Chocolates - Brasil Abril 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Chocolates - Brasil Abril 2012"

Transcrição

1 - Brasil Abril 2012

2 Published by Mintel Group Ltd 11 Pilgrim Street London EC4V 6RN tel: fax: Sales hotline: +44 (0) Mintel Group Limited. All rights reserved. Statistics in this report are the latest available at the time of research NOTE: This publication is issued as a series of reports. Each report is a complete work in itself, which is available separately or as part of a subscription IMPORTANT WARNING 1. Mintel Group Limited ("Mintel") is the legal owner of the copyright subsisting in this report. Any use and/or copying of such documents and materials which is not in accordance with Mintel's standard Terms and Conditions (available at or these Conditions of Use is unauthorised. Any unauthorised use may give rise to Mintel bringing proceedings for copyright infringement against you claiming an injunction, damages and costs. No purchase order issued by the original subscriber ( Licensee ) will modify or amend these standard Terms and Conditions, even where the purchase order is signed by Mintel. 2. The purchase, use or reading of any Mintel report that contains SymphonyIRI Group (IRI) InfoScan data by (or disclosure to) a Non- Participating Retailer or its employees (or agents/professional advisors working on its account) is prohibited. A Non-Participating Retailer is a retailer and its subsidiaries each as defined by IRI, where it, or one of its associated companies, has declined to participate in IRI s InfoScan information service by not providing its data to IRI. A current written list of Non-Participating Retailers and subsidiaries (as notified to Mintel by IRI) is available from Mintel at any time, or as linked through the latest set of terms and conditions as displayed continuously on Mintel s website at The Non- Participating Retailers as at May 24, 2010 are Walmart, Sam s Club, Costco, Lidl, and Aldi. 3. Unless otherwise agreed in writing in advance by Mintel, this document may not be sold, passed on, communicated or disseminated in any form (including within its original covers), nor access granted, to any third party or to any subsidiary, associated or holding company (whether direct or indirect) of the Licensee. 4. The Licensee acknowledges that all information and materials contained in this report are the copyright property and confidential information of Mintel, and are protected, inter alia, by the Copyright, Designs and Patents Act 1988 and other intellectual property rights and by these Terms and Conditions, and that no rights in any of the materials are transferred to the Licensee. The Licensee undertakes that it will not copy, reproduce, print or store in any manner (electronic or otherwise), extract or transmit in any form or otherwise deal with in any way the whole or part of the data, materials or information contained in this report. 5. The Licensee (or any subsequent user, whether licensed or unlicensed who reads this report) agrees it will not place financial reliance upon any figure, statement or inference contained within this or any other Mintel report, or invite investment from others, without first obtaining the written consent of Mintel's Company Secretary so to do. In the event that the Licensee (or any subsequent user, whether licensed or unlicensed) does not follow this procedure, it (or any subsequent user) agrees fully and effectually to indemnify Mintel against any claims, howsoever arising, and to draw specific attention to the fact that this consent has not been obtained.

3 Sumário INTRODUÇÃO... 7 Estrutura do estudo... 7 Definição... 7 Metodologia da pesquisa de consumo... 7 SUMÁRIO EXECUTIVO... 9 O mercado... 9 Figura 1: Tamanho do mercado de chocolate volume e valor de vendas, Participação de Mercado... 9 Figura 2: Participação de mercado por companhia em O Futuro... 9 Figura 3: Tamanho do mercado em volume e valor, Temas Impactantes As marcas brasileiras de chocolate sentem a pressão do aumento no preço do cacau Lojas especializadas entram no mercado de massa Mudanças no ambiente de varejo geram oportunidades O desenvolvimento do Norte e Nordeste permanece sendo o foco do mercado Os chocolates saudáveis apresentam um impacto misto A sustentabilidade está ganhando espaço AS MARCAS BRASILEIRAS DE CHOCOLATE SENTEM A PRESSÃO DO AUMENTO NO PREÇO DO CACAU A produção de cacau no Brasil enfrenta desafios a curto e longo prazo Figura 4: Volume de vendas de cacau, por país (distribuição %), Figura 5: Importações Brasileiras de cacau, (000) Ton, por país, Figura 6: Produção global de cacau por país, (000) ton), As flutuações no preço global estimulam a produção local Figura 7: Preços mensais do cacau, O aumento no preço dos chocolates irá influênciar os hábitos de compra Figura 8: CAGR, chocolate por kg, em países selecionados, Figura 9: Reação a um aumento no preço do seu chocolate favorito, Agosto Figura 10: Reação a um aumento nos preços do chocolate favorito, (%) Agosto Figura 11: Reação a um aumento nos preços do chocolate favorito, por frequência de consumo, Agosto As marcas de chocolate inovam para evitar um reajuste de preços ao consumidor Figura 12: Compras de chocolates, por tipo e renda doméstica, Agosto O que isto significa? LOJAS ESPECIALIZADAS ENTRAM NO MERCADO DE MASSA Lojas especializadas expandem as suas atuações Figura 13: Volume e valor de vendas de chocolates individualmente embalados (Bombons), A CRM lança marcas no varejo Figura 14: Local das compras de chocolates por classe social, (%), Agosto O mercado de presentes ainda apresenta oportunidades para as lojas especializadas Figura 15: Consumidores que compram chocolate em chocolaterias especializadas por classe economia, (%), Agosto Figura 16: Consumidores que frequentemente compram chocolate para presente por região, Agosto Figura 17: Consumidores que frequentemente compram chocolate para presente por classe econômica, Agosto As inovações procuram ampliar a exposição Figura 18: Inovações no mercado de, por marca, O que isto significa? MUDANÇAS NO AMBIENTE DE VAREJO GERAM OPORTUNIDADES A sociedade brasileira se volta para os varejos menores Figura 19: Mercado Brasileiro de, vendas no varejo, Figura 20: Faturamento de revenda, por canal de distribuição, O comportamento do consumidor é determinado pela sua localidade e renda Figura 21: Local de compras de chocolates por região, (%), Agosto O que isto significa? Mintel Group Ltd. All rights reserved. iii

4 Sumário O DESENVOLVIMENTO DO NORTE E NORDESTE PERMANECE SENDO O FOCO DO MERCADO O crescimento recente do consumo tem estimulado o interesse e investimentos Figura 22: Classes econômicas por região, Figura 23: Compras de chocolates em Kgs per capita, por região, 2002 a Figura 24: Frequência de consumo de chocolates, (%), Agosto Investimentos dos produtores atraídos pelas oportunidades de mercado A Nestlé investe em capacidade de distribuição A inovação aborda o problema das temperaturas mais altas O que isto significa? OS CHOCOLATES SAUDÁVEIS APRESENTAM UM IMPACTO MISTO Os níveis de obesidade têm um baixo impacto no mercado de chocolates Os consumidores não estão preocupados com a saúde Figura 25: Atitudes em relação aos chocolates, Agosto Figura 26: Consumidores que compram chocolate amargo por faixa etária e por classe social, Agosto O chocolate amargo proporciona uma solução agradável Figura 27: Lançamentos de Chocolate Escuro Figura 28: Lançamentos de chocolate amargo por companhia,(%) * Produtos com redução de permanecem sem inspiração Figura 29: Percentual Lançamentos de Chocolate com o apelo menos (%) Figura 30: Lançamentos de chocolates com açúcar baixo/sem/reduzido por companhia,(%) * Produtos diet Produtos zero Os produtos aerados são uma alternativa atraente com porções controladas têm um conceito diferente no Brasil Figura 31: Lançamentos de tabletes por peso, * O que isto significa? A SUSTENTABILIDADE ESTÁ GANHANDO ESPAÇO As ações sustentáveis estão mais frequentes, mas as expectativas dos consumidores são altas A embalagem sustentável é o primeiro passo Figura 32: % de novos produtos com posicionamento Ético, A oferta orgânica e de comércio justo é limitada apesar de ser atrativa para os consumidores. 61 O impacto do comércio justo mercado de chocolate ainda está por vir Figura 33: Consumidores interessados em chocolates naturais, orgânicos e de comércio justo por faixa etária, Agosto O que isto significa? O FUTURO Figura 34: Tamanho do mercado em volume e valor, APÊNDICE DADOS DO MERCADO Figura 35: Tamanho do mercado de chocolate volume e valor de vendas, Figura 36: Segmentação de mercado por valor, Figura 37: Tamanho do mercado em volume, Figura 38: Preço médio por segmento de mercado, Figura 39: Tamanho do mercado de chocolates em caixa, Figura 40: Tamanho do mercado dos chocolates embalados individualmente por volume e valor, Figura 41: Tamanho do mercado de confeitos em pacotes por valor e volume, Figura 42: Tamanho do mercado de tabletes por volume e valor, Figura 43: Tamanho do mercado de snacks de chocolate por volume e valor Figura 44: Participação de mercado por volume e valor, APÊNDICE DADOS DO CONSUMO Figura 45: Frequência de consumo de chocolate por região, Agosto Figura 46: Frequência de consumo de chocolate por sexo e faixa etária, Agosto Figura 47: Frequência de consumo de chocolate por classe socioeconômica, Agosto Mintel Group Ltd. All rights reserved. iv

5 Sumário Figura 48: Frequência de consumo de chocolate por grau de escolaridade, Agosto Figura 49: Frequência de consumo de chocolate entre as crianças,.por região, Agosto Figura 50: Frequência de consumo de chocolate entre as crianças, por sexo e faixa etária (total das crianças no domicílio com menos de 16 anos), Agosto Figura 51: Frequência de consumo chocolate entre as crianças por classe socioeconômica (total das crianças no domicílio com menos de 16 anos), Agosto Figura 52: Frequência de consumo chocolate entre as crianças por grau de escolaridade (total das crianças no domicílio com menos de 16 anos), Agosto Figura 53: Tipo de chocolate usualmente comprado para si mesmo ou para outros, Agosto Figura 54: Tipos de chocolates frequentemente comprados para si mesmo ou para outros por região, Agosto Figura 55: Tipo de chocolate frequentemente comprado para si mesmo ou para os outros por sexo e faixa etária, Agosto Figura 56: Tipo de chocolate frequentemente comprado para si mesmo ou para os outros por classe socioeconômica, Agosto Figura 57: Tipos de chocolate frequentemente comprado para si mesmo ou para os outros por grau de escolaridade, Agosto Figura 58: Tipo de chocolate comprado ( para si mesmo) por frequência de consumo, Agosto Figura 59: Local de compra de chocolate por região, Agosto Figura 60: Local de compra de chocolate por faixa etária e sexo, Agosto Figura 61: Local de compra de chocolate por classe socioeconômica, Agosto Figura 62: Local de compra de chocolate por grau de escolaridade, Agosto Figura 63: Local de compra de chocolate por frequência de consumo de chocolate, Agosto Figura 64: Reação a um aumento nos preços do chocolate favorito, por região, Agosto Figura 65: Reação a um aumento nos preços do chocolate favorito, por sexo e faixa etária, Agosto Figura 66: Reação a um aumento nos preços do chocolate favorito, por classe socioeconômica, Agosto Figura 67: Reação a um aumento nos preços do chocolate favorito, por grau de escolaridade, Agosto Figura 68: Reação a um aumento nos preços do chocolate favorito, por frequência de consumo, Agosto Figura 69: Atitudes em relação a chocolate por região, Agosto Figura 70: Atitudes em relação a chocolate por sexo e faixa etária, Agosto Figura 71: Atitudes em relação a chocolate por classe socioeconômica, Agosto Figura 72: Atitudes em relação a chocolate por grau de escolaridade, Agosto Figura 73: Atitudes em relação a chocolates por frequência de consumo, Agusto APÊNDICE DADOS DO GNPD Figura 74: Lançamentos de chocolates por segmento, Figura 75: Lançamentos de chocolates por companhia Figura 76: Lançamentos de chocolates por posicionamento, Figura 77: Lançamentos de chocolates por categoria de posicionamento, Figura 78: Lançamentos de chocolates por marca vs. marca própria, Figura 79: Lançamentos de chocolates por sabor, Figura 80: Lançamentos de chocolates por tamanho da embalagem, Figura 81: Lançamentos de chocolates por faixa de tamanho de embalagem Figura 82: Tipos de lançamentos de chocolates, Figura 83: Lançamentos de chocolates para crianças por empresa, * Figura 84: Lançamentos de chocolates com açúcar reduzido por trimestre * Figura 85: Lançamentos de chocolates sem/baixo/reduzido teor de açúcar por empresa, * Figura 86: Lançamentos de chocolates amargo por empresa, * Figura 87: Lançamentos de chocolates de marca privada por empresa * Figura 88: Lançamentos de chocolates de marca privada por segmento, * APÊNDICE DADOS DEMOGRÁFICOS Figura 89: Numero de adultos por classe social, Figura 90: Proporção de consumidores em cada região por classe social, Figura 91: Aquisição alimentar domiciliar per capita anual por grupos, subgrupos e produtos, APÊNDICE COMPANHIAS E MARCAS Figura 92: Portfólio de marcas por companhia, METODOLOGIA DE PESQUISA PARA O BRASIL Tamanho de amostrar por demografia e geografia Mintel Group Ltd. All rights reserved. v

6 Sumário Nossa parceira de pesquisa Ipsos Observer Brazil Amostra e Controle de Qualidade Previsões Estatísticas Mintel Group Ltd. All rights reserved. vi

7 Introdução Introdução A confiança do mercado nos fornecedores mundiais de cacau está subjugada às flutuações de preço e inflação deste insumo, mas mesmo assim, as as previsões do mercado continuam positivas. Investimentos em distruibuição e inovação estão alinhados não só ao crescimento do consumidor-base, mas também ao aumento da frequência do uso entre consumidores ocasionais. Jean Manuel Gonçalves, Analista Sênior do Setor de Alimentação Algumas das perguntas respondidas no relatório foram: Como a queda na oferta de cacau em 2011 impactará no mercado de chocolates nos próximos anos; Como os especialistas em varejo estão ampliando sua presença no mercado, e onde estão as melhores oportunidades; Como o desafio da distribuição está criando novas rotas no mercado, e como isso vai afetar a relação do consumidor com o chocolate; Qual impacto a sustentabilidade terá no mercado, e como fabricantes podem explorar o interesse do consumidor em produtos sustentáveis ; Qual o impacto que produtos mais saudáveis possuem no mercado, e se isso mudará. Estrutura do estudo O estudo está dividido em cinco seções e anexos. Nos anexos são apresentados o tamanho do mercado, segmentação, participação de mercado, todas as tabelas com dados da pesquisa de consumo (incluindo dados demográficos), dados sobre marcas de produtos por companhia, todos os dados do Global New Product Database utilizados no estudo, dados macroeconômicos e nacionais. As cinco seções abordam os principais temas que desafiam e impactam o mercado e avaliam como o mesmo irá evoluir nos próximos cinco anos. Visão global: no estudo existem sentenças que estão destacadas em amarelo e fazem referência ao mercado internacional de. Definição Este mercado inclui tabletes, caixas de chocolate, chocolates embalados individualmente, lanches, barras de chocolate, ovinhos, confeitos de chocolate, e chocolates de outros formatos. Não inclui chocolates sazonais. O tamanho do mercado é baseado apenas nas vendas no varejo. O chocolate destinado à utilização industrial não está incluído neste estudo. Metodologia da pesquisa de consumo Na análise foi incluída uma pesquisa de consumo da APPM por telefone com uma amostra representativa de 1,300 consumidores de todas as regiões, faixas etárias e rendas. As cinco regiões cobertas pela pesquisa estão detalhadas no mapa abaixo e as definições dos grupos Sociais A-E são baseadas em estimativas do poder aquisitivo e níveis educacionais de indivíduos e famílias urbanas. Vide em anexo mais detalhes. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 7

8 Introdução Inovação existem inúmeras referências de novos produtos e atividades de lançamentos de produtos em geral. Todos os dados e imagens de produtos foram derivados do banco de dados Mintel Global New Product Database (GNPD). É importante destacar que o GNPD não cobre os chocolates que não são embalados. Enquanto o estudo faz referência a chocolates não embalados, os dados do GNPD não incluem este segmento. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 8

9 Sumário Executivo Sumário Executivo O mercado O mercado de chocolate deve apresentar uma redução de crescimento em 2011, continuando a tendência vista em O faturamento superou o volume de vendas devido ao aumento no preço dos insumos causado pela inflação e pela guerra civil na Costa do Marfim. O mercado brasileiro de chocolates é relativamente mais fragmentado em comparação aos mercados dos Estados Unidos e Europa. FIGURA 1: TAMANHO DO MERCADO DE CHOCOLATE VOLUME E VALOR DE VENDAS, Volume (000) toneladas Var. % anual Valor milhões R$ Var. % anual , , , , , , , , (est) 260 1, ,0 FONTE: MINTEL Participação de Mercado O mercado é dominado por três companhias líderes que possuem 85% de market share. Kraft lidera o ranking, seguida por Nestlé e Garoto (A empresa Garoto pertence à Nestle, mas tem posicionamento independente, ambas somam 46% de participação no mercado).. O mercado brasileiro também possui chocolaterias especializadas (como em outros mercados globais), como a Brasil Cacau, Cacau Show e Kopenhagen. FIGURA 2: PARTICIPAÇÃO DE MERCADO POR COMPANHIA EM 2010 (000) toneladas % Milhões R$ % Kraft Foods Nestlé Garoto Ferrero Arcor Outras FONTE: MINTEL O Futuro Nos próximos cinco anos o mercado brasileiro de chocolate deve continuar a apresentar um crescimento relativamente constante no volume e um crescimento um pouco mais acentuado no faturamento de vendas. A continuidade da dependência das importações de cacau para atender a demanda interna deixa o mercado susceptível a inflação e as flutuações globais nos preços. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 9

