I - PERFIL DA SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DA AGRICULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO - SFA/SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I - PERFIL DA SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DA AGRICULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO - SFA/SP"

Transcrição

1 I - PERFIL DA SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DA AGRICULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO - SFA/SP Negócio e Missão A Superintendência Federal de Agricultura no Estado de São Paulo é uma unidade descentralizada do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA. Foi criada pela Lei delegada n.º 09, de 11/10/1962, tendo suas atribuições atuais definidas pela Portaria Ministerial n.º 576, de 11/12/1998 e revogada através da Portaria Ministerial nº 300, de 16/06/2005. Adotando como missão : Contribuir para elevar a oferta e o grau de eficiência da agropecuária paulista no sentido de garantir produtos e serviços de qualidade e a segurança alimentar dos consumidores. Com jurisdição no âmbito do estado, é de competência regimental da SFA-SP a execução de atividades e programas federais de desenvolvimento rural e defesa agropecuária. Aspectos relevantes da área de atuação: 1. A SFA/SP é responsável pelo controle (fiscalização e inspeção federal) do maior mercado consumidor, do maior porto de escoamento de produtos agropecuários da América Latina e do maior parque industrial (Agroindústria). Concentra o maior número de registros de estabelecimentos, de produtos e rótulos do setor agropecuário. Todo o trânsito internacional (entrada e saída) de produtos de origem animal, vegetal e seus subprodutos, nos Aeroportos de Guarulhos, Viracopos e no Porto de Santos estão sob sua inspeção. 2. O crescimento da agropecuária e a demanda de serviços não tiveram correspondência no crescimento da força de trabalho, pela ausência de concursos públicos até A partir de 2002 foram contratados técnicos de nível superior, reduzindo o gap existente, e aumentando a cobertura de serviços. 3. Num cenário de crescimento, para promover e acompanhar a demanda do mercado nacional e de exportação, a SFA/SP formula suas estratégias e planos em alinhamento à sua Missão e Visão, à sua cultura e aos fundamentos constitucionais e de gestão, visando: - garantir produtos e serviços de qualidade; - disseminar práticas de responsabilidade pública; - garantir a satisfação dos clientes e das pessoas; - incentivar a agropecuária paulista a adotar ferramentas da qualidade; - otimizar a aplicação dos recursos financeiros. 4. As principais mudanças que estão ocorrendo no ramo e que se constituem desafios às atividades da SFA/SP são: - aumento da safra de grãos; - maior abertura do mercado internacional às exportações brasileiras; - aumento da competitividade dos produtos brasileiros; - responsabilidade pela manutenção de alto padrão de sanidade dos alimentos; - alinhamento e integração de ações da SFA/SP com órgãos governamentais (APEX, Ministérios das Relações Exteriores), representações de classe (FIESP, FAESP) e demais envolvidos com o comércio exterior. A SFA/SP tem no setor primário, na sociedade, nos consumidores em geral, nos organismos públicos e privado a sua mais importante clientela. A necessidade de padronizar e sistematizar rotinas e procedimentos, com vistas à modernização da organização e a 1

2 satisfação dos clientes levou a SFA/SP, a partir de 1996, compatibilizar os fundamentos legais de sua atuação e os princípios constitucionais com os fundamentos da gestão de excelência. O que concorreu, mesmo diante de um quadro de limitações orçamentárias e financeiras, a melhoria do desempenho institucional e o fortalecimento da agropecuária paulista. A ação de fiscalização e inspeção federal não tem caráter de concorrência, por se tratar de função de Estado, exclusiva da União Federal. Mesmo assim, algumas de suas funções são passíveis de transferência às esferas estaduais ou municipais, através de convênios e contratos, primária pelas auditorias operacionais e dos recursos transferidos. O Estado de São Paulo, âmbito de atuação, concentra hoje mais de 80% das empresas e estabelecimentos da cadeia do agronegócio brasileiro que dependem direta ou indiretamente da inspeção e fiscalização da SFA/SP. É também de sua competência a análise de riscos visando à aprovação de produtos a serem importados para o Brasil, realizada por técnicos que freqüentemente vão ao exterior para esse fim. A estrutura da SFA/SP pode ser vista no Quadro seguinte, em sua forma atual. sendo mantida, no entanto, a responsabilidade DESIGNAÇÃO GABINETE DO SUPERINTENDENTE SEÇÃO DE PLANEJAMENTO E ACOMPANHAMENTO SEÇÃO DE SUPORTE TÉCNICO-OPERACIONAL E COMUNICAÇÃO SOCIAL DIVISÃO TÉCNICA SERVIÇO DE SANIDADE AGROPECUÁRIA SERVIÇO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO AGROPECUÁRIA SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO AGROPECUÁRIA SERVIÇO DE POLÍTICA E DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO SEÇÃO DO CAFÉ SERVIÇO DE GESTÃO DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA SERVIÇO DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA/SANTOS SERVIÇO DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA/GUARULHOS SERVIÇO DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA/VIRACOPOS UNIDADE DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA UNIDADE TÉCNICA REGIONAL DE AGRICULTURA, PEC. E ABST. ESTAÇÃO QUARENTENÁRIA CENTRO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO CENTRO DE MECANIZAÇÃO E AVIAÇÃO AGRÍCOLA DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA SEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SETOR DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SETOR DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS SEÇÃO DE ATIVIDADES GERAIS SETOR DE MATERIAL E PATRIMÔNIO SETOR DE TRANSPORTE SETOR DE PROTOCOLO SEÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SIGLA GAB/SFA SPA/SFA STC/SFA DT/SFA SEDESA/DT/SFA SIPAG/DT/SFA SEFAG/DT/SFA SEFAG/DT/SFA SEPDAG/DT/SFA SECAF/SEPDAG/DT/SFA VIGIAGRO/DT/SFA SVA/SANTOS/VIGIAGRO/DT/SFA SVA/GUARULHOS/VIGIAGRO/DT/SFA SVA/VIRACOPOS/VIGIAGRO/DT/SFA UVAGRO/VIGIAGRO/DT/SFA UTRA/DT/SFA EQ/SEDESA/SFA CDA/DT/SFA CMAV/DT/SFA DAD/SFA SEOF/DAD SRH/DAD SAP/SRH/DAD SDP/SRH/DAD SAG/DAD SMP/SAG/DAD STR/SAG/DAD SPR/SAG/DAD STI/DAD Fonte: SRH/DAD/SFA-SP 2

3 1. Liderança - SFA Consoante ao modelo de gestão interna adotado pela SFA/SP, a alta administração é constituída pelo Superintendente, o Superintendente Substituto e seus assessores, os chefes de Divisões, Serviços e Seções, a gerente da Qualidade e os integrantes da Coordenadoria Permanente da Qualidade Total - CPQT. Um conjunto de reuniões com participantes da Alta Administração e com os servidores de diferentes áreas, caracterizam um sistema de liderança que opera em forma colegiada, desde a implantação do modelo de gestão, iniciado em Como coordenador permanente da qualidade, o Superintendente transfere autoridade, bem como provê recursos e insumos às demais lideranças para o andamento da gestão, em suas respectivas áreas de atuação. As lideranças estabelecem as orientações estratégicas que derivam se dos instrumentos norteadores da gestão e do planejamento estratégico. Visto ser a Alta Administração um colegiado de lideranças que representa os segmentos operacionais da estrutura organizacional, ela funciona como receptor permanente dos anseios da força de trabalho da SFA/SP. São realizadas reuniões mensais para avaliações e análises críticas do sistema de liderança, agregando melhorias às atividades da SFA/SP, voltada ao alcance da missão e visão institucionais. A tomada de decisão é feita de forma participativa englobando não só a Alta Administração e chefias dos serviços, mas também as equipes formadas pelas subcoordenadorias da CPQT, composta de servidores de todos as áreas da SFA/SP. As reuniões semanais e mensais da Alta Administração com chefias e equipes, constituem os principais padrões de trabalho para a tomada de decisão. A disponibilidade de informações adequadas, o diagnóstico da situação, e a consideração aos requisitos das partes interessadas, constituem as principais varáveis para essas tomadas de decisão. A forma de divulgação das decisões depende de sua natureza e da parte interessada, podendo ser através de reuniões de repasse, distribuição de folders, murais da SFA, mídia, café da manhã com funcionários e clientes, palestras, fixação de painéis em feiras e exposições, visitas às partes envolvidas, página na Internet e documentos formais (boletim de pessoal, notas oficiais ou técnicas). As decisões são implementadas após a homologação do Superintendente, com publicação no boletim interno. Quando pertinente, comunicação às partes interessadas, elaboração do plano de ação, execução e controle. A avaliação e a implementação de melhorias de práticas de gestão relativas ao sistema de liderança ocorrem: na análise dos resultados da Pesquisa de Clima Organizacional, especialmente dos atributos de Relação com chefias, Comunicação e Desenvolvimento. quando os líderes se deparam com a comparação de práticas gerenciais e de sua própria auto-avaliação, sistematizadas. quando a discussão de trabalho em grupo traz para o campo de ação o realinhamento e melhoria das relações entre funcionários, chefias e colegas que constituem se a base do sistema de liderança. 2. Estratégias e Planos - SFA O debate sobre o Planejamento Estratégico no atual governo repercutiu na criação de um ambiente favorável, tanto no MAPA quanto no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG); para a contribuição regional da SFA/SP 3

4 na formulação das políticas públicas e na elaboração de suas estratégias. A Alta Direção da SFA/SP participou das reuniões de discussão das propostas de formulação do Planejamento do MAPA (que visam ao estabelecimento de modelo que focalize Resultados) e da preparação da proposta do Plano Plurianual - PPA 2004/2007. Igualmente, as áreas técnicas continuam participando efetivamente da elaboração das políticas setoriais de Fomento e Defesa Animal e Vegetal. Portanto, a importância do papel do Estado de São Paulo no contexto de planejamento do MAPA e formulação de políticas públicas, é demonstrada pela continuidade da presença da SFA/SP, por meio da participação da Alta Direção e seus técnicos. A formulação das estratégias da SFA/SP é realizada em alinhamento ao Planejamento Setorial para a Agricultura e ao Planejamento da Qualidade e Participação na Administração Pública, formulados pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, alinhados ao PPA - Plano Plurianual. Face ao Perfil da SFA/SP de ser uma Unidade descentralizada do MAPA, fortemente orientado pela condição de administração direta no atendimento de requisitos da lei, sob o aspecto conceitual de formulação de estratégias, sua atividade de planejamento (e autonomia) é equivalente às de Unidades de Negócio da iniciativa privada, que se alinham a diretrizes ou estratégias corporativas, representadas prioritariamente pelas diretrizes estabelecidas pelo MAPA. A formulação das estratégias relativas ao médio e longo prazo acontece no principal fórum de decisão da SFA/SP, constituído pela reunião mensal da Alta Administração, denominada Reunião de Análise Crítica do Desempenho. As principais etapas do Planejamento Estratégico são apresentadas em três grupos: Insumos e ações preliminares; Processamento e Consolidação e disseminação. Insumo e ações preliminares: Treinamento dos participantes, validação da missão; análise do ambiente e das macrodiretrizes governamentais; cenário e visão de futuro; validação dos requisitos das partes interessadas e dos valores. Processamento: Definição dos objetivos e lógica de negócios; definição das áreas-chave; estabelecimento das estratégias; definição das metas; definição dos fatores críticos de sucesso. Consolidação e disseminação: Aprovação do PE pela alta administração; elaboração dos indicadores estratégicos; disseminação às partes interessadas; reuniões/avaliação; monitoramento e realinhamento Estratégico. O PE foi estabelecida com base em um horizonte de quatro anos, com revisão anual obrigatória, baseada na avaliação da gestão, coordenada pela Comissão Permanente de Planejamento O processo de planejamento é conduzido pessoalmente pela Alta Administração, sua participação é efetiva na garantia de alinhamento, na análise de informações coletadas sobre os cenários, na interpretação de macro-diretrizes e informações gerenciais, na análise de restrições e na validação das decisões das etapas. Dessa forma o consenso se situa em alto grau e se reflete no ambiente participativo 3 Cidadãos e Sociedade- - SFA A natureza das atividades da SFA/SP é vinculada ao atendimento das necessidades da sociedade, no que diz respeito à garantia da oferta e da qualidade de produtos e serviços agropecuários e à segurança alimentar dos consumidores. A SFA/SP busca atender essas 4

5 necessidades pautando-se na sua missão institucional e nos fundamentos constitucionais de legalidade, moralidade, impessoalidade e transparência. Os clientes atuais e potenciais da SFA/SP são identificados a partir das competências institucionais relacionadas às atividades de defesa agropecuária e de desenvolvimento rural, com jurisdição no âmbito do Estado de São Paulo, referidos também na missão, visão de futuro e valores. Essas competências são desdobradas e classificadas no Regimento Interno da SFA/SP, denominadas áreas de interesse ou Serviços. É importante destacar que, a sociedade e o cidadão, de uma forma direta ou indireta, são atingidos pelo efeito preventivo da ação fiscal (e seu conseqüente impacto multiplicador) em todos os grupos de clientes da SFA/SP. Todas as atividades das áreas de interesse (Serviços) estão voltadas para a garantia da qualidade dos serviços e produtos oferecidos pelas empresas do Estado de São Paulo fiscalizadas pela SFA/SP, e que se destinam ao cidadão e à sociedade em geral. A divulgação dos serviços e ações aos cidadãos-usuário atuais e potenciais e à sociedade é feita por meio dos canais: SAC Serviço de Atendimento ao Cliente e site da SFA/SP e do MAPA Guia do Cliente Exportador sistema de telefonia correio eletrônico stands em feiras, exposições, palestras e simpósios distribuição de Relatórios da Gestão Atendimento direto reuniões com representantes da sociedade organizada. A presença física da SFA-SP, por meio de seus braços operacionais, contribui para que as necessidades sejam operantes em toda a região de cobertura e competência dessa superintendência. 4. Informações - SFA A SFA/SP dispõe de um sistema ágil de comunicação utilizado internamente entre os servidores e no atendimento dos clientes e parceiros externos, fornecendo e recebendo informações por meio de correio eletrônico. Além das informações disponibilizadas por sistemas anteriormente citados, a disseminação das informações por meio da rede de computadores é também realizada utilizando-se: , viabilizando a troca de mensagens, orientações entre unidades operacionais, as Secretarias Nacionais e os clientes orientação para consulta às páginas da Internet do MAPA transferências e atualização de sistemas emissão e envio de relatórios outros meios convencionais (fax, comunicação pessoal, telefone, malote). O acesso rápido e fácil dá suporte ao atendimento dos clientes que os têm como requisitos, e ainda, suporta a alta responsabilidade que demanda ação rápida, quando da análise de eventos indesejados que põe em risco a segurança do patrimônio agropecuário do Estado e do país, requerendo decisões rápidas. A ampliação da Rede Agricultura, malha de informática gerida pelo Ministério da Agricultura/ Coordenação de Informática foi realizada com a incorporação da rede informatizada mantida pela Secretaria de Defesa Agropecuária, da qual a Superintendência é parte integrante. Novos recursos e velocidade foram agregados aos sistemas de informação e aos bancos de dados do Ministério em geral. Os principais métodos de obtenção das informações são: - consulta aos documentos legais os quais estabelecem os requisitos dos processos, suas etapas, exigências das partes envolvidas e sua 5

6 correta tramitação. Os principais documentos legais são organizados em manuais ou guias de serviços e são disponíveis na Intranet e Internet. Cada processo tem uma coletânea específica de documentos que disciplina sua formalização/execução, bem como a apresentação de resultados (formulários, registros, resultados qualitativos). Todos os processos são muito bem estabelecidos e definidos por Lei, por representarem atividade exclusiva de Estado e, em última análise, estarem relacionados à segurança alimentar da população. - sistemas de banco de dados e informações que reúne os sistemas internos e do governo federal, além das informações geradas no dia-a-dia pelos próprios processos; - consultas a relatórios e práticas de gestão de organizações públicas e privadas, e visitas às mesmas; - visitas e contatos com clientes e outras partes interessadas para a realização dos processos finalísticos e de apoio; - instruções normativas; - informações de acesso público, como a Internet, jornais, publicações em geral; - relatórios e arquivos gerados pelo processamento de dados e informações pelas áreas e pela SFA/SP; - recebimento de Legislação e Regulamentação, em geral; - envio de relatórios administrativos, disponibilizados na Internet, o que dá publicidade aos mesmos (estão no site do MAPA); - avaliações e auditorias de órgão de controle interno e externo ao MAPA; - links com acesso a toda administração pública federal. 5. Pessoas- SFA A partir da implantação do Programa da Qualidade, a SFA-SP passou a adotar um novo modelo de administração: o da gestão organizacional participativa. A instituição de programas de educação e aperfeiçoamento, na busca de melhorias contínuas para a organização e sua clientela. O seu sistema de trabalho está estruturado de acordo com o regimento interno, instrumento legal que define as competências de cada unidade organizacional. A totalidade dos funcionários pertence ao quadro do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento e são regidos pelo Regime Jurídico Único. Servidores da SFA/SP (dezembro2005) Situação Funcional CLT/ Anistiado Judicial RJU/Ativo Permanente RJU/Cedido RJU/ Exced. a Lotação Exerc. Desc. Carreira Exercício Provisório CDT/ Contrato Temporário Nomeado Cargo de Comissão Requisitado Outros Órgãos Total Geral de Servidores Situação dos Servidores Aposentados e Pensionistas Ano Aposentados Pensionistas Total Geral Processos- SFA Os processos finalísticos são identificados e definidos considerando se os seguintes critérios: - as macro diretrizes governamentais; - o atendimento à Legislação, Decretos, Portarias e Instruções Normativas: os requisitos dos clientes inseridos no projeto dos processos 1 6

7 finalísticos, em sua maior parte, são expressos pelas exigências previstas nos documentos citados; - os dispositivos do Regimento Interno, estabelecidos por Lei; - o sistema de informação e análise, cujas estatísticas auxiliam na definição de novos processos. - os acontecimentos do ambiente externo; - as sugestões, críticas e reclamações recebidas através do Serviço de Atendimento ao Cliente, de órgãos de defesa do consumidor e de outros canais de comunicação da sociedade. As práticas de estruturação dos processos são as seguintes: a) análise e discussão da legislação pertinente a cada processo e das necessidades dos usuários/sociedade b) mapeamento, definição dos itens de controle e das respectivas metas c) padronização e procedimentos operacionais padrão (POPs) d) validação da padronização por todos os responsáveis, visando assegurar o entendimento do processo. As necessidades dos clientes são traduzidas em requisitos e incorporadas aos processos finalísticos, com base nas informações obtidas nas pesquisas, no SAC, e nas reuniões com clientes. Os requisitos legais, inclusive os ambientais são incorporados aos procedimentos que descrevem os processos finalísticos. A gestão da relevância é considerada na definição e execução dos processos finalísticos por meio: - do cumprimento da Lei; - da priorização no atendimento aos requisitos da sociedade, que se traduz na segurança alimentar; - no exercício da responsabilidade pública; - na delegação de poder; - no uso equilibrado das dimensões orientadora, preventiva e punitiva que norteiam os macro-processos. A padronização dos processos, para uniformizar as ações dos técnicos nas fiscalizações e melhorar seus controles, resultou em um aprendizado tendo em vista a manifestação favorável por parte dos clientes. Mensalmente, ou de acordo com a particularidade do processo, é executada sua avaliação e análise pelos chefes dos Serviços e equipe responsável, utilizando o resultado dos itens de controle do processo, para verificação do grau de cumprimento das metas, e realinhamentos, quando necessário. Os resultados do desempenho dos processos de cada Serviço são levados pelas chefias para a reunião mensal de análise crítica de desempenho global, com a alta administração. O Regimento Interno define as competências específicas para a execução dos processos. Há alguns que, por força da natureza de seus objetivos, têm interfaces com outros Serviços, como é o caso do processo de importação de animais e de material genético animal. Nestes casos, as áreas envolvidas analisam e estabelecem a melhor sistemática para o serviço/processo, evitando re-trabalho e superposição de atividades. Os casos mais complexos são levados às esferas superiores para discussão nas reuniões mensais. Os Serviços da SFA/SP dispõem de itens de controle para verificar se os usuários assimilaram as orientações administrativas e técnicas necessárias à tramitação normal dos processos finalísticos. A programação das ações/atividades de cada Serviço é consolidada em planos de ação, em atendimento às metas operacionais. A gestão dos processos finalísticos envolve o 7

8 acompanhamento da execução dessas metas e a análise crítica dos resultados. O monitoramento dos indicadores de desempenho operacionais da SFA/SP identifica as oportunidades de melhorias para a implementação de ações corretivas. Os processos são melhorados tendo como base a análise dos resultados dos indicadores de desempenho, bem como a comparação com a meta padrão estabelecida e com referenciais pertinentes (benchmarking). A necessidade de novos processos de apoio e a adequação dos existentes decorre das exigências de suporte aos processos finalísticos e do atendimento às novas exigências de controle da União, sobre emprego de recursos e bens. 7.Resultados- SFA Anualmente são conduzidas pela CPQT pesquisas junto aos clientes externos para avaliar a performance da SFA/SP como um todo. Os resultados relativos à satisfação dos clientes externos superam a meta mobilizadora do Governo Federal, de 70% de satisfação. O nível de satisfação dos clientes externos com a recepção se mantém em alto patamar, superior á meta de 85% desde o treinamento das pessoas e melhoria das instalações, promovidos em 1998 e reciclagem nos anos de 2000 à 2005, para antigos e novos funcionários. Os resultados de satisfação com o tempo de espera cresceram de 78% para 82%, sendo complexa a sua melhoria face ao tempo regulamentar crítico de processamento, já que dependem de fatores como realização de análises, agendamento de inspeção, natureza do serviço e coletas processuais. Os fatores componentes do indicador de satisfação dos clientes - recepção, orientação técnica, cortesia, eficiência e imagem, apresentam níveis atuais de resultados superiores à meta de 85%, estabelecido pela SFA/SP. Os principais fatores de insatisfação do período coincidem com os de atendimento de serviços onde houve aumento expressivo da demanda, mas já foram implantadas ações de ajustes. 8

9 II-PERFIL DA DIVISAO TECNICA DT/SFA-SP A Portaria Nº 300, de 16 de junho de 2005, centralizadas do Serviço de Sanidade publicada no Diário Oficial da União de 20 de junho de 2006, do Senhor Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), aprovou o Agropecuária (SEDESA), Serviço de Inspeção de Produtos Agropecuários (SIPAG), Serviço de Fiscalização Agropecuária (SEFAG) e Serviço de Regimento Interno das Superintendências Política e Desenvolvimento Agropecuário Federais de Agricultura,Pecuária e Abastecimento (SFA), existentes nas 27 unidades da Federação. O Regimento Interno contempla a SFA com duas Divisões no se refere a sua organização. Uma delas é a de Apoio Operacional; a Divisão de Apoio Administrativo com suas Seções e Setores;a outra é de Execução Finalística ; a (SEPDAG). Com relação ao trânsito internacional de animais e vegetais e de produtos agropecuários, a DT SP conta com a estrutura do Serviço de Vigilância Agropecuária(SVA) que por meio das Unidades de Vigilância Agropecuária(UVAGROs) e dos Postos de Fronteiras, são responsáveis Divisão Técnica (DT) com suas unidades centrais pela proteção Fitozoossanitária do Parque e descentralizadas, que são responsáveis pelo desenvolvimento dos Programas do Governo Agropecuário brasileiro. Desta forma cabe à Divisão Técnica Federal, com as ações orçamentárias previstas coordenar,acompanhar, orientar e avaliar a no Plano Plurianual Anual. execução das atividades relativas ao SEDESA, O organograma abaixo, apresenta a SEPDAG, SEFAG e SIPAG e VIGIAGRO, cujas estrutura da Divisão Técnica com todas as suas unidades gerenciais e operacionais, que são as responsáveis pelo desenvolvimento dos quatro descrições serão apresentadas adiante, em cada serviço. Compete também à DT o controle da macroprocessos finalísticos da execução de convênios,ajustes,acordos e Superintendência:Fomento do Setor Agropecuário contratos relativos à defesa, Inspeção, Fiscalização e Registro de agropecuária,inspeção de produtos e fiscalização Estabelecimentos e Produtos e Liberação de de insumos agropecuários,cooperativismo e Produtos. A estrutura da Divisão Técnica foi associativismo,infra-estrutura rural e à assistência técnica e extensão rural. idealizada no Regimento Interno com o objetivo O modelo de gestão implementada pela de fortalecer o MAPA, nas unidades da Divisão Técnica em consonância com a Alta federação, pois a instalação das nove Unidades Técnicas Regionais de Agricultura, Pecuária e Administração da SFA tem sido nos últimos anos fundamental no monitoramento dos processos da Abastecimento (UTRAs), no Estado de São Paulo Instituição, onde todos os procedimentos possibilitará à SFA disponibilizar seus serviços e,planejamento, acompanhamento e avaliação é o produtos de modo mais direto aos cidadãos e mesmo para todos os Serviços e foram sociedade. Permitirá às unidades estabelecidos com a participação de todos os descentralizadas o desenvolvimento da envolvidos. Isto tem proporcionado à SFA a capacidade gerencial, uma vez que as UTRAs executarão todos os Programas, ações e metas de responsabilidade regimentais das unidades obtenção de resultados expressivos que serão demonstrados pelos Indicadores de Desempenho Operacionais de todas as ações finalística. 9

10 Negócio e Missão 10 III-PERFIL DO SERVIÇO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS - SIPAG/DT-SP O Serviço de Inspeção de Produtos Agropecuários de São Paulo (SIPAG/DT-SP) está subdividido em três áreas principais de atuação: Inspeção de Produtos de Origem Animal, Inspeção e Fiscalização de Bebidas e Vinagres, e na Qualidade Vegetal. A Área de Inspeção de Produtos de Origem Animal é responsável pelo trabalho de Inspeção Higiênico-Sanitária e Tecnológica de produtos como carne, leite, mel, ovos, pescado e derivados produzidos, manipulados ou armazenados no Estado de São Paulo que se destinam à comercialização interestadual e internacional. É responsável também pela análise prévia para o registro de novos estabelecimentos, aprovando plantas e instalações, bem como processos tecnológicos e rótulos de produtos. A Unidade de Gestão (UG) deve zelar pela observância da higiene alimentar, pela aplicação da legislação pertinente e incutir confiança nos consumidores com relação à inocuidade e qualidade dos produtos oferecidos ao mercado. A Área de Inspeção de Produtos de Origem Animal tem como missão Garantir o nível de proteção adequado aos consumidores de produtos de origem animal, assegurando a inocuidade, qualidade e identidade desses produtos. Além disso, fomenta nas indústrias do setor, procedimentos de gestão com enfoque em qualidade, de maneira que os produtos elaborados possam ser comercializados no âmbito nacional e/ou internacional. A Área de Inspeção e Fiscalização de Bebidas e Vinagres atua no registro, inspeção e fiscalização de estabelecimentos produtores, importadores e exportadores de bebidas e vinagres no estado de São Paulo, e seus respectivos produtos. A execução dessas atividades tem como missão Garantir a qualidade das bebidas e vinagres e incentivar o consumo de matérias primas vegetais, favorecendo o segmento agrícola brasileiro. Os processos têm por base as Leis de 08/11/88 e de 14/07/94, regulamentadas pelos Decretos de 08/03/90 e de 04/09/97 respectivamente, além de Portarias, Instruções Normativas e atos complementares emanadas do Órgão Central (Coordenação Geral de Vinhos e Bebidas CGVB/DIPOV/SDA). Na Área da Qualidade Vegetal, a padronização dos produtos de origem vegetal é executada sob coordenação do órgão central Coordenação Geral da Qualidade Vegetal - CGQV/DIPOV/SDA/MAPA, definindo ou revisando os padrões e as normas de qualidade e identidade dos produtos vegetais, visando facilitar e intensificar sua comercialização. A classificação dos produtos de origem vegetal, em conseqüência da Lei 9.972/2000, é obrigatória no país nos seguintes casos: quando o produto for destinado diretamente ao consumo humano, nas importações e nas compras do Poder Público. É exercida pela SFA e por empresas credenciadas pelo MAPA, cabendo a esta UG a fiscalização dos serviços executados. Para a classificação de produtos vegetais importados a UG conta com o apoio operacional e laboratorial de empresa credenciada, especialmente contratada para este fim. A fiscalização da classificação vegetal tem por finalidade garantir o cumprimento dos dispositivos legais, coibindo a comercialização dos produtos que estejam em desacordo com as normas de identidade e os padrões de qualidade. A atuação da UG se dá no comércio em geral,

SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DA AGRICULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO SFA/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2006-1 - PERFIL DA SUPERINTENDÊNCIA

SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DA AGRICULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO SFA/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2006-1 - PERFIL DA SUPERINTENDÊNCIA SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DA AGRICULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO SFA/SP RELATÓRIO DE GESTÃO 2006-1 - PERFIL DA SUPERINTENDÊNCIA A Superintendência Federal de Agricultura no Estado de São Paulo, SFA/SP é

Leia mais

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas DIPOA Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal José Luis Ravagnani Vargas SIF (Competências) Fiscalização de estabelecimentos produtores de produtos de origem animal Exemplo: Matadouros frigoríficos,

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM

SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM Luiz Carlos de Oliveira Secretário de Defesa Agropecuária Ministério Da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Instrução normativa n o 21 de

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO ENGENHARIA QUÍMICA E ALIMENTOS EQA5510: ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO FLORIANÓPOLIS, JULHO DE 2013. PROFESSOR ORIENTADOR: HAIKO

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE Seção I Da Finalidade Art. 1º A Unidade de Apoio à Gestão Estratégica (UAGE) tem como finalidade promover o gerenciamento estratégico setorial

Leia mais

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental.

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental. Programa 0390 Metrologia, Qualidade e Avaliação da Conformidade Numero de Ações 13 Ações Orçamentárias 09HB Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download...

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download... Page 1 of 5 Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural Portaria SAR nº 17/2010, de 28/10/2010 O Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, no

Leia mais

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Os produtos vegetais, seus subprodutos

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP -

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - VII Simpósio Associação Brasileira de Proteção dos Alimentos ABRAPA - Melhorando a inocuidade da carne de aves

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS. MAPA: situação atual

Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS. MAPA: situação atual Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS MAPA: situação atual Suzana Bresslau Médica Veterinária Fiscal Federal Agropecuário - DFIP/SDA ENDESA

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012 LEGISLAÇÃO SANITÁRIA EM AQUICULTURA Curso Sanidade em Aqüicultura CRMVSP, 25 de maio de 2012 CONCEITOS - A saúde é um direito de todos e dever do Estado (Constituição Federal); - Ações indelegáveis de

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva ALOÍSIO TUPINAMBÁ GOMES NETO Assessor Especial 10 de fevereiro de 2009 Brasília - DF Câmara de Comércio Exterior - CAMEX O papel da CAMEX é coordenar esforços

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes para disciplinar

Leia mais

Plataforma de Gestão Agropecuária PGA

Plataforma de Gestão Agropecuária PGA Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plataforma de Gestão Agropecuária PGA Maio de 2013 Histórico 2007/novembro - DG-SANCO/UE restringe as importações de carne bovina do Brasil e determina:

Leia mais

VI FIAM FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA 26 A 29/10/2011 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR

VI FIAM FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA 26 A 29/10/2011 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR VI FIAM FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA 26 A 29/10/2011 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA INTERNACIONAL VIGIAGRO SECRETARIA

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG PROGRAMAS ABERTOS MINISTÉRIO DA PESCA Código do Programa 5800020130061 Administração Pública Estadual ou do Distrito Federal Programa 20.122.2113.2000.0001.0001 - Adminstração da Unidade - Nacional A atividade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL DIPOA COORDENAÇÃO

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

O PAPEL DO MAPA NA FISCALIZAÇÃO DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS NO BRASIL

O PAPEL DO MAPA NA FISCALIZAÇÃO DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS NO BRASIL O PAPEL DO MAPA NA FISCALIZAÇÃO DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS NO BRASIL LUZIA MARIA SOUZA FFA(Egª Agrª, Egª Seg) Chefe do SCAV/CCRC/SDA/MAPA FOCO PRINCIPAL Prevenção por meio das campanhas Fitossanitárias

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

"Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social"

Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social "Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social" 1 Gestão por processos 2 Previdência Social: em números e histórico Estrutura: Administração Direta, 2 Autarquias e 1 Empresa

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO E DA APLICAÇÃO DO CERTIFICADO SANITÁRIO NACIONAL OU DA GUIA DE TRÂNSITO

DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO E DA APLICAÇÃO DO CERTIFICADO SANITÁRIO NACIONAL OU DA GUIA DE TRÂNSITO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 1º- DE ABRIL DE 2014 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e derivados da uva e do vinho, o estabelecimento deve possuir

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 15/02 ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 24/00 do Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC Programa 0630 Desenvolvimento da Aviação Civil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 0B09 Apoio a Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Produto: Entidade apoiada Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE Claudio Regis Depes 1983 Médico Veterinário Unesp (Jaboticabal) 2003 Especialização em Saúde Pública Veterinária Unesp (Botucatu) Trabalha na Coordenadoria de Defesa Agropecuária em Assis Gerente do Programa

Leia mais

LEI Nº 7.439 DE 18 DE JANEIRO DE 1999 CAPÍTULO I DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA

LEI Nº 7.439 DE 18 DE JANEIRO DE 1999 CAPÍTULO I DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA Publicada D.O.E. Em 19.01.99 LEI Nº 7.439 DE 18 DE JANEIRO DE 1999 Dispõe sobre a criação da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia - ADAB e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DA

Leia mais

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL SEMINÁRIO CONFEA / CAU APRESENTADAS NOS GTs, ALINHADAS COM AS SOLUÇÕES BUSCADAS PELO SEMINÁRIO Brasília, 24 e 25 de julho de 2014 Eixo 1: Exercício Profissional Eixo 2: Fiscalização Eixo 3: Formação Profissional

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 15.506, de 31 de julho de 1991; Decreto nº 15.813, de 24 de abril de 1992; Lei nº 15.738, de

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Defesa Sanitária Animal Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO I NORMA TÉCNICA PARA A UTILIZAÇÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS - PTV CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO DA PTV Seção I Da Exigência e do Uso da PTV Art. 1 o A Permissão de Trânsito de Vegetais - PTV

Leia mais

Sistema de Gestão Integrada Plano Operativo Anual - POA

Sistema de Gestão Integrada Plano Operativo Anual - POA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria Executiva Coordenação Geral de Planejamento e Gestão Coordenação Geral de Orçamento e Finanças Coordenação Geral de Tecnologia da Informação

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Workshop 2011 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Agência Nacional de Transportes Aquaviários O MAPA ESTRATÉGICO ANTAQ 2 Missão Assegurar à sociedade

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais