ATUAÇÃO: SP; MS; BA; MG; RJ; TO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATUAÇÃO: SP; MS; BA; MG; RJ; TO."

Transcrição

1 ATUAÇÃO: SP; MS; BA; MG; RJ; TO. Culturas: Fruticultura Hortaliças Flores Florestais Paisagismo Plantas aromáticas Plantas medicinais Plantas oleaginosas COMO FUNCIONA: Pelo uso adequado da fitomassa disponível propiciando condições ideais para a multiplicação e o estabelecimento dos microrganismos benéficos no solo. Equilíbrio da interação solo/planta/ambiente com processos biológicos de atuação rápida e altamente compatível com o ecossistema nativo da região. Eliminação e/ou redução de insumos químicos e/ou alternativos de uso desnecessário. RESULTADOS A s técnicas da Agricultura Natural de Mokiti Okada desenvolvidas pela Fundação Mokiti okada, e aplicadas através do Sistema de Manejo de Solo e Planta (SFMO-MSP), tem auxiliado os produtores agrícolas assistidos pelo Setor de Consultoria Técnica na melhoria do solo, aumento da produção de suas culturas, redução de pragas, doenças e insumos, resultando em melhor qualidade dos produtos obtidos, entre outros benefícios. Nas propriedades agrícolas convencionais, a utilização do SFMO-MSP tornou possível a diminuição significativa de aplicações de agrotóxicos e adubos químicos, enquanto nas propriedades agrícolas orgânicas, a redução do uso de estercos animais com melhorias da qualidade do solo e aumento na produtividade, sendo fortes argumentos para a conversão gradativa para o método da Agricultura Natural. Estes resultados embasam um panorama extremamente positivo com um aumento na quantidade de propriedades assistidas em todos os estados do Brasil. Seus resultados são bastante expressivos e já beneficiaram grande número de clientes entre agricultores, pecuaristas, avicultores, agricultores familiares, consultores, professores, alunos, consumidores e o público em geral / comunidades familiares e assentamentos, através da atuação como consultoria técnica, realização e organização de inúmeras palestras, cursos e seminários que refletem no desenvolvimento sustentável local e regional. Para contato clique aqui.

2 Cultivo comercial de hortaliças antes da aplicação do SISTEMA FMO DE MANEJO DE SOLO E PLANTA (SFMO-MSP) - Birigui / SP Preparo do solo 7 a 10 ton de esterco de galinha/ha a cada 45 dias + inseticidas semanal para combater thrips e pulgão. Alta incidência de doenças e baixa qualidade da planta em desenvolvimento. Percentual de perdas / há > 50 % Custo de produção com preparo do solo / ha = R$7.400,00 Com aplicação contínua do SISTEMA FMO DE MANEJO DE SOLO E PLANTA (SFMO-MSP) durante 32 meses. Redução para kg de esterco de galinha/ha no preparo dos canteiros e uso de inseticidas biológicas esporadicamente. Baixa incidência de doenças e baixa, alta qualidade da planta em desenvolvimento com planejamento de plantio e colheita (PPC). Sistema FMO de Manejo de Solo e Planta (FMO-MSP) Antes Depois Custo de Produção (R$/ha) => 7.400, ,00 Percentual de perdas => >40 % <5 % Número médio de pés de alface vendido / semana => Aumento da produção => 107 % Redução de custo => 55 %

3 Manutenção do projeto paisagismo do Solo Sagrado de Guarapiranga com aplicação do Sistema FMO de Manejo de Solo e Planta - Parelheiros / SP Beleza e vigor de flores, arbustos, árvores e gramados, após 30 meses com aplicação contínua do SFMO-MSP.

4 Cultivo comercial de flores de corte antes da aplicação do SISTEMA FMO DE MANEJO DE SOLO E PLANTA (SFMO-MSP) São José dos Campos / SP Preparo do solo: utilizava o método da agricultura convencional com revolvimento profundo do solo, adubos químicos e fumigantes do solo, com custo em torno de R$ ,00 / ha. Manutenção no desenvolvimento da planta nutricional e controle de pragas e doenças com fertilizantes químicos, inseticidas e fungicidas químicos e herbicidas. Com aplicação do SISTEMA FMO DE MANEJO DE SOLO E PLANTA (SFMO- MSP) São José dos Campos / SP 16 meses. Preparo do solo com o SFMO-MSP: construção de drenos, revolvimento superficial e inoculante microbiano. Manutenção no desenvolvimento da planta nutricional e controle de plantas invasoras, pragas e doenças - com cobertura do solo e insumos alternativos. Custo = R$ Convencional = ,00 SFMO-MSP = 2.100,00 Redução = 79,28 % Cultivo comercial de hortaliças no sistema orgânico com aplicação do Sistema FMO de Manejo de Solo e Planta (SFMO-MSP) - Barretos / SP Após 30 meses com aplicação do SFMO-MSP aumento de produção e qualidade, redução de estercos, de composto, pragas e doenças e de custo de produção.

5 Cultivo comercial de ervas aromática e de grãos com aplicação do SISTEMA FMO DE MANEJO DE SOLO E PLANTA (SFMO-MSP) - Nhandeara / SP Solo de textura franco-arenoso de perfil profundo com drenagem natural satisfatória. Indicando aptidão compatível para o cultivo de Patchouly, Carqueja, xxx e cultura de grãos. Resultados alcançados após 14 meses com aplicação do SFMO-MSP: aumento de produção e qualidade, com baixo custo de produção. Cultivo comercial de hortaliças com aplicação do SISTEMA FMO DE MANEJO DE SOLO E PLANTA (SFMO-MSP) Área de serrado Brasília / DF em pleno período de seca prolongado Julho de Eliminação total de esterco animal e cama de frango, substituindo por fosfato natural pó de rocha, Nutribokashi, gradagem e mantendo a irrigação. Produção em quantidade e com qualidade, baixo custo de produção e baixa incidência de pragas e doenças.

6 Produção comercial de hortaliças no modelo de agricultura orgânico com o SISTEMA FMO DE MANEJO DE SOL E PLANTA (SFMO-MSP) Castro Alves / BA SISTEMA FMO DE MANEJO DE SOLO E PLANTA (SFMO-MSP): Tecnologia da Agricultura Natural de Mokiti Okada. Resultados após 6 meses com o SFMO-MSP: alta produção e baixa incidência de doenças e pragas Modelo de Custo de Produção Agricultura (R$) % de Perdas Convencional 7.000,00 > 48 SFMO-MSP 4.200,00 < 10 Aumento de Produção Redução de Custo 65 % 38 % Cultivo comercial de morango com aplicação contínua do SISTEMA FMO DE MANEJO DE SOLO E PLANTA (SFMO-MSP) 15 meses Atibaia - SP. Adubação verde e cultivo comercial de hortaliças nas entressafras; preparo do solo com controle de umidade e de uso de material vegetal. Uso consciente de microrganismos condicionadores de solo; manutenção no desenvolvimento da planta nutricional e controle de pragas e doenças com Bokashi, Embiótic e composto orgânico.

7 Projeto FEMA 8 - FEMA DITAL Nº 8/2009, Processo nº , Convênio Nº 022/SVMA/2011: PROJETO: Prática da Agricultura Natural, técnica de base Agroecológica, para o incentivo ao uso sustentável com a produção e manutenção da qualidade do solo e da água na Bacia da represa de Guarapiranga para a expansão da Agricultura Urbana e Periurbana Atendimento a 13 produtores. Cultivo de hortaliças antes do Sistema FMO de Manejo de Solo e Planta SFMO-MSP. Resultados alcançados após 8 meses com aplicação do Sistema FMO de Manejo de Solo e Planta SFMO- MSP: redução de insumos e defensivos químicos, estercos, com produção com qualidade, baixa incidência de pragas e doenças e baixo custo de produção.

8 PROJETO: Acompanhamento e treinamentos para o desenvolvimento de hortascomunitárias urbanas no sistema de Agricultura Natural (Mokiti Okada), no município de Osasco, SP. 1. OBJETIVOS Capacitar os participantes do projeto nas técnicas de plantio e cultivo de alimentos saudáveis, viáveis economicamente e sem agressão ao meio ambiente para implantação do projeto de horta urbana no município de Osasco/SP; Acompanhar e orientar o andamento do projeto, em todas as áreas de plantio, com vistas a aumentar a capacitação e o apoio aos beneficiários, além de ser uma forma de monitoramento das ações e da evolução das condições sociais da comunidade; Construir soluções ecologicamente corretas, socialmente adequadas e economicamente viáveis para as atividades de agricultura urbana no município; Contribuir para o desenvolvimento de um modelo sustentável de agricultura com baixo impacto econômico e ambiental progressivo. 2. ATIVIDADES Planejamento de horta caseira; passo a passo da implantação da horta; principais ferramentas necessárias; classificação das hortaliças; produção de mudas e semeio; manejo de solo; formação de canteiros; manejo da cultura (tratos culturais; manejo nutricional; análise do solo, uso correto da matéria orgânica; cobertura morta; manejo do mato competidor); manejo ecológico de doenças e pragas; importância das plantas indicadoras; importância das barreiras de proteção e de abrigo de inimigos naturais; cuidados com a horta, com a colheita e pós-colheita; tecnologia aplicada. 3. RESULTADOS

9 Fundação Mokiti Okada M.O.A. Secretaria da Agricultura Natural SAN. PROJETO HORTA ESCOLAR NATURAL NO CEDEG/APAE CAMPO GRANDE MS. Coordenação e execução: Maria Aparecida Lemes Reis; Sandra Rosani Martins Alcantara e Zuleide Borges Chaves (CEDEG-APAE Campo Grande MS). Orientação: Dr. Paulo Roberto Ribeiro Chagas; Consultor e executor: Emerson Pereira Coghi (Setor de Consultoria Agrícola Secretaria da Agricultura Natural Fundação Mokiti Okada SCA-SAN-FMO). JUSTIFICATIVA T endo em vista que todas as APAES de MS possuem uma horta escolar e que nestas vem sendo utilizados estercos e agrotóxicos, com este projeto, deu-se início em setembro de 2009, a implantação da HORTA ESCOLAR NATURAL NO CEDEG/APAE CAMPO GRANDE / MS, como um polo de capacitação para implantação e cultivo de hortaliças no sistema de agricultura de base agroecológica segundo a filosofia da Agricultura Natural de Mokiti Okada, nas demais APAES de MS. OBJETIVOS DO PROJETO Capacitar professores, pais e alunos tanto do CEDEG/APAE de Campo Grande quanto das demais APAES de MS, nos conceitos e práticas de educação ambiental através das técnicas e vivências da agricultura (produção de hortaliças) segundo os princípios da Agricultura Natural de Mokiti Okada; Estimular os alunos, pais e professores a adotarem hábitos alimentares saudáveis; Produzir alimentos que aumentem a saúde do homem e preservar o meio ambiente. PARCERIAS NA EXECUÇÃO DO PROJETO Federação das APAES de MS; CEDEG-APAE-CAMPO GRANDE local do polo de capacitação; Fundação Mokiti Okada que através do Setor de Consultoria Agrícola da Secretaria da Agricultura Natural presta consultoria na aplicação das técnicas da Agricultura Natural de Mokiti Okada.

10 ATIVIDADES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Cerca de 120 alunos com idade acima de 14 anos passam por rodízio de cinco dias úteis nas atividades: comunicação e expressão, matemática, história, geografia, ciências e orientação sexual, papel reciclado, instituto de beleza, agricultura natural, cozinha pedagógica e atividades complementares: educação física e treinamento desportivo, dança e teatro. HABILIDADES DESENVOLVIDAS NO TRABALHO NA HORTA NATURAL Nas habilidades básicas: relacionamento humano, cuidados pessoais, segurança e conservação do ambiente de trabalho, meio ambiente e qualidade de vida. Habilidades específicas referentes à horta: utilização das ferramentas, manusear o solo com respeito à natureza e ao meio ambiente, preparo da terra com materiais orgânicos para o plantio, cobertura de canteiros, adubação natural, colheita, embalagem e venda dos produtos. RESULTADOS DO PROJETO Das 62 APAES do Estado de Mato Grosso do Sul, 22 delas participaram dos cursos e consultorias. Das unidades do interior, foram capacitados 32 professores; Os alunos que não gostavam de verduras passaram a saborear os produtos que ajudaram a cultivar. A avaliação de cada atividade, por aluno, foi feita através de registros fotográficos e sequência didática realizados pelos professores participantes e mediados pela coordenadora pedagógica da escola; Os produtos colhidos na horta vão para cozinha do CEDEG/APAE e também vendidos para os professores e aos pais; Alunos preparando receitas com produtos da horta natural; Os canteiros são contornados por calçadas táteis propiciando condições de acessibilidade à horta pelos alunos com paralisia cerebral de forma que os terapeutas utilizam a horta para a realização de caminhadas e atividades lúdicas; Os professores ficaram mais conscientes da importância de manusear o solo com respeito e mais atentos no cuidado do desenvolvimento das plantas, bem como, despertaram o interesse pelo consumo de alimentos mais saudáveis. PERSPECTIVAS PARA 2012 Os professores ficaram mais conscientes da importância de manusear o solo com respeito e mais atentos no cuidado do desenvolvimento das plantas, bem como, despertaram o interesse pelo consumo de alimentos mais saudáveis.

11 DEPOIMENTOS O curso da agricultura natural nos deu oportunidade de repensar a vida, nossos hábitos alimentares, um olhar reflexivo sobre a harmonia do homem com a natureza (Professora Janilda - Apae Paranaiba).

12 Projeto: Horta Piloto no Sistema CPMO de Manejo de Solo e Planta (SCPMO-MSP) com aplicação do PCP (Programação e Controle de Produção) - Período do trabalho: 05/2011 a 12/2011 Objetivos: A Responsável: Rodrigo Henriques LONGARESI 1 Orientador: Paulo Roberto Ribeiro CHAGAS 2 horta Natural, com uma área útil de 1000 m 2, foi concebida com o propósito de avaliar o efeito do manejo com Bokashi/Fert Bokashi e cobertura morta associada ao cultivo mínimo do solo sobre a produtividade das culturas e a incidência de pragas e doenças. Material e Métodos: O solo foi preparado conforme a metodologia do Sistema CPMO de Manejo de Solo e Planta, com distribuição de Bokashi sobre a vegetação existente na área, espontânea e restos de culturas econômicas e incorporada no solo com rotativa a 20 cm de profundidade e os canteiros levantados com encanteiradeira e coberto com material verde (napier) picado (Figuras 1, 2 e 3). As irrigações foram feitas de acordo com as necessidades das culturas, de forma individualizada ou não, conforme operacionalização do trabalho no momento. As colheitas iniciaram em Julho estendendo-se até Dezembro de forma semanal, as terças e sextas feiras, atendendo a demanda do refeitório onde foi observado o maior volume de vendas e ao público em geral (colaboradores do CPMO e outros) em menor escala e não menos importante. O excedente das vendas foi doado a fim de evitar o desperdício de alimentos. Para o adequado funcionamento da unidade produtiva foi aplicado um PCP (Programação e Controle de Produção) para servir como guia das operações a serem realizadas como frequência de semeadura, transplantio e colheita. Os demais manejos como raleio, aplicação de Bokashi (farelo/calda) e pulverizações com Fert Bokashi/Embiotic foram realizados conforme necessidade das culturas e do solo, sem seguir calendários de aplicação/tomada de decisão, sendo estas baseadas na observação das características do solo e das culturas bem como suas variantes. Junto a estes processos e para tais acontecerem, foi treinada a colaboradora Sra. Maria Cleoneide que correspondeu muito bem às expectativas executando e contribuindo para o bom andamento dos trabalhos. Fig. 1: Solo revolvido com rotativa umidade na capacidade de solo. Fig. 2: Construção dos canteiros. Fig. 3: Canteiros cobertos com napier verde picado. 1 Eng. Agr. Pesquisa & Desenvolvimento em Agricultura Natural Centro de Pesquisa Fundação Mokiti Okada 2 Eng. Agr. Dr. Fitopatologia Coordenador do Setor de Consultoria Agrícola Secretaria da Agricultura Natural Fundação Mokiti Okada

13 Resultados: O s resultados alcançados durante o período de cultivo compreendido de julho a dezembro de 2011 são demonstrados nas Figuras 4 a 8, como exemplo de cultivo bem sucedido de diferentes hortaliças no sistema de Agricultura Natural de Mokiti Okada com aplicação do Sistema CPMO de Manejo de Solo e Planta. Ao final de Dezembro o balanço da horta mostra que foi colhido em 6 meses 2.420,7 kg de hortaliças. Deste montante, foi comercializado com o refeitório e com o público interno, 1.424,8 kg de hortaliças gerando uma receita de R$ 4.256,53 dos quais R$ 845,99 foram gastos com materiais (Bokashi, Embiótic, material vegetal e sementes). O restante, 995,9 kg (R$2.975,21) foi doado para instituições de caridade, pois não foi comercializado, o que cobriria com sobra o valor (R$845,99) gasto com materiais. Após este ano de intenso cultivo, destaca-se a ausência tanto de doenças como de pragas de quaisquer naturezas de forma que comprometesse o desenvolvimento, a produção e a qualidade das culturas. Esta por sua vez tende a aumentar no ano de 2012, pois o solo está melhorando seus aspectos químico (adição de matéria verde), biológico (adição de microrganismos através do Bokashi, Embiótic e material vegetal) e físico (principalmente porosidade e capacidade de retenção de água) proporcionados pelo manejo de cultivo mínimo e intensificação dos cultivos, no período citado acima. Fig. 4: Colheita da cenoura Fig. 5: colheita da rúcula Fig. 6: Colheita momentânea de cenoura e rúcula. Fig. 7: Canteiro de acelga. Fig. 8: Canteiro de cebolinha recémtransplantado. Fig. 9: Colheita de hortaliças para comercialização.

14 Comentários: P ara o ano de 2012, no período de Janeiro e fevereiro que apresenta altos índices pluviométricos, recomenda-se fazer, em 60% da área, o plantio de leguminosas (Feijão de porco para manter a descompactação e aumento dos níveis de nitrogênio no solo via fixação biológica e Crotalária para prevenção de nematoides de galha que podem causar danos na cenoura e também aumento dos níveis de nitrogênio no solo via fixação biológica) utilizando-as, posteriormente, no preparo do solo incorporando-as junto ao Bokashi com auxílio de encanteiradeira. O restante da área (40%), com melhores condições de cultivo e com culturas em desenvolvimento, seria utilizado para manutenção econômica do projeto, Reformando-se 50% dessa área em fevereiro e os 50% restantes em março, quando retornaria o cultivo nos 60% da área reformada em janeiro. E assim, não interromperia a sequência produtiva da horta e garantiria também os resultados econômicos. O PCP mostrou-se eficiente no controle e planejamento das atividades bem como no acompanhamento dos custos de produção e na geração de receita proveniente das colheitas sendo uma excelente ferramenta para uso diário pelos Técnicos e Engenheiros Agrônomos da Instituição. Conclusões: 1. A horta com uma área útil de 1000 m 2, produziu um total de 2.420,70 kg (1.428,80 kg vendidos + 995,90 kg doados) de hortaliças, em 7 meses de cultivo; 2. Tendo os 1.424,80 kg de hortaliças gerados uma receita bruta de R$4.256,53, os 2.420,70 kg de hortaliças produzidos gerariam uma receita bruta de R$7.224,31 e gastos (despesas com material) de R$845,99; 3. Receita líquida: R$7.224,31 R$845,99 = R$6.378,32; 4. Receita mensal = R$911,19. O que representa 146,45%, ou seja, 46,45% a mais que o salário mínimo de 2012 (R$622,00). 5. Renda suficiente para a sobrevivência de uma família em torno de 4 a 5 pessoas. - Fevereiro de Fundação Mokiti Okada - FMO Secretaria da Agricultura Natural - SAN Setor de Consultoria Agrícola - SCA Coordenação

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura.

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. FUNDAÇÃO MOKITI OKADA Mokiti Okada - CPMO Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. Leandro de Almeida Amado Engenheiro Agrônomo, MSc Assistente Técnico Outubro

Leia mais

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO Fundação Mokiti Okada M.O.A Mokiti Okada - CPMO CADEIA PRODUTIVA DA AGRICULTURA ORGÂNICA Audiência Pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária CRA Senado Federal Novembro 2008 1 Mokiti Okada CPMO

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov. ORGÂNICOS SÃO CAROS. POR QUÊ? Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.br Quem nunca ouviu ou falou

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE Suse Alves Ribeiro¹, Jildemar Oliveira dos Santos Júnior¹, Adriano da Silva Almeida² ¹ Alunos do Curso de Agronomia da UESPI de Corrente.

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR

Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR Justificativa: A agricultura familiar é responsável por parte considerável da produção agrícola do país, abastecendo principalmente

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas 1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas Em agricultura orgânica sempre se busca o equilíbrio ecológico e a prevenção de problemas que afetam a saúde das plantas. Através do uso de algumas técnicas simples

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal PLANO DE CURSO Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO

PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO CONSULTORIA: OFICINAS DE BASE AGROECOLÓGICA NAS COMUNIDADES DE URUCURITUBA E TAPARÁ GRANDE, Município de Santarém, Pará, Brasil. CONSULTOR:

Leia mais

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Sociedade e Natureza Monferrer RESUMO 193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Fabia Tonini 1 ; Andréia Tecchio 2 O espaço Horta Escolar pode ser utilizado como meio

Leia mais

PROJETO EDUCANDO COM A HORTA: CORES AROMAS E SABORES. NEI João Machado da Silva

PROJETO EDUCANDO COM A HORTA: CORES AROMAS E SABORES. NEI João Machado da Silva PROJETO EDUCANDO COM A HORTA: CORES AROMAS E SABORES NEI João Machado da Silva Justificativa Aproveitar racionalmente a pequena disponibilidade de espaço de terra do NEI João Machado da Silva na produção

Leia mais

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar. SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA Moacir Roberto Darolt 1 e Francisco Skora Neto 2 1 Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.br 2 Pesquisador IAPAR Ponta

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

Adubação Orgânica Agricultura Orgânica. Nome Agricultura Orgânica Produto. Autor(es) Adubação Orgânica Agricultura Orgânica

Adubação Orgânica Agricultura Orgânica. Nome Agricultura Orgânica Produto. Autor(es) Adubação Orgânica Agricultura Orgânica http://wwwematermggovbr/site_emater/serv_prod/livraria/aduba 1 de 10 10/16/aaaa 10:14 Adubação Orgânica Agricultura Orgânica Nome Agricultura Orgânica Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço

Leia mais

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho CONFIRA OS ATRATIVOS DA VERSÃO SPORT DA FORD RANGER PAG. 16 Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho 00102 810001 771806 9 Revista Produz - Ano XI Nº 102 2015 R$

Leia mais

Palavras-chave: Agricultura Familiar, Fruticultura, Assistência Técnica, Metodologia Participativa, Agroecologia.

Palavras-chave: Agricultura Familiar, Fruticultura, Assistência Técnica, Metodologia Participativa, Agroecologia. Experiências de Assessoramento a Fruticultores da Região de Itaberaí GO, realizado pelo Grupo de Ensino, pesquisa e Assistência à Agricultores Familiares. RIBEIRO, Gessyane Guimarães¹; HAROLD, Carlos Alexandre

Leia mais

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov. COMO CONTROLAR PRAGAS E DOENÇAS NO CULTIVO ORGÂNICO? Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.br

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br

Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br MILHO VERDE ORGÂNICO: PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br Neli Cristina B. Santos Eng. Agr.,

Leia mais

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 Edmilson José Ambrosano Eng. Agr., Dr., PqC do Pólo Regional Centro Sul/APTA ambrosano@apta.sp.gov.br Fabrício Rossi Eng. Agr., Dr.,

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas... Página 1 de 6 Olericultura Produção Orgânica de Hortaliças Nome Hortaliças : Produção Orgânica Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: RESUMO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: RESUMO TÍTULO: HORTA COMUNITÁRIA NOS ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO PITIMBU/PB. AUTORES: Wedja S.da Silva; Marcelo R.da Silva; Macilene S.da Silva; Analice M. da Silva; Francisco B. Silva; Jaidenilson V.de

Leia mais

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR JUSTIFICATIVA Uma vez que a sobrevivência da sociedade dependerá da alfabetização cultural, social e ecológica e, sendo a Terra nossa casa maior,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ EDSON DOMINGOS DOS SANTOS. 1. PROF. GERENCIADOR DE TEC. EDUCACIONAIS E RECURSOS MIDIÁTICOS: Edvaldo M.

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ EDSON DOMINGOS DOS SANTOS. 1. PROF. GERENCIADOR DE TEC. EDUCACIONAIS E RECURSOS MIDIÁTICOS: Edvaldo M. GOVERNO DO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E APOIO À EDUCAÇÃO COORDENADORIAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL-

Leia mais

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes em Assentamentos Rurais de Santa Catarina/Brasil EJE: Ciencia, Tecnología y Sociedad AUTORES: Msc. Marina Bustamante Ribeiro Prof. Dr.

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma:

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma: 5.2 Objetivo do Curso Capacitar o aluno para que se torne um profissional com habilidades para produzir mais e melhor, com competência para gerenciar e gerar tecnologias que reduzam os impactos negativos

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto OSistema de Plantio Direto (SPD) consolida-se cada dia mais na região. Ao mesmo tempo existe a preocupação com sua qualidade, para que traga os

Leia mais

PROGRAMA Oi DE PROJETOS PARA O MEIO AMBIENTE

PROGRAMA Oi DE PROJETOS PARA O MEIO AMBIENTE PROGRAMA Oi DE PROJETOS PARA O MEIO AMBIENTE PROJETOS FINALISTAS - 2011 AMAZONAS Organização: Instituto Pacto Amazônico Projeto: Sustentabilidade na Floresta Objetivo: Garantir a participação efetiva e

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 O SISTEMA PAIS (PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA E SUSTENTÁVEL) COMO INDUTOR DA DIVERSIFICAÇÃO PRODUTIVA E DO REDESENHO DO AGROECOSSISTEMA DE UMA PROPRIEDADE RURAL DO

Leia mais

Implantação e manutenção de uma horta comunitária na APAE de Bambuí MG

Implantação e manutenção de uma horta comunitária na APAE de Bambuí MG VIII SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFMG-CAMPUS BAMBUÍ II MOSTRA DE EXTENSÃO Implantação e manutenção de uma horta comunitária na APAE de Bambuí MG Bruno Dorneles de Oliveira¹; Eduardo Castelar Silva

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Fotos: Projeto: Horta Vertical Organização: APAE de Foz do Iguaçu Página: 1/1 1. Título do projeto ambiental participante: Projeto Horta Vertical 2. Categoria

Leia mais

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Mandioca e Fruticultura USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Ana Lúcia Borges Pesquisadora da Embrapa Erval Rafael Damatto Junior Pesquisador científico da APTA Manejo sustentável

Leia mais

VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO

VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO Lisângela Costa dos Santos¹ Jaílson Severino dos Santos ² Valdilene Maria da Silva ² 1-Supervisora PIBIB Ciências-CAV 2- Bolsistas PIBID Ciências-CAV

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB Introdução Marcos Antonio Lopes do Nascimento Universidade Federal da Paraíba marcosal99@yahoo.com.br

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293 Página 1293 CULTIVAR BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE POLICULTIVO NA AGRICULTURA FAMILIAR DO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA-PB - SAFRA 2009 1Waltemilton Vieira Cartaxo- Analista Embrapa Algodão, 2. José Aderaldo Trajano

Leia mais

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços.

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 2) Aprendendo a fazer a compostagem 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. 3)Manutenção e cuidados com o composto Microorganismos:

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO 1 ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO PROJETO INTERDISCIPLINAR HORTA EM GARRAFA PET: UMA ALTERNATIVA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE IVINHEMA/MS - DISTRITO DE AMANDINA 2013 2 ESCOLA ESTADUAL

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais

Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais Mostra Local de: Quatro Barras (Municípios de Quatro Barras, Piraquara, Pinhais e Campina Grande do Sul) Categoria do projeto:

Leia mais

Sementes e Mudas Orgânicas

Sementes e Mudas Orgânicas Sementes e Mudas Orgânicas Cenário atual e desafios para o futuro Eng Agr Marcelo S. Laurino Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comissão da Produção Orgânica de São Paulo BioFach América

Leia mais

EDUCAÇAO AMBIENTAL NA ESCOLA Perspectivas de mudanças comportamentais na alimentação e convívio social.

EDUCAÇAO AMBIENTAL NA ESCOLA Perspectivas de mudanças comportamentais na alimentação e convívio social. EDUCAÇAO AMBIENTAL NA ESCOLA Perspectivas de mudanças comportamentais na alimentação e convívio social. Glauco Yves Gomes dos Santos Rocha, Graduado do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Federal

Leia mais

Componente curricular: Fundamentos de Agroecologia. Curso: FIC -Produção de Alimentos Orgânicos Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Fundamentos de Agroecologia. Curso: FIC -Produção de Alimentos Orgânicos Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Fundamentos de Agroecologia Curso: FIC -Produção de Alimentos Orgânicos Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Fundamentos de Agroecologia 1. Agricultura orgânica no Mundo, Brasil

Leia mais

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro.

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. Maíra Leão da Silveira Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Francisco Mariano da Rocha

Leia mais

Integração entre criação animal,

Integração entre criação animal, Fotos: Arquivo PDHC Muda de beterraba em canteiro após pousio com adubação verde e aplicação de composto Integração entre criação animal, cultivos de sequeiro e irrigado no semiárido nordestino Felipe

Leia mais

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Lutécia Beatriz Canalli Eng. Agr., MSc Solos, Dra em Agronomia - Produção Vegetal Sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO. Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF).

EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO. Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF). EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF). 1 Orientadora professora do CEM S. J. Ribamar/FAPEMA, acadêmica química/ufma. 2 Orientadora

Leia mais

Jacimar Luis de Souza 1

Jacimar Luis de Souza 1 Problemas, limitações e soluções técnicas nos sistemas de produção de olerícolas orgânicas Jacimar Luis de Souza 1 1 INCAPER - Centro Serrano, Venda Nova do Imigrante ES, e-mail: jacimarsouza@yahoo.com.br

Leia mais

Avaliação da viabilidade de implantação de hortas comunitárias em instituições filantrópicas por meio de projetos de extensão

Avaliação da viabilidade de implantação de hortas comunitárias em instituições filantrópicas por meio de projetos de extensão Avaliação da viabilidade de implantação de hortas comunitárias em instituições filantrópicas por meio de projetos de extensão Anderson Mendes ARAUJO¹; Roberta FONSECA²; Luciano Donizete GONÇALVES³; Alisson

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA

CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA Ministério do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário Apresentação Sumário 4 FERNANDA MACHIAVELI Chefia

Leia mais

Agriculturas v. 11 - n. 1 abril de 2014 38

Agriculturas v. 11 - n. 1 abril de 2014 38 Fotos: Arquivo ABD Seleção de sementes realizada nas condições ambientais e de manejo em que os plantios comerciais serão realizados Agriculturas v. 11 - n. 1 abril de 2014 38 Rede de sementes biodinâmicas

Leia mais

3 Plantio e Semeadura

3 Plantio e Semeadura 3 Plantio e Semeadura 1 Plantio Éo ato de se colocar mudas ou partes vegetativas no solo para a instalação de determinada cultura. Exemplos: - Cana-de-açúcar; - Mandioca; - Arroz no cultivo com transplantio

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

Carne sustentável, certificada orgânica e as alianças mercadológicas.

Carne sustentável, certificada orgânica e as alianças mercadológicas. Carne sustentável, certificada orgânica e as alianças mercadológicas. VI Seminário do GTPS Pecuária Sustentável na Prática Luiz Carlos Demattê Filho Diretor Industrial Korin Agropecuária Ltda. Novembro/2013

Leia mais

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Página 755 PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Evandro Franklin de Mesquita 1,2, Lúcia Helena Garofálo Chaves 3, Hugo Orlando carvallo Guerra3, Diva Lima

Leia mais

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos.

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos. IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA EM PROPRIEDADES DA AGRICULTURA FAMILIAR DA ZONA DA MATA DE MINAS. 1 Ricardo Tadeu Galvão Pereira- Eng o Agrônomo, Dsc, Coordenador Regional

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS Portfólio Formal Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS APRESENTAÇÃO Uma Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída e

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br AGRONOMIA COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 65 Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

PROJETO HORTA E ALIMENTAÇÃO SAÚDAVEL

PROJETO HORTA E ALIMENTAÇÃO SAÚDAVEL PROJETO HORTA E ALIMENTAÇÃO SAÚDAVEL Público Alvo Destinado a alunos de Educação Infantil Duração: O projeto se caracteriza por ser uma atividade continuada, portanto, não tem hora ou tempo de duração

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS 1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS O Programa de Preservação e Recuperação de Ecossistemas visa o aumento da biodiversidade e a recuperação da paisagem. É composto por um conjunto

Leia mais

PLANTAS DE COBERTURA NO CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

PLANTAS DE COBERTURA NO CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS PLANTAS DE COBERTURA NO CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Wander Luis Barbosa Borges Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Noroeste Paulista/APTA wanderborges@apta.sp.gov.br Rogério Soares de Freitas Eng. Agr.,

Leia mais

Escola Municipal José Clarindo Gomes RESGATE E VALORIZAÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS, COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Escola Municipal José Clarindo Gomes RESGATE E VALORIZAÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS, COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Escola Municipal José Clarindo Gomes RESGATE E VALORIZAÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS, COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Cabo de Santo Agostinho, 2010. Local O Projeto será desenvolvido na Escola Municipal

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 1 Tema: PREPARO REDUZIDO E PLANTIO DIRETO Local: Ribeirão Preto - SP Palestrante: Hilário 2 LOCALIZAÇÃO Latitude: 20º28 41 S UAM Longitude: 47º52 21 W

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS.

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS. EIXO TEMÁTICO: Tecnologias PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS. Gabriella de Oliveira Daniel 1 Julia Lopes da Silva 2 Lorena Gamboa Abadia 3 Marina Ferracioli

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais