Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Agricultura e Alimentação - TIRFAA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Agricultura e Alimentação - TIRFAA"

Transcrição

1 Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Agricultura e Alimentação - TIRFAA Seminário sobre Protocolo de Nagoya e a Saúde: Buscando Novos Rumos para a Sustentabilidade

2 A agricultura tem base no intercâmbio, não na exclusividade de recursos genéticos Intercâmbio de variedades e raças locais; Cruzamento entre sementes exóticas intercambiadas e variedades próprias para evitar diminuição de produtividade. Fonte: Shakeel Bhatti

3 Acesso a Recursos Genéticos no Contexto Alimentar Interdependência entre países sobre as espécies usadas em alimentação; O Brasil é extremamente dependente de espécies alimentares exóticas; Patrimônio da humanidade e soberania nacional (propriedade privada e bem comum); Equilíbrio de investimentos públicos e privados.

4 Desafios e Oportunidades Manutenção de baixo preço para commodities e segurança alimentar (necessidade de aumento da produção e produtividade, incluindo no Brasil); Base genética restrita dos principais cultivos nacionais (sanidade); Necessidade diversificação dos cultivos (pesquisa com nativas).

5 Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Alimentação e Agricultura TIRFAA ou ITPGRFA Tratamento diferenciado para a agricultura e a alimentação (escopo); Representa o esforço de manutenção dos recursos genéticos utilizados em agricultura e alimentação como pool gênico global; Multilateral (contrato padrão), regras claras (baixo custo de transação); Efeito da Propriedade Intelectual sobre o intercâmbio de recursos genéticos em geral, sobre os países desenvolvidos e aqueles em desenvolvimento; Diferença entre coleções existentes nos países e dependência de aportes externos, incluindo acesso in situ; Coexistência e equilíbrio de direitos de melhorista e direitos de agricultor.

6

7 Estratégia Financeira do TIRFAA Fundo de Repartição de Benefícios: segunda rodada de financiamento de projetos; Captação de fundos para a composição do fundo fiduciário; Busca de agências internacionais para parcerias; Grande discussão sobre aperfeiçoamento dos processos de seleção e acompanhamento de projetos.

8 Cumprimento do Tratado Criação de Comitê de Cumprimento: ajuste para que não promova interpretações do Tratado Assessoramento e cooperação: procedimentos não judiciais e não vinculantes; Busca de responsabilidades comuns, porém diferenciadas ;

9 O Sistema Multilateral de Intercâmbio de Recursos Fitogenéticos (lista de recursos genéticos em domínio público) e Acordo Padrão de Transferência de Materiais

10 Cobertura do Anexo I

11 Critérios para Inclusão de Materiais no Sistema Multilateral Art Todos os recursos fitogenéticos enumerados no Anexo I, sobre administração e controle das Partes Contratantes e que estejam em domínio público. Art Encorajar pessoas físicas e jurídicas dentro de sua jurisdição a incluir estes recursos.

12 Critérios para Inclusão de Materiais no Sistema Multilateral Art a Uso e Conservação para Investigação, Melhoramento e Capacitação; Art b e 12.3.c Sem averiguação de origem e gratuito; Art d Sem propiedade intelectual sobre materiais na forma recebida; Art e Acesso a critério durante melhoramento; Art g Se recibido do SML, deve seguir a disposição; Art h Acesso in situ de acordo com lei nacional ou normas do Órgão Gestor.

13 Acordo Padronizado de Transferência de Materiais e Repartição de Benefícios Firmado por pessoas jurídicas; Restrição de uso = pagamentos com % fixo; Terceira parte beneficiária FAO; Fundo de repartição de benefícios;

14

15

16 Partes do APTM Contrato privado: não Partes Contratantes (não são Estados) Provedor Conserva material incluído no SML Irrelevante se é país de origen, data de aquisição do material, Receptor Grande carga de obrigações Condição principal: só pode usar o material para usos agrícolas e alimentarios Terceira Parte Beneficiária (FAO) Vigilância do cumprimento do ANTM e repartição de benefícios Regras de procedimento aprovadas; OMPI: provedora do mecanismo de mediação para o SMTA; Indicação de mediadores pelo TIRFAA.

17 Integração da base de dados do Sistema Nacional de Recursos Genéticos com o SML Registro de Acessos Web Órgão Gestor CIAT 123 CIAT 127 CIAT 167 CIAT 199 PI 1234 PI PI PI BRA 1256 BRA 3456 CGIAR USDA Brasil X Adaptado de: Gaiji & Moore, Bioversity Intl. 2007

18

19

20

21

22

23 Repartição de benefícios (1) Intercâmbio de material e informação resultante de pesquisa (Art. 6.9) Monetários modalidades de pagamento: Comercialização com restrição: obrigatório 0,77% vendas do Produto (Art. 6.7 e Anexo 2) Comercialização sem restrições: voluntário (Art. 6.8 e Anexo 2) ALTERNATIVA: com ou sem restrições pagamento antecipado de 0,5% vendas de RG pertencentes ao mesmo cultivo (Art e Anexos 3 e 5)

24 Repartição de benefícios (2) Como se repartem os benefícios? (Não volta ao provedor e nem ao país de origem diretamente) Informação resultante de P&D Sistema mundial de informação sobre RGAA (Art. 17) Benefícios monetários conta fiduciária da FAO Fundo de repartição de benefícios (Art.19.3.f ) (exigível ao apresentar cada informe anual) Critérios de distribuição de recursos: países em desenvolvimento, preferência para conservação in situ e on farm.

25 Contribuições ao debate de implementação do Protocolo de Nagoya (1) Debate de questões pendentes (repartição de benefícios): valor econômico dos recursos genéticos (ex. o milho possui genes); Repasse de custo ao consumidor (diferença cosmético e alimento preço baixo para commodities); Impacto sobre registro de propriedade intelectual das inovações; Nova barreira para acesso a mercados? Qual o resultado da balança de pagamentos?.

26 Contribuições ao debate de implementação do Protocolo de Nagoya (2) Necessidade de identificação de fonte de custeio para a conservação: seria CIDE capaz de fomentar? Necessidade de reconhecimento da natureza especial e tratamento diferenciado da agricultura dependência de intercâmbio rápido; Nacionalização de espécies exóticas; Inversão do ônus da prova; Impacto econômico: repartição de 1% ex: soja = US$ 230 milhões; Eficácia da medida: regulação do comércio e fluxo de informações.

27 Obrigado! Leontino Rezende Taveira Departamento de Assuntos Comerciais Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (61)

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

A Governança Global da Propriedade Intelectual e os Recursos Biológicos

A Governança Global da Propriedade Intelectual e os Recursos Biológicos A Governança Global da Propriedade Intelectual e os Recursos Biológicos André de Mello e Souza Diretoria de Estudos e Relações Econômicas e Políticas Internacionais (DINTE) Instituto de Pesquisa Econômica

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Desafios para consolidação de políticas públicas p instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil

Desafios para consolidação de políticas públicas p instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil Desafios para consolidação de políticas públicas p e instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil Maurício Antônio Lopes Presidente da Embrapa Reunião do Cosag

Leia mais

Parcerias para um Mundo Melhor. Vânia Vieira Cunha Rudge Sustentabilidade

Parcerias para um Mundo Melhor. Vânia Vieira Cunha Rudge Sustentabilidade Parcerias para um Mundo Melhor Vânia Vieira Cunha Rudge Sustentabilidade UNIDADES PRODUTIVAS PROCESSO DE PRODUÇÃO Extrativismo Laboratório Rastreabilidade Fábrica Produtos Distribuição Cultivo Óleos Essenciais

Leia mais

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura Catalysing sustainable Investment in Agriculture Oportunidade de Investmento no Corredor da Beira Quase 10 milhões de hectares de solos apropriados

Leia mais

2ª CHAMADA PARA A PRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO EM P&D INDUSTRIAL ENTRE BRASIL E ISRAEL.

2ª CHAMADA PARA A PRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO EM P&D INDUSTRIAL ENTRE BRASIL E ISRAEL. 2ª CHAMADA PARA A PRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO EM P&D INDUSTRIAL ENTRE BRASIL E ISRAEL. CONTEXTO MOU 2007 O governo da República Federativa do Brasil e o governo do Estado de Israel assinaram

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

PESQUISA AGROPECUÁRIA. Gian Terres Jessica Freitas Luana de Lemos Sandra Vargas

PESQUISA AGROPECUÁRIA. Gian Terres Jessica Freitas Luana de Lemos Sandra Vargas PESQUISA AGROPECUÁRIA Gian Terres Jessica Freitas Luana de Lemos Sandra Vargas Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, foi

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS

Leia mais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina Rui Trigo Morais Para caracterizar devidamente os instrumentos de transferência de I&D na América Latina, as suas especificidades,

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

WP Council 242/13 Add. 1

WP Council 242/13 Add. 1 WP Council 242/13 Add. 1 1 julho 2014 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 113. a sessão 22 26 setembro 2014 Londres, Reino Unido Atividades de rotina Programa de Atividades da Organização

Leia mais

LIFE SCIENCES NO BRASIL

LIFE SCIENCES NO BRASIL LIFE SCIENCES NO BRASIL L IFE S CIENCES NO B R A presença da iniciativa privada no setor da saúde é cada vez mais relevante para a indústria de medicamentos e para as áreas de assistência à saúde, serviços

Leia mais

SEGUNDO PAINEL AS INSTITUIÇÕES DE SEGUNDO PISO SISTEMAS DE REAFIANÇAMENTO TEMA 4 FUNDO MERCOSUL DE GARANTIAS PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SEGUNDO PAINEL AS INSTITUIÇÕES DE SEGUNDO PISO SISTEMAS DE REAFIANÇAMENTO TEMA 4 FUNDO MERCOSUL DE GARANTIAS PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SEGUNDO PAINEL AS INSTITUIÇÕES DE SEGUNDO PISO SISTEMAS DE REAFIANÇAMENTO TEMA 4 FUNDO MERCOSUL DE GARANTIAS PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS RAFAEL QUIRINO SANTOS FORMADO EM ECONOMIA PELA UNIVERSIDADE

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Tema Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Preparação para Pandemia de Influenza (PIP): repartição de vírus da influenza e acesso a vacinas e outros benefícios.

Preparação para Pandemia de Influenza (PIP): repartição de vírus da influenza e acesso a vacinas e outros benefícios. Preparação para Pandemia de Influenza (PIP): repartição de vírus da influenza e acesso a vacinas e outros benefícios. Juliana V. Borges Vallini Assessora Internacional Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica. Consumo Responsável, Compromisso com a Vida!

O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica. Consumo Responsável, Compromisso com a Vida! Mercado Mata Atlântica Reserva da Biosfera da Mata Atlântica O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica Consumo Responsável, Compromisso com a Vida! Apresentação O Programa "Mercado Mata

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Redes de Propriedade Intelectual no Brasil

X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Redes de Propriedade Intelectual no Brasil Rede Temática de Propriedade Intelectual, Cooperação,Negociação e Comercialização de Tecnologia X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Redes de Propriedade Intelectual no

Leia mais

REGISTRO E PROTEÇÃO DE CULTIVARES Panorama atual no Brasil

REGISTRO E PROTEÇÃO DE CULTIVARES Panorama atual no Brasil Búzios/RJ, julho/2011 REGISTRO E PROTEÇÃO DE CULTIVARES Panorama atual no Brasil Daniela de Moraes Aviani Coordenadora do Serviço Nacional de Proteção de Cultivares SNPC/DEPTA/SDC/MAPA PROTEÇÃO X REGISTRO

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Tema Uso dos recursos genéticos RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Uso dos recursos genéticos RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO. Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br

AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO. Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br Feijão no agroecossistema? Sistema de produção para o feijoeiro? Manejo funcional da agrobiodiversidade

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

Atuação Internacional da Embrapa

Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional Cooperação Científica Negócios Tecnológicos Cooperação Técnica Cooperação Científica Conhecimentos do Mundo Agricultura Brasileira Cooperação Científica

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de desenvolvimento, aprofundamento e ampliação de ações e estudos relacionados à análise de tratados de direito econômico internacional

Leia mais

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz Avanços do trabalho desenvolvido no âmbito do Ciclo de Debates sobre Relações Público-Privadas e Compras Públicas Estaduais 13 de novembro de 2014 Relações

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002

Leia mais

c) Fortalecimento de capacidades para geração de dados de composição de alimentos em todo o território nacional e;

c) Fortalecimento de capacidades para geração de dados de composição de alimentos em todo o território nacional e; CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDOS E PESQUISAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES LIGADAS AO PROJETO BIODIVERSIDADE PARA ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - BFN-GEF 1. Introdução

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil. Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil

Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil. Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil Objetivo: Disciplinar a expansão da produção de óleo de palma no Brasil e ofertar instrumentos para garantir uma produção em bases ambientais

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS. Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP

DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS. Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES ORGÂNICAS E BIODINÂMICAS Eng.Agr. MSc. PEDRO JOVCHELEVICH doutorando em melhoramento de plantas FCA-UNESP Introdução No Brasil já existem mais de 19 mil propriedades orgânicas

Leia mais

BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade

BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade 2 BADESUL PERFIL INSTITUCIONAL O BADESUL Desenvolvimento S.A. Agência de Fomento/RS é uma sociedade anônima de economia mista de capital fechado,

Leia mais

REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial

REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial REACH Andamento das discussões sobre o REACH na OMC Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial Brasília, 07 de Abril de 2009 Andamento das Discussões sobre o REACH na OMC 1. Visão geral do Acordo

Leia mais

Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde

Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde Seminário Complexo Econômico-Industrial da Saúde Em Busca da Articulação entre Inovação, Acesso e Desenvolvimento Industrial Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde Jorge Avila INPI Presidente Sede

Leia mais

A inovação na perspectiva de uma. Thais Guaratini

A inovação na perspectiva de uma. Thais Guaratini A inovação na perspectiva de uma microempresa de base tecnológica Thais Guaratini Micro-empresa de base tecnológica, cuja missão é o desenvolvimento de produtos inovadores e de qualidade para a indústria

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

UK Intellectual Property Office:

UK Intellectual Property Office: UK Intellectual Property Office: Agenda no Brasil Propriedade Intelectual no Reino Unido O Reino Unido é um dos países que mais se baseiam na economia do conhecimento em todo mundo. Estima-se que metade

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação Sanitária no Contexto da Política Tecnológica e de Inovação Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 Eixo 1: Complexo Produtivo e de Ciência,

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente PROTOCOLO DE NAGOIA SOBRE ACESSO A RECURSOS GENÉTICOS E REPARTIÇÃO JUSTA E EQUITATIVA DOS BENEFÍCIOS DERIVADOS DE SUA UTILIZAÇÃO À CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA EXPEDIENTE

Leia mais

Boas Práticas de Gestão Internacional dos Governos Subnacionais Brasileiros

Boas Práticas de Gestão Internacional dos Governos Subnacionais Brasileiros Encontro Cooperação Internacional Descentralizada do Brasil Boas Práticas de Gestão Internacional dos Governos Subnacionais Brasileiros Prefeitura de Belo Horizonte Histórico das Relações Internacionais

Leia mais

Programa de Cafés Sustentáveis

Programa de Cafés Sustentáveis NOT FOR DISTRIBUTION Programa de Cafés Sustentáveis Introdução Ted van der Put Diretor de Programas IDH Abril, 2013 1 Introdução à IDH: quem somos Parceria público-privada Promovendo coalizões entre empresas

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Crédito Rural - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - (Pronaf) Assessoria Técnica, Social e Ambiental (ATES) Assistência Técnica

Leia mais

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários

Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Programa Nacional de Apoio a Fundos Solidários Elementos de uma Proposta REDE? SISTEMA? Beneficiários do Bolsa Família não conseguem financiamento para iniciar atividades produtivas Os Fundos Solidários

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

Promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de São Paulo, ampliando as oportunidades de emprego e renda, a inclusão social, a preservação

Promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de São Paulo, ampliando as oportunidades de emprego e renda, a inclusão social, a preservação GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável MicrobaciasII OBJETIVO GERAL Promover o desenvolvimento

Leia mais

Políticas Públicas do MAPA para o

Políticas Públicas do MAPA para o Engenheiro Agrônomo ERIKSON CHANDOHA Diretor do Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Ministério da Agricultura Pecuária

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA Imperial Estação Agronômica de Campinas 27/06/1887 Centro de Café Alcides Carvalho INTRODUÇÃO O Agronegócio

Leia mais

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME Junho/2013 Diretoria de Sustentabilidade Linda Murasawa Brasil SANTANDER NO MUNDO 102 milhões DE CLIENTES 14.392 AGÊNCIAS 186.763 FUNCIONÁRIOS Dezembro de

Leia mais

Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde

Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde Seminário Valor Economico Propriedade Intelectual e Inovação em Saúde Jorge Avila INPI Presidente São Paulo, 7 de junho de 2009 A missão do sistema de propriedade intelectual Favorecer o desenvolvimento,

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT. Coordenadoria de Projetos e Inovação. Marcelo Gomes Cardoso

Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT. Coordenadoria de Projetos e Inovação. Marcelo Gomes Cardoso Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Coordenadoria de Projetos e Inovação Marcelo Gomes Cardoso Maio / 2013 Coordenadoria de Projetos e Inovação A Coordenadoria de Projetos e Inovação é um órgão suplementar

Leia mais

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas Associação Brasileira de Sementes e Mudas WORKSHOP AMOSTRAGEM, TESTES E ESTATÍSTICA SEMENTES, PLANTAS E GRÃOS Associação Brasileira de Sementes e Mudas A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL ILSI International

Leia mais

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo 1. A Agricultura da região de LVT 2. O apoio ao Sector Agrícola

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Instituto Brasileiro de Florestas:

Instituto Brasileiro de Florestas: Instituto Brasileiro de Florestas: O Instituto Brasileiro de Florestas (IBF) tem como missão a restauração e conservação de florestas nativas. Desde a sua fundação, o IBF se preocupa em encontrar soluções

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Eng o Agr o Decio Luiz Gazzoni. Do Oiapoque ao Chuí

Eng o Agr o Decio Luiz Gazzoni. Do Oiapoque ao Chuí Eng o Agr o Decio Luiz Gazzoni Do Oiapoque ao Chuí Nos últimos 40 anos, ocorreu no Brasil uma revolução sem paralelo na História da Agricultura: Passamos de importador de alimentos a maior exportador

Leia mais

10/10/2013. Associação Nacional de Negócios Cooperativos

10/10/2013. Associação Nacional de Negócios Cooperativos Organização & agregação de agricultores 3. o Fórum Consultivo Organização Internacional do Café Belo Horizonte, Brasil 10 de setembro de 2013 Associação Nacional de Negócios Cooperativos CLUSA International

Leia mais

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Mediação Familiar Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Altera a Organização Tutelar de Menores, nomeadamente através da introdução de novos artigos de que destacamos aquele que se refere à mediação Artigo 147.º

Leia mais

Conferência Mundial de Desenvolvimento Sustentável Rio+20. ria - pós s conferência

Conferência Mundial de Desenvolvimento Sustentável Rio+20. ria - pós s conferência Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Conferência Mundial de Desenvolvimento Sustentável Rio+20 Visão da Agropecuária

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário CULTIVARES LOCAIS, TRADICIONAIS OU CRIOULAS LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE CULTIVARES, SEMENTES E MUDAS POLÍTICAS PARA AGRICULTURA FAMILIAR E O CADASTRO CRIADO PELA PORTARIA MDA 51/2007 J.C. Zukowski Coordenador

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 14 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA PROPOSIÇÃO

JUSTIFICATIVA DA PROPOSIÇÃO JUSTIFICATIVA DA PROPOSIÇÃO A Arábia Saudita está entre os dez maiores importadores agrícolas mundiais, com US$ 8,3 bilhões/ano (média 2003-2007). Dentre os principais produtos importados, destacam-se

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Programa úmero de Ações 8 1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Objetivo Indicador(es) Incrementar a base de conhecimentos científicos e tecnológicos

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social EQ PS -Fortaleza Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software Marcio Wegmann masil@bndes.gov.br Depto. Indústria Eletrônica Área Industrial Princípios Norteadores da Atuação do BNDES

Leia mais