10 Sumário Executivo FIGURA 3: TAMANHO DO MERCADO EM VOLUME E VALOR, Volume (000) toneladas Var % anual Valor milhões R$ Var % anual , , , , , , , , (est) 258 3, ,70 5, (proj) 263 2, ,54 6, (proj) 268 1, ,47 4, (proj) 272 2, ,88 6, (proj) 276 2, ,04 4,5 FONTE: MINTEL Os bombons (chocolates embalados individualmente) são um segmento essencial na promoção do crescimento no faturamento já que ajudam a estimular a frequência de consumo entre os grupos de menor renda e se espera aumentar o consumo destes grupos além das ocasiões festivas quando se dão presentes. As chocolaterias especializadas, em especial, usarão este tipo de produto para estimular o crescimento na frequência de consumo. De maneira similar, se espera que o maior crescimento no mercado venha dos canais de impulso com a mudança nos hábitos de compras dos consumidores que passaram a fazer visitas mais frequentes as lojas de supermercado. O crescimento em geral dependerá do aumento contínuo da prosperidade no Brasil, principalmente na região Nordeste e da habilidade dos produtores em se beneficiar dos seus investimentos na distribuição de chocolates nesta região. Tanto o segmento Orgânico quanto o segmento de Comércio Justo irão crescer com uma maior expectativa dos consumidores em relação aos programas de responsabilidade corporativa. São esperados importantes desenvolvimentos na expansão do mercado de chocolates amargos assim como também no aumento da popularidade dos produtos aerados- um segmento significativo em outros mercados, mas ainda em crescimento no Brasil.. Temas Impactantes As marcas brasileiras de chocolate sentem a pressão do aumento no preço do cacau A dependência das importações para atender a demanda doméstica do mercado de chocolates do Brasil significa que o mercado está susceptível a flutuações de preços em consequência de variáveis como problemas de safra, ambiente político instável e aumento no consumo global. O crescimento do mercado depende do crescimento na frequência de consumo entre grupos específicos de consumidores, mas notavelmente entre os grupos com renda mais baixa e aqueles localizados na região Nordeste. Estes consumidores são compradores não frequentes e mais propensos a reduzir o consumo com um aumento nos preços. Contudo, com os grandes produtores no mercado sendo marcas multinacionais com ambições de investir na cadeia de suprimentos e em promoções, o impacto de um aumento nos preços será minimizado. As experiências de outros mercados mais desenvolvidos proporciona a estas marcas o ensinamento para evitar que os mesmos erros (como por exemplo a falta de transparência) que prejudicaram suas marcas sejam cometidos. Além disso, com o grande interesse do consumidor em provar novas marcas, as inovações podem continuar a estimular um maior comprometimento com a categoria. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 10

11 Sumário Executivo Lojas especializadas entram no mercado de massa As chocolaterias especializadas continuarão a expandir sua presença no mercado brasileiro, tanto em número de lojas quanto em seus atrativos para os clientes. Existem inúmeras oportunidades a serem exploradas pelas chocolaterias- primeiramente como exemplo está o interesse dos consumidores mais jovens, porém outras duas oportunidades estão no desenvolvimento de uma ampla rede de ocasiões especiais (Dia dos Namorados, Dia dos Pais) e no crescimento das vendas por impulso. A expansão das marcas de chocolaterias especializadas no varejo de massa apresenta diversos desafios como visto em outros mercados e é um caminho que precisa ser estudado com cautela. A influência destas lojas no mercado em geral permanecerá relativamente pequena, porém as taxas de crescimento irão ultrapassar as do varejo de massa caso as oportunidades sejam exploradas com sucesso. Mudanças no ambiente de varejo geram oportunidades As mudanças nos hábitos de consumo estão promovendo modificações nas estratégias dos grandes produtores. Um desejo por compras mais rápidas e mais frequentes está criando um grande enfoque nas vendas realizadas em varejos menores. Uma maior concorrência nesta área resultará em mais campanhas promocionais, que significam melhores preços para os consumidores e, consequentemente, maiores volumes de vendas. Também estimulará os produtores a renfocarem em inovação para atender as necessidades dos varejos com menor formato e o desejo pelas de compras por impulso. O desenvolvimento do Norte e Nordeste permanece sendo o foco do mercado O Norte e o Nordeste vão apresentar um crescimento significativo no consumo de chocolates nos próximos cinco anos. Os produtores estão melhorando suas cadeias de suprimentos, metodologias de distribuição e investindo no desenvolvimento de produtos para varejos com menores formatos localizados em regiões quentes. Uma maior concorrência e uma maior oferta encorajarão os consumidores a experimentar novas marcas. Se o mercado brasileiro se espelhar no ocorrido em outros países, onde os consumidores com menor renda são os maiores compradores de chocolate, o mercado irá apresentar um rápido crescimento. A única barreira ao crescimento do consumo na região seria uma redução no crescimento geral da economia. Os chocolates saudáveis apresentam um impacto misto Os produtos mais saudáveis raramente causam um grande impacto nas categorias indulgentes (com a exceção dos Refrigerantes) e no caso do chocolate não é diferente. Com as alternativas mais atraentes já sendo apresentadas em formatos de bombons (embalados individualmente) que permitem um pequeno prazer (e também mais barato), as outras opções de produtos saudáveis ficam mais limitadas. Haverá mais desenvolvimento na área de porções controladas na medida em que os produtores busquem desenvolver ocasiões compartilhadas e tabletes menores que são apropriados para os varejos menores. O chocolate amargo atrai o consumidor, embora não haja um número significativo de produtos no mercado de massa que atendam as necessidades dos consumidores, portanto esta área do mercado pode ser expandida. Outras linhas de chocolate mais saudável continuarão a ser lançadas, principalmente para satisfazer as exigências do governo e dos consumidores por companhias mais responsáveis socialmente. De forma realista, a curto prazo a expansão deste mercado se dará de forma limitada. Os produtos aerados possuem atrativos em potencial como uma linha mais saudável e como uma linha um pouco mais barata- porém o desafio para vender estes produtos de maneira atrativa e efetiva permanece. O sucesso dos produtos aerados em outros mercados representa um forte indício de que esta é uma área que irá crescer. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 11

12 Sumário Executivo A sustentabilidade está ganhando espaço O tema da sustentabilidade e os seus vários segmentos, desde embalagens ecológicas a alimentos orgânicos, vêm ganhando visibilidade e importância. As companhias que possuem planos de sustentabilidade estão se beneficiando com a revitalização da sua imagem pública, uma vez que os consumidores brasileiros continuam a considerar que sustentabilidade e RSC (Responsabilidade Social Corporativa) são fatores importantes nas suas escolhas de produtos e marcas. Enquanto o Comércio Justo apresenta desafios como custo e burocracia, sua importância no mercado exportador indica que não levará muito tempo para que estas companhias busquem domésticamente satisfazer as oportunidades de mercado existentes nesta área. Embora o conhecimento do consumidor sobre o assunto ainda seja baixo, o conceito de responsabilidade social é importante. O sucesso já comprovado do Comércio Justo em outros mercados mostra que o tema é bastante atraente aos olhos do consumidor. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 12

13 As Marcas Brasileiras de Chocolate Sentem a Pressão do Aumento no Preço do Cacau As Marcas Brasileiras de Chocolate Sentem a Pressão do Aumento no Preço do Cacau A inflação e a guerra civil na Costa do Marfim levaram ao aumento significativo dos preços no começo do ano. O Brasil é apenas o sexto maior produtor de cacau no mundo e, como resultado, o mercado depende de importações para satisfazer a demanda doméstica. Um maior enfoque na produção nacional pelas grandes marcas como Nestlé não irá proteger o mercado das flutuações globais de preço a curto prazo. Os consumidores são sensíveis aos preços, principalmente os localizados na região Nordeste, foco dos grandes investimentos das empresas líderes. Existem inúmeras táticas sendo empregadas para responder ao aumento de preço global, e no Brasil o foco tem sido em uma cadeia de suprimentos eficiente e na inovação de valor agregado. A produção de cacau no Brasil enfrenta desafios a curto e longo prazo Apesar do Brasil ser um país produtor de cacau, não tem sido imune às pressões de um mercado global em transformação. Em 2009/10 o Brasil era o sexto produtor mundial de cacau, mas com a Costa do Marfim dominando a indústria com 34% de participação, um sexto lugar não é uma posição muito impressionante. Na realidade o país é apenas um pequeno competidor na indústria do cacau, produzindo apenas 4% do volume global de cacau. A indústria de cacau no Brasil declinou nos anos 70, quando uma praga e uma pobre gestão agrícola dificultaram o crescimento da safra. Como consequência, os produtores de cacau diversificaram e optaram por plantações mais lucrativas. Atualmente o país produz consideravelmente menos cacau e de qualidade inferior ao produzido há três décadas. A maior parte da safra de cacau é vendida para os Estados Unidos e como resultado os produtores brasileiros têm que importar cacau para as suas produções. FIGURA 4: VOLUME DE VENDAS DE CACAU, POR PAÍS (DISTRIBUIÇÃO %), 2010 FONTE: ICCO Mintel Group Ltd. All rights reserved. 13

14 As Marcas Brasileiras de Chocolate Sentem a Pressão do Aumento no Preço do Cacau Contudo, o mercado brasileiro é em geral muito dinâmico, com a presença de grandes produtores (Kraft, Cadbury e Nestlé) e processadores (Cargill e Barry Callabault). As importações de cacau atualmente superam as exportações. Em 2009/10, toneladas de cacau foram importadas, sendo a Indonésia o principal fornecedor (recentemente ultrapassando a Costa do Marfim) e Gana fornecendo uma pequena proporção. A motivação da Indonésia em dominar o mercado brasileiro de cacau está de acordo com sua estratégia de aumentar as exportações. Os problemas políticos da Costa do Marfim, que resultaram em um embargo das exportações por 5 meses, deu espaço para que a Indonésia alterasse o equilíbrio do mercado. Com o novo governo da Costa do Marfim reabrindo a comercialização de cacau, possivelmente acontecerá outro ajuste que pode levar a Costa do Marfim a voltar a ter uma posição de liderança na comercialização com o Brasil. FIGURA 5: IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CACAU, (000) TON, POR PAÍS, Legend: Costa do Marfim, Gana, Indonesia, Total FONTE: ICCO Enquanto a produção de cacau está começando a acelerar no Brasil, devido a um crescimento na demanda por produtos de chocolate no país, a Organização Internacional do Cacau (ICCO) prevê que a safra de cacau do Brasil atingirá somente toneladas em 2010/2011, um nível que ainda é insuficiente para atender a demanda doméstica. A dependência dos grandes fornecedores de cacau continuará em um futuro próximo, mesmo com o aumento da produção de chocolates no país. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 14

15 As Marcas Brasileiras de Chocolate Sentem a Pressão do Aumento no Preço do Cacau FIGURA 6: PRODUÇÃO GLOBAL DE CACAU POR PAÍS, (000) TON), FONTE: ICCO As flutuações no preço global estimulam a produção local Os produtores brasileiros de cacau percebem o potencial de uma oportunidade perdida. Patrícia Moles, presidente da Associação Indústria Processadora de Cacau (AIPC), disse: No Brasil testemunhamos um crescimento forte da demanda que segue no ritmo do aumento da renda. Mas a produção interna ainda oscila muito. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 15

16 As Marcas Brasileiras de Chocolate Sentem a Pressão do Aumento no Preço do Cacau Trazer cacau do exterior não é algo desejável às processadoras, diz a executiva. As empresas, afirma ela, preferem pagar mais pela matéria-prima da Bahia, do que ter de passar pelo trâmite burocrático de importar, que envolve também muitas exigências fitossanitárias, devido ao receio de contaminação com "vassoura de bruxa", praga que devastou os cacaueiros do sul da Bahia na década de 80. Enquanto os processadores desejariam adquirir a produção local de cacau para seus produtos finais, a instabilidade da produção de cacau no país forçou-os a buscar fontes externas. O declínio das exportações da Costa do Marfim complicou ainda mais a situação da indústria no Brasil, além disso, as mudanças climáticas e o aumento do preço do combustível são outros fatores que afetaram o mercado global de cacau. Na realidade a volatilidade atual no preço do cacau demonstra a fragilidade da cadeia de suprimento. Desde Fevereiro, o preço do cacau caiu 17% devido a inúmeras forças regionais e globais, incluindo boas condições climáticas na África e a melhora na situação política na Costa do Marfim, que ajudou a aumentar a produção. FIGURA 7: PREÇOS MENSAIS DO CACAU, 2011 Data US$ por tonelada Var % Jan-11 3, Fev-11 3, Mar-11 3, Abr-11 3, Mai-11 3, Jun-11 3, Jul-11 3, Ago-11 3, Set-11 2, FONTE: ICCO Em uma entrevista com o jornal Financial Times, o CEO da Barry Callebaut, Juergen Steinemann, fez uma previsão a longo prazo sobre os preços do cacau nos próximos anos. Ele disse: Se considerarmos os aspectos fundamentais, eu diria que os preços não irão cair. Não existe motivo para que o cacau fique mais barato. Enquanto pressões econômicas especialmente na zona do Euro forçarão os consumidores a reduzir seus gastos com itens não essenciais, os chocolates já provaram ser relativamente resistente a crise e, portanto, a demanda global pelo cacau continuará a crescer. O crescimento do volume de consumo na Índia (11%) e na China (14%) em 2010 são alguns exemplos de mercados que estão apresentando um crescimento na casa dos dois dígitos. Considerando o potencial para a instabilidade política em alguns dos principais produtores mundiais de cacau e o clima inconstante que afeta as colheitas, a previsão feita por Steinemann de estabilidade dos preços se justifica. A indústria de cacau do Brasil ainda precisa das importações para atender a demanda interna, porém o país tem tomado algumas medidas para revitalizar a indústria nacional do cacau por vários meios, incluindo um cultivo mais eficiente de cacau. Atualmente, cada hectare de cacau no Brasil produz uma média de 320 kg de cacau. Na Indonésia, a produtividade é três vezes maior. Com o investimento em pesquisa científica e o enfoque na eficiência de produção, o governo brasileiro está se esforçando para assegurar que a demanda de cacau futura seja atendida. A Nestlé já entrou em negociações com a Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira, CEPLAC, em um projeto para aumentar a produtividade das fazendas e a qualidade do cacau no Brasil. A multinacional está disposta a transferir tecnologia e subsídios ao projeto, enquanto também orientará o seu planejamento. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 16

17 As Marcas Brasileiras de Chocolate Sentem a Pressão do Aumento no Preço do Cacau A Nestlé espera que esta iniciativa lhe permita atender a sua demanda por insumos no curto e longo prazo. A companhia também espera agregar valor a seus chocolates com a introdução de uma cadeia de suprimentos rastreada. Mas especificamente, a Nestlé planeja aumentar a aquisição interna de cacau de 2% a 15% nos próximos três anos. Posteriormente a Nestlé espera que este valor aumente para 100% dentro de 15 anos, reduzindo, portanto, as importações de cacau a zero. Aproximadamente 80% do cacau brasileiro se concentra na região sul do estado da Bahia, que é rodeado pela Mata Atlântica. De fato, a Amazônia é também responsável por 17% de todo o cacau produzido no país. Como resultado, grandes multinacionais como a Nestlé, Mars e Kraft se comprometeram a aumentar a quantidade de insumos utilizados com certificação de origem. As companhias também estão começando a adotar práticas socioambientais em seus modelos de negócio à medida que buscam uma posição sustentável no mercado. O aumento no preço dos chocolates irá influênciar os hábitos de compra Chocolate é um produto caro no Brasil e os preços aumentaram significativamente desde Em 2010 o preço médio no varejo por kg de chocolate alcançou US$13,07, o segundo mais caro de todos os países grandes consumidores de chocolate. Somente o Reino Unido apresentou um preço médio mais alto por quilograma de US$14,8. A taxa de crescimento anual composta (CAGR) do preço dos chocolates no Brasil é mais alta que em muitos mercados estabelecidos de chocolate: com CAGR de 8,8% desde 2006, está à frente da França e Rússia e muito à frente do Reino Unido e da Alemanha. FIGURA 8: CAGR, CHOCOLATE POR KG, EM PAÍSES SELECIONADOS, FONTE: MINTEL Com os produtores buscando expandir o mercado no Brasil, a sensibilidade ao preço é um tema desafiador, principalmente dado que o crescimento virá do desenvolvimento econômico das classes mais baixas (C1, C2, e DE). Em geral, a penetração é relativamente alta:- oito em cada dez brasileiros consomem chocolates com mais da metade consumindo uma vez por semana ou mais. Este dado se compara a penetração de 89% no Reino Unido, com mais de dois terços consumindo mais de uma vez por semana. Entre aqueles que comem chocolate no Brasil, existe uma notável sensibilidade ao preço: somente um quarto deles não mudaria seus hábitos de compra caso houvesse um aumento no preço do chocolate. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 17

