Câmbio (R$) Dólar / BC Compra Paralelo 1,7500 1,9400 Comercial 1,8150 1,8170 Turismo 1,7500 1,9400 Euro / BC 2,3904 2,3915. Ouro (R$) Blue Chips %

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Câmbio (R$) Dólar / BC Compra Paralelo 1,7500 1,9400 Comercial 1,8150 1,8170 Turismo 1,7500 1,9400 Euro / BC 2,3904 2,3915. Ouro (R$) Blue Chips %"

Transcrição

1 Câmbio (R$) Dólar / BC Compra Venda Paralelo 1,7500 1,9400 Comercial 1,8150 1,8170 Turismo 1,7500 1,9400 Euro / BC 2,3904 2,3915 Ouro (R$) Grama 99,000 Variação - 0,8% Blue Chips % Ult. cotação BMF Bov. ON R$ 10,01-1,86 Bradesco PN R$ 30,89-0,35 Gerdau PN R$ 14,04-2,63 Itaú Unib. PN R$ 33,77-0,38 Petrobras PN R$ 22,52-3,30 Sid Nac. PN R$ 14,71-4,04 Vale PNA R$ 38,42-1,63 Economia Diante da aposta de que os preços tendem a desacelerar ainda mais nos próximos meses, a ata da última reunião do Copom reforçou a expectativa dos analistas do mercado de que é possível reduzir o juro mais vezes até que a taxa Selic tenha um dígito em PÁGINA 2 País O governo do Rio espera ter uma definição até o fim do ano para a implementação do projeto portuário conjunto de Petrobras, Gerdau e CSN no município de Itaguaí. O objetivo é abrir caminho logo para a implantação de uma das bases da estatal para o pré-sal. PÁGINA 8 Arte A escritora Ana Maria Machado foi eleita ontem presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL) para o exercício de Em 40 anos de carreira dedicada à literatura infantil e adulta, Ana Maria escreveu mais de 100 livros e vendeu mais de 18 milhões de exemplares. PÁGINA 10 Mônica Gusmão Questão de Justiça As sociedades simples podem ou não adotar tipo societário específico, conforme o disposto no art. 983 do Código Civil. As que não adotam forma própria são chamadas de simples ou simples pura, e admitem a contribuição dos sócios com serviços. PÁGINA 7 1ª FASE 1875 A SEXTA-FEIRA, 9 DE DEZEMBRO DE 2011 R$ 1,00 Em 12 meses, no entanto, taxa recuou a 6,64%, permanecendo ainda acima do teto da meta A inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), fechou novembro com taxa de 0,52%, ante variação de 0,43% em outubro, informou ontem o IBGE. Até novembro, o indicador acumula alta de 5,97% no ano, acima da taxa de igual período de 2010 (5,25%). Em 12 meses, o índice caiu para 6,64%, recuando em relação a outubro (6,97%), mas ainda permanecendo acima do teto da meta perseguida pelo Banco Central, de 6,5%. Segundo a coordenadora de Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos, a taxa em 12 meses mostra tendência de desaceleração, e para fechar dentro da meta de 6,5%, o IPCA de dezembro tem que ser 2ª FASE ANO II EDIÇÃO Nº 493 de 0,5%. Em dezembro de 2010, o indicador foi de 0,63%. Segundo a economista, por enquanto há poucas pressões de preços já conhecidas para dezembro. O grupo Alimentação e Bebidas acelerou a alta para 1,08%, após ter registrado variação de 0,56% em outubro. Esse grupo foi responsável por 48% da taxa do IPCA em novembro. PÁGINA 2 O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Paulo Safady Simão, disse ontem que a expansão da construção civil em 2011 será de 4,8%, já sobre uma base de crescimento elevada, de 11,6% em Para ele, o desempenho do setor em 2012 será tão bom quanto foi neste ano. Duvido que a gente cresça menos do que isso (4,8%) no ano que vem, mas para isso será preciso investir, disse. De acordo com Safady, o cenário é positivo para o setor, já que não há problemas com recursos, com regras ou projetos. Estamos batendo recorde atrás de recorde no setor imobiliário, afirmou. O executivo descartou a possibilidade de existência de qualquer bolha no setor e disse que a construção civil não sentirá os efeitos da crise porque é uma área tratada de forma diferente. Para Safady, o momento é de tratar de incentivos que deem ainda mais ânimo ao mercado doméstico. PÁGINA 3 O Banco Central Europeu (BCE) decidiu ontem cortar a taxa de juros na zona do euro em 25 pontos-base, para 1% - o menor patamar já registrado na região. Além disso, foram aprovadas duas novas operações de oferta ilimitada de crédito a bancos com prazo de 36 meses, além de corte nos compulsórios de 2% para 1% e flexibilização nas exigências de colaterais para empréstimos do BCE. Isso irá liberar liquidez, afirmou o presidente do BCE, Mario Draghi. Ainda ontem, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, disse que a Europa não terá uma segunda chance caso não consiga chegar a um acordo na reunião de hoje, em Bruxelas, para mudanças no tratado da UE. Já a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse confiar que os líderes da UE chegarão hoje a um compromisso conjunto para acelerar a integração fiscal e a supervisão conjunta das economias do bloco. PÁGINA 5 ALTA DOS PREÇOS Wilson Dias / ABr Safady diz que 2012 será positivo para o mercado imobiliário brasileiro e a construção civil Meirelles diz que padrão hoje é melhor que no passado, mas País precisa avançar mais Antonio Cruz / ABr Durante palestra ontem na capital paulista, o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles disse que um grande desafio para a economia brasileira no curto e médio prazos é elevar o grau de produtividade, especialmente no setor de serviços. Com a estabilização econômica, conquistada nos últimos anos, houve um avanço expressivo na geração de empregos, que melhorou a renda da população, o que também foi proporcionado por programas sociais. Esta foi a primeira fase. Agora o próximo estágio é elevar a produtividade da economia para que o Brasil seja mais competitivo. Precisamos avançar ainda mais, mas o padrão atual é bem melhor do que no passado. PÁGINA 4

2 2 ECONOMIA Sexta-feira, 9 de dezembro de 2011 Em 12 meses, taxa recua para 6,64%, mas ainda permanece acima do teto da meta perseguida pelo BC, de 6,5% ao ano Da redação, com agências Alessandra Saraiva A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou novembro com taxa de 0,52%, ante variação de 0,43% em outubro, informou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A prévia do IPCA divulgada há 15 dias apontava para alta de 0,46%. O IPCA é o índice oficial utilizado pelo Banco Central para cumprir o regime de metas de inflação, determinado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Até novembro, o indicador acumula alta de 5,97% no ano, acima da taxa de igual período de 2010 (5,25%). Em 12 meses, o índice caiu para 6,64%, recuando em relação a outubro (6,97%), mas ainda permance acima do teto da meta perseguida pelo Banco Central, de 6,5%. A coordenadora de Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos, disse que a taxa em 12 meses mosra tendência de desaceleração, e para fechar dentro da meta de 6,5%, o IPCA de dezembro tem que ser de 0,5%. Em dezembro de 2010, o indicador foi de 0,63%. Segundo a economista, por enquanto há poucas pressões de preços já conhecidas para dezembro. Carnes - O aumento de 2,63% nos preços das carnes na passagem de outubro para novembro puxou a inflação no mês passado, segundo o IBGE. Como resultado, o grupo Alimentação e Bebidas acelerou a alta para 1,08%, após ter registrado variação de 0,56% em outubro. Esse grupo foi responsável por 48% da taxa total do IPCA em novembro. Entre os alimentos em queda, A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) acelerou na primeira semana de dezembro. É o que informou ontem a Fundação Getúlio Vargas (FGV), ao anunciar avanço de 0,63% para o indicador de até 7 de dezembro, acima do IPC-S imediatamente anterior, de até 30 de novembro (0,53%). A taxa foi a mais elevada desde a segunda quadrissemana de setembro de 2011, quando subiu 0,69%. Nesta apuração, todas as sete classes de despesa componentes do índice apresentaram acréscimos em suas taxas de variação de preços, entre a quarta quadrissemana de novembro e a primeira quadrissemana de dezembro. Acelerações nos preços de Alimentação (de 0,78% para 0,94%), Vestuário (de 0,87% para 1,2%) e Transportes (de 0,08% para 0,2%) foram determinantes para a taxa maior do IPC-S. o leite ficou 2,02% mais barato, sendo o principal impacto a puxar a taxa do IPCA para baixo. Entre os itens não alimentícios, a variação foi de 0,35%, abaixo da taxa de outubro, de 0,39%. Empregado doméstico - O aumento de 1,36% nas despesas com empregados domésticos, na passagem de outubro para novembro, fez o item se tornar o segundo maior impacto na alta do IPCA. Na leitura anterior, o Fernando Nakagawa e Adriana Fernandes O Banco Central (BC) admite que a crise internacional contagiou o Brasil. Se até outubro o Comitê de Política Monetária (Copom) tratava a contaminação apenas como uma possibilidade, a ata da última reunião do grupo mostra que o fenômeno já está em curso e, segundo o BC, ajudará a reduzir o ritmo da inflação em 2012 para um patamar próximo de 4,5%, no centro da meta. Por isso, houve espaço para cortar o juro pela terceira vez seguida na semana passada, para 11% ao ano. Diante da aposta que os preços tendem a desacelerar ainda mais nos próximos meses, o BC reforçou a expectativa dos economistas de que é possível reduzir o juro mais vezes até que a taxa Selic tenha um dígito em Os cortes, somados às medidas de incentivo ao crédito, tentam reanimar a economia que ficou estagnada no terceiro trimestre. O plano é baratear financiamentos para levar famílias às compras e, assim, amenizar o efeito da crise. Divulgada ontem, a ata do encontro da semana passada mostra que as preocupações do BC com a inflação são decrescentes. Mesmo com o IPCA acima da meta no período de 12 meses - alta de 6,64%, acima do limite de 6,5% - o comitê reafirmou que o pico da inflação aconteceu no terceiro trimestre e que, agora, os preços começam a recuar na direção da trajetória de metas. Por isso, o BC acredita em inflação ao redor do valor central da meta em 2012, abaixo do que foi indicado na ata da reunião anterior, em outubro, quando a previsão estava acima do valor central. Parte dessa desaceleração pode ser atribuída à influência da crise externa. Com a crise internacional, diminuem as compras em todo o mundo e preços começam a cair. A retração é sentida no Brasil, por exemplo, via produtos básicos - as chamadas commodities. Apenas em novembro, o preço médio desses produtos caiu 1,7%, segundo o BC. O movimento é potencializado com a atividade doméstica estagnada. O alívio da inflação, mesmo que gradual, dará mais conforto para o Comitê seguir implementando sua política de cortes moderados, ao longo das próximas três reuniões, levando a Selic para 9,5%, prevê o diretor do departamento de pesquisas e estudos econômicos do Bradesco, Octavio de Barros, em relatório Assim como o Bradesco, outras instituições reforçaram hoje a aposta que o juro deve continuar em quedas moderadas de 0,5 ponto nos primeiros meses de 2012, o mesmo ritmo visto desde agosto. Portanto, o texto enterrou, pelo menos por enquanto, a hipótese que a dose dos cortes poderia aumentar. Quedas mais fortes só devem vir em caso de ruptura do quadro externo, como o calote da dívida de algum país europeu ou quebra de Segundo a FGV, em cada uma destas classes de despesa foram registradas taxas de inflação mais intensas ou fim de deflação em itens de peso no cálculo da inflação varejista. É o caso de frutas (de 2,20% para 4,12%), roupas (de 0,97% para 1,24%) e gasolina (de -0,16% para 0,16%), respectivamente. Os quatro grupos restantes entre os sete pesquisados também mostraram aceleração cde preços. Foram os casos de Educação, Leitura e Recreação (de 0,39% para 0,47%), Habitação (de 0,52% para item empregados domésticos tinha subido 0,1%. Também ficaram mais caros os serviços de manicure, que passaram de 0,88% em outubro para 1,98% em novembro; cabeleireiro (de 0,54% para 1,19%); e costureira (de 0,41% para 1,64%). Os aumentos fizeram o grupo Despesas Pessoais passar de uma alta de 0,22% em outubro para 0,88% em novembro, a segunda maior variação entre todos os instituição financeira. Juros mais baixos devem alavancar a os empréstimos e estão alinhados com o plano do governo de acelerar a economia via crédito. Com a estratégia, o BC mudou a avaliação sobre o futuro dos financiamentos. Até outubro, previa moderação na expansão dessas operações. Agora, passou a trabalhar com expansão moderada. Ou seja, previa pé no freio e atualmente espera aceleração. A ata mostra ainda que os juros menores seguem como operação principal na política do BC. Porém, outras opções estão na mesa. Entre economistas, cresce a expectativa que o governo possa usar outros instrumentos que reduzem o custo dos financiamentos e aumentam a oferta de crédito, como a liberação de parte dos depósitos compulsórios - parcela do depósito dos clientes que é mantida no BC. Conforme informou a agência estado, no fim do mês passado, a medida está em estudo e deverá ser acionada em breve pelo Banco Central. 0,55%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,43% para 0,50%) e Despesas Diversas (de 0,41% para 0,45%). Entre os produtos analisados, as mais expressivas elevações de preços na primeira quadrissemana de dezembro foram encontradas em mamão da Amazônia papaya (29,35%); tarifa de eletricidade residencial (1,79%); e passagem aérea (17,06%). Já as mais expressivas quedas de preço ocorreram em leite tipo longa vida (-3,32%); batata-inglesa (-7,49%); e alho (-10,89%). grupos no período, superada apenas pela dos alimentos (1,08%). Também apresentaram aceleração na alta dos preços ou fim de deflação os grupos artigos de residência (de -0,2% em outubro para 0,05% em novembro) e comunicação (de 0,13% para 0,39%). Transportes - Os preços das passagens aéreas diminuíram a alta em novembro, contribuindo para amenizar o impacto do grupo Transportes no IPCA. Segundo o IBGE, a queda na gasolina também levou o grupo a uma ligeira alta, de 0,01%, após ter registrado variação positiva de 0,48% em outubro. As passagens aéreas subiram, em média, 3,91% em novembro, enquanto em outubro a alta chegou a 14,26%. Já o litro de gasolina ficou 0,25% mais barato no mês passado, após ter tido um aumento de 0,17% no mês anterior. No entanto, o litro do etanol ficou mais caro, saindo de uma queda de 0,36% para uma alta de 1,28%, na mesma base de comparação. Outros itens como seguro voluntário (de 4,50% em outubro para -0,56% em novembro) e automóveis, tanto novos (de -0,09% para -0,51%) quanto usados (de -0,15% para -1,08%), tiveram queda de preços. INPC - O IBGE também informou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) subiu 0,57% em novembro, após ter registrado alta de 0,32% em outubro. Com o resultado, até o mês passado, o índice acumula altas de 5,54% no ano e de 5,83% em 12 meses. O INPC mede a variação dos preços para as famílias com renda de um a seis salários mínimos e chefiadas por assalariados. Bruno Bocchini Das nove linhas de crédito pesquisadas em novembro pela pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), apenas uma manteve estável a taxa de juros. A das demais linhas foram elevadas ao longo do mês. Para pessoas físicas, só os juros do cartão de crédito, em 10,69% ao mês e 238,3% ao ano, mantiveram-se estáveis em relação a outubro. Nas demais modalidades de crédito, as taxas ficaram mais altas. O destaque foi a elevação de 0,2 ponto percentual na taxa do cheque especial, de 8,21% ao mês e 157,76% ao ano, em outubro, para 8,41% ao mês e 163,53 % ano ano, em novembro. A taxa de juros média geral para pessoa física apresentou elevação de 0,07 ponto percentual em novembro, de 6,6% ao mês (115,32% ao ano) em outubro para 6,67% ao mês (117,02% ao ano) em novembro. A taxa do cheque especial aumentou de 8,21% ao mês em outubro para 8,41% ao mês em novembro Salientamos que não está computada nesta pesquisa a última redução da taxa básica de juros promovida pelo Banco Central, o que deverá se refletir na nossa próxima pesquisa referente ao mês de dezembro, ressalvou Miguel de Oliveira, vicepresidente da Anefac. Para pessoas jurídicas, as três linhas de crédito pesquisadas foram elevadas no mês. A taxa de juros média geral apresentou elevação de 0,1 ponto percentual no mês, passando de 3,89% ao mês (58,08% ao ano) em outubro para 3,98% ao mês (59,92% ao ano) em novembro, a maior taxa média desde julho. Publicação da empresa JGN Editora Ltda. Departamento Comercial e Administração Rua Debret, 23 Sobreloja 116 e 117 Centro - Rio de Janeiro CEP Diretora Geral Elizabeth Campos Roitman Comercial: PABX (21) Conselho Editorial: Des. José Geraldo da Fonseca Des. José Lisboa da Gama Malcher Mônica de Cavalcanti Gusmão Redação: (21) Projeto Gráfico:dtiriba design gráfico Impressão: Gráfica Monitor Mercantil Rua Marcílio Dias, 26 - Centro - RJ Editor- chefe: Jorge Chaves Subeditora: Rafaela Pereira Diagramação: Felipe Ribeiro Rodrigo Gurski Artigos & Colunas: Filiado à Preços de Assinatura Trimestral...R$ 60,00 Semestral...R$ 110,00 Anual...R$ 210,00 Serviço Noticioso Agências Brasil e Estado As matérias e artigos são de responsabilidade dos autores e não representam, necessariamente, a opinião deste jornal

