CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADORES: ERGONOMIA, EQUIDADE E SAÚDE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADORES: ERGONOMIA, EQUIDADE E SAÚDE."

Transcrição

1 Serviço Social da Indústria Departamento Regional da Bahia CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADORES: ERGONOMIA, EQUIDADE E SAÚDE. Salvador - Bahia 2009

2 CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADORES: ERGONOMIA, EQUIDADE E SAÚDE.

3 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DA BAHIA Presidente Victor Ventin Diretor Regional José Cabral Ferreira SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA Superintendente Manoelito Souza Coordenador da Assessoria de Desenvolvimento Aroldo Valente Barbosa Assessora de Desenvolvimento Lívia Aragão Coordenação do projeto Elisabete Mercadante Coordenação Técnica Eliane Cardoso Sales Produção de Conteúdo Eliane Cardoso Sales Melissa Bahia Natália Fonseca Terezinha de Lisieux Quesado Fagundes Supervisão de conteúdo Ada Ávila Assunção

4 Serviço Social da Indústria Departamento Regional da Bahia CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADORES: ERGONOMIA, EQUIDADE E SAÚDE Salvador - Bahia 2009

5 2009 SESI. Departamento Regional da Bahia É autorizada a reprodução total ou parcial desta publicação, desde que citada a fonte. Publicação em versão eletrônica disponível para download em: Apoio: Serviço Social da Indústria Departamento Nacional Revisão: Arlete Castro Normalização: Biblioteca Sede/ Sistema FIEB S491c Serviço Social da Indústria - SESI. Departamento Regional da Bahia. Caderno de Educação para a Saúde dos Trabalhadores: ergonomia, equidade e saúde / Serviço Social da Indústria - SESI. Departamento Regional da Bahia. _ Salvador: FIEB, p. ISBN: 1. Saúde e Segurança - trabalhador. 2. Ergonomia 3.Equidade I. Título. Sesi. Departamento Regional da Bahia Rua Edístio Ponde, 342 Stiep Salvador Bahia. CEP: Telefone: (71) Fax: (71) Site:

6 SUMÁRIO PARTE 1: INTRODUÇÃO AO CURSO INTRODUÇÃO AO CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE CONTEÚDO DO CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE COMO UTILIZAR O CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE OBJETIVOS DO CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS 13 PARTE 2: DE QUE ADOECEM OS TRABALHADORES DE M&P? A SAÚDE DO TRABALHADOR DA INDÚSTRIA DE M&P OBJETIVOS DA PARTE DE QUE ADOECEM OS TRABALHADORES DE M&P? PROBLEMAS MUSCULOESQUELÉTICOS NA INDÚSTRIA DE M&P Definição Sintomas e sinais Causas e consequências SUMÁRIO E PONTOS-CHAVE 21 PARTE 3: CONVERSANDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO E OS AMBIENTES DE TRABALHO NAS INDÚSTRIAS DE M&P OBJETIVOS DA PARTE ORGANIZAÇÃO E PROCESSO DE TRABALHO CONTEXTOS NOS QUAIS SURGEM AS DOENÇAS E ACIDENTES MAIS COMUNS NOS AMBIENTES DE TRABALHO DE M&P SUMÁRIO E PONTOS-CHAVE 26 PARTE 4: CONTRIBUIÇÕES DA ERGONOMIA. INTRODUZINDO MEDIDAS PREVENTIVAS E PROMOTORAS DE EQUIDADE E SAÚDE ENTRE TRABALHADORES - EXEMPLOS DE BOAS PRÁTICAS OBJETIVOS DA PARTE A ERGONOMIA E SUA IMPORTÂNCIA Trabalho prescrito e trabalho real Entender as variações para propor melhorias Ergonomia e acessibilidade no local de trabalho USANDO BOAS PRÁTICAS DE ERGONOMIA PARA MELHORAR O LOCAL DE TRABALHO Atuação sobre os fatores de risco biomecânicos Atuação sobre os fatores de risco organizacionais 35

7 4.3.3 Atuação sobre os fatores de risco do ambiente Segurança no trabalho: evitando acidentes MEDIDAS DE HIGIENE AMBIENTAL MEDIDAS DE PROMOÇÃO DA INCLUSÃO E EQUIDADE NOS AMBIENTES DE TRABALHO Ambientes de trabalho acessíveis ADOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS SUMÁRIO E PONTOS-CHAVE 48 PARTE 5: ERGONOMIA, EQUIDADE E SAÚDE - CONSTRUINDO UM MUNDO DO TRABALHO MAIS JUSTO E IGUALITÁRIO OBJETIVOS DA PARTE O RAMO DE A&B E SUB-RAMO DE M&P Importância econômica de A&B e de M&P Características gerais, iniquidades e desigualdades REDUZINDO AS CONDIÇÕES GERADORAS DE INIQUIDADES E DE DESIGUALDADES NO ÂMBITO DE M&P - ASPECTOS LEGAIS CONSTRUINDO UM MUNDO DO TRABALHO MAIS JUSTO, MAIS IGUALITÁRIO E MAIS SAUDÁVEL - EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR. 57 GLOSSÁRIO 60 REFERÊNCIAS 62

8 APRESENTAÇÃO O presente Caderno de Educação para a Saúde dos Trabalhadores Ergonomia, Equidade e Saúde é um subproduto do Projeto de Fortalecimento da Segurança e Saúde no Trabalho para a Indústria Brasileira (FSSIB), desenvolvido pelo SESI Departamento nacional e outros seis departamentos regionais, em parceria com instituições Canadenses. O objetivo do Caderno de Educação para a Saúde dos Trabalhadores Ergonomia, Equidade e Saúde são subsidiar tecnicamente os profissionais trabalhadores que atuam nas áreas de Segurança e Saúde do Trabalhador (SST), tendo como alvo os sub-ramos de massas e panificação. A proposta está articulada ao Curso à distância sobre Ergonomia, Equidade e Saúde, intitulado: Ergonomia na Linha de Produção de Massas e Panificação (M&P). O Caderno de Educação para a Saúde é uma publicação técnica voltada para a melhoria das condições de trabalho, de saúde e da vida do trabalhador das indústrias de M&P, estando articulado diretamente ao curso supracitado. O Caderno funciona como um guia dos conteúdos técnico-científicos de forma sumarizada sem, todavia, simplificar uma área de conhecimentos tão complexa. O trabalhador pode aprender fazendo, visto que pode aplicar os seus conteúdos durante a sua própria atividade laboral. A temática apresentada tem sido foco de interesse para a área de segurança e saúde do trabalhador no SESI devido aos efeitos do trabalho expressos na forma de adoecimento, afastamento e incapacidade dos (as) trabalhadores (as) e pela reconhecida importância que a educação para a saúde tem neste cenário de enfrentamento de problemas. A escolha de massas e panificação se deu em função da importância econômica deste sub-ramo para a Bahia, considerando o número significativo de trabalhadores no referido ramo, os custos em relação aos benefícios concedidos e a gravidade do seu

9 afastamento. No conjunto, são fatores avaliados tendo como critério o tempo de afastamento do trabalhador visando à recuperação de um dano (acidente de trabalho). Optou-se por adotar as estratégias de educação para a saúde, com apoio da comunicação, para subsidiar as ações preventivas e promotoras da saúde dirigidas aos trabalhadores e empresas no ramo em foco. Iniciativas de educação para a saúde do trabalhador por meio de estratégias pedagógicas e de comunicação multimídias são indicadas quando o objetivo é atingir o maior número possível de profissionais trabalhadores de SST e de M&P em todo o território nacional. Os critérios de qualidade estão presentes na execução da estratégia educativa, na perspectiva da redução de iniquidades detectadas no processo de trabalho das indústrias de alimentos e bebidas e na melhoria da saúde dos trabalhadores. Para a redação do Caderno de Educação para a Saúde levaram-se em consideração os resultados obtidos em diferentes âmbitos, sendo eles: a) Os relatórios de pesquisas no tema realizados pelas equipes de consultores do SESI; b) As teorias concernentes às causas e determinações da saúde no trabalho; c) Estudos sobre os inter-relacionamentos das iniquidades sociais e a saúde; d) Conhecimentos no campo da ergonomia e segurança no trabalho; e) Experiências de Educação na prevenção e promoção da saúde; f) Noções acerca das premissas regedoras do Paradigma Inclusivista, como suporte às abordagens sobre o assunto das pessoas com deficiência (PcD).

10 9 PARTE 1: INTRODUÇÃO AO CURSO 1.1 INTRODUÇÃO AO CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE O Caderno de Educação para a Saúde dos Trabalhadores Ergonomia, Equidade e Saúde se destinam aos trabalhadores das indústrias de massa e panificação (M&P), participantes do Curso à distância sobre Ergonomia, Equidade e Saúde. Trata-se de um instrumento educativo de apoio ao referido curso com caráter de referência técnica. Configura-se um meio para consulta a fim de facilitar o processo de aprendizagem, reflexão, aprofundamento e domínio dos conteúdos durante a implementação do Curso Ergonomia, Equidade e Saúde. 1.2 CONTEÚDO DO CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE O Caderno de Educação para a Saúde trata da identificação dos principais problemas de saúde que afligem os trabalhadores do sub-ramo industrial de M&P, suas causas, bem como seus riscos e conseqüências. A aprendizagem e o exercício de boas práticas e outras medidas promotoras da saúde serão abordados objetivando intervenções junto à organização, no processo produtivo e no ambiente do trabalho. Nessa direção, as estratégias educativas são cruciais para a tomada de consciência dos problemas de saúde, entendimento de suas origens, seus determinantes e condicionantes, bem como das relações com as desigualdades e iniquidades identificadas no processo, ambiente e organização do trabalho no sub-ramo de massas e panificação.