18 As Marcas Brasileiras de Chocolate Sentem a Pressão do Aumento no Preço do Cacau FIGURA 9: REAÇÃO A UM AUMENTO NO PREÇO DO SEU CHOCOLATE FAVORITO, AGOSTO 2011 Base: 1,165 entrevistados por telefone com mais de 16 anos que comem chocolate FONTE: APPM/MINTEL A reação mais provável a um alta considerável nos preços seria uma redução nos níveis de consumo de uma marca favorita, com apenas uma pequena proporção parando de consumir a sua marca preferida. Os efeitos no mercado em geral, embora preocupantes, são super valorizados uma vez que os consumidores tendem a exagerar o seu padrão de comportamento como resultado de mudanças no preço ou na saúde. Portanto, neste contexto o efeito em geral provavelmente será o declínio do volume de vendas, porém não causará danos irremediáveis a categoria. Os volumes serão prejudicados, mas caso haja um posicionamento correto para o consumidor, esta mudança será apenas temporária. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 18

19 As Marcas Brasileiras de Chocolate Sentem a Pressão do Aumento no Preço do Cacau A propensão à mudança, ou a não mudança, do comportamento de compra devido a variações de preço varia com a região, sendo os consumidores que vivem no Nordeste os mais propensos a optarem pelo abandono da categoria. Com os produtores investindo na região a fim de explorar o seu potencial de crescimento, os preços irão desempenhar um papel importante. Os consumidores da região Centro-Oeste demonstram uma tendência de serem expertos em chocolate sendo os menos propensos a mudar de comportamento e mais fiéis a sua marca favorita. Os consumidores do Centro- Oeste são os mais propensos a visitar chocolaterias especializadas para comprar chocolates. FIGURA 10: REAÇÃO A UM AUMENTO NOS PREÇOS DO CHOCOLATE FAVORITO, (%) AGOSTO 2011 Base: 1,165 entrevistados por telefone com mais de 16 anos que comem chocolate FONTE: APPM/MINTEL Mintel Group Ltd. All rights reserved. 19

20 As Marcas Brasileiras de Chocolate Sentem a Pressão do Aumento no Preço do Cacau A frequência de consumo e a sensibilidade ao preço são fatores inter-relacionados: os consumidores frequentes de chocolate possuem uma maior tendência do que os consumidores não frequentes a serem leais a sua marca favorita, porém parariam de comprar caso houvesse um aumento de preços. Os consumidores que consomem chocolate menos de uma vez por mês são os mais propensos a optar por sair da categoria completamente caso os preços aumentem. Contudo, o consumo não frequente é motivado por ocasiões (Páscoa e Dia dos Namorados), quando os consumidores estão mais susceptíveis a gastar um pouco mais em um presente que querem dar e estão, portanto, menos propensos a notar um pequeno aumento nos preços. O problema que surge é que um aumento nos preços vai dificultar a compra de chocolates com uma maior frequência, o que é fundamentalmente o mais provável estímulo para o crescimento do mercado. Portanto, é o consumo adicional que está em risco, mas pode ser reconquistado através de inovações que chamem a atenção do consumidor e de promoções ocasionais. Consequentemente o impacto na categoria em geral como explicado anteriormente provavelmente será mínimo, porém o aumento nos preços limitará o crescimento futuro. Mintel Group Ltd. All rights reserved. 20

VOCÊ SABIA? Chocolate - Brasil - Abril Compre Este Relatório Agora

VOCÊ SABIA? Chocolate - Brasil - Abril Compre Este Relatório Agora Chocolate - Brasil - Abril 2012 Introdução A confiança do mercado nos fornecedores mundiais de cacau está subjugada às flutuações de preço e inflação deste insumo, mas mesmo assim, as as previsões do mercado

Leia mais

O POTENCIAL DE MERCADO PARA O CHOCOLATE. Abril/ 2014

O POTENCIAL DE MERCADO PARA O CHOCOLATE. Abril/ 2014 O POTENCIAL DE MERCADO PARA O CHOCOLATE Abril/ 2014 Brasil Dados do Mercado de Chocolates -3º maior mercado de chocolates do mundo (Fonte: Caobisco) Geração de empregos - 33 mil empregos diretos anuais

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

Setor de Panificação e Confeitaria

Setor de Panificação e Confeitaria Setor de Panificação e Confeitaria Em 2014 o setor de Panificação e Confeitaria brasileiro cresceu 8,02%e faturou R$ 82,5 bilhões. Desde 2010, o mercado vem registrando uma desaceleração. Setor de Panificação

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

VOCÊ SABIA? Iogurte - Brasil - Dezembro 2012. Compre Este Relatório Agora

VOCÊ SABIA? Iogurte - Brasil - Dezembro 2012. Compre Este Relatório Agora Introdução O mercado brasileiro de iogurtes está em pleno desenvolvimento e vem ampliando sua presença de maneira significativa. Segundo levantamento da Mintel, de 2010 para 2011, a categoria teve um crescimento

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

O varejo e a era da disrupção

O varejo e a era da disrupção 10Minutos Varejo Total Retail 2015 - Pesquisa anual da PwC com os consumidores O varejo e a era da disrupção Destaques Os consumidores estão definindo sua própria abordagem de relacionamento com o varejo,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009 Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil 6 de outubro de 2009 1 Agenda Estado da Indústria Nacional de Informática Estímulos à Indústria Nacional

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Módulo 18 Avaliando desempenho

Módulo 18 Avaliando desempenho Módulo 18 Avaliando desempenho Raimar Richers definiu marketing como sendo entender e atender os clientes. Esta é uma definição sucinta e feliz que podemos usar para definir avaliação de desempenho como

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Estratégia Internacional

Estratégia Internacional Estratégia Internacional Professor: Claudemir Vasconcelos Aluno: Sergio Abreu Estratégia Internacional A internacionalização não se limita somente ao Comércio exterior (importação & exportação); é operar

Leia mais

Módulo 2 Planeamento de Marketing. Capítulo 4. Atribuição de Preço. Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger

Módulo 2 Planeamento de Marketing. Capítulo 4. Atribuição de Preço. Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger Módulo 2 Planeamento de Marketing Capítulo 4 Atribuição de Preço Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger CONTEÚDOS 2 MÓDULO 2 PLANEAMENTO DE MARKETING Capítulo 4: Atribuição de preços Autores: Dr. Andrea

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Pesquisa do ManpowerGroup revela declínio nas expectativas de contratações no Brasil

Pesquisa do ManpowerGroup revela declínio nas expectativas de contratações no Brasil EMBARGOED UNTIL TUESDAY JUNE 09, 2015 AT 00.01 EST Pesquisa do ManpowerGroup revela declínio nas expectativas de contratações no Brasil A expectativa de contratação no Brasil chega a -3% para o próximo

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

O papel do CFO na estratégia corporativa

O papel do CFO na estratégia corporativa O papel do CFO na estratégia corporativa Paola Sardi Madueño, Diretora de Estratégia da Monitor Deloitte Dezembro 2014 Tendências globais (1/2) Embora com pesos diferentes, existem algumas tendências globais

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

Índice. 1. Alguns factos. Competitividade da fileira hortofrutícola. 1. Alguns factos 2. Os desafios 3. As estratégias 4. Considerações finais

Índice. 1. Alguns factos. Competitividade da fileira hortofrutícola. 1. Alguns factos 2. Os desafios 3. As estratégias 4. Considerações finais Competitividade da fileira hortofrutícola Desafios da fruta qualificada (DOP/IGP) face às tendências de mercado Viseu 7 Novembro de 2007 Gonçalo Lopes COTHN Índice 2. Os desafios 3. As estratégias 4. Considerações

Leia mais

Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan

Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan Panorama do mercado da banana no Brasil Orivaldo Dan orivaldo@tropsabor.com.br Produção de bananas no Brasil (toneladas) 4500000 4000000 Tendência 3500000 3000000 2500000 2000000 1500000 2011 2010 2009

Leia mais

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo,

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VENDA DE FLORES PARA O DIA INTERNACIONAL DA MULHER 2015

PERSPECTIVAS DE VENDA DE FLORES PARA O DIA INTERNACIONAL DA MULHER 2015 PERSPECTIVAS DE VENDA DE FLORES PARA O DIA INTERNACIONAL DA MULHER 2015 Realização: Hórtica Consultoria e Inteligência de Mercado Apoio: SINDIFLORES Sindicato do Comércio Varejista de Flores e Plantas

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

Cacau Amêndoa Período: Março de 2013

Cacau Amêndoa Período: Março de 2013 Cacau Amêndoa Período: Março de 2013 Tabela I PREÇO PAGO AO PRODUTOR - Cacau Amêndoa (em US$/ton.) Períodos Anteriores Março/13 % Locais Unid. 12 meses 1 mês [a] [b] [c] c/a c/b Ilhéus - Bahia R$/Kg 5,83

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

O MERCADO DO CAFÉ NA GRÉCIA

O MERCADO DO CAFÉ NA GRÉCIA O MERCADO DO CAFÉ NA GRÉCIA Fonte: ( A Guerra de 1 euro do Expresso, Maria Basileiou. Jornal Ta Nea, 21/01/2010) [13] Introdução Dados macroeconômicos Importações gerais gregas do café em grão As importações

Leia mais

Luz no fim do túnel. de combustíveis foram responsáveis por US$ 501 bilhões

Luz no fim do túnel. de combustíveis foram responsáveis por US$ 501 bilhões Estados unidos Luz no fim do túnel Os Estados Unidos ainda não se recuperaram totalmente da última crise financeira, que fez estrago nos dos dois lados do Atlântico, mas vêm ensaiando uma recuperação e,

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

As 5 maiores empresas de chocolate do Brasil

As 5 maiores empresas de chocolate do Brasil As 5 maiores empresas de chocolate do Brasil Saiba quem trava uma das mais doces disputas no mercado brasileiro Concentração é grande São Paulo - Quem só pensa no sabor do chocolate pode esquecer que o

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Breve Apresentação do Negócio

Breve Apresentação do Negócio CELEIRO-DIETA Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Celeiro Dieta N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos 25 Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010 Facturação

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos. Profa.

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos. Profa. Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Produto É algo que pode ser oferecido para satisfazer um

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011 Pesquisa IBOPE Ambiental Setembro de 2011 Com quem falamos? Metodologia & Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas telefônicas. Objetivo geral Identificar

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 O I N V E S T I M E N T O P E L A L Ó G I C A D A D E M A N D A R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

ICC 109 8. 14 setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido

ICC 109 8. 14 setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido ICC 109 8 14 setembro 2012 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido Tendências do consumo de café em países importadores selecionados Antecedentes

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos;

Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos; Missão do IAB Brasil Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos; Criar normas e padrões para o planejamento, criação, compra, venda, veiculação e mensuração de mensagens

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

As diretrizes de consumo no Brasil

As diretrizes de consumo no Brasil As diretrizes de consumo no Brasil A visão do consumidor Luiz Goes A GS&MD Gouvêa de Souza Consultoria Empresarial Canais de distribuição / Centrais e redes de negócios/ Controladoria e finanças / Crédito

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica As empresas podem crescer de três maneiras diferentes. Os métodos

Leia mais

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Os termos de troca no comércio exterior são definidos pela relação entre os preços das exportações de um país e os das suas importações.

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA 1 A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA INTRODUÇÃO As recentes altas dos preços dos alimentos remetem a vários questionamentos de

Leia mais

Estudo de Caso da Nintendo

Estudo de Caso da Nintendo Estudo de Caso da Nintendo Roberto Paulo da Silva Pinto Junior robertjr@furnas.com.br 1 Universidade Federal Fluminense (UFF), Centro Tecnológico - Niterói, RJ, Brasil 2 Furnas Centrais Elétricas S.A.

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha Diversos fatores influenciam na percepção de valor para o cliente ou mercado, dependendo do tipo de produto. Para alguns produtos a confiabilidade

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais