Administração de Processos FORMULÁRIOS. Prof. M.Sc. Aécio Flávio de Paula Filho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administração de Processos FORMULÁRIOS. Prof. M.Sc. Aécio Flávio de Paula Filho"

Transcrição

1 Administração de Processos FORMULÁRIOS Prof. M.Sc. Aécio Flávio de Paula Filho

2 FORMULÁRIOS

3 INTRODUÇÃO Documento que possui campos delineados para coleta e registro de dados e informações necessários ao sistemas administrativos. (OLIVEIRA, Djalma P. R. Sistemas, Organização & Métodos. São Paulo: Atlas, 2002) Documento que transporta dados e informações de uma pessoa, ou unidade, para outra. É a materialização do dado. (ARAUJO, Luis César G. Organização, Sistemas e Métodos. São Paulo: Atlas, 2001) Ineficiência da burocracia pode estar localizada: Má elaboração dos formulários Má utilização dos formulários

4 Importância dos formulários Exigências legais e governamentais Importância dos dados e informações Armazenamento do histórico da organização Recuperação eficiente e eficaz de dados e informações Padronizar nas comunicações Facilitar as funções de administração Planejamento Organização Coordenação Controle

5 Objetivos dos formulários Proporcionar valor legal a determinadas operações Uniformizar os procedimentos administrativos Facilitar o controle dos processos Estabelecer que dados devem ser utilizados em um processo Evitar repetição de dados Facilitar o tratamento de dados e informações Facilitar o fluxo de informações Facilitar a compreensão dos dados e informações

6 Requisitos para um bom formulário Uso agradável Espaço suficiente nos campos Seqüência racional e fácil para preenchimento Destaque para os títulos e itens principais Preenchimento prático Visibilidade Legibilidade Reduzir a fadiga visual Sistema eficiente de arquivamento

7 Reduzir erros na utilização Requisitos para um bom formulário Incluir apenas os títulos e subtítulos indispensáveis Agrupar títulos e subtítulos do geral para o particular Realçar as diversas partes do formulário Evitar disposição diferente da existente na origem das informações Permitir economia (papel e impressão) Simplificar (uniformizar) os modelos existentes Reduzir a quantidade de vias (cópias) Selecionar o tipo e tamanho mais mais adequados de papel Selecionar o meio de impressão mais adequado

8 CONTÍNUO PLANO TIPOS DE FORMULÁRIOS

9 Técnica de Elaboração de Formulário O formulário é o veículo de transmissão, recebimento e preservação das informações necessárias para cobrir um fluxo de trabalho, desde o inicio até a conclusão..

10 Como elaborar? 1º Levantamento das Necessidades Consiste em estudar a finalidade do formulário, analisar a justificativa de sua criação, identificando as suas características básicas (formato, nº de vias, etc..); 2º Análise do Formulário É importante elaborar o fluxograma do formulário desde a sua emissão até o arquivamento, com vistas a criticar o levantamento efetuado;

11 Elaboração de formulários Levantamento e análise das necessidades Inventário dos formulários existentes Levantar o fluxo de trabalho e a presença das informações Estudar a viabilidade de aproveitar os formulários existentes Elaboração de novos formulários Identificar as informações importantes Desenhar o layout do formulário Tamanho e formato do papel Vantagens do formato padronizado Padrão ISO Padrão brasileiro Norma PB-4 (ABNT 1945)

12 Como elaborar? 3º Planejamento da Solução Desenvolvimento do novo formulário, dando atenção ao lay-out. Convém preparar um novo fluxograma, instrução de preenchimento e especificação para impressão (principalmente se vai haver mudança de rotina); Padronização Combinação Eliminação Simplificação Crítica a Solução

13 Características Básicas. Características físicas do papel (formato, grama-tura, cor e tipo); Texto; Disposição gráfica. Tipo de Papel Forma de Preenchimento; Destino do Formulário; Número de vias; Forma de Arquivamento; Cor do papel; Redação do Texto.

14 Elaboração de formulários Tipo e qualidade do papel Duração do formulário Importância Quantidade e destino das vias Uso ou finalidade do formulário Norma PB 530 (ABNT 1977) Peso do papel Quantidade de cópias Menores despesas postais Menor espaço para arquivamento Menor custo

15 Redação do Texto Inclusão de todos os tópicos; Exclusão dos tópicos desnecessários; Definição clara dos termos; Eliminação do uso de abreviações; Adoção de título curto; Margem de Arquivamento; Numeração do formulário; Numeração individual de controle.

16 A0 841 x 1189 A1 594 x 841 A2 420 x 594 A3 297 x 420 A4 210 x 297 A 6 A 4 A5 A 2 A 3 A5 148 x 210 A6 105 x 148 A7 74 x 105 A8 52 x 74 A9 37 x 52 A 1 FORMULÁRIO PLANO F O R M A T O D O P A P E L

17 Alguns formatos de papel (ISO) A Folhas C Envelopes Formato Tamanho (mm) Formato Tamanho (mm) A0 841 x C0 917 x A1 594 x 841 C1 648 x 917 A2 420 x 594 C2 458 x 648 A3 297 x 420 C3 324 x 458 A4 210 x 297 C4 229 x 324 A5 148 x 210 C5 162 x 229 A6 105 x 148 C6 114 x 162 A7 74 x 105 C7 81 x 114 A8 52 x 74 C8 57 x 81

18 Alguns formatos de papel (ISO) B Cartazes A-3 Formato B0 B1 B2 Tamanho (mm) x x x 707 A-5 A - 7 A - 8 A - 6 A-4 A-2 B3 353 x 500 B4 250 x 353 A-1 B5 176 x 250

19 Formatos de papel brasileiros Formato Ofício duplo Ofício simples Memorando Bloco Talão Bloco Papel 2 A Papel 2 B Cartolina Cartolina Tamanho (mm) 440 x x x x x x x x x x 76

20 Formato do Papel FORMULÁRIO CONTÍNUO Crimpagem Furos de tração Serrilha Remalina

21 Cores Elaboração de formulários Diferenciar formulários Diferenciar as vias Destaque para certos campos Exigências da legislação Padrões da organização Economia: Gráfica plana Impressão contínua Ordem Verde Roxo Fácil reconhecimento 13 Roxa Verde Impressão Preta Verde Roxa Azul Branca Preta Amarela Branca Branca Branca Roxa Fundo (papel) Verde Branco Branco Branco Azul Branco Preto Roxo Verde Preto Amarelo

22 Uso do Logotipo Todos os documentos devem ter o logotipo Se uso interno - só é necessário a marca; Se uso externo - é necessário o logotipo completo deve-se analisar a necessidade da colocação de endereço, telefone, nº do CGC. Ex. Nota Fiscal.

23 Formulários eletrônicos DCTF 3.0

24 Formulários eletrônicos DIRPF

25 Formulários eletrônicos PJSI

26 Como elaborar? 4º Teste de Avaliação Para novos impressos, deve ser efetuado um teste de validação, com um prazo determinado, com vistas a verificar se a solução adotada é de fato a melhor ou se ainda é necessária alguma alteração; 5º Implantação Definitiva Encaminhamento do formulário para a gráfica elaborar a sua impressão.

27 Recomendações Deixar margem para arquivamento. Testar o formulário. Avaliar os custos antecipadamente. Usar campos definidos para respostas. Destacar as informações mais usadas. Analisar a rotina do formulário. Evitar linhas pontilhadas ou tracejadas. Utilizar sempre o logotipo da empresa. Redigir de forma clara preocupandode com quem responde; Usar cores adequadamente. Avaliar o tipo de papel a ser usado.

jlcarneiro.com Formulários por José Luís Carneiro

jlcarneiro.com Formulários por José Luís Carneiro Formulários por José Luís Carneiro Conceito (1) Documento que possui campos delineados para coleta e registro de dados e informações necessários a sistemas administrativos. (OLIVEIRA, Djalma P. R. Sistemas,

Leia mais

MANUALIZAÇÃO Elaboração e Uso de Manuais

MANUALIZAÇÃO Elaboração e Uso de Manuais MANUALIZAÇÃO Elaboração e Uso de Manuais Prof. Daciane de O.Silva OSM- Luiz Carlos D Ascenção -Disponível na pasta da xerox 1 Conceito Manual é o conjunto, ou a coleção sistemática de normas, diretrizes,

Leia mais

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Prof. M.e Livaldo dos Santos Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Objetivos Compreender o significado de planejamento operacional. Entender o papel do planejamento operacional

Leia mais

PARTE - 4 FUNCIONOGRAMA FLUXOGRAMA ARRANJO FÍSICO SISTEMAS DE NORMAS E MANUAIS

PARTE - 4 FUNCIONOGRAMA FLUXOGRAMA ARRANJO FÍSICO SISTEMAS DE NORMAS E MANUAIS PARTE - 4 FUNCIONOGRAMA FLUXOGRAMA ARRANJO FÍSICO SISTEMAS DE NORMAS E MANUAIS FUNCIONOGRAMA É uma espécie de desenho similar a um organograma que detalha somente as atividades que compõem uma função,

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Introdução Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Algumas definições Organização Associação ou instituição com objetivos definidos. Sistema Disposição das partes

Leia mais

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004

ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO :2004 ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO SGA ISO 14.001:2004 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA O SGA é parte do Sistema de Gestão da IFSM Campus Inconfidentes-MG, englobando a estrutura organizacional, as atividades de

Leia mais

Primeira Edição: 20/08/2010 Página 1 de 10 Revisão 01 POP.ADM.001 PROCEDIMENTO ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS

Primeira Edição: 20/08/2010 Página 1 de 10 Revisão 01 POP.ADM.001 PROCEDIMENTO ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS Página 1 de 10 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 20/08/2010 Emissão do Documento 01 08/11/2011 Alteração logomarca e revisão do procedimento Claudiane Freire de Oliveira Coordenador