11 10 Aqui estão expostos problemas, propostas de soluções, conceitos, características, reflexões, informações e glossário, de sorte a ajudar na consolidação da aprendizagem do trabalhador de M&P. No conjunto, o Caderno de Educação para a Saúde abrange as seguintes partes: PARTE 1: Introdução ao Curso Essa parte focaliza o conteúdo do Caderno de Educação para a Saúde, como utilizá-lo, seus objetivos e as competências a serem desenvolvidas pelos estudantes/trabalhadores participantes. PARTE 2: De que adoecem os trabalhadores de M&P? A Saúde do trabalhador da indústria de M&P. O conteúdo da Parte 2 diz respeito à identificação das principais doenças e dos problemas de saúde que afetam o trabalhador de M&P, com ênfase nos problemas musculoesqueléticos na Indústria de M&P. A abordagem do tema está direcionada à descrição do perfil de adoecimento entre trabalhadores do ramo, conceitos e manifestações clínicas relacionadas ao problema, além das formas de adoecimento. PARTE 3: Por que adoecem os trabalhadores de M&P? Condições de trabalho na indústria de M&P. A terceira parte apresenta exemplos que possibilitam apreender os mecanismos sobre as associações entre a organização, o processo e o ambiente do trabalho e o adoecimento dos trabalhadores. Os exemplos permitirão problematizar sobre as articulações positivas entre produção e hábitos saudáveis e melhor qualidade de vida. É dada ênfase às vias para a construção de um mundo do trabalho mais justo, igualitário e saudável, que pode ocorrer à medida que todos se conscientizem da importância de superar e reduzir as condições geradoras de iniquidades, desigualdades e adoecimento, através da educação e de práticas promotoras de saúde.

12 11 PARTE 4: O que fazer? Introduzindo medidas preventivas e promotoras da saúde dos trabalhadores Exemplos de boas práticas. Os seguintes conteúdos são abordados: objetivos da ergonomia, a distinção entre trabalho prescrito e trabalho real, proposição de melhorias para a saúde do trabalhador, como usar a ergonomia para melhorar o local do trabalho, quer seja atuando sobre os fatores de risco biomecânicos, quer seja sobre os riscos organizacionais e do ambiente. Ademais, se discute como a segurança no trabalho pode evitar acidentes, quais as medidas de higiene ambiental mais importantes e como o enfoque das boas práticas pode incentivar empregadores e trabalhadores, coletiva e individualmente, a agirem pela melhoria das condições de trabalho, de saúde e pela qualidade de vida. PARTE 5: Ergonomia, equidade e saúde Construindo um mundo do trabalho mais justo e igualitário. Inicialmente, é apresentado o perfil econômico das indústrias de A&B e de M&P, suas características gerais, fatores de iniquidades e desigualdades. Especial destaque é dado à legislação destinada à redução dos problemas citados. Neste capítulo, discute-se, também, como a educação e a promoção da Saúde do trabalhador podem contribuir para a construção de cenários nos quais os processos e os ambientes de trabalho sejam elementos de promoção de saúde e não de adoecimento. Por fim, é apresentado, um glossário dos termos e conceitos relacionados à problemática em foco, bem como as referências bibliográficas citadas em todo o texto. 1.3 COMO UTILIZAR O CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Este Caderno de Educação para a Saúde deve ser utilizado como apoio e acompanhamento do curso. Para facilitar a identificação de cada conceito ou recomendação considerada importantes para a Saúde do Trabalhador e para o

13 12 processo de ensino-aprendizagem do participante, são aqui expostos símbolos que os referenciam ao texto do Caderno de Educação para a Saúde e ao próprio curso, tais como: Leitura importante Recomendação Atenção Sumarizando 1.4 OBJETIVOS DO CADERNO DE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE GERAL Fornecer aos profissionais envolvidos na área de segurança e saúde do trabalhador (SST) das empresas do ramo de massas e panificação informações teórico-práticas sobre ergonomia, equidade e saúde (EES). ESPECÍFICOS Prover informações para aprofundar os conteúdos e instrumentos apresentados no curso sobre Ergonomia, Equidade e Saúde. Discorrer sobre as situações ergonômicas críticas presentes nos ambientes de trabalho do sub-ramo de massas e panificação. Fornecer material informativo adicional a ser utilizado em sessões de formação dos profissionais encarregados das ações de SST nas empresas.

14 13 Sensibilizar para a relação trabalho e iniquidade no âmbito da organização, o processo e ambiente do trabalho e a importância da adoção de medidas de transformação das situações nocivas. Sensibilizar para a importância da promoção da saúde do trabalhador e da adoção de boas práticas no trabalho para a melhoria da saúde e da qualidade de vida do trabalhador. 1.5 COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS Está previsto o desenvolvimento das seguintes competências através da aplicação e da apreensão dos conteúdos do Caderno de Educação para Saúde, no âmbito das indústrias e empresas do sub-ramo de M&P: Desenvolver ações voltadas para a melhor aprendizagem dos conteúdos do Caderno de Educação para Saúde e do Curso/ Ergonomia, Equidade e Saúde, particularmente no que diz respeito aos principais riscos ergonômicos em linhas de produção e sua prevenção; Realizar em equipe e /ou com o conjunto de seus pares, atividades voltadas para o planejamento, suporte e implementação de boas práticas para redução das DORT no âmbito da organização e ambiente do trabalho; Desenvolver ações promotoras da saúde do trabalhador em conjunto com seus pares/equipe e individualmente visando à melhoria da saúde e da qualidade de vida dos trabalhadores; Desenvolver ações preventivas com base na legislação vigente;

15 14 Realizar atividades que venham a contribuir para a adoção de uma postura crítica e pró-ativa diante das condições ergonômicas nocivas identificadas nos ambientes de trabalho; Desenvolver ações promotoras de um ambiente equitativo e igualitário, de sorte a se contribuir para a construção de ambientes de trabalho livre de iniquidades, desigualdades e preconceitos excludentes e estressores para a saúde e a vida do trabalhador.

