Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular"

Transcrição

1 Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular Nos últimos 10 anos o setor de comunicações o setor de comunicações móveis via rádio cresceu em ordem de grandeza, alimentado por melhorias na fabricação de circuitos digitais e de radiofrequência (RF), bem como pela nova integração de circuitos em grande escala e outras tecnologias de miniaturização que tornaram os equipamentos portáteis de rádio ainda menores, mais baratos e mais confiáveis. As técnicas de comutação digital facilitaram a implantação, em larga escala, de redes de comunicação de rádio fáceis de usar e a preços acessíveis. Essas tendências continuarão em um ritmo ainda maior durante a próxima década. 1. Evolução das Comunicações Móveis As comunicações sem fio estão gozando seu período de crescimento mais rápido na história devido às tecnologias habilitadoras, que permitem sua implantação em todos os lugares. Historicamente, o crescimento no campo das comunicações móveis vem ocorrendo de maneira lenta e está bastante ligado a melhorias tecnológicas. A capacidade de fornecer comunicações sem fio a uma população inteira só foi concebida quando os laboratórios Bell desenvolveram o conceito celular nas décadas de 1960 e O crescimento futuro dos sistemas de comunicação móveis e portáteis com base no consumidor estará ligado mais de perto às alocações do espectro de rádio e decisões reguladoras que afetam ou apóiam serviços novos ou estendidos, além das necessidades do consumidor e avanços da tecnologia nas áreas de processamento de sinais, acesso e rede. Os dados de penetração de mercado ilustrado na Figura 1, mostram como as comunicações sem fio destinadas ao consumidor têm crescido em popularidade. Nesta figura esta ilustrado de que maneira a telefonia móvel tem penetrado em nossas vidas 1 / 18

2 diárias em comparação com outras invenções populares do século XX. Porém, a curva que trata telefonia móvel não leva em consideração outras aplicações de rádio móvel, tais como: paging, radioamador, serviços de entrega, radiotáxi, telefones sem fio, etc. Na figura a seguir mostra que os 35 primeiros anos da telefonia móvel viram pouca penetração de mercado devido ao alto custo e aos desafios tecnológicos envolvidos, mas, na última década, as comunicações sem foram aceitas por consumidores em uma comparável à da televisão e do videocassete. Figura 1: Número de anos após a 1ª implantação comercial. O número de usuários de telefone celular no mundo inteiro cresceu de 25 mil em 1984 para cerca de 25 milhões em 1993, chegando a mais de 2 bilhões no final de E desde então, os serviços sem fio com base em assinatura têm experimentado taxas de 2 / 18

3 crescimento de clientes superiores a 50% ao ano. No início deste século, mais de 1% da população de assinantes sem fio no mundo já tinha abandonado o serviço de telefonia com fio para uso doméstico e começado a contar unicamente com o provedor de serviço celular. 2. Definições do sistema de comunicações sem fio Estação-base (BTS) Uma estação fixa em um sistema de rádio móvel usada para comunicação por rádio com estações móveis. As estações-base estão localizadas no centro ou na borda de uma região de cobertura e consistem em canais de rádio e antenas transmissoras e receptoras montadas em uma torre. Estação móvel (MS) Uma estação no serviço de rádio-celular destinada para uso enquanto estiver em movimento em locais não especificados. Estações móveis podem ser unidades pessoais portáteis ou instaladas em veículos. Canal de controle Canal de rádio usado para transmissão de configuração, solicitação, início da chamada, e outras finalidades de orientação ou controle. Canal direto Canal de rádio usado para transmissão de informações da estação-base para a móvel. Canal reverso Canal de rádio usado para a transmissão de informações da estação-móvel para a estação-base. Sistemas simplex Sistemas de comunicação que oferecem apenas comunicação unidirecional. Sistemas duplex Sistemas de comunicação que permitem a comunicação bidirecional simultânea. Transmissão e recepção normalmente são feitas em 2 canais diferentes (FDD), embora os novos sistemas sem fio estejam usando TDD. Sistemas semiduplex Sistemas de comunicação que permitem a comunicação bidirecional usando o mesmo canal de rádio para transmissão e recepção. Em determinado momento, o usuário só pode transmitir ou receber informações. Transferência O processo de transferir uma estação móvel de um canal ou estação-base para outra. Página Uma pequena mensagem que é transmitida em broadcast para toda a área de serviço, normalmente em um padrão simulcast por muitas estações-base ao mesmo tempo. Central de Central de comutação que coordena o roteamente de chamadas em uma área Comutação móvel grande de serviço. Em um sistema de rádio-celular, a MSC conecta as estações(msc) base de celular e os dispositivos móveis à PSTN. Assinante Um usuário que paga taxas de assinatura para usar um sistema de comunicação móvel. 3 / 18

4 Visitante Uma estação-móvel que opera em uma área de serviço (mercado) diferente daquela onde o serviço que foi assinado opera. Transceptor Um dispositivo capaz de transmitir e receber sinais de rádio simultaneamente. 3. Telefonia Celular Um sistema de telefonia celular oferece uma conexão sem fio à PSTN para usuários de qualquer local dentro do alcance de rádio do sistema. Os sistemas de celular acomodam um grande número de usuários em uma grande área geográfica, e dentro de um espectro de frequência limitado. Os sistemas de rádio-celular oferecem serviço de alta qualidade, que muitas vezes é comparável ao dos sistemas de telefonia terrestres. A alta capacidade é alcançada limitandos-e a cobertura de cada transmissor de estação-base a uma pequena área geográfica, chamada de célula, de modo que os mesmos canais de rádio podem ser reutilizados por outra estação-base localizada a uma certa distância. Uma técnica de comutação sofisticada, chamada transferência (handoff ou handover), permite que uma chamada prossiga sem interrupção quando o usuário passa de uma célula para outra. A estrutura de um sistema celular básico, ilustrado na Figura 2, consiste em estações móveis, estações-base e uma central de comutação e controle (MSC). A MSC é responsável por conectar as estações móveis à PSTN. Cada estação móvel se comunica por meio de rádio com uma das estações-base e pode ser transferida a diversas estações-base durante uma chamada. A estação móvel contém um transceptor, uma antena e circuitos de controle, podendo ser montada em um veículo ou usada como unidade de mão portátil. 4 / 18

5 Figura 2: Um sistema celular básico. As torres representam as estações-base que fornecem acesso, por rádio, entre usuários móveis e a MSC. As estações-base consistem em vários transmissores e receptores que tratam simultaneamente das comunicações duplex e geralmente possuem torres que admitem várias antenas de transmissão e recepção. A estação-base serve como uma ponte entre todos os usuários móveis da célula e conecta as chamadas móveis simultâneas por linhas telefônicas ou enlaces de micro-ondas à MSC. A MSC coordena as atividades de todas as estações-base e conecta o sistema celular inteiro à PSTN. Uma MSC típica trata de 100 mil assinantes de celular e de 5 mil conversas simultâneas de uma só vez, além de acomodar todas as funções de cobrança e manutenção do sistema. Em grandes cidades, várias MSCs são usadas por uma única companhia. 5 / 18

6 A comunicação entre a estação-base e as estações móveis é definida por um padrão Common Air Interface (CAI), que especifica 4 canais diferentes. Os canais usados para a transmissão de voz da estação-base para as estações móveis são chamados de Canais de Voz Diretos (FVC), e os canais usados para transmissão de voz das estações móveis para a estação-base são chamados de Canais de Voz Reversos (RVC). Os 2 canais responsáveis por iniciar ligações móveis são os Canais de Controle Direto (FCC) e os Canais de Controle Reversos (RCC). Os canais de controle normalmente são chamados de canais de configuração, pois estão envolvidos apenas na configuração de uma chamada e na movimentação da chamada para um canal de voz livre. Os canais de controle transmitem e recebem mensagens de dados que transportam solicitações de início de chamada e de serviço, e são monitorados pelas estações móveis quando não têm uma chamada em andamento. Os canais de controle diretos também servem como guias transmitindo continuamente, em broadcast, todas as solicitações de tráfego para todas as estações móveis no sistema. Como é realizada uma chamada de telefone móvel? Quando um telefone celular é ligado, ele primeiro varre o grupo de canais de controle direto para determinar aquele com sinal mais forte. Normalmente, os sistemas celulares dispõem 5% do total de canais disponíveis para controle. Como os canais de controle são padronizados e idênticos em diferentes mercados dentro do país ou do continente, cada telefone varre os mesmos canais enquanto está ocioso. Quando uma ligação telefônica é feita para um usuário móvel, a MSC despacha a solicitação a todas as estações-base no sistema celular. O Número de Identificação da Estação Móvel (MIN), que é o número de telefone do assinante, é então transmitido como uma mensagem de paging por todos os canais de controle direto do sistema celular. A estação móvel recebe a mensagem de paging enviada pela estação-base que ela monitora, e responde identificando-se pelo canal de controle reverso. A estação-base 6 / 18

7 (BTS) repassa a confirmação enviada pela estação móvel e informa a MSC sobre o handshake. Depois, a MSC instrui a BTS para passar a chamada para um canal de voz livre dentro da célula (normalmente, entre 10 e 60 canais de voz e apenas 1 canal de controle são usados na BTS de cada célula). A BTS sinaliza à estação móvel (MS) para mudar de frequência para um par de canais de voz direto e reverso não utilizado, enviando em seguida o sinal de ring. A Figura 3 mostra a sequência de eventos envolvidos na conexão de uma chamada a um usuário móvel em um sistema de telefonia celular. Figura 3: Diagrama de tempo ilustrando como é estabelecida uma chamada a um usuário móvel iniciada por um assinante fixo. Quando uma chamada está em andamento, a MSC ajusta a potência de 7 / 18

8 transmissão da MS e das BTS a fim de manter a qualidade da chamada enquanto o assianante entra e sai do alcance de cada BTS. Isso é chamado de transferência ou handoff. Uma sinalização especial é aplicada aos canais de voz, de modo que a unidade móvel possa ser controlada pela BTS e pela MSC enquanto uma chamada está em andamento. Quando uma estação móvel (MS) origina uma chamada, uma solicitação de início de chamada é enviada pelo canal de controle reverso (RCC). Com essa solicitação, a MS transmite seu número de telefone (MIN), o Número de Série Eletrônico (ESN) e o número de telefone da parte chamada. A estação móvel também transmite uma Marca da Classe da Estação (SCM), que indica o nível de potência máximo do transmissor para o usuário específico. A BTS da célula recebe esses dados e os envia à MSC, que valida a solicitação, faz a conexão com a parte chamada por meio da PSTN e instrui a BTS e o usuário do sistema móvel a passar para um par de canais direto e reverso livre, permitindo o início da conversação. A Figura 4 mostra a sequência de eventos envolvidos na conexão de uma chamada iniciada por um usuário móvel em um sistema celular. 8 / 18

9 Figura 4: Diagrama de tempo ilustrando como é estabelecida uma chamada iniciada por uma estação móvel. 4. Evolução dos Sistemas de Telefonia Celular 4.1 Redes celulares de segunda geração 2G Diferentemente dos sistemas de celular de primeira geração, que contavam exclusivamente com FDMA/FDD e FM analógico, os padrões de segunda geração utilizam formatos de modulação digitais e técnicas de acesso múltiplo TDMA/FDD e 9 / 18

10 CDMA/FDD. Os padrões de 2ª geração mais populares incluem 3 padrões TDMA e 1 CDMA: a) GSM: admite 8 usuários em slots de tempo para cada canal de rádio de 200kHz e tem sido bastante empregado por provedores de serviço na Europa, Ásia, Austrália, América do Sul e algumas partes dos EUA; b) IS-136: também conhecido como NADC, que admite 3 usuários em slots de tempo para cada canal de rádio de 30kHz, e é uma escolha popular para prestadoras na América do Norte, América do Sul e Austrália; c) PDC: um padrão de TDMA japonês que é semelhante ao IS-136 com mais de 50 milhões de usuários; d) IS-95 (CDMA 2G): também conhecido como cdmaone, que admite até 64 usuários codificados ortogonalmente e transmitidos ao mesmo tempo em cada canal de 1,25MHz. O CDMA é bastante empregado por prestadoras na América do Norte, Coréia do Sul, Japão, China, América do Sul e Austrália. Os padrões 2G mencionados representam o primeiro conjunto de padrões de interface de ar sem fio a contar com modulação digital e sofisticado processamento digital de sinal no aparelho de mão e na BTS. Os sistemas de 2ª geração foram introduzidos no início da década de 1990 e evoluíram a partir da primeira geração de telefonia móvel analógica (por exemplo, AMPS, ETACS e JTACS). Como todas as tecnologias 2G oferecem pelo menos um aumento de 3 vezes na eficiência do uso do espectro e assim, um aumento de pelo menos 3 vezes na capacidade geral do sistema em comparação com as tecnologias analógicas de 1ª geração, a necessidade de atender a uma base de clientes em rápido crescimento justifica a mudança gradual e contínua de analógico para as tecnologias 2G digitais em 10 / 18

11 qualquer rede sem fio em crescimento. 4.2 Evolução para redes sem fio 2,5G Desde meados dos anos 1990, os padrões digitais 2G têm sido bastante empregados por prestadoras de serviços sem fio para celular, embora esses padrões tenham sido projetados antes do uso generalizado da internet. Consequentemente, as tecnologias 2G utilizam modens de dados com comutação por circuitos que limitam os usuários de dados a um único canal de voz com comutação por circuitos. As transmissões de dados em 2G, portanto, geralmente são limitadas à taxa de vazão de dados de um usuário individual, e essa taxa tem a mesma ordem de grandeza da taxa de codificação de voz utilizada. Tipicamente, todas as redes 2G, conforme desenvolvidas originalmente, só admitem taxas de dados para um único usuário na ordem de 10 kbps, o que é muito lento para aplicações rápidas como e navegação pela internet. Em um esforço para aperfeiçoar os padrões 2G para que tenham compatibilidade com maiores taxas de vazão de dados que são exigidas para dar suporte a aplicações modernas da internet, novos padrões, voltados para dados, foram desenvolvidos, podendo ser sobrepostos às tecnologias 2G existentes. Esses novos padrões representam a tecnologia 2,5G e permitem que o equipamento 2G existente seja modificado e suplemente com dispositivos novos e complementares as estações-base e as atualizações de software para as unidades de assinante, a fim de dar suporte a maiores taxas de transmissão de dados para navegação na internet, tráfego de , comércio móvel e serviços móveis com base na localização do assinante. O caminho apropriado para a prestadora sem fio em particular se atualizar na tecnologia 2,5G deve combinar com a escolha da tecnologia 2G originalmente feita anteriormente. Por exemplo, uma solução de atualização para 2,5G projetada para GSM deve harmonizar-se com o padrão de interface de ar GSM original, pois de outra forma tal atualização seria incompatível e exigiria mudanças completas nos equipamentos de cada 11 / 18

12 estação-base. Por esse motivo, uma grande quantidade de padrões 2,5G foi desenvolvida para permitir que cada uma das principais tecnologias 2G (GSM, CDMA e IS-136) seja atualizada de modo incremental, obtendo assim taxas de dados mais rápidas para a internet. A Figura 5 ilustra os diversos caminhos de atualização para 2,5G e 3G a partir das principais tecnologias 2G. Figura 5: Diversos caminhos de atualização para tecnologias 2G. As características técnicas de cada caminho de atualização para 2,5G são: a) HSCSD para GSM 2,5G: a Comutação de Circuitos de Alta Velocidade para Dados (HSCSD) é uma técnica de comutação por circuitos que permite que um único asssinante móvel use slots de tempo de usuário consecutivos no padrão GSM. Ou 12 / 18

13 seja, em vez de limitar cada usuário a somente um slot de tempo específico, o HSCSD permite que usuários de dados individuais requisitem slots de tempo consecutivos a fim de obter acesso de dados com maior velocidade na rede GSM. Usando até 4 slots de tempo consecutivos, o HSCSD é capaz de oferecer uma taxa de transmissão de dados de até 57,6 kbps para usuários individuais. b) GPRS para GSM 2,5G e IS-136: O Serviço de Rádio Pacote Geral (GPRS) é uma rede de dados baseada em pacotes bastante adequada para uso na internet não em tempo real, incluindo a recuperação de , faxes e navegação na web assimétrica, situação em que o usuário faz o download de muito mais dados do que o upload na internet. O GPRS admite o compartilhamento para múltiplos usuários na rede dos canais de rádio e slots de tempo individuais. Assim, esse recurso pode admitir muito mais usuários do que o HSCSD, mas de uma forma intermitente. Quando todos os 8 slots de tempo de um canal de rádio GSM são dedicados ao GPRS, um usuário individualmente é capaz de alcançar até 171,2 kbps (8 slots de tempo multiplicados por 21,4 kbps de vazão de dados puros, não codificados). c) EDGE para GSM 2,5G e IS-136: é uma atualização mais avançada do padrão GSM e requer o acréscimo de novos hardware e software nas estações rádio-base existentes. A EDGE introduz um novo formato de modulação digital, 8-PSK (chaveamento por deslocamento de fase octal), que é usado além da modulação GMSK padrão do GSM. A EDGE permite 9 formatos diferentes de interface de ar (selecionados autônoma e rapidamente), conhecidos como Esquema de Modulação de Codificação Múltipla (MCS), com graus variáveis de proteção de controle de erro. Cada estado MCS pode usar modulação GMSK (baixa taxa de dados) ou 8-PSK (alta taxa de dados) para acesso à rede, dependendo das demanadas instântaneas da rede e das condições operacionais. Devido às taxas de dados mais altas e à relaxada cobertura de controle de erro em muitos dos 13 / 18

14 formatos diferentes de interface de ar selecionáveis, a área de cobertura é menor em EDGE do que em HSDRC ou GPRS. Essa capacidade adaptativa para selecionar a 'melhor' interface de ar é chamada redundância incremental, na qual os pacotes são transmitidos primeiro com máxima proteção de erro e máxima vazão da taxa de transmissão de dados, e depois, os pacotes subsequentes são transmitidos com menos proteção de erro e vazão menores, até que o enlace tenha uma interrupção ou um atraso inaceitável. Quando io EDGE usa a modulação 8-PSK sem qualquer proteção de erro, e todos os 8 time slots de tempo de um canal de rádio GSM são dedicados a um único usuário, um pico bruto da taxa de transmissão de dados de 547,2 kbps pode ser fornecida. Na prática, os esquemas de slots usados no EDGE, quando combinados com questões práticas de disputa da rede e requisitos de codificação de controle de erro, limitam as taxas de dados brutas a cerca de 384 kbps para um único usuário em um único canal de rádio GSM. Combinando a capacidade de diferentes canais de rádio (por exemplo, usando transmissões multiportadora), a tecnologia EDGE pode oferecer vários megabits por segundo de vazão de dados aos usuários individuais. d) IS-95B para CDMA 2,5G: A solução de dados temporária para o CDMA é chamada de IS-95B. No IS-95, cada canal de rádio aceita até 64 canais (códigos) diferentes de usuário. A especificação da taxa de vazão do IS-95 é especificada em 14,4 kbps. A solução de CDMA 2,5G (IS-95B), admite serviço de Taxa de Dados Média (MDR), permitindo que um usuário dedicado comande até 8 códigos de Walsh diferentes simultaneamente e em paralelo para uma vazão instantânea de 115,2 kbps por usuário (8 x 14,4 kbps). Porém, na prática, somente cerca de 64 kbps de vazão estão disponíveis a um único usuário por conta das técnicas de slotting da interface de ar. 14 / 18

15 4.3 Redes sem fio 3G Sistemas 3G prometem acesso infinito e de maneiras que nunca foram possíveis antes. O acesso à internet em vários megabits por segundo, comunicações usando Voz sobre IP (VoIP), chamadas ativadas por voz, capacidade de rede sem paralelo e acesso 'sempre conectado' onipresente, são alumas das vantagens apregoadas pelos desenvolvedores 3G. As empresas que desenvolvem equipamentos 3G prevêem usuários com capacidade de receber música ao vivo, realizar conferências web interativas e ter acesso de voz e de dados simultâneo com múltiplas partes ao mesmo tempo e usando um único aparelho de telefone móvel, seja no trânsito, caminhando ou dentro de um escritório. Países do mundo inteiro determinaram novas faixas de espectro de rádio para acomodar as redes 3G. Em junho de 2007, já existiam mais de 200 milhões de assinantes de telefonia celular 3G no mundo. As principais tecnologias 3G presentes no mundo são: a) 3G W-CDMA UMTS: O Sistema Universal de Telecomunicações Móveis (UMTS) é um padrão de interface aérea visionário, que evoluiu desde o final de 1996 sob os auspícios do Instituto Europeu de Padrões de Telecomunicações (ETSI). O UMTS foi submetido pelo ETSI a ITU (União de Telecomunicações Internacional) em 1998 para consideração como um padrão mundial. Nesta época, o UMTS era conhecido Acesso de Rádio Terrestre UMTS (UTRA), e foi projetado para oferecer um caminho de atualização de alta capacidade para o GSM. Na virada do século, várias outras propostas de CDMA (W-CDMA) de banda larga concorrentes concordaram em se unir em um único padrão W-CDMA, e este padrão resultante agora é chamado de UMTS. UMTS garante compatibilidade com as tecnologias de 2G GSM, IS-136, além de 15 / 18

16 todas as tecnologias 2,5G TDMA. A estrutura de rede e o empacotamento em nível de bit dos dados GSM são mantidos pelo UMTS com capacidade e largura de banda adicionais fornecidas por uma nova interface de ar CDMA. O W-CDMA aceitará taxas de dados de até 2,048 Mbps por usuário (em modo estacionário), permitindo assim o acesso a dados, multimídia, stream de áudio, stream de vídeo e serviços tipo broadcast de alta qualidade aos consumidores. Versões futuras do W-CDMA admitirão taxas de dados para usuário estacionário acima de 8 Mbps. O W-CDMA requer uma alocação de espectro mínimo de 5 MHz, o que é uma distinção importante dos outros padrões 3G. As taxas de dados de 8 kbps até 2 Mbps serão transportadas simultaneamente em um único canal de rádio de 5 MHz, e cada canal será capaz de atender entre 100 e 350 chamadas de voz simultâneas, dependendo da divisão da antena em setores, condições de propagação, velocidade do usuário e polarização das antenas. b) 3G cdma2000: A visão cdma2000 oferece um caminho de atualização transparente e taxa de dados evolutivamente alta para os usuários da tecnologia CDMA 2G e 2,5G usando uma técnica de bloco de montagem que gira em torno da largura de banda do canal 2G CDMA de 1,25MHz por canal de rádio. O padrão 3G cdma2000 permite que prestadoras de serviços sem fio introduzam uma família de novas capacidades de acesso à internet com alta taxa de dados de uma maneira gradual dentro dos sistemas existentes, enquanto asseguram que essas atualizações manterão compatibilidade com o equipamento de assinante cdmaone e IS-95B existentes. Assim, as operadoras de CDMA atuais podem introduzir, de forma transparente e seletiva, capacidades 3G em cada célula e sem terem que mudar estações-base inteiras ou relações de espectro. O cdma2000 1X (implica uma vez a largura de banda de canal cdmaone original, 16 / 18

17 ou, colocando de outra forma, um modo multiportadora com apenas 1 portadora) aceita uma taxa de dados instantânea de até 307 kbps para um usuário no modo de pacote, e gera taxas de vazão típicas de até 144 kbps por usuário, dependendo do número de usuários, da velocidade de um usuário e das condições de propagação. O cdma2000 1X também pode admitir até o dobro dos usuários de voz do padrão 2G CDMA, e oferece à unidade do assinante até duas vezes o tempo de stand by para obter uma maior duração da vida da bateria. Essas melhorias foram conquistadas por meio do uso de taxas de sinalização banda base rapidamente adaptáveis e taxas de chipping para cada usuário fornecidas por meio de redundância incremental e chaveamento multinível dentro da mesma estrutura do padrão cdmaone original. A solução definitiva para CDMA conta com técnicas multiportadora que reúnem canais de rádio cdmaone para aumentar a largura de banda. O padrão cdma2000 3xRTT usa 3 canais de rádio adjacentes de 1,25MHz que são usados em conjunto para fornecer velocidades de vazão de dados acima de 2 Mbps por usuário. Três canais de rádio não adjacentes podem ser operados simultaneamente e em paralelo como canais de 1,25 MHz individuais, ou canais adjacentes podem ser combinados em um único super canal de 3,75 MHz neste caso precisando de um hardware novo na estação-base. Com taxas de dados para o usuário acima de 2 Mbps, fica claro que o cdma2000 3X tem como objetivo uma vazão de dados do usuário muito semelhante à obtida pelo W-CDMA (UMTS). c) 3G TD-SCDMA: Na China, o GSM é o padrão de interface de ar se fio mais popular, e o crescimento da base de assinantes sem fio é maior que em qualquer outro lugar do mundo. Por exemplo, no final de 2001, mais de 8 milhões de assinantes de telefone celular foram acrescentados em apenas 1 mês! O TD-SCDMA Acesso Múltiplo por Divisão de Tempo e Divisão de Código 17 / 18

18 Síncrono baseia-se na infraestrutura de núcleo GSM existente e permite que uma rede 3G evolua pelo acréscimo de equipamento com alta taxa de dados em cada estação-base GSM. Até 384 kbps de dados são fornecidos aos usuários em TDSCDMA. Os canais de rádio tem 1,6 MHz de largura de banda e contam com antenas inteligentes, filtragem espacial e técnicas de detecção de junção para gerar várias vezes mais eficiência de espectro do que o GSM. Um quadro de 5 ms é usado no TD-SCDMA, e esse quadro é subdividido em 7 slots de tempo que são atribuídos de forma flexível a um único usuário com alta taxa de dados ou a vários usuários mais lentos. Usando TDD, diferentes slots de tempo dentro de um único quadro em uma única frequência de portadora são usados para fornecer transmissões de canal direto e canal reverso. Para o caso de demanda de tráfego assíncrono, como quando o usuário faz o download de um arquivo, o enlace direto exigirá mais largura de banda do que o enlace reverso, e com isso mais slots de tempo estarão dedicados para fonecer tráfego de enlace direto do que para fornecer tráfego de enlace reverso. 5. Bibliografia RAPPAPORT, Theodore S.; Comunicação sem fio Princípios e práticas; 2ª edição; Pearson do Brasil; / 18

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

extras SOLO Estação Radio Base TETRA

extras SOLO Estação Radio Base TETRA Geyschlaegergasse 14, A-1150 Vienna, Austria, Europe +43/786 12 86-0 extras SOLO Estação Radio Base TETRA Utilidade Pública Indústria Governo Aeroportos Portos Transporte Segurança Pública 3T Communications

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR Antes de qualquer coisa é preciso apresentar o conceito de telefone celular. Este conceito pode ser definido como um transmissor de baixa potência onde freqüências podem

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004 A telefonia celular André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 Resumo Com o avanço das tecnologias dos sistemas de comunicação

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

Cap. 3 Redes sem fios

Cap. 3 Redes sem fios Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios 3.1 Introdução às redes celulares 1 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas

Leia mais

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim O Panorama da TV Digital no Brasil Leandro Miller Leonardo Jardim Tópicos Abordados TV Aberta no Brasil Vantagens da TV Digital Padrões de TV Digital Sistema Brasileiro de TV Digital Oportunidades na TV

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA.

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA. GERAÇÕES DA TELEFONIA MÓVEL A Telefonia móvel iniciou no final dos anos 70. A 1ª geração de telefonia era a analógica. O serviço padrão era o AMPS (Advanced Mobile Phone System). Esse sistema tinha como

Leia mais

2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular

2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular 18 2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular Neste capítulo será mostrada uma configuração básica para qualquer sistema de comunicação móvel celular, relacionando as principais funções de cada

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki Telefonia Móvel Leandro H. Shimanuki Índice Motivação História Funcionamento Gerações G s Curiosidades Telefonia Móvel 2 Motivação Contato maior com telefonia no Projeto Aplicativo para Mobilidade Urbana;

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T ANEXO 5 NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T Uma das vantagens mais marcantes do ISDB-T é a sua flexibilidade para acomodar uma grande variedade de aplicações. Aproveitando esta característica única do ISDB-T, vários

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física Capítulo 2: Camada Física Capítulo 2 A camada física slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação

Introdução aos Sistemas de Comunicação Introdução aos Sistemas de Comunicação Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicação) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 7 Na minha opinião o telemovél na sociedade tem uma boa vantagem porque com tem uma grande mobilidade (pode-se levar para todo o lado), através dele podemos entrar em contacto com amigos ou familiares

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI TELEFONIA CELULAR Tecnologia celular digital - sistema TDMA TDMA= Time Division Multiple Acess Multiplexação digital As informações de vários usuários são transmitidas em um canal comum em um determinado

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

IP Site Connect do MOTOTRBO. Aumente o alcance e melhore o desempenho.

IP Site Connect do MOTOTRBO. Aumente o alcance e melhore o desempenho. IP Site Connect do MOTOTRBO Aumente o alcance e melhore o desempenho. Acelere o desempenho. Uma solução de IP confiável para os Sistemas MOTOTRBO. Sua empresa precisa abranger a comunicação de pontos geograficamente

Leia mais

PLANOS DE INTERNET 3G SOB A ÓTICA DA MODELAGEM MATEMÁTICA

PLANOS DE INTERNET 3G SOB A ÓTICA DA MODELAGEM MATEMÁTICA PLANOS DE INTERNET 3G SOB A ÓTICA DA MODELAGEM MATEMÁTICA Carine Girardi Manfio Universidade Federal de Santa Maria carinemanfio@hotmail.com Cristiane Hahn Universidade Federal de Santa Maria crisfgh@yahoo.com.br

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

FleetBroadband. O referencial em comunicações móveis via satélite

FleetBroadband. O referencial em comunicações móveis via satélite FleetBroadband O referencial em comunicações móveis via satélite A toda velocidade para um futuro com banda larga FleetBroadband é o primeiro serviço de comunicações marítimas a fornecer voz e dados em

Leia mais

Tecnologia TDMA: Maior Capacidade e Funcionalidade Para Rádio Digital Bidirecional Profissional

Tecnologia TDMA: Maior Capacidade e Funcionalidade Para Rádio Digital Bidirecional Profissional Tecnologia TDMA: Maior Capacidade e Funcionalidade Para Rádio Digital Bidirecional Profissional DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Resumo Executivo O rádio bidirecional profissional licenciado está prestes a ter

Leia mais

Distribuição de antenas de telefonia móvel pessoal na cidade do Rio de Janeiro

Distribuição de antenas de telefonia móvel pessoal na cidade do Rio de Janeiro ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Distribuição de antenas de telefonia móvel pessoal na cidade do Rio de Janeiro Nº 20091101 Novembro - 2009 Fabiana Mota da Silva, Lúcia Helena

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR P25 Fase 1 Requisitos Gerais Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na

Leia mais

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI Dezembro 2011 INTRODUÇÃO A transmissão de dados via ondas de radio não é novidade, segundo Haykin e Moher, as primeiras

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Manual do Usuário. Desenvolvido para

Manual do Usuário. Desenvolvido para Manual do Usuário Desenvolvido para 1 Obrigado por comprar um Produto Comtac Você comprou um produto de uma empresa que oferece alta qualidade e valor agregado. Conheça nossa linha completa através do

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Telefonia Móvel: do Analógico ao 3G+

Telefonia Móvel: do Analógico ao 3G+ Telefonia Móvel: do Analógico ao 3G+ Guilherme Pimentel Diretor TIM Regional Sul 10 de Setembro de 2008 Tecnologia de celular, capaz de trafegar dados em alta velocidade É a banda larga móvel Videochamada,

Leia mais

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta DIMETRA IP Compact uma solução TETRA completa e compacta MOTOROLA - SEU PARCEIRO DE TECNOLOGIA CONFIÁVEL E ATUANTE Uma herança que dá orgulho As soluções TETRA da Motorola alavancam mais de 75 anos de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais