Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp , Jan 2011 Reviews & Essays

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 161-183, Jan 2011 Reviews & Essays"

Transcrição

1 B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp , Jan 2011 Reviews & Essays JTL RELIT E-ISSN Estudo e previsão de demanda aeroportuária para a cidade do Rio de Janeiro [Study and airport demand forecast to the city of Rio de Janeiro] Mayara Condé Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Brazil Submitted 9 Dec 2010; received in revised form 26 Dec 2010; accepted 26 Dec 2010 Resumo Este trabalho consiste na realização de um estudo de demanda aeroportuária para a cidade do Rio de Janeiro com o objetivo de prever o crescimento orgânico do movimento de passageiros para o ano de Para isso, foram utilizadas ferramentas da econometria para desenvolver modelos de previsão de demanda doméstica e internacional e gerar as previsões, analisando-se diversos cenários. Assim, pretende-se criar uma fundamentação técnica para viabilizar a análise de capacidade dos aeroportos do Rio de Janeiro e contribuir para a tomada de decisões na alocação de investimentos no setor aeroportuário. Palavras-Chave: demanda aeroportuária; crescimento orgânico; Rio de Janeiro; econometria; investimentos. Abstract This paper involves carrying out an airport demand study for the city of Rio de Janeiro with the aim to predict the organic growth of passenger traffic for the year For this, tools of econometrics were used to develop predictive domestic and international demand models and generate forecasts by analyzing different scenarios. Therefore, part of the goal is to create a technical foundation to enable an analysis of airport capacity in Rio de Janeiro and contribute to decision making in the allocation of investments in the airport sector. Key words: airport demand; organic growth; Rio de Janeiro; econometrics; investments. * Recommended Citation Condé, M.(2011) Estudo e previsão de demanda aeroportuária para a cidade do Rio de Janeiro. Journal of Transport Literature, vol. 5, n. 1, pp JTL RELIT is a fully electronic, peer-reviewed, open access, international journal focused on emerging transport markets and published by BPTS - Brazilian Transport Planning Society. Website This paper is downloadable at

2 1. Introdução Este trabalho consiste na realização de um estudo de demanda aeroportuária para a cidade do Rio de Janeiro com o objetivo de prever o crescimento orgânico do movimento de passageiros para o ano de Para isso, serão desenvolvidos modelos de previsão de demanda, tanto doméstica quanto internacional, a partir de uma base de dados e com o auxílio de ferramentas da econometria. Recentemente, uma das principais preocupações nacionais é a questão da infraestrutura aeroportuária. A maioria dos grandes aeroportos já estão visivelmente saturados e o crescimento a altas taxas da demanda por transporte aéreo devido à evolução da economia brasileira e, consequentemente, do PIB, faz com que surjam questionamentos sobre como absorver esse crescimento. Além disso, eventos como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 no Brasil incrementam a movimentação da aviação comercial e executiva, exigindo ainda mais capacidade. Nesse sentido, faz-se necessário desenvolver estudos de demanda aeroportuária para prever o crescimento do transporte aéreo ano a ano, incluindo-se as variáveis relevantes e analisandose os diversos cenários de evolução das mesmas. Assim, podem-se avaliar os possíveis gargalos de capacidade de maneira mais fundamentada, a fim de balizar a alocação de investimentos no setor. Com relação à questão da infraestrutura aeroportuária no Brasil, a cidade do Rio de Janeiro é uma das únicas que não está em situação crítica, visto que seu aeroporto principal ainda conta com capacidade ociosa. No entanto, vários questionamentos surgem a partir desta situação: Até quando esta capacidade atende à demanda da região? Será que investimentos podem ser adiados em detrimento de casos mais críticos? Assim, é possível notar a relevância desse estudo no sentido de responder a tais perguntas. O trabalho em questão está assim dividido: na Seção 2, faz-se a análise dos aeroportos do Rio de Janeiro, com o levantamento de dados quantitativos e de malha aérea. Na Seção 3, apresenta-se o estudo de demanda aeroportuária propriamente dito, contendo informações sobre a base de dados, modelagem econométrica e previsão de demanda. E por fim, nas 162

3 Conclusões, são mostradas as taxas previstas de crescimento orgânico do movimento doméstico e internacional de passageiros, as quais indicam que o crescimento do transporte aéreo doméstico aproxima-se a um cenário de triplicação em 20 anos e que a demanda internacional é influenciada por fatores exógenos diversos, com flutuações mais acentuadas. 2. Análise dos aeroportos do Rio de Janeiro A cidade do Rio de Janeiro conta com dois aeroportos principais para compor a sua infraestrutura de transportes: o Aeroporto Santos-Dumont e o Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim (Galeão). O aeroporto Santos-Dumont mantém sua vocação de aeroporto central, direcionado para voos de curta distância no segmento doméstico. Por sua vez, o Galeão, localizado na Ilha do Governador, possui fundamental importância para o desenvolvimento dos negócios e do turismo, não só na cidade do Rio de Janeiro, como também em todo o Brasil, já que representa um dos principais pontos de entrada no país. 2.1 Características dos aeroportos Com o suporte da infraestrutura aeroportuária fluminense, eventos internacionais importantes, tais como a ECO-92 e os Jogos Pan-Americanos, puderam se concretizar, revelando, assim, o papel essencial que o Galeão desempenha na inserção do Brasil no mundo globalizado. Mais recentemente, a escolha da cidade do Rio de Janeiro para sediar futuros eventos como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 reforçam ainda mais a importância deste aeroporto como condicionante para o sucesso dos mesmos. No entanto, a capacidade de proporcionar a intensificação de relações internacionais e a auto-afirmação do Brasil no cenário global não é a única função do Galeão. Ele também é o principal responsável por acompanhar a evolução econômica nacional e ser capaz de absorver a crescente demanda por transporte aéreo, no que diz respeito ao segmento doméstico, na cidade do Rio. Apesar de não atuar no cenário internacional, o aeroporto Santos-Dumont também possui elevada importância para a cidade do Rio. Operando 24 horas por dia, com capacidade para processar até 8,5 milhões de passageiros por ano segundo a INFRAERO (2010) e voltado para as operações de curta distância, ele é o principal responsável pelo desenvolvimento dos negócios no Centro-Sul do país, sobretudo entre os pólos Rio e São Paulo. Além disso, 163

4 absorve boa parte do movimento doméstico e possui acesso facilitado por estar localizado no coração da cidade. Inaugurado em 1936 na área central do Rio de Janeiro, o então Distrito Federal, o aeroporto Santos-Dumont foi o primeiro aeroporto civil do país. Para atender a demanda crescente e propiciar conforto aos usuários, obras de infraestrutura foram realizadas nas décadas subseqüentes. Apesar da restauração rápida após o incêndio ocorrido em 1998, percebeu-se que a capacidade do aeroporto estava superada e, assim, foi realizada uma grande reforma das instalações e dos sistemas de pátios e pistas. Ainda, em 2004, os voos de média e longa distância foram remanejados do aeroporto Santos-Dumont para o Galeão. Já o aeroporto internacional do Rio de Janeiro começou sua atuação em 1924, com a instalação da Escola de Aviação. No entanto, somente a partir de 1945 o Galeão foi declarado oficialmente como aeroporto internacional, uma vez que as rotas internacionais passaram a ser servidas por aviões de maior porte que precisavam de pistas em terra para realizar o pouso e a decolagem. Apesar de o Galeão ter servido como campo de pouso para aviões internacionais nos anos da Segunda Guerra Mundial e integrado a Base Aérea da Força Aérea Brasileira, o acesso era feito apenas por meio de lancha e não existia um terminal de passageiros. Com o crescimento acelerado da aviação comercial no Brasil, o aeroporto passou a ganhar cada vez mais importância. Em 1992, o terminal 1 teve suas instalações reformadas e o terminal 2 começou a ser construído, sendo finalizado em Com suas capacidades somadas, o Galeão passou a ser capaz de atender 15 milhões de passageiros ao ano, segundo a INFRAERO (2010). Além disso, foi desenvolvida uma infraestrutura terrestre de acesso ao aeroporto por todas as diferentes partes da cidade. Hoje, vias expressas importantes como a Linha Vermelha, a Linha Amarela e a Avenida Brasil fazem a conexão do aeroporto com toda a cidade do Rio. No cenário brasileiro atual de infraestrutura aeroportuária, o Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim é um dos poucos que não está em situação crítica. Atualmente, ainda há capacidade ociosa e as obras em andamento nos terminais 1 e 2 devem livrar o aeroporto de problemas de congestionamento, pelo menos no curto prazo. A questão de sua privatização ainda vem sendo estudada pelo governo federal. Por outro lado, o aeroporto Santos-Dumont opera próximo à sua capacidade e suas condições físicas de expansão são precárias, uma vez 164

5 que está imerso em área urbana densamente povoada e a geografia é desfavorável. Além disso, discussões sobre a restrição de suas operações são frequentes. 2.2 Os aeroportos em números Através da análise da ferramenta HOTRAN disponibilizada pela ANAC (2010), foi possível obter uma série de informações no que diz respeito à atuação dos aeroportos do Rio de Janeiro nos cenários nacional e global. Um importante aspecto analisado em cada aeroporto foi a participação das companhias aéreas na composição das ligações. No mercado do transporte aéreo internacional, verificou-se que não há grande concentração. A TAM vem em primeiro lugar com 32,7% de market share, seguida pela Varig, com participação de 14,3%. Já no mercado do transporte aéreo doméstico, verificou-se elevada concentração, sobretudo no aeroporto do Galeão, onde a Gol concentra 52,6% das rotas, enquanto a TAM apresenta 35,4% de participação, evidenciando o duopólio dessas duas empresas nesse aeroporto com um market share de 88%. Apesar de concentrar apenas 8,6% das rotas no aeroporto do Galeão, a empresa Webjet apresenta uma participação mais expressiva no aeroporto Santos- Dumont, equivalente a 18,2% do mercado, contra 31,5% da TAM, 16,4% da Gol e 18,2% da Azul. 2.2 Análise das malhas A análise das malhas aéreas dos aeroportos do Rio de Janeiro também pode ser feita graças aos dados disponibilizados pela ANAC (2010). Assim, verificou-se que o aeroporto Santos- Dumont possui atuação mais restrita, com destinos domésticos concentrados nas regiões Sudeste e Nordeste e poucas rotas direcionadas às regiões Centro-oeste e Sul. Por outro lado, o Galeão possui atuação ampla no cenário doméstico, com destinos espalhados por todo o território nacional. Com relação ao cenário internacional, o Galeão apresenta como destinos principais a América do Norte e a Europa, apesar de possuir também destinos na África, América Central e América do Sul. Os mapas das Figuras 1 e 2 mostram todas as ligações dos aeroportos do Rio de Janeiro. 165

6 Figura 1 Mapa com as ligações do aeroporto Santos-Dumont Figura 2 Mapa com as ligações do aeroporto Antonio Carlos Jobim (Galeão) 166

