Sociedade Polis Litoral Ria de Aveiro, S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sociedade Polis Litoral Ria de Aveiro, S.A."

Transcrição

1 Sociedade Polis Litoral Ria de Aveiro, S.A. Volume 1 Mai-2010 Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro Relatório Ambiental Final

2

3 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro Volume I - Relatório Ambiental Final Volume II - Resumo Não Técnico ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Identificação da Equipa Técnica 3 3. Avaliação Ambiental: Processo e Metodologia Enquadramento legal Abordagem metodológica Faseamento Descrição do Plano Enquadramento geográfico Breve caracterização da área de intervenção Visão e objectivos Eixos estratégicos e tipologias de intervenção Plano de Intervenção Projectos complementares 29 Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e i Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

4 4.7. Relações com Instrumentos de Gestão Territorial Servidões e restrições Quadro de Referência Estratégico Documentos Estratégicos Instrumentos de Gestão Territorial Âmbito da Avaliação Ambiental Factores Críticos de Decisão e Objectivos Ambientais Pareceres das entidades sobre o âmbito da Avaliação Ambiental Pareceres das entidades sobre o Relatório Ambiental Preliminar Principais resultados da Consulta Pública Avaliação Ambiental do Plano Estratégico Dinâmica costeira e riscos ambientais (FCD 1) Situação actual e tendências de evolução Efeitos significativos, riscos, oportunidades e medidas específicas Recursos Hídricos (FCD 2) Situação actual e tendências de evolução Efeitos significativos, riscos, oportunidades e medidas específicas Conservação da Natureza e Preservação da Paisagem (FCD3) Situação actual e tendências de evolução Efeitos significativos, riscos, oportunidades e medidas específicas Competitividade e Desenvolvimento Sustentável (FCD 4) Situação actual e tendências de evolução Efeitos significativos, riscos, oportunidades e medidas específicas Cenários Alternativos de Desenvolvimento Cenário A Descrição 152 ii Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

5 Riscos Oportunidades Cenário B Descrição Riscos Oportunidades Avaliação Global Riscos Oportunidades Concretização de Objectivos Ambientais e de Desenvolvimento Sustentável Avaliação de Incidências Ambientais Introdução Identificação dos estudos ambientais a desenvolver em fases posteriores à de AAE Análise de efeitos sobre os objectivos de conservação das áreas classificadas Avaliação da significância dos impactes esperados dos projectos/acções previstos no PEIRVRA Recomendações Recomendações relativas ao Plano em geral Recomendações específicas a projectos Programa de Gestão e Monitorização Medidas de Gestão Sistema de Indicadores de Desenvolvimento Sustentável Nota Conclusiva 241 Bibliografia 245 Anexo 1 Desenhos 251 Anexo II Quadros de Apoio 285 Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e iii Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

6 Anexo III Quadro de Referência Estratégico: Objectivos gerais e específicos 307 Anexo IV Conservação da Natureza e da Biodiversidade: Breve caracterização 341 Anexo V Pareceres sobre a Proposta de Definição de Âmbito 367 iv Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

7 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 2.1 Composição da Equipa Técnica 3 Quadro Identificação de tendências e evolução da situação actual na ausência do plano para cada Factor Crítico de Decisão (FCD) 13 Quadro Avaliação de efeitos significativos, identificação de oportunidades e riscos e medidas específicas para cada Factor Crítico de Decisão (FCD) 13 Quadro Métrica para avaliação de oportunidades e riscos 14 Quadro Pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças da Ria de Aveiro (Análise SWOT) 23 Quadro Eixos estratégicos do PEIRVRA e respectivas tipologias de intervenção 26 Quadro Projectos/acções inseridos no Plano de Intervenção do PEIRVRA por eixo estratégico 27 Quadro Correspondência entre Factores Críticos de Decisão e domínios ambientais (DL 232/2007) 37 Quadro Correspondência entre Factores Críticos de Decisão e Objectivos Gerais/Eixos Estratégicos do PEIRVRA 38 Quadro Relação entre Objectivos Ambientais Relevantes e Quadro de Referência Estratégico, por Factor Crítico de Decisão (FCD) 39 Quadro Dinâmica Costeira e Riscos Ambientais (FCD 1): Identificação de tendências de evolução da situação actual na ausência do plano 65 Quadro Dinâmica Costeira e Riscos Ambientais (FCD 1): Avaliação de efeitos significativos, identificação de oportunidades e riscos e medidas específicas 71 Quadro Recursos Hídricos (FCD 2): Identificação de tendências de evolução da situação actual na ausência do plano 83 Quadro Recursos Hídricos (FCD 2): Avaliação de efeitos significativos, identificação de oportunidades e riscos e medidas específicas 95 Quadro Áreas do Sistema nacional de Áreas Classificadas (SNAC) incluídas no Plano 101 Quadro Distribuição do mosaico de habitats pelos sistemas considerados 102 Quadro Habitats naturais presentes na área de intervenção do PEIRVRA 103 Quadro Zonas húmidas inventariadas na área de intervenção do PEIRVRA 105 Quadro Conservação da Natureza e Preservação da Paisagem (FCD 3): Identificação de tendências de evolução da situação actual na ausência do plano 107 Quadro Conservação da Natureza e Preservação da Paisagem (FCD 3): Avaliação de efeitos significativos e identificação de riscos, oportunidades e medidas específicas 119 Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e v Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

8 Quadro Competitividade Territorial e Desenvolvimento Sustentável (FCD 4): Identificação de tendências de evolução da situação actual na ausência do plano 127 Quadro Competitividade Territorial e Desenvolvimento Sustentável (FCD 4): Avaliação de efeitos significativos, identificação de oportunidades e riscos e medidas específicas 143 Quadro N.º de riscos de grau elevado e moderado por Factor Crítico de Desisão segundo o cenário alternativo de desenvolvimento 166 Quadro Matriz de Riscos e Oportunidades (de grau elevado e médio) associados aos cenários alternativos de desenvolvimento (A, B e C) 167 Quadro N.º de oportunidades de grau elevado e moderado por Factor Crítico de Desisão segundo o cenário alternativo de desenvolvimento 174 Quadro Contributo para a concretização dos Objectivos Ambientais Relevantes por Factor Crítico de Desisão segundo o cenário alternativo de desenvolvimento 175 Quadro Necessidade de estudos ambientais complementares e análise preliminar de incidências 181 Quadro Acções/Projectos previstos no PEIRVRA na área do SIC Barrinha de Esmoriz/Lagoa de Paramos 185 Quadro Acções/Projectos previstos no PEIRVRA na área do SIC Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas 187 Quadro Acções/Projectos previstos no PEIRVRA na área da ZPE Ria de Aveiro (excluem-se as acções/projectos referidos no âmbito de outras áreas de conservação) 193 Quadro Efeitos do PEIRVRA nos objectivos de conservação das áreas classificadas 205 Quadro Avaliação da significância dos impactes esperados dos projectos/acções previstos no PEIRVRA 211 Quadro II.1 Códigos dos projectos/acções inseridos no Plano de Intervenção do PEIRVRA 287 Quadro II.2 Freguesias abrangidas pela área de intervenção do PEIRVRA 289 Quadro II.3 Indicadores socioeconómicos seleccionados para os concelhos abrangidos pelo PEIRVRA (População, Famílias, Habitação, Edifícios, Desemprego, Agricultura e Turismo) 291 Quadro II.4 Indicadores seleccionados de pesca, aquicultura e salinicultura Região Centro 293 Quadro II.5 Dotação em equipamentos colectivos das freguesias de Águeda e Albergaria-a-Velha abrangidas pelo PEIRVRA (2002) 295 Quadro II.6 Dotação em equipamentos colectivos das freguesias de Aveiro e Estarreja abrangidas pelo PEIRVRA (2002) 297 Quadro II.7 Dotação em equipamentos colectivos das freguesias de Ílhavo, Murtosa, Oliveira do Bairro e Ovar abrangidas pelo PEIRVRA (2002) 299 vi Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

9 Quadro II.8 Dotação em equipamentos colectivos das freguesias de Sever do Vouga, Vagos, Mira e Espinho abrangidas pelo PEIRVRA (2002) 301 Quadro II.9 Principais realizações que estarão associadas ao PEIRVRA, por factor crítico de decisão (FCD) 303 Quadro II.10 Principais efeitos esperados do PEIRVRA, por factor crítico de decisão (FCD) 305 Quadro III.1. Objectivos gerais e específicos com interesse em termos de ambiente e desenvolvimento sustentável associados aos Documentos Estratégicos 309 Quadro III.2. Objectivos gerais e específicos com interesse em termos de ambiente e desenvolvimento sustentável associados aos Instrumentos de Gestão Territorial (IGT) 328 Quadro IV.1 Espécies de flora com interesse conservacionista na área de incidência do Plano 356 Quadro IV.2 Factores de ameaça sobre as comunidades florísticas da área de incidência do PREIVRA 356 Quadro IV.3 Espécies da fauna com interesse conservacionista na área de incidência do Plano 358 Quadro IV.5 Factores de ameaça sobre as comunidades faunísticas da área de incidência do PREIVRA 361 Quadro IV.6. Espécies de flora exóticas com características invasoras (espécies oportunistas) na área de incidência do Plano, constantes do Anexo-I do Decreto-Lei n.º 565/ Quadro IV.7 Lista das espécies de fauna com valor comercial na Ria de Aveiro 365 Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e vii Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

10 ÍNDICE DE FIGURAS E DESENHOS Figura Factores Críticos de Decisão (Diagrama de Venn) 10 Figura Desenvolvimento metodológico de uma Avaliação Ambiental Estratégica com Objectivos Ambientais Relevantes 11 Desenho 1 Enquadramento geográfico e administrativo 253 Desenho 2a Extracto da Planta Síntese do POOC Ovar/Marinha Grande: Ovar-Murtosa 255 Desenho 2b Extracto da Planta Síntese do POOC Ovar/Marinha Grande: Aveiro-Vagos 257 Desenho 2c Extracto da Planta Síntese do POOC Ovar/Marinha Grande: Mira-Murtinheira 259 Desenho 3a Planta de Condicionantes do Plano de Ordenamento da Reserva Natural das Dunas de São Jacinto 261 Desenho 3b Planta Síntese do Plano de Ordenamento da Reserva Natural das Dunas de São Jacinto 263 Desenho 4 Extracto da Planta Síntese do Plano de Ordenamento do Plano Regional de Ordenamento Florestal (PROF) do Centro Litoral 265 Desenho 5 Localização dos projectos/acções inseridos no Plano de Intervenção do PEIRVRA e dos estabelecimentos abrangidos pelo DL 254/ Desenho 6 Carta de unidades fisiográficas e de dinâmica costeira 269 Desenho 7 Carta de património submerso e em faixa intertidal 271 Desenho 8 Sistemas aquíferos regionais e zonas vulneráveis à poluição 273 Desenho 9 Carta de recursos hídricos superficiais 275 Desenho 10 Carta da precipitação anual e do escoamento anual 277 Desenho 11 Carta dos usos de solo e usos de água 279 Desenho 12 Carta de macro-sistemas 281 Desenho 13 Carta das orientações de gestão para o SIC Barrinha de Esmoriz 282 Desenho 14 Carta das orientações de gestão para o SIC Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas 283 Desenho 15 Carta das orientações de gestão para a ZPE Ria de Aveiro 284 viii Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

11 LISTA DE SIGLAS E ACRÓNIMOS AA Avaliação Ambiental AAE Avaliação Ambiental Estratégica AIA Avaliação de Impacte Ambiental AlncA Avaliação de Incidências Ambientais AMCD Apoio Multicritério à Decisão AMN Autoridade Marítima Nacional AMRIA Associação de Municípios da Ria de Aveiro ANPC Autoridade Nacional para a Protecção Civil AP Áreas Protegidas APA Agência Portuguesa do Ambiente ARH Administração da Região Hidrográfica, I.P. BM Barrinha de Mira CCDR Centro Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro CM Câmara Municipal DGRF Direcção-Geral de Recursos Florestais DPH Domínio Público Hídrico DPM Domínio Público Marítimo DQA - Directiva Quadro da Água DRAP Direcção Regional de Agricultura e Pescas EIA Estudo de Impacte Ambiental ENAAC Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas ENCNB Estratégia Nacional de Conservação da Natureza e da Biodiversidade ENDS Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável ENDS 2015 Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável ENM Estratégia Nacional para o Mar ETAR Estação de Tratamento de Águas Residuais Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e ix Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

12 FA Factores Ambientais FCD Factor Crítico de Decisão FEADER Fundo Europeu para a Agricultura e Desenvolvimento Rural GIZC Estratégia Nacional para a Gestão Integrada da Zona Costeira Nacional GIZC Gestão Integrada da Zona Costeira Nacional ICNB Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade, I.P. IGESPAR Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, I.P. IGT Instrumentos de Gestão Territorial INAG Instituto da Água, I.P. INE Instituto Nacional de Estatística, I.P. INSAAR Inventário Nacional de Sistemas de Abastecimento de Água e de Águas Residuais IPTM Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos, I.P. LA Lei da Água LM Lago de Mar Lmi Lagoa de Mira MADRP Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas MAOTDR Ministro do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional MOPTC Ministério da Obras Públicas, Transportes e Comunicações OESMP Orientações Estratégicas para o Sector Marítimo Portuário ORH Ordenamento dos Recursos Hídricos PAL Plano de Acção para o Litoral PBH Plano de Bacia Hidrográfica PDA Proposta de Definição Âmbito PDM Plano Director Municipal PEAASAR Plano Estratégico de Abastecimento de Água e de Saneamento de Águas Residuais PEDPA - Plano Estratégico de Desenvolvimento do Porto de Aveiro PEIRVRA Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro PEN(DR) Plano Estratégico Nacional para o Desenvolvimento Rural x Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

13 PENP Programa Estratégico Nacional para a Pesca PENT Plano Estratégico Nacional do Turismo PGBH Plano de Gestão de Bacia Hidrográfica PIORA Plano Intermunicipal de Ordenamento da Ria de Aveiro PMOT Planos Municipais de Ordenamento do Território PNA Plano Nacional da Água PNPOT Programa Nacional de Política de Ordenamento do Território PNTN Programa Nacional de Turismo de Natureza PNUEA Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água PO Centro Programa Operacional da Região Centro POE Plano de Ordenamento de Estuário POOC Plano de Ordenamento da Orla Costeira POR Programa Operacional Regional PORNDSJ Plano de Ordenamento da Reserva Natural das Dunas de São Jacinto POVT Programa Operacional Temático Valorização do Território PRODER Programa de Desenvolvimento Rural do Continente PROF Plano Regional de Ordenamento Florestal PROFCL Plano Regional de Ordenamento Florestal do Centro Litoral PROT Plano Regional de Ordenamento do Território PSRN Plano Sectorial da Rede Natura QE Questões Estratégicas QRE Quadro de Referência Estratégico QREN Quadro de Referência Estratégico Nacional RA Relatório Ambiental RAN Reserva Agrícola Nacional RC Região Centro REN Reserva Ecológica Nacional RFCN Rede Fundamental de Conservação da Natureza Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e xi Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

14 RN 2000 Rede Natura 2000 RNPL Rede Nacional de Plataformas Logísticas SAU Superfície Agrícola Utilizada SIAM Projecto Climate Change in Portugal. Scenarios, Impacts and Adaptation Measures SIC Sítio de Importância Comunitária SIDS Sistema de Indicadores de Desenvolvimento Sustentável SIMRIA Sistema Intermunicipal de Saneamento da Ria de Aveiro SMAS Serviços Municipalizados de Água e Saneamento SNAC Sistema Nacional de Áreas Classificadas SWOT Análise de Pontos Fortes e Fracos, Oportunidades e Ameaças TP Turismo de Portugal, I.P. UA Universidade de Aveiro Plano Intermunicipal de Ordenamento da Ria de Aveiro VMA Valor Máximo Admissível VMR Valor Máximo Recomendado ZPE Zona de Protecção Especial xii Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

15 1. Introdução O presente documento constitui o Relatório Ambiental Final do processo de Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro (PEIRVRA), promovido pela Sociedade Polis Litoral Ria de Aveiro, S.A. A proposta de Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro (PEIRVRA) elaborada pelo Grupo de Trabalho criado pelo Despacho n.º 5920/2008, de 27 de Fevereiro do Senhor Ministro do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional (MAOTDR, 2008) define uma área de intervenção de cerca de hectares, com uma extensão de 60 km de frente costeira, 128 km de frente lagunar e 24 km de frente ribeirinha do Vouga, abrangendo os concelhos de Águeda, Albergaria-a-Velha, Aveiro, Estarreja, Ílhavo, Murtosa, Oliveira do Bairro, Ovar, Sever do Vouga e Vagos, da região NUTS III Baixo Vouga, o concelho de Mira, da NUTS III Baixo Mondego, bem como o extremo sudoeste do concelho de Espinho, da NUTS III Grande Porto. Trata-se de uma área definida com base no limite regulamentado pelo Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Ovar Marinha Grande, entre a Barrinha do Esmoriz/Lagoa de Paramos e a praia de Mira, alargando-se para o interior de forma a integrar a Ria de Aveiro, a Pateira de Fermentelos e parte do Rio Vouga. O Plano deve ser objecto de Avaliação Ambiental nos termos do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de Junho, que estabelece o regime a que fica sujeita a avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente, nomeadamente, quando incidem sobre áreas sensíveis em termos de conservação da natureza. De facto, o PEIRVRA incide, total ou parcialmente, sobre as seguintes áreas classificadas: Zona de Protecção Especial (ZPE) Ria de Aveiro (PTZPE0004); Sítio de Importância Comunitária (SIC) Barrinha de Esmoriz (PTCON0018); SIC Rio Vouga (PTCON0026); SIC Dunas de Mira, Gândara e Gafanha (PTCON0055); Reserva Natural das Dunas de São Jacinto. O presente documento tem como objectivo dar resposta às disposições do Artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 232/2007, segundo o qual a entidade responsável pela elaboração de determinado plano sujeito a Avaliação Ambiental deve elaborar um relatório ambiental no qual se identifica, descreve e avalia os eventuais efeitos significativos no ambiente resultantes da aplicação do plano (...), as suas alternativas razoáveis que tenham em conta os objectivos e o âmbito de aplicação territorial respectivos (...). Nesse Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e 1 Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

16 sentido, o presente Relatório Ambiental inclui uma avaliação de cenários alternativos de desenvolvimento face à plena concretização da estratégia e do plano de intervenção do PEIRVRA. O Relatório Ambiental Final apresenta-se revisto face a uma versão preliminar datada de Março de 2010, tendo incorporado a maioria das recomendações das entidades com responsabilidades ambientais específicas e/0u que estão a acompanhar o desenvolvimento do PEIRVRA. O presente documento encontra-se igualmente ponderado dos resultados da consulta pública realizada entre 17 de Março e 29 de Abril de 2010, tendo incorporado as principais sugestões relativas ao Relatório Ambiental propriamente dito produzidas nesse âmbito. Desta forma, esta versão final do Relatório Ambiental corporiza e contribui para a própria natureza interactiva e construtiva dos processos de avaliação ambiental, indo ao encontro dos requisitos legais previstos no Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de Junho, bem como de boas práticas em Avaliação Ambiental Estratégica. De modo a alcançar esses requisitos legais, o Relatório Ambiental Final inclui, para além do presente capítulo introdutório (Capítulo 1): a identificação da equipa técnica responsável pelo desenvolvimento da Avaliação Ambiental (Capítulo 2); a descrição do processo de Avaliação Ambiental e das opções metodológicas adoptadas pela NEMUS (Capítulo 3); uma breve descrição do PEIRVRA e da respectiva área de intervenção (Capítulo 4); a identificação do Quadro de Referência Estratégico (Capítulo 5); a apresentação do âmbito da Avaliação Ambiental, dos pareceres emitidos pelas entidades com responsabilidades ambientais específicas e/ou integradas no Conselho Consultivo da Sociedade Polis Litoral Ria de Aveiro bem como os principais resultados da consulta pública (Capítulo 6); a Avaliação Ambiental do PEIRVRA propriamente dita, organizada por Factor Crítico de Decisão e incluindo a identificação das tendências de evolução da situação de referência, a avaliação de efeitos significativos, a identificação de oportunidades e riscos e medidas ambientais associadas (Capítulo 7); a consideração de cenários alternativos de desenvolvimento (Capítulo 8); uma avaliação global dos riscos e oportunidades identificados para os vários cenários de desenvolvimento considerados (Capítulo 9); uma avaliação de incidências ambientais, nos termos dos n. os 1 alínea b), 8 e 9 do Artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 232/2007 (Capítulo 10); um conjunto de recomendações tendo em vista a melhoria do PEIRVRA (Capítulo 11); um Programa de Gestão e Monitorização coerente com as medidas de avaliação e controlo requeridas pelo Artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 232/2007 (Capítulo 12); e uma nota conclusiva final (Capítulo 13). No final do presente volume foram condensados os vários elementos de apoio ao Relatório Ambiental, subdivididos em cinco anexos: Desenhos (I); Quadros de Apoio (II); Quadro de Referência Estratégico: Objectivos gerais e específicos (III); Conservação da Natureza e Biodiversidade: Caracterização (IV) e Pareceres sobre a Proposta de Definição de Âmbito (V). 2 Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

17 2. Identificação da Equipa Técnica A elaboração da Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro encontra-se a cargo da empresa NEMUS Gestão e Requalificação Ambiental, Lda., sob a direcção do Dr. Pedro Bettencourt Correia. Dado o âmbito multidisciplinar do exercício de avaliação, a NEMUS mobilizou uma vasta equipa de técnicos especializados de modo a assegurar a elaboração dos vários domínios específicos envolvidos. No quadro seguinte identificam-se os principais técnicos envolvidos: Quadro 2.1 Composição da Equipa Técnica Nome Pedro Bettencourt Pedro Afonso Fernandes Nuno Silva Sónia Alcobia Cláudia Fulgêncio Maria Grade Catarina Diamantino Ana Isabel Quaresma Carlos Abecassis Francisco Salpico Pedro Moreira Marta Patrício João Fernandes Raquel Agra Gisela Sousa Sara Sousa Elisabete Teixeira Sofia Gomes Ana Otília Dias Carvalho Abrantes Gonçalo Dumas Formação Geólogo; Especialista em Geologia Marinha Economista; Mestre em Planeamento Regional e Urbano e em Economia Engenheiro do Ambiente Geóloga Engenheira do Ambiente Engenheira do Ambiente; Mestre em SIG Geóloga; Mestre em Geologia Económica e Aplicada; Doutoranda em Geologia, especialidade Hidrogeologia Engenheira Civil, opção de Opção de Hidráulica, Recursos Hídricos e Ambiente; Mestre em Engenharia do Ambiente Ramo de Hidráulica e Recursos Hídricos Engenheiro Civil; Mestre em Maritime Civil Engineering Engenheiro Civil; Mestre em Engenharia de Estruturas Engenheiro do Ambiente Engenheira do Ambiente, variante Sanitária Engenheiro do Ambiente Bióloga Bióloga Bióloga Arquitecta Paisagista Arqueóloga Economista Sociólogo Técnico de SIG e de CAD Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e 3 Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

18 Esta página foi deixada propositadamente em branco 4 Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

19 3. Avaliação Ambiental: Processo e Metodologia 3.1. Enquadramento legal A Resolução do Conselho de Ministros n.º 90/2008, de 3 de Junho, determinou a realização de um conjunto de operações de requalificação e valorização de zonas de risco e de áreas naturais degradadas situadas no litoral, abreviadamente designado Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira, tendo ainda estabelecido que o Polis Litoral deve ser desenvolvido através de conjuntos de operações independentes entre si, agrupadas em função de tipologias territoriais que tipifiquem espaços prioritários de intervenção. A Ria de Aveiro constitui uma das três áreas de intervenção prioritária definidas naquela resolução, sendo neste quadro que se insere o PEIRVRA. De facto, de acordo com o n.º 6 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 90/2008, o conteúdo operativo de cada conjunto de operações Polis Litoral deve constar de um plano estratégico, cuja aprovação deve ser precedida de avaliação ambiental de planos e programas nos termos do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de Junho. Este diploma fornece o enquadramento legal, a nível nacional, para o processo de Avaliação Ambiental, estabelecendo o regime a que fica sujeita a avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente. O Decreto-Lei n.º 232/2007 transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2001/42/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de Junho que prevê a avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente, e a Directiva n.º 2003/35/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de Maio que estabelece a participação pública na sua elaboração. De acordo com o preâmbulo do Decreto-Lei n.º 232/2007, a Avaliação Ambiental de planos e programas pode ser entendida como um processo integrado, contínuo e sistemático, que visa assegurar a integração global das considerações biofísicas, económicas, sociais e políticas relevantes no procedimento de tomada de decisão. A realização de uma Avaliação Ambiental ao nível do planeamento e da programação garante que os efeitos ambientais são tomados em consideração durante a elaboração de um plano ou programa e antes da sua aprovação. Desta forma os eventuais efeitos ambientais negativos de uma determinada opção de desenvolvimento passam a ser considerados numa fase que precede a Avaliação de Impacte Ambiental de projectos. Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e 5 Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

20 De acordo com o n.º 1 do Artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 232/2007, estão sujeitos a Avaliação Ambiental: a) Os planos e programas para os sectores da agricultura, floresta, pescas, energia, indústria, transportes, gestão de resíduos, gestão das águas, telecomunicações, turismo, ordenamento urbano e rural ou utilização dos solos e que constituam enquadramento para a futura aprovação de projectos mencionados nos anexos I e II do Decreto-Lei n.º 69/2000, de 3 de Maio [que aprova o regime jurídico da Avaliação de Impacte Ambiental], na sua actual redacção; b) Os planos e programas que, atendendo aos seus eventuais efeitos num sítio da lista nacional de sítios, num sítio de interesse comunitário, numa zona especial de conservação ou numa zona de protecção especial, devam ser sujeitos a uma avaliação de incidências ambientais nos termos do artigo 10.º do Decreto-Lei n.º 140/99, de 24 de Abril [que transpôs para a ordem jurídica interna a Directiva Aves e a Directiva Habitats], na redacção que lhe foi dada pelo Decreto-Lei n.º 49/2005, de 24 de Fevereiro; c) Os planos e programas que, não sendo abrangidos pelas alíneas anteriores, constituam enquadramento para a futura aprovação de projectos e que sejam qualificados como susceptíveis de ter efeitos significativos no ambiente. Ainda segundo o mesmo diploma compete à entidade responsável pela elaboração do plano ou programa: Averiguar se o mesmo se encontra sujeito a Avaliação Ambiental, podendo consultar as entidades às quais, em virtude das suas responsabilidades ambientais específicas, possam interessar os efeitos ambientais resultantes da aplicação do plano ou programa [nomeadamente, Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICBN), Instituto da Água (INAG), Administrações de Região Hidrográfica (ARH), Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR), autoridades de saúde ou municípios da área abrangida pelo plano ou programa] (n.º 3 do Artigo 3.º); Determinar o âmbito da Avaliação Ambiental a realizar, bem como determinar o alcance e nível de pormenorização da informação a incluir no Relatório Ambiental, devendo solicitar parecer sobre esta informação às entidades referidas anteriormente (Artigo 5.º); Elaborar um Relatório Ambiental no qual identifica, descreve e avalia os eventuais efeitos significativos no ambiente resultantes da aplicação do plano ou programa e as suas alternativas razoáveis, que tenham em conta os objectivos e o âmbito de aplicação territorial respectivos (Artigo 6.º); 6 Rf_t09027/01 Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria de Aveiro: Relatório Ambiental Final

Avaliação Ambiental do Plano de Pormenor de Monte Gordo Poente. Câmara Municipal de Vila Real de Santo António. Volume I. Relatório Ambiental

Avaliação Ambiental do Plano de Pormenor de Monte Gordo Poente. Câmara Municipal de Vila Real de Santo António. Volume I. Relatório Ambiental Câmara Municipal de Vila Real de Santo António Volume I Relatório Ambiental Rf_t07058b/04 Set-2009 Avaliação Ambiental do Plano de Pormenor de Monte Gordo Poente Avaliação Ambiental do Plano de Pormenor

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

1ªFase: Factores Críticos para a Decisão e Contexto para a Avaliação Ambiental RELATÓRIO DE DEFINIÇÃO DO ÂMBITO

1ªFase: Factores Críticos para a Decisão e Contexto para a Avaliação Ambiental RELATÓRIO DE DEFINIÇÃO DO ÂMBITO CÂMARA MUNICIPAL DA BATALHA AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DO PLANO DE PORMENOR DA ZONA INDUSTRIAL DE S. MAMEDE 1ªFase: Factores Críticos para a Decisão e Contexto para a Avaliação Ambiental RELATÓRIO

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PARCIAL AO PLANO DE PORMENOR DA GAFANHA DA BOA HORA/FLORESTA

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PARCIAL AO PLANO DE PORMENOR DA GAFANHA DA BOA HORA/FLORESTA DECLARAÇÃO AMBIENTAL DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PARCIAL AO PLANO DE PORMENOR DA GAFANHA DA BOA HORA/FLORESTA Setembro de 2011 QUEROVENTO Serviços em Ambiente, Lda. AAE da Proposta de Alteração Parcial ao

Leia mais

3866 Diário da República, 1. a série N. o 114 15 de Junho de 2007

3866 Diário da República, 1. a série N. o 114 15 de Junho de 2007 3866 Diário da República, 1. a série N. o 114 15 de Junho de 2007 Declaração de Rectificação n. o 55/2007 Para os devidos efeitos se declara que o Decreto-Lei n. o 169/2007, publicado no Diário da República,

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

6 Manual para a Elaboração, Revisão e Análise de Planos Municipais de Ordenamento do Território na Vertente da Protecção Civil

6 Manual para a Elaboração, Revisão e Análise de Planos Municipais de Ordenamento do Território na Vertente da Protecção Civil CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 6 Manual para a Elaboração, Revisão e Análise de Planos Municipais de Ordenamento do Território na Vertente da Protecção Civil EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL MARÇO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OLIVEIRA DO BAIRRO 2ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE OLIVEIRA DO BAIRRO - RELATÓRIO AMBIENTAL - MAIO 2015 VOLUME II.7.

CÂMARA MUNICIPAL DE OLIVEIRA DO BAIRRO 2ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE OLIVEIRA DO BAIRRO - RELATÓRIO AMBIENTAL - MAIO 2015 VOLUME II.7. CÂMARA MUNICIPAL DE OLIVEIRA DO BAIRRO 2ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE OLIVEIRA DO BAIRRO - RELATÓRIO AMBIENTAL - MAIO 2015 VOLUME II.7.1 AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DA PROPOSTA DE REVISÃO

Leia mais

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE PARTE COMPLEMENTAR A RELATÓRIO AMBIENTAL Agosto 2012 PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE PARTE COMPLEMENTAR A RELATÓRIO AMBIENTAL

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos)

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos) ! " Capítulo I Introdução Geral Capítulo II Antecedentes do Projecto Capítulo III Conformidade com a DIA Capítulo IV Planos de Monitorização Ambiental Capítulo V Conclusões ANEXOS TÉCNICOS BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Revisão do Estudo de Impacte Ambiental (EIA)

Revisão do Estudo de Impacte Ambiental (EIA) NORMA DE PROCEDIMENTOS Julho de 2008 04 / AM Tramitação dos processos de Revisão do Estudo de Impacte Ambiental (EIA) (Procedimento de AIA) 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação

Leia mais

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt Ordenamento do Território e Protecção Civil Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt www.triplov.com ooutroladodalua.blogspot.com Paulo Alves, Instituto de Meteorologia Autoridade Nacional de

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Plano Diretor Municipal Castanheira de Pera

Plano Diretor Municipal Castanheira de Pera Plano Diretor Municipal Castanheira de Pera M a i o 2 0 1 5 C â m a r a M u n i c i p a l d e C a s t a n h e i r a d e P e r a AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA _ RELATÓRIO AMBIENTAL Lugar do Plano, Gestão

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Este documento serve de apoio à utilização das Plataformas de Consulta do Projecto SPOTIA - Orientações de política territorial sustentável e avaliação

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria Formosa

Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria Formosa Avaliação Ambiental do Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização da Ria Formosa Volume I - Relatório Ambiental Preliminar Volume II - Resumo Não Técnico ÍNDICE 1. Introdução 1 2.

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Guia de boas práticas para Avaliação Ambiental Estratégica. - orientações metodológicas - Maria do Rosário Partidário IST

Guia de boas práticas para Avaliação Ambiental Estratégica. - orientações metodológicas - Maria do Rosário Partidário IST Guia de boas práticas para Avaliação Ambiental Estratégica - orientações metodológicas - Maria do Rosário Partidário IST Agência Portuguesa do Ambiente Amadora 2007 Título: Guia de boas práticas para Avaliação

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DO FRIDÃO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) que agora se apresenta é relativo ao Aproveitamento

Leia mais

Congresso da Região de Aveiro

Congresso da Região de Aveiro Polis Litoral da Ria de Aveiro Congresso da Região de Aveiro 24 25Fevereiro 25 2011 Teresa Fidélis, ARH do Centro, IP Polis Litoral da Ria de Aveiro Tópicos 1. Principais características do Polis Litoral

Leia mais

RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS QUESTÕES DOS PARECERES DAS ENTIDADES COM RESPONSABILIDADES AMBIENTAIS: APA; ARH CENTRO I.P; ARH NORTE I.P; ARH TEJO I.

RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS QUESTÕES DOS PARECERES DAS ENTIDADES COM RESPONSABILIDADES AMBIENTAIS: APA; ARH CENTRO I.P; ARH NORTE I.P; ARH TEJO I. DOS PARECERES DAS ENTIDADES COM RESPONSABILIDADES AMBIENTAIS: APA; ARH CENTRO I.P; ARH NORTE I.P; ARH TEJO I.P; DPP Coimbra, 28 de Setembro de 2010 NOTA EXPLICATIVA No contexto do processo de avaliação

Leia mais

Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira

Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira Região Hidrográfica do Tejo Ribeiras do Oeste Gabriela Moniz e Francisco Reis Torres Vedras, 11 de Dezembro de 2009 Administrações das Regiões Hidrográficas

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DA ÁGUA

PLANO MUNICIPAL DA ÁGUA Departamento de Ambiente e Ordenamento Universidade de Aveiro PLANO MUNICIPAL DA ÁGUA DIAGNÓSTICO AMB-GE-06/06 ABRIL 2006 Diagnóstico Pág. ii Ficha técnica Designação do Projecto: Cliente: Plano Municipal

Leia mais

SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria. guião de exploração dos. serviços SIG na web AM RIA. Associação de Municípios da Ria

SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria. guião de exploração dos. serviços SIG na web AM RIA. Associação de Municípios da Ria SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria guião de exploração dos serviços SIG na web Associação de Municípios da Ria 02 GUIA WEB ÍNDICE Introdução O que é um SIG? 03 O que é SIGRia?

Leia mais

2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007

2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007 2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007 Portaria n. o 530/2007 de 30 de Abril O Decreto-Lei n. o 136/2007, de 27 de Abril, definiu a missão e as atribuições do Instituto da Conservação

Leia mais

INTERVENÇÃO DE REQUALIFICAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA RIA FORMOSA PLANO ESTRATÉGICO ÍNDICE

INTERVENÇÃO DE REQUALIFICAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA RIA FORMOSA PLANO ESTRATÉGICO ÍNDICE ÍNDICE Sumário Executivo...4 1 Introdução...9 2 Área de intervenção delimitação e caracterização...11 2.1 I Área de intervenção delimitação... 12 2.2 Enquadramento jurídico administrativo... 15 2.2.1 Domínio

Leia mais

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Gabinete de Planeamento Estratégico Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Em 2003, o Município de Palmela tomou a decisão de proceder à revisão

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Diário da República, 1.ª série N.º 106 3 de Junho de 2008 3099 Conjuntamente, as três intervenções vão permitir um investimento significativo em 151 km de frente costeira, em 220 km de frentes lagunares

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal

Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal Legislação de enquadramento A tramitação dos procedimentos exigíveis nos processos de elaboração e revisão de planos

Leia mais

Guia para a Apreciação Técnica. de Estudos de Impacte Ambiental. Sector dos Campos de Golfe. Relatório Preliminar

Guia para a Apreciação Técnica. de Estudos de Impacte Ambiental. Sector dos Campos de Golfe. Relatório Preliminar Centro de Estudos de Hidrossistemas DECivil Guia para a Apreciação Técnica de Estudos de Impacte Ambiental Sector dos Campos de Golfe Relatório Preliminar DECivil, IST Dezembro de 2006 (versão 28/05/2007)

Leia mais

PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO

PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA PROJECTO DE EXECUÇÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO ÍNDICE DE PORMENOR 1. INTRODUÇÃO...1 2. PROCESSO DE

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

Decreto-Lei n.º 310/2003 de 10 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 310/2003 de 10 de Dezembro A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 310/2003, de 10 de Dezembro (que altera o Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS

NORMA DE PROCEDIMENTOS NORMA DE PROCEDIMENTOS Janeiro de 2005 EIA 1C / AM Tramitação dos Estudos de Impacte Ambiental (EIA) 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos Estudos de Impacte Ambiental (EIA)

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES Secretariado Técnico ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto

Leia mais

Para este comentário foi analisado o EIA disponível no site da APA: http://siaia.apambiente.pt/aia1.aspx?id=2825

Para este comentário foi analisado o EIA disponível no site da APA: http://siaia.apambiente.pt/aia1.aspx?id=2825 Ex.mo Sr. Diretor-Geral, Agência Portuguesa do Ambiente Rua da Murgueira 9/9A Zambujal Apartado 7585- Alfragide 2721-865 Amadora Lisboa, 03 de Agosto de 2015 Assunto: Estudo de Impacte Ambiental (EIA)

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR DIVISÃO DE AMBIENTE E URBANISMO ELABORAÇÃO DO PLANO DE INTERVENÇÃO NO ESPAÇO RURAL DA ÁREA DE D EXPLORAÇÃO CONSOLIDADA DE RECURSOS GEOLÓGICOS DA SERRA DA FALPERRA TERMOS

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL BATALHA

AGENDA 21 LOCAL BATALHA ** AGENDA 21 LOCAL BATALHA CRIADO POR: *Grupo Coordenador do Projecto Data: Abril a Junho de 2006 AGENDA 21 LOCAL- BATALHA CONCEITOS FUNDAMENTAIS INSTRUMENTO ÚTIL A Agenda 21 Local (A21L) é um instrumento

Leia mais

Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente

Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente Desenvolvimentos mais recentes SANTOS, Ana Sofia; GASPAR, Rosário; CONDESSA, Beatriz Resumo A documentação e informação existente

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Avaliação Ambiental de Planos e Programas

Avaliação Ambiental de Planos e Programas NORMA DE PROCEDIMENTOS Julho de 2008 10 / AM Tramitação dos processos de Avaliação Ambiental de Planos e Programas 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos 4. Fluxograma

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Identificação Designação do Projecto: Tipologia de Projecto: Localização: Proponente: Entidade licenciadora: Autoridade de AIA: Hotel de Apartamentos da Praia dos Moinhos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 7.6.2006 COM(2006) 275 final Volume I COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONOMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

Figura 3.1 Alcar-do-Algarve em flor... 4

Figura 3.1 Alcar-do-Algarve em flor... 4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O PROJECTO... 3 3. DESCRIÇÃO DO AMBIENTE AFECTADO... 3 4. PRINCIPAIS IMPACTES... 5 5. MEDIDAS MINIMIZADORAS... 6 6. PROGRAMAS DE MONITORIZAÇÃO... 6 ÍNDICE DE FIGURAS Figura

Leia mais

Guia da Avaliação Ambiental dos Planos Municipais de Ordenamento do Território

Guia da Avaliação Ambiental dos Planos Municipais de Ordenamento do Território Documentos de orientação DGOTDU 01/2008 Guia da Avaliação Ambiental dos Planos Municipais de Ordenamento do Território Direcção-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Guia da Avaliação

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO Estudos Preliminares de Impacte Ambiental Avaliação de Impacte Ambiental Fernando Santana Departamento de Ciências e Engenharia

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO E INVESTIMENTO DA REDE DE TRANSPORTE 2009 2014 (2019)

PLANO DE DESENVOLVIMENTO E INVESTIMENTO DA REDE DE TRANSPORTE 2009 2014 (2019) ANO DE INVESTIMENTOS DA REDE NACIONAL DE TRANSPORTE 2004-2009 PLANO DE DESENVOLVIMENTO E INVESTIMENTO DA REDE DE TRANSPORTE 2009 2014 (2019) Declaração Ambiental REN - Rede Eléctrica Nacional, S.A. Janeiro

Leia mais

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA João Craveiro, Margarida Rebelo, Marluci Menezes, Paulo Machado Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios

Leia mais

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE PONTA DO SOL DIVISÃO DE AMBIENTE E URBANISMO SPU PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS UOPG 3 TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO OUTUBRO 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. NOTAS

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1 1 Geólogo, Director-Geral NEMUS, Gestão e Requalificação Ambiental Vila Real de Santo

Leia mais

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Enquadramento, âmbito de aplicação, antecedentes e

Enquadramento, âmbito de aplicação, antecedentes e Apresentação para o Grupo Transversal da Área Metadados do SNIG Lisboa, 16 de Maio de 2011 O Perfil MOTU Enquadramento, âmbito de aplicação, antecedentes e ponto de situação sobre o seu desenvolvimento

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE SECRETARIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA AGOSTO DE 2001 ESTRATÉGIA

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 AM/02 FEVEREIRO/2009 TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL (EIA) ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO 3. TRAMITAÇÃO

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Articulação da AIA com outros regimes de licenciamento IMPACTES AMBIENTAIS 9 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO CENTRO RELATÓRIO AMBIENTAL FINAL

AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO CENTRO RELATÓRIO AMBIENTAL FINAL AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DO QUATERNAIRE PORTUGAL, CONSULTORIA PARA O DESENVOLVIMENTO S.A. 3 de julho de 2014 INDICE Siglas e Acrónimos 6 Siglas de Acrónimos de Entidades 7 1. Sumário executivo 8

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Convite Público para Apresentação de Candidaturas Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Aviso relativo

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

Decreto-Lei n.º 380/99 de 22 de Setembro* Estabelece o regime jurídico dos instrumentos de gestão territorial.

Decreto-Lei n.º 380/99 de 22 de Setembro* Estabelece o regime jurídico dos instrumentos de gestão territorial. A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 53/2000, de 7 de Abril, e pelo Decreto-Lei n.º 310/2003,

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 7670 Diário da República, 1.ª série N.º 202 19 de Outubro de 2007 h) Garantir a gestão de serviços comuns no âmbito das aplicações cuja concretização esteja a cargo do II e promover a sua partilha e reutilização;

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes

Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes A avaliação de impactes no mundo A IAIA e a APAI A língua portuguesa no mundo A Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes - visão e missão, funcionamento,

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Avaliação Ambiental Estratégica Recomendações para a integração e apreciação da Componente Saúde Humana nos Planos Municipais de Ordenamento do Território Nº: 36/DA DATA:09.10.09 Para: Contacto

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA DA ORLA COSTEIRA DA ILHA GRACIOSA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA DA ORLA COSTEIRA DA ILHA GRACIOSA SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA DA ORLA COSTEIRA DA ILHA GRACIOSA JOÃO PORTEIRO, HELENA CALADO, JOANA CADETE, ANDREIA BOTELHO, SUSANA LACERDA, LUZ PARAMIO, MARCO SANTOS, PEDRO MONTEIRO, JOANA XAVIER &

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL CCDRLVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Guia de Apreciação Técnica de Estudos

Leia mais