REVISTA do DELÍCIAS SOLIDÁRIAS, EMPREENDIMENTO ASSESSORADO PELO CONSULADO DA MULHER DE JOINVILLE, CONTA SUA HISTÓRIA. Ano V nº20 Outubro/Novembro 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISTA do DELÍCIAS SOLIDÁRIAS, EMPREENDIMENTO ASSESSORADO PELO CONSULADO DA MULHER DE JOINVILLE, CONTA SUA HISTÓRIA. Ano V nº20 Outubro/Novembro 2009"

Transcrição

1 Ano V nº20 Outubro/Novembro 2009 REVISTA do Página 4 DELÍCIAS SOLIDÁRIAS, EMPREENDIMENTO ASSESSORADO PELO CONSULADO DA MULHER DE JOINVILLE, CONTA SUA HISTÓRIA QUADRINHOS: HIGIENE NÃO É LUXO! Página 14 ENTREVISTA: A RESPONSABILIDADE DA HIGIENE Página 10

2 ASSESSORIA NÃO É SÓ GERAÇÃO DE RENDA LEDA BÖGER - GESTORA DO CONSULADO DA MULHER DE JOINVILLE A questão das desigualdades sociais e de gênero no mundo do trabalho e da geração de renda são temas que vem sendo discutidos há um bom tempo. Muito já foi conquistado: o direito da mulher votar e de trabalhar fora, por exemplo são resultados de muitas lutas, resistências e conquistas do movimento de mulheres em todo o mundo. O Instituto Consulado da Mulher contribui com um pedaço desse processo de transformação, por meio do estímulo à cidadania feminina e criando condições alternativas de geração de trabalho e renda para mulheres em situação de vulnerabilidade social. Além da renda e conseqüente independência financeira da mulher, o resultado de nosso trabalho também considera como prioridade a existência de uma boa qualidade de vida, não somente para as mulheres beneficiadas, mas também para suas famílias e comunidades. Nosso objetivo é estimular mulheres empreendedoras e oferecer assessoria ao empreendimento em um processo de responsabilidade compartilhada, onde oferecemos formações e condições para que elas, com suas próprias experiências, decisões e escolhas, possam gerar renda e melhorar sua condição socioeconômica. O apoio dos familiares e o reconhecimento por parte dos maridos e companheiros é fundamental, pois, quando a mulher se desenvolve, toda a família ganha, inclusive o homem. O ganho não é só material, em termos de renda, mas também de equilíbrio emocional e de saúde física e mental. QUEM DISSE QUE TRABALHO DE MULHER NÃO É TRABALHO DE HOMEM? Você já deve ter visto, ouvido ou mesmo passado por essa situação: algumas profissões ou atividades recebem logo a classificação de trabalho de homem ou trabalho de mulher. Um deles é o trabalho na cozinha, no preparo de alimentos, principalmente em casa. A melhor palavra para definir esse tipo de pensamento, que divide as atividades entre homens e mulheres, é preconceito. Um conceito, uma ideia, que ainda é pré, ou seja, não tem qualquer justificativa, nem fundo de verdade. Mulheres e homens não possuem habilidades diferentes de acordo com o sexo. O que existe são pessoas com mais habilidade para algumas atividades, seja na hora de cozinhar, planejar, construir, e uma série de outras coisas. E a união dessas habilidades, sem discriminação entre homens e mulheres, é o que torna possível o sucesso de um empreendimento, o desenvolvimento de uma comunidade ou a melhoria da qualidade de nossas vidas! 2 REVISTA DO INSTITUTO CONSULADO DA MULHER 3

3 DELÍCIAS SOLIDÁRIAS: APRENDIZADO NA PRÁTICA comercialização e gestão de um negócio, além, é claro, da geração de renda. Porém, ao contrário do grupo de Rio Claro, onde todas as participantes dividem as mesmas tarefas, no Delícias Solidárias chama a atenção o modelo de funcionamento. Cada participante do empreendimento tem uma especialidade e uma linha de produtos, que comercializam em conjunto: alimentos com soja, chocolates, pães e doces, sucos e sanduíches naturais. Com isso, a variedade de opções para os clientes é garantida, e cada parti- Na última edição da Revista do Consulado da Mulher, você conheceu o Espaço Solidário de Rio Claro, mantido pelo grupo Cantinho do Sabor. Agora, visitaremos uma iniciativa bem parecida, mas, dessa vez, localizada no sul do Brasil, na cidade de Joinville, estado de Santa Catarina, onde o Instituto Consulado da Mulher possui uma unidade. Criado em março de 2007, o empreendimento Delícias Solidárias é formado por cinco participantes, que se revezam na gestão do Espaço Solidário da fábrica de Joinville da Whirlpool Latin America, empresa mantenedora do Consulado da Mulher. Assim como em Rio Claro, o objetivo do Espaço é oferecer uma oportunidade de aprendizado na cipante possui responsabilidades e atividades bem definidas. Além da renda, essa opção de especializar-se em um produto é vista como uma oportunidade pelas(os) participantes do grupo. Vejo o Espaço Solidário como uma oportunidade de voltar para o mercado de trabalho. Passei por várias entrevistas de emprego, mas nunca era chamada, por falta de escolaridade. Hoje, me sinto uma pessoa capaz, explica Maria Lúcia Arce Melo, de 42 anos, 4 REVISTA DO INSTITUTO CONSULADO DA MULHER 5

4 participante do Delícias Solidárias. A conquista mais recente do grupo é a certificação municipal para comercialização de alimentos, além da participação no Programa Alimento Seguro (PAS), capacitação oferecida pelo SEBRAE, parceiro do Consulado da Mulher, em que o grupo pôde reciclar seus conhecimentos e aprender novos cuidados com higiene e conservação dos alimentos, fundamentais para o sucesso de qualquer empreendimento da área de alimentação. Sempre trabalhei como autônomo, mas percebi no Espaço Solidário uma forma de aprender coisas novas, me aperfeiçoar enquanto pessoa e gerar renda. Trabalhamos bastante, mas é compensador, explica João Paulo Melo, de 41 anos, único homem do grupo, mas que divide todas as tarefas do empreendimento com as demais participantes. Dica do grupo Delícias Solidárias Para manter um empreendimento como esse, é preciso ter espírito solidário em todos os aspectos. Cooperação e humildade, além dos cuidados com a manipulação e higiene dos produtos são essenciais para iniciar seu empreendimento de alimentação 6 REVISTA DO INSTITUTO CONSULADO DA MULHER 7

5 EU POSSO TER MAIS QUALIDADE NOS MEUS PRODUTOS E SERVIÇOS! Uma boa reputação, que demorou anos para ser construída, pode ser destruída em apenas um minuto. Você já deve ter ouvido esse ditado, não é mesmo? Saiba que ele é muito válido para o dia a dia do seu empreendimento. Um descuido na qualidade dos produtos, na limpeza do local de trabalho ou na higiene dos alimentos pode causar grandes problemas, que vão da má fama do seu negócio até problemas de saúde com o seu(sua) cliente. Veja algumas recomendações básicas, que com certeza vão ajudar a melhorar a imagem do seu empreendimento e proteger a sua saúde e dos(as) seus(suas) clientes. Higiene não é luxo, é dever A pessoa que lida com alimentos, chamada de manipulador, deve ter um cuidado redobrado com a sua higiene. O uso de uniformes, como toucas, aventais e outros itens, que devem ser sempre limpos ou trocados, além de dar uma cara toda especial na apresentação do seu empreendimento, também é fundamental para proteger a comida de cabelos e outros tipos de contaminações nos alimentos. Cuidado especial com as mãos! Quem trabalha com serviços de alimentação já sabe: durante o trabalho, anéis, joias e até mesmo esmalte devem passar longe dos dedos e unhas, que também devem ser cortadas e limpas regularmente. E não se esqueça de lavar as mãos sempre, do início ao fim do contato com os alimentos! Lugar de comida é só de comida Na hora de guardar ou preparar alimentos, utilize o local só para eles. O espaço deve ser limpo e higienizado, mas cuidado: não use produtos com cheiro, e tome todos os cuidados para evitar a contaminação dos alimentos pelos produtos de limpeza. Informe-se e atualize-se A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é uma das principais fontes de informação quando o assunto é higiene e segurança na manipulação de alimentos. Além do site, no endereço gov.br, o órgão realiza anualmente seminários e eventos de capacitação em segurança alimentar. Conte também com a equipe de educadoras(es) do Consulado da Mulher para conhecer mais sobre essas práticas e aplicá-las no seu empreendimento. 8 REVISTA DO INSTITUTO CONSULADO DA MULHER 9

6 A RESPONSABILIDADE DA HIGIENE MARIA CECÍLIA BRITO Qual a função da Anvisa na fiscalização e adequação de empreendimentos que trabalham com a comercialização de alimentos? A fiscalização de estabelecimentos que prestam serviços nessa área, como restaurantes, cantinas, bufês, confeitarias, padarias e cozinhas industriais, é realizada pelos órgãos de vigilância sanitária dos municípios. Quando são identificados problemas, esses órgãos tomam as medidas para prevenir possíveis danos à saúde da população. Além de coordenar todo esse sistema, a Anvisa presta apoio técnico a estados e municípios e promove espa- Manter um empreendimento da área de alimentação é uma grande responsabilidade. Cuidados com a higiene na hora de preparar os alimentos farão a diferença no sucesso do seu negócio. Para entender melhor essa questão, a Revista do Consulado da Mulher conversou com Maria Cecília Brito, diretora da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão que regulamenta e fiscaliza as práticas de higiene de estabelecimentos que trabalham com alimentos. ços que possibilitem a discussão e o acompanhamento da execução das ações de vigilância sanitária. Por que esses cuidados com a higiene são tão importantes? Todo serviço de alimentação é responsável pela qualidade do alimento que oferece. O não cumprimento dos regulamentos sanitários é um fator de risco, que pode gerar sérios problemas de saúde para a população. Alimentos contaminados ou estragados podem conter microrganismos capazes de provocar as chamadas doenças transmitidas por alimentos. É preciso lembrar que estabelecimentos que não cumprem as normas sanitárias podem ser interditados e pagar multas de até R$ 1,5 milhão. Por isso, é importante que o consumidor observe a licença ou alvará da autoridade sanitária, documento obrigatório para o funcionamento desses estabelecimentos. Quais são os erros mais comuns dos pequenos negócios que prestam serviços na área de alimentação? Os principais problemas encontrados em restaurantes são higienização inadequada de utensílios e equipamentos, presença de insetos no local, conservação dos alimentos em temperatura inadequada, armazenamento e preparo inadequado dos alimentos, equipamentos em má conservação, descongelamento de alimento à temperatura ambiente, uso de matérias-primas em condições impróprias, higiene das mãos deficiente e contato de alimentos crus como carne, pescado, vegetais não lavados com alimentos cozidos, dentre outros. Quais medidas simples podem evitar ou minimizar alguns desses problemas? É essencial o controle dos seguintes requisitos: higienização das instalações, equipamentos, móveis e utensílios, controle da água (que deve ser potável, livre de fontes de contaminação), higiene e saúde das pessoas que lidam com os alimentos, cuidados com o descarte do lixo, manutenção preventiva e calibração de equipamentos, controle de insetos e outras pragas e seleção correta das matérias-primas, ingredientes e embalagens. Onde as pessoas podem procurar informações para adequarem seus empreendimentos de acordo com as recomendações da Anvisa? Há disponível no site da Anvisa, no endereço br/alimentos/bps.htm, a Cartilha sobre Boas Práticas para Serviços de Orientação. Essa cartilha apresenta, em linguagem simples, os cuidados que devem ser adotados durante a manipulação dos alimentos. A Anvisa também oferece seminários para o esclarecimento das dúvidas relacionadas à regulamentação dos alimentos. No ano de 2008, foi realizado um ciclo de cinco seminários de orientação em todas as regiões do Brasil, onde foram capacitadas de forma gratuita mais de mil pessoas em todo o país. Qual a orientação para pessoas que pretendem montar um negócio na área de alimentação e não sabem por onde começar na questão da higiene? A área de preparação do alimento 10 REVISTA DO INSTITUTO CONSULADO DA MULHER 11

7 deve ser higienizada quantas vezes forem necessárias e imediatamente após o término do trabalho. Devem ser tomadas precauções para impedir a contaminação dos alimentos causada por produtos de limpeza, pela suspensão de partículas (como poeira) e pela formação de aerossóis. Substâncias que possuem cheiro ou desodorantes não devem ser utilizadas nas áreas de preparação e armazenamento dos alimentos. Os produtos de limpeza devem ser identificados e guardados em local próprio. Banheiros e vestiários não devem se comunicar diretamente com a área de preparação e armazenamento de alimentos ou refeitórios. As portas desses locais devem possuir fechamento automático. Os banheiros devem possuir lavatórios com produtos destinados à higiene pessoal como papel higiênico, sabonete líquido antisséptico e toalhas de papel ou outro sistema higiênico e seguro para a secagem das mãos. As lixeiras devem ter tampa, que deve ser aberta sem contato manual. As mesmas regras valem para os lavatórios exclusivos para a higiene das mãos na área onde são preparados os alimentos, que devem estar em posições corretas em relação ao tamanho da área e ao fluxo de preparo dos alimentos. Também é preciso cuidado com a saúde das pessoas que irão manipular os alimentos. Em caso de lesões ou sintomas de doenças que possam ser transmitidas pelo contato com os alimentos, a pessoa deve ser afastada da atividade enquanto persistirem os sintomas. Além disso, é dever de toda pessoa responsável pela manipulação de alimentos os cuidados com a higiene. As mãos devem ser lavadas cuidadosamente ao chegar ao trabalho, após manipular alimentos, usar o banheiro, ou sempre que for necessário. Também não é permitido, durante a atividade de manipulação dos alimentos, fumar, falar desnecessariamente, cantar, assobiar, espirrar, cuspir, tossir, comer, manipular dinheiro ou qualquer outra atividade que possa contaminar o alimento. Os cabelos devem ser presos e protegidos por redes ou toucas e, para os homens, não é permitido o uso de barba. As unhas devem ser curtas e sem esmalte ou base. Joias, anéis, maquiagem e outros itens também não são permitidos durante o contato com os alimentos. Por fim, no local de trabalho, devem ser afixados cartazes de orientação sobre essas práticas, e todas as pessoas responsáveis pela manipulação de alimentos devem ser capacitadas periodicamente em temas como higiene pessoal, manipulação higiênica dos alimentos e doenças transmitidas por alimentos. EM OSASCO (SP), UMA PARCERIA QUE DÁ CERTO! Qualquer ideia ou iniciativa fica mais forte quando temos bons parceiros com quem podemos contar. É o caso do Autorizado Artic, responsável pela manutenção de eletrodomésticos Brastemp e Consul na cidade de Osasco (SP), incluindo os que são utilizados por empreendimentos assessorados pelo Programa Usinas do Trabalho na cidade. Para nós, é uma grande satisfação participar dessa iniciativa da Consul. Só podemos apoiar um projeto que beneficia tantas pessoas, comenta Airton Cicuto, titular do Artic. O Autorizado realiza, sem custo para o empreendimento assessorado ou para o Consulado da Mulher, a manutenção e reparos de eletro- MENINAS DO QUILOMBO, EMPREENDIMENTO DE OSASCO (SP) PARTICIPANTE DO PROGRAMA USINAS DO TRABALHO. domésticos utilizados como meios de produção. Atualmente, na cidade de Osasco, quatro empreendimentos, responsáveis pela geração de renda de 19 pessoas, são beneficiados pela iniciativa. O retorno para nós é muito bom. É um pequeno investimento nos atendimentos, mas é uma ação social que tem muito impacto, Ana Lúcia Cardoso Ferreira, gerente administrativa da Artic. Sobre o Programa Usinas do Trabalho Com o programa Usinas do Trabalho, o Instituto Consulado da Mulher assessora instituições parceiras que trabalham com empreendimentos formados por 80% de mulheres em todo o país. Além da capacitação na metodologia de gestão do Consulado da Mulher, a parceria também oferece eletrodomésticos, em regime de comodato, para que sejam usados como meios de produção pelos empreendimentos participantes. 12 REVISTA DO INSTITUTO CONSULADO DA MULHER 13

8 HIGIENE NÃO É LUXO! FINALMENTE, DEPOIS DE TANTO TRABALHO CONSEGUIMOS UM LUGAR PARA VENDERMOS NOSSAS DELÍCIAS. ESPERA SÓ PARA VER ESSAS MESAS CHEIAS DE CLIENTES! HUM. ISSO É MAU SINAL. PELO VISTO, TEMOS MUITA COISA PARA MELHORAR POR AQUI. COMO ASSIM? A HIGIENE DE QUEM LIDA COM ALIMENTOS É FUNDAMENTAL. VOCÊS PRECISAM DE UNIFORMES, TOUCA, SEM CONTAR ESSE ESPAÇO, QUE PRECISA DE UMA BOA ORGANIZAÇÃO. UM CAFÉ E UM PÃO DE QUEIJO, POR FAVOR! NOSSA!! TEM UM CABELO NO MEU PÃO DE QUEIJO. NOSSA. PRECISA DE TUDO ISSO? CLARO! TENHO AQUI UMA CARTILHA SOBRE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DA ALIMENTAÇÃO, DA ANVISA, QUE COM CERTEZA, VAI NOS AJUDAR MUITO! MESES DEPOIS... NUNCA MAIS VOLTO AQUI!!! QUE MUDANÇA, HEIN, MENINAS! COM CERTEZA! A SAÚDE DOS NOSSOS CLIENTES NÃO CORRE RISCO, E A BOA FAMA DE NOSSA LANCHONETE NÃO PARA DE CRESCER. OLÁ MENINAS! COMO ESTÁ INDO A LANCHONETE? AI! PASSAMOS UMA VERGONHA IMENSA AGORA. UM CLIENTE ACHOU UM CABELO NA COMIDA. MAS VAMOS TOMAR MAIS CUIDADO. 14 REVISTA DO INSTITUTO CONSULADO DA MULHER 15

9 PRODUTO DO GRUPO DELÍCIAS SOLIDÁRIAS Ano V Nº 20 Outubro/Novembro 2009 A Revista do Consulado da Mulher é uma publicação bimestral do Instituto do Consulado da Mulher. Jornalista Responsável Bruno Galhardi (MTB ) Conselho editorial Célia Regina Lara, Christiano Basile, Dayla C. Souza, Iara Honorato, Leda Böger, Marina Stern, Melissa Pin Lucheti, Mônica Souza, Paula Watson e Renata Watson. Fotos Editorial: Débora Cristina da Silva Renda & Qualidade de Vida: Débora Cristina da Silva Páginas coloridas: Divulgação. Textos Bruno Galhardi, Leda Böger, Débora Cristina da Silva e Iara Honorato. Projeto gráfico, diagramação e ilustrações Traço Comunicação (watsons.com.br) Tiragem exemplares Instituto Consulado da Mulher Núcleo São Paulo SP: (11) Unidade Rio Claro SP: (19) Unidade Joinville SC: (47) Unidade Manaus AM: (92) Esta revista foi impressa em papel com a certificação florestal FSC, que atesta a origem da matéria-prima florestal em um produto. A certificação garante que a empresa ou comunidade maneja suas florestas de acordo com padrões ambientalmente corretos, socialmente justos e economicamente viáveis. Saiba mais em O Instituto Consulado da Mulher, principal ação social da marca Consul, tem por objetivo principal a emancipação da mulher de baixa renda por meio da geração de renda e, consequentemente, a melhoria de sua qualidade de vida.

REVISTA do. Ano VI nº21 Março/Abril 2010. FILÓ CABRUÊRA: CRIATIVIDADE E RENDA DE MÃOS DADAS Página 4

REVISTA do. Ano VI nº21 Março/Abril 2010. FILÓ CABRUÊRA: CRIATIVIDADE E RENDA DE MÃOS DADAS Página 4 Ano VI nº21 Março/Abril 2010 REVISTA do FILÓ CABRUÊRA: CRIATIVIDADE E RENDA DE MÃOS DADAS Página 4 ENTREVISTA: SUSTENTABILIDADE, EM NOSSAS VIDAS E EM NOSSO TRABALHO Página 10 QUADRINHOS: SUSTENTABILIDADE

Leia mais

em REVISTA Ano VI nº22 Julho/Agosto 2010 PLANETA RETALHO: RETALHOS QUE FORMAM UMA REDE DE RENDA E QUALIDADE DE VIDA Página 4

em REVISTA Ano VI nº22 Julho/Agosto 2010 PLANETA RETALHO: RETALHOS QUE FORMAM UMA REDE DE RENDA E QUALIDADE DE VIDA Página 4 Ano VI nº22 Julho/Agosto 2010 em REVISTA PLANETA RETALHO: RETALHOS QUE FORMAM UMA REDE DE RENDA E QUALIDADE DE VIDA Página 4 ENTREVISTA: REDES E PARCERIAS PARA A GERAÇÃO DE RENDA Página 10 QUE BOM VER

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 São conjunto de princípios e regras que ajudam a reduzir, prevenir e evitar os perigos dos alimentos. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 Condutas para o Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS 1 VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS O sr. Generoso é proprietário de um estabelecimento há mais de 15 anos que dentre outras atividades também manipula alimentos.

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) DOU 01-08-2005 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais.

Leia mais

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL Deijiane de Oliveira

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Departamento de Vigilância Sanitária Setor de Fiscalização de Alimentos Introdução De acordo com a publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 60% dos

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. título: Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004 ementa: Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Aula 1 - O que é um Alimento Seguro? Por que nos alimentamos? A alimentação é uma atividade básica para o indivíduo manter- se vivo. Precisamos nos nutrir

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA- RDC Nº 43, de 01, de setembro de 2015 DOU 168, de 02 de setembro de 2015

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA- RDC Nº 43, de 01, de setembro de 2015 DOU 168, de 02 de setembro de 2015 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA- RDC Nº 43, de 01, de setembro de 2015 DOU 168, de 02 de setembro de 2015 Dispõe sobre a prestação de serviços de alimentação em eventos de massa. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração Segurança Alimentar na Restauração Higienização Pessoal na Restauração 1 Índice Consequências para a segurança alimentar de uma higiene pessoal inadequada... 3 Boas práticas de higiene pessoal... 3 Higiene

Leia mais

CARTILHA DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS - MESA

CARTILHA DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS - MESA Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Confederação Nacional da Indústria CARTILHA DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS - MESA 2 o edição Série Qualidade e Segurança Alimentar SENAI/Departamento Nacional Brasília,

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Higiene e Saúde do Pessoal POP - PRIMATO 001 / REV. 00 HIGIENE E SAÚDE DO PESSOAL Toda e qualquer forma de manipulação de ingredientes que na sua junção

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

Importância da Higiene

Importância da Higiene Importância da Higiene Anexo 1 1 Semana Pedagógica 1º semestre - 2016 Anexo I Importância da Higiene Você sabe o que é higiene? Higiene é o conjunto de medidas que tomamos para eliminar a sujeira, que

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC N 43, DE 1 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO - RDC N 43, DE 1 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO - RDC N 43, DE 1 DE SETEMBRO DE 2015. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe conferem os incisos III e IV do art. 15, da Lei nº 9.782,

Leia mais

Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004

Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004 Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004 DISPÕE SOBRE REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

REVISTA DO ICM. CONHEÇA A DUPLA LÁ E LÊ, EMPREENDIMENTO APOIADO PELO ICM EM MANAUS Página 4. Ano V nº18 Fevereiro/Março 2009

REVISTA DO ICM. CONHEÇA A DUPLA LÁ E LÊ, EMPREENDIMENTO APOIADO PELO ICM EM MANAUS Página 4. Ano V nº18 Fevereiro/Março 2009 Ano V nº18 Fevereiro/Março 2009 REVISTA DO ICM UMA PUBLICAÇÃO DO INSTITUTO CONSULADO DA MULHER CONHEÇA A DUPLA LÁ E LÊ, EMPREENDIMENTO APOIADO PELO ICM EM MANAUS Página 4 QUADRINHOS: AFINAL, PARA QUE SERVE

Leia mais

DIRCEU BRÁS APARECIDO BARBANO

DIRCEU BRÁS APARECIDO BARBANO Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 06, de 27 de fevereiro de 2014 D.O.U DE 28/02/2014 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Cartilha do. Manipulador de Alimentos

Cartilha do. Manipulador de Alimentos Cartilha do Manipulador de Alimentos apresenta Cartilha do Manipulador de Alimentos Belezas naturais e lugares maravilhosos, assim é o turismo no Brasil, que se desenvolve a cada dia e ocupa um importante

Leia mais

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB)

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB) ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB) FRANÇA PIRES 1, Vanusia Cavalcanti GOMES 2, Erika Adriana de Santana LIRA

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL Manipuladores de alimentos São todas as pessoas que trabalham com alimentos, ou seja, quem produz, vende, transportam recebe, prepara e serve

Leia mais

HIGIENE DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS

HIGIENE DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS DE ALIMENTOS 2. HIGIENE DO MANIPULADOR O principal responsável dos casos de intoxicação é quase sempre o Homem. As intoxicações alimentares são causadas, quase sempre, por não se seguir as boas práticas

Leia mais

As exigências para estabelecimentos que Manipulam alimentos conforme rdc 216. A BAHIA CONTROLADORA DE PRAGAS INFORMA AOS PARCEIROS

As exigências para estabelecimentos que Manipulam alimentos conforme rdc 216. A BAHIA CONTROLADORA DE PRAGAS INFORMA AOS PARCEIROS As exigências para estabelecimentos que Manipulam alimentos conforme rdc 216. A BAHIA CONTROLADORA DE PRAGAS INFORMA AOS PARCEIROS 1 AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS O sr. Generoso

Leia mais

Cartilha sobre Boas Práticas para Serviços de Alimentação

Cartilha sobre Boas Práticas para Serviços de Alimentação Cartilha sobre Boas Práticas para Serviços de Alimentação Resolução RDC n 216/2004 Esta publicação foi realizada pela Subsecretaria de Vigilância, Fiscalização Sanitária e Controle de Zoonoses do Rio de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CARTILHA DO PESCADOR ARTESANAL Boas Práticas na Manipulação dos Produtos da Pesca Artesanal Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro Oriana Trindade de Almeida Sérgio Luiz de Medeiros

Leia mais

Ref.: Resolução RDC/ ANVISA n.º 43, de 01.09.2015 DOU 1, de 02.09.2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Ref.: Resolução RDC/ ANVISA n.º 43, de 01.09.2015 DOU 1, de 02.09.2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Rio de Janeiro, 04 de setembro de 2015. Of. Circ. Nº 277/15 Ref.: Resolução RDC/ ANVISA n.º 43, de 01.09.2015 DOU 1, de 02.09.2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Senhor(a) Presidente, Fazendo

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO APÊNDICE A LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS UTILIZADA NA COLETA DE DADOS, BASEADA NA RDC nº 275/2002 E NA RDC nº 216/2004, DA ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Página 1 de 9 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da

Leia mais

CARTILHA SOBRE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO DICAS, SERVIÇOS E ORIENTAÇÕES Elaboração: Tatiana Bastos de Carvalho

CARTILHA SOBRE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO DICAS, SERVIÇOS E ORIENTAÇÕES Elaboração: Tatiana Bastos de Carvalho SECRETARIA MUNICIPAL DE Secretaria Municipal de Saúde de Serrania/MG CNPJ. 11.402.407/0001-61 CARTILHA SOBRE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO DICAS, SERVIÇOS E ORIENTAÇÕES Elaboração: Tatiana

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

Cartilha sobre Boas Práticas para serviços de alimentação. Resolução-RDC nº 216/2004

Cartilha sobre Boas Práticas para serviços de alimentação. Resolução-RDC nº 216/2004 Cartilha sobre Boas Práticas para serviços de alimentação Resolução-RDC nº 216/2004 É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Não é permitida a comercialização. Esta

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

Superintendência de Vigilância em Saúde do Estado de Goiás Gerencia de Vigilância Sanitária em Produtos Coordenação Fiscalização de Alimentos

Superintendência de Vigilância em Saúde do Estado de Goiás Gerencia de Vigilância Sanitária em Produtos Coordenação Fiscalização de Alimentos Superintendência de Vigilância em Saúde do Estado de Goiás Gerencia de Vigilância Sanitária em Produtos Coordenação Fiscalização de Alimentos Legislação Sanitária em Alimentos Boas Praticas de Fabricação

Leia mais

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011.

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS JI-PARANÁ Rua Rio Amazonas, 151 Bairro Jardim dos Migrantes 76900-730 Ji-Paraná RO EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. EDITAL PARA SELEÇÃO

Leia mais

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR Elis Carolina de Souza Fatel* Aline Sarabia** Cássia Daiane Givigier** Eliane Kelly Silva Garcia** Indianara Cardoso

Leia mais

CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. Material de apoio para serviços de alimentação

CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. Material de apoio para serviços de alimentação CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Material de apoio para serviços de alimentação Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Material de apoio para

Leia mais

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Série Qualidade e Segurança dos Alimentos 2 0 0 4 2004. SENAC Departamento Nacional Proibida a reprodução total ou parcial deste material. Todos os

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar Professoras: Eliete, Maria Cristina e Midian INTRODUÇÃO O homem com o seu próprio corpo podem contaminar diretamente os alimentos

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

Foi pensando na saúde dos. Capa Por Adriana Macedo. A saúde do cliente em suas mãos

Foi pensando na saúde dos. Capa Por Adriana Macedo. A saúde do cliente em suas mãos Capa Por Adriana Macedo A saúde do cliente em suas mãos Quem trabalha com alimentação, além de vender produtos e serviços, precisa ter sempre em mente que lida com algo essencial na vida das pessoas: a

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

O NUTRICIONISTA EM ALIMENTAÇÃO COLETIVA E O DIREITO DO CONSUMIDOR RIO DE JANEIRO

O NUTRICIONISTA EM ALIMENTAÇÃO COLETIVA E O DIREITO DO CONSUMIDOR RIO DE JANEIRO O NUTRICIONISTA EM ALIMENTAÇÃO COLETIVA E O DIREITO DO CONSUMIDOR RIO DE JANEIRO 2 O NUTRICIONISTA EM ALIMENTAÇÃO COLETIVA E O DIREITO DO CONSUMIDOR O nutricionista é profissional de saúde, que, atendendo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Curso de Capacitação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação. 1.2 Câmpus

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

1 Documentação 1.1 S N NA

1 Documentação 1.1 S N NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDEDORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão Maio/2011 ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA

Leia mais

Aspectos regulatórios referentes à conservação de alimentos pelo frio

Aspectos regulatórios referentes à conservação de alimentos pelo frio 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA SETORIAL DE ALIMENTOS DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Anvisa) Brasília, 11 de dezembro de 2012 Aspectos regulatórios referentes à conservação de alimentos

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ROTERO PARA CLASSFCAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 DETFCAÇÃO DO ESTABELECMETO Razão Social: ome Fantasia: Endereço Completo (Rua, º, Bairro): CPJ: Licença de Localização: nscrição Municipal: Alvará Sanitário: Proprietário(s)

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br RDC Nº 216 de 15 de setembro de 2004 Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação Esta Resolução pode ser complementada pelos órgãos de vigilância sanitária

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Alex Canziani) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de cozinheiro. Congresso Nacional decreta: Art. 1º Considera-se cozinheiro, para efeitos desta

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0462 62 IDENTIFICAÇÃO: Título: A IMPORTÂNCIA DO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PARA O FUTURO DA EMPRESA. Atributo: COMPATIBILIDADE DO PERFIL. Processo: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE

Leia mais

Gerente de alimentos e bebidas Planejar supervisionar, coordenar e controlar as atividades na área de a&b; Zelar pelas boas condições de higiene nos

Gerente de alimentos e bebidas Planejar supervisionar, coordenar e controlar as atividades na área de a&b; Zelar pelas boas condições de higiene nos Gerente de alimentos e bebidas Planejar supervisionar, coordenar e controlar as atividades na área de a&b; Zelar pelas boas condições de higiene nos locais que oferecem a&b; Zelar pela perfeita condição

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE POPULAR¹ RESUMO

VERIFICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE POPULAR¹ RESUMO VERIFICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE POPULAR¹ CASSOL, Fernanda Tironi²; DEVALETI, Mirian Terezinha da Silva²; MEDINA, Vanessa Bischoff 2. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de

Leia mais

Instituto de Tecnologia Social ITS Brasil

Instituto de Tecnologia Social ITS Brasil Instituto de Tecnologia Social ITS Brasil Índice 1. Apresentação do Pão Sol Conhecimento para desenvolver a vida ------------------------------- 4 A importância de ter o que comer---------------------------------------

Leia mais

ANÁLISE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DAS LANCHONETES LOCALIZADAS NO PERÍMETRO DE UMA FACULDADE, EM TERESINA-PI.

ANÁLISE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DAS LANCHONETES LOCALIZADAS NO PERÍMETRO DE UMA FACULDADE, EM TERESINA-PI. ANÁLISE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DAS LANCHONETES LOCALIZADAS NO PERÍMETRO DE UMA FACULDADE, EM TERESINA-PI. Claudeny Holanda Mendes da Rocha -Orientadora- NOVAFAPI Mitra Mobin - Colaboradora-NOVAFAPI Rosana

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS EM UMA CANTINA ESCOLAR 1

DOCUMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS EM UMA CANTINA ESCOLAR 1 DOCUMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS EM UMA CANTINA ESCOLAR 1 NAISSINGER, Maritiele 2 ; SACCOL, Ana Lúcia de Freitas 2 ; PINHEIRO, Nayara 2 ; SILVA, Micheline 3 1 Trabalho de Pesquisa Curso de Nutrição, UNIFRA.

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações]

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] Portugal em Acção ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS As estruturas, as instalações e o equipamento dos estabelecimentos de restauração ou

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1

CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 Botega, A. de O.²; Gabbardo, F.G.²; Saccol, A.L. de F.³ 1 Projeto

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

3M Soluções Comerciais Núcleo Limpeza Profissional. Produtividade. é a chave para o seu. Sucesso

3M Soluções Comerciais Núcleo Limpeza Profissional. Produtividade. é a chave para o seu. Sucesso 3M Soluções Comerciais Núcleo Limpeza Profissional Produtividade é a chave para o seu Sucesso 3 Conheça alguns números da performance global da 3M US$ 7,7 bi em investimentos em P&D (nos últimos 5 anos)

Leia mais

Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado

Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado 46 C-52 C 115 F-125 F 00:00:20 Todas as pessoas que entram na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado devem vestir roupas

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO Cassius Marcellus Zomignani Departamento Sindical - DESIN NORMA REGULAMENTADORA 24 A Norma Regulamentadora 24 do Ministério do Trabalho e

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99 SECETAA MUCPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de nteresse da Saúde Subgerência de Alimentos OTEO DE SPEÇÃO FÁBCA DE PALMTO EM COSEVA esolução DC 18/99, DCn 81/03,

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL Secretaria Municipal da Educação Setor de Alimentação Escolar

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. Assinale a alternativa que NÃO apresenta a rotina de trabalho de um (a) Merendeiro(a): A) Executar, sob orientação de Nutricionista, as tarefas relativas à confecção da merenda

Leia mais

POR QUE SER UM... POR QUE SER UM MANIPULADOR DE ALIMENTOS?

POR QUE SER UM... POR QUE SER UM MANIPULADOR DE ALIMENTOS? POR QUE SER UM... POR QUE SER UM MANIPULADOR DE ALIMENTOS? MANIPULADOR DE ALIMENTOS? Copyright Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina É permitida a reprodução parcial ou

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE BATURITÉ - CE MERENDEIRA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE BATURITÉ - CE MERENDEIRA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS MERENDEIRA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS 1. Veja a figura abaixo e aponte a opção VERDADEIRA. a) A figura diz que nas Olimpíadas as pessoas vão ver muito dinheiro. b) A figura deixa claro que os atletas

Leia mais

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO Manual desenvolvido pela equipe de monitoras, sob a supervisão da disciplina de Tecnologia de Alimentos (Curso de Nutrição) para normatização das atividades desenvolvidas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde Portaria CVS 5, de 09 de abril de 2013 DOE de 19/04/2013 - nº.

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF)

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) PVP SOCIEDADE ANÔNIMA Fundada em 1962 Outubro de 2013 1 A aplicação das Boas Práticas de Fabricação (BPF) é a maneira de garantirmos a qualidade na produção

Leia mais