ANDRÉ CHICARELLI BALIEIRO JOANA RODRIGUES DA SILVEIRA PRISCILA GONÇALVES DE TOLEDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANDRÉ CHICARELLI BALIEIRO JOANA RODRIGUES DA SILVEIRA PRISCILA GONÇALVES DE TOLEDO"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ANDRÉ CHICARELLI BALIEIRO JOANA RODRIGUES DA SILVEIRA PRISCILA GONÇALVES DE TOLEDO A EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO USO DO ERP NAS EMPRESAS MARÍLIA 2007

2 3 ANDRÉ CHICARELLI BALIEIRO JOANA RODRIGUES DA SILVEIRA PRISCILA GONÇALVES DE TOLEDO A EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO USO DO ERP NAS EMPRESAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Administração do Centro Universitário Eurípides de Marilia UNIVEM, mantido pela Fundação de Ensino Eurípides Soares da Rocha como requisito para obtenção do grau de Bacharel em Administração de Empresas. Orientadora: Profª Ms. Vânia Érica Herrera MARÍLIA 2007

3 4 ANDRÉ CHICARELLI BALIEIRO JOANA RODRIGUES DA SILVEIRA PRISCILA GONÇALVES DE TOLEDO A EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO USO DO ERP NAS EMPRESAS Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado ao Curso de Administração do Centro Universitário Eurípides de Marilia UNIVEM, mantido pela Fundação de Ensino Eurípides Soares da Rocha como requisito para obtenção do grau de Bacharel em Administração de Empresas. Resultado: ORIENTADOR: Profª. Ms. Vânia Érica Herrera 1º EXAMINADOR: 2º EXAMINADOR: Marília,... de... de 2007.

4 5

5 6 AGRADECIMENTOS Em primeiro a Deus: Obrigado por nos dar a vida, por essa conquista e por estar presente em todos os momentos das nossas vidas. Aos nossos pais, por terem investido financeiramente neste estudo e que estarem presentes em todos os momentos de mais uma grande trajetória, sem eles nada disso teria acontecido. A todos os nossos amigos que estiveram ao meu lado, acreditando na nossa vitória. E aos nossos namorados (as) que estiveram sempre presente, nos dando força e perseverança para a realização desse trabalho.

6 7 FALECEU ONTEM A PESSOA QUE ATRAPALHAVA SUA VIDA Um dia, quando os funcionários chegaram para trabalhar, encontraram na portaria um cartaz enorme, no qual estava escrito: Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida na Empresa. Você está convidado para o velório na quadra de esportes. No início, todos se entristeceram com a morte de alguém, mas depois de algum tempo, ficaram curiosos para saber quem estava atrapalhando sua vida e bloqueando seu crescimento na empresa. A agitação na quadra de esportes era tão grande, que foi preciso chamar os seguranças para organizar a fila do velório. Conforme as pessoas iam se aproximando do caixão, a excitação aumentava: -Quem será que estava atrapalhando o meu progresso? - Ainda bem que esse infeliz morreu! Um a um, os funcionários, agitados, se aproximavam do caixão, olhavam pelo visor do caixão a fim de reconhecer o defunto, engoliam em seco e saiam de cabeça abaixada, sem nada falar uns com os outros. Ficavam no mais absoluto silêncio, como se tivessem sido atingidos no fundo da alma e dirigiam-se para suas salas. Todos, muito curiosos mantinham-se na fila até chegar a sua vez de verificar quem estava no caixão e que tinha atrapalhado tanto a cada um deles. A pergunta ecoava na mente de todos: "Quem está nesse caixão"? No visor do caixão havia um espelho e cada um via a si mesmo... Só existe uma pessoa capaz de limitar seu crescimento: VOCÊ MESMO! Você é a única pessoa que pode fazer a revolução de sua vida. Você é a única pessoa que pode prejudicar a sua vida. Você é a única pessoa que pode ajudar a si mesmo. Sua vida não muda quando seu chefe muda, quando sua empresa muda, quando seus pais mudam, quando seu (sua) namorado (a) muda. Sua vida muda... Quando você muda! Você é o único responsável por ela. O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos. A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença. A vida muda, quando "você muda". (Luiz Fernando Veríssimo)

7 8 BALIEIRO, André Chicarelli; SILVEIRA, Joana Rodrigues da; TOLEDO, Priscila Gonçalves de. A Evolução dos Sistemas de Administração de Produção com Ênfase no uso do ERP nas Empresas f. Dissertação (Monografia Administração de Empresas) Centro Universitário Eurípides de Marília, Fundação Eurípides Soares da Rocha de Marilia, Marília, RESUMO O tema escolhido para o desenvolvimento desse trabalho, teve como objetivo auxiliar ainda mais no entendimento e importância da implementação de um sistema eficaz, o qual tenha como função principal, integrar e interagir, todas as atividades desempenhadas, de todos os setores de uma empresa. A presente pesquisa abordará A Evolução dos Sistemas de Administração de Produção com Ênfase no uso do ERP nas Empresas, levando em consideração a descrição e conceituação do SAP (Sistema de Administração da Produção), mostrando neste, a importância da administração da produção, da organização dos materiais, para que se possa analisar de maneira desejada a evolução sofrida desde o surgimento do MRP (Material Requirements Planning, ou cálculo das necessidades de materiais), passando para o MRP II (Manufacturing Resources Planning, ou planejamento dos recursos de manufatura), chegando aos dias de hoje ao ERP (Enterprise Resource Planning ou Planejamento de Recursos da Corporação ou Empresa). O trabalho terá uma maior abrangência no que diz respeito a implementação do ERP, justamente pela sua total eficácia que vem demonstrando em relação as necessidades do mercado. Para uma maior clareza do bom funcionamento e da sua perfeita eficácia, usaremos como exemplo duas grandes empresas produtoras dos softwares ERP (CIGAM e SAP ERP), e desta forma com exemplo real, citaremos alguns exemplos de empresas conhecidas nacionalmente e suas visões sobre o sistema. Palavras-chave: SAP MRP MRP II ERP.

8 9 LISTA FIGURAS Figura 1: Desempenho esquemático do planejamento de necessidades de materiais (MRP I) Figura 2: O cálculo de necessidades líquidas no MRP...30 Figura 3: MRP ciclo fechado Figura 4: Evolução do MRP ao MRP II Figura 5: Esquema geral do MRP II mostrando a posição do MPS Figura 6: Inter-relação entre os módulos principais de um sistema MRP II típico Figura 7 - Estrutura típica de funcionamento de um sistema ERP Figura 8: Etapas de implementação Figura 9: Distribuição dos sistemas ERP no mercado Figura 10: Módulos sistema CIGAM ERP Figura 11: Fluxograma geral do Departamento de Peças Figura 12: Metodologia de Implementação... 85

9 10 LISTA DE TABELA Tabela 1: Principais fornecedores de sistemas ERP... 53

10 11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AMR: Advanced Manufacturing Research APICS: Dicionário: American Production and Inventory Control Society. ASAP: Acelerated SAP B2B: Business to Business BPPs: Business Process Procedure CRP: Capacidade dos Recursos ERP: Enterprise Resource Planning ou Planejamento de Recursos da Corporação ou Empresa GDS: Global Dealer System MIC: Metodologia de Implementação CIGAM MPS: Plano Mestre de Produção MRP II: Manufacturing Resources Planning, ou planejamento dos recursos de manufatura MRP: Material Requirements Planning, ou cálculo das necessidades de materiais PPCP: Departamento que administra todas as necessidades de materiais para a fábrica PUR: Controle de Compras RCCP: Capacidades dos Recursos Críticos S&OP: Vendas e Operações SAP AG: Systeme, Anwendungen und Produkte in der Datenverarbeitung Aktiengesellschaft (istemas, Aplicativos e Produtos para Processamento de Dados Ag: sociedade anónima em alemão) SAP: Sistemas de Administração da Produção SAP: Systeme, Anwendungen, und Produkte in Datenverarbeitung ou Sistemas, Aplicações e Produtos em Processamento de Dados SFC: shop floor control ou Módulo de controle de fábrica

11 12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO (SAP) MRP E MRP II ELEMENTOS DE UM SISTEMA MRP VANTAGENS DE UM SISTEMA MRP CÁLCULO MRP PLANEJAMENTO DOS RECURSOS DE MANUFATURA (MRP II) Como funciona o MRP II SISTEMAS ERP VANTAGENS DE IMPLANTAR UM ERP PASSO-A-PASSO DE UM PROJETO ERP PRINCIPAIS FORNECEDORES DE SISTEMAS ERP POPULARIZAÇÃO DO ERP NO BRASIL ERP O USO DO SISTEMA ERP NAS EMRPESAS ERP CIGAM Ipiranga Volvo do Brasil SAP Máquinas Agrícolas Jacto CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 89

12 13 1 INTRODUÇÃO No atual cenário empresarial mundial, as empresas buscam cada vez mais aumentar a sua competitividade, seja pela redução de custos, pela melhoria do produto, agregando mais valor ao cliente e se diferenciando da concorrência ou pela especialização em algum segmento ou nicho de mercado. A competição tem escalas globais, sendo que acontecimentos ocorridos em países distantes podem trazer conseqüências instantâneas para a indústria local. A velocidade com que ocorrem as mudanças, e conseqüentemente a velocidade com que a empresa tem de responder a elas, aumentou consideravelmente nos últimos anos. O mundo industrializado vem enfrentando a transição de uma economia industrial para uma economia de informação e, nas próximas décadas, a informação, mais do que a terra ou o capital, será a força motriz na criação de riquezas e prosperidade. Pode-se afirmar que, nos últimos anos, poucas áreas dentro da Administração de Empresas mudaram tanto como a Administração da produção. Durante anos, a produção foi considerada quase um mal necessário, suportado pelos outros setores porque, afinal, uma empresa manufatureira não podia escapar de fazer seus produtos. Desde o período pós-guerra, o setor de produção e seu pessoal passaram anos sendo isolados do processo decisório global da empresa. As decisões estratégicas eram tomadas e apenas comunicadas ao setor de produção para o "cumpra-se". A tecnologia envolvida no processo de produção foi, por um longo período, vista pelos outros setores da organização como um mistério insondável e desinteressante, escondido por trás das paredes da fábrica. Nos últimos anos, entretanto, este panorama tem mudado. Ao redor do mundo, principalmente o mundo ocidental, há hoje um movimento crescente de revalorização do papel da manufatura no atingimento dos objetivos estratégicos da organização.

13 14 Os Sistemas de Administração da Produção (SAP), podem ser considerados como sendo o coração dos processos produtivos. Como poderemos constatar no capítulo 2, eles têm o objetivo básico de planejar e controlar o processo de manufatura em todos seus níveis, incluindo materiais, equipamentos, pessoas, fornecedores e distribuidores. É através desse sistema que a organização garante que suas decisões operacionais sobre o que, quando, quanto e com o que produzir e comprar sejam adequadas a suas necessidades estratégicas, que por sua vez são ditadas por seus objetivos e seu mercado. Sistemas de Administração da Produção são aqueles sistemas que provêem informações que suportam o gerenciamento eficaz do fluxo de materiais, da utilização de mão-de-obra e dos equipamentos, a coordenação das atividades internas com as atividades dos fornecedores e distribuidores e a comunicação com os clientes no que se refere a suas necessidades operacionais. O ponto chave nesta definição é a necessidade gerencial de usar as informações para tomar decisões inteligentes, nesse caso, será função dos administradores que executam estas atividades. O MRP (Material Requirements Planning, ou cálculo das necessidades de materiais) e MRP II (Manufacturing Resources Planning, ou planejamento dos recursos de manufatura) são os Sistemas de Administração da Produção de grande porte que mais têm sido implantados pelas empresas, ao redor do mundo, desde os anos 60. Os objetivos principais dos sistemas de cálculo de necessidades são permitir o cumprimento dos prazos de entrega dos pedidos dos clientes com mínima formação de estoques, planejando as compras e a produção de itens, componentes para que ocorram exatamente nas quantidades e nos momentos necessários. Em geral, a bibliografia não é explícita no que diz respeito à discussão dos principais objetivos do MRP II, negligenciando a discussão em torno da adequação estratégica dos sistemas à necessidade da empresa. A priorização de objetivos estratégicos é uma

14 15 consideração que depende da empresa em particular, de seus produtos e dos particulares nichos de mercado que se pretenda atingir. Veremos também que os sistemas do tipo MRP II são mais adequados àquelas empresas cujos objetivos estratégicos prioritários forem aqueles privilegiados pela técnica: o cumprimento de prazos e a redução de estoques, ou seja, num ambiente em que a competição é crescente, o cumprimento de prazos ganha importância e, ao mesmo tempo, os altos custos da manutenção de estoques sugerem a redução de seus níveis pelas empresas, desta forma podemos dizer que, muitas empresas acabam encaixando-se nesta categoria. O princípio básico do MRP II seria o cálculo de necessidades, uma técnica de gestão que permite o cálculo, viabilizado pelo uso de computador, das quantidades e dos momentos em que são necessários os recursos de manufatura (materiais, pessoas, equipamentos, entre outros), para que se cumpram os programas de entrega de produtos, com um mínimo de formação de estoques. O cálculo de necessidades dos componentes é feito a partir das necessidades dos produtos finais. O conceito de ERP (Enterprise Resource Planning), pode ser definido como sendo um termo genérico para um conjunto de atividades executadas por um software multimodular, que tem por objetivo auxiliar o fabricante ou o gestor de uma empresa nas importantes fases do seu negócio, incluindo o desenvolvimento de produtos, compra de itens, manutenção de estoques, interação com os fornecedores, serviços a clientes e acompanhamento de ordens de produção. O ERP pode também incluir módulos aplicativos para os aspectos financeiros e até mesmo para a gestão de recursos humanos. Tipicamente, um sistema ERP usa ou está integrado a uma base de dados relacional. O ERP tem suas raízes no MRP, trata-se de um processo evolutivo natural proveniente da maneira com a qual a empresa enxerga seu negócio e interage no mercado.

15 16 Os sistemas ERP passaram a ser largamente utilizados na década de 90, entre outros motivos devido ao acirramento da concorrência e à globalização, evidenciando a necessidade de ferramentas mais aprimoradas para a gestão das empresas. O presente trabalho terá como objetivo mostrar a evolução dos sistemas de administração de produção, enfatizando a implementação do uso do sistema ERP nas grandes, médias ou pequenas empresas. A metodologia utilizada para a formulação do trabalho foi a utilização das fontes bibliográficas, através de livros, revistas e sites da internet. O trabalho apresentar-se-à da seguinte maneira: no capítulo 2, abordaremos mais a fundo sobre o sistema de administração da produção; no capítulo 3 veremos o surgimento do MRP até sua evolução ao MRP II, já no capítulo 4 a utilização dos sistemas ERP, que teve como raiz o MRP II e pra finalizar no capítulo 5 faremos uma exemplificação através de duas empresas que desenvolvem o ERP, a SAP e a CIGAM, onde poderemos confirmar sua verdadeira eficácia com alguns exemplos de empresas conhecidas e a implementação do sistema ERP em seus micros.

16 17 2 SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Nesse capítulo, abordaremos a importância da administração da produção, da organização dos materiais, visto que, será necessário o entendimento e compreensão deste para perfeita análise de futuros cálculos decorrentes dos capítulos seguintes. Administração da produção, também conhecida como administração de operações, é a função administrativa responsável pela produção de bens e serviços. Podemos chamar genericamente de sistemas de administração da produção os sistemas de informação para apoio à tomada de decisões táticas e operacionais, referente às questões logísticas básicas, que seriam: o que produzir e comprar, quanto produzir e comprar, quando produzir e comprar, com que recursos produzir, desta forma conseguindo atingir os objetivos estratégicos esperado pela organização. (CORRÊIA, GIANESI, CAON, 2001) Segundo Slack (1996), a produção é a função central das organizações já que é aquela que vai se incumbir de alcançar o objetivo principal da empresa, ou seja, sua razão de existir. Para o sistema de produção conseguir atingir os objetivos estratégicos da organização, devem ser capazes de apoiar o tomador de decisões logísticas, como nos apresenta Corrêia, Gianesi, Caon (2001): Planejar as necessidades futuras de capacidade produtiva da organização; Planejar os materiais comprados; Planejar os níveis adequados de estoques de matérias-primas, semiacabados e produtos finais, nos pontos certos; Programar atividades de produção para garantir que os recursos produtivos envolvidos estejam sendo utilizados, em cada momento, nas coisas certas e prioritárias;

17 18 Ser capaz de saber e de informar corretamente a respeito da situação corrente dos recursos (pessoas, equipamentos, instalações, materiais) e das ordens (de compra e produção); Ser capaz de prometer os menores prazos possíveis aos clientes e depois fazer cumpri-los; Ser capas de reagir eficazmente. As atividades da área de materiais devem estar sempre integradas, onde todas as decisões precisam ser concentradas em um único órgão. Podemos citar que as principais atribuições da área de materiais são: compra, programação da produção, armazenamento e logística. Em se tratando de empresas de pequeno ou médio porte, essas atribuições podem se encontrar subordinadas a um único órgão de administração ou de gestão de materiais e suprimentos. Nas empresas de maior porte e com maior complexidade, podem existir órgãos diferentes, mas sempre fazendo parte da área de materiais, ou seja, um departamento específico para a área de compras, outro departamento para planejamento e controle de materiais e outro departamento dedicado somente à logística externa da empresa. Porém, não podemos deixar de salientar que, esses órgãos devem possuir um meio de comunicação rápida entre si, e devem estar subordinados ao mesmo cargo. É aconselhável e mais viável que, no caso de uma empresa industrial, os órgãos de materiais estejam subordinados à diretoria da fábrica, já no caso de empresas comerciais ou de serviços, a subordinação esteja ligada à diretoria de operações. Em geral, a subordinação dos órgãos de materiais às áreas financeiras das empresas não é muito aconselhável, pois poderia alterar o equilíbrio das decisões, sendo sempre bom observar dois aspectos: o financeiro, e a satisfação do cliente. Segundo Martins e Laugeni (2006):

18 19 Pode-se dizer que a organização da área de materiais pode assumir diferentes formas, visando sempre a otimização dos processos para a obtenção dos materiais, a rapidez, a satisfação do cliente e a redução dos níveis dos estoques. Quando fala-se em necessidades dos clientes, sejam elas internas ou externas, devem ser analisadas de que forma a empresa poderá atendê-las, seja a partir dos estoques existentes ou se terá de iniciar um processo de reposição de material por meio da compra, ou se tratar-se-á de produtos fornecidos por terceiros, ou ainda de produção, ou seria o caso de produtos fabricados internamente pela empresa. (MARTINS e LAUGENI, 2006) Martins e Laugeni (2006) nos coloca que: O setor de recebimento dos produtos pedidos, pode envolver diversas atividades, referentes à área fiscal e contábil, da qualidade, de verificação de quantidades entregues e atividades necessárias ao registro dos materiais entregues nos sistemas de materiais da empresa. Já o armazenamento de materiais é uma função especializada e consistente, tendo como principal e única função o armazenamento adequado dos materiais, para que com isso seja possível sua rápida recuperação e a manutenção dos níveis de qualidade, facilitando a entrega. A logística de distribuição tem como atividade principal a entrega dos materiais no ponto certo, ao menor custo e no menor prazo, mantendo suas condições de qualidade. A administração de materiais tem impacto direto na lucratividade da empresa e na qualidade dos produtos. Nesse caso usa-se o sistema just-in-time, que determina que nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora exata, com o objetivo de reduzir estoques e manter o cliente satisfeito. Uma outra função é o processo de reposição do material que inicia-se com uma demanda de um cliente. O órgão responsável pelo planejamento de materiais deve verificar se

19 20 existe estoque do material e se o material deve ser comprado ou fabricado. Essa reposição é feita pelo órgão de compra da empresa. De acordo com Martins e Laugeni (2006): Os principais passos do processo de compra são a seleção dos fornecedores e a emissão do pedido. A seleção envolve identificar os possíveis fornecedores, agrupar itens a serem supridos pelo mesmo fornecedor, avaliar as condições de qualidade, financeiras e de contabilidade de entrega de cada fornecedor, e analisar a possibilidade de contratos de abastecimento de médio e longo prazos, procurando estabelecer parcerias. Para que essas atividades sejam desenvolvidas a contento, é imprescindível um cadastro de fornecedores que considere os diferentes aspectos do fornecimento e que se encontre permanentemente atualizado. Seguindo o pensamento dos mesmos autores, podemos entender que o pedido de compra formaliza a decisão da compra junto aos fornecedores, onde o pedido de compra tem a força de um contrato que é enviado aos fornecedores, comprometendo a empresa com relação a seus dizeres. Em alguns casos, o fornecedor negocia o pedido de compra recebido com instituições financeiras, para que lhe seja fornecido o capital de giro necessário para a produção do material solicitado pelo cliente. Martins e Laugeni (2006), nos exemplifica como deve ser feito o pedido: Todo pedido deve ser numerado para que os processos de rastreamento do sistema e dos materiais possam ser executados adequadamente. Após a emissão do pedido, o órgão de compras deve acompanhar o andamento do pedido junto ao fornecedor, sendo desejável o estabelecimento do que se denomina status do pedido, para um acompanhamento objetivo. Ele deve também acompanhar as fases do processo: compra de matéria-prima, processo de produção, expedição, data provável de entrega e outras condições relevantes. O órgão de compras deve ainda manter contato constante com os clientes dos materiais com relação ao andamento dos pedidos. O recebimento, em geral, é realizado pelo órgão de armazenamento; porém existem algumas empresas que possuem órgãos diferenciados para recebimento de materiais, isso ocorre

20 21 principalmente no caso de materiais muito especializados, ou no caso de existir um grande volume de materiais. Esse recebimento só tem início quando o material chega nas dependências da empresa. É conveniente que exista uma área física na qual os materiais recebidos sejam colocados, inspecionados e identificados com tarjas diferenciadas para que se possa ter uma melhor organização e conferência do material. Exemplo, os com tarjas de cores azuis ficariam os aprovados, os que estivessem com tarjas laranja estariam em processo de inspeçao, e com tarjas vermelha estariam reprovados na inspeção. Facilitando, desta forma, as atividades de estocagem dos materiais aprovados e de devolução dos materiais reprovados durante o processo de recebimento. Os integrantes da equipe do departamento de almoxarifado devem desenvolver diferentes funções de maneira adequada, pois é necessário que eles operem não somente os processos físicos de armazenamento dos materiais (estocagem, separação, contagem, arrumação) mas também os sistemas informatizados. O setor de inventário dos materiais é uma das atividades do almoxarifado e tem como objetivo principal assegurar que as quantidades físicas ou existentes no almoxarifado estejam de acordo com as listagens e os relatórios contábeis dos estoques. Martins e Laugeni (2006) afirma que: A certificação dessa realidade é importante não somente para a área contábil/fiscal da empresa, mas também para os sistema computadorizados de manufatura, como os sistemas de MRP, MRP II, ERP e similares, que somente apresentarão cálculos corretos da quantidade necessária de materiais se os níveis do estoques estiverem corretos. Existem diversas alternativas de técnicas e lógicas que podem ser utilizadas com o objetivo de se conseguir utilizar o sistemas de administração da produção.

21 22 As três principais, que tem sido mais usadas ao longo dos últimos 15 anos, são: MRP I e II, ERP, que são baseados fundamentalmente na lógica do cálculo de necessidades de recursos a partir das necessidades futuras de produtos, onde veremos com maiores detalhes nos próximos capítulos, os sistema Just in Time, e os sistemas de programação da produção finita, que utilizam fundamentalmente das técnicas de simulação em computador.

22 23 3 MRP E MRP II Neste capítulo, poderemos verificar a existência de duas definições diferentes de MRP, porém, estão sempre relacionadas entre si. As duas tem como função auxiliar as empresas no planejamento e controle das necessidades de recursos, utilizando como apoio os sistemas de informações computadorizados. Primeiramente, definiremos o conceito de planejamento com duas frases de Corrêia, Gianesi, Caon (2001): Planejar é entender como a consideração conjunto da situação presente e da visão de futuro influencia as decisões tomadas no presente para que se atinjam determinados objetivos no futuro. E Planejar é projetar um futuro que é diferente do passado, por causas sobre as quais se tem controle. Podemos enfatizar alguns aspectos dessas conceituações, em primeiro lugar um bom processo de planejamento depende de uma visão adequada do futuro, onde essa visão pode depender de sistemas de previsão, que deverão ser eficazes; em segundo lugar é importantíssimo o conhecimento fiel sobre a situação presente; em terceiro que um bom modelo lógico consiga traduzir a situação presente e a visão do futuro em boas decisões no presente, precisando também estar disponível para que um bom processo de planejamento esteja em funcionamento e quarto e um dos mais importantes aspectos, é necessário ter claros os objetivos que se pretende atingir. O conceito de cálculo de necessidade de materiais (MRP), é simples e conhecido há muito tempo, baseando-se na idéia de que, se são conhecidos todos os componentes de determinado produto e os tempos de obtenção de cada um deles, podemos, com base na visão de futuro das necessidades de disponibilidade do produto em questão, calcular os momentos e as quantidades que devem ser obtidas, de cada um dos componentes para que não haja falta

23 24 nem sobra de nenhum deles, no suprimento das necessidades dadas pela produção do referido produto. Segundo Slack et al (1999), MRP tanto pode significar o planejamento das necessidades de materiais, como o planejamento dos recursos de manufatura. [...] o conceito de MRP desenvolveu-se de um foco na gestão de operações que auxiliava o planejamento e controle das necessidades de materiais, para se tornar, nos anos recentes, um sistema corporativo que apóia o planejamento de todas as necessidades de recursos do negócio. Geralmente, o MRP é mais usado em empresas de manufatura, porém existem alguns exemplos da aplicação em ambientes não manufatureiros. Sem saber, a maioria das donas de casa utilizam-se dos conceitos do MRP, quando realizam suas deliciosas receitas. Até os anos 60, as empresas sempre tiveram que executar esses cálculos manualmente, de modo a garantir que teriam disponíveis os materiais certos nos momentos necessários. Originalmente o MRP ou MRP I dos anos 60, tinha como significado da sigla Material Requirements Planning, permitindo que as empresas calculassem quantos materiais de determinado tipo seria necessário e em que momento. Nos anos 80 e 90, o sistema teve uma expansão, onde o conceito de planejamento das necessidades de materiais foram integrados a outras partes da empresa, ficando conhecida como Manufacturing Resource Planning (Planejamento dos Recursos de Manufatura), tendo como sigla MRP II. Para entendermos claramente como funciona o MRP, Slack et. al. (1999), exemplifica-nos como seria o uso do MRP no cotidiano de uma pessoa: Uma forma fácil de compreender este processo é imaginar que você decidiu dar uma festa daqui a duas semanas, para 40 pessoas. Assim como cerveja, vinho e refrigerantes, você decide oferecer sanduíches e alguns aperitivos. Antes de ir às compras, provavelmente irá fazer alguns cálculos, estimando a preferência de seus convidados por vinho tinto, vinho branco ou cerveja, assim como quantas pessoas devem comer e beber. Você talvez já tenha em sua casa alguma bebida e comida que poderá usar; logo, deverá levar isso em conta quando fizer sua lista de compras. Se alguns dos pratos de sua festa serão preparados a partir de uma receita, você deverá multiplicar as quantidades de cada ingrediente dessa receita pelo equivalente para 40 pessoas;

24 25 novamente, talvez você já tenha parte dos ingredientes em estoque. Além de calcular o quanto é necessário de cada item, talvez queira considerar a possibilidade de preparar e congelar parte da comida na semana anterior, enquanto o resto será preparado no dia anterior ou no próprio dia da festa. Portanto, deverá decidir quando cada item será necessário, de modo que possa comprar no momento correto. Ao planejar sua festa, você estará tomando uma série de decisões inter-relacionadas sobre o volume (quantidade) e o momento em que os materiais serão necessários. Portanto, o MRP vem a ser um sistema que ajuda as empresas a fazer cálculos de volume e tempo similares a esses, mas numa escala e grau de complexidade muito maiores. Os sistemas MRP assumem um ambiente de produção fixo, utilizando lead times fixos para calcular quando os materiais devem chegar ao próximo centro de trabalho. Contudo, as condições de carga de trabalho e outros fatores fazem com que os lead times sejam na realidade bastante variáveis. O MRP utiliza ordens de produção derivadas do programa-mestre como unidade de controle. Conseqüentemente, o atingimento do programa é um aspecto-chave do monitoramento e do controle. Oliver Wight e Joseph Orlicky, que são considerados como pais do MRP moderno, descreveu o planejamento dos recursos de manufatura como um plano global para a empresa. (SLACK et al, 1999) A atualização dos registros MRP precisa de um longo tempo, na teoria, cada transação requer uma atualização completa na atualização de dados, porém, na prática, é mais usual que as alterações sejam efetuadas semanalmente ou até mesmo mensalmente. Mesmo os sistemas MRP sofisticados, que permitem atualizações apenas das mudanças líquidas, numa base diária, não são sensíveis a mudanças feitas hora a hora.

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Sistemas de produção MRP & MRP II

Sistemas de produção MRP & MRP II Anais de Trabalhos Premiados Sistemas de produção MRP & MRP II Christian Botelho Lopes (Mecatrônica Industrial FATEC - Garça/SP) Email: christian.bl@hotmail.com Renan Henrique da Silva (Mecatrônica Industrial

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Dado um produto, ele era explodido em todos os seus componentes até o último nível de detalhe, definindose sua lista de material, também conhecida

Dado um produto, ele era explodido em todos os seus componentes até o último nível de detalhe, definindose sua lista de material, também conhecida M. R. P (Manufactoring Resources Planning) MRP Planejamento de Necessidades de Materiais Como a maioria das empresas fabrica mais de um produto, os quais muitas vezes utilizam um grande número de peças

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

O que se espera de um sistema de administração da produção?

O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? Segundo Corrêa (2001), independente da lógica que utilize, os sistemas da administração

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Eduardo Dias Ferreira Belo Horizonte Agosto 2006 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivo... 4 1.1.1 Objetivo Geral... 4 1.1.2

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

MRP / MRP II MRP / MRP II

MRP / MRP II MRP / MRP II MRP = Material Requirement Planning (planejamento das necessidades de materiais) Surgiu da necessidade de se planejar o atendimento da demanda dependente (que decorre da independente) Lista de material

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE

Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE Nos anos 80 muitas empresas tiveram problemas estratégicos sérios por acharem que deveriam, a todo o custo, BAIXAR A ZERO seus estoques, seduzidas por uma leitura equivocada

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

jul-09 1 FURB Pedro Paulo H. Wilhelm & Maurício C. Lopes

jul-09 1 FURB Pedro Paulo H. Wilhelm & Maurício C. Lopes 1 Referências Bibliográficas apoio jul-09 2 Referências Bibliográficas apoio jul-09 3 Virtual Empreendimentos Competências Chaves I) COMPETENCIA EMPRESARIAL = espírito empreendedor: ousadia, disposição

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUE DE MATÉRIAS-PRIMAS

CONTROLE DE ESTOQUE DE MATÉRIAS-PRIMAS CONTROLE DE ESTOQUE DE MATÉRIAS-PRIMAS 1. FUNÇÃO DO CONTROLE DE ESTOQUE A função do Controle de Estoque é maximizar o efeito lubrificante no feedback de vendas não realizadas, ajudando no ajuste do planejamento

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Sistemas de Administração e Gestão da Produção

Sistemas de Administração e Gestão da Produção Sistemas de Administração e Gestão da Produção Izabel Cristina Zattar izabelzattar@netvision.com.br www.grima.ufsc.br/izabel/index.html Os 3 Grandes Níveis do Planejamento Horizonte de detalhamento Diário/Semanal

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Nesta empresa que estamos analisando, os métodos e os processos produtivos nos setores de injeção, extrusão, montagem, tornearia e estamparia são

Nesta empresa que estamos analisando, os métodos e os processos produtivos nos setores de injeção, extrusão, montagem, tornearia e estamparia são 11 INTRODUÇÃO Nesse trabalho fica fácil visualizar a importância da Administração da Produção dentro de uma organização. Hoje as empresas buscam cada vez mais reduzir seus custos operacionais e melhorar

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO.

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. 1 A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. Aline Carla Herrero Alves Elizabete Alves dos Santos Francisco Cesar Vendrame Jovira Maria Sarraceni Máris

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção DISCIPLINA: (considerando que Gestão de Materiais será tratada em outra disciplina - se não, sugere-se uma seção sobre o tema baseada no Capítulo 2 do livro de Corrêa, Gianesi e Caon, 2.001) PROFESSOR:

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso José Henrique de Andrade (EESC-USP) jandrade@sc.usp.br José Renato Munhoz (UFSCAR) renato.munhoz@citrovita.com.br

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ENTERPRISE RESOURCE PLANNING APPLIED IN THE MANUFACTURING PLANNING AND CONTROL José Eduardo Freire 1 Ruchele Marchiori Coan

Leia mais

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DISCIPLINA Aplicações de Sistemas de Prof. Wagner Däumichen Barrella Aplicações de Sistemas de Vínculo Administração-Tecnologia Administração e Tecnologia Revolução

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO.

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

O APS (ADVANCED PLANNING SYSTEMS) APLICADO AO ERP TECNICON: PRINCÍPIOS DE USABILIDADE

O APS (ADVANCED PLANNING SYSTEMS) APLICADO AO ERP TECNICON: PRINCÍPIOS DE USABILIDADE O APS (ADVANCED PLANNING SYSTEMS) APLICADO AO ERP TECNICON: PRINCÍPIOS DE USABILIDADE Robson Pache (FAHOR) rp000705@fahor.com.br Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Vilmar Boeno Silva (FAHOR)

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Helio Galvão Ciffoni, Ramon Hoshino & Walid Nicolas Assad Malisoft

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES George Paulus Pereira Dias George Paulus Pereira Dias paulus@proage.com.br 1998: Consultor em projetos na área de logística e planejamento com a utilização de técnicas de

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning

ERP Enterprise Resourse Planning Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC Bacharelado em Sistemas de Informação 2B Fundamentos de Sistemas de Informação Professor: Paulo de Tarso ERP Enterprise Resourse Planning Alexandre

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Maico Jeferson de Oliveira (UTFPR) maico@agraria.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO 01 Alexandre Crepaldi 02 Celso Tomazini 03 Francine Lemes 04 Márcio Bernardo 05 Tábata Cristina 06 Tiago Tezzotto 07 Tied Humberto 1 O QUE É PCP? Plano de Controle de

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES George Paulus Pereira Dias Agenda 1. Apresentação MRP 2. Estudo de Caso 3. Apresentação da Planilha 4. Primeira rodada de tomada de decisões 5. Próximos passos MRP - Planejamento

Leia mais

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO Sistema de gestão ERP GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais