METODOLOGIA DE QUALIFICAÇÃO DE DADOS DOS PLANOS PRIVADOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA NA ANS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIA DE QUALIFICAÇÃO DE DADOS DOS PLANOS PRIVADOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA NA ANS"

Transcrição

1 METODOLOGIA DE QUALIFICAÇÃO DE DADOS DOS PLANOS PRIVADOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA NA ANS Marizélia Leão Moreira 1, Celina Maria de Oliveira Perez 2, José Avelino Placca 3, Leonardo Silva Vidal 4 1,2,3,4 Coordenação de Informações, Diretoria de Normas e Habilitações de Produtos, Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS, Brasil Resumo O presente artigo tem por objetivo apresentar a metodologia de qualificação dos dados dos sistemas aplicativos de habilitação e manutenção de planos privados de saúde e de acompanhamento da assistência prestada a beneficiários de Planos Privados de Assistência à Saúde, geridos pela Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos (DIPRO) da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A Metodologia de Qualificação de Dados se baseia na informação em si e na análise do processo de acesso à informação, particularmente no que tange à precisão dos dados. A aplicação dessa Metodologia garantiu ao Sistema de Informações de Produtos (SIP) responder pelos indicadores da dimensão de Atenção a Saúde, do Programa de Qualificação da Saúde Suplementar, dando às operadoras a transparência do processo e à área Técnico-Assistencial subsidio para o aprimoramento do acompanhamento da assistência prestada. A expansão da metodologia para os demais sistemas da DIPRO vem proporcionando diversas oportunidades de integração com as áreas internas e externas, no compartilhamento de responsabilidades, promovendo a busca constante das ferramentas de análise de dados e recursos tecnológicos disponíveis. Palavras-chave: Sistema de Informação, Qualificação de Dados. Abstract This work describes a proposal for a methodology for data qualification of information systems regarding habilitation and maintenance of private health care plans and monitoring health care quality for beneficiaries under responsibility of Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos (DIPRO) of Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). The proposed Qualification Methodology is focused on the information and on the analysis of data access process with special attention to data precision. The application of this methodology allowed the Sistema de Informações de Produtos (SIP) provide the indicators for Atenção à Saúde dimension of the Programa de Qualificação da Saúde Suplementar, allowing a transparent view of the process for private operators and support for Técnico-Assistencial area to improve health care quality monitoring. The application of the Qualification Methodology on other DIPRO s information systems has provided several opportunities for integration of internal and external areas with responsibilities sharing, promoting a steady search for data analysis tools and available technological resources. Key-words: Information Systems, Data Qualification. Introdução A ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar - é uma autarquia sob regime especial vinculada ao Ministério da Saúde e responsável pela regulação, normatização, controle e fiscalização das atividades que garantam a assistência suplementar à saúde. A ANS tem por finalidade institucional promover a defesa do interesse público na assistência suplementar à saúde, regulando as operadoras setoriais, inclusive quanto às suas relações com prestadores e consumidores, contribuindo para o desenvolvimento das ações de saúde no País [01]. A Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos (DIPRO) tem no escopo de suas atividades o Registro e Cadastro, o monitoramento econômico-financeiro e o acompanhamento da assistência prestada por Planos Privados de Assistência à Saúde. Para o desenvolvimento dessas atividades, a DIPRO demanda o desenvolvimento de aplicativos que dêem suporte a tais tarefas que coletam regularmente dados das operadoras de planos de saúde. O desenvolvimento dos aplicativos e sistemas está a cargo da Diretoria de Desenvolvimento Setorial (DIDES). A definição dos requisitos está a cargo das áreas internas da DIPRO. É grande o volume de informações necessárias ao registro de um plano 1

2 de saúde, autorizações de aumento de mensalidade ou ainda utilizadas como critérios de avaliação da assistência prestada, sendo de suma importância para a DIPRO dispor de dados qualificados. A qualidade dos dados utilizados por uma organização vem sendo considerada como fator crítico de sucesso das ações empreendidas em processos de gestão do conhecimento. Em empresas que adotam políticas de CRM (Customer Relationship Management) ou Gestão de Relacionamento com o Cliente, a negligência sobre a qualidade da informação pode levar ao insucesso, até mesmo os programas de CRM criteriosamente planejados e elaborados. O Instituto de Data Warehousing estima que a má qualidade dos dados custa às empresas dos EUA mais de US$ 600 bilhões por ano [02]. Mais prejudicial ainda é o fato de o nível gerencial freqüentemente não ter consciência sobre a situação, subestimando as atividades que causam essa perda. Uma qualidade de dados ruim significa que a informação pode ser imprecisa, incompleta, redundante ou fictícia. Este artigo descreve a metodologia estabelecida pela DIPRO para a Qualificação de Dados e os resultados alcançados. Para tanto, o artigo está dividido nas seguintes seções: a seção 2 descreve brevemente o trabalho correlato da área; a seção 3 descreve a metodologia proposta; a seção 4 comenta os resultados alcançados até então e, finalmente, a seção 5 exibe uma conclusão acerca do modelo proposto. Trabalho Correlato Richard Wang em [03] definiu uma lista de critérios provenientes de fontes diversas voltada para a avaliação da qualidade da informação da fonte de dados individualmente. Esse trabalho serviu de base para outros subseqüentes direcionados para integração de dados [04], [05]. Segundo [06], a qualidade da informação é influenciada por três fatores principais: a percepção do usuário, a informação em si e o processo para acesso à informação. As classes de critérios de qualidade relacionadas a cada um desses fatores podem ser denominadas critérios de sujeito, critérios de objeto e critérios de processo. Neste tópico, serão apresentadas as definições dos critérios de qualidade apresentados por [05]. Porém, dar-se-á atenção especial aos critérios de processo, já que estes serão bastante utilizados no decorrer do trabalho. Os critérios de sujeito representam percepção do usuário em relação aos dados já integrados, provenientes de diversas fontes. É importante ressaltar que o usuário tem visão apenas do esquema integrado dos dados, ficando transparente para o mesmo o fato de estar acessando várias fontes independentes. Os escores de critérios de objeto podem ser determinados a partir de uma análise cuidadosa da informação. Avaliar critérios de objeto não deverá ser muito caro, nem consumir muito tempo, especialmente se os métodos forem aplicados regularmente para manter os escores atualizados. São eles: Completude: quociente entre o número de itens retornados e o número de itens no mundo real; Suporte ao Usuário: quantidade e utilidade do suporte on line em relação à informação, por meio de texto, etc.; Documentação: quantidade e utilidade de documentos com meta e informações; Preço: quantidade paga pela informação em moeda corrente; Confiabilidade: grau no qual o usuário pode confiar na informação; Segurança: grau no qual a informação é passada com segurança da fonte de dados para o usuário e vice-versa; Atualidade: idade da informação e Verificabilidade: grau de facilidade em que a informação pode ser verificada como correta ou não. Na última classe se encontram os critérios que avaliam o processo de integração em si. Esse fator está relacionado com a qualidade das consultas enviadas às fontes de dados. Um exemplo de critério de qualidade representado por essa classe seria tempo de resposta. Esses critérios são os mais tangíveis e mais fáceis de gerenciar dentre os três. Isso ocorre porque os mesmos correspondem a valores discretos e precisos. Além disso, pelo fato de esses critérios não terem nenhuma relação direta com a percepção do usuário, podem ser extraídos de forma mais abundante e controlada. Precisão: também chamado de corretude, consiste no quociente entre o número de valores corretos na fonte e o número total de valores na fonte. O resultado dessa divisão é também denominado taxa de erros da fonte. Volume de dados: pode ser definido como o tamanho do resultado de uma consulta em bytes. Disponibilidade: é medida pela percentagem de tempo em que uma determinada fonte está acessível no momento em que uma consulta é submetida à mesma. Representação Consistente: indica se os dados são sempre apresentados da mesma maneira e são compatíveis com dados previamente consultados. Tempo de Resposta: é o tempo total que se leva desde a submissão das consultas até o completo recebimento dos resultados. Latência: indica o tempo que se leva até que a consulta seja realmente processada. 2

3 A Tabela 1 resume os critérios de processo acima apresentados, junto com o método utilizado para se avaliar cada um deles. Classe Critério de QI Método de Avaliação Critérios de Processo Precisão Volume de Dados Disponibilidade Latência Tempo de Resposta Representação Consistente Tabela 1 - Classificação de Critérios de Processo Metodologia Na elaboração da Metodologia de Qualificação dos Dados sobre Planos Privados de Assistência à Saúde, analisou-se o processo matricial de responsabilização dos usuários, a instância decisória do Comitê Gerencial, o grau de complexidade, características específicas e estágio de implantação de cada sistema. A Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos (DIPRO) conta com uma Coordenação de Informações (CIPRO) responsável pela padronização das informações que subsidiam as atividades das três áreas da DIPRO: Estrutura e Operação, Econômica e Financeira e Técnico- Assistencial dos Planos de Saúde. A responsabilização pelos aplicativos é definida num processo matricial, sendo responsável exclusivo quando a funcionalidade do aplicativo atende exclusivamente a uma das áreas, principal e secundário quando são coletados e tratados dados de interesse de mais de uma área. Nesse caso identifica-se como principal a área responsável pela operação do aplicativo. Em geral, as decisões sobre coleta e tratamento de dados ocorrem no Comitê Gerencial, com participação dos responsáveis pelas três áreas e coordenação da CIPRO. Exemplificando: o sistema de Registro de Planos (RPS) tem a área de Estrutura e Operação como responsável principal e as áreas: Econômico- Financeira, como secundária por responder pela operação da Nota Técnica de Registro de Produtos; e a Técnico-Assistencial por colaborar no item rede assistencial. Já o Sistema de Informações de Produtos (SIP) tem a área Técnico-Assistencial como responsável principal e as outras duas como responsáveis secundários. A DIPRO gerencia atualmente 40 aplicativos disponíveis para operadoras, áreas internas da DIPRO, intrans e sítio ANS, agrupados em nove macroprocessos ou sistemas: Registro e Cadastro de Planos de Saúde, Nota Técnica de Registro de Produtos, Rede de prestação de Serviços, Aumento de Mensalidades, Controle de Processos de Doenças e Lesões Preexistentes, Coordenador Médico, Rol de Procedimentos e Sistema de Informações de Produtos. Os sistemas se diferem pela especificidade do objeto de que tratam, pelo volume de dados recebidos, pela complexidade de integrações à bases de dados externas à DIPRO e principalmente pelo estágio atual de implantação. Pela recente história da ANS e quantidade de aplicativos implantados nesse período, os mesmos contam com diferentes recursos tecnológicos. O mapeamento e análise dos aplicativos, que compõem o Sistema de Informação gerido na Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos (SISDIPRO), possibilitaram a elaboração de uma Metodologia específica de Qualificação dos Dados de Planos de Saúde que apresentamos a seguir. Resultados A Metodologia de Qualificação dos Dados do SISDIPRO se baseia principalmente em dois dos fatores apresentados em Trabalhos Correlatos, na informação em si, dada pelo objeto e na análise do processo de acesso à informação, particularmente no que tange a precisão dos dados. A Metodologia compreende quatro etapas: tipificação do aplicativo, tipos de validações, enquadramento dos tipos de validações por sistema e a retroalimentação do processo. Tipos de Sistemas Inicialmente se avaliou a natureza dos dados coletados e sua potencialidade de integração a outros dados do próprio aplicativo ou a externos, identificando o grau de complexidade das validações necessárias para obter informações fidedignas. A seguir, classificaram-se os sistemas do SISDIPRO em três grandes grupos: a) Sistemas cujos dados de entradas são originados na própria DIPRO. (TIPO I). b) Sistemas cujos dados enviados pelas operadoras são utilizados na ANS. (TIPO II); c) Sistemas cujos dados enviados pelas operadoras subsidiam a geração de novos dados e indicadores (TIPO III); Tipos de Validações Em função das características dos sistemas aplicativos da DIPRO, bem como dos objetivos de 3

4 cada sistema, identificamos as seguintes validações passíveis de serem aplicadas aos mesmos: a) crítica primária: realizada na interface do aplicativo e implementadas por meio de: regras de validação de campos ou de conjunto de campos; validação com tabelas internas definidas em normativos ou de âmbito geral. b) crítica secundária: realizada na recepção de arquivos enviados pela operadora e implementada por meio de: regras de validação e consistência que se utilizam de dados armazenados na base de dados da ANS. c) crítica terciária: realizada em momento posterior à recepção dos dados enviados pela operadora e implementada mediante: cruzamentos com bases de dados externas à ANS. d) crítica quaternária: realizada em momento posterior à recepção do dado enviado pela operadora, implementada mediante: cruzamentos com tabelas de históricos ou perfil da operadora. e) análise estatística: realizada após a incorporação dos dados enviados pela operadora e implementada com utilização de: ferramentas estatísticas que permitam verificar a distribuição e evolução dos dados enviados confrontados com padrões de regularidade. ferramentas estatísticas. Uma vez validadas, são incorporadas aos sistemas em produção. Tipo de Sistema x Tipos de Validações A identificação do conjunto de validações mais adequadas depende do tipo de sistema. A definição de que tipos de validações são aplicáveis a cada tipo de sistema constitui a plataforma básica da Metodologia de Qualificação do SISDIPRO. Sistemas com dados que refletem o histórico de atuação ou que refletem ações realizadas dentro de um conjunto diverso de possibilidades suportam um conjunto de validações mais complexo. Sistemas de dados cadastrais que sofrem pouca ação de manutenção são suscetíveis a validações mais simples. O esquema abaixo reflete o cruzamento das validações possíveis com os tipos de sistemas existentes na DIPRO. TIPO I TIPO II TIPO III Crítica primária: realizada na interface do aplicativo Crítica secundária: realizada na recepção de arquivos ou formulários Crítica terciária: realizada através de cruzamento com tabelas internas Crítica quaternária: realizada através do cruzamento com tabelas externas O resultado da aplicação das críticas primárias é dado às operadoras no momento da entrada do dado, ou antes da geração do arquivo a ser transmitido para a ANS. O resultado da aplicação das críticas secundárias e terciárias é repassado à operadora em relatório específico, disponibilizado com recurso de senha, no sítio da ANS, logo após o recebimento do arquivo. As validações por aplicação das críticas quaternárias e por análise estatística classifica o dado em duas situações: liberado ou em análise. Independentemente da origem de propositura da regra de validação, a crítica e ordem cronológica de aplicação são autorizadas pelo responsável, exclusivo ou principal e coordenação de informação da DIPRO, após apreciação do Comitê Gerencial, conforme o caso. Num primeiro momento, as críticas propostas são aplicadas por Diagrama 1 Mapeamento sistemas x validações Retroalimentação do processo Análise Estatística: geração de indicadores de normalidade A situação de dado em análise é informada à operadora, com o recurso de senha, pelo sítio da ANS. A operadora reenvia um novo arquivo quando identifica erro no dado enviado anteriormente ou confirma o dado. Neste caso, o dado é liberado pelo responsável do sistema, depois de constatada sua validade. Os relatórios de acompanhamento do envio ou substituição de arquivos, resultado das validações, bem como o trâmite de correspondências, controle de prazos, vinculação do protocolo eletrônico fornecido pela transmissão do arquivo ou resultado do processamento com o protocolo de documentos 4