16 15 PARTE 2: DE QUE ADOECEM OS TRABALHADORES DE M&P? A SAÚDE DO TRABALHADOR DA INDÚSTRIA DE M&P 2.1 OBJETIVOS DA PARTE 2 O objetivo dessa parte é fornecer ao leitor conhecimentos gerais sobre os principais problemas e condições de saúde dos trabalhadores de M&P, em especial sobre os problemas musculoesqueléticos, focando na sua descrição, como eles são manifestos, seus sintomas e sinais, suas causas e consequências. 2.2 DE QUE ADOECEM OS TRABALHADORES DE M&P? No ramo de alimentos e bebidas, as principais causas de afastamento do trabalho são lesões, traumatismos e envenenamentos; problemas musculoesqueléticos, doenças do ouvido. Entre as doenças do ouvido e audição, destaca-se a Perda Auditiva Induzida pelo Ruído (Pair), além dos sintomas auditivos frequentes quais sejam, perda auditiva, dificuldade de compreensão de fala, zumbido e intolerância aos sons intensos. O trabalhador portador de Pair também apresenta queixas como cefaleia, tontura, irritabilidade e problemas digestivos, entre outros (BRASIL, 2006). Entre os traumatismos, as fraturas de dedos são responsáveis por boa parte dos afastamentos do trabalho e justificam futuras medidas de prevenção (SESI, 2007).

17 16 Chama atenção a elevada prevalência de problemas musculoesqueléticos, entre os trabalhadores desse ramo, sendo as seguintes as principais queixas: dores lombares, dormências nos membros inferiores e superiores e tendinites (SESI, 2007). A ocorrência dos agravos citados se configura em possíveis fatores geradores de incapacidades temporárias e/ou permanentes. 2.3 PROBLEMAS MUSCULOESQUELÉTICOS NA INDÚSTRIA DE M&P Definição Os problemas musculoesqueléticos correspondem a um amplo conjunto de doenças e desordens inflamatórias e/ou degenerativas que acometem as chamadas partes moles do nosso sistema osteomuscular, que incluem tendões, nervos, cartilagens, músculos, bursas e bainhas sinoviais. Essa síndrome é representada por um conjunto de sinais e de sintomas que pode atingir os membros superiores, os membros inferiores e a coluna e resultar em desconforto ou mesmo em incapacidade funcional Sintomas e sinais A principal manifestação dos problemas musculoesqueléticos é a dor, a qual está acompanhada de outros sinais e sintomas, podendo-se destacar, entre outros, a sensação de fraqueza, cansaço, peso, dormências, formigamentos, sensação de diminuição ou perda da sensibilidade, agulhadas, choques,

18 17 dificuldade para uso das mãos, vermelhidão, calor e edema locais, presença de tumefações e áreas de hipotrofia ou atrofia. Diversos fatores podem contribuir para a larga variedade de sinais e sintomas citados, tais como o grande número de afecções incluídas no universo dos problemas musculoesqueléticos, diferenças no estágio evolutivo do agravo, diferenças individuais entre os lesionados ou em características do contexto associado às exigências da tarefa (ASSUNÇÃO & ALMEIDA, 2003) Causas e consequências Os problemas musculoesqueléticos são de origem multifatorial e sofrem influências relacionadas ao trabalho, ao indivíduo e a sua inserção social. As causas relacionadas ao trabalho incluem os fatores biomecânicos, organizacionais e do ambiente. Os seguintes fatores biomecânicos são os mais prováveis de causar ou contribuir para os problemas musculoesqueléticos: força excessiva, repetição, posturas inadequadas, posturas estáticas, vibração e pressão de contato. Força excessiva: refere-se à quantidade de esforço físico que é requerida para cumprir a tarefa. Atividades ou movimentos que requerem aplicação de grande força exigem uma alta carga mecânica nos músculos, tendões, ligamentos e articulações. A força requerida para completar um movimento aumenta quando outros fatores de risco estão envolvidos. Por exemplo, maior esforço físico deve ser necessário quando a velocidade ou aceleração dos movimentos aumenta, quando vibrações estão presentes ou quando a tarefa ainda exige posturas inadequadas.

19 18 Repetição: refere-se à realização de um movimento ou séries de movimentos muitas vezes com pouca variação. Quando os movimentos são repetidos frequentemente por períodos prolongados, podem ocorrer fadiga e tensão dos músculos e tendões, isso porque não há tempo adequado para recuperação. Posturas inadequadas: referem-se às posições do corpo que se afastam significativamente da posição neutra quando as tarefas estão sendo executadas. Essa condição contribui significativamente para os problemas musculoesqueléticos porque aumentam a força e o trabalho que são requeridos. Posturas estáticas: quando uma mesma posição do corpo é mantida durante a execução das tarefas. Esse tipo de condição sobrecarrega músculos e tendões, o que contribui para a fadiga. Posturas estáticas dificultam a circulação sanguínea e, consequentemente, comprometem o aporte de nutrientes para os músculos e retirada de metabólitos. Vibração: movimento oscilatório do corpo. Pode atingir um segmento do corpo quando uma parte específica entra em contato com o equipamento vibratório. Pode acontecer também com o corpo todo, quando o trabalhador está em pé ou sentado sobre superfícies ou equipamentos vibratórios. Pressão de contato: Resulta do contato ocasional, repetido ou contínuo entre os tecidos sensíveis do corpo com as superfícies ou bordas duras ou afiadas. Esse contato pode criar pressão sobre uma área pequena do corpo que pode inibir a circulação sanguínea, o movimento de tendões e músculos e a função nervosa. Os aspectos da organização do trabalho que podem contribuir para o surgimento dos problemas musculoesquelétcos são, entre outros, a ausência de controle sobre o modo e ritmo de trabalho, ausência de pausas, alta exigência de produtividade, turnos de trabalho, horas extras excessivas,

20 19 períodos de descanso insuficientes, número insuficiente de trabalhadores, pouca oportunidade para desenvolvimento de habilidades e para progredir no trabalho, expectativas de trabalho mal definidas, falta de apoio ou de ajuda de colegas de trabalho ou de supervisores, ausência de comunicação aberta entre supervisores, entre outros. Além desses, o ambiente físico do local de trabalho também influencia na saúde dos trabalhadores. Por exemplo, temperaturas elevadas podem provocar fadiga precoce do corpo. Por outro lado, a exposição de mãos e pés ao frio pode diminuir a circulação, a força muscular e a destreza manual. A iluminação, quando inadequada, e a utilização de máquinas e equipamentos inacessíveis podem obrigar os trabalhadores a assumir posturas forçadas para fazer as tarefas. As influências individuais referem-se às características pessoais, tais como: idade, sexo, grupo étnico, tipo de deficiência e fatores constitucionais. Ainda, os indivíduos e sua saúde são influenciados pelos fatores sociais e comunitários. Ter apoio social como moradia, alimentação e acesso aos serviços essenciais e de qualidade pode proteger a saúde dos membros familiares e/ou comunitários. Ao contrário, condições adversas favorecem ou intensificam a exposição aos riscos de adoecimento. Consequências: Para o trabalhador Dor Sofrimento físico e emocional Perdas salariais em função do afastamento Sequelas físicas e limitações de mobilidade Perda/ redução da habilidade para o trabalho Perda de laços de amizade e contatos sociais

21 20 Para a empresa Os problemas musculoesqueléticos e as doenças relacionadas ao trabalho em geral são muitos onerosas às empresas. Esses custos incluem: Gastos médicos Readaptação funcional do trabalhador Salários pagos aos trabalhadores lesionados que não estão trabalhando Tempo requerido para que o pessoal administrativo investigue a lesão, processe formulários e resolva as reivindicações Contratação e treinamento de novos empregados para substituição dos afastados, de forma temporária ou permanente Redução da produção devido aos empregados substitutos ou novos Redução da produção pela existência de trabalhadores lesionados em atividade Diminuição da qualidade do produto Efeitos sobre a imagem e relações públicas da empresa. Um dos meios para reduzir os problemas musculoesqueléticos e minimizar os efeitos que eles acarretam é aplicar o conceito da ergonomia no local de trabalho. As ações de prevenção podem: Reduzir ou eliminar fatores contribuintes que produzem os problemas Musculoesqueléticos; Diminuir o número de lesões e custos relacionados; Diminuir o absenteísmo e mudança frequente de trabalhadores; Melhorar a saúde dos trabalhadores; Otimizar a produtividade e melhorar a satisfação dos empregados; Melhorar as condições laborais para que os trabalhadores possam realizar as tarefas com mais qualidade.

22 SUMÁRIO E PONTOS-CHAVE As principais causas de afastamento do trabalho na indústria de M&P são lesões, traumatismos e envenenamentos; problemas musculoesqueléticos e doenças do ouvido e audição. Os problemas musculoesqueléticos são de origem multifatorial, influenciada pelos fatores biomecânicos, organizacionais e fatores físicos do ambiente de trabalho. Esta última circunstância, a relação das lesões com a atividade ocupacional, pode levar à caracterização do problema como lesão por esforço repetitivo ou, de forma mais ampla, um Distúrbio Osteomuscular relacionado ao trabalho (DORT). Dadas às inúmeras consequências negativas que trazem para empregados e empregadores, é de suma importância a adoção de medidas para prevenção desses eventos.

23 22 PARTE 3: CONVERSANDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO E OS AMBIENTES DE TRABALHO NAS INDÚSTRIAS DE M&P 3.1 OBJETIVOS DA PARTE 3 Os objetivos principais da Parte 3 são: entender de que forma o ambiente, a organização do trabalho e os seus processos podem atuar como condicionantes ou determinantes do adoecimento de trabalhadores. 3.2 ORGANIZAÇÃO E PROCESSO DE TRABALHO Depois do que foi visto anteriormente a respeito do que os trabalhadores de M&P adoecem e as principais causas geradoras de problemas musculoesqueléticos, convidamos o aluno a refletir criticamente sobre os ambientes de trabalho e as formas em que as atividades são geralmente organizadas nos sub-ramos de M&P. Neste contexto, pode-se identificar algumas causas que podem comprometer o desenvolvimento correto de uma atividade laboral. Como se sabe, em todas as situações e problemas há causas diretas e indiretas, que, simplificadamente, podem ser chamadas de causas que determinam e causas que condicionam a situação. Pode haver causas que são determinantes de problemas de saúde dos trabalhadores de M&P, a exemplo de movimentos repetitivos, carregamento de peso excessivo, posturas viciosas por longos períodos, e causas que podem ser consideradas como condicionantes. Estas podem ser representadas por exigências de produção com exiguidade de tempo para execução, necessidade de percepção de múltiplos códigos para a execução de uma tarefa, dependência de vários

24 23 setores para a conclusão de um trabalho, dentre outros. Ademais, as causas podem ser geradas no âmbito da organização e processo do trabalho e/ou do ambiente do trabalho, mas também no contexto econômico, social e cultural onde a atividade laboral está inserida, a exemplo de baixa remuneração, desigualdade de acesso a empregos e boas condições de trabalho, situações de desrespeito a diferenças de comportamento, problemas de intolerância racial, sexual ou religiosa. Os processos de trabalho em M&P consistem em: dessacar, pesar, controlar a mistura, amassar, moldar, dispor em assadeiras/esteiras, moer, cortar, retirar, separar, ensacar, empacotar, encaixar, tratar a massa e limpar os equipamentos e superfícies, entre os mais frequentes. O processo de conservação dos alimentos pode envolver temperaturas muito altas ou muito baixas, radiações ionizantes, micro-ondas, entre outros que podem causar prejuízos para a saúde. 3.3 CONTEXTOS NOS QUAIS SURGEM AS DOENÇAS E ACIDENTES MAIS COMUNS NOS AMBIENTES DE TRABALHO DE M&P Ambientes de trabalho que oferecem os meios adequados para o cumprimento das tarefas contribuem para evitar a ocorrência de acidentes e doenças. O ramo de A&B pela sua variedade de processos de trabalho, que envolvem máquinas e equipamentos diversos, oferece diversas condições que podem ser inadequadas para a manutenção da saúde dos indivíduos e da qualidade do trabalho. A Organização Internacional do Trabalho, na sua enciclopédia sobre Segurança e Saúde no Trabalho, identifica as condições que favorecem a exposição a riscos nas indústrias de A&B, tais como as citadas abaixo:

25 24 Máquinas (rotatórias, pneumáticas, empilhadeiras, empacotadeiras) sem dispositivos de segurança (podendo causar mutilações, esmagamentos, traumas e queimaduras) Máquinas e equipamentos com manutenção precária Postos de trabalho em altura inadequada para trabalhadores(as) Desconforto térmico (frio ou calor) Superfícies escorregadias Ausência de saídas de emergência Escadas estreitas Instalações elétricas deficientes EPIs precários ou escassos Riscos de explosão em silos Riscos de exposição a vapores, descargas de alta pressão. Algumas condições inadequadas em ambientes de trabalho, identificadas em diagnóstico sobre riscos ergonômicos em panificação (SESI, 2007): Pisos desnivelados e com resíduos de alimentos da produção Iluminação artificial precária Janelas sem tela de proteção Escadas sem corrimão Ausência de vestiários Setores de produção sem pias próximas às áreas de trabalho Ausência de banheiros femininos Fios desencapados em contato com a farinha em suspensão Calor nos ambientes de trabalho A depender da forma de se armazenar os alimentos ou os produtos usados no preparo de alimentos, podem ser encontrados insetos e animais roedores nos ambientes, expondo consumidores e trabalhadores aos riscos de doenças de gravidade variável. Somam-se a esses os riscos advindos das substâncias químicas, no uso de venenos e substâncias tóxicas que, por sua vez, podem causar diversos problemas de saúde.

26 25 As mulheres estão mais vulneráveis ao adoecimento por problemas musculoesqueléticos do que os homens. Alguns fatores encontram-se na cadeia geradora destas condições, a exemplo da segregação das mulheres em atividades que exigem destreza, habilidades e movimentos finos, em tarefas com níveis elevados de monotonia que requerem maior tolerância, além da dupla jornada de trabalho que consiste em chegar em casa e ainda desempenhar atividades domésticas para manutenção familiar. Quanto ao perfil de saúde dos trabalhadores, usando-se dados estatísticos de um diagnóstico no ramo de Alimentos e Bebidas na Bahia (SESI, 2005) por meio da análise dos exames médicos periódicos, numa amostra de trabalhadores, comparando-se com trabalhadores de outras indústrias, os achados sugerem uma tendência maior ao sobrepeso e consumo de bebidas alcoólicas no grupo avaliado. De acordo com um diagnóstico de saúde elaborado no Programa de Prevenção de Riscos Ergonômicos no Setor de Alimentos e Bebidas da Bahia (SESI, 2007) com 377 trabalhadores, dentre as principais doenças e lesões autorrelatadas, destacam-se as doenças musculoesqueléticas, as coronarianas, as do aparelho digestivo, as doenças endocrinometabólicas e os distúrbios emocionais. Os diagnósticos médicos mais frequentes são os seguintes: doenças musculoesqueléticas, doenças coronarianas, doenças endocrinometabólicas e as doenças do aparelho digestivo. Não se indica o uso de pulseiras, anéis, colares (adornos pessoais) que podem se prender nas partes móveis dos equipamentos, causar ferimentos e contaminar os produtos.

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR Danielle Satie Kassada 1 ; Fernando Luis Panin Lopes 2 ; Daiane Ayumi Kassada 3 RESUMO: O

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Papel da escola na promoção de uma cultura de HSST no trabalho PANORAMA GERAL: 330 000 acidentes de trabalho/ano 22% afecta os jovens com idade inferior

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais Riscos Ambientais Riscos Ambientais São os agentes, elementos ou substâncias presentes nos locais de trabalho. A exposição dos trabalhadores a estes agentes pode causar acidentes com lesões ou danos à

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina.

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Ricardo Muller (FAHOR) rm000820@fahor.com.br Luciéli Della Flora (FAHOR)

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante:

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante: Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Maria Izabel Azevedo Noronha Oficina 2 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 29 de Novembro de 2008

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

Documentos Obrigatórios em UANs

Documentos Obrigatórios em UANs Documentos Obrigatórios em UANs Profa. Ms Kelly Ribeiro Amichi DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Para o funcionamento de uma UAN, existe a documentação obrigatória exigida pela legislação. Essa documentação deve

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009)

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009) 909 A carência de cuidados na prevenção de DORT na atuação do intérprete de LIBRAS Judith Vilas Boas Santiago (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais) Juliano Salomon de Oliveira (Universidade

Leia mais

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL Prof. Joaquim Ribeiro 6. Conceito e importância da Ergonomia Origem nas palavras gregas: ergon (trabalho) e nomos (regras). 6.

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino O que é ergonomia? (e não ergonometria e muito menos ergologia) Adaptação do trabalho ao ser humano: O trabalho tem todo um pano de fundo de sofrimento:

Leia mais

TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS CONSELHO DELIBERATIVO DO SENAR Presidente do Conselho Deliberativo João Martins da Silva Júnior Secretário Executivo Daniel Klüppel Carrara Chefe do Departamento

Leia mais

H A R V A R D U N I V E R S I T Y EH&S Awarenss Training SEGURANÇA ELÉTRICA

H A R V A R D U N I V E R S I T Y EH&S Awarenss Training SEGURANÇA ELÉTRICA EH&S Awarenss Training SEGURANÇA ELÉTRICA As informações de segurança a seguir podem ajudá-lo a evitar perigos e choques elétricos. Mantenha sua área de trabalho limpa e seca. Nunca trabalhe ao redor de

Leia mais

INSPEÇÃO DE SEGURANÇA

INSPEÇÃO DE SEGURANÇA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA Grupo 01 Riscos Físicos 01. Existe ruído constante no setor? 02. Existe ruído intermitente no setor? 03. Indique os equipamentos mais ruidosos: 04. Os funcionários utilizam Proteção

Leia mais

Ergo (trabalho) Nomos (regras)

Ergo (trabalho) Nomos (regras) ERGONOMIA Ergo (trabalho) Nomos (regras) Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamentos, ferramentas e ambiente, visando à solução dos problemas surgidos desse relacionamento

Leia mais

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade QUESTIONÁRIO N.º O presente inquérito tem como objectivo registar as opiniões dos trabalhadores que trabalham na Construção Civil, com vista a recolher informações relativamente às condições ambientais

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 7 ÍNDICE 5. Ferramentas informáticas de apoio à segurança 6. Proteção coletiva e individual no âmbito

Leia mais

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO Cassius Marcellus Zomignani Departamento Sindical - DESIN NORMA REGULAMENTADORA 24 A Norma Regulamentadora 24 do Ministério do Trabalho e

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Conjunto de medidas educacionais, técnicas, médicas e psicológicas adotadas com o objetivo de prevenir acidentes. As causas de um acidente: a) condição insegura: Tal condição

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

Qualidade de vida laboral

Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral INTRODUÇÃO: Prevenir doenças ocupacionais (DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho / LER Lesões por Esforços Repetitivos) decorrentes

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA oculus.com/warnings

SAÚDE E SEGURANÇA oculus.com/warnings SAÚDE E SEGURANÇA oculus.com/warnings * Estes avisos sobre saúde e segurança são atualizados periodicamente para proporcionar precisão e integridade. Acesse oculus.com/warnings para conferir a versão mais

Leia mais

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho.

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho. ACIDENTE DO TRABALHO Conceito Legal: Lei 8.213/9 Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, ou pelo exercício do trabalho do segurado especial (autônomos, qual

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 3 (Limites de Tolerância para Exposição

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

Saúde é um direito fundamental.

Saúde é um direito fundamental. Saúde é um direito fundamental. A Constituição de 1988 elevou a saúde à categoria de direito fundamental, um dos conhecidos direitos sociais, como se vê nos artigos 6º e 7º. A partir dessa Constituição,

Leia mais

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): 2 Áreas vazadas: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) 18.13.1. É obrigatória a instalação de proteção coletiva

Leia mais

LABORATÓRIO DE MODELOS, INCLUSÃO E FUNDIÇÃO

LABORATÓRIO DE MODELOS, INCLUSÃO E FUNDIÇÃO LABORATÓRIO DE MODELOS, INCLUSÃO E FUNDIÇÃO 1. Descrição Física A área mínima deste laboratório deve ser igual ou superior a 59,00 m 2 ; sala quente com área mínima de 10,00 m² e almoxarifado com 9,50

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho. Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão

Prevenção de Acidentes do Trabalho. Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão No trabalho, todos os dias, toda hora, nossas mãos contribuem decisivamente para nos tornar hábeis,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

1. Documento: 20026-2015-3

1. Documento: 20026-2015-3 1. Documento: 20026-2015-3 1.1. Dados do Protocolo Número: 20026/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Comunicação Interna - CI Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: SES - Secretaria

Leia mais

Legislação Comentada:

Legislação Comentada: Serviço Social da Indústria Departamento Regional da Bahia Legislação Comentada: NR 17 - Ergonomia Salvador-Bahia 2008 Legislação Comentada: NR 17 - Ergonomia FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DA BAHIA

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA ROSEMARA SANTOS DENIZ AMARILLA (1), BRUNO BORSATTO (2), RODRIGO EDUARDO CATAI (3) (1) Mestrado em Engenharia Civil / UTFPR

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organizar, no sentido comum, é colocar uma certa ordem num conjunto de recursos diversos para fazer deles um instrumento ou uma ferramenta a serviço de uma vontade que busca a realização

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2)

NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) NR 18 NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) Resumo da NR 18 para áreas de vivência 18.1. Objetivo e campo de aplicação. 18.1.1. Esta Norma Regulamentadora NR

Leia mais

MELHORIAS IMPLANTADAS NO CENTRO DE RECICLAGEM DA VILA PAULICÉIA - SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP

MELHORIAS IMPLANTADAS NO CENTRO DE RECICLAGEM DA VILA PAULICÉIA - SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP MELHORIAS IMPLANTADAS NO CENTRO DE RECICLAGEM DA VILA PAULICÉIA - SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP Cristiane Ferreira, Fernanda Duran, Julia Lima e Juliana Santos Mercedes-Benz do Brasil Ltda. RESUMO O Centro

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 08 maio de 2014 Organização:

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RISCOS EXISTENTES ENTRE TRABALHADORES DA COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE PAULISTANA/PI

AVALIAÇÃO DOS RISCOS EXISTENTES ENTRE TRABALHADORES DA COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE PAULISTANA/PI AVALIAÇÃO DOS RISCOS EXISTENTES ENTRE TRABALHADORES DA COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE PAULISTANA/PI LISABELLE CRISTINA RODRIGUES DA SILVA FRANÇA 1 DANIELA DA COSTA LEITE COELHO 2 VINÍCIUS

Leia mais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais RISCOS LABORAIS São agentes presentes nos ambientes de trabalho, decorrentes de precárias condições que, se não forem detectados e eliminados a tempo, provocam os Acidentes de Trabalho e as Doenças Ocupacionais.

Leia mais

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Introdução A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu como ação estruturante para a implantação das redes de atenção no Paraná,

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 Comissão: Alynne Obermüller Carolina Amaral Gabriela Silva Mariana Ribeiro Colaboração: Teresa Mate Ergonomia na prática: CARPINTEIRO 4 SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

Introdução. Esses acidentes são os mais variados possíveis. Ingestão de água sanitária ou outros

Introdução. Esses acidentes são os mais variados possíveis. Ingestão de água sanitária ou outros Introdução Quase todos os dias vemos nos noticiários ou ouvimos dos colegas relatos de acidentes ocorridos em residências, principalmente com crianças. Estatísticas de acidentes indicam que acidentes fatais

Leia mais

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 Norma Regulamentadora NR 9 Riscos ambientais Nova redação Programa de Prevenção de

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP 2014 1. INTRODUÇÃO Com o decorrer do tempo e os avanços tecnológicos tornando

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 Índice ÍNDICE...2 COMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 O QUE É A ERGONOMIA?...3 ERGONOMIA NO TRABALHO....3 POSIÇÕES CORRECTAS A TER NO TRABALHO....4 O EQUIPAMENTO ERGONÓMICO...6 MONITOR...7 TECLADOS E

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FORTEX Ficha de Segurança Nome do Produto: MASSA PVA FORTEX Data de Revisão: 15/08/2013 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto:

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 1/7 FISPQ NRº. 004 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome da Empresa: Hidroazul Indústria e Comércio Ltda Endereço: Rua João Dias Neto, 18 D Cataguases MG CEP: 36770-902. Telefone da Empresa: (32)

Leia mais

PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs

PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs 1 PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs 1. RESUMO Sara Cristina Freitas de Oliveira O PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs é um projeto vinculado à Diretoria de Programas Comunitários da Pró- Reitoria

Leia mais

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO 4.1 - Estudo do posto de trabalho: abordagem tradicional e ergonômica Posto é uma palavra oriunda da linguagem militar; Indica um local onde alguém é colocado para realizar uma determinada tarefa ou função;

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007 Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Botatop HD 150 - Código interno do produto: 721 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Av.

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais