REGULAMENTOS 30, 54, 108, 109 CEE/ONU

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTOS 30, 54, 108, 109 CEE/ONU"

Transcrição

1 1 - OBJECTIVOS Os ensaios aos pneus segundo estes regulamentos tem como principal objectivo verificar a conformidade de pneus ligeiros com o Regulamento 30 CEE/ONU, ligeiros recauchutados com o Regulamento 108 CEE/ONU, comerciais e pesados com o regulamento 54 CEE/ONU e comerciais e pesados recauchutados com o Regulamento 109 CEE/ONU. Os ensaios a realizar dividem-se em: Verificação/ medição das inscrições Medição da largura total da secção, diâmetro exterior e altura dos indicadores de desgaste Ensaio de carga/ velocidade ou ensaio de resistência carga/velocidade 2 - ÂMBITO 2.1 Regulamento 30 da CEE/ONU É aplicável aos pneus novos concebidos principalmente, mas não exclusivamente para automóveis ligeiros de passageiros e reboques. Não é aplicável aos pneus destinados a: a) Equipar automóveis antigos. b) Competições Regulamento 108 da CEE/ONU É aplicável aos pneus recauchutados concebidos para automóveis ligeiros de passageiros e respectivos reboques, para utilização rodoviária, com 1 de 8

2 excepção: a) Pneus recauchutados cuja classe de velocidade seja inferior a 120 km/h ou superior a 300 km/h. b) Pneus originalmente desprovidos de código de velocidade e de índice de carga. c) Pneus originalmente desprovidos de homologação e de marcação E ou e. d) Pneus destinados a equipar viaturas construídas até e) Pneus exclusivamente destinados à competição ou aos veículos todo-o-terreno e marcados em conformidade. f) Pneus sobressalentes de utilização temporária d tipo T Regulamento 54 da CEE/ONU É aplicável a pneus novos concebidos para veículos comerciais e pesados identificados por símbolos de categoria de velocidade correspondentes a velocidades iguais ou superiores a 80 km/h Regulamento 109 da CEE/ONU Pneus ligeiros comerciais e pesados recauchutados para velocidades maiores ou iguais a 80 km/h, produzidos originalmente com indicação do símbolo de velocidade, índice de carga e com as marcas de homologação E e e DESCRIÇÃO DOS MÉTODOS INSCRIÇÕES NO PNEU Os pneus apresentados para homologação devem apresentar em ambas as paredes laterais, no caso de pneus simétricos, e pelo menos na 2 de 8

3 parede lateral exterior, no caso de pneus assimétricos: A marca de fabrico ou a designação comercial, A designação da dimensão do pneu, O tipo de estrutura, Uma indicação da categoria de velocidade a que o pneu pertence sob a forma do símbolo, A inscrição M+S, MS, M.S., ou M&S no caso de um pneu para a neve, O índice de capacidade de carga, A indicação TUBELESS, se o pneu se destinar a ser usado sem câmara-de-ar, A indicação "REINFORCED" ou "EXTRA LOAD", se se tratar de um pneu reforçado, A data de fabrico, sob a forma de um grupo de quatro algarismos, indicando os dois primeiros a semana e os dois últimos o ano, no entanto, esta indicação, pode ser aposta apenas numa das paredes laterais; Os pneus devem apresentar um espaço livre suficiente para inserir a marca e o número de homologação ( ) MEDIÇÕES As marcações constantes nas paredes laterais do pneu devem ser medidas e verificada a sua conformidade de acordo com os mínimos admitidos definidos nos esquemas que a seguir se apresentam: Marca de Homologação 3 de 8

4 Marcações Método de Medição de Pneus Antes do teste de resistência carga/velocidade Montar o pneu na jante de medida especificada pelo fabricante, encher o pneu a uma pressão especificada no regulamento, condicionar o pneu por um período de 24 horas e medir a largura total da secção, o diâmetro exterior e os indicadores de desgaste, caso se aplique Após o Teste de resistência carga/velocidade Seis horas após finalizar o teste de performance carga/velocidade, determinar o diâmetro exterior TESTE DE PERFORMANCE CARGA/VELOCIDADE Cada tipo de pneu deve ser submetido a um ensaio de desempenho 4 de 8

5 carga/velocidade segundo o procedimento abaixo descrito, no caso regulamento 30 e 108. Considera-se que um pneu passou o ensaio de carga/velocidade se, depois do ensaio, não apresentar qualquer separação do piso, das telas ou das cordas nem apresentar arrancamento do piso ou rotura das cordas. Procedimento: Montar o pneu na jante de ensaio especificada pelo fabricante, ou definida no regulamento, ou ETRTO, e insuflar o pneu à pressão adequada, condicionar o conjunto pneu e roda à temperatura ambiente. Aplicar a carga especificada no regulamento, efectuar o ensaio sem interrupções de acordo com as seguintes indicações: Tempo para passar da velocidade zero à velocidade inicial do ensaio: 10 minutos Velocidade de ensaio inicial: a velocidade máxima estabelecida para o tipo de pneu, diminuída de 40 km/h; Aumentos sucessivos de velocidade: 10 km/h; Duração do ensaio em cada patamar de velocidade, excepto no último: 10 minutos; Duração do ensaio no último patamar de velocidade: 20 minutos; Velocidade máxima do ensaio: a velocidade máxima estabelecida para o tipo de pneu, diminuída de 10 km/h. Durante todo o ensaio, a pressão do pneu não deve ser corrigida e a carga de ensaio deve ser mantida constante Durante o ensaio, a temperatura da sala de ensaios deve ser mantida entre 20 C e 30 C ou a temperatura mais elevada, se o 5 de 8

