Ponte da Barca, Lurdes Barata

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ponte da Barca, Lurdes Barata"

Transcrição

1 Ponte da Barca,.0.0 Lurdes Barata

2 Índice A Economia Social O Universo O sector Cooperativo O COOPJOVEM O enquadramento O que é Para quem Em que condições Os apoios Como funciona O que se pretende/quanto custa Entidades responsáveis

3 A Economia Social Conta Satélite da Economia Social

4 OS NÚMEROS DA ECONOMIA SOCIAL EM PORTUGAL -00 Designação Nº Entidades/IPSS % Cooperativas 60/7, Mutualidades 9/9 0, Misericórdias 8/ 0,7 Fundações 7/09,0 Associações e Outros Agentes da Economia Social 086/ 9,0 TOTAL ORGANIZAÇÕES ECONOMIA SOCIAL 8 00,0 IPSS Instituições Particulares de Solidariedade Social 0 9,% Fonte: Conta Satélite da Economia Social INE, CASES, Abril 0

5 OS NÚMEROS DA ECONOMIA SOCIAL EM PORTUGAL -00 Designação VAB Emprego Cooperativas 7,%,0% Mutualidades,%,0% Misericórdias 0,8%,% Fundações,%,7% Associações e Outros Agentes da Economia Social 6,7% 6,9% TOTAL ECONOMIA SOCIAL 6,6 milhões 6 9 IPSS Instituições Particulares de Solidariedade Social 0,% 6,% PESO DA ES NA ECONOMIA PORTUGUESA,8%,% Fonte: Conta Satélite da Economia Social INE, CASES, Abril 0

6 O sector Cooperativo

7 O sector Cooperativo Universo cooperativo R.A.Madeira 9 9 R.A.Açores Viseu Vila Real Viana Castelo Setúbal Santarém Porto 6 Portalegre Lisboa Leiria 6 Guarda Faro Évora 9 0 Coimbra 7 Castelo Branco 6 8 Bragança Braga 9 9 Beja Aveiro DISTRITO Agrícola RAMO DISTRITO Artesanato Comercialização Consumo Crédito Cultura Ensino Habitação Pescas Produção Operária Serviços Solidariedade Social Fonte: Conta Satélite da Economia Social INE, CASES, Abril 0 TOTAL TOTAL

8 Principais indicadores para as Cooperativas - 00 Designação Prod (000 euros) % CI (000 euros) % VAB (000 euros) % VVN (000 euros) % NPS % Agrícola..99 6% % 7.07 %.7. 6% % Artesanato.88 0%.06 0%.79 0%.87 0% 00 % Comercialização % %.977 7%..9 9%.7 % Consumo 7.08 % 9.9 % 7.79 % %. % Crédito 7.9 6%.908 0%.0 9% %. % Cultura 0.86 % 6.0 %.88 % 9.98 % 9 % Ensino % 77.8 % % % 7. % Habitação e Construção 8.67 % %.8 % 79. % 679 % Pescas %.99 0%.767 0%.7 0% 9 0% Produção Operária.67 % % %.99 0% 8 % Serviços 97. %.06 %.60 % 8.8 %.9 7% Solidariedade Social 7.78 %.977 %.80 %.999 %.79 % % % % % % Fonte: Conta Satélite da Economia Social INE, CASES, Abril 0

9 Principais indicadores para as Cooperativas - 00 Unidades Emprego Valor Acrescentado Bruto N.º % do Total da ES Nº Trab. % no Total da ES/EP 0 6 euros % do Total da ES/EP Total cooperativo.60,%.099,0%/% 777,6 8,%/0,% Total da Economia Social.8 00% %/,%.6,6 00%/,8% Total da Economia Portuguesa %.6 00% Fonte: Conta Satélite da Economia Social INE, CASES, Abril 0

10 Principais indicadores para as Cooperativas Cooperativas TOTAL Produção cooperativa. Azeite (hl) %. Vinho (campanha 009/00)(hl) %. Recolha de Leite (.000 l) % Fonte:. INE, Estatísticas Agrícolas, 0. IVV, IP, 0. INE, Estatísticas Agrícolas, 0 e Relatórios e contas 00 das cooperativas leiteiras

11 Principais indicadores para as Cooperativas - 00 (milhões euros) Ativo líquido 00 Crédito líquido a clientes Recursos de clientes Resultado líquido Rácio de Solvabilidade Global SICAM - Sistema Integrado do Crédito Agrícola Mútuo Sistema Bancário Peso cooperativo,0%,%,0%,%,7% 0,% Fonte: Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, Relatório e Contas de 00 - Balanços consolidados Banco de Portugal, Boletim Estatístico de Fevereiro 0 Quadros B..9. e B..9. Banco de Portugal, Relatório de Estabilidade financeira, Maio 0 Principais indicadores 8 Caixas de Crédito Agrícola mais de 700 Balcões

12

13 O enquadramento Resolução do Conselho de Ministros nº -A/0, de de junho aprova o Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção de Empregabilidade Jovem e Apoio às Pequenas e Médias Empresas IMPULSO JOVEM Portaria nº -E/0, de de dezembro cria o Programa COOPJOVEM O que é Programa de apoio ao empreendedorismo cooperativo, destinado a apoiar os/as jovens na criação de cooperativas, ou em projetos de investimento em cooperativas agrícolas existentes,facilitando a criação do seu próprio emprego

14 Para Quem Destinatárias/os Jovens quepretendam constituir uma COOPERATIVA NÃO AGRÍCOLA que integre pelo menos cooperadores, com um máximo de 9. Jovens que pretendam criar uma COOPERATIVA AGRÍCOLA que integre pelo menos jovens agricultores, com um máximo de 9, ou uma nova secção em cooperativas agrícolas já existentes que tenham até 0 trabalhadores.

15 Em que condições As/Os Destinatárias/os Idade dos/as destinatários/as: Cooperativas não agrícolas: compreendida entre os 8 e os 0 anos Cooperativas agrícolas: compreendida entre os 8 e os 0 anos Habilitações literárias mínimas: 9º ano de escolaridade Número de trabalhadores/as em cooperativas agrícolas existentes: até 0 Residência: Regiões Norte, Centro ou Alentejo, de Nível II da nomenclatura de unidades territoriais definida pelo Decreto-Lei nº 6/89, de de fevereiro

16 Os apoios Promover a cooperação, através dos seguintes apoios aos/às jovens: Bolsa COOPJOVEM Apoio Técnico Acesso ao crédito ao investimento

17 Bolsa COOPJOVEM Objetivo Bolsa aos/às jovens para desenvolvimento do projeto cooperativo Valor,6 Indexante dos Apoios Sociais (IAS) para jovens com ensino superior completo (69,70 ),0 IAS para jovens com ensino secundário completo (,99 ) IAS para jovens com pelo menos o 9.º ano e sem ensino secundário completo (9, ) Período de atribuição da Bolsa ª Fase: meses ª Fase: meses Bolsas atribuídas por projeto cooperativo Até um máximo de 9

18 Apoio Técnico Objetivo Promover o desenvolvimento de competências dos/as jovens, nomeadamente, nas áreas da estruturação de ideias e de arquitetura do projeto cooperativo, no planeamento estratégico, na gestão do negócio e no exercício da liderança Atividades Sessões de orientação e acompanhamento Workshops temáticos de desenvolvimento de competências Acompanhamento no desenvolvimento colaborativo da ideia de negócio e construção do projeto cooperativo Rede COOPJOVEM Entidades certificadas nos termos previstos na a) do artº º-C da Portaria nº 98/009, de de setembro

19 Acesso ao crédito ao investimento Enquadramento Linha de crédito bonificada e garantida, nos termos da tipologia MICROINVEST, gerida pelo IEFP, IP. Montante máximo 0 mil Euros Emprego Novas cooperativas: criação de pelo menos um posto de trabalho Cooperativas agrícolas existentes: criação líquida de postos de trabalho

20 O que deve fazer o/a jovem Prazo de candidatura: de janeiro de 0 a 0 de setembro de 0 Procurar informação CANDIDATURA Ter uma ideia de negócio cooperativo Preencher formulário Cumprir requisitos Procurar parceiros/as para a ideia cooperativa

21 Como funciona o COOPJOVEM COOPERATIVA JOVENS Crédito ª Fase Bolsa ª Fase Apoio técnico

22 O que se pretende/quanto custa Região Norte Região Centro Região Alentejo Total Nº de jovens Nº de projetos cooperativos 0 80 Valor dos apoios não reembolsáveis ().7 mil 8 mil 06 mil.90 mil Bonificação taxa de juro 00 mil () Financiamento comunitário a 00% - FEDER

23 Entidades responsáveis Validação Promoção Execução Acompanhamento e controlo Regulamentação

24 Obrigada

OS NÚMEROS DO COOPERATIVISMO EM PORTUGAL

OS NÚMEROS DO COOPERATIVISMO EM PORTUGAL Braga, Março 0 OS NÚMEROS DO COOPERATIVISMO EM PORTUGAL Lurdes Barata Índice A Conta Satélite da Economia Social - Construção do universo Trabalho realizado Trabalho a realizar A Economia Social (dados

Leia mais

3. Como podem ser constituídas as equipas dos projetos cooperativos?

3. Como podem ser constituídas as equipas dos projetos cooperativos? FAQ I Finalidade e âmbito do Programa COOPJOVEM 1. O que é o COOPJOVEM? O COOPJOVEM é um programa de apoio ao empreendedorismo cooperativo, destinado a apoiar os jovens NEET na criação de cooperativas,

Leia mais

Lisboa, 26 de Junho de 2012

Lisboa, 26 de Junho de 2012 Lisboa, 26 de Junho de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a

Leia mais

Os Governos Civis de Portugal. Memória, História e Cidadania

Os Governos Civis de Portugal. Memória, História e Cidadania Ministério da Administração Interna Secretaria-Geral Os Governos Civis de Portugal. Memória, História e Cidadania Encontro Arquivos da Administração Pública 2 e 3 julho Angélica Jorge/Cidália Ferreira

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA)

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA) ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE 21-07-2015 (QUINTA-FEIRA) 1. Inicia-se quarta-feira, 19 de julho, o prazo de candidatura

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 Informação à Comunicação Social 28 de Dezembro de 2001 SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 O INE dá início à difusão de estatísticas

Leia mais

Apoios ao Empreendedorismo

Apoios ao Empreendedorismo Apoios ao Empreendedorismo IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação, I.P.MEI - Ministério da Economia e da Inovação Objetivos: Facilitar o acesso a soluções de financiamento

Leia mais

Fenómenos de pobreza e exclusão social no contexto atual Palmela, 6 de dezembro de 2013

Fenómenos de pobreza e exclusão social no contexto atual Palmela, 6 de dezembro de 2013 Fenómenos de pobreza e exclusão social no contexto atual Palmela, 6 de dezembro de 2013 Maria José Domingos Objetivos Sobre a Estratégia 2020 A pobreza e a exclusão social na Europa em números A pobreza

Leia mais

MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO

MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO Entidades Promotoras: Entidades privadas, com ou sem fins lucrativos e Autarquias Locais. Destinatários: Jovens à procura de emprego, entre os 18 e os 30 anos, inscritos no IEFP

Leia mais

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO)

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) Condições de Acesso (Portaria n.º 985/2009 de 4 de Setembro) 0 PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO

Leia mais

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA CARATERIZAÇÃO DA EMPRESA Nome: Setor de Atividade Económica (CAE Rev.3): Classe de Dimensão: Localização da Sede (Distrito): Natureza Jurídica: Maturidade: 55118 - Apartamentos turísticos com restaurante

Leia mais

IEFP. O Instituto do Emprego e Formação Profissional promove uma série de medidas e programas destinados a fomentar e apoiar o emprego em Portugal.

IEFP. O Instituto do Emprego e Formação Profissional promove uma série de medidas e programas destinados a fomentar e apoiar o emprego em Portugal. IEFP O Instituto do Emprego e Formação Profissional promove uma série de medidas e programas destinados a fomentar e apoiar o emprego em Portugal. Desse conjunto, destacamos: I) Apoios à contratação II)

Leia mais

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento Plano de Intervenção Imediata 2006 Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento (Modelo 2-A) INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Ler atentamente as instruções antes de preencher. A preencher

Leia mais

Tendências das Doenças Profissionais em Portugal. Departamento de Proteção contra os Riscos Profissionais

Tendências das Doenças Profissionais em Portugal. Departamento de Proteção contra os Riscos Profissionais Tendências das Doenças Profissionais em Portugal Departamento de Proteção contra os Riscos Profissionais Departamento Proteção contra os Riscos Profissionais Descrição Serviço do Instituto de Segurança

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3. Apoio Técnico à Criação e Consolidação de Projetos

Leia mais

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2010-2014 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro setorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2016 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA)

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2016 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA) ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2016 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE 21-07-2015 (QUINTA-FEIRA) 1. Inicia-se quinta-feira, 21 de julho, o prazo de candidatura

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

INSTRUMENTOS DE APOIO ÀS EMPRESAS. Linha de Crédito PME Investe V

INSTRUMENTOS DE APOIO ÀS EMPRESAS. Linha de Crédito PME Investe V INSTRUMENTOS DE APOIO ÀS EMPRESAS Linha de Crédito PME Investe V Linhas Geral Outras Empresas Micro e Pequenas Empresas Montante global 500 M (Limite 1.400 M ) 250 M (Limite 600 M ) Montante máximo por

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé Turismo Interno Mercados em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES CONSTITUIÇÕES OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de Constituições registadas em território nacional, com segmentação Geográfica e por

Leia mais

Trabalho final Formulário com VBA

Trabalho final Formulário com VBA Trabalho final Formulário com VBA Excel E i s n t t e c n o l o g i a 12-07- 2 0 1 4 Conteúdo Introdução... 2 O campo de introdução idade (txtidade)... 5 O campo de introdução sexo... 6 O campo de introdução

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé Turismo Interno Mercado em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) - IEFP, I.P.

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) - IEFP, I.P. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) - IEFP, I.P. Empreendedorismo: Apoios e casos de sucesso AERLIS (Museu do Design - Lisboa) 9 de maio de 2012 Enquadramento

Leia mais

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2009-2013 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro setorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2009-2013 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro sectorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO 1º Trimestre Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado

BOLETIM ESTATÍSTICO 1º Trimestre Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado BOLETIM ESTATÍSTICO 1º Trimestre 2016 Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Índice 1. Processos e Pedidos de Apoio de Sobre-endividamento 1.1. Processos e Pedidos de Apoio de Sobre-endividamento entre

Leia mais

Prémios VALORFITO 2012

Prémios VALORFITO 2012 VALORFITO 2012 REGULAMENTO NOTA PRÉVIA Os Pontos de Retoma (PR s) VALORFITO são elementos essenciais e determinantes para o funcionamento do sistema e exercem as suas funções de forma inteiramente gratuita.

Leia mais

Divulgar este estudo é lutar também contra a discriminação que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1

Divulgar este estudo é lutar também contra a discriminação que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 Divulgar este estudo é lutar também contra a discriminação que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 DISCRIMINAÇÃO DAS MULHERES DEU EM 2009 ÀS EMPRESAS UM LUCRO EXTRAORDINÁRIO SUPERIOR A 5.500 MILHÕES

Leia mais

Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM

Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM Quanto ao nome do ficheiro: Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM Anexos Conteúdo Nomenclatura do ficheiro Prestação de informação por perito Ficheiro de dados

Leia mais

ORDEM DOS ENFERMEIROS. Dados Estatísticos a

ORDEM DOS ENFERMEIROS. Dados Estatísticos a ORDEM DOS ENFERMEIROS Dados Estatísticos a 31-12-2014 Departamento de Informática fev de 2015 Índice 1. Evolução dos enfermeiros ativos por sexo:... 1 2. Evolução dos enfermeiros ativos (cuidados gerais):...

Leia mais

Base de Dados das Empresas Novas Portugal

Base de Dados das Empresas Novas Portugal Base de Dados de Portugal É a Base de Dados das empresas e entidades Portuguesas mais completa e mais utilizada por profissionais em Portugal. Campos: NIF, Entidade, Morada, Localidade, Código postal,

Leia mais

Dados mensais. Barómetro sectorial. Análise fenómeno a fenómeno. Barómetro distrital. Análise de tendências. Constituições

Dados mensais. Barómetro sectorial. Análise fenómeno a fenómeno. Barómetro distrital. Análise de tendências. Constituições Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro sectorial Barómetro distrital Constituições Constituições vs dissoluções naturais Mensal Acumulado Mensal Acumulado Dissoluções

Leia mais

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Universidade dos Açores 0110 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo

Leia mais

SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017

SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017 SI2E SISTEMA DE INCENTIVOS AO EMPREENDEDORISMO E AO EMPREGO - ALENTEJO CENTRAL - Sessão de Divulgação SI2E CIMAC, 23 de Maio de 2017 CONTEXTO Estratégia de Desenvolvimento Territorial do Alentejo Central

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL - PORTUGAL

ESTRUTURA EMPRESARIAL - PORTUGAL Aula Magna da Universidade Clássica de Lisboa - 11 de Dezembro de 2007 Conferência Internacional Sobre PME ESTRUTURA EMPRESARIAL - PORTUGAL Prof. Dr. Fernando Augusto Morais Gestor de Empresas pela Univ.

Leia mais

BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME. Ir buscar onde sobra para distribuir onde falta

BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME. Ir buscar onde sobra para distribuir onde falta BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME Ir buscar onde sobra para distribuir onde falta O direito à alimentação é um dos mais básicos direitos do Homem. A fome existe no nosso território, na nossa cidade, na nossa

Leia mais

Indicadores de Saúde Ocupacional

Indicadores de Saúde Ocupacional TRABALHO, SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Indicadores de Saúde Ocupacional SANDRA MOREIRA Direção-Geral da Saúde Equipa de Coordenação do Programa Nacional de Saúde Ocupacional INÊS GONÇALVES Gabinete

Leia mais

ATIVIDADE DAS ENTIDADES INSPETORAS DE GÁS ( )

ATIVIDADE DAS ENTIDADES INSPETORAS DE GÁS ( ) RELATÓRIO SÍNTESE DE MONITORIZAÇÃO DA ATIVIDADE DAS ENTIDADES INSPETORAS DE GÁS (2010-2015) Direção-Geral de Energia e Geologia Direção de Serviços de Combustíveis Junho de 2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 UNIVERSO

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

Eficiência Energética na Agro-Indústria

Eficiência Energética na Agro-Indústria Eficiência Energética na Agro-Indústria Marta Viegas 12 junho 2014 I II III IV V Aplicação e Registo de Instalações Impacto expectável com a Isenção de ISP Planos de Racionalização do Consumo de Energia

Leia mais

RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2015

RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2015 NÚMERO DATA 17/06/2015 TÍTULO 1º RELATÓRIO PORVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS - 2015 01 DE JANEIRO A 15 DE JUNHO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2015 01 DE JANEIRO A 15 DE JUNHO 1/8 Informação

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO JUNHO 2013

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO JUNHO 2013 PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO JUNHO 2013 SÍNTESE do período entre 1 e 30 de JUNHO de 2013 As temperaturas observadas no mês de junho apresentaram-se

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE DIPLOMADOS NO ENSINO SUPERIOR, POR DISTRITO E POR NUTS II: de a

EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE DIPLOMADOS NO ENSINO SUPERIOR, POR DISTRITO E POR NUTS II: de a EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE DIPLOMADOS NO ENSINO SUPERIOR, POR DISTRITO E POR NUTS II: de 1997-1998 a 2004-2005 OCES Observatório da Ciência e do Ensino Superior 2007 Evolução do número de diplomados no ensino

Leia mais

Headline Verdana Bold Social Progress Index 2016 Performance de Portugal 13 de Outubro de 2016

Headline Verdana Bold Social Progress Index 2016 Performance de Portugal 13 de Outubro de 2016 Headline Verdana Bold Social Progress Index 2016 Performance de Portugal 13 de Outubro de 2016 Observações nacionais Resultados de 2016 2 Observações nacionais Contexto Portugal ocupa a 21ª posição no

Leia mais

Plano de Comunicação. Plano de Comunicação. Elaborado a 22 dezembro Revisto a 19 de fevereiro de 2016

Plano de Comunicação. Plano de Comunicação. Elaborado a 22 dezembro Revisto a 19 de fevereiro de 2016 Plano de Comunicação Elaborado a 22 dezembro 2015 Revisto a 19 de fevereiro de 2016 0 Índice 1. Enquadramento...- 1-2. Objetivos...- 2-3. Identidade Gráfica...- 2-3.1 Logótipo...- 2-3.2 Assinatura...-

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 2012

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 2012 PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO CALOR 212 SÍNTESE Semana de 25 de junho a 1 de julho Nos dois primeiros dias desta semana verificaram-se temperaturas máximas elevadas,

Leia mais

Na sua opinião, como são as relaçes actuais entre Portugal e

Na sua opinião, como são as relaçes actuais entre Portugal e Página 1 de 7 P 1 Em que distrito reside actualmente? Aveiro Braga Bragança Beja Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Porto Portalegre Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

Resultados das candidaturas aprovadas no âmbito do Aviso

Resultados das candidaturas aprovadas no âmbito do Aviso Resultados das candidaturas aprovadas no âmbito do Aviso Projeto U-Bike Portugal Promoção de Bicicletas Elétricas e Convencionais nas Comunidades Académicas 16 de Setembro de 2016 1. Âmbito do Aviso 2.

Leia mais

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research MELHOR HOTELARIA 2020 Maria João Martins Gestora de Projetos & Research Évora 21 de março de 2016 AGENDA 1. Desempenho do Sector Turístico Nacional 2. Balanço 2015 3. Evolução da Oferta Hoteleira 4. Programa

Leia mais

Entidades sinalizadoras por distrito

Entidades sinalizadoras por distrito Entidades sinalizadoras por distrito Entidades sinalizadoras Os próprios 4 1,2 0 0,0 2 0,2 0 0,00 0 0,0 1 0,2 0 0,0 1 0,3 0 0,0 66 12,4 5 2,9 13 0,5 3 0,6 7 0,5 0 0,0 0 0,0 0 0,0 4 0,8 1 0,2 1 0,2 Os pais

Leia mais

Editorial. Estudo. O consumidor europeu resiste à crise. O Observador Cetelem 2011 / Consumo na Europa

Editorial. Estudo. O consumidor europeu resiste à crise. O Observador Cetelem 2011 / Consumo na Europa 54 Editorial O consumidor europeu resiste à crise Conceição Caldeira da Silva Responsável do Observador Cetelem Este estudo e os anteriores poderão ser consultados em FONTES DOS NÚMEROS INDICADOS METODOLOGIA

Leia mais

A Economia Social e a sua Sustentabilidade como Factor de Inclusão Social

A Economia Social e a sua Sustentabilidade como Factor de Inclusão Social A Economia Social e a sua Sustentabilidade como Factor de Inclusão Social Seminário de Apresentação do Estudo 12 de novembro de 2012 POAT/FSE: Gerir, Conhecer e Intervir Objectivo Global IPSS no quadro

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

Titulo da Apresentação da DRAPLVT

Titulo da Apresentação da DRAPLVT Título da Apresentação Titulo da Apresentação da DRAPLVT Substítulo Rio Maior Setembro 2016 Objetivos Nacionais Crescimento sustentável do sector AGROFLORESTAL em TODO O TERRITÒRIO NACIONAL Aumento do

Leia mais

ASSSSUNTTO Cria Agência Nacional para a gestão das 2ªs fases dos programas de acção comunitária: Leonardo da Vinci e Socrates

ASSSSUNTTO Cria Agência Nacional para a gestão das 2ªs fases dos programas de acção comunitária: Leonardo da Vinci e Socrates DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : PPrrooggrraamaass EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério do Emprego e da Segurança Social ASSSSUNTTO Aprova o regime de apoio técnico e financeiro a programas de reabilitação

Leia mais

Congresso Nacional de Educação em Turismo

Congresso Nacional de Educação em Turismo Congresso Nacional de Educação em Turismo Ensino Superior em Turismo Educação em Turismo no Ensino Superior Português Escola Superior de Turismo e Telecomunicações de Seia Manuel Salgado (manuelsalgado@ipg.pt)

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves

Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves Gestor do COMPETE Braga, 17 de Fevereiro de 2012 QREN 2007-2013 Agendas Prioritárias Competitividade Potencial Humano Valorização do

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

PAECPE Programa de Apoio ao Empreendedorismo e Criação do Próprio Emprego

PAECPE Programa de Apoio ao Empreendedorismo e Criação do Próprio Emprego PAECPE Programa de Apoio ao Empreendedorismo e Criação do Portaria nº 58/2011, de 28 de Janeiro, que altera e republica a Portaria nº 985/2009 de 4 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Portaria

Leia mais

BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE. 3. ª e d i ç ã o. FAQ s

BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE. 3. ª e d i ç ã o. FAQ s BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE 3. ª e d i ç ã o FAQ s 2016 FAQ S I FINALIDADE DO PROGRAMA ES JOVEM 1. Qual é a finalidade do programa ES Jovem? Este programa tem como finalidade dar a conhecer o sector da

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário Seguro Social Voluntário Ficha Técnica Título Autor de Segurança Social Seguro Social Voluntário Conceção gráfica Edição Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

Portugal 2020: Objetivos e Desafios António Dieb

Portugal 2020: Objetivos e Desafios António Dieb Portugal 2020: Objetivos e Desafios 2014-2020 António Dieb Porto, 11 de julho de 2016 Tópicos: 1. Enquadramento Estratégico (EU 2020) 2. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 3. Estrutura Operacional

Leia mais

Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio

Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio Relatório Preliminar Ficha Técnica Autoria: Rui Almeida Recolha de Elementos: Rui Almeida(SNBPC); Grafismo e Capa:

Leia mais

Relatório Diário. 5 de agosto 2016

Relatório Diário. 5 de agosto 2016 Relatório Diário 5 de agosto 2016 1 Relatório Diário 05.08.2016 10:00 Report Highlights Para o dia 05.08.2016 importa destacar: Aumento da temperatura em todo o país. A partir do dia de hoje previsão de

Leia mais

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS NERA, 25 de novembro de 2016 Internacionalização Enquadramento Desafios da Internacionalização

Leia mais

Desempregado ou Inactivo? Empreende!

Desempregado ou Inactivo? Empreende! Desempregado ou Inactivo? Empreende! Apoios à criação do próprio emprego ou empresa António Realinho Vice-Presidente da ADRACES ENQUADRAMENTO A ADRACES é a Entidade Gestora do Grupo de Acção Local - GAL

Leia mais

Estudo de Opinião. Expresso / SIC/ Eurosondagem ELEIÇÕES LEGISLATIVAS 2015

Estudo de Opinião. Expresso / SIC/ Eurosondagem ELEIÇÕES LEGISLATIVAS 2015 Estudo de Opinião Expresso / SIC/ Eurosondagem ELEIÇÕES LEGISLATIVAS 2015 Fevereiro de 2015 - FICHA TÉCNICA - Estudo de Opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 18 a 25 de Fevereiro

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO Turismo em Portugal Importância na economia portuguesa. Um setor competitivo e com relevância crescente na economia de Portugal. 11,4Mm Receitas Turísticas (2015, BdP)

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

Economia Social Portuguesa: Papel no Pós Troika

Economia Social Portuguesa: Papel no Pós Troika I Congresso Internacional A Economia Social nos Desafios do Séc. XXI Estoril 29 de Junho de 2013 Economia Social Portuguesa: Papel no Pós Troika Quem Somos? CONFAGRI Confederação de Cooperativas Enquadramento

Leia mais

Caderno 1: 50 minutos. Tolerância: 20 minutos.

Caderno 1: 50 minutos. Tolerância: 20 minutos. PROVA FINAL DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 42/1.ª Fase/2013 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de CC n.º ou BI n.º Emitido em Não

Leia mais

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA no Ensino Superior CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte à

Leia mais

Investimento para a inovação e competitividade

Investimento para a inovação e competitividade Investimento para a inovação e competitividade Os novos instrumentos de financiamento Pedro Cilínio Fóruns da Garantia Mútua 2015 O presente conteúdo é válido no contexto do presente evento como complemento

Leia mais

Estudo de Opinião. Expresso / SIC/ Eurosondagem. Legislativas 2015

Estudo de Opinião. Expresso / SIC/ Eurosondagem. Legislativas 2015 Estudo de Opinião Expresso / SIC/ Eurosondagem Legislativas 2015 24 Setembro de 2015 - FICHA TÉCNICA - Estudo de Opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 17 a 23 de Setembro de

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

Rota do Guadiana Associação de Desenvolvimento Integrado. Apresentação Geral

Rota do Guadiana Associação de Desenvolvimento Integrado. Apresentação Geral Rota do Guadiana Associação de Desenvolvimento Integrado Apresentação Geral História e território Criada em 1992, a RG-ADI, assume-se como uma iniciativa de desenvolvimento, constituída com base em parcerias

Leia mais

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Estratégia para a formação financeira Susana Narciso Departamento de Supervisão Comportamental 11 de julho

Leia mais

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO)

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO) RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS E DOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO Página 1/8 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL 20 981 20 981 20 981 20 981 ENTIDADE REGULADORA PARA

Leia mais

PROGRAMA POLIS OUTUBRO

PROGRAMA POLIS OUTUBRO OUTUBRO 2008 1 PROGRAMA POLIS OUTUBRO 2008 2 O PROGRAMA POLIS Objectivos Desígnios Tipologias PLANO ESTRATÉGICO MODELO ORGANIZACIONAL GESTÃO DE PROJECTO OUTUBRO 2008 3 Objectivos Desenvolver grandes operações

Leia mais

Imprensa Regional. AJBB Network Arnado Business Center Rua João de Ruão, n.º 12-1.º Coimbra (Portugal)

Imprensa Regional. AJBB Network Arnado Business Center Rua João de Ruão, n.º 12-1.º Coimbra (Portugal) Imprensa Regional 2014 AJBB Network Arnado Business Center Rua João de Ruão, n.º 12-1.º 3000-229 Coimbra (Portugal) Contato: Tlm. (+351) 912 573 813 publicidade@ajbbnetwork.com www.ajbbnetwork.com A AJBB

Leia mais

Boletim Estatístico. 1º Semestre Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado

Boletim Estatístico. 1º Semestre Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Boletim Estatístico 1º Semestre 2015 Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Índice 1. Pedidos de Famílias Sobre-endividadas 1.1. Processos de Sobre-endividamento entre 2008 e 2015 3 1.2. Distribuição geográfica

Leia mais

SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA

SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA O arrendamento como base de uma sociedade mais dinâmica Lisboa, 14 de Abril de 2015 2 O esforço do Orçamento do Estado de 1987 a 2011 Nos 25 anos que decorreram

Leia mais

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia Distribuição da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Doenças do Aparelho Circulatório em Portugal Continental: Agregação Geográfica e Determinantes Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho

Leia mais

Cursos Superiores de Tecnologias e Sistemas de Informação

Cursos Superiores de Tecnologias e Sistemas de Informação Anexo D Cursos Superiores de Tecnologias e Sistemas de Informação Índice Anexo D1 - Cursos Superiores de TSI - Situação em 1990...d.2 Anexo D2 - Cursos Superiores de TSI - Situação em 2000...d.5 Ordenação

Leia mais

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

PARTE I. Diário da República, 2.ª série N.º 4 5 de janeiro de CASES COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL, CIPRL

PARTE I. Diário da República, 2.ª série N.º 4 5 de janeiro de CASES COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL, CIPRL Diário da República, 2.ª série N.º 4 5 de janeiro de 2017 509 11.7 Excecionalmente e, designadamente quando o número de candidatos seja de tal modo elevado (igual ou superior a 100), tornando- -se impraticável

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL

RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO. Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL RELATÓRIO ANUAL DE EXECUÇÃO 2015 Programa Operacional MAR 2020 PORTUGAL Relatório Anual 2015 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO PO MAR 2020 ANO DE 2015 CCI: 2014PT14MFOP001 PROGRAMA OPERACIONAL: PROGRAMA OPERACIONAL

Leia mais

à frente do nosso tempo Análise dos Incêndios Florestais em Portugal e Avaliação do Índice de Risco de Incêndios Florestais ICRIF

à frente do nosso tempo Análise dos Incêndios Florestais em Portugal e Avaliação do Índice de Risco de Incêndios Florestais ICRIF Análise dos Incêndios Florestais em Portugal e Avaliação do Índice de Risco de Incêndios Florestais ICRIF Lourdes Bugalho, Luís Pessanha, Lourdes.Bugalho@meteo.pt Luis.Pessanha@meteo.pt 1 Instituto de

Leia mais

Titulo da Apresentação da DRAPLVT

Titulo da Apresentação da DRAPLVT Título da Apresentação Titulo da Apresentação da DRAPLVT Substítulo Santarém Fevereiro 2017 Objetivos Nacionais Crescimento sustentável do sector AGROFLORESTAL em TODO O TERRITÒRIO NACIONAL Aumento do

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via Vítimas segundo os distritos...

ÍNDICE DEFINIÇÕES Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via Vítimas segundo os distritos... ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 2014... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo os distritos... 6 4. Vítimas segundo a natureza do acidente... 7 5. Vítimas

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO. Conhecimento, Emprego & Formação

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO. Conhecimento, Emprego & Formação LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO Conhecimento, Emprego & Formação SETÚBAL, 6 de outubro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial

Leia mais

Regulamento Artigo 1.º Objeto Artigo 2.º Objetivos Artigo 3.º Destinatários Artigo 4.º Fases

Regulamento Artigo 1.º Objeto Artigo 2.º Objetivos Artigo 3.º Destinatários Artigo 4.º Fases Regulamento Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento visa estabelecer o modo de funcionamento do Concurso Poliempreende, uma iniciativa conjunta, no âmbito do empreendedorismo, dos Institutos Politécnicos

Leia mais

NOTA. 2. Concorreram a esta fase estudantes, o que representa um acréscimo de 5% em relação ao ano anterior ( em 2013).

NOTA. 2. Concorreram a esta fase estudantes, o que representa um acréscimo de 5% em relação ao ano anterior ( em 2013). NOTA 1. Concluída a primeira fase do 38.º concurso nacional de acesso 1, foram já admitidos no ensino superior público, em 2014, 37 778 novos estudantes, o que representa um ligeiro crescimento em relação

Leia mais

Horário de atendimento 9:00h às 16:00h Encerrado. Alcobaça; Caminha; Lisboa (Expo); Póvoa do Varzim. Horário de atendimento 9:00h às 19:00h Encerrado

Horário de atendimento 9:00h às 16:00h Encerrado. Alcobaça; Caminha; Lisboa (Expo); Póvoa do Varzim. Horário de atendimento 9:00h às 19:00h Encerrado SERVIÇOS DE REGISTO 9:00h às 16:00h Encerrado Horários diferenciados - Serviços de Registo do IRN, I.P., instalados nos Espaços Registo de: Alcobaça; Caminha; Lisboa (Expo); Póvoa do Varzim 9:00h às 19:00h

Leia mais

Plano de Dinamização e Disseminação de Boas Práticas - Eficiência Energética no Setor Empresarial

Plano de Dinamização e Disseminação de Boas Práticas - Eficiência Energética no Setor Empresarial Plano de Dinamização e Disseminação de Boas Práticas - Eficiência Energética no Setor Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas Empresas Plano de Dinamização e Disseminação

Leia mais