5 entregues na ANS, têm subsidiado o responsável no relacionamento com as operadoras e na busca pelo aprimoramento do processo de trabalho. Discussão e Conclusões O desenvolvimento da Metodologia de Qualificação do SISDIPRO vem proporcionando diversas oportunidades de integração com as áreas internas e externas, no compartilhamento de responsabilidades, promovendo a busca constante das ferramentas de análise de dados e recursos tecnológicos disponíveis. Dentre os sistemas da DIPRO, o Sistema de Informações de Produtos (SIP) se encontra em fase mais avançada de aplicação dessa metodologia. O SIP tem por objetivo coletar e tratar dados da assistência prestada a beneficiários de planos privados de assistência à saúde. Por ser um sistema do tipo III, possui os cinco conjuntos de validações. Vale ressaltar que, por se tratar de assistência à saúde, o volume de críticas utilizando modelos estatísticos é maior. Após a aplicação das críticas primárias, quando a operadora já pode enviar os dados para a ANS, a mesma tem acesso ao relatório gerencial com os indicadores que são analisados pelos técnicos da ANS, possibilitando à empresa acompanhar não só os dados a serem enviados como os indicadores de saúde e as taxas de incrementos no período dos últimos 4 trimestres. A aplicação das críticas terciária, quaternária e de análises estatística garantiu ao SIP responder pelos indicadores da dimensão de Atenção à Saúde, do Programa de Qualificação da Saúde Suplementar, dando às operadoras a transparência necessária para acompanhar seu desempenho. Os demais sistemas da DIPRO já começam a apresentar os primeiros resultados na busca de qualificação de seus dados. No sistema de Reajuste de Planos Coletivos, algumas críticas quaternárias e por análise estatísticas já validadas estão em fase de implementação na versão em produção. O sistema de Registro de Planos de Saúde já incorpora em sua primeira versão crítica terciária utilizando o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) para validação da rede de prestadores enviada pelas operadoras. Agradecimentos Aos técnicos da Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos, bem como aos analistas da Gerência Geral de Informações e Sistemas pelas valiosas contribuições ao presente trabalho. Referências [01] Brasil. Lei 9.961, de 28 de janeiro de Cria a Agência Nacional de Saúde Suplementar e dá outras providências. Disponível em [02] Drescher, S., "O que você sabe sobre o seus dados", Itecma Instituto de Tecnologia e Meio Ambiente. Disponível em [03] Wang, R., Kon, H. and S. Madnick, "Data quality requirements analysis and modeling", 9th International Conference on Data Engineering, pp , [04] Naumann, F., Leser, U. Quality-driven Integration of Heterogeneous Information Systems. In Proceedings of the 25th International Conference on Very Large Databases (VLDB 99) Edinburgh, UK. pp , [05] Zhu, Y., Buchmann, A. Evaluating and Selecting Web Sources as External Information Resources of a Data Warehouse. In Proceedings of the 3rd International Conference on Web Information Systems Engineering (WISE 2002), Singapore, [06] Naumann, F., Rolker, C. Assessment Methods for Information Quality Criteria. In Proceedings of the Conference on International Quality (IQ00) Boston, Contatos Marizélia Leão Moreira Celina Maria de Oliveira Perez José Avelino Placca Leonardo Silva Vidal Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar, Av. Augusto Severo, 84 12º andar Glória CEP Rio de Janeiro - RJ 5

Metodologia de Qualificação de Dados dos Planos Privados de Assistência à Saúde: uma experiência na ANS

Metodologia de Qualificação de Dados dos Planos Privados de Assistência à Saúde: uma experiência na ANS Metodologia de Qualificação de Dados dos Planos Privados de Assistência à Saúde: uma experiência na ANS X Congresso Brasileiro de Informática em Saúde out/2006 - Florianópolis (SC) ANS Lei nº 9.656/1998

Leia mais

Reajuste de mensalidade

Reajuste de mensalidade Reajuste de mensalidade Conceitos básicos Reajuste por variação de custos Reajuste por mudança de faixa etária SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS Reajuste de mensalidade SÉRIE PLANOS DE SAÚDE

Leia mais

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 SUMÁRIO Questão 1 - Valor dos eventos de atenção à saúde, por grupo e origem... 4 Questão 2 Quantitativo e valor dos eventos de atenção à saúde por prestador...

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE. Gina Régnier

ACREDITAÇÃO DE OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE. Gina Régnier ACREDITAÇÃO DE OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE Gina Régnier Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS Autarquia especial criada pela Lei 9.961/2000 Vinculada ao Ministério da Saúde, com sede e foro na cidade

Leia mais

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2014 ERRATA Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS. Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar

Leia mais

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 NORMATIVOS Resolução Normativa nº 356, de 2014 Altera a RN nº 85, de 2004. Altera a RN nº 89, de 2003. Altera a RN nº 309, de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009 Estabelece normas para a geração, transmissão e controle de dados cadastrais de beneficiários

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Trata-se de Nota Técnica referente à metodologia utilizada para o desenvolvimeto da primeira carga do D-TISS Detalhamento dos Dados do TISS.

Trata-se de Nota Técnica referente à metodologia utilizada para o desenvolvimeto da primeira carga do D-TISS Detalhamento dos Dados do TISS. Gerência/Diretoria: GEPIN/DIDES Protocolo nº 33902.552358/2015-01 Data: 09/12/2015 Hora: 10:00 Assinatura: Magno Fernandes Nota Técnica nº 586/2015/GEPIN/DIDES/ANS 1. Introdução Trata-se de Nota Técnica

Leia mais

Análise documental do desempenho social no MIX

Análise documental do desempenho social no MIX Análise documental do desempenho social no MIX 2013 Âmbito do processo de análise documental O MIX procura continuamente oferecer ao setor de microfinanças os dados mais confiáveis possíveis. Para esse

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 1 - OBJETIVO PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 Este retrata a forma que deve ser conduzida a gestão dos s da entidade desde a sua concepção até o seu acompanhamento e melhoria. 2 - AUTORIDADE

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG 2015 Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Cliente Institucional e Atualizado em: 11 de setembro de 2015 Sumário 1. Conceito do software... 1 2. Abertura de

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistencia Social SNAS Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS DRSP Cadastro Nacional das Entidades de Assistência

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Check list portal da Operadora Atualização: Validade:

Check list portal da Operadora Atualização: Validade: Capítulo 01 RN 16 Estabelece medidas normativas a serem adotadas pelas Operadoras de planos privados de assitistência à saúde, relativas aos materiais publicitários de caráter institucional. RN 16 1.1

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE 2010.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE 2010. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N XXX, DE XX DE XXXXXXXXX DE 2010. Institui o procedimento de Notificação de Investigação Preliminar NIP e altera a redação do art. 11 da Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de

Leia mais

Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo

Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo Comp Line A empresa Criada em 1996, tem por filosofia associar tecnologia, parceria e transparência, através da disponibilização de painéis de controle,

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M 1. Introdução a política 2. Quem está elegível para solicitar suporte? 3. Horário de atendimento 4. Que tempo de resposta

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED Este documento, denominado Política de Privacidade, tem por finalidade estabelecer as regras sobre a obtenção, uso e armazenamento dos dados e informações coletados

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDO 1. OUVIDORIA INTERNA... 4 2. OUVIDORIA EXTERNA... 6 3. PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO... 7 4. CALL CENTER ATIVO DA SAÚDE... 12 5. OUVIDORIA UNIDADES

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

SIPESQ Sistema de Pesquisas da PUCRS

SIPESQ Sistema de Pesquisas da PUCRS SIPESQ Sistema de Pesquisas da PUCRS Abril de 2014 Versão 1 Página 1 de 17 Apresentação O Sistema de Pesquisas da PUCRS (SIPESQ) tem por objetivo fazer o mapeamento das estruturas e projetos de pesquisa

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe 1 FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe ITIL V2 Service Support Aracaju, Setembro de 2009 EDUARDO DA PAIXÃO RODRIGUES LUCIELMO DE AQUINO SANTOS 2 ITIL V2 Service Support Trabalho de graduação

Leia mais

COMPATIBILIZANDO CADASTROS

COMPATIBILIZANDO CADASTROS COMPATIBILIZANDO CADASTROS EM PROJETO SIG Cristiane Vaz Domingues cristiane.vaz@uol.com.br FOTOGRAFIA Hoje nas instituiçõesições públicas existem: informações repetidas e/ou complementares distribuídas

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 1 Resumo e considerações* A reunião apresentou bastante debate, e deliberações importantes. Alguns pontos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No-48, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA No-48, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA No-48, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre o acompanhamento e avaliação da garantia de atendimento dos beneficiários pelas operadoras de planos de assistência à saúde, regulamenta

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

O padrão de gerenciamento de projetos

O padrão de gerenciamento de projetos O padrão de gerenciamento de projetos Processos de Gerenciamento de Projetos 1 Áreas de Conhecimento do Gerenciamento de Projetos Trinômio Sagrado Custos Tempo Qualidade 2 Áreas de Conhecimento do Gerenciamento

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Apresentação. Módulos integrantes

Apresentação. Módulos integrantes Apresentação O Sistema de Informações Gerenciais de Acompanhamento de Projetos (SIGAP) tem por objetivo organizar informações referentes ao acompanhamento da execução de projetos de cooperação técnica

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC NUCLEO CONSULTORIA EM SEGURANÇA Artigo SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BRASIL, São Paulo Novembro, 2013 V.1.0 1. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde 9º SINPLO SP 09/05/2014. 1 Marizélia Leão Moreira Graduada em Ciências Sociais

Leia mais

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS Curitiba, 11 de junho de 2010. Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS 1. SUAS WEB O SUAS-Web é um sistema informatizado que o Ministério do

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços

Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Julho de 2011 Sumário 1. Apresentação...3 2. Definições...3 3. Público alvo...4 4. Credenciamento...4

Leia mais

Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas

Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas Agora que você já conheceu algumas características dos Sistemas de Informação, nesta aula você vai aprender um pouco sobre tipos de sistemas. Você conhecerá a integração

Leia mais

Procedimentos referentes ao Gerenciamento do Sistema CGU-PAD a serem adotados no âmbito da Corregedoria-Geral da União

Procedimentos referentes ao Gerenciamento do Sistema CGU-PAD a serem adotados no âmbito da Corregedoria-Geral da União ANEXO I DA PORTARIA Nº 293, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2008 (Alterado pela Portaria 147 de 31/01/2011). Procedimentos referentes ao Gerenciamento do Sistema CGU-PAD a serem adotados no âmbito da Corregedoria-Geral

Leia mais

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1.

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1. CIH01 Comunicação de Internação Hospitar Manual de Instalação e Administração Versão do produto: 4.0.1.1 Edição do documento: 1.0 Agosto de 2008 MS - SE - DATASUS CIH01 Comunicação de Internação Hospitar

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional 1/74 Título 1 Apresentação... 3 Título 2 Gerenciamento do Risco Operacional... 4 1 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 4 1 Considerações Gerais... 4 2 Estrutura Organizacional... 5 3 Responsabilidades...

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 2 INTRODUÇÃO Esse documento contém as instruções básicas para a utilização do TabFisc Versão Mobile (que permite ao fiscal a realização do seu trabalho

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 VIGILÂNCIA SOCIAL MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 VIGILÂNCIA SOCIAL MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 VIGILÂNCIA SOCIAL MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas Vigilância Socioassistencial

Leia mais

MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS

MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. INFORMAÇÕES REGULAMENTARES:...3 3. ACESSO AO SISTEMA...3 4. INCLUSÃO DE USUÁRIOS...4 5. FATURAMENTO ELETRÔNICO...5 6. GUIA

Leia mais

Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e. Introdução. Apresentação

Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e. Introdução. Apresentação Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e Manual do Usuário Prestador Introdução Este manual tem como objetivo apresentar a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) que será utilizado pelos contribuintes

Leia mais

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Faculdade de Tecnologia Senac DF Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Documento de Visão Versão 4.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2014 1.0 Versão Inicial do

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

São Paulo, 30 de abril de 2015. ABR.029/15 SIN.006/15

São Paulo, 30 de abril de 2015. ABR.029/15 SIN.006/15 São Paulo, 30 de abril de 2015. ABR.029/15 SIN.006/15 Ao Sr. Rafael Pedreira Vinhas Gerente-Geral de Estrutura e Operação dos Produtos GGEOP Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos DIPRO Agência

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema Números do Sistema Números do Sistema 36 Prestadoras 300 Operadoras (30% das operadoras de saúde) 15 Federações Institucionais 351 Cooperativas 1 Confederação Nacional 1 Confederação Regional 1 Central

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais