DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A UTILIZAÇÃO DO MRP COMO DIFERENCIAL ESTRATÉGICO PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PRODUTIVA EMPRESARIAL DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL Por: José Dias da Silva Orientador Prof. Luiz Cláudio Lopes Alves Rio de Janeiro 2013

2 2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A UTILIZAÇÃO DO MRP COMO DIFERENCIAL ESTRATÉGICO PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PRODUTIVA EMPRESARIAL Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial para obtenção do grau de Especialista em Engenharia de Produção. Por: José Dias da Silva

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus pais, Glória e Luiz e minha irmã Rebeca por sempre me incentivarem. A minha esposa Wísma que com sua intensa cobrança não deixou que eu desanimasse. Aos amigos da graduação que contribuíram para que eu continuasse minha busca pelo conhecimento, em especial ao Renato, Arley e Marcus que sempre foram amigos de primeira hora. E a Deus, a quem devo homenagear e agradecer.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico à minha mãe, que sempre com braço firme direcionou-me para o caminho certo. Ao meu pai, que corrigiu a direção do meu caminhar para a formação correta do meu caráter. A minha esposa, que abdicou da própria família em benefício do meu crescimento. Aos amigos que fizemos e cultivamos. E por fim a família que sempre se colocou à disposição para que encontrássemos conforto ao retornar para casa.

5 5 RESUMO Esse trabalho visa mostrar como a ferramenta MRP, hoje em dia, pode ser decisiva na composição do estoque das empresas, tanto para seu ressuprimento ou não, de forma a propiciar ganho competitivo à medida da manutenção ótima do estoque. Mostrar como a reposição sistemática dos estoques pode ser decisiva para a obtenção de novos contratos e a manutenção de antigos. Dentro das organizações, o estoque foi sempre um problema que exigiu dos gestores grande dispêndio de energia para sua minimização, mas com a garantia de nunca haver falta de qualquer item para sua produção. Com a evolução logística global e a criação de sistemas informatizados de gestão, surge o MRP como ferramenta estratégia para, não somente a reposição do estoque, mas sim para o entendimento da capacidade logística dos fornecedores de primeiro estágio, a oscilação da capacidade produtiva da empresa e do comportamento do mercado consumidor.

6 6 METODOLOGIA Pesquisa bibliográfica e documental através da análise de livros voltados para o tema, livros de logística, planejamento de produção e cases publicados.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - O Surgimento do MRP 09 CAPÍTULO II - Implantação e Utilização do MRP 16 CAPÍTULO III A Evolução do ERP BPMS Uma Nova Abordagem de Gestão de Processos 26 CONCLUSÃO 34 ANEXOS 36 BIBLIOGRAFIA 43 WEBGRAFIA 44 ÍNDICE 45

8 8 INTRODUÇÃO Este trabalho foi concebido com a análise do desenvolvimento da capacidade produtiva das empresas, mediante a necessidade da organização em produzir continuamente, mas não correndo o risco da falta de material para essa produção. Somado a essa análise, vem o crescimento das ferramentas eletrônicas de gestão criadas para as empresas que fizeram integralização do processo produtivo aos demais processos da empresa. O crescimento da logística como diferencial para as grandes empresas, aliada as novas tecnologias de sistemas de gerenciamento de estoques, trouxe uma nova realidade de controle de abastecimento dos estoques, o MRP. E essa ferramenta que hoje se mostra importantíssima nas indústrias de bens, passa a ganhar caráter estratégico em demais segmentos de mercado. O MRP proporciona uma nova sistemática ao contexto da empresa ao ponto que indica o momento que um determinado item deverá se adquirido ou produzido. A ferramenta indicará quantidades ótimas de aquisição de material ou de sua produção, mediante ao processamento global da carteira de pedidos, estoques em fábrica, estoques em trânsito, produtos semiacabados e principalmente ao Programa Mestre de Produção (MPS). Aliado a esse sistema, o BOM (Bill of Materials), adquire caráter fundamental para a garantia da eficácia desse sistema uma vez que sua leitura indica as quantidades que serão necessárias para a produção de cada item específico e seus lead times.

9 9 CAPÍTULO I O SURGIMENTO DO MRP A necessidade de reduzir custos e operacionalizar com níveis de estoques baixos deram origem aos primeiros sistemas de MRP (Material Requirements Planning). Esses sistemas integravam todo o processo produtivo da empresa, desde o input (pedido) até o output (faturamento). O MRP evoluiu para o MRP II (Manufacturing Resources Planning), nos anos 80. Nesse momento além dos bens, mão de obra, máquinas, entre outros passaram a compor a análise da ferramenta. Ainda em evolução o MRP II passou para ERP (Enterprise Resource Planning), de forma a gerir todos os departamentos da empresa. 1.1 O que é MRP Por definição, MRP nada mais é que um programa de computador, mas é preciso ir mais além. Na verdade MRP são softwares que foram desenvolvidos especificamente para a indústria para garantir a manutenção do estoque para a garantia da produção em vários níveis. Utilizam técnicas matemáticas voltadas para o campo da engenharia e da estatística para que, através de demandas já conhecidas, execute o planejamento futuro dos insumos e das fases de produção. Assim MRP é:...um método mecânico formal de programação de suprimentos no qual o momento das compras ou saída da produção é sincronizado a fim de satisfazer as necessidades operacionais período a período ao compensar a requisição de

10 10 suprimento de acordo com a duração do tempo de reposição. (BALLOU, 2006, p. 349). 1.2 História e Evolução do MRP A gestão eficaz de estoques passou oferecer ganhos substanciais na indústria automobilística japonesa. Após a segunda guerra mundial, com o país procurando se reerguer estruturalmente e economicamente, os recursos materiais e financeiros tornaram-se escassos. No fim da década de 50 surgiram os primeiros programas de software que davam suporte a partes isoladas da cadeia de abastecimento. O foco principal eram os sistemas de processamento de transações, procedimentos de suporte ao processo de gestão e otimização da gestão de fórmulas para a tomada de decisões. No decorrer da década de 60 criou-se o modelo MRP Material Requeriment Planning (planejamento necessidades de materiais). Figura 1.1 Evolução do MRP Fonte: (Corrêa, Henrique L, Gianesi, Irineu G N, CAON Mauro; 2005)

11 11 A criação do modelo inicial de MRP planejava somente insumos (materiais). Como a capacidade e velocidade dos computadores evoluíram rapidamente e as aplicações aumentaram, MRP evoluiu para MRPII (Manufacturing Resource Planning). Nesse momento a leitura era feita não somente de materiais, mas sim da empresa como um todo. Foi agregado a ferramenta a alocação de recursos, os custos relacionados a estrutura dos produtos. A ferramenta MRPII passou a ter muitas fórmulas matemáticas e acrescentou ao MRPI recursos de trabalho e planejamento financeiro. O MRP II adotou caráter de planejamento ilimitado, ou seja, não considera as possíveis limitações de capacidade dos recursos. 1.3 Manufacturing Resources Planning MRPII (Planejamento de Recursos de Manufatura) Como a sigla de material requirement planning (MRP) é a mesma de manufacturing resources planning (MRP), convencionou-se chamar a segunda de MRP II. MRPII é a evolução do MRP I, onde foi agregado à ferramenta a alocação de recursos de manufatura e o custeio baseado na estrutura do produto, onde é considerado o custo da matéria-prima e dos recursos utilizados para a produção. MRPII é um método para planejamento de todos os recursos (homens, máquinas, materiais, capital) de uma empresa de manufatura. Tem sua composição de várias aplicações integradas que tratam de diversas áreas da empresa e/ou funções comerciais dentro da empresa. Pedidos de compra, programação mestre da produção, planejamento das necessidades de material, inventários, contas a pagar e a receber e livro caixa. Esta lista é parte

12 12 do que a integração dos sistemas de planejamento e financeiros, em conjunta execução, pode oferecer à administração a congruência das informações. Figura 1.2 Abrangência do MRP Fonte: (Corrêa, Henrique L, Gianesi, Irineu G N, CAON Mauro; 2005) A implementação do MRP II não se constitui, fundamentalmente uma tarefa inteligível, compreendendo, na maioria das vezes, um espaço de tempo de aprendizagem que poderá alcançar até dois anos. Nesta etapa, a empresa estará habilitada a executar simulações, sendo que o sistema MRP proporciona um melhor entendimento das inter-relações da empresa. Atividades como vendas, finanças, produção, e suprimentos. No entanto, para que uma empresa alcance este um nível ótimo de execução da ferramenta, tem de procurar exaurir diversos fatores críticos, os quais se constituem a partir de uma composição entre de aspectos técnicos e humanos. Não obstante ao fato das definições especificas e bem definidas das condições produtivas, de cadeia de suprimentos e de recursos humanos para a

13 13 sustentação de toda a plataforma de MRP ou MRPII, a evolução tecnológica e dos softwares foram fundamentais para que as empresas pudessem dar o passo para a evolução dos seus sistemas de controle. Figura 1.3 Evolução Processo MRP Fonte: (Robin Goodfellow, Planejamento dos Recursosn da Manufatura 1996; p.07)

14 14 A evolução da TI alicerçou e alavancou a evolução da ferramenta. A sua aceitação e implementação para um número maior de empresas foi solidamente percebida, uma vez que as organizações passaram a acreditar nesse novo modelo de controle e gestão, principalmente com o aumento da competitividade das empresas que adotavam o MRP e evoluíram, e aquelas que passaram a adotar a ferramenta já em sua segunda fase. A integração era a palavra de ordem e trocar interfaces (entre sistemas) por integração dentro das organizações. Uma nova classe de fornecedores surgiu com soluções de porte expandido em relação ao MRPII nos anos 80 quando empresas como IBM, com seu COPICS e Cincom, com seu Control Manufacturing tinham papel destacado: SAP, BAAN, ORACLE, QAD, SSA, entre outras, com soluções para todas as necessidades e características das empresas. A nova solução portanto não poderia, segundo eles, ser mais chamada de MRPII, pois o escopo da solução que ofereciam evolui para fora dos limites do setor de manufatura agora, abraçavam outros setores da empresa. Deveriam, portanto ser reclassificados de novo, para ERP: Enterprise Resource Planning Systems ou planejamento de recursos do empreendimento como um todo (Figura 1.4). Figura 1.4 Integração ERP Fonte: (Marcus Aragão, dedosnoteclado.wordpress.com/2008/11/08/o-que-e-um-erp)

15 Enterprise Resource Planning-ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) Com a evolução do MRPII para o ERP, nesse sistema foram agregadas funções de programação mestre de produção, cálculo de necessidades de capacidade, controle de chão de fábrica, controle de compras e por fim Sales & Operations Planning (Planejamento de operações e vendas). Dessa forma, os sistemas MRP deixaram de atender apenas as necessidades de informação referentes ao cálculo da necessidade de materiais, para atender às necessidades de informação para a tomada de decisão gerencial sobre outros recursos de manufatura. A utilização do ERP otimiza o fluxo de informações e dinamiza o acesso aos dados de operação, favorecendo a adoção de estruturas organizacionais mais achatadas. Além disso, as informações tornam-se mais consistentes, possibilitando a tomada de decisão com base em dados que refletem a realidade da empresa. Um outro benefício da implantação é a adoção de melhores práticas de negócio, alicerçadas pelas funcionalidades dos sistemas, que resultam em ganhos de produtividade e em maior velocidade de resposta da organização. Existem alguns fatores que podem ser também considerados críticos para que o ERP apresente sucesso: Selecionar um sistema que mais se encaixe as necessidades da organização; O software de gestão será a base dos sistemas aplicativos; Equipe altamente qualificada.

16 16 CAPÍTULO II IMPLANTANÇÃO E UTILIZAÇÃO DO O MRP Os sistemas integrados de gestão (ERP), agregam vários módulos que atendem diversas áreas/processos da empresa. Esses módulos além de atenderem setores/processos produtivos, atendem também serviços contábeis, planejamento e controle financeiro, administração de pessoal, contas a pagar e receber. O ERP evolui o sistema informatizado de uma empresa pois integra os departamentos da empresa. 2.1 A IMPLANTAÇÃO DO MRP - ERP Para uma boa implantação de um sistema ERP, é importante que algumas etapas sejam seguidas: 1º Passo Definir qual a sequência de implantação será seguida Já havendo algum sistema do tipo MRP ou MRP II, o processo poderá começar pela área de manufatura. Outras empresas tem preferência por começar a implantação através dos sistemas de contas a pagar e a receber e também pelo módulo contábil e financeiro. Não é uma obrigatoriedade que os módulos obedeçam essa sequência, uma vez que cada empresa tem suas peculiaridades e necessidades. O fundamental é que a decisão não seja tomada unilateralmente. 2º Passo Estabelecer como será ministrado o treinamento Dificilmente a empresa encontra tempo para treinar todos os funcionários de um setor de uma só vez. Em empresas maiores, é comum

17 17 treinar funcionários que atuarão como multiplicadores de conhecimento para que repassem o treinamento para os colegas de trabalho. Caso optem por essa opção, definir como isso será feito e como será dado o suporte inicial àqueles funcionários que não participaram do treinamento na primeira fase. 3º Passo Definir a melhor janela para a implantação de módulos específicos Cada implantação não deve agredir nem a parte operacional nem a parte administrativa. Procure fazer a implantação em épocas menos críticas, se possível escolha períodos mais calmos para que os problemas verificados não tenham grande impacto no dia-a-dia da empresa. 4º Passo O projeto de implantação deve ser apresentado como uma atividade estratégica definida pela alta administração da empresa A motivação é fundamental para que as pessoas envolvidas reduzam a resistência. É importante ressaltar que a implantação do ERP é uma estratégia definida pela alta administração da empresa. Se possível, definir um membro da alta administração para que a equipe envolvida reporte-se diretamente a ele, o qual será o chefe executivo do projeto. 5º Passo Estabelecer metas globais É imprescindível que todos os funcionários da empresa estejam a par das metas e objetivos da implantação do ERP. Preferencialmente, isso deverá ser tratado em reuniões ou em seminários internos, por exemplo. A utilização somente do canal escrito de comunicação deve ser evitada. É fundamental que a direção da empresa manifeste seu interesse e total apoio a implantação do sistema. Ciclicamente, os resultados deverão ser apresentados publicamente. Cientes disso, os responsáveis diretos pela implantação poderão intensificar seu empenho no cumprimento das metas estabelecidas.

18 ELEMENTOS QUE ACOMPANHAM O MRP ERP Alguns itens são importantes para o embasamento das informações que garantirão a base de análise correta do MPR e sua execução. Sua distribuição é vista na figura a seguir: Figura 2.1 Planejamento das Necessidades de Materiais Fonte: (Slack, Nigel, Administração da Produção 2007; p. 451) Cada uma dessas atividades é de extrema importância para que o funcionamento da ferramenta seja eficaz. O ciclo da informação passa por todos esses caminhos e coleta em cada um deles o que é necessário para o output e o ressuprimento ou não de matéria prima ou da alocação do recurso na produção. 1º Carteira de pedidos A carteira de pedidos são as demandas de compra formalizadas em um documento no sistema que consta todas as especificações do material,

19 19 condições de entrega, dados fiscais, impostos e prazos de pagamento. Geralmente são precedidos de autorização sistêmica para sua formalização e registro de data de compra e início da produção. 2º Previsão de vendas Trata-se de previsão da demanda e tem base estatística. É baseada em histórico de vendas e em outros casos, análise de mercado, que contempla mercado financeiro, área de atuação e sazonalidade. Essa previsão garante que o que for previamente colocado no sistema seja programado/comprado com antecedência. Em alguns casos podem ser chamado de contrato de fornecimento baseados em previsão de demanda. 3º Programa Mestre de Produção (MPS) O Programa Mestre de Produção mostra o que tem que ser feito, quando e em quanto tempo isso deve acontecer. Na maioria dos casos fica sob a responsabilidade do Gerente de Produção que o executa conforme o plano de produção geral. O plano de produção deve contemplar a capacidade financeira da empresa, a demanda logística de clientes e fornecedores, engenharia da empresa, mão de obra disponível, e flutuação de estoques, seja em depósito ou em linha de produção. É importante que todas as fontes de demanda sejam consideradas quando o programa mestre de produção é gerado. São geralmente os pequenos pedidos de última hora que geram distúrbios em todo o sistema de planejamento de uma empresa. (Slack 2007).

20 20 4º BOOM (Bill of Materials) A BOOM é a lista de materiais que contem toda a estrutura de engenharia de um determinado item, em outras palavras é todo produto ou subproduto que compõe determinado produto final. Cada item ao ser cadastrado no sistema deve receber, sem exceção, todos os insumos que serão responsáveis pela sua composição, por menos importante que possa parecer ele devem ser contemplados. Não obstante a isso, demais itens que compõe o produto para sua remessa ou embalagem também devem ser considerados, pois podem ser decisivos para a conclusão do processo de fabricação de determinado item. A necessidade de algumas empresas em colocar determinado item rapidamente no mercado faz com que sua lista de engenharia esteja incompleta ou às vezes inexistente. Por se tratar de ERP, as listas são fundamentais não só para a produção, mas sim também para apropriação de custos e de picking de material para alocação de subprodutos na linha de produção. 5º Registros de Estoque A administração do estoque é fundamental para que o MRP funcione plenamente. Ao visualizar os departamentos (divididos no sistema), visualizase o estoque que não estando indicando a correta quantidade de matéria prima ou estoques intermediários (antigamente apontados em ordens de produção e hoje em dia por códigos de barras), distorcerá a quantidade a ser ressuprida ocasionando faltas ou altos níveis de estoques. Dessa forma, as informações do estoque devem estar extremamente bem atualizadas e corretas para que a necessidade real do estoque seja dimensionada. Heizer (2001) diz que: quando existe estoque, preparamos um plano de necessidades liquidas.

21 21 Vamos imaginar um produto A. Este produto é composto por 10 itens do componente B, 5 itens do componente C e 45 itens do componente D. No estoque existem itens do componente B, 520 itens do componente C e itens do componente D. Supondo a necessidade de produção de 100 produtos A, ele explode (termo utilizado para identificar o desmembramento das informações) as informações, alertando a necessidade de agregar itens do componente B (100 x 10), 500 itens do componente C (100 x 5) e itens do componente D (100 x 45). O Relatório de Controle de Estoques identificará que os itens B e C são suficientes para atender a demanda existente, mas o item D necessitará de ser comprado mais 100 unidades para atender a demanda existente mais a quantidade de itens necessários para manter o estoque de segurança definido pela empresa. 6º Pedidos compra Os pedidos de compra são a materialização de quando e quanto comprar em documento formal e imput no sistema. Os pedidos de compras alimentam o MRP, uma vez que a ferramenta faz a leitura de que há matérias primas entrantes em um determinado prazo. 7º Lead time Estabelecidas as necessidades corretas, é determinado o momento que devem ser adquiridos, definindo o lead time. O tempo de ressuprimento para um item manufaturado, consiste nos tempos de movimentar, preparar, e montar cada componente. Para um item comprado, o tempo de ressuprimento inclui o tempo que decorre entre o momento em que algo é pedido

22 22 (comprado) e quando ela se torna disponível para produção. (Heizer 2001). 8º Necessidades Brutas e Líquidas Em seguida à determinação da disponibilidade dos componentes para produção, a gerência define o plano de necessidades brutas quando não há estoque ou necessidade líquida quando há. Segundo Stevenson (2001) o processo de determinação das necessidades líquidas de materiais (o netting) é o cerne do processamento MRP. Ele é conseguido subtraindo-se das necessidades brutas a soma do estoque disponível com todos os estoques programados para recebimento, e somando-se a seguir, se for o caso, o estoque de segurança necessário. líquidas. Na figura 6 encontramos o processo de cálculo das necessidades Figura 2.2 Cálculo das Necessidades Líquidas Fonte: (Slack, Nigel, Administração da Produção 2007; p. 466) 2.3 VANTAGENS DO ERP

23 23 Os defeitos em gestão são as principais causas da maioria dos insucessos das empresas em todo o mundo. Assim, gestão é questão de sustentabilidade empresarial. Com a rapidez que as coisas evoluem no mercado e em alguns casos ficam mais complexas é impossível gerenciar negócios de forma eficaz sem um sistema de informações integrado. Investir em sistemas de gestão é fortalecer seus negócios. Mesmo sabendo que as melhores opções disponíveis no mercado (ex.: SAP/R3, BAAN, People, Datasul, Oracle, entre outros) de sistemas ERP apresentem uma configuração que lhes permita receberem esse título, não podemos afirmar com segurança, pelo menos por enquanto, que uma solução ERP tenha tido completo sucesso em seu uso, considerando que um determinado usuário tenha utilizado todos os módulos (Figura 7). Portando adotar o sistema equacionando as particularidades de cada empresa é fundamental. Figura 2.3 Fonte: (Souza, Cesar Alexandre. Sistema ERP no Brasil Teoria e Casos; 2003) Ainda assim, podemos apontar cinco principais enfoques que justificam o investimento em ERP:

24 24 1º Redução de Custos É importante ter gestão para onde o dinheiro da empresa está indo e isso é o primeiro passo para reduzir seus custos. A implantação de um sistema informatizado de ERP permite que você gerencie seus custos em todas as áreas e tome, de forma antecipada, decisões em relação a vendas, compras, estoques, produção, fluxo de caixa e muito mais, evitando a aplicação errônea dos recursos da empresa, com base em dados diários, mensais, anuais ou da forma que seus negócios exigirem. 2 Aumento da produtividade dos processos Através da automação que o sistema irá proporcionar de várias funções administrativas, ocorrerá a eliminação de erros em tarefas básicas por muitas causas, como duplicação de informações e falhas humanas, o Sistema de ERP elevará a performance dos processos e consequentemente de seus resultados. 3 Visão total e global dos negócios Com a gestão da informação segura e confiável, tais como, informações operacionais, gerenciais e estratégicas do negócio, relatórios e indicadores de desempenho e painel de controle, usuários chaves do sistema passam a ter, a capacidade de tomar decisões quando e onde forem necessárias, de forma mais precisa, rápida e direcionada para o aumento de resultados. 4 Conhecimento em software e práticas de gestão Saber informática e entender de sistemas não é o bastante. É preciso ir além e entender de gestão de negócios. Isso significa que além de uma equipe de ponta em desenvolvimento de software, implantação, treinamento e

25 25 atendimento, a empresa que optar pela implantação e implementação de um sistema de ERP deverá possuir profissionais com conhecimento em gestão de empresas, capazes de analisar processos e estabelecer as soluções certas para cada tipo de mercado, de forma que a empresa passa a ter um corpo de profissionais forte que são capazes de resolverem problemas de ordem de gestão e sistêmica. 5º Infraestrutura em tecnologia e gestão Ter um sistema de ERP em funcionamento dentro da empresa significa ter uma infraestrutura de tecnologia da informação qualificada com especialistas trabalhando constantemente para o sucesso dos seus negócios. A atualização da capacidade dessa equipe e de melhorias contínuas que o próprio processo oferece ao usuário torna sua empresa mais forte, mais competitiva e mais preparada para a conquista de novos contratos e a manutenção dos antigos.

26 26 CAPÍTULO III A EVOLUÇÃO DO ERP BPMS UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO DE PROCESSOS A tecnologia evolui, as empresas ficam maiores e o ERP deve acompanhar essas mudanças. Existem softwares que permitem customizações, mas nem sempre elas são eficazes, e a empresa se prejudica com um sistema que não atende mais as necessidades. Nesse momento devemos nos perguntar: chegou o momento de trocar o ERP? 3.1 MUDANÇAS OU ADENDOS? Com todo o avanço tecnológico parece mais fácil fazer adaptações no ERP ao quais as pessoas já estão acostumadas. Mas antes de decidir trocar ou não é preciso analisar se processos que demandam menos customizações seriam mais funcionais. O surgimento de uma nova tecnologia não é fundamental para a troca do ERP mas, mais importante que uma nova tecnologia é avaliar se as necessidades da empresa são atendidas pelo atual fornecedor ERP. Crescimento da organização, mudanças legais ou alterações de processos internos são situações que exigem a alteração do sistema. Se o atual ERP consegue atender essas mudanças com eficiência, não há necessidade da troca. As novas tecnologias trazem maior agilidade na utilização de determinados processos e melhoram alguns procedimentos. Portanto, se o fornecedor não atualiza seu ERP, pode haver a necessidade de trocá-lo. (GANDRA, 2012)

27 ATIVIDADES TRANSFORMADAS EM PROCESSOS As atividades dentro de um ERP são um conjunto de processos, essas, são realizadas para produzir um resultado. Esse resultado pode ser um bem ou um serviço. Para transformar os recursos entrantes em bens e serviços (saídas), os processos valem-se de recursos de transformação, como máquinas e equipamentos, manuais, trabalho, softwares, repositórios de informação etc. Os processos de negócios nada mais são do que processos específicos para alcançar um resultado específico. Ele é personalizado, intrínseco aos objetivos de seus executores. Esses objetivos variam, de acordo com as necessidades de cada organização. Os Processos de Negócio são, na verdade, um subconjunto de todos os processos possíveis. 3.3 GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO (BPM) De acordo com CBOK, BPM (Business Process Management) é uma abordagem disciplinada para identificar, desenhar, executar, documentar, medir, monitorar, e controlar processos de negócio automatizados e não automatizados, para alcançar os resultados pretendidos consistentes e alinhados com as metas estratégicas de uma organização. BPM permite que uma organização alinhe seus processos de negócio a sua estratégia organizacional, conduzindo a um desempenho eficiente em toda a organização através de melhorias das atividades específicas de trabalho em um departamento, em toda a organização ou entre organizações. (FAST, 2012).

28 28 Essa disciplina que é o BPM, sistematiza e organiza os Processos de Negócio dentro da empresa e normalmente é aplicado a um subconjunto dos Processos de Negócio existentes em uma organização. Figura 3.1 Fonte: (http://vivenciandoti.blogspot.com.br/2012/01/conceito-de-processo-x-bpm-x-bpms.html) 3.4 BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SUITE (BPMS) BPMS significa Business Process Management Suite e é em todos os conceitos, uma nova tendência consolidada e de difícil revés que está modificando de forma conclusiva a forma de gerenciar as operaçães de organizações e empreendimentos em todo o mundo, trazendo maior flexibilidade, maior automatização e maior capacidade de resposta. BPMS pode ser definido como: Uma nova categoria de software empresarial que capacita às empresas a modelar, automatizar e gerenciar um série de atividades interrelacionadas ou seja, Processos de qualquer natureza, tanto departamentais como toda à empresa com

29 29 extensões que incluem a participação de clientes, fornecedores e outros agentes como executores de tarefas de processo. (AURA PORTAL, 2010). Conceitualmente, nesse modelo BPMS, os sistemas de informação legados, resididos em diferentes ambientes computacionais, continuam a executar as operações necessárias ao processo de negócio, conforme se pode observar na camada "ambientes computacionais" da Figura 3.1. O modelo conceitual do BPMS não está fundamentado na. "construção de softwares ou de módulos de sistemas de informação, mas na junção e orquestração de partes de softwares já disponíveis" (AALST, 2004). 3.5 INTEGRAÇÃO ERP - BPMS A convergência entre a tecnologia BPMS e o ERP permite alcançar a integração das áreas estratégicas do negócio representando uma oportunidade única de retorno consistente do investimento em TI. Embora os processos implementados em um BPMS possam funcionar integrados com as aplicações de negócio existentes dentro de um ERP, é provável que as empresa irão gradativamente modelar as atividades de seus ERPs, com o objetivo de substituir essas aplicações pelos processos modelados, obtendo melhor automação, flexibilidade, solidez e superioridade. 3.6 BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DO BPMS Alguns benefícios da implantação do BPMs serão apresentados a seguir: 1º Otimização dos processos

30 30 O BPMS provê ferramentas para análise e otimização dos processos. Os atuais ambientes de negócio exigem dinamismo e os profissionais e as empresas devem acompanhar essa tendência, invariavelmente. Isso implica em alterações nas operações da empresa e conseqüentemente nos possessos de negócios. (FAST, 2012). 2º Interface de tecnologias e processos O BPMS facilita a comunicação de diferentes tecnologias e a unificação dos processos intra-funcionais. Os atuais processos de negócios são cada vez mais colaborativos, isto é, envolvem diversas empresas parceiras na operação do processo. Esses processos extrapolam fronteiras das organizações e envolvem uma diversidade de sistema de informação. Além dos problemas ligados à dificuldade de alteração dos softwares, há agora o problema da diversidade de sistemas, de plataformas tecnológicas nas quais eles operam, de bases de dados e todos os demais componentes necessários para a execução de um sistema de informação (FAST, 2012). 3º Interface de tecnologias e processos O BPMS permite flutuações nas atividades e métodos de negócio dos processos, de forma rápida e segura. A visualização ou abstração do fluxo de processos de negócios em tempo real, independentemente da quantidade e localização dos softwares que o compõem, o acompanhamento dos indicadores do processo ou de suas partes, o disparo de ações com base em eventos, entre outras funcionalidades requeridas à gestão dos modernos processos colaborativos, requerem uma proposta e arquitetura de softwares diferente das tradicionais (FAST, 2012). 4º Manutenção das informações em tempo real

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso José Henrique de Andrade (EESC-USP) jandrade@sc.usp.br José Renato Munhoz (UFSCAR) renato.munhoz@citrovita.com.br

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE ERP NO SETOR DE MINERAÇÃO: ESTUDO DE CASO

A UTILIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE ERP NO SETOR DE MINERAÇÃO: ESTUDO DE CASO A UTILIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE ERP NO SETOR DE MINERAÇÃO: ESTUDO DE CASO Maura Chaves Sousa (UFSJ ) maurachsousa@yahoo.com.br Paula Cristina Resende (UFSJ ) paulacresende@hotmail.com JORGE NEI BRITO (UFSJ

Leia mais

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Centro Universitário de Barra Mansa UBM Curso de Administração Tecnologia da Informação Aplicada à Administração ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Prof. M.Sc. Paulo

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes O que é ERP? ERP é a sigla de Enterprise Resourse Planning (Planejamento dos Recursos Empresariais). Trata-se de uma técnica moderna de gestão empresarial pela qual todas as informações de todas as áreas

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais Sistemas ERP Prof. Breno Barros Telles do Carmo Conceitos Iniciais Sistema de Informação adquirido em forma de pacotes comerciais de software que permite a integração de dados de sistemas de informação

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Cristiane Mello 1, Maria F. Marinho 1, Antônio Luiz S. Cardoso 1,2 1 Escola de Administração Universidade Federal da Bahia (UFBA) 41.100-903 Salvador

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Programação da produção adequada à realidade

Programação da produção adequada à realidade Divulgação TECNOLOGIA Programação da produção adequada à realidade Com a implantação de um sistema APS, de planejamento e programação detalhada da manufatura, desenvolvido pela Ortems, a fábrica da filial

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

Sistemas ERP como instrumento de integração entre as disciplinas de um curso de graduação em Engenharia de Produção

Sistemas ERP como instrumento de integração entre as disciplinas de um curso de graduação em Engenharia de Produção Sistemas ERP como instrumento de integração entre as disciplinas de um curso de graduação em Engenharia de Produção José Roberto de Barros Filho (UNISUL) jroberto@unisul.br Ana Regina Aguiar Dutra (UNISUL)

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GOIÂNIA 2015 2 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Instituto de Educação Tecnológica Pós Graduação Gestão de Tecnologia da Informação Turma 24 16 de Outubro de 2014 Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Felipe Rogério Neves

Leia mais

Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL

Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL O Projeto Sistema Integrado de Gestão Governamental se constitui no desenvolvimento de uma solução sistêmica própria, a ser construída

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E CADEIA DE SUPRIMENTOS I Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Tomar contato com os tipos de informação relevantes na Cadeia de Suprimentos

Leia mais

17 de setembro de 2007. SYSPHERA NO ANGELONI Análise do Projeto, Benefícios e Particularidades

17 de setembro de 2007. SYSPHERA NO ANGELONI Análise do Projeto, Benefícios e Particularidades BUSINESS CASE VAREJO 17 de setembro de 2007 A SYSPHERA é uma empresa brasileira de tecnologia que se dedica ao desenvolvimento de soluções estratégicas para clientes que buscam a melhoria contínua de sua

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Infor ERP SyteLine Visão Geral Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Sobre a Mag-W A Mag-W foi criada especialmente para trazer ao mercado o que há de melhor em soluções corporativas de Tecnologia da Informação

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Helio Galvão Ciffoni, Ramon Hoshino & Walid Nicolas Assad Malisoft

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais