UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL LEIDILANE DE OLIVEIRA HONORATO A CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES (CUT) NO EMBATE DAS CONTRARREFORMAS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL: contraposição ou consenso? NATAL/RN 2010

2 1 LEIDILANE DE OLIVEIRA HONORATO A CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES (CUT) NO EMBATE DAS CONTRARREFORMAS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL: contraposição ou consenso? Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação em Serviço Social, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Serviço Social. Orientadora: Profª. Dra. Odília Sousa de Araújo NATAL/RN 2010

3 2

4 3 AGRADECIMENTOS Na realização desse trabalho muitas pessoas foram de grande relevância para concretização desse estudo. Pessoas sem as quais o caminho teria ficado mais difícil e desafiador do que já fora. A essas pessoas tenho muito a agradecer. Primeiramente a Deus, Meu Pai Celestial. Em muitos momentos somente Ele me fez ter forças, ânimo e coragem para continuar esse caminho. Um caminho que às vezes me parecia nebuloso, mas Ele sempre esteve por perto me iluminando. Depois aos meus familiares e parentes, especialmente, aos meus pais sempre tão carinhosos ao meu esposo pela compreensão desse processo e amabilidade e a minha tia Vera e sua família por ter me hospedado em sua casa durante um bom tempo para que eu conseguisse continuar os estudos longe de casa. Obrigada a vocês pelo apoio e confiança de sempre. À minha orientadora, professora Odília pelas muitas contribuições que deu durante todo o processo de pesquisa, as indicações de leitura, pela motivação com a temática, por tudo. À professora Sâmya que foi uma das motivadoras para realização desse estudo quando eu estava saindo da graduação. Obrigada por sempre ter se mostrado disposta a contribuir em meu trabalho. Às professoras que conheci durante as disciplinas do Mestrado que sempre davam significativas contribuições para o estudo, direta ou indiretamente: Silvana Mara, Denise Câmara, Rita de Lourdes, Eliana Guerra e Márcia Rocha. Obrigada pelo compromisso de vocês com a pós graduação. As minhas colegas de turma Valmara, Marwyla, Sônia, Manuela, Cristina Pereira, Cristina Otoch, Meirice, Laudilene, Brenda, Neila e Marilac que sempre nas aulas e reencontros nos corredores deixava o processo de estudo mais gostoso, com as conversas, risadas e desabafos. E não poderia esquecer a CUT Estadual que me recebeu muito bem, principalmente, à secretária e, também, ao Departamento de Documentação da CUT Nacional que me enviou documentos muito relevantes para minha análise, sem os quais o processo teria sido mais difícil. A vocês que foram fundamentais nesse processo o meu mais sincero obrigada!

5 4 RESUMO Os direitos previdenciários foram resultantes de intensas lutas entre o capital e o trabalho, exigindo as intervenções do Estado para criação de um sistema de proteção social amplo. No Brasil a lei marco da Previdência Social data de 1923, a partir de então, muitos foram os avanços e extensões dessa política a diversas categorias. Entretanto, na década de 1990 o Governo brasileiro adotou, a exemplo de outros países desenvolvidos, o paradigma neoliberal o que implicou na realização de substanciais mudanças no papel do Estado, nos direitos alcançados e na própria organização das classes trabalhadoras. Para a Previdência Social as principais perdas se deram nos anos de 1998 e 2003, respectivamente nos Governos de FHC e Lula, com a realização de duas contrarreformas que restringiram os direitos previdenciários e incentivaram a privatização da previdência pública. Nesse cenário, a CUT, uma das entidades representantes das classes trabalhadoras, fundada em 1983, que sempre se mostrou atuante mudou seu direcionamento: de combativa à negociativa. Essa inflexão determinou o posicionamento dessa Central diante das propostas de contrarreformas da Previdência Social. O presente trabalho tem como objetivo analisar o contexto sociopolítico das lutas do movimento sindical brasileiro no período das conquistas e desmontes de direitos e, precipuamente analisar o posicionamento, atuação e propostas da CUT no período das contrarreformas da Previdência nos Governos FHC e Lula. Para realização desse estudo além da revisão bibliográfica essencial para fundamentar e aprofundar o tema, utilizamos, principalmente, a pesquisa documental através de páginas da internet, resoluções, informativos e outras publicações da CUT. A atuação da CUT nesses Governos deuse de modo distinto: na contrarreforma do Governo FHC mostrou-se por meio de diversas ações, apesar de não haver homogeneidade em seu interior, contrária às políticas neoliberais desse governante, bem como à proposta de mudanças previdenciárias. Enquanto que durante o Governo Lula mostrou-se prioritariamente negociativa e propositiva. Palavras chave: Direitos previdenciários. Contrarreformas da Previdência Social. Neoliberalismo. Central Única dos Trabalhadores.

6 5 ABSTRACT The provident rights were results of intense fights in between the capital and work, claiming the interventions of the state for the creation of an ample social protection system. In Brazil the law, Providence Social mark, dated 1923, from then on, the advances and extensions were many, of this diverse categories of politics. Mean while, in the 1990 s, the Brazilian government adopted the examples of other developed countries, the new pattern that hinted the realization of substantial changes on the states purpose, the reached rights and the proper organization of working classes. For the Social Providence, the principal loses turned out in 1998 and 2003; respectively in FHC governments and Lula, with the realization of two counter reforms that restricted the provident rights and motivated the privatization of public providence. In the scenery, the CUT, one of the representative organizations from working classes, founded in 1983, that has always itself with changed direction, from fighting to negotiating. This inflection determined the proposition of the center before the offers of the counter reforms, of Social Providence. The present work has the objective to analyze the social politic content of the fights from Brazilian union movement in the period of the conquests and disassembled rights and, to analyze the proposition, acting and offers from CUT in the counter reform period from Providence in the Government FHC and Lula. To perform this study beyond the essential bibliographical revision to found and deepen the subject, we use, the documental search through the internet pages, resolutions, informations and others publications from CUT. Using CUT in the governments worked in an elegant way, the FHC government against-reforms, showed itself through diverse actions, even though they didn t have homogeneous inside, contrary the neoliberalists politicians from this government, also the offers and precaution changers. While during the reign of Lula it shoved itself priority negociative and propositive. Key word: Provident rights. Against-reforms of the Social Providence. Neoliberalism. Union Center in the Workers.

7 6 LISTA DE QUADROS Quadro I Gasto social federal no Governo Collor Quadro II Lutas da CUT em torno da Previdência Social até o Governo Collor... Quadro III Posição da CUT, segundo setor de atividade atingido pela reforma constitucional... Quadro IV A CUT e a previdência social no Governo Fernando Henrique Cardoso

8 7 LISTA DE SIGLAS ACO Associação Católica Operária AIB Ação Integralista Brasileira ANAMPOS Articulação Nacional dos Movimentos Populares e Sindical ANFIP Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Previdência Social ANL Associação Nacional Libertadora BID Banco Interamericano de Desenvolvimento CCQ Círculo de Controle de Qualidade CAP Caixa de Aposentadorias e Pensões CEB Comunidade de Base CEME Central de Medicamentos CGT Comando Geral dos Trabalhadores / Confederação Geral dos Trabalhadores / Central Geral dos Trabalhadores CGTB Confederação Geral dos Trabalhadores Brasileiros CLT Consolidação das Leis Trabalhistas CNESF Coordenação Nacional das Entidades de Servidores Federais CNI Confederação Nacional da Indústria CNTI Congresso da Confederação Nacional dos Trabalhadores Industriais COB Confederação Operária Brasileira CONCLAT Conferência Nacional da Classe Trabalhadora / Congresso Nacional da Classe Trabalhadora / Coordenação Nacional das Classes Trabalhadoras CONCUT Congresso Nacional da Classe Trabalhadora CONLUTAS Coordenação Nacional de Lutas CSUB Confederação Sindical Unitária Brasileira CUT Central Única dos Trabalhadores DATAPREV Empresa de processamento de dados da Previdência Social DRT Delegacia Regional do Trabalho EC n 20 Emenda Constitucional n 20 EC n 41 Emenda Constitucional n 41 EC nº 47 Emenda Constitucional nº 47 EFPR Entidades Fechadas de Previdência ENTOES Encontro Nacional dos Trabalhadores em Oposição à Estrutura Sindical EUA Estados Unidos da América

9 8 FACR Fundação Abrigo Cristo Redentor FEBRABAN Federação Brasileira de Associação de Bancos FHC Fernando Henrique Cardoso FIESP Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FNPS Fórum Nacional de previdência Social FNT Fórum Nacional do Trabalho FPR Fator Previdenciário FMI Fundo Monetário Internacional FUNABEM Fundação Nacional de Bem-Estar do Menor IAP Instituto de Aposentadoria e Pensão IAPAS Instituto de Administração Financeira da Previdência Social IAPB Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Bancários IAPC Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Comerciários IAPI Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Industriários IAPM Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Marítimos IPASE Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Servidores do Estado IAPETEC Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Empregados em Transporte de Carga INAMPS Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social INSS Instituto Nacional do Seguro Social INAMPS Instituto Nacional de Assistência Médica Previdência Social INPS Instituto Nacional de Previdência Social IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada LBA Legião Brasileira de Assistência Social LOAS Lei Orgânica de Assistência Social LOPS Lei Orgânica da Previdência Social MARE Ministério da Administração da Reforma do Estado MPS Ministério da Previdência Social MPAS Ministério da Previdência e Assistência Social MST Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra MTPS Ministério do Trabalho e Previdência Social MTST Movimento dos Trabalhadores Sem Teto MTL Movimento Terra, trabalho e Liberdade OEA Organização dos Estados Americanos

10 9 OIT Organização Internacional do Trabalho PCB Partido Comunista Brasileiro PCdoB Partido Comunista do Brasil PDT Partido Democrático Brasileiro PDRE Plano Diretor da Reforma do Estado PEC Proposta de Emenda Constitucional PIB Produto Interno Bruto PLP Projeto de Lei Parlamentar PMDB Partido Moderado Democrático Brasileiro PTB Partido Trabalhista Brasileiro PSB Partido Socialista Brasileiro PSD Partido Social Democrático PT Partido dos Trabalhadores PUA Pacto de Unidade e Ação PUI Pacto de Unidade Intersindical RGPS Regime Geral de Previdência Social RPPS Regimes Próprios de Previdência Social SINPAS Sistema Nacional de Previdência e Assistência Social SUS Sistema Único de Saúde UDN União Democrática Nacional

11 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO A INTERVENÇÃO DO ESTADO COM A CRIAÇÃO DOS SISTEMAS DE PROTEÇÃO SOCIAL: DO PROTAGONISMO DAS CLASSES TRABALHADORAS À CRIAÇÃO DA CUT AS DETERMINAÇÕES DO CAPITAL SOBRE AS INTERVENÇÕES DO ESTADO E NA ATUAÇÃO DAS CLASSES TRABALHADORAS O embate entre as classes fundamentais O ESTADO BRASILEIRO E AS LUTAS DOS TRABALHADORES POR DIREITO A REORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO SINDICAL NOS ANOS AS CONTRIBUIÇÕES DA REORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO SINDICAL PARA A CRIAÇÃO DA CUT CUT: lutas e mudanças ao longo da década de A OFENSIVA NEOLIBERAL: DETERMINAÇÕES PARA A INFLEXÃO DO ESTADO, TRANSFORMAÇÕES NA CUT E DESMONTE DA PREVIDÊNCIA SOCIAL A PREVIDÊNCIA SOCIAL ANTES DAS CONTRARREFORMAS PREVIDENCIÁRIAS: UMA CONQUISTA DOS TRABALHADORES A CONTRARREFORMA DO ESTADO BRASILEIRO AS PROPOSTAS NO DEBATE SOBRE AS CONTRARREFORMAS PREVIDENCIÁRIAS A CONFIGURAÇÃO DAS CLASSES TRABALHADORAS NO CONTEXTO NEOLIBERAL A mudança de direcionamento da CUT no contexto neoliberal AS CONTRARREFORMAS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL: DESMONTE DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES As mudanças efetivadas nos direitos dos trabalhadores através das contrarreformas da Previdência realizadas nos Governos FHC e Lula POSICIONAMENTOS DA CUT NO PERÍODO DAS CONTRARREFORMAS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

12 GÊNESE DAS INTERVENÇÕES DA CUT NAS POLÍTICAS 119 PREVIDENCIÁRIAS ATUAÇÕES DA CUT DIANTE DA CONTRARREFORMA PREVIDENCIÁRIA NO GOVERNO FHC POSICIONAMENTO E PROPOSTAS DA CUT NA CONTRARREFORMA DA PREVIDÊNCIA NO GOVERNO LULA DESAFIOS PARA A CUT E AS CLASSES TRABALHADORAS PÓS CONTRARREFORMAS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXO A Cronologia de Lutas da CUT

13 12 1 INTRODUÇÃO A Previdência Social juntamente com a Saúde e a Assistência Social constitui-se numa das políticas que formam o tripé da Seguridade Social brasileira, sendo esta uma importante conquista das classes trabalhadoras consolidada na Constituição Federal de Entretanto, a Previdência Social, diferentemente dessas outras duas políticas sociais, tem caráter contributivo, ou seja, está voltada para aqueles trabalhadores que podem pagar, o que acaba, já de antemão, excluindo muitos indivíduos do acesso aos benefícios e serviços previdenciários. Esse quadro vem se agravando, desde a década de 1990, com a redefinição do Estado a partir da perspectiva neoliberal, atingindo, principalmente, as camadas mais pobres da população e, valorizando, cada vez mais, um mercado livre de restrições, quer sejam políticas, econômicas ou culturais (IANNI, 1997). Desse modo, esse modelo político ideológico, tem incidido fortemente sobre os direitos sociais conquistados, especialmente, no que diz respeito à legislação previdenciária, com as constantes mudanças, as quais objetivaram a minimização e/ou a retirada paulatina de direitos. A contrarreforma da Previdência Social é prova cabal dessas inflexões que têm ocorrido em relação aos direitos sociais. Algumas dessas iminentes mudanças foram: o aumento do tempo de contribuição e idade para a aposentadoria; diminuição do valor da aposentadoria principalmente, devido ao fator previdenciário e do teto; extinção das aposentadorias por tempo de serviço e proporcional, dentre outras (SOUZA, 2004). É importante salientar que os direitos civis, políticos e sociais hoje legalizados são resultados de uma luta histórica da classe trabalhadora que reivindicou seus direitos. A principio, essas lutas deram-se mais efetivamente no âmbito da produção, através dos movimentos operários. Os trabalhadores almejavam melhores condições de trabalho e buscaram o reconhecimento de direitos trabalhistas. Nesse processo, diversos autores Associação Católica Operária (1984), Antunes (1990), Rezende (1986) mostram a relevância do movimento sindical ou

14 13 operário para a conquista de direitos trabalhistas e também previdenciários especialmente, porque durante muito tempo a Previdência Social esteve voltada prioritariamente, para os trabalhadores regulados formalmente e pode-se mesmo dizer que, ainda hoje, a política previdenciária, tendo em vista o seu caráter contributivo, está relacionada muito fortemente com o trabalho, isto é, para aqueles trabalhadores que podem pagar. É imprescindível ressaltar que os principais prejudicados com as duas últimas contrarreformas da Previdência nos Governos Fernando Henrique Cardoso (1998) e Luiz Inácio Lula da Silva (2003 e 2005) foram os trabalhadores brasileiros, em especial os servidores públicos, visto que essas mudanças retiraram ou minimizaram direitos que foram duramente conquistados por setores organizados da sociedade. Portanto, partindo da perspectiva de que os direitos sociais, especificamente, os previdenciários, são resultantes de um processo histórico de luta, travado pela classe trabalhadora contra o capital e intermediado pelo Estado, faz-se extremamente relevante analisar como atuou o movimento sindical diante das duas últimas contrarreformas da Previdência no governo FHC, em 1998 e Lula, em O interesse inicial pela temática da Previdência Social veio com a aproximação com essa política no estágio curricular de dois anos no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). E, a vontade de estudar a organização das classes trabalhadoras veio, principalmente, com a participação como bolsista em uma pesquisa cuja temática envolvia os Movimentos Sociais, através do Programa de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), na graduação. O desejo de se estudar esse tema partiu, também, de um estudo monográfico realizado anteriormente, no qual analisamos as contrarreformas da Previdência Social. Naquele momento, nossa análise girou em torno dos instrumentos legais que sancionaram essas mudanças e suas implicações para os direitos previdenciários. Contudo, como já foi enfatizado, partindo da perspectiva que os direitos auferidos na conjuntura atual são conquistas dos movimentos das classes trabalhadoras, principalmente dos movimentos sindicais, consideramos ser indispensável não apenas analisar os aspectos legais e as contrarreformas já efetivadas, mas também, e sobremaneira, analisar os movimentos trabalhistas em torno desses direitos, aprofundando, assim, o assunto.

15 14 Para isto, fizemos um recorte nas lutas das classes trabalhadoras, para melhor analisá-las, haja vista que nos voltamos para o seu posicionamento e atuação diante de uma política social específica, a Previdência Social, contudo não desconsideramos o movimento geral das lutas e embates travados, tendo em vista que na atual conjuntura muitos são os desafios a serem vencidos. Por compreendermos a grande diversidade do movimento sindical, geralmente, dividido por categorias profissionais, tínhamos o desejo de contemplar em nossa análise as discussões, propostas e lutas de algumas Centrais Sindicais brasileiras, na perspectiva de que estas têm uma representação mais ampla das classes trabalhadoras atingidas pelas contrarreformas. A princípio nos propomos a analisar o posicionamento e contrapropostas de três Centrais Sindicais, as quais eram: Central Única dos Trabalhadores (CUT), Coordenação Nacional de Lutas (CONLUTAS) e Intersindical. Entretanto, à medida que fomos nos aproximando da temática e conhecendo um pouco mais dessas centrais sindicais, apreendemos que a pesquisa ficaria muito ampla, sendo necessário fazer um novo recorte. Desejamos, ainda, permanecer com duas centrais sindicais, a CUT e a CONLUTAS que representam duas vertentes distintas do movimento sindical atual. Porém, como nosso objetivo era tratar do posicionamento dessas centrais no período das contrarreformas realizadas, acabamos abrindo mão da CONLUTAS que foi criada em 2006, oito anos após a contrarreforma do Governo FHC e três anos depois da contrarreforma do Governo Lula. Consideramos, ainda, para esse delineamento do objeto o prazo e a viabilidade da pesquisa. Assim, nos detemos em analisar o posicionamento, lutas e propostas nesses períodos de contrarreformas da Previdência Social de uma única Central Sindical, a Central Única dos Trabalhadores (CUT). O que é interessante, tendo em vista que em sua gênese esta Central esteve articulada em diversos movimentos e embates pela defesa dos direitos dos trabalhadores, porém nos últimos anos vem vivenciando grandes mudanças ideopolíticas diferindo sobremaneira do período de sua fundação. Analisar o posicionamento dessa central sindical diante das contrarreformas da Previdência Social é relevante, ainda, especialmente pelos períodos e governos que estas ocorreram, a primeira em 1998 em um governo de oposição e a última em 2003, encabeçada por um governo apoiado pela CUT.

16 15 Sendo assim, o estudo dessa temática é de grande relevância para o movimento sindical, especialmente, as Centrais Sindicais brasileiras, com ênfase para a CUT, para análise e reflexão de sua atuação, tendo em vista que no contexto neoliberal faz-se, cada vez mais relevante a presença de movimentos fortes que não se calem diante da retirada de direitos e que não se deixem enfraquecer pela conjuntura adversa propugnada pelos valores da sociabilidade capitalista. Este estudo é significativo, também, para todas as classes trabalhadoras que dependem da Previdência Social, visto que todos os cidadãos, cedo ou tarde, não mais poderão usufruir de sua força laboral para garantir condições de vida digna, recorrendo então a esta política. Sendo essencial conhecer como está configurada na atualidade e as discussões em torno dela para dificultar e diminuir, ainda mais, o acesso. Bem como, da existência ou não de uma luta contrária a estas mudanças. No que concerne à Previdência Social, as lutas do Movimento sindical e dos movimentos em geral, pela garantia e extensão dessa política é indispensável e urgente, tendo em vista as duas últimas contrarreformas. A política previdenciária constitui-se num direito social conquistado pelas lutas dos trabalhadores que não podemos deixar ser minimizada, pelo contrário, devemos lutar por sua consolidação e ampliação. Para embasar a investigação fizemos uso de uma perspectiva teórico metodológica que defende: a apreensão da relação entre aparência e essência; a totalidade como aspecto essencial da realidade; a superação da dualidade entre o subjetivo e o objetivo; a apreensão das relações entre o singular, o particular e o universal; e o objeto como pólo regente do conhecimento. Essa abordagem insere-se no âmbito do materialismo dialético e significa um importante avanço na interpretação dos fenômenos, posto que considera a história como fator relevante no desenvolvimento dos fenômenos sociais; analisa a existência de relações contraditórias na sociedade; e preocupa-se com a análise da totalidade social e de suas particularidades. A abordagem marxiana ofereceu uma contribuição de leitura muito rica ao se estudar o movimento sindical uma forma de expressão das lutas das classes trabalhadoras e sua atuação diante das mudanças efetivadas no contexto neoliberal nas políticas sociais, especialmente na política previdenciária, haja vista que para essa concepção teórica metodológica os fatos que se dão na realidade não

17 16 ocorrem de modo isolado, tornando-se imprescindível apreendermos os fenômenos sociais como um todo estruturado que está em constante movimento, sofrendo determinações, também, do processo histórico. Foi relevante, ainda, nessa investigação a análise das contradições desse sistema capitalista vigente, no qual a capacidade social de produzir riquezas e a concentração destas cresce, cada vez mais, e concomitantemente registram-se altos índices de pobreza e desemprego e mudanças na própria forma de organização das classes trabalhadoras. Privilegiamos a pesquisa qualitativa. Embora analisemos que nas pesquisas com enfoque dialético as categorias quantidade-qualidade não se opõem, mas se interrelacionam como duas fases do real num movimento cumulativo e transformador (GAMBOA, 2007, p. 105), contudo, como os procedimentos metodológicos variam de acordo com o objeto a ser estudado e dos objetivos a serem alcançados, nessa pesquisa trabalhamos, mais enfaticamente, com a pesquisa qualitativa. É interessante ressaltar que o percurso metodológico dessa pesquisa foi repleto de idas e vindas, pela própria dinâmica da realidade e dificuldades que foram se colocando diante da investigação, carecendo empreender mudanças para tornar viável sua concretização. A primeira delas foi o próprio delineamento do objeto, como já registramos, visto que não há como iniciar uma pesquisa, sem ter claro o que se deseja saber, buscar e quem procurar para saber disso. Esse foi um desafio tremendo para a pesquisadora que adentrava em um universo novo para ela, que era o movimento sindical, as centrais sindicais. Pois, enquanto o estudo da Previdência integrou boa parte de sua vida acadêmica, a temática sindical constituía-se, com poucas exceções, um verdadeiro desconhecido, um mundo a ser desbravado. A definição pela CUT não foi menos desafiante, tendo em vista que sabíamos muito pouco dessa Central Sindical histórica para as classes trabalhadoras. Os questionamentos foram muitos, quem procurar? Onde encontrar? Como entrar contato? Enfim, como contatar a CUT para ter acesso às informações desejadas. O segundo desafio foi a definição dos instrumentos para levantamento de dados. No início da pesquisa pretendemos utilizar dois instrumentos para atingir os objetivos da pesquisa: a pesquisa documental e a pesquisa de campo,

18 17 especialmente, através das entrevistas a dirigentes da CUT para complementar os documentos. Entretanto, encontramos muitos entraves e desafios para a realização das entrevistas. Fizemos duas visitas à CUT estadual presente em Natal. Pelas dificuldades de encontro com dirigentes nacionais da CUT o dirigente nacional da CUT mais próximo ficava em Pernambuco acreditamos ser possível entrevistar dirigentes estaduais, apesar de termos sido muito bem recebidos pela secretária, a pessoa que nos foi indicada por ela para conversarmos, ainda que cheia de boa vontade, não compreendeu exatamente o nosso propósito. Naquele momento ficou nítido que os dirigentes estaduais, talvez, pela pesquisa remeter a um período de atuação anterior a sua gestão não tinha as informações que pretendíamos ter acesso. Além do que, sabíamos que a atuação da CUT face às contrarreformas da Previdência Social foi algo de âmbito nacional, sendo mais coerente entrevistar representantes nacionais. Ainda buscamos o contato de alguns deles, mas a dificuldade de acesso e a aproximação do término do prazo para finalização da pesquisa fizeram com que decidíssemos optar exclusivamente, além da revisão de literatura, pela pesquisa documental. Esta foi indispensável e fundamental para a consecução da pesquisa. Utilizamos, portanto, como instrumento para levantamento de dados fontes secundárias que permitiram analisar as mudanças ocorridas na CUT, seu posicionamento e propostas, dentre as quais podemos citar: páginas da internet, resoluções, informativos e outras publicações da CUT, as quais tornaram público suas discussões e proposições no período dos debates das contrarreformas da Previdência Social. A pesquisa documental, também, foi desafiadora, visto que encontrávamos pouco material contendo as informações das propostas e posicionamento da CUT nas contrarreformas de FHC e Lula. Face os obstáculos, além de buscas contínuas em sites da própria Central e de outras entidades, enviamos um para o Setor de comunicação da CUT, o qual foi reencaminhado para o Setor de Documentação e Memória da Central. Uma das responsáveis por esse departamento nos encaminhou alguns documentos discussões e propostas da entidade diante das contrarreformas. Os documentos encaminhados pareceram poucos para representar todo o processo de lutas dessa entidade em um período tão cruciante para as classes trabalhadoras. Entretanto, tais contribuições, foram de grande relevância para a consecução dessa pesquisa.

19 18 Desse modo, esses desafios colocados para a concretização da investigação precisam ser considerados quando analisamos os seus resultados. Assim, visando atender nossos objetivos dividimos este estudo em três seções, além desta introdução e da conclusão. Na primeira parte fazemos uma análise das lutas das classes trabalhadoras na conquista de direitos, levando o Estado e as classes dominantes a fazerem concessões e a criarem um sistema de proteção social. Partimos da perspectiva que tanto as intervenções do Estado no âmbito social, atendendo alguns interesses dos trabalhadores, quanto a própria organização e lutas das classes trabalhadoras sofreram determinações e impulso do capital. Nessa análise partimos do âmbito mundial, para então apreendermos os determinantes dessa configuração internacional nas intervenções do Estado brasileiro, os direitos alcançados nessa parte do mundo e as influências sobre a organização e lutas dos trabalhadores. Todo esse processo, principalmente, o entorno da década de 1980 foi importante para a fundação de uma central nascida para representar as classes trabalhadoras em suas lutas e embates: a CUT. Na segunda seção tratamos de analisar as conquistas alcançadas nos direitos previdenciários com as constantes mudanças efetivadas na Previdência, com a contribuição das lutas dos trabalhadores, antes das contrarreformas previdenciárias. Analisamos, ainda, as implicações da ofensiva neoliberal no Brasil para as mudanças na configuração do Estado construindo o solo para a realização das contrarreformas da Previdência, nos direitos previdenciários, e na organização das classes trabalhadoras, inclusive na CUT. Empreendemos, também, uma análise das principais propostas de diversas instituições nas discussões sobre as mudanças de cunho neoliberais na Previdência e as principais perdas para os direitos previdenciários dos trabalhadores com a concretização das contrarreformas. Na última seção nos detemos em analisar o posicionamento, atuação e propostas da CUT no período do debate e negociações para contrarreforma da Previdência, em 1998 e 2003, analisando os desafios que perduram para esta Central e para os movimentos das classes trabalhadoras como um todo no período posterior às contrarreformas da Previdência Social.

20 2 A INTERVENÇÃO DO ESTADO COM A CRIAÇÃO DOS SISTEMAS DE PROTEÇÃO SOCIAL: DO PROTAGONISMO DAS CLASSES TRABALHADORAS À CRIAÇÃO DA CUT 19 Para analisar o posicionamento e as propostas da Central Única dos Trabalhadores (CUT) diante das contrarreformas da Previdência Social realizadas nos Governos Fernando Henrique Cardoso, em 1998 e Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, é essencial apreendermos o processo político, econômico e social que fundamentou a construção dos direitos sociais, principalmente da política previdenciária e suas transformações, bem como das lutas efetivadas pelas classes trabalhadoras nas conquistas de direitos até chegarmos ao desmonte do paradigma neoliberal. Apesar da CUT ter atuado em sua gênese (1983) de forma combativa e ter sido fruto do recrudescimento do movimento sindical na década de 1980, como analisaremos o seu posicionamento diante das ofensivas neoliberais, efetivadas na Previdência Social a qual foi constituída em um período anterior à criação da CUT faz-se relevante analisar as lutas anteriores das classes trabalhadoras na construção dos direitos sociais, especificamente, os direitos previdenciários, para apreendermos, assim, a sua atuação diante dessa política no final da década de 1990 e no início do século XXI. É importante analisarmos que os direitos sociais foram sendo conquistados durante todo o século XX através de lutas que foram travadas para pressionar o Estado a formar um sistema de proteção social para, então, apreendermos melhor, a essencialidade da luta das classes trabalhadoras no período que demarca a inserção do neoliberalismo em nosso país, atingindo sobremaneira a política previdenciária. Esse período careceu, mais do que nunca, de movimentos fortes para barrar suas ações nefastas. As sucessivas realizações dessas contrarreformas foram resultados de diversas mudanças ocorridas historicamente e que devem ser analisadas com cuidado, tendo em vista que estão fundadas em alterações significativas na relação entre capital e trabalho intermediada pelas ações do Estado que atingiram os direitos sociais. 2.1 AS DETERMINAÇÕES DO CAPITAL SOBRE AS INTERVENÇÕES DO

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR A Política previdenciária brasileira está organizada em pública e privada. A primeira se subdivide em: Regime Geral da Previdência Social RGPS - abrange a população do setor

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Seminário Gestão Municipal e os Fundos de Previdência A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Reflexos na Gestão Municipal Certificado de Regularidade Previdenciária CRP e Certidão

Leia mais

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não Por que esta cartilha? Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não foram concessões patronais ou de governos, como os patrões tentam nos fazer parecer. A história da classe trabalhadora

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 01 Histórico da Seguridade Social

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 01 Histórico da Seguridade Social Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 01 Histórico da Seguridade Social 1. (1º Simulado/Prof. Francisco Júnior/Preparatório INSS-2014/2015) Até o século XVIII, não havia sistematização

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

O BENEFÍCIO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA O TRABALHADOR RESGATADO DA CONDIÇÃO ANÁLOGA À DE ESCRAVO

O BENEFÍCIO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA O TRABALHADOR RESGATADO DA CONDIÇÃO ANÁLOGA À DE ESCRAVO O BENEFÍCIO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA O TRABALHADOR RESGATADO DA CONDIÇÃO ANÁLOGA À DE ESCRAVO *José Carlos Batista Texto elaborado em junho/2010. Resumo: a seguridade social brasileira contempla a concessão

Leia mais

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL Subseção DIEESE/CUT-Nacional São Paulo, 02 de agosto de 2014 Sindicato dos Trabalhadores(as) na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo - SINDSEP

Leia mais

Histórico da Seguridade Social

Histórico da Seguridade Social Histórico da Seguridade Social Capítulo I Histórico da Seguridade Social 1. Técnico do Seguro Social INSS 2012 FCC Grau de Dificuldade: Médio O INSS, autarquia federal, resultou da fusão das seguintes

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL As conquistas mais definitivas da Previdência Social, como um sistema do trabalhador para o trabalhador, estão ligadas às lições aprendidas com os próprios segurados, no tempo e no espaço Extraído do Livro

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

HISTÓRICO HISTÓRICO HISTÓRICO

HISTÓRICO HISTÓRICO HISTÓRICO HISTÓRICO Primeira concretização de proteção social: 1601, Inglaterra, com edição da Lei Poor Relief Act (ato de auxílio aos pobres). Instituía contribuição obrigatória para fins sociais. Noção de Seguridade

Leia mais

DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL

DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL Luiz Carlos Bresser-Pereira Intervenção no VI Fórum da Reforma do Estado. Rio de Janeiro, 1º. de outubro de 2007. Sumário. A democracia permitiu que os trabalhadores

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Reveja esta aula em: http://www.joseferreira.com.br/blogs/sociologia/ Professor: Danilo Borges - Sociologia Aula de hoje... Aprofundamento do problema do trabalho

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Fórum Região Sul Curitiba 7 a 9 de julho de 2015 EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Para lembrar... A Reforma Sanitária Brasileira, ao postular

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

AS DETERMINAÇÕES DA POLÍTICA DE SAÚDE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: mecanismos de controle social x condicionalidades dos organismos internacionais

AS DETERMINAÇÕES DA POLÍTICA DE SAÚDE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: mecanismos de controle social x condicionalidades dos organismos internacionais UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 AS DETERMINAÇÕES DA

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014 Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Companheiros, Encaminhamos, para ampla divulgação, a Carta de Aracaju (59º

Leia mais

A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR E A PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: fortalecimento do setor privado no Brasil

A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR E A PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: fortalecimento do setor privado no Brasil A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR E A PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA: fortalecimento do setor privado no Brasil Viviane de Queiroz 1 Resumo Esse artigo tem como objetivo analisar a expansão da Educação Superior

Leia mais

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM Severino Aprígio de Morais Graduando Enfermagem CEL severo.aprigio@ig.com.br Diane Mello Contino Graduando Enfermagem CEL enfermeirabmgse1@hotmail.com

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político Silvio Caccia Bava Silvio Caccia Bava é sociólogo, coordenador executivo do Instituto Pólis e membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Defesa da Previdência Social Pública: Uma responsabilidade dos AFRFB EIXO: 3

Defesa da Previdência Social Pública: Uma responsabilidade dos AFRFB EIXO: 3 Tese 04 TÍTULO: Defesa da Previdência Social Pública: Uma responsabilidade dos AFRFB EIXO: 3 AUTORES: JOSÉ DEVANIR DE OLIVEIRA - SINFISPAR JOAO CUNHA DA SILVA - SINDIFISP-SC SÍNTESE: o objetivo é ressaltar

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1 Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais Alda Maria Santarosa 1 Resumo Nos últimos 25 anos, desde a promulgação da Constituição Federal do Brasil, em 1988, nota-se

Leia mais

Curso de Atualização sobre Intervenção Breve e Aconselhamento Motivacional em Crack e outras Drogas

Curso de Atualização sobre Intervenção Breve e Aconselhamento Motivacional em Crack e outras Drogas Curso de Atualização sobre Intervenção Breve e Aconselhamento Motivacional em Crack e outras Drogas Cidadania plena ideal das sociedades ocidentais = liberdade, participação e igualdade Cidadania dentro

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB O Encontro Nacional do Ramo da Construção e do Mobiliário da CTB, este ano em sua 5ª edição, realizado nos dias 28 e 29 de

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

American Way Of Life

American Way Of Life Crise de 1929 Ao final da Primeira Guerra, a indústria dos EUA era responsável por quase 50% da produção mundial. O país criou um novo estilo de vida: o american way of life. Esse estilo de vida caracterizava-se

Leia mais

1. ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL.

1. ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL. Capítulo 1 A Seguridade Social Sumário 1. Origem e evolução legislativa no Brasil Questões comentadas de concursos públicos Questões de concursos 1. ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL. A preocupação

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR

O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR Ana Paula S. Giroto ALVES 1 Resumo: o Estado é parte integrante, que foi e é determinado, pelas mudanças na estrutura da sociedade e pelas relações sociais

Leia mais

O RPPS: Uma Perspectiva Internacional. Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014

O RPPS: Uma Perspectiva Internacional. Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014 O RPPS: Uma Perspectiva Internacional Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014 Fonte: Banco Mundial O Brasil é um país jovem... (ainda) com o gasto previdenciário

Leia mais

O papel do Estado 20/3/2012

O papel do Estado 20/3/2012 O papel do Estado Na passagem do século XIX para o século XX Função Principal do Direito e Segurança garantia da liberdade da propriedade Século XIX nenhuma interferência na ordem natural da economia O

Leia mais

Nacional e internacional

Nacional e internacional Nacional e internacional Crise de 2008 Explosão do mercado imobiliário nos EUA (subprime) Colapso no sistema econômico mundial Quebradeira de bancos e grandes empresas Queda vertiginosa nas taxas de lucratividade

Leia mais

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes,

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes, III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL William Mendes, Secretário de Formação da CONTRAFCUT-CUT 1. INTRODUÇÃO No final dos anos setenta e início

Leia mais

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seguridade Social e Projeto Ético Político Profissional: desafios aos Assistentes Sociais da Previdência Social Ana Maria Baima Cartaxo Professora

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o Não Pagamento da Dívida Pública O endividamento público vem pautando a vida do povo brasileiro sob diversas formas, especialmente a partir da

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES O IV Simpósio Nacional do (Cebes), realizado no dia 31 de outubro de 2015, no Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), no Rio de Janeiro, teve como objetivo

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção A interiorização do trabalho e da formação em saúde: Mais Médicos e Mais Reforma Sanitária* No dia 5 de setembro de 2013, o Fórum de Estudantes da ENSP/Fiocruz coordenou a roda de conversa sobre a interiorização

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte III)

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte III) www.brasil-economia-governo.org.br A desigualdade de renda parou de cair? (Parte III) Marcos Mendes 1 O texto da semana passada mostrou como o mercado de trabalho atuou no sentido de reduzir a desigualdade

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje?

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Estudos do Trabalho Ano II. Nº 3-2008. Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Ricardo Antunes Professor da Universidade Estadual

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado 20 Anos de SINDEEPRES Anos de Terceirização no Brasil Seminário 20 Anos de Terceirização no Brasil SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado Marcio Pochmann www.sindeepres.org.br Relações do trabalho

Leia mais

Seguridade Social conceituação e princípios constitucionais

Seguridade Social conceituação e princípios constitucionais Seguridade Social conceituação e princípios constitucionais Seguridade Social Existe no Brasil um sistema de proteção social destinado a proteger todos os cidadãos em todas as situações de necessidade,

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

SINDICALISMO NO BRASIL E O MUNDO DO TRABALHO

SINDICALISMO NO BRASIL E O MUNDO DO TRABALHO 1 SINDICALISMO NO BRASIL E O MUNDO DO TRABALHO Andrezza Vaz dos Reis 1 Letícia Pinheiro Nascimento Maria Cecília Paulino Teixeira RESUMO Há necessidade de o assistente social compreender as lutas das classes

Leia mais

O Futuro das Relações Sindicais. 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006

O Futuro das Relações Sindicais. 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006 O Futuro das Relações Sindicais 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006 Revolução Trabalhista no Mundo China, Índia e ex-urss: oferta mundial de trabalho de baixos salários 1985-2005:

Leia mais

CRISE GLOBAL DO CAPITAL, IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE E NA EFETIVAÇÃO DO CONTROLE SOCIAL ABSTRACT

CRISE GLOBAL DO CAPITAL, IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE E NA EFETIVAÇÃO DO CONTROLE SOCIAL ABSTRACT 1 CRISE GLOBAL DO CAPITAL, IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE E NA EFETIVAÇÃO DO CONTROLE SOCIAL Maciana de Freitas e Souza 1 Aione Maria da Costa Sousa 2 RESUMO A crise do capital que tem se estendido ao

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6

S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6 S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6 ALIMENTAÇÃO. Com data-base em 1º de setembro, o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Alimentação (Setor de Derivados de Milho e Soja), representando

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

A Descentralização e a Territorialização nas Políticas de Assistência Social:

A Descentralização e a Territorialização nas Políticas de Assistência Social: A Descentralização e a Territorialização nas Políticas de Assistência Social: Novas estratégias para as políticas sociais no Brasil Priscilla André Ribeiro 1 Resumo: Descentralização e territorialização

Leia mais

Em defesa da Saúde pública para todos

Em defesa da Saúde pública para todos Boletim Econômico Edição nº 57 março de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em defesa da Saúde pública para todos 1 A saúde pública faz parte do sistema de Seguridade Social

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 1 1. Introdução Desde

Leia mais

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPACTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PRODUTO INTERNO BRUTO BRASILEIRO

Leia mais

A Previdência e os Docentes das Instituições Públicas

A Previdência e os Docentes das Instituições Públicas A Previdência e os Docentes das Instituições Públicas Expediente Cartilha produzida pelo Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de - ANDES-SN Setor Comercial Sul (SCS), Quadra 2, Edifício Cedro

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO 1 POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO Gislaine dos Santos Silva 1 Edvânia Ângela de Souza Lourenço 2 Resumo A partir da Constituição da República Federativa do Brasil,

Leia mais

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador 1. Introdução 2. Estado oligárquico e patrimonial 3. Estado autoritário e burocrático 4. Estado

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais

Disciplina: Políticas Públicas

Disciplina: Políticas Públicas AVALIAÇÃO PRESENCIAL DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL TARDE Aluno (a): Tutor (a): Polo: Data: / / Disciplina: Políticas Públicas 1) Com relação à definição do termo policy (políticas

Leia mais

balanço crítico Zulene Muniz Barbosa Universidade Estadual do Maranhão (UEMA)

balanço crítico Zulene Muniz Barbosa Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) 273 balanço crítico Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) Este artigo expõe algumas inquietações sobre o movimento sindical e a necessidade deste em explorar as suas vias de renovação, a partir das

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

O perfil das ONGs no neoliberalismo *

O perfil das ONGs no neoliberalismo * O perfil das ONGs no neoliberalismo * Elton Alcantara eltonluizcosta@gmail.com Gustavo Palmares gupalmaresrj@hotmail.com Letícia Chahaira leticiachahaira@yahoo.com.br Rafael Teixeira rafaelteixeira_ufrj@yahoo.com.br

Leia mais

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ)

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) Gestão do SUS: aspectos atuais A reforma sanitária brasileira,

Leia mais

Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho

Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho 1. REGIME PREVIDENCIÁRIO OU ADMINISTRATIVO O principal problema do regime previdenciário

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais