Revisitando Hiperprolactinemias. Julia Appel

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revisitando Hiperprolactinemias. Julia Appel"

Transcrição

1 Revisitando Hiperprolactinemias Julia Appel

2 Contextualizando Paciente feminina, 29 anos, com queixa de infertilidade, galactorréia e amenorréia. Prolactina: 188ng/ml RNM: microadenoma 7 mm a direita

3 Contextualizando Paciente feminina, 29 anos, com queixa de infertilidade, galactorréia e amenorréia. Prolactina: 188ng/ml RNM: microadenoma 7 mm a direita

4 Contextualizando Paciente feminina, 29 anos, com queixa de infertilidade, galactorréia e amenorréia. Prolactina: 548ng/ml RNM: microadenoma 7 mm a direita

5 Contextualizando Paciente feminina, 29 anos, com queixa de infertilidade, galactorréia e amenorréia. Prolactina: 548ng/ml RNM: microadenoma 7 mm a direita Diagnóstico errado = manejo inadequado

6 1. Diagnósticos diferencias Fisiológicas Farmacológicas Patológicas Idiopáticas Hipotálomo-hipofise Sistêmicas 2. Armadilhas diagnósticas Macroprolactina Efeito Gancho

7 1. Diagnósticos diferencias Elevação da prolactina não é um doença per si Motivo da solicitação: desordens menstruais, infertilidade, galactorreia, disfunção erétil, hipogonadismo, tumores selares. Frente a hiperprolactinemia ter roteiro diagnóstico Step 1: afastar causas fisiológicas Gestação Amamentação Estresse,exercício intenso, coito. JCEM 96: , 2011

8 1. Diagnósticos diferencias Step 2: afastar causas farmacológicas JCEM 96: , 2011

9 1. Diagnósticos diferencias Step 2: afastar causas farmacológicas Antipsicóticos e neurolépticos: Elevação prolactina: 40-90% Estudo de prevalência: 2235 pacientes recebendo anti-psicóticos: Mulheres: 42-93% Homens: 18-72% Magnitude: ng/ml 19% > 200ng/ml- sobretudo haloperidol e risperidona Clinical Endocrinology (2011) 74,

10 1. Diagnósticos diferencias Step 2: afastar causas farmacológicas Clinical Endocrinology, 74,

11 1. Diagnósticos diferencias Step 2: afastar causas farmacológicas Clinical Endocrinology, 74,

12 1. Diagnósticos diferencias Step 2: afastar causas farmacológicas JCEM 96: ,2011

13 1. Diagnósticos diferencias Step 2: afastar causas farmacológicas 1. Ver se o início da droga coincide com início dos sintomas 2. Avaliar suspenção- sempre em conjunto com psiquiatra 3 dias 3. Se não for possível suspenderavaliar troca do antipsicótico pelos de menor interferencia: quetiapina, aripiprazol, clozapina, ziprazidona 4. Para aqueles que mesmo suspendendo ou trocando permanece elevada, ou não foi possível estratégia solicitar RNM de sela. JCEM 96: ,2011

14 1. Diagnósticos diferencias Step 3: afastar causas patológicas Sistêmicas Hipotálamo-hipofisárias Hipotireoidismo (40% franco/ 22% no subclínico) Insuficiência Adrenal IRC (30% renal failure, 80% nos em hemodiálise) Cirrose (16-80%) Neurogenica (sucção, lesões irritativas de parede) Pseudo-prolactinomas (interferem no tônus dopaminérgico): Não secretores Aneurismas Sela vazia Lesões infiltrativas Craniofarigeomas Co-secretores Vilar, Arq Bras Endocrinolol Metab. 2014;58/1

15 1. Diagnósticos diferencias Step 4: causas idiopáticas Tumores muito pequenos <3mm Causas auto-imunes: 25,7% - anticorpo anti-pituitaria Normalização espontânea em 30% JCEM 97: , 2012

16 2. Armadilhas diagnósticas

17 2. Armadilhas diagnósticas Macroprolactinemia Isoformas PRL Classificação de acordo com peso molecular 80-95% PRLmonomérica (mprl): 23kDa 5-10% PRLdimérica (bprl): 45kDa <5% Macroprolactina (bbprl) >100kDa

18 2. Armadilhas diagnósticas Macroprolactinemia Composição: complexo PRL monomérica + IgG específica Ocorrem em média em 25-40% dos pacientes com hiperprolactinemia Baixa atividade biológica in vivo Complexo não ultrapassa barreira capilar Menor ligacão com receptor de prolactina Reconhecimento- etiologia, elimina necessidade de RNM e de tto. The Journal Of Clinical Endocrinology 87(12): , 2002

19 vnsk Desafios em Hiperprolactinemia 2. Armadilhas diagnósticas Macroprolactinemia Diagnóstico: Rastreamento com precipitação por PEG Recuperação <30%: macroprolactinemia Recuperação 30-60%: inconclusiva Recuperação >60%: exclui macroprolactienamia

20 vnsk Desafios em Hiperprolactinemia 2. Armadilhas diagnósticas Macroprolactinemia Diagnóstico: Padrão ouro: cromatografia filtração gel

21 vnsk Desafios em Hiperprolactinemia 2. Armadilhas diagnósticas Macroprolactinemia Armadilha dentro da armadilha Hiperprolactinemia verdadeira X macroprolactinemia Se indivíduo tiver sintomas relacionados, avaliar nível de prolactina no sobrenadante e não apenas o calculo da % de recuperação PRL. Se prolactina monomérica elevada, apesar da macroprolactinemia investigar como habitual JCEM 96: , 2011

22 vnsk Desafios em Hiperprolactinemia 2. Armadilhas diagnósticas Macroprolactinemia Ex: 64 anos,prolactina 372, oligossintomática- pedido macroprolactina recuperação 25% (+ macroprolactina) % X 25% X: 93ng/ml Realizada RNM -microprolactinoma Vilar, 2014

23 2. Armadilhas diagnósticas Armadilha 1 Pacientes assintomáticos, oligossintomaticos Macroprolactinemia Solicitar screening com precipitação em PEG Recuperação<30%, sem monomerica elevada- não necessita RNM e nem tto

24 2. Armadilhas diagnósticas Efeito Gancho Magnitude da elevação prolactina pode ser útil na determinação etiológica >250ng/ml: altamente sugestivo de macroprolactinoma <100ng/ml: relacionado a drogas, doenças sistemicas, pseudo-prolactinomas Endocrinol Metab Clin North Am, 2008

25 2. Armadilhas diagnósticas Efeito Gancho J. Endocrinolol Invest, 2008

26 2. Armadilhas diagnósticas Efeito Gancho

27 2. Armadilhas diagnósticas Efeito Gancho Desmascarado diluição soro 1:100 Real frequência? 6-17% dos macroprolactinomas Caso- 98ng/ml ng/ml Literatura: 164, ng/ml (Friez ) Prolactinoma X pseudo-prolactinomas J Hum Reprod, 2010

28 2. Armadilhas diagnósticas Armadilha 2 Discrepância entre tamanho do tumor e o nível de prolactina Efeito Gancho Solicitar diluição 1:100 para pesquisa de efeito gancho

29 PARA CASA 1. Diagnósticos diferencias: Roteiro Diagnóstico Anamnese: sinais e sintomas compatíveis com hiperprolactinemia, inicio, histórico de doenças concomitantes (IRC, hepática, psiquiátrica, hipotireoidismo) Exame físico: galactorreia, campos visuais, lesões de parede Medicações em uso: lícitas/ilícitas Exames: B-HCG, Ur, Creatinina, Função hepática, TSH 2. Armadilha diagnóstica- Cuidado - Macroprolactinemia: assintomáticos, oligossintomáticos - Efeito Gancho: desproporção tamanho tumor e PRL pseudoprolactinoma - Co-secretores: solicitar IGF-1

30 Obrigada

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia Julia Appel - Endocrinologista Introdução A hiperprolactinemia é a alteração endócrina mais comum do eixo hipotálamo-hipofisário. Indicações dosagem: Alterações

Leia mais

Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea

Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea Luíz Antônio de Araújo Diretor do Dpto de Neuroendocrinologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia SBEM

Leia mais

Hormônios hipotalâmicos e hipofisários. (somatostatin)

Hormônios hipotalâmicos e hipofisários. (somatostatin) Anatomia Localiza-se na base do crânio sela túrcica Hipófise anterior: derivada da bolsa de Rathke Hipófise posterior: origem neural, formada por axônios e terminções nervosas dos neurônios hipotalâmicos

Leia mais

Avaliação Funcional da Hipófise

Avaliação Funcional da Hipófise Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Luiz Antônio de Araújo Endoville, Joinville (SC) Dr. Cesar Luiz Boguszewski SEMPR, HC-UFPR, Curitiba (PR) Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Cesar Luiz Boguszewski

Leia mais

PALESTRA DOGMAS EM RELAÇÃO À PROLACTINA. (Sessão Plenária ocorrida em 22/10/2013)

PALESTRA DOGMAS EM RELAÇÃO À PROLACTINA. (Sessão Plenária ocorrida em 22/10/2013) PALESTRA DOGMAS EM RELAÇÃO À PROLACTINA (Sessão Plenária ocorrida em 22/10/2013) Luiz Augusto Casulari Roxo da Motta Serviço de Endocrinologia do Hospital Universitário de Brasília Academia de Medicina

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS Marcelo Cidade Batista Laboratório de Hormônios LIM/42 Disciplina de Endocrinologia Divisão de Laboratório Central LIM/03 Hospital das Clínicas Faculdade de

Leia mais

Infertilidade no consultório: Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina

Infertilidade no consultório: Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina Infertilidade no consultório: como conduzir Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina Infertilidade Definição: Ausência de concepção após um ano mantendo relações sexuais sem proteção PRIMÁRIA

Leia mais

Tumores da hipófise. Avaliação clínica

Tumores da hipófise. Avaliação clínica Tumores da hipófise Avaliação clínica Tumores da hipófise 10-25% de casos não seleccionados de autópsias RMN 10% de indivíduos normais Tumores da hipófise Incidência: 2/100000 Prevalência: 20/100000

Leia mais

Prolactina e seus excessos em mulheres não-gestantes. Prolactin and its excess in non pregnant women

Prolactina e seus excessos em mulheres não-gestantes. Prolactin and its excess in non pregnant women Prolactina em mulheres não-gestantes Prolactina e seus excessos em mulheres não-gestantes Cristiane Maria Villar Silva 1 Tania Cristina Andrade 2 RESUMO - A prolactina é um hormônio produzido pela hipófise,

Leia mais

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA HIPERPROLACTINEMIA

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA HIPERPROLACTINEMIA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA HIPERPROLACTINEMIA SERVIÇO DE ENDOCRINOLOGIA DO HUWC FUC. Clêide Maria Furtado Arruda Pires I INTRODUÇÃO A Prolactina (PRL) é um hormônio polipeptídico de cadeia única, contendo

Leia mais

CO-SECREÇÃO DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO EM PACIENTES PORTADORES DE PROLACTINOMA 1 CO-SECRETION OF GROWTH HORMONE IN PATIENTS WITH PROLACTINOMA RESUMO

CO-SECREÇÃO DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO EM PACIENTES PORTADORES DE PROLACTINOMA 1 CO-SECRETION OF GROWTH HORMONE IN PATIENTS WITH PROLACTINOMA RESUMO ARTIGO ORIGINAL CO-SECREÇÃO DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO EM PACIENTES PORTADORES DE PROLACTINOMA 1 CO-SECRETION OF GROWTH HORMONE IN PATIENTS WITH PROLACTINOMA Reny Wane Vieira DOS SANTOS 2 ; Sheila Patrícia

Leia mais

Preditores de Cura na Acromegalia

Preditores de Cura na Acromegalia Preditores de Cura na Acromegalia Luíz Antônio de Araújo Endoville - Centro de Endocrinologia e Diabetes de Joinville. Declaração de Conflito de Interesses Pesquisa Clinica: Novartis Oncologia Transporte

Leia mais

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Teresa Borges Unidade de Endocrinologia Pediátrica Centro Hospitalar do Porto Curso Inverno Sociedade Portuguesa de Pediatria Caramulo 24/02/2013 Manifestações

Leia mais

Macroprolactinoma invasivo assintomático em paciente do sexo masculino

Macroprolactinoma invasivo assintomático em paciente do sexo masculino Macroprolactinoma invasivo assintomático em paciente do sexo masculino Invasive asymptomatic macroprolactinoma in a male patient Relato de Caso Flávia Regina de Oliveira*, Juliana Dean Gomes*, Luciana

Leia mais

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Osteoporose no Paciente Jovem R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Incomum em jovens e geralmente devido causa secundária Critérios densitométricos da ISCD e SBDens: Homens

Leia mais

ACROMEGALIA. Manoel Martins

ACROMEGALIA. Manoel Martins ACROMEGALIA Manoel Martins mramartins@gmail.com Acromegalia: definição Doença causada pelo excesso crônico de GH Adultos: acromegalia Crianças/adolescentes: gigantismo A derrota de Golias perante Davi:

Leia mais

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco Amenorréia Induzida: Indicações XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco I. Amenorréia Amenorréia secundária é um distúrbio que se

Leia mais

Armadilhas no Diagnóstico da Hiperprolactinemia. atualização. Lucio Vilar Luciana A. Naves Mônica Gadelha

Armadilhas no Diagnóstico da Hiperprolactinemia. atualização. Lucio Vilar Luciana A. Naves Mônica Gadelha Armadilhas no Diagnóstico da Hiperprolactinemia atualização RESUMO Na abordagem diagnóstica da hiperprolactinemia, três armadilhas ou problemas potenciais merecem uma atenção especial: os incidentalomas

Leia mais

51 - São causas de hipertireoidismo com bócio difuso: 52 - Os achados ultrassonográficos que sugerem malignidade em um nódulo de tireóide são:

51 - São causas de hipertireoidismo com bócio difuso: 52 - Os achados ultrassonográficos que sugerem malignidade em um nódulo de tireóide são: Questões do TEEM 2009 51 a 75 51 - São causas de hipertireoidismo com bócio difuso: a) RN de mãe com doença tireoideana autoimune, Basedow-Graves e resistência periférica aos hormônios tireoideanos. b)

Leia mais

O aumento das concentrações de prolactina pode ocorrer em várias situações, sejam elas fisiológicas ou patológicas.

O aumento das concentrações de prolactina pode ocorrer em várias situações, sejam elas fisiológicas ou patológicas. Hiperprolactinemia A hiperprolactinemia é alteração endocrinológica mais comum que ocorre no sistema nervoso central, sendo mais comum no sexo feminino. Além disso, é uma causa freqüente de infertilidade.

Leia mais

REDE LABORATORIAL DE DENGUE

REDE LABORATORIAL DE DENGUE Capacitação em Eventos REDE LABORATORIAL Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de Vigilância em Saúde DE DENGUE 23 e 24 de junho de 2010 CGLAB/SVS/MS Vanessa.porto@saude.gov.br

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

Nanismo hipofisário. Rosana Quezado Eveline G.P Fontenele

Nanismo hipofisário. Rosana Quezado Eveline G.P Fontenele Nanismo hipofisário Rosana Quezado Eveline G.P Fontenele Fortaleza-2006 1 1. Introdução 1.1. Conceito: A deficiência do Hormônio do Crescimento não tem uma etiologia uniforme, sendo conseqüência de vários

Leia mais

Tratamento da Celulites com o Swiss EsthetiClast. Apresentador: ENG. ALEC FLINTE E-mail: alec@ecomed.com.br Cel.: 21 9648-5110

Tratamento da Celulites com o Swiss EsthetiClast. Apresentador: ENG. ALEC FLINTE E-mail: alec@ecomed.com.br Cel.: 21 9648-5110 Tratamento da Celulites com o Swiss EsthetiClast Apresentador: ENG. ALEC FLINTE E-mail: alec@ecomed.com.br Cel.: 21 9648-5110 Prefácil Os ajustes da aplicação (Gerador, aplicador, número de sessões e impulsos,

Leia mais

FO LHENDO RO C HO. Editorial. Resumo das palestras. Caro leitor: aceite o convite para passear pelos resumos científicos!

FO LHENDO RO C HO. Editorial. Resumo das palestras. Caro leitor: aceite o convite para passear pelos resumos científicos! FO LHENDO RO C HO Set embr o 2 0 0 6 Volume 2, Edição 3 Informativo do Serviço de Endocrinologia do Hospital Felício Rocho carbar@uai.com.br Nesta edição Jornalista responsável: Laura Carneiro MG 09410JP

Leia mais

NOVOS E VELHOS PARADIGMAS DO DIABETES INSIPIDUS

NOVOS E VELHOS PARADIGMAS DO DIABETES INSIPIDUS NOVOS E VELHOS PARADIGMAS DO DIABETES INSIPIDUS Apresentação: R3 Larissa Pakuszevski Savi Orientadores: Dr. César Luiz Boguszewski e Dr. Cléo Otaviano Mesa Jr. Curitiba, Junho de 2013 Roteiro de Aula Fisiologia

Leia mais

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 ASPECTOS GERAIS: Mamas presentes/ FSH nl/ útero ausente: Agenesia mülleriana e sínd de resistência completa aos androgênios. Dosar testosterona.

Leia mais

Hipogonadismo Feminino

Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Luíz Antônio de Araújo Diretor do Departamento de Neuroendocrinologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Presidente do Clube da Hipófise

Leia mais

Imagem da Semana: Ultrassonografia, Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Ultrassonografia, Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Ultrassonografia, Tomografia Computadorizada Imagem 01. Ultrassonografia Cervical (região de espaço carotídeo direito) Imagem 02. Ultrassonografia Cervical com Doppler (região de espaço

Leia mais

SÍNDROME DE CUSHING INTRODUÇÃO

SÍNDROME DE CUSHING INTRODUÇÃO SÍNDROME DE CUSHING INTRODUÇÃO Causada pela elevação crônica e inapropriada dos níveis séricos de glicocorticóides livres Incidência: 2,3 por milhão/ano Alta mortalidade 50% em 5 anos - Doenças cardiovasculares

Leia mais

Caso Clínico Dificuldades de interpretação dos testes hormonais em uma paciente com macroadenoma pituitário e insuficiência renal crônica

Caso Clínico Dificuldades de interpretação dos testes hormonais em uma paciente com macroadenoma pituitário e insuficiência renal crônica Caso Clínico Dificuldades de interpretação dos testes hormonais em uma paciente com macroadenoma pituitário e insuficiência renal crônica Francisco Bandeira, MD, Phd, FACE Coordenador Apresentação: Paula

Leia mais

HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO

HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO Deficiência hormonal mais comum Produção ou ação deficiente dos hormônios tiroidianos Prevalência de 2 a 3% na população geral Mais comum em mulheres (10:1), idosos e brancos

Leia mais

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos Doenças da Tireóide Prof. Fernando Ramos Introdução A tireóide é uma glândula localiza na porção anterior do pescoço e responde pela produção de hormônios como Triiodotironina (T3) e Tiroxina (T4) que

Leia mais

Padrão de Respostas da Prova Discursiva - REVALIDA 2015 - PÓS RECURSOS

Padrão de Respostas da Prova Discursiva - REVALIDA 2015 - PÓS RECURSOS Padrão de Respostas da Prova Discursiva - REVALIDA 2015 - PÓS RECURSOS PADRÃO DE RESPOSTA a) Lupus Eritematoso Sistêmico, Lupus Eritematoso Sistêmico grave, LES, LES grave b) História Clínica (mulher jovem

Leia mais

HIPERPROLACTINÉMIA EM DOENTES PSIQUIÁTRICOS

HIPERPROLACTINÉMIA EM DOENTES PSIQUIÁTRICOS ARTIGO DE REVISÃO Acta Med Port 2011; 24: 1005-1012 HIPERPROLACTINÉMIA EM DOENTES PSIQUIÁTRICOS Manuel Maria de CARVALHO, Carlos GÓIS R E S U M O A hiperprolactinémia é um efeito secundário comum, mas

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS Acadêmica de medicina: Jéssica Stacciarini Liga de diabetes 15/04/2015 Benefícios do exercício físico em relação ao diabetes mellitus:

Leia mais

PCDT/ CID 10: F20.0; F20.1; F20.2; F20.3; F20.4; F20.5; F20.6; F20.8 NT/ CID 10: F20.0; F20.1, F20.2; F20.3

PCDT/ CID 10: F20.0; F20.1; F20.2; F20.3; F20.4; F20.5; F20.6; F20.8 NT/ CID 10: F20.0; F20.1, F20.2; F20.3 1. Medicamentos Aripripazol 15 mg, comprimido (NT); Aripripazol 30 mg, comprimido (NT); Clozapina 25 mg, comprimido; Clozapina 100 mg, comprimido; Olanzapina 5 mg, comprimido; Olanzapina 10 mg, comprimido;

Leia mais

Eixo Hipotálamo-Hipófise. Hipotalâmica ee. ção Hipotalâmica. Hiperfunção. Hiperfun Hipofisá. Hipofisários. ária. Hipofis.

Eixo Hipotálamo-Hipófise. Hipotalâmica ee. ção Hipotalâmica. Hiperfunção. Hiperfun Hipofisá. Hipofisários. ária. Hipofis. Eixo Hipotálamo-Hipófise Hiperfunção Hipotalâmica ee Hiperfunç ção Hipotalâmica Hiperfun Hipofisária Hipofisá ária Hipofis Vinicius Nahime de Brito Unidade de Endocrinologia do Desenvolvimento HCFMUSP

Leia mais

Função endócrina. Função endócrina Glândula Hipotálamo/Pituitária SISTEMA ENDÓCRINO HIPOTÁLAMO/HIPÓFISE

Função endócrina. Função endócrina Glândula Hipotálamo/Pituitária SISTEMA ENDÓCRINO HIPOTÁLAMO/HIPÓFISE Função endócrina SISTEMA ENDÓCRINO CÉLULAS ESPECIALIZADAS (tecido endócrino difuso, ex.: epitélio gastrointestinal) GLÂNDULAS (unidades d funcionais i de células secretoras de hormonas localizadas em diversos

Leia mais

Estudos Caso-Controle. efeito > causa??? Casos. Expostos. (doentes) Coorte hipotética ou real. Não-expostos. Expostos. Controles (não - doentes)

Estudos Caso-Controle. efeito > causa??? Casos. Expostos. (doentes) Coorte hipotética ou real. Não-expostos. Expostos. Controles (não - doentes) efeito > causa??? Coorte hipotética ou real Casos (doentes) Controles (não - doentes) Expostos Não-expostos Expostos Não-expostos Classificação da exposição Tabela 2 x 2 caso controle exposto a b? não

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. Introdução ao Sistema Endócrino

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. Introdução ao Sistema Endócrino Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Fisiologia Endócrina Introdução ao Sistema Endócrino Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências

Leia mais

AFONSO HENRIQUE BEVILACQUA BALEEIRO DE LACERDA ANÁLISE DOS CASOS DE ACROMEGALIA DO HOSPITAL GOVERNADOR CELSO RAMOS

AFONSO HENRIQUE BEVILACQUA BALEEIRO DE LACERDA ANÁLISE DOS CASOS DE ACROMEGALIA DO HOSPITAL GOVERNADOR CELSO RAMOS AFONSO HENRIQUE BEVILACQUA BALEEIRO DE LACERDA ANÁLISE DOS CASOS DE ACROMEGALIA DO HOSPITAL GOVERNADOR CELSO RAMOS Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão

Leia mais

DOSTINEX cabergolina. COMPOSIÇÃO Cada comprimido de Dostinex contém o equivalente a 0,5 mg de cabergolina. Excipientes: leucina e lactose anidra.

DOSTINEX cabergolina. COMPOSIÇÃO Cada comprimido de Dostinex contém o equivalente a 0,5 mg de cabergolina. Excipientes: leucina e lactose anidra. DOSTINEX cabergolina I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Dostinex Nome genérico: cabergolina APRESENTAÇÕES Dostinex 0,5 mg em embalagens contendo 2 ou 8 comprimidos. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

DIRETRIZES PARA O HIPOGONADISMO MASCULINO

DIRETRIZES PARA O HIPOGONADISMO MASCULINO DIRETRIZES PARA O HIPOGONADISMO MASCULINO Dohle GR, Arver S, Bettocchi C, Kliesch S, Punab M, de Ronde W. Introdução O hipogonadismo masculino é uma síndrome clínica causada por deficiência androgênica.

Leia mais

Estimulação Ovariana. Dr. João Pedro Junqueira

Estimulação Ovariana. Dr. João Pedro Junqueira Estimulação Ovariana Dr. João Pedro Junqueira Abordagem da Paciente com Baixa Resposta Prof Dimitris Loutradis,, (GRC) Abordagem da Paciente com Baixa Resposta Definição 1) < 3 53 5 folículos dominantes

Leia mais

RESOLUÇÃO SS nº 295, de 04 de setembro de 2007

RESOLUÇÃO SS nº 295, de 04 de setembro de 2007 RESOLUÇÃO SS nº 295, de 04 de setembro de 2007 Aprova a Norma Técnica para inclusão do aripiprazol na relação de medicamentos para tratamento da Esquizofrenia, no âmbito do Estado de São Paulo. O Secretário

Leia mais

Resposta clínico-laboratorial após diferentes terapêuticas em acromegálicos do HC-UFPE

Resposta clínico-laboratorial após diferentes terapêuticas em acromegálicos do HC-UFPE Resposta clínico-laboratorial após diferentes terapêuticas em acromegálicos do HC-UFPE Daiane de Barros Silva 1 ; Lucio Vilar 2 1 Estudante do Curso de Medicina- CCS UFPE. Email: daianebarros@hotmail.com,

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO 1. CARACTERIZAÇÃO DA MORTALIDADE 1.1 Principais causas de morte, 2010-2013, RAM 1.2 Taxa de mortalidade padronizada (/100.000 hab), Região (RAM, RAA e Portugal), 2009 a 2012 Fonte: Estatísticas da Saúde,

Leia mais

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br Hipogonadismo O que é Hipogonadismo? Hipogonadismo é uma doença na qual as gônadas (testículos nos homens e ovários nas mulheres) não produzem quantidades adequadas de hormônios sexuais, como a testosterona

Leia mais

O que fazer perante:nódulo da tiroideia

O que fazer perante:nódulo da tiroideia 10º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O que fazer perante:nódulo da tiroideia Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa

Leia mais

CRANIOFARINGIOMAS Aspectos atuais. R4 Carolina Monteguti Feckinghaus Dr. Cleo Otaviano Mesa Junior Dr. Cesar Luiz Boguszewski

CRANIOFARINGIOMAS Aspectos atuais. R4 Carolina Monteguti Feckinghaus Dr. Cleo Otaviano Mesa Junior Dr. Cesar Luiz Boguszewski CRANIOFARINGIOMAS Aspectos atuais R4 Carolina Monteguti Feckinghaus Dr. Cleo Otaviano Mesa Junior Dr. Cesar Luiz Boguszewski Curitiba, 26 de Setembro de 2014 Plano da aula Introdução Epidemiologia Patologia

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENDOCRINOLOGIA 21. Paciente de 18 anos foi encaminhado ao endocrinologista por apresentar quadro de litíase de repetição. A investigação bioquímica inicial revelou calciúria

Leia mais

cabergolina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

cabergolina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 cabergolina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos 0,5 mg: embalagem com 2 ou 8 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO cabergolina 0,5 mg: Cada comprimido contém 0,5

Leia mais

AMENORRÉIA SECUNDÁRIA: DIAGNÓSTICO

AMENORRÉIA SECUNDÁRIA: DIAGNÓSTICO AMENORRÉIA SECUNDÁRIA: DIAGNÓSTICO Autores: Carmen V. Giacobbo Daudt Maria Eugênia B. Pinto Supervisão: Airton Tetelbom Stein Eno Dias de Castro Filho CONFLITO DE INTERESSE: Nenhum conflito de interesse

Leia mais

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Distúrbios do Na+ MARIANA PEREIRA RIBEIRO 6 SEMESTRE 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Principais problemas clínicos na emergência; Cuidado com pacientes críticos: Grande queimado; Trauma; Sepse; ICC e IRA; Iatrogenia.

Leia mais

Unidade 1. jcmorais 09

Unidade 1. jcmorais 09 Unidade 1 jcmorais 09 Actualmente possuímos conhecimentos e técnicas capazes de controlar a fertilidade, de modo a: Diminuir a fertilidade humana Aumentar a fertilidade humana Contracepção e métodos contraceptivos

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia ENDOCRINOLOGIA

II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia ENDOCRINOLOGIA II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O FÍGADO F NA ENDOCRINOLOGIA MÁRIO REIS ÁLVARES-DA-SILVA Hospital de Clínicas de Porto Alegre Universidade Federal do Rio Grande do Sul Curitiba,

Leia mais

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS Casos clínicos Hipertensão arterial A. Galvão-Teles Viseu, Outubro de 2012 Caso Clínico 1 Motivo consulta: Bócio Mulher de

Leia mais

Sistema Endócrino. Importância da endocrinologia... Introdução 17/6/2009 ROTEIRO DA AULA. Glândulas Endócrinas

Sistema Endócrino. Importância da endocrinologia... Introdução 17/6/2009 ROTEIRO DA AULA. Glândulas Endócrinas UNESP -FCAV -JABOTICABAL AGRONOMIA FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉTICOS II Sistema Endócrino ROTEIRO DA AULA Introdução a endocrinologia Hormônios -definições, mecanismos de sinalização, química e mecanismo

Leia mais

ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA

ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA ORIENTAÇÕES NUTRICIONAIS PARA PREVENIR O GANHO DE PESO DURANTE OS TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS EM PSIQUIATRIA Coordenadora da equipe de Nutrição Clínica do AMBULIM Especialista em Distúrbios Metabólicos

Leia mais

PORTARIA Nº 3.193/GM DE 24 DEZEMBRO DE 2008.

PORTARIA Nº 3.193/GM DE 24 DEZEMBRO DE 2008. PORTARIA Nº 3.193/GM DE 24 DEZEMBRO DE 2008. Altera a Tabela de s, Medicamentos, Órteses/Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde SUS. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

IncidentalomaAdrenal. Apresentador: Denise D. Lima. DrLuis Gris Coordenador

IncidentalomaAdrenal. Apresentador: Denise D. Lima. DrLuis Gris Coordenador IncidentalomaAdrenal Apresentador: Denise D. Lima DrLuis Gris Coordenador Introdução Massa adrenal descoberta incidentalmente em exames de imagem durante a investigação de condições clínicas não relacionadas

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Dostinex 0,5 mg comprimidos Cabergolina

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Dostinex 0,5 mg comprimidos Cabergolina FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Dostinex 0,5 mg comprimidos Cabergolina Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de

Leia mais

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Serviços de Endocrinologia e Medicina Nuclear do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco Apresentadora: Maíra Melo da

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 1 INSTRUÇÕES Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA LICA DIAGNÓSTICO HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA LICA DIAGNÓSTICO HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOENÇA A HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓ DIAGNÓSTICO HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOENÇA A HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓ ESTEATOSE ESTEATO-HEPATITE (NASH) FIBROSE

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 443/2014

RESPOSTA RÁPIDA 443/2014 RESPOSTA RÁPIDA 443/2014 SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito da Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.1576-9 DATA 01/08/2014 Ao NATS, SOLICITAÇÃO Reinteramos solicitão

Leia mais

ENDORECIFE 2013 GRADE PRELIMINAR

ENDORECIFE 2013 GRADE PRELIMINAR ENDORECIFE 2013 GRADE PRELIMINAR Hotel Summerville 27 a 29 de junho de 2013 27 de junho 5ª Feira HORÁRIO SALA 1 SALA 2 14h00 / 15h10 Mesa Redonda 1 E COMPLICAÇÕES CRONICAS: COMO EU TRATO Nefropatia Diabética

Leia mais

Acetato de zinco. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável.

Acetato de zinco. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável. Material Técnico Acetato de zinco Identificação Fórmula Molecular: CH3CO2)2Zn,2H2O Peso molecular: 219,5 DCB / DCI: Não aplicável. CAS: 5970-45-6 INCI: Não aplicável. Denominação botânica: Não aplicável.

Leia mais

Os antigos mensageiros do Amor

Os antigos mensageiros do Amor Os antigos mensageiros do Amor Os Novos Mensageiros do Amor Neurotransmissores Alerta Atenção Energia Noradrenalina Serenidade Saciedade Paz Prazer Alegria Aventura Sertralina Dopamina Neuropepitídeos

Leia mais

Projecto Tutorial Licenciatura em Bioquímica. Hormona de crescimento GH e a. factor de transcrição Pit-1

Projecto Tutorial Licenciatura em Bioquímica. Hormona de crescimento GH e a. factor de transcrição Pit-1 Projecto Tutorial Licenciatura em Bioquímica Hormona de crescimento GH e a regulação da sua expressão pelo factor de transcrição Pit-1 Eva Cristina de Andrade Dias 1º Ano Ano Lectivo 2005/2006 Glândula

Leia mais

TEMA: Cirurgia de catarata em paciente de dois anos com catarata congênita

TEMA: Cirurgia de catarata em paciente de dois anos com catarata congênita NOTA TÉCNICA 148/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito - Comarca de Itamarandiba - MG. Processo número: 0325 14 001739-4 Data: 22/07/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

MACROPROLACTINEMIA NUMA COORTE DE MULHERES COM HIPERPROLACTINEMIA: ASSOCIAÇÕES COM VARIÁVEIS CLÍNICAS, HORMONAIS E EXAMES DE IMAGEM DA HIPÓFISE

MACROPROLACTINEMIA NUMA COORTE DE MULHERES COM HIPERPROLACTINEMIA: ASSOCIAÇÕES COM VARIÁVEIS CLÍNICAS, HORMONAIS E EXAMES DE IMAGEM DA HIPÓFISE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas: Fisiologia MACROPROLACTINEMIA NUMA COORTE DE MULHERES COM HIPERPROLACTINEMIA: ASSOCIAÇÕES COM VARIÁVEIS

Leia mais

Clínica Médica de Pequenos Animais

Clínica Médica de Pequenos Animais V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Pequenos Animais Pseudociese Introdução A pseudogestação clínica ou manifesta ou pseudoprenhes, falsa gestação, falsa prenhes, gestação psicológica ou

Leia mais

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso?

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Hospital Regional da Asa Sul (HRAS) Setor de Reprodução 46 o Congresso Humancopia de Ginecológica Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Natalia I. Zavattiero

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Câncer da Tireóide. Dr. Pedro Collares Maia Filho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Câncer da Tireóide. Dr. Pedro Collares Maia Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO Câncer da Tireóide Maia Filho Revisão da Anatomia REVISÃO ANATOMIA REVISÃO ANATOMIA REVISÃO ANATOMIA REVISÃO

Leia mais

Emprego formal de nível superior Região Metropolitana de Curitiba. Lenina Formaggi

Emprego formal de nível superior Região Metropolitana de Curitiba. Lenina Formaggi Emprego formal de nível superior Região Metropolitana de Curitiba Lenina Formaggi Percurso da apresentação Justificativa do tema; Fontes de informações; Perfil do emprego: Evolução do número de trabalhadores

Leia mais

Doença com grande impacto no sistema de saúde

Doença com grande impacto no sistema de saúde Por quê abordar a Doença Renal Crônica Cô? PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA Doença com grande impacto no sistema de saúde Acomete muitas pessoas Vem aumentando nos últimos anos Provavelmente continuará a aumentar

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES.

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. ETEC ANTONIO DEVISATE MARÍLIA PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 031/02/2015 de 25/09/2015. Processo n 6282/2015 AVISO DE DEFERIMENTO E

Leia mais

Fisiologia do sistema endócrino: hipotálamo e hipófise

Fisiologia do sistema endócrino: hipotálamo e hipófise Fisiologia do sistema endócrino: hipotálamo e hipófise Prof. Kellen Brunaldi Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Ciências Fisiológicas Curso: Odontologia Silverthorn, Capítulo 7. Roteiro

Leia mais

Jean Carl Silva. Declaração de conflito de interesse

Jean Carl Silva. Declaração de conflito de interesse Jean Carl Silva Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico ou

Leia mais

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas)

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) É formado pelas glândulas endócrinas Essas tem origem no tecido epitelial

Leia mais

Tratamento Medicamentoso dos Tumores Hipofisários. Parte I: Prolactinomas e Adenomas Secretores de GH. revisão

Tratamento Medicamentoso dos Tumores Hipofisários. Parte I: Prolactinomas e Adenomas Secretores de GH. revisão Tratamento Medicamentoso dos Tumores Hipofisários. Parte I: Prolactinomas e Adenomas Secretores de GH revisão RESUMO O recente desenvolvimento de novas drogas, particularmente os análogos da somatotastina

Leia mais