Tabela Taxa de desocupação na semana de referência por grupos de idade. Unidade Territorial - Total das áreas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tabela Taxa de desocupação na semana de referência por grupos de idade. Unidade Territorial - Total das áreas"

Transcrição

1 março ,5 abril ,2 maio ,3 junho ,0 julho ,2 agosto ,9 setembro ,2 outubro ,2 novembro ,8 dezembro ,4 janeiro ,8 fevereiro ,2 março ,8 abril ,0 maio ,4 junho ,4 1/9

2 julho ,2 agosto ,6 setembro ,5 outubro ,2 novembro ,6 dezembro ,7 janeiro ,5 fevereiro ,5 março ,5 abril ,1 maio ,4 junho ,2 julho ,7 agosto ,8 setembro ,2 outubro ,6 novembro ,7 dezembro ,5 janeiro ,8 fevereiro ,8 março ,4 2/9

3 abril ,4 maio ,0 junho ,2 julho ,1 agosto ,9 setembro ,7 outubro ,9 novembro ,7 dezembro ,7 janeiro ,8 fevereiro ,5 março ,6 abril ,9 maio ,6 junho ,5 julho ,5 agosto ,0 setembro ,0 outubro ,1 novembro ,0 dezembro ,7 3/9

4 janeiro ,6 fevereiro ,5 março ,8 abril ,5 maio ,5 junho ,1 julho ,6 agosto ,6 setembro ,7 outubro ,6 novembro ,3 dezembro ,3 janeiro ,6 fevereiro ,8 março ,4 abril ,9 maio ,0 junho ,9 julho ,0 agosto ,6 setembro ,6 4/9

5 outubro ,5 novembro ,1 dezembro ,5 janeiro ,9 fevereiro ,0 março ,9 abril ,1 maio ,9 junho ,5 julho ,4 agosto ,4 setembro ,4 outubro ,3 novembro ,2 dezembro ,6 janeiro ,6 fevereiro ,9 março ,8 abril ,9 maio ,1 junho ,2 5/9

6 julho ,1 agosto ,0 setembro ,0 outubro ,2 novembro ,5 dezembro ,4 janeiro ,1 fevereiro ,9 março ,4 abril ,0 maio ,4 junho ,4 julho ,9 agosto ,6 setembro ,5 outubro ,6 novembro ,4 dezembro ,6 janeiro ,9 fevereiro ,3 março ,5 6/9

7 abril ,9 maio ,8 junho ,0 julho ,9 agosto ,3 setembro ,3 outubro ,2 novembro ,5 dezembro ,6 janeiro ,5 fevereiro ,1 março ,9 abril ,9 maio ,6 junho ,1 julho ,3 agosto ,7 setembro ,7 outubro ,7 novembro ,0 dezembro ,2 7/9

8 janeiro ,4 fevereiro ,7 março ,8 abril ,0 maio ,2 junho ,3 julho ,8 agosto ,8 setembro ,4 outubro ,7 novembro ,3 dezembro ,5 janeiro ,9 fevereiro ,0 março ,6 abril ,2 maio ,3 junho ,1 julho ,5 agosto ,0 setembro ,4 8/9

9 outubro ,5 novembro ,9 dezembro ,5 janeiro ,9 fevereiro ,8 Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Emprego Notas 1) Período de referência de 30 dias para procura de trabalho. 2) O Coeficiente de Variação calculado para cada uma das células das tabelas apresentadas dão uma medida da precisão dos valores. Esses coeficientes têm valores que variam a partir de zero, quando a estimativa coincide com o valor conhecido, aumentando quando o nível de precisão diminui. 9/9

COTAÇÃO DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017

COTAÇÃO DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017 DIÁRIA DAS AÇÕES DA SANEPAR - JANEIRO DE 2017 29/12/16 10,75 1,60% 2.776 4.633.800 0,75% ABERTURA 10,48-2,51% 0,75% 02/01/17 10,54 0,57% 2.255 1.131.700-1,06% 03/01/17 10,60 0,56% 4.985 2.903.200 3,73%

Leia mais

EAD Sistema CR Campeiro 7

EAD Sistema CR Campeiro 7 EAD Sistema CR Campeiro 7 Tópico 12 Análise Estatística de Modelos Digitais 8.1 Introdução Os Modelos Digitais estruturados e operados no Sistema Campeiro, consistem em um conjunto de células ordenadas

Leia mais

Aspectos metodológicos de pesquisas domiciliares por amostra

Aspectos metodológicos de pesquisas domiciliares por amostra DPE DIRETORIA DE PESQUISAS COREN COORDENAÇÃO DE TRABALHO E RENDIMENTO Aspectos metodológicos de pesquisas domiciliares por amostra 06/05/11 Censo x pesquisas por amostra Censo: investiga todos os elementos

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa e interpreta informações numéricas para

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa e interpreta informações numéricas para

Leia mais

Laboratório de Física I. Prof. Paulo Vitor de Morais

Laboratório de Física I. Prof. Paulo Vitor de Morais Laboratório de Física I Prof. Paulo Vitor de Morais Introdução Inicialmente vamos abordar: Grandezas físicas e o Sistema Internacional de Unidades (SI); Conceito de exatidão e precisão; Algarismos significativos;

Leia mais

Contabilometria. Aula 9 Regressão Linear Inferências e Grau de Ajustamento

Contabilometria. Aula 9 Regressão Linear Inferências e Grau de Ajustamento Contabilometria Aula 9 Regressão Linear Inferências e Grau de Ajustamento Interpretação do Intercepto e da Inclinação b 0 é o valor estimado da média de Y quando o valor de X é zero b 1 é a mudança estimada

Leia mais

Virgílio A. F. Almeida DCC-UFMG 2005

Virgílio A. F. Almeida DCC-UFMG 2005 Virgílio A. F. Almeida DCC-UFMG 005 O que é um bom modelo? Como estimar os parâmetros do modelo Como alocar variações Intervalos de Confiança para Regressões Inspeção Visual ! "# Para dados correlacionados,

Leia mais

27/03/2017 A EMPRESA RISCA S.A. A EMPRESA E SEUS PRODUTOS

27/03/2017 A EMPRESA RISCA S.A. A EMPRESA E SEUS PRODUTOS A EMPRESA RISCA S.A. A EMPRESA E SEUS PRODUTOS 1 PROJETANDO QUANTIDADES E VALORES DE VENDA De acordo com as premissas anteriormente apresentadas, os preços de venda deverão ser corrigidos pelo INPC, previsto

Leia mais

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis = de Instrução e = Região de procedência. Neste caso, a distribuição de freqüências é apresentada como uma tabela

Leia mais

CAPÍTULO 4 DESCRIÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS DADOS 2ª parte

CAPÍTULO 4 DESCRIÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS DADOS 2ª parte CAPÍTULO 4 DESCRIÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS DADOS 2ª parte 4.3 Medidas de posição 4.4 Medidas de dispersão 4.5 Separatrizes Prof. franke 2 Vimos que a informação contida num conjunto de dados pode ser resumida

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 12 Interpolação Parte 1 INTERPOLAÇÃO Cálculo Numérico 3/57 MOTIVAÇÃO A seguinte tabela relaciona densidade da água e temperatura:

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA FACULDADE COMUNITARIA DE RIO CLARO ANHANGUERA EDUCACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Edílson Celso Luiz Domingues Junior RA 0820290 2º Semestre ADM Taxa Interna de Retorno. TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR)

Leia mais

Prof. Paulo Vitor de Morais

Prof. Paulo Vitor de Morais Física Experimental I Prof. Paulo Vitor de Morais paulovitordmorais91@gmail.com Cronograma de práticas P1 tem 19 dias letivos; P2 tem 17 dias letivos; Serão aproximadamente 11 experimentos; A princípio

Leia mais

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza 3.1 Resistência Elétrica Resistência Elétrica

Leia mais

Interpolação polinomial: Diferenças divididas de Newton

Interpolação polinomial: Diferenças divididas de Newton Interpolação polinomial: Diferenças divididas de Newton Marina Andretta ICMC-USP 9 de maio de 2013 Baseado no livro Análise Numérica, de R. L. Burden e J. D. Faires. Marina Andretta (ICMC-USP) sme0500

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 12 Interpolação Parte 1 INTERPOLAÇÃO Cálculo Numérico 3/57 MOTIVAÇÃO A seguinte tabela relaciona densidade da água e temperatura:

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~viali/ Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis X = Grau de Instrução e Y = Região

Leia mais

Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados

Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados Determinação de medidas de posição a partir de dados agrupados Rinaldo Artes Em algumas situações, o acesso aos microdados de uma pesquisa é restrito ou tecnicamente difícil. Em seu lugar, são divulgados

Leia mais

Proporção da população com RDPC menor que meio salário-mínimo Descrição

Proporção da população com RDPC menor que meio salário-mínimo Descrição Ind03 Proporção (%) da população com RDPC menor que meio saláriomínimo, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Proporção da população com RDPC menor que meio saláriomínimo Descrição Proporção

Leia mais

Medidas de Dispersão para uma Amostra. Conteúdo: AMPLITUDE VARIÂNCIA DESVIO PADRÃO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO

Medidas de Dispersão para uma Amostra. Conteúdo: AMPLITUDE VARIÂNCIA DESVIO PADRÃO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO Medidas de Dispersão para uma Amostra Conteúdo: AMPLITUDE VARIÂNCIA DESVIO PADRÃO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO Medidas de Dispersão para uma Amostra Para entender o que é dispersão, imagine que quatro alunos

Leia mais

Métodos Estatísticos em Física Experimental

Métodos Estatísticos em Física Experimental Métodos Estatísticos em Física Experimental Compilação de termos e definições gerais de metrologia. Os termos e definições apresentadas a seguir foram extraídos da 1ª edição brasileira do Guia para Expressão

Leia mais

Proporção da população com RDPC menor que um quarto de salário-mínimo Descrição

Proporção da população com RDPC menor que um quarto de salário-mínimo Descrição Ind04 Proporção (%) da população com RDPC menor que um quarto de saláriomínimo, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Proporção da população com RDPC menor que um quarto de saláriomínimo Descrição

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA PROFª SIMONE

CINÉTICA QUÍMICA PROFª SIMONE elocidade das reações e os fatores que a influenciam CINÉTICA QUÍMICA PROFª SIMONE 2 NaN 3(s) 2 Na (s) + 3 N 2(g) 2 Fe (s) + 3/2 O 2(g) Fe 2 O 3 (s) Gás que infla o airbag ELOCIDADE MÉDIA Ferrugem Tempo=

Leia mais

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

6 Resultados. 24 Na tabela 9, no apêndice, mostramos os resultados de regressões usando a base de dados de

6 Resultados. 24 Na tabela 9, no apêndice, mostramos os resultados de regressões usando a base de dados de 6 Resultados Os resultados mostram que o racionamento afetou consideravelmente o comportamento e desempenho das firmas. A tabela 5 mostra os resultados das regressões para as duas bases de dados com o

Leia mais

Proporção da população com RDPC menor que meio salário-mínimo Descrição

Proporção da população com RDPC menor que meio salário-mínimo Descrição Ind03RNE Proporção (%) da população com RDPC menor que meio saláriomínimo, por ano, segundo Brasil, Região Nordeste, regiões Indicador Proporção da população com RDPC menor que meio saláriomínimo Descrição

Leia mais

Asas Finitas Redução dos efeitos da extremidade Efeitos da viscosidade

Asas Finitas Redução dos efeitos da extremidade Efeitos da viscosidade Método da Malha de Vórtices Método numérico para a determinação da sustentação e resistência induzida de superfícies sustentadoras Discretização da asa em planta em paineis rectangulares nos quais é colocado

Leia mais

+ DESEMPENHO REAL DO MERCADO LIVREIRO preços constantes - R$ 2016

+ DESEMPENHO REAL DO MERCADO LIVREIRO preços constantes - R$ 2016 + DESEMPENHO REAL DO MERCADO LIVREIRO 2006-2016 preços constantes - R$ 2016 Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro O que é a pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro?

Leia mais

Asas Finitas Redução dos efeitos da extremidade Efeitos da viscosidade

Asas Finitas Redução dos efeitos da extremidade Efeitos da viscosidade Redução dos efeitos da extremidade Efeitos da viscosidade Aerodinâmica I Redução dos efeitos da extremidade Efeitos da viscosidade Redução dos efeitos da extremidade Efeitos da viscosidade Redução dos

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA QUESTÕES DE CONCURSOS PÚBLICOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1) Um pesquisador que ordena uma lista de cidades segundo o ritmo de vida, do mais lento para o mais acelerado, está operando no nível de medida: (A)

Leia mais

Seleção de Variáveis e Construindo o Modelo

Seleção de Variáveis e Construindo o Modelo Seleção de Variáveis e Construindo o Modelo Seleção de modelos candidatos A idéia é selecionar um conjunto menor de variáveis explanatórias de acordo com algum(s) critério(s), e assim selecionar o modelo

Leia mais

Curso técnico Integrado de Administração

Curso técnico Integrado de Administração Curso técnico Integrado de Administração Inflação Inflação é a queda do valor de mercado ou poder de compra do dinheiro. Porém, é popularmente usada para se referir ao aumento geral dos preços. Medir a

Leia mais

Taxa Interna de Retorno

Taxa Interna de Retorno Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engª de Produção Taxa Interna de Retorno Fonte: Adaptado de Avaliação de Projetos de Invest., J.C. Lapponi, 2000

Leia mais

1. Construindo uma tabela de vida

1. Construindo uma tabela de vida 1. Construindo uma tabela de vida 2 CONSTRUINDO UMA TABELA DE VIDA SIMULAÇÕES: Todos os adultos se reproduzem num único período de reprodução anual; A mortalidade ocorre entre os períodos reprodutivos;

Leia mais

+ DESEMPENHO REAL DO MERCADO EDITORIAL preços constantes - R$ 2016

+ DESEMPENHO REAL DO MERCADO EDITORIAL preços constantes - R$ 2016 + DESEMPENHO REAL DO MERCADO EDITORIAL 2006-2016 preços constantes - R$ 2016 Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro O que é a pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro?

Leia mais

Análise da série temporal do desemprego em regiões metropolitanas do Brasil

Análise da série temporal do desemprego em regiões metropolitanas do Brasil Análise da série temporal do desemprego em regiões metropolitanas do Brasil Érica Fernanda da Cruz 1 3 Tamara Aparecida Nogueira dos Anjos 2 Thelma Sáfadi 2 1 Introdução O desemprego no Brasil é uma constante

Leia mais

De Cara pro ENEM: O Último Empurrãozinho!

De Cara pro ENEM: O Último Empurrãozinho! De Cara pro ENEM: O Último Empurrãozinho! De Cara pro ENEM: O Último Empurrãozinho! 1. A empresa E fornece linhas para telefones celulares da Companhia de Telefonia X a dois de seus funcionários. Os funcionários

Leia mais

DEFINIÇÕES DEFINIÇÕES DEFINIÇÕES INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA DEPARTAMENTO DE CONSTRUC A O CIVIL GERENCIAMENTO DE PROJETOS

DEFINIÇÕES DEFINIÇÕES DEFINIÇÕES INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA DEPARTAMENTO DE CONSTRUC A O CIVIL GERENCIAMENTO DE PROJETOS SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL GESTÃO DE CUSTOS Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2018 2 Custo Valor dos bens e serviços consumidos na produção de

Leia mais

Renda x Vulnerabilidade Ambiental

Renda x Vulnerabilidade Ambiental Renda x Vulnerabilidade Ambiental ANEXO D ANÁLISE EXPLORATÓRIA E PREPARAÇÃO DOS DADOS Identificamos tendência linear positiva. A correlação entre as variáveis é significativa, apresentando 99% de confiança.

Leia mais

DCC001 - Programação de Computadores. Lista de Exercícios 02 - Estruturas de Dados Homogêneas (Vetores).

DCC001 - Programação de Computadores. Lista de Exercícios 02 - Estruturas de Dados Homogêneas (Vetores). DCC-UFMG 1 semestre de 2007 DCC001 - Programação de Computadores Prof. Martín Gómez Ravetti Lista de Exercícios 02 - Estruturas de Dados Homogêneas (Vetores). Valor: 5 pontos 1. Escreva um algoritmo em

Leia mais

Métodos de Runge-Kutta

Métodos de Runge-Kutta Solução numérica de Equações Diferenciais Ordinárias: Métodos de Runge-Kutta Marina Andretta/Franklina Toledo ICMC-USP 31 de outubro de 2013 Baseado nos livros: Análise Numérica, de R. L. Burden e J. D.

Leia mais

aula INTERPRETAÇÃO DOS DADOS DO PLANEJAMENTO FATORIAL 2 2 META conhecer fundamentos do planejamento fatorial, vistos na aula anterior

aula INTERPRETAÇÃO DOS DADOS DO PLANEJAMENTO FATORIAL 2 2 META conhecer fundamentos do planejamento fatorial, vistos na aula anterior INTERPRETAÇÃO DOS DADOS DO PLANEJAMENTO FATORIAL 2 2 META conhecer fundamentos do planejamento fatorial, vistos na anterior OBJETIVOS Ao final desta, o aluno deverá: capacitar o aluno a manipular os dados

Leia mais

Projeto final do LabEF

Projeto final do LabEF UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Licenciatura Integrada Matemática e Física Projeto final do LabEF Autores: Acadêmico 1 Acadêmico 2 Santarém 5 de Julho de 2017 Conteúdo

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados a Gestão

Métodos Quantitativos Aplicados a Gestão Métodos Quantitativos Aplicados a Gestão Sistemas de Amortização de Empréstimos e Financiamentos Responsável pelo Conteúdo: Prof. Carlos Henrique de Jesus Costa Prof. Douglas Mandaji Unidade Sistemas

Leia mais

Cap. 4 - Estimação por Intervalo

Cap. 4 - Estimação por Intervalo Cap. 4 - Estimação por Intervalo Amostragem e inferência estatística População: consiste na totalidade das observações em que estamos interessados. Nº de observações na população é denominado tamanho=n.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA Professor: Ernesto Friedrich de Lima Amaral Disciplina: Avaliação

Leia mais

Séries Alternadas. São as séries cujos termos se alternam entre positivos e negativos. Por exemplo, ( 1) k+1 1 k =

Séries Alternadas. São as séries cujos termos se alternam entre positivos e negativos. Por exemplo, ( 1) k+1 1 k = Séries Alternadas São as séries cujos termos se alternam entre positivos e negativos. Por exemplo, ( 1) k+1 1 k = 1 1 2 + 1 3 1 4 + 1 5 Em geral escrevemos, para uma série alternada, ou ( 1) k+1 a k =

Leia mais

Diagrama de fases de uma substância pura

Diagrama de fases de uma substância pura Diagrama de fases de uma substância pura Diagrama de fases de uma substância pura Condição de equilíbrio termodinâmico Para superfícies planas, a condição de equilíbrio e igual temperatura e pressão. Para

Leia mais

Logaritmos Profº Adriano

Logaritmos Profº Adriano Logaritmos Profº Adriano Propriedades gerais dos logaritmos Os logaritmos considerados em uma base qualquer a, gozam de propriedades gerais: I) Em qualquer sistema de logaritmos, o logaritmo da própria

Leia mais

Anexo I - Estudo Populacional ANEXO I: ESTUDO POPULACIONAL

Anexo I - Estudo Populacional ANEXO I: ESTUDO POPULACIONAL ANEXO I: ESTUDO POPULACIONAL ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTUDO POPULACIONAL... 4 3. PROJEÇÕES POPULACIONAIS... 5 Folha 2 1. INTRODUÇÃO Este Estudo visa apresentar ao município de São José do Vale do

Leia mais

Custo de Vida. Copyright 2004 South-Western

Custo de Vida. Copyright 2004 South-Western Custo de Vida 16 Custo de Vida Inflação é o aumento do nível de preços geral da economia. A taxa de inflação é a mudança percentual do nível de preço em relação ao período anterior. Índice de Preço ao

Leia mais

Capitulo 4 Validação Experimental do Modelo Matemático do Trocador de Calor

Capitulo 4 Validação Experimental do Modelo Matemático do Trocador de Calor Capitulo 4 Validação Experimental do Modelo Matemático do Trocador de Calor Esse capítulo apresenta uma das contribuições importantes do presente trabalho. NOVAZZI (2006) em sua tese de doutorado desenvolveu

Leia mais

todos os elementos que se pretende analisar, sendo a amostra um subconjunto finito e representativo da mesma.

todos os elementos que se pretende analisar, sendo a amostra um subconjunto finito e representativo da mesma. Página 375 1.1 A população é constituída por todos os jogadores de basquetebol do clube A, sendo a amostra formada pelos jogadores escolhidos para serem inquiridos. Relembra que a população é o conjunto

Leia mais

30ª PESQUISA CÉLERE. Resolução 13/2012 Senado Federal

30ª PESQUISA CÉLERE. Resolução 13/2012 Senado Federal 30ª PESQUISA CÉLERE Resolução 13/2012 Senado Federal 1. Sua empresa opera com bens e mercadorias importados ou com insumos importados e estes atingem o percentual de ou mais do valor do produto vendido

Leia mais

Anexo I - Estudo Populacional ANEXO I: ESTUDO POPULACIONAL

Anexo I - Estudo Populacional ANEXO I: ESTUDO POPULACIONAL ANEXO I: ESTUDO POPULACIONAL ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTUDO POPULACIONAL... 4 3. PROJEÇÕES POPULACIONAIS... 5 Folha 2 1. INTRODUÇÃO Este Estudo visa apresentar ao município de São José do Vale do

Leia mais

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00*

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00* INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % 1994 916,43 1995 22,41 1996 9,56 1997 5,22 1998 1,66 1999 8,94 2000 5,97 2001 7,67 2002 12,53 2003 9,30 2004 7,00* * Previsão Fonte: Estado de Minas, 1 o Julho de 2004 - Especial

Leia mais

O resultado da medição na presença de várias fontes de incertezas

O resultado da medição na presença de várias fontes de incertezas O resultado da medição na presença de várias fontes de incertezas Determinação da incerteza de medição em oito passos P1 Analise o processo de medição P2 Identifique as fontes de incertezas P3 Estime a

Leia mais

QUI 154/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Estatística (parte 1)

QUI 154/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Estatística (parte 1) Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 154/150 Química Analítica V Análise Instrumental Aula 1 Estatística (parte 1) Prof. Julio C. J. Silva Juiz

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Sindipetro RJ. Petroleiros do Rio de Janeiro. Deflatores: IPCA-IBGE INPC-IBGE. julho de 2012

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Sindipetro RJ. Petroleiros do Rio de Janeiro. Deflatores: IPCA-IBGE INPC-IBGE. julho de 2012 EVOLUÇÃO SALARIAL Categoria: Petroleiros do Rio de Janeiro Deflatores: IPCA-IBGE INPC-IBGE julho de 2012 Este trabalho contém o estudo sobre o comportamento dos salários desde 01-setembro-2011 até 31-agosto-2012

Leia mais

PREPARAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ORÇAMENTOS VARIÁVEIS DE DESPESAS. Tiago Pereira

PREPARAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ORÇAMENTOS VARIÁVEIS DE DESPESAS. Tiago Pereira PREPARAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ORÇAMENTOS VARIÁVEIS DE DESPESAS Tiago Pereira 1 O QUE É ISSO? Escalas de custos ou despesas que indicam, para cada subdivisão da empresa, de que modo cada item de despesa deve

Leia mais

BCC201 Introdução à Programação ( ) Prof. Reinaldo Silva Fortes. Prática 04 Estruturas de Dados Homogêneas Vetores

BCC201 Introdução à Programação ( ) Prof. Reinaldo Silva Fortes. Prática 04 Estruturas de Dados Homogêneas Vetores Professor David Menotti (menottid@gmail.com) BCC0 Introdução à Programação (0-0) Prof. Reinaldo Silva Fortes Prática 0 Estruturas de Dados Homogêneas Vetores ) Escreva um programa que armazene em um vetor

Leia mais

Métricas de Software

Métricas de Software Métricas de Software Plácido Antônio de Souza Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de

Leia mais

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese 2.3 - Medidas de Síntese Além das tabelas e gráficos um conjunto de dados referente a uma variável QUANTITATIVA pode ser resumido (apresentado) através de Medidas de Síntese, também chamadas de Medidas

Leia mais

Utilização do modelo Holt-Winters para previsão das vendas de leite em um laticínio no oeste paranaense

Utilização do modelo Holt-Winters para previsão das vendas de leite em um laticínio no oeste paranaense Utilização do modelo Holt-Winters para previsão das vendas de leitm um laticínio no oeste paranaense Anariele Maria Minosso 1 Silvana Lígia Vincenzi Bortolotti 2 Katiane de Oliveira 3 1 Introdução A cadeia

Leia mais

Esclarecimento: VARIÁVEL: as variações do mensurando são maiores que a incerteza expandida do SM

Esclarecimento: VARIÁVEL: as variações do mensurando são maiores que a incerteza expandida do SM Esclarecimento: VARIÁVEL: as variações do mensurando são maiores que a incerteza expandida do SM INVARIÁVEL: as variações do mensurando são inferiores à incerteza expandida do SM O resultado da medição

Leia mais

MNPEF. Laboratório: introdução e Conceitos básicos. Prof. José Antonio Souza CCNH UFABC

MNPEF. Laboratório: introdução e Conceitos básicos. Prof. José Antonio Souza CCNH UFABC MNPEF Laboratório: introdução e Conceitos básicos. Prof. José Antonio Souza CCNH UFABC Apresentação da Disciplina Proposta Propor e realizar experimentos de física moderna e clássica O conteúdo pode ser

Leia mais

Elasticidade. Copyright 2004 South-Western

Elasticidade. Copyright 2004 South-Western Elasticidade 5 Copyright 2004 South-Western Copyright 2004 South-Western/Thomson Learning Elasticidade Permite analisar oferta e demanda com precisão. Mede o quanto compradores e vendedores respondem a

Leia mais

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JEQUIÁ ATRAVÉS DOS MÉTODOS BLANEY- CRIDDLE E THORNTHWAITH

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JEQUIÁ ATRAVÉS DOS MÉTODOS BLANEY- CRIDDLE E THORNTHWAITH UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JEQUIÁ ATRAVÉS DOS MÉTODOS BLANEY- CRIDDLE E THORNTHWAITH Carlos Alberto Inacio da Silva Mestrando em Recursos

Leia mais

COMPARAÇÃO DE SISTEMAS USANDO DADOS DE AMOSTRAS. Capítulo 13 do livro: The Art of Computer Systems Performance Analysis

COMPARAÇÃO DE SISTEMAS USANDO DADOS DE AMOSTRAS. Capítulo 13 do livro: The Art of Computer Systems Performance Analysis COMPARAÇÃO DE SISTEMAS USANDO DADOS DE AMOSTRAS Capítulo 13 do livro: The Art of Computer Systems Performance Analysis Uma Amostra é apenas um Exemplo As palavras inglesas sample (amostra) e example (exemplo)

Leia mais

Capítulo 9. Método de Rippl

Capítulo 9. Método de Rippl Capítulo 9 Método de Rippl Os hidrologistas se preocupam basicamente com três objetivos: o uso da água, o controle da água e o controle da poluição da água David Maidment, 1993 Seção Capítulo 9-Método

Leia mais

Modelos de Regressão Linear Simples - parte I

Modelos de Regressão Linear Simples - parte I Modelos de Regressão Linear Simples - parte I Erica Castilho Rodrigues 19 de Agosto de 2014 Introdução 3 Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Usar modelos de regressão para construir

Leia mais

Modelos de Regressão Linear Simples parte I

Modelos de Regressão Linear Simples parte I Modelos de Regressão Linear Simples parte I Erica Castilho Rodrigues 27 de Setembro de 2017 1 2 Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Usar modelos de regressão para construir modelos

Leia mais

Tratamento de dados e representação das incertezas em resultados experimentais

Tratamento de dados e representação das incertezas em resultados experimentais Tratamento de dados e representação das incertezas em resultados experimentais Medida, erro e incerteza Qualquer medida física sempre possui um valor verdadeiro, que é sempre desconhecido e um valor medido.

Leia mais

Topografia NIVELAMENTO

Topografia NIVELAMENTO Topografia NIVELAMENTO Macedo, M.Sc. Poli, Brasil.. 2014 2/17 Levantamento Nivelamento É o conjunto de métodos e procedimentos necessários à obtenção das distâncias verticais em relação a uma superfície

Leia mais

ELETROTÉCNICA - 1 /58. Parte A. Resistores ELETRICIDADE - 1/58.

ELETROTÉCNICA - 1 /58. Parte A. Resistores ELETRICIDADE - 1/58. ELETROTÉCNICA - 1 /58. Parte A Resistores ELETRICIDADE - 1/58. ELETROTÉCNICA - 2 /58. Resistores Resistência depende de: Material; Comprimento; Área da seção reta; Temperatura. ELETRICIDADE - 2/58. ELETROTÉCNICA

Leia mais

RECEITAS E DESPESAS ANTECIPADAS. OPERAÇÕES COM SEGUROS. DEPRECIAÇÃO.

RECEITAS E DESPESAS ANTECIPADAS. OPERAÇÕES COM SEGUROS. DEPRECIAÇÃO. Contabilidade Carreiras Policiais RECEITAS E DESPESAS ANTECIPADAS. OPERAÇÕES COM SEGUROS. DEPRECIAÇÃO. Gustavo Muzy RECEITAS E DESPESAS ANTECIPADAS As receitas e despesas antecipadas, também chamadas de

Leia mais

Determinantes Sociais de Saúde Indicadores socioeconômicos

Determinantes Sociais de Saúde Indicadores socioeconômicos Ind3 - Proporção (%) da população com RDPC menor que meio salário-mínimo, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Proporção da população com RDPC menor que meio salário-mínimo Descrição Proporção

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ASPECTOS METODOLÓGICOS

MERCADO DE TRABALHO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ASPECTOS METODOLÓGICOS MERCADO DE TRABALHO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ASPECTOS METODOLÓGICOS Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada Center for Advanced Studies on Applied Economics Mercado de trabalho do agronegócio

Leia mais

14. Distribuição de Probabilidade para Variáveis Aleatórias Contínuas

14. Distribuição de Probabilidade para Variáveis Aleatórias Contínuas 4. Distribuição de Probabilidade para Variáveis Aleatórias Contínuas Os valores assumidos por uma variável aleatória contínua podem ser associados com medidas em uma escala contínua como, por exemplo,

Leia mais

Lista de Exercícios Algoritmos Vetores. 10) Escreva um algoritmo em PORTUGOL que armazene em um vetor todos os números

Lista de Exercícios Algoritmos Vetores. 10) Escreva um algoritmo em PORTUGOL que armazene em um vetor todos os números Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG Instituto de Ciências Eatas - ICE Disciplina: Programação de Computadores Professor: David Menoti (menoti@dcc.ufmg.br) Monitor: João Felipe Kudo (joao.felipe.kudo@terra.com.br)

Leia mais

ANÁLISE DA VARIAÇÃO POPULACIONAL E DO PIB DE BENTO GONÇALVES ATRAVÉS DA MODELAGEM MATEMÁTICA

ANÁLISE DA VARIAÇÃO POPULACIONAL E DO PIB DE BENTO GONÇALVES ATRAVÉS DA MODELAGEM MATEMÁTICA ANÁLISE DA VARIAÇÃO POPULACIONAL E DO PIB DE BENTO GONÇALVES ATRAVÉS DA MODELAGEM MATEMÁTICA F. Salvalaggio 1, M. A. Carraro 2, J. A. T. Schulz 3 RESUMO: Neste artigo apresentamos uma análise da variação

Leia mais

REGRESSÃO E CORRELAÇÃO

REGRESSÃO E CORRELAÇÃO Vendas (em R$) Disciplina de Estatística 01/ Professora Ms. Valéria Espíndola Lessa REGRESSÃO E CORRELAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A regressão e a correlação são duas técnicas estreitamente relacionadas que envolvem

Leia mais

Determinantes Sociais de Saúde Indicadores socioeconômicos

Determinantes Sociais de Saúde Indicadores socioeconômicos Ind124 - Proporção (%) da população com RDPC menor que um quarto de salário-mínimo, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Proporção da população com RDPC menor que um quarto de salário-mínimo

Leia mais

CUSTO UNITÁRIO BÁSICO PARA SANTA ROSA - RS 1

CUSTO UNITÁRIO BÁSICO PARA SANTA ROSA - RS 1 CUSTO UNITÁRIO BÁSICO PARA SANTA ROSA - RS 1 Gabriela Meller 2, Cristina Eliza Pozzobon 3. 1 Monografia de Conclusão de Curso em Engenharia Civil 2 Aluna egressa do curso de Engenharia Civil, UNIJUÍ; gabrielameller0@gmail.com

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Novembro de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva Introdução ao curso de Física Experimental I Cronograma do curso Método de avaliação Método para confecção dos relatórios Horário de atendimento aos alunos Disponibilização

Leia mais

Cap. 4- Interpolação Numérica Definições. Censos de BH. Qual o número de habitantes na cidade de Belo Horizonte em 1975?

Cap. 4- Interpolação Numérica Definições. Censos de BH. Qual o número de habitantes na cidade de Belo Horizonte em 1975? Cap. 4- Interpolação Numérica 4.1. Definições Censos de BH População em BH (Habitantes,5,,, 1,5, 1,, 5, 194 196 198 Ano Ano 195 196 197 198 1991 1996 1 No. habitantes 5.74 68.98 1.5. 1.78.855..161.91.71.8.56.75.444

Leia mais

Universitário s/nº, Alegre-ES, CEP: , Caixa Postal 16,

Universitário s/nº, Alegre-ES, CEP: , Caixa Postal 16, FAO- CORRECTED PENMAM: ESTIMATIVA DA ET E COMPARAÇÃO COM O MÉTODO DE PENMAN-MONTEITH FAO Glaucio L. Araujo, Leonardo C. Lacerda, Camila Aparecida da S. Martins, Rogério R. Rodrigues, Aline A. Nazário,

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Janeiro de 2017 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

Renato Martins Assunção

Renato Martins Assunção Análise Numérica Erros, Extrapolação de Richardson e Quadratura Gaussiana Renato Martins Assunção DCC - UFMG 2012 Renato Martins Assunção (DCC - UFMG) Análise Numérica 2012 1 / 40 Análise do erro Sabemos

Leia mais

MORTALIDADE DE IDOSOS POR DOENÇAS CARDIOLÓGICAS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB

MORTALIDADE DE IDOSOS POR DOENÇAS CARDIOLÓGICAS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB MORTALIDADE DE IDOSOS POR DOENÇAS CARDIOLÓGICAS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB Msc. Elídio Vanzella- Ensine Faculdades; Estácio. INTRODUÇÃO No ano de 1990 o governo brasileiro, pelo menos no campo das intenções,

Leia mais

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016 Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial Brasília, julho de 2016 Coeficientes de abertura comercial Estrutura 1. O que são os coeficientes de exportação e penetração de importações?

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Junho de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

Introdução ao modelo de Regressão Linear

Introdução ao modelo de Regressão Linear Introdução ao modelo de Regressão Linear Prof. Gilberto Rodrigues Liska 8 de Novembro de 2017 Material de Apoio e-mail: gilbertoliska@unipampa.edu.br Local: Sala dos professores (junto ao administrativo)

Leia mais

Cap. 8 - Intervalos Estatísticos para uma Única Amostra

Cap. 8 - Intervalos Estatísticos para uma Única Amostra Intervalos Estatísticos para ESQUEMA DO CAPÍTULO 8.1 INTRODUÇÃO 8.2 INTERVALO DE CONFIANÇA PARA A MÉDIA DE UMA DISTRIBUIÇÃO NORMAL, VARIÂNCIA CONHECIDA 8.3 INTERVALO DE CONFIANÇA PARA A MÉDIA DE UMA DISTRIBUIÇÃO

Leia mais