Processos. uso do látex em Odontologia. gia. Pág. 8. Evolução da Ortodontia Pág. 6. Vigilância Sanitária nos Estabelecimentos Odontológicos Pág.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processos. uso do látex em Odontologia. gia. Pág. 8. Evolução da Ortodontia Pág. 6. Vigilância Sanitária nos Estabelecimentos Odontológicos Pág."

Transcrição

1 Processos alérgicos decorrentes entes do uso do látex em Odontologia gia Pág. 8 Churrasco comemorativo ao Dia do Dentista Pág. 5 Evolução da Ortodontia Pág. 6 Vigilância Sanitária nos Estabelecimentos Odontológicos Pág. 10 Cursos de Especialização na ABO/SP e nas Regionais - Págs. 14 e 16

2 2 Informativo ABO News - n o 14

3 Julho/Agosto/2005 3

4 EDITORIAL Revista ABO News O Informativo ABO News em forma de jornal é agora substituído pela Revista ABO News. Este novo formato continuará sendo o veículo de informações e de divulgação da ABO/SP, muito embora passe a apresentar, com mais freqüência, matérias de interesse para o Cirurgião-Dentista clínico geral ou especialista, em suas necessidades do dia-adia nos consultórios. Os constantes reclamos das empresas quanto à qualidade dos anúncios em papel jornal comparado com o que se consegue em papel-couchê foram um dos motivos que nos levaram a esta modificação. Outro argumento é o de que as revistas, de modo geral, permanecem mais tempo sobre a mesa dos profissionais, possibilitando consultas constantes tanto nas atividades científicas publicadas quanto nos produtos anunciados; já os jornais são descartados de forma mais imediata. Há de se acrescentar que também tínhamos este objetivo por julgar que nossos colegas merecem sempre o melhor nos diversos aspectos que são da responsabilidade da entidade. Continuaremos reservando um mínimo de 50% de espaço para os conteúdos informativos, ficando o restante para a publicidade. Assuntos de natureza clínico-científica merecerão também maior atenção e, dada a nova constituição do corpo editorial, todas as matérias recebidas serão encaminhadas ao professor responsável pela especialidade, que, julgando-as de interesse, as enviará para publicação. O corpo editorial agora é composto por todos os professores coordenadores de nossos cursos de especialização, facilitando, assim, um minucioso exame das matérias. Vale lembrar que, não sendo uma revista indexada, suas publicações são de caráter informativo. Temos a certeza de que a Revista ABO NEWS será do agrado de todos e estamos abertos a sugestões que possam melhorála a cada edição. Dr. José Silvestre Presidente Presidente José Silvestre 1 o Vice-Presidente Vanderlei Pereira Cassiano 2 o Vice-Presidente Cláudia A. V. Araújo Secretário-Geral Ney Macedo França 1º Secretário José Alberto Silvestre ABO/ABC Presidente: Mara Cinthia Fernandes R. Baraldi, São Caetano Sul SP - CEP Fone: (11) ABO/Araçatuba Presidente: Artênio José Isper Garbini Av. Brasília, Araçatuba - SP CEP Fone: (18) ABO/Araraquara Presidente: Marcia A. Gandini R. Itália, Centro - Araraquara SP - CEP Fone: (16) ABO/Bauru Presidente: Celso Kenji Nishiyama R. Maria C. Arantes Ramos, 2-41 Bauru - SP - CEP Fone: (14) ABO/Birigui Presidente: José Ricardo Kina R. Barão do Rio Branco, Birigui - SP - CEP Fone: (18) Editores Responsáveis Isaac Tobias Blachman Mário Cappellette Júnior Renato M. Stempniewiski Implantodontia Flávio de Ávila Kfouri O Informativo ABO News é uma publicação bimestral da Associação Brasileira de Odontologia Seção São Paulo Diretor José Silvestre Fone: (11) / Jornalista Responsável Israel Correia de Lima - Mtb Fones: (11) / Associação Brasileira de Odontologia / Seção São Paulo. Entidade fundada em 11/6/2001. Sede: Rua Dr. Olavo Egídio, Santana São Paulo - SP - CEP Fones (11) e Site: Tesoureiro-Geral Nilsom Tenório M. de Albuquerque 1º Tesoureiro Luís Roberto Lima Rodrigues Diretor Científico Ricardo Colombo Penteado Diretor da ERAP Mário Cappellette Júnior Diretor de Informática Alexandre Zanesco REGIONAIS ABO/Campinas Presidente: Marcelo de Sá Zamperlini Av. José de Souza Campos, 252 Campinas - SP - CEP Fone: (19) ABO/Catanduva Presidente: Rodrigo Teixeira Macri R. Bahia, Catanduva - SP CEP Fone: (17) ABO/Guarulhos Presidente: Vicente Gabriel Rua Mantena, 5 - Guarulhos - SP CEP Fone: (11) ABO/Lins Presidente: Andre César Trevisi Zanelato R. Luis Gama, Lins - SP CEP Fone: (18) ABO/Osasco Presidente: Flávio de Ávila Kfouri Av. D. Pedro I, Bela Vista São Paulo - SP - CEP Fone: (11) CORPO EDITORIAL Cirurgia e Traumatologia Antonio Renato Sanches Colucci Odontopediatria Maria Salete Nahas Pires Correia Prótese Orlando Magalhães Filho Rogério Adib Kayrala EXPEDIENTE Revisão Cibely Aguiar de Souza Fone: (11) Direção de Arte / Diagramação Guilherme Gonçalves Fones: (11) / Publicidade Rose Almeida Fones: (11) / Diretora de Patrimônio Lúcia Cappellette Carezzatto Diretores de Prevenção e Saúde Coletiva João Carlos Coelho de Faria Fabiano Vilhena Diretoras Social e Cultura Graziela Y. Jabbour Rosa Maria Cardoso Diretores de Turismo Roberto Miguita Juscelino Kojima ABO/Presidente Prudente Presidente: Reginaldo Cesar Zanelato Av. Washington Luis, Presidente Prudente - SP CEP Fone: (18) ABO/Ribeirão Preto Presidente: Cristiano Augusto Alvarenga Av. Independência, 3.145, Sl. 20 Ribeirão Preto - SP CEP Fone: (16) ABO/São José dos Campos Presidente: Ary Cardoso Terra Av. Nove de Julho, 221 São José dos Campos - SP CEP Fone: (12) ABO/Sertãozinho Presidente: Eduardo Mendes Gotardo Av. Afonso Trigo, Sertãozinho - SP Fone: (16) Dentística Ricardo Amore Endontia Lucia Cappellette Carezzato Periodontia Nelson Thomas Lascala Junior Impressão Soft Editora Tiragem 20 mil exemplares Distribuição gratuita O Informativo ABO News não se responsabiliza pelos serviços e produtos de empresas que anunciam neste veículo, as quais estão sujeitas às normas de mercado e do Código de Defesa do Consumidor. Artigos assinados ou conceitos emitidos são de responsabilidade exclusiva dos autores. Permitida a reprodução de textos desde que citada a fonte. 4 Informativo ABO News - n o 14

5 Dia do Dentista Comemoração ao Dia do Dentista Participe do churrasco comemorativo ao Dia do Dentis- ta que será realizado no dia 22 de outubro, das 10h às 17h, em Cabreúva, no Sítio Santo Antônio, no bairro Jacaré. O local oferece ampla área de lazer com campo de futebol, quadra de tênis, piscina e demais dependências. A adesão é de R$ 30,00 por pessoa e crianças até 10 anos não pagam. Fale ale com a ABO/SP Secretaria etaria Geral Daniela ou Cristiane Tel.: (11) Benefícios e Serviços Francisca ou Haifa Telefax: (11) Departamento de Congresso Tel.: (11) Presidente Julho/Agosto/2005 5

6 Tecnologia Evolução da Ortodontia A preocupação com a maloclusão dental é um aspecto que há muito preocupa os profissionais da saúde. Já no antigo Egito, bem como entre os Maias, foram encontrados aparelhos rudimentares cujo objetivo era tentar corrigir a maloclusão dental. Com o passar dos anos, a Odontologia e, particularmente, a especialidade da Ortodontia e Ortopedia Facial, passou por um avanço tanto nas técnicas como nos materiais utilizados, possibilitando, atualmente, aumentar o intervalo entre as consultas, sem que haja prejuízo algum para as estruturas bucais. No início do século XX, os fios empregados na Ortodontia eram compostos por ligas Braquete atual dos bráquetes, e o tempo de tratamento, ligeiramente aumentado em alguns casos. Quanto às técnicas, a Ortodontia passou por períodos pendulares distintos entre tratamento não extracionista e extracionista. Atualmente, com os avanços na área de crescimento facial e o surgimento de novos recursos associados ao avanço tecnológico, os tratamentos tornaram-se muito mais eficientes e confortáveis aos pacientes. A Ortodontia atual disponibiliza bráquetes programados em diversas prescrições, ou até mesmo autoligados, que eliminam o amarrilho e, associados a fios superelásticos, praticamente dispensam o emprego de alças nos Tratamento antigo de ouro, substituídas por aço na década de Na década de 1970, surgiram novas ligas e, hoje, é possível utilizar fios superelásticos termoativados, os quais atuam pelas trocas térmicas da cavidade oral. Não podemos nos esquecer do fator estético, que, na Odontologia atual, tem grande destaque, pois está presente não só na parte clínica, mas também na Ortodontia. O mercado oferta tanto fios estéticos (Teflon) como de bráquetes (cerâmicos), que podem ser utilizados em praticamente todos os pacientes sem que se haja maiores danos ao tratamento, como o conforto, por causa do tamanho Fios utilizados atualmente Tratamento atual fios de nivelamento, aumentando consideravelmente o conforto e a eficiência do tratamento ortodôntico. O que se discute atualmente é a possibilidade de se fazer moldagem do paciente e scanear os modelos para que sejam confeccionados bráquetes individualizados para a maloclusão do paciente. Prof. Dr. Mário Cappellette Jr. Coordenador do Curso de Especialização em Ortodontia e Ortopedia Facial 6 Informativo ABO News - n o 14

7 Assessoria jurídica Às terças e quintas-feiras o advogado Hugo Fernandes Salles faz plantões na sede da ABO/SP, das 8h às 12h e das 13h às 17h, para atender os associados. Mais informações pelos fones (11) e Julho/Agosto/2005 7

8 Alergia Processos alérgicos decorrentes do uso do látex em Odontologia Os profissionais da área da saúde, além da constante preocupação com o bem-estar dos pacientes, possuem responsabilidades inerentes à própria profissão, como a biossegurança. O uso de luvas de borracha representa parte dessas responsabilidades, sendo eficaz na prevenção da transmissão de doenças infecto-contagiosas. Diversos produtos médico-odontológicos são constituídos de látex, substância extraída da seiva da árvore Hevea brasiliensis (popularmente conhecida como seringueira), que é combinado com produtos químicos antioxidantes e aceleradores, responsáveis pela força, elasticidade e estabilidade do produto final. Dessa forma, reações imunológicas exacerbadas podem ocorrer frente ao contato com as proteínas do látex e, dada a elevada freqüência de uso, pode ocorrer o aumento da incidência desta hipersensibilidade. Fatores genéticos podem condicionar a susceptibilidade do organismo aos antígenos, e o estado emocional também está diretamente relacionado à potencialização ou amenização do quadro sintomatológico. Aproximadamente 17% da equipe de saúde americana tem sido acometida por algum tipo de hipersensibilidade. Entretanto, constata-se que muitos profissionais desconhecem os riscos relacionados ao látex, bem como o modo de prevenir a alergia que ele desencadeia. Mãos secas e rachadas, úlceras na pele, edema na região de contato, tosse, espirros, prurido nos olhos são alguns dos sintomas vivenciados por inúmeros profissionais da área de saúde, principalmente cirurgiõesdentistas, devido ao uso constante e prolongado das luvas de látex. Ao paciente, os sintomas e os riscos são os mesmos, mas cabe ao profissional tomar medidas preventivas durante o atendimento odontológico, evitando essas complicações. O processo mais comum de exposição ao látex ocorre pelo contato direto da pele com o produto, pois as proteínas extraídas do látex são altamente solúveis e, conseqüentemente, são absorvidas rapidamente pela pele. A absorção pode ser ainda mais rápida em decorrência do suor das mãos. A alergia ao látex é uma reação imunológica a certas proteínas contidas na borracha. A quantidade necessária de exposição ao látex capaz de produzir sensibilização do organismo ou alergia ainda é desconhecida. Sabe-se que o aumento da freqüência de exposições às proteínas do látex aumenta o risco de desenvolvimento dos sintomas alérgicos. Em indivíduos já sensibilizados, os sintomas normalmente têm início imediatamente após o contato com o látex, mas podem ocorrer horas depois, apresentando inúmeras variações clínicas. Existe também a forma indireta de exposição às proteínas do látex, através do talco adicionado às luvas com a finalidade de facilitar sua colocação. As proteínas ficam aderidas ao talco e, suspensas no ambiente de trabalho, podem ser inaladas pelo profissional e pelo paciente. Em contato direto com a mucosa, estas proteínas são absorvidas mais rapidamente do que pelo contato com a pele. Estudos indicaram ainda que este 8 Informativo ABO News - n o 14

9 talco, carregado de proteínas alergênicas da borracha, pode permanecer em suspensão por até 12 horas. Daí a explicação do envolvimento do sistema respiratório em casos de reações alérgicas ao látex. A reação mais comum ao látex é a dermatite de contato irritante. Não é considerada uma alergia verdadeira, pois não envolve o sistema imunológico. Ela é caracterizada por ressecamento, prurido, vermelhidão e irritação da pele, normalmente nas mãos. Essa reação é causada pelo uso de luvas (contato direto com o látex) e pela exposição ao talco a elas adicionado. A dermatite de contato alérgica, chamada dermatite química sensitiva ou hipersensibilidade tardia tipo IV, é causada por substâncias químicas adicionadas às luvas durante sua manufatura. Pode aparecer em um ou dois dias após o contato com o látex, sendo limitada à área de contato da pele com o produto. É caracterizada por prurido, dor, suor, pápulas na pele, mãos secas e rachadas e bolhas cutâneas com secreção. Já a alergia verdadeira, potencialmente mais severa, é conhecida como hipersensibilidade tipo I, mediada pelo sistema imunológico (IgE e histamina). Esta pode ocorrer segundos após a exposição ao látex. As partículas absorvidas do látex são identificadas pelo sistema imunológico como antígenos. Dessa forma, as células B são ativadas para sintetizar anticorpos IgM e IgG. Assim, se o indivíduo tornarse sensível ao antígeno, a resposta do sistema será anormal. Esse tipo de reação pode desenvolver sintomas locais ou gerais, dependendo do lugar e do tipo da exposição. A presença dessa reação indica a chance, embora mais rara, de choque anafilático. Os procedimentos a serem adotados nos casos de reações alérgicas ao látex dependem dos sintomas manifestados pelo paciente. Mesmo quando não houver complicações mais sérias, o atendimento odontológico deve ser imediatamente interrompido e o paciente deverá ser medicado via oral - com um fármaco antihistamínico. Caso o paciente manifeste sintomas mais graves, o profissional deve estar preparado para tomar medidas emergenciais e/ou encaminhar o paciente com rapidez a um serviço de emergência hospitalar. A adoção de medidas preventivas pode contribuir para reduzir os riscos de desenvolvimento da alergia ao látex: se possível, usar luvas sem adição de talco. Estas luvas reduzem a exposição às proteínas do látex por esta fonte e, conseqüentemente, o risco de alergia; certificar-se de que a limpeza do ambiente de trabalho está sendo feita correta e regularmente, para que o pó contendo as proteínas extraídas do látex esteja sendo removido; estar alerta para identificar os sintomas de alergia ao látex; esclarecer-se quanto às medidas preventivas e aos riscos relacionados ao látex. Claudia Cristina Golin - Cirurgiã-dentista. Ex-estagiária da disciplina de Clínica Integrada da Faculdade de Odontologia da USP Carlos Alberto Adde e Flávio Eduardo Guillin Perez - Professores doutores da disciplina de Clínica Integrada da Faculdade de Odontologia da USP Irineu Gregnanin Pedron - Periodontista. Mestrando da disciplina de Clínica Integrada da Faculdade de Odontologia da USP Julho/Agosto/2005 9

10 Saúde A prática da Vigilância Sanitária nos Estabelecimentos de Assistência Odontológica (EAO) do Município de São Paulo Em serviços de saúde, qualidade e risco são características indissociáveis. Assim, podemos considerar vigilância um conjunto de ações que atuam na normatizacão de atividades técnicas. Para manter uma constante organização e operacionalização nestes serviços, bem como para obter um resultado final satisfatório que vise a proteger a saúde da população e dos profissionais envolvidos, diversas ações de vigilância são necessárias. Vistoria nos EAO - Todos os locais em que se realiza algum tipo de atendimento odontológico a pacientes são considerados Estabelecimentos de Assistência Odontológica. Os laboratórios de prótese dentária também fazem parte de estabelecimentos que são vistoriados mediante roteiro e resoluções técnicas específicas. A abordagem das questões relacionadas à vistoria nos EAO ainda é um assunto bastante incompreendido pelos profissionais da área. Pensando em vigilância epidemiológica como um todo, é possível compreender a razão pela qual a avaliação passa a ser cada vez mais rigorosa. Visa-se à garantia de que as condições de biossegurança necessárias não comprometam a saúde dos pacientes e dos profissionais envolvidos a curto e longo prazo. Na Prefeitura do Município de São Paulo, a Vigilância Sanitária, que passou a responder por todas as ações de vigilância a partir de abril de 2004, a Secretaria Municipal da Saúde, através da Coordenação de Vigilância Sanitária (Covisa), e especificamente o setor que cuida dos serviços contam com uma equipe multiprofissional responsável pela fiscalização de todos os estabelecimentos de assistência à saúde ou diretamente ligados à saúde, tais como: clínicas, consultórios médicos, consultórios odontológicos, laboratórios de prótese, serviços de tatuagem e piercing, acupuntura, casas de repouso, cabeleireiros etc. A inspeção sanitária ou vistoria baseia-se no Código Sanitário do Município de São Paulo, Lei n , de 9 de janeiro de 2004, regulamentado pelo Decreto n , de 7 de abril de 2004, bem como na legislação estadual e federal. A autoridade sanitária responsável pela inspeção ou vistoria nos EAO não precisa ser necessariamente um cirurgião-dentista: qualquer profissional integrante da equipe, constituído legalmente como autoridade sanitária, treinado e capacitado, está habilitado para realizar tais inspeções. Nas inspeções dos EAO, utiliza-se como instrumento de orientação um Roteiro, o qual garante que o critério utilizado nas inspeções seja padronizado e rigorosamente cumprido. Elaborado pelo Centro de Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo, o Roteiro de Inspeção faz parte da Resolução SS n. 15, de 18 de janeiro de 1999, resolução esta válida no Estado de São Paulo e que orienta e regulamenta a montagem e instalação de consultórios e clínicas odontológicas. Foram feitas algumas modificações e adaptações para o seu uso no Município de São Paulo. No ato da inspeção, a autoridade sanitária apresenta-se devidamente identificada, explicando o motivo da visita ao proprietário ou responsável presente no local. Segundo a lei, a sua entrada não pode ser obstruída, por caracterizar infração sanitária e sendo passível de penalidade. O cirurgião-dentista pode receber a visita de uma autoridade sanitária por três motivos: cadastramento inicial (o proprietário entra com pedido para obter a sua licença sanitária ou outras solicitações processuais); denúncia anônima (qualquer pessoa pode denunciar irregularidade em estabelecimentos que prestam serviços à saúde); ou busca ativa (inspeção feita aleatoriamente, mediante programação local específica). Além disso, é função da Vigilância Sanitária monitorar os serviços de saúde em ações de acompanhamento quantitativo e qualitativo da situação de risco à qual a população está exposta. A inspeção - O primeiro passo da inspeção sanitária é verificar se o estabelecimento possui licença sanitária (documento emitido pelo Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - Sivisa) e se o responsável técnico 10 Informativo ABO News - n o 14

11 ou responsável técnico substituto está presente. O fato de já possuir a licença, entretanto, não significa que o estabelecimento está dentro dos padrões preconizados pela legislação, pois muitos daqueles que, no ato da inspeção, estão em condições sanitárias adequadas, após deferimento da licença sanitária não se preocupam com a manutenção dessas condições. O segundo passo é o preenchimento do Roteiro de Inspeção, no qual constam as especificações quanto ao tipo de atividade exercida no EAO e os itens importantes a serem avaliados. Os problemas considerados mais graves estão nos requisitos imprescindíveis do Roteiro de Inspeção e incluem os critérios de esterilização, desinfecção, descontaminação e acondicionamento de instrumentais, ou seja, os cuidados com a biossegurança. Requisitos considerados necessários incluem itens como condições de edificação e sua situação física, condições gerais de limpeza e higiene, utilização de materiais descartáveis, uso de equipamentos de proteção individual, monitoramento dos processos de esterilização, entre outros. Cabe, então, à autoridade sanitária classificar os EAO para a seqüência do procedimento a ser adotado. Estando tudo de acordo, o estabelecimento está apto a funcionar, sendo deferido o Cadastro Municipal de Vigilância Sanitária (CMVS). Quem possuir aparelho de Raios-X deve também cadastrar este equipamento e manter atualizados os laudos radiométricos e o controle de qualidade, que serão conferidos pela autoridade sanitária. Também é importante lembrar que em municípios nos quais há serviços de coleta especial de resíduos, como é o caso de São Paulo, é necessário que os estabelecimentos de saúde sejam cadastrados nos órgãos competentes (Limpurb), para que os resíduos sejam recolhidos em coleta especial (Resíduos de Serviços de Saúde). Anualmente, é necessário solicitar a renovação do CMVS. Sobre as penalidades - Após análise local, verificado qualquer risco à saúde, a autoridade sanitária deverá lavrar um Auto de Infração (AI), que representa uma desobediência ou inobservância à legislação sanitária. Um relatório desta análise será elaborado pela autoridade e anexado ao AI. A autoridade sanitária decidirá, sempre baseada nas normas sanitárias, as medidas referidas nas situações de perigo ou de risco que possam causar dano à saúde. Após a lavratura do AI, um prazo de até 10 dias é dado para a apresentação da defesa do interessado. Muitas vezes neste período se faz necessário interditar parcial ou totalmente o estabelecimento (ou o equipamento), para que se possa, em um prazo pactuado, providenciar as adequações apontadas como imprescindíveis e necessárias, bem como propor um cronograma de adequações. Posteriormente, lavra-se um Auto de Imposição de Penalidade (AIP), que pode ser uma advertência, interdição parcial e total ou multa, variando de acordo com o grau de risco à saúde e com as análises individuais de cada processo. Casos extremos, como os de condições precárias de higiene, procedimentos técnicos inadequados, entre outros, podem acarretar interdição total do estabelecimento e, em algumas condições, interdição do equipamento. Conclusão - O trabalho de fiscalização visa à conscientização do profissional. É importante lembrar que há orientações para montagem de novos consultórios, bem como orientações para adequar as estruturas já existentes, procurando enquadrá-las nas normas de segurança. Carlos Alberto Adde - Cirurgião-dentista. Professor doutor da Faculdade de Odontologia da USP. Membro da equipe técnica da Covisa - Subgerência de Serviços - Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo Ary Michael Renberg - Cirurgião-dentista. Professor doutor da Faculdade de Odontologia da Universidade Metropolitana de Santos. Membro da Covisa - Subgerência de Serviços - Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo Ana Regina G. F. Biagioni e Fatima Portella Ribas Martins - Cirurgiãs-dentistas. Membros da Covisa - Subgerência de Serviços - Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo Julho/Agosto/

12 Saúde Deficiência de iodo Imagem: bhcarticles.nsf/pictures/goitre?opendocument Exemplo tridimensional da tireóide A deficiência de iodo pode causar o aumento do tamanho da tireóide, que é uma glândula localizada no pescoço, o que é conhecido como bócio ou papo. Se o papo ficar muito grande, pode gerar problemas na respiração e dificuldades na hora de engolir os alimentos, bem como provocar dores e desconfortos no pescoço. Além do papo, a deficiência de iodo pode levar ao atraso no crescimento e na capacidade de aprendizagem das crianças, bem como dano no cérebro do feto ou do recémnascido, o que gera retardo mental, surdez, mudez e cretinismo (retardo mental grave responsável por dificuldades na fala, surdez e defeitos no corpo). Os hormônios produzidos pela tireóide têm dois importantes papéis: atuam no crescimento físico e neurológico e na manutenção do fluxo normal de energia (metabolismo basal, principalmente na manutenção do calor do corpo). São muito importantes para o funcionamento de vários órgãos, como o coração, fígado, rins, ovários e outros. Como evitar a deficiência de iodo? Consuma alimentos ricos em iodo - alimentos do mar, como peixes e ostras; vegetais cultivados em terras próximas ao mar, bem como leite e ovos de animais criados em localidades próximas do mar ou que recebam ração com iodo. Consuma sempre sal iodado - é a principal fonte de iodo na alimentação das pessoas. Sempre que for comprar o sal, veja na embalagem se ele é iodado - o Imagem: O bócio é causado pela falta de iodo na alimentação sal para consumo animal não serve para fazer a comida em casa, pois ele não contém iodo. Compre o sal que estiver no prazo de validade, pois, após o vencimento, não terá mais o efeito de proteger a saúde. Ao abrir o sal, deixe-o na mesma embalagem (saquinho) e coloque-o dentro de um recipiente com tampa, de vidro ou plástico. Sempre que for guardar o sal, procure colocá-lo em locais frescos, secos e ventilados (não deixe em locais quentes como, por exemplo, junto ao fogão). Não coloque colher molhada na embalagem de sal, nem o coloque dentro da geladeira, pois ele irá ficar úmido e isso prejudicará a qualidade do iodo. Se você utiliza tempero completo industrializado para fazer sua comida, procure intercalar com o sal iodado (não consuma apenas o tempero completo, pois muitas vezes este tempero não contém sal iodado). Se você faz o tempero completo em sua própria casa, use sempre sal iodado para fazer a mistura. Fonte: Ministério da Saúde 12 Informativo ABO News - n o 14

13 Julho/Agosto/

14 ERAP - ABO/SP Cursos oferecidos pela ABO/SP credenciados pelo CFO e MEC A Escola de Reciclagem e Aperfeiçoamento Profissional (ERAP), da ABO, atualmente oferece para a classe odontológica cursos de especialização em todas as áreas da Odontologia, cursos de aperfeiçoamento, reciclagem profissional, bem como palestras gratuitas. Os cursos de especialização da ABO/SP são todos credenciados no CFO/MEC, conforme portaria do CFO n. 061/2004. Seu corpo clínico é composto de professores qualificados que, usando técnicas atuais e os materiais mais modernos na prática odontológica, realizam tratamentos clínicos voltados à população de baixa renda. Aperfeiçoamento Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial Coordenador: Renato M. Stempniewiski Programa: Diagnóstico; fisiopatologia da dor; nociceptiva; modalidades de tratamento para DTM; ajuste oclusal em pacientes de DTM; placas interoclusais; ortodontia como tratamento de DTM; sons articulares; contato dental do lado de não-trabalho causa DTM Início: outubro - Duração: 5 meses Realização: quinzenal - quintas-feiras Horário: das 19h às 22h Investimento: 4 x R$ 250,00 Especialização Periodontia Coordenador: Nelson Thomas Lascala Jr. Equipe: Edson Sinnes, Marli Sales de O. M. Caseiro, Adriana Uchida e Marco Antonio Coelho Seleção: 27 e 28 de outubro Programa: área básica associada à Periodontia, procedimentos básicos, processamentos cirúrgicos, terapia periodontal de suporte, interrelação com as outras especialidades odontológicas. Realização: mensal - quinta a sábado Investimento: R$ 900,00/mês Estomatologia Equipe: Isaac Tobias Blachman, Juliana Bellini da Silva e Caio Marcelo Salgado Objetivos: estabelecer diagnóstico e tratamento das doenças do aparelho estomatognático, habilitando em atividades práticas e científicas e oferecendo técnicas cirúrgicas, terapêuticas avançadas e dinâmicas no aperfeiçoamento científico. Programa: introdução à clínica; inter-relação entre as disciplinas básicas e as clínicas; inter-relação da Odontologia com as demais especialidades médicas; conceito de saúde relacionado ao dano anátomofuncional da doença; conceito de semiologia, propedêutica, semiogênesis; exame clínico (anamnese e exame físico); métodos auxiliares do exame clínico; exames laboratoriais; citologia esfoliativa; biópsia; semiologia dos tecidos moles bucais Início: outubro - Duração: 18 meses Realização: segundas-feiras à tarde e terças-feiras de manhã Prática: 4 horas em universidades e hospitais conveniados Investimento: R$ 380,00/mês Odontogeriatria Coordenador: Fernando L. Brunetti Montenegro Equipe: Leonardo Marchini, Carlos Eduardo Monetto Início: outubro - Duração: 18 meses Carga horária: 576 horas Investimento: R$ 650,00/mês Ortopedia Funcional dos Maxilares Coordenadora: Sônia Regina Henriques Equipe: Claude Catach e Maria Regina Brandão Início: outubro - Duração: 36 meses Carga horária: horas Realização: quinzenal Investimento: R$ 800,00/mês Pacientes com Necessidades Especiais Coordenador: Silvio Eduardo Duailibi Equipe: Monica Talarico Duailibi e João Ary Ubriaco Início: Outubro - Duração: 18 meses Carga horária: 500 horas Realização: quinzenal - Quintas e sextas Investimento: R$ 600,00/mês Os cursos oferecidos podem ser consultados no site da ABO (www.abosp.org.br). Para mais informações sobre os cursos em andamento ou novos cursos a serem iniciados, basta entrar em contato ou / ) com a secretaria da entidade. A ABO/SP realiza tratamentos em pacientes que necessitam de cirurgia ortognática, operados em âmbito hospitalar, sem custo algum para o paciente. Atualmente, o responsável pela ERAP é o doutor Mário Cappellette Jr. Atualização Cirurgia Avançada Coordenador: Antonio Renato Sanches Colucci Início: outubro Realização: quinzenal - terças-feiras Investimento: R$ 350,00/mês Exigência: experiência, de pelo menos um ano, com implantes Radiologia Odontológica e Imaginologia Vagas remanescentes Coordenador: Roberto Mansini Equipe: Leônidas de Freitas, Flávia Vanessa Greb Fugiwara e Alessandra Mansini Nunes Início: outubro - Duração: 18 meses Carga horária: 675 horas Realização: segundas-feiras (estágio em Clínica Radiológica) Investimento: R$ 600,00/mês Prótese Coordenadores: Rogério Adib Kairalla e Orlando Magalhães Filho Equipe: Ademir Galati, Marco Antonio Nicolau, Cláudio Cavallaro e Orlando Magalhães Neto. Início: novembro - Duração: 24 meses Programa: prótese total, prótese parcial removível, prótese parcial fixa e oclusão. Realização: módulos mensais Investimento: R$ 900,00/mês Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial - 2 a Turma Coordenador: Renato M. Stempniewski Início: Fevereiro/ Duração: 18 meses Investimento: R$ 800,00/mês Inscrições: Tel. (11) Informativo ABO News - n o 14

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Instalação Ergonomia Controle de infecção Instalação O

Leia mais

Por isso, neste e-book, descrevemos 7 critérios importantes para você escolher o melhor serviço odontológico.

Por isso, neste e-book, descrevemos 7 critérios importantes para você escolher o melhor serviço odontológico. Todos nós precisamos das clínicas odontológicas seja para fazer uma restauração, limpeza, clareamento de dentes e outros serviços, que em determinados momentos pode ser até uma cirurgia. Já sabemos também

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas.

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA RESOLUÇÃO CFO-160, DE 2 DE OUTUBRO DE 2015 Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. O presidente do Conselho Federal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA Vanara Florêncio Passos * Thyciana Rodrigues Ribeiro * João Arruda Cajazeira Neto * Sérgio Lima Santiago ** PET Odontologia Universidade

Leia mais

Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil

Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil José Mário Morais Mateus Conselheiro Federal - MG Julho/2014 Histórico das Especialidades Odontológicas Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

SulAmérica Odonto Empresarial

SulAmérica Odonto Empresarial SulAmérica Odonto Empresarial O sorriso dos seus colaboradores está em nossos planos. A partir de 100 vidas sulamerica.com.br Sobre a SulAmérica A SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos, com 116

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

MANUAL DO ASSOCIADO. SAÚDE desde 1928

MANUAL DO ASSOCIADO. SAÚDE desde 1928 MANUAL DO ASSOCIADO SAÚDE desde 1928 1 Seja Bem-Vindo, Associado IBCM! É com muita satisfação que oferecemos a você, nosso associado, este manual, que vai ajudá-lo a entender melhor todos os benefícios

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

30º CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PERIODONTIA

30º CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PERIODONTIA 30º CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PERIODONTIA Fevereiro a Novembro/2014 Coordenador: José Alfredo Gomes de Mendonça Av. Pasteur, 89 / conj. 1507/10 - Bairro Funcionários Belo Horizonte - MG - 30.150-290

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com.

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com. Outubro 2012 NATAL www.unirn.com.br (84) 4009-4664 Rua Açu, 665 - Tirol Natal/RN - CEP 59020-110 30 anos de história no RN www.unirn.com.br COOPERATIVA LÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE ANS - n.º 34531-8 Palavra

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO

NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO 1. JUSTIFICATICAS Com a Globalização da Economia e a competitividade a cada dia mais presente no mercado

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado 2. HOMEOPATIA Aprovado 3. HIPNOSE Aprovado 4. TERAPIA FLORAL Aprovado 5. FITOTERAPIA Aprovado 6. ODONTOLOGIA DO ESPORTE Aprovado II - CRIAÇÃO DE PRÁTICAS

Leia mais

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Mestrado em Odontologia da UNIP. Ano Letivo de 2013 (segundo semestre)

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Mestrado em Odontologia da UNIP. Ano Letivo de 2013 (segundo semestre) EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Mestrado em Odontologia da UNIP Recomendado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, de acordo com

Leia mais

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Maior qualidade, segurança e eficiência nos processos de limpeza profissional. Quem olha para o futuro com vontade

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB)

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO CARGA HORÁRIA: 1.200 HORAS COM ESTÁGIO DURAÇÃO : 2 ANOS PERIODICIDADE: SEMANAL (2ª, 3ª E 4ª) HORÁRIO DAS AULAS: 19H AS 21H INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Washington Reis) Dispõe sobre limpeza e inspeção de ar condicionado central, na forma que menciona. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º É obrigatória a realização anual

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015.

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Assunto: Orientações sobre os procedimentos para solicitação de alterações na lista de alimentos alergênicos. I. Introdução. A Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER NOVO PROGRAMA [Revisto & Atualizado] CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER CURSO MODULAR DE FORMAÇÃO DE ASSISTENTES DENTÁRIOS 6.ª edição Início a 21 de novembro de 2015 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA Este material tem como objetivo básico servir como sugestão para elaboração do Manual de Rotinas e Procedimentos para Estabelecimentos

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Balanço Social UNINORTE 2015

Balanço Social UNINORTE 2015 Balanço Social UNINORTE 2015 Diretora Acadêmica Vanessa Voglio Igami Diretora Administra va Ká a Cris na Do o Gasparini Diretora Comercial Indira Maria Kitamura Diretor Financeiro Fábio Ricardo Leite Secretária

Leia mais

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral André Cabral Divisão de Prevenção de Infecção 3M do Brasil Prezados Colegas, O processamento de produtos para saúde é uma atividade que requer conhecimento e embasamento científico necessitando atualização

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Códigos internos de identificação do produto: 111690, 111691, 121714 e 111689 Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

LACRIFILM (carmelose sódica)

LACRIFILM (carmelose sódica) LACRIFILM (carmelose sódica) União Química Farmacêutica Nacional S.A. solução oftálmica 5 mg/ml LACRIFILM carmelose sódica Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 Folha: 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Master de acelerador de vulcanização de borracha MBTS-80. Acelerador de vulcanização;

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) Kaliumcryl TPG7525 Página 1 de 5

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) Kaliumcryl TPG7525 Página 1 de 5 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Empresa: Kalium Chemical Com. Import. E Export. Ltda Matriz: Av. das Nações Unidas, 10.989 Conj. 141-14º andar Parte - Vl. Olimpia São Paulo

Leia mais

PROJETO DE PROMOÇÃO DE ESTÁGIO PARA ALUNOS CURSANDO TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO E TÉCNICO DO MEIO AMBIENTE PARA SÓCIOS DO INSTITUTO TST MA.

PROJETO DE PROMOÇÃO DE ESTÁGIO PARA ALUNOS CURSANDO TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO E TÉCNICO DO MEIO AMBIENTE PARA SÓCIOS DO INSTITUTO TST MA. PROJETO DE PROMOÇÃO DE ESTÁGIO PARA ALUNOS CURSANDO TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO E TÉCNICO DO MEIO AMBIENTE PARA SÓCIOS DO INSTITUTO TST MA. Foi firmado com a Secretaria de Educação do Estado de Minas

Leia mais

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA ALIMENTAÇÃO COLETIVA REFEIÇÃO CONVENIO / CESTA DE ALIMENTOS REFEIÇÃO CONVENIO

Leia mais

Plano de Trabalho ESTADO DE SANTA CATARINA. Descrição

Plano de Trabalho ESTADO DE SANTA CATARINA. Descrição Proponente 83.883.306/0011-32 SOCIEDADE DIVINA PROVIDENCIA Transferência 2014TR000185 Programa Transferência 2013000299 REAPARELHAMENTO DAS UNIDADES DE ATENDIMENTO Unidade Gestora 480091 Fundo Estadual

Leia mais

Unidades de Negócios

Unidades de Negócios Grupo Clivale Como surgiu? História Tudo começou com a iniciativa de Raphael Serravalle ao perceber a carência de um serviço médico especializado na cidade do Salvador, calçada, induziu dois de seus filhos:

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

CURSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO ORAL E ESTÉTICA PERIIMPLANTAR

CURSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO ORAL E ESTÉTICA PERIIMPLANTAR CURSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO ORAL E ESTÉTICA PERIIMPLANTAR 2012 2013 INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Rose Cabral Telemóvel 935 014 972 e-mail: rose.cabral@signovinces.com.br Daniele Siqueira Telefones:

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: CEVAC S Gallinarum CNN Laboratório Veterinário Ltda Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Nome do Distribuidor

Leia mais

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos Página: 01/05 01 Identificação do produto e da Empresa Natureza Química : Limpador de Uso Geral Autorização de Funcionamento / MS : nº 3.02.599-9 Registro no Ministério da Saúde : 3.2599.0103.001-4 Aceita

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS 1 João Lopes da Silva Neto; 2 Juciery Samara Campos Oliveira; 3 Thayana Santiago Mendes; 4 Geovana do Socorro Vasconcelos Martins 1 (AUTOR) Discente

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml.

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. Tralen 28% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

Perfil do egresso Profissional generalista, e com possibilidades de aprofundamento em áreas específicas, consciente de suas responsabilidades no

Perfil do egresso Profissional generalista, e com possibilidades de aprofundamento em áreas específicas, consciente de suas responsabilidades no Perfil do egresso Profissional generalista, e com possibilidades de aprofundamento em áreas específicas, consciente de suas responsabilidades no processo saúde/doença, com sólida formação técnico-científica,

Leia mais

Dr. Luiz Carlos de Souza Manganello. Dra. Maria Eduina da Silveira Lucca

Dr. Luiz Carlos de Souza Manganello. Dra. Maria Eduina da Silveira Lucca Coordenação Dr. Luiz Carlos de Souza Manganello Cirurgião Dentista Bucomaxilofacial Cirurgião Plástico especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Doutorado em Cirurgia pela Faculdade de

Leia mais

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL 2 Getinge FD1600 Getinge FD1600 3 COMBATENDO A INFECÇÃO CRUZADA DE MANEIRA SIMPLES E EFETIVA Com seu projeto moderno e atraente, operação fácil

Leia mais

Hepatite C Grupo Vontade de Viver

Hepatite C Grupo Vontade de Viver Hepatite C Grupo Vontade de Viver De apoio aos Portadores de Hepatite C Apresentação Data de Fundação : 19 Maio de 2002 Formação do Grupo: Portadores e ex-portadores do vírus C Trasplantados de fígado

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR CIMENFLEX Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP e-mail:

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre: PLANOS DE SAÚDE. Núcleo Especializado de. Defesa do Consumidor

Tire suas dúvidas sobre: PLANOS DE SAÚDE. Núcleo Especializado de. Defesa do Consumidor Tire suas dúvidas sobre: PLANOS DE SAÚDE Núcleo Especializado de Defesa do Consumidor O que é Plano de Saúde? EXPEDIENTE Texto Núcleo Especializado de Defesa do Consumidor Revisão Coordenadoria de Comunicação

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: TERAPIA FOTODINÂMICA ANTIMICROBIANA NO TRATAMENTO DA DOENÇA PERIODONTAL EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN Pesquisador: Carla

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Fosfato Dissódico Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza Ce CEP: 60130-000 Telefone:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest Formalina 5 Data da última revisão: 18.08.2014

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest Formalina 5 Data da última revisão: 18.08.2014 FISPQ nº: 001 página: 01/05 SEÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA - NOME DO PRODUTO: PARATEST FORMALINA 5 - CÓDIGO INTERNO DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: 1500; 1660; 2096; 2559; 2092; 2928; 2929;

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI URETANO AR ENDURECEDOR Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere,

Leia mais

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Defesa Sanitária Animal Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose

Leia mais

Aguardamos você e sua empresa para uma parceria elaborada pelos nossos organizadores

Aguardamos você e sua empresa para uma parceria elaborada pelos nossos organizadores Prezado colega, É com grande honra e satisfação que o convidamos para participar de um dos maiores eventos da Ortodontia Brasileira em 2016, o 1º Congresso Internacional Ortho Science, organizado e realizado

Leia mais

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015.

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015. EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015. O torna público o Edital para os cursos de Aperfeiçoamento Multiprofissional, segundo semestre

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL BAURU APRESENTAÇÃO O complexo de laboratórios em Ciência e Tecnologia e Ambiental (CTA)

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS

INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS Circular 275/2013 São Paulo, 3 de Julho de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS Diário Oficial da União Nº 126,

Leia mais

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL ODONTO IDÉIAS Nº 07 As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL Nossa intenção com esta coluna é reconhecer o espírito criativo do Cirurgião Dentista brasileiro, divulgando

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais