BENEFÍCIOS OBTIDOS APÓS A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS ERP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BENEFÍCIOS OBTIDOS APÓS A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS ERP"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE UNIGRANRIO PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: GESTÃO ORGANIZACIONAL BENEFÍCIOS OBTIDOS APÓS A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS ERP LEANDRO ROCHA FURINI RIO DE JANEIRO 2014

2 LEANDRO ROCHA FURINI BENEFÍCIOS OBTIDOS APÓS A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS ERP Dissertação apresentada à Escola de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy, como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Administração. Orientadora: Prof.ª Marta Dalbem RIO DE JANEIRO 2014

3

4 CATALOGAÇÃO NA FONTE/BIBLIOTECA - UNIGRANRIO F984b Furini, Leandro Rocha. Benefícios obtidos após a implantação de sistemas ERP / Leandro Rocha Furini f. ; 31 cm. Dissertação (mestrado em Administração) Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy, Escola de Ciências Sociais Aplicadas, 2014.

5 Agradecimentos Esta dissertação de mestrado não seria possível sem o apoio e a participação de algumas pessoas, as quais gostaria de destacar nestes agradecimentos: Agradeço à minha esposa Thatiani que soube suportar todas as minhas ausências, mesmo quando estava fisicamente em casa, mas concentrado em meus estudos. Sem o apoio e compreensão dela não seria possível concluir esse trabalho. À professora Marta Dalbem, pelas inúmeras dicas e revisões de texto, desde a idéia inicial até o fechamento do estudo, mesmo com as mudanças que foram necessárias devido aos percalços encontrados. E, claro, às empresas que participaram da pesquisa, sem as quais este estudo não poderia ter sido realizado.

6 Resumo: Esta pesquisa quali-quantitativa busca identificar quais benefícios operacionais, gerenciais, tecnológicos, estratégicos, organizacionais e financeiros são auferidos por empresas que implantaram ERPs. Por meio de entrevistas em 3 empresas dos setores elétrico, construção e financeiro, identificaram-se quais, dentre os benefícios listados na literatura, foram de fato observados nas empresas. Este estudo sinaliza que o ERP traz diversos desses benefícios esperados às empresas, principalmente aqueles ligados a questões operacionais, gerenciais, estratégicas e organizacionais, mas menos que o esperado nas questões relacionadas à Tecnologia da Informação. Como as empresas entrevistadas não monitoraram os benefícios financeiros, uma análise não paramétrica dos indicadores financeiros de 14 empresas abertas, antes e depois da adoção dos ERPs, permitiu identificar que os ERPs podem ter contribuído para a redução da rentabilidade das empresas, embora tenham gerado melhoras na gestão do capital de giro. Este benefício também foi identificado na pesquisa qualitativa, que apontou redução do tempo de ciclo e melhora na produtividade. Outros benefícios também foram ressaltados, como melhor controle de desempenho, melhor Governança Corporativa, liderança de custo/economias de escala, mudança da cultura organizacional para uma cultura focada em resultados. Na contramão destes benefícios encontrados, a pesquisa qualitativa indicou piora nos custos gerais de TI, na motivação dos funcionários e na rentabilidade das empresas. Apesar da percepção geral de que a implantação de ERPs foi benéfica às empresas, constatou-se que as empresas entrevistadas não monitoraram de forma estruturada o seu impacto, não sendo possível afirmar que os benefícios superam os custos de implantação. Finalmente, com base nos pontos levantados na literatura e nas entrevistas, este trabalho propõe métricas para que esse acompanhamento dos benefícios possa ser feito de forma tangível nas empresas. Palavras-chave ERP, Tecnologia da informação, Índices financeiros, Governança corporativa.

7 Abstract: This qualitative and quantitative research seeks to identify which operational, managerial, technological, strategic, organizational and financial benefits are earned by companies that have implemented ERP systems. Through interviews in 3 companies of electrical, construction and financial sectors, based on literature, we have identified which of the benefits were in fact observed in the companies. This study indicates that ERP brings many of those expected benefits to companies, especially those related to operational, managerial, strategic and organizational issues, but less than expected in matters related to IT. As the interviewed companies did not monitored the financial benefits, a non-parametric analysis of financial ratios about 14 listed companies, before and after the adoption of ERP, allows to identify that ERPs may have contributed to the reduction of corporate profitability, although they have generated improvements management of working capital. This benefit was also identified in the qualitative research, which showed a reduction in cycle time and improves productivity. Other benefits were also highlighted as better control performance, better corporate governance, cost leadership / economies of scale, organizational culture change towards a results focused culture. On the other hand, qualitative research indicated worsening in overall IT costs, in employee motivation and corporate profitability, which confirms the results of quantitative research. Despite the general perception that the implementation of ERPs was beneficial to companies, it was found that the interviewed companies not monitored in a structured way its impact and it s not possible to say that the benefits outweigh the costs of implementation. Finally, based on the points raised in the literature and interviews, this paper proposes metrics for monitoring the benefits that this can be done in a tangible way in business. Key-words ERP, Information tecnology, Financial ratios, Corporate Governance.

8 Sumário 1 INTRODUÇÃO FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS DA PESQUISA JUSTIFICATIVAS TEÓRICA E PRÁTICA DELIMITAÇÃO REVISÃO DE LITERATURA ESTUDOS SOBRE BENEFÍCIOS DOS ERPS REFERENCIAL TEÓRICO CONSOLIDADO METODOLOGIA ANÁLISE QUALITATIVA ANÁLISE QUANTITATIVA Índices Financeiros e Variáveis de Controle Utilizados ANÁLISE DOS RESULTADOS RESULTADOS DA ANÁLISE QUALITATIVA Análise da Empresa Elétrica Análise da Empresa Construtora Análise da Empresa Financeira Análise Consolidada das Entrevistas RESULTADOS DA ANÁLISE QUANTITATIVA Testes Estatísticos e Hipóteses Estatítica Descritiva e Teste de Wilcoxon Regressão CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 88

9 Lista de Tabelas Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 Tabela 4 Tabela 5 Tabela 6 Tabela 7 Tabela 8 Tabela 9 Tabela 10 Tabela 11 Tabela 12 Tabela 13 Estudos do impacto da implantação de ERPs no desempenho financeiro Benefícios da Implantação de ERPs Empresas selecionadas para análise quantitativa Análise consolidada das entrevistas Métricas de Avaliação dos Benefícios Obtidos Resultados esperados para o teste de Wilcoxon Estatística Descritiva dos Índices Financeiros Teste de Normalidade Dimensão das Amostras - teste de Wilcoxon Análise da Significância - teste de Wilcoxon Análise da Significância do modelo de Regressão Análise do R² do modelo de Regressão Análise dos coeficientes do modelo de Regressão

10 Siglas e Abreviaturas BI DRE ERP TI IBGC IFRS MRP PPR ROA ROI ROS PMDD PME PMF PMPF PMV VCE XML Business Intelligence Demonstrativo de Resultados do Exercício Enterprise Resource Planning Tecnologia da Informação Instituto Brasileiro de Governança Corporativa International Financial Reporting Standards Materials Requirement Planning Personalized Product Recommendations Retorno sobre ativos Retorno sobre investimentos Retorno sobre vendas Prazo médio de desconto de duplicatas Prazo médio de estoque Prazo médio de fornecedores Prazo médio pagamento de fornecedores Prazo médio de vendas Virtual customer environments Extensible Markup Language

11 9 1 INTRODUÇÃO Vistos por muitos como solução para os problemas de gestão empresarial, os sistemas integrados de gestão ou ERP - Enterprise Resource Planning, passaram a ser largamente utilizados pelas empresas. ERPs são sistemas que objetivam integrar todas as informações geradas na empresa por intermédio de uma base de dados única. No início dos anos 2000 muitos estudos sobre ERPs e sua implantação foram realizados. Na época, os pesquisadores buscavam entender quais eram as mudanças ocorridas em uma organização com a informatização de sua gestão, partindo de modelos de gestão pouco informatizados e descentralizados, para modelos de gestão centralizados a partir destes sistemas. Uma década depois, a maioria das empresas já se encontram informatizadas. Agora, o que move o processo contínuo de investimentos em TI nas empresas é a necessidade das organizações de se ajustarem ao ambiente para a consequente manutenção de seus lucros, crescimento, perenidade, entre outros objetivos. Para tal, as organizações deparam-se com a necessidade de alterar estruturas, processos internos e tecnologias. Em função da grande presença da tecnologia nos processos atuais de negócio, frequentemente as necessidades de mudança envolvem decisões sobre as soluções de tecnologia de informação (TI), dentre elas os softwares ERP. Ao longo dos anos, do ponto de vista tecnológico e de processo, vários estudos foram realizados para determinar os impactos da implantação destes sistemas nas organizações. Como exemplo, Saccol et al (2003) apresentam em seus estudos os seguintes impactos decorrentes do processo de implantação de sistemas ERP: impactos tecnológicos, impactos estruturais e impactos comportamentais. Existem outros impactos que precisam ser entendidos e observados, entre eles as questões operacionais, estratégicas, gerenciais, organizacionais e

12 10 financeiras, também bastante relevantes. No mercado, a busca por soluções que tragam, além da simples informatização, ganhos de processo, ganhos de mercado e melhores resultados, trouxe como consequência a busca por melhores soluções de sistemas e um aumento nos investimentos em softwares. De acordo com o estudo Mercado Brasileiro de Software Panorama e Tendências realizado em 2012 pela Associação Brasileira de Empresas de Software ABES, os investimentos com aquisição ou cessão de uso de software cresceram 15,7% em 2011 e 26,7% em 2012, chegando a USD 27.2 Bn. Engelbert e Graeml (2011) descrevem estes e outros custos oriundos de processos de troca de tecnologias pelas empresas, antes e durante o processo de troca de tecnologia, mas não os benefícios financeiros auferidos. Uma análise custos versus benefícios permite diagnosticar se um investimento em ERP agrega de fato valor às empresas mas, dado o caráter multifacetado e algumas vezes intangível dos benefícios auferidos por sistemas ERP, resta a dúvida se as empresas os têm analisado de forma estruturada e, também muito importante, como têm mensurado tais benefícios. Este trabalho busca contribuir ao desafio de como monitorar os impactos de um ERP nas empresas, primeiro, levantando na literatura os benefícios que ERPs podem trazer para as empresas e, depois, identificando se tais benefícios ou outros - foram percebidos em 3 empresas brasileiras, de tamanhos e setores diferentes. Este estudo relata as experiências dessas empresas, colhidas por meio de entrevistas com participantes ativos na implantação. A esse estudo qualitativo, soma-se um estudo quantitativo em que os índices financeiros de 14 empresas abertas foram analisados, antes e depois da implantação de ERPs. Afinal, sugerimos métricas para acompanhamento durante o processo e pós a implantação de ERPs, as quais podem auxiliar as empresas em processo de negociação junto a provedores de ERPs.

13 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA Para subsidiar a tomada de decisão sobre a adoção de um sistema ERP, é de suma importância entender e mensurar os seus benefícios. Desta forma, foca-se neste estudo o levantamento e a análise das mudanças observadas após a implantação de ERPs, objetivando responder às seguintes questões: Quais os benefícios da implantação de Sistemas ERP? As empresas têm mensurado esses benefícios? 1.2 OBJETIVOS DA PESQUISA Como objetivo geral, busca-se neste estudo identificar quais são os benefícios obtidos após a implantação de sistemas ERP. Para tal, buscam-se os seguintes objetivos intermediários: Identificar o que leva as empresas a investir em implantação de softwares ERP; Identificar quais benefícios, tangíveis e intangíveis, financeiros ou não financeiros, espera-se obter com a implantação de um sistema ERP; Haja vista que algumas empresas que implantaram ERPs divulgam demonstrativos financeiros publicamente, e que esta é uma fonte de informação que poderia ajudar a responder a uma das questões de pesquisa prescindindo-se das percepções dos executivos, julgou-se importante identificar na literatura quais indicadores financeiros podem melhor explicar as mudanças ocorridas no desempenho financeiro de uma empresa; A partir de pesquisa qualitativa, identificar a percepção dos executivos quanto aos benefícios obtidos após a implantação de um sistema ERP, e se tais benefícios foram mensurados.

14 12 A partir de análise quantitativa de demonstrativos financeiros públicos, identificar se e quanto o desempenho financeiro é impactado pela implantação e quais indicadores financeiros sofrem maior impacto; 1.3 JUSTIFICATIVAS TEÓRICA E PRÁTICA Do ponto de vista tecnológico e de processo, as dificuldades a serem enfrentadas durante a implantação ou substituição de sistemas ERPs são relevantes, mas também bastante conhecidas e exploradas na literatura. Contudo, há pouca pesquisa empírica sobre os benefícios auferidos, em especial no Brasil. Entender quais são os benefícios obtidos, e se as empresas os têm observado de forma estruturada, é o foco desta pesquisa, cujos resultados podem ser úteis à academia e ao mundo corporativo. 1.4 DELIMITAÇÃO Este trabalho analisa empresas que efetuaram implantação de seus ERPs de 2008 a 2012, período este onde ainda há memória nas empresas sobre o tema. Esta delimitação temporal também permite que o pósimplantação esteja fora do momento mais crítico da crise financeira internacional e da convergência ao IFRS 1. Na pesquisa qualitativa, dada a dificuldade de acesso e também de identificar executivos ainda nas empresas e que tivessem acompanhado o processo de implantação e sua efetividade, a amostra se restringiu a três empresas brasileiras, de capital nacional, sendo uma do setor elétrico, uma do setor de construção e outra do setor financeiro, de tamanhos variados. Destas, apenas a empresa do setor elétrico é de capital aberto e a de construção é de controle familiar. Essas características variadas trazem riqueza de informações e reflexões sobre o tema, mas dificultam generalizações. Para a análise quantitativa-financeira, foram consideradas apenas empresas de capital aberto negociadas na Bovespa e, portanto, com 1 IFRS International Financial Reporting Standards - são normas internacionais de contabilidade publicados e revisados pelo International Accounting Standards Board (IASB)

15 13 demonstrativos financeiros divulgados ao público. Além disso, foram consideradas somente as empresas onde se pode identificar, por meios dos sites dos provedores de ERPs, o período em que houve a implantação dos sistemas. Como resultado destas restrições, a análise quantitativa utilizou uma amostra de 14 empresas brasileiras e os resultados dos testes estatísticos restringem-se a essa pequena amostra.

16 14 2 REVISÃO DE LITERATURA Um sistema integrado de gestão, comumente chamado de ERP - Enterprise Resource Planning, é um software de planejamento que integra os dados-chave e a comunicação entre as áreas da empresa, fornecendo informações detalhadas sobre suas operações (BUCKHOUTet al., 1999). Com primórdios no início da década de 90, sua inserção no Brasil acentuou-se a partir de Segundo Saccol et al (2003, p.326), as empresas passaram a adotar o sistema como uma nova plataforma tecnológica, abandonando seus sistemas legados, que precisariam ser adaptados. Schmitt (2004) justifica a disseminação de ERPs lembrando que o custo de matérias-primas cresceu de 30-40% do custo final dos produtos na década de 1940 para 60 a 70% nos anos 1990, exigindo eficiência na gestão de estoques para ter competitividade no mercado. A expansão acelerada da tecnologia e o dinamismo das mudanças no ambiente de negócios contribuíram ainda mais para desenvolver os Sistemas de Informação, dentre eles, o próprio ERP. Os sistemas ERP surgiram da evolução dos sistemas MRP Materials Requirement Planning, este com objetivos ainda estreitos de administração de estoque. Segundo Corrêa, Gianesi e Caon (2001), ao módulo básico MRP foram depois agregados módulos de outras funções da cadeia de suprimentos como: o planejamento da capacidade de produção (RCCP - Rough-Cut Capacity Planning e CRP Capacity Requirements Planning), o planejamento de vendas e operação (S&OP Sales and Operations Planning), a programação-mestre da produção (MPS Master Production Schedule), o controle de compras (PUR - Purchasing) e o controle da fábrica (SFC - Shop Floor Control). Com estes módulos, estes sistemas passaram a se chamar MRP II, ainda com foco no cumprimento dos planos de entrega de produtos com menor custo de estoques (CORRÊA et al, 2001). Depois da informatização e integração do processo produtivo, surgiu a necessidade de integrá-lo às demais áreas, visando aumentar o controle e

17 15 melhorar o processo decisório. Aos MRP II foram, então, acrescidos módulos de: controladoria, gerenciamento financeiro, compras, apoio às atividades de vendas e gerenciamento de recursos humanos, entre outros. Estes módulos, integrados em sistemas únicos, passaram a ser chamados de sistemas ERP (Corrêa et al., 2001) que, na definição mais ampla de Cavalcanti (2001, p.185), levam em consideração a visão de processo de uma organização com a finalidade de atingir as suas metas, integrando todas as áreas e funções do negócio. Hehn (1999) descreve que os módulos de sistemas ERP partilham dos mesmos dados, favorecendo a eficiência e minorando o risco de inconsistências, usando processos de trabalho padronizados que tendem a adotar as melhores práticas de cada função. Souza & Zwicker (2001) também destacam a forma de trabalho padronizado e ainda que sistemas ERP procuram atender a requisitos genéricos do maior número possível de empresas, incorporando modelos de processos de negócio obtidos pela experiência acumulada de fornecedores, consultorias e pesquisas benchmarking. Este é um ponto importante, pois a implantação de um software ERP traz consigo a necessidade da adequação da forma de trabalho ao novo sistema, que não aceita customizações relevantes. Miltello (1999) lembra que em um ERP todos os processos são documentados e contabilizados, gerando regras bem definidas e permitindo maior controle sobre alguns pontos vulneráveis do negócio, como a administração de custos, controle fiscal e estoques. O apoio às decisões estratégicas é outro benefício apontado por Cunha (1998) e Wood Jr. (1999), este lembrando que ERPs agilizam a tomada de decisão e podem ser aplicados, com adaptações, a qualquer empresa, permitindo o monitoramento em tempo real. Isso se tornou mais necessário a partir da integração de empresas transnacionais e da tendência de substituição de estruturas funcionais por estruturas ancoradas em processos. Buckout et al. (1999) reforçam a facilidade de controle sobre a empresa como benefício de ERPs. Com o crescimento da competição, maior controle

18 16 favorece a lucratividade e a perenidade, além de atender à crescente exigência por governança corporativa, rapidez no processamento de informações, maior aproximação com os consumidores e satisfação, todos exemplos dos novos desafios impostos às empresas. Turban, Mclean e Wetherbe (2004) e Lozinski (1996) citam a redução de mão de obra, devido à simplificação e automatização dos processos. Hypolito e Pamplona (1999, p. 6) citam benefícios tangíveis - ligados a ganhos reais como os ganhos de capital com a redução de estoques, eliminação de atividades que não agregam valor, redução de horas e até mesmo de funcionários -, e intangíveis, como a maior satisfação dos clientes internos e externos, velocidade de funcionamento, confiabilidade na tomada de decisões, redução de riscos em decisões gerenciais. Até os anos 2000, ERPs foram implantados como parte da própria informatização das empresas. A partir dos anos 2000, a maioria das empresas já se encontrava informatizada, mas em função da grande presença de tecnologias nos processos de negócio, frequentemente as necessidades de mudança estratégica passaram a envolver soluções de tecnologia de informação (TI), dentre elas a introdução de novos softwares ERPs ou mesmo a agregação de novos módulos aos ERPs existentes. Batista (2005) lembra que informações precisas e confiáveis e mecanismos que auxiliem os profissionais a melhor estudar as informações são de fundamental importância. Esta ideia é reforçada por Rezende e Abreu (2009), que ressaltam a informação cada vez mais ágil, democratizada e sem barreira de distância, graças à tecnologia; portanto, TI é vista hoje como fonte geradora de negócios. Uma boa gestão da informação permite agregar valor quando permite à empresa perceber oportunidades e ameaças a sua operação, detectando problemas e tendências, informações sobre o cliente e o mercado. Passam a ser temas frequentes na literatura o alinhamento entre TI e estratégia organizacional, TI como forma de interação com o consumidor, TI como patrocinadora de uma cadeia de valor que incorpora fornecedores e clientes.

19 17 Os estudos de alinhamento estratégico entre negócio e TI têm mais de quinze anos. Henderson e Venkatraman (1999) descrevem que TI está transcendendo seu papel original de BackOffice, evoluindo para um papel estratégico, não só no suporte das estratégias de negócio, mas também ajudando a definir novas estratégias. Ainda, que a simples utilização de uma aplicação (software) não é suficiente para prover à empresa vantagem competitiva; esta vantagem é obtida da capacidade de explorar as informações geradas, o que requer uma grande mudança no papel de TI na organização. Para Lederer & Burky (1988) e Reich & Benbasat (2000) os objetivos e os planos de TI devem ser originados da missão, objetivos e planos de negócio da organização, e vice-versa. Chane e Reich (2007) descrevem que, por duas décadas, o alinhamento estratégico de TI tem se tornado assunto comum entre executivos. Neste sentido, espera-se que ERPs que considerem esta perspectiva contribuam com um melhor desempenho da empresa. McKenna (1995) já lembrava que consumidores têm mais informações sobre os produtos, mais produtos para escolher e das mais diversas formas - shoppings, lojas especializadas, catálogos, telefone e internet -, o que diminui a fidelidade às marcas, exigindo das empresas esforço para estabelecer e consolidar suas marcas. Zang et al. (2011) descrevem a significância da Internet como canal de comércio, não só devido à comunicação entre indivíduos, mas também à relação entre empresas e consumidores, que podem se tornar mais duradoura. Sites de vendas e interação online com consumidores são ferramentas poderosas e este canal tem sinergia com os sistemas ERP os quais, portanto, ganham importância na era do comércio digital. Os mesmos autores citam o PPR Personalized Product Recommendations, que refere-se à personalização de recomendações de produtos, de acordo com as preferências e gosto dos consumidores, advindas do processo de aprendizado obtido na relação varejista em meios eletrônicos como a internet. Zang et al identificaram que existe maior lealdade dos consumidores em processos de compra online do que na forma de comércio

20 18 tradicional, sendo a intenção de recompra diretamente ligada à qualidade dos PPRs. Mais recentemente, empresas como Microsoft, Cisco, Nokia, Volvo e Nike estabeleceram ambientes virtuais de consumidores (VCE virtual customer environments), que vão desde pequenos grupos de discussão online até sofisticados centros de protótipos de produtos. Em alguns casos as empresas incorporam mecanismos para integrar inovações propostas por estes fóruns com os sistemas internos de desenvolvimento de produtos (NAMBISAN, 2008). PPRs e VCEs podem ser considerados importantes estratégias de negócio e ter softwares ERPs que permitam o uso destas ferramentas é fator importante que pode influenciar uma empresa a substituir seu software. A sinergia pode acontecer também em outras etapas da cadeia de valor: recursos tecnológicos permitem que fornecedores e clientes troquem informações sobre suprimentos e produção (Ghiassi&Spera, 2003), permitindo inflenciar processos externos que têm efeito direto na produção. O caso da Dell, descrita por Magretta (1998), ilustra TI/ERPs como meio para integração de toda a cadeia de valor a partir do foco no consumidor, agregando fornecedores, customização em massa e produção just-in-time. De acordo com Engelbert e Graeml (2011), os custos de troca de tecnologia podem ser determinantes na decisão e limitar ou até impedir que tal troca ocorra. Os autores destacam custos de: seleção, aquisição, ativação, aquisições complementares ao software, contratação de fornecedores especializados, compatibilização de sistemas e de formatos de informações, aquisições ligadas aos efeitos de rede e comprometimento da cadeia, aprendizado, estabelecimento de novos relacionamentos, formais, contratuais, relacionados à troca quando em programas de fidelidade, psicológicos, custos de oportunidade e de volta (caso ocorram problemas na implantação). Mediante esta extensa relação de custos de implantação de um ERP, é de suma importância entender os ganhos, ou seja, os benefícios subsequentes à implantação.

21 19 Souza e Zwicker (2001) avaliaram as razões para implantação de ERP e identificaram quatro respostas relevantes ao contexto, na época: a) integração de processos e informação, b) acompanhar tendências, c) pressão da matriz e/ou acionistas, d) não perder terreno para concorrentes. As respostas são sinais de institucionalização da adoção de ERPs, deixando dúvidas se as empresas têm tido disciplina em mensurar seus benefícios ou mesmo em fazer uma análise custo versus benefício desta decisão. Afinal, os benefícios amplos anteriormente citados têm sido atingidos? Há outros benefícios a identificar? Os benefícios têm sido mensurados? Os benefícios compensam os custos? Diversos autores têm estudado os benefícios da implantação de um ERP, como se detalhará na seção ESTUDOS SOBRE BENEFÍCIOS DOS ERPS Shang & Seddon (2000), autores seminais na análise da pósimplementação, consideram cinco dimensões de benefícios esperados: operacionais, gerenciais, estratégicos, de TI e organizacionais. Estas cinco dimensões e suas sub-classificações foram obtidas a partir da revisão da literatura de tecnologia da informação desde 1970, sob o ponto de vista da alta gerência das organizações, além da análise dos benefícios descritos pelos fornecedores de software e da percepção de 267 empresas que utilizam o software, sendo 233 avaliações obtidas a partir de 233 cases de sucesso encontrados na web e 34 entrevistas diretas. Wu et al (2008), descrevem que implantar sistemas ERPs sempre envolvem muitas incertezas e os autores usam um quadro de análise baseado em opções reais para melhorar o processo de decisão em utilizar sistemas ERPs. Usando um algoritmo que tenta calcular e valorar os benefícios obtidos com o uso destes softwares, determinam o valor presente (NPV) dos investimentos em ERP considerando dois grupos de benefícios esperados: tangíveis e intangíveis. Para valorar os benefícios tangíveis, os autores consideram em seu modelo a variável lucro líquido após a implantação total do software.

22 20 Em relação aos benefícios intangíveis, e baseando-se no modelo de criação de valor de Kalafute Low (2001), Wu et al (2008) descrevem 9 grupos e 25 itens de avaliação destes benefícios. Os grupos de benefícios descritos são: capacidade de inovação empresarial, relações com consumidor, alianças com parceiros, gestão de tecnologia, marca e imagem, relações com funcionários e questões de ambiente e comunidade. Com base nos estudos de Shang & Seddon (2000) e Wu et al (2008), propõe-se nesta pesquisa um quadro ampliado de avaliação dos benefícios do uso de ERPs, como referencial teórico. Para tal, analisaram-se os itens de avaliação coincidentes, bem como os itens que podem ser complementares. Entendendo o estudo de Shang e Seddon (2000) como mais focado em relação à análise dos benefícios, optou-se por manter a proposta e a forma de agrupamento de benefícios destes autores e incrementar o modelo, com itens complementares do estudo de Wu et al (2008) e dos demais autores apontados nesta revisão de literatura. Identificou-se ainda que estes trabalhos são pouco específicos nas questões financeiras e de governança corporativa e, portanto, a necessidade de incorporar ao quadro referencial teórico um maior detalhamento destes benefícios. O impacto financeiro de um ERP pode ser medido pela análise de indicadores financeiros, obtidos a partir das demonstrações financeiras e contábeis das empresas (WESTON e BRIGHAM, 2008; ASSAF NETO, 2006). Alguns estudos têm medido o impacto da implantação de um ERP nos resultados de uma empresa. Wieder et al. (2006), por exemplo, analisaram o retorno sobre ativos (ROA), retorno sobre investimentos (ROI) e retorno sobre vendas (ROS). Além destes indicadores, incluíram também o percentual de crescimento de vendas, redução de custos e analisaram o fluxo de caixa. A análise foi aplicada em 102 empresas australianas que implantaram ERPs e os principais resultados contradizem as afirmações de fornecedores ERPs, na medida em que não

23 21 foram encontradas diferenças significativas de desempenho entre os ERPadotantes e não-adotantes. Lu e Jinghua (2012), de forma complementar, analisaram os efeitos moderadores de governança corporativa, diversificação e crescimento da indústria no desempenho financeiro pós ERP. Em amostra de 137 empresas usuárias de ERP e listadas em bolsas nos EUA de 1998 a 2007, os autores utilizaram o retorno sobre ativos (ROA) como variável dependente e definiram o grau de governança corporativa, diversificação e crescimento da indústria, além do tamanho e estrutura de capital da empresa como variáveis independentes. Via regressão, identificaram que empresas com maior nível de governança corporativa tiveram melhor ROA do que empresas com baixo nível de governança, no pós-implantação. Por outro lado, empresas com alto grau de diversificação tiveram resultados piores do que empresas com pouca ou nenhuma diversificação, enquanto em mercados com bom crescimento o ROA foi melhor do que os de empresas em mercado com pouco ou nenhum crescimento. Hassab Elnaby et al (2012), em estudo semelhante, investigaram o efeito mediador tanto da estratégia de negócios quanto das capacidades organizacionais das empresas. Para tal, buscaram entender a relação entre o ROA e estas variáveis a partir da análise de dados financeiros de 469 empresas americanas que efetuaram implantação de ERPs. Concluem que ERPs têm um significante e positivo impacto em empresas que têm estratégias de prospecção de negócios e que um ERP não apenas é útil para o controle de custos, mas que também contribui para o desenvolvimento de novos produtos. No Brasil, Faria (2010) buscou identificar em que nível investimentos em TI impactam no resultado, a partir da análise do retorno operacional (ROP) de bancos em relação a seus investimentos em TI e em pessoal. A partir de uma análise cross-section, identificou que em todos os anos do período de 1997 a 2008, os investimentos em TI, bem como os gastos com pessoal, tiveram impacto positivo no resultado operacional dos bancos no Brasil.

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Controlar. Otimizar. Crescer.

Controlar. Otimizar. Crescer. Controlar. Otimizar. Crescer. Neste material de suporte, você encontrará informações de SAM para: Novos Líderes de Tecnologia Fusões e Aquisições True-Up Assist Serviço Microsoft EAP Assist Assuma o controle

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Também conhecida como Governança Empresarial " os mecanismos ou

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA

O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA Como tudo começou GIDEONI SILVA CONSULTOR BI & CRM Analista de Sistemas e Green Belt Six Sigma Experiência de 15 anos em projetos executados de Business

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação slide 1 3.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como o modelo das cinco forças competitivas

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais Sistemas ERP Prof. Breno Barros Telles do Carmo Conceitos Iniciais Sistema de Informação adquirido em forma de pacotes comerciais de software que permite a integração de dados de sistemas de informação

Leia mais

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Como saber o momento certo para investir em um ERP?... 6 >> Como um sistema ERP pode me ajudar na prática?... 11 >> O que preciso

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA OS NEGÓCIOS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA OS NEGÓCIOS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARA OS NEGÓCIOS O QUE É GESTÃO DE NEGÓCIOS? Existem, pelo menos, duas formas de administrar ou gerir os negócios de uma empresa: a forma tradicional

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão Sistemas de Informação Markoni Heringer 2013 Módulo 7 ERP Sistemas Integrados de Gestão 1 Algumas considerações iniciais Estoque e Gerenciamento de Materiais O gerenciamento de estoques torna-se cada vez

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA IT Asset Manager como gerenciar o ciclo de vida de ativos, maximizar o valor dos investimentos em TI e obter uma exibição do portfólio de todos os meus ativos? agility made possible

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

A consumerização do comércio multi canal B2B

A consumerização do comércio multi canal B2B A consumerização do comércio multi canal B2B A consumerização de TI é um assunto em evidência pelo fato de as organizações estarem sob crescente pressão para abrir as redes corporativas aos dispositivos

Leia mais

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL NATAL RN 2013 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO Sistema de gestão ERP GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

Gestão do Valor Tecnológico

Gestão do Valor Tecnológico Maison do Conhecimento Grupo ECC Gestão do Valor Tecnológico A Tecnologia Gerenciada como Ativo CONFIDENCIAL Sobre o Grupo ECC www.grupoecc.com.br O grupo é formado por empresas de consultoria, tecnologia,

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais