A RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EM MEIOS DE HOSPEDÁGEM DE PARATY: UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EM MEIOS DE HOSPEDÁGEM DE PARATY: UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO EMPRESARIAL A RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EM MEIOS DE HOSPEDÁGEM DE PARATY: UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA DISSERTAÇÃO APRESENTADA À ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE RAQUEL LENZIARDI Rio de Janeiro

2 Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Mario Henrique Simonsen/FGV Lenziardi, Raquel A responsabilidade social corporativa e o desenvolvimento sustentável em meios de hospedagem de Paraty : uma análise exploratória I Raquel Lenziardi f. Dissertação (mestrado) - Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa. Orientadora: Fátima Bayma de Oliveira. Inclui bibliografia. 1. Responsabilidade social da empresa - Estudo de casos. 2. Desenvolvimento sustentável - Estudo de casos. 3. Turismo ecológico - Estudo de casos. 4. Indústria hoteleira - Estudo de casos. I. Oliveira, Fátima Bayma de. 11. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas. Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa Título. CDD

3 A RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EM MEIOS DE HOSPEDAGEM DE PARATY: UMA ANÁLISE EXPLORA TÓRIA Por RAQUEL LENZlARDI Dissertação apresentada à Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas para obtenção do grau de Mestre em Gestão Empresarial sob a orientação da professora Doutora Fátima Bayma de Oliveira. RIO DE JANEIRO JUNHO, 2011

4 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EXECUTIVO EM GESTÃO EMPRESARIAL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO A RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EM MEIOSDE HOSPEDAGEM DE PARATY: UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA. APRESENTADA POR: RAQUEL LENZIARD E APROV ADA EM: PELA BANCA EXAMINADORA,/,~){){L7~ Fátima' Bayma de Oliveira Doutor a em Educação ( Paulo Emílio lhos ~rtms Doutor em Administração de Empresas Doutor em Administração

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que me apoiaram antes. durante e depois do mestrado. tais como a minha família. amigos. namorado Bruno Pereira Seque ira e Verônica Mayer. Agradeço aos participantes da banca - professores Anderson Sant' Anna e Paulo Emílio Martins - a minha orientadora Fátima Bayma. por toda ajuda e por tornar a elaboração da dissertação algo mais leve. Agradeço a todos os meus novos amigos do mestrado. que me acompanharam em todo esse processo. que foi essencial para a conclusão do curso. Agradeço a todos os professores. pelo conhecimento compartilhado e pelos momentos de reflexão.

6 RESUMO Atualmente, há uma grande cobrança da sociedade para que as empresas privadas se desenvolvam de forma sustentável e responsável. ou seja. tenham práticas de Responsabilidade Social Corporativa (RSC). No turismo. esse debate é ainda mais eminente. pois muitas localidades vivem e dependem do setor. que ao mesmo tempo, traz muitos impactos nocivos. Algumas cidades brasileiras. como Paraty (RJ). revitalizaram a sua economia por meio do turismo. após longos anos de abandono. entretanto elas tentam manter o seu desenvolvimento de forma equilibrada. sem prejudicar as peculiaridades locais. Ao analisar os temas sustentabilidade e RSC. observa-se que os mesmos possuem uma literatura ainda em construção. com resultados fragmentados. pouco conclusivos e deixando muitas lacunas teóricas. Além disso. também há poucos estudos sobre a gestão hoteleira em Paraty. sendo este o principal subsistema do turismo. Sendo assim. esse estudo investigou de forma exploratória. operacionalizadas por meio de entrevistas em profundidade. qual a percepção e formas de atuação dos gestores dos meios de hospedagem de Paraty. localizados em seu centro histórico. Com isso. foram entrevistados gestores de oito meios de hospedagem da cidade. selecionados por faixa de preços. O universo desse estudo é composto por cerca de 30 pequenas empresas. Os dados foram analisados por meio da técnica de análise conteúdo. Os gestores foram os sujeitos entrevistados. porque são os principais decisores e promotores do desenvolvimento sustentável nesses empreendimentos. Concluiu-se que. as características dos meios de hospedagem estudados diferem de acordo com a sua faixa de preço. Ao mesmo tempo. independente das diferenças veriticadas. as formas de gestão. assim como a percepção e formas de atuação de RSC. se assemelham a estudos analisados em pequenas empresas. estes pouco abordados na Administração. Além disso. todos os gestores entrevistados têm consciência em relação aos aspectos positivos e negativos da cidade. dos impactos do turismo e das suas responsabilidades para minimizar/potencializar esses impactos. Apesar do seu conhecimento sobre a RSC não ser sistematizado e as suas formas de atuação não estarem incluídas no planejamento constante da empresa. os mesmos demonstram ter senso de cidadania, consciência e propensão em investir cada vez mais na gestão sustentável do turismo na cidade. Por fim. constatou-se que a percepção e formas de atuação desses gestores. não é exatamente convergente pelo que é proposto por grande parte da literatura de RSC e sustentabilidade. apesar de serem formas autênticas e concretas de promover um desenvolvimento sustentável e equilibrado.

7 ABSTRACT Nowadays. there is a huge demand of society for the private companies to develop in a sustainable way and to have practices of Corporate Social Responsibility (CSR). In tourism. this debate is even more imminent. as many eommunities live and depend on the sector. \\hich at the same time. brings many adverse impacts. Some Brazilian cities. like Paraty (RJ). revitalized its eeonomy through tourism. after long years of govern negleet. However they try to maintain its development in a balanced \\ay. \vithout harming the local peeuliarities. In analyzing the sustainability and CSR issues. it is observed that they literature is still under construetion. \\ith fragmented and inconclusive results. leaving many theoretieal gaps. In addition. there are fe\\ studies about the hotel management in Paraty. \\hich is the main subsystem of tourism. Therefore. this study investigates the pereeption and praetiees of CSR. that Paraty's lodgin managers made. It was studied in a exploratory way. operationalized through in-depth interviews. It was interviewed managers of eight lodging facilities in the historie eity. seleeted by price range. The universe ofthis study is eomposed of about 30 small businesses. The data \Vere analyzed using content analysis teehniques. It was concluded that the charaeteristies of the lodging facilities studied differ aecording to your priee range. At the same time, regardless of the differences. fonns of management. as well as the pereeption and practices of CSR are similar to studies analyzed in small tinns. that are rarely approached in Business. In addition. ali managers interviewed have a great awareness of the positive and negative aspects of the city. the impacts of tourism and its responsibilities to minimize / maximize these impaets. Despite their knowledge of the CSR is not systematic and its praetiees are not eonstant and included in eompany' 5 planning. the managers show that have a high sense of citizenship. awareness and propensity to invest more in sustainable tourism in the city. Finally. it \\as found that the forms of perception and action of these managers differs from that proposed for much of the literature on CSR and sustainability. although they are authentic and concrete ways to promote a balanced and sustainable development.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA I: Mapa da região da Costa Verde (RJ) FIGURA 2: Mapa do Município de Paraty FIGURA 3: Mapa dos bairros de Paraty FIGURA 4: Modelo do SISTUR FIGURA 5: Tipos de Meios de Hospedagem FIGURA 6: Curva de crescimento no número de estabelecimentos turísticos FIGURA 7: Quantidade de meios de hospedagem do município de Paraty por região FIGURA 8: Impactos positivos e negativos do turismo na economia FIGURA 9: Impactos positivos e negativos do turismo na sociedade FIGURA 10: Impactos positivos e negativos do turismo no meio ambiente FIGURA 11: Impactos positivos e negativos do turismo no meio ambiente FIGURA 12: Vantagens e desvantagens para o desenvolvimento sustentável por porte de elnpresa FIGURA 13: Formas de atuação de RSC em Paraty FIGURA 14: Lista de pousadas do centro histórico de Paraty FIGURA 15: Meios de hospedagem escolhidos e suas tàixas de preço FIGURA 16: Amostra representada geograficamente FIGURA 17: Variáveis e categorias estabelecidas a priori FIGURA 18: Variáveis e categorias do estudo FIGURA 19: Principais citações da categoria percepção positiva sobre Paraty FIGURA 20: Principais trechos da categoria percepção negativa de Paraty FIGURA 21: Principais comentários sobre os impactos positivos do turismo em Paraty FIGURA 22: Principais comentários sobre os impactos negativos do turismo em Paraty FIGURA 23: Citações sobre o conhecimento do conceito de RSC pelos gestores FIGURA 24: Gráfico de freqüência - RSC e seus âmbitos FIGURA 25: Citações sobre as formas de atuação de RSC nos meios de hospedagem de Paraty FIGURA 26: Citações sobre as "não ações" de RSC nos meios de hospedagem de Paraty

9 LISTA DE TABELAS TABELA 1: Quantidade de empreendimentos de Parat)'. por porte TABELA 2: Faixas de preço da amostra selecionada TABELA 3: Principais temas sobre Parat)' abordados de forma positiva TABELA 4: Principais comentários positivos sobre Parat)' por pousadas TABELA 5: Freqüência dos principais comentários negativos sobre Parat)' TABELA 6: Principais comentários negativos sobre Parat)' por pousadas TABELA 7: Percentual dos impactos do turismo mencionados nas entrevistas TABELA 8: Proporção da percepção dos impactos do turismo por pousadas TABELA 9: Quantidade de ações de RSC citadas pelos gestores TABELA 10: Quantidade de "não ações" de RSC citadas pelos gestores TABELA 11: Proporção da percepção dos impactos do turismo por pousadas

10 SUMÁRIO 1 O PROBLEMA Introdução Objetivos Suposições Delimitação do estudo Relevância do estudo REFERENCIAL TEÓRICO O município de Para~' Contexto histórico de Paraty O turislno eln Paraty Turismo e sustentabilidade Impactos econômicos do turismo Impactos sociais do turismo Impactos históricos e culturais do turismo Impactos ambientais do turismo Responsabilidade social corporativa (RSC) - Revisão conceitual Contexto histórico da RSC RSC no turismo e na hotelaria Percepções sobre a RSC e sustentabilidade em Paraty Formas de atuação de RSC e desenvolvimento sustentável em Paraty O turismo e as pequenas empresas Estudos sobre RSC em pequenas empresas METODOLOGIA Tipo de pesquisa Sujeitos de Pesquisa Coleta de dados Tratamento dos dados Limitações do método ANALISE DOS RESULTADOS Os meios de hospedagem selecionados: descrição e análise A percepção de Paraty pelos gestores Percepção dos gestores sobre Paraty: aspectos positivos... 78

11 4.2.2 Percepção dos gestores sobre Paraty: aspectos negativos Percepção dos gestores sobre os impactos do turismo em Para~' A RSC nos meios de hospedagem de Para~' A percepção dos gestores sobre a RSC Formas de atuação de RSC nos meios de hospedagem de Paraty CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS APENDICE

12 10 I O PROBLEMA o problema principal que essa pesquisa visa compreender é: qual a percepção e formas de atuação de gestores de meios de hospedagem de Paraty (RJ) em relação à Responsabilidade social corporativa (RSC) e ao turismo sustentável? 1.1 Introdução Atualmente. o turismo tem sido utilizado como estratégia de desenvolvimento econômico e social em muitas localidades no Brasil e no mundo. o que tem fomentado o seu crescimento (WORLD TOURISM ORGANIZATION. 2010: MINISTÉRIO DO TURISMO. 2011). Com isso. tanto o fenômeno turístico quanto a sua indústria tem sido importante tema de debates e pesquisa. No Brasil. podemos citar algumas cidades históricas. como Paraty (RJ) e Tiradentes (MG). que após um período de abandono nas últimas décadas. foram redescobertas e requalificaram as suas funções econômicas por meio do turismo. Isso foi possível porque elas possuíam o patrimônio histórico e cultural praticamente intocado. o que possibilitou investimentos públicos e privados no setor (FREITAG 2003: OLIVEIRA. 2010: SANT'ANNA. NELSON e OLIVEIRA. 2011). No caso específico da cidade de Paraty. após ficar alguns anos abandonada com a decadência do ciclo do ouro. cana de açúcar e café. a cidade voltou a se revitalizar com o avanço do turismo. intensificado com a abertura da estrada Rio-Santos na década de 70 (OLIVEIRA. 20 I O: MELLO. 2011). Como a cidade manteve aspectos singulares relacionados à natureza. artes. cultura e arquitetura urbana. ainda sendo protegida pelo Patrimônio Histórico Nacional. ela recebeu um forte investimento do setor. que contribuiu para a sua revitalização (GURGEL e AMARAL. 1973: MELLO. 1994: FREITAG 2003: OLIVEIRA. 20 I O: MELLO. 2011). Nesse período. um dos pnnclpals setores turísticos que cresceu na cidade foi a indústria hoteleira. Ao se observar a taxa de crescimento desses estabelecimentos nos últimos anos. percebe-se que ela cresceu de forma disforme. No final da década de 70. houve um pico de crescimento do setor. com um aumento de 22%. comparado ao ano anterior. Até a maior taxa de crescimento dessa indústria na cidade foi em onde a quantidade desses empreendimentos aumentou 38.46% em um ano (PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATY. 2003).

13 11 Atualmente. esse crescimento está mais lento. entretanto. ainda ocorre. De acordo com dados oficiais obtidos pela Prefeitura Municipal de Paraty (2010). a cidade hoje possui 272 meios de hospedagem. Já o mesmo levantamento. realizado em apontou que a cidade continha 227 meios de hospedagem (PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATY. 2003). ou seja. houve um aumento desses estabelecimentos de 20% em sete anos. No centro histórico. principal parte turística da cidade. existe cerca de 30 meios de hospedagem (PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATY. 2003: 20 I O). Outra importante característica desses meios de hospedagens. é que apesar deles se diferenciarem pelo seu grau de sofisticação. são pequenas empresas. com poucas unidades habitacionais I (UH). dez em média. (PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATY. 2003). Concomitantemente ao crescimento do turismo e da sua indústria. muito se tem discutido sobre o seu desenvolvimento sustentável. O conceito de desenvolvimento sustentável. por ser muito complexo. é muitas vezes utilizado de forma vaga e confusa na literatura (GLAVIC: LUKMAN. 2007). Ao analisar vários conceitos e termos ligados a sustentabilidade. Glavic e Lukman (2007). concluíram que a sua melhor definição seria: "a busca por um desenvolvimento que satisfàz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações futuras satisfazerem suas próprias necessidades". No turismo. o conceito de turismo sustentável. proposto pela World COl1sermrtion Union (2001 apllel Organização Mundial do Turismo (OMT) p. 245). converge para a mesma ideia: é "o processo que permite o desenvolvimento sem degradar ou esgotar os recursos que tornam possíveis o mesmo desenvolvimento". Ou seja. é o melhor aproveitamento possível entre potencializar os impactos positivos e minimizar os negativos. Entretanto. para que esse desenvolvimento sustentável seja possível. é necessário que as empresas turísticas atuem com esse propósito. ou seja. possuam práticas definidas como Responsabilidade Social Corporativa (RSC). Para Ashley et al.(2005) e para o Instituto ETHOS de Empresas e Responsabilidade Social~(20 II a). a RSC representa uma série de atitudes empresariais que. além do objetivo de gerar lucro. visam contribuir com o desenvolvimento econõmico. social e ambiental do local onde se inserem. Entretanto. definir RSC. assim como o conceito de sustentabilidade é muito complexo. pois é difícil determinar quais são os limites dessa responsabilidade e seus I "UH é o espaço. atingí\el a partir das áreas principais de circulação comum do estabelecimento destinado à utilização pelo hóspede. para seu bem-estar. higiene c repouso" (F\1BRATlIR. 2002). : Associação de empresários que \isa au:\iliar as empresas a aprofundarem seu compromisso com a responsabilidade social e o desen\ohimento sustentável (!~STITlITO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL b).

14 12 parâmetros são muito discutíveis e sensíveis. o que acaba sendo um desafio para os empresários de empresas privadas (GARNER p.50 aplld OLIVEIRA p. 204). Mesmo sem se saber ao certo o que é o conceito. muitos estudos retratam que a RSC tem sido cada vez mais valorizada pelos consumidores (MOHR e WEBB. 2005: INSTITUTO ETHOS. 2006: MANAKTOLA: JAUHARI. 2007: SERPA: FOURNEAU. 2007: LENZIARDI. MAYER e FERREIRA. 2010). pela comunidade (FILIPPIM: HOFFMANN: FEGER. 2006: LIMA. 2007) e por outros stakeholders (SEN. BHATTACHARYA e KORSCHUN. 2006). entretanto. pouco se sabe sobre a opinião dos gestores. Como os gestores são os principais tomadores de decisões dentro dessas organizações e. assim. os principais agentes promotores da sustentabilidade. é de extrema importância investigar se os mesmos conhecem e valorizam essas práticas. o que eles entendem sobre elas e o que procuram fàzer para implementá-ias. No caso específico da indústria hoteleira de Parat)'. composta por pequenas empresas e gerenciadas por poucos gestores. esse questionamento é ainda mais relevante. Sendo assim. em um contexto onde os temas sustentabilidade e RSC são vistos como mandatórios e como a solução para os problemas produzidos pela indústria do turismo. mas que ao mesmo tempo seus conceitos são estudados de forma difusa e vaga. questiona-se: o que pensam e como agem os gestores dos meios de hospedagem de Parat)' em relação a essa temática? De forma mais específica. vários questionamentos emergem: esses gestores. de fato sabem o que é RSC e sustentabilidade? O que eles acham que seja a RSC e sustentabilidade? Qual a importância do tema para eles? Eles executam ações de RSC nas suas empresas? De que forma e por quê? Quais são as suas principais dificuldades? Eles têm idéia dos impactos que sua empresa e o turismo promovem? Para eles. quais são esses impactos e quais são as suas responsabilidades perante a eles? O que eles fàzem e/ou podem fazer a respeito? Para isso. foi utilizada uma metodologia qualitativa exploratória. por meio de entrevistas em profundidade. com um roteiro semi-estruturado. Os pesquisados foram gestores de oito meios de hospedagem. de diferentes fàixas de preços. situados no centro histórico de Parat)'. Os resultados foram analisados por meio da técnica de analise de conteúdo. O estudo foi dividido em cinco partes: o primeiro capítulo introduz o estudo. explicita os seus objetivos - principal e intermediários - a sua delimitação e relevância. O segundo capítulo fàz uma revisão conceitual sobre os elementos que constituem os temas sustentabilidade e a RSC. assim como descreve a cidade de Parat)'. O terceiro apresenta a

15 13 metodologia geral da pesquisa. O quarto explicita a análise dos resultados obtidos nas entrevistas. O quinto e último capítulo consolida as conclusões e apresenta algumas sugestões para futuras pesquisas sobre o tema. 1.2 Objetivos O objetivo final dessa pesquisa é investigar qual a percepção e as formas de atuação dos gestores dos meios de hospedagem de Paraty (RJ) em relação à Responsabilidade social corporativa (RSC) e ao turismo sustentável. Para atingir esse propósito. foram desenvolvidos os seguintes objetivos intermediários: a) Descrever e contextualizar o turismo na cidade de Paraty: b) Analisar o conceito de sustentabilidade no turismo. assim como os seus principais impactos positivos e negativos: c) Analisar os principais conceitos. perspectivas teóricas e definições que se aplicam a RSC: d) Investigar empiricamente a percepção e formas de atuação de gestores de meios de hospedagem de Paraty. em relação à RSC. os impactos do turismo e sustentabilidade: e) Relacionar os resultados identificados nas pousadas estudadas com o que foi proposto pela teoria. 1.3 Suposições Como os meios de hospedagem de Paraty são pequenos empreendimentos. acredita-se que a percepção e formas de atuação dos seus gestores sobre o desenvolvimento sustentável e ações de RSC. são diferentes do que é encontrado na maior parte da literatura sobre o tema. que privilegia as empresas de grande porte (OLIVEIRA. 1984). A percepção é possivelmente diferente. porque os gestores de empresas pequenas são normalmente pessoas mais simples. que nào estudaram em grandes escolas de negócios e que tem dificil acesso a profissionais especializados. como consultores e professores. diferentemente dos gestores de grandes empresas (OLIVEIRA. 1984). Esse fato é ainda mais incidente em Paraty. que é uma cidade do interior. Assim. eles podem não estar atualizados sobre os principais debates sobre o tema. Além disso. os gestores de pequenos negócios.

16 14 principalmente de empresas familiares, estão mais preocupados com a manutenção da sua qualidade de vida do que com altas performances financeiras (PETERS; BUHALIS, 2004). Com isso, acredita-se que essas empresas costumam atuar de forma menos sistemática e racional, sem um planejamento estruturado. Entretanto, a sua atuação é mais voluntária e espontânea, normalmente comprometida com muitos âmbitos, principalmente o social, e não são divulgadas (OLIVEIRA, 1984). 1.4 Delimitação do estudo Para que os objetivos desse estudo sejam atendidos e para que as suas fronteiras sejam claras, é necessário que se destaquem algumas delimitações, que nesse caso são geográficas e conceituais. a) Delimitação geográfica O estudo foi realizado no município de Paraty, localizado no Estado do Rio de Janeiro, na região denominada Costa Verde (figura 1), composta pelos municípios de: Angra dos Reis, Itaguaí, Mangaratiba e Paraty, como indica o Serviço de apoio às micro e pequenas empresas (SEBRAE, 2008). Figura 1: Mapa da região da Costa Verde (RJ) Fonte: SEBRAE (2008) O município de Paraty é composto por três distritos: Paraty (Distrito-sede), que compreende as áreas do centro e arredores; Paraty-Mirim (2 Distrito) que abrange a face sul do município até a divisa com o Estado de São Paulo; Tarituba (3 Distrito), que vai da face

17 15 norte até a divisa com Angra dos Reis (PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATY, 2003), assim como demonstra a figura 2. Esse estudo analisa uma parte específica do distrito-sede. Figura 2: Mapa do Município de Paraty Fonte: Prereitura do Rio de Janeiro (20 I O) Já os bairros de Paraty são: centro histórico e arredores (Pontal e bairros próximos ao centro), Caboré, Jabaquara, Patrimônio - Parati-Mirim, Portal das Artes, Paraty - Cunha e Trindade (PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATY, 2003). Especificamente, esse estudo analisou os meios de hospedagem situados no centro histórico (figura 3).

18 16 \ " Patrimô nio \ + Trindade ' Paraty - M irim J '" '*' /. I I '* Figura 3: Mapa dos bairros de Paraty Fonte: PARATY. COM.BR (2011 a) b) Tipos de organizações estudadas As organizações analisadas especificamente nesse estudo foram os meios de hospedagem. Para a OMT (200 I, p.79) os meios de hospedagem são: "o sistema comercial de bens materiais e inatingíveis dispostos para satisfazer às necessidades básicas de descanso e alimentação dos usuários fora de seu domicilio" (OMT, 200 I, p. 79). Sendo assim, a função básica dos empreendimentos hoteleiros, que os diferem de outros tipos de negócios, é o serviço de alojamento (MEDLIK ; lngram, 2002). Apesar disso, os meios de hospedagem também costumam oferecer uma série de serviços complementares, como por exemplo, a alimentação (OMT, 2001). De acordo com a perspectiva sistêm ica do modelo de Beni (200 l), o turismo pode ser composto por três grandes conjuntos - conjunto da organização estrutural, conjunto das relações ambientais e conjunto das ações operacionais - e respectivamente por subconjuntos, denominados subsistemas - superestrutura, infra-estrutura, ecológico, social, econômico, cultural, produção, mercado, consumo e distribuição - que funcionam de forma integrada (BENI, 200 I) (Figura 4).

19 17 Os empreendimentos da indústria hoteleira estào inseridos no conjunto das ações operacionais. já que os mesmos fazem parte oferta e distribuição turística (BENI. 200 I). Os meios de hospedagem têm essa característica dupla (produção e distribuição). pois ao mesmo tempo em que produz o seu espaço físico (instalações. móveis. serviços). também o distribui. com vendas diretamente no hotel. por exemplo (BENI. 2001). Conjunto das relações ambientais 1 Conjunto da organização estrutural SIJ peres:rutu ra ) Conjunto das ações operacionais In fro ~str'.. t:j re:; Figura 4: Modelo do SISTL'R Fonte: Beni (2001. p, -(7) A quantidade e complexidade dos serviços oferecidos pelos meios de hospedagem dependem diretamente do seu tipo e no caso dos hotéis. da categoria. De acordo com a Deliberação Normativa n. 387 de 1998 os tipos básicos de meios de hospedagem podem ser definidos conforme ilustra a figura 5: TIPO Hotel Hotel histórico DESCRI ÃO Meio de hospedagem do tipo convencional e mais comum localizado em perímetro urbano. Tem como clientela especial a mista. com executivos e turistas. predominando ora uns. ora outros. É edificado em vários pavimentos. com partido arquitetônico vertical. A infraestrutura volta-se para serviços de hospedagem e. dependendo da categoria. revela alguma infra-estrutura para lazer e negócios. Meio de hospedagem instalado. total ou parcialmente. em edificação de valor histórico ou de significado regional ou local reconhecido pelo Poder Público e que. em razão disso. está normalmente sujeito a restrições da natureza arquitetônica e construtiva. localizados em

20 18 TIPO Hotel de lazer Pousada DESCRIÇÃO prédios. locais ou cidades históricas. tanto no meio urbano e rural. A edificação onde é estruturado. portanto. é prédio tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) ou de significado histórico ou valor regional reconhecido. A clientela deste tipo de empreendimento é uma clientela mista com executivos e turistas e com predominância variável de uns e outros. Sua infraestrutura. normalmente. está restrita à hospedagem. Meio de hospedagem normalmente localizado em áreas rurais ou locais turísticos fora do centro urbano. com áreas não edificadas amplas. em pavimento único com partido arquitetônico horizontal. Tem como clientela preferencial os turistas em viagens de recreação e lazer. Seu aspecto arquitetônico e construtivo. áreas. instalações. equipamentos e serviços são destinados a recreação e ao entretenimento. Meio de hospedagem localizado em locais turísticos normalmente fora do centro urbano. É edificado predominantemente. com partido arquitetônico horizontal e possui aspectos arquitetônicos e construtivos. instalações. equipamentos e serviços mais simplificados. normalmente limitados ao necessário à hospedagem do turista para aproveitamento do atrativo turístico junto ao qual o estabelecimento se situa. Predominantemente construído em partido arquitetônico horizontal. destina-se preferencialmente a turistas em viagens de recreação e lazer. Sua infra-estrutura volta-se predominantemente para a hospedagem. Figura 5: Tipos de T\.ICIOS de Ilospedagem Fonte: Elaboração própria a partir do \lll\isti~rio DO n IRIS\I0. Deliberação?\ormati\a (1998. p. 50). Nesse estudo foram analisados meios de hospedagem classificados como hotel histórico ou pousada. Ressalta-se. que o nome fàntasia do hotel não tem relação com essa classificação (ex.: um hotel histórico pode ser chamar "Pousada X'). c) RSC - âmbitos estudados Segundo Melo Neto e Froes (200 I) a gestão da RSC pode ter um âmbito interno e externo. No âmbito interno. a gestão da empresa se foca nos seus funcionários e dependentes. Já no âmbito externo. a gestão se refere aos aspectos sociais. econômicos e ambientais. Já de acordo com a OMT (200 I). o turismo traz impactos positivos e negativos no âmbito econômico. sócio-cultural e meio ambiente. Ainda de acordo com (FREITAG 2003: TORRENTES. 2007). no caso de cidades históricas. o turismo também pode impactar o patrimônio histórico.

21 19 Esse estudo. então. contempla o âmbito interno e as quatro abordagens externas a organização: econômico. social. histórico-cultural e ambiental. Sendo assim. se investigou quais desses âmbitos os gestores pesquisados valorizam e realizam ações de RSC. 1.5 Relevância do estudo Esse trabalho estudou o fenômeno turístico. porque ele tem sido um setor de grande destaque no Brasil. nos últimos anos. O turismo tem sido utilizado por várias cidades como estratégia de desenvolvimento econômico. o que tem fomentado o crescimento de sua indústria. compostas por vários tipos de empresas (agências de viagens. meios de hospedagem. companhias aéreas e rodoviárias. dentre outros). Além disso. no Brasil especificamente. dois grandes eventos esportivos de projeção mundial- a Copa do Mundo no Brasil em 2014 e as Olimpíadas no Rio de Janeiro em aumenta ainda mais o crescimento e as expectativas sobre o setor. assim como a sua complexidade de estudo. Outros dois temas que têm sido muito abordados na administração são os conceitos de sustentabilidade e RSC. Em um contexto na qual os impactos promovidos pelas empresas no ambiente (social. cultural. ambiental). estão sendo muito debatidos. é importante entender como é possível promover um desenvolvimento mais sustentável (OMT. 200 I) e se e quais responsabilidades as organizações privadas têm nesse sentido. O turismo é um setor muito sensível nesse aspecto. pois além de impactar vários âmbitos mais subjetivos (como a cultura e tradições. por exemplo) ele depende dos mesmos para sobreviver (OMT. 200 I). Nesse contexto. foi estudada especificamente a cidade de Paraty. por ser um exemplo de cidade que se revitalizou por meio do turismo e que hoje possui a sua economia fortemente ligada ao setor (FREITAG. 2003: PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATY. 2003). Além disso. ela é uma das cidades mais visitadas pelos turistas estrangeiros no país (norte americanos e franceses) (MINISTÉRIO DO TURISMO. 2009). Na cidade de Paraty. foi estudado o seu centro histórico. tanto por facilidade logística da pesquisa. quanto porque é nele que se concentram as principais características que tornam o destino peculiar. como a arquitetura colonial e principais pontos turísticos (PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATY. 2003: PARATY.COM. 2011a). Dentre os vários subsistemas da indústria do turismo (BENI. 2000). foram estudados os meios de hospedagem. Esses empreendimentos são considerados os mais importantes do

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

A Cidade Bela cidade colonial,considerada Patrimônio Histórico Nacional, preserva até hoje os seus inúmeros encantos naturais e arquitetônico..

A Cidade Bela cidade colonial,considerada Patrimônio Histórico Nacional, preserva até hoje os seus inúmeros encantos naturais e arquitetônico.. A Cidade Bela cidade colonial,considerada Patrimônio Histórico Nacional, preserva até hoje os seus inúmeros encantos naturais e arquitetônico.. Passear pelo Centro Histórico de Paraty é entrar em outra

Leia mais

1. Descrição da Cidade

1. Descrição da Cidade 1. Descrição da Cidade 2. Top Atrações da Cidade 2.1 - Atração Ilha do Pelado 2.2 - Atração Ilha do Araujo 2.3 - Atração Pouso de Cajaíba 2.4 - Atração Vila de Trindade 3. Top Restaurantes da Cidade 3.1

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares

Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares Como chegar Gestão Curiosidades Estatísticas Festas Populares Geografia História Tradição Util Pública Centro urbano Além da oferta municipal, com clima agradável, incontáveis rios, cachoeiras e vilas

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento www.visitesaopedrodaaldeia.com.br Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento Tel/ax: (21) 2522-2421 ideias@ideias.org.br Quem Somos O Instituto IDEIAS é uma associação civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

Política de Viagem Quatro Estações

Política de Viagem Quatro Estações 1 Gestão De Viagens Corporativas Construindo Uma Política De Viagens Mais Efetiva O documento em questão visa difundir informações, consolidar as práticas de mercado que nós consideramos importantes na

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 O TURISMO DE EVENTOS ENQUANTO MECANISMO DE PRESERVAÇÃO E PROPAGAÇÃO DE IDENTIDADES CULTURAIS

Leia mais

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU Andriélle Pereira de Oliveira 1 RESUMO As normas de acessibilidade nos meios de hospedagens de Foz do Iguaçu são constituídas

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso...

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso... PORTO SEGURO APRESENTAÇÃO Qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho de planejamento consistente para atingir o objetivo proposto. O turismo é apresentado hoje como um setor capaz de

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Relatório de Estatística Descritiva Bourbon Festival Paraty

Relatório de Estatística Descritiva Bourbon Festival Paraty Relatório de Estatística Descritiva Bourbon Festival Paraty Pesquisa de satisfação 2014 S E C R E T A R I A D E T U R I S M O DE P A R A T Y PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Durante os dias 24 e 25 de junho

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO PLANEJAMENTO TERRITORIAL E TURISMO: UM ESTUDO DAS ESTÂNCIAS TURÍSTICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO RIBEIRO, RENATA MARIA 1 MARGARETE ARAUJO TELES 2 Resumo: Esse estudo defende a pertinência em aliar o planejamento

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA

PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA Adevair Aparecido Dutra Junior 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Resumo: O objetivo deste artigo é contribuir para a compreensão

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO Solange Marques Domingos da Silva 1, Pérsio D Oliveira Sandir 2 RESUMO: A necessidade emergente de práticas de lazer mais saudável, a tranqüilidade e o relaxamento

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

turístico: a oferta e a demanda turísticas

turístico: a oferta e a demanda turísticas 2 Mercado turístico: a oferta e a demanda turísticas Meta da aula Apresentar os conceitos e o funcionamento do mercado turístico, especialmente a oferta e a demanda turística. Objetivos Esperamos que,

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA Alexandro Ferreira Reis Carlos Eduardo Brasil Campos Rossana Souza Almeida, Esp. (Orientadora) Este estudo tem como objetivo

Leia mais

Grupo Gestor Mar de Cultura XXV Breve Informativo 18 de março de 2010

Grupo Gestor Mar de Cultura XXV Breve Informativo 18 de março de 2010 Grupo Gestor Mar de Cultura XXV Breve Informativo 18 de março de 2010 Missão: Atuar para o desenvolvimento solidário e participativo de Paraty articulando a sociedade civil organizada e poder público para

Leia mais

A região da baía da Ilha Grande foi descoberta em l502 por Gonçalo Coelho, na

A região da baía da Ilha Grande foi descoberta em l502 por Gonçalo Coelho, na A região da baía da Ilha Grande foi descoberta em l502 por Gonçalo Coelho, na segunda expedição ao Brasil, segundo alguns historiadores. Nesta ocasião vários nomes foram dados a acidentes geográficos para

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAPEMA Janeiro UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ

Leia mais

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Carla Moura de Paulo Gestora Ambiental, Mestra e Doutoranda em Ciência Ambiental PROCAM/USP carla.moura@usp.br

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS FEVEREIRO / 2009 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2009 - N 02 Para 55,6%

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur Prefeitura Municipal de Mairiporã Secretaria de Meio Ambiente e Turismo Departamento de Turismo - DeTur Apresentação Um Plano Diretor de Turismo é uma ferramenta

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Domitila Bercht é bacharel em turismo e moradora da região

APRESENTAÇÃO. Domitila Bercht é bacharel em turismo e moradora da região Proposta e estudo temático para Seminário a ser realizado em Visconde de Mauá. Vila de Visconde de Mauá. Serra da Mantiqueira, agosto de 2010. Domitila Bercht 1. APRESENTAÇÃO Este estudo pretende ser uma

Leia mais

Empreendimentos Turísticos em Maceió

Empreendimentos Turísticos em Maceió Empreendimentos Turísticos em Maceió Descrição Atração de empreendimentos turísticos para Maceió, sejam eles hoteleiros, de entretenimento, culturais, comerciais ou de serviços, capacitados estruturalmente

Leia mais

OPÇÕES DE TURISMO DURANTE A FEIRA EM JOINVILLE

OPÇÕES DE TURISMO DURANTE A FEIRA EM JOINVILLE OPÇÕES DE TURISMO DURANTE A FEIRA EM JOINVILLE Roteiro Turístico por Joinville Saída do Hotel e iniciando pelo Museu da Imigração, Rua das Palmeiras, Panorâmico nas Praças do Imigrantes, da Barca, Prefeitura

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento www.turisangra.com.br Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento Tel/ax: (21) 2522-2421 ideias@ideias.org.br Quem Somos O Instituto IDEIAS é uma associação civil, sem fins lucrativos, criada em 8

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 2015 2 APRESENTAÇÃO A fim de dar continuidade ao trabalho iniciado em 2008, o Ministério do Turismo (MTur), o Serviço Brasileiro de Apoio

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS TURISTAS QUANTO A SUSTENTABILIDADE DO ARRAIAL DE CONCEIÇÃO DE IBITIPOCA, MG

A PERCEPÇÃO DOS TURISTAS QUANTO A SUSTENTABILIDADE DO ARRAIAL DE CONCEIÇÃO DE IBITIPOCA, MG A PERCEPÇÃO DOS TURISTAS QUANTO A SUSTENTABILIDADE DO ARRAIAL DE CONCEIÇÃO DE IBITIPOCA, MG Roberto Bartholo, Arminda Campos & Robson Pereira de Lima O presente estudo é parte integrante do projeto Iniciativas

Leia mais

INICIATIVA PRIVADA AHCF - Associação de Hotéis de Cabo Frio ACIRB - Associação da Rua dos Biquínis AHB - Associação de Hotéis de Búzios

INICIATIVA PRIVADA AHCF - Associação de Hotéis de Cabo Frio ACIRB - Associação da Rua dos Biquínis AHB - Associação de Hotéis de Búzios INICIATIVA INICIATIVA Um projeto da INICIATIVA PRIVADA (Grupo ABC do Sol) que une as cidades de Arraial do Cabo, Armação dos Búzios e Cabo Frio, representado por: AHCF - Associação de Hotéis de Cabo Frio

Leia mais

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL PEC Nordeste - 2015 Evelynne Tabosa dos Santos Gestora Estadual do Programa de Turismo do Ceará TURISMO NO BRASIL - HISTÓRICO Atividade presente na Constituição

Leia mais

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos 2.14 DEMANDA TURÍSTICA ATUAL E POTENCIAL Neste capítulo foi analisada e avaliada a demanda turística da Área de Planejamento do Pólo Capixaba do Verde e das Águas, considerando-se a caracterização do perfil

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Nova Friburgo RJ Vencedores do 4º

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo.

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

Manaus - AM 5 Dias 4 Noites

Manaus - AM 5 Dias 4 Noites Manaus - AM 5 Dias 4 Noites Operador: Schultz Pacotes Nacionais Dias de Saída na Semana Moeda: R$ Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom Dias Limite para Venda: 0 X X X X X X X Quantidade mínima de passageiros por

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

Parque Nacional da Serra da Bocaina Estrada Paraty-Cunha

Parque Nacional da Serra da Bocaina Estrada Paraty-Cunha Parque Nacional da Serra da Bocaina Estrada Paraty-Cunha Audiência Pública Ministério Público Federal Rio de Janeiro 01 de março de 2013 Localização Regional Paraty, Angra dos Reis e Ubatuba, importantes

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS MARÇO DE 2014 JOB0402 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Avaliar a atual administração do município de Acopiara. Acopiara

Leia mais

A cidade mais alema do Brasil

A cidade mais alema do Brasil O Projeto de Iniciação Turística Escolar - Pomerode foi desenvolvido e é executado pela turismóloga Priscila Romig, formada em 2004 pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB). Projeto patrocinado

Leia mais

IATE TAMARIND 7 DIAS E 6 NOITES

IATE TAMARIND 7 DIAS E 6 NOITES 7 DIAS E 6 NOITES Breve introdução CONCEITO O itinerário de 7 dias e 6 noites é para aqueles que desejam explorar uma das regiões mais belas do nosso litoral a bordo de um iate clássico e luxuoso. Boa

Leia mais

Concessão de Uso do. Imigrantes. Apresentação do Projeto. Conselho do PEFI

Concessão de Uso do. Imigrantes. Apresentação do Projeto. Conselho do PEFI Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Concessão de Uso do Centro de Exposições Imigrantes Apresentação do Projeto Conselho do PEFI SP, 13/09/2012 Agenda

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Vista Aérea do Rio de Janeiro

Vista Aérea do Rio de Janeiro ECOTURISMO E ESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PARQUES NATURAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Marcos Cohen, D.Sc. Departamento de Administração - IAG Rio de Janeiro 30 de Outubro de 2012

Leia mais

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO INVERNO NA SERRA

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO INVERNO NA SERRA PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO INVERNO NA SERRA INTRODUÇÃO A Serra Catarinense apresenta características únicas dentro do território brasileiro. Enquanto a grande parte do país vive um inverno bastante

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Gilberto Pessanha Ribeiro Bruno Garbéro Pinna. Cristiano dos Santos Maciel Marcus Felipe Mourão Pereira. Apoio: www.georeferencial.com.

Gilberto Pessanha Ribeiro Bruno Garbéro Pinna. Cristiano dos Santos Maciel Marcus Felipe Mourão Pereira. Apoio: www.georeferencial.com. Sistema de Informação Geográfica para o Turismo de Angra dos Reis, RJ Cristiano dos Santos Maciel Marcus Felipe Mourão Pereira Gilberto Pessanha Ribeiro Bruno Garbéro Pinna Apoio: Categorias do Turismo

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

1. Descrição da Cidade

1. Descrição da Cidade 1. Descrição da Cidade 2. Top Atrações da Cidade 2.1 - Atração Colégio Naval 2.2 - Atração Ilha da Gipoia 2.3 - Atração Praia do Camorim 2.4 - Atração Praia de Mambucaba 3. Top Restaurantes da Cidade 3.1

Leia mais

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013 Carreiras do Futuro Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP São Paulo, 11 de junho de 2013 Previsão, Planejamento e Ação Estruturada para Criar o Futuro Pesquisas Abertas sobre Tendências e Futuro (desde

Leia mais

Venha desfrutar de uma experiência única O Delta Kite Trip O evento mais completo de kite surf do País vento forte, um cenário paradisíaco e muita

Venha desfrutar de uma experiência única O Delta Kite Trip O evento mais completo de kite surf do País vento forte, um cenário paradisíaco e muita Pacote 4 Dias e 3 Noites Venha desfrutar de uma experiência única O Delta Kite Trip O evento mais completo de kite surf do País vento forte, um cenário paradisíaco e muita aventura. Pacote 4 dias e 3 noites

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

APPAC Tororó Sana - RJ

APPAC Tororó Sana - RJ Sistematização e disseminação da educação ambiental, no distrito do Sana\busca pelo padrão sustentável para a bacia Córrego Peito de Pombo\otimização da proposta sustentável na APA distrital do Sana. PLANO

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

ESCOLARIDADE VERSUS CAPACITAÇÃO ANÁLISE DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NA CIDADE DE PARATY (RJ)

ESCOLARIDADE VERSUS CAPACITAÇÃO ANÁLISE DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NA CIDADE DE PARATY (RJ) ESCOLARIDADE VERSUS CAPACITAÇÃO ANÁLISE DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NA CIDADE DE PARATY (RJ) Anna Carla da Silva Brito Camila Silva de Paula Jéssica Silva Martins Lívia Ferreira de Castro Pereira 1 IM/UFRRJ

Leia mais

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011 Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011 INVESTIMENTOS NO BRASIL: HOTÉIS & RESORTS - 2011 Este relatório foi realizado pela BSH Travel Research, divisão estatística da BSH International e apresenta

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

2. ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA ESTRADA

2. ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA ESTRADA Relatório do Reconhecimento de Campo da BR-319, Voltado à Elaboração dos Planos de Manejo das Unidades de Conservação Federal do Interflúvio Purus-Madeira 1. INTRODUÇÃO Entre os dias 4 e 8 de novembro

Leia mais

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010 Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre Outono 2010 Pesquisa realizada pela SMTur, em parceria com a FARGS e com apoio da Infraero e da Veppo. 22 a 28 de abril Aeroporto área de embarque

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROMOTORES DE EVENTOS ASSOCIATIVOS ESTADUAIS ASSOCIATIVOS LOCAIS CORPORATIVOS TURISTAS NEGÓCIOS ( 2016) EVENTOS FEIRAS CONGRESSOS 2 SEMINÁRIO PARANÁ

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. CONCEITOS COMPLEMENTARES DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland Nosso Futuro Comum (1987)

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças PORTO MARAVILHA Permanências e Mudanças MOMENTO ESPECIAL CV Rio + 20 Copa das Confederações 450 Anos da Cidade & Copa América Jogos Olímpicos de 2016 2011 2012 2013 2014 2015 2016 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA

Leia mais

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS Andressa Stefany Teles Jasmine Cardoso Moreira Victor Emanuel Carbonar Santos RESUMO: Impactos negativos

Leia mais

Plano DLIS de 2.000. 1> Controle ineficiente da atividade pesqueira por parte dos órgãos responsáveis;

Plano DLIS de 2.000. 1> Controle ineficiente da atividade pesqueira por parte dos órgãos responsáveis; Plano DLIS de 2.000 Em julho de 2000, o Jornal Folha do Litoral, que na época publicava as ações do movimento das associações de moradores do município de Paraty, escreveu na folha 4 da edição n. 8: Com

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Permanências e Mudanças Alberto Silva Cdurp

Operação Urbana Porto Maravilha Permanências e Mudanças Alberto Silva Cdurp Operação Urbana Porto Maravilha Permanências e Mudanças Alberto Silva Cdurp Rio de Janeiro, outubro, 2012 RIO: MOMENTO ÚNICO Rio + 20 450 Anos da Cidade do Rio de Janeiro 2012 2013 2014 2015 2016 LOCALIZAÇÃO

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais