Negócios Internacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Negócios Internacionais"

Transcrição

1 Negócios Internacionais Capítulo IX Produção e Logística Global Carina Viveiros Carla Pereira Ruben Dias Rui Ponte Produção e Logística Global Objectivos: Descrever as diferentes dimensões da estratégia Global de Produção Examinar os elementos de Gestão da Cadeia Global de Fornecimento e mostrar a afectação da qualidade Ilustrar como funciona a rede de fornecimento Explicar a gestão do inventário Apresentar diferentes alternativas para o transporte de mercadorias ao longo da cadeia de fornecimento Enquadramento 1. Cadeia de Fornecimento Global Cadeia de Fornecimento e Logística 2. Estratégias Globais de Produção 3. Gestão da Cadeia Global de Fornecimento 4. Qualidade 5. Rede de Fornecedores 6. Gestão do Inventário 7. Sumário 1

2 1- A Cadeia Global de Fornecimento Cadeia de Fornecimento e Logística Cadeia Global de Fornecimento: Coordenação da deslocação de materiais, informações e fundos desde o fornecedor inicial até ao consumidor final. Logística(gestão de materiais): A parte da cadeia do processo de fornecimento responsável pelo planeamento, implementação e controlo do eficiente transporte e armazenagem de matérias-primas, bens e informações, desde o ponto de origem até ao ponto de consumo, de forma a satisfazer as necessidades dos clientes. quanto maior for a dimensão geográfica da empresa, mais difícil será gerir eficientemente a sua cadeia de fornecimento. Enquadramento 1. Cadeia de Fornecimento Global Cadeia de Fornecimento e Logística 2. Estratégias Globais de Produção i. Compatibilidade da Produção ii. Configuração da Produção iii. Coordenação e Controlo 3. Gestão da Cadeia Global de Fornecimento 4. Qualidade 5. Rede de Fornecedores 6. Gestão do Inventário 7. Sumário 2

3 2- Estratégias Globais de Produção O sucesso das estratégias globais de produção depende de 4 factores chave: Compatibilidade Configuração Coordenação Controlo Compatibilidade da Produção Grau de consistência entre a decisão de fazer o investimento estrangeiro e a estratégia competitiva da empresa Eficiência de custos Dependência Qualidade Flexibilidade Inovação 2.2- Configuração da Produção Determinação da configuração das instalações da produção: Produção centralizada - selecção de produtos standard a preços baixos para diferentes mercados Produção Regional - servir clientes dentro de uma região específica Produção Multi-doméstica - expansão do mercado em países individuais 3

4 2.3-Coordenação e Controlo Coordenação e Controlo conjugam-se as duas. Coordenação ligação ou integração de actividades num sistema unificado Controlo - assegura a realização das estratégias da empresa Enquadramento 1. Cadeia de Fornecimento Global Cadeia de Fornecimento e Logística 2. Estratégias Globais de Produção 3. Gestão da Cadeia Global de Fornecimento i. Tecnologia da Informação e a Gestão Global do Fornecimento 4. Qualidade 5. Rede de Fornecedores 6. Gestão do Inventário 7. Sumário 3-Gestão da Cadeia Global de Fornecimento Prestar serviços aos requisitos dos clientes Desenho e estrutura da rede do centro de produção e do centro de distribuição Gestão de Inventário Relações de Outsourcing e entidades terceiras de Logística Principais clientes e relacionamento com fornecedores Processo do Negócio Sistemas de Informação Estrutura organizacional e requisitos de formação Medidas de performance Objectivos da performance 4

5 3.1-Tecnologia de Informação e a Gestão da Cadeia Global de Fornecimento Electronic Data Interchange(EDI): movimento electrónico de capital e informação através de computadores e equipamentos electrónicos, o qual liga eficientemente fornecedores, clientes e intermediários Enterprise resource planning(erp): software que liga a informação de dentro da empresa a diferentes áreas geográficas E-commerce: uso da internet para ligar os fornecedores às empresas e empresas aos clientes Extranet: uso da internet que liga uma organização a entidades externas Private Tecnology Exchange(PTX): traz colaboração online conjunta de produtores, distribuidores, revendedores e clientes Enquadramento 1. Cadeia de Fornecimento Global Cadeia de Fornecimento e Logística 2. Estratégias Globais de Produção 3. Gestão da Cadeia Global de Fornecimento 4. Qualidade i. Níveis de Qualidade (Empresa) ii. Padrões do Nível de Qualidade 5. Rede de Fornecedores 6. Gestão do Inventário 7. Sumário 4- Qualidade Habilidade de ir ao encontro ou superar as expectativas do cliente. A qualidade também pode ser definida como a conformidade com as especificações, valor, aptidão para apoiar - por parte da empresa e impressão psicológica(imagem). 5

6 4.1- Níveis de Qualidade Específicos da Empresa Zero Defeitos: recusa em tolerar qualquer tipo de defeitos Nível de Qualidade Aceitável(AQL): permite um grau de aceitação de má qualidade Gestão de Qualidade Total(TQM): permite eliminar todos os defeitos. Satisfação do cliente Envolvimento do empregado Melhoria continua da qualidade Kaizen: contínua melhoria do processo de qualidade, através da integração dos empregados a todos os níveis da organização para ajudar a eliminar os problemas Baseia-se: No Benchmarking; No design do produto ou serviço; Estrutura do Processo; Compras 4.2- Padrões do Nível de Qualidade Nível Geral ISO 9000 ISO 9000:2000 Prémios Malcolm Baldridge Nacional Quality e Malcolm Award Nível de Indústria Específica Nível da Empresa 1. Cadeia de Fornecimento Global Enquadramento Cadeia de Fornecimento e Logística 2. Estratégias Globais de Produção 3. Gestão da Cadeia Global de Fornecimento 4. Qualidade 5. Rede de Fornecedores Cadeia de Fornecimento (Global Sourcing) Razões para recorrer ao Global Sourcing Configurações do OutSourcing i. Decisão de Fazer ou Comprar (Make or buy Decison) ii. Relações com os fornecedores iii. Função Compras Passos do Processo do Global Sourcing 6. Gestão do Inventário 7. Sumário 6

7 5- Rede de Fornecedores As empresas podem produzir componentes internamente ou adquiri-las a fornecedores externos. O Sourcing é o processo da empresas abastecer-se de inputs (matérias-primas e peças) para o processo de produção. Outsourcing: é o abastecimento de inputs através de fornecedores externos- decisão de comprar. Cadeia de Fornecimento Global Sourcing Para redução dos Custos Para melhorar a qualidade; Razões para recorrer ao Global Sourcing Para aumentar a exposição mundial da tecnologia; Para melhorar o processo de entrega de fornecimentos; Para reforçar a segurança do abastecimento Para ganhar acesso aos materiais que estão disponíveis no estrangeiro Para estabelecer a presença no mercado estrangeiro; Para satisfazer os requisitos estrangeiros; Para reagir às práticas de offshore sourcing dos concorrentes 7

8 Configurações do Outsourcing Integração Vertical a empresa integra a total rede de fornecimento. Outsourcing independente Relações japonesas Keiretsucom os fornecedores é um grupo independente de empresas que trabalham em conjunto para gerir as transacções de mercadorias ao longo da rede Decisão de Fazer ou Comprar Make or Buy Decision Determina que actividades de produção serão desenvolvidas internamente (fazer) e quais deverão ser subcontratadas a empresas independentes (comprar). As relações que a empresa estabelece com fornecedores externos são baseados: Na sua estratégia competitiva Na natureza dos seus produtos No ambiente competitivo No nível de experiência, capacidade e confiança dos seus fornecedores 5.2- Relação com os Fornecedores Se uma empresa decidir que terá de recorrer a fornecimentos externos (Outsource), então terá de determinar como trabalhar com os fornecedores. Diagnóstico e avaliação dos fornecedores Colocar fornecedores em competição 8

9 5.3- Função Compras O agente de compras é a ligação entre a decisão de Outsourcing da empresa e as suas relações com os fornecedores. Tipicamente as compras atravessam 4 fases antes de se tornarem globais: Compras somente no mercado doméstico Compras no mercado estrangeiro baseado nas necessidades Compras no mercado estrangeiro como parte do procurement estratégico Integração do procurement global estratégico Passos do processo do Global Sourcing O objectivo será a selecção, por parte dos gestores, do melhor fornecedor, tentando estabelecer uma sólida relação e, continuamente, avaliar a performance a sua para assegurar o melhor preço, qualidade e melhor prazo de entrega. Avaliar as necessidades e estratégias do Global Sourcing Passos do Processo do Global Sourcing 9

10 Enquadramento 1. Cadeia de Fornecimento Global Cadeia de Fornecimento e Logística 2. Estratégias Globais de Produção 3. Gestão da Cadeia Global de Fornecimento 4. Qualidade 5. Rede de Fornecedores 6. Gestão do Inventário i. Sistema Just-in-Time ii. Zonas de Comércio Externo FTZs iii. Transporte e Logística 7. Sumário 6- Gestão do Inventário Gestão do Inventário: Planeamento e controlo dos níveis, fluxos e armazenamento de inputs, matérias-primas ou produtos acabados. Sistema Just-in-Time Zonas de Comércio Externo FTZs(Foreign Trade Zones) 6.1- Sistema Just-in-Time Foca-se na redução da ineficiência e baixa produtividade do TEMPO no processo de produção para melhorar continuamente o processo e a qualidade do produto ou serviço. JIT Abastece a industria com as matérias-primas e materiais no preciso momento em que eles são necessários Poupa, às empresas, o custo de armazenagem de grandes stocks. A distância, tempo e incerteza associada ao ambiente estrangeiro irá certamente dificultar o processo de Gestão do Inventário 10

11 6.2-Zonas de Comércio Externo FTZs (Foreign Trade Zones) FTZ s (Zonas de comércio externo): locais especiais para armazenagem de inventários (domésticos e importados) com o intuito de evitar pagamentos de impostos e taxas aduaneiras até o inventário ser necessário para a produção ou para as vendas e efectivamente entrar no país. Exemplos: Portos Aeroportos Fronteiras 6.3- Transporte e Logística Para uma empresa, o transporte de produtos num contexto internacional é extremamente complexo: documentação; escolha do embarque (aéreo ou marítimo); decisão de estabelecer o seu próprio departamento de transporte ou recorrer a outsourcing ou a um intermediário. O transporte é um dos elementos chave do sistema logístico. O objectivo é ligar, de um lado, os fornecedores e produtores e, por outro, os produtores e consumidores finais. Enquadramento 1. Cadeia de Fornecimento Global Cadeia de Fornecimento e Logística 2. Estratégias Globais de Produção 3. Gestão da Cadeia Global de Fornecimento 4. Qualidade 5. Rede de Fornecedores 6. Gestão do Inventário 7. Sumário i. Conceitos a reter 11

12 Sumário A cadeia de fornecimento de uma empresa engloba a coordenação de materiais, informação e fundos desde o fornecedor de matéria-prima até ao consumidor final. Logística, ou gestão de materiais, é uma parte do processo da cadeia de fornecimento que planeia, implementa e controla o eficiente e eficaz fluxo e armazenagem de bens, serviços e relata informação desde o ponto de origem (da ordem de concepção) para responder aos requisitos dos clientes. O sucesso de uma estratégia global da produção depende da compatibilidade, coordenação e controlo. As estratégias de minimização de custos e coordenação para uma eficiência global força, frequentemente, as Multinacionais a implementar áreas de fabrico em zonas de baixo custo, especialmente na Ásia e Europa do Leste. A qualidade é definida como o ir de encontro ou ultrapassar as expectativas dos clientes. Os padrões de qualidade podem ser generalizadas (ISO 9000) ou especifico de empresa (AQL, Zero defeitos, TQMeSix-Sigma). O Global Sourcing é o processo de fornecimento de matérias primas e peças para uma dada empresa através de fornecedores nacionais e estrangeiros. Dentro da decisão entre fazer ou comprar (Make or Buy), as empresas têm de decidir se vão produzir as suas próprias peças ou comprar a uma empresa independente. Quando a empresa é abastecida com peças de fornecedores de todo o mundo, a distância, tempo e incerteza da política internacional e ambiente económico pode dificultar, aos gestores, gerir os fluxos do inventário com precisão. O Sistema JIT foca-se na redução da ineficiência e da baixa produtividade do TEMPO no processo de produção para melhorar continuamente o processo e qualidade do produto ou serviço. O Sistema de transporte liga os fornecedores com produtores e produtores com clientes. 12

13 Quiz 1- Rede Global de Fornecimento A foca-se muito mais no transporte e armazenagem de mercadoria e produtos finais, enquanto que se estende para além disso, pois inclui ainda a gestão das relações de fornecedores e clientes. a) Gestão da Cadeia de Fornecimento; Logística b) Gestão de Materiais; Logística c) Logística; Gestão da Cadeia de Fornecimento d) Gestão da Cadeia de Fornecimento; Gestão de Materiais 2- Descrever os factores-chave que determinam o sucesso da Estratégia Global de Fornecimento é o grau de consistência entre a decisão de realizar um investimento estrangeiro e a estratégia competitiva da empresa. a) Flexibilidade b) Configuração c) Controlo d) Compatibilidade 13

14 3- Diferentes meios que uma empresa pode configurar as suas instalações mundiais de produção. A primeira estratégia que uma Multinacional usualmente recorre é a estratégia de produção o qual oferece uma selecção de produtos standard a preços baixos. a) Centralizada b) Regional c) Multi-doméstica d) Global 4- Diferentes elementos da Cadeia Global de Fornecimento. Um importante factor na Eficiente Cadeia Global de Fornecimentoé. a) Gestão da Qualidade Total b) Informação c) Processo ineficiente do negócio d) Não ter requisitos na estrutura e padrões organizacionais 5- Comparar osconceitos e características do Nível de Qualidade Aceitável (AQL), a Gestão da Qualidade Total (TQM) e o Six Sigma. A diferença entre a AQL e o TQM a) É mínima; b) É do envolvimento do trabalhador; c) Centra-se na atitude em relação à Qualidade d) Centra-se no Benchmarking 14

15 6- Definir Sourcing. Identificar a razão das empresas recorrerem ao Global Sourcing e reconhecer as vantagens e desvantagens do Sourcing doméstico e do Sourcing Global. Qual das seguintes opções é uma vantagem do Sourcing doméstico? a) Longas distâncias e longas linhas de abastecimento b) Flutuações nas Taxas de Câmbio c) Complexos canais de transporte d) Não tem diferenças linguísticas 7- Quais os elementos que se deve considerar na decisão de Fazer ou Comprar(Make-or-Buy Decision). Quando deve uma Multinacional recorrer ao Outsource? a) Quando os fornecedores têm um menor custo de estrutura b) Quando as Multinacionais conseguem obter maiores economias de escala c) Quando as Multinacionais querem gratificar os trabalhadores pela sua performance d) Quando os fornecedores têm fracos incentivos de performance 8- Cadeia de Fornecimento Global. A Logística é a gestão do processo de valor acrescentado desde o fornecedor dos fornecedores até ao cliente dos clientes. a) Verdadeiro b) Falso 15

16 9- Descrever os factores chave que determinam o sucesso de uma estratégia de Produção Global. Controlo é a medida de performance que permite às empresas responderem apropriadamente às mudanças de condições e ambientes. a) Verdadeiro b) Falso 10- Diferenciar as seguintes estratégias de produção: Eficiência/Custo, Dependência, Qualidade, Flexibilidade e Inovação Flexibilidade é a capacidade do processo de produção para fazer diferentes tipos de produtos e ajustar o volume de outputs. a) Verdadeiro b) Falso 11- A Gestão da Cadeia Global de Fornecimento integra, além da empresa, fornecedores e redes de transporte com o intuito de melhorar a satisfação do cliente e aumentar a produtividade. a) Verdadeiro b) Falso 16

17 12- O objectivo da Gestão da Qualidade Total (TQM) é eliminar todos os defeitos. a) Verdadeiro b) Falso 13- Apesar do Global Sourcing ser, frequentemente, mais barato que o Sourcing doméstico, ele pode trazer inúmeros problemas ao qual poderiam ser evitados com o Sourcing doméstico. a) Verdadeiro b) Falso 14- Sistema de Inventário Just-in-Time (JIT). Como o Global Sourcing pode dificultar a gestão dos sistemas de Inventário, especialmente em relação ao JIT. Arelaçãodeumaempresacomosseusfornecedoresnãotem qualquer impacto na decisão de implementação do sistema JIT. a) Verdadeiro b) Falso 17

18 Grelha das Respostas: 1- C 6- D 11- V 2- D 7- A 12- V 3- A 8- F 13- V 4- B 9- V 14 -F 5- C 10- V Parabéns! Estão aprovados Fim 18

Capítulo 1: a gestão e a sua evolução!

Capítulo 1: a gestão e a sua evolução! Capítulo 1: a gestão e a sua evolução Introdução à gestão Contabilidade e administração Conceito de gestão: é o processo de se conseguir obter resultados (bens ou serviços) com o esforço de outros. Pressupõem

Leia mais

O Brasil. sem amarras. Lições para a construção de operações internacionais de alto nível

O Brasil. sem amarras. Lições para a construção de operações internacionais de alto nível O Brasil sem amarras Lições para a construção de operações internacionais de alto nível Sumário executivo... 3 Nossa pesquisa... 8 Diagnóstico de modelos operacionais Estrutura organizacional...10 Liderança...14

Leia mais

MARCEL FISCHER MAIA WANDERSON MAROTA BARBOSA

MARCEL FISCHER MAIA WANDERSON MAROTA BARBOSA MARCEL FISCHER MAIA WANDERSON MAROTA BARBOSA ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) PARA ELIMINAÇÃO DOS DESPERDÍCIOS DA PRODUÇÃO Trabalho de graduação apresentado ao Departamento

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

UMA ESTRATÉGIA DE CRIAÇÃO DE VALOR PARA O CLIENTE: O SISTEMA DE PRODUÇÃO CUSTOMIZADA EM MASSA

UMA ESTRATÉGIA DE CRIAÇÃO DE VALOR PARA O CLIENTE: O SISTEMA DE PRODUÇÃO CUSTOMIZADA EM MASSA UMA ESTRATÉGIA DE CRIAÇÃO DE VALOR PARA O CLIENTE: O SISTEMA DE PRODUÇÃO CUSTOMIZADA EM MASSA Rita de Cássia Oliveira doutoranda em Eng. de Produção/UFSC rita@decea.ufop.br Silvia Maria Gomes doutoranda

Leia mais

Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO

Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO Como Elaborar um Plano de Negócios Ao pensar em procurar um parceiro de Capital de Risco, um empreendedor necessita de estruturar

Leia mais

Directrizes para a Elaboração de Relatórios de Sustentabilidade 2000-2006 GRI. Version 3.0

Directrizes para a Elaboração de Relatórios de Sustentabilidade 2000-2006 GRI. Version 3.0 G Directrizes para a Elaboração de elatórios de Sustentabilidade 2000-2006 GI Version 3.0 DES G3: Directrizes para a Elaboração de elatórios de Sustentabilidade Índice Prefácio O Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLOGICA NOS PROCESSOS LOGISTICOS, DIFERENCIAL NO CRECIMENTO DAS ORGANIZAÇÕES.

INOVAÇÃO TECNOLOGICA NOS PROCESSOS LOGISTICOS, DIFERENCIAL NO CRECIMENTO DAS ORGANIZAÇÕES. INOVAÇÃO TECNOLOGICA NOS PROCESSOS LOGISTICOS, DIFERENCIAL NO CRECIMENTO DAS ORGANIZAÇÕES. RESUMO Sirnei César Kach 1 Rosani de Mattos Fernandes 2 Neste trabalho estarão sendo mostrados alguns conceitos

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETÊNCIAS EM PME

ANÁLISE DE COMPETÊNCIAS EM PME NÁLISE DE COMPETÊNCIS EM PME Guia de utilização Setembro 2008 2 Índice INTRODUÇÃO...4 Definição...4 Objectivos...4 Destinatários...4 MODELO DE COMPETÊNCIS EMPRESRIIS...5 METODOLOGI DE UTO-VLIÇÃO...6 Equipa

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 9.8.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 214/3 REGULAMENTO (CE) N. o 800/2008 DA COMISSÃO de 6 de Agosto de 2008 que declara certas categorias de auxílios compatíveis com o mercado comum, em aplicação

Leia mais

UM ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DOS DIFERENTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE HORTALIÇAS

UM ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DOS DIFERENTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE HORTALIÇAS UM ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DOS DIFERENTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE HORTALIÇAS Ana Elisa Bressan Smith Lourenzani Andrea Lago da Silva GEPAI Grupo de Estudos e Pesquisas Agroindustriais, Departamento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Programa do XVII Governo Constitucional

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Programa do XVII Governo Constitucional PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Programa do XVII Governo Constitucional 2 Índice INTRODUÇÃO... 6 CAPÍTULO I UMA ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO PARA A PRÓXIMA DÉCADA... 9 I. VOLTAR A ACREDITAR... 9 1. Uma

Leia mais

Centros de Serviços Compartilhados

Centros de Serviços Compartilhados Centros de Serviços Compartilhados Tendências em um modelo de gestão cada vez mais comum nas organizações Uma pesquisa inédita com empresas que atuam no Brasil Os desafios de compartilhar A competitividade

Leia mais

Orientações para a apreciação das concentrações horizontais nos termos do regulamento do Conselho relativo ao controlo das concentrações de empresas

Orientações para a apreciação das concentrações horizontais nos termos do regulamento do Conselho relativo ao controlo das concentrações de empresas 5.2.2004 Jornal Oficial da União Europeia C 31/5 Orientações para a apreciação das concentrações horizontais nos termos do regulamento do Conselho relativo ao controlo das concentrações de empresas (2004/C

Leia mais

FIB FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU GESTÃO INTEGRADA- PESSOAS E SISTEMA DE INFORMAÇÃO

FIB FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU GESTÃO INTEGRADA- PESSOAS E SISTEMA DE INFORMAÇÃO FIB FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU GESTÃO INTEGRADA- PESSOAS E SISTEMA DE INFORMAÇÃO Frank Campos Pellim Gisele Sumiko Nunes Mashiba Priscila Oliveira dos Santos A ENTREGA DE VALOR COMO FERRAMENTA DE INOVAÇÃO

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO RONDINELLY COELHO RODRIGUES

FACULDADE LOURENÇO FILHO RONDINELLY COELHO RODRIGUES 0 FACULDADE LOURENÇO FILHO RONDINELLY COELHO RODRIGUES UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA DE TRABALHO BASEADA EM CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE SITUADA NO INTERIOR DO ESTADO DO CEARÁ

Leia mais

HABILIDADES ESSENCIAIS AOS NEGOCIADORES NUM CONTEXTO GLOBALIZADO

HABILIDADES ESSENCIAIS AOS NEGOCIADORES NUM CONTEXTO GLOBALIZADO HABILIDADES ESSENCIAIS AOS NEGOCIADORES NUM CONTEXTO GLOBALIZADO Autores Instituição Resumo Ana Paula de Almeida Faculdade de Econ., Adm. E Contab. USP Campus Ribeirão Preto Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSOS DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA E MECANICA ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DA QUALIDADE Carlos

Leia mais

Rastreio de dádivas de sangue para detecção de infecções transmissíveis por transfusão. Recomendações

Rastreio de dádivas de sangue para detecção de infecções transmissíveis por transfusão. Recomendações Rastreio de dádivas de sangue para detecção de infecções transmissíveis por transfusão Recomendações Rastreio de dádivas de sangue para detecção de infecções transmissíveis por transfusão Recomendações

Leia mais

Fit for Growth Uma resposta para os desafios de 2015

Fit for Growth Uma resposta para os desafios de 2015 Fit for Growth Uma resposta para os desafios de 2015 Contatos Sobre os autores São Paulo Eduardo Arnoni Vice-Presidente +55-11-5501-6257 eduardo.arnoni @strategyand.pwc.com Luiz Vieira Vice-Presidente

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 26.6.2014 L 187/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 651/2014 DA COMISSÃO de 16 de junho de 2014 que declara certas categorias de auxílio compatíveis com o mercado interno, em

Leia mais

Cadeia de Valor Global do Setor Cerâmico: um estudo comparativo dos clusters de Sassuolo, Castellón e Criciúma

Cadeia de Valor Global do Setor Cerâmico: um estudo comparativo dos clusters de Sassuolo, Castellón e Criciúma Cadeia de Valor Global do Setor Cerâmico: um estudo comparativo dos clusters de Sassuolo, Castellón e Criciúma Jörg Meyer-Stamer Claudio Maggi Silene Seibel Este documento é uma contribuição ao projeto

Leia mais

Aplicação das técnicas de Metodologia do Valor no. processo administrativo de montagem de equipamentos.

Aplicação das técnicas de Metodologia do Valor no. processo administrativo de montagem de equipamentos. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CHRISTIAN CHIAROT Aplicação das técnicas de Metodologia do Valor no processo administrativo de montagem de equipamentos. São Paulo,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING. O futuro não está à nossa frente. Ele já aconteceu. (Kotler, 2000, pg.23)

ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING. O futuro não está à nossa frente. Ele já aconteceu. (Kotler, 2000, pg.23) KOTLER, Philip Administração de Marketing 10ª Edição, 7ª reimpressão Tradução Bazán Tecnologia e Lingüística; revisão técnica Arão Sapiro. São Paulo: Prentice Hall, 2000. ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING O futuro

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FACULDADE LOURENÇO FILHO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELIS MARIA CARNEIRO CAVALCANTE O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FORTALEZA 2010 1 ELIS

Leia mais

O que você tem com ISO?

O que você tem com ISO? O que você tem com ISO? A UU L AL A Não, caro aluno, o título da aula não está errado e nem foi cochilo do digitador ou da revisão. É isso aí: você tem tudo a ver com ISO. E existem muitas razões. Por

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DA FIRMA PARA A ESTRATÉGIA: CADEIAS, OFICINAS E REDES DE VALOR

CONFIGURAÇÃO DA FIRMA PARA A ESTRATÉGIA: CADEIAS, OFICINAS E REDES DE VALOR CONFIGURAÇÃO DA FIRMA PARA A ESTRATÉGIA: CADEIAS, OFICINAS E REDES DE VALOR 1 Bruno Ottoni Eloy Vaz 1 Victor Prochnik 2 Instituto de Economia da UFRJ abril de 2002 1 INTRODUÇÃO...2 2 CADEIAS DE VALOR...3

Leia mais

SIADAP 1. Construção do QUAR. Sistema de avaliação do desempenho dos serviços da Administração Pública. Linhas de Orientação [CONSTRUÇÃO DO QUAR]

SIADAP 1. Construção do QUAR. Sistema de avaliação do desempenho dos serviços da Administração Pública. Linhas de Orientação [CONSTRUÇÃO DO QUAR] onselho oordenador de valiação de erviços [ONTRUÇÃO DO QUR] IDP 1 istema de avaliação do desempenho dos serviços da dministração Pública onstrução do QUR Linhas de Orientação Página 1 de 95 onselho oordenador

Leia mais

Inteligência nos Negócios: Logística faz a diferença.

Inteligência nos Negócios: Logística faz a diferença. Inteligência nos Negócios: Logística faz a diferença. Juliana Karim de Mendonça jujukarim@hotmail.com MBA Executivo e Inteligência em Negócios Instituto de Pós-Graduação e Graduação IPOG Goiânia, GO, 28

Leia mais

Uma Abordagem ao Problema de Caminho Mais Curto Multiobjectivo Aplicação ao Problema de Encaminhamento em Redes Integradas de Comunicações

Uma Abordagem ao Problema de Caminho Mais Curto Multiobjectivo Aplicação ao Problema de Encaminhamento em Redes Integradas de Comunicações Carlos Manuel Chorro Simões Barrico (Universidade da Beira Interior) Uma Abordagem ao Problema de Caminho Mais Curto Multiobjectivo Aplicação ao Problema de Encaminhamento em Redes Integradas de Comunicações

Leia mais