ZEE ZONEAMENTO ECOLÓGICO ECONÔMICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ZEE ZONEAMENTO ECOLÓGICO ECONÔMICO"

Transcrição

1 ZEE ZONEAMENTO ECOLÓGICO ECONÔMICO DIRETORIA DE GESTÃO TERRITORIAL DHT DEGET Departamento de Gestão Territorial Simpósio Latino Americano de Ciência, Tecnologia e Inovação em Agropecuária.

2 ORIGEM DO ZEE Zoneamento Ecológico-Econômico(ZEE) - Decreto , de 12/10/88, quando o Governo Federal, instituiu o Programa de Defesa do Complexo de Ecossistemas da Amazônia Legal - Programa Nossa Natureza (SAE) Diretrizes Metodológicas

3 HISTÓRICO Becker & Egler (1996) - Conceito de zonas ecológicoeconômicas: 1- ecológica, que reflete as limitações e potencialidades do uso sustentável dos recursos naturais; 2- econômica, que manifesta as aspirações de desenvolvimento humano da sociedade. - Concepção de unidades eco dinâmicas propostas por TRICART (1977), que define os ambientes como estáveis; instáveis; e fortemente instáveis(vulnerabilidade do território).

4 CONCEITO DO ZEE Zoneamento Ambiental é classificação de um território, de forma a definir zonas homogêneas, segundo critérios ou objetivos préestabelecidos. Forma de linguagem entre os diversos atores que desenvolvem, utilizam e também aqueles que são afetados pelas ações baseadas no ZEE.

5 CONCEITO DO ZEE ZEE é um instrumento técnico e político para o planejamento das diversas esferas de governo, para a gestão do território e para o fortalecimento institucional e da participação social. Instrumento de fé pública, essencial na negociação e harmonização dos interesses entre as várias esferas de governo e a sociedade; amoldado à intermediação dos conflitos de interesse, mormente quando se trata dos setores interessados na apropriação de recursos ambientais

6 CONCEITO DO ZEE É um sistema de APOIO ao DIAGNÓSTICO das condições ambientais, de CLASSIFICAÇÃO das potencialidades e capacidades do meio ambiente, de SUPORTE À DECISÃO para a escolha de modelos econômicos sustentáveis e de MONITORAMENTO quanto à ocupação e uso destinado aos territórios. Tendo essas características e finalidade, ele deve ser equiparado aos SISTEMAS PÚBLICOS essenciais, como educação, saúde, limpeza, segurança, etc., constituindo-se, portanto, numa ATIVIDADE DE ESTADO.

7 OBJETIVOS DO ZEE Apoiar a tomada de decisões, concernentes ao uso e ocupação territorial, que levem à adoção de modelos sustentados de desenvolvimento. Comestavisão,éuminstrumentodinâmico,quenão se exaure em relatórios estáticos, mas na implantação de um sistema de consulta e assessoria.

8 COMPONENTES DO MEIO AMBIENTE BIÓTICO - Geologia - Geomorfologia - Solos - Vegetação - Clima - Hidrologia - Biodiversidade - Geoquímica ambiental - Economia ambiental SOCIOECONÔMICO - Potencial humano - Potencial produtivo - Potencial natural - Potencial político-institucional - Antropologia - Valores éticos-culturais - Cenários Vulnerabilidade natural Potencialidade social

9 ECÓTOPO UNIDADE DE PAISAGEM ROCHA SOLO RELEVO COBERTURA VEGETAL (espécies predomin.) USO DA TERRA LOCALIZAÇÃO TABULEIRO 4 (TOPO) Dunas aplainadas Areias soltas, esbranquiçadas, averm elhadas bem classificadas, arredondadas. Plano, abaulado Neossolos Quartzarênicos (Areias Quartzosas Marinhas). Cam po cerrado: vegetação esparsa, com predom inância do estrato arbustivo: favela, barbatim ão, angelim, pauterra, faveira, gram ínea agreste. Pequeno:agrícola pastoril. e Ex. na parte alta dos Igarapé Canabrava e Mam orana TABULEIRO 3 (Barreiras?) Areias soltas, averm elhadas, m al classificadas. Ram pa suave Neossolos Quartzarênicos (Areias Quartzósas). Cerrado: vegetação densa com estrato arbustivo predom inante. Pequeno: agrícola de pastoril. Ex. na parte alta dos Igarapé Canabrava e Mam orana TABULEIRO 2 Lateritos silicificados arenoso-argilosos Latossolos Am arelos Ram pa suave Cerradão e m ata subcaducifólia: Muito utilizado para habitação,culturas de subsistência, árvores frutíferas e criação de gado. Exploração florestal. Ex. na parte alta dos Igarapé Canabrava e Mam orana TABULEIRO 1 Form ação Barreiras Argissolos Acinzentados (Podzólicos Acinzentados), Planossolos e Plintossolos Rebordos em form a de U aberto. Mata Úm ida vegetação ciliar ( capão ): Buriti, vegetação do tipo canela de velho, catingueira, am argoso, pau d arco, Angelim, Muito utilizado, para pequenas culturas de subsistência, frutíferas e criação de anim ais dom ésticos. Ex. na parte alta dos Igarapé Canabrava e Mam orana. TABULEIRO Argissolos Am arelos (Pdzólicos Am arelos) e Rochas da Latossolos form ação Barreiras, Am arelos Plano suavem ente rochas cristalinas desenvolvidos sobre ondulado antigas, lateritos as rochas da silico-ferruginos. form ação Barreiras e dos granitos e gnaisses pré- Cam brianos. Catinga litorânea. Agricultura irrigada e de subsistência, pecuária, e Zona de contato pastoreio. Exploração transicional, entre os m ineral, pesca e sistem as costeiros e piscicultura, turism o e continentais. lazer.

10 SÍNTESE Ambiente Antrópico Ambiente Natural Potencialidade social Ecodinâmica social Diagnóstico social Vulnerabilidade à degradação ambiental Ecodinâmica natural Vulnerabilidade natural à degradação P O T E N C I A L I D A D E S O C I A L % consolidação conservação expansão recuperação VULNERABILIDADE (%)

11 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MINERAÇÃO AGRICULTURA PECUÁRIA TURISMO EXTRATIVISMO

12 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Pode ser entendido, QUALITATIVAMENTE, como aquele que preserva o ambiente para as próximas gerações. Tem que ser estabelecido, QUANTITATIVAMENTE, como a taxa de exploração de todos os recursos que resulte na manutenção do componentes vitais e que conduza a uma saída de E/M que não desequilibre os sistemas vizinhos. Deverá ser aceito, SOCIALMENTE, se vier ao encontro dos parâmetros éticos e culturais VIGENTES.

13 UNIDADES ECOLÓGICAS-ECONÔMICAS SUSTENTÁVEIS Fonte: ZEE Peru 2006

14 Fluxo do ZEE

15 IMPACTOS Matriz de impactos, sociais, econômicos e ambientais contas ambientais Avaliação custo/beneficio: cenários junto com modelos Seleção de oportunidades (arranjos produtivos)

16 Passado Futuros Possíveis Futuros Plausíveis Futuros Prováveis Presente

17 PRODUTOS FINAIS DO ZEE Carta de Vulnerabilidade. Carta de Potencialidade social. Carta de Subsídios à Gestão Territorial. Conjunto de Mapas Temáticos Banco de dados Relatórios

18 RELAÇÃO ZEE X PLANOS Planos de Desenvolvimento ZEE Planos Planos de Gestão Territorial Planos de Ordenamento Diretores Municipais Planos de Gestão Ambiental Planos de Bacia Hidrográfica

19 ENFOQUE NÍVEL DE ZEE ABRANGÊNCIA TERRITORIAL NÍVEL POLÍTICO-ADMNISTRATIVO ESCALA DE REPRESENTAÇÃO ESPACIAL ESTRATÉGICO (POLÍTICO) CONTINENTAL NACIONAL/ REGIONAL FEDERAL FEDERAL/ ESTADUAL 1: / 1: : / ESTADUAL ESTADUAL/ MUNICIPAL 1: / 1: TÁTICO (OPERACIONAL) MUNICIPAL MUNICIPAL 1: / 1: LOCAL DISTRITAL 1:25.000/ 1:1.000

20

21 ZEE ESTADUAIS FASES PLANEJAMENTO DIAGNÓSTICO PROGNÓSTICO PROPOSTA DE GESTÃO

22 ZEE ESTADUAIS FASES PLANEJAMENTO DIAGNÓSTICO PROGNÓSTICO PROPOSTA DE GESTÃO

23 ZEE ESTADUAIS FASES PLANEJAMENTO DIAGNÓSTICO PROGNÓSTICO PROPOSTA DE GESTÃO

24 ZEE ESTADUAIS FASES PLANEJAMENTO DIAGNÓSTICO PROGNÓSTICO PROPOSTA DE GESTÃO

25 ZEE/CPRM ZEE da Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno RIDE ZEE da Região Central do Estado de Roraima ZEE Brasil / Bolívia ZEE Brasil / Colômbia ZEE Brasil / Venezuela ZEE Brasil / Peru ZEE Baixo Parnaíba ZEE Suframa - Distrito Agropecuário da Zona Franca de Manaus ZEE APA Sul (Área de Proteção Ambiental da Região Metropolitana de Belo Horizonte) ZEE da Área de Influência da BR-163 ZEE da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco Macrozoneamento da Bacia do Parnaíba

26 ZEE/CPRM Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno RIDE 1: Aptidão Agrícola Formações Superficiais Geoambiental Geológico Geomorfológico Geoquímica Hidrogeológico Materiais para Construção Civil, Insumos Agrícolas e Outros Rede Hidrometeorológica Solos Uso Atual do Solo, Cobertura Vegetal e Unidade de Conservação

27

28

29

30

31

32 Região periurbana de Brasiléia, a oeste da imagem anterior, observando-se a transição para terrenos morfologicamente mais acidentados, frágeis do ponto de vista da capacidade de suporte à intervenção. PERFIL NA RODOVIA ASSIS BRASIL BRASILÉIA - AC

33

34 PARTICIPAÇÃO DA CPRM - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL -

35 Edgar Shinzato Eng. Agrônomo Coordenador Executivo do DEGET Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais Diretoria de Hidrologia e Gestão Territorial DEGET Departamento de Gestão Territorial Escritório Rio de Janeiro: Av. Pasteur, Urca Rio de Janeiro - RJ - Cep: Tel.: Fax:

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 82, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

RESULTADOS E APRENDIZADOS PARA A GESTÃO COSTEIRA BRASILEIRA. III Seminário Internacional Projeto SMC-Brasil Brasília, 03 de novembro de 2014.

RESULTADOS E APRENDIZADOS PARA A GESTÃO COSTEIRA BRASILEIRA. III Seminário Internacional Projeto SMC-Brasil Brasília, 03 de novembro de 2014. RESULTADOS E APRENDIZADOS PARA A GESTÃO COSTEIRA BRASILEIRA III Seminário Internacional Projeto SMC-Brasil Brasília, 03 de novembro de 2014. Eixos de ação do MMA no Gerenciamento Costeiro Diretriz: Visão

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

6º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos

6º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos 6º Seminário de Capacitação em Atração de Investimentos Brasília, 22 de outubro, 2015 Roteiro I. Atuação da Renai II. Parceria Renai Secretarias Estaduais III. Atividades Previstas Parte I O que é a Renai?

Leia mais

Desmatamento anual na Amazônia Legal (1988 2015)

Desmatamento anual na Amazônia Legal (1988 2015) Março 2016 4.571 7.464 7.000 6.418 5.891 5.012 5.831 11.030 11.651 13.730 13.786 13.227 12.911 14.896 14.896 14.286 16.531 17.770 18.161 17.383 17.259 18.226 18.165 19.014 21.050 21.651 25.396 27.772 Desmatamento

Leia mais

FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica. FASE B Prognóstico da Bacia Hidrográfica

FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica. FASE B Prognóstico da Bacia Hidrográfica Conteúdo deste documento Abrangência e escopo do trabalho FASE A Diagnóstico da Bacia Hidrográfica A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural A.3 -

Leia mais

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Linhas de Financiamento para Reconstrução e Mitigação de Mudanças Climáticas Fortalecimento de estratégias e produtos financeiros

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 2: Piloto do Monitoramento do PPA 2012-2015 - Programa Mudanças Climáticas) Professor:

Leia mais

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CAMPO LARGO, 15 DE ABRIL DE 2013 Cartografia Cartografia é o conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseado

Leia mais

Hidrovias: Uma visão do futuro

Hidrovias: Uma visão do futuro Hidrovias: Uma visão do futuro Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 18 de agosto de 2010 I Seminário Portuário Público Privado Latino-Americano Hidrovias: Uma visão do futuro Slide

Leia mais

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS O Plano de Controle Ambiental Simplificado deverá conter

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL PROGRAMA ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO BALANÇO / ANO 2007

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL PROGRAMA ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO BALANÇO / ANO 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL PROGRAMA ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO BALANÇO / ANO 2007 O Programa ZEE preparou, durante o ano de 2007, as

Leia mais

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias Descrição geral - Trabalho técnico de Economia, Engenharia, Ciências do Meio Ambiente, Estatística, Geografia, Ciências Sociais

Leia mais

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL Ideias Centrais Metodologia de Construção do Programa Quatro instâncias: 1. Fóruns de discussão regionalizados Um coordenador regional; Espaço de discussão permanente; Diálogo

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX

Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre Pró-Reitoria de Extensão - PROEX ANEXO 1 FORMULÁRIO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DE PROJETO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA DO PROJETO 1.1 Área temática (ver Anexo 1.1) 1.2 Linha de extensão (informar em qual (is) linha(s) se enquadra

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Paraguai Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios No Paraguai, as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) podem ser classificadas

Leia mais

Órgãos de desenvolvimento regional: Nordeste: SUDENE (1959); Norte: SUDAM (1966); Centro-Oeste: SUDECO (1967); Sul: SUDESUL (1967).

Órgãos de desenvolvimento regional: Nordeste: SUDENE (1959); Norte: SUDAM (1966); Centro-Oeste: SUDECO (1967); Sul: SUDESUL (1967). Prof. Clésio Revolução de 1930 implementação das indústrias de base e fortalecimento das indústrias de bens de consumo (Sudeste); Governo JK (1956-1961) concentração espacial da indústria no Sudeste

Leia mais

PROGRAMA INSTITUIÇÃO E-MAIL COORDENADORES LINHAS DE PESQUISA Estudos Urbanos e Regionais. USP-GF/SP - coordpgf@usp.br 5- Emerson Galvani

PROGRAMA INSTITUIÇÃO E-MAIL COORDENADORES LINHAS DE PESQUISA Estudos Urbanos e Regionais. USP-GF/SP - coordpgf@usp.br 5- Emerson Galvani PROGRAMA INSTITUIÇÃO E-MAIL COORDENADORES LINHAS DE PESQUISA Estudos Urbanos e Regionais PUC/MG infoespa@pucminas.br 1- Alexandre Magno Alves Diniz UFBA/BA pggeogr@ufba.br 2- Catherine Prost UFC/CE posgeog@ufc.br

Leia mais

Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs

Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs Papel dos Bancos de Desenvolvimento e das Agências de Fomento no apoio aos APLs Brasília, abril de 2014 Sumário da Apresentação Política Nacional de Desenvolvimento Regional PNDR; Programa Rotas de Integração

Leia mais

Encontro Nacional de ZIF. António Louro

Encontro Nacional de ZIF. António Louro Encontro Nacional de ZIF António Louro Seia, 30 de Abril de 2013 Minifúndio e População ZIF Aldeia de Eiras 1047 hectares - 1542 propriedades - 515 proprietários - 0,7ha de dimensão média da propriedade

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Comunicação e tecnologia. Aula 9.1 Conteúdo: A urbanização brasileira.

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais Governo do Estado de São Paulo

Pagamentos por Serviços Ambientais Governo do Estado de São Paulo Pagamentos por Serviços Ambientais Governo do Estado de São Paulo Perspectivas Política Estadual de Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) Princípios gerais: Criação de programas estaduais Focos principais:

Leia mais

RAZÕES QUE JUSTIFICAM A PRORROGAÇÃO DA ZFM.

RAZÕES QUE JUSTIFICAM A PRORROGAÇÃO DA ZFM. RAZÕES QUE JUSTIFICAM A PRORROGAÇÃO DA ZFM. Razões: 1. Nós defendemos a prorrogação da ZFM como diferencial de tratamento tributário, para suprir as inúmeras dificuldades e obstáculos na promoção do desenvolvimento

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Produto Interno Bruto Trimestral do Estado do Amazonas 4º Trimestre de 2014 Março de 2015 GOVERNADOR

Leia mais

SÍNTESE PARA INTERNET

SÍNTESE PARA INTERNET PNIA / Síntese para Internet Indicador TSO 3.1-1/8 MMA Ministério do Meio Ambiente PNIA PAINEL NACIONAL DE INDICADORES AMBIENTAIS Indicadores Nacionais SÍNTESE PARA INTERNET Indicador: TSO 3.1 Terras e

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DA PARAÍBA

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DA PARAÍBA ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO MEIO AMBIENTE SECTMA AGÊNCIA EXECUTIVA DE GESTÃO DAS ÁGUAS DO ESTADO DA PARAÍBA - AESA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 I. OBJETO Regulamentação da Lei n o 4.791 de 02/04/2008, que dispõe sobre

Leia mais

AGENDA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA

AGENDA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Gerência de Gestão Ambiental Urbana e Territorial AGENDA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA Cidades Sustentáveis são pautadas em três

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

Mudanças Climáticas e Desertificação: Implicações para o Nordeste. Antonio R. Magalhães Agosto 2007

Mudanças Climáticas e Desertificação: Implicações para o Nordeste. Antonio R. Magalhães Agosto 2007 Mudanças Climáticas e Desertificação: Implicações para o Nordeste Antonio R. Magalhães Agosto 2007 ROTEIRO Introdução Definições Cenários Impactos Adaptação e Mitigação Vulnerabilidade Desenvolvimento

Leia mais

FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS MILITARES

FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS MILITARES FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS MILITARES Instruções para acesso ao sistema Acessar Serviços on line no site do Ibama e clicar e cadastro, abre a

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Audiência Pública O PLANO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO (PDA) E A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO MATOPIBA (MARANHÃO,

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL. Módulo 46 Livro 2 páginas 211 a 216

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL. Módulo 46 Livro 2 páginas 211 a 216 DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL Módulo 46 Livro 2 páginas 211 a 216 Dentre os diversos tipos de clima e relevo existente no Brasil, observamos que os mesmos mantêm grandes relações,

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

Turismo de Natureza no Alto Minho:

Turismo de Natureza no Alto Minho: SEMINÁRIO FINAL VALOR GERÊS-XURÉS Turismo de Natureza: Balanço e Perspetivas 2014-2020 António Sá Melgaço, Porta de Lamas de Mouro 16 de dezembro de 2014 Turismo de Natureza no Alto Minho: Balanço 2007-2013

Leia mais

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Coordenação Geral do Planejamento e Gestão Revisão do Plano Diretor de Belém (Lei nº 7.603/93) 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA,

Leia mais

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Programa: 0252 - CAPTAÇÃO E DIFUSÃO DE NOTÍCIAS Objetivo: Divulgar material jornalístico sobre os atos governamentais nos campos social, político, econômico, educativo,

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica Relatório Ambiental. PGRH-Açores 2016-2021. Anexo I

Avaliação Ambiental Estratégica Relatório Ambiental. PGRH-Açores 2016-2021. Anexo I Anexo I Diretivas Diretiva Quadro da Água (DQA) Diretiva Quadro Estratégia Marinha (DQEM) Diretiva 2000/60/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de outubro de 2000, que estabelece um quadro de

Leia mais

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES PROPOSTAS PRIORITÁRIAS: 1. PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL Criar o Conselho Estadual da cidade e apoiar a criação dos conselhos municipais, de forma paritária, de caráter

Leia mais

NOVO MAPA NO BRASIL?

NOVO MAPA NO BRASIL? NOVO MAPA NO BRASIL? Como pode acontecer A reconfiguração do mapa do Brasil com os novos Estados e Territórios só será possível após a aprovação em plebiscitos, pelos poderes constituídos dos respectivos

Leia mais

AGRICULTURA CONSERVACIONISTA

AGRICULTURA CONSERVACIONISTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL FAEM DEPARTAMENTO DE SOLOS AGRICULTURA CONSERVACIONISTA MARIA CÂNDIDA M. NUNES nunes.candida@gmail.com UFPEL

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida Projeto Nascentes Urbanas MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida O projeto Nascentes Urbanas conjuga ações de recuperação e preservação ambiental, abrange o

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2013 95 ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2013 95 ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 95 ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br 96 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro Ambiental ATUAÇÃO O curso de Engenharia Ambiental da UFV habilita

Leia mais

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo Condicionalidades e Obrigações Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro Santarém 28 de fevereiro de 2015 Agenda 1. Definição

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE. Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas.

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE. Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas Proinfância B e C Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE O FNDE é

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

O BANCO DE DADOS. QUADRO I- Formas de acesso às informações disponíveis no Banco de Dados

O BANCO DE DADOS. QUADRO I- Formas de acesso às informações disponíveis no Banco de Dados Esta publicação é um produto do Banco de Dados que o Programa Gestão Pública e Cidadania vem construindo desde 1996 a fim de reunir informações sobre os programas inscritos em todos os ciclos de premiação.

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO GABINETE DO PREFEITO Anexo A Minuta de acompanhamento Parcial do Protocolo de Intenções PROGRAMA PBA JIRAU LOCALIDADE VALOR (R$) Status I PROGRAMA DE COMPENSAÇÃO SOCIAL 16.300.000,00 1) Subprograma de Apoio ao Município 10.300.000,00

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA A CONSOLIDAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CT&I PARA O NORDESTE

ESTRATÉGIAS PARA A CONSOLIDAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CT&I PARA O NORDESTE ESTRATÉGIAS PARA A CONSOLIDAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CT&I PARA O NORDESTE - Articulação Nacional em Tecnologia Social - Grupo de Trabalho do Terceiro Setor - Secretaria de Ciência e Tecnologia e Inclusão

Leia mais

ANEXO EIXOS TECNOLÓGICOS

ANEXO EIXOS TECNOLÓGICOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DESPACHO DO MINISTRO (*) Em 31 de maio de 2007 Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de 1995, o Ministro de Estado da Educação, HOMOLOGA o

Leia mais

Taller sobre Agendas Cartográficas Propuesta para la constitución de um GTE

Taller sobre Agendas Cartográficas Propuesta para la constitución de um GTE Taller sobre Agendas Cartográficas Propuesta para la constitución de um GTE João Bosco de Azevedo Diretoria de Geociências Sumário Necessidades Posicionamento Preciso Tomada de Decisão Além das Fronteiras

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO: 08/2010 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE CONTRATANTE:

Leia mais

Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA

Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA Caio Tibério Dornelles da Rocha Secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1

Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1 Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1 Elisabete Weber Reckziegel 2, Luís Eduardo de Souza Robaina 3 2 Laboratório de Geologia Ambiental (LAGEOLAM)/UFSM

Leia mais

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO UF / Ação de Governo Valor a ser Fiscalizado AC R$ 99.891.435,79 Apoio à Alimentação Escolar na Educação Básica (PNAE) R$

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Deputado Félix Mendonça Júnior) Cria o Selo Verde Cacau Cabruca. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica criado o Selo Verde Cacau Cabruca, com

Leia mais

ANEXO I CURSO: ADMINISTRAÇÃO - EQUIVALÊNCIAS

ANEXO I CURSO: ADMINISTRAÇÃO - EQUIVALÊNCIAS ANEXO I CURSO: ADMINISTRAÇÃO - EQUIVALÊNCIAS DISCIPLINA ADM009 - Informática Básica - CON001 - Informática Básica - /Ciências Contábeis ADM010 - Metodologia Científica - ADM042 - Metodologia Científica

Leia mais

O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA

O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA Autora: Ângela Maria Soares UFTM Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO ABORDAGENS METODOLÓGICAS NA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO Eng.ª Gabriela de Toledo, Msc Saneando Projetos de Engenharia e Consultoria Salvador/BA, 17 de Julho de 2015 METODOLOGIA:

Leia mais

GRUPO 1. WORKSHOP: PD&I Fluminense

GRUPO 1. WORKSHOP: PD&I Fluminense GRUPO 1 GRUPO 1 Nátia Élen Áuras - Embrapa Agrobiologia Célio de Freitas - Embrapa Gado de Leite José Francisco Lumbreras Embrapa Solos Maria Elizabeth Correia - Embrapa Agrobiologia José Ronaldo de Macedo

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

O Desenvolvimento Sustentável na Ótica da Agricultura Familiar Agroecológica: Uma Opção Inovadora no Assentamento Chico Mendes Pombos - PE Brasil

O Desenvolvimento Sustentável na Ótica da Agricultura Familiar Agroecológica: Uma Opção Inovadora no Assentamento Chico Mendes Pombos - PE Brasil O Desenvolvimento Sustentável na Ótica da Agricultura Familiar Agroecológica: Uma Opção Inovadora no Assentamento Chico Mendes Pombos - PE Brasil BRASILEIRO, Robson Soares 1 Universidade Federal de Pernambuco-UFPE

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS PONTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO GEOLÓGICO-ECOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES -RJ

ESPACIALIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS PONTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO GEOLÓGICO-ECOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES -RJ ESPACIALIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS PONTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO GEOLÓGICO-ECOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES -RJ MARIA DA GLÓRIA ALVES 1 JOSUÉ ALVES BARROSO 1 IZABEL DE SOUZA RAMOS

Leia mais

Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF. Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba

Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF. Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba O que é Codevasf? Criada em 1974, a Codevasf é uma empresa pública responsável

Leia mais

Relatório de Atividades

Relatório de Atividades 1 Relatório de Atividades 2005 I- Introdução A Fundação Fé e Alegria do Brasil é uma sociedade civil de direito privado, de ação pública e sem fins lucrativos, com sede a Rua Rodrigo Lobato, 141 Bairro

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO TERRITORIAL NO ESTADO DA BAHIA. Agosto - 2012

ADMINISTRAÇÃO TERRITORIAL NO ESTADO DA BAHIA. Agosto - 2012 ADMINISTRAÇÃO TERRITORIAL NO ESTADO DA BAHIA Agosto - 2012 Introdução SUPERINTENDÊNCIA DE INFORMAÇÕES ECONÔMICAS E SOCIAIS DA BAHIA / SEI autarquia da Secretaria do Planejamento do Estado (SEPLAN) principal

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação Profissional: Habilitação Profissional Técnica

Leia mais

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Alcançar e manter índices ótimos de produtividade florestal é o objetivo principal do manejo

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO EM AGROSSILVICULTURA E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ESTUDO DE CASO EM JOANÓPOLIS SP

EXPERIMENTAÇÃO EM AGROSSILVICULTURA E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ESTUDO DE CASO EM JOANÓPOLIS SP EXPERIMENTAÇÃO EM AGROSSILVICULTURA E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ESTUDO DE CASO EM JOANÓPOLIS SP Pesquisadores Convidados Eng. Agr. Msc. André Toshio V. Iamamoto Eng. Eng. Agr. Marina Souza Dias Guyot Ftal. Msc.João

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Suporte ao desenvolvimento da Rede Saúde & Diplomacia Seguimento

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Etrativista Chico Mendes Termo de Referência nº 2013.0930.00039-8 1 Identificação Contratação de consultoria

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA Nº 016/09

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA Nº 016/09 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) 1 RESOLUÇÃO COEMA Nº 016/09 Publicada no DOE Nº. 4634 de 04/12/2009. Regulamenta as pesquisas científicas nas Unidades de Conservação

Leia mais

Modelagem De Sistemas

Modelagem De Sistemas Modelagem De Sistemas UNIP Tatuapé - SP Aplicações em Linguagem de Programação Prof.Marcelo Nogueira Uma empresa de software de sucesso é aquela que consistentemente produz software de qualidade que vai

Leia mais

Inteligência Competitiva (IC)

Inteligência Competitiva (IC) (IC) Habilidade e capacidade de usar o conhecimento para buscar uma posição competitiva. Inteligência Competitiva (IC) é um processo sistemático e ético, ininterruptamente avaliado com identificação, coleta,

Leia mais

Abrange os estados: AM, PA, AP, AC, RR, RO, MT, TO, MA. Planícies e baixos planaltos. Bacia hidrográfica do Rio Amazonas

Abrange os estados: AM, PA, AP, AC, RR, RO, MT, TO, MA. Planícies e baixos planaltos. Bacia hidrográfica do Rio Amazonas MÓDULO 04 PARTE II LOCALIZAÇÃO RELEVO PREDOMINANTE Abrange os estados: AM, PA, AP, AC, RR, RO, MT, TO, MA Planícies e baixos planaltos HIDROGRAFIA SOLO CLIMA VEGETAÇÃO Bacia hidrográfica do Rio Amazonas

Leia mais

Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba

Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba Cursos de capacitação em gestão de águas na Bacia do Rio Paranaíba Paulo Salles Universidade de Brasília psalles@unb.br 5 a Reuniao da Camara Tecnica Rio Quente, 7-8 de maio de 2009 Esta apresentação Objetivos

Leia mais

O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009

O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009 O BNDES no Apoio a APLs de Baixa Renda 28/10/2009 BNDES - Estados: Objetivos do Apoio Complementar o apoio financeiro dos estados a empreendimentos solidários de baixa renda Contribuir para a redução de

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei, denominada

Leia mais

Minuta Circular Normativa

Minuta Circular Normativa Minuta Circular Normativa 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo a) Estabelecer princípios e diretrizes para orientar as ações de natureza socioambiental nos negócios da Desenbahia e no seu relacionamento com clientes

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

Demarest Advogados Seminário Agronegócio: Agenda Regulatória

Demarest Advogados Seminário Agronegócio: Agenda Regulatória Demarest Advogados Seminário Agronegócio: Agenda Regulatória São Paulo, 25 de fevereiro de 2015 1 CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE APP RESERVA LEGAL RL PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO

Leia mais

MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL. Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL. Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTRUÇÃO NORMATIVA N, DE DE DE 2007. A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2009

PROJETO DE LEI N o, DE 2009 PROJETO DE LEI N o, DE 2009 (Da Sra. VANESSA GRAZZIOTIN) Cria o Selo Verde Preservação da Amazônia para produtos oriundos da Zona Franca de Manaus (ZFM), e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Pesquisa Nacional de Tráfego

Pesquisa Nacional de Tráfego Pesquisa Nacional de Tráfego Secretaria de Política Nacional de Transportes Departamento de Informações em Transportes DEINT Junho de 2015 Ministério dos Transportes Agenda 1. Processo de Planejamento

Leia mais

Mineração brasileira perspectivas e desafios. Geólogo Elmer Prata Salomão

Mineração brasileira perspectivas e desafios. Geólogo Elmer Prata Salomão Mineração brasileira perspectivas e desafios Geólogo Elmer Prata Salomão SUMÁRIO A MINERAÇÃO VISTA PELA SOCIEDADE O NOVO MARCO LEGAL DA MINERAÇÃO A EXPLORAÇÃO MINERAL NO BRASIL 2 A MINERAÇÃO VISTA PELA

Leia mais

3/19/2013 EQUIPAMENTOS. Trator de lâmina D9T. Caminhão basculante. Escavadeira hidráulica

3/19/2013 EQUIPAMENTOS. Trator de lâmina D9T. Caminhão basculante. Escavadeira hidráulica Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Disciplina: Estradas e Transportes II TERRAPLENAGEM DE RODOVIAS

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

Levantamento de Governança de TI 2016 379 organizações selecionadas

Levantamento de Governança de TI 2016 379 organizações selecionadas Levantamento de Governança de TI 2016 379 organizações selecionadas Organizações ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO AGÊNCIA BRASILEIRA DE INTELIGÊNCIA AGÊNCIA BRASILEIRA GESTORA

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 226-MA

FICHA PROJETO - nº 226-MA FICHA PROJETO - nº 226-MA Mata Atlântica Grande Projeto Chamada 03 1) TÍTULO: Apoio a criação de Unidades de Conservação na Floresta Atlântica de Pernambuco. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Água Preta,

Leia mais

IV FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA A AMAZÔNIA E AS INICIATIVAS NO MERCOSUL PARA A INTEGRAÇÃO DE ROTEIROS TURÍSTICOS

IV FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA A AMAZÔNIA E AS INICIATIVAS NO MERCOSUL PARA A INTEGRAÇÃO DE ROTEIROS TURÍSTICOS IV FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA A AMAZÔNIA E AS INICIATIVAS NO MERCOSUL PARA A INTEGRAÇÃO DE ROTEIROS TURÍSTICOS ORENI BRAGA PRESIDENTE DA EMPRESA ESTADUAL DE TURISMO DO AMAZONAS - AMAZONASTUR SETEMBRO

Leia mais

ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ.

ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ. ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ. ANGEL LOO 1 e CLIBSON ALVES DOS SANTOS 2 angeel.loo@hotmail.com, clibsonsantos@gmail.com 1 Estudante

Leia mais

EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos

EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Brasília, 09 de dezembro de 2009 Objetivos do estudo: Ilustrar com o

Leia mais

A Governança do Acesso ao Patrimônio Genético e aos Conhecimentos Tradicionais Associados no Cenário Nacional

A Governança do Acesso ao Patrimônio Genético e aos Conhecimentos Tradicionais Associados no Cenário Nacional Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento do Patrimônio Genético A Governança do Acesso ao Patrimônio Genético e aos Conhecimentos Tradicionais Associados no Cenário Nacional MP 2186-16 de

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações.

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. Levando em considerações os aspectos sociais, econômicos e ambientais, o Sistema Federação

Leia mais

RELATORIO DE ATENDIMENTO

RELATORIO DE ATENDIMENTO DATA / HORA DA OCORRÊNCIA: 18 / 01 / 2015 às 18h DIRETORIA DE INFORMAÇÃO, MONITORAMENTO E FISCALIZAÇÃO - DIMFIS CENTRO DE INFORMAÇÃO DE EMERGÊNCIAS AMBIENTAIS - CIEM SERVIÇO DE OPERAÇÕES EM EMERGÊNCIAS

Leia mais