3 Para presidente da CBIC, cenário é positivo para o setor e 2012 também será bom Célia Froufe O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Paulo Safady Simão, previu, ontem, que o crescimento do setor em 2012 será tão bom quanto foi este ano. De acordo com ele, a expansão da construção civil em 2011 será de 4,8%, já sobre uma base de crescimento elevada, de 11,6% em Duvido que a gente cresça menos do que isso (4,8%) no ano que vem, mas para isso será preciso investir, disse. Conforme Safady, o cenário é positivo para o setor, já que não há problemas com recursos, com regras ou projetos. Estamos batendo recorde atrás de recorde no setor imobiliário, afirmou, acrescentando que o nível do uso de recursos de poupança e FGTS já considerados positivos, este ano, deverão se repetir em O executivo descartou a possibilidade de existência de qualquer bolha no setor e disse que a construção civil não sentirá os efeitos da crise porque é uma área tratada de forma diferente. Para Safady, o momento é de olhar para o umbigo e tratar de incentivos que deem ainda mais ânimo ao mercado doméstico. A única preocupação demonstrada pelo empresário é com o início do programa Minha Casa, Minha Vida 2. Segundo ele, parcela de 80% do Minha Casa, Minha Vida 1 será entregue até abril. O temor de Safady é que exista um gap entre o fim da ECONOMIASexta-feira, 9 de dezembro de Wilson Dias / ABr Safady: Estamos batendo recorde atrás de recorde primeira fase do projeto e o início da segunda etapa. Imóveis - Para o presidente da CBIC, o preço dos imóveis no mercado brasileiro deverá se manter relativamente estável nos próximos anos. Vimos um aumento significativo no passado recente e houve até excessos que já se acomodaram. Mas não vejo motivo para os preços aumentarem e tampouco baixarem, avaliou. De acordo com Simão, o crédito imobiliário hoje representa 5,1% do PIB, ainda muito distante de países da América Latina, como o México, que hoje está em 12,5%. Mesmo se dobrarmos o nosso nível não haverá problemas. Não há bolha coisa nenhuma, descartou. Segundo ele, 2012 será um ano positivo para o mercado imobiliário brasileiro e a construção civil, apesar da crise externa e de ser também um ano de eleições municipais, que poderia prejudicar o setor, com a suspensão de novos contratos. Alessandra Saraiva O empresário do comércio apresentou em novembro o mais elevado nível de confiança desde março deste ano. O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) subiu 0,3% em novembro contra outubro, segundo informou ontem a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O indicador, calculado dentro de uma escala que vai até 200 pontos, passou de 113,3 pontos para 113,8 pontos de outubro para novembro. Entretanto, a CNC fez uma ressalva. Entre os três subíndices componentes do ICEC, o indicador que mede a percepção do empresário quanto às condições atuais caiu 0,5% em novembro contra outubro. Já o índice que apura as expectativas dos empresários do setor permaneceu relativamente estável, no mesmo período de comparação (0,2%). Mas o índice que mede as expectativas de investimentos dos empresários do setor subiu 1,1% em novembro contra outubro. A intenção elevada de contratar funcionários, para atender ao crescimento característico nas vendas de final de ano no comércio, aliado a melhora na percepção do comerciante quanto ao seu nível de estoques conteve, em parte, o impacto das respostas negativas dos empresários na formação do indicador em novembro. Somente a intenção de contratar novos funcionários atingiu, em novembro, o maior patamar desde o início da pesquisa em março desse ano. No entanto, a CNC admitiu que, embora os empresários tenham notado melhora nos estoques, estes ainda se encontram em níveis insatisfatórios. Na prática, para a CNC, a persistência na deterioração nas condições atuais reflete economia em desaceleração; e mercado de trabalho num ponto de inflexão. O desempenho de novembro foi puxado basicamente por fatores sazonais, como a proximidade do Natal e o aquecimento característico da economia no quarto trimestre. A pesquisa abrange universo de aproximadamente empresas, pesquisadas em todas as capitais do País. Outra pesquisa - Já a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou a terceira edição da Sondagem Conjuntural do Comércio, elaborada em parceria com o Banco Central (BC). Segundo a pesquisa, o Índice de Confiança do Comércio (Icom) caiu 4,5% no trimestre finalizado em novembro, contra igual período do ano passado. O recuo foi mais intenso do que o registrado em desempenho anterior, referente ao trimestre encerrado em outubro (-3,3%). No caso dos dois indicadores componentes do Icom, o Índice de Situação Atual (Isa-Com) caiu 6,5% no trimestre encerrado em novembro, contra recuo de 4,5% apurado no trimestre finalizado em outubro. Já o Índice de Expectativas (Ie-Com) caiu 3% no trimestre até novembro contra queda de 2,5% no trimestre encerrado em outubro. No desempenho mensal, os sinais também são negativos. O Icom caiu 6% em novembro, contra igual mês no ano passado, frente à queda de 8,1% em outubro, no mesmo tipo de comparação. O Isa-Com recuou 9,5% em novembro em relação à um ano antes, contra taxa negativa de 9,1% em outubro ante outubro de 2010; e o Ie-Com teve queda de 3,3% no mês passado ante o igual mês do ano anterior, frente a um queda de 7,4% em outubro em relação a um ano antes. A pesquisa abrange 17 segmentos do comércio, e inclui varejo e atacado. Este último representa um terço do indicador. De acordo com informações divulgadas pelo BC no lançamento da pesquisa, a sondagem deverá ser incorporada ao conjunto de indicadores analisados pelo Comitê de Política Monetária (Copom) nas decisões para decidir o patamar da taxa básica de juros (Selic). Pesquisa Serasa Experian de Perspectiva Empresarial revela que 55% dos empresários do País esperam aumento do faturamento neste Natal em relação ao de 2010, enquanto 31% acreditam que repetirão o desempenho do ano passado e 14% acham que haverá uma queda. No Natal de 2010, 69% deles haviam respondido que a expectativa era de aumento nos ganhos. Já nos dois anos anteriores, 2009 e 2008, o percentual era de 53% e 52% respectivamente. A grande maioria dos empresários de grandes negócios (82%) acredita que o faturamento aumentará neste Natal ante o anterior Entre os médios varejistas, esse número é de 63% e entre os pequenos, de 55%. A região do País com mais empresários otimistas é a Centro-Oeste, com 62% dos entrevistados apostando em maior faturamento em Depois vêm as regiões Norte (60%), Sudeste (58%), Nordeste (55%) e Sul (50%). Para a Serasa Experian, a política monetária restritiva mantida até o início do segundo semestre afetou a expectativa do varejista brasileiro. De qualquer forma, será um bom Natal por conta dos 31% que esperam repetir o faturamento do Natal 2010, afirma a entidade, em nota. De acordo com a sondagem, realizada entre os dias 16 e 24 de novembro, para 26% dos empresários o consumidor gastará em média até R$ 50. Já para 39% os presentes estarão na faixa de R$ 51 a R$ 100, para 22% de R$ 101 a R$ 200 e para 13%, acima disso. Os produtos mais procurados no Natal deste ano, na opinião dominante entre os entrevistados, serão roupas, sapatos e acessórios (34%). Segundo a Serasa Experian, por causa do endividamento maior da população, com inadimplência e juros ainda elevados, o consumidor procura produtos com maiores opções de preços, como é o caso de vestuário e perfumarias. A expectativa dos empresários é de que 49% das compras serão feitas à vista, com pagamento em dinheiro (42%) e cartão de crédito (25%) aparecendo como opções mais citadas, e 51% a prazo, com destaque para cartão de crédito parcelado (48%) e cheque pré-datado (25%). No Natal 2010, 51% das compras foram feitas à vista e 49% a prazo. A indústria eletroeletrônica brasileira vai encerrar 2011 com um faturamento de R$ 134,9 bilhões, 8,5% acima do obtido em Apesar da expansão, o resultado é inferior ao crescimento de 13% projetado pelo setor, de acordo com o presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato. O dirigente queixou-se da concorrência dos importados e atribuiu essa situação ao aumento de 18,2% no déficit comercial do setor, que chegou a US$ 32,2 bilhões este ano. Enquanto as exportações somaram US$ 7,8 bilhões, as importações de bens acabados e de produtos como componentes alcançou US$ 40 milhões, uma alta de 14,9% em relação ao registrado no ano passado. O Brasil está em processo de desindustrialização, avaliou Barbato, ao destacar que a valorização do real e o aumento do custo de produção têm prejudicado a indústria do setor. Apesar disso, ele projeta para 2012 um aumento de 13% no faturamento, que deve chegar a R$ 152,5 bilhões. Há ainda previsão de crescimento das exportações, que devem ter alta de 5%, atingindo US$ 8,3 bilhões. Mas as importações também deverão continuar crescendo. Fernando Scheller e Alexandre Rodrigues A Brasil Foods (BRF) e Marfrig anunciaram ontem acordo para troca de ativos. A operação, que recebeu o aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), resolve as obrigações da BRF com o órgão antitrustre relativo ao domínio de mercado das marcas Sadia e Perdigão e representa para o frigorífico comandado pelo empresário Marcos Molina um alívio em seus desafios financeiros. Na troca, o Marfrig sai ganhando: recebe fábricas, abatedouros e centros de distribuição da BRF que rendem R$ 2 bilhões ao ano e desiste de operações que geram receita inferior No entanto, o alívio de caixa está longe de resolver os problemas do Marfrig, que sofre com alto endividamento (cerca de R$ 6 bilhões). Considerada a margem média de 10% das operações da Perdigão, a estimativa é que o negócio alivie o balanço do frigorífico em R$ 200 milhões ao ano. Está longe de resolver, mas é mais uma bola dentro após a venda das operações de logística da Keystone, nos Estados Unidos, diz um analista ouvido pelo Grupo Estado. O acordo prevê um pagamento de R$ 200 milhões do Marfrig à BRF, que deverá ser parcelado. BNDES - O desenho da operação foi apresentado ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que é sócio das duas companhias e um dos principais credores do Marfrig. O banco de fomento considerou que o negócio foi a melhor forma de manter os ativos da BRF sob controle de uma empresa de capital nacional. Assim como analistas, o BNDES também considerou que a operação vem para auxiliar o Marfrig em um momento de dificuldades. Interessava ao BNDES que os ativos da BRF fossem comprados por Marfrig ou JBS - outra gigante da qual o banco de fomento é sócia - para não deixar espaço para companhias estrangeiras e aumentar a musculatura dos grupos locais. No entanto, fontes afirmam que a escolha da troca de ativos com o Marfrig ocorreu também porque a BRF se viu sem opções: o JBS não se interessou pela operação e a empresa percebeu que não conseguiria atrair um grupo estrangeiro até julho de 2012, quando vencia o prazo imposto pelo Cade. O acordo previa que a BRF teria de vender todos os ativos da Perdigão a um só concorrente. De qualquer forma, a operação cumpriu uma meta do BN- DES: equilibrar o jogo entre JBS e Marfrig. Segundo uma fonte, o JBS reduziu margens no mercado interno este ano, enfraquecendo ainda mais as contas do Marfrig. Ao identificar a intenção de enfraquecer o concorrente para tentar comprá-lo e se tornar o grande monopolista do setor, o BNDES não gostou e interveio no JBS, que aliviou a estratégia, dando fôlego para o C U R T A Embraco pagará multa de US$ 72,9 milhões na Europa Marfrig recompor preços. O acordo entre BRF e Marfrig ocorreu porque o negócio fazia sentido para os dois lados. A BRF era obrigada a se desfazer dos ativos da Perdigão, pois os produtos da marca sairão de circulação por um período de três a cinco anos. Isso obrigou a empresa a se desfazer de oito centros de distribuição, duas plantas de abate de suínos, outras duas de aves e dez fábricas de alimentos processados. O Marfrig herdou também algumas marcas, incluindo Rezende, Tekitos, Patitas, Light Elegant e Fiesta, além das margarinas Doriana e Quality. A Marfrig sai ganhando porque sua operação local ganha musculatura: os ativos de processados reforçam a estratégia de investir em negócios de margem maior. Os centros de distribuição resolvem outra questão: a dificuldade em conectar as operações industriais ao varejo, o que obriga a companhia a trabalhar com distribuidores terceirizados. Nenhuma das marcas herdadas é considerada relevante, embora a Rezende tenha boa aceitação nas classes C e D. As marcas com maior recall (as de margarina) estão em um setor no qual a Marfrig não tem tradição. Fontes que acompanham o mercado de alimentos no País afirmam que a BRF não deverá sofrer um grande abalo ao desistir da Perdigão. Tradicionalmente, o consumidor tende a flutuar entre a Sadia e a Perdigão. É muito difícil uma outra marca entrar neste espaço, diz um analista de mercado. Dados da Nielsen compilados pela revista Supermercado Moderno mostram que a participação das duas marcas supera 70% em produtos como presunto, hambúrguer e congelados. Nesses segmentos, a fatia da Seara, marca de varejo do Marfrig, flutua entre 6% e 7%. É preciso ter caixa para investir em marketing para apoiar uma marca - o que a Marfrig não tem, completa. Para a BRF, os ativos da Marfrig na Argentina, que rendem cerca de R$ 1 bilhão ao ano e incluem diversas fábricas e a marca Paty - líder em hambúrguer no país - são complementares à plataforma da gigante brasileira na América do Sul. Em outubro, a companhia comprou dois negócios na Argentina, a Avex e o Grupo Danica, por US$ 150 milhões. A Paty, ao lado das marcas adquiridas recentemente e da operação própria da Sadia na Argentina, dão apoio para a BRF empreender uma estratégia regional que também inclui o Uruguai e o Chile. No Brasil, a operação de suínos do Marfrig em Mato Grosso é considerada estratégica, pois a BRF vê forte potencial para o segmento, especialmente em exportações. Segundo analistas, a empresa se prepara para a liberação das vendas para a Coreia do Sul e o Japão, onde é forte o consumo de carne de porco. Em setembro, a empresa inaugurou uma linha de produção de suínos de R$ 145 milhões em Campos Novos (SC), em parceria com a cooperativa Coopercampos. A Embraco Europe, divisão da fabricante de compressores brasileira Embraco, que é controlada pela norte-americana Whirlpool, admitiu que conspirou para fixar preços de compressores para refrigerador na Europa e vai pagar à Comissão Europeia multa de 54,5 milhões de euros (US$ 72,9 milhões). OTHON S.A. EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS CNPJ Nº / NIRE Edi tal de Con vo ca ção - Fi cam os aci o nis tas con vi da dos a com pa re cer na Assem bléia Ge ral Ordi ná ria que se re a li za rá no dia , às 9:30 ho ras, na sede so ci al da Com pa nhia, lo ca li za da na Rua Teó fi lo Oto ni, 15, sala 1204 (par te), Cen tro/rj., a fim de de li be ra rem so bre a se guin te or dem do dia: AGO: 1) To mar as con tas dos ad mi nis tra do res, exa mi nar, dis cu tir e vo tar as de - mons tra ções fi nan ce i ras re la ti vas aos exer cí ci os fin dos em , , , , , e ; 2) De li be rar so bre a des ti na ção do re sul ta do dos pe río dos; 3) Ele ger e re e le - ger mem bros para com por a Di re to ria; 4) Fi xar o mon tan te da re mu ne ra ção dos Admi nis tra do res. Rio de Ja ne i ro, 5 de De zem bro de Re na to Be zer ra de Mel lo de Vas con ce los - Di re tor.

4 4 ECONOMIA Sexta-feira, 9 de dezembro de 2011 PALESTRA Ex-presidente do BC exalta evolução da economia, mas diz ser preciso avançar mais Ricardo Leopoldo O ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles afirmou ontem que um grande desafio para a economia brasileira no curto e médio prazos é elevar o grau de produtividade, especialmente no setor de serviços. Com a estabilização econômica, conquistada nos últimos anos, houve um avanço expressivo na geração de empregos, que melhorou a renda da população, o que também foi proporcionado por programas sociais. Esta foi a primeira fase. Agora o próximo estágio é elevar a produtividade da economia para que o Brasil seja mais competitivo, afirmou Meirelles, durante palestra Visão dos riscos e oportunidades de negócios, considerando o cenário nacional e global, na capital paulista. De acordo com Meirelles, o avanço da estabilidade econômica nos últimos anos fez com que o Produto Interno Bruto (PIB) registrasse uma expansão, em média, pouco abaixo de 5% de 2004 a 2010, enquanto cresceu em menos da metade desse patamar entre 1991 e 2003, quando registrou média de 2,1% de expansão. Segundo ele, o combate à inflação e a expansão de renda da população por meio de inserção social, aliados ao fortalecimento das contas externas, permitiram Meirelles: concessão de crédito continuará crescendo avanços expressivos da economia nacional. Precisamos avançar ainda mais, mas o padrão atual é bem melhor do que no passado, e isso precisa ser lembrado, disse. Europa - De bom humor, Meirelles citou que esteve há um ano em uma reunião do Banco Central Europeu (BCE) e viu que diversas autoridades Antonio Cruz / ABr da instituição, além de outros organismos, fizeram inúmeras avaliações sobre a crise, seus desafios e soluções. Na ocasião, ele afirmou ser interessante que autoridades de países desenvolvidos estivessem assumindo um papel central no debate sobre crise econômica estrutural. No passado, eu era a fonte de preocupação. As pessoas me olhavam e pensavam: O que o problema vai falar agora? Mas a situação se inverteu, comentou. Hoje quando falamos em crise primeiro temos que destacar as dificuldades que estão ocorrendo no mundo. No caso do Brasil, vemos que a economia está indo bem, a crise já nos afeta, mas temos condições muito boas para superá-la, como fizemos em 2008, disse, ressaltando que, naquele período, o Brasil foi um dos últimos países a entrar em recessão e um dos primeiros a sair dela. Meirelles afirmou que uma das provas de que a economia do País avançou nos últimos anos é o aumento de 22% para 47% do estoque de crédito como proporção do PIB. Segundo ele, esse indicador mostra um avanço expressivo, mas não se caracteriza como um patamar preocupante a ponto de levar a bolhas. Nos Estados Unidos, há vários números que mostram que esse indicador atinge patamares bem mais altos, pois um dos mais baixos naquele país atinge a marca de 157% do PIB, afirmou. Na avaliação de Meirelles, a concessão de crédito no País vai continuar avançando nos próximos dois anos, porém com velocidade moderada. Hoje vários analistas preveem que a concessão de crédito para pessoas físicas registrará expansão de 15% a 20% em GRÃOS A produção nacional de grãos para a safra 2011/2012 deve chegar a 159,079 milhões de toneladas, com uma redução de 2,4% em relação à anterior (162,958 milhões de toneladas colhidas). A previsão está no terceiro levantamento feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), anunciado ontem. De acordo com a Conab, as culturas mais representativas milho e soja somam juntas 83% da safra nacional. A produção dessas culturas deve alcançar 131,605 milhões de toneladas. O milho tem perspectiva de crescimento de 4,9%, considerando apenas a participação da primeira safra, uma vez que a segunda safra só será definida a partir de janeiro, informou a companhia em nota. A área plantada deve ficar em torno de 50,447 milhões de hectares, 528,2 mil hectares a mais do que na safra anterior, com elevação de 1,1%. O aumento está relacionado ao milho da primeira safra e à soja, com crescimento de 10,8% e 0,7%, respectivamente. No caso do milho, o aumento mais significativo ocorreu no Paraná (145,2 mil hectares), seguido pelo Rio Grande do Sul (161,7 mil hectares) e por Goiás (148 mil hectares). As justificativas para esse comportamento são os bons preços do produto no mercado, a rotação de culturas e a reconquista de áreas cultivadas, explica a Conab. Para a soja, o maior crescimento de área efetiva deve ficar com Mato Grosso, com um aumento de 371,1 mil hectares, seguido do Rio Grande do Sul, com 80,1 mil hectares. No Paraná, houve redução de 472,4 mil hectares na área plantada com oleaginosas. A cultura foi substituída, basicamente, pelo milho. Destacouse também a área do Matopiba região agrícola que compreende o Maranhão (48,2 mil ha), o Tocantins (18,2 mil ha), Piauí (55,2 mil ha) e a Bahia (66,8 mil ha). Por outro lado, houve redução de área para o arroz, que deve perder 251,8 mil hectares em relação ao cultivo anterior quando alcançou 2,820 milhões de hectares. Alessandra Saraiva Os estoques de produtos agrícolas cresceram 8,9% no primeiro semestre deste ano, ante o igual semestre no ano passado, segundo informou ontem o IBGE em sua Pesquisa de Estoques. Os estoques de produtos agrícolas passaram de toneladas, em junho de 2010, para toneladas, em junho de Os maiores estoques registrados até junho deste ano foram soja em grão ( toneladas), que cresceram 40,8 % no primeiro semestre deste ano contra igual período no ano passado; seguido pelo milho em grão ( toneladas), cujos estoques apresentaram queda de 40,6% no mesmo período; e arroz em casca ( toneladas), que teve crescimento de 31,5%. Ainda segundo o IBGE, houve queda de 18,3% nos estoques de trigo em grão ( toneladas) e aumento de 7,9% nos estoques do café em grão ( toneladas), no primeiro semestre A queda mais acentuada ocorre no Rio Grande do Sul, que deixa de cultivar 93,7 mil hectares. A produtividade no estado chega a 7 mil quilos por hectare. O feijão primeira safra também apresentou redução. Em relação ao cultivo anterior, de 1,42 milhão de hectares, houve uma queda de 147,3 mil hectares. O Paraná, maior produtor nacional, deixou de cultivar 93,5 mil hectares em relação à safra anterior, quando semeou 344,1 mil hectares. Em relação à Região Nordeste, o terceiro levantamento considerou apenas o oeste da Bahia, o sul do Maranhão e do Piauí. Já para a Região Norte, foram contra igual período em A pesquisa mostrou ainda acréscimo de 2,8% no número de estabelecimentos ativos, no final do primeiro semestre deste ano frente ao segundo semestre de Isso representa uma rede armazenadora de produtos agrícolas com estabelecimentos ativos, dos quais 45,1% na região Sul, 22,5% na região Sudeste, 21,1% na Centro-Oeste, 8,1% na Nordeste e 3,2% na região Norte. A capacidade útil dos armazéns convencionais, estruturais e infláveis somou metros cúbicos. Pouco mais de 70% deste total estava concentrado nas regiões Sudeste e Sul. Os armazéns graneleiros e granelizados totalizaram toneladas de capacidade útil, sendo que a região Centro-Oeste deteve 49,0% desta capacidade e a Sul, 33,0%. Já os silos para grãos apresentaram toneladas de capacidade útil total, detendo a região Sul 57,0% deste total e as regiões Centro-Oeste e Sudeste com participações de 25,1% e de 13,1%, respectivamente. considerados somente Tocantins e Rondônia. As demais regiões tiveram mantidas as áreas da safra anterior, uma vez que o plantio só começa em janeiro. IBGE - Também ontem, o IBGE divulgou a sua previsão do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de novembro, que projeta safra de 159,5 milhões de toneladas em 2011, 0,1% menor ante o levantamento de outubro (159,7 milhões de toneladas). Se confirmada, a safra será 6,6% superior à do ano passado, quando foi de 149,6 milhões de toneladas. Arroz, milho e soja devem representar 90,6% da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2011; e responder por 82,3% da área a ser colhida este ano, segundo o IBGE. Em comparação com a safra de 2010, arroz, milho e soja devem mostrar aumentos de 19%, de 0,3% e de 9,2% na produção deste ano, respectivamente. Com relação à área plantada, estas três culturas podem registrar altas de 1,7%, de 3,4% e de 3,3%, respectivamente em suas áreas a serem colhidas este ano, contra Entre 25 selecionados, 16 devem mostrar alta na produção deste ano contra Três foram destacados pelo IBGE. O primeiro foi o café em grão. Embora este produto deva mostrar recuo de 7,2% em sua produção este ano contra 2010, os 2,7 milhões de toneladas previstos para este ano (totalizando 44,5 milhões de sacas) representam acréscimo de 0,3% em relação à estimativa do instituto apontada para este produto em outubro. A área total no País para esta cultura em 2011, reavaliada este mês, aumentou 0,1%. Minas Gerais, maior produtor brasileiro de café, apresentou em novembro, contra a previsão de outubro, acréscimo de 0,7% na produção esperada para 2011, totalizando 1,3 milhão de toneladas (22,3 milhões de sacas de 60 kg), considerando as duas espécies em conjunto (arábica e canephora), que representam 50,1% do total esperado para o País em Feijão - O segundo produto destacado foi o feijão em grão, que deve mostrar aumento de 29,6% contra produção de 2010 no total de primeira safra; e recuos de 7,1% e de 8,8% nas segunda e terceira safras. Já o terceiro produto destacado foi o milho em grão, que deve mostrar alta de 3,1% em sua produção de primeira safra este ano frente 2010; e recuo 3,7% em sua produção de segunda safra contra o ano passado. Em novembro, o IBGE apurou que a produção nacional do milho em grão em 2011, para ambas as safras, deve totalizar 56,2 milhões de toneladas. O montante é 0,3% inferior à estimativa de outubro apurada pelo instituto. PORTO Ayr Aliski ALIMENTOS A Secretaria de Direito Econômico (SDE) do Ministério da Justiça (MJ) decidiu investigar denúncia sobre a existência de um cartel do transporte de carga no Porto de Santos, cujas práticas estariam causando impactos, principalmente, no preço dos insumos para a agricultura. Conforme nota divulgada pelo ministério, dois processos administrativos foram abertos ontem para apurar ações danosas que supostamente teriam sido realizadas pela Associação Comercial dos Transportadores Autônomos (Acta) e pelo Sindicato dos Transportadores Rodoviários de Cargas a Granel (Sindgran). De acordo com o ministério, há indícios de que os preços cobrados por essas duas entidades seriam até 120% superiores aos praticados por outras transportadoras. Há indicações, inclusive, que caminhões independentes teriam sido apedrejados e atacados com coquetel molotov, em ações de vandalismo, para assim coibir a presença de concorrentes. A SDE suspeita que o problema ocorra há anos na região. Por isso, abriu dois processos: um para apurar os atos cometidos até 30 de agosto deste ano e o outro para investigar as ações ocorridas depois dessa data. Ao abrir as investigações, a SDE determinou, por meio de medida preventiva, que não haja mais tabelamento de preços na região. A denúncia foi feita pela Associação Nacional para Difusão d Adubos (Anda), informa o mini tério. A Anda relatou à SDE qu a Acta impede os transportadore concorrentes de realizarem o fr te vira, que corresponde ao tran porte de cargas do cais do termina até os armazéns da área portuári de Santos. Para os fretes de long distância, a Acta permitiria qu parcela de apenas 20% do tran porte fosse feita por caminhões transportadores não filiados. O impacto que isso traria à c deia produtiva de alimentos será ca culado durante a investigação que s inicia agora, afirma o secretário d Direito Econômico do Ministério d Justiça, Vinicius Carvalho, na not distribuída pelo ministério. Vamo investigar mais para elaborar o no so parecer e enviar o processo par o Cade julgar, reforça o secretári De acordo com o ministério, cas condenados, a Acta e o Sindgran p dem ser multados no valor de R$ mil a R$ 6 milhões, segundo o artig 23 da Lei 8.884/94. FAO: índice de A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) informou ontem que o índice dos preços globais dos alimentos em novembro recuou 0,5% em relação ao mês anterior, para 215 pontos, puxado principalmente pela queda das cotações do trigo. Os cereais, um dos principais componentes do indicador, tiveram depreciação de 1% ante outubro, segundo a FAO. O recuo foi causado principalmente pelos preços do trigo, que declinaram 3%, enquanto os do arroz caíram apenas ligeiramente e os de grãos forrageiros ficaram TELEFONIA praticamente inalterados, re velou a organização. A FAO explicou que signific tivos ajustes para cima na est mativa da oferta global de trig em 2011/12, devido às perspect vas melhores para alguns paíse da Ásia e da Federação Russ contribuíram para a queda d preços em novembro. A organiz ção acrescentou que a alta do d lar e a fraca perspectiva para ec nomia mundial também puxaram as cotações do grão para baix Ainda assim, a FAO alertou qu o índice de preços do cereal con tinuou 6 pontos acima do níve apurado em novembro de Karla Mendes e Eduardo Rodrigues Da Agência estado A base de clientes de mercado de telefonia deve crescer 16% em 2011, na comparação com A estimativa foi apresentada ontem pelo Sinditelebrasil, que representa as empresas do setor. Conforme dados do sindicato, a base de assinantes da telefonia fixa, que vinha mantendo-se estagnada, deve crescer 2%, atingindo 43 milhões de clientes ao final do ano. O diretor executivo do Sinditelebrasil, Eduardo Levy, atribui essa expansão ao crescimento da base de clientes da telefonia fixa às empresas autorizadas a prestar o serviço, a exemplo da GVT e da Net, que fornecem planos sem a cobrança de assinatura básica. Levy ressaltou também o esforço das concessionárias de telefonia fixa, a exemplo da Telefonica e da Oi, que, para revitalizar o produto, passaram também a fornecer planos alternativos. A denúncia é sobre a existência de cartel, cujas práticas estariam causando impacto, principalmente, nos preços dos insumos para a agricultura Segundo o Sinditelebrasil, crescimento mais expressivo em 2011 ocorrerá no serviço de ban da larga, que atingirá 58 milhõe de clientes até 31 de dezembr o que representa um salto d 68% ante O segundo maio índice será verificado no seg mento de TV por assinatura, qu somará 13 milhões de cliente até o final do ano, o que repre senta uma expansão de 30% n comparação com Na telefo nia móvel, por vez, a alta estim da é de 17%, o que fará com qu a base de clientes salte para 23 milhões de consumidores. Nos cálculos do Sinditelebra sil, até o terceiro trimestre d 2011, os investimentos das em presas do setor foram 30% supe riores aos realizados no mesm período de O faturament do setor até o terceiro trimestr deste ano alcançou R$ 153 b lhões, ante R$ 138 bilhões em igual período do ano passad Levy não quis adiantar, porém, projeção das receitas das empre sas até o final do ano.

5 CRISE NA EUROPA BCE corta juro para 1% e diminui compulsório Draghi diz que FMI não pode usar fundos dos BCs para emprestar à zona do euro O Banco Central Europeu (BCE) anunciou ontem uma série de medidas não convencionais para enfrentar a crise de dívida na zona do euro. Anunciadas pelo presidente do BCE, Mario Draghi, as medidas incluem duas novas operações de oferta ilimitada de crédito com prazo de 36 meses para os bancos da zona do euro, além de um corte nos compulsórios para bancos comerciais de 2% para 1% e uma flexibilização nas exigências de colaterais para empréstimos do BCE. Isso irá liberar liquidez, afirmou Draghi. Ele anunciou as novas medidas após o BCE decidir cortar a taxa de juros na zona do euro em 25 pontos-base, como esperado, para 1% - o menor patamar já registrado na região. As novas medidas de refinanciamento são as de maior prazo já adotadas pelo BCE. A nova linha será oferecida pela primeira vez em 21 deste mês e substituirá as operações com prazo de 12 meses que seriam oferecidas na mesma data. Bônus - Draghi não se comprometeu a aumentar as compras de bônus governamentais, como especulavam alguns analistas. Eu já disse que o programa de compra de bônus não é eterno nem infinito, comentou. ECONOMIASexta-feira, 9 de dezembro de Segundo ele, o conselho executivo do BCE não discutiu na reunião de ontem a possibilidade de impor limites aos yields dos bônus de países da zona do euro, que têm subido recentemente, tornando mais caros os financiamentos aos países do bloco. Draghi também fez um comentário desanimador sobre a possibilidade do BCE emprestar dinheiro para o Fundo Monetário Internacional (FMI), para que este possa ajudar os países problemáticos da zona do euro. Ele lembrou que o tratado da União Europeia impede o banco central de emprestar diretamente para governos. Nós não devemos tentar contornar o espírito do tratado, comentou. Ele apontou também que o BCE não é membro do FMI. Eu acredito que o FMI não pode usar os fundos dos bancos centrais para emprestar exclusivamente para a zona do euro. O presidente do BCE também disse que vai participar da cúpula da UE hoje em Bruxelas e que a decisão final sobre o combate à crise está nas mãos dos líderes políticos. Draghi afirmou ainda que não é útil especular sobre o rompimento da zona do euro, uma possibilidade que parece distante. Alemanha rejeita rascunho de propostas da UE Mantega defende criação Renata Veríssimo O ministro da Fazenda, Guido Mantega, defendeu ontem a constituição de um fundo fiscal europeu. Se eles conseguirem essa proeza, de discutir as metas fiscais de cada país juntos e haver um controle conjunto, também é um avanço, afirmou. Ele disse que é preciso dar sequência às medidas adotadas ontem pelo Banco Central Europeu (BCE) que, na visão do ministro, amplia a participação da instituição nos problemas da região. Agora os europeus estão se convencendo de que precisam colocar o BCE à frente do combate à crise. Mas ainda não é o ideal, disse. A Alemanha rejeitou o rascunho de proposta da União Europeia (UE) divulgado ontem, inclusive a concessão de licença bancária ao Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM, pela sigla em inglês), informou a agência de notícias Reuters citando fonte no governo alemão. De acordo com a fonte, a Alemanha não é a favor de um ESM funcionando junto com a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, nas iniciais em inglês), assim como é contrária à emissão de dívida pela zona do euro, diz a nota da Reuters, lida no ar pela Fox Business Network. Mais cedo, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, afirmou que a Europa não terá uma segunda chance caso não consiga chegar a um acordo para mudanças no tratado da UE, aumentando a integração e a disciplina fiscal. Já a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse confiar que os líderes da UE chegarão a um compromisso conjunto para acelerar a integração fiscal e a supervisão conjunta das economias do bloco. Merkel e Sarkozy discursaram em uma conferência do Partido do Povo Europeu, de centro-direita, em Marselha. Para a cidade no sul da França convergiram conservadores de vários países europeus. O primeiro-ministro eleito da Espanha, Mariano Rajoy, participou do encontro e prometeu apoio, segundo informações das agências Associated Press e Dow Jones. Se não chegarmos a um acordo na sexta-feira (hoje), não haverá uma segunda chance, disse Sarkozy. Temos de sinalizar externamente que estamos assumindo um compromisso conjunto. Somente palavras não são suficientes porque nem sempre ficamos presos às palavras, afirmou Merkel, reiterando o apelo por mudança nos tratados. Merkel afirmou que a Alemanha quer que todos os 27 países membros da União Europeia - e não apenas os 17 que adotam o euro - participem dos planos para aumentar a integração fiscal. A chanceler alemã disse que a moeda europeia tornou os países da zona do euro mais fortes desde sua criação, mas alertou que falhas na sua criação, como a supervisão orçamentária e as práticas concorrenciais nos diferentes países, precisam ser enfrentadas. A França e a Alemanha apresentaram esta semana uma proposta para alterar os tratados da UE, aumentando a fiscalização sobre orçamentos nacionais e impondo sanções automáticas contra aqueles países que descumprem os limites de déficit. O novo primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, disse na semana passada que em princípio apoia Já há uma reação boa do mercado. Mas ainda há outros passos a dar, como a constituição do fundo fiscal europeu, afirmou. Mantega também defendeu a compra de títulos de países europeus pelo BCE. O ministro afirmou que o cenário não mudou para o Brasil, que continua disposto a ampliar os recursos para que o Fundo Monetário Internacional (FMI) possa ajudar os países em crise desde que o BCE e os países europeus também contribuam para aumentar os recursos do fundo. Vamos fazer algo combinado com China, Índia e Rússia, disse. Segundo ele, o Brasil não está disposto a participar dos fundos de investimentos para comprar bônus. Croácia assinará adesão hoje as mudanças, e ontem o primeiro-ministro eleito da Espanha, Mariano Rajoy, disse que apoiará as mudanças necessárias nos tratados. Rajoy também disse que a Espanha é a favor de um maior controle aos orçamentos dos países da UE. É necessário, sem atrasos, colocar em prática os mecanismos e recursos necessários para conter a hemorragia da dívida soberana, disse Rajoy na conferência em Marselha. Esse foi o primeiro discurso público de Rajoy desde que venceu as eleições gerais espanholas no mês passado. Sarkozy disse que os problemas hoje são compartilhados por todos os 17 países da zona do euro, mas que o ideal é que as mudanças nos tratados se apliquem aos 27 membros da UE. Segundo ele, como as maiores economias A Croácia deverá assinar o tratado formal de adesão à União Europeia (UE), na manhã de hoje em Bruxelas, mesmo dia em que os governantes dos 27 países do bloco estarão reunidos na capital belga tentando salvar o euro e a União Europeia (UE) da quebra. Segundo a Associated Press, os croatas não deixaram passar a ocasião para uma piada e disseram que a ironia é que no mesmo dia em que o país assinará sua adesão ao bloco pela manhã, ele talvez não exista mais no final da tarde. Mas para dar boa sorte, a primeira-ministra croata Jadranka Kosor, derrotada pela centro-esquerda nas eleições parlamentares do domingo passado, deverá usar hoje uma caneta abençoada e presenteada a ela pelo papa Bento XVI, durante uma visita a Roma neste ano. É bom para nós que a premier assine a adesão à Europa usando uma caneta presenteada pelo papa, porque só Deus sabe o que ela está assinando, disse em comentário o jornal independente Vecernji List, de Zagreb. Negociações - Para a Sérvia e para a Montenegro, as perspectivas de entrada na UE, uma casa que parece estar desabando, são mais distantes. Funcionários sérvios estarão hoje em Bruxelas tentando remover novas condições que a Alemanha impôs para que o país balcânico obtenha o status de candidato. Representantes de Montenegro tentarão fixar uma data para o começo das negociações para um adesão futura do país ao bloco europeu. A União Europeia está virando uma criação autoritária e centralizada, liderada pela Alemanha e pela França e na qual a Croácia perderá a identidade, disse Zeljko Sacic, líder da um grupo político croata antieuropeu, que planeja protestar em Zagreb hoje contra a adesão croata. O partido conservador de Jadranka Kosor foi derrotado na semana passada nas urnas. O próximo governo de centroesquerda analisa se suspenderá um referendo sobre a adesão do país à UE, que deverá acontecer ainda em dezembro - um passo necessário para fazer parte do bloco - aparentemente porque cai o apoio popular a fazer parte da UE. Sob o acordo que será assinado amanhã, a Croácia fará parte da UE a partir de Na Sérvia, a oposição nacionalista usa os problemas europeus como combustível para uma oposição veemente à adesão ao bloco. A linha-dura sérvia insiste para que o governo abandone sua tentativa de aderir à União Europeia e se volte para o tradicional aliado eslavo da Sérvia - a Rússia. É uma mensagem que ganha força em meio a um sentimento de ultraje com as novas condições que a Alemanha impôs para a Sérvia participar do bloco. Há apenas alguns meses, as prisões dos foragidos Ratko Mladic e Goran Hadzic, acusados de crimes de guerra nos anos 1990, eram as únicas condições que Bruxelas colocava a Belgrado para aderir ao bloco. Agora os sérvios perguntam se fazer parte da UE vale a pena. O apoio popular à entrada no bloco caiu para 40% - o mais baixo desde a derrubada de Slobodan Milosevic em Os nacionalistas poderão voltar ao poder em do bloco, França e Alemanha têm mais obrigações que os outros e são obrigadas a convergir e trabalhar em conjunto. O presidente francês comentou também que sérios erros foram cometidos quando o euro foi implantado, porque alguns países não estavam prontos para se unir à união monetária e agora sofrem as consequências disso. A menos que haja uma maior solidariedade e convergência, esses países vão continuar a sofrer, comentou. Mais dinheiro - Os bancos europeus precisam levantar 115 bilhões (US$ 154 bilhões) para proteger os credores contra as turbulências dos mercados, incluídas dívidas podres dos governos, disse ontem a Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla em inglês). Essa quantia é superior ao estimado em um relatório preliminar divulgado em outubro, que previa um déficit de 106,4 bilhões de euros para que os bancos elevem o nível de capital Tier 1 para 9%, cumprindo as regras da União Europeia. O aumento no volume total é resultado de uma revisão para cima no déficit de capital estimado para os bancos da Alemanha, Itália, Áustria e Bélgica, segundo fontes ouvidas pela agência Reuters. O déficit de capital dos bancos alemães seria de 13,1 bilhões, bem acima da quantia de 5,2 bilhões de euros estimada em outubro. Entre as instituições da França, o déficit seria de 7,3 bilhões. Na Espanha, o déficit seria de 26,2 bilhões. E na Itália os bancos precisariam de 15,4 bilhões em novo capital. Os bancos europeus tem até 20 de janeiro de 2012 para apresentar um plano de recapitalização à EBA, sendo que precisariam cobrir o déficit de capital até o fim de junho do ano que vem. Bancos espanhóis em revisão A agência de classificação de risco Standard & Poor s (S&P) colocou ontem em revisão negativa os ratings de 15 instituições financeiras da Espanha, sendo 12 ratings de crédito de longo prazo e 14 de curto prazo. A revisão segue-se à decisão da S&P de colocar o rating soberano da Espanha em revisão negativa, no último dia 5. Segundo a agência, a decisão reflete a possibilidade de um downgrade de um ou dois graus no rating soberano da Espanha na escala da S&P. Grécia - Os bancos gregos pegaram emprestado 36,25 bilhões em outubro do fundo especial recentemente ativado pelo Banco Central da Grécia, 9,7 bilhões a mais que o valor registrado no mês anterior, para cobrir suas necessidades de capital à medida que eles reduziram a tomada de empréstimos do Banco Central Europeu (BCE), segundo dados do Banco da Grécia. MERCADO Bovespa recua seguindo a piora do exterior Nalu Fernandes, Silvana Rocha, Márcio Rodrigues PROJEÇÃO A deterioração no ambiente internacional arrastou a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) para uma queda da ordem de 2% durante grande parte da sessão de ontem. O Ibovespa chegou a oscilar no terreno positivo até o início da tarde, mas não resistiu, junto com o exterior, ao choque de realidade dado pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi. O Ibovespa fechou em baixa de 2,06%, aos ,02 pontos, instalando-se no terreno negativo após a fala de Draghi, que puxou as bolsas norte-americanas para o vermelho já na abertura. Draghi levantou e derrubou as bolsas, disse um estrategista de investimentos. Na máxima, a índice chegou a pontos, em alta de 0,94%. Na mínima, bateu em pontos, queda de 2,39%. O giro ficou em R$ 6,11 bilhões. Draghi deu fôlego para os índices acionários subirem no início do dia, com as decisões do BCE de cortar o juro, em meio às ameaças de recessão, e de aumentar a liquidez, refletindo a preocupação com funding dos bancos na região da zona do euro. Mas o banqueiro central europeu também deu a pancada que frustrou as expectativas dos investidores quanto a compras maciças de títulos de países europeus e ao lembrar à comunidade internacional que o BCE não é membro do Fundo Monetário Internacional (FMI) e que o Fundo não pode usar fundos de BCs para emprestar exclusivamente à zona do euro. Outra decepção à tarde veio com a informação da Autoridade Bancária Europeia (EBA) de que os bancos europeus precisarão levantar cerca de 114,7 bilhões de euros para cumprir novos níveis regulatórios de capital na região, superando a estimativa preliminar de 106,4 bilhões. Um estrategista de um banco francês com operações no Brasil avalia que as tensões nos mercados financeiros tiveram deterioração significativa e as condições monetárias estão se aproximando de níveis de estresse alcançados logo após o colapso do Lehman Brothers. Diante da perspectiva de desaceleração na demanda consumidora global em um cenário de potencial recessão no exterior, os investidores puniram as ações das blue chips brasileiras. Vale PNA caiu 1,63%. Petrobras ON cedeu 3,86% e a PN perdeu 3,3%. As ações ON da Marfring lideram as altas, com 4,25%, devido ao anúncio da troca de ativos com a Brasil Foods (BRF). Em Nova York, o S&P 500 caiu 2,22%, o Nasdaq recuou 1,99% e o Dow Jones cedeu 1,49%. O petróleo para janeiro na Nymex fechou em queda de 2,14%, a U$ 98,34 por barril. Câmbio - O dólar comercial retomou a alta e fechou com forte valorização de 1,45%, cotado a R$ 1,817 - após oscilar entre a mínima mais cedo de R$ 1,7840 (-0,39%) e a máxima à tarde de R$ 1,820 (+1,62%). Na BM&F, o dólar pronto terminou com alta de 1,30%, a R$ 1,8138. O giro financeiro registrado na clearing de câmbio até 16h41 somava US$ 1,822 bilhão, dos quais US$ bilhão em D+2. No mercado futuro, o dólar janeiro de 2012 subia 0,94%, para R$ 1,8275, com giro financeiro de US$ 18,199 bilhão - 7% superior a todo o volume da véspera. Juros - Ao término na negociação normal na BM&F, o DI janeiro de 2013 ( contratos) marcava 9,81%, de 9,74% no ajuste, mas abaixo da máxima intraday de 9,84%. O DI janeiro de 2014, com giro de contratos, subia a 10,14%, de 10,05%. Entre os longos, o DI janeiro de 2017 ( contratos) estava em 10,79%, de 10,78% na véspera, enquanto o DI janeiro de 2021 (6.150 contratos) indicava 10,96%, de 10,95% anteontem. Mercado de seguro deve crescer 17% Alexandre Rodrigues O mercado de seguros no Brasil deve fechar o ano com um crescimento de 17,1%, informou ontem a Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais (CNseg). Segundo projeção da entidade, o mercado deve alcançar em 2011 R$ 218,6 bilhões. Em 2012, a CNseg espera um crescimento de 12,8%, chegando a R$ 246,86 bilhões. O presidente da CNseg, José Hilário Gouvêa Vieira, destacou que a perspectiva para o ano que vem continua acima de 10%, bem à frente do esperado para o C U R T A crescimento da economia, mantendo o crescimento acelerado do setor. Ele citou as obras de infraestrutura e os microsseguros como vetores dessa expansão. O presidente da Fenaprev, Marco Antonio Rossi, disse que a desaceleração do setor não tem ligação com o crescimento mais lento da economia. Está mais ligado à dificuldade de se manter taxas tão altas de expansão com o crescimento do mercado no País De qualquer forma, ele disse que ainda há demanda reprimida no setor e que é isso que explica a manutenção do cenário de seguros bem mais otimista do que o da economia como um todo. BC regulamenta liberação do IOF O Banco Central publicou ontem a circular com a regulamentação da medida que libera do pagamento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) as operações beneficiadas pelo pacote anunciado em 1º de dezembro pelo Ministério da Fazenda. A medida reduz para zero a alíquota para investimentos estrangeiros em renda variável e títulos privados (debêntures) de longo prazo. A nova circular foi publicada no sistema eletrônico do BC, o Sisbacen. COMPANHIA PERNAMBUCANA DE TERRENOS CNPJ Nº / NIRE Edi tal de Con vo ca ção - Fi cam os aci o nis tas con vo ca dos a se re u ni rem em Assem bléia Ge ral Ordi ná ria que se re a li za rá no dia , às 10:00 ho - ras, na sede so ci al da Com pa nhia, lo ca li za da na Rua Teó fi lo Oto ni, 15, sala 1204 (par te), Cen tro/rj., para de li be ra rem so bre a se guin te or dem do dia: AGO: 1) To mar as con tas dos ad mi nis tra do res, exa mi nar, dis cu tir e vo tar as de mons tra ções fi nan ce i ras re la ti vas aos exer cí ci os fin dos em , , , , , , e ; 2) De li be rar so bre a des ti na ção do re sul ta do dos pe río dos; 3) Fi - xar o mon tan te da re mu ne ra ção dos Admi nis tra do res; 4) Ele i ção e re e le i ção de no vos mem bros para com por a Di re to ria. Rio de Ja ne i ro, 5 de de zem bro de Re na to Be zer ra de Mel lo de Vas con ce los - Di re tor.

6 6 PAÍS Sexta-feira, 9 de dezembro de 2011 CRISE Sócio de Pimentel pede demissão Otílio Prado deixa cargo na prefeitura de Belo Horizonte e afirma que não quer causar constrangimento indevido O sócio do ministro Fernando Pimentel na empresa P-21 Consultoria e Projetos, Otílio Prado, deixou ontem o cargo que ocupava na prefeitura de Belo Horizonte. No pedido de exoneração aceito pelo prefeito Márcio Lacerda (PSB), ele afirma que pretende evitar constrangimento indevido à administração municipal. Lacerda teria pressionado Otílio a deixar a função de assessor para tentar blindar sua gestão das denúncias sobre os serviços prestados pela empresa de consultoria. Oficialmente, no entanto, a decisão de deixar o cargo na administração municipal foi do próprio sócio de Pimentel. Um aliado relata que Otílio se sentiu especialmente atingido quando foi divulgada a informação de que uma empresa de seu filho, Gustavo Prado, seria uma das clientes da P-21 e teria recebido dinheiro da construtora HAP Engenharia, que tem contratos com a prefeitura de Belo Horizonte. A carta de demissão foi enviada na tarde de ontem a Lacerda, mas a exoneração só deve ser concretizada hoje, uma vez que é feriado municipal na capital mineira. No texto, Otílio avalia que inexiste incompatibilidade entre o cargo exercido na prefeitura e sua participação na P-21. Mesmo assim, ele pede para deixar o cargo. Não quero de nenhuma forma criar constrangimento indevido à figura do prefeito e tampouco causar prejuízo à imagem desta administração e também à figura do ministro Fernando Pimentel, afirma, em um trecho da carta. Otílio alega que tinha participação discreta na sociedade e que toda a atividade da empresa P-21 era exercida por Pimentel, pois os serviços abrangiam questões afetas à expertise detida pelo ex-prefeito e atual ministro. O sócio de Pimentel confirma que contribuiu apenas com o capital da empresa até novembro de 2010, quando passou a ser sóciogerente da P-21. Nesse momento, no entanto, a empresa já se encontrava inativa, segundo Otílio. Apoio - O presidente nacional do PT, deputado estadual Rui Falcão (SP), saiu ontem em defesa de Pimentel. Acho que, pela sua história de vida e pela sua conduta pública, o ministro Pimentel está acima de qualquer suspeita, afirmou Falcão, Negromonte defende diretora acusada de fraudar parecer Rosa Costa PREVIDÊNCIA O ministro das Cidades, Mário Negromonte, gastou boa parte da audiência pública de 70 minutos, na Comissão de Meio Ambiente, Fiscalização e Controle do Senado (CMA), defendendo a diretora de Mobilidade Urbana da Pasta, Luiza Gomide Vianna, acusada de fraudar um parecer técnico da Pasta, elevando em mais R$ 700 milhões o projeto de uma obra da Copa do Mundo, em Mato Grosso. A servidora forjou um novo parecer, com o mesmo número oficial do anterior, contrário à medida, inserindo-o a partir da folha 139 do processo, na página em que começava a primeira análise. No entender do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), se o procedimento fosse correto e as intenções insuspeitas, não haveria Mantega vê chance de acordo sobre fundo dos servidores Renata Veríssimo e Eduardo Cucolo O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse ontem que vê chance de se alcançar um acordo para a votação do projeto que tramita na Câmara sobre o Fundo de Previdência do Servidor Público. Segundo ele, o governo insistirá, a princípio, na proposta de contribuição para o Fundo de Previdência do Servidor Público de 7,5%. A Câmara quer elevar a alíquota para 8,5% e o ministro quer incluir o Senado nas discussões. Para Mantega, o Fundo é importante para o servidor e para o governo, porque dá mais segurança à aposentadoria e mais segurança atuarial. Ele disse que é difícil calcular o impacto da elevação da alíquota em 1 ponto porcentual, já que o fundo valerá apenas para os novos servidores públicos, que terão que contribuir entre 30 e 35 anos, antes de receber o benefício. Mas afirmou que certamente o impacto é significativo e que poderia representar um custo maior entre 10% e 15 % para a União. Por isso, explicou, a proposta precisa ser estudada com cautela, porque o governo vem buscando dar mais solidez fiscal às contas públicas. Mantega lembrou que em outros países como na União Europeia os sistemas de aposentadoria estão sendo alterados para aumentar o tempo de contribuição. Não queremos que isso aconteça no Brasil, nem no presente, nem no futuro. Queremos regras para o resto da vida, afirmou. O ministro classificou a aprovação do fundo como uma grande reforma da previdência social. Por isso é muito importante. Mantega explicou que será um fundo de capitalização para o servidor que caso deixe o serviço público antes do tempo de aposentadoria, poderá sacar os recursos. TERMO DE ADESÃO Plano estratégico para blindar as fronteiras Vannildo Mendes O Ministério da Justiça assinou ontem com onze estados fronteiriços um termo de adesão ao Plano Estratégico de Fronteiras. O ato garante acesso a uma verba de R$ 37 milhões, aprovada emergencialmente pela presidente Dilma Rousseff, para que esses estados integrem suas estruturas policiais à estratégia nacional de segurança pública (Enafron), destinada a blindar a região contra o narcotráfico e o crime organizado. A adesão dos estados, segundo informou o ministro José Eduardo Cardozo, é vital para fortalecer o policiamento de faixa de 16,8 mil quilômetros que divide o Brasil de 10 países vizinhos, uma região desguarnecida por onde entram mais de 80% das drogas e armas que circulam no País. Ele anunciou que as medidas estruturantes previstas no Plano serão deslanchadas em 2012 e Estão em jogo o estado brasileiro, nossa soberania e o interesse público, afirmou Cardozo. Temos de estar à altura desses grandes desafios. Para 2011, fase inicial da Enafron, todos os estados já apresentaram seus respectivos projetos, que se encontram em fase de análise na Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), que articula a implementação da política junto aos órgãos de segurança dos Estados. Participam os Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Os recursos beneficiarão 68 municípios com maior vulnerabilidade. PARECER Creches deverão abrir nas férias, diz CNE Mariana Mandelli O Conselho Nacional de Educação (CNE) alterou o parecer que definia que as creches de todo o País deveriam fechar durante as férias, inserindo a ideia de que o poder público é obrigado a oferecer o atendimento nessas unidades na ausência de instituições de assistência social, de saúde, esporte e lazer. As prefeituras também devem oferecer as creches, caso essas instituições não deem conta da demanda. Essa possibilidade já existia no antigo parecer, mas não estava explícita como deveria, afirma. É aperfeiçoamento proposto pelos promotores. Além disso, o atendimento em creches nesse período deve ser assistencial e não educativo, afirma o relator do texto, Cesar Callegari. No início do mês, ele e a secretária de Educação Básica do MEC, Maria do Pilar Lacerda, discutiram o tema com a Defensoria Pública do Estado de São Paulo. O parecer original foi aprovado em julho, mas não havia sido homologado pelo ministro Haddad. O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR) afirmou ontem que dificilmente será possível votar na Casa, ainda este ano, o projeto que cria o Fundo da Previdência do Servidor Público. Ele disse, no entanto, que os líderes da Casa vão começar a discutir a proposta na próxima semana, com base no texto que já tramita na Câmara. Ele defendeu que o projeto passe por todas as comissões permanentes da Casa e descartou a possibilidade de votação em dois ou três dias. A proposta tem regime de urgência e esses 45 dias (previstos no regimento) são suficientes para o debate, afirmou Jucá. PARCERIA Políticas culturais nas escolas Os ministros da Cultura, Ana de Hollanda, e da Educação, Fernando Haddad, assinaram ontem um acordo de cooperação técnica com o objetivo de estender políticas públicas culturais às escolas brasileiras. A parceria prevê, inicialmente, seis ações a serem desenvolvidas em escolas de educação básica a partir de 2012: os programas Mais Cultura, agentes de Leitura, Cine Educação, Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), a formação continuada de professores de arte e o mapeamento das ações desenvolvidas. O orçamento para a primeira etapa é estimado em R$ 80 milhões. A ministra Ana de Hollanda disse que essa aproximação acompanha a política do governo Dilma Rousseff de integrar as ações dos ministérios em vez de trabalhar em projetos paralelos. A cultura vai abrir os olhos para outros valores, destacou a ministra. Fernando Haddad ressaltou que a parceria visa a levar mais cultura para dentro da escola e levar ensino para fora das salas de aula, apropriandose dos espaços públicos para o aprendizado. Segundo ele, durante muitas décadas a escola se distanciou da cultura, e essa aproximação é muito importante para oferecer um pouco mais para a nossa juventude. necessidade de ocultar o procedimento. Houve um procedimento esdrúxulo que não tem outra denominação a não ser o de se constituir numa fraude documentada, alegou. Seria uma fraude avalizada pelo governo. Na defesa da servidora, Negromonte disse que ela e demais técnicos têm autonomia para agir e que a troca do parecer se tratou de uma decisão corriqueira. Não tem irregularidades, apenas houve divergência no parecer e a diretora substituiu o parecer, ela tem poder discricionário para isso. Disse, ainda, tratar-se de uma decisão colegiada, que a toda hora está sendo analisada. Negromonte disse que ficou sabendo do fato pela imprensa, ou seja, no dia 24 de novembro, quando a denúncia foi publicada no jornal O Estado de S. Paulo. Sobre a afirmação do senador tucano, de que os envolvidos na fraude deveriam ser afastados, o ministro rebateu dizendo que não quer fazer um prejulgamento dos funcionários. Houve divergência de pareceres, a Suprema Corte diverge, nós divergimos, alegou. Ele reiterou que cabe à Controladoria-Geral da União (CGU) e ao Tribunal de Contas da União (TCU) se manifestarem sobre o episódio. Já mandamos fazer sindicância, mandamos para a SENADO que participou nesta manhã na capital paulista de uma reunião da diretoria da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Para o presidente do PT, não há nenhuma razão para o ministro sob suspeita. Considero que as explicações que ele já deu são não só satisfatórias como irretorquíveis, são definitivas e muito claras, enfatizou. Embora tenha admitido que Pimentel ainda possa ser convocado para dar explicações no Congresso Nacional, Falcão acredita que não há motivos para submeter o ministro ao questionamento dos parlamentares. Não vejo razões para maiores explicações, afirmou. Falcão ressaltou que a presidente Dilma Rousseff, ao iniciar o governo, prometeu conduzir uma gestão marcada pela conduta límpida e transparente. De acordo com o dirigente petista, essa conduta vem se acentuando desde o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por meio da atuação da Controladoria-Geral da União (CGU), dos portais de transparência do governo e do reaparelhamento da Receita e da Polícia Federal. Hoje os mecanismos de controle são ultrarrigorosos, disse. CGU e para o Ministério Público. Se tiver algum erro vai ser apontado nessa investigação. Citado na lista de ministros que serão substituídos na reforma ministerial de janeiro, o ministro Mário Negromonte sentiu na audiência que seu prestígio no Senado está em baixa. Nem mesmo a oposição compareceu à comissão para ouvi-lo. E foi representada apenas pelo senador Alvaro Dias. DRU é aprovada em primeiro turno Mariana Jungmann O Senado aprovou ontem em primeiro turno a proposta de emenda à Constituição que prorroga a Desvinculação de Receitas da União (DRU). Com 59 votos a favor e 12 contrários, o governo conseguiu ampla maioria para aprovar a PEC na primeira parte da votação. Antes da votação, a oposição disse que votaria contra a matéria por entender que o governo não corrigiu o excesso de gastos públicos. Para os oposicionistas, a DRU é um cheque em branco nas mãos de uma administração pública que gasta demais. O que nós estamos votando é a capacidade do governo deslocar dinheiro, por exemplo, da saúde para pagar juros, disse o senador José Agripino Maia (DEM-RN). A PEC desvincula 20% do Orçamento Geral da União pelos próximos quatro anos. Dessa forma, o governo pode aplicar esse percentual como quiser, inclusive para fazer superávit primário. Para os governistas, esse mecanismo é fundamental para enfrentar a crise econômica mundial. A não aprovação da DRU seria um complicador de ordem TRABALHO INFANTIL orçamentária e financeira, disse o relator da proposta, senador Renan Calheiros (PMDB- AL), que deu parecer favorável à aprovação da PEC. O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), também ressaltou que a prorrogação da DRU tem relação direta com o equilíbrio fiscal das contas públicas. Se nós queremos que o governo tenha instrumento fiscal importante para enfrentar a crise, precisamos aprovar a DRU. Até o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), subiu à tribuna para defender a aprovação da proposta. Sarney lembrou que a DRU foi utilizada por outros governos, mesmo que com outros nomes. Segundo ele, nesse momento de crise, a presidenta Dilma não poderia ficar sem esse instrumento. A DRU é vacina que foi usada pelo Fernando Henrique Cardoso, foi usada pelo Lula e não podemos tirar das mãos da presidente Dilma, disse Sarney. A proposta precisa ainda ser aprovada em segundo turno para começar a valer. Para isso, ela ainda vai necessitar de mais três sessões de discussão. Se não houver nenhuma alteração, a PEC não precisará voltar para a Câmara dos Deputados e será promulgada. Campelo recebe diretoras da OIT O governo brasileiro começou a organizar a 3ª Conferência Global sobre o Trabalho Infantil que ocorrerá em Ontem a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, e a diretora do Programa para Eliminação do Trabalho Infantil da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Constance Thomas, se reuniram para decidir as diretrizes do evento. De acordo com Constance, o Brasil foi escolhido por ser referência no combate ao trabalho infantil por causa das políticas públicas adotadas no país. Queremos levar as experiências do Brasil para países da América Latina e da África. Durante a conferência serão avaliadas as medidas que estão sendo tomadas pelos países para erradicar as piores formas de trabalho infantil até 2016, quando vence o compromisso assumido com a OIT. Segundo a ministra Tereza Campello, o evento será uma oportunidade para especialistas e a sociedade debaterem o tema. Esperamos que esse debate entre na agenda pública como algo positivo. Para a diretora da OIT no Brasil, Lais Abramo, sediar o evento pode ajudar o Brasil a acelerar a erradicação do trabalho infantil. O país reconheceu o problema há mais de uma década e meia. Isso é coisa que outros países não fazem. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, entre 1992 e 2009, o número de crianças e adolescentes no mercado de trabalho, de cinco a 17 anos, caiu 50%. No entanto, ainda existem cerca de 4,1 milhões de crianças e adolescentes trabalhando ilegalmente no País.

7 Mônica Gusmão Questão de Justiça Sociedade simples ou complexa? O s Códigos Civil de 1916 e Comercial de 1850 dividiam as sociedades em mercantis e civis. Com base na Teoria da Empresa, o atual Código Civil pôs fim à tradicional figura do comerciante e a do não comerciante, substituindo-o pela figura do empresário e o não empresário. Atualmente, temos a seguinte classificação: a) Empresário individual pessoa natural; b) Sociedade empresária pessoa jurídica de direito privado; c) Empresa Individual de Responsabilidade Limitada pessoa jurídica de direito privado; d) Profissional Liberal pessoa natural não empresária; e) Sociedade Simples pessoa jurídica não empresária. As sociedades simples têm origem no Direito Suíço do século XIX, sendo posteriormente adotada pelo direito italiano com objetivo de servir de base para a estrutura dos outros tipos de sociedade existentes. Foi admitida em nosso ordenamento jurídico, embora sem a mínima tradição em nosso Direito, sendo flagrante o descuido do legislador ao não estabelecer regras gerais para fixação de seu conceito, elementos, requisitos... Para muitos, as antigas sociedades civis foram substituídas pelas sociedades simples. Que fique claro: a sociedade simples não equivale às sociedades civis, e se distinguem das sociedades empresárias pela pessoalidade, ou seja, as atividades exercidas (artística, intelectual, científica ou literária) dependem exclusiva ou preponderantemente da atuação de seus sócios, diferentemente das sociedades empresárias em que a impessoalidade é flagrante, pois a atividade econômica independe da atuação dos sócios. São características das sociedades simples: a) estrutura simplificada; b) presunção de pequeno porte; c) atuação pessoal dos sócios superando a organização dos fatores de produção. As sociedades simples, diferentemente das empresárias, podem ou não A responsabilidade dos sócios pode ser definida no contrato social e, mediante cláusula expressa, eles podem pactuar responsabilidade limitada adotar tipo societário específico, conforme o disposto no art. 983 do Código Civil. As que não adotam forma própria são chamadas de simples ou simples pura. É importante esclarecer que estas sociedades admitem a contribuição dos sócios com serviços. Sobre o tema: E. nº 206 do CJF Arts. 981, 983, 997, 1.006, e 1.094: A contribuição do sócio exclusivamente em prestação de serviços é permitida nas sociedades cooperativas (art , I) e nas sociedades simples propriamente ditas (art. 983, 2ª parte). Questão controvertida diz respeito à responsabilidade dos sócios quando da não adoção de forma específica. Sempre sustentei que a responsabilidade, ao invés de ilimitada e subsidiária, tese adotada por alguns doutrinadores, pode ser pactuada no contrato social (princípio da autonomia da vontade das partes), isto é, as partes podem convencionar sobre a responsabilidade: limitada, ilimitada, subsidiária ou solidária. Dificilmente encontraremos uma sociedade simples em que os sócios assumam espontaneamente responsabilidade ilimitada, arriscando o seu patrimônio pessoal no caso de inadimplemento das obrigações sociais. A responsabilidade ilimitada dos sócios acaba por retrair o mercado. Já está na hora de conferir às sociedades simples sua efetiva importância na economia. Assim como as sociedades empresárias exercem atividade econômica, fomentam empregos, riquezas e tributos. Os sócios não brincam de ser médicos, engenheiros, arquitetos, artistas, etc. Têm propósitos firmes e comprometidos. Por ocasião da V Jornada de Direito Civil no Conselho de Justiça Federal, encaminhei uma proposta de enunciado que foi aprovada por unanimidade: Na sociedade simples pura (art. 983, parte final do CC/02) a responsabilidade dos sócios depende de previsão contratual. Na omissão, será ilimitada e subsidiária, conforme o disposto nos arts e do CC/02. Esperamos que a sociedade simples finalmente cumpra a sua função: simplificar, porque é este o espírito da lei, estimular as pessoas que têm um talento ou uma técnica empreender pessoalmente seus negócios. Mônica de Cavalcanti Gusmão é doutoranda em Direito Civil (Portugal), pós graduada em Direito Empresarial, professora de MBA da FGV e IBMEC, coordenadora do Ensino à Distância da ESAJ Escola de Administração Judiciária do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, autora de diversos livros, pareceres e artigos. C U R T A TRE-RJ sorteia cartórios eleitorais para pesquisa de satisfação Em audiência pública, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio, sorteou os 49 cartórios eleitorais nos quais será aplicada a Pesquisa de Satisfação do Cliente Externo. A pesquisa irá ocorrer entre os dias 9 de janeiro e 9 de fevereiro, sendo repetida nos meses de março, junho, setembro e dezembro. O objetivo é avaliar o atendimento segundo a cordialidade do atendente, a clareza das informações, o tempo de espera e a solução de problemas. JUSTIÇASexta-feira, 9 de dezembro de ATENDIMENTO Lei Maria da Penha precisa ser mais efetiva Objetivo do pacto é agilizar julgamentos e ampliar a rede de proteção às mulheres Paula Laboissière A Secretaria de Políticas para as Mulheres assinou esta semana um pacto com o Judiciário brasileiro para o cumprimento mais efetivo da Lei Maria da Penha. A parceria inclui ainda o Ministério da Justiça, os conselhos de defensores públicos e de procuradores de Justiça e os colégios permanentes de presidentes e desembargadores de tribunais de Justiça. De acordo com a ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Iriny Lopes, o objetivo é agilizar julgamentos de casos de homicídio, ampliar a rede de proteção às mulheres que inclui centros de atendimentos e delegacias especializadas e investir nas casas abrigo, utilizadas para o cumprimento de medidas protetivas. Com isso, vamos atender não só as vítimas mulheres, crianças e adolescentes mas também procurar criar uma nova postura e uma nova cultura no Brasil, de que agredir a mulher é crime e que, quando se agride uma mulher, se está estendendo essa agressão para o conjunto da família, disse, ao participar do programa Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, com apoio da EBC Serviços. Para Iriny, a ideia de revisar a Lei Maria da Penha no Congresso Nacional não deve ser uma alternativa no momento. Ela lembrou que a legislação é recente e é considerada pela Organização das Nações Unidas (ONU) uma das três melhores em todo o mundo. O problema, de acordo com a ministra, é a baixa efetivação da lei no País. Só teríamos condições de fazer uma revisão quando tivermos um número suficiente de casos, disse. Quando juízes, desembargadores, ministros e procuradores tomam conhecimento desses números, passam a ter uma compreensão um pouco diferenciada no sentido de se mobilizarem mais. Temos pressa, como as mulheres agredidas têm pressa. Agora, acho que o Judiciário vai ter a mesma pressa, completou. Igualdade entre homens e mulheres A 3ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, agendada para começar nesta segunda, terá como tema central a autonomia econômica e financeira das mulheres. Para a ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Iriny Lopes, a principal ação do governo na área deve ser trabalhar para a aprovação do Projeto de Lei (PL) 6653/2009, que cria mecanismos para garantir a igualdade entre mulheres e homens. CLASSIFICAÇÃO Isso é para que a gente tenha uma referência legal, um marco legal, disse, ao participar do programa Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, em parceria com a EBC Serviços. Segundo Iriny, a capacitação também representa um aspecto importante para a efetivação de uma política nacional de inclusão e de autonomia econômica e financeira das mulheres. A expectativa do governo é que, até 2014, 100 mil brasileiras tenham sido capacitadas por meio do programa Mulheres Mil. Capacitação não só no sentido de produção, mas para que o produto (resultado do trabalho das mulheres) ganhe valor e competitividade e para que ela passe a entender como fazer o processo de contabilidade, explicou. Outro tema que será abordado durante a conferência trata da ampliação dos postos de trabalho Iriny avaliou que os números referentes à aplicação da legislação são animadores. Um balanço da pasta indica que 300 mil processos foram iniciados nos últimos cinco anos, além da realização de 100 mil julgamentos e de 10 mil prisões em flagrante. Nos últimos dez anos, quase 43 mil homicídios foram provocados por violência doméstica. A cada quatro minutos, o país registra quatro vítimas de agressão violenta. Embora o assunto seja sério e a gente tenha pressa em resolver, não acredito que vai ser alterando a lei que vamos conseguir reverter esse quadro, mas aplicando a lei, destacou. remunerado. A ministra ressaltou que o número de mulheres no mercado de trabalho brasileiro cresceu, mas um dos problemas é que elas ainda são maioria no campo da informalidade. A regulamentação do trabalho doméstico no Brasil, de acordo com Iriny, também deve ser discutida durante o encontro. A estimativa da pasta é que cerca de 7,3 milhões de trabalhadoras domésticas atuem no país. Violência na TV pode causar efeitos duradouros nas crianças Priscilla Mazenotti CURITIBA Publicidade deve ser suspensa Evandro Fadel O juiz da 7ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, Rodrigo Otávio Rodrigues Gomes do Amaral, determinou, em sentença liminar divulgada ontem, que a prefeitura de Curitiba deixe de veicular mensagens de telemarketing que utilizam a voz e o nome do prefeito Luciano Ducci (PSB), pré-candidato à reeleição. Segundo ele, a atitude afronta aos princípios da moralidade e da impessoalidade, que devem imperar na publicidade institucional. Para o juiz, se pretende o mencionado réu prestar contas da aplicação do dinheiro público com transparência, ele deve fazê-lo sem a sua autopromoção como gestor público, sob pena de se caracterizar a publicidade irregular e a promoção pessoal. A decisão também proíbe o uso de imagens da página virtual do município de Curitiba em informes ou sites de partidos políticos e do próprio Ducci. O juiz estipulou multa de R$ 2 mil para cada matéria ou imagem irregular. Ele determinou, ainda, que cópia da decisão seja encaminhada ao Ministério Público, que deve analisar possível ato de improbidade administrativa. O excesso de violência exibido na programação das TVs abertas pode causar efeitos duradouros nas crianças, diz o diretor adjunto do Departamento de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação do Ministério da Justiça, Davi Pires. Algumas crianças podem sentir medo. Dependendo da faixa etária, podem ter pesadelos, problemas no sono, irritação durante o dia e até comportamentos violentos, ressaltou Pires, ao participar de audiência pública sobre o assunto na Câmara. Ele destacou, porém, que o problema mais grave é achar que a violência é algo banal. Davi Pires considera a classificação indicativa é importante para que pais e educadores protejam as crianças de cenas violentas exibidas na televisão. Ele lembrou que o critério para classificação de um programa por idade é a incidência de cenas de sexo, de uso de drogas e cenas violentas. Programas jornalísticos, noticiosos, esportivos, eleitorais e publicidade não passam pela classificação, explicou. A classificação indicativa também foi defendida pela representante do Conselho Federal de Psicologia (CFP) na Coordenação Executiva do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação, Roseli Goffmann. As TVs no Brasil são controladas por poucas famílias. São concessões públicas. É mais do que razoável que obedeçam a normas e regras passíveis de punição, disse. A classificação indicativa é a única forma de regular as TVs, completou. A representante da Associação Brasileira de Radiodifusores, Heloísa Helena de Macedo, por sua vez, alertou que não cabe ao Estado definir a programação. Heloísa Helena defende que a classificação seja apenas indicativa, para que os pais em casa possam escolher o que vai ser assistido. Todo e qualquer controle deve ser combatido. É um dever dos pais que não deve ser tomado pelo Estado ou agente, destacou. TRABALHO ESCRAVO Fazendeiro tem prisão decretada no Pará Luana Lourenço Denunciado em 2009 por exploração de trabalhadores em situação análoga à escravidão, o fazendeiro Avelino de Déa, dono da fazenda São Sebastião, em Itupiranga, no Pará, foi condenado a sete anos e dez meses de prisão. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF) no Pará, autor da denúncia, a sentença foi assinada em novembro pelo juiz federal Cesar Otoni de Matos, da 1ª Vara de Marabá. Em 2007, 59 trabalhadores foram libertados da fazenda de Déa pelo Grupo Móvel de Fiscalização do Ministério do Trabalho. Os agricultores eram submetidos a condições de trabalho degradante, a maioria sem carteira assinada. De acordo com a denúncia, os trabalhadores não tinham banheiro próximo ao local de trabalho, eram obrigados a tomar banho em um córrego, não tinham acesso à água potável e muitos dormiam em barracos de palha e em cochos utilizados para alimentação de bois. Na sentença, o juiz rebateu a alegação da defesa do fazendeiro de que os trabalhadores não foram forçados a aceitar o trabalho. O fato de cidadãos pobres e humildes aceitarem a indigna sujeição a tal tipo de condições o que fazem em razão da absoluta falta de alternativa para garantia da própria subsistência, como confessado nos autos não autoriza outrem, valendo-se da privilegiada posição de detentor do conhecimento e do poder econômico, literalmente lucrar com a miséria e desgraça alheias, diz a sentença. MPT combate irregularidades Terminam hoje as operações do MPT, deflagrada em todo o País nesta semana, em canteiros de obras da construção civil. O objetivo era fiscalizar as condições de trabalho disponibilizadas pelas empresas. De acordo com o Vice-Coordenador da Coordenadoria Nacional de Defesa do Meio Ambiente de Trabalho (CODE- MAT), Everson Rossi, foram firmados Termos de Cooperação (TACs) com empresas de energia elétrica e secretarias municipais de obras objetivando trazer ao conhecimento do MPT o início de novas obras. Na Bahia, somente no primeiro dia de trabalho, cinco construtoras tiveram seus canteiros embargados pela ação conjunta. Em Brotas, houve casos em que os fiscais não puderam sequer checar determinados ambientes porque a entrada em algumas áreas era perigosa. COMPANHIA AGRO PASTORIL VALE DO RIO UNA CNPJ Nº / NIRE Edi tal de Con vo ca ção - Fi cam os aci o nis tas con vi da dos a com pa re cer na Assem bléia Ge ral Ordi ná ria, que irá se re a li zar no dia , às 9:00 ho - ras, na sede so ci al da Com pa nhia, lo ca li za da na Rua Teó fi lo Oto ni, 15, sala 1204 (par te), Cen tro/rj., para de li be ra rem so bre a se guin te or dem do dia: AGO: 1) To mar as con tas dos ad mi nis tra do res, exa mi nar, dis cu tir e vo tar as de mons tra ções fi nan ce i ras re la ti vas aos exer cí ci os fin dos em , , , e ; 2) De li be rar so bre a des ti - na ção do re sul ta do dos pe río dos; 3) Ele ger e re e le ger mem bros para com por a Di re to ria. 4) Fi xar o mon tan te da re mu ne ra ção dos Admi nis tra do res. Rio de Ja ne i ro, 5 de De zem bro de Re na to Be zer ra de Mel lo de Vas con ce los.

8 8 RIO Sexta-feira, 9 de dezembro de 2011 PETRÓLEO Petrobras, Gerdau e CNS estão juntas no projeto para implementação de bases da estatal visando o pré-sal Glauber Gonçalves O governo do Rio de Janeiro espera ter uma definição até o fim do ano para a implementação do projeto portuário conjunto de Petrobras, Gerdau e CSN no município de Itaguaí. O objetivo é abrir caminho logo para a implantação de uma das bases da estatal para o pré-sal, considerado o projeto mais urgente entre os três, enquanto os planos das siderúrgicas seguem em compasso de espera. Para acabar com o impasse causado pelo descasamento dos PARQUE TECNOLÓGICO cronogramas das empresas, o governo - que impôs a parceria entre as companhias em torno de um porto só para não ver a região devastada pela implantação de diversos terminais - quer colocar a Companhia Docas do Rio de Janeiro na jogada. A ideia é que um terminal público seja construído em uma área de Docas, contígua aos terrenos das empresas. Com isso, se evitaria que a Petrobras tivesse de construir sozinha um terminal em sua área, de 10 milhões de metros quadrados. O projeto da Petrobras é o mais premente, tem mais urgência para começar a ser feito. O segundo é o da Gerdau e, depois, o da CSN. Mas os três são viáveis, diz o superintendente de projetos estruturantes da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Rio, Jorge Cunha. Se for adiante a saída encontrada pelo governo, a Petrobras, então, teria de construir apenas uma unidade de tancagem na sua área e utilizaria o novo terminal de líquidos construído por Docas para embarque e desembarque de petróleo. Mas, para isso, precisaria vencer uma licitação, já que o terminal seria público As empresas e o governo estão analisando a viabilidade da solução proposta e devem se reunir na semana que vem para discutir o assunto. Sigilo - A Petrobras, que mantém o projeto em sigilo, ainda planeja construir na área uma base para supply boats, também em terreno de Docas, e uma base de helicópteros, cujos estudos de engenharia já foram iniciados, revelou uma fonte. A estatal não divulga o montante que pretende investir para colocar as instalações de pé. Já o projeto conceitual da Gerdau para a região está em fase de conclusão e prevê duas etapas de Alana Gandra Líder mundial em equipamentos e sistemas para armazenamento de dados, presente em mais de 80 países, a empresa EMC, dos Estados Unidos, lançou ontem a pedra fundamental do centro de pesquisas e desenvolvimento que irá construir no Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão. O diretor executivo do parque, Maurício Guedes, comemorou a chegada da EMC. Em entrevista à Agência Brasil, disse que a companhia americana irá montar um centro de pesquisas para grandes dados (big data). São tecnologias para você poder armazenar e processar grandes volumes de informações. Isso tem importância em muitas áreas, como meteorologia, genética, geologia e, até mesmo, em entretenimento, que tem que armazenar imagens e sons. Isso gera grandes volumes de dados. A vice-presidente da EMC e diretora de Tecnologia para as Américas, Patrícia Florissi, explicou que a principal atividade do centro serão a pesquisa e o desenvolvimento aplicados nas áreas de big data e óleo e gás. A EMC vai investir nos próximos cinco anos R$ 100 milhões em projetos em todo o Brasil. O centro deve ficar pronto em dois anos. A executiva informou que 50 pessoas deverão trabalhar na nova unidade de pesquisas nos próximos quatro anos, sendo 35 pesquisadores, todos brasileiros. Central - O centro de pesquisas brasileiro da EMC no Fundão funcionará como uma central de distribuição de soluções tecnológicas, inclusive para outros países. Toda pesquisa desenvolvida aqui terá aplicação internacional, disse Patricia Florissi. O Parque Tecnológico conta, atualmente, com 34 empresas instaladas, sendo 20 companhias nascentes, dez de grande porte e quatro de pequeno ou médio portes. Quando o parque estiver totalmente implantado, dentro de cinco anos, a UPP Aline Bronzati O Banco do Brasil inauguou ontem uma agência na Comunidade da Rocinha, dentro da sua estratégia de expandir a rede da instituição para áreas desassistidas de atendimento bancário. Além desta, serão inauguradas mais duas agências na cidade do Rio de Janeiro, uma no Méier e outra em Campo Grande. Com isso, o BB atinge a marca de pontos de atendimento no estado do Rio de Janeiro, sendo 280 agências. A meta do BB para 2012 é inaugurar outros 190 pontos de atendimento, sendo 75 novas agências no Rio de Janeiro. De acordo com o banco, esses investimentos demandarão a contratação de 640 novos profissionais no Estado. A partir de 2 de janeiro, o Banco Postal, dos Correios, vai integrar a rede de atendimento do BB, acrescentando mais 220 pontos de atendimento à rede do BB. Caixa - Outro banco que pretende inaugurar uma agência na Rocinha é a Caixa Econômica Federal, que também planeja instalar uma nova unidade na comunidade Vidigal. A estratégia do BB de expandir a sua rede para áreas desassistidas de atendimento bancário teve início em dezembro de 2009, com a inauguração da agência de número 5000, no Jardim Ingá, município de Luziânia (GO). No ano passado, Paraisópolis, segunda maior comunidade de São Paulo, recebeu uma agência do BB. Este ano foi a vez das comunidades dos Complexos do Alemão e Cidade de Deus, no Rio de Janeiro, contarem com uma unidade do banco. Rocinha e Cantagalo vão receber as novas unidades do Rio Poupa Tempo em A informação é da Junta Comercial do Estado (Jucerja) que coordena o programa. Cantagalo tem previsão de inauguração para abril e Rocinha para maio. De acordo com Fátima Destri Tenório, coordenadora do Rio Poupa Tempo, os trâmites para a implantação já começaram. A ideia surgiu depois da pacificação e vai trazer benefícios para a população local, explica. As unidades são instaladas em locais de fácil acesso à população e oferecem mais de 400 serviços como emissão de carteira de identidade, carteira de trabalho, abertura e registro de empresas, informações sobre previdência social, direitos Consocial monta estande para Dia Internacional contra a Corrupção O Dia Internacional contra a Corrupção será celebrado hoje com conscientização no Rio de Janeiro. A comissão organizadora da 1ª Conferência Estadual sobre Transparência e Controle Social do Rio de Janeiro (Consocial-RJ) montará um estande sobre o evento na estação de metrô da Carioca para que a população conheça as ferramentas de combate ao crime e saiba como exigir transparência na gestão pública. Durante todo o dia, membros da comissão esclarecerão dúvidas e convocarão os passantes a se engajar na causa. Panfletos explicativos serão distribuídos para divulgar os instrumentos já utilizados pela administração pública para conferir mais transparências às contas. Companhia funcionará como central de distribuição de soluções tecnológicas, e a previsão é que fique pronta dentro de dois anos do consumidor, serviços municipais, entre outros. Números - As cinco unidades do Rio Poupa Tempo (Carioca, Central, Zona Oeste, Baixada Fluminense e São Gonçalo) já realizaram mais de 12 milhões de atendimentos, desde julho de Somente este ano, de janeiro a novembro, mais de cinco milhões. C U R T A S meta é elevar o número de empresas para 200, que devem empregar cerca de 5 mil pesquisadores. O plano é ambicioso, reconheceu Maurício Guedes. Segundo ele, só as dez grandes empresas estão investindo mais de R$ 500 milhões no parque, onde também será construído prédio para abrigar até 100 pequenas e médias empresas. Um investimento que atinge R$ 200 milhões. O Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes) funcionará como âncora do parque que conta, também, com uma incubadora de empresas. A gente vai ter aqui uma máquina de transformação de conhecimento em riqueza que terá uma grande importância para a economia local e grande visibilidade em nível internacional. Para o Brasil, esse tipo de iniciativa poderá atrair mais interesse e mais investimentos estrangeiros, disse o diretor executivo. CRIME Pedro Dantas A Polícia Militar deve expulsar dois policiais militares envolvidos em um crime de execução e ocultação de cadáver, na noite desta quarta-feira, em São João de Meriti. Eles são acusados de matar a tiros o eletricista Márcio da Conceição Ferreira, de 33 anos, que foi parado em uma blitz junto com dois amigos, e queimar o corpo em uma cidade vizinha. O cabo André Luiz Rocha e o soldado Luiz Ricardo Gomes, ambos lotados no Batalhão de São João de Meriti, foram presos na noite de quarta. A motivação para o crime ainda não está clara. O crime aconteceu em Vilar dos Teles. O eletricista estava com dois amigos em um Fiat Stilo, que foi parado pela dupla de policiais. Os três homens foram colocados contra a parede e dois tiros de fuzil foram disparados contra Márcio. Um dos amigos dele conseguiu correr e escapou; o outro foi levado para uma cabine da PM, próximo à Rodovia Presidente Dutra, e liberado depois. Prefeitura anuncia a ampliação do programa Cartão Família Carioca A prefeitura do Rio anunciou ontem a ampliação do Cartão Família Carioca - programa de transferência de renda que completou um ano na quarta-feira e reduziu em 46% o número de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza na cidade. Também foi apresentado um balanço deste primeiro ano do projeto, além dos novos benefícios que incluem o aumento do valor recebido por crianças com deficiência e também para jovens moradores de comunidades pacificadas em busca de qualificação profissional. Para receber o benefício, além de estar inscrito no CadÚnico, é exigido que cada criança em idade escolar mantenha frequência mínima de 90% das aulas. implantação, podendo ser desenvolvido em módulos conforme as necessidades da empresa. Ao fim da segunda fase, a siderúrgica poderá exportar anualmente 5 milhões de toneladas de produtos siderúrgicos acabados, 70 milhões de toneladas de minério de ferro e importar 10 milhões de toneladas de carvão, informou a companhia. A princípio, o terminal poderá atender a qualquer unidade da Gerdau localizada na região Sudeste. Segundo a empresa, ainda não há previsão de início de operação nem informações sobre custos envolvidos. Cabral e Cortes durante visita ao Centro PIONEIRISMO Região de águas abrigadas, a Baía de Sepetiba, onde a petroleira e as siderúrgicas implantarão suas operações portuárias, é considerada propícia para esse tipo de atividade. O local, que abriga um terminal privativo da Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), inaugurada em 2010, também está recebendo investimentos da MMX. A empresa está construindo lá o Porto do Sudeste. A Usiminas já fechou acordo com o grupo para usar o terminal. Procurada para comentar o assunto, a CSN não respondeu até o fechamento desta edição. O governo do Rio de Janeiro inaugurou ontem o Rio Imagem, primeiro centro de diagnósticos por imagem do estado. A unidade, que é uma das maiores de rede pública na América Latina, será aberta ao público nesta segundafeira, com a meta de fazer cerca de 22 mil atendimentos por mês. O centro de diagnóstico conta com equipamentos de última geração para realização de exames de alta complexidade, como a tomografia computadorizada de 64 canais, capaz de rastrear obstruções mínimas nas artérias do coração. Saúde da mulher - O Rio Imagem terá uma ala voltada para a saúde da mulher. Nela, as pacientes terão acesso ao exame de ressonância de mama, indicado para detectar tumores. Para a subsecretária de Saúde, Ana Lúcia Neves, houve uma transformação no atendimento de pacientes que necessitavam de exames mais complexos. Mauricio Bazilio / Governo do Estado Agora, a gente está dobrando a capacidade para a realização de exames de ressonância magnética e aumentando muito a realização de exames de tomografia computadorizada. Então a gente transformou um setor que não tinha nada e que agora passa a ter. Segundo Ana Lúcia Neves, os pacientes vão receber os resultados dos exames em no máximo em cinco dias. A subsecretária adiantou que o município de Niterói, na região metropolitana, vai receber dentro de três anos o segundo centro de imagem do estado, o Rio Imagem 2. A Secretaria Estadual de Saúde informou por meio de sua assessoria que os atendimentos vão ser feitos em regime de gestão compartilhada, ou seja, as prefeituras ficarão responsáveis pela marcação dos exames na central de atendimento do Rio Imagem. Para construir o centro e comprar os equipamentos, o governo do estado investiu cerca de R$ 33 milhões. Isabela Vieira Uma série de mudanças para melhorar o atendimento médico em uma das principais unidades de atendimento de urgência na capital fluminense, o Hospital Municipal Miguel Couto, localizado no Leblon, começa a ser anunciada pela direção. Depois de um mês de avaliação por parte do programa SOS Emergências, do Ministério da Saúde, as medidas devem reduzir o tempo de permanência dos pacientes na unidade e melhorar a qualidade do atendimento. Para isso, o Miguel Couto começa a implementar novos protocolos de atendimento, integrando áreas médicas desde a entrada do paciente no hospital. Por meio do programa, a direção solicitou ao ministério a compra de 50 itens, como aparelhos para monitorar funções vitais e camas mais confortáveis. No entanto, segundo a assessoria do SOS Emergências no Rio, a compra segue tramitação legal, passando ainda por licitação. Não há previsão exata de quando o material chegará. De acordo com o diretor da unidade, Luiz Alexandre Effinger, os novos equipamentos são fundamentais para reduzir o tempo do paciente na emergência. Segundo ele, em muitos casos, o prolongamento das internações deve-se à demora na realização de exames simples, como o de sangue, e na emissão de resultados. Isso aumenta a superlotação porque os pacientes continuam entrando. Porém, aqueles doentes não conseguem ser tratados no tempo adequado e isso vai empacando. Com a melhoria da qualidade do atendimento hospitalar, esperamos uma redução do tempo de permanência e também uma redução de mortalidade, explicou o diretor do Miguel Couto. Neste ano, a unidade, que é referência em neurocirurgia e traumatologia, recebeu 11,2 mil pacientes entre janeiro e outubro. Para colocar em prática os novos protocolos de atendimento que integram várias especialidades médicas e serviços assistenciais, Effinger acrescenta que os profissionais da unidade, de excelente padrão técnico, estão sendo qualificados. O paciente não será visto apenas pelo médico que prescreve o remédio. Terá uma equipe multidisciplinar. Isso já existia antes, mas não juntando todas as equipes, de forma mais organizada e com indicadores de eficiência, explicou.

9 PAQUISTÃO Otan tem mais de 20 caminhões queimados Agressores queimaram ontem mais de 20 caminhões da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Paquistão, no primeiro ataque desse tipo desde que o governo paquistanês fechou a fronteira com o Afeganistão após a Otan matar 24 soldados do país em um bombardeio no mês passado. Os caminhões transportavam combustíveis para as tropas da Otan no Afeganistão. Centenas de caminhões da Otan e de particulares aguardam em postos de combustíveis e paradas rodoviárias no Paquistão, enquanto esperam que o governo de Islamabad reabra a fronteira com o Afeganistão. Cerca de 40% dos suprimentos não letais enviados EUA às tropas da Otan no Afeganistão usam as rodovias paquistanesas. O governo paquistanês fechou a fronteira em 26 de novembro, logo após o bombardeio da Otan. O policial Hamid Shakil disse que agressores desconhecidos dispararam foguetes contra um terminal rodoviário onde os caminhões estavam parados, nos arredores da cidade de Quetta. Ele disse que pelo menos 23 caminhões foram completamente destruídos. Não existem informações sobre mortes até agora. Os mortíferos ataques da Otan na fronteira pioraram novamente as relações entre o Paquistão e os EUA, já bastante deterioradas neste ano. Irã exibe vídeo de avião capturado A televisão estatal do Irã exibiu ontem um vídeo do suposto avião espião não tripulado dos Estados Unidos, um drone, que Teerã afirma que capturou após invadir o espaço aéreo iraniano no domingo passado. As imagens de dois minutos mostram militares iranianos inspecionando o que a televisão identifica como o avião teleguiado RQ-170 Sentinel, que parecia intacto. Um militar iraniano disse ontem que o drone não foi destruído quando foi capturado. O chefe da divisão aeroespacial do Irã, o general Ami Ali Hajizadeh, disse que uma emboscada eletrônica feita por forças iranianas fez o idrone pousar e capturou a aeronave. O avião teleguiado dos Estados Unidos foi capturado FAIXA DE GAZA por unidades antiaéreas iranianas sobre Kashmar, no leste do país, informou ontem a rádio estatal do Irã, que não especulou sobre as razões pelas quais o avião sobrevoava a cidade, que fica numa área agrícola conhecida pela produção de açafrão e tapetes persas. Kashmar fica pouco mais de 200 quilômetros a oeste da fronteira entre Irã e Afeganistão. Os EUA admitiram mais cedo nesta semana que perderam o controle do avião teleguiado. Os drone são usados em missões de espionagem e também de bombardeio. Revelações sugerem que Washington está intensificando a vigilância e a pressão sobre a república islâmica por causa de seu programa nuclear. Ataque israelense mata militantes Um ataque israelense contra um carro, perto de um parque lotado no centro de Gaza, matou ontem dois supostos militantes. Trata-se do segundo ataque deste tipo nesta semana após um período de relativa calma ao longo da fronteira entre Gaza e Israel. Ações similares já deram início a confrontos maiores no passado entre Israel e o Hamas, que governa Gaza. Após o ataque de ontem, o Exército de Israel alegou que os dois homens que estavam no carro haviam planejado se infiltrar em Israel para atacar soltados e civis, mas não deu mais detalhes. Os militares afirmaram que um dos militantes esteve envolvido em ataques suicidas realizados em Israel cinco anos atrás, que mataram civis israelenses. O Exército identificou UNIVERSIDADE o outro homem como seu sobrinho e integrante do braço militar do Hamas. O carro estava perto de um parque lotado no centro de Gaza quando foi atingido. O míssil provocou uma explosão que transformou o carro numa bola de fogo. Cinco pedestres também ficaram feridos, disse Adham Abu Salima, funcionário do Ministério da Saúde de Gaza. Ihab Ghussein, porta-voz do Ministério da Saúde, disse que o ataque aéreo foi um crime injustificável cometido numa área populosa e é parte da intensificação das medidas contra a Faixa de Gaza. Israel costuma atacar veículos com pessoas suspeitas de serem militantes. Uma dessas ações, realizada na manhã de quarta-feira, matou um militante e deixou dois feridos. Tiroteio deixa dois mortos nos EUA Um homem armado matou ontem um policial e uma outra pessoa ainda não identificada após o agente pedir para o suspeito parar o carro em um campus da Virginia Tech, nos Estados Unidos. Alunos e professores foram avisados para permanecer dentro dos prédios da universidade enquanto a polícia procura o suspeito pelo ataque. Em 2007, um estudante matou 32 pessoas no local e depois se matou. A universidade disse que o policial ordenou que o suspeito parasse o carro, e então o agente foi baleado e morreu. O atirador correu em direção a um estacionamento próximo, onde uma segunda pessoa foi encontrada morta. Não ficou claro até o momento se essa segunda vítima também foi baleada. Imagens de TV mostraram oficiais com armamento pesado ao redor do campus. A comunidade do campus deve continuar abrigada no local e visitantes não devem ir ao campus, disse a universidade. MUNDOSexta-feira, 9 de dezembro de RÚSSIA Suposta fraude eleitoral será alvo de investigação Medvedev afirma que lei pode ter sido violada durante a votação de domingo O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, disse que as supostas fraudes nas eleições parlamentares do país serão investigadas. Após uma reunião com seu colega checo, Vaclav Klaus, em Praga, Medvedev afirmou ontem que a lei pode ter sido violada durante a votação de domingo porque nossa lei eleitoral não é a ideal. As supostas fraudes motivaram a realização de protestos por todo o país. Uma grande manifestação é esperada para amanhã. O presidente russo pediu calma aos cidadãos durante a investigação. Ele afirmou que especialistas, não pessoas comuns, vão apurar o caso. Medvedev declarou que entende que algumas pessoas estejam desapontadas com o resultado eleitoral, mas que os números correspondem totalmente às estimativas dos analistas e às pesquisas de opinião. Segundo ele, o povo tem o direito de livre expressão e de questionar, porém tem de fazer isso dentro da lei. Manifestantes russos tomaram as ruas de Moscou e São Petersburgo por três noites consecutivas, apesar da forte presença policial, indignados com as supostos fraudes nas eleições. Os protestos desta semana são os maiores que a Rússia enfrenta em anos. A polícia já deteve centenas de manifestantes. A tensão entre os Estados Unidos e a Rússia aumentou nos últimos dias. A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, criticou as eleições russas e pediu que as acusações de fraude sejam investigadas. O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, acusou Hillary de encorajar e dar apoio aos manifestantes. Ele também alertou sobre uma repressão mais dura contra os protestos. Putin disse que Hillary, ao classificar as eleições parlamentares da Rússia como fraudes, deu um sinal para os oponentes dele. Eles ouviram este sinal e, com o apoio do Departamento de Estado dos EUA, deram início a suas atividades, disse Putin, em declarações na TV. Resultados - O partido Rússia Unida, de Putin, recebeu bem menos votos do que o registrado oficialmente, afirmou nesta quinta-feira o Observatório Cidadão, um grupo de monitoramento eleitoral. Segundo o Observatório, o Rússia Unida obteve 30% dos votos, e não 50% como divulgado oficialmente. O grupo afirmou que o partido recebeu 29,8% dos votos no país e 25,8% em Moscou. De acordo com a entidade, o liberal Partido Yabloko conseguiu votos suficientes para obter postos no Parlamento, o que não ocorreu pelos resultados oficiais. O grupo baseou seus dados em 176 seções eleitorais em que os observadores puderam fazer uma contagem alternativa. O Observatório Cidadão, fundado pelo analista político independente Dmitry Oreshkin, afirmou que o comparecimento às urnas ficou em apenas 51,5% em Moscou e em 53% no país. Oficialmente, ele foi de 60,2%, segundo o Comitê Eleitoral Central. EGITO Islamitas não querem supervisão militar incluída na Constituição A Irmandade Muçulmana, grupo islamita que deve dominar o novo Parlamento do Egito, acusou ontem os governantes militares do país de tentar reduzir a autoridade dos legisladores eleitos, mesmo antes da posse da nova legislatura. A Irmandade disse que vai boicotar o conselho que será indicado pelos generais que estão no poder para supervisionar a redação da nova Constituição e não participou da reunião para estabelecer o painel, nesta quinta-feira. Na teoria, o novo Parlamento terá de escolher os 100 integrantes de uma assembleia que vai escrever a Constituição. Mas os generais afirmam que o Parlamento não será representativo SETOR PRIVADO Autorizada publicidade em Cuba Pela primeira vez, Cuba vai permitir que trabalhadores da iniciativa privada façam propaganda nas mídias do governo. A medida faz parte do pacote de abertura econômica anunciada pelo governo de Raúl Castro. Como monopólio sobre os meios de comunicação da ilha está nas mãos do governo, o trabalhador precisa se inscrever na edição do ano que vem do diretório telefônico estatal para fazer propaganda. Estimativas oficiais mostram que, após a autorização de expansão, mais de 346 mil cubanos prestam serviços privados. As reformas implementadas por Raúl Castro também contam com a abertura de crédito bancário e compra e venda de carros, proibida desde a Revolução Cubana, em Os cubanos agora esperam pela liberação de vistos de viagem para fora da ilha, uma medida que vigora em Cuba há décadas e que o próprio presidente estaria considerando reavaliar. Persiste impasse sobre escudo antimísseis da sociedade egípcia, portanto, eles vão indicar um conselho para proteger o processo de elaboração da carta magna de ideias religiosas extremistas. O porta-voz da Irmandade Muçulmana, Mahmoud Ghozlan, disse ontem que não fará parte do conselho porque ele vai retirar a autoridade do Parlamento. O conselho militar está determinado a se voltar contra a vontade do povo, disse ele. Para aqueles que temem a voz dos islamitas, isso é chantagem. Números - Grupos islamitas conquistaram cerca de 68% dos assentos na primeira etapa das eleições, segundo cálculos da Associated Press baseados em resultados oficiais. A Irmandade Muçulmana dominou a eleição, com cerca de 47% dos votos. O segundo colocado, o partido Al-Nour- um grupo islamita ainda mais conservador -, ficou com 21%. A colisão entre a poderosa Irmandade e os militares era esperada. Desde que tomaram o comando do país após a queda de Mubarak, os militares têm indicado que o novo Parlamento não terá plenos poderes. As eleições são as primeiras desde a queda de Hosni Mubarak em fevereiro, após um levante popular, e as mais livres e justas da história moderna do Egito. Mais duas etapas da eleição serão realizadas em janeiro, mas o resultado não deve ser alterado. Instituição secular que tradicionalmente controla o acesso dos islamitas ao Parlamento, o Exército diz ser a única autoridade que tem o direito de formar um novo governo e declara sua determinação em supervisionar a redação da Constituição. Após os primeiros indícios do forte apoio conquistado nas urnas, a Irmandade exigiu que o Parlamento formasse o governo, mas posteriormente abrandou o discurso, dizendo que não insistiria. A Irmandade, que tem 80 anos, foi proscrita durante o governo de Mubarak e foi alvo de ondas de prisões e forte combate, mas ainda assim conseguiu construir a organização política mais forte do país. QUIOTO Brasil pede a segunda fase de protocolo Luana Lourenço Em discurso na 17ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, em Durban, na África do Sul, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse ontem que o Brasil defende a criação de um novo regime de emissões de gases de efeito estufa com obrigações de redução para todos os países a partir de A conferência está negociando um instrumento que complemente o Protocolo de Quioto, cujo primeiro período de compromisso vence em O Brasil trabalha com afinco para a adoção de um segundo período de compromisso para o Protocolo de Quioto e o fortalecimento da implementação da convenção (da ONU) no curto, médio e longo prazos. Se todos trabalharmos juntos, poderemos negociar o mais cedo possível um novo instrumento legalmente vinculante sobre a convenção, baseado nas recomendações da ciência, que inclua todos A Rússia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) permanecessem em um impasse sobre a longa disputa em relação ao plano da aliança de construir um escudo antimísseis para a Europa, disseram autoridades, e a Rússia avisou que o tempo para um acordo está se esgotando. O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, disse que não houve progresso em direção a um acordo sobre a controversa questão, após uma discussão entre ministros das Relações Exteriores da aliança e da Rússia, Sergey Lavrov, que ocorreu em meio a uma turbulência política na Rússia e a críticas fortes dos Estados Unidos. Rasmussen rejeitou as críticas da Rússia, que acusou a Otan de ignorar as preocupações do país de que o planejado sistema de mísseis poderia um dia ser voltado à Rússia. O secretário-geral disse que as discussões com a Rússia vão continuar e expressou otimismo por um acordo inicial antes da próxima conferência global da Otan, em maio de 2012, em Chicago. Nós ouvimos (a Rússia), e nós ouvimos hoje, disse Rasmussen a jornalistas após o encontro com Lavrov na sede da Otan. O russo, por sua vez, disse que infelizmente nossos parceiros ainda não estão prontos para a cooperação na defesa antimísseis. Mas ele deu sinais de que a Rússia está aberta a novos debates, desde que preocupações legítimas de todas as partes sejam levadas em consideração. os países para o período imediatamente pós 2020, disse a ministra. O protocolo determina que as nações industrializadas devem reduzir, até o ano que vem, as emissões de gases de efeito estufa em aproximadamente 5% em relação aos níveis registrados em No entanto, os Estados Unidos, um dos maiores poluidores da atmosfera do planeta, nunca ratificaram o protocolo. Urgência - Izabella Teixeira destacou a urgência de se chegar a um novo acordo para o clima na Conferência de Durban, para que não se crie uma lacuna entre o Protocolo de Quioto e futuros compromissos, o que deixaria os países sem obrigações de redução de emissões no período. O Protocolo de Quioto é nosso bem maior para assegurar um forte regime de mudança do clima. Durban é nossa última oportunidade de evitar essa lacuna. Devemos adotar o segundo período de cumprimento até o final desta semana, alertou. Além da continuidade de Quioto, a ministra defendeu a implementação e o fortalecimento de outros instrumentos de gestão climática global, como fundos para financiar ações de mitigação e adaptação, além de parcerias para transferência de tecnologia. A implementação dessas instituições fortalecerá o regime internacional sobre mudança do clima, permitindo ação imediata para tratamento do problema, avaliou. A ministra brasileira lembrou as metas voluntárias apresentadas pelo Brasil em 2009, na Conferência de Copenhague, de reduzir as emissões nacionais entre 36,1% e 38,9% até 2020 e disse as medidas vão fazer com o que o país deixe de emitir 1,2 bilhão de toneladas de dióxido de carbono equivalente no período. No discurso, a ministra disse ainda que as ações brasileiras de redução de emissões estão estreitamente integradas à política de inclusão social e erradicação da pobreza.

10 10 ARTES Sexta-feira, 9 de dezembro de 2011 CINEMA Julie Gavras volta com Diretora de A culpa é de Fidel aborda novamente a família como tema central Luiz Carlos Merten Seu pai, Costa-Gavras, foi presidente do júri no Festival de Berlim de e atribuiu o Urso de Ouro a Tropa de Elite, de José Padilha. Sua estrela, Isabella Rossellini, presidia o júri da Berlinale este ano, mas achou um tempinho na agenda para promover Late Bloomers - O Amor não Tem Fim. O novo longa de Julie Gavras integrava a mostra Panorama. O longa conta a história de Mary (Isabelle Rossellini) e Adam (William Hurt), casados há 30 anos e que passaram mais da metade de suas vidas juntos, criando os filhos e aguardando a chegada de uma fase mais tranquila da vida. No entanto, percebem que estão envelhecendo e começam, cada uma à sua maneira, à enfrentar essa nova realidade. Adam vê sua carreira e situação financeiras não ser tão próspera como antes e Mary começa a apresentar indícios de demência Estreia - A Culpa É do Fidel, primeiro filme da diretora foi um grande sucesso. E Late Bloomers volta ao tema da família. Não vou dizer que é o tema mais importante, mas a família certamente é decisiva na formação da personalidade da gente. Pela família, pode-se refletir a sociedade. Julie admite que se inspirou no pai cineasta. Muita coisa do personagem de William Hurt vem do meu pai. Pequenos gestos, reações. Conversava muito com Isabella no set. Ela também teve aquele pai famoso. ESPORTES Filme conta a história de um casamento de 30 anos Oswaldo de Oliveira evita falar como técnico do Botafogo, pois ainda está no clube japonês Divulgação PRESIDÊNCIA Fábio Grellet A 16 dias de completar 70 anos, a escritora Ana Maria Machado foi eleita ontem presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL) para o exercício de Além de Ana Maria, a nova diretoria terá Geraldo Holanda Cavalcanti como secretário-geral, Domício Proença Filho como primeiro-secretário, Marco Lucchesi no posto de segundo-secretário e Evanildo Bechara como tesoureiro. Eles tomarão posse na próxima sexta-feira, em solenidade na sede da ABL. Daremos continuidade à linha de atividades voltadas para a promoção dos melhores valores da cultura nacional e da língua portuguesa. Dirigiremos nossa ênfase para duas celebrações em particular: o centenário de morte do Barão do Rio Branco e a celebração do centenário de nascimento de Jorge Amado, disse. Ao longo deste ano, a ABL foi dirigida por Marcos Vinicios Vilaça, e Ana Maria desempenhou a função de secretária-geral. Ela ingressou na Academia em 24 de abril de 2003, substituindo Evandro Lins e Silva na cadeira 1. Em 40 anos de carreira dedicada à literatura infantil e adulta, DECISÃO Flamengo terá prétemporada em Sucre Time iniciará as atividades no Paraná e encerrará preparação na Bolívia Em decisão inusitada, o Flamengo anunciou ontem que dividirá a sua pré-temporada entre Brasil e Bolívia em janeiro de O time iniciará as atividades no próximo ano em Londrina, interior do Paraná, e encerrará os trabalhos na altitude de Sucre, em preparação para a fase preliminar da Copa Libertadores. A pré-temporada começará no dia 3 de janeiro em Londrina, como aconteceu neste ano. O clube utilizará as dependências do CT do SM Sport até o dia 15, quando embarcará para a fase final de preparação nos metros de Sucre. Na Bolívia, o Flamengo vai enfrentar o Real Potosí, a metros acima do nível do mar, no dia 25. Antes da viagem, o time carioca deverá disputar dois amistosos no estádio do Café, em Londrina, nos dias 12 e 15. Somente um deles já está definido. Será contra o próprio Londrina. O outro, em negociação, poderá ter o campeão brasileiro Corinthians. Ronaldinho - Na primeira reunião da diretoria do Flamengo para traçar os planos do futebol para 2012, o técnico Vanderlei Luxemburgo pediu reforços e ouviu da presidente Patricia Amorim que a tendência é pela permanência de Ronaldinho Gaúcho no clube A reunião também serviu para garantir a permanência do treinador à frente do time em Contratação - O Flamengo anunciou ontem o seu primeiro reforço para a temporada de Trata-se do lateral-esquerdo Magal, de 24 anos, que defendeu o Americana na Série B do Campeonato Brasileiro neste ano. O jogador será integrado Ana Maria escreveu mais de cem livros, publicados no Brasil e em mais de 18 países, e vendeu mais de 18 milhões de exemplares. Nascida no Rio, ela inicialmente se dedicou à pintura, mas se formou em Letras na atual Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e começou a escrever artigos, fazer traduções e dar aulas Exilou-se na Europa em 1969, durante o governo militar. Brasil conquista prata e bronze na prova de 5km da maratona aquática dos Jogos Sul-Americanos ao grupo somente no dia 3 de janeiro. O clube não informou valores da negociação e tempo de contrato do reforço. Magal iniciou a sua carreira em Minas Gerais. Nascido em Lavras, ele defendeu Guarani- MG, Uberlândia, Villa Nova-MG e Democrata, de Sete Lagoas (MG), antes de se transferir para o ASA. Na sequência, defendeu as cores do Americana, no qual somou 49 jogos, 35 deles pela Série B. O time paulista encerrou o campeonato na 8.ª colocação, mas chegou a ter chances de acesso até a rodada final. REFORÇOS Fluminense age rápido e O Fluminense agiu rápido para repor a saída de Mariano e anunciou ontem a contratação do lateral-direito Bruno Vieira, que estava no Figueirense. O jogador foi um dos destaques da boa campanha do time catarinense no Campeonato Brasileiro, sendo eleito o terceiro melhor jogador da posição no torneio. A diretoria do clube das Laranjeiras comemorou a chegada do reforço e disse ter superado a concorrência de vários clubes do País. A chegada do Bruno é importante porque representa uma reposição imediata e com qualidade. Internacional, São Paulo, Botafogo e Flamengo também tentaram a sua contratação, mas conseguimos o nosso objetivo. Sentimos a saída do Mariano, um jogador que fez sua história com a camisa tricolor, e desejamos sorte ao Bruno, que chega com a nossa confiança, afirmou o vice-presidente de Futebol do Fluminense, Sandro Lima. Bruno Vieira fará exames médicos na próxima semana e deverá ser apresentado em seguida pelo Fluminense. O lateral-direito, de 26 anos, assinou contrato por quatro temporadas com o clube carioca Antes do Figueirense, o jogador passou por Guarani (SC), RS Futebol (RS), Juventude e Guarani. Mariano - A diretoria do Fluminense aproveitou para oficializar a saída de Mariano, que foi vendido para o Bordeaux. De acordo com o clube a equipe francesa demonstrou interesse na contratação do jogador em novembro. O lateral-direito foi campeão brasileiro em 2010 e disputou 167 partidas, com nove gols marcados, pelo time das Laranjeiras. Em meados de novembro deste ano, o Bordeaux nos procurou e demonstrou interesse no lateral Mariano, mas solicitamos que a proposta só fosse feita depois do Brasileirão, com a temporada encerrada. Tudo correu de maneira tranquila e profissional. Desejamos muito sucesso e estaremos torcendo pelo Mariano, neste novo desafio, no futebol europeu, disse Sandro Lima. João Marcos Cavalcanti MPB & outras histórias João Marcos Cavalcanti de Albuquerque é advogado formado pela PUC, ex-secretário chefe do gabinete de Cesar Maia, escritor bissexto e estudioso da MPB. Rosa Maria Faria Passos R osa Passos, como é mais conhecida, nasceu em Salvador em 1952 e muito cedo despontou como cantora, violonista e compositora. Talvez o amigo leitor ainda não tenha sido apresentado a ela, entretanto essa baianinha porreta, com voz pequena (no bom sentido), mas afinadíssima, já gravou inúmeros CDs de sucesso aqui no Brasil e no exterior. Sabe como ninguém escolher seu repertório, acompanhando-se na maioria das vezes com seu violão de onde consegue tirar belíssimos acordes. É considerada pelo meio musical a versão feminina de João Gilberto e, como ele, é perfeccionista. Trabalha ensaiando exaustivamente suas musicas, escolhe-las entre as mais belas composições de nosso cancioneiro. Estreou no mercado fonográfico em 1993, chamando C U R T A a atenção dos aficionados da MPB com a gravação do CD Recriação. Mais tarde lançou Curare e, logo em seguida, Festa, interpretando parcerias com o mestre Aldir Blanc. Três anos depois gravou o CD Pano pra Manga, onde interpreta quase só musicas de sua autoria. Em 2002 lançou, somente para o mercado americano, o CD Me and my heart, participando de vários festivais de jazz acompanhada sempre por músicos de renome internacional. Desde então vem fazendo shows sempre com enorme sucesso pelos Estados Unidos, Europa e Japão. Esta semana lançou um CD que ouvi, adorei e aconselho que você também ouça Rosa Passos é um luxo só, homenageando Elizeth Cardoso com o propósito de resgatá-la. Vá em frente Rosa. Parabéns e sucesso. Patrick Wilcken lança nova biografia do filósofo Lévi-Strauss Recebida pelos críticos estrangeiros como a melhor biografia que o antropólogo e filósofo Claude Lévi-Strauss ( ) poderia almejar, O Poeta no Laboratório, do australiano Patrick Wilcken, é também a melhor introdução ao pensamento do autor de Tristes Trópicos que um leitor tem a seu alcance. Wilcken é colaborador do suplemento literário do Times e brasilianista, autor de Império à Deriva: A Corte Portuguesa no Rio de Janeiro. Em ondas de até 5m, Bruce Irons perde na estreia do Pipeline Masters, do Circuito Mundial de Surfe VÔLEI Superliga Feminina começa com novas forças A edição feminina da Superliga 2011/2012 que começa hoje, com cinco jogos, pode ver o fim de um longo duopólio no vôlei nacional: a divisão dos títulos nacionais entre Sollys/Osasco (SP) e Unilever (RJ). As equipes, que já tiveram nomes como BCN, Finasa e Rexona- Ades, revezam-se no pódio desde 2002/2003. Mas sentem, como nunca, a presença de rivais como Vôlei Futuro (SP) e Sesi (SP). O time de Araçatuba, semifinalista em 2010/2011 (perdeu para o Osasco), acabou de conquistar o primeiro Campeonato Paulista de sua história - fechou em 2 a 1 na série final contra o rival, na última quarta. E o time REAL MADRID que já tinha atletas como Paula Pequeno, Joycinha e a norte-americana Stacy Sikora (líbero que se machucou em um acidente com o ônibus da equipe, neste ano), repatriou duas importantes atletas - Walewska, que estava na Rússia, e Fernanda Garay, no Japão. Embalada pela boa campanha da equipe masculina, que ganhou a Superliga passada, o paulista Sesi decidiu apostar nas mulheres. No elenco estão Sassá, ex-osasco, e Dani Lins, que jogava na Unilever. Campeã do último torneio, a levantadora afirma que o Sesi chega sem pressão, mas com condições de ir à final. E, quem sabe, ganhar o campeonato?. O Real Madrid vai chegar amanhã ao clássico contra o Barcelona, no estádio Santiago Bernabéu, em Madri, válido pelo Campeonato Espanhol, em alta. A equipe lidera o torneio nacional, com três pontos de vantagem para o rival (37 a 34), que disputou um jogo a mais, e com campanha perfeita na Liga dos Campeões da Europa. Por isso, o técnico José Mourinho admitiu que está confiante para o duelo. O treinador português, que está na sua segunda temporada no Real Madrid, avaliou que a equipe passa por excelente momento. O futebol dá muitas surpresas, mas nesse momento estamos com mais confiança e somos uma equipe melhor do que na temporada passada, disse. Pela primeira vez na sua história, o Real Madrid venceu todos os jogos da fase de grupos da Liga dos Campeões. Além disso, está com 37 pontos no Campeonato Espanhol, com 12 vitórias, um empate e apenas uma derrota. É a primeira vez que temos seis vitórias. São 18 partidas seguidas e só uma derrota.

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

1 a 15 de setembro de 2011

1 a 15 de setembro de 2011 1 a 15 de setembro de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM)

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Boletim n.º 05 1º trimestre de O AMBIENTE ECONÔMICO Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Atividade econômica A economia brasileira, medida pelo desempenho do Produto Interno

Leia mais

1º a 15 de agosto de 2011

1º a 15 de agosto de 2011 1º a 15 de agosto de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana #100 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Dólar sem freios Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana Festa no exterior Brasileiros continuam gastando cada vez mais fora

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Janeiro de 2015 Cenário Internacional: EUA O diagnóstico dos membros do Federal Open Market Comittee (Fomc) sobre a atividade econômica é positivo: os EUA estão crescendo mais que a previsão,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº43 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014 Com crescimento em julho, setor acumula 1,48% no ano Em julho, as vendas

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 Senhores Acionistas, A conjuntura política nacional continuou gerando turbulências no mercado, aumentando significativamente o risco do

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA O Índice de Preços ao Consumidor da Classe Média de Curitiba - IPC-FAE, medido

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

A União Européia e o Euro

A União Européia e o Euro A União Européia e o Euro Crise na Grécia, Situações na Irlanda, em Portugal, Espanha e Itália Senado Federal Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional Audiência Pública - 12 de setembro de 2011

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

1 a 15 de setembro de 2015

1 a 15 de setembro de 2015 1 a 15 de setembro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL

ECONOMIA INTERNACIONAL No mês de fevereiro foram divulgadas as estatísticas das principais economias mundiais. Cabe ressaltar ainda, o efeito negativo da crise na Ucrânia nos mercados internacionais, uma vez que o grau de tensão

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição:

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição: Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Fevereiro de 2015 Setor inicia o ano com crescimento real de 3,42% Em janeiro de 2015

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2013

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2013 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2013 Rio de Janeiro, 10 de janeiro de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Dezembro 2013 1. No mês 1.1 - ÍNDICE

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº48 tou ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Vendas dos supermercados crescem 2,24% em 2014 Em dezembro, as

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Segunda-feira 01 de Dezembro de 2014. DESTAQUES

Segunda-feira 01 de Dezembro de 2014. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa tem queda, mas encerra mês em alta Mercado vê inflação maior e PIB baixo em 2015 Casino vai acelerar expansão do Pão de Açúcar Minério de ferro cai 48% e tem pior cenário Brokers fecha

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

Selic cai e poupança rende menos

Selic cai e poupança rende menos Selic cai e poupança rende menos Publicação: 30 de Agosto de 2012 às 00:00 São Paulo (AE) - O Banco Central anunciou ontem mais uma redução da taxa básica de juros, a Selic, de 8% para 7,5% ao ano. Um

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

12 de setembro de 2014

12 de setembro de 2014 Capacidade de promover mudanças Para o rating brasileiro a recuperação econômica conduzida por investimento e o rígido cumprimento das metas de superávit primário entre 2% e 3% são essenciais. Por outro

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Ritmo da atividade econômica e mudança nas regras da poupança Grupo de Economia / Fundap Introdução A frustração com o ritmo de crescimento da economia brasileira é evidente. A produção industrial permaneceu,

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Destaques do mês - Preocupado com a inflação, mas também com as incertezas do cenário internacional, Copom inicia ciclo de aperto monetário com elevação de apenas 0,25%

Leia mais

Sexta-feira, 06 de Maio de 2013. DESTAQUES

Sexta-feira, 06 de Maio de 2013. DESTAQUES DESTAQUES Bolsa encerra semana em alta Mercado aguarda IPCA para ajustar cenários Divisão Consumo da Hypermarcas cresce 10% M.Dias Branco tem lucro de R$108 mi Contax aprovou R$ 55,4 milhões em dividendos

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais