mais de 9 SM 20

21 Mentalidade dos Brasileiros Adultos com relação ao Empreendedorismo (perfil da população de 18 a 64 anos) 21

22 Mentalidade Empreendedora (toda população adulta) 75% 60% 45% 30% 65% 54% 61% 57% 58% 52% 56% 52% 50% 50% 50% 50% 42% 38% 38% 34% Conhecem alguém que começou um novo negócio nos últimos 2 anos. Percebem boas oportunidades para se começar um novo negócio Têm o conhecimento, a habilidade e a experiência para iniciar um negócio. O medo de fracassar não impediria começar um novo negócio. Caiu a proporção dos que percebem boas oportunidades para começar um novo negócio (de 56% para 42%) e Aumentou a proporção dos que têm medo de fracassar (o medo impediria a abertura do negócio) 22

23 Entrevistas com Especialistas 23

24 Entrevistas com Especialistas Fatores favoráveis ao empreendedorismo no Brasil: - Amplo acesso às informações sobre negócios e empreendedorismo; - As organizações de apoio e os eventos de empreendedorismo; - Políticas públicas (ex. Simples, MEI, Bem mais Simples, etc); - Ecossistema empreendedor (incubadoras, aceleradoras, organizações do setor) Fatores limitantes ao empreendedorismo no Brasil: - Burocracia (abertura, funcionamento e encerramento); - Complexidade da legislação brasileira; - Pouca difusão da educação empreendedora nos níveis básico, fundamental e técnico - Apoio financeiro: - Custo do capital; - Burocracia; - Exigências de garantias reais - Escassez de formas de financiamento alternativas (ex. investidores anjo, seed capital, instituições de microcrédito e financiamento público) 24

25 Recomendações de Especialistas Ampliar os esforços na educação e capacitação (49%) Difundir as disciplinas de empreendedorismo em todos os níveis de ensino; Maior número de disciplinas como administração de empresas, gestão de recursos financeiros e exatas (ex. matemática) Maior uso da Tecnologia da Informação (TI); e Fortalecimento do ecossistema empreendedor (incubadoras, aceleradoras, fablabs e hackerspaces). Aperfeiçoar as políticas governamentais (41%) Simplificação da legislação trabalhista, tributária, procedimentos administrativos; e Maior estímulo/apoio nos primeiros anos de vida; Ampliar o apoio financeiro (24%) Adequação das linhas de crédito à realidade do empreendedor; Flexibilização das garantias reais; Concessão do crédito pelo perfil do empreendedor/potencial do negócio; Desenvolvimento do mercado de capital de risco; e Incentivos fiscais para investimentos em pequenos negócios e microfinanças 25

26 Entidades Parceiras Global Entrepreneurship Monitor 26

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Econômica GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR (GEM) Antonio Everton Junior Economista

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Econômica GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR (GEM) Antonio Everton Junior Economista TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Econômica GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR (GEM) 2010 Antonio Everton Junior Economista Um trabalho espetacular. Assim pode ser julgado o relatório que o Global Entrepreneurship

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

Tabelas Anexas Capítulo 1

Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabela anexa 1.1 População, segundo grandes regiões Brasil e Estado de São Paulo 1980-2007 1-3 Tabela anexa 1.2 Analfabetos e total de pessoas na população de 15 anos ou mais,

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO Marc Saluzzi AGENDA Alocação de ativos de fundos de pensão Os investimentos estrangeiros e sua lógica Como investir no exterior A ALOCAÇÃO DE ATIVOS DE FUNDOS DE

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo Portas Automáticas Resistentes ao Fogo 1 Criada em 1966, a Manusa é uma empresa líder no mercado das portas automáticas graças ao desenvolvimento de uma tecnologia própria e a uma equipa de profissionais

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL 2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL O QUE É O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 2 POR QUE USAR O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 3 DEFINIÇÃO DE

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 23/09/11 21/10/11 18/11/11 16/12/11 13/01/12 10/02/12 09/03/12 06/04/12 04/05/12 01/06/12 29/06/12 27/07/12 24/08/12 21/09/12 19/10/12 16/11/12 14/12/12

Leia mais

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS mensário estatístico - CAFÉ EM GRÃOS CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES

PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES 1 Estas são as recentes descobertas da Ipsos com a pesquisa Perigos da Percepção. Os resultados destacam o quão equivocado o público de 33 países

Leia mais

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha 1. edestinos.com.br 2. Dicas de viagem Última atualização: 30.09.2016 Passagens aéreas Bagagem Check-in e serviço de bordo Como reservar passagens aéreas Saúde durante a viagem FAQ Passageiras grávidas

Leia mais

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional temas de economia aplicada 11 Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional Rogério Nagamine Costanzi (*) Trata-se de fato amplamente conhecido que existe

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 14/06/11 12/07/11 09/08/11 06/09/11 04/10/11 01/11/11 29/11/11 27/12/11 24/01/12 21/02/12 20/03/12 17/04/12 15/05/12 12/06/12 10/07/12 07/08/12 04/09/12

Leia mais

Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou

Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou Experts em EB-5 Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou americanos) Especializada no desenvolvimento

Leia mais

Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades

Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades 7ª Economia 79º IDH 57º Competitividade 61º Inovação 35º Educação 12 indicadores Ranking de Competitividade Global Requisitos

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof.

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof. Estado e políticas sociais na América Latina Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal Prof.: Rodrigo Cantu Crise do Estado de Bem-Estar nos países ricos? Manutenção (ou aumento)

Leia mais

Variedades de Capitalismo. Aula 7 Itália. Prof.: Rodrigo Cantu

Variedades de Capitalismo. Aula 7 Itália. Prof.: Rodrigo Cantu Variedades de Capitalismo Aula 7 Itália Prof.: Rodrigo Cantu Características principais Economia de mercado mediterrânea (EMM) Relações conflituosas - fragmentação Coordenação estatal Política social limitada

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS 21/02/14 14/03/14 04/04/14 25/04/14 16/05/14 06/06/14 27/06/14 18/07/14 08/08/14 29/08/14 19/09/14 10/10/14 31/10/14 21/11/14 12/12/14 02/01/15

Leia mais

A pesquisa foi realizada em 65 países. Foram entrevistas, representando mais de 75% da população adulta global.

A pesquisa foi realizada em 65 países. Foram entrevistas, representando mais de 75% da população adulta global. A WIN é uma associação que reúne as maiores empresas independentes de Pesquisa de Mercado do mundo. É uma plataforma global para intercâmbio de negócios internacionais entre mais de 70 países, presentes

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO 2006-2013. Fonte: Bloomberg ESTADOS UNIDOS: TAXAS DE JUROS DE 10 ANOS (% a.a.) 03/04/14

Leia mais

Mais informações com Ana Luiza Fleck Saibro Fone

Mais informações com Ana Luiza Fleck Saibro Fone Rua Francisco Leitão 339 cj 122 05414-025 São Paulo SP Brasil Tel: 55 11 30623436 e-mail: tbrasil@transparencia.org.br www.transparência.org.br Presidente: Eduardo Ribeiro Capobianco Vice-presidente: Neissan

Leia mais

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10)

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) IDH País Pontuação Esperança de vida (anos) Média de anos de Anos de esperados RNBpc PPC em USD 2008 Posição no RNBpc menos

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae SEBRAE 2022 Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

A D U P L A T R I B U T A Ç Ã O I N T E R N A C I O N A L E M P O R T U G A L - A C T U A L I Z A Ç Ã O ( J A N E I R O D E )

A D U P L A T R I B U T A Ç Ã O I N T E R N A C I O N A L E M P O R T U G A L - A C T U A L I Z A Ç Ã O ( J A N E I R O D E ) i N º 7 / 1 5 A D U P L A T R I B U T A Ç Ã O I N T E R N A C I O N A L E M P O R T U G A L - A C T U A L I Z A Ç Ã O ( J A N E I R O D E 2 0 1 5 ) Em 12 de Janeiro de 2015 foi publicado o Decreto do Presidente

Leia mais

Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas

Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas Administração Pública e Saúde Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Ministério dos Negócios Estrangeiros Os casos de estudo Consulado Virtual e Sistema de Localização de Portugueses como

Leia mais

Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China

Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China Matéria publicada em 29 de Novembro de 2014 SÃO PAULO -

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social. Brasília, 17 de Fevereiro de 2016

Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social. Brasília, 17 de Fevereiro de 2016 Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social Brasília, 17 de Fevereiro de 2016 1 A taxa de fecundidade caiu 57,7% entre 1980 e 2015, passando de 4,1

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

4. Líderes em Sustentabilidade 2017

4. Líderes em Sustentabilidade 2017 . Líderes em Sustentabilidade 207 The Sustainability Yearbook 207 RobecoSAM 33 Anualmente, mais de 3.00 das maiores empresas do mundo são convidadas a participar da Avaliação de Sustentabilidade Corporativa

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2016 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano Plano Básico de Serviço Local A. Empresa: BLUE TELECOMUNICAÇÕES B. Nome do Plano: Plano Básico de Serviço Local BLUE C. Identificação para a Anatel: Plano Básico de Serviço Local BLUE 01/2015 D. Modalidade

Leia mais

Empreendedorismo no Brasil

Empreendedorismo no Brasil Empreendedorismo no Brasil 2015 Global Entrepreneurship Monitor cenn Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios Embora os dados utilizados neste trabalho tenham sido coletados pelo Consórcio GEM, suas

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 13-dez-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 13-dez-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA E PERNAMBUCANA

MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA E PERNAMBUCANA MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA E PERNAMBUCANA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta anual

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2016 PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION 2016 1 ESTES SÃO OS RESULTADOS DA NOVA EDIÇÃO DA PESQUISA PERIGOS DA PERCEPÇÃO DA IPSOS. OS RESULTADOS

Leia mais

O quadro estanque de referência

O quadro estanque de referência PASSION FOR POWER. O quadro estanque de referência Quadros de distribuição eléctrica KV de 3 a 54 módulos Descrição Geral da Gama Quadros estanques KV Os quadros de distribuição eléctrica do tipo KV são

Leia mais

IMOPLATAFORMA. Introdução

IMOPLATAFORMA. Introdução Introdução A Imoplataforma é uma ferramenta totalmente online onde pode gerir a sua carteira de imóveis e maximizar o investimento feito no Imovirtual. Não tem qualquer custo acrescido e permitelhe usufruir

Leia mais

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 Tabela 3.26 - ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 ALUNOS REGULARES / UNIDADE ALEMANHA - - - - - 1 - - - - 1 - - - - - - - - - 2 ANGOLA - - - - - - - 1-1 -

Leia mais

IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA. CHARLES WILLIAM McNAUGHTON

IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA. CHARLES WILLIAM McNAUGHTON IGF: ENTRE JUSTIÇA E EFICIÊNCIA CHARLES WILLIAM McNAUGHTON IGF E PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS PRINCÍPIO DA ISONOMIA X PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA IGUALDADE Justiça Social Art. 3º Constituem objetivos fundamentais

Leia mais

Valores ambientais e compra ética

Valores ambientais e compra ética Valores ambientais e compra ética Pesquisa global GfK Abril 2015 1 Pesquisa global GfK: Valores ambientais e compra ética 1. Metodologia 2. Resultado global 3. Resultado do Brasil 2 Metodologia 3 Abrangência,

Leia mais

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS - Atuação segundo orientações estratégicas - Adotar normas comuns de comportamento político, social, etc. Planejar e concretizar

Leia mais

O Jornal na Educação e a Educomunicação. Apresentado do Mega Evento de Comunicação Interáreas Secal, no dia 10 de novembro

O Jornal na Educação e a Educomunicação. Apresentado do Mega Evento de Comunicação Interáreas Secal, no dia 10 de novembro O Jornal na Educação e a Educomunicação Apresentado do Mega Evento de Comunicação Interáreas Secal, no dia 10 de novembro CONTATO Talita Moretto talitamoretto@hotmail.com vamosler@jmnews.com.br Site do

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

um convite a redescobrirmos nosso olhar para o que está a nossa volta

um convite a redescobrirmos nosso olhar para o que está a nossa volta RAFAEL MORALEZ um convite a redescobrirmos nosso olhar para o que está a nossa volta retornarmos a nossa casa, daí o nome do projeto de Volte ao Mundo, um convite para voltar ao seu mundo, voltar para

Leia mais

AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto

AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto Grupo de segurança de produto 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto Cód. cat. 20A, inversor CA PowerFlex

Leia mais

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO Analista de Mercado Élcio A. Bento elcio@safras.com.br ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/@ Preço Mínimo R$ 44,6/@ ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/2 Jul A FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

PREÇOS SERVIÇO TELEFÓNICO 2016

PREÇOS SERVIÇO TELEFÓNICO 2016 I. COMUNICAÇÕES REALIZADAS EM TELEFONE PÚBLICO... 2 I.1. Comunicações Fixo-Fixo (de telefone público) 2 I.2. Comunicações Fixo PT-Prestador de serviço de voz através da internet [PT-VoIP] (de telefone

Leia mais

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso)

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Áustria Bélgica Carta de condução da categoria D: 2015 Carta

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil

PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Henrique Meirelles Ministro da agosto de 2016 2 O Novo Regime Fiscal Expansão dos gastos da União nos próximos 20 anos não pode ser superior à inflação Limite

Leia mais

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 1948: BENELUX, primeiro bloco econômico do mundo (pós 2ª Guerra Mundial). HISTÓRICO Integrantes: Bélgica, Holanda e Luxemburgo. 1952: CECA

Leia mais

Ciclo do Projeto MDL Validação

Ciclo do Projeto MDL Validação Brasil e o MDL MDL Baseado na proposta brasileira de 1997 de estabelecimento de um Fundo de Desenvolvimento Limpo, adotada pelo G77 e China e, modificada como mecanismo, adotada em Quioto Brasil foi o

Leia mais

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 23 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA O PIB brasileiro registrou crescimento de,4% no terceiro trimestre de 23, na comparação com o trimestre anterior (ajustado

Leia mais

RESUMO DA PESQUISA GLOBAL DE ALIMENTAÇÃO

RESUMO DA PESQUISA GLOBAL DE ALIMENTAÇÃO RESUMO DA PESQUISA GLOBAL DE ALIMENTAÇÃO 2014 Resultados RESULTADOS DE LA da ENCUESTA Pesquisa GLOBAL Global SOBRE de ALIMENTO Alimentação BALANCEADO da DE Alltech ALLTECH 2014 2014 RESUMO No final de

Leia mais

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS CONFERÊNCIA COMEMORATIVA DOS 30 ANOS DO IVA EM PORTUGAL II Painel: O funcionamento do IVA: A experiência do funcionamento do imposto em Portugal O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS Jorge Oliveira*

Leia mais

CIP sensores Clean in place. Segurança alimentar com máxima eficiência.

CIP sensores Clean in place. Segurança alimentar com máxima eficiência. CIP sensores Clean in place Segurança alimentar com máxima eficiência. Panorama de vantagens. Reduzir os custos operacionais de CIP Utilização eficiente de recursos e materiais Maior produtividade Segurança

Leia mais

QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO

QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO Adolfo Sachsida* 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste artigo é mostrar a importância da qualidade das instituições sobre o desenvolvimento e o crescimento econômico.

Leia mais

Luiz Marins

Luiz Marins Luiz Marins www.marins.com.br professor@marins.com.br Anthropos Consulting www.marins.com.br Anthropos Consulting www.marins.com.br BRIC Countries OESP 04 de março de 2011 Fonte: www.ebooksgratis.com.br

Leia mais

Brasil e o MDL. Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo. Britcham. São Paulo 30 de setembro de 2008

Brasil e o MDL. Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo. Britcham. São Paulo 30 de setembro de 2008 Brasil e o MDL Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo Britcham São Paulo 30 de setembro de 2008 Gustavo Mozzer Ministério da Ciência e Tecnologia Assessor Técnico da Secretária Executiva da Comissão

Leia mais

Cozinhar: atitudes e tempo dedicado à tarefa

Cozinhar: atitudes e tempo dedicado à tarefa Cozinhar: atitudes e tempo dedicado à tarefa Pesquisa global GfK março 2015 1 Pesquisa global GfK: Cozinhar: atitudes e tempo dedicado à tarefa 1. Metodologia 2. Resultado global 3. Resultado do Brasil

Leia mais

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA.

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA. Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará (CRC-CE) SUMÁRIO Introdução Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento Marcelo Lettieri e-mail: marlettieri@gmail.com STN: princípios

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas

SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas Reunião de Diretoria Plenária da ABINEE Flávio Castelo Branco Gerente-Executivo de Política Econômica Confederação Nacional da Indústria São Paulo, Outubro

Leia mais

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - SUINOCULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - SUINOCULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Documentos 146 ANUÁRIO ESTATÍSTICO - SUINOCULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Empresa

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 1939-45 11/3/2010 TIS 1 CLC_7 FERNANDO GUITA GRUPO: JOÃO ALEXANDRE, TOMÉ E THEODORE DEFINIÇÃO A segunda guerra mundial foi um acontecimento que teve impacto no mundo inteiro. 11/3/2010

Leia mais

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Produtividade e Eficiência Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Introdução Países são pobres não só porque possuem relativamente menos (e piores) fatores de produção, mas porque organizam

Leia mais

Pisa: desempenho do Brasil piora em leitura e 'empaca' em ciências

Pisa: desempenho do Brasil piora em leitura e 'empaca' em ciências Pisa: desempenho do Brasil piora em leitura e 'empaca' em ciências Do UOL, em São Paulo 03/12/2013 08h00 > Atualizada 01/04/2014 09h56 Compartilhe H o n 257 m 7,5 mil J Imprimir F Comunicar erro Em 2012,

Leia mais

working paper número136 fevereiro, 2016 ISSN x

working paper número136 fevereiro, 2016 ISSN x WORKING PAPER working paper número136 fevereiro, 2016 ISSN 1812-108x Tributação e distribuição da renda no Brasil: novas evidências a partir das declarações tributárias das pessoas físicas Sérgio Wulff

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS

INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS GRADUANDOS II SEMINÁRIO: INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA BRASILEIRA INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS Prof. Dr. Joviles Vitorio Trevisol Presidente

Leia mais

Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma

Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma Paulo Tafner CÂMARA FEDERAL Brasília Novembro de 2016. Previdência Social Os fatos COMECEMOS POR UMA EXCELENTE NOTÍCIA

Leia mais

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Documentos 147 ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Empresa Brasileira

Leia mais

CONFIANÇA, PREOCUPAÇÕES E INTENÇÕES DE GASTOS DOS CONSUMIDORES AO REDOR DO MUNDO

CONFIANÇA, PREOCUPAÇÕES E INTENÇÕES DE GASTOS DOS CONSUMIDORES AO REDOR DO MUNDO CONFIANÇA, PREOCUPAÇÕES E INTENÇÕES DE GASTOS DOS CONSUMIDORES AO REDOR DO MUNDO 3º TRIMESTRE DE 2013 SÉRIE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR 2013 3ª EDIÇÃO UM PANORAMA EM TRANSFORMAÇÃO O ÍNDICE DE CONFIANÇA DO

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

Relatório Estatístico Mensal

Relatório Estatístico Mensal Relatório Estatístico Mensal Gestão de Patrimónios Janeiro 2016 Sede: Rua Castilho, 44-2º 1250-071 Lisboa Telefone: 21 799 48 40 Fax: 21 799 48 42 e.mail: info@apfipp.pt home page: www.apfipp.pt RELATÓRIO

Leia mais