Fernanda Klein Both 08/05/ B13 1/30 SPED EFD PIS/COFINS. Sumário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fernanda Klein Both 08/05/ B13 1/30 SPED EFD PIS/COFINS. Sumário"

Transcrição

1 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 1/30 SPED EFD PIS/COFINS Sumário 1. O QUE É COMO FUNCIONA OBRIGATORIEDADE PRAZOS E MULTA CONFIGURAÇÕES INICIAIS Cadastro das Tabelas de Tributação PIS/COFINS Utilização das Tabelas de Tributação PIS/COFINS Regrava Tributação PIS/COFINS Erros no Relatório de Regravação Alterações no Lançamento do CTC/CT-e GERAÇÃO DO ARQUIVO Preenchimento dos campos para geração do arquivo Correção de Erros Consistências VALIDAÇÃO DO ARQUIVO Barra de Ferramentas do validador Importação e Validação do Arquivo Geração do Relatório de Erros e Advertências Geração de Apurações Configurações do bloco M para validação do arquivo Configuração da Natureza da Receita Registros M410 e M Descrição do Crédito apurado no Período Registro M105 e M Exportação e Geração do arquivo para entrega ANÁLISE DE ERROS NO VALIDADOR Estrutura do Layout do SPED PIS/Cofins Erros Comuns Erro CPF Inválido Erro CST s de PIS/Cofins diferentes Erro Código do Serviço Inválido Erro Inscrição Estadual Inválida Erro Informação de Alíquota Básica Erro Duplicidade de Ocorrência da Chave Erro O número do documento informado na chave da NF-e não confere com o número do documento informado no documento fiscal...30

2 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 2/30 1. O QUE É A EFD-PIS/Cofins trata-se de um arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito privado na escrituração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins, nos regimes de apuração não-cumulativo e/ou cumulativo, com base no conjunto de documentos e operações representativos das receitas auferidas, bem como dos custos, despesas, encargos e aquisições geradores de créditos da não-cumulatividade. 2. COMO FUNCIONA A partir de sua base de dados, a pessoa jurídica deverá gerar um arquivo digital de acordo com leiaute estabelecido pela Secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB, informando todos os documentos fiscais e demais operações com repercussão no campo de incidência das contribuições sociais e dos créditos da não-cumulatividade, referentes a cada período de apuração do PIS/Pasep e da Cofins. Este arquivo deverá ser submetido à importaç ão e validação pelo Programa Validador e Assinador (PVA - PIS/COFINS) fornecido pelo SPED. 1 No ERP Solution, o arquivo será gerado através do módulo Escrita Fiscal => Arquivos Digitais => EFD PIS/COFINS. 3. OBRIGATORIEDADE Conforme a Instrução Normativa nº1218, de 21 de dezembro de 2011, os novos períodos de apuração são: "Art. 3º... I - em relação aos fatos geradores ocorridos a partir de 1º de janeiro de 2012, as pessoas jurídicas sujeitas à tributação do Imposto sobre a Renda com base no Lucro Real; II - em relação aos fatos geradores ocorridos a partir de 1º de julho de 2012, as demais pessoas jurídicas sujeitas à tributação do Imposto sobre a Renda com base no Lucro Presumido ou Arbitrado. 1º Fica facultada a entrega da EFD-PIS/Cofins às pessoas jurídicas não obrigadas, nos termos deste artigo, em relação aos fatos geradores ocorridos a partir de 1º de abril de º A obrigatoriedade disposta neste artigo aplica-se às pessoas jurídicas referidas nos 6º, 8º e 9º do art. 3º da Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, e na Lei nº 7.102, de 20 de junho de 1983, em relação aos fatos geradores ocorridos a partir de 1º de julho de PRAZOS E MULTA Conforme Art. 5º da IN 1218/11, a EFD-PIS/Cofins será transmitida mensalmente ao Sped até o 10º (décimo) dia útil do 2º (segundo) mês subseqüente ao que se refira a escrituração, inclusive nos casos de extinção, incorporação, fusão e cisão total ou parcial. 1 SPED EFD PIS/COFINS. Disponív el em azenda.gov.br/sistemas/ef d-pis-cof ins/o-que-e.htm. Acesso em 07 de nov embro de 2011

3 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 3/30 De acordo com o art. 7º da Instrução Normativa RFB 1.052, de 2010, a não-apresentação da EFD- PIS/Cofins no prazo fixado acarretará a aplicação de multa no valor de R$ 5.000,00 (cinc o mil reais) por mês-calendário ou fração. 5. CONFIGURAÇÕES INICIAIS Para que o arquivo da EFD PIS/COFINS seja gerado com informações corretas e consistentes, é necessário que sejam efetuadas determinadas configu rações no sistema ERP Solution. 5.1 Cadastro da s Tabelas de Tributação PIS/COFINS Módulo Estoque => Cadastrar => Tributações PIS/COFINS (1426): Para fazer o cadastro da tabela de tributação de PIS/COFINS, deve-se selecionar a opção F3 - Cadastrar e preencher os campos correspondentes ao código da tabela, tipo de contribuinte, CST do PIS e do COFINS e percentuais de alíquotas. Ao cadastrar um código de tabela, esse deve ser utilizado para cadastrar todas as tabelas que possuem as características tributárias semelhantes. Tipo de Lançamento: Neste campo deve ser definido em que Tipo de Lançamento os dados cadastrados serão utilizados. Por exemplo, se o tipo de lançamento informado for Venda, devem ser informadas as características tributária de PIS e COFINS para a operações de Venda.

4 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 4/30 Exemplo: Ao emitir uma Nota Fiscal de Venda, o sistema ERP Solution irá buscar uma tabela de tributação com esse tipo de Lançamento para realização dos cálculos de tributação. Tipo Contribuinte Federal: O Sistema ERP Solution analisa a tributação que será utilizada em determinada operação através da análise do tipo de contribuinte definido na rotina Cadastro de Clientes e Fornecedores e do tipo definido no Cadastro da Tab ela de Tributação de PIS/COFINS. Exemplo: Ao fazer a emissão de uma Nota Fiscal de venda para um fornecedor do tipo Contribuinte Revendedor, o sistema buscará a tabela de tributação configurada para o mesmo tipo de contribuinte para definir a tributação a ser utilizada. %PIS: O PIS é um imposto de âmbito Federal, e suas alíquotas variam, entre outros critérios, de acordo com o tipo de opção de recolhimento de impostos definido pela empresa. Se a empresa utilizar o regime de tributação Lucro Real, por exemplo, a alíquota do PIS será de 1,65%; se a empresa utilizar o regime de tributação Lucro Presumido, a alíquota do PIS será de 0,65% %PIS Substituição: O percentual do PIS Substituição tem o mesmo conceito da Substituição Tributária do ICMS. O campo somente estará disponível quando o CST do PIS selecionado for característico da Substituição Tributária. R$ Alíquota PIS (quantidade): Existem determinados produtos que possuem incidência de PIS por unidade de medida. Neste caso, não é feito o cálculo com base na aplicação de uma alíquota, e sim com base na aplicação de um valor fixo. Quando for efetuado o cadastro de uma tabela de tributação para itens que se enquadram nesta situação, deve-se informar, ao invés da alíquota, o valor em R$ do imposto a ser pago. O campo somente estará disponível quando o CST selecionado for o 03 Operação tributável com Alíquota por Unidade de Medida de Produto. % Multiplicador da Ba se de PIS: O multiplicador é semelhante ao MVA, e é utilizado normalmente para aumentar/diminuir o valor da base de cálculo, que será utilizada para fazer o cálculo do valor devido. Exemplo: Para aumentar a base de cálculo em 40% deve-se inserir o valor 1,40. Para diminuir a base em 40%, deve-se inserir o valor 0,60. %COFINS: O COFINS é uma contribuição de âmbito Federal, e suas alíquotas variam, entre outros critérios, de acordo com o tipo de opção de recolhimento de impostos definido pela empresa. Se a empresa utilizar o regime de tributação Lucro Real, por exemplo, a alíquota da COFINS será de 7,60%; se a empresa utilizar o regime de tributação Lucro Presumido, a alíquota da COFINS será de 3,00% %COFINS Substituição: O percentual da COFINS Substituição tem o mesmo conceito da Substituição Tributária do ICMS. O campo somente estará disponível quando o CST da COFINS selecionado for característico da Substituição Tributária.

5 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 5/30 R$ Alíquota COFINS (quantidade): Existem determinados produtos que possuem incidência de COFINS por unidade de medida. Neste caso, não é feito o cálculo com base na aplicação de uma alíquota, e sim com base na aplicação de um valor fixo. Quando for efetuado o cadastro de um a tabela de tributação para itens que se enquadram nesta situação, deve-se informar, ao invés da alíquota, o valor em R$ do imposto a ser pago. O campo somente estará disponível quando o CST selecionado for o 03 Operação tributável com Alíquota por Unidade de Medida de Produto. %Multiplicador da Base de COFINS: O multiplicador é semelhante ao MVA, e é utilizado normalmente para aumentar/diminuir o valor da base de cálculo, que será utilizada para fazer o cálculo do valor devido. Exemplo: Para aumentar a base de cálculo em 40% deve-se inserir o valor 1,40. Para diminuir a base em 40%, deve-se inserir o valor 0,60. Importante! Em um primeiro momento essas tabelas serão utilizadas apenas para a geração do SPED PIS/COFINS, porém no futuro toda a configuração do cálculo de PIS/COFINS será realizada com base nas Tabelas de Tributação de PIS/COFINS e os campos "Calcula PIS" e "Calcula COFINS" localizados no cadastro do produto deixarão de existir. 5.2 Utilização das Tabelas de Tributação PIS/COFINS Atualmente é possível definir o código da tabela de tributação de PIS/COFINS no cadastro de NCM (rotina 1004), no Cadastro do Produto (rotina 1068) e no Cadastro da Operação (rotina 1010). Se o código da Tabela de Tributação de PIS/COFINS for definido no Cadastro da Operação (rotina 1010), essa informação irá prevalecer sobre todas as demais. Se a informação for inserida no Cadastro de NCM (rotina 1004), e for selecionada a opção Atualizar PIS/COFINS nos produtos dessa NBM ela será replicada para todos os produtos vinculados à respectiva NCM, que também estará informada no Cadastro de Produtos - aba outras informações (rotina 1068).

6 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 6/30

7 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 7/ Regrava Tributação PIS/COFINS Módulo Estoque => Processamentos => Regrava Tributação PIS/COFINS (1431): Após cadastrar as tabelas de tributação de PIS/COFINS, é necessário que seja realizada a regravação da tributação de PIS/COFINS, para que as configurações definidas nas tabelas sejam replicadas para as Notas Fiscais e CTC s já gerados. Se a regravação não for efetuada, não será possível validar o SPED PIS/COFINS. Para efetuar a regravação, deve-se preencher os filtros da rotina conforme a necessidade da empresa.

8 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 8/30 Regrava Nota s/ctc s: Neste campo é possível optar se serão regravadas as informações apenas das Notas Fiscais, apenas dos CTC, ou de ambos os registros. Filial: Apesar de a geração do arquivo SPED PIS/COFINS ser feita por empresa, é possível realizar a regravação da movimentação por filial. Se o campo for deixado em branco, serão regravadas as informações para todas as filiais da empresa. Data Inicial/Data Final: Campo utilizado para filtrar o período de movimentação que será alterado. As empresas optantes pelo Lucro Real devem ter a informação de PIS/COFINS regravada desde 07/2011; as empresas optantes pelo Lucro Presumido devem ter a informação de PIS/COFINS regravada desde 01/2012. Recomenda-se realizar a gravação em períodos mensais. O preenchimento deste campo é obrigatório. NF/CTC Inicial/Final: Campo utilizado para filtrar o intervalo de numeração de Notas Fiscais e CTC que deverão ser alterados. Campo de preenchimento opcional. Cód. Operação: Neste campo deve-se selecionar a operação das Notas Fiscais/CTC s que devem ser alterados. O campo pode ser utilizado como filtro adicional para regravação da movimentação e é de preenchimento opcional

9 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 9/30 Exibir Registros: Filtro utilizado para exibição do relatório que lista os registros alterados. Pode -se optar entre as opções Todos, Apenas Inconsistentes, Apenas Consistentes. A opção apenas inconsistentes deve ser utilizada para visualizar os registro com erros. Imprimir Erros: Utilizado para exibir as inconsistências de forma detalhada no relatório. CST Padrão: Nos campos do quadro CST Padrão devem ser inseridas as informações do CST de entrada e saída de PIS/COFINS tributado e não tributado. O CST Padrão será utilizado caso não seja encontrada uma tabela de tributação de PIS/COFINS ou quando a mesma não é válida. Sempre serão consideradas as informações inseridas no cadastro da operação ou no cadastro do produto (nesta ordem), porém, se não houver nada informado na operação e no produto, ou se a tabela de tributação de PIS/COFINS informada estiver incorreta, será gravado o CST Padrão informado nos campos do quadro CST Padrão. Exemplo: No cadastro do produto XYZ foi definida a tabela de tributação de PIS/COFINS cujo CST para operação de venda é 04 Operação Tributável Monofásica Revenda à alíquota zero, porém em uma Nota Fiscal emitida no mês de julho de 2011 ocorreu a incidência de PIS/COFINS. Neste caso o CST deve corresponder à uma operação tributável. Para resolver essa situação, pode ser informado o CST 01 Operação Tributável com Alíquota Básica no campo CST Padrão para Saída Tributada. Regravar Movimentação (efetivar): Este campo somente deve ser selecionado quando se desejar efetivar as alterações configuradas na rotina de regravação. É recomendado que a rotina seja gerada primeiramente com o campo desmarcado para verificação do relatório de inconsistências. Recalcular valores de PIS/COFINS do CTC conforme a tabela de tributação: Até o momento, o campo de PIS/COFINS para cálculo sobre o CTC não estava disponível. Em virtude disso, as movimentações de frete realizadas não possuem crédito de PIS/COFINS. Para gravar essas informações no CTC, deve-se gerar o relatório com esse campo marcado. Dessa forma, o PIS/COFINS será calculado tomando como base do imposto o valor do frete e atribuindo o CST e alíquota informados no Cadastro da Operação utilizada para lançar o CTC ou ainda o valor informado no quadro CST Padrão. Em suma, o que irá determinar o crédito (cálculo) de PIS/COFINS será o CST informado na operação ou no quadro CST padrão. Importante! Quando a base de cálculo do PIS for inferior a R$0,32, gerando um valor de imposto menor de R$0,01, o ERP Solution irá fazer o arredondamento do valor para R$0,01 (um centavo). O arredondamento irá ocorrer porque se houver valor de COFINS e não houver valor de PIS, o validador considera a informação incorreta.

10 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 10/ Erros no Relatório de Regravação Ao confirmar a Regravação da Tributação de PIS/COFINS, será gerado um relatório no qual, se for marcado o campo Imprimir Erros será possível visualizar os erros que ocorreram nas Notas Fiscais cujas informações foram consideradas Inconsistentes. Esses erros devem ser corrigidos e a regravação deve ser feita novamente. Erro! Tabela de Tributação de PIS/COFINS não encontrada: O erro ocorre porque não foi encontrada a tabela de tributação de PIS/COFINS nos itens vinculados à NF. Neste caso, deve-se verificar primeiramente na rotina 1426 Cadastro de Tabela de Tributação se as tabelas de tributação de PIS/COFINS foram corretamente cadastradas. Após, deve-se verificar se a tabela foi inserida no cadastro do produto (rotina 1068), no cadastro do NCM (rotina 1004) ou n o cadastro da operação (rotina 1010). A informação da tabela é obrigatória para cálculo do CTC, porém para as Notas Fiscais, é possível definir as informações na própria rotina de regravação ou através da rotina 1359 Altera Tributação NF. Erro! CST 04 não permite o cálculo de PIS/COFINS: O erro ocorre porque foi inserido o CST 04 Operação Tributável Monofásica Revenda à Alíquota Zero, porém na Nota Fiscal informada no relatório houve o destaque do imposto. Neste caso, pode-se corrigir o CST ou o valor destacado diretamente na Nota Fiscal, ou corrigir a tabela de tributação informada no cadastro do produto/ncm/operação. É importante verificar se a tabela foi configurada corretamente para o tipo de movimentação que está sendo realizada pela Nota Fiscal (compra, venda, etc.) Erro! CST 01 exige o cálculo de PIS/COFINS: O erro ocorre porque foi inserido o CST 01 Operação Tributável com Alíquota Básica, porém na Nota Fiscal informada no relatório não houve o destaque do impostos. Neste caso, pode-se corrigir o CST ou o valor destacado diretamente na Nota Fiscal, ou corrigir a tabela de tributação informada no cadastro do produto/ncm/operação. É importante verificar se a tabela foi configurada corretamente para o tipo de movimentação que está sendo realizada pela Nota Fiscal (compra, venda, etc.) Erro! CST 73 sem direito a crédito de PIS/COFINS: O erro ocorre porque foi inserido o CST 73 Operação de Aquisição à Alíquota Zero, porém na Nota Fiscal informada no relatório houve o destaque do imposto. Neste caso, pode-se corrigir o CST ou o valor destacado diretamente na Nota Fiscal, ou corrigir a tabela de tributação informada no cadastro do produto/ncm/operação. É importante verificar se a tabela foi configurada corretamente para o tipo de movimentação q ue está sendo realizada pela Nota Fiscal (compra, venda, etc.) Erro! CST 50 exige a informação do valor do crédito de PIS/COFINS: O erro ocorre porque foi inserido o CST 50 Operação com Direito à Crédito, porém na Nota Fiscal informada no relatório não houve o destaque do impostos. Neste caso, pode-se corrigir o CST ou o valor destacado diretamente na Nota Fiscal, ou corrigir a tabela de tributação informada no cadastro do produto/ncm/operação. É

11 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 11/30 importante verificar se a tabela foi configurada corretamente para o tipo de movimentação que está sendo realizada pela Nota Fiscal (compra, venda, etc.) Erro! CST 74 sem direito a crédito de PIS/ COFINS: O erro ocorre porque foi inserido o CST 74 Operação de Aquisição sem incidência de tributação, porém na Nota Fiscal informada no relatório houve o destaque do imposto. Neste caso, pode-se corrigir o CST ou o valor destacado diretamente na Nota Fiscal, ou corrigir a tabela de tributação informada no cadastro do produto/ncm/operação. É importante verificar se a tabela foi configurada corretamente para o tipo de movimentação que está sendo realizada pela Nota Fiscal (compra, venda, etc.) Erro! CST de PIS/COFINS não informado: Ocorre quando existe tabela de tributação de PIS/Cofins vinculada ao produto ou operação, porém a mesma não é válida para a Nota Fiscal em questão. Por exemplo, o produto vinculado à tabela de tributação de PIS/COFINS de código 6 foi alocado a uma NF de venda, porém a tabela de tributação só existe nas variações Outras Entradas e Outras Saídas. Neste caso, para corrigir a situação, deve-se criar a tabela de tributação de PIS/COFINS de código 6 para Venda. 5.4 Alterações no Lançamento do CTC/CT -e Para atender às exigências do SPED PIS/COFINS, deve-se, a partir de agora, preencher os seguintes campos no momento do lançamento do CTC/CT-e:

12 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 12/30 Modelo Fiscal: Neste campo será necessário inserir o modelo fiscal que caracteriza o CTC que está sendo lançado. Por padrão é utilizado o modelo 08 - Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas, porém existem outros modelos que caracterizam conhecimento de transporte: 07, 8B, 09, 10, 11, 26, 27 e 57. Tipo do CT-e: O campo Tipo do CT-e deverá ser preenchido sempre que o Modelo Fiscal utilizado for o 57 - Conhecimento de Transporte Eletrônico. Com isso, também passa a ser obrigatório o preenchimento do campo "Chave de acesso do CT-e". Tabela de Tributação do PIS/COFINS: Ao informar a operação utilizada no lançamento do CTC, o sistema ERP Solution irá verificar se a essa operação possui uma tabela de t ributação do PIS/COFINS vinculada; caso sim, a mesma será informada no lançamento do CTC e os CST s de PIS/COFINS serão preenchidos a partir dessa tabela. Caso a operação não tenha uma tabela de tributação de PIS/COFINS vinculada, a mesma pode ser informada manualmente no lançamento de CTC, não sendo obrigatória. Se não for informada uma Tabela de Tributação de PIS/COFINS, os CST s de PIS/COFINS podem ser informados manualmente. A partir do CST s o sistema possibilitará o preenchimento dos valores de PIS/COFINS, quando tributado, ou irá zerar os valores quando não tributado. Código da Ba se de Cálculo do Crédito do PIS/COFINS: Este campo deve ser preenchido para discriminar o crédito de PIS/COFINS, caso existam valores a serem creditados. 6. GERAÇÃO DO ARQUIVO Para validar o arquivo do SPED PIS/COFINS no validador da RFB é necessário gerar um arquivo no ERP Solution. Esse arquivo será automaticamente criado seguindo o leiaute exigido pela RFB e deverá ser importado no validador. Para que o arquivo seja gerado adequado às necessidades da empresa, é necessário que algumas informações sejam preenchidas. 6.1 Preenchimento dos campos para geração do arquivo Para gerar o arquivo a ser importado no validador, é necessário acessar o Módulo Escrita Fiscal => Principal => Arquivos Digitais => SPED-EFD PIS/COFINS (6073).

13 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 13/30 Diretório do Arquivo: Neste campo deverá ser informado o diretório onde o arquivo será salvo. Para fazer a pesquisa do local pode-se digitar o caminho, ou selecionar o botão para buscar a pasta. Data Inicial/Final: Inserir a data inicial e final do período a ser considerado para geração do arquivo. A data inicial e a data final devem corresponder ao mesmo mês de apuração. Versão do Leiaute: Versão do leiaute que será considerada para gerar o relatório a ser importado no validador da RFB. Tipo de Escrituração: Deverá ser selecionada a opção 0 - Original se o arquivo está sendo enviado pela primeira vez. Se o arquivo é correspondente à uma retificação, então deve-se selecionar a opção 1 Retificadora. Número do Recibo da Escrituração anterior a ser retificada: Esse campo deverá ser preenchido somente quando o arquivo que está sendo gerado corresponde à uma retificação de outro arquivo já enviado anteriormente. Se no campo Tipo de Escrituração for selecionada a opção 0 Original, não será necessário inserir o número do recibo.

14 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 14/30 Situação Especial: O campo não é obrigatório e somente deverá ser preenchido se houve alguma situação especial na empresa, como por exemplo, abertura, cisão, incorporação, etc. Se não houver nenhuma situação especial na empresa, o campo pode ser deixado em branco. Tipo de atividade preponderante: Neste campo deve-se selecionar a atividade preponderante da empresa, ou seja, a principal atividade que a empresa exerceu no período da escrituração. Esse campo é obrigatório e não pode ser deixado em branco. Os tipos de atividade disponíveis para seleção são: 0 Industrial ou equiparado a industrial; 1 Prestador de serviços; 2 - Atividade de comércio; 3 Atividade financeira; 4 Atividade imobiliária; 9 Outros Natureza da Pessoa Jurídica: Campo de preenchimento opcional, no qual pode ser informado se a natureza da pessoa jurídica corresponde a uma sociedade empresária, sociedade cooperativa, ou sociedade com incidência de P IS somente sobre a folha de pagamento. Incidência Tributária no Período: Deve-se selecionar a opção que corresponde ao regime de apuração das contribuições sociais a que a empresa se submete. O preenchimento deste campo é obrigatório. Método de Apropriação de Créditos (regime não-cumulativo): Campo de preenchimento opcional, no qual deve-se selecionar qual o método de apropriação de créditos a empresa cujo regime é não-cumulativo utiliza. Os campos disponíveis para seleção são: 1 Método de Apropriação Direta; e 2 Método de Rateio Proporcional (Receita Bruta). Tipo de Contribuição apurada no período: Indicar o código correspondente ao tipo de contribuição apurada no período. Deverá ser selecionado o Indicador 1 no caso de apuração das contribuições exclusivamente às alíquotas básicas de 0,65% ou 1,65% (PIS/Pasep) e de 3% ou 7,6% (Cofins); Nos casos de apuração das contribuições às alíquotas específicas, decorrentes de operações tributadas no regime monofásico ou em regimes especiais. A empresa sujeita à apuração das contribuições sociais a alíquotas específicas deve informar o indicador 2 mesmo que, em relação a outras receitas, se submeta à alíquota básica. 6.2 Correção de Erros Para que seja possível finalizar a geração do arquivo do SPED PIS/COFINS, o sistema ERP Solution irá realizar algumas consistências. O arquivo somente terá sua geração concluída após correção de todos os erros. Nos tópicos abaixo seguem as orientações para realizar a correção de cada um dos erros que podem surgir.

15 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 15/30 Erro! Código da cidade não informado no cadastro da filial: Deve-se acessar o menu Especial => Cadastro da Filial (99002), selecionar a filial, clicar em F8 Alterar e inserir o código da cidade no campo Pesquisar.. Para pesquisar o código da cidade deve-se clicar sobre o campo e selecionar o botão F4 Erro! Nome do Contador não informado: Deve-se acessar o módulo Contabilidade => Cadastrar => Cadastro de Parâmetros (7017) aba Responsável pela empresa, e inserir no campo a informação solicitada. Erro! Número do CPF do Contador não informado: Deve-se acessar o módulo Contabilidade => Cadastrar => Cadastro de Parâmetros (7017) aba Responsável pela empresa, e inserir no campo a informação solicitada. Erro! CRC do Contador não informado: Deve-se acessar o módulo Contabilidade => Cadastrar => Cadastro de Parâmetros (7017) aba Responsável pela empresa, e inserir no campo a informação solicitada. Erro! Para cliente/fornecedor do exterior (UF=EX) é necessário informar o Código do País: Deve-se acessar o módulo Estoque => Cadastrar => Contas => Cadastro de Clientes e Fornecedores (7034), informar o código do cliente descrito na mensagem de alerta, clicar em F8 Alterar, e inserir no campo a informação solicitada. Para pesquisar o código do país, deve-se clicar sobre o campo e selecionar o botão F4 Pesquisar. Erro! De scrição do produto deve conter mais de 1 caractere : Deve-se acessar o módulo Estoque => Cadastrar => Produtos => Cadastro de Produtos (1068), informar o código do produto descrito na mensagem de alerta, clicar em F8 Alterar, e alterar a descrição do item de forma que esta tenha mais de um caractere. Se o campo estiver marcado, deve-se também observar o campo localizado na aba Dados Adicionais e, alterá-lo caso este possua apenas um caractere. Erro! NCM inválido, valor informado com menos de 8 dígitos: Deve-se acessar o módulo Estoque => Cadastrar => Produtos => Cadastro de Produtos (1068), informar o código do produto descrito na mensagem de alerta, clicar em F8 Alterar, ir até a aba Dados Adicionais e inserir o NCM correto no campo. Erro! Item sem informação do Código da base de crédito de PIS/Cofins: É o número utilizado

16 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 16/30 para codificação da base de cálculo dos créditos apurados no período. Sempre que houver o crédito ou o débito de PIS/COFINS deve-se informar esse código em cada um dos itens da Nota Fiscal/CTC. Quando ocorrer o erro descrito acima em uma Nota Fiscal, deve-se acessar o módulo Estoque => Principal => Notas => Altera Tributação NF (1359), informar o código da Nota Fiscal, selecionar o item, clicar em alterar e informar o código da base de crédito correspondente ao item no campo Erro! CST de PIS/COFINS não informado: Para corrigir esse erro deve-se acessar o módulo Estoque => Principal => Notas => Altera Tributação NF (1359), informar o código da Nota Fiscal que apareceu na mensagem de alerta, selecionar um dos itens, clicar em alterar e inserir no campo CST correspondente à tributação de PIS/COFINS do item. o Erro! CST sem direito a crédito de PIS/COFINS: Para corrigir esse erro deve-se acessar o módulo Estoque => Principal => Notas => Altera Tributação NF (1359), informar o código da Nota Fiscal que apareceu na mensagem de alerta, selecionar um dos itens, clicar em alterar e inserir no campo o CST correspondente à tributação de PIS/COFINS do item que gera direito à crédito. Exemplo: Erro! CST exige a informação do valor do crédito de PIS/COFINS: Esse erro ocorre quando foi informado um CST que caracteriza a permissão de crédito de PIS/COFINS, porém não há informação de base de cálculo e nem do valor de PIS/COFINS informado no item. Para que esse erro não volte a ocorrer deve-se acessar o módulo Estoque => Principal => Notas => Altera Tributação NF (1359), informar o código da Nota Fiscal para a qual apareceu na mensagem de alerta, selecionar um dos itens, clicar em alterar e preencher os campos e ou mudar o CST do item. Erro! CST não permite o cálculo de PIS/COFINS: Esse erro ocorre quando foi informado um CST que não caracteriza a permissão de crédito de PIS/COFINS, porém há informação de base de cálculo e de valor de PIS/COFINS informado no item. Para que esse erro não volte a ocorrer deve-se acessar o módulo Estoque => Principal => Notas => Altera Tributação NF (1359), informar o código da Nota Fiscal para a qual apareceu na mensagem de alerta, selecionar um dos itens, clicar em alterar e deixar em branco os campos e ou mudar o CST do item para um que permita o cálculo de PIS/COFINS. 6.3 Consistências Além dos erros discriminados no tópico acima, podem ser gerados diversos relatórios de consistências que irão auxiliá-lo na geração do arquivos sem erros e advertências. Aconselha-se que seja feita a conferência de todos os relatórios antes de efetivar a geração do arquivo.

17 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 17/30 Relatório de Consistência de Unidades: Através desta opção podem ser gerados 2 relatórios: O relatório com unidades não cadastradas ou o relatório de unidades com caracteres inválidos. Relatório de Consistência de Produtos: O relatório de consistência de produtos irá identificar se há informações incorretas no cadastro de produtos. O relatório será gerado conforme exemplo abaixo: Produtos. Todas as informações incorretas deverão ser alteradas diretamente na rotina Cadastro de Relatório de Consistência de Cupons X Redução Z: Identifica se o valor total de Cupons Fiscais existentes corresponde ao valor da reduç ão Z lançada na mesma data. Se houver diferenças, as mesmas aparecerão no relatório destacadas em amarelo.