Leia mais

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS PGSGA/09 Registros do SGA Página 1 de 7 SUMÁRIO DE REVISÕES Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 0 10/01/2014 Emissão original consolidando práticas adotadas no PSS, anteriormente não documentadas

Leia mais

Análise de Processos. Por José Luís Carneiro. - www.jlcarneiro.com -

Análise de Processos. Por José Luís Carneiro. - www.jlcarneiro.com - Análise de Processos Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Introdução Movimentação de pessoas, papéis e informação na organização Assegurar a fluidez Limites decisórios variam segundo a posição

Leia mais

AULA 5 MÉTODOS: TÉCNICAS DE REPRESENTAÇÃO GRÁFICA (FLUXOGRAMAS OU FLOW-CHART)

AULA 5 MÉTODOS: TÉCNICAS DE REPRESENTAÇÃO GRÁFICA (FLUXOGRAMAS OU FLOW-CHART) AULA 5 MÉTODOS: TÉCNICAS DE REPRESENTAÇÃO GRÁFICA (FLUXOGRAMAS OU FLOW-CHART) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração

Leia mais

Etapa 03 Análise da Estrutura (continuação 01)

Etapa 03 Análise da Estrutura (continuação 01) Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Análise Organizacional 4º Período Administração 2013/2 Etapa 03 Análise da Estrutura (continuação 01) Agenda: O que é Estrutura Organizacional 1. Relembrando

Leia mais

AULA 6 MÉTODOS: TÉCNICAS DE REPRESENTAÇÃO GRÁFICA (FLUXOGRAMAS OU FLOW-CHART)

AULA 6 MÉTODOS: TÉCNICAS DE REPRESENTAÇÃO GRÁFICA (FLUXOGRAMAS OU FLOW-CHART) AULA 6 MÉTODOS: TÉCNICAS DE REPRESENTAÇÃO GRÁFICA (FLUXOGRAMAS OU FLOW-CHART) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração

Leia mais

Classificação e Codificação de Materiais. Objetivos. Objetivos. Armazenamento de Materiais

Classificação e Codificação de Materiais. Objetivos. Objetivos. Armazenamento de Materiais Classificação e Codificação de Materiais Armazenamento de Materiais Objetivos Definir catalogação, simplificação, normalização, especificação, codificação de todos materiais do estoque da empresa. Simplificar

Leia mais

ACOMPANHAR A LEGISLAÇÃO, NORMAS E DECISÕES JUDICIAIS DE RECURSOS HUMANOS. HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: José Carlos S Pereira

ACOMPANHAR A LEGISLAÇÃO, NORMAS E DECISÕES JUDICIAIS DE RECURSOS HUMANOS. HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: José Carlos S Pereira Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz ACOMPANHAR A LEGISLAÇÃO, NORMAS E DECISÕES JUDICIAIS DE RECURSOS HUMANOS. HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão Inicial 10/03/2012

Leia mais

OPORTUNIDADES DE ESTÁGIO

OPORTUNIDADES DE ESTÁGIO da Vaga Nº da 2003 Curso(s): Administração Auxiliar na preparação de documentos administrativos; Auxiliar na elaboração de relatórios em geral, relativos a informações não protegidas por sigilo fiscal;

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001308 - TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior Area Profissional: GESTAO DA ADMINISTRACAO Area de Atuacao: LOGISTICA/GESTAO Planejar,

Leia mais

ÍNDICE. Técnico em Administração I Módulo Contabilidade Geral

ÍNDICE. Técnico em Administração I Módulo Contabilidade Geral ÍNDICE METODOLOGIA E TRABALHO CIENTÍFICO...9 1 INTRODUÇÃO...9 2 OBJETIVO...9 3 PROCEDIMENTOS...9 3.1 CRITÉRIOS PARA FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE TRABALHO...9 3.2 CRITÉRIOS DE ESCOLHA DOS TEMAS...9 3.3 CRITÉRIOS

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica: Processo de Implantação e seus Benefícios em Mato Grosso.

Nota Fiscal Eletrônica: Processo de Implantação e seus Benefícios em Mato Grosso. Nota Fiscal Eletrônica: Processo de Implantação e seus Benefícios em Mato Grosso. Dirce da Conceição Silva Jackeline de Souza Cruz Leila Pereira Campos Vanessa Patrizia Cortez Unirondon Centro Universitário

Leia mais

RECEITUÁRIOS / BLOCOS / TALÕES

RECEITUÁRIOS / BLOCOS / TALÕES RECEITUÁRIOS / BLOCOS / TALÕES Receituários * Impresso em papel sulfite 75 grs * formato 15 x 21 cm * Papel colorido: amarelo, verde, rosa, azul e salmão com acréscimo de R$ 1,00 por bloco * blocos com

Leia mais

Secretaria Especial de Tecnologia e Informação INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/SETI. De 30 de julho de 2012

Secretaria Especial de Tecnologia e Informação INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/SETI. De 30 de julho de 2012 Tecnologia e Informação INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/SETI De 30 de julho de 2012 Dispõe sobre o estabelecimento da Política de Gestão de Documentos da Universidade Federal da UFFS O SECRETÁRIO ESPECIAL DE

Leia mais

ROTINA OPERACIONAL PADRÃO

ROTINA OPERACIONAL PADRÃO 1/5 1. FINALIDADE para padronização e orientação acerca das ferramentas utilizadas na gestão de processos em âmbito institucional. 1.1 Entrada/Insumo Demanda dos gestores para mapeamento de seus processos.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar VII e VIII Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Avaliação e eliminação de documentos de arquivo

Avaliação e eliminação de documentos de arquivo TREINAMENTO CADA Avaliação e eliminação de documentos de arquivo Abril 2017 O que é Plano de Classificação e Tabela de Temporalidade? Plano de classificação e tabela de temporalidade de documentos São

Leia mais

MODELO PARA ELABORAÇÃO E REDAÇÃO DE POP.

MODELO PARA ELABORAÇÃO E REDAÇÃO DE POP. TÍTULO TIPO: PQ PALAVRA-CHAVE ELABORAÇÃO MODELO PARA ELABORAÇÃO E REDAÇÃO DE POP. BP - 1 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3. RESPOSABILIDADES 4. DEFINIÇÕES 5. SIGLAS 6. PROCEDIMENTOS 7. REFERÊNCIAS

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Administração Científica. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Administração Científica. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Administração Científica Professor: Roberto César Abordagem Clássica da Administração Administração Científica Taylor Ênfase nas Tarefas Abordagem Clássica da Administração

Leia mais

Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico

Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico Secretaria de Estado da Administração - SEA Gestão de Pessoas Sistemas administrativos Gestão de Materiais e Serviços Gestão Patrimonial Ouvidoria Gestão de Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar VII e

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar VII e UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar VII e VIII Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Recursos Humanos 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Manual de. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Identidade Visual

Manual de. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Identidade Visual Manual de Identidade Visual Introdução O Manual de Identidade Visual da Universidade Federal do (UFRB) busca ser um instrumento fundamental à organização e aplicação da marca da instituição. Nele, normas

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Normas e padrões de utilização

Manual de Identidade Visual. Normas e padrões de utilização Manual de Identidade Visual Normas e padrões de utilização Apresentação A Fundep - Fundação de Desenvolvimento da pesquisa, vem através deste documento consolidar o bem mais valioso que uma instituição

Leia mais

2 Referências NBR ISO (item e 4.4.5) 1 Política Ambiental da FURB (Resolução 14/2000) PR 01 Documentação

2 Referências NBR ISO (item e 4.4.5) 1 Política Ambiental da FURB (Resolução 14/2000) PR 01 Documentação Título: CONTROLE DE DOCUMENTOS Palavra-chave: DOCUMENTOS Código: PR 02 Elaboração: COUTINHO, S.V. Versão: 01 Revisão: PEREIRA, G.R; WACHHOLZ, F.D; ZANELLA,G. Aprovação: Data: 18/04/2005 1 Objetivos Definir

Leia mais

Projeto: PROJ-02 Inventário. Termo de Abertura do Projeto

Projeto: PROJ-02 Inventário. Termo de Abertura do Projeto Inventário 2014 Termo de Abertura do Projeto 1 Aprovação do projeto Elaborado por Responsável Data Assinatura Vanessa Godoy Kinoshita Aprovado por Responsável Data Assinatura David Dutkievicz 2 1. Dados

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13/2016 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 13/2016 CONSUNI CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2016 CONSUNI Estabelece a Política de Gestão de Documentos Arquivísticos da Universidade Federal da Fronteira Sul. O Conselho Universitário (CONSUNI) da Universidade

Leia mais

Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora).

Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora). 5453 - Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora). Aula 1 Capítulo 1 - Fundamentos do TPM 1. Origem...26 2. Conceitos...28 3. Etapas de Implantação... 31 4.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO - Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO - Procedimento Operacional 1. OBJETIVO Descrever as atividades e procedimentos para criação, identificação, organização, codificação, emissão e registros de documentos da empresa no âmbito do Sistema de Gestão. 2. RESPONSÁVEIS Diretoria;

Leia mais

Elaboração de Manuais, Normas, Instruções e Formulários

Elaboração de Manuais, Normas, Instruções e Formulários UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Elaboração de Manuais, Normas, Instruções e Formulários Profa. Marta Valentim Marília

Leia mais

2. Capacidade de discernimento RESOLUÇÃO Nº 5804/2008 SEAP CARGO: AGENTE DE EXECUÇÃO - AE. CARGA HORÁRIA: 40 horas FUNÇÃO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO

2. Capacidade de discernimento RESOLUÇÃO Nº 5804/2008 SEAP CARGO: AGENTE DE EXECUÇÃO - AE. CARGA HORÁRIA: 40 horas FUNÇÃO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO RESOLUÇÃO Nº 5804/2008 SEAP CARGO: AGENTE DE EXECUÇÃO - AE FUNÇÃO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO CÓDIGO DA FUNÇÃO: AETA CBO: 4110-10 Ensino médio completo, fixado na forma do Anexo II da Lei Estadual N 13.666,

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

Selo de Formação de Atletas Comitê Brasileiro de Clubes. Manual de Identidade Visual

Selo de Formação de Atletas Comitê Brasileiro de Clubes. Manual de Identidade Visual Selo de Formação de Atletas Comitê Brasileiro de Clubes Manual de Identidade Visual COMITÊ BRASILEIRO DE CLUBES 5 Índice Selo Assinaturas Área e proteção Redução mínima Positivo e negativo Área de proteção:

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO INTEGRADOR MÓDULO I 1º SEMESTRE 2005

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO INTEGRADOR MÓDULO I 1º SEMESTRE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS CURSO DE GESTÃO DE AGRONEGÓCIOS DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO INTEGRADOR

Leia mais

SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais

SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais QUALIDADE DE PACOTE DE SOFTWARE SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais Profa. Rosana Braga (material profas Rosely Sanches e Ellen F. Barbosa) Qualidade de Produto de Software Modelo de Qualidade

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho INSPETORIAS IT. 47 00 1 / 8 1 - OBJETIVO Estabelecer diretrizes para procedimentos referentes a manutenção das instalações das Inspetorias do Crea-GO. 2 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 8.666 de 21 de

Leia mais

II.2 GESTÃO AMBIENTAL Função: Estudos e Pesquisas

II.2 GESTÃO AMBIENTAL Função: Estudos e Pesquisas II.1 ADMINISTRAÇÃO JURÍDICA 1. Diferenciar nos processos administrativos: pessoa física e/ou pessoa jurídica. 2. Interpretar formas de contrato e compreender suas características. 3. Identificar as características

Leia mais

Gestão de Eventos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 04

Gestão de Eventos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 04 Gestão de Eventos 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 04 Sumário GESTÃO DE EVENTOS 1 Apresentação.3 GESTÃO DE EVENTOS.4 Elementos do processo

Leia mais

Apresentação. Seguir as linhas de orientação definidas neste documento é contribuir para projetar o Sistema AABB de forma clara e consistente.

Apresentação. Seguir as linhas de orientação definidas neste documento é contribuir para projetar o Sistema AABB de forma clara e consistente. Apresentação Por meio deste Manual de Identidade Visual, com suas normas e recomendações, pretendemos orientar a implantação dos elementos básicos que compõem a Programação Visual das AABB - Associações

Leia mais

SISTEMA CONTROLE DE PROCESSOS (SCP) UFABC MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA CONTROLE DE PROCESSOS (SCP) UFABC MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA CONTROLE DE PROCESSOS (SCP) UFABC MANUAL DO USUÁRIO Divisão de Arquivo e Protocolo Novembro 2011 1. Introdução: O presente manual tem por objetivo orientar a operação do novo sistema Controle de

Leia mais

GUIA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO CAMPUS SANTO AMARO

GUIA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO CAMPUS SANTO AMARO GUIA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO CAMPUS SANTO AMARO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Considerando o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Computação

Leia mais

manual de identidade visual ABCR

manual de identidade visual ABCR manual de identidade visual ABCR apresentação 01 A imagem corporativa de uma instituição nasce e cresce à medida que todos os elementos de comunicação com o público estejam integrados num padrão de homogeneidade

Leia mais

Universidade Aberta da Terceira Idade Sub-Reitoria de Extensão e Cultura

Universidade Aberta da Terceira Idade Sub-Reitoria de Extensão e Cultura MANUAL DA MARCA iversidade Aberta da Terceira Idade Este manual contém todos os elementos gráficos que representam a padronização visual da marca ati. Aqui são especificados todos os formatos, tamanhos,

Leia mais

QUESTÕES SOBRE NOÇÕES DE ARQUIVOLOGIA

QUESTÕES SOBRE NOÇÕES DE ARQUIVOLOGIA 1- (UFRGS:2008) Os arquivos setoriais: A) São mantidos longe dos produtores; B) Possuem documentos que após 5 anos podem ser eliminados ou recolhidos. C) Possuem documentos correntes. D) São passivos de

Leia mais

Normas para elaboração do Projeto e do Relatório de. Estágio Curricular Supervisionado. AGR 5002 Estágio Curricular supervisionado.

Normas para elaboração do Projeto e do Relatório de. Estágio Curricular Supervisionado. AGR 5002 Estágio Curricular supervisionado. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Normas para elaboração do Projeto e do Relatório de Estágio Curricular Supervisionado AGR 5002 Estágio

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA 2. Vice-Presidência aprovação Vice-Presidência Administrativa, Financeira e Tecnologia. Não Aplicável HISTÓRICO DE REVISÕES

POLÍTICA CORPORATIVA 2. Vice-Presidência aprovação Vice-Presidência Administrativa, Financeira e Tecnologia. Não Aplicável HISTÓRICO DE REVISÕES POLÍTICA DE ATIVOS POLÍTICA CORPORATIVA 2 Área responsável Administrativa Vice-Presidência aprovação Vice-Presidência Administrativa, Financeira e Tecnologia Diretor responsável Vagner de Paula Guzella

Leia mais

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses.

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses. SRH - SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS MISSÃO DA UNIDADE: Promover as políticas de recursos humanos contribuindo para o funcionamento e aprimoramento das atividades desenvolvidas pela Universidade.

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO PARA REDAÇÃO DO RELATÓRIO DA PRÁTICA DE GESTÃO

ANEXO II ROTEIRO PARA REDAÇÃO DO RELATÓRIO DA PRÁTICA DE GESTÃO ANEXO II ROTEIRO PARA REDAÇÃO DO RELATÓRIO DA PRÁTICA DE GESTÃO Olá, I) APRESENTAÇÃO É com muito orgulho que a AMM Associação Mineira de Municípios vem, por meio do Prêmio Mineiro de Boas Práticas na Gestão

Leia mais

GERÊNCIA DE ANÁLISE DE CRÉDITO RURAL

GERÊNCIA DE ANÁLISE DE CRÉDITO RURAL GERÊNCIA DE ANÁLISE DE CRÉDITO RURAL TANIA ARAÚJO SILVA THOMAZINI IDENTIFICAR BOAS PRÁTICAS DOS CONSULTORES PARA DIVULGAÇÃO E REPLICAR PARA OS DEMAIS - Consistência de informações (indicação de fontes,

Leia mais

Regulamento do Concurso para a Criação de Logótipo para a Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares

Regulamento do Concurso para a Criação de Logótipo para a Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares Regulamento do Concurso para a Criação de Logótipo para a Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares Artigo 1º - Promotor A Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares (APFH) leva a efeito

Leia mais

Nº 3 - Informações Sobre Execução

Nº 3 - Informações Sobre Execução Nº 3 - Informações Sobre Execução 1 1. VALORES ESTABELECIDOS NO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº 1628/OC-BR, PARA LICITAÇÃO /AQUISIÇÃO DE BENS E LICITAÇÃO/CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS (QUE NÃO OS DE CONSULTORIA)

Leia mais

Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar ENCAE

Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar ENCAE Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar ENCAE - 2016 Plano Anual de Trabalho Olavo de Oliveira Braga Neto Agente PNAE CECANE/SC Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional do PNAE Atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Competências a serem trabalhadas ENTENDER OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 E OS SEUS PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR PROFISSIONALIZANTE

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR PROFISSIONALIZANTE NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR PROFISSIONALIZANTE 1. O Relatório do Estágio Curricular Profissionalizante deverá obedecer ao tamanho de papel A4 (21,0 x 29,7 cm). 2. Na elaboração

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Ciências Biológicas e da Saúde.

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. ROTEIRO PARA CONFECÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIOS OBRIGATÓRIOS (atualizado em agosto de 2016) Normas para redação do relatório de estágio supervisionado REDAÇÃO: O relatório deverá ser redigido de maneira

Leia mais

Nota: CÓPIA CONTROLADA (Documento impresso não é controlado) Página 1 de 8

Nota: CÓPIA CONTROLADA (Documento impresso não é controlado) Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. AUTORIDADE E RESPONSABILIDADE 3. DETALHAMENTO 4. REGISTROS DA QUALIDADE HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REV. ITENS REVISADOS ALTERAÇÃO REALIZADA 19/12/11 00 Elaboração Inicial Nota:

Leia mais

Normas para elaboração de Relatório de Estágio Curricular. Supervisionado. AGR Planejamento de Estágio Curricular. Supervisionado e TCC

Normas para elaboração de Relatório de Estágio Curricular. Supervisionado. AGR Planejamento de Estágio Curricular. Supervisionado e TCC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Normas para elaboração de Relatório de Estágio Curricular Supervisionado AGR 5801 - Planejamento de Estágio

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO APRESENTAÇÃO 1 Este manual tem como objetivo estabelecer e consolidar a nova identidade visual do PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO. Para este objetivo

Leia mais

Faculdades Integradas Teresa D Ávila

Faculdades Integradas Teresa D Ávila Faculdades Integradas Teresa D Ávila CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecido pela Portaria Ministerial nº. 4.571 de 28/12/05 e publicado no DOU em 29/12/05. Componente Curricular: Gestão por Processos Carga-horária:

Leia mais

IDENTIDADE VISUAL manual

IDENTIDADE VISUAL manual IDENTIDADE VISUAL manual Em conformidade com a Lei 3.527/11 que obriga o Poder Executivo de Parnaíba a utilizar como símbolo da administração municipal apenas a bandeira, o brasão e o selo municipal. objetivo

Leia mais

Instruções Normativas da Receita Federal, do ano corrente.

Instruções Normativas da Receita Federal, do ano corrente. DO TJERJ Proposto por: Equipe da Divisão de Tesouraria (DITES) Analisado por: Diretor do Departamento Financeiro (DEFIN) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO ( ) - Os documentos originais, tais como plano de estágio, termo de compromisso, etc., devem ser incluídos na cópia final do relatório que ficará arquivada

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Ano de Elaboração 2014 Apresentação A empresa E. Orlando Roos Comércio de Cereais Ltda, vem através deste documento consolidar o bem mais valioso que uma instituição pode ter:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS BIBLIOTECA SETORIAL DO CAHL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS BIBLIOTECA SETORIAL DO CAHL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS BIBLIOTECA SETORIAL DO CAHL INSTRUÇÕES PARA PADRONIZAÇÃO DA ENCADERNAÇÃO DOS TRABALHOS ACADÊMICOS PRODUZIDOS NOS CURSOS

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE REGISTROS

PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE REGISTROS APROVAÇÃO: PÁGINA : 1/5 CONTROLE DE REVISÕES: Revisão Data Itens modificados Observações 00 13.02.2006 - - 01 18.06.2007 - - PÁGINA : 2/5 1. OBJETIVO Este procedimento descreve a sistemática estabelecida

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO E ENVIO DE ARTIGOS PARA PRÊMIO OAS/EP-UFBA (TÍTULO DO ARTIGO)

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO E ENVIO DE ARTIGOS PARA PRÊMIO OAS/EP-UFBA (TÍTULO DO ARTIGO) INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO E ENVIO DE ARTIGOS PARA PRÊMIO OAS/EP-UFBA (TÍTULO DO ARTIGO) Nome Sobrenome do Aluno, fulano.tal@dominio.br Nome Sobrenome do Orientador, fulano.tal@dominio.br INSTRUÇÕES PARA

Leia mais

MOSTRA DE TRABALHOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS, ADMINISTRATIVOS E GERENCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DE BIOENERGIA E BIOMASSA

MOSTRA DE TRABALHOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS, ADMINISTRATIVOS E GERENCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DE BIOENERGIA E BIOMASSA 1. APRESENTAÇÃO: Entende-se como trabalho técnico aquele apresentado durante as sessões técnicas do 3º Congresso Internacional de Bioenergia. A coordenação do evento receberá trabalhos técnicos que serão

Leia mais

PEFIN Pendências Financeiras. São Paulo, agosto de 2008

PEFIN Pendências Financeiras. São Paulo, agosto de 2008 PEFIN Pendências Financeiras São Paulo, agosto de 2008 Agenda CONCEITO DO DO PRODUTO BENEFÍCIOS DO DO PEFIN VISÃO GERAL DO DO PROCESSO Agenda CONCEITO DO DO PRODUTO BENEFÍCIOS DO DO PEFIN VISÃO GERAL DO

Leia mais

HISTÓRIA Profº Maurício POETA

HISTÓRIA Profº Maurício POETA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PADRONIZAÇÃO DOS TRABALHOS ESCOLARES. Este manual tem por objetivo orientar a produção dos trabalhos escolares feitos pelos alunos da Escola Estadual Poeta Domingos Bauer Leite,

Leia mais

Unidade II TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade II TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO. Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade II TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS Prof. Me. Livaldo dos Santos Objetivos Ferramentas para análise dos processos Etapas do Processo de Racionalização Outras técnicas de apoio à melhoria

Leia mais

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS Rev. Outubro/2011 Página 1 de 6 Conforme anexo B da NIT DICOR 024 rev. 03 de fevereiro/2010 - Critérios para a Acreditação de Organismo de Certificação de Produto e de Verificação de Desempenho de Produto.

Leia mais

Manual de Uso e Aplicação da Marca

Manual de Uso e Aplicação da Marca Manual de Uso e Aplicação da Marca O Valor da Marca A marca é o maior patrimônio de uma empresa. Leva-se muitos anos para se construir uma marca forte. É preciso compreender o impressionante poder que

Leia mais

Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior

Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior FGV/2017 Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior Abrão Miguel Árabe Neto Secretário de Comércio Exterior Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - CENÁRIO ATUAL Desafios à Competitividade

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 1 Introdução O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido

Leia mais

Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos

Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

REALIZAR AÇÕES DE ERGONOMIA HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Renata Mendes da Silva. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação

REALIZAR AÇÕES DE ERGONOMIA HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Renata Mendes da Silva. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação REALIZAR AÇÕES DE ERGONOMIA HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão Inicial 11/09/2012 01 05/06/2013 02 Alteração dos itens: 6.1; 6.34; Inclusão de atividades no item 6 (do 6.19

Leia mais

Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7

Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7 Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 2. OBJETIVO Descrever o procedimento interno para o

Leia mais

UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO - UCI AV. JOSÉ HUMÁRCIO CARLOS FERREIRA, S/N.º, CENTRO CAPÍTULO I

UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO - UCI AV. JOSÉ HUMÁRCIO CARLOS FERREIRA, S/N.º, CENTRO CAPÍTULO I UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO - UCI AV. JOSÉ HUMÁRCIO CARLOS FERREIRA, S/N.º, CENTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 001/2013 - UCI "Dispõe sobre o Manual de Normas e Procedimentos (MNP), uniformiza, disciplina

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Produção Gráfica CST Produção Multimídia A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO AMAPÁ Autarquia Federal

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO AMAPÁ Autarquia Federal O Conselho Regional de Enfermagem do Estado do Amapá - COREN/AP -, criada pela Lei n 5.905/73, com sede em Macapá, à Avenida Procópio Rola, n 944, Centro, Macapá AP, CEP: 68.900-081, por seu Presidente

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM N.º 0/09 1 / 5 O CONTROLADOR GERAL DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO XINGU MT., no uso de suas atribuições legais, com base na Lei Municipal n.º 353/2008, regulamentado pelo Decreto Municipal

Leia mais

- PROGRAMA - PPHO- Procedimento Padrão de Higiene. Operacional. 1º Módulo.

- PROGRAMA - PPHO- Procedimento Padrão de Higiene. Operacional. 1º Módulo. - PROGRAMA - PPHO- Procedimento Padrão de Higiene Operacional 1º Módulo Bem-vindos ao curso PROGRAMA - PPHO processo interativo orientações teóricas metodologia elaboração e implantação do programa PPHO

Leia mais

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7 Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5-Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/200

Leia mais

DISCIPLINA: OS&M AULA 1 ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OS&M. Prof.Daciane de O. Silva. Blog: daciane.wordpress.com

DISCIPLINA: OS&M AULA 1 ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OS&M. Prof.Daciane de O. Silva. Blog: daciane.wordpress.com DISCIPLINA: OS&M AULA 1 ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OS&M Prof.Daciane de O. Silva Blog: daciane.wordpress.com O que é OS&M??? OS&M È uma função ou campo de estudo dentro da Administração, assim como

Leia mais

EDITAL Nº 03/2016 PPGBiotec PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO VOLUNTÁRIO FLUXO CONTÍNUO

EDITAL Nº 03/2016 PPGBiotec PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO VOLUNTÁRIO FLUXO CONTÍNUO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CÂMPUS DE GURUPI PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA Rua Badejós, chácaras 69/72, Zona Rural 77402-970 Gurupi/TO (63) 3311-3504 www.uft.edu.br ppgbiotec@uft.edu.br

Leia mais

ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA (PAPEL TIMBRADO DA EMPRESA)

ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA (PAPEL TIMBRADO DA EMPRESA) ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA (PAPEL TIMBRADO DA EMPRESA) Ao, Excelentíssimo Senhor, Prefeito Municipal de Três de Maio Apresentamos abaixo nossa proposta para fornecimento de materiais gráficos (formulários

Leia mais

Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência

Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência 25 de novembro de 2015 Centro de Formação, Capacitação e Treinamento - CEFOR da Câmara dos Deputados OBJETIVOS Geral:

Leia mais

Assessoria de Comunicação e Marketing Instituto Nacional de Telecomunicações

Assessoria de Comunicação e Marketing Instituto Nacional de Telecomunicações Dez/16 Revisão 02 Assessoria de Comunicação e Marketing Instituto Nacional de Telecomunicações índice 1. Logotipo 2. Construção do Logotipo 3. Área Mínima 4. Alfabeto Complementar 5. Logotipo Finatel 6.

Leia mais

resumo de normas gráficas do Símbolo e Logotipo POE

resumo de normas gráficas do Símbolo e Logotipo POE resumo de normas gráficas do Símbolo e Logotipo POE Construção zona mínima de protecção A reprodução do Símbolo e Logotipo POE deve ser sempre fiel ao desenho ao lado e em caso algum poderão ser alterados

Leia mais

MACONFI MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

MACONFI MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 MACONFI MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA (Lei nº 11.640, de 11 de janeiro

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir diretrizes para implantação do Sistema de Manutenção, Recuperação e Proteção da Reserva Florestal Legal e Áreas de Preservação Permanente SISLEG nos imóveis,

Leia mais

O, S & M, O QUE É? SISTEMAS MÉTODOS ORGANIZAÇÃO ANALISTA DE O, S & M

O, S & M, O QUE É? SISTEMAS MÉTODOS ORGANIZAÇÃO ANALISTA DE O, S & M O, S & M, O QUE É? ORGANIZAÇÃO ANALISTA DE O, S & M SISTEMAS MÉTODOS ORGANIZAÇÃO Preocupa-se com a estrutura organizacional da Empresa e com a distribuição de funções, de forma que este conjunto possa

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material Usado Decreto nº 6.759/09

Leia mais