6 fabricante concordar Teste de Resistência Carga/Velocidade Cada tipo de pneu deve ser submetido a um ensaio de Resistência carga/velocidade segundo o procedimento abaixo descrito, no caso regulamento 54 e 109. Considera-se que um pneu passou o ensaio de resistência carga/velocidade se, depois do ensaio, não apresentar qualquer separação do piso, das telas ou das cordas nem apresentar arrancamento do piso ou rotura das cordas. Procedimento: Montar o pneu na jante de ensaio especificada pelo fabricante, ou definida no regulamento, ou ETRTO, e insuflar o pneu à pressão adequada, condicionar o conjunto pneu e roda à temperatura ambiente. Aplicar a carga especificada no regulamento, efectuar o ensaio sem interrupções de acordo com as seguintes indicações: No caso de pneus com um símbolo de categoria de velocidade superior a P, os procedimentos de ensaio são os definidos no Programa de Ensaio A. Para todos os outros utilizar o Programa de Ensaio B. Programa de Ensaio A Aplicável a pneus com símbolo de velocidade igual a Q ou superior, índice de capacidade de carga em montagem simples igual ou menor a 121 e índice de capacidade de carga em montagem simples igual ou superior a 122 que contenham as marcações 6 de 8

7 adicionais C ou LT. Velocidade inicial: Velocidade correspondente ao símbolo de categoria de velocidade menos 20 km/h; Tempo para se atingir a velocidade inicial de ensaio: 10 minutos; Duração do 1º patamar: 10 minutos; Velocidade no 2º patamar: velocidade correspondente ao símbolo de categoria de velocidade menos 10 km/h; Duração do 2º patamar: 10 minutos; Velocidade final: velocidade correspondente ao símbolo de categoria de velocidade do pneu; Duração do último patamar: 30 minutos; Duração total do teste: 1 hora. Durante todo o ensaio, a pressão do pneu não deve ser corrigida e a carga de ensaio deve ser mantida constante Durante o ensaio, a temperatura da sala de ensaios deve ser mantida entre 20 C e 30 C ou a temperatura mais elevada, se o fabricante concordar. Programa de Ensaio B Aplicável a todos os pneus não contemplados no programa de ensaio anterior. Executar de acordo com o quadro abaixo. 7 de 8

8 INDICE DE CARGA INDICE DE VELOCIDADE DO PNEU VELOCIDADE DA RODA DE ENSAIO km/h Pneu radial Pneu diagonal CARGA APLICADA À RODA EM % DA CARGA CORRESPONDENTE AO ÍNDICE DE CARGA 7H 16H 24H F G ou mais J K % 84% 101% L 64 - M 72 - F G J K ou menos L % 88% 106% 4H 6H 24H M % 97% 114% N 88-75% 97% 114% P 96-75% 97% 114% 8 de 8

ACTOS APROVADOS POR ÓRGÃOS INSTITUÍDOS POR ACORDOS INTERNACIONAIS

ACTOS APROVADOS POR ÓRGÃOS INSTITUÍDOS POR ACORDOS INTERNACIONAIS L 201/70 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 ACTOS APROVADOS POR ÓRGÃOS INSTITUÍDOS POR ACORDOS INTERNACIONAIS Só os textos originais UNECE fazem fé ao abrigo do direito internacional público. O

Leia mais

Regulamento n.º 54. Disposições uniformes relativas à homologação dos pneus para veículos comerciais e seus reboques

Regulamento n.º 54. Disposições uniformes relativas à homologação dos pneus para veículos comerciais e seus reboques Decreto n.º 14/89 Regulamento sobre Pneus para Veículos Comerciais e Reboques, anexo ao Acordo Relativo à Adopção de Condições Uniformes para Equipamentos e Partes de Veículos a Motor Nos termos da alínea

Leia mais

Recomendamos esta secção se quiser familiarizar-se com o mundo dos pneus para automóveis.

Recomendamos esta secção se quiser familiarizar-se com o mundo dos pneus para automóveis. Tudos Sobre Pneus Conhecimento Do Pneu Da Pirelli Mais de cem anos de experiência em tecnologia do pneu permitiu à Pirelli combinar nos seus produtos níveis máximos de segurança, longevidade, conforto

Leia mais

Preâmbulo. As Partes Contratantes:

Preâmbulo. As Partes Contratantes: Decreto n.º 138-A/79 Acordo Relativo à Adopção de Condições Uniformes de Homologação e ao Reconhecimento Recíproco de Homologação dos Equipamentos e Peças de Veículos a Motor O Governo decreta, nos termos

Leia mais

(revisão 2, incluindo as emendas em vigor desde 16 de Outubro de 1995) Regulamento n.º 109 (Adenda n.º 108)

(revisão 2, incluindo as emendas em vigor desde 16 de Outubro de 1995) Regulamento n.º 109 (Adenda n.º 108) Decreto n.º 10/2002 Regulamento n.º 109, sobre as disposições uniformes relativas à homologação do fabrico de pneus recauchutados a utilizar nos automóveis de mercadorias, pesados de passageiros e respectivos

Leia mais

(revisão 2, incluindo as emendas em vigor desde 16 de Outubro de 1995) Regulamento n.º 108 (Adenda n.º 107)

(revisão 2, incluindo as emendas em vigor desde 16 de Outubro de 1995) Regulamento n.º 108 (Adenda n.º 107) Decreto n.º 9/2002 Regulamento n.º 108, sobre disposições uniformes relativas à homologação do fabrico de pneus recauchutados para os automóveis ligeiros de passageiros e seus reboques Nos termos da alínea

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO PORTARIA Nº 5, DE 14 DE JANEIRO DE 2000 O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 133, de 27 de Setembro de 2001. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 2642-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 136 15 de Julho de 2010 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto-Lei n.º 86-A/2010 de 15 de Julho O presente decreto -lei transpõe para

Leia mais

A nova Etiqueta UE para pneus: A explicação ativa. Com conhecimento técnico. Para que o seu Volkswagen seja sempre um Volkswagen Volkswagen Service

A nova Etiqueta UE para pneus: A explicação ativa. Com conhecimento técnico. Para que o seu Volkswagen seja sempre um Volkswagen Volkswagen Service A nova Etiqueta UE para pneus: A explicação ativa. Com conhecimento técnico. Para que o seu Volkswagen seja sempre um Volkswagen Volkswagen Service Conduza em segurança e poupe energia. A introdução da

Leia mais

MANUAL DE REFORMA SEÇÃO UM

MANUAL DE REFORMA SEÇÃO UM MANUAL DE REFORMA SEÇÃO UM PNEU RADIAL DE CARGA, BÁSICO Pagina 1 de 7 1.1 MATERIAIS USADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM PNEU RADIAL CARGA São usados diferentes tipos de componentes e compostos de borracha para

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial-INMETRO Portaria nº 35, de 05 de março de 2001 O Presidente do Instituto

Leia mais

Portaria n.º 554, de 29 de outubro de 2015.

Portaria n.º 554, de 29 de outubro de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 554, de 29 de outubro de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

Elementos constituintes essenciais de um pneu A figura 1 repesenta um pneu e tem por objectivo ilustrar a sua constituição.

Elementos constituintes essenciais de um pneu A figura 1 repesenta um pneu e tem por objectivo ilustrar a sua constituição. Introdução Os pneus constituem o único meio que assegura a transferência de forças entre o pavimento e o veículo. De facto, é nos pneus que se produzem as forças que são necessárias ao controlo do veículo.

Leia mais

Como ler a marcação de um pneu?

Como ler a marcação de um pneu? Como ler a marcação de um pneu? A marcação de um pneu corresponde às indicações inscritas no flanco de um pneu. Além do nome da marca e da gama podes ler também a dimensão e as características do pneu:

Leia mais

Recomendamos esta seção caso queira se familiarizar mais com o mundo dos pneus automotivos.

Recomendamos esta seção caso queira se familiarizar mais com o mundo dos pneus automotivos. Tudo sobre pneus Aprendendo sobre o pneu Pirelli A experiência de mais de cem anos produzindo tecnologias para pneus permitiu à Pirelli combinar em seus produtos níveis máximos de segurança, longevidade,

Leia mais

Pneumáticos Industriais. Pneus especializados para máxima eficiência.

Pneumáticos Industriais. Pneus especializados para máxima eficiência. Pneumáticos Industriais. Pneus especializados para máxima eficiência. Pneumáticos Industriais da Continental Os pneumáticos industriais da Continental proporcionam conforto em todas as superfícies e, como

Leia mais

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional Metrologia, Normalização e Qualida Industrial - INMETRO Portaria n.º 194, 27 zembro 1996. O Presinte do Instituto Nacional Metrologia,

Leia mais

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR INTRODUÇÃO O Atleta na Escola tem como premissas a democratização do acesso ao esporte e o incentivo da prática esportiva na escola. Neste ano, o Programa de Formação

Leia mais

«Conselhos de segurança» Para utilização de pneus turismo, comerciais e 4x4 na Europa. Grupo Michelin setembro 2004

«Conselhos de segurança» Para utilização de pneus turismo, comerciais e 4x4 na Europa. Grupo Michelin setembro 2004 «Conselhos de segurança» Para utilização de pneus turismo, comerciais e 4x4 na Europa Grupo Michelin setembro 2004 Introdução Os pneus constituem os únicos pontos de contacto entre o veículo e o solo.

Leia mais

10 dicas para uma condução mais ecológica

10 dicas para uma condução mais ecológica A Campanha Torne os Automóveis Mais Ecológicos procura reduzir o impacto dos carros no meio ambiente bem como ajudar a que os condutores pensem ecologicamente antes de conduzirem. 10 dicas para uma condução

Leia mais

PNEUS REFORMADOS AUTOMOTIVO e EMPRESAS DE REFORMAS DE PNEUS. Portarias Inmetro 227/2006, 272/2008, 444/2010 e 019/2012

PNEUS REFORMADOS AUTOMOTIVO e EMPRESAS DE REFORMAS DE PNEUS. Portarias Inmetro 227/2006, 272/2008, 444/2010 e 019/2012 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

ORGANISMOS DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS

ORGANISMOS DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS Pág. 1 de 6 1. OBJECTIVO O presente documento tem como objetivo definir o serviço de acreditação para o setor Organismos de Inspeção de Veículos (OIV) inserido no esquema de acreditação de organismos de

Leia mais

Segurança dos Pneus. Data de validade

Segurança dos Pneus. Data de validade Segurança dos Pneus Dirigimos diariamente e quase nunca prestamos atenção a uma das partes mais importantes do automóvel, O PNEU. Veja a seguir como ler e entender a fabricação e o uso correto de um pneu.

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE DRAG RACE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DRAG RACE DIANTEIRA DD 1- REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos os pilotos deverão ter

Leia mais

Pedro Rocha 2015-10-15

Pedro Rocha 2015-10-15 Pedro Rocha 2015-10-15 Circulação O veiculo não pode sair do centro para se posicionar nas linhas ou áreas de inspeção Via de fuga Evitar o cruzamento de veículos 2 As linhas devem ser estruturadas para

Leia mais

Tudo o que precisa saber sobre pneus. Ideias e sugestões para manter a segurança.

Tudo o que precisa saber sobre pneus. Ideias e sugestões para manter a segurança. Tudo o que precisa saber sobre pneus. Ideias e sugestões para manter a segurança. Índice A parte mais importante do seu automóvel, não é o motor. Pneus 3 Pneus da Continental 4 Manutenção dos pneus 5 Estragos

Leia mais

Leia com atenção este termo de garantia, mantenha-o ao seu alcance e consulte-o sempre que surgir dúvidas. TERMO DE GARANTIA

Leia com atenção este termo de garantia, mantenha-o ao seu alcance e consulte-o sempre que surgir dúvidas. TERMO DE GARANTIA Leia com atenção este termo de garantia, mantenha-o ao seu alcance e consulte-o sempre que surgir dúvidas. TERMO DE GARANTIA A Maggion Inds. de Pneus e Máquinas Ltda. garante, por um período de 5 ( cinco

Leia mais

12 DICAS IMPORTANTES PARA MELHORAR O DESEMPENHO DOS PNEUS DO SEU CAMINHÃO

12 DICAS IMPORTANTES PARA MELHORAR O DESEMPENHO DOS PNEUS DO SEU CAMINHÃO 12 DICAS IMPORTANTES PARA MELHORAR O DESEMPENHO DOS PNEUS DO SEU CAMINHÃO COMEÇANDO PELOS JÁ FAMOSOS 5 LADRÕES DE KM O custo com pneus é um dos itens mais pesados na planilha de custo de um transportador,

Leia mais

Quatro novas dimensões em 25 polegadas. A Michelin amplia a sua gama de pneus de engenharia civil

Quatro novas dimensões em 25 polegadas. A Michelin amplia a sua gama de pneus de engenharia civil INFORMAÇÃO DE IMPRENSA 23/09/2013 Quatro novas dimensões em 25 polegadas A Michelin amplia a sua gama de pneus de engenharia civil O pneu MICHELIN XTXL está disponível nas dimensões 26.5R25 e 29.5R25 para

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PNEUS REFORMADOS

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PNEUS REFORMADOS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Conselhos de utilização para os pneus BFGoodrich

Conselhos de utilização para os pneus BFGoodrich Conselhos de utilização para os pneus BFGoodrich INTRODUÇÃO 1 Os pneus constituem os únicos pontos de contacto entre o veículo e o solo. Devem ser cuidados a fim de preservar a qualidade das suas performances.

Leia mais

de limpeza frontal com corrente

de limpeza frontal com corrente GRELHA MECÂNICA DE BARRAS de limpeza frontal com corrente tipo GV ou GSV Aplicações As águas de descarga civis podem conter vários lixos. Tudo o que puder ser deitado no esgoto, e mesmo o que não se puder,

Leia mais

Categoria Desafio IMPORT

Categoria Desafio IMPORT Categoria Desafio IMPORT 1 - NORMAS TÉCNICAS: A categoria Desafio IMPORT deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 2 - DEFINIÇÃO: a) Poderão participar desta categoria veículos

Leia mais

Venda de pneus de mota. Enchimento de pneus a nitrogénio

Venda de pneus de mota. Enchimento de pneus a nitrogénio Venda de pneus novos - ligeiros, comerciais, pesados, agrícolas e industriais Venda de pneus de mota Venda de jantes Enchimento de pneus a nitrogénio AS RODAS INSUFLADAS COM NITROGÉNIO ATINGEM MENOR TEMPETRATURA.

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança) Condução consciente A condução consciente e tranquila depende em grande parte de quem está ao volante. Cada um tem a responsabilidade de melhorar a sua segurança e a dos outros. Basta estar atento e guiar

Leia mais

M7 Estantes para picking

M7 Estantes para picking M7 Estantes para picking 2 PICKING M7 PARA CARGA MÉDIA E GRANDE Sistema de armazenagem de produtos para picking manual que segue o princípio homem a produto. Principais vantagens: - Possibilidade de armazenar

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO ENDURANCE CLASSICS SERIES:

REGULAMENTO TÉCNICO ENDURANCE CLASSICS SERIES: REGULAMENTO TÉCNICO ENDURANCE CLASSICS SERIES: 1-. MODELOS ADMITIDOS: NSR Ford GT 40 MKIV Ford GT 40 MKII Ford P-68 Porsche 917 SLOT.IT Chaparral 2.E Alfa Romeo 33/3 Ferrari 312 PB 2-. CHASSIS A. É permitido

Leia mais

GUIA DA LEGISLAÇÃO COMUNITÁRIA INDÚSTRIA AUTOMÓVEL

GUIA DA LEGISLAÇÃO COMUNITÁRIA INDÚSTRIA AUTOMÓVEL GUIA DA LEGISLAÇÃO COMUNITÁRIA INDÚSTRIA AUTOMÓVEL AFIA Setembro 2010 Guia elaborado no âmbito do INO_COOP Programa de dinamização de factores intangíveis de competitividade das empresas fornecedoras da

Leia mais

Despacho n.º 5392/99 (2ª série) de 16 de Março. Classificação das deficiências observadas nas inspecções de veículos

Despacho n.º 5392/99 (2ª série) de 16 de Março. Classificação das deficiências observadas nas inspecções de veículos Despacho n.º 5392/99 (2ª série) de 16 de Março Classificação das deficiências observadas nas inspecções de veículos A classificação de deficiências nas inspecções periódicas obrigatórias aos veículos automóveis

Leia mais

Painel Setorial Pneus reformados para motocicleta Claudinir Chiomento Caio Rio de Janeiro, 26/11/2012

Painel Setorial Pneus reformados para motocicleta Claudinir Chiomento Caio Rio de Janeiro, 26/11/2012 Painel Setorial Pneus reformados para motocicleta Claudinir Chiomento Caio Rio de Janeiro, 26/11/2012 VIPALTEC GRUPO VIPAL CPT Centro de Pesquisa e Tecnologia Vipal GRUPO VIPAL GRUPO VIPAL Fábrica 1 Borrachas

Leia mais

ÍNDICE DE APRESENTAÇÃO: -OBJETIVO DO TESTE -METODOS UTILIZADOS -RESULTADOS. www.oter.com.br

ÍNDICE DE APRESENTAÇÃO: -OBJETIVO DO TESTE -METODOS UTILIZADOS -RESULTADOS. www.oter.com.br ÍNDICE DE APRESENTAÇÃO: -OBJETIVO DO TESTE -METODOS UTILIZADOS -RESULTADOS www.oter.com.br OBJETIVOS: Para fixação de Rodas em veículos de transportes utiliza-se de porcas comuns para a fixação da roda

Leia mais

Manual do. Proprietário MICHELIN

Manual do. Proprietário MICHELIN Manual do Proprietário MICHELIN Parabéns Você acaba de adquirir um pneu MICHELIN, sua marca de confiança que agrega a mais alta tecnologia para lhe proporcionar o máximo e m c o n f o r t o, p e r f o

Leia mais

MÁQUINAS DE EQUILÍBRIO

MÁQUINAS DE EQUILÍBRIO MÁQUINAS DE EQUILÍBRIO MFPINTO IMPORT. EXPORT. DE PEÇAS, S.A. CMT - 47 Tr Polimer A CMT - 47 Tr Polimer, é uma máquina de equilíbrio de última geração. Esta máquina possibilita o equilíbrio de um elevado

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 013, de 13 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Kit de Carregador de Bicicleta Nokia. Edição 3.0

Kit de Carregador de Bicicleta Nokia. Edição 3.0 Kit de Carregador de Bicicleta Nokia 2 3 6 1 4 5 8 7 9 10 11 Edição 3.0 12 13 15 14 16 17 18 20 19 21 22 PORTUGUÊS 2010 Nokia. Todos os direitos reservados. Introdução Com o Kit de Carregador de Bicicleta

Leia mais

A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros:

A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros: ANEXO IV - RESOLUÇÃO Nº 035/2007/CD/FNDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA ESPECIFICAÇÕES A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros:

Leia mais

Benefícios. Design compacto. Facilidade de acesso a todos componentes para manutenção.

Benefícios. Design compacto. Facilidade de acesso a todos componentes para manutenção. Equipamento-padrão Dispositivo para descida de emergência manual Carregador de bateria com desativação automática Alerta de bateria baixa Desativação de bateria Inclinômetro com bloqueio e alarme Sensor

Leia mais

Decreto-Lei n.º 58/2004 de 19 de Março

Decreto-Lei n.º 58/2004 de 19 de Março Decreto-Lei n.º 58/2004 de 19 de Março Com a publicação do presente diploma transpõe-se para o direito interno a Directiva n.º 2001/85/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Novembro, no que

Leia mais

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT REGRAS OFICIAIS 1. O CAMPO 1.1. A área de jogo é um rectângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este rectângulo será

Leia mais

O dimensionamento do Sistema de Ventilação apresentado, define as características dos jato-ventiladores necessárias para a operação do Sistema.

O dimensionamento do Sistema de Ventilação apresentado, define as características dos jato-ventiladores necessárias para a operação do Sistema. 1.OBJETIVO O dimensionamento do Sistema de Ventilação apresentado, define as características dos jato-ventiladores necessárias para a operação do Sistema. Os critérios operacionais estão definidos nas

Leia mais

SSR- Pneus Montagem e desmontagem

SSR- Pneus Montagem e desmontagem www.conti-online.com SSR- Pneus Montagem e desmontagem Pneus para automóveis Copyright 2006 Continental AG. Todos os direitos reservados. SSR- Pneus da Continental Vantagens dos Pneus SSR acontecerá a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08)

RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08) RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08) Estabelece os equipamentos obrigatórios para a frota de veículos em circulação e dá outras providências.

Leia mais

Fora de Estrada. Você economiza e a natureza agradece RECAPAGENS SUSTENTÁVEIS HOFF

Fora de Estrada. Você economiza e a natureza agradece RECAPAGENS SUSTENTÁVEIS HOFF RECAPAGENS SUSTENTÁVEIS HOFF Fora de Estrada Você economiza e a natureza agradece Reforma de pneus fora de estrada com tecnologia e compostos especiais que prolongam a vida da carcaça, reduzem o custo

Leia mais

Fórmula nacional. Nova estrela da GM Sonic chega ao Brasil em junho nas versões sedã e hatch {pág 10}

Fórmula nacional. Nova estrela da GM Sonic chega ao Brasil em junho nas versões sedã e hatch {pág 10} Nova estrela da GM Sonic chega ao Brasil em junho nas versões sedã e hatch {pág 10} Quinta-feira, 24 de maio de 2012 Edição Especial Guia de pneus Saiba como identificar a melhor alternativa para seu veículo

Leia mais

RESOLUÇÃO N 540, DE 15 DE JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO N 540, DE 15 DE JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO N 540, DE 15 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre o conjunto roda e pneu sobressalente de uso temporário e sistemas alternativos. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO (CONTRAN), no uso das atribuições legais

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Capacidade de Elevação 130t PÁGINA 01 GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Comprimento da extensão total da lança principal de 60m, perfil U, placa de aço WELDOX de alta resistência.

Leia mais

automóveis e caminhonetes Pneus para automóveis e caminhonetes.

automóveis e caminhonetes Pneus para automóveis e caminhonetes. automóveis e caminhonetes Pneus para automóveis e caminhonetes. Fate Tecnologia em pneus Na província de Buenos Aires, em San Fernando, está sediada a principal produtora e exportadora de pneus da Argentina.

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE RECONSTRUÇÃO DE PNEU RADIAL E DIAGONAL PARA VEÍCULOS COMERCIAIS

MANUAL TÉCNICO DE RECONSTRUÇÃO DE PNEU RADIAL E DIAGONAL PARA VEÍCULOS COMERCIAIS MANUAL TÉCNICO DE RECONSTRUÇÃO DE PNEU RADIAL E DIAGONAL PARA VEÍCULOS COMERCIAIS www.pirelli.com.br MANUAL TÉCNICO DE RECONSTRUÇÃO NOVATECK ÍNDICE 1. TIPOS DE CONSTRUÇÃO 1.1. Nomenclatura das principais

Leia mais

VW CADDY Especial TPMR

VW CADDY Especial TPMR VW CADDY Especial TPMR VW Caddy Maxi versão CONFORT Transvetra Transformação de Veículos, Lda Janeiro 2011 1 Introdução A transformação apresentada pela Transvetra é baseada nos kits desenvolvidos pela

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL nº 060, de 03 de maio de 2000.

Leia mais

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo 8 de Março de 2010 Regulamentação técnica para a aprovação de veículos eléctricos 1 ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 7 HOMOLOGAÇÃO DE VEÍCULOS ELÉCTRICOS - ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

Dados Técnicos e Equipamentos. Polo

Dados Técnicos e Equipamentos. Polo Dados Técnicos e Equipamentos Polo POLO Motores 1.2 (60cv) 1.2 (70cv) 1.2 TSI (90cv) 1.2 TSI (105cv) 1.4 TSI (140cv) 1.4 TSI (180cv) com sistema ACT Motor, Tipo de motor 3 cilindros, Gasolina 3 cilindros,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PROCEDIMENTO DE INSPECÇÃO N.º 05 EIXOS, SUSPENSÃO, RODAS E PNEUS, TRANSMISSÃO ÍNDICE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PROCEDIMENTO DE INSPECÇÃO N.º 05 EIXOS, SUSPENSÃO, RODAS E PNEUS, TRANSMISSÃO ÍNDICE IMPRESSO No. 01 [Cópia não controlada quando impressa * Proibida a sua tradução ou reprodução parcial ou total sem a permissão do seu autor] 1 / 29 ÍNDICE N.º ASSUNTO Índice 1 1 Objectivo 2 2 Âmbito 2

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 1 SSC MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 ANDAIME FACHADEIRO CONTRATANTE: Nopin Brasil Equipamentos para Construção Civil Ltda ENDEREÇO: Rodovia RS 122 nº 7470 Pavilhões 10 e 11 95110-310 Caxias do Sul - RS

Leia mais

Linha PNEUS. Produzidos no BRASIL OTR RESISTENTE. CONFIÁVEL. FEITO PARA DURAR.

Linha PNEUS. Produzidos no BRASIL OTR RESISTENTE. CONFIÁVEL. FEITO PARA DURAR. Linha PNEUS OTR Produzidos no BRASIL RESISTENTE. CONFIÁVEL. FEITO PARA DURAR. A FORÇA DA NOSSA GARRA TITAN MOVE O MUNDO FORA DE ESTRADA. A Titan Pneus do Brasil está sempre empenha em oferecer produtos

Leia mais

Continental Truck Tires Tabela de preços Nº 35. 1 de Janeiro de 2015. www.continental.pt

Continental Truck Tires Tabela de preços Nº 35. 1 de Janeiro de 2015. www.continental.pt Continental Truck Tires Tabela de preços Nº 35 1 de Janeiro de 2015 www.continental.pt ÍNDICE Marcação de um pneu... Pág. 04 ContiPressureCheck TM... Pág. 05 Gama de Pneus... Pág. 06 Informação Prática...

Leia mais

114-1 PAG. 1-6 MÁQUINAS DE DESMONTAR E MONTAR PNEUS "MOTOS" MÁQUINAS DE DESMONTAR E MONTAR PNEUS "LIGEIROS" 3.280,00 2.525,00 1.640,00 260,00 2.

114-1 PAG. 1-6 MÁQUINAS DE DESMONTAR E MONTAR PNEUS MOTOS MÁQUINAS DE DESMONTAR E MONTAR PNEUS LIGEIROS 3.280,00 2.525,00 1.640,00 260,00 2. PAG. 1-6 MÁQUINAS DE DESMONTAR E MONTAR PNEUS "MOTOS" UPH A22 & BPS X21 TECO 21 - Máquina Semi- para Motos e Scouter (Jantes de 5"-23") com braço de bandeira e Lubrificador Automático. Inclui pistola IG.P,

Leia mais

Catálogo de Pneus. Linha Leve

Catálogo de Pneus. Linha Leve Catálogo de Pneus Linha Leve Você está recebendo o catálogo de pneus da linha leve da Ambra Pneus. Nele você vai encontrar o mais completo mix de produtos com o que há de mais seguro em tecnologia de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. CARLOS GUERRA AUTO-ESTRADAS DO ATLANTICO, S.A.. FERNANDO PALMA RUIVO DIRECTOR TÉCNICO, CERTIPROJECTO, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII 1. Foi criado o conceito de «Utilizadores vulneráveis»: Peões e velocípedes, em particular, crianças, idosos, grávidas, pessoas com mobilidade reduzida ou pessoas com deficiência. (artigo 1.º) Tendo em

Leia mais

Você economiza e a natureza agradece

Você economiza e a natureza agradece RECAPAGENS SUSTENTÁVEIS HOFF Linha agrícola Você economiza e a natureza agradece Reforma de pneus agrícolas com tecnologia e compostos especiais que prolongam a vida da carcaça, reduzem o custo pneu/safra

Leia mais

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais.

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais. Parabond Zinco Produto elástico para todo tipo de metais. Produto: Parabond Zinco é um elastómero de alta qualidade, de rápido endurecimento, permanentemente elástico, à base de MS polímero com elevada

Leia mais

Pneus para camiões e autocarros Noções para optimizar o desempenho dos seus pneus

Pneus para camiões e autocarros Noções para optimizar o desempenho dos seus pneus Pneus para camiões e autocarros Noções para optimizar o desempenho dos seus pneus Índice Índice Nota do editor O conteúdo desta publicação é meramente informativo e não tem carácter vinculativo. A Continental

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTO Pneus Fora de Estrada Radiais e Diagonais

CATÁLOGO DE PRODUTO Pneus Fora de Estrada Radiais e Diagonais CATÁLOGO DE PRODUTO s Fora de Estrada Radiais e Diagonais ÍNDICE GOODYEAR... 03 Tecnologia Hi-Stability... 04 Tecnologia de Produção... 05 Componentes principais Tipos de construção de carcaça Composto

Leia mais

Opel Corsavan. Sistema de travagem antibloqueio. Carga útil máxima até 475 kg. Volume máximo do compartimento de carga: 0,92 m 3

Opel Corsavan. Sistema de travagem antibloqueio. Carga útil máxima até 475 kg. Volume máximo do compartimento de carga: 0,92 m 3 Opel Corsavan Opel Corsavan Com uma aparência desportiva excepcional, o Opel Corsavan é uma clara afirmação de estilo para qualquer empresa que se preocupe com a imagem. Apresenta um design dianteiro

Leia mais

veículos de capacidade e cinqüenta

veículos de capacidade e cinqüenta 12 CATEGORIA PRO MOD PM 12.1) DEFINIÇÃO: Participam destas categorias veículos bipostos nacionais e importados, turismo, de produção em série, réplicas e protótipos, coupê, sedan ou pick upp de 2, 3, 4

Leia mais

ELEVADORES DE CARGA. Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE.

ELEVADORES DE CARGA. Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE. Elevadores de Carga Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE. Os Elevadores de Carga foram concebidos para elevar e colocar cargas por um só operador.

Leia mais

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções Spot Picker V 0.1 Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Lda Rua D. Luís de Noronha n.º 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel. (+351)

Leia mais

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SOIL COMPOSITE /CONCRETE SYSTEMS: CHARACTERIZATION OF THE GEOCOMPOSITE- SOIL INTERFACE Carlos, Karina Gonçalves, UM, Guimarães,

Leia mais

Outro componente, com a forma de um arco, é denominado talão. Serve para encaixar na jante do veículo.

Outro componente, com a forma de um arco, é denominado talão. Serve para encaixar na jante do veículo. Como um pneu é fabricado COMO UM PNEU É FABRICADO Mistura Matérias-primas, que incluem pigmentos, químicos e até 30 tipos diferentes de borracha são misturados em misturadores gigantes, designados por

Leia mais

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO DE RALIS CENTRO 2014

REGULAMENTO DO CAMPEONATO DE RALIS CENTRO 2014 REGULAMENTO DO CAMPEONATO DE RALIS CENTRO 2014 REGULAMENTO I - ORGANIZAÇÃO DO CAMPEONATO Art. 1 - A Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK) organiza em 2014 uma manifestação desportiva denominada

Leia mais

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO Novembro de 2011 Índice 1. Regras básicas na realização da experiência... 2 2. Objectivos das experiências... 3 3. Descrição do equipamento... 4 3.1. Torre... 5 3.2. Pulverizadores

Leia mais

PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES

PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES 1.1.NORMAS TÉCNICAS PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES As categorias da Corrida de jerico deverão seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 1.2.DEFINIÇÃO

Leia mais

DESCRIÇÃO DE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CATEGORIAS C E D E SUBCATEGORIAS C1 E D1

DESCRIÇÃO DE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CATEGORIAS C E D E SUBCATEGORIAS C1 E D1 DESCRIÇÃO DE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CATEGORIAS C E D E SUBCATEGORIAS C1 E D1 1 Automóveis pesados: Identificar os diversos tipos e suas características. 1.1 - Sua definição. 2 Constituintes do veículo,

Leia mais

Configuração do trem de aterragem (1)

Configuração do trem de aterragem (1) Trem de Aterragem O trem de aterragem é um sistema de extrema importância, uma vez que permite a operação da aeronave no solo; O trem tem que ser colocado numa posição adequada para que proporcione estabilidade

Leia mais

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05.

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05. Índice: A Proposta da IAAF 03 Campeonato para 3-5 anos de idade 03 Formato da Competição 04 Organização da Competição 05 Resultados 06 Arbitragem necessária para o Evento 07 Preparação do Equipamento Necessário

Leia mais

Portaria n.º 851/94 de 22 de Setembro. Características das Luzes dos Veículos

Portaria n.º 851/94 de 22 de Setembro. Características das Luzes dos Veículos Portaria n.º 851/94 de 22 de Setembro Características das Luzes dos Veículos O n.º 2 do artigo 80.º, do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, determina que, por regulamento,

Leia mais

SISTEMAS DE PROTEÇÃO PASSIVA PORTAS RESISTENTES AO FOGO

SISTEMAS DE PROTEÇÃO PASSIVA PORTAS RESISTENTES AO FOGO PORTAS RESISTENTES AO FOGO OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para cumprimento do RJ-SCIE mas, também,

Leia mais

REGIONAL SÃO PAULO II REGIONAL SÃO PAULO I. Av. Paulista, 854 9º Andar - Cerqueira Cesar 01310-913 - São Paulo - SP Fones: (11) 3281-4400 / 3281-4403

REGIONAL SÃO PAULO II REGIONAL SÃO PAULO I. Av. Paulista, 854 9º Andar - Cerqueira Cesar 01310-913 - São Paulo - SP Fones: (11) 3281-4400 / 3281-4403 s Radiais G SG-B REGIONAL SÃO PAULO I Av. Paulista, 854 9º Andar - Cerqueira Cesar 01310-913 - São Paulo - SP Fones: (11) 381-4400 / 381-4403 REGIONAL SÃO PAULO II Rua General Glicério, 3173 Sala 81-8º

Leia mais

Nível 4 Nível Operacional. Tema 4 Condução Económica e Ecológica Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 4 Nível Operacional. Tema 4 Condução Económica e Ecológica Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA CONSTITUINTES DO AUTOMÓVEL Níveis GDE: Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 4 Condução Económica e Ecológica Tema 7 Controlo do Veículo Síntese informativa: Definição de veículo

Leia mais

METALÚRGICA MORAIS & FILHOS, S.A.

METALÚRGICA MORAIS & FILHOS, S.A. POLIBENNE PLB 40 METALÚRGICA MORAIS & FILHOS, S.A. CONSTRUÇÃO O POLIBENNE PLB 40 Este equipamento foi desenvolvido para o manuseamento de cargas, dos mais variados tipos e que se encontram acondicionados

Leia mais

MICHELIN A melhor forma de avançar

MICHELIN A melhor forma de avançar MICHELIN A melhor forma de avançar ar COMPONENTES PARA VEÍCULOS ELÉCTRICOS Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 8 de Março o de 2010 MICHELIN NO MUNDO 68 centros de produção em 19 países: Argélia Alemanha

Leia mais

NUMERO N 1 INTRODUCAO

NUMERO N 1 INTRODUCAO NUMERO N 1 INTRODUCAO A disciplinação de cargas por eixo no Brasil foi introduzida pelo Estado de São Paulo, em 1960, que introduziu lei sobre o peso bruto dos veículos. Em 1961, o governo Federal baixou

Leia mais

USO & MANUTENÇÃO DE PNEUS

USO & MANUTENÇÃO DE PNEUS USO & MANUTENÇÃO DE PNEUS O QUE É O PNEU... É UM ELO DE LIGAÇÃO ENTRE O VEÍCULO E O SOLO FUNÇÕES DO PNEU SUPORTAR A CARGA ASSEGURAR A TRANSMISSÃO DA FORÇA MOTRIZ GARANTIR A DIRIGIBILIDADE DO VEÍCULO RESPODER

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: MMA/IBAMA Data: 20/08/2008 Processo n 02000.000611/2004-15 Assunto: Proposta de revisão da Resolução nº 258/99, que determina

Leia mais

Conselhos de utilização para os pneus MICHELIN

Conselhos de utilização para os pneus MICHELIN 1 Conselhos de utilização para os pneus MICHELIN INTRODUÇÃO Os pneus constituem os únicos pontos de contacto entre o veículo e o solo. Devem ser cuidados a fim de preservar a qualidade das suas performances.

Leia mais