18 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 18/30 Relatório de Consistência de CFOP: Valida o CFOP conforme o tipo de operação (entrada, saída), para dentro do estado, exportação, etc e informa se há erros no CFOP, informando o motivo pelo qual o erro ocorreu. Relatório de Consistência de NBM: Verifica os produtos que estão sem NBM ou que possuem menos de 8 dígitos Relatório de Consistência de PIS/COFINS de Nota s/ctc: Acesso à rotina 1431 Regrava Tributação PIS/Cofins Relatório de Receitas por CST de PIS/COFINS: Através desta opção é possível gerar um relatório de PIS/Cofins por CST/Grupo/Produto para auxiliar no detalhamento da apuração do bloco M (validador). Ao selecionar o campo será aberta a seguinte rotina: Através do preenchimento dos filtros acima, é possível gerar um relatório que auxiliará no preenchimento dos detalhamentos da Receita auferida, exigidos quando há registro de venda de produtos com os CST s 04, 05, 06, 07, 08 e 09

19 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 19/30 7. VALIDAÇÃO DO ARQUIVO 7.1 Barra de Ferramentas do validador A barra de ferramentas está disposta horizontalmente logo abaixo da barra de menus e permite acessar rapidamente as seguintes funções do programa: Importar Nova Escrituração Esta função permite importar um arquivo digital no leiaute estabelecido. Abrir Escrituração Esta função permite abrir um arquivo digital previamente importado. Verificar Pendências da Escrituração Esta função permite verificar pendências um arquivo digital que estiver no estado "Em Edição". Gerar Arquivo de Escrituração para Entrega Esta função permite gerar arquivo pronto para transmissão a partir de uma escrituração que estiver no estado "Validado". Editar Escrituração Esta função permite editar um arquivo digital previamente aberto. Fechar Escrituração Esta função permite fechar o arquivo digital em uso. Assinar Escrituração Esta função permite assinar a escrituração que já esteja pronta para a transmissão. Excluir Assinatura da Escrituração Esta função permite excluir a assinatura de uma escrituração assinada. Transmitir Escrituração Esta função permite transmitir a escrituração. Consultar Situação da Escrituração no Sped Esta função permite consultar a situação da escrituração nas bases do SPED. Excluir Escrituração Esta função permite excluir determinada escrituração da base de dados do sistema. Gerar Cópia de Segurança Permite gerar cópia de segurança de escriturações que constam na base de dados do sistema. Restaurar Cópia de Segurança

20 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 20/30 Permite restaurar escriturações por meio de um arquivo de cópia de segurança gerado anteriormente pelo sistema. Sair Permite sair do programa SPED EFD PIS/Cofins. 7.2 Importação e Validação do Arquivo Para importar o arquivo gerado pelo ERP Solution para o Validador do SPED PIS/COFINS deve-se efetuar o seguinte procedimento: Seleção do Arquivo: A partir do menu Escrituração PIS/Cofins, selecionar a opção Importar : Será apresentada a tela "Importar Escrituração" para que se indique a localização do arquivo da escrituração que se deseja importar. O usuário deverá clicar no botão para iniciar a operação ou no botão para desistir; Será apresentada a tela de progresso da operação, permitindo que o usuário cancele a operação a qualquer momento, clicando no botão. Validação do Arquivo: Ao término do processamento, será apresentada uma caixa de mensagem informando o final da operação. Nesta caixa de mensagem o usuário deve esc olher se deseja prosseguir com o processo de Validação. O processo de Validação pode ser acessado posteriormente a partir do menu Escrituração PIS/Cofins, selecionando a função Verificar Pendências. Finalizada a validação, será informado o final do processo. Em sequência, o relatório "Resultado da Validação" será exibido. 7.3 Geração do Relatório de Erros e Advertências mensagem: Após finalizar a validação do arquivo, se o mesmo tiver erros e advertências, será exibida a seguinte

21 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 21/30 Após pressionar OK, deve-se marcar as opções Erros e Avisos que estarão disponíveis na tela e clicar em Exibir para que os relatórios sejam exibidos. Outra forma de verificação dos erros e advertências é, a partir do menu Escrituração PIS/Cofins, selecionar a opção Verificar Pendências. Será apresentada a tela Verificar Pendências da Escrituração com a lista de escriturações disponíveis; Após selecionar a escrituração desejada, deve-se clicar no botão para iniciar a operação ou no botão para desistir. Ao término do processamento, será apresentada a caixa de mensagem informando o final da operação. Se forem detectados erros durante o processo de validação, será exibida a mensagem descrita acima informando esta condição, sendo, em seguida, apresentado o relatório de Pendências de Validação. 7.4 Geração de Apurações Após validar o arquivo, é necessário gerar as apurações de PIS/COFINS para que o bloco M Apuração da Contribuição e Crédito de PIS/COFINS seja incluído nos registros do arquivo. É possível realizar esse procedimento através do validador após a importação do arquivo, conforme descrito no tópico acima. validador. Para gerar a apuração, deve-se selecionar o botão, localizado na barra de ferramentas do Em determinadas situações, a mensagem abaixo é exibida na tela. Nesses casos deve-se selecionar a opção Sim para prosseguir com a apuração.

22 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 22/30 Após gerar as apurações deve-se selecionar novamente o botão arquivo agora com os registros de apuração. para refazer a validação do 7.5 Configurações do bloco M para validação do arquivo Configuração da Natureza da Receita Registros M410 e M810 Conforme informado anteriormente, o bloco M - Apuração da Contribuição e Crédito de PIS/COFINS é gerado diretamente pelo validador, porém, alguns dos registros da apuração de PIS/COFINS deverão ser detalhados manualmente. Os registros M410 e M810 referem-se ao detalhamento das seguintes receitas: - Isentas: CST 07 - Não incidentes: CST 08 - Sujeitas à alíquota zero: CST s 04 e 06 - Substituição Tributária: CST 05 - Suspensão: CST 09 Caso exista movimentação de itens que se enquadrem em um dos CST s listados acima, será necessário realizar o detalhamento do valor e natureza da receita que foi auferida. É possível identificar a necessidade de realização do detalhame nto do PIS através da seguinte mensagem de erro gerada pelo validador:

23 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 23/30 O detalhamento do COFINS, por sua vez, poderá ser identificado através da mensagem abaixo: Para correção de ambos os erros, ou seja, para realizar o detalhamento das receitas é nec essário clicar sobre a mensagem Não se aplica, destacada em azul. Ao clicar na mensagem, será aberta a seguinte tela: No quadro superior é possível visualizar a lista de CST s que deverão ter suas informações detalhadas. Para realizar a inserção dos dados, deve-se selecionar a linha do CST que será detalhada, clicar em do quadro Detalhamento das receitas para digitar as informações. Ao clicar em, a seguinte tela será aberta:

24 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 24/30 No campo Natureza da Receita deverá ser selecionada a opção que se enquadre aos detalhamentos de produtos que estão sendo cadastrados. Se em um mesmo CST houver mais do que um tipo de Natureza da Receita, deve-se cadastrar primeiramente um tipo, informar o valor correspondente, salvar e depois clicar novamente em para cadastrar o novo registro. Após finalizar os detalhamentos de todos os valores e CST s dos registro M410 e M810, bem como a correção dos demais erros (caso existirem), deve-se selecionar o botão arquivo. para validar novamente o Descrição do Crédito apurado no Período Registro M105 e M505 Quando ocorrer crédito apurado no período de geração do arquivo, o mesmo deve ser detalhado através de uma descrição no registro M505 gerado pela opção Gerar apurações do validador. É possível identificar a necessidade de realização do detalhamento do PIS através da seguinte mensagem de erro gerada pelo validador: O detalhamento do COFINS, por sua vez, poderá ser identificado através da mensagem abaixo: Quando ocorrer um dos erros listados acima, deve-se clicar sobre a descrição 10 DESC_CRED e informar a descrição do crédito na tela que será exibida. Após finalizar todos os detalhamentos dos registros M105 e M505, bem como a correção dos demais erros (caso existirem), deve-se selecionar o botão para validar novamente o arquivo. 7.6 Exportação e Geração do arquivo para entrega Após realizada a apuração dos créditos e demais detalhamentos e correções do arquivo, o mesmo deve ser exportado com as informações incluídas diretamente no validador. Isso é pos sível através do menu Escrituração PIS/Cofins => Gerar arquivo para entrega. Feito este procedimento, o arquivo pode ser assinado e transmitido para a RFB.

25 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 25/30 8. ANÁLISE DE ERROS NO VALIDADOR 8.1 Estrutura do Layout do SPED PIS/Cofins Conforme informamos anteriormente, para gerar o SPED PIS/COFINS, a pessoa jurídica deverá gerar um arquivo digital de acordo com leiaute estabelecido pela Secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB. Esse leiaute discrimina todos os campos que devem constar no arquivo e poderá auxiliar de forma significativa na correção dos erros que ocorrem ao efetuar a importação do arquivo. O Guia Prático divide o arquivo em vários blocos que por sua vez são divididos em vários registros diferentes que gravam determinadas informações sobre a empresa. Os registros localizados dentro dos blocos são formados por diversos campos. Cada campo deve conter um dado específico que deve possuir o tamanho e a informação esperada pela RFB. Se um dos campos de algum registro não estiver de acordo com o esperado no leiaute, ocorrerão erros de validação do arquivo.

26 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 26/30 Exemplo: No exemplo abaixo pode-se visualizar como é composto o registro de erro no validador. Linha Posição: Essa informação mostra em que linha do arquivo.txt gerado está localizado o registro com erro. Neste caso, o registro que possui erros está localizado na linha Campo: Cada registro é formado por diversos campos. Cada campo possui um número seqüencial e representa uma informação específica. Neste caso, o erro ocorreu no registro nº11 DT_DOC. Conteúdo do campo: Essa informação grava qual é o conteúdo que está registrado no arquivo gerado para o campo nº11. Registro: Mostra em qual registro está inserido o campo que está com erros. Conteúdo do Registro: Mostra todos os campos da linha que possui um campo com problema. Mensagem: Mostra todas a mensagem de erro que auxiliar na identificação do problema. Neste caso, o erro ocorre no campo 11- DT_DOC do registro D100. Os detalhes a respeito desse campo poderão ser visualizados no Registro D100 do Guia Prático. Ao analisarmos o arquivo.txt, é possível visualizar que os campos são divididos pelo caractere. No caso do erro verificado, a seguinte informação será visualizada na linha nº13.673: De acordo com o informado pelo teste de erros do validador, o campo deveria ser informado no formato ddmmaaaa, porém ao analisar o conteúdo inserido no campo, o mesmo possui a seguinte gravação: , ou seja, no formato esperado o registro ficaria com a informação 10/02/ 12 ao invés de 10/02/2012.

27 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 27/30 Para confirmar qual é a informação correta a ser preenchida no campo, deve -se analisar o que está informado no Guia Prático EFD PIS/Cofins: Após localizar qual é a informação correta que deveria estar inserida no campo, deve-se efetuar as alterações no campo correspondente do ERP Solution e gerar novamente o arquivo, que será gerado com a informação correta e será validado sem erros. DICA: Para visualizar de forma mais clara as informações que constam no arquivo.txt gerado, s ugere-se que seja utilizado o programa Notepad ++, disponível para download na Internet. 8.2 Erros Comuns Erro CPF Inválido

28 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 28/30 O erro ocorre quando o CPF/CNPJ informado no cadastro do cliente está incorreto ou incompleto. Para corrigir a situação deve-se acessar o módulo Estoque => Cadastrar => Contas => Cadastro de Clientes e Fornecedores (7034), selecionar o cliente para o qual ocorreu o erro, clicar em F8 Alterar, e efetuar a correção. Após, deve-se acessar a rotina 1057 Consulta de Notas Fiscais, informar o código da conta que teve o CPF/CNPJ alterado, o período para o qual foi gerado o arquivo do SPED PIS/COFINS e efetuar a pesquisa das Notas Fiscais emitidas para esse cliente. Deve -se selecionar separadamente cada uma das NF s, clicar em F8 Alterar e passar novamente pelo campo onde está informado o código do cliente para que as informações sejam atualizadas Erro CST s de PIS/Cofins diferente s O erro ocorre quando foi informado um CST de PIS diferente do CST de Cofins para um determinado item da Nota Fiscal. Ao clicar no campo Não se aplica é possível visualizar o CST que está informado em cada um dos registros.

29 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 29/30 Normalmente essa situação ocorre quando a tabela de tributação de PIS/Cofins (rotina 1426) possui CST s diferentes informados para o PIS e para a Cofins. Para corrigir a situação deve -se primeiramente configurar novamente a tabela, informando CST s semelhantes para ambos os itens e posteriormente fazer a regravação do CST para essa operação através da rotina 1431 Regrava tributação PIS/COFINS. Outra opção é acessar a rotina 1359 Altera Tributação NF e ajustar o CST incorreto Erro Código do Serviço Inválido Este erro ocorre devido à classificação do serviço informada no cadastro do produto. Para correção deve-se acessar: Módulo Estoque => Cadastrar => Produtos => Cadastro de Produtos (Rotina 1068), selecionar o item e abrir a tela de alteração através do botão F8 alterar. Ir até a aba Dados Adicionais e, no campo Classificação do Serviço (LC116/03), informar um código válido (que é formado por 4 números) ou deixá-lo em branco Erro Inscrição Estadual Inválida O erro ocorre sempre que for inserida uma Inscrição Estadual inválida para o cliente/fornecedor. Para corrigir a situação deve-se acessar o módulo Estoque => Cadastrar => Contas => Cadastro de Contas (rotina 1068), selecionar a conta descrita no erro, clicar em alterar e efetuar a correção da Inscrição Estadual informada Erro Informação de Alíquota Básica Quando o erro acima ocorrer em um item que possui marcado em seu cadastro (rotina 1068) a opção Produto Usado, deve-se observar se, no momento da geração do arquivo, foi selecionada a opção 3 - Escrituração de Operações nos regimes cumulativo e não-cumulativo no campo Incidência Tributária no Período. Se o erro ocorrer em um item que não é usado, deve -se verificar a Nota Fiscal na qual ele está vinculado e, através da rotina 1359 Altera Tributação NF, alterar a alíquota de PIS/Cofins.

30 Fernanda Klein Both 08/05/ B13 30/ Erro Duplicidade de Ocorrência da Chave O erro Duplicidade de Ocorrência da Chave normalmente ocorre quando houve lançamento em duplicidade de uma mesma Nota Fiscal. Para corrigir a situação deve -se verificar o registro em que está ocorrendo o erro, verificar o número da Nota Fiscal e acessar a rotina 1057 Consulta de Notas e efetuar a pesquisa do número da Nota Fiscal para o período em que está sendo efetuada a validação do arquivo. Após, deve-se analisar se a Nota Fiscal foi realmente lançada em duplicidade e excluir a Nota Fiscal que está sobrando, ou corrigir os possíveis erros de digitação na numeração da Nota Fiscal por exemplo Erro O número do documento informado na chave da NF-e não confere com o número do documento informado no documento fiscal Quando ocorrer a mensagem acima, deve-se verificar o número da Nota Fiscal e consultar na rotina 1057 Consulta de Notas. Deve-se selecionar o botão Dados Gerais, verificar qual numero da chave da NF-e digitado está diferente do informado na Nota Fiscal lançada no ERP Solution, e efetuar a correç ão.

Os passos a seguir servirão de guia para utilização da funcionalidade Acordo Financeiro do TOTVS Gestão Financeira.

Os passos a seguir servirão de guia para utilização da funcionalidade Acordo Financeiro do TOTVS Gestão Financeira. Acordo Financeiro Produto : RM - Totvs Gestão Financeira 12.1.1 Processo : Acordo Financeiro Subprocesso : Template de Acordo Controle de Alçada Negociação Online Data da publicação : 29 / 10 / 2012 Os

Leia mais

SPED Contábil - Versão 3.1.9

SPED Contábil - Versão 3.1.9 SPED Contábil - Versão 3.1.9 A Escrituração Contábil Digital (ECD) é parte integrante do projeto SPED e tem por objetivo a substituição da escrituração em papel pela escrituração transmitida via arquivo,

Leia mais

Declaração de Serviços Tomados

Declaração de Serviços Tomados Declaração de Serviços Tomados O que é isto? O que isto faz? Por meio desta página, qualquer contribuinte pode realizar a declaração dos serviços tomados para gerar as guias de Retenção. Nesta página,

Leia mais

Rateio por Despesas por Contas Contábeis

Rateio por Despesas por Contas Contábeis Rateio por Despesas por Contas Contábeis Introdução É possível efetuar configuração no sistema para que a contabilização das despesas seja rateada entre departamentos/centros de custo, de acordo com percentuais

Leia mais

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido Manual de Instalação do Gold Pedido 1 Visão Geral Programa completo para enviar pedidos e ficha cadastral de clientes pela internet sem usar fax e interurbano. Reduz a conta telefônica e tempo. Importa

Leia mais

SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA

SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA SISTEMA CAÇA-TALENTOS MANUAL DE OPERAÇÃO PERFIL SECRETARIA O Sistema Caça-Talentos tem o objetivo de aprimorar o negócio e fornecer um controle informatizado dos processos de captação dos alunos. Ele possui

Leia mais

Módulo Vendas Balcão. Roteiro passo a passo. Sistema Gestor New

Módulo Vendas Balcão. Roteiro passo a passo. Sistema Gestor New 1 Roteiro passo a passo Módulo Vendas Balcão Sistema Gestor New Instruções para configuração e utilização do módulo Vendas balcão com uso de Impressora fiscal (ECF) 2 ÍNDICE 1. Cadastro da empresa......3

Leia mais

Portal de Sistemas Integrados. Manual do Usuário. Versão: 1.0

Portal de Sistemas Integrados. Manual do Usuário. Versão: 1.0 Portal de Sistemas Integrados Manual do Usuário Versão: 1.0 Página: 1/33 Índice 1. Apresentação... 3 2. Descrição do Sistema... 3 3. Orientações Gerais ao Usuário...4 3.1. Senhas de Acesso... 4 4. Funcionalidades

Leia mais

Manual do Usuário (Firma Inspetora) Versão 1.8. CMCP - Controle da Marcação Compulsória de Produtos

Manual do Usuário (Firma Inspetora) Versão 1.8. CMCP - Controle da Marcação Compulsória de Produtos Manual do Usuário (Firma Inspetora) Versão 1.8 CMCP - Controle da Marcação Compulsória de Manual do Usuário - Firma Inspetora SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e)

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) Manual de Declaração de Serviços Sistema desenvolvido por Tiplan Tecnologia em Sistema de Informação. Todos os direitos reservados. http://www.tiplan.com.br Página 2 de 22 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos)

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Manual do Usuário Versão 1.0 Fevereiro, 2014 Índice

Leia mais

Boletim de Administração Pública Municipal

Boletim de Administração Pública Municipal Atualização: Junho 2005 Página: 3 SIAWeb Introdução: O SiaWeb é composto de três módulos Imobiliário, Mobiliário e Água e Esgoto. O uso do sistema pela Internet facilita e agiliza a troca de informações

Leia mais

Caso tenha alguma dificuldade nesta etapa, procure um técnico de informática para auxiliá-lo.

Caso tenha alguma dificuldade nesta etapa, procure um técnico de informática para auxiliá-lo. Preenchimento da SEFIP para gerar a GFIP e imprimir as guias do INSS e FGTS Você, Microempreendedor Individual que possui empregado, precisa preencher a SEFIP, gerar a GFIP e pagar a guia do FGTS até o

Leia mais

Módulo Odontologia. Sumário. Odontologia

Módulo Odontologia. Sumário. Odontologia Módulo Odontologia Sumário Odontologia Este módulo contêm as informações referentes como lançar os dados do atendimento odontológico dos pacientes, bem como a(s) receita(s) a ele fornecidas e o(s) exame(s)

Leia mais

SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO

SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DEPARTAMENTO DE RENDAS MOBILIÁRIAS SISTEMA ISS - CURITIBA LIVRO ELETRÔNICO EMPRESAS Curitiba 2008 2 1 - CONCEITO O Sistema ISS Curitiba

Leia mais

TCI Sistemas Integrados

TCI Sistemas Integrados TCI Sistemas Integrados Manual Gera arquivo Prefeitura 1 Índice 1 - Cadastros obrigatórios para Gerar Arquivo para Prefeitura...3 2 Gerar Arquivo...8 3 Retorno Arquivo Prefeitura...19 2 1 Cadastros obrigatórios

Leia mais

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada.

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada. Página2 Cadastro de Categorias O cadastro de categoria é utilizado dentro do gestor para o controle financeiro da empresa, por ela é possível saber a origem e a aplicação dos recursos, como por exemplo,

Leia mais

OBJETIVO: Cadastrar os dados da empresa que adquiriu o sistema. As empresas cadastradas no sistema, a partir desta tela, terão influência,

OBJETIVO: Cadastrar os dados da empresa que adquiriu o sistema. As empresas cadastradas no sistema, a partir desta tela, terão influência, Cadastro de Empresa OBJETIVO: Cadastrar os dados da empresa que adquiriu o sistema. As empresas cadastradas no sistema, a partir desta tela, terão influência, principalmente, no financeiro. Anexando uma

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Programa Bolsa Família Manual de Operação Conteúdo Sumário...

Leia mais

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006.

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006. ISS Eletrônico Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE Caro contribuinte. A transmissão de arquivos é uma facilidade fornecida pelo sistema de ISS Eletrônico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE TRAMITAÇÃO DE DOCUMENTOS Versão 3.0

Leia mais

Manual Mobuss Construção - Móvel

Manual Mobuss Construção - Móvel Manual Mobuss Construção - Móvel VISTORIA & ENTREGA - MÓVEL Versão 1.0 Data 22/04/2014 Mobuss Construção - Vistoria & Entrega Documento: v1.0 Blumenau SC 2 Histórico de Revisão Versão Data Descrição 1.0

Leia mais

e Autorizador Odontológico

e Autorizador Odontológico 1 CONTROLE DE DOCUMENTO Revisor Versão Data Publicação Diego Ortiz Costa 1.0 08/08/2010 Diego Ortiz Costa 1.1 09/06/2011 Diego Ortiz Costa 1.2 07/07/2011 2 Sumário CONTROLE DE DOCUMENTO... 2 1. Informações

Leia mais

1 Criação do Manual 15/07/2011 Edilson J. Martins. 2 Revisão do Manual 01/10/2012 Raruana Freitas

1 Criação do Manual 15/07/2011 Edilson J. Martins. 2 Revisão do Manual 01/10/2012 Raruana Freitas 0ESTOQUE Versão Observação Data Modificação Responsável 1 Criação do Manual 15/07/2011 Edilson J. Martins 2 Revisão do Manual 01/10/2012 Raruana Freitas Página 1 ÍNDICE 1 Estoque... 3 2 Aferições... 3

Leia mais

1. Importações Cordilheira

1. Importações Cordilheira 1. Importações Cordilheira 1.1. Nf-e (Entrada) Esta rotina tem como objetivo importar as Notas Fiscais de Entrada correspondentes ao Estabelecimento, a partir de uma nota de saída de seu fornecedor. Selecione

Leia mais

Portal dos Convênios - Siconv

Portal dos Convênios - Siconv MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - Siconv Análise, Aprovação de Proposta/Plano

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR 1 1 2 1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR Razão Social: FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR CNPJ: 12.838.821/0001-80 Registro ANS: 41828-5 Inscrição Municipal: 130973/001-6 Inscrição Estadual:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM MANUAL DO USUÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM MANUAL DO USUÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM MANUAL DO USUÁRIO 1 ÍNDICE: Página 1 APRESENTAÇÃO... 03 2 INSTALANDO O SISTEMA... 03 3 INICIANDO O USO DO ISSC@I... 04 4 DECLARANDO OS SERVIÇOS PRESTADOS...

Leia mais

CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR. Parâmetros

CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR. Parâmetros CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR Parâmetros *O campo Limite para compensação de prejuízos anteriores, é utilizado pelas empresas que em um determinado período de apuração, obtiveram prejuízo, e sobre esse

Leia mais

ECF- Escrituração Contábil Fiscal 2015

ECF- Escrituração Contábil Fiscal 2015 ECF- Escrituração Contábil Fiscal 2015 Versão 1.2 (26/08/2015) Prazo de entrega 2015-30/09/2015. Instrução Normativa RFB nº 1524, de 08 de dezembro de 2014) Art. 3º A ECF será transmitida anualmente ao

Leia mais

MANUAL HAE - WEB MANUAL WEB HAE

MANUAL HAE - WEB MANUAL WEB HAE MANUAL HAE - WEB MANUAL WEB HAE PROJETO HAE - WEB www.cpscetec.com.br/hae *NÃO DEVERÃO ser lançados os projetos de Coordenação de Curso, Responsável por Laboratório, Coordenação de Projetos Responsável

Leia mais

Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3

Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3 Sumário Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3 Capítulo 2. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo XML 12 Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições

Leia mais

Manual Escrituração Fiscal Digital

Manual Escrituração Fiscal Digital Manual Escrituração Fiscal Digital 29/11/2013 Sumário 1 Introdução... 3 2 Funcionalidade... 3 3 Navegação no Sistema... 3 3.1 Inicialização... 3 4 Configurações Gerais... 6 4.1 Domínios... 6 4.2 Configuração

Leia mais

CONTROLE FINANCEIRO - TAREFAS BENNER WEB MÓDULO CONTROLE FINANCEIRO

CONTROLE FINANCEIRO - TAREFAS BENNER WEB MÓDULO CONTROLE FINANCEIRO BENNER WEB MÓDULO CONTROLE FINANCEIRO 1 ÍNDICE 1. RELAÇÃO DE PAGAMENTO...03 1.1 Pagamento com Recurso da União - CREDENCIADOS...03 1.1.1 Geração de RP dos credenciados...03 1.1.2 Impressão da RP-Relação

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Manual do Usuário Módulo Laboratório Manual de Operação_Módulo Laboratório_Controle

Leia mais

Treinamento Hospital

Treinamento Hospital Treinamento Hospital O que é o Projeto SGU? É o projeto de implantação do sistema de gestão de planos de saúde - SGU (Sistema de Gestão Unimed) que irá substituir o Top Saúde. O Módulo SGU-Card é um sistema

Leia mais

DF-e Manager Manual de uso Manifestação do destinatário Setembro de 2015

DF-e Manager Manual de uso Manifestação do destinatário Setembro de 2015 DF-e Manager Manual de uso Manifestação do destinatário Setembro de 2015 Copyright 2015 Synchro Solução Fiscal Brasil 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. A Manifestação do Destinatário no DF-e Manager...

Leia mais

COMO CRIAR UM PEDIDO DE COMPRAS

COMO CRIAR UM PEDIDO DE COMPRAS Esse guia considera que o catálogo já esteja atualizado, caso haja dúvidas de como atualizar o catálogo favor consultar o Guia de Atualização do Catálogo. Abra o programa e clique no botão Clique aqui

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO AUTOR GECi Gerenciador de eventos científicos

GUIA DO USUÁRIO AUTOR GECi Gerenciador de eventos científicos Grupo de Banco de IBILCE UNESP GUIA DO USUÁRIO AUTOR GECi Gerenciador de eventos científicos Coordenação: Prof. Dr. Carlos Roberto Valêncio Controle do Documento Grupo de Banco de Título Nome do Arquivo

Leia mais

APOSTILA PORTAL VERSÃO: EMISSOR

APOSTILA PORTAL VERSÃO: EMISSOR APOSTILA PORTAL VERSÃO: EMISSOR Sumário Sumário... 2 ACESSAR O PORTAL... 4 TELA INICIAL... 4 1º Recurso: BEM VINDO... 5 Altere sua senha... 5 Sair do Sistema... 5 2º Recurso: COMUNICAÇÃO... 5 3º Recurso:

Leia mais

Manual SOFIA (Software Inteligente ARPEN-SP) versão 0.1

Manual SOFIA (Software Inteligente ARPEN-SP) versão 0.1 Manual SOFIA (Software Inteligente ARPEN-SP) versão 0.1 Normatização: Provimento nº 22/2014 Corregedoria Geral de São Paulo Segue o link com a íntegra do provimento, publicado no site da ARPEN-SP, em 18/09/2014:

Leia mais

Prefeitura de Araxá sábado, 11 de setembro de 2015

Prefeitura de Araxá sábado, 11 de setembro de 2015 sábado, 11 de setembro de 2015 ÍNDICE Desbloquear PopUps SIAT ONLINE Considerações Gerais Benefícios Pessoas Físicas. Benefícios Pessoas Jurídicas. Tela Inicial anônimos Acesso Restrito Direcionado a Empresas

Leia mais

Inclusão de Validação Biométrica

Inclusão de Validação Biométrica Inclusão de Validação Biométrica Ambiente : Planos de Saúde Data da publicação : 12/11/08 Data da revisão : 12/11/08 Versões : Protheus 8.11 Países : Brasil Sistemas operacionais : Windows Bancos de dados

Leia mais

TUTORIAL PARA O GESTOR MUNICIPAL

TUTORIAL PARA O GESTOR MUNICIPAL PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O GESTOR MUNICIPAL 3º CICLO DA AVALIAÇÃO PELO GESTOR MUNICIPAL PROVAB 2014 Brasília/DF, 30 de dezembro de 2014. 1 APRESENTAÇÃO Senhor(a)

Leia mais

Portal e-contas Versão 2015: Prestação de Contas Mensais

Portal e-contas Versão 2015: Prestação de Contas Mensais Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Diretoria de Tecnologia da Informação - DITIN Portal e-contas Versão 2015: Contas Mensais Elaborado por: Sheila da Nóbrega Silva Analista Técnico de Controle Externo

Leia mais

PDE INTERATIVO MANUAL DE CADASTRO E GERENCIAMENTO DE USUÁRIOS

PDE INTERATIVO MANUAL DE CADASTRO E GERENCIAMENTO DE USUÁRIOS PDE INTERATIVO MANUAL DE CADASTRO E GERENCIAMENTO DE USUÁRIOS O cadastro dos usuários é a etapa que antecede a elaboração do PLANO DE DESEMVOLVIMENTO DA ESCOLA, no PDE Interativo e precisa ser feito por

Leia mais

DECOM Digital. Perguntas Frequentes

DECOM Digital. Perguntas Frequentes DECOM Digital Perguntas Frequentes O Sistema DECOM Digital SDD é um sistema de formação de autos digitais que permitirá o envio eletrônico de documentos no âmbito de petições e de processos de defesa comercial,

Leia mais

BEMATECH LOJA PRACTICO ENTRADA MANUAL DE NOTAS FISCAIS

BEMATECH LOJA PRACTICO ENTRADA MANUAL DE NOTAS FISCAIS BEMATECH LOJA PRACTICO ENTRADA MANUAL DE NOTAS FISCAIS Realizar a entrada de notas fiscais é importante para manter o estoque da loja atualizado. Acesso o menu Movimento>Entrada de notas fiscais e selecione

Leia mais

MANUAL DO PUBLICADOR

MANUAL DO PUBLICADOR MANUAL DO PUBLICADOR Brasília 2010/2013 1 SUMÁRIO 1 Introdução... 5 2 O Sistema... 5 2.1 Módulos do Sistema... 6 2.2 Perfis do Sistema... 6 2.2.1 Perfil Publicador... 7 3 Publicar Documentos - Publicador...

Leia mais

DIVISÃO DE INFORMAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO

DIVISÃO DE INFORMAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DIVISÃO DE INFORMAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO SEAMB MANUAL DO LICENCIAMENTO DE FONTES MÓVEIS DE POLUIÇÃO TRANSPORTE DE PRODUTOS E RESÍDUOS PERIGOSOS PELA INTERNET Outubro 2008 MANUAL DO LICENCIAMENTO DE FONTES

Leia mais

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho 2014 Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação - NTIC 10/07/2014 REITORA Ulrika Arns VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho COORDENADOR DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012

ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012 1 ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012 Introdução O material abaixo foi elaborado para orientar de forma objetiva

Leia mais

Acesso ao Sistema Usuário: MASTER Senha : MASTER (maiúsculo ou minúsculo)

Acesso ao Sistema Usuário: MASTER Senha : MASTER (maiúsculo ou minúsculo) Manual Cobrança Caixa Acesso ao Sistema Usuário: MASTER Senha : MASTER (maiúsculo ou minúsculo) Selecionar Cedente Para utilizar o sistema, selecione o Cedente (CADASTROS > SELECIONAR CEDENTE > ACESSAR).

Leia mais

SISVAN WEB. Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito

SISVAN WEB. Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito SISVAN WEB Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito Este documento tem o objetivo de orientar a navegação pelo ambiente restrito do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Web. Aqui

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2

Manual SAGe Versão 1.2 Manual SAGe Versão 1.2 Equipe de Pesquisadores do Projeto Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Criação da Equipe do Projeto (Proposta Inicial)... 3 2.1. Inclusão e configuração do Pesquisador Responsável (PR)...

Leia mais

Solicitação de Autorização Intercâmbio

Solicitação de Autorização Intercâmbio Solicitação de Autorização Intercâmbio Passo a Passo - EQAT AGOSTO/2010 Por: Daniel Toledo 1 PARTE 1 PORTAL UNIMED... 4 1. ACESSO AO SITE... 4 2. SOLICITAÇÃO INTERCÂMBIO NACIONAL E ESTADUAL (EXCETO 0976

Leia mais

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho 2014 Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação - NTIC 17/01/2014 REITORA Ulrika Arns VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho COORDENADOR DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Guia operação site www.atu.com.br

Guia operação site www.atu.com.br Guia operação site www.atu.com.br OBS: as telas no site bem como no sistema de gestão poderão sofrer alguma alteração, com base nos exemplos ilustrativos deste manual. 1. Objetivo Este guia tem como objetivo

Leia mais

MELHORIAS GERA PACOTE 2

MELHORIAS GERA PACOTE 2 MELHORIAS GERA PACOTE 2 1. Pagamento e Retirada (Checkout) 1 1.1. Pagamento A Combinar na Retirada 1 1.2.Tela de Pagamento e Retirada (CheckOut) 5 1.3. Opções de Pesquisa 6 1.3.1Pesquisa por Revendedor

Leia mais

SAÚDE CONNECT 03.010 ALTERAÇÃO DE DADOS CADASTRAIS

SAÚDE CONNECT 03.010 ALTERAÇÃO DE DADOS CADASTRAIS SAÚDE CONNECT 03.010 ALTERAÇÃO DE DADOS CADASTRAIS ALTERAÇÃO DE DADOS CADASTRAIS - PRESTADOR... 3 1. CONSULTAR OU ALTERAR DADOS CADASTRAIS... 3 1.1. DADOS GERAIS... 3 1.2. ENDEREÇOS... 5 1.3. ESPECIALIDADES...

Leia mais

DEF. Índice: Cap. 01 DEF Peugeot. Cap. 02 DEF Volkswagen

DEF. Índice: Cap. 01 DEF Peugeot. Cap. 02 DEF Volkswagen DEF Índice: Cap. 01 DEF Peugeot Cap. 02 DEF Volkswagen Parametrização Peugeot O SISDIA preenche automaticamente a planilha do DEF Peugeot. Para isso é necessário efetuar o cadastro dos parâmetros, direcionando

Leia mais

COMO FAZER A DECLARAÇÃO DE BENS E VALORES

COMO FAZER A DECLARAÇÃO DE BENS E VALORES COMO FAZER A DECLARAÇÃO DE BENS E VALORES 1 SUMÁRIO 1 - CADASTRO INICIAL...03 2 ACESSO AO PREENCHIMENTO DAS INFORMAÇÕES...08 3 CADASTRO DAS INFORMAÇÕES DO AGENTE PÚBLICO E DOS DEPENDENTES...09 4 PREENCHIMENTO

Leia mais

Sistema NetConta I - Guia de Referência Rápida

Sistema NetConta I - Guia de Referência Rápida Sistema NetConta I - Guia de Referência Rápida Dúvidas ou Sugestões: netconta@polimed.com.br Índice Como entrar no sistema NetConta 1?... 3 1. TRABALHANDO COM UMA REMESSA... 3 1.1.Como criar uma nova remessa?...

Leia mais

Atenção Básica. Manual do Digitador

Atenção Básica. Manual do Digitador Ministério da Saúde Atenção Básica Sistema com Coleta de Dados Simplificada CDS Manual do Digitador (Versão preliminar - em fase de diagramação) Brasília - DF 2013 SUMÁRIO 1. ORIENTAÇÕES GERAIS... 6 2.

Leia mais

2.1. Incluir uma Proposta de Concessão de Diárias e Passagens PCDP com diárias e passagens.

2.1. Incluir uma Proposta de Concessão de Diárias e Passagens PCDP com diárias e passagens. 2.Viagem Nacional 2.1. Incluir uma Proposta de Concessão de Diárias e Passagens PCDP com diárias e passagens. Iremos iniciar nosso trabalho pela funcionalidade Solicitação. Essa funcionalidade traz os

Leia mais

MANUAL DE INTEGRAÇÃO FORTES AC PESSOAL / CONTÁBIL

MANUAL DE INTEGRAÇÃO FORTES AC PESSOAL / CONTÁBIL MANUAL DE INTEGRAÇÃO FORTES AC PESSOAL / CONTÁBIL Página1 ÍNDICE 1. Integração de Movimentos (Folha, Férias, Adiantamento de Folha, Adiantamento de 13º, 13º Salário e Rescisão) Passo 1.1... pág. 3 Passo

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO PARECERISTA GECi Gerenciador de Eventos Científicos

GUIA DO USUÁRIO PARECERISTA GECi Gerenciador de Eventos Científicos IBILCE UNESP 2014 GUIA DO USUÁRIO PARECERISTA GECi Gerenciador de Eventos Científicos Coordenação: Prof. Dr. Carlos Roberto Valêncio Controle do Documento Alteração Feita Responsável Data Atualização do

Leia mais

GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento. Manual de Utilizador Front-Office

GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento. Manual de Utilizador Front-Office GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento Manual de Utilizador Front-Office Aviso de Propriedade e Confidencialidade Este documento é propriedade do INFARMED, I.P., e toda a informação nele incluído

Leia mais

NOVA VERSÃO SAFE DOC MANUAL

NOVA VERSÃO SAFE DOC MANUAL NOVA VERSÃO SAFE DOC MANUAL COMO ACESSAR O APLICATIVO SAFE DOC CAPTURE Acesse o aplicativo SAFE-DOC CAPTURE clicando no ícone na sua área de trabalho: SAFE-DOC Capture Digite o endereço do portal que é

Leia mais

Objetivo do Portal da Gestão Escolar

Objetivo do Portal da Gestão Escolar Antes de Iniciar Ambiente de Produção: É o sistema que contem os dados reais e atuais, é nele que se trabalha no dia a dia. Neste ambiente deve-se evitar fazer testes e alterações de dados sem a certeza

Leia mais

TUTORIAL PRÁTICO ECD ESCRITURAÇÃO CONTABIL DIGITAL

TUTORIAL PRÁTICO ECD ESCRITURAÇÃO CONTABIL DIGITAL TUTORIAL PRÁTICO ECD ESCRITURAÇÃO CONTABIL DIGITAL Cadastros 1) Cadastro > Empresa 2) Cadastro > Contador 3) Documentações > Sócios Plano de Contas 4) Cadastro > Plano de Contas > Plano de Contas Contábil

Leia mais

INVENTÁRIO Bematech Farma Live

INVENTÁRIO Bematech Farma Live INVENTÁRIO Bematech Farma Live 1. Para iniciar rotina, abra o Bematech Farma Live, com o usuário do cliente, com o domínio da central e com a unidade de negócio da loja onde deve ser inventariada. Exemplo:

Leia mais

1 Dados Cadastrais... 3. 1.1.1 Cadastro de Produto Acabado... 3. 1.1.2 Cadastro de Matéria Prima... 4. 1.1.3 Níveis de Estoque... 5. 2 Processos...

1 Dados Cadastrais... 3. 1.1.1 Cadastro de Produto Acabado... 3. 1.1.2 Cadastro de Matéria Prima... 4. 1.1.3 Níveis de Estoque... 5. 2 Processos... Conteúdo 1 Dados Cadastrais... 3 1.1.1 Cadastro de Produto Acabado... 3 1.1.2 Cadastro de Matéria Prima... 4 1.1.3 Níveis de Estoque... 5 2 Processos... 10 2.1 Inventário de Estoques... 10 2.2 Entradas...

Leia mais

EFD PIS/COFINS. O que é a EFD PIS/COFINS?...2. A EFD PIS/COFINS no Cordilheira Escrita Fiscal...2. 1. Procedimentos Iniciais...2

EFD PIS/COFINS. O que é a EFD PIS/COFINS?...2. A EFD PIS/COFINS no Cordilheira Escrita Fiscal...2. 1. Procedimentos Iniciais...2 EFD PIS/COFINS SUMÁRIO O que é a EFD PIS/COFINS?...2 A EFD PIS/COFINS no Cordilheira Escrita Fiscal...2 1. Procedimentos Iniciais...2 a) Classificando as Empresas... 3 b) Conferindo os Cadastros que Influenciam

Leia mais

Manifestação. O Sistema de Distribuição Fiscal Eletrônica do Gosocket. Manual de Usabilidade Gadget Manifestação

Manifestação. O Sistema de Distribuição Fiscal Eletrônica do Gosocket. Manual de Usabilidade Gadget Manifestação Manifestação O Sistema de Distribuição Fiscal Eletrônica do Gosocket Manual de Usabilidade Gadget Manifestação Versão 2.00 2015 Sumário 1. Introdução... 3 2. Ativação do Gadget Manifestação... 3 3. Visão

Leia mais

WEBDESK SURFLOG. http://webdesk.surflog.com.br MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 2.0.1

WEBDESK SURFLOG. http://webdesk.surflog.com.br MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 2.0.1 http://webdesk.surflog.com.br MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 2.0.1 SUMÁRIO Introdução... 3 O Webdesk Surflog... 4 Acessando o Webdesk... 5 Funções do Webdesk... 7 Envio de avisos por e-mail pelo Webdesk... 8

Leia mais

epucc.com.br SAIBA COMO INCLUIR INFORMAÇÕES DE COLABORADORES, CENTROS DE CUSTO E RATEIO DE DESPESAS

epucc.com.br SAIBA COMO INCLUIR INFORMAÇÕES DE COLABORADORES, CENTROS DE CUSTO E RATEIO DE DESPESAS epucc.com.br SAIBA COMO INCLUIR INFORMAÇÕES DE COLABORADORES, CENTROS DE CUSTO E RATEIO DE DESPESAS O PUCC permite que uma tabela com o nome dos Colaboradores e seus respectivos Departamentos e/ou Centros

Leia mais

1. Empresa Modelo...7 2.1. Dados da Empresa modelo...7 2.2. Duplicação de dados da empresa modelo...8. 3. Parâmetros da Empresa...

1. Empresa Modelo...7 2.1. Dados da Empresa modelo...7 2.2. Duplicação de dados da empresa modelo...8. 3. Parâmetros da Empresa... 1 2 Índice 1. Controle de Exercício...5 1.1. Criação de novo exercício...5 1.2. Exclusão de Exercício...6 1.3. Encerramento do exercício...6 1.4. Abertura de exercício...7 1. Empresa Modelo...7 2.1. Dados

Leia mais

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Rateio CC Contas a Pagar

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Rateio CC Contas a Pagar CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Rateio CC Contas a Pagar Objetivo do projeto Possibilitar fazer lançamentos no Contas a Pagar, rateando por várias contas e/ou vários centros de custos. Escopo Este projeto englobará

Leia mais

SISTEMA QUADRO DE ESTOQUE ON-LINE MANUAL DE OPERAÇÃO

SISTEMA QUADRO DE ESTOQUE ON-LINE MANUAL DE OPERAÇÃO MANUAL DE OPERAÇÃO Digitador do Quadro de Estoque Última atualização: 22/02/2010 ACESSO AO SISTEMA O acesso ao sistema deve ser feito por meio do endereço de internet: http://estoquedse.edunet.sp.gov.br

Leia mais

COMO PREENCHER A DECLARAÇÃO DE BENS E VALORES

COMO PREENCHER A DECLARAÇÃO DE BENS E VALORES COMO PREENCHER A DECLARAÇÃO DE BENS E VALORES 1 SUMÁRIO 1 - CADASTRO INICIAL...03 2 ACESSO AO PREENCHIMENTO DAS INFORMAÇÕES...08 3 CADASTRO DAS INFORMAÇÕES DO AGENTE PÚBLICO E DOS DEPENDENTES...09 4 PREENCHIMENTO

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Departamento de Tecnologia da Informação

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Departamento de Tecnologia da Informação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Departamento de Tecnologia da Informação MANUAL SUAP (MÓDULO ALMOXARIFADO) Manual de utilização do módulo Almoxarifado do Sistema Unificado

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento do ISS SIG-ISS. Manual de integração do WebService para NFS-e

Sistema Integrado de Gerenciamento do ISS SIG-ISS. Manual de integração do WebService para NFS-e Sistema Integrado de Gerenciamento do ISS SIG-ISS Manual de integração do WebService para NFS-e São Paulo, 27 de Janeiro de 2014 1. Introdução Este manual tem como objetivo apresentar as especificações

Leia mais

PROCEDIMENTO INSTALAÇÃO SINAI ALUGUEL

PROCEDIMENTO INSTALAÇÃO SINAI ALUGUEL 1º Passo: Baixar o arquivo http://www.sinaisistemaimobiliario.com.br/instalar/instalador_aluguel.rar. 2º Passo: No SERVIDOR ao qual o sistema deverá ser instalado: a) Criar uma pasta, preferencialmente

Leia mais

Empregador WEB. Cadastramento do Requerimento do Seguro-desemprego

Empregador WEB. Cadastramento do Requerimento do Seguro-desemprego Empregador WEB Cadastramento do Requerimento do Seguro-desemprego O que é Empregador WEB? É um aplicativo online, acessível a partir do Portal Mais Emprego para preenchimento de requerimento do Seguro-Desemprego

Leia mais

Portal do Magistrado Guia Rápido Solicitação de Plantão Judiciário

Portal do Magistrado Guia Rápido Solicitação de Plantão Judiciário Acesso ao Portal do Magistrado Como entrar no Portal do Magistrado: ENDEREÇO ELETRÔNICO: www.portaldomagistrado.tjsp.jus.br/ptlpdb/ Conecte seu Certificado Digital ao computador e informe sua Senha de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E USO

MANUAL DE INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E USO MANUAL DE INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E USO 1 Indice 1. Instalação 03 2. Cadastro e Ativação 05 3. Inicialização 09 4. Configuração 11 5. Pré-venda 13 6. Check Out 17 7. Cancelamento 19 8. Suporte 22 9. Dados

Leia mais

Cheque Recebimentos com múltiplos cheques

Cheque Recebimentos com múltiplos cheques Conteúdo 1Introdução 2Comentários - Relatórios Fixos 3Natureza da Receita Produto 4Cheque 5Cancelamento de NFe 6O.S. no orçamento 7Devolução 8SNGPC Introdução Este artigo tem como objetivo tirar dúvidas

Leia mais

MANUAL DE ATENDIMENTO AO SERVIDOR MÓDULO - SIGRH

MANUAL DE ATENDIMENTO AO SERVIDOR MÓDULO - SIGRH MANUAL DE ATENDIMENTO AO SERVIDOR MÓDULO - SIGRH Universidade Federal de Itajubá Diretoria de Pessoal Agosto/2015 Prezados Servidores, Com o intuito de orientar as Diretorias e Institutos desta Universidade

Leia mais

ISSQN MANUAL DO USUÁRIO

ISSQN MANUAL DO USUÁRIO ISSQN MANUAL DO USUÁRIO Roteiro Tomadores de Serviços 2013 Índice: 1. Geração da Senha na Prefeitura... 3 2. Acesso ao Sistema... 3 3. Trocar Senha de Acesso... 3 4. Declaração Eletrônica de Serviços Tomados...

Leia mais

Fluxo de Caixa. 1. Conexão ao Sistema... 2

Fluxo de Caixa. 1. Conexão ao Sistema... 2 1. Conexão ao Sistema... 2 2. Cadastros 2.1 Beneficiários 2.1.1 Dados do Beneficiário e Contatos... 3 2.1.2 Parametrização Contas do Fluxo Gerencial... 4 2.1.3 Parametrização Contas Financeiras... 4 2.1.4

Leia mais

Guia de Procedimentos Bloco C (SPED PIS/COFINS) Introdução... 2

Guia de Procedimentos Bloco C (SPED PIS/COFINS) Introdução... 2 Área Fiscal Autor Prosoft Tecnologia Ltda Criação 28/02/2012 Publicação Distribuição Prosoft Tecnologia Ltda Guia de Procedimentos Bloco C (SPED PIS/COFINS) Conteúdo: Introdução... 2 Mensagem por Bloco/Registro...

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e)

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) Manual de Declaração de Serviços Sistema desenvolvido por Tiplan Tecnologia em Sistema de Informação. Todos os direitos reservados. http://www.tiplan.com.br Página 2 de 30 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Boletim Técnico esocial

Boletim Técnico esocial esocial Datasul Materiais (Tomadores de Serviço) Produto : Datasul 11.5.10 - MRE -Recebimento Projeto : DMAT001/IRM2047 Data da criação : 05/03/2014 Data da revisão : 07/03/14 País(es) : Brasil Banco(s)

Leia mais

Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa

Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa 1 Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa O primeiro passo é criar um login de acesso que será com um e-mail e uma senha única para o grupo. Ao entrar no ambiente de Inscrição e selecionar

Leia mais

Tutorial de Preenchimento de ARTs. Contrato com a CAIXA

Tutorial de Preenchimento de ARTs. Contrato com a CAIXA Pág. 1 1) Estrutura de Preenchimento das ARTs: A ART Principal deve conter as informações do contrato com a Caixa. As ARTs Múltiplas devem conter as ordens de serviço do mês e estarem vinculadas à ART

Leia mais