_mais de empreendimentos entregues

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "_mais de empreendimentos entregues"

Transcrição

1

2 _+16 milhões de m² construídos _mais de empreendimentos entregues _mais de 1 milhão de moradores _5,3 BI de VGV lançado nos últimos 5 anos _Consolidação Estratégica SP+ RJ

3 Inovação É quando uma ideia atende às necessidades e expectativas do mercado é viável do ponto de vista econômico é sustentável oferece retorno financeiro às empresas. Ou seja, toda inovação precisa gerar resultados. Geoff Nicholson - Vice-presidente Internacional da 3M

4 O QUE É NECESSÁRIO? Observação, criatividade, enxergar oportunidades em algo já estabelecido

5 PASSO #1. MAPEAR PROBLEMAS E OPORTUNIDADES

6 C O N T E X T O Ausência de indicadores de consumo e perdas de material nas obras Falta de planejamento de insumos Depósitos despadronizados Descarga manual dos materiais Atraso no abastecimento Alto índice de desperdícios Maior propensão a acidentes

7 O P O R T U N I D A D E Padronização dos processos (recebimento, armazenamento e distribuição) Recebimento de materiais em lotes adequados à utilização Controle de quantidades utilizadas, perdas e devoluções

8 D E S A F I O S Aplicação de conceitos de logística industrial (inbound, movimentação de materiais, gestão do almoxarifado e outbound) para garantir: Otimização do uso de materiais Foco dos empreiteiros no serviço contratado Geração de indicadores de consumo

9 PASSO #2. REVER O PAPEL DAS ÁREAS

10 DO PAPEL OPERACIONAL AO PARCEIRO ESTRATÉGICO Compras Operações Requisição de Compras Contratação Programação Recebimento e Armazenamento Distribuição Execução das atividades Seleção de Fornecedores e Cotação Análise e Negociação Comercial Emissão de Pedido e Contrato O processo de compras inicia-se através da demanda de projeto da obra, percorrendo todos os processos de seleção de fornecedor e negociação Papel estratégico na redução de custos do empreendimento Processo se encerra após a emissão do contrato ou pedido de compras

11 DO PAPEL OPERACIONAL AO PARCEIRO ESTRATÉGICO Suprimentos Operações Requisição de Compras Contratação Programação Recebimento e Armazenamento Distribuição Execução das atividades Implantação de uma Operação Logística alinhada a área de Suprimentos visão de Cadeia de Suprimentos, garantindo que o material é acompanhando desde o processo de compra até a distribuição final para a execução das atividades Processo facilita também a retroalimentação de informações avaliação de qualidade do material, prazos de entrega e atendimento às condições comerciais.

12 A equipe de Operação Logística é responsável pela gestão dos materiais de consumo no canteiro de obras desde a programação com o fornecedor até o escoamento do entulho gerado na produção. Planejamento e programação de entrega com os fornecedores Recebimento e conferência conforme pedido de compras Armazenamento e organização dos depósitos e almoxarifados Otimização dos equipamentos de apoio (cremalheira, empilhadeira, etc.) Distribuição dos materiais nos locais de consumo (foco na produção) Escoamento dos resíduos gerados nos pavimentos Controle e rastreabilidade dos processos Desenvolvimento de índices e relatórios de consumo

13 PASSO #3. ESTABELECER SINERGIA ENTRE ÁREAS

14 LOGÍSTICA RESPONSABILIDADES Visibilidade para a equipe de operações e demais áreas de apoio Acompanhamento dos estoques em tempo real R$ 158mil em custo evitado na aquisição de novos insumos (YTD 2016) Controle da geração de resíduos por pavimento Escoamento por pavimento permite avaliar a geração de resíduos por atividade Reduções na operação Tempo de resposta para tratamento dos desvios Redução da antecipação de despesas na aquisição de materiais Informação para suportar o planejamento estratégico das obras Desenvolvimento de base de indicadores para ajuste de orçamentos futuros Informe semanal da tendência de consumo (análise dos desvios por pavimento) Redução dos desvios através do acompanhamento e tratativa

15 PROJETO LOGÍSTICO O projeto do canteiro de obra é desenvolvido na fase de estudo de viabilidade do empreendimento, com o envolvimento da área de logística, para a definição de soluções que melhor atendam as particularidades do projeto. Além disso, o canteiro deve ser entendido como uma estrutura dinâmica e se adaptar as diferentes fases construtivas. Análise do Projeto de Canteiro: - Localização do empreendimento; - Características geográficas do terreno; - Metodologia construtiva; - Histograma operacional; - Equipamentos de apoio; - Fluxo de atividades; - Instalações definitivas; O planejamento adequado do canteiro é fator fundamental para obter um melhor desempenho produtivo

16 MECANIZAÇÃO DO CANTEIRO A otimização da movimentação interna dos insumos reduz custos e riscos Redução do tempo de descarga e liberação da frente de obra Diminuição de risco trabalhistas Redução de avarias devido à movimentação interna (redução de 40%) Redução da mão-de-obra de apoio (ajudantes)

17 EVOLUÇÃO DO CANTEIRO Recebimento de Materiais Organização do Canteiro

18 EVOLUÇÃO DO CANTEIRO Recebimento de Materiais / Logística Organização do Canteiro / Logística

19 EVOLUÇÃO DO CANTEIRO Organização de Almoxarifado / Logística Padronização dos Depósitos de Assistência Técnica / Logística

20 VOLUME DE MATERIAIS RECEBIDOS (Out/15 16) Areia Ensacada: sacos Cimento: sacos Argamassa : sacos Blocos de Concreto : unid. Revestimento cerâmico : m² Cal hidratada: sacos 318 mil m² em evolução de área construída R$ 583 MM de custo

21 VOLUME DE MATERIAIS RECEBIDOS (Out/15 16) Volume de Entregas : caminhões Volume de Pallets : unidades Notas Fiscais : NFs lançadas Volume Caçambas : retiradas Representam 76% dos materiais de compra direta* (460 itens) Coletor de Dados: processos Materiais Controlados : unidades * Demais materiais: Vidro e cubas entregues diretamente nos fornecedores (ATO) e materiais da fundação

22 CUSTO OPERACIONAL Equipe 43% 1 Operador Logístico 2 Movimentadores de carga Equipamentos 51% Empilhadeira, Paleteira Manual e Paleteira Semielétr Infra Estrutura de Suporte 6% Infra estrutura de TI, Coletor de Dados, Impressora, Rádio Comunicadores, Caixas Coletoras de Resíduos Valor Total R$ 20,4 / m² (1,0% do custo total da obra)

23 Cronograma de implantação 2008 / 2009 Estudos iniciais de processos logísticos aplicados à Construção Civil; Definição das obras piloto Adaptação dos canteiros e fornecedores ao Projeto 2010 / 2011 Desenvolvimento de sistemas de controle de estoque via SAP 2012 / 2015 Conclusão de 42 obras Ampliação do roll de materiais 2016 Redução de 30% do custo operacional;

24 NOVOS DESENVOLVIMENTOS Paletização Programação de Revestimento Cerâmico Redução do tempo de descarga (75% do tempo normal) Redução das avarias devido a movimentação interna (98%) Redução do Ciclo de entrega (busca por redução no frete) Eliminação da mão-de-obra não qualificada na descarga Menor área de armazenamento de materiais Correção dos desvios para os próximos lotes evitando excesso de estoque ao final da obra ou falta de abastecimento Subida do material direto para o pavimento de aplicação Logística Reversa Métodos Construtivos Ações de logística reversa de materiais com fornecedores para aproveitamento dos resíduos e redução do descarte Redução dos resíduos gerados no canteiro de obras Oportunidade de redução de 0,5% do custo de construção. Evolução dos métodos construtivos (pré fabricados, dry construction, projetores,...) Produção das peças fora do canteiro de obra Melhoria da produtividade Canteiro se aproxima de uma linha de montagem

25 FUTURO DESAFIOS É necessário um engajamento da indústria da construção civil empresas e fornecedores para quebrar com os modelos atuais de abastecimento Redução das áreas de estoque (terrenos cada vez menores) Diminuição na movimentação interna (abastecimento direto no pavimento) Eliminação da antecipação de despesas (material entregue no D-1) No pico, 36% do fluxo mensal estocado = 1,6% do total da obra estocado EFICIÊNCIA É FATOR CHAVE PARA O SETOR E GARANTIA DE SOBREVIVÊNCIA

26 OBRIGADO

Ferramentas de TI para o Comissionamento de Empreendimentos Industriais

Ferramentas de TI para o Comissionamento de Empreendimentos Industriais Ferramentas de TI para o Comissionamento de Empreendimentos Industriais Luciano Gaete / Antonio João Prates 26 de Outubro 2007 1 Introdução O comissionamento Conjunto de técnicas e procedimentos de engenharia

Leia mais

É isto que diferencia a Loja in Company de outros modelos de negócio.

É isto que diferencia a Loja in Company de outros modelos de negócio. O objetivo da Nexus Loja in Company (Outsourcing) é o de prestar serviços que não fazem parte do conjunto de competências essenciais da Empresa Contratante. Outsourcing sugere externalização, no sentido

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL: ALPHA.

Leia mais

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS)

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS) SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE FAMÍLIA NBR ISO 9000 INDEXAÇÃO TEMÁTICA Abordagem de processo [VT: Princípios de Gestão da Qualidade] 0.2 / 2.4 0.2 / 4.3 0.2 Abordagem de sistemas de gestão da qualidade

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy Brasília, 13 de Julho de 2011 Perspectiva: Aprendizado e Crescimento Planejamento Estratégico Objetivo

Leia mais

Introdução Contexto da indústria da construção civil

Introdução Contexto da indústria da construção civil LOGÍSTICA EM OBRAS Introdução Contexto da indústria da construção civil Ausência de indicadores confiáveis de produtividade/consumo Projetos despadronizados ( artesanais ) Mão-de-obra escassa, cara, baixa

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Geral Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Indicador 1 - Compromisso Fundamental 1. A empresa, por meio de sua alta administração,

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE GOIÁS. josé.carlos@tre-go.gov.br/hamilton@tre-go.gov.br ALMOXARIFADO MODELO PLANEJAR E CONSUMIR COM RESPONSABILIDADE

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE GOIÁS. josé.carlos@tre-go.gov.br/hamilton@tre-go.gov.br ALMOXARIFADO MODELO PLANEJAR E CONSUMIR COM RESPONSABILIDADE TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE GOIÁS josé.carlos@tre-go.gov.br/hamilton@tre-go.gov.br ALMOXARIFADO MODELO PLANEJAR E CONSUMIR COM RESPONSABILIDADE Gestão Estratégica Responsável José Carlos da Silva Delimitação

Leia mais

CONHEÇA EM DETALHES AS SOLUÇÕES DA TBG

CONHEÇA EM DETALHES AS SOLUÇÕES DA TBG CONHEÇA EM DETALHES AS SOLUÇÕES DA TBG Acervo BIT/TBG - Ana Skrabe Projetos Projetos de sistemas de transporte de gás Atuamos em projetos de dutos e unidades de compressão, medição e entrega de gás natural,

Leia mais

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Magda Cercan Garcia Tecnôloga Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Logística de Suprimentos

Logística de Suprimentos Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção Introdução No passado, muitas empresas consideraram os suprimentos como uma área da empresa que se limitava a enviar

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005

SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005 SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005 1 ABNT NBR IS O 10002:2005 S atisfação do cliente Diretrizes para o tratamento de reclamações nas organizações.

Leia mais

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Sumário Executivo Esta Nota Técnica tem por finalidade comprovar a existência de sustentação técnica e motivação econômica para estabelecer

Leia mais

Inteligência Competitiva (IC)

Inteligência Competitiva (IC) (IC) Habilidade e capacidade de usar o conhecimento para buscar uma posição competitiva. Inteligência Competitiva (IC) é um processo sistemático e ético, ininterruptamente avaliado com identificação, coleta,

Leia mais

Agenda. O que éo Inova Energia? Linhas Temáticas. Etapas do Inova Energia

Agenda. O que éo Inova Energia? Linhas Temáticas. Etapas do Inova Energia Agenda O que éo Inova Energia? Linhas Temáticas Etapas do Inova Energia 2 O Inova Energia é parte do Plano Inova Empresa Orçamento esperado: R$ 32 bi............ Objetivo do Inova Energia fomentar e apoiar

Leia mais

SISTEMA DE INFORMATIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. www.egmont.com.br (16) 3416 1995

SISTEMA DE INFORMATIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. www.egmont.com.br (16) 3416 1995 Sistema de Gerenciamento de Informações da Qualidade Visando a redução do número de papéis circulantes, mas sem perder informações ou evidências da qualidade, desenvolvemos um processo de informatização

Leia mais

Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Financeira

Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Financeira Diretoria Administrativo-Financeira Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Administrativa Gestão de pessoas Financeira Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 5. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 5. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 5 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Gestão da Qualidade Total; 2. Planejamento; Gestão da Qualidade Total Gestão da Qualidade Total Como vimos na última aula a Gestão da Qualidade

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

SECRETARIAL Healthcare & Life Sciences & MANAGEMENT SUPPORT

SECRETARIAL Healthcare & Life Sciences & MANAGEMENT SUPPORT ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2016 SECRETARIAL Healthcare & Life Sciences & MANAGEMENT SUPPORT Secretarial & Management Support Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt Estudo de 2016 Apresentamos-lhe

Leia mais

EDITAL 01/2013 COOPERCUC

EDITAL 01/2013 COOPERCUC EDITAL 01/2013 COOPERCUC PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL O Presidente da Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá no uso de suas atribuições legais, com base

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso de suas atribuições legais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso de suas atribuições legais, Publicado no Diário da Justiça n. 175, de 18.9.200 8, p. 1 INSTRUÇÃO N. 022/2008-PR Revoga a Instrução 011/2000-PR Dispõe sobre a conceituação, o recebimento, registro, armazenamento, controle de estoque

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informática e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

Gestão do Acervo de Informações sobre Bacias Sedimentares Brasileiras e da Indústria do Petróleo e Gás Natural

Gestão do Acervo de Informações sobre Bacias Sedimentares Brasileiras e da Indústria do Petróleo e Gás Natural Programa úmero de Ações 7 0271 Abastecimento de Petróleo, seus Derivados, Gás atural e Álcool Combustível Objetivo Indicador(es) Garantir as condições para satisfação da demanda atual e futura de petróleo,

Leia mais

Informação útil sobre Angola

Informação útil sobre Angola adso Comunicação Informação útil sobre Angola Este documento e o seu conteúdo são da responsabilidade do autor. A ADSO disponibiliza-o como suporte de informação às potencialidades do mercado angolano.

Leia mais

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon Metodologias de PETI Prof. Marlon Marcon PETI O PETI é composto de: Planejamento Estratégico da organização, que combina os objetivos e recursos da organização com seus mercados em processo de transformação

Leia mais

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP Objetivo: discutir conceitos Construção industrializada X Processos construtivos industrializados 2 CONFUSÃO!

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Área de Insumos Básicos Seminário sobre Petróleo e Gás APIMEC RIO Agosto/2012 BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral

Leia mais

Defender interesses difusos e coletivos, defender o regime democrático e a implementação de políticas constitucionais.

Defender interesses difusos e coletivos, defender o regime democrático e a implementação de políticas constitucionais. 1. Escopo ou finalidade do projeto Ampliar a efetividade do velamento que o Ministério Público exerce sobre as Fundações Privadas, de forma a garantir que este patrimônio social seja efetivamente aplicado

Leia mais

MAPEAMENTO E MODELAGEM DE PROCESSOS COM NOTAÇÃO BPMN

MAPEAMENTO E MODELAGEM DE PROCESSOS COM NOTAÇÃO BPMN MAPEAMENTO E MODELAGEM DE PROCESSOS COM NOTAÇÃO BPMN Fonte: Cláudio Márcio / Eder Bart - Pirâmides do Egito - Foram erguidas 2700 a.c. - 2,3 milhões de blocos de rocha, cada um pesando em média 2,5 toneladas

Leia mais

Ferramentas de Gestão

Ferramentas de Gestão Ferramentas de Gestão Cenário Encontrado Sistemas Criados com objetivo de solucionar problemas isolados Adaptados conforme a necessidade da informação Foco na operacionalização Muitos controles paralelos

Leia mais

Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística

Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística Wagner Salzano Marcos Maregatti 21.05.2016 1 PALESTRANTES Wagner Salzano Head Divisão Supply Chain Marcos Maregatti Gerente

Leia mais

Unidades de Negócios. Formingplast S/A Buenos Aires Argentina Tempo de Mercado: 35 anos. Área: 2.000 m2

Unidades de Negócios. Formingplast S/A Buenos Aires Argentina Tempo de Mercado: 35 anos. Área: 2.000 m2 GRUPO FORMINGPLAST Histórico O grupo econômico Formingplast, atua em diversos segmentos economicos, contando atualmente com sete empresas nas mais diversas areas de atuação. A primeira empresa do grupo,

Leia mais

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Cláudia Lins Consultora Ambiental Foi instituída pela Lei 12.305/10 e regulamentada pelo Decreto 7.404/10 A PNRS fixou obrigações para União, Estados e

Leia mais

ISO 9000 e ISO 14.000

ISO 9000 e ISO 14.000 DISCIPLINA: QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: ALEXSANDRA GOMES PERÍODO: 3º PERÍODO CARGA HORÁRIA: 60 HORAS ISO 9000 e ISO 14.000 ISO 9000 A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES

HISTÓRICO DE REVISÕES PÁGINA: 1/13 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD ÁREAS GESTÃO DE SUPRIMENTOS/ QUALIDADE CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 010 TíTULO: DISTRIBUIR MATERIAIS ELABORADO EM:03/06/2014 REVISADO EM:11/06/2014

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Ética e Cidadania Organizacional Eixo Tecnológico: Gestão e

Leia mais

Investor Day Via Varejo. 09 de Dezembro de 2014

Investor Day Via Varejo. 09 de Dezembro de 2014 Investor Day Via Varejo 09 de Dezembro de 2014 Investor Day Via Varejo Agenda 14:30 A Via Varejo Líbano Barroso, CEO 14:50 Apresentação dos Executivos Infraestrutura Marcelo Lopes Operações Jorge Herzog

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

Esgotamento do Funding Tradicional?

Esgotamento do Funding Tradicional? Esgotamento do Funding Tradicional? Novos instrumentos vão vigorar no curto prazo? Gueitiro Matsuo Genso 12ª Conferência Internacional da LARES São Paulo 19 a 21 de setembro, 2012 Agenda Relevância no

Leia mais

Industrialização da Construção em Concreto

Industrialização da Construção em Concreto Industrialização da Construção em Concreto Solução para os novos desafios do Brasil Excelência em gestão da qualidade, meio ambiente e tecnologia, premissa básica para garantir a correta execução de obras

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rodrigo R. Latado Certificação de Soja não-ogm NEGÓCIO Pesquisa, Desenvolvimento e Difusão da Avaliação da Conformidade ALCA Grupo de Negociação

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Política de da Investimento CPFL Energia Social S.A. do Grupo CPFL Energia Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 4 3. Âmbito

Leia mais

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante:

c) Aplicar os princípios de pesquisa operacional mediante: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA HANSENÍASE 1. Atribuições

Leia mais

UNIASSELVI. Paulo de Tarso

UNIASSELVI. Paulo de Tarso UNIASSELVI Paulo de Tarso As primeiras impressões sobre a Uniasselvi são positivas, mas há espaço para implementar controles mais rígidos Administração da Uniasselvi Rotina da equipe local continua em

Leia mais

Contratação de serviços gráficos

Contratação de serviços gráficos Projeto básico Contratação de serviços gráficos Secretaria de Comunicação Social Brasília Agosto de 2008 1. OBJETO DA PROPOSTA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Contratação de empresa especializada na prestação

Leia mais

LUIZ CARLOS FRANKLIN DA SILVA

LUIZ CARLOS FRANKLIN DA SILVA DECRETO Nº. 1.181, EM 27 DE MARÇO DE 2012. INSTITUI O CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES A SEREM PARA O ATENDIMENTO INTEGRAL DOS DISPOSITIVOS CONSTANTES NO MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR

Leia mais

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AÇÕES ESTRATÉGICAS Ações que objetivam, basicamente, o aproveitamento das oportunidades, e potencialidades, bem como a minimização do impacto das ameaças e fragilidades.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADO CNPJ 51.814.960/0001-26. Projeto Básico

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADO CNPJ 51.814.960/0001-26. Projeto Básico Projeto Básico Reforma no fechamento e construção de cobertura de proteção na Escola Municipal Maria do Carmo Balestero Gutierre 1.0 Objeto Trata-se da obra de pintura do muro de fechamento (em alvenaria),

Leia mais

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Esplanada dos Ministérios, Bloco L 70047-902 Brasília DF ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO RIO 92 CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO O QUE É SUSTENTABILIDADE? TRATA-SE DE UM NOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO, QUE BUSCA COMPATIBILIZAR O ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos

Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos Categoria: Projetos Externos Temática: Segundo Setor Resumo: O presente case expõe a aplicabilidade de um projeto externo que desafia as acomodações

Leia mais

Projeto Manutenção SAP Web e Portal TRT

Projeto Manutenção SAP Web e Portal TRT Anexo VIII SOF 46/11 Projeto Manutenção SAP Web e Portal TRT Versão: 2.00 Índice 1 Introdução... 1.1 Objetivo... 1.2 Escopo... 1.3 Definições, Acrônimos e Abreviações... 1.4 Referências... 2 Gerenciamento

Leia mais

PARCERIA INTELIGENTE PARA SUA FROTA E LOGÍSTICA

PARCERIA INTELIGENTE PARA SUA FROTA E LOGÍSTICA PARCERIA INTELIGENTE PARA SUA FROTA E LOGÍSTICA Frota moderna, equipe especializada, infraestrutura e tecnologia não é fácil implementar uma gestão logística eficiente. Para fazer com que ela seja planejada

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIAS DE VALOR: LOGÍSTICA INTEGRADA X SCM

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIAS DE VALOR: LOGÍSTICA INTEGRADA X SCM GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIAS DE VALOR: LOGÍSTICA INTEGRADA X SCM Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Compreender a diferença entre Logística Integrada e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/FNDE/CGETI

Leia mais

A visão empresarial da nova institucionalidade

A visão empresarial da nova institucionalidade Inovação Tecnológica e Segurança Jurídica A visão empresarial da nova institucionalidade José Ricardo Roriz Coelho Diretor Titular Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC Presidente Suzano

Leia mais

Vínculos para a atuação profissional

Vínculos para a atuação profissional Vínculos para a atuação profissional AUT 0520 1 Sem 2016 Prof. Gil Barros Diferença funcionário público e iniciativa privada? Objeto de trabalho: público e privado? Estabilidade no emprego: concurso e

Leia mais

SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR Elza Cristina Giostri elza@sociesc.org.br PROGRAMA Apresentação Diagnóstico de conhecimento e necessidades Conceito Geral Elaboração do relatório

Leia mais

Rabobank International Brazil

Rabobank International Brazil Rabobank International Brazil Política de Gerenciamento de Capital Resolução 3.988/2011 Conteúdo 1. Introdução... 3 Patrimônio de Referência Exigido (PRE)... 3 2. Princípios... 4 3. Papéis e Responsabilidades...

Leia mais

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO OBJETIVOS DESTE ENCONTRO Apresentar e facilitar o entendimento dos Critérios da Modalidade Processo. Entender como demonstrar resultados requeridos nesta modalidade. 2 1 CRONOGRAMA 2010 ATIVIDADE MAR ABR

Leia mais

Índice. Caderno de Exercícios. Modelo GCVC Gestão do Ciclo de Vida dos Contratos Caderno de Exercícios 3ª Edição 2016

Índice. Caderno de Exercícios. Modelo GCVC Gestão do Ciclo de Vida dos Contratos Caderno de Exercícios 3ª Edição 2016 Índice Página Tópico 3 Casos para Exercícios 6 Exercícios Capítulo 1 Introdução à GCVC 9 Exercícios Capítulo 2 Atores 10 Exercícios Capítulo 3a Etapa Pré Contratação 11 Exercícios Capítulo 3b Etapa Contratação

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

Desenvolvimento de Software

Desenvolvimento de Software PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 15ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações Total de Páginas:16 Versão: 1.0 Última Atualização: 26/07/2013 Índice

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Handhelds, Manutenção de Subestação, Tecnologia da Informação.

PALAVRAS-CHAVE Handhelds, Manutenção de Subestação, Tecnologia da Informação. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Utilização de Computadores de Mão (Handheld) pelos Eletricistas da Manutenção de Subestação e Linhas da AES Eletropaulo no Controle de Inspeções e Ordens de

Leia mais

Difusor de Grãos HISTÓRICO DO GRUPO. Componentes: Carlos César Luciano, Rodrigo Sudário Batista, Leandro Rodrigues, Virginia Dias, Fabio Batista.

Difusor de Grãos HISTÓRICO DO GRUPO. Componentes: Carlos César Luciano, Rodrigo Sudário Batista, Leandro Rodrigues, Virginia Dias, Fabio Batista. DIFUSOR DE GRÃOS INTRODUÇÃO O Terminal Integrador Araguari- MG (TIA), uma das soluções logísticas da VLI, começou suas atividades em fevereiro de 2012 com operações de transbordo e armazenagem de grãos

Leia mais

EÓLICA FAÍSA III GERAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013

EÓLICA FAÍSA III GERAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 EÓLICA FAÍSA III GERAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores

Leia mais

Inovações Tecnológicas na Indústria da Construção: Construindo novos rumos em Segurança e Saúde no Trabalho. Engº José Carlos de Arruda Sampaio Diretor da JDL Qualidade, Segurança do Trabalho e Meio Ambiente

Leia mais

Secretaria de Turismo e Lazer da Cidade do Recife

Secretaria de Turismo e Lazer da Cidade do Recife Secretaria de Turismo e Lazer da Cidade do Recife Revisão do Planejamento Estratégico para o período de 2014-2017 Este relatório apresenta os resultados da revisão do Planejamento Estratégico utilizando

Leia mais

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Elzira Leão Trabalho Social/DHAB/DUAP/SNH Ministério

Leia mais

Obrigações Acessórias Eletrônicas no ISSQN. Modelos Conceituais: objetivos desenvolvimento sinergias BHISS Digital

Obrigações Acessórias Eletrônicas no ISSQN. Modelos Conceituais: objetivos desenvolvimento sinergias BHISS Digital Obrigações Acessórias Eletrônicas no ISSQN Modelos Conceituais: objetivos desenvolvimento sinergias BHISS Digital EUGÊNIO VELOSO FERNANDES Gerente de Tributos Mobiliários Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

Relatório Investimento Social - 2013

Relatório Investimento Social - 2013 Relatório Investimento Social - 2013 Divisão de Promoção da Cidadania Empresarial e Projetos com a Sociedade - PCSC Departamento de Responsabilidade Social e Projetos com a Sociedade PCS Sumário Projetos

Leia mais

Unidade de Prospectiva do Trabalho. ção o de Demanda por Educaçã. Prospecçã. ção o Profissional para a. Novembro de 2009

Unidade de Prospectiva do Trabalho. ção o de Demanda por Educaçã. Prospecçã. ção o Profissional para a. Novembro de 2009 Unidade de Prospectiva do Trabalho Prospecçã ção o de Demanda por Educaçã ção o Profissional para a Indústria Brasília Novembro de 2009 Modelo SENAI de Prospecçã ção Prospecçã ção Tecnológica Prospecçã

Leia mais

ANÁLISE DOS CUSTOS DAS OBRAS PÚBLICAS André Mainardes Berezowski Controlador de Recursos Públicos

ANÁLISE DOS CUSTOS DAS OBRAS PÚBLICAS André Mainardes Berezowski Controlador de Recursos Públicos ANÁLISE DOS CUSTOS DAS OBRAS PÚBLICAS André Mainardes Berezowski Controlador de Recursos Públicos Conflito de interesses nas contratações públicas Administrador Público Empresa consultoria Empreiteira

Leia mais

Centro Interamericano de Administrações Tributárias CIAT 46ª. ASAMBLEA GENERAL DEL CIAT

Centro Interamericano de Administrações Tributárias CIAT 46ª. ASAMBLEA GENERAL DEL CIAT Centro Interamericano de Administrações Tributárias CIAT 46ª. ASAMBLEA GENERAL DEL CIAT MELHORAR O DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA: O CONTROLE DE EVASÃO E ASSISTÊNCIA AOS CONTRIBUINTES Subtema 1.3

Leia mais

Seminário Jurídico-Fiscal Visão geral do processo de Qualificação de Empresas

Seminário Jurídico-Fiscal Visão geral do processo de Qualificação de Empresas Seminário Jurídico-Fiscal Visão geral do processo de de Empresas Marcelo Castilho Superintendente-Adjunto de Promoção de Licitações Roteiro Base Legal Processo de Considerações Finais Considerações Finais

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC)

CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC) CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC) Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Objetivos de uma empresa Objetivo principal Pessoas Meios Satisfação das necessidades das pessoas CONSUMIDORES EMPREGADOS ACIONISTAS

Leia mais

ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN

ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN 1.0 Objetivo Promover o planejamento físico-financeiro, acompanhamento e controle das ações de implantação, ampliação e melhoria

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO Renatto Marcello de Araujo Pinto Comitê Gestor da PNRSJT Comissão de Responsabilidade Socioambiental DILEMAS DO DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão SOBRE A EQUIPE A equipe da I9Gestão é formada por consultores experientes, altamente qualificados e apaixonados pelo que fazem. SOBRE A I9Gestão A I9Gestão Consultoria & Treinamento é especializada na

Leia mais

ACSA COMERCIAL DE BENS & CONSULTORIA EMPRESARIAL

ACSA COMERCIAL DE BENS & CONSULTORIA EMPRESARIAL ACSA COMERCIAL DE BENS & CONSULTORIA EMPRESARIAL 1 2 INTRODUÇÃO A economia brasileira nos últimos anos tem desenvolvido um processo de crescimento das diversas classes econômicas. Aproveitando o momento

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD RS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL ESPECIALIZADA EM ANÁLISE DE SISTEMAS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO

PROGRAMA PROREDES BIRD RS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL ESPECIALIZADA EM ANÁLISE DE SISTEMAS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO PROGRAMA PROREDES BIRD RS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL ESPECIALIZADA EM ANÁLISE DE SISTEMAS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO Sumário 1 Objetivo da contratação... 1 2 Antecedentes e

Leia mais

FERRAMENTAS PARA A CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO

FERRAMENTAS PARA A CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO FERRAMENTAS PARA A CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO O MELHOR KNOW-HOW E SOLUÇÕES IT DEDICADAS EXCLUSIVAMENTE PARA O MERCADO DOS PRÉ-MOLDADOS AGORA TAMBÉM NO BRASIL P2000 e LEGOCAD SÃO FERRAMENTAS

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação O PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS E O REGISTRO DE PREÇOS NACIONAL

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação O PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS E O REGISTRO DE PREÇOS NACIONAL Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação O PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS E O REGISTRO DE PREÇOS NACIONAL Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação PAR - Plano de Ações Articuladas O preenchimento

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 6º Encontro - 05/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - SISTEMAS DE PRODUÇÃO - VÍDEOS PARA DEBATE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue:

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Questionamento 1: Tomando como base a definição de que os Conselhos o Federal e os Regionais foram criados por

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE MENSAGEM DO PRESIDENTE A Ética sempre se fez historicamente presente no ambiente corporativo da Schulz S/A, gerando relações exitosas e, por isso, duradouras entre clientes e fornecedores. A elaboração

Leia mais

Decreto Municipal nº 022/2012

Decreto Municipal nº 022/2012 Decreto Municipal nº 022/2012 Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade A- plicada ao Setor

Leia mais

Inovação no Processo de Distribuição de Peças para Manutenção e Logística Reversa

Inovação no Processo de Distribuição de Peças para Manutenção e Logística Reversa Como resultados, podemos auferir aumento do nível de serviço, redução de lead time, reconhecimento formal de performance (Best Supplier Award), confi ança de vendas e mudança cultural e de gestão. Crescimento

Leia mais