7 3. Estudo de demanda aeroportuária para a cidade do Rio de Janeiro O estudo de demanda aeroportuária engloba a análise qualitativa e quantitativa da base de dados, o desenvolvimento de modelos econométricos de demanda e a realização de previsões segundo cenários diversificados. 3.1 Descrição e análise da base de dados A base de dados histórica utilizada para o estudo foi obtida em uma fonte secundária, o BTD (Brazilian Transportation Database) do LACTE (2010), a qual reúne dados disponibilizados por instituições públicas e privadas no Brasil (Ministério dos Transportes, Ministério da Defesa, Infraero, ANAC, ANTT). As séries utilizadas foram: movimento de aeronaves e movimento de passageiros nos aeroportos Santos-Dumont e Galeão para os segmentos doméstico e internacional, yield médio doméstico nominal, PIB nominal em reais, taxa de inflação (IPCA) e taxa de câmbio real-dólar nominal no período de janeiro de 2003 a dezembro de 2009, com periodicidade mensal. Com o auxílio do software Stata e da metodologia proposta por Oliveira (2010), foi possível obter estatísticas descritivas e gráficos, viabilizando a discussão qualitativa da série. Através da Tabela 1, pode-se notar que o movimento doméstico médio de passageiros no aeroporto Santos-Dumont é de 39,2% contra 60,8% no Galeão, evidenciando a maior atuação desse último no cenário nacional. Tabela 1 Resumo das variáveis analisadas Variable Obs Mean Std. Dev. Min Max paxdomsbgl paxdomsbrj paxintsbgl movdomsbgl movdomsbrj movintsbgl paxdom paxint movdom movint abslfdom abslfint yield gdp usd

8 Na Tabela 2, verifica-se o efeito do apagão aéreo tanto na movimentação doméstica de passageiros quanto na movimentação internacional. Observa-se que houve redução na movimentação de passageiros internacionais, porém a movimentação doméstica de passageiros sofreu ligeiro aumento, o que contradiz o efeito maléfico do apagão no mercado do transporte aéreo. Apesar disso, pode-se observar a diminuição da movimentação doméstica de aeronaves, o que condiz com a situação da época. Tabela 2 Efeito do apagão aéreo de 2006/2007 no movimento de passageiros e aeronaves e no yield -> dapagao = 0 Variable Obs Mean Std. Dev. Min Max paxdom movdom paxint movint yield > dapagao = 1 Variable Obs Mean Std. Dev. Min Max paxdom movdom paxint movint yield Na Tabela 3, é possível observar claramente o efeito do codeshare Varig-TAM no período de 2003 a 2005 tanto no yield quanto no paxdom. Com o fim do codeshare e o início da guerra de preços, verifica-se a redução do yield, ou seja, os preços cobrados pelas companhias aéreas são menores e, em conseqüência, há aumento na demanda, comprovada pelo aumento do movimento doméstico de passageiros. 168

9 Tabela 3 Efeito do codeshare Varig-TAM (2003 a 2005) no movimento doméstico e no yield -> dcshare_2 = 0 Variable Obs Mean Std. Dev. Min Max paxdom yield > dcshare_2 = 1 Variable Obs Mean Std. Dev. Min Max paxdom yield Tabela 4 Matriz de correlações para o cenário doméstico paxdom movdom yield gdp usd dcshar~2 dapagao paxdom movdom yield gdp usd dcshare_ dapagao Tabela 5 Matriz de correlações para o cenário internacional paxdom movdom paxint movint gdp usd dcshar~2 dapagao paxdom movdom paxint movint gdp usd dcshare_ dapagao

10 As Tabelas 4 e 5 mostram a matriz de correlações para as variáveis estudadas. Observa-se que o movimento doméstico de passageiros é negativamente correlacionado com o yield, com a taxa de câmbio e com o codeshare, porém positivamente correlacionado com o PIB. Um fato interessante é que o movimento internacional de passageiros é negativamente correlacionado com a taxa de câmbio, mas a intensidade desta correlação é bem mais baixa do que àquela entre movimento doméstico de passageiros e taxa de câmbio. Talvez isso possa ser explicado pelo fato de o yield possuir uma correlação forte com a taxa de câmbio devido ao aumento dos custos das companhias aéreas, o qual é repassado ao consumidor. As Figuras 3 e 4 mostram essas correlações em forma de diagramas de dispersão PAXDOM MOVDOM yield abslfdom gdp usd Figura 3 Correlações em forma de diagrama de dispersão para cenário doméstico 170

11 PAXINT MOVINT gdp usd Figura 4 Correlações em forma de diagrama de dispersão para cenário internacional Os gráficos das Figuras 5, 6, 7, 8 e 9 mostram o comportamento das variáveis em estudo no período analisado. Observa-se que o movimento doméstico de passageiros possui tendência de crescimento acelerado ao longo do período, diferentemente do movimento passageiros internacionais, o qual é bastante variável, sem nenhuma tendência específica. PAXDOM m1 2004m1 2006m1 2008m1 2010m1 periodo Figura 5 Evolução do movimento doméstico de passageiros no Rio de Janeiro 171

12 PAXINT m1 2004m1 2006m1 2008m1 2010m1 periodo Figura 6 Evolução do movimento internacional de passageiros no Rio de Janeiro yield m1 2004m1 2006m1 2008m1 2010m1 periodo yield yield Figura 7 Evolução do yield Através da Figura 7, percebe-se claramente o efeito de fatos históricos relevantes: o fim do codeshare Varig-TAM em meados de 2005, a entrada da Gol e o início das guerras de preço reduziram drasticamente o yield, o qual atingiu seu valor mínimo no ano de 2007, evidenciando a grande redução no preço das passagens e a conseqüente popularização do transporte aéreo. 172

13 gdp m1 2004m1 2006m1 2008m1 2010m1 periodo gdp gdp Figura 8 Evolução do PIB usd m1 2004m1 2006m1 2008m1 2010m1 periodo usd usd Figura 9 Evolução da taxa de câmbio Com relação às variáveis macroeconômicas, observa-se o crescimento do PIB e a redução da taxa de câmbio, fruto da política econômica vigente no período. Pode-se verificar também o efeito da crise financeira global de 2009 através do decaimento do PIB e do aumento da taxa de câmbio nesse período. As Figuras 10 e 11 mostram que a evolução do movimento doméstico de passageiros é fortemente relacionada à evolução do PIB brasileiro, dado que as séries possuem linhas de tendência muito semelhantes, e que as maiores taxas de crescimento do movimento doméstico de passageiros ocorreram após as maiores reduções de yield. 173

14 PAXDOM m1 2004m1 2006m1 2008m1 2010m1 periodo yield PAXDOM yield Figura 10 Gráfico de comparação entre as evoluções do movimento doméstico de passageiros e do yield PAXDOM m1 2004m1 2006m1 2008m1 2010m1 periodo gdp PAXDOM gdp Figura 11 - Gráfico de comparação entre as evoluções do movimento doméstico de passageiros e do PIB Os gráficos apresentados nas Figuras 12 e 13 mostram o efeito da transferência dos voos de média e longa distância do aeroporto Santos-Dumont para o Galeão ocorrido em 2004 através da redução do movimento de passageiros domésticos naquele e o aumento neste. Pode-se verificar também o aumento do paxdom no aeroporto Santos-Dumont a partir de 2009, com o fim da portaria 187, devido à liberalização do mesmo para atender quaisquer tipos de aeronave ou destino. 174

15 PAXDOMSBGL m1 2004m1 2006m1 2008m1 2010m1 periodo PAXDOMSBGL PAXDOMSBGL Figura 12 Evolução do movimento doméstico de passageiros no Galeão PAXDOMSBRJ m1 2004m1 2006m1 2008m1 2010m1 periodo PAXDOMSBRJ PAXDOMSBRJ Figura 13 Evolução do movimento doméstico de passageiros no aeroporto Santos-Dumont 175

16 3.2 Estudo econométrico A modelagem econométrica para realizar a previsão de demanda doméstica e internacional para 2014 foi realizada de maneira cautelosa de forma a especificar um modelo que representasse bem o processo gerador de dados. Foram utilizados modelos de regressão múltipla para ambos os casos. Na modelagem da demanda doméstica, o logaritmo do movimento doméstico de passageiros (paxdom) foi especificado como variável dependente e os logaritmos do PIB (gdp) e do yield (métrica para preço de passagens) foram especificados como variáveis independentes. Ainda, foram introduzidas as variáveis binárias dcshare_2 e dapagao para controlar os efeitos dos eventos de codeshare entre as empresas Varig e TAM de 2003 a 2005 e do apagão aéreo em 2006 e 2007, respectivamente, bem como variáveis temporais do tipo mês para controlar a sazonalidade. Já na modelagem da demanda internacional, o movimento internacional de passageiros (paxint) foi especificado como variável dependente e o PIB (gdp), a taxa de câmbio (usd) e as variáveis dummies anteriormente citadas foram especificados como variáveis independentes. As Equações (1) e (2) apresentam os modelos econométricos especificados. Através do método estatístico utilizado para estimar os parâmetros da função a partir do software Stata, foi possível controlar a heteroscedasticidade e a autocorrelação. ( ) ( ) ( ) ln paxdom = β ln gdp + β ln yield + β dcshare_2 + β dapagao + β m_i (1) i= 1 i paxint = β gdp + β usd + β dcshare_2 + β dapagao + β m_i (2) i= 1 i É válido observar que a escolha pelos modelos acima descritos, tanto o fato de ser linear ou logaritmo quanto a decisão por quais variáveis incluir, só foi feita após especificações diferentes de modelos e decisão por uma especificação campeã. Tal decisão foi tomada através da análise da significância estatística dos parâmetros estimados. Assim, para a demanda doméstica, foi especificado o modelo logaritmo completo e, para a demanda internacional, foi especificado o modelo linear completo. Os resultados para o modelo de demanda doméstica são apresentados na Tabela

17 Tabela 6 Resultados do modelo de regressão para demanda doméstica Statistics robust to heteroskedasticity and autocorrelation kernel=bartlett; bandwidth=2 time variable (t): trend Number of obs = 84 F( 15, 68) = Prob > F = Total (centered) SS = Centered R2 = Total (uncentered) SS = Uncentered R2 = Residual SS = Root MSE = Robust lnpaxdom Coef. Std. Err. z P> z [95% Conf. Interval] lngdp lnyield dcshare_ dapagao m_ m_ m_ m_ m_ m_ m_ m_ m_ m_ m_ _cons Included instruments: lngdp lnyield dcshare_2 dapagao m_1 m_2 m_3 m_4 m_5 m_6 m_7 m_8 m_10 m_11 m_12 Dropped collinear: m_9 Pode-se verificar que os coeficientes de lngdp, lnyield, dcshare_2 e dapagao são estatisticamente significantes a 1%, ou seja, existe evidência forte de efeito de causalidade dessas variáveis na demanda doméstica. Verifica-se também que, para um aumento do PIB de 1%, a demanda doméstica aumenta em 1,07% e, para um aumento do yield de 1%, a demanda doméstica reduz em 0,27%. Além disso, observa-se que os eventos do codeshare e do apagão aéreo geram redução no movimento de passageiros domésticos, o que é coerente com a realidade. Para verificar o efeito da introdução de variáveis no modelo, fez-se a comparação entre diferentes especificações, como mostra a Tabela

18 Tabela 7 Comparação entre diferentes especificações para o cenário doméstico Variable simpl1 simpl2 simpl3 simpl4 final lngdp 1.47*** 1.29*** 1.01*** 1.07*** lnyield -.58*** -.154* -.262*** -.272*** dcshare_ ** *** dapagao -.15*** -.166*** m_1.135*** m_2.045 m_3.0815** m_4.095** m_ m_ m_7.111** m_ m_ m_ m_12.118** _cons -4.49** 13.4*** r2_a legend: * p<0.05; ** p<0.01; *** p<0.001 Vê-se que o modelo logaritmo completo (final) apresenta o maior R² (0,879) e suas variáveis são mais significantes estatisticamente do que nos outros modelos (valor-p menor). Nota-se que o efeito do aumento do PIB no aumento do movimento doméstico de passageiros é suavizado na medida em que se introduzem novas variáveis no modelo. O mesmo ocorre para o yield, porém com o efeito inverso. Os resultados para o modelo de demanda internacional são apresentados na Tabela

19 Tabela 8 Resultados do modelo de regressão para demanda internacional Statistics robust to heteroskedasticity and autocorrelation kernel=bartlett; bandwidth=2 time variable (t): trend Number of obs = 84 F( 15, 68) = 7.44 Prob > F = Total (centered) SS = e+10 Centered R2 = Total (uncentered) SS = e+12 Uncentered R2 = Residual SS = e+10 Root MSE = Robust paxint Coef. Std. Err. z P> z [95% Conf. Interval] gdp usd dcshare_ dapagao m_ m_ m_ m_ m_ m_ m_ m_ m_ m_ m_ _cons Included instruments: gdp usd dcshare_2 dapagao m_1 m_3 m_4 m_5 m_6 m_7 m_8 m_9 m_10 m_11 m_12 Dropped collinear: m_2 Verifica-se que os parâmetros usd e dcshare_2 são estatisticamente significantes a 10% e o parâmetro dapagao é estatisticamente significante a 1%. Já o gdp é insignificante estatisticamente, indicando que não se pode acreditar em uma relação de causalidade entre PIB e movimento internacional de passageiros. Isso parece não condizer com observações da realidade, mas talvez outras variáveis possam ter efeitos mais importantes ou até mesmo possa existir viés causado por omissão de alguma variável relevante. O coeficiente positivo do dcshare_2 também é duvidoso, estimulando a hipótese de viés, já que na própria matriz de correlações verifica-se que paxint e dcshare_2 são correlacionados negativamente. Os sinais dos outros coeficientes apresentam maior coerência. Para verificar o efeito da introdução de variáveis no modelo, bem como o efeito da utilização de um modelo linear ou um logaritmo, fez-se a comparação entre diferentes especificações, como mostra a Tabela

20 Tabela 9 - Comparação entre diferentes especificações para o cenário internacional Variable simpl1 simpl2 simpl3 final final lngdp lnusd dcshare_ dapagao *** *** m_1.312*** 23407** m_2.211*** m_3.207*** -461 m_ ** m_ *** m_ *** m_7.156** m_8.0754* * m_ * m_11.109* m_12.192*** gdp.036 usd ** m_ *** _cons 10*** 12.2*** 15.8*** 9.98* 2.4e+05*** r2_a legend: * p<0.05; ** p<0.01; *** p<0.001 Pode-se perceber que o modelo linear completo (final2) é o que apresenta a maior qualidade de ajuste entre as outras, apesar de baixa, e o maior número de parâmetros estatisticamente significantes, razão de sua escolha. Nos modelos logaritmos, nota-se que nem lngdp nem lnusd possuíam alguma significância estatística. Apenas no modelo linear foi possível verificar significância estatística para a taxa de câmbio e em nenhum deles houve evidências de relação significante estatisticamente entre PIB e movimento internacional de passageiros. Em alguns casos, notou-se até correlação negativa entre os mesmos. Dessa forma, acredita-se que a estimativa desse parâmetro está viesada, provavelmente por omissão de alguma variável relevante não capturada. 3.3 Previsão de demanda aeroportuária De posse dos modelos econométricos com os devidos parâmetros estimados, foi possível, enfim, realizar a previsão de demanda doméstica e internacional para a cidade do Rio de Janeiro no ano de Para estimar a taxa de crescimento do PIB, utilizou-se o estudo de Barros (2010). Assim, para 2010, projetou-se uma taxa de 8% de crescimento e, para os anos subseqüentes, uma taxa de 4,5%. Com relação ao yield e à taxa de câmbio, foram adotados três diferentes cenários: permanecem constantes, crescem 5% ao ano ou decrescem 5% ao 180

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 3, pp. 210-228, Jul 2011 Reviews & Essays

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 3, pp. 210-228, Jul 2011 Reviews & Essays B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 3, pp. 210-228, Jul 2011 Reviews & Essays JTL RELIT www.transport-literature.org E-ISSN 2177-1065 O arrendamento

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Conceitos Iniciais Prever é a arte e a ciência de predizer eventos futuros, utilizando-se de dados históricos e sua projeção para o futuro, de fatores subjetivos ou intuitivos,

Leia mais

Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar

Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar Núbia da Silva Batista ¹ Cássio Pinho dos Reis ² Flávia Ferreira Batista ² 3 Introdução Inaugurado

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICAP COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO

AUDIÊNCIA PÚBLICAP COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO AUDIÊNCIA PÚBLICAP COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO Brasília, 19 de maio de 2010 1 3 SEGURANÇA OPERACIONAL SAFETY Continua sendo a prioridade na aviação comercial Brasil 0.00 0.00 Hull losses

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO?

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? 1 TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? I - INTRODUÇÃO O mercado aéreo brasileiro vem apresentando, em seu segmento doméstico, taxas de crescimento chinesas desde o início de

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 4, pp. 103-118, Oct 2011 Research Directory

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 4, pp. 103-118, Oct 2011 Research Directory B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 4, pp. 103-118, Oct 2011 Research Directory JTL RELIT www.transport-literature.org E-ISSN 2177-1065 Ainda há

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES. Visão Estratégica do Governo do Estado sobre o uso dos Aeroportos do Galeão e Santos Dumont

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES. Visão Estratégica do Governo do Estado sobre o uso dos Aeroportos do Galeão e Santos Dumont Visão Estratégica do Governo do Estado sobre o uso dos Aeroportos do Galeão e Santos Dumont Delmo Pinho - março, 2009 Cenário Atual da Aviação Mundial 1.167 aeronaves imobilizadas; Número total de jatos

Leia mais

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11 Introdução Nos trabalhos sobre aeroportos e transporte aéreo predominam análises específicas que tratam, por exemplo, do interior do sítio aeroportuário, da arquitetura de aeroportos, da segurança aeroportuária,

Leia mais

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV Encontro Econômico Brasil - Alemanha 2009 Cooperação para o Crescimento e Emprego Idéias e Resultados TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV Secretaria de Política Nacional de Transportes / MT - Engº Marcelo Perrupato

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 109-124, Jan. 2014 Research Directory

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 109-124, Jan. 2014 Research Directory B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 109-124, Jan. 2014 Research Directory JTL RELIT www.transport-literature.org ISSN 2238-1031 Competição

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 83-96, Jan 2011 Research Directory. O custo do seguro aeronáutico e seus determinantes

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 83-96, Jan 2011 Research Directory. O custo do seguro aeronáutico e seus determinantes B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 1, pp. 83-96, Jan 2011 Research Directory JTL RELIT www.transport-literature.org E-ISSN 2177-1065 O custo do

Leia mais

Universidade de Brasília UnB Faculdade de Tecnologia FT Departamento de Engenharia Civil e Ambiental ENC Programa de Pós-Graduação em Transportes PPGT Análise de Modelos de Previsão de Demanda do Transporte

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Sumário 1. Dados da SAC sobre o Setor Aeroportuário 2. Plano Geral de Outorgas

Leia mais

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO?

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? CONECTANDO O BRASIL CONECTANDO O BRASIL POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? O Brasil é um país de 8 milhões de quilômetros quadrados de área. Esse imenso território demanda ser integrado por uma

Leia mais

Tarifas Aeroportuárias e ATAERO. Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional

Tarifas Aeroportuárias e ATAERO. Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional Tarifas Aeroportuárias e ATAERO Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional Tarifas Aeroportuárias - legislação Criação de Tarifas Aeroportuárias

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 2, pp. 44-62, Apr 2011 Research Directory

Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 2, pp. 44-62, Apr 2011 Research Directory B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 5, n. 2, pp. 44-62, Apr 2011 Research Directory JTL RELIT www.transport-literature.org E-ISSN 2177-1065 Estimativa

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027 1 AEROPORTO REGIONAL CLASSIFICAÇÃO PAESP 27-227 São os aeroportos destinados a atender as áreas de interesse regional e/ou estadual que apresentam demanda por transporte aéreo regular, em ligações com

Leia mais

Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes

Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes Fonte: Dr. Renato Kloss Seção: Economia Versão: Online Data: 28/07 Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes Medida do governo deve beneficiar cem linhas rentáveis. Subvenção pode somar R$

Leia mais

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts 2013 Realização: INVESTIMENTOS NO BRASIL: HOTÉIS & RESORTS 2013 O relatório a seguir foi realizado pela BSH Travel Research, divisão estatística da BSH International

Leia mais

Belo Horizonte, 6 de junho, 2011. Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais

Belo Horizonte, 6 de junho, 2011. Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais Belo Horizonte, 6 de junho, 2011 Infraestrutura Aeroportuária de Belo Horizonte Região metropolitana: Aeroporto Carlos Prates Aeroporto da Pampulha Aeroporto Internacional Tancredo Neves Movimento operacional

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Proposta de resolução que revoga as limitações e proibições operacionais impostas à Área de Controle Terminal (TMA) do Rio de Janeiro, estabelecidas

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof]

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof] B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory [In Press, Corrected Proof] JTL RELIT www.transport-literature.org

Leia mais

INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53

INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53 INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS 1 / 53 INVESTIMENTOS PRIVADOS EM AEROPORTOS Sumário 1 - Panorama Mundial da Aviação Civil 2- Situação Atual dos Aeroportos Brasileiros 3 - O Futuros dos Aeroportos

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil

SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil SENADO FEDERAL Comissão de Infraestrutura Subcomissão Temporária sobre Aviação Civil Rio de Janeiro, 08/05/2012 Diretor Presidente José Márcio Monsão Mollo presidência@snea.com.br SNEA FROTA (ASSOCIADAS)

Leia mais

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Gerência de Estatística e Indicadores Os resultados do turismo no estado

Leia mais

Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações

Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações Carlos Campos Neto carlos.campos@ipea.gov.br Frederico Hartmann de Souza frederico.souza@ipea.com.br Abril de 2011 Objetivos Avaliar

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

SISTEMA BANCÁRIO E SEUS DETERMINANTES

SISTEMA BANCÁRIO E SEUS DETERMINANTES SISTEMA BANCÁRIO E SEUS DETERMINANTES Aluno: Tomás Guanziroli Orientador: Juliano Junqueira Assunção Introdução O projeto investiga os determinantes e as consequências da expansão do sistema bancário brasileiro.

Leia mais

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009 COPA Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC 29 de Outubro 2009 1 SINAENCO Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva

Leia mais

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 INFRAERO Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011 InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 Arq. Jonas Lopes Superintendente de Estudos e Projetos de Engenharia jonas_lopes@infraero.gov.br

Leia mais

Melhores e Piores no Transporte Aéreo Brasileiro

Melhores e Piores no Transporte Aéreo Brasileiro Melhores e Piores no Transporte Aéreo Brasileiro Sumário executivo Janeiro de 2008 PREFÁCIO Atrasos e cancelamentos nos vôos são problemas constantes na vida de milhões de brasileiros. A antiga excelência

Leia mais

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões Política aeroportuária: as dúvidas e as questões J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade de Lisboa) Professor Universitário e Consultor 1 Sistema Aeroportuário Nacional 2 Questões levantadas

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2014

O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2014 Anais do 15 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XV ENCITA / 2009 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 19 a 22 2009. O DESAFIO DA INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Brasília (DF), 06 de outubro de 2015 1 Diretoria Estratégia da Marca Gerência de Assessoramento Econômico Economia Internacional

Leia mais

02 / GRUP IMMOBILIARI

02 / GRUP IMMOBILIARI Grup Immobiliari Natal Brasil é um grupo de empresas cujo foco é investimentos imobiliários em empreendimentos sustentáveis em Natal no estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Dentro do grupo, empresas

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

(Ver Visão do Desenvolvimento

(Ver Visão do Desenvolvimento Visão do Desenvolvimento nº 86 20 set 2010 Atuação dos bancos públicos faz Nordeste liderar aumento do crédito no Brasil Por Adriana Inhudes, Gilberto Borça Jr. e Pedro Quaresma Economistas da APE Ciclo

Leia mais

Abril - 2015. Divulgado em 14 de maio de 2015.

Abril - 2015. Divulgado em 14 de maio de 2015. Abril - 2015 Divulgado em 14 de maio de 2015. VAREJO AMPLIADO CRESCE 1,1% EM ABRIL, APONTA ICVA Indicador considera a receita de vendas deflacionada pelo IPCA em comparação com abril de 2014; no índice

Leia mais

Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia

Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia Sumário Em março de 2015, a Itaú Asset Management publicou um white paper em que traçava o panorama da situação hídrica brasileira e da dependência

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil.

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. O Outlet Premium avança pelo território nacional abrindo grandes oportunidades de negócios para você. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Outlet

Leia mais

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas

Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas Infraestrutura Aeroportuária: Desafios e Perspectivas 8 de dezembro de 2011 SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL INFRAERO ANAC Ministério da Defesa DECEA AVIAÇÃO CIVIL PANORAMA INVESTIMENTOS CONCESSÕES INFRAERO

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Abril 2015 Equipe Técnica: Diretor: Carlos Antônio Rocca Superintendente: Lauro Modesto Santos Jr. Analistas: Elaine Alves Pinheiro e Fernando

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

Plano Aeroviário Nacional -PAN -

Plano Aeroviário Nacional -PAN - Plano Aeroviário Nacional -PAN - Objetivo Nortear, orientar, integrar e induzir o Planejamento Estratégico da Infra- Estrutura Aeroportuária Pública de Interesse Nacional. 2 Crescimento da Demanda por

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES

ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES Rafael Vianna Avila (UFRJ) rafaelvianna@ayraconsultoria.com Heloisa Marcia Pires (UFRJ) heloisam@pep.ufrj.br

Leia mais

Aeroportos Copa do Mundo 2014. 14 Dezembro 2009

Aeroportos Copa do Mundo 2014. 14 Dezembro 2009 Aeroportos Copa do Mundo 2014 14 Dezembro 2009 Belo Horizonte e Confins - MG 1. Aeroporto Internacional Tancredo Neves Confins 2. Aeroporto de Belo Horizonte/ Pampulha Carlos Drummond de Andrade Brasília

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº43 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014 Com crescimento em julho, setor acumula 1,48% no ano Em julho, as vendas

Leia mais

Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF

Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF Breve Histórico Na década de 70 o então Ministério da Aeronáutica, em parceria com o Governo de Minas Gerais, iniciou estudos para viabilizar a construção

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Transporte Aéreo 26 de agosto de 2015 Depois do bom resultado do primeiro semestre, o transporte aéreo entra em desaceleração em resposta ao enfraquecimento da economia e à depreciação do real Regina Helena

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 7, n. 1, pp. 182-193, Jan 2013 Reviews & Essays. [Care to the population: urban bus in the city of São Paulo]

Journal of Transport Literature Vol. 7, n. 1, pp. 182-193, Jan 2013 Reviews & Essays. [Care to the population: urban bus in the city of São Paulo] B T P S Brazilian Transportation Planning Society Journal of Transport Literature Vol. 7, n. 1, pp. 182-193, Jan 2013 Reviews & Essays JTL RELIT www.transport-literature.org ISSN 2238-1031 Atendimento

Leia mais

SEPARAÇÃO E DRENAGEM NA AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO SANTOS DUMONT (RIO DE JANEIRO RJ)

SEPARAÇÃO E DRENAGEM NA AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO SANTOS DUMONT (RIO DE JANEIRO RJ) CASO DE OBRA #197 SEPARAÇÃO E DRENAGEM NA AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO SANTOS DUMONT (RIO DE JANEIRO RJ) Autor: Geomaks Comércio de Geossintéticos Ltda. Maio de 2013 1. DADOS GERAIS Tipo de obra Separação e

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral PRÁTICA 1) TÍTULO FEEDBACK DE INTERAÇÕES CLIENTES E GESTORES REDES SOCIAIS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: 1. APRESENTAÇÃO O Serviço de Monitoramento em Redes Sociais da Infraero,

Leia mais

Contribuição AES BRASIL 1

Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº 002/2014 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública ANEEL n⁰ 002/2014, a qual tem o objetivo obter subsídios para o aprimoramento da metodologia de cálculo de custo de capital

Leia mais

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL 6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL Este capítulo procurará explicar os movimentos do investimento, tanto das contas nacionais quanto das empresas abertas com ações negociadas em bolsa através

Leia mais

SP-C.01 ANEXO C INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA. Matriz de Responsabilidades São Paulo São Paulo SÃO PAULO SÃO PAULO. Governo Federal (Infraero)

SP-C.01 ANEXO C INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA. Matriz de Responsabilidades São Paulo São Paulo SÃO PAULO SÃO PAULO. Governo Federal (Infraero) Matriz de s SÃO PAULO SÃO PAULO ANEXO C INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos Governador André Franco Montoro Total dos Projetos: R$ 1.219,4 milhões Construção do

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL Tatiana Torres Em um país com tantas deficiências em termos de gestão, investimentos e política pública,

Leia mais

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Code-P0 Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Encontro Nacional - Abracen Eventos Esportivos e os Impactos para o país São Paulo, 7 de março de 2012 Code-P1 O Brasil

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

INFRAERO Diretoria de Engenharia e Meio Ambiente Jaime Parreira E-mail: jparreira@infraero.gov.br

INFRAERO Diretoria de Engenharia e Meio Ambiente Jaime Parreira E-mail: jparreira@infraero.gov.br 1 INFRAERO Diretoria de Engenharia e Meio Ambiente Jaime Parreira E-mail: jparreira@infraero.gov.br 2 Organização 9 Superintendências Regionais Superintendência Regional do Noroeste; Superintendência Regional

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO Jorge Herdina Superintendente. INFRAESTRUTURA E OPERAÇÕES PROJETOS ESTRATÉGICOS e PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTO

AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO Jorge Herdina Superintendente. INFRAESTRUTURA E OPERAÇÕES PROJETOS ESTRATÉGICOS e PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTO AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO Jorge Herdina Superintendente INFRAESTRUTURA E OPERAÇÕES PROJETOS ESTRATÉGICOS e PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTO OBJETIVO Divulgar os Projetos Estratégicos do Aeroporto

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 98 6. Considerações Finais Mesmo com a alta dos preços do petróleo, a aviação vem caminhando a passos largos. Pelo menos é o que mostram os recentes números divulgados pela ANAC. As três maiores companhias

Leia mais

Análisedademandaem relaçãoà. Aeroportuário:destaqueparaaÁrea TerminalSãoPaulo. Junhode2007. Dr.MárioLuizFereiradeMeloSantos

Análisedademandaem relaçãoà. Aeroportuário:destaqueparaaÁrea TerminalSãoPaulo. Junhode2007. Dr.MárioLuizFereiradeMeloSantos SeminárioNovoModelodeGestãodoTransporteAéreo Análisedademandaem relaçãoà capacidadeinstaladanosistema Aeroportuário:destaqueparaaÁrea TerminalSãoPaulo Junhode2007 Dr.MárioLuizFereiradeMeloSantos ÍNDICE

Leia mais

Esclarecimento à Sociedade

Esclarecimento à Sociedade PRESS RELEASE 21 de julho de 2007 Esclarecimento à Sociedade São Paulo, 21 de julho de 2007 Ainda sob o impacto da tragédia ocorrida na última terça-feira (17), a TAM vem a público mais uma vez para prestar

Leia mais

Concessões. Galeão e Confins

Concessões. Galeão e Confins Concessões Galeão e Confins Galeão: 17,5 milhões de passageiros 13,7 milhões m² 958 empregados Confins: 10,4 milhões de passageiros 15,1 milhões m² 344 empregados Objetivos das Concessões EXPANDIR A INFRAESTRUTURA

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A partir da análise da movimentação

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

O papel dos governos nacionais na promoção da integração na América do Sul Bruno Dalcolmo Superintendente de Relações Internacionais

O papel dos governos nacionais na promoção da integração na América do Sul Bruno Dalcolmo Superintendente de Relações Internacionais O papel dos governos nacionais na promoção da integração na América do Sul Bruno Dalcolmo Superintendente de Relações Internacionais Oficina sobre Integração Aérea 10 a 11 de setembro de 2014 Rio de Janeiro

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão nº 338 agosto 2014 Odebrecht TransPort assume operação do Galeão Odebrecht 70 anos: trajetória em aeroportos Novos serviços para usuários-clientes de água e esgoto Rota do Oeste deve investir R$5,5 bilhões

Leia mais

F.13 Cobertura vacinal

F.13 Cobertura vacinal F.13 Cobertura vacinal Trata-se de um conjunto de 8 indicadores que avaliam a cobertura vacinal em menores de um ano para as seguintes doenças: hepatite B, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, tétano,

Leia mais

TRANSPORTE AEROVIÁRIO. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados!

TRANSPORTE AEROVIÁRIO. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados! TRANSPORTE AEROVIÁRIO Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados! Dentre os diferentes segmentos de transportes no Brasil, o que recebe menor atenção por parte das autoridades e, conseqüentemente,

Leia mais

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE ESBOÇO MARÇO DE 2014 Esta publicação foi produzida para revisão pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014

Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014 Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014 David Barioni Neto Mar/10 a Jun/11: Presidente Executivo (CEO) da Facility Group S.A. Nov/07 a Out/09: Presidente Executivo (CEO) da TAM Linhas Aéreas

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Curitiba Setembro/2013 Curitiba: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL Julho/2013 Em 2014, o Brasil sediará a Copa do Mundo e em 2016 as Olimpíadas. Os brasileiros efetivamente são apaixonados por futebol e quando foi divulgado que

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Nº 4 Outubro CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Em, a retomada do crescimento econômico em patamar superior ao verificado nos últimos anos

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 1 BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 Antônio Eugênio Cunha* O brasileiro vai investir 13,5% a mais com educação em 2012 relativo ao ano anterior. Este é o levantamento divulgado

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO APLICADA AO SETOR DE TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO

TOMADA DE DECISÃO APLICADA AO SETOR DE TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO TOMADA DE DECISÃO APLICADA AO SETOR DE TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO Aluno: João Pedro Dourado Fernandes Orientadora: Fernanda Maria Pereira Raupp Introdução O setor de transporte aéreo vem despertando,

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2 Municípios Habitantes PIB (Regional) Comércio e Serviços 39 18,6 milhões 10,5% população Brasileira R$ 244 Bilhões 15,7% PIB Brasileiro